SlideShare uma empresa Scribd logo
É um rio português, que nasce a 230m de altitude, na Serra da Vigia.
No seu percurso passa por Alvalade e Alcácer do Sal, sendo a foz em frente a
Setúbal. A baixa-mar de Alcácer do Sal até à foz desenvolve-se um largo
estuário separado do oceano pela península de Tróia.


Desagua no oceano Atlântico perto de Setúbal


Existem cerca de 69 espécies de peixes no rio Sado, do qual se destacam o
robalo, charroco, a tainha, a
solha, o linguado, salmonete e a
corvina

No estuário do Sado habita uma
população de golfinhos que são
atracão turística.




Importante para o tráfego marítimo para os estaleiros da Mitrena, para o porto
de Setúbal, decorrente da pesca e da doca de recreio, além do ferry-boat de
ligação entre margens ( Lisboa e Setúbal).
O rio Cávado é um rio de Portugal que nasce
                         na Serra do Larouco, mais propriamente na fonte da
                         Pipa, a uma altitude de cerca de 1520 m.


                                Passa pelos concelhos de Montalegre, Terras
                         de Bouro, Vieira do Minho, Amares, Póvoa de
                         Lanhoso, Vila Verde, Braga, Barcelos, Esposende.


                                Desagua no oceano Atlântico junto a
                         Esposende.


Neste rio podem-se encontrar várias espécies de peixes. Algumas delas são:
carpas, enguias, trutas, barbo, boga …



O Sistema do Cávado é composto por várias barragens implantadas nesses
mesmos percursos fluviais para aproveitamentos hidroeléctricos.




       Barragem   da Paradela
       Barragem   de Salamonde
       Barragem   da Caniçada
       Barragem   do Alto Cávado
       Barragem   do Alto Rabagão
       Barragem   da Venda Nova
       Barragem   Vilarinho das Furnas
       Barragem   de Penide
Nasce a uma altitude de cerca de 1700m, nas lagoas de Ruidera, na província
espanhola de Ciudad Real, renasce nos Ojos del Guadiana.



Em Portugal, atravessa as regiões do Alentejo e Algarve, nos distritos de
Portalegre, Évora, Beja e Faro.




Desagua no Oceano Atlântico em Faro.




Existem neste rio várias espécies de
peixes, tal como: a enguia, a lampreia, o
sável, o sabogo, a tainha, a boga, o barbo…



Além da beleza natural da paisagem que percorre, o rio é extremamente rico
em peixes e os campos em seu redor também são ricos em caça. Assim, o
Guadiana ganha um grande interesse histórico e pedagógico.
O aproveitamento do Guadiana no Alentejo era, até há poucos anos, apenas
para a agricultura e apenas junto das margens. Para melhor aproveitar os
recursos, existia, desde 1947 um projecto de construção de uma barragem no
Alqueva.
Nasce a uma altitude de 750 m na serra de Meira, na Comunidade Autónoma da
    Galiza.




       Entre a nascente e a foz, o rio
       Minho passa por Lugo, Ourense,
       Melgaço, Monção, Tui, Valença,
       Vila Nova de Cerveira e Caminha.




       Desagua no oceano Atlântico a sul
       da localidade da Guarda e a norte
       de Caminha.



       Os peixes mais conhecidos do rio Minho destacam-se a lampreia, o sável, a
       carpa, as trutas e o meixão, espécie muito apreciada na região e que até já faz
       parte da gastronomia galega.

Não podemos esquecer que a pesca artesanal, no rio Minho, representa um factor
importante em termos económicos para a região, não só pela comercialização do
produto da pesca mas também pelo que representa em termos turísticos,
particularmente no campo cultural e gastronómico.
O Rio Mondego tem um comprimento total de 234 quilómetros. A sua nascente
situa-se na Serra da Estrela, no sítio de Corgo das Mós, freguesia de
Mangualde da Serra, concelho de Gouveia, a uma altitude de cerca de 1425
metros.


Cortando os concelhos de Coimbra, Montemor-o-Velho e Figueira da Foz, onde
desagua, no Oceano Atlântico.


Atravessa o concelho de Fornos de Algodres, o rio Mondego serve de
fronteira entre os distritos de Viseu, a norte, e da Guarda e de Coimbra, a sul.




Podemos encontrar as seguintes espécies de animais sável, a savelha, a
lampreia e a truta.



O Mondego apresenta uma enorme
diversificação de utilizações da água,
muito importantes para o
desenvolvimento económico da
região, nomeadamente a agricultura
com os arrozais, a indústria, a
produção de energia eléctrica e o
abastecimento público em toda a
bacia. O rio Mondego é uma das bacias portuguesas com maior utilização dos
recursos hídricos, sobretudo nas componentes hidroeléctrica e agrícola.
Nasce a uma altitude de 975 m no monte Talariño, na província de Ourense, na
Galiza, Espanha
Entra em Portugal, próximo do Lindoso e passa por Ponte da Barca e Ponte de
Lima
Desagua no Oceano Atlântico junto a Viana do Castelo, após percorrer um
total de 135 quilómetros.



O Rio Lima é um bom viveiro de peixes, como o barbo, a truta, a taínha, a
enguia e a solha.




Os barcos do Lima resolviam a
situação dos transportes. A
madeira e o vinho do vale eram
escoados nestes barcos, e o
sal, a cal, os adubos, o sulfato
e o enxofre chegavam a casa
dos lavradores via fluvial. A
identidade cultural das
populações ribeirinhas do vale do Lima está indissociavelmente ligada aos
barcos que concebeu e produziu e a que emprestou características que hoje
os tornam únicos.
O rio Douro é um rio que nasce em Espanha na província de Sória, nos
picos da serra de Urbión, a 2.080 metros de altitude e atravessa o norte de
Portugal.


 O rio Douro passa por Miranda do Douro e Régua.


 Este rio vai desaguar no Oceano Atlântico junto á cidade do Porto.


 Existem espécies indigenas como o escalo a enguia e a truta, mais
recentemente surgiram também a achigã, a perca o lúcio, o lagostim-vermelho
e, com abundância, a boga,o barbo e o mexilhão.




 O rio Douro foi e é uma fonte de riqueza para a região e para a aldeia.
Antigamente, fazia mover as azenhas que se espalhavam nas suas margens, tais
como as azenhas do Sr. António Luís, dos Fróis, dos Melgos e dos Velhos,
permitia a pesca, irrigava campos ou enchia os poços das melhores hortas de
Bemposta, existentes perto deles, onde se cultivavam as novidades e as
árvores de fruta, base de sustento das populações. Mais tarde, com o
aproveitamento hidroeléctrico, Bemposta passa a contribuir para a riqueza
nacional, distribuindo energia eléctrica ao país. Proporcionou também maior
abundância de peixe, através das
albufeiras, criando alguns postos de
trabalho com a pesca profissional, a
que se dedicaram algumas famílias.
Servia também para transportar
abordo dos barcos rabelos as pipas
de vinho do porto para as caves de
Vila Nova de Gaia.
Nasce em Espanha - onde é conhecido como Tajo - a 1 593 m de altitude na
Serra de Albarracín.

Nas suas margens ficam localidades portuguesas como Abrantes, Santarém,
Salvaterra de Magos, Vila Franca de Xira, Alverca do Ribatejo, Forte da Casa,
Póvoa de Santa Iria, Sacavém, Alcochete, Montijo, Barreiro, Seixal, Almada e
Lisboa.




Desagua no Oceano Atlântico, banhando
Lisboa.

Ao longo do curso do rio existem diversas
captações de água potável que servem
inúmeras localidades.

Para regadio: O aproveitamento para fins
agrícolas ocorre praticamente em todo o curso do rio, exemplo da importância
deste factor é o caso da lezíria do Ribatejo


O rio Tejo funciona como uma auto-estrada marítima já que suporta o
transporte de pessoas e de bens. É no porto de Lisboa que se movimenta a
maior quantidade de mercadorias no país.

O rio só é navegável para barcos de maior porte entre Abrantes e Lisboa
O Mira é um rio português que nasce na Serra do Caldeirão, a uma altitude de
470 m, e percorre cerca de 145 km
Este rio passa por Odmira e por Vila Nova de
Milfontes.




O rio Mira vai desaguar no oceano Atlântico
junto à bela Vila de Milfontes.




Até à data foram identificadas 91 espécies de
peixe no estuário do Mira,entre elas, temos: o
cavalo marinho,bodiões, cabozes e linguados. Os
sardos e as taínhas são as espécies que mais
utilizam o estuário do rio Mira.




O rio Mira constituiu um importante recurso que facilitou a instalação de
comunidades e lhes assegurou condições dignas de vida. Rico em recursos
piscícolas, fonte energética para os moinhos instalados no seu leito, garante
de terras fluviais ricas e sustentáculo de ricos habitats, o rio Mira estende-se
ao longo de uma vasta região.
Nasce em Vieira do Minho, a cerca de 1200 m o Ave é um rio português, que
nasce na Serra da
Cabreira, concelho
de de altitude, no
Pau da Bela.



Passa por Vieira do
Minho, Póvoa de
Lanhoso, Santo
Tirso,Trofa e Vila
do Conde.


Desagua no oceano Atlântico, a sul de Vila do Conde.


No estuário do rio Ave, há lampreias, sáveis e outros peixes. Aqui abunda
muita pesca à cana. Em tempos, o rio foi muito abundante de peixe variado,
destacando-se os barbos, as enguias, as trutas, os escalos, as bogas ,os relhos e
outros.
A sua maior riqueza era a sua água límpida como branca neve e o conforto da
frescura nos dias de grande calor. Foi uma relíquia que a Natureza nos doou e
o Homem destruidor lançou a bomba da poluição que o matou.


Este rio já foi muito
importante para a
região, devido á
variedade de peixes que
nos dava aos campos
agricolas que regava e
aos momentos de lazer
que nos premitia viver
nas suas margens. Hoje
isto não é possível
devido á poluição deste
rio , atualmente considerado o rio mais poluido da Europa.
Fiães, 16 de Janeiro de 2012




Autores



Beatriz Sousa

Lara Beatriz

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ponte de lima
Ponte de limaPonte de lima
Ponte de lima
Pedro Almeida
 
Os Rios Powerpoint
Os Rios PowerpointOs Rios Powerpoint
Os Rios Powerpoint
guest64f7a
 
Douro Vasco Fim
Douro Vasco FimDouro Vasco Fim
Douro Vasco Fim
FloraCosta
 
Portugal rios
Portugal riosPortugal rios
Portugal rios
Li Tagarelinhas
 
Principais rios de Portugal
Principais rios de PortugalPrincipais rios de Portugal
Principais rios de Portugal
Alexandra Tenente
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
SaraHonorio
 
Rio ave
Rio aveRio ave
Rio ave
aasf
 
Serras e rios de portugal
Serras e rios de portugalSerras e rios de portugal
Serras e rios de portugal
profsabio
 
Trabalho sobre rios ii
Trabalho sobre rios iiTrabalho sobre rios ii
Trabalho sobre rios ii
turmat2avenida
 
C:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios Portugueses
C:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios PortuguesesC:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios Portugueses
C:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios Portugueses
guestdc4fd36
 
Rio sado
Rio sadoRio sado
Rio sado
Lurdes Féria
 
Hidrografia (principais rios .....)
Hidrografia   (principais rios .....)Hidrografia   (principais rios .....)
Hidrografia (principais rios .....)
TROLITO LALALAL
 
Rio mira
Rio miraRio mira
Rio mira
alicebernardo
 
Estremadura e ribatejo
Estremadura e ribatejoEstremadura e ribatejo
Estremadura e ribatejo
Endl Félix Muriel
 
Maravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anosMaravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anos
Socasbecasmio
 
Rio minho
Rio minhoRio minho
Rio minho
Lurdes Féria
 

Mais procurados (16)

Ponte de lima
Ponte de limaPonte de lima
Ponte de lima
 
Os Rios Powerpoint
Os Rios PowerpointOs Rios Powerpoint
Os Rios Powerpoint
 
Douro Vasco Fim
Douro Vasco FimDouro Vasco Fim
Douro Vasco Fim
 
Portugal rios
Portugal riosPortugal rios
Portugal rios
 
Principais rios de Portugal
Principais rios de PortugalPrincipais rios de Portugal
Principais rios de Portugal
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
 
Rio ave
Rio aveRio ave
Rio ave
 
Serras e rios de portugal
Serras e rios de portugalSerras e rios de portugal
Serras e rios de portugal
 
Trabalho sobre rios ii
Trabalho sobre rios iiTrabalho sobre rios ii
Trabalho sobre rios ii
 
C:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios Portugueses
C:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios PortuguesesC:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios Portugueses
C:\Documents And Settings\ProprietáRio De Hp\Os Meus Documentos\Rios Portugueses
 
Rio sado
Rio sadoRio sado
Rio sado
 
Hidrografia (principais rios .....)
Hidrografia   (principais rios .....)Hidrografia   (principais rios .....)
Hidrografia (principais rios .....)
 
Rio mira
Rio miraRio mira
Rio mira
 
Estremadura e ribatejo
Estremadura e ribatejoEstremadura e ribatejo
Estremadura e ribatejo
 
Maravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anosMaravilhasdeportugal total 3anos
Maravilhasdeportugal total 3anos
 
Rio minho
Rio minhoRio minho
Rio minho
 

Destaque

Diada menorca
Diada menorcaDiada menorca
Diada menorca
Marlluch
 
Elartedelecommerce
ElartedelecommerceElartedelecommerce
Elartedelecommerce
ramiropuig
 
Analisis Financiero
Analisis FinancieroAnalisis Financiero
Analisis Financiero
Juan Jose Recinos
 
Proyecto Sede Zulasquilla Bajo
Proyecto Sede Zulasquilla BajoProyecto Sede Zulasquilla Bajo
Proyecto Sede Zulasquilla Bajo
mcaam12
 
Estafadores
EstafadoresEstafadores
Fiana
FianaFiana
Anorando Huaco
Anorando  HuacoAnorando  Huaco
Anorando Huaco
Alfredo Villafañe
 
Como dar un credito y cobrarlo sin perder clientes
Como dar un credito y cobrarlo sin perder clientesComo dar un credito y cobrarlo sin perder clientes
Como dar un credito y cobrarlo sin perder clientes
Bernardo Vargas
 
Storia logo pediatrica
Storia logo pediatricaStoria logo pediatrica
Storia logo pediatricapediatrica
 

Destaque (9)

Diada menorca
Diada menorcaDiada menorca
Diada menorca
 
Elartedelecommerce
ElartedelecommerceElartedelecommerce
Elartedelecommerce
 
Analisis Financiero
Analisis FinancieroAnalisis Financiero
Analisis Financiero
 
Proyecto Sede Zulasquilla Bajo
Proyecto Sede Zulasquilla BajoProyecto Sede Zulasquilla Bajo
Proyecto Sede Zulasquilla Bajo
 
Estafadores
EstafadoresEstafadores
Estafadores
 
Fiana
FianaFiana
Fiana
 
Anorando Huaco
Anorando  HuacoAnorando  Huaco
Anorando Huaco
 
Como dar un credito y cobrarlo sin perder clientes
Como dar un credito y cobrarlo sin perder clientesComo dar un credito y cobrarlo sin perder clientes
Como dar un credito y cobrarlo sin perder clientes
 
Storia logo pediatrica
Storia logo pediatricaStoria logo pediatrica
Storia logo pediatrica
 

Semelhante a Os rios de portugal 2

Principais rios de portugal continental
Principais rios de portugal continentalPrincipais rios de portugal continental
Principais rios de portugal continental
mariamelya
 
Ana os rios escola
Ana os rios escolaAna os rios escola
Ana os rios escola
turmat2avenida
 
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Idalina Leite
 
O Rio Douro Francisco
O Rio Douro FranciscoO Rio Douro Francisco
O Rio Douro Francisco
guest0cb04
 
Parque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do GuadianaParque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do Guadiana
Pedro Peixoto
 
Rio Mondego -Ana Filipa
Rio Mondego -Ana FilipaRio Mondego -Ana Filipa
Rio Mondego -Ana Filipa
guest0cb04
 
Rio Mondego 1
Rio Mondego 1Rio Mondego 1
Rio Mondego 1
naliniram
 
1222652055 rios de_portugal
1222652055 rios de_portugal1222652055 rios de_portugal
1222652055 rios de_portugal
Pelo Siro
 
Região da estremadura
Região da estremaduraRegião da estremadura
Região da estremadura
Murtinheira1964
 
Parque Natural da Ria Formosa
Parque Natural da Ria FormosaParque Natural da Ria Formosa
Parque Natural da Ria Formosa
Pedro Peixoto
 
Rios de portugal2
Rios de portugal2Rios de portugal2
Rios de portugal2
golfinhos
 
Rios de portugal2
Rios de portugal2Rios de portugal2
Rios de portugal2
golfinhos
 
Rio sado daniela
Rio sado danielaRio sado daniela
Rio sado daniela
ebgandra
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
genarui
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
genarui
 
Alentejo - nuts II
Alentejo -  nuts IIAlentejo -  nuts II
Alentejo - nuts II
Joana Lima
 
Áreas Protegidas
Áreas ProtegidasÁreas Protegidas
Áreas Protegidas
aveca
 
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptxgeografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
silviaestriga
 
Turismo fluvial
Turismo fluvialTurismo fluvial
Turismo fluvial
Tina Lima
 
Fauna e Flora do concelho de Torre de Moncorvo
Fauna e Flora do concelho de Torre de MoncorvoFauna e Flora do concelho de Torre de Moncorvo
Fauna e Flora do concelho de Torre de Moncorvo
Nuno Cunha
 

Semelhante a Os rios de portugal 2 (20)

Principais rios de portugal continental
Principais rios de portugal continentalPrincipais rios de portugal continental
Principais rios de portugal continental
 
Ana os rios escola
Ana os rios escolaAna os rios escola
Ana os rios escola
 
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
Rios portugueses, da nascente à foz-1 (10º_Recursos Hídricos)
 
O Rio Douro Francisco
O Rio Douro FranciscoO Rio Douro Francisco
O Rio Douro Francisco
 
Parque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do GuadianaParque Natural do Vale do Guadiana
Parque Natural do Vale do Guadiana
 
Rio Mondego -Ana Filipa
Rio Mondego -Ana FilipaRio Mondego -Ana Filipa
Rio Mondego -Ana Filipa
 
Rio Mondego 1
Rio Mondego 1Rio Mondego 1
Rio Mondego 1
 
1222652055 rios de_portugal
1222652055 rios de_portugal1222652055 rios de_portugal
1222652055 rios de_portugal
 
Região da estremadura
Região da estremaduraRegião da estremadura
Região da estremadura
 
Parque Natural da Ria Formosa
Parque Natural da Ria FormosaParque Natural da Ria Formosa
Parque Natural da Ria Formosa
 
Rios de portugal2
Rios de portugal2Rios de portugal2
Rios de portugal2
 
Rios de portugal2
Rios de portugal2Rios de portugal2
Rios de portugal2
 
Rio sado daniela
Rio sado danielaRio sado daniela
Rio sado daniela
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
 
Alentejo - nuts II
Alentejo -  nuts IIAlentejo -  nuts II
Alentejo - nuts II
 
Áreas Protegidas
Áreas ProtegidasÁreas Protegidas
Áreas Protegidas
 
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptxgeografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
geografia-trabalho rio, serra e acidentes geograficos.pptx
 
Turismo fluvial
Turismo fluvialTurismo fluvial
Turismo fluvial
 
Fauna e Flora do concelho de Torre de Moncorvo
Fauna e Flora do concelho de Torre de MoncorvoFauna e Flora do concelho de Torre de Moncorvo
Fauna e Flora do concelho de Torre de Moncorvo
 

Mais de turmat2avenida

Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
turmat2avenida
 
fotografias da escola
fotografias da escolafotografias da escola
fotografias da escola
turmat2avenida
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
turmat2avenida
 
Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2
turmat2avenida
 
Os rios de portugal
Os rios de portugal Os rios de portugal
Os rios de portugal
turmat2avenida
 
Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2
turmat2avenida
 
Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2
turmat2avenida
 
Depositor era uma vez
Depositor era uma vezDepositor era uma vez
Depositor era uma vez
turmat2avenida
 
O castelo assombrado 2
O castelo assombrado 2O castelo assombrado 2
O castelo assombrado 2
turmat2avenida
 
25 de abril em banda desenhada
25 de abril em banda desenhada25 de abril em banda desenhada
25 de abril em banda desenhadaturmat2avenida
 
A fábula dos feijões cinzentos
A fábula dos feijões cinzentosA fábula dos feijões cinzentos
A fábula dos feijões cinzentos
turmat2avenida
 
A lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de PáscoaA lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de Páscoa
turmat2avenida
 
PáScoa Em FamíLia
PáScoa Em FamíLiaPáScoa Em FamíLia
PáScoa Em FamíLia
turmat2avenida
 
Dia Da Floresta
Dia Da FlorestaDia Da Floresta
Dia Da Floresta
turmat2avenida
 
Pê de Pai
Pê de PaiPê de Pai
Pê de Pai
turmat2avenida
 
Um Lobo Culto
Um Lobo CultoUm Lobo Culto
Um Lobo Culto
turmat2avenida
 

Mais de turmat2avenida (18)

Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
 
fotografias da escola
fotografias da escolafotografias da escola
fotografias da escola
 
Rios de portugal
Rios de portugalRios de portugal
Rios de portugal
 
Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2
 
Os rios de portugal
Os rios de portugal Os rios de portugal
Os rios de portugal
 
Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2
 
Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2Os rios de portugal 2
Os rios de portugal 2
 
Depositor era uma vez
Depositor era uma vezDepositor era uma vez
Depositor era uma vez
 
O castelo assombrado 2
O castelo assombrado 2O castelo assombrado 2
O castelo assombrado 2
 
25 de abril em banda desenhada
25 de abril em banda desenhada25 de abril em banda desenhada
25 de abril em banda desenhada
 
25 de abril o tesouro
25 de abril   o tesouro25 de abril   o tesouro
25 de abril o tesouro
 
A fábula dos feijões cinzentos
A fábula dos feijões cinzentosA fábula dos feijões cinzentos
A fábula dos feijões cinzentos
 
A lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de PáscoaA lenda dos ovos de Páscoa
A lenda dos ovos de Páscoa
 
PáScoa Em FamíLia
PáScoa Em FamíLiaPáScoa Em FamíLia
PáScoa Em FamíLia
 
Dia Da Floresta
Dia Da FlorestaDia Da Floresta
Dia Da Floresta
 
O Meu Pai
O Meu PaiO Meu Pai
O Meu Pai
 
Pê de Pai
Pê de PaiPê de Pai
Pê de Pai
 
Um Lobo Culto
Um Lobo CultoUm Lobo Culto
Um Lobo Culto
 

Último

PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 

Último (20)

PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 

Os rios de portugal 2

  • 1.
  • 2. É um rio português, que nasce a 230m de altitude, na Serra da Vigia. No seu percurso passa por Alvalade e Alcácer do Sal, sendo a foz em frente a Setúbal. A baixa-mar de Alcácer do Sal até à foz desenvolve-se um largo estuário separado do oceano pela península de Tróia. Desagua no oceano Atlântico perto de Setúbal Existem cerca de 69 espécies de peixes no rio Sado, do qual se destacam o robalo, charroco, a tainha, a solha, o linguado, salmonete e a corvina No estuário do Sado habita uma população de golfinhos que são atracão turística. Importante para o tráfego marítimo para os estaleiros da Mitrena, para o porto de Setúbal, decorrente da pesca e da doca de recreio, além do ferry-boat de ligação entre margens ( Lisboa e Setúbal).
  • 3. O rio Cávado é um rio de Portugal que nasce na Serra do Larouco, mais propriamente na fonte da Pipa, a uma altitude de cerca de 1520 m. Passa pelos concelhos de Montalegre, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Amares, Póvoa de Lanhoso, Vila Verde, Braga, Barcelos, Esposende. Desagua no oceano Atlântico junto a Esposende. Neste rio podem-se encontrar várias espécies de peixes. Algumas delas são: carpas, enguias, trutas, barbo, boga … O Sistema do Cávado é composto por várias barragens implantadas nesses mesmos percursos fluviais para aproveitamentos hidroeléctricos. Barragem da Paradela Barragem de Salamonde Barragem da Caniçada Barragem do Alto Cávado Barragem do Alto Rabagão Barragem da Venda Nova Barragem Vilarinho das Furnas Barragem de Penide
  • 4. Nasce a uma altitude de cerca de 1700m, nas lagoas de Ruidera, na província espanhola de Ciudad Real, renasce nos Ojos del Guadiana. Em Portugal, atravessa as regiões do Alentejo e Algarve, nos distritos de Portalegre, Évora, Beja e Faro. Desagua no Oceano Atlântico em Faro. Existem neste rio várias espécies de peixes, tal como: a enguia, a lampreia, o sável, o sabogo, a tainha, a boga, o barbo… Além da beleza natural da paisagem que percorre, o rio é extremamente rico em peixes e os campos em seu redor também são ricos em caça. Assim, o Guadiana ganha um grande interesse histórico e pedagógico. O aproveitamento do Guadiana no Alentejo era, até há poucos anos, apenas para a agricultura e apenas junto das margens. Para melhor aproveitar os recursos, existia, desde 1947 um projecto de construção de uma barragem no Alqueva.
  • 5. Nasce a uma altitude de 750 m na serra de Meira, na Comunidade Autónoma da Galiza. Entre a nascente e a foz, o rio Minho passa por Lugo, Ourense, Melgaço, Monção, Tui, Valença, Vila Nova de Cerveira e Caminha. Desagua no oceano Atlântico a sul da localidade da Guarda e a norte de Caminha. Os peixes mais conhecidos do rio Minho destacam-se a lampreia, o sável, a carpa, as trutas e o meixão, espécie muito apreciada na região e que até já faz parte da gastronomia galega. Não podemos esquecer que a pesca artesanal, no rio Minho, representa um factor importante em termos económicos para a região, não só pela comercialização do produto da pesca mas também pelo que representa em termos turísticos, particularmente no campo cultural e gastronómico.
  • 6. O Rio Mondego tem um comprimento total de 234 quilómetros. A sua nascente situa-se na Serra da Estrela, no sítio de Corgo das Mós, freguesia de Mangualde da Serra, concelho de Gouveia, a uma altitude de cerca de 1425 metros. Cortando os concelhos de Coimbra, Montemor-o-Velho e Figueira da Foz, onde desagua, no Oceano Atlântico. Atravessa o concelho de Fornos de Algodres, o rio Mondego serve de fronteira entre os distritos de Viseu, a norte, e da Guarda e de Coimbra, a sul. Podemos encontrar as seguintes espécies de animais sável, a savelha, a lampreia e a truta. O Mondego apresenta uma enorme diversificação de utilizações da água, muito importantes para o desenvolvimento económico da região, nomeadamente a agricultura com os arrozais, a indústria, a produção de energia eléctrica e o abastecimento público em toda a bacia. O rio Mondego é uma das bacias portuguesas com maior utilização dos recursos hídricos, sobretudo nas componentes hidroeléctrica e agrícola.
  • 7. Nasce a uma altitude de 975 m no monte Talariño, na província de Ourense, na Galiza, Espanha Entra em Portugal, próximo do Lindoso e passa por Ponte da Barca e Ponte de Lima Desagua no Oceano Atlântico junto a Viana do Castelo, após percorrer um total de 135 quilómetros. O Rio Lima é um bom viveiro de peixes, como o barbo, a truta, a taínha, a enguia e a solha. Os barcos do Lima resolviam a situação dos transportes. A madeira e o vinho do vale eram escoados nestes barcos, e o sal, a cal, os adubos, o sulfato e o enxofre chegavam a casa dos lavradores via fluvial. A identidade cultural das populações ribeirinhas do vale do Lima está indissociavelmente ligada aos barcos que concebeu e produziu e a que emprestou características que hoje os tornam únicos.
  • 8. O rio Douro é um rio que nasce em Espanha na província de Sória, nos picos da serra de Urbión, a 2.080 metros de altitude e atravessa o norte de Portugal. O rio Douro passa por Miranda do Douro e Régua. Este rio vai desaguar no Oceano Atlântico junto á cidade do Porto. Existem espécies indigenas como o escalo a enguia e a truta, mais recentemente surgiram também a achigã, a perca o lúcio, o lagostim-vermelho e, com abundância, a boga,o barbo e o mexilhão. O rio Douro foi e é uma fonte de riqueza para a região e para a aldeia. Antigamente, fazia mover as azenhas que se espalhavam nas suas margens, tais como as azenhas do Sr. António Luís, dos Fróis, dos Melgos e dos Velhos, permitia a pesca, irrigava campos ou enchia os poços das melhores hortas de Bemposta, existentes perto deles, onde se cultivavam as novidades e as árvores de fruta, base de sustento das populações. Mais tarde, com o aproveitamento hidroeléctrico, Bemposta passa a contribuir para a riqueza nacional, distribuindo energia eléctrica ao país. Proporcionou também maior abundância de peixe, através das albufeiras, criando alguns postos de trabalho com a pesca profissional, a que se dedicaram algumas famílias. Servia também para transportar abordo dos barcos rabelos as pipas de vinho do porto para as caves de Vila Nova de Gaia.
  • 9. Nasce em Espanha - onde é conhecido como Tajo - a 1 593 m de altitude na Serra de Albarracín. Nas suas margens ficam localidades portuguesas como Abrantes, Santarém, Salvaterra de Magos, Vila Franca de Xira, Alverca do Ribatejo, Forte da Casa, Póvoa de Santa Iria, Sacavém, Alcochete, Montijo, Barreiro, Seixal, Almada e Lisboa. Desagua no Oceano Atlântico, banhando Lisboa. Ao longo do curso do rio existem diversas captações de água potável que servem inúmeras localidades. Para regadio: O aproveitamento para fins agrícolas ocorre praticamente em todo o curso do rio, exemplo da importância deste factor é o caso da lezíria do Ribatejo O rio Tejo funciona como uma auto-estrada marítima já que suporta o transporte de pessoas e de bens. É no porto de Lisboa que se movimenta a maior quantidade de mercadorias no país. O rio só é navegável para barcos de maior porte entre Abrantes e Lisboa
  • 10. O Mira é um rio português que nasce na Serra do Caldeirão, a uma altitude de 470 m, e percorre cerca de 145 km Este rio passa por Odmira e por Vila Nova de Milfontes. O rio Mira vai desaguar no oceano Atlântico junto à bela Vila de Milfontes. Até à data foram identificadas 91 espécies de peixe no estuário do Mira,entre elas, temos: o cavalo marinho,bodiões, cabozes e linguados. Os sardos e as taínhas são as espécies que mais utilizam o estuário do rio Mira. O rio Mira constituiu um importante recurso que facilitou a instalação de comunidades e lhes assegurou condições dignas de vida. Rico em recursos piscícolas, fonte energética para os moinhos instalados no seu leito, garante de terras fluviais ricas e sustentáculo de ricos habitats, o rio Mira estende-se ao longo de uma vasta região.
  • 11. Nasce em Vieira do Minho, a cerca de 1200 m o Ave é um rio português, que nasce na Serra da Cabreira, concelho de de altitude, no Pau da Bela. Passa por Vieira do Minho, Póvoa de Lanhoso, Santo Tirso,Trofa e Vila do Conde. Desagua no oceano Atlântico, a sul de Vila do Conde. No estuário do rio Ave, há lampreias, sáveis e outros peixes. Aqui abunda muita pesca à cana. Em tempos, o rio foi muito abundante de peixe variado, destacando-se os barbos, as enguias, as trutas, os escalos, as bogas ,os relhos e outros. A sua maior riqueza era a sua água límpida como branca neve e o conforto da frescura nos dias de grande calor. Foi uma relíquia que a Natureza nos doou e o Homem destruidor lançou a bomba da poluição que o matou. Este rio já foi muito importante para a região, devido á variedade de peixes que nos dava aos campos agricolas que regava e aos momentos de lazer que nos premitia viver nas suas margens. Hoje isto não é possível devido á poluição deste rio , atualmente considerado o rio mais poluido da Europa.
  • 12. Fiães, 16 de Janeiro de 2012 Autores Beatriz Sousa Lara Beatriz