SlideShare uma empresa Scribd logo
QUIZ
SIMULADO ONLINE
1. LEIA O TEXTO ABAIXO:
O disfarce dos bichos
Você já tentou pegar um galhinho seco e
ele virou bicho, abriu asas e voou? Se isso
aconteceu é porque o graveto era um inseto
conhecido como “bicho-pau”. Ele é tão parecido
com o galhinho, que pode ser confundido com o
graveto.
Existem lagartas que se parecem com
raminhos de plantas. E há grilos que imitam
folhas. Muitos animais ficam com a cor e a forma
dos lugares em que estão. Eles fazem isso para
se defender dos inimigos ou capturar outros
bichos que servem de alimento. Esses truques
são chamados de mimetismo, isto é, imitação.
O cientista inglês Henry Walter Bates foi quem
descobriu o mimetismo. Ele passou 11 anos na
selva amazônica estudando os animais.
MAVIAEL MONTEIRO, José. Bichos que usam
disfarces para defesa. FOLHINHA, 6 NOV. 1993.
O bicho-pau se parece com:
(A) florzinha seca.
(B) folhinha verde.
(C) galinho seco.
(D) raminho de planta.
02. LEIA O TEXTO ABAIXO:
Ao compararmos os dois convites notamos que
são diferentes porque:
(A)os dois pertencem ao mundo real.
(B)os dois pertencem ao mundo imaginário.
(C)apenas o primeiro convite pertence ao mundo
real.
(D)os dois têm as mesmas informações para os
convidados.
03. LEIA O TEXTO ABAIXO
A Costureira das Fadas
Depois do jantar, o príncipe levou Narizinho
à casa da melhor costureira do reino. Era uma
aranha de Paris, que sabia fazer vestidos lindos,
lindos até não poder mais! Ela mesma tecia a
fazenda, ela mesma inventava as modas.
– Dona Aranha – disse o príncipe – quero
que faça para esta ilustre dama o vestido mais
bonito do mundo. Vou dar uma grande festa em
sua honra e quero vê-la deslumbrar a corte.
Disse e retirou-se. Dona Aranha tomou da
fita métrica e, ajudada por seis aranhinhas muito
espertas, principiou a tomar as medidas. Depois
teceu depressa, depressa, uma fazenda cor-de-
rosa com estrelinhas douradas, a coisa mais linda
que se possa imaginar. Teceu também peças de
fita e peças de renda e de entremeio — até
carretéis de linha de seda fabricou.
MONTEIRO LOBATO, José Bento. Reinações de Narizinho. São
Paulo: Brasiliense, 1973.
O príncipe quer dar um vestido para
Narizinho porque:
(A) ela deseja ter um vestido de baile.
(B) o príncipe vai se casar com
Narizinho.
(C) ela deseja um vestido cor-de-rosa.
(D) o príncipe fará uma festa para
Narizinho.
04. LEIA O TEXTO ABAIXO.
No 3º quadrinho, a expressão do personagem e sua
fala "AHHH!" indica que ele ficou:
(A) acanhado.
(B) aterrorizado.
(C) decepcionado.
(D) estressado.
05. Leia o texto abaixo.
Continho
Era uma vez um menino triste, magro e barrigudinho. Na soalheira danada de meio-
dia, ele estava sentado na poeira do caminho, imaginando bobagem, quando passou um
vigário a cavalo.
— Você, aí, menino, para onde vai essa estrada?
— Ela não vai não: nós é que vamos nela.
— Engraçadinho duma figa! Como você se chama?
— Eu não me chamo, não, os outros é que me chamam de Zé.
MENDES CAMPOS, Paulo, Para gostar de ler - Crônicas. São Paulo: Ática, 1996,
v. 1 p. 76.
Há traço de humor no trecho:
(A) “Era uma vez um menino triste, magro”. (ℓ. 1)
(B) “ele estava sentado na poeira do caminho”. (ℓ. 3)
(C) “quando passou um vigário”. (ℓ. 4)
(D) “Ela não vai não: nós é que vamos nela”. (ℓ. 7)
06. LEIA O TEXTO ABAIXO.
07. LEIA O TEXTO ABAIXO.
A menina do texto:
(A) chora de tristeza ao verificar que está trocando dentes.
(B) está trocando seus dentes de leite e não gosta disso.
(C) reclama da dor que sente ao trocar os dentes.
(D) usa o espelho para observar a beleza dos seus dentes.
08. LEIA O TEXTO ABAIXO
O texto tem a finalidade de:
(A) dar uma informação.
(B) fazer uma propaganda.
(C) registrar um acontecimento.
(D) transmitir um ensinamento.
09. Leia o texto abaixo.
Receita de espantar a tristeza
Faça uma careta
E mande a tristeza
Pra longe, pro outro lado
Do mar ou da lua
Vá para o meio da rua
E plante bananeira
Faça alguma besteira
Depois estique os braços
Apanhe a primeira estrela
E procure o melhor amigo
Para um longo e apertado abraço
Roseana Murray. Receitas de olhar. São Paulo: FTD,
1997.
Os versos do poema que expressam o
significado da expressão “espantar a tristeza”,
presente no título do texto, é
(A) “Vá para o meio da rua
E plante bananeira”
(B) “Depois estique os braços
Apanhe a primeira estrela”
(C) “E mande a tristeza
Pra longe, pro outro lado”
(D) “E procure o melhor amigo
Para um longo e apertado abraço”
10. Leia o texto abaixo.
A raposa e as uvas
Uma raposa passou por baixo de uma parreira carregada de lindas uvas.
Ficou logo com muita vontade de apanhar as uvas para comer.
Deu muitos saltos, tentou subir na parreira, mas não conseguiu.
Depois de muito tentar foi-se embora, dizendo:
— Eu nem estou ligando para as uvas. Elas estão verdes mesmo...
ROCHA, Ruth. Fábula de Esopo. São Paulo, FTD, 1992.
O motivo por que a raposa não conseguiu apanhar as uvas foi que:
(A) as uvas ainda estavam verdes.
(B) a parreira era muito alta.
(C) a raposa não quis subir na parreira.
(D) as uvas eram poucas.
Leia o texto abaixo:
QUEM INVENTOU A BÚSSOLA?
Foram os chineses, há mais de mil anos. No começo, ela tinha o formato
de uma colher e apontava sempre para o sul, por isso era chamada de a
colher-que-aponta-o-sul. Hoje, esse instrumento possui uma agulha que
aponta sempre para o norte.
Revista Recreio, Ed. Abril, ano 2. 7 jun. 2001.
11- De acordo com o texto, as primeiras bússolas apontavam sempre
para o
A) Sul.
B) Leste.
C) Norte.
D) Oeste
• Leia o texto abaixo:
Um cardápio variado
Os besouros estão em toda parte do planeta. Para eles, a natureza é uma fonte
inesgotável de alimentos. Veja só: O serra pau tem esse nome porque se alimenta de
madeira. Uma espécie é chamada de rola-bosta, por sua preferência por excrementos,
enquanto outra tem hábitos mais “refinados”, pois só come pétalas de flores.
O bicudo e a broca são terríveis para a lavoura do algodão; o bicudo come a flor antes
dela abrir-se, enquanto a broca ataca a raiz, enfraquecendo a planta.
A joaninha, que também é um besouro, ajuda a combater as pragas das plantações.
Ela chega a comer cerca de 20 pulgões por dia.
Há também besouros que adoram uma biblioteca, mas ali não vão para uma boa
leitura, e sim para devorar os livros. Nesse caso, são as suas larvas que perfuram as
capas dos livros, causando o maior estrago.
12- O besouro que prejudica a agricultura é o:
A) Serra pau.
B) Bicudo.
C) Joaninha.
D) Rola-bosta
Leia o Texto
PRINCESA NENÚFAR ELFO-ELFA
Nasceu já bem pálida, de olhos claros e cabelos loiros,
quase brancos. Foi se tornando invisível já na infância e
viveu o resto da vida num castelo malassombrado, com
fantasmas amigos da família. Dizem que é muito bonita,
mas é bem difícil de se saber se é verdade.
SOUZA, Flávio de. Príncipes e princesas, sapos e lagartos. Histórias modernas de tempos antigos. Editora FTD, p. 16.
Fragmento.
13- A opinião das pessoas sobre a princesa é de que ela
(A)é muito bonita.
(B)Vive num castelo.
(C)é pálida, de olhos claros.
(D)tem cabelos quase brancos.
Leia o Texto
14. No trecho “Se a gente
bobear, ela volta.”,
a palavra ela substitui a
palavra:
(A)dengue.
(B)gente.
(C)briga.
(D)hora.
Leia o texto
FEIJOADA
Nasceu nas senzalas que
abrigavam os escravos no Rio
de Janeiro no final do século
XIX. Quando os nobres
matavam um porco, os restos
indesejados – pés, orelhas,
rabo e tripas – eram dados aos
escravos. Eles misturavam
tudo isso ao feijão durante o
cozimento e colocavam farinha
assada por cima antes de
15. A finalidade desse texto
é:
(A)informar sobre a origem
da feijoada.
(B)Ensinar a fazer uma
feijoada.
(C)Convidar para uma
feijoada.
(D)Divulgar uma feijoada
O Leão e o Rato
Estava um rato prestes a ser devorado por um gato faminto quando um leão que passava
por perto, comovido com seu desespero, espantou o gato pra longe. Refeito do susto, o ratinho
agradeceu:
— Muito obrigado por salvar minha vida, majestade. O senhor é o rei da floresta e nãoprecisaria se
incomodar com um ser tão insignificante como eu. Mas um dia eu hei de lhe
retribuir este favor.
O leão, que não havia feito aquilo pensando em recompensa, seguiu o seu caminho:
— Pobre ratinho, como poderia ele retribuir um favor ao rei dos animais?
No dia seguinte, o leão estava andando distraído quando pisou numa rede estendida para
aprisioná-lo. Assim que pôs a pata na armadilha, a rede se fechou sobre o seu corpo.
— Ai de mim. Ficarei aqui a noite inteira até que cheguem os caçadores e me matem sem
dó nem piedade.
Eis que pela estrada vem passando o ratinho seu amigo. Ao ver o leão naquela situação,
prontificou-se no mesmo instante:
— É já que vou retribuir o favor que você me fez. E pôs-se a roer as cordas até livrar o leão da rede dos
caçadores.
16- O que fez com essa história acontecesse?
A) O leão cair numa armadilha.
B) O leão ter salvado o rato.
C) O rato livrar o leão da armadilha.
D) Os caçadores pegarem o leão.
Leia o texto abaixo.
O asno e a carga de sal
Um asno carregado de sal atravessava um rio. Um passo em falso e ei-lo
dentro da água. O sal então derreteu e o asno se levantou mais leve.
Ficou todo feliz. Um pouco depois, estando carregado de esponja às
margens do mesmo rio, pensou que se caísse de novo ficaria mais leve e
caiu de propósito nas águas. O que aconteceu? As esponjas ficaram
encharcadas e, impossibilitado de se erguer, o asno morreu afogado.
Moral: Algumas pessoas são vítimas de suas próprias artimanhas.
17- No desfecho dessa narrativa, o asno
A) atravessou um rio.
B) caiu dentro da água.
C) ficou todo feliz.
D) morreu afogado.
Leia o texto abaixo.
Potyra
A linda e meiga Potyra amava o jovem e valente chefe da tribo, o guerreiro Itajibá, o braço
de pedra. Ambos encontravam-se frequentemente nas areias brancas do rio, onde
permaneciam durante horas [...]
Certo dia veio a guerra. A tribo foi atacada por inimigos, partindo Itajibá para a luta.
Ansiosa, Potyra esperava sua volta, caminhando às margens do rio.
Muito tempo depois, os guerreiros regressaram, informando à jovem que o chefe guerreiro
havia morrido. Inconsolável, Potyra voltava todos os dias à praia a chorar sua grande
perda. Sensibilizado com sua dor, Tupã, o deus do bem, transformou suas lágrimas em
diamantes. Desta maneira, as águas levavam as preciosas pedrinhas até a sepultura do
guerreiro, como prova de seu amor.
O que acontece no desfecho dessa história?
A) A tribo é atacada por inimigos e Itajibá vai para a luta.
B) Potyra espera ansiosamente a volta de seu amado Itajibá.
C) Potyra e Itajibá encontram-se nas areias brancas do rio.
D) Tupã transforma as lágrimas de Potyra em diamantes.
A cigarra que queria trabalhar
Ela cresceu ouvindo dizer que sua mãe era preguiçosa porque passava os dias cantando, sem se
preocupar com o futuro. Ao chegar à adolescência resolveu que sua vida seria diferente, pois, tal como
a formiga, iria trabalhar.
Foi até o formigueiro falar com a rainha das formigas para pedir orientação. Lá chegando foi muito bem
recebida pela rainha que lhe perguntou por que tanta preocupação. Ela então explicou à rainha que
queria arranjar um bom trabalho que lhe garantisse um futuro confortável.
A rainha então lhe perguntou:
— Mas você não sabe cantar?
— Sei sim, respondeu-lhe a cigarra, dizem até que minha voz é muito linda. Mas tenho medo de, no
futuro, não ter alimentos e um bom abrigo para as noites de frio.
Disse-lhe então a rainha:
— Antes de morrer, sua mãe alegrava nossas tardes de verão cantando sem parar. Como sabe,
estamos sempre trabalhando. As canções de sua mãe eram tão lindas que conseguiam aliviar nosso
cansaço [...]
19- O que fez com que essa história acontecesse foi o fato de
A) a cigarra possuir uma linda voz.
B) a cigarra resolver que iria trabalhar.
C) a rainha das formigas elogiar as canções da cigarra.
D) as formigas arranjarem um trabalho para a cigarra.
Leia o texto abaixo.
Herança
Era uma vez dois irmãos. O pai deles morreu e eles herdaram duas vacas. Depois do enterro
foram dividir a herança:
— Zé, como vamos fazer para saber qual e a tua vaca e qual é a minha?
— Tunico, tive uma ideia. Eu corto a orelha da minha vaca. A vaca com a orelha e tua, e a sem
orelha e minha.
E assim fizeram. Mas eles tinham um vizinho que adorava trapaça os outros e de noite ele foi lá
e cortou a orelha da outra vaca. De manhã os irmãos entraram em pânico:
— E agora Zé? O que a gente faz?
Vamos cortar os chifres. A vaca com chifre e tua e a sem chifre e minha.
Novamente o vizinho foi lá e cortou o chifre da outra vaca. Na manhã seguinte, novo pânico.
— Dessa vez, Zé?
— O rabo, Tunico.
Cortaram o rabo de uma das vacas, mas o vizinho malvado foi lá e cortou o rabo da outra vaca.
Os dois irmãos se desesperaram:
— O que fazer? [...]
20- O fato que deu início a essa narrativa foi:
A) o vizinho cortar a orelha da outra vaca.
B) o vizinho malvado cortar o rabo da outra vaca.
C) os dois irmãos cortarem os chifres da vaca.
D) os dois irmãos herdarem duas vacas.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a QUIZ generos textuais para preparação para o spaece

Simulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º anoSimulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º ano
Cidinha Paulo
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
Edmeyre Souza Ferreira
 
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Mary Alvarenga
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
Mara Sueli
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
Carla Cucoloto
 
portugues.doc
portugues.docportugues.doc
portugues.doc
Tuca Digdinilis
 
Avaliação da aprendizagem 7 anojv
Avaliação da aprendizagem 7 anojvAvaliação da aprendizagem 7 anojv
Avaliação da aprendizagem 7 anojv
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação da aprendizagem 7 anocs
Avaliação da aprendizagem 7 anocsAvaliação da aprendizagem 7 anocs
Avaliação da aprendizagem 7 anocs
Atividades Diversas Cláudia
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Roseli Aparecida Tavares
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
P04_SITE.pdf
P04_SITE.pdfP04_SITE.pdf
P04_SITE.pdf
Caroline Assis
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLOSIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Apresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 anoApresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 ano
sezalpina1
 
Simulado 01 novo
Simulado 01 novoSimulado 01 novo
Simulado 01 novo
Benigno Andrade Vieira
 
Saresp 2010
Saresp 2010Saresp 2010
Saresp 2010
Vanessa Meira
 
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 efAvaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
Marcia Oliveira
 
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua PortuguesaSIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
Paula Meyer Piagentini
 
Simulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º anoSimulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º ano
profronaldopompeu
 

Semelhante a QUIZ generos textuais para preparação para o spaece (20)

Simulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º anoSimulado 01 (port. 5º ano
Simulado 01 (port. 5º ano
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
 
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
 
8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp8. diagnostico _5ano_lp
8. diagnostico _5ano_lp
 
portugues.doc
portugues.docportugues.doc
portugues.doc
 
Avaliação da aprendizagem 7 anojv
Avaliação da aprendizagem 7 anojvAvaliação da aprendizagem 7 anojv
Avaliação da aprendizagem 7 anojv
 
Avaliação da aprendizagem 7 anocs
Avaliação da aprendizagem 7 anocsAvaliação da aprendizagem 7 anocs
Avaliação da aprendizagem 7 anocs
 
Simulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabaritoSimulado Saresp com descritores e gabarito
Simulado Saresp com descritores e gabarito
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE LÍNGUA PORUGUESA
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO 2º CICLO - 4º BIMESTRE
 
P04_SITE.pdf
P04_SITE.pdfP04_SITE.pdf
P04_SITE.pdf
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTREAVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5º ANO - 3º BIMESTRE
 
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLOSIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
SIMULADO DE LÍNGUA PORTUGUESA: 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I - II CICLO
 
Apresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 anoApresentação spaece de português para 5 ano
Apresentação spaece de português para 5 ano
 
Simulado 01 novo
Simulado 01 novoSimulado 01 novo
Simulado 01 novo
 
Saresp 2010
Saresp 2010Saresp 2010
Saresp 2010
 
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 efAvaliacao diagnostica lp 7 ef
Avaliacao diagnostica lp 7 ef
 
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua PortuguesaSIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
SIMULADO SARESP - Língua Portuguesa
 
Simulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º anoSimulado spaece 1º ano
Simulado spaece 1º ano
 

Último

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 

Último (20)

CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 

QUIZ generos textuais para preparação para o spaece

  • 2. 1. LEIA O TEXTO ABAIXO: O disfarce dos bichos Você já tentou pegar um galhinho seco e ele virou bicho, abriu asas e voou? Se isso aconteceu é porque o graveto era um inseto conhecido como “bicho-pau”. Ele é tão parecido com o galhinho, que pode ser confundido com o graveto. Existem lagartas que se parecem com raminhos de plantas. E há grilos que imitam folhas. Muitos animais ficam com a cor e a forma dos lugares em que estão. Eles fazem isso para se defender dos inimigos ou capturar outros bichos que servem de alimento. Esses truques são chamados de mimetismo, isto é, imitação. O cientista inglês Henry Walter Bates foi quem descobriu o mimetismo. Ele passou 11 anos na selva amazônica estudando os animais. MAVIAEL MONTEIRO, José. Bichos que usam disfarces para defesa. FOLHINHA, 6 NOV. 1993. O bicho-pau se parece com: (A) florzinha seca. (B) folhinha verde. (C) galinho seco. (D) raminho de planta.
  • 3. 02. LEIA O TEXTO ABAIXO: Ao compararmos os dois convites notamos que são diferentes porque: (A)os dois pertencem ao mundo real. (B)os dois pertencem ao mundo imaginário. (C)apenas o primeiro convite pertence ao mundo real. (D)os dois têm as mesmas informações para os convidados.
  • 4. 03. LEIA O TEXTO ABAIXO A Costureira das Fadas Depois do jantar, o príncipe levou Narizinho à casa da melhor costureira do reino. Era uma aranha de Paris, que sabia fazer vestidos lindos, lindos até não poder mais! Ela mesma tecia a fazenda, ela mesma inventava as modas. – Dona Aranha – disse o príncipe – quero que faça para esta ilustre dama o vestido mais bonito do mundo. Vou dar uma grande festa em sua honra e quero vê-la deslumbrar a corte. Disse e retirou-se. Dona Aranha tomou da fita métrica e, ajudada por seis aranhinhas muito espertas, principiou a tomar as medidas. Depois teceu depressa, depressa, uma fazenda cor-de- rosa com estrelinhas douradas, a coisa mais linda que se possa imaginar. Teceu também peças de fita e peças de renda e de entremeio — até carretéis de linha de seda fabricou. MONTEIRO LOBATO, José Bento. Reinações de Narizinho. São Paulo: Brasiliense, 1973. O príncipe quer dar um vestido para Narizinho porque: (A) ela deseja ter um vestido de baile. (B) o príncipe vai se casar com Narizinho. (C) ela deseja um vestido cor-de-rosa. (D) o príncipe fará uma festa para Narizinho.
  • 5. 04. LEIA O TEXTO ABAIXO. No 3º quadrinho, a expressão do personagem e sua fala "AHHH!" indica que ele ficou: (A) acanhado. (B) aterrorizado. (C) decepcionado. (D) estressado.
  • 6. 05. Leia o texto abaixo. Continho Era uma vez um menino triste, magro e barrigudinho. Na soalheira danada de meio- dia, ele estava sentado na poeira do caminho, imaginando bobagem, quando passou um vigário a cavalo. — Você, aí, menino, para onde vai essa estrada? — Ela não vai não: nós é que vamos nela. — Engraçadinho duma figa! Como você se chama? — Eu não me chamo, não, os outros é que me chamam de Zé. MENDES CAMPOS, Paulo, Para gostar de ler - Crônicas. São Paulo: Ática, 1996, v. 1 p. 76. Há traço de humor no trecho: (A) “Era uma vez um menino triste, magro”. (ℓ. 1) (B) “ele estava sentado na poeira do caminho”. (ℓ. 3) (C) “quando passou um vigário”. (ℓ. 4) (D) “Ela não vai não: nós é que vamos nela”. (ℓ. 7)
  • 7. 06. LEIA O TEXTO ABAIXO.
  • 8. 07. LEIA O TEXTO ABAIXO. A menina do texto: (A) chora de tristeza ao verificar que está trocando dentes. (B) está trocando seus dentes de leite e não gosta disso. (C) reclama da dor que sente ao trocar os dentes. (D) usa o espelho para observar a beleza dos seus dentes.
  • 9. 08. LEIA O TEXTO ABAIXO O texto tem a finalidade de: (A) dar uma informação. (B) fazer uma propaganda. (C) registrar um acontecimento. (D) transmitir um ensinamento.
  • 10. 09. Leia o texto abaixo. Receita de espantar a tristeza Faça uma careta E mande a tristeza Pra longe, pro outro lado Do mar ou da lua Vá para o meio da rua E plante bananeira Faça alguma besteira Depois estique os braços Apanhe a primeira estrela E procure o melhor amigo Para um longo e apertado abraço Roseana Murray. Receitas de olhar. São Paulo: FTD, 1997. Os versos do poema que expressam o significado da expressão “espantar a tristeza”, presente no título do texto, é (A) “Vá para o meio da rua E plante bananeira” (B) “Depois estique os braços Apanhe a primeira estrela” (C) “E mande a tristeza Pra longe, pro outro lado” (D) “E procure o melhor amigo Para um longo e apertado abraço”
  • 11. 10. Leia o texto abaixo. A raposa e as uvas Uma raposa passou por baixo de uma parreira carregada de lindas uvas. Ficou logo com muita vontade de apanhar as uvas para comer. Deu muitos saltos, tentou subir na parreira, mas não conseguiu. Depois de muito tentar foi-se embora, dizendo: — Eu nem estou ligando para as uvas. Elas estão verdes mesmo... ROCHA, Ruth. Fábula de Esopo. São Paulo, FTD, 1992. O motivo por que a raposa não conseguiu apanhar as uvas foi que: (A) as uvas ainda estavam verdes. (B) a parreira era muito alta. (C) a raposa não quis subir na parreira. (D) as uvas eram poucas.
  • 12. Leia o texto abaixo: QUEM INVENTOU A BÚSSOLA? Foram os chineses, há mais de mil anos. No começo, ela tinha o formato de uma colher e apontava sempre para o sul, por isso era chamada de a colher-que-aponta-o-sul. Hoje, esse instrumento possui uma agulha que aponta sempre para o norte. Revista Recreio, Ed. Abril, ano 2. 7 jun. 2001. 11- De acordo com o texto, as primeiras bússolas apontavam sempre para o A) Sul. B) Leste. C) Norte. D) Oeste
  • 13. • Leia o texto abaixo: Um cardápio variado Os besouros estão em toda parte do planeta. Para eles, a natureza é uma fonte inesgotável de alimentos. Veja só: O serra pau tem esse nome porque se alimenta de madeira. Uma espécie é chamada de rola-bosta, por sua preferência por excrementos, enquanto outra tem hábitos mais “refinados”, pois só come pétalas de flores. O bicudo e a broca são terríveis para a lavoura do algodão; o bicudo come a flor antes dela abrir-se, enquanto a broca ataca a raiz, enfraquecendo a planta. A joaninha, que também é um besouro, ajuda a combater as pragas das plantações. Ela chega a comer cerca de 20 pulgões por dia. Há também besouros que adoram uma biblioteca, mas ali não vão para uma boa leitura, e sim para devorar os livros. Nesse caso, são as suas larvas que perfuram as capas dos livros, causando o maior estrago. 12- O besouro que prejudica a agricultura é o: A) Serra pau. B) Bicudo. C) Joaninha. D) Rola-bosta
  • 14. Leia o Texto PRINCESA NENÚFAR ELFO-ELFA Nasceu já bem pálida, de olhos claros e cabelos loiros, quase brancos. Foi se tornando invisível já na infância e viveu o resto da vida num castelo malassombrado, com fantasmas amigos da família. Dizem que é muito bonita, mas é bem difícil de se saber se é verdade. SOUZA, Flávio de. Príncipes e princesas, sapos e lagartos. Histórias modernas de tempos antigos. Editora FTD, p. 16. Fragmento. 13- A opinião das pessoas sobre a princesa é de que ela (A)é muito bonita. (B)Vive num castelo. (C)é pálida, de olhos claros. (D)tem cabelos quase brancos.
  • 15. Leia o Texto 14. No trecho “Se a gente bobear, ela volta.”, a palavra ela substitui a palavra: (A)dengue. (B)gente. (C)briga. (D)hora.
  • 16. Leia o texto FEIJOADA Nasceu nas senzalas que abrigavam os escravos no Rio de Janeiro no final do século XIX. Quando os nobres matavam um porco, os restos indesejados – pés, orelhas, rabo e tripas – eram dados aos escravos. Eles misturavam tudo isso ao feijão durante o cozimento e colocavam farinha assada por cima antes de 15. A finalidade desse texto é: (A)informar sobre a origem da feijoada. (B)Ensinar a fazer uma feijoada. (C)Convidar para uma feijoada. (D)Divulgar uma feijoada
  • 17. O Leão e o Rato Estava um rato prestes a ser devorado por um gato faminto quando um leão que passava por perto, comovido com seu desespero, espantou o gato pra longe. Refeito do susto, o ratinho agradeceu: — Muito obrigado por salvar minha vida, majestade. O senhor é o rei da floresta e nãoprecisaria se incomodar com um ser tão insignificante como eu. Mas um dia eu hei de lhe retribuir este favor. O leão, que não havia feito aquilo pensando em recompensa, seguiu o seu caminho: — Pobre ratinho, como poderia ele retribuir um favor ao rei dos animais? No dia seguinte, o leão estava andando distraído quando pisou numa rede estendida para aprisioná-lo. Assim que pôs a pata na armadilha, a rede se fechou sobre o seu corpo. — Ai de mim. Ficarei aqui a noite inteira até que cheguem os caçadores e me matem sem dó nem piedade. Eis que pela estrada vem passando o ratinho seu amigo. Ao ver o leão naquela situação, prontificou-se no mesmo instante: — É já que vou retribuir o favor que você me fez. E pôs-se a roer as cordas até livrar o leão da rede dos caçadores. 16- O que fez com essa história acontecesse? A) O leão cair numa armadilha. B) O leão ter salvado o rato. C) O rato livrar o leão da armadilha. D) Os caçadores pegarem o leão.
  • 18. Leia o texto abaixo. O asno e a carga de sal Um asno carregado de sal atravessava um rio. Um passo em falso e ei-lo dentro da água. O sal então derreteu e o asno se levantou mais leve. Ficou todo feliz. Um pouco depois, estando carregado de esponja às margens do mesmo rio, pensou que se caísse de novo ficaria mais leve e caiu de propósito nas águas. O que aconteceu? As esponjas ficaram encharcadas e, impossibilitado de se erguer, o asno morreu afogado. Moral: Algumas pessoas são vítimas de suas próprias artimanhas. 17- No desfecho dessa narrativa, o asno A) atravessou um rio. B) caiu dentro da água. C) ficou todo feliz. D) morreu afogado.
  • 19. Leia o texto abaixo. Potyra A linda e meiga Potyra amava o jovem e valente chefe da tribo, o guerreiro Itajibá, o braço de pedra. Ambos encontravam-se frequentemente nas areias brancas do rio, onde permaneciam durante horas [...] Certo dia veio a guerra. A tribo foi atacada por inimigos, partindo Itajibá para a luta. Ansiosa, Potyra esperava sua volta, caminhando às margens do rio. Muito tempo depois, os guerreiros regressaram, informando à jovem que o chefe guerreiro havia morrido. Inconsolável, Potyra voltava todos os dias à praia a chorar sua grande perda. Sensibilizado com sua dor, Tupã, o deus do bem, transformou suas lágrimas em diamantes. Desta maneira, as águas levavam as preciosas pedrinhas até a sepultura do guerreiro, como prova de seu amor. O que acontece no desfecho dessa história? A) A tribo é atacada por inimigos e Itajibá vai para a luta. B) Potyra espera ansiosamente a volta de seu amado Itajibá. C) Potyra e Itajibá encontram-se nas areias brancas do rio. D) Tupã transforma as lágrimas de Potyra em diamantes.
  • 20. A cigarra que queria trabalhar Ela cresceu ouvindo dizer que sua mãe era preguiçosa porque passava os dias cantando, sem se preocupar com o futuro. Ao chegar à adolescência resolveu que sua vida seria diferente, pois, tal como a formiga, iria trabalhar. Foi até o formigueiro falar com a rainha das formigas para pedir orientação. Lá chegando foi muito bem recebida pela rainha que lhe perguntou por que tanta preocupação. Ela então explicou à rainha que queria arranjar um bom trabalho que lhe garantisse um futuro confortável. A rainha então lhe perguntou: — Mas você não sabe cantar? — Sei sim, respondeu-lhe a cigarra, dizem até que minha voz é muito linda. Mas tenho medo de, no futuro, não ter alimentos e um bom abrigo para as noites de frio. Disse-lhe então a rainha: — Antes de morrer, sua mãe alegrava nossas tardes de verão cantando sem parar. Como sabe, estamos sempre trabalhando. As canções de sua mãe eram tão lindas que conseguiam aliviar nosso cansaço [...] 19- O que fez com que essa história acontecesse foi o fato de A) a cigarra possuir uma linda voz. B) a cigarra resolver que iria trabalhar. C) a rainha das formigas elogiar as canções da cigarra. D) as formigas arranjarem um trabalho para a cigarra.
  • 21. Leia o texto abaixo. Herança Era uma vez dois irmãos. O pai deles morreu e eles herdaram duas vacas. Depois do enterro foram dividir a herança: — Zé, como vamos fazer para saber qual e a tua vaca e qual é a minha? — Tunico, tive uma ideia. Eu corto a orelha da minha vaca. A vaca com a orelha e tua, e a sem orelha e minha. E assim fizeram. Mas eles tinham um vizinho que adorava trapaça os outros e de noite ele foi lá e cortou a orelha da outra vaca. De manhã os irmãos entraram em pânico: — E agora Zé? O que a gente faz? Vamos cortar os chifres. A vaca com chifre e tua e a sem chifre e minha. Novamente o vizinho foi lá e cortou o chifre da outra vaca. Na manhã seguinte, novo pânico. — Dessa vez, Zé? — O rabo, Tunico. Cortaram o rabo de uma das vacas, mas o vizinho malvado foi lá e cortou o rabo da outra vaca. Os dois irmãos se desesperaram: — O que fazer? [...] 20- O fato que deu início a essa narrativa foi: A) o vizinho cortar a orelha da outra vaca. B) o vizinho malvado cortar o rabo da outra vaca. C) os dois irmãos cortarem os chifres da vaca. D) os dois irmãos herdarem duas vacas.