SlideShare uma empresa Scribd logo
1
2
CELEBRAÇÃO
DA
COSMOGÊNESE
A PÁSCOA
COMO:
CELEBRAÇÃO
DA COLHEITA
CELEBRAÇÃO
DA SAÍDA DO
EGITO.
RITUAL MÍSTICO DE
INICIAÇÃO PARA O
MINISTÉRIO
APOSTOLAR.
OCORRE EM DOIS
MOMENTOS:
PURIFICAÇÃO E
RECONHECIMENTO
DOS PODERES
INTERNOS..
RITUAL PARA
ENTRADA NO
TEMPLO NAS
ESCOLAS DE
MISTÉRIO.
3
João 2: 13-25/ 15.1, 6.4
João 2.13 Depois disto desceu a Cafarnaum,
ele, e sua mãe, e seus irmãos, e seus discípulos;
e ficaram ali não muitos dias. E estava próxima a
páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.
E achou no templo os que vendiam bois, e
ovelhas, e pombos, e os cambiadores
assentados.
E a ultima Páscoa foi realizada na noite em foi
traído e preso.
Mt. 26 .../ Mac. 14,17 / luc. 22,14 ... 4
A PRIMEIRA PÁSCOA CELEBRADA NO INÍCIO DO
MINISTÉRIO DE JESUS.

Recomendado para você

Heresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romanaHeresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romana

1. A lista descreve 35 tradições e doutrinas adotadas pela Igreja Católica Romana ao longo de 1600 anos que não estão de acordo com a Bíblia, como orações para os mortos, veneração a Maria e aos santos, o celibato sacerdotal e a confissão ao padre. 2. Muitas dessas tradições surgiram séculos depois de Cristo, como a adoração a imagens em 788 d.C. e a canonização dos santos em 995 d.C. 3. Algumas práticas como a indul

A Quaresma
A QuaresmaA Quaresma
A Quaresma

A Quaresma é o período de 40 dias que antecede a Páscoa e é dedicado à reflexão espiritual, conversão e crescimento na fé através do jejum, oração e caridade. A data da Páscoa é definida em relação ao equinócio da primavera no hemisfério norte e a Quaresma é contada retroativamente a partir daí.

estudos bíblicospowerpointquaresma
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por JesusLição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus

1. A palavra de Jesus era pronunciada com autoridade, causando espanto em seus ouvintes. 2. Jesus tinha autoridade para perdoar pecados e sobre as forças da natureza. 3. O centurião reconheceu a grande autoridade de Jesus, pedindo apenas uma ordem para sarar seu servo, o que deixou Jesus maravilhado.

lição 5 - a autoridade e o poder demonstrados por
a) A Páscoa é uma das tradições dos mistérios;
b) A preparação do ambiente, do alimento, a repartição do alimento
e por fim o seu consumo, é um conjunto de ações que faziam
parte das cerimônias secretas no Egito, Mitraísmo entre outras
escolas e da gnose cristã;
c) Há uma repartição de pão para os que já participavam da
celebração do lado interno ou esotérico e os que estavam no lado
externo ou exotérico das cerimônias;
d) Dependendo da Escola de Mistério, o alimento utilizado no
cerimonial iria variar.
pão ázimo – Êxodo 12-8, 11,34,36
ervas amargas Êxodo 12:8
cordeiro Êxodo 12:3 -7
bolo ou pão consagrado ( hóstia)
néctar de uva e água em cálices separados.
5
6
a ) Por ultimo, um dos valores destas cerimônias, se referia aos
pães e bolos que eram consagrados ou abençoados pelos
sacerdotes e distribuídos aos presentes. No Egito, acreditava-se
que era o próprio corpo de Osíris que estava sendo oferecido, e
na Santa Ceia , os apóstolos estavam se alimentando do corpo de
Cristo: a magia divina que foi em primeiro lugar passada de
forma oral e em segundo, de forma experiencial;
e) No lado externo era simbolizado pela aquisição dos alimentos
vindo dos templos ou dos ritos.
( uma orientação geral de ensinamentos para a vida cotidiana). 7
8
O primeiro
momento da
celebração
da Páscoa.

Recomendado para você

Batismo
BatismoBatismo
Batismo

O documento discute diferentes perspectivas sobre o batismo entre religiões e a importância de seguir o plano do Novo Testamento. Ele explora se o batismo é essencial para a salvação segundo a Bíblia e como deve ser administrado corretamente, concluindo que o batismo em nome de Jesus Cristo é necessário de acordo com os ensinamentos de Jesus e dos apóstolos.

Semana santa parte 2
Semana santa   parte 2Semana santa   parte 2
Semana santa parte 2

O documento descreve as tradições e liturgias da Semana Santa, incluindo a Sexta-feira da Paixão, o Sábado Santo e a Vigília Pascal. Na Sexta-feira, a Igreja medita sobre a morte de Cristo sem celebrar a Eucaristia. No Sábado, a Igreja permanece em silêncio diante do túmulo de Cristo. Na Vigília Pascal, a Igreja celebra a ressurreição de Cristo por meio da liturgia da luz, da palavra, do batismo

semana santa cc
Preparação Semana Santa 2010
Preparação Semana Santa 2010Preparação Semana Santa 2010
Preparação Semana Santa 2010

1) O documento descreve a evolução da celebração da Páscoa, desde as suas origens nas festas da primavera até a Páscoa cristã atual. 2) São descritos os ritos da Semana Santa, incluindo a entrada de Jesus em Jerusalém, a Última Ceia, a Paixão e a Ressurreição. 3) A Páscoa cristã é celebrada anualmente no Tríduo Pascal e no Tempo Pascal de 50 dias após a Ressurreição.

Mt. 26: 2 Sabeis que daqui a dois dias será a
Páscoa e o Filho do homem será entregue para
ser crucificado. 26:17 No primeiro dia da festa
dos pães ázimos, os discípulos aproximaram-se
de Jesus dizendo: Onde queres que façamos os
preparativos para comeres a Páscoa?
9
Teria como principal razão o FLUIR da grande
efusão espiritual sobre os corpos do homem, sobre
o seu ambiente, e para auxiliar e fortalecer cada
pessoa que fosse capaz de RESPONDER.
Mas para RESPONDER, necessitaria “entrar” no
recinto do Santuário Interno e lá aprender a dar o
seu TOM.
10
11
12
JOÃO 13:1 – 11
13:12 - 17

Recomendado para você

Lição 13 A Ressurreição de Cristo
Lição 13   A Ressurreição de CristoLição 13   A Ressurreição de Cristo
Lição 13 A Ressurreição de Cristo

A ressurreição de Jesus é a garantia de que todos os que morreram em Cristo se levantarão do pó da terra.

Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas

O documento discute o papel do Espírito Santo no Evangelho de Lucas em três frases: 1) O Espírito Santo esteve ativamente envolvido desde a concepção de Jesus até sua ressurreição, agindo em seu nascimento, desenvolvimento e ministério. 2) Jesus ensinou sobre como receber o Espírito Santo através da oração perseverante e enviou a promessa do poder do Espírito após a ascensão. 3) O segredo do sucesso ministerial de Jesus foi agir em perfeita sintonia com o Espí

lição 2 - o espírito santo no evangelho de lucas
Lição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
Lição 13 - A Igreja e as Últimas CoisasLição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
Lição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas

O documento discute a Igreja e as últimas coisas. Aborda o arrebatamento, o julgamento de Cristo, as duas vindas de Cristo, o milênio e a esperança da Igreja na Sua volta. Explica que a Igreja será julgada por suas obras e não por seus pecados, e que aqueles fiéis receberão recompensas.

lição 13 - a igreja e as últimas coisas
Cap. 139. Sobre a constituição do caminho do meio 5 poderes sem luz.
Sobre cada trabalho ou tom.
13
10.ANDRÉ
11.TIAGO
MENOR
12.BARTOLOMEU
9. PEDRO
8.JUDAS E.
7. JOÃO
6.TOMÉ
5.TIAGO M.
4. FELIPE
3. MATEUS
2. JUDAS T.
1.SIMÃO
1 e 7 = A força criadora;
2 e 8 = A matéria criada;
3 e 9 = A lei da evolução;
4 e 10 = A eternidade;
5 e 11 = O amor;
6 e 12= A sabedoria
universal.
Seis eixo de
energias
(tom ou
poderes).
Mas para RESPONDER, necessitaria “entrar” no recinto do Santuário Interno e lá
aprender a dar o seu TOM.
14
O segundo momento da celebração da Páscoa de Jesus, o Cristo.
O RITO MÍSTICO.
15
Vestidos com roupas de
linho.
Tendo em suas mãos a
escrita secreta ( palavra
sagrada)do nome do pai do
Tesouro de Luz Ilimitada.
Ele fez a invocação:
A OFERENDA MÍSTICA
.
Leitura
293
Ver
simbologia.
Simbologia do Altar.
a) Oferendas queimadas são símbolos de auto purificação. Toda as as
emoções e desejos que são transmutados em PODER ESPIRITUAL;
b) Vinhas indicam inicio de um novo ciclo de experiência e
desenvolvimento;
c) A água quando o eu superior une-se ao inferior e o princípio divino é
realizado e está presente, a água (emoções) é automaticamente
transformada em vinho (intuição);
d) O cálice refere-se a vestimenta de luz o EGO que está manifestado, e
através do qual, expressa-se os mundo espirituais;
e) O princípio do Cristo está por trás do pão;
f) Por tanto o Cristo está por trás desta efusão de força sobre o Seu altar
manifestando-se em forma terrena, na forma do alimento ou seu corpo
de ensinamento a Sua Gnose.
16
Voltar 13

Recomendado para você

Lição 13 a ressurreição de jesus
Lição 13   a ressurreição de jesusLição 13   a ressurreição de jesus
Lição 13 a ressurreição de jesus

O documento discute a ressurreição de Jesus Cristo. Apresenta a doutrina da ressurreição no Antigo e Novo Testamento e as evidências bíblicas do evento, como os encontros de Jesus ressuscitado com seus discípulos. Argumenta que o propósito da ressurreição foi a salvação e justificação dos crentes e a garantia da ressurreição dos corpos.

Calendário litúrgico
Calendário litúrgicoCalendário litúrgico
Calendário litúrgico

O documento descreve o calendário litúrgico católico, dividido em dois principais ciclos. O Ciclo do Natal celebra o nascimento de Jesus e vai do Advento até o Batismo do Senhor. O Ciclo Pascal celebra a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus, indo da Quaresma até Pentecostes. Cada tempo litúrgico tem símbolos, cores e significados próprios para relembrar os mistérios da fé.

O ano litúrgico
O ano litúrgicoO ano litúrgico
O ano litúrgico

O documento descreve o Ano Litúrgico da Igreja Católica, que celebra os mistérios de Cristo ao longo de um ciclo anual. O ano é dividido em duas partes principais - o Ciclo do Natal, que começa no Advento e termina no Batismo de Jesus, e o Ciclo da Páscoa, que começa na Quaresma e termina no Pentecostes. Cada período tem suas próprias características espirituais e litúrgicas, marcadas pelas cores e celebrações.

Rito Místico do Perdão dos Pecados
17
A INVOCAÇÃO :
Isto é seguido por uma fórmula
mística, o que é interpretado como:
“Ouve-me , meu Pai. Pai de toda a paternidade. Invoco-
vos também, perdoadores de pecados, purificadores de
iniquidades. Perdoai os pecados das almas destes
discípulos que me seguiram e purificai suas iniquidades e
tornai-os dignos de serem incluídos no Reino de meu Pai,
o Pai do Tesouro de Luz, pois eles me seguiram e
cumpriram meus mandamentos.”
18
19
20
a) (...) este universo foi chamado à vida, e a Sua vontade é que mantém toda a criação funcionando por uma pressão cujo propósito é a
evolução deste universo;
b) (...) existe uma pressão constante para o alto em cada estágio; cada um de nós, mesmos que não percebamos, estamos sujeitos a essa
lenta e definida pressão para o alto;

Recomendado para você

Simbologia Pascal
Simbologia PascalSimbologia Pascal
Simbologia Pascal

O documento descreve os principais símbolos e tradições da Páscoa Cristã, incluindo o significado de termos como Páscoa, Cordeiro, Pão e Vinho, Círio, Quaresma, Semana Santa e como a Páscoa é celebrada.

Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS

A lição aborda a doutrina da ressurreição de Jesus Cristo. Discute que esta doutrina estava presente no Antigo e Novo Testamento. A ressurreição de Jesus foi literal e corporal, como evidenciado por seus encontros físicos com os discípulos. Há evidências diretas e indiretas deste evento. O propósito da ressurreição foi prover salvação, justificação e redenção do corpo para aqueles que crerem.

Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica

Uma pequena lista demonstrando as heresias inseridas pela Igreja Católica em sua teologia durante a história

história da igrejaigreja catolicaheresias
c) Em todo os planos existe essa forte corrente
na direção do aprimoramento. Quem quer que
faça, diga pense algo contrário a esta corrente,
estabelece uma oposição um redemoinho na
corrente ao redor de si mesmo; 21
a) O pecado seria um fluxo regular, no que diz respeito ao individuo, que
colocou em seus corpos (físico, mental e emocional) porções de vórtices
que não estão vibrando em harmonia com a corrente evolutiva;
b) Na Doutrina do Yoga Sutras são perturbações que devem ser purificadas
com os Yamas e Niyamas. Na Gnose Cristã, a purificação se daria através
do cumprimento dos ensinamento esotérico(pois eles me seguiram e
cumpriram meus mandamentos) e do Rito Místico do Perdão dos
Pecados realizado ao terceiro dia após a sua “morte” e com este Rito
finaliza-se a ultima parte da celebração da Páscoa, na Santa Ceia.
22
O MESTRE “parte” e deixa que a Sua Páscoa se perpetue.
"Eles saíram de três por três a quatro pontos do céu; eles pregaram as boas novas do Reino
em todo o mundo, o Cristo ser ativo com eles, nas palavras de confirmação e os sinais e
maravilhas que os acompanhavam. E assim foi, conhecido o Reino de Deus em toda a terra
e em todo o mundo de Israel, [e isso] é um testemunho para todas as nações que estão do
oriente até o ocidente ".
23
O segundo evento após a Páscoa foi a TRAIÇÃO.
A SIMBOLOGIA MÍSTICA DA TRAÍÇÃO, JULGAMENTO E CRUCIFICAÇÃO.
24

Recomendado para você

Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano

1) O documento descreve a evolução histórica da oração litúrgica das horas, desde as práticas judaicas e dos primeiros cristãos até a formação da Liturgia das Horas moderna. 2) Nos primeiros séculos, a oração das comunidades cristãs seguia ritmos semelhantes aos da oração judaica, com três momentos de oração diários. 3) Ao longo do tempo, a oração foi se organizando em sete horas principais (Laudes, Terça, Sexta, Nona, Vésperas,

Solenidade de Pentecostes
Solenidade de PentecostesSolenidade de Pentecostes
Solenidade de Pentecostes

Tema do Domingo de Pentecostes O tema deste domingo é, evidentemente, o Espírito Santo. Dom de Deus a todos os crentes, o Espírito dá vida, renova, transforma, constrói comunidade e faz nascer o Homem Novo. O Evangelho apresenta-nos a comunidade cristã, reunida à volta de Jesus ressuscitado. Para João, esta comunidade passa a ser uma comunidade viva, recriada, nova, a partir do dom do Espírito. É o Espírito que permite aos crentes superar o medo e as limitações e dar testemunho no mundo desse amor que Jesus viveu até às últimas consequências. Na primeira leitura, Lucas sugere que o Espírito é a lei nova que orienta a caminhada dos crentes. É Ele que cria a nova comunidade do Povo de Deus, que faz com que os homens sejam capazes de ultrapassar as suas diferenças e comunicar, que une numa mesma comunidade de amor, povos de todas as raças e culturas. Na segunda leitura, Paulo avisa que o Espírito é a fonte de onde brota a vida da comunidade cristã. É Ele que concede os dons que enriquecem a comunidade e que fomenta a unidade de todos os membros; por isso, esses dons não podem ser usados para benefício pessoal, mas devem ser postos ao serviço de todos.

ano asolenidade do pentecostesactos dos apóstolos
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes

Tema do Domingo de Pentecostes - Ano A O tema deste domingo é, evidentemente, o Espírito Santo. Dom de Deus a todos os crentes, o Espírito dá vida, renova, transforma, constrói comunidade e faz nascer o Homem Novo. O Evangelho apresenta-nos a comunidade cristã, reunida à volta de Jesus ressuscitado. Para João, esta comunidade passa a ser uma comunidade viva, recriada, nova, a partir do dom do Espírito. É o Espírito que permite aos crentes superar o medo e as limitações e dar testemunho no mundo desse amor que Jesus viveu até às últimas consequências. Na primeira leitura, Lucas sugere que o Espírito é a lei nova que orienta a caminhada dos crentes. É Ele que cria a nova comunidade do Povo de Deus, que faz com que os homens sejam capazes de ultrapassar as suas diferenças e comunicar, que une numa mesma comunidade de amor, povos de todas as raças e culturas. Na segunda leitura, Paulo avisa que o Espírito é a fonte de onde brota a vida da comunidade cristã. É Ele que concede os dons que enriquecem a comunidade e que fomenta a unidade de todos os membros; por isso, esses dons não podem ser usados para benefício pessoal, mas devem ser postos ao serviço de todos.

domingo de pentecostesano aactos dos apóstolos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 6 - O Discipulado Diligente
Lição 6 - O Discipulado DiligenteLição 6 - O Discipulado Diligente
Lição 6 - O Discipulado Diligente
Éder Tomé
 
A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)
Jackson Façanha Damasceno
 
Lição 7 - O Valor do Indivíduo
Lição 7 - O Valor do IndivíduoLição 7 - O Valor do Indivíduo
Lição 7 - O Valor do Indivíduo
Éder Tomé
 
Heresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romanaHeresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romana
Roberto Wagner G. dos Santos
 
A Quaresma
A QuaresmaA Quaresma
A Quaresma
Daniel Junior
 
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por JesusLição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Éder Tomé
 
Batismo
BatismoBatismo
Batismo
Joabe Messias
 
Semana santa parte 2
Semana santa   parte 2Semana santa   parte 2
Semana santa parte 2
mbsilva1971
 
Preparação Semana Santa 2010
Preparação Semana Santa 2010Preparação Semana Santa 2010
Preparação Semana Santa 2010
mavilpo
 
Lição 13 A Ressurreição de Cristo
Lição 13   A Ressurreição de CristoLição 13   A Ressurreição de Cristo
Lição 13 A Ressurreição de Cristo
Wander Sousa
 
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Éder Tomé
 
Lição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
Lição 13 - A Igreja e as Últimas CoisasLição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
Lição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
Éder Tomé
 
Lição 13 a ressurreição de jesus
Lição 13   a ressurreição de jesusLição 13   a ressurreição de jesus
Lição 13 a ressurreição de jesus
Regio Davis
 
Calendário litúrgico
Calendário litúrgicoCalendário litúrgico
Calendário litúrgico
mbsilva1971
 
O ano litúrgico
O ano litúrgicoO ano litúrgico
O ano litúrgico
Juliana Cristina M. Muniz
 
Simbologia Pascal
Simbologia PascalSimbologia Pascal
Simbologia Pascal
IsabelPereira2010
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Pr. Gerson Eller
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
Alberto Simonton
 
Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano
Oswaldo Michaelano
 

Mais procurados (19)

Lição 6 - O Discipulado Diligente
Lição 6 - O Discipulado DiligenteLição 6 - O Discipulado Diligente
Lição 6 - O Discipulado Diligente
 
A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)A pascoa na visão espírita (2)
A pascoa na visão espírita (2)
 
Lição 7 - O Valor do Indivíduo
Lição 7 - O Valor do IndivíduoLição 7 - O Valor do Indivíduo
Lição 7 - O Valor do Indivíduo
 
Heresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romanaHeresias da igreja católica romana
Heresias da igreja católica romana
 
A Quaresma
A QuaresmaA Quaresma
A Quaresma
 
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por JesusLição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
Lição 5 - A Autoridade e o Poder Demonstrados por Jesus
 
Batismo
BatismoBatismo
Batismo
 
Semana santa parte 2
Semana santa   parte 2Semana santa   parte 2
Semana santa parte 2
 
Preparação Semana Santa 2010
Preparação Semana Santa 2010Preparação Semana Santa 2010
Preparação Semana Santa 2010
 
Lição 13 A Ressurreição de Cristo
Lição 13   A Ressurreição de CristoLição 13   A Ressurreição de Cristo
Lição 13 A Ressurreição de Cristo
 
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
Lição 2 - O Espírito Santo no Evangelho de Lucas
 
Lição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
Lição 13 - A Igreja e as Últimas CoisasLição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
Lição 13 - A Igreja e as Últimas Coisas
 
Lição 13 a ressurreição de jesus
Lição 13   a ressurreição de jesusLição 13   a ressurreição de jesus
Lição 13 a ressurreição de jesus
 
Calendário litúrgico
Calendário litúrgicoCalendário litúrgico
Calendário litúrgico
 
O ano litúrgico
O ano litúrgicoO ano litúrgico
O ano litúrgico
 
Simbologia Pascal
Simbologia PascalSimbologia Pascal
Simbologia Pascal
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
 
Lista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja CatólicaLista de heresias da Igreja Católica
Lista de heresias da Igreja Católica
 
Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano Reforma do Breviário Romano
Reforma do Breviário Romano
 

Semelhante a O sentido mistico da páscoa

Solenidade de Pentecostes
Solenidade de PentecostesSolenidade de Pentecostes
Solenidade de Pentecostes
pr_afsalbergaria
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
pr_afsalbergaria
 
p1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.ppt
p1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.pptp1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.ppt
p1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.ppt
ParoquiaSantoAntonio3
 
PENTECOSTES
PENTECOSTESPENTECOSTES
PENTECOSTES
Isaura Miike
 
Lição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa DesejadaLição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa Desejada
Éder Tomé
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
Ceile Bernardo
 
AMestreEduardo.pptx
AMestreEduardo.pptxAMestreEduardo.pptx
AMestreEduardo.pptx
AlexandraMeloSilva
 
EBD - LIÇÃO - 9 A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
EBD - LIÇÃO - 9  A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTALEBD - LIÇÃO - 9  A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
EBD - LIÇÃO - 9 A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semana
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semanaRetiro do Advento_Parte 3_primeira semana
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semana
Cris Simoni
 
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostalLição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Ailton da Silva
 
Pentecostes
Pentecostes Pentecostes
Pentecostes
pr_afsalbergaria
 
Roteiro homilético solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016
Roteiro homilético  solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016Roteiro homilético  solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016
Roteiro homilético solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016
José Luiz Silva Pinto
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
pr_afsalbergaria
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
pr_afsalbergaria
 
Carismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivoCarismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivo
Tradição Católica no Brasil
 
A ceia
A ceiaA ceia
QUERIGMA
QUERIGMAQUERIGMA
QUERIGMA
realvictorsouza
 
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxLição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Lição 9   a pureza do movimento pentecostalLição 9   a pureza do movimento pentecostal
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Jose Ventura
 
Cat05
Cat05Cat05

Semelhante a O sentido mistico da páscoa (20)

Solenidade de Pentecostes
Solenidade de PentecostesSolenidade de Pentecostes
Solenidade de Pentecostes
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
 
p1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.ppt
p1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.pptp1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.ppt
p1508pentecostes-150521021951-lva1-app6891.ppt
 
PENTECOSTES
PENTECOSTESPENTECOSTES
PENTECOSTES
 
Lição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa DesejadaLição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa Desejada
 
Atos dos apostolos
Atos dos apostolosAtos dos apostolos
Atos dos apostolos
 
AMestreEduardo.pptx
AMestreEduardo.pptxAMestreEduardo.pptx
AMestreEduardo.pptx
 
EBD - LIÇÃO - 9 A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
EBD - LIÇÃO - 9  A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTALEBD - LIÇÃO - 9  A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
EBD - LIÇÃO - 9 A PUREZA DO MOVIMENTO PENTECOSTAL
 
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semana
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semanaRetiro do Advento_Parte 3_primeira semana
Retiro do Advento_Parte 3_primeira semana
 
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostalLição 9 - A pureza do movimento pentecostal
Lição 9 - A pureza do movimento pentecostal
 
Pentecostes
Pentecostes Pentecostes
Pentecostes
 
Roteiro homilético solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016
Roteiro homilético  solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016Roteiro homilético  solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016
Roteiro homilético solenidade de pentecostes – ano c – vermelho – 15.05.2016
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
 
Pentecostes
PentecostesPentecostes
Pentecostes
 
Carismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivoCarismatismo super-emotivo
Carismatismo super-emotivo
 
A ceia
A ceiaA ceia
A ceia
 
QUERIGMA
QUERIGMAQUERIGMA
QUERIGMA
 
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptxLição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
Lição 5 O Avivamento na vida da Igreja.pptx
 
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
Lição 9   a pureza do movimento pentecostalLição 9   a pureza do movimento pentecostal
Lição 9 a pureza do movimento pentecostal
 
Cat05
Cat05Cat05
Cat05
 

Mais de Simone Pitta

Introdução a pérola 2013
Introdução a pérola  2013Introdução a pérola  2013
Introdução a pérola 2013
Simone Pitta
 
A imaculada concepção e a mulher eterna
A imaculada concepção e a mulher eternaA imaculada concepção e a mulher eterna
A imaculada concepção e a mulher eterna
Simone Pitta
 
Janana yoga
Janana yogaJanana yoga
Janana yoga
Simone Pitta
 
Os upanishads
Os upanishadsOs upanishads
Os upanishads
Simone Pitta
 
O evangelho de judas
O evangelho de judasO evangelho de judas
O evangelho de judas
Simone Pitta
 
As virtudes
As virtudesAs virtudes
As virtudes
Simone Pitta
 
Luz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_branco
Luz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_brancoLuz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_branco
Luz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_branco
Simone Pitta
 
Ensinamentos de jesus
Ensinamentos de jesusEnsinamentos de jesus
Ensinamentos de jesus
Simone Pitta
 
O sermao-da-montanha-segundo-a-vedanta
O sermao-da-montanha-segundo-a-vedantaO sermao-da-montanha-segundo-a-vedanta
O sermao-da-montanha-segundo-a-vedanta
Simone Pitta
 
Pistis sophia
Pistis sophiaPistis sophia
Pistis sophia
Simone Pitta
 
Hodson geoffrey luz oculta - extractos 3
Hodson geoffrey   luz oculta - extractos 3Hodson geoffrey   luz oculta - extractos 3
Hodson geoffrey luz oculta - extractos 3
Simone Pitta
 
Dhammapada
DhammapadaDhammapada
Dhammapada
Simone Pitta
 
Guru gita-esp
Guru gita-espGuru gita-esp
Guru gita-esp
Simone Pitta
 
Mudras
MudrasMudras
Mudras
Simone Pitta
 
Sao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-alma
Sao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-almaSao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-alma
Sao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-alma
Simone Pitta
 
Joao da cruz
Joao da cruzJoao da cruz
Joao da cruz
Simone Pitta
 
A chave para teosofia (h. p. blavatzky)
A chave para teosofia (h. p. blavatzky)A chave para teosofia (h. p. blavatzky)
A chave para teosofia (h. p. blavatzky)
Simone Pitta
 
Hodson geoffrey meditaciones sobre la vida oculta
Hodson geoffrey   meditaciones sobre la vida ocultaHodson geoffrey   meditaciones sobre la vida oculta
Hodson geoffrey meditaciones sobre la vida oculta
Simone Pitta
 

Mais de Simone Pitta (18)

Introdução a pérola 2013
Introdução a pérola  2013Introdução a pérola  2013
Introdução a pérola 2013
 
A imaculada concepção e a mulher eterna
A imaculada concepção e a mulher eternaA imaculada concepção e a mulher eterna
A imaculada concepção e a mulher eterna
 
Janana yoga
Janana yogaJanana yoga
Janana yoga
 
Os upanishads
Os upanishadsOs upanishads
Os upanishads
 
O evangelho de judas
O evangelho de judasO evangelho de judas
O evangelho de judas
 
As virtudes
As virtudesAs virtudes
As virtudes
 
Luz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_branco
Luz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_brancoLuz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_branco
Luz do santuario_-_geoffrey_hodson_-_tradutor_raul_branco
 
Ensinamentos de jesus
Ensinamentos de jesusEnsinamentos de jesus
Ensinamentos de jesus
 
O sermao-da-montanha-segundo-a-vedanta
O sermao-da-montanha-segundo-a-vedantaO sermao-da-montanha-segundo-a-vedanta
O sermao-da-montanha-segundo-a-vedanta
 
Pistis sophia
Pistis sophiaPistis sophia
Pistis sophia
 
Hodson geoffrey luz oculta - extractos 3
Hodson geoffrey   luz oculta - extractos 3Hodson geoffrey   luz oculta - extractos 3
Hodson geoffrey luz oculta - extractos 3
 
Dhammapada
DhammapadaDhammapada
Dhammapada
 
Guru gita-esp
Guru gita-espGuru gita-esp
Guru gita-esp
 
Mudras
MudrasMudras
Mudras
 
Sao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-alma
Sao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-almaSao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-alma
Sao joao-da-cruz-a-noite-escura-da-alma
 
Joao da cruz
Joao da cruzJoao da cruz
Joao da cruz
 
A chave para teosofia (h. p. blavatzky)
A chave para teosofia (h. p. blavatzky)A chave para teosofia (h. p. blavatzky)
A chave para teosofia (h. p. blavatzky)
 
Hodson geoffrey meditaciones sobre la vida oculta
Hodson geoffrey   meditaciones sobre la vida ocultaHodson geoffrey   meditaciones sobre la vida oculta
Hodson geoffrey meditaciones sobre la vida oculta
 

O sentido mistico da páscoa

  • 1. 1
  • 2. 2
  • 3. CELEBRAÇÃO DA COSMOGÊNESE A PÁSCOA COMO: CELEBRAÇÃO DA COLHEITA CELEBRAÇÃO DA SAÍDA DO EGITO. RITUAL MÍSTICO DE INICIAÇÃO PARA O MINISTÉRIO APOSTOLAR. OCORRE EM DOIS MOMENTOS: PURIFICAÇÃO E RECONHECIMENTO DOS PODERES INTERNOS.. RITUAL PARA ENTRADA NO TEMPLO NAS ESCOLAS DE MISTÉRIO. 3
  • 4. João 2: 13-25/ 15.1, 6.4 João 2.13 Depois disto desceu a Cafarnaum, ele, e sua mãe, e seus irmãos, e seus discípulos; e ficaram ali não muitos dias. E estava próxima a páscoa dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. E achou no templo os que vendiam bois, e ovelhas, e pombos, e os cambiadores assentados. E a ultima Páscoa foi realizada na noite em foi traído e preso. Mt. 26 .../ Mac. 14,17 / luc. 22,14 ... 4 A PRIMEIRA PÁSCOA CELEBRADA NO INÍCIO DO MINISTÉRIO DE JESUS.
  • 5. a) A Páscoa é uma das tradições dos mistérios; b) A preparação do ambiente, do alimento, a repartição do alimento e por fim o seu consumo, é um conjunto de ações que faziam parte das cerimônias secretas no Egito, Mitraísmo entre outras escolas e da gnose cristã; c) Há uma repartição de pão para os que já participavam da celebração do lado interno ou esotérico e os que estavam no lado externo ou exotérico das cerimônias; d) Dependendo da Escola de Mistério, o alimento utilizado no cerimonial iria variar. pão ázimo – Êxodo 12-8, 11,34,36 ervas amargas Êxodo 12:8 cordeiro Êxodo 12:3 -7 bolo ou pão consagrado ( hóstia) néctar de uva e água em cálices separados. 5
  • 6. 6
  • 7. a ) Por ultimo, um dos valores destas cerimônias, se referia aos pães e bolos que eram consagrados ou abençoados pelos sacerdotes e distribuídos aos presentes. No Egito, acreditava-se que era o próprio corpo de Osíris que estava sendo oferecido, e na Santa Ceia , os apóstolos estavam se alimentando do corpo de Cristo: a magia divina que foi em primeiro lugar passada de forma oral e em segundo, de forma experiencial; e) No lado externo era simbolizado pela aquisição dos alimentos vindo dos templos ou dos ritos. ( uma orientação geral de ensinamentos para a vida cotidiana). 7
  • 9. Mt. 26: 2 Sabeis que daqui a dois dias será a Páscoa e o Filho do homem será entregue para ser crucificado. 26:17 No primeiro dia da festa dos pães ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus dizendo: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a Páscoa? 9
  • 10. Teria como principal razão o FLUIR da grande efusão espiritual sobre os corpos do homem, sobre o seu ambiente, e para auxiliar e fortalecer cada pessoa que fosse capaz de RESPONDER. Mas para RESPONDER, necessitaria “entrar” no recinto do Santuário Interno e lá aprender a dar o seu TOM. 10
  • 11. 11
  • 12. 12 JOÃO 13:1 – 11 13:12 - 17
  • 13. Cap. 139. Sobre a constituição do caminho do meio 5 poderes sem luz. Sobre cada trabalho ou tom. 13 10.ANDRÉ 11.TIAGO MENOR 12.BARTOLOMEU 9. PEDRO 8.JUDAS E. 7. JOÃO 6.TOMÉ 5.TIAGO M. 4. FELIPE 3. MATEUS 2. JUDAS T. 1.SIMÃO 1 e 7 = A força criadora; 2 e 8 = A matéria criada; 3 e 9 = A lei da evolução; 4 e 10 = A eternidade; 5 e 11 = O amor; 6 e 12= A sabedoria universal. Seis eixo de energias (tom ou poderes). Mas para RESPONDER, necessitaria “entrar” no recinto do Santuário Interno e lá aprender a dar o seu TOM.
  • 14. 14 O segundo momento da celebração da Páscoa de Jesus, o Cristo. O RITO MÍSTICO.
  • 15. 15 Vestidos com roupas de linho. Tendo em suas mãos a escrita secreta ( palavra sagrada)do nome do pai do Tesouro de Luz Ilimitada. Ele fez a invocação: A OFERENDA MÍSTICA . Leitura 293 Ver simbologia.
  • 16. Simbologia do Altar. a) Oferendas queimadas são símbolos de auto purificação. Toda as as emoções e desejos que são transmutados em PODER ESPIRITUAL; b) Vinhas indicam inicio de um novo ciclo de experiência e desenvolvimento; c) A água quando o eu superior une-se ao inferior e o princípio divino é realizado e está presente, a água (emoções) é automaticamente transformada em vinho (intuição); d) O cálice refere-se a vestimenta de luz o EGO que está manifestado, e através do qual, expressa-se os mundo espirituais; e) O princípio do Cristo está por trás do pão; f) Por tanto o Cristo está por trás desta efusão de força sobre o Seu altar manifestando-se em forma terrena, na forma do alimento ou seu corpo de ensinamento a Sua Gnose. 16 Voltar 13
  • 17. Rito Místico do Perdão dos Pecados 17 A INVOCAÇÃO :
  • 18. Isto é seguido por uma fórmula mística, o que é interpretado como: “Ouve-me , meu Pai. Pai de toda a paternidade. Invoco- vos também, perdoadores de pecados, purificadores de iniquidades. Perdoai os pecados das almas destes discípulos que me seguiram e purificai suas iniquidades e tornai-os dignos de serem incluídos no Reino de meu Pai, o Pai do Tesouro de Luz, pois eles me seguiram e cumpriram meus mandamentos.” 18
  • 19. 19
  • 20. 20 a) (...) este universo foi chamado à vida, e a Sua vontade é que mantém toda a criação funcionando por uma pressão cujo propósito é a evolução deste universo; b) (...) existe uma pressão constante para o alto em cada estágio; cada um de nós, mesmos que não percebamos, estamos sujeitos a essa lenta e definida pressão para o alto;
  • 21. c) Em todo os planos existe essa forte corrente na direção do aprimoramento. Quem quer que faça, diga pense algo contrário a esta corrente, estabelece uma oposição um redemoinho na corrente ao redor de si mesmo; 21
  • 22. a) O pecado seria um fluxo regular, no que diz respeito ao individuo, que colocou em seus corpos (físico, mental e emocional) porções de vórtices que não estão vibrando em harmonia com a corrente evolutiva; b) Na Doutrina do Yoga Sutras são perturbações que devem ser purificadas com os Yamas e Niyamas. Na Gnose Cristã, a purificação se daria através do cumprimento dos ensinamento esotérico(pois eles me seguiram e cumpriram meus mandamentos) e do Rito Místico do Perdão dos Pecados realizado ao terceiro dia após a sua “morte” e com este Rito finaliza-se a ultima parte da celebração da Páscoa, na Santa Ceia. 22 O MESTRE “parte” e deixa que a Sua Páscoa se perpetue.
  • 23. "Eles saíram de três por três a quatro pontos do céu; eles pregaram as boas novas do Reino em todo o mundo, o Cristo ser ativo com eles, nas palavras de confirmação e os sinais e maravilhas que os acompanhavam. E assim foi, conhecido o Reino de Deus em toda a terra e em todo o mundo de Israel, [e isso] é um testemunho para todas as nações que estão do oriente até o ocidente ". 23 O segundo evento após a Páscoa foi a TRAIÇÃO. A SIMBOLOGIA MÍSTICA DA TRAÍÇÃO, JULGAMENTO E CRUCIFICAÇÃO.
  • 24. 24