SlideShare uma empresa Scribd logo
O Livro de Jonas 
1 E a palavra de Jeová veio para ser 
escutada por Jonas, filho de Amitaí. E 
assim foi entendida por Jonas: 2 “Você 
dever ir para Nínive, a grande cidade, e 
avisar a todos seus habitantes que fiquei 
sabendo de toda maldade que acontece 
por lá” 
3 Mas Jonas fugiu de Jeová indo para 
Jope onde pagou a passagem e embar-cou 
em um navio que o levaria até Tár-sis, 
querendo muito se esconder de Jeo-vá. 
4 Por isso Jeová produziu um forte ven-to 
que causou uma tempestade no mar 
que quase afundava o tal navio. 5 E os 
marujos ficaram com medo e começa-ram 
gritar por socorro, cada um apelan-do 
a seu deus. Então, eles passaram a 
jogar no mar vários objetos que havia 
no navio para diminuir o peso da em-barcação. 
Enquanto isso, Jonas desceu 
até o fundo do barco e ali se deitou para 
dormir. 6 Mas o capitão do navio o en-controu 
dormindo e disse: “Acorda pre-guiçoso! 
E clama por seu deus. Quem 
sabe (ele seja) o verdadeiro Deus e se 
importe conosco nos salvando! 
7 E os marujos tiveram a ideia de esco-lher 
na sorte quem era a causa daquela 
calamidade. Por fim, Jonas foi o sortea-do, 
8 e então lhe perguntaram: 
“Diga por favor qual é o motivo desta 
tempestade terrível! O que você faz e 
de onde vem? Qual é seu país e seu po-vo? 
9 Então Jonas respondeu: “Sou hebreu e 
sou servo de Jeová, o Deus dos céus, 
Aquele que criou tudo, inclusive a terra 
e o mar” 
10 O medo se espalhou por todos os 
marujos, pois o próprio Jonas havia 
contado a alguns que ele fugia de Jeová. 
Então disseram a Jonas: “O que foi que 
você fez?” 11 Como o mar ficava cada 
vez mais bravo lhe perguntaram: “O 
que devemos fazer com você para que o 
mar se acalme?” 12 E Jonas respondeu: 
“Joguem-me no mar e isso acalmará as 
águas; porque também acredito que é 
por causa de minha fuga que aconteceu 
esta tempestade!” 13 Mas os marujos 
ainda insistiram em tentar levar o navio 
para a terra; o que não conseguiram de-vido 
à piora constante da tempestade. 
14 Então os marujos decidiram lançar 
Jonas no mar, mas fizeram isso rogando 
a Jeová dizendo: “Ai de nós Jeová! Não 
nos deixe morrer por causa da vida des-te 
homem! E também não nos culpe 
pela vida de um inocente visto que foi 
você mesmo quem desejou e causou 
tudo isso!” 15 Então, eles jogaram Jo-nas 
na água e o mar começou a ficar 
sossegado 16 causando grande medo 
naqueles marujos que passaram a res-peitar 
Jeová fazendo votos de sacrifí-cios. 
1 
17 Mas Jeová chamou um peixe de ta-manho 
monstruoso para engolir Jonas 
que veio a ficar abrigado ali três dias e 
três noite. 
2 Então, Jonas orou a Jeová, seu Deus, 
de onde estava 2 e por fim disse: 
“Aflito clamei por Jeová e ele me res-pondeu. 
Do ventre do que podia ser 
1 Literalmente: “passaram a temer Jeová...”, mas op-tamos 
por “respeitar a Jeová” por ser mais condizente 
com o amor divino.
minha sepultura2 ele ouviu minha ora-ção. 
3 Quando ele me lançou no fundo pro-fundo 
do alto mar, fui cercado por um 
verdadeiro rio; e todas suas ondas gi-gantescas 
como vagas de tempestades 
passaram sobre mim. 
4 E eu disse: “Fui expulso de suas vis-tas! 
Nunca mais verei o santo templo? 
5 As águas me cercaram ameaçando até 
minha vida, e as próprias águas celesti-ais 
continuavam sobre mim!3Até algas 
se enrolaram em minha cabeça! 
6 Desci no fundo dos montes que apon-tam 
acima da água4 e a terra ficou lon-ge 
de mim, como se estivesse trancada, 
sem eu saber por quanto tempo. 
Mas foi desta cova que você me tirou, 
Jeová meu Deus!Eu não morri!5 
7 E quando não mais resistia ao sofri-mento, 
foi em Jeová que pensei. Então 
minha oração cheia de aflição chegou 
até ele, como se fosse no santo templo. 
8 Por isso, quando vejo os que adoram 
os ídolos mentirosos, sei que se afastam 
de Sua bondade. 
9 Mas eu farei sacrifícios para você 
com muitos agradecimentos. A salva-ção 
vem de Jeová e o que eu prometi 
vou pagar! 
10 Então Deus mandou que o peixe jo-gasse 
Jonas em terra seca. 
2 Literalmente: She’óhl (Seol). Algumas traduções di-zem 
ser, em outras passagens, o inferno, o que põe em 
dúvida a existência do “inferno de fogo” 
3 Ou “Águas empoladas”, as mesmas águas de Gênesis 
7:11. Pode ser apenas uma figura de expressão de um 
homem aflito comparando sua situação com a de estar 
no “dilúvio de Noé” e fora da arca. 
4 Ou simplesmente “aos fundos dos montes”. O texto 
foi traduzido pela obviedade. 
5 Ou “fez subir minha vida’. Evidentemente Jonas não 
estava morto e não morreu, sendo salvo por Deus. 
3 E Jeová falou com Jonas pela segun-da 
vez: 2 “Vá até Nínive, a grande ci-dade, 
e diga a todos seus moradores o 
que vou te falar.” 3 Desta feita Jonas 
não fugiu e se dirigiu até Nínive para 
ser porta voz de Jeová. Esta cidade era 
grande até aos olhos de Deus; se gas-tando 
três dias para percorrê-la inteira-mente. 
4 E Jonas andou pela cidade por 
um dia, proclamando: “Daqui a quaren-ta 
dias Nínive será destruída!” 
5 E todos os moradores de Nínive, des-de 
o maior até o menor, começaram a 
depositar fé em Deus por jejuar e vestir 
roupas de luto.6 6 Assim também acon-teceu 
como o poderoso Rei de Nínive, 
que ao ouvir as palavras de Jonas des-ceu 
de seu trono e trocou seu manto real 
por um saco de luto para depois se as-sentar 
em cinzas. 7 Também ele deu 
ordens a Nínive através de um decreto 
real divulgado por seus maiorais: 
“Nenhum homem e também nenhum 
animal doméstico poderá ser alimenta-do, 
nem mesmo podem beber água. 8 E 
todos devem vestir sacos de luto, inclu-sive 
os animais domésticos, e os ho-mens 
devem chamar a Deus com força 
e parar de andar no caminho da violên-cia 
de suas mãos. 9 Talvez o verdadeiro 
Deus do homem recue de sua ira contra 
nós; e quem sabe assim não morrere-mos?” 
10 E Deus percebeu as obras de arre-pendimentos 
daqueles homens ao dei-xaram 
de praticar a maldade. Por isso 
não desejou mais destruir a todos. 
6 Ou Serapilheira que era basicamente um saco feito 
com pelos de cabras de cor cinza escura. Era um símbo-lo 
universal de luto ou de arrependimento. (Leia Ma-teus 
11:21 , Jó 42:6 e Isaías 58:5).
4 Mas Jonas não gostou da decisão de 
Deus e ficou muito irado. 2 Mesmo as-sim 
orou ao Todo Poderoso dizendo: 
“Ai meu Deus! Não foi o que me man-dou 
fazer quando estava em minha ter-ra? 
Eu até fugi para Társis! Eu fiz isso 
sabendo que você é um Deus bom, 
cheio de misericórdia e que dá tempo a 
todos!7 Também sei que você odeia a 
destruição! 3 Então arrebate minha al-ma! 
Pois, por ter sido meu trabalho em 
vão, é melhor estar morto do que vivo.8 
4 Então Jeová respondeu a oração de 
Jonas perguntando: “Você acha correto 
não ter se agradado de minha decisão?” 
5 Mas Jonas saiu da cidade para o lado 
do oriente e em certo lugar dali quis 
construir uma barraca para ali ficar sen-tado 
aguardando na sombra e ver o que 
iria acontecer com a cidade. 6 Mas an-tes 
disso, Deus providenciou que cres-cesse 
sobre Jonas uma mamoneira para 
aumentar a sombra sobre sua cabeça e o 
esconder do sol. E Jonas alegrou-se 
muito com a sombra da mamoneira. 
7 Certo tempo depois, pela manhãzinha, 
Deus providenciou que um verme ata-casse 
e destruísse a planta, secando-a 
devagarzinho. 8 E quando raiou o sol, 
Deus causou um vento ardente que vi-nha 
do oriente, enquanto o sol queima-va 
a cabeça de Jonas que quase desmai-ava. 
Então Jonas passou a pedir repeti- 
7 Ou “aquele que demora em irar-se”. Mais uma vez 
optamos por uma tradução que condiz com o conhe-cimento 
moderno do amor de Deus. 
8 Jonas abre seu coração para Deus afirmando que 
fugiu por saber da benevolência divina que bem pode-ria 
ser aplicada aos habitantes de Nínive, como em seu 
próprio caso devido a fuga por medo de um povo co-nhecido 
por suas maldades violentas. Ele queixava-se 
pelo sofrimento que teve e o resultado, aos seus olhos, 
sem sentido. 
das vezes pela morte, pois para ele era 
melhor morrer do que estar vivo. 
9 Novamente Jeová falou a Jonas, per-guntando: 
“Você acha correto não ter se 
agradado do fim da mamoneira?” 
E Jonas respondeu: “Sim, acho certo eu 
me irritar com o que aconteceu com a 
planta a ponto de preferir morrer!” 10 E 
Jeová aconselhou a Jonas: “Você não 
gostou do fim de uma planta que sequer 
cresceu por sua causa e que era somente 
algo com uma noite de vida! 11 Do 
mesmo modo eu não deveria ter pena 
de Nínive, uma grande cidade com mais 
de cento e vinte mil habitantes que se-quer 
sabem o caminho das coisas espi-rituais 
verdadeiras,9 além de todos seus 
animais domésticos?” 
9 Ou “não sabem a diferença entre sua direita e sua 
esquerda”. Não sabem o caminho de crescimento espi-ritual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 8 - O Ínicio do Governo Humano
Lição 8 - O Ínicio do Governo HumanoLição 8 - O Ínicio do Governo Humano
Lição 8 - O Ínicio do Governo Humano
Andrew Guimarães
 
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdfSidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
Jerônimo Ferreira
 
O líder e o Planejamento
O líder e o PlanejamentoO líder e o Planejamento
O líder e o Planejamento
Rogerio Rieling
 
LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO
LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO
LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO
Lourinaldo Serafim
 
A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015
A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015
A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
14 numeros 11 25
14 numeros 11   2514 numeros 11   25
14 numeros 11 25
PIB Penha
 
Isaias 7
Isaias 7Isaias 7
Evangelho de jesus cristo joão 11
Evangelho de jesus cristo  joão 11Evangelho de jesus cristo  joão 11
Evangelho de jesus cristo joão 11
Elva Judy Nieri
 
A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra john gill
A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra   john gillA infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra   john gill
A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra john gill
Deusdete Soares
 
“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta
“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta
“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta
JUERP
 
As sete formas de deus falar
As sete formas de deus falarAs sete formas de deus falar
As sete formas de deus falar
Fernando Armando Dimande
 
Leituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Leituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano CLeituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Leituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
José Lima
 
12 naum
12   naum12   naum
12 naum
PIB Penha
 
7 11 nov
7 11 nov7 11 nov
7 11 nov
Fábio Soares
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egito
Joel Silva
 
❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR
❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR
❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR
Gerson G. Ramos
 
13404842 neemias-o-restaurador2
13404842 neemias-o-restaurador213404842 neemias-o-restaurador2
13404842 neemias-o-restaurador2
antonio ferreira
 
Irei
IreiIrei
O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013
O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013
O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013
Gerson G. Ramos
 
1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B
1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B
1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B
José Lima
 

Mais procurados (20)

Lição 8 - O Ínicio do Governo Humano
Lição 8 - O Ínicio do Governo HumanoLição 8 - O Ínicio do Governo Humano
Lição 8 - O Ínicio do Governo Humano
 
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdfSidney Sheldon   os doze mandamentos - ppdf
Sidney Sheldon os doze mandamentos - ppdf
 
O líder e o Planejamento
O líder e o PlanejamentoO líder e o Planejamento
O líder e o Planejamento
 
LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO
LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO
LIÇÃO 07 - A FAMÍLIA QUE SOBREVIVEU AO DILÚVIO
 
A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015
A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015
A Família que Sobreviveu ao Dilúvio - Lição 07 - 4ºTrimestre de 2015
 
14 numeros 11 25
14 numeros 11   2514 numeros 11   25
14 numeros 11 25
 
Isaias 7
Isaias 7Isaias 7
Isaias 7
 
Evangelho de jesus cristo joão 11
Evangelho de jesus cristo  joão 11Evangelho de jesus cristo  joão 11
Evangelho de jesus cristo joão 11
 
A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra john gill
A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra   john gillA infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra   john gill
A infinita condescendência de jeová manifestada em habitar na terra john gill
 
“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta
“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta
“Veio a palavra do Senhor” – A reação do profeta
 
As sete formas de deus falar
As sete formas de deus falarAs sete formas de deus falar
As sete formas de deus falar
 
Leituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Leituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano CLeituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
Leituras: 3° Domingo da Quaresma - Ano C
 
12 naum
12   naum12   naum
12 naum
 
7 11 nov
7 11 nov7 11 nov
7 11 nov
 
Estudos josé do egito
Estudos  josé do egitoEstudos  josé do egito
Estudos josé do egito
 
❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR
❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR
❉ A saga de Jonas_Resp_Liç_432015_GGR
 
13404842 neemias-o-restaurador2
13404842 neemias-o-restaurador213404842 neemias-o-restaurador2
13404842 neemias-o-restaurador2
 
Irei
IreiIrei
Irei
 
O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013
O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013
O povo especial de Deus_Lição original com textos_722013
 
1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B
1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B
1ª Leitura Alternativa 6º Domingo do Tempo Comum - Ano B
 

Destaque

Projeto cores e formas
Projeto cores e formasProjeto cores e formas
Projeto cores e formas
claudia_luciano
 
Nomes com cores do arco-íris
Nomes com cores do arco-írisNomes com cores do arco-íris
Nomes com cores do arco-íris
Susana Pinhal
 
A lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-íris
A lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-írisA lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-íris
A lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-íris
Bela Catarina
 
CORES
CORESCORES
Projeto Arco iris
Projeto Arco irisProjeto Arco iris
Projeto Arco iris
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
PROJETO:FIGURAS, CORES E FORMAS
PROJETO:FIGURAS, CORES E FORMASPROJETO:FIGURAS, CORES E FORMAS
PROJETO:FIGURAS, CORES E FORMAS
guest3a9cb
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
guest188b998
 
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaramO dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
Mara Pinto
 
Projeto sobre cores
Projeto sobre coresProjeto sobre cores
Uma HistóRia De Cores
Uma HistóRia De CoresUma HistóRia De Cores
Uma HistóRia De Cores
Bé E Alice
 
Brincando com as cores
Brincando com as coresBrincando com as cores
Brincando com as cores
AMANDABATISTAMOURAMANDA
 

Destaque (12)

Projeto cores e formas
Projeto cores e formasProjeto cores e formas
Projeto cores e formas
 
Nomes com cores do arco-íris
Nomes com cores do arco-írisNomes com cores do arco-íris
Nomes com cores do arco-íris
 
A lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-íris
A lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-írisA lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-íris
A lagarta-lálá-e-as-cores-do-arco-íris
 
CORES
CORESCORES
CORES
 
Projeto Arco iris
Projeto Arco irisProjeto Arco iris
Projeto Arco iris
 
PROJETO:FIGURAS, CORES E FORMAS
PROJETO:FIGURAS, CORES E FORMASPROJETO:FIGURAS, CORES E FORMAS
PROJETO:FIGURAS, CORES E FORMAS
 
Meninos de todas as cores
Meninos de todas as coresMeninos de todas as cores
Meninos de todas as cores
 
As gotinhas e e arco-íris
As gotinhas e e arco-írisAs gotinhas e e arco-íris
As gotinhas e e arco-íris
 
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaramO dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
O dia em_que_as_cores_do_arco-iris_se_zangaram
 
Projeto sobre cores
Projeto sobre coresProjeto sobre cores
Projeto sobre cores
 
Uma HistóRia De Cores
Uma HistóRia De CoresUma HistóRia De Cores
Uma HistóRia De Cores
 
Brincando com as cores
Brincando com as coresBrincando com as cores
Brincando com as cores
 

Semelhante a O livro de jonas

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese
26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese
26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese
Ping Ponga
 
Jonas e o Grande Peixe
Jonas e o Grande PeixeJonas e o Grande Peixe
Jonas e o Grande Peixe
Alessandra Bispo
 
Jonas
JonasJonas
Jonas
BRAFER
 
3° dom da quaresma Ano C
3° dom da quaresma   Ano C3° dom da quaresma   Ano C
3° dom da quaresma Ano C
José Lima
 
11 jonas
11   jonas11   jonas
11 jonas
PIB Penha
 
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosA saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
Gerson G. Ramos
 
Desejosepulcral
DesejosepulcralDesejosepulcral
Desejosepulcral
Pastor Robson Colaço
 
PPT Sermão GYD 2024.pptx
PPT Sermão GYD                 2024.pptxPPT Sermão GYD                 2024.pptx
PPT Sermão GYD 2024.pptx
tecnologiconatan
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Sob o poder da palavra
Sob o poder da palavraSob o poder da palavra
Sob o poder da palavra
Marcos Silva
 
Povo de Deus 40 Anos no Deserto
Povo de Deus 40 Anos no DesertoPovo de Deus 40 Anos no Deserto
Povo de Deus 40 Anos no Deserto
Alessandra Bispo
 
Milagres 3 milagres na caminhada
Milagres 3   milagres na caminhadaMilagres 3   milagres na caminhada
Milagres 3 milagres na caminhada
Miriã Luz
 
Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01
Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01
Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01
Márcia Maria
 
12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese
12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese
12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese
Ping Ponga
 
Desejo Sepulcral
Desejo SepulcralDesejo Sepulcral
Desejo Sepulcral
lucena
 
03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese
03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese
03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese
Ping Ponga
 
Noah and the great flood portuguese
Noah and the great flood portugueseNoah and the great flood portuguese
Noah and the great flood portuguese
Welington Barbosa
 
A arca de Noé.docx
A arca de Noé.docxA arca de Noé.docx
A arca de Noé.docx
prjmarcos
 
Quer empreender
Quer empreenderQuer empreender
Quer empreender
guilhermino ribas
 

Semelhante a O livro de jonas (20)

Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese
26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese
26 Jonas e o grande peixe / 26 jonah and the big fish portuguese
 
Jonas e o Grande Peixe
Jonas e o Grande PeixeJonas e o Grande Peixe
Jonas e o Grande Peixe
 
Jonas
JonasJonas
Jonas
 
3° dom da quaresma Ano C
3° dom da quaresma   Ano C3° dom da quaresma   Ano C
3° dom da quaresma Ano C
 
11 jonas
11   jonas11   jonas
11 jonas
 
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textosA saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
A saga de Jonas_Liç_original_432015 + textos
 
Desejosepulcral
DesejosepulcralDesejosepulcral
Desejosepulcral
 
PPT Sermão GYD 2024.pptx
PPT Sermão GYD                 2024.pptxPPT Sermão GYD                 2024.pptx
PPT Sermão GYD 2024.pptx
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Sob o poder da palavra
Sob o poder da palavraSob o poder da palavra
Sob o poder da palavra
 
Povo de Deus 40 Anos no Deserto
Povo de Deus 40 Anos no DesertoPovo de Deus 40 Anos no Deserto
Povo de Deus 40 Anos no Deserto
 
Milagres 3 milagres na caminhada
Milagres 3   milagres na caminhadaMilagres 3   milagres na caminhada
Milagres 3 milagres na caminhada
 
Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01
Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01
Evangelhosapcrifos apocalipsedebaruch-131016174051-phpapp01
 
12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese
12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese
12 Quarenta anos / 12 forty years portuguese
 
Desejo Sepulcral
Desejo SepulcralDesejo Sepulcral
Desejo Sepulcral
 
03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese
03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese
03 Noé e o Dilúvio / 03 noah and the great flood portuguese
 
Noah and the great flood portuguese
Noah and the great flood portugueseNoah and the great flood portuguese
Noah and the great flood portuguese
 
A arca de Noé.docx
A arca de Noé.docxA arca de Noé.docx
A arca de Noé.docx
 
Quer empreender
Quer empreenderQuer empreender
Quer empreender
 

Último

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

O livro de jonas

  • 1. O Livro de Jonas 1 E a palavra de Jeová veio para ser escutada por Jonas, filho de Amitaí. E assim foi entendida por Jonas: 2 “Você dever ir para Nínive, a grande cidade, e avisar a todos seus habitantes que fiquei sabendo de toda maldade que acontece por lá” 3 Mas Jonas fugiu de Jeová indo para Jope onde pagou a passagem e embar-cou em um navio que o levaria até Tár-sis, querendo muito se esconder de Jeo-vá. 4 Por isso Jeová produziu um forte ven-to que causou uma tempestade no mar que quase afundava o tal navio. 5 E os marujos ficaram com medo e começa-ram gritar por socorro, cada um apelan-do a seu deus. Então, eles passaram a jogar no mar vários objetos que havia no navio para diminuir o peso da em-barcação. Enquanto isso, Jonas desceu até o fundo do barco e ali se deitou para dormir. 6 Mas o capitão do navio o en-controu dormindo e disse: “Acorda pre-guiçoso! E clama por seu deus. Quem sabe (ele seja) o verdadeiro Deus e se importe conosco nos salvando! 7 E os marujos tiveram a ideia de esco-lher na sorte quem era a causa daquela calamidade. Por fim, Jonas foi o sortea-do, 8 e então lhe perguntaram: “Diga por favor qual é o motivo desta tempestade terrível! O que você faz e de onde vem? Qual é seu país e seu po-vo? 9 Então Jonas respondeu: “Sou hebreu e sou servo de Jeová, o Deus dos céus, Aquele que criou tudo, inclusive a terra e o mar” 10 O medo se espalhou por todos os marujos, pois o próprio Jonas havia contado a alguns que ele fugia de Jeová. Então disseram a Jonas: “O que foi que você fez?” 11 Como o mar ficava cada vez mais bravo lhe perguntaram: “O que devemos fazer com você para que o mar se acalme?” 12 E Jonas respondeu: “Joguem-me no mar e isso acalmará as águas; porque também acredito que é por causa de minha fuga que aconteceu esta tempestade!” 13 Mas os marujos ainda insistiram em tentar levar o navio para a terra; o que não conseguiram de-vido à piora constante da tempestade. 14 Então os marujos decidiram lançar Jonas no mar, mas fizeram isso rogando a Jeová dizendo: “Ai de nós Jeová! Não nos deixe morrer por causa da vida des-te homem! E também não nos culpe pela vida de um inocente visto que foi você mesmo quem desejou e causou tudo isso!” 15 Então, eles jogaram Jo-nas na água e o mar começou a ficar sossegado 16 causando grande medo naqueles marujos que passaram a res-peitar Jeová fazendo votos de sacrifí-cios. 1 17 Mas Jeová chamou um peixe de ta-manho monstruoso para engolir Jonas que veio a ficar abrigado ali três dias e três noite. 2 Então, Jonas orou a Jeová, seu Deus, de onde estava 2 e por fim disse: “Aflito clamei por Jeová e ele me res-pondeu. Do ventre do que podia ser 1 Literalmente: “passaram a temer Jeová...”, mas op-tamos por “respeitar a Jeová” por ser mais condizente com o amor divino.
  • 2. minha sepultura2 ele ouviu minha ora-ção. 3 Quando ele me lançou no fundo pro-fundo do alto mar, fui cercado por um verdadeiro rio; e todas suas ondas gi-gantescas como vagas de tempestades passaram sobre mim. 4 E eu disse: “Fui expulso de suas vis-tas! Nunca mais verei o santo templo? 5 As águas me cercaram ameaçando até minha vida, e as próprias águas celesti-ais continuavam sobre mim!3Até algas se enrolaram em minha cabeça! 6 Desci no fundo dos montes que apon-tam acima da água4 e a terra ficou lon-ge de mim, como se estivesse trancada, sem eu saber por quanto tempo. Mas foi desta cova que você me tirou, Jeová meu Deus!Eu não morri!5 7 E quando não mais resistia ao sofri-mento, foi em Jeová que pensei. Então minha oração cheia de aflição chegou até ele, como se fosse no santo templo. 8 Por isso, quando vejo os que adoram os ídolos mentirosos, sei que se afastam de Sua bondade. 9 Mas eu farei sacrifícios para você com muitos agradecimentos. A salva-ção vem de Jeová e o que eu prometi vou pagar! 10 Então Deus mandou que o peixe jo-gasse Jonas em terra seca. 2 Literalmente: She’óhl (Seol). Algumas traduções di-zem ser, em outras passagens, o inferno, o que põe em dúvida a existência do “inferno de fogo” 3 Ou “Águas empoladas”, as mesmas águas de Gênesis 7:11. Pode ser apenas uma figura de expressão de um homem aflito comparando sua situação com a de estar no “dilúvio de Noé” e fora da arca. 4 Ou simplesmente “aos fundos dos montes”. O texto foi traduzido pela obviedade. 5 Ou “fez subir minha vida’. Evidentemente Jonas não estava morto e não morreu, sendo salvo por Deus. 3 E Jeová falou com Jonas pela segun-da vez: 2 “Vá até Nínive, a grande ci-dade, e diga a todos seus moradores o que vou te falar.” 3 Desta feita Jonas não fugiu e se dirigiu até Nínive para ser porta voz de Jeová. Esta cidade era grande até aos olhos de Deus; se gas-tando três dias para percorrê-la inteira-mente. 4 E Jonas andou pela cidade por um dia, proclamando: “Daqui a quaren-ta dias Nínive será destruída!” 5 E todos os moradores de Nínive, des-de o maior até o menor, começaram a depositar fé em Deus por jejuar e vestir roupas de luto.6 6 Assim também acon-teceu como o poderoso Rei de Nínive, que ao ouvir as palavras de Jonas des-ceu de seu trono e trocou seu manto real por um saco de luto para depois se as-sentar em cinzas. 7 Também ele deu ordens a Nínive através de um decreto real divulgado por seus maiorais: “Nenhum homem e também nenhum animal doméstico poderá ser alimenta-do, nem mesmo podem beber água. 8 E todos devem vestir sacos de luto, inclu-sive os animais domésticos, e os ho-mens devem chamar a Deus com força e parar de andar no caminho da violên-cia de suas mãos. 9 Talvez o verdadeiro Deus do homem recue de sua ira contra nós; e quem sabe assim não morrere-mos?” 10 E Deus percebeu as obras de arre-pendimentos daqueles homens ao dei-xaram de praticar a maldade. Por isso não desejou mais destruir a todos. 6 Ou Serapilheira que era basicamente um saco feito com pelos de cabras de cor cinza escura. Era um símbo-lo universal de luto ou de arrependimento. (Leia Ma-teus 11:21 , Jó 42:6 e Isaías 58:5).
  • 3. 4 Mas Jonas não gostou da decisão de Deus e ficou muito irado. 2 Mesmo as-sim orou ao Todo Poderoso dizendo: “Ai meu Deus! Não foi o que me man-dou fazer quando estava em minha ter-ra? Eu até fugi para Társis! Eu fiz isso sabendo que você é um Deus bom, cheio de misericórdia e que dá tempo a todos!7 Também sei que você odeia a destruição! 3 Então arrebate minha al-ma! Pois, por ter sido meu trabalho em vão, é melhor estar morto do que vivo.8 4 Então Jeová respondeu a oração de Jonas perguntando: “Você acha correto não ter se agradado de minha decisão?” 5 Mas Jonas saiu da cidade para o lado do oriente e em certo lugar dali quis construir uma barraca para ali ficar sen-tado aguardando na sombra e ver o que iria acontecer com a cidade. 6 Mas an-tes disso, Deus providenciou que cres-cesse sobre Jonas uma mamoneira para aumentar a sombra sobre sua cabeça e o esconder do sol. E Jonas alegrou-se muito com a sombra da mamoneira. 7 Certo tempo depois, pela manhãzinha, Deus providenciou que um verme ata-casse e destruísse a planta, secando-a devagarzinho. 8 E quando raiou o sol, Deus causou um vento ardente que vi-nha do oriente, enquanto o sol queima-va a cabeça de Jonas que quase desmai-ava. Então Jonas passou a pedir repeti- 7 Ou “aquele que demora em irar-se”. Mais uma vez optamos por uma tradução que condiz com o conhe-cimento moderno do amor de Deus. 8 Jonas abre seu coração para Deus afirmando que fugiu por saber da benevolência divina que bem pode-ria ser aplicada aos habitantes de Nínive, como em seu próprio caso devido a fuga por medo de um povo co-nhecido por suas maldades violentas. Ele queixava-se pelo sofrimento que teve e o resultado, aos seus olhos, sem sentido. das vezes pela morte, pois para ele era melhor morrer do que estar vivo. 9 Novamente Jeová falou a Jonas, per-guntando: “Você acha correto não ter se agradado do fim da mamoneira?” E Jonas respondeu: “Sim, acho certo eu me irritar com o que aconteceu com a planta a ponto de preferir morrer!” 10 E Jeová aconselhou a Jonas: “Você não gostou do fim de uma planta que sequer cresceu por sua causa e que era somente algo com uma noite de vida! 11 Do mesmo modo eu não deveria ter pena de Nínive, uma grande cidade com mais de cento e vinte mil habitantes que se-quer sabem o caminho das coisas espi-rituais verdadeiras,9 além de todos seus animais domésticos?” 9 Ou “não sabem a diferença entre sua direita e sua esquerda”. Não sabem o caminho de crescimento espi-ritual.