SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
OBJETIVOS Avaliar a eficiência agronômica do inseticida Teflubenzuron em três doses, em comparação com os produtos Teflubenzuron e  Profenofós + Lufenuron (já registrados para a cultura) visando o controle do bicho mineiro ( Leucoptera coffeella ), na cultura do cafeeiro. Tabela 1.  Tratamentos aplicados em forma de pulverização na cultura do cafeeiro visando o controle do Bicho Mineiro ( Leucoptera coffeella ). RESULTADOS CONCLUSÕES De acordo com os resultados obtidos e analisados, conclui-se que o tratamento 2 e 5 não demonstraram boa eficiência; o tratamento 3 se mostrou eficiente em duas avaliações, realizadas aos 7 e 14 DAA; o tratamento 4 se mostrou como a melhor alternativa entre as três doses testadas apresentando controle eficiente até a avaliação de 21 DAA. Nenhuma dose ou produto apresentou fitotoxicidez às plantas de café. EFICIÊNCIA AGRONÔMICA DO INSETICIDA TEFLUBENZURON NO CONTROLE DO BICHO MINEIRO ( Leucoptera coffeella ), EM CAFÉ . Luiz Henrique da Silva Lima 1 ; Daniel Sala de Faria 1 ; Sergio Pereira de Souza Junior 1 ; Eduardo Antonio Mangialardo 1 ; Paulo Francisco Maraus 1 ;José Usan Torres Brandão Filho 1 ;  1  Universidade Estadual de Maringá. lhl.agro@hotmail.com MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido na propriedade do Sr Luiz Martin, localizada na Estrada Sepetiba lote nº 220, Gleba Cianorte, no município de Cianorte-PR, durante o período de janeiro a fevereiro de 2009. A variedade de café utilizada foi a IAPAR – 59,  no espaçamento de 3,0 m entre linhas e 1,00 m entre plantas com uma população de 3.333 plantas por hectare. O delineamento experimental utilizado seguiu o modelo de blocos ao acaso, com seis tratamentos e quatro repetições, com cada parcela possuindo área de 126 m 2  (9,0 m de largura x 14 m de comprimento), com três linhas da cultura com 14 plantas em cada linha. Utilizou-se um pulverizador costal à base de CO 2 , equipado com uma barra contendo um bico cônico D2-C13 e regulado para pressão constante de 45 PSI, o que proporcionou uma vazão 200 l de calda inseticida por hectare. As condições do tempo eram no momento da aplicação de céu claro, com temperatura 31,2ºC no início e 29,4ºC no final da pulverização, a umidade relativa do ar no inicio era de 56,1% e no final de 57,3%. Adotou-se como metodologia, a coleta de 20 folhas que apresentavam o sintoma de ataque das dez plantas centrais da linha do meio (parcela útil), sendo uma folha de cada lado exposto (lateral da linha) de cada planta. Essas 20 folhas por parcela eram colocadas em um saco de papel e, logo após a coleta, eram feitas as avaliações pertinentes ao ataque de  L. coffeella.  Nessas folhas foi feita a avaliação de distribuição da praga, avaliada por meio da contagem das folhas que apresentavam larvas vivas. A média aritmética das quatro repetições expressou o nível de ataque em cada tratamento. Os dados originais foram transformados e submetidos à análise de variância. As médias foram comparadas entre si por meio do teste de Tukey, em nível de 5% de probabilidade. As porcentagens de eficiência dos inseticidas testados foram calculadas pela fórmula de Abbott, e, de acordo com Nakano et al. (1981), foram considerados eficazes os tratamentos que superaram os 80%. Foi realizada a aplicação via pulverização no dia 07/01/2009, quando as plantas se encontravam em ataque variando de 18,75 a 22,50% das folhas com a presença de larvas vivas. Seis avaliações foram realizadas no total, sendo a primeira (avaliação prévia) no dia da instalação do experimento e momentos antes da pulverização. As demais aos 2, 7, 14, 21 e 28 dias após a aplicação (DAA). 1  Produto comercial por hectare; 2  Ingrediente ativo por hectare; ³ Suspenção Concentrada;  4  Concentrado Emulsionável Tabela 2.  Número de folhas com a presença de larvas vivas por parcela (Média) e porcentagem de eficiência (%Ef) dos diferentes tratamentos.  1  Médias das quatro repetições do número de folhas apresentando larvas vivas por parcela, as quais quando seguidas de mesma letra nas colunas não diferem entre si, pelo teste de Tukey, em nível de 5% de significância.  2  Porcentagens de eficiência, calculadas de acordo com a fórmula de Abbott.  *DAA = dias após a aplicação.  Tratamentos Doses p.c.  ( mL /ha) 1 Doses i.a. (g/ha) 2 1-  Testemunha ---- ---- 2 - Teflubenzuron 150g/L  SC³  300,0 45,0 3 - Teflubenzuron 150g/L  SC 400,0 60,0 4 -Teflubenzuron 150g/L  SC 500,0 75,0 5 – Teflubenzuron 150g/L  SC 250,0 37,5 6 – Profenofós 500g/L+ Lufenuron 50g/L CE 4 300,0 150,0 + 15,0 Tratamen-tos   Número de folhas com a presença de larvas vivas (Média), sendo avaliadas 20 folhas por parcela   Av. Prévia     2 DAA*     7 DAA     14 DAA     21 DAA     28 DAA   Média Média 1 % Ef.  2 Média % Ef. Média % Ef. Média %Ef. Média % Ef. 1 4,00  a 6,50 a ---- 8,00 a ---- 11,0 a ---- 14,25  a ---- 12,00 a ---- 2  3,75 a 2,00 b 69,0 2,00 b 75,0 2,50 b 77,3 5,00  b 64,9 4,50  b 52,5 3  4,50 a 2,00 b 69,0 1,50 b 81,3 2,00 b 81,2 4,00 b 71,9 3,75  b 68,8 4  4,25 a 1,25 b 80,8 1,50 b 81,3 1,75 b 84,1 2,75 b 80,7 3,25  b 72,9 5  3,75 a 2,00 b 69,0 2,00 b 75,0 2,75 b 75,0 5,75 b 59,6 4,75  b 60,4 6  4,25 a 1,50 b 76,9 1,50 b 81,3 2,00 b 81,2 2,00 b 86,0 3,50  b 70,8 C. V. (%) 38,89 37,04  39,19 27,72  34,59 25,09

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Painel ciclo bicho mineiro

COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLACOMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLAPaulo Antonio de Souza Gonçalves
 
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLADOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLAPaulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Frederico jose joaquim anakulomba 2015
Frederico jose joaquim anakulomba  2015Frederico jose joaquim anakulomba  2015
Frederico jose joaquim anakulomba 2015Fred Dom
 
IPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptx
IPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptxIPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptx
IPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptxLorenaGamaTeixeira
 
Bnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-af
Bnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-afBnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-af
Bnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-afAgriPoint
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobJose Carvalho
 
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Caracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão finalCaracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão finalAcessoMacauba
 
Caracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão finalCaracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão finalAcessoMacauba
 
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...Rural Pecuária
 
Otimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitário
Otimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitárioOtimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitário
Otimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitárioBeefPoint
 

Semelhante a Painel ciclo bicho mineiro (20)

COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLACOMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
 
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
ENTOMOPATÓGENOS E ÓLEO DE NIM NO MANEJO DE TRIPES E PRODUTIVIDADE DE CEBOLA.
 
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLADOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
 
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
Homeopatia de losna no manejo de tripes em cebola orgânica publicado 2010
 
Frederico jose joaquim anakulomba 2015
Frederico jose joaquim anakulomba  2015Frederico jose joaquim anakulomba  2015
Frederico jose joaquim anakulomba 2015
 
ze
zeze
ze
 
IPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptx
IPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptxIPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptx
IPEF_APRESENTAÇÃO_alterada_3.pptx
 
aninga
aningaaninga
aninga
 
Bnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-af
Bnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-afBnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-af
Bnf 0006-13 ax-fol-tecnico-sa-cafe-14,8x21cm-af
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
 
Artigo bioterra v21_n2_04
Artigo bioterra v21_n2_04Artigo bioterra v21_n2_04
Artigo bioterra v21_n2_04
 
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
Rac 75 nov_2008- pag 90 a 95
 
Tabela nmp
Tabela nmpTabela nmp
Tabela nmp
 
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
Preparado homeopático de calcário de conchas no manejo de tripes em cebola.
 
Caracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão finalCaracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba irrigada leandro brandão final
 
905-3074-1-PB
905-3074-1-PB905-3074-1-PB
905-3074-1-PB
 
Caracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão finalCaracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão final
Caracteres morfológicos em macaúba sob adubação leandro brandão final
 
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
Técnica de avaliação da eficiência de fungicidas protetor e sistêmico para co...
 
Otimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitário
Otimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitárioOtimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitário
Otimização da lucratividade pecuária com um eficaz controle parasitário
 
3
33
3
 

Painel ciclo bicho mineiro

  • 1. OBJETIVOS Avaliar a eficiência agronômica do inseticida Teflubenzuron em três doses, em comparação com os produtos Teflubenzuron e Profenofós + Lufenuron (já registrados para a cultura) visando o controle do bicho mineiro ( Leucoptera coffeella ), na cultura do cafeeiro. Tabela 1. Tratamentos aplicados em forma de pulverização na cultura do cafeeiro visando o controle do Bicho Mineiro ( Leucoptera coffeella ). RESULTADOS CONCLUSÕES De acordo com os resultados obtidos e analisados, conclui-se que o tratamento 2 e 5 não demonstraram boa eficiência; o tratamento 3 se mostrou eficiente em duas avaliações, realizadas aos 7 e 14 DAA; o tratamento 4 se mostrou como a melhor alternativa entre as três doses testadas apresentando controle eficiente até a avaliação de 21 DAA. Nenhuma dose ou produto apresentou fitotoxicidez às plantas de café. EFICIÊNCIA AGRONÔMICA DO INSETICIDA TEFLUBENZURON NO CONTROLE DO BICHO MINEIRO ( Leucoptera coffeella ), EM CAFÉ . Luiz Henrique da Silva Lima 1 ; Daniel Sala de Faria 1 ; Sergio Pereira de Souza Junior 1 ; Eduardo Antonio Mangialardo 1 ; Paulo Francisco Maraus 1 ;José Usan Torres Brandão Filho 1 ; 1 Universidade Estadual de Maringá. lhl.agro@hotmail.com MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido na propriedade do Sr Luiz Martin, localizada na Estrada Sepetiba lote nº 220, Gleba Cianorte, no município de Cianorte-PR, durante o período de janeiro a fevereiro de 2009. A variedade de café utilizada foi a IAPAR – 59, no espaçamento de 3,0 m entre linhas e 1,00 m entre plantas com uma população de 3.333 plantas por hectare. O delineamento experimental utilizado seguiu o modelo de blocos ao acaso, com seis tratamentos e quatro repetições, com cada parcela possuindo área de 126 m 2 (9,0 m de largura x 14 m de comprimento), com três linhas da cultura com 14 plantas em cada linha. Utilizou-se um pulverizador costal à base de CO 2 , equipado com uma barra contendo um bico cônico D2-C13 e regulado para pressão constante de 45 PSI, o que proporcionou uma vazão 200 l de calda inseticida por hectare. As condições do tempo eram no momento da aplicação de céu claro, com temperatura 31,2ºC no início e 29,4ºC no final da pulverização, a umidade relativa do ar no inicio era de 56,1% e no final de 57,3%. Adotou-se como metodologia, a coleta de 20 folhas que apresentavam o sintoma de ataque das dez plantas centrais da linha do meio (parcela útil), sendo uma folha de cada lado exposto (lateral da linha) de cada planta. Essas 20 folhas por parcela eram colocadas em um saco de papel e, logo após a coleta, eram feitas as avaliações pertinentes ao ataque de L. coffeella. Nessas folhas foi feita a avaliação de distribuição da praga, avaliada por meio da contagem das folhas que apresentavam larvas vivas. A média aritmética das quatro repetições expressou o nível de ataque em cada tratamento. Os dados originais foram transformados e submetidos à análise de variância. As médias foram comparadas entre si por meio do teste de Tukey, em nível de 5% de probabilidade. As porcentagens de eficiência dos inseticidas testados foram calculadas pela fórmula de Abbott, e, de acordo com Nakano et al. (1981), foram considerados eficazes os tratamentos que superaram os 80%. Foi realizada a aplicação via pulverização no dia 07/01/2009, quando as plantas se encontravam em ataque variando de 18,75 a 22,50% das folhas com a presença de larvas vivas. Seis avaliações foram realizadas no total, sendo a primeira (avaliação prévia) no dia da instalação do experimento e momentos antes da pulverização. As demais aos 2, 7, 14, 21 e 28 dias após a aplicação (DAA). 1 Produto comercial por hectare; 2 Ingrediente ativo por hectare; ³ Suspenção Concentrada; 4 Concentrado Emulsionável Tabela 2. Número de folhas com a presença de larvas vivas por parcela (Média) e porcentagem de eficiência (%Ef) dos diferentes tratamentos. 1 Médias das quatro repetições do número de folhas apresentando larvas vivas por parcela, as quais quando seguidas de mesma letra nas colunas não diferem entre si, pelo teste de Tukey, em nível de 5% de significância. 2 Porcentagens de eficiência, calculadas de acordo com a fórmula de Abbott. *DAA = dias após a aplicação. Tratamentos Doses p.c. ( mL /ha) 1 Doses i.a. (g/ha) 2 1- Testemunha ---- ---- 2 - Teflubenzuron 150g/L SC³ 300,0 45,0 3 - Teflubenzuron 150g/L SC 400,0 60,0 4 -Teflubenzuron 150g/L SC 500,0 75,0 5 – Teflubenzuron 150g/L SC 250,0 37,5 6 – Profenofós 500g/L+ Lufenuron 50g/L CE 4 300,0 150,0 + 15,0 Tratamen-tos   Número de folhas com a presença de larvas vivas (Média), sendo avaliadas 20 folhas por parcela   Av. Prévia     2 DAA*     7 DAA     14 DAA     21 DAA     28 DAA   Média Média 1 % Ef. 2 Média % Ef. Média % Ef. Média %Ef. Média % Ef. 1 4,00 a 6,50 a ---- 8,00 a ---- 11,0 a ---- 14,25 a ---- 12,00 a ---- 2 3,75 a 2,00 b 69,0 2,00 b 75,0 2,50 b 77,3 5,00 b 64,9 4,50 b 52,5 3 4,50 a 2,00 b 69,0 1,50 b 81,3 2,00 b 81,2 4,00 b 71,9 3,75 b 68,8 4 4,25 a 1,25 b 80,8 1,50 b 81,3 1,75 b 84,1 2,75 b 80,7 3,25 b 72,9 5 3,75 a 2,00 b 69,0 2,00 b 75,0 2,75 b 75,0 5,75 b 59,6 4,75 b 60,4 6 4,25 a 1,50 b 76,9 1,50 b 81,3 2,00 b 81,2 2,00 b 86,0 3,50 b 70,8 C. V. (%) 38,89 37,04 39,19 27,72 34,59 25,09