SlideShare uma empresa Scribd logo
EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS TÁTICOS DAS DEZESSEIS MELHORES
         SELEÇÕES DA COPA DO MUNDO DE FUTEBOL – 2010
Daniel Alves Ferreira Junior1, Rodrigo Monteiro de Souza2 e Marcelo da Costa Gomes3.
professordaniel_93@hotmail.com

Introdução:
De acordo com Drubscky (2003) sistema tático é o conjunto das táticas que determinam
as ações e características de uma equipe como um todo em campo. Por convenção, são
adotadas denominações numéricas, 4-3-3, 3-5-2 ou 4-4-2, por exemplo. Atrás desses
números está tudo o que envolve o sistema tático de determinada equipe. As
performances de alta qualidade dos setores ofensivo e defensivo de uma equipe de
futebol, não se atingem com o número elevado de atacantes ou defensores em campo, e
sim por meio de uma armação inteligente e equilibrada do sistema tático (DRUBSCKY,
2003 p. 92). É unânime que o Futebol hoje é jogado numa velocidade muito maior, que a
força ganhou espaço de destaque, a precisão na execução dos fundamentos do jogo
nesse novo contexto também é diferente, assim como as exigências em relação ao
posicionamento e aos deslocamentos do jogador no campo de jogo. Desta forma, é
possível afirmar no Futebol atual que o sistema tático escolhido ainda seja o diferencial
para a obtenção de vitórias? É possível afirmar, nos dias de hoje, que uma equipe venceu
a partida ou o campeonato por ter escolhido o melhor sistema? Qual seria o melhor
sistema?
Metodologia e Objetivos:
Essa pesquisa descritiva em seu caráter quantitativo através de estatística simples
pretende estabelecer a prevalência de utilização dos sistemas táticos e em caráter
qualitativo verificar a ocorrência de maior número de vitórias e gols marcados de cada
sistema a partir das oitavas de final na copa do mundo 2010 – África do Sul.
Resultados:
Especificamente no caso da Copa do Mundo 2010, o sistema 4-5-1, utilizado nas fases
finais pela equipe campeã, prevaleceu.
                                              Prevalência dos Sistemas
                                      7

                                      6
                                      5

                                      4                                             4   3   3
                                                                                    4   4   2
                                      3                                             4   5   1
                                                                                    5   4   1
                                      2

                                      1

                                      0
                                                Quartas de final           Finais
                                       Oitavas de final      Semi-finais



 Em análise dos resultados das partidas, percebe-se que o sistema 4-5-1 obteve o maior
percentual, chegando a 37,5% das vitórias das fases eliminatórias, contra 31,5% do
sistema 4-4-2, 25% do 4-3-3 e apenas 6,25% do 5-4-1.



1 Mestre em Ensino de Ciências da Saúde e do Meio Ambiente – Professor Responsável UniFOA.
2 Especialista em Fisiologia do Exercício pelo CEFE- UNIFESP/EPM – Professor Voluntário UniFOA.
3 Bacharel em Educação Física – UniFOA.
Percentual de Vitórias por sistema




                                                                     433
                                 451

                                                                              541
                                                          442




                                                  1   2   3   4




Soma-se a esse fato, a equipe que sagrou-se campeã da copa (Espanha), ter utilizado
justamente esse sistema a partir das Semi-finais. O que poderia significar que esse
sistema favorece a obtenção dos resultados. É importante ressaltar que o 4-5-1 espanhol
nas fases eliminatórias obteve uma média de 1,0 gol por jogo sem que sofresse sequer
um gol. Reafirmando o possível equilíbrio estabelecido pela escolha do sistema.

                        Número de Gols marcados por sistema
                        12

                        10

                         8
                                                                              433
                         6                                                    442
                                                                              451
                         4                                                    541


                         2

                         0
                                   Quartas de final                  Finais
                         Oitavas de final       Semi-finais



Conclusões:
Os resultados apresentados apontam para uma tendência mundial de utilização dos
sistemas com quatro zagueiros. Acredita-se que as coberturas no sistema defensivo
funcionam melhor do que nos sistemas que utilizam três zagueiros. Em relação ao meio
campo a tendência apresentada pela pesquisa é de utilização dos sistemas com cinco
jogadores, numa tentativa de aumentar a compactação defensiva e congestionar o setor
de armação de jogadas, dificultando a construção das jogadas de ataque por parte dos
adversários. Já no ataque a tendência é para a utilização de apenas um atacante de
ofício. Entretanto é importante ressaltar que o que torna uma equipe mais ofensiva ou
defensiva não parece ser o sistema utilizado. Pois é comum uma equipe utilizar um
atacante apenas, mas com dois meias atacantes que aproximam muito da área de ataque
(como o exemplo da Alemanha e Espanha). Ou até uma equipe que opta por três
atacantes, mas os mesmos retornam na marcação dos volantes e dos laterais adversários
(como o exemplo da Holanda).

Referências Bibliográficas:

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Cardiovasculardommanha2
Cardiovasculardommanha2Cardiovasculardommanha2
Cardiovasculardommanha2
Rodrigo Monteiro
 
Infecções Microbianas - Imunologia
Infecções Microbianas  - ImunologiaInfecções Microbianas  - Imunologia
Infecções Microbianas - Imunologia
Fisio Unipampa
 
Envelhecimento e exercício físico
Envelhecimento e exercício físicoEnvelhecimento e exercício físico
Envelhecimento e exercício físico
Carla Nascimento
 
Posfisiocardiorresp sabmanha
Posfisiocardiorresp sabmanhaPosfisiocardiorresp sabmanha
Posfisiocardiorresp sabmanha
Rodrigo Monteiro
 
Sistema circulatoriosábadotarde
Sistema circulatoriosábadotardeSistema circulatoriosábadotarde
Sistema circulatoriosábadotarde
Rodrigo Monteiro
 
Aula 3 - Avanços em evolução.
Aula 3 -  Avanços em evolução.Aula 3 -  Avanços em evolução.
Aula 3 - Avanços em evolução.
bioalvarenga
 
Aula 2 definição tema e problema
Aula 2 definição tema e problemaAula 2 definição tema e problema
Aula 2 definição tema e problema
bioalvarenga
 
Celula eucarionte organelas
Celula eucarionte   organelasCelula eucarionte   organelas
Celula eucarionte organelas
Carla Nascimento
 
Aula 2 - Biologia do século xix
Aula 2 -  Biologia do século xixAula 2 -  Biologia do século xix
Aula 2 - Biologia do século xix
bioalvarenga
 
Aula morfofisiol. S. nervoso
Aula morfofisiol. S. nervosoAula morfofisiol. S. nervoso
Aula morfofisiol. S. nervoso
bioalvarenga
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
Samuel Barbosa
 
Aula de Musculos - Anato
Aula de Musculos - AnatoAula de Musculos - Anato
Aula de Musculos - Anato
Fisio Unipampa
 
Aula 1 avanços do século xviii e xix
Aula 1  avanços do século xviii e xixAula 1  avanços do século xviii e xix
Aula 1 avanços do século xviii e xix
bioalvarenga
 
Gerontologia kairosv9 n1
Gerontologia kairosv9 n1Gerontologia kairosv9 n1
Gerontologia kairosv9 n1
Sander Santiago
 
Aula sobre sistema Neural - Fisiologia
Aula sobre sistema Neural - FisiologiaAula sobre sistema Neural - Fisiologia
Aula sobre sistema Neural - Fisiologia
Fisio Unipampa
 
Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à Administração
Herbert Santana
 
Tecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseo
Tecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseoTecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseo
Tecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseo
Carla Nascimento
 
Cursocref desenvolvimento
Cursocref desenvolvimentoCursocref desenvolvimento
Cursocref desenvolvimento
Rodrigo Monteiro
 
Morfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorialMorfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorial
bioalvarenga
 
Biologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animalBiologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animal
bioalvarenga
 

Destaque (20)

Cardiovasculardommanha2
Cardiovasculardommanha2Cardiovasculardommanha2
Cardiovasculardommanha2
 
Infecções Microbianas - Imunologia
Infecções Microbianas  - ImunologiaInfecções Microbianas  - Imunologia
Infecções Microbianas - Imunologia
 
Envelhecimento e exercício físico
Envelhecimento e exercício físicoEnvelhecimento e exercício físico
Envelhecimento e exercício físico
 
Posfisiocardiorresp sabmanha
Posfisiocardiorresp sabmanhaPosfisiocardiorresp sabmanha
Posfisiocardiorresp sabmanha
 
Sistema circulatoriosábadotarde
Sistema circulatoriosábadotardeSistema circulatoriosábadotarde
Sistema circulatoriosábadotarde
 
Aula 3 - Avanços em evolução.
Aula 3 -  Avanços em evolução.Aula 3 -  Avanços em evolução.
Aula 3 - Avanços em evolução.
 
Aula 2 definição tema e problema
Aula 2 definição tema e problemaAula 2 definição tema e problema
Aula 2 definição tema e problema
 
Celula eucarionte organelas
Celula eucarionte   organelasCelula eucarionte   organelas
Celula eucarionte organelas
 
Aula 2 - Biologia do século xix
Aula 2 -  Biologia do século xixAula 2 -  Biologia do século xix
Aula 2 - Biologia do século xix
 
Aula morfofisiol. S. nervoso
Aula morfofisiol. S. nervosoAula morfofisiol. S. nervoso
Aula morfofisiol. S. nervoso
 
Biologia molecular
Biologia molecularBiologia molecular
Biologia molecular
 
Aula de Musculos - Anato
Aula de Musculos - AnatoAula de Musculos - Anato
Aula de Musculos - Anato
 
Aula 1 avanços do século xviii e xix
Aula 1  avanços do século xviii e xixAula 1  avanços do século xviii e xix
Aula 1 avanços do século xviii e xix
 
Gerontologia kairosv9 n1
Gerontologia kairosv9 n1Gerontologia kairosv9 n1
Gerontologia kairosv9 n1
 
Aula sobre sistema Neural - Fisiologia
Aula sobre sistema Neural - FisiologiaAula sobre sistema Neural - Fisiologia
Aula sobre sistema Neural - Fisiologia
 
Psicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à AdministraçãoPsicologia Aplicada à Administração
Psicologia Aplicada à Administração
 
Tecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseo
Tecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseoTecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseo
Tecido conjuntivo, adiposo, cartilaginoso e osseo
 
Cursocref desenvolvimento
Cursocref desenvolvimentoCursocref desenvolvimento
Cursocref desenvolvimento
 
Morfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorialMorfofisiologia do sistema sensorial
Morfofisiologia do sistema sensorial
 
Biologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animalBiologia da reprodução animal
Biologia da reprodução animal
 

Mais de Rodrigo Monteiro

Rioclarounesp
RioclarounespRioclarounesp
Rioclarounesp
Rodrigo Monteiro
 
Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]
Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]
Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]
Rodrigo Monteiro
 
20090209cienciaonline
20090209cienciaonline20090209cienciaonline
20090209cienciaonline
Rodrigo Monteiro
 
Tcc pos2 2
Tcc pos2  2 Tcc pos2  2
Tcc pos2 2
Rodrigo Monteiro
 
Aspectos psicobiologicos
Aspectos psicobiologicosAspectos psicobiologicos
Aspectos psicobiologicos
Rodrigo Monteiro
 
Resumo footecon09
Resumo footecon09Resumo footecon09
Resumo footecon09
Rodrigo Monteiro
 
Artigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.acelerArtigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.aceler
Rodrigo Monteiro
 

Mais de Rodrigo Monteiro (8)

Rioclarounesp
RioclarounespRioclarounesp
Rioclarounesp
 
Alamaque copas
Alamaque copasAlamaque copas
Alamaque copas
 
Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]
Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]
Artigo 33 005_2008_revista2_5365full[1][1]
 
20090209cienciaonline
20090209cienciaonline20090209cienciaonline
20090209cienciaonline
 
Tcc pos2 2
Tcc pos2  2 Tcc pos2  2
Tcc pos2 2
 
Aspectos psicobiologicos
Aspectos psicobiologicosAspectos psicobiologicos
Aspectos psicobiologicos
 
Resumo footecon09
Resumo footecon09Resumo footecon09
Resumo footecon09
 
Artigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.acelerArtigo completoveloc.aceler
Artigo completoveloc.aceler
 

Poster para cbcf2011 1editado

  • 1. EFICIÊNCIA DOS SISTEMAS TÁTICOS DAS DEZESSEIS MELHORES SELEÇÕES DA COPA DO MUNDO DE FUTEBOL – 2010 Daniel Alves Ferreira Junior1, Rodrigo Monteiro de Souza2 e Marcelo da Costa Gomes3. professordaniel_93@hotmail.com Introdução: De acordo com Drubscky (2003) sistema tático é o conjunto das táticas que determinam as ações e características de uma equipe como um todo em campo. Por convenção, são adotadas denominações numéricas, 4-3-3, 3-5-2 ou 4-4-2, por exemplo. Atrás desses números está tudo o que envolve o sistema tático de determinada equipe. As performances de alta qualidade dos setores ofensivo e defensivo de uma equipe de futebol, não se atingem com o número elevado de atacantes ou defensores em campo, e sim por meio de uma armação inteligente e equilibrada do sistema tático (DRUBSCKY, 2003 p. 92). É unânime que o Futebol hoje é jogado numa velocidade muito maior, que a força ganhou espaço de destaque, a precisão na execução dos fundamentos do jogo nesse novo contexto também é diferente, assim como as exigências em relação ao posicionamento e aos deslocamentos do jogador no campo de jogo. Desta forma, é possível afirmar no Futebol atual que o sistema tático escolhido ainda seja o diferencial para a obtenção de vitórias? É possível afirmar, nos dias de hoje, que uma equipe venceu a partida ou o campeonato por ter escolhido o melhor sistema? Qual seria o melhor sistema? Metodologia e Objetivos: Essa pesquisa descritiva em seu caráter quantitativo através de estatística simples pretende estabelecer a prevalência de utilização dos sistemas táticos e em caráter qualitativo verificar a ocorrência de maior número de vitórias e gols marcados de cada sistema a partir das oitavas de final na copa do mundo 2010 – África do Sul. Resultados: Especificamente no caso da Copa do Mundo 2010, o sistema 4-5-1, utilizado nas fases finais pela equipe campeã, prevaleceu. Prevalência dos Sistemas 7 6 5 4 4 3 3 4 4 2 3 4 5 1 5 4 1 2 1 0 Quartas de final Finais Oitavas de final Semi-finais Em análise dos resultados das partidas, percebe-se que o sistema 4-5-1 obteve o maior percentual, chegando a 37,5% das vitórias das fases eliminatórias, contra 31,5% do sistema 4-4-2, 25% do 4-3-3 e apenas 6,25% do 5-4-1. 1 Mestre em Ensino de Ciências da Saúde e do Meio Ambiente – Professor Responsável UniFOA. 2 Especialista em Fisiologia do Exercício pelo CEFE- UNIFESP/EPM – Professor Voluntário UniFOA. 3 Bacharel em Educação Física – UniFOA.
  • 2. Percentual de Vitórias por sistema 433 451 541 442 1 2 3 4 Soma-se a esse fato, a equipe que sagrou-se campeã da copa (Espanha), ter utilizado justamente esse sistema a partir das Semi-finais. O que poderia significar que esse sistema favorece a obtenção dos resultados. É importante ressaltar que o 4-5-1 espanhol nas fases eliminatórias obteve uma média de 1,0 gol por jogo sem que sofresse sequer um gol. Reafirmando o possível equilíbrio estabelecido pela escolha do sistema. Número de Gols marcados por sistema 12 10 8 433 6 442 451 4 541 2 0 Quartas de final Finais Oitavas de final Semi-finais Conclusões: Os resultados apresentados apontam para uma tendência mundial de utilização dos sistemas com quatro zagueiros. Acredita-se que as coberturas no sistema defensivo funcionam melhor do que nos sistemas que utilizam três zagueiros. Em relação ao meio campo a tendência apresentada pela pesquisa é de utilização dos sistemas com cinco jogadores, numa tentativa de aumentar a compactação defensiva e congestionar o setor de armação de jogadas, dificultando a construção das jogadas de ataque por parte dos adversários. Já no ataque a tendência é para a utilização de apenas um atacante de ofício. Entretanto é importante ressaltar que o que torna uma equipe mais ofensiva ou defensiva não parece ser o sistema utilizado. Pois é comum uma equipe utilizar um atacante apenas, mas com dois meias atacantes que aproximam muito da área de ataque (como o exemplo da Alemanha e Espanha). Ou até uma equipe que opta por três atacantes, mas os mesmos retornam na marcação dos volantes e dos laterais adversários (como o exemplo da Holanda). Referências Bibliográficas: