SlideShare uma empresa Scribd logo
TREINAMENTO
SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E
SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
Apresentação
Instrutor:
NOME E SOBRENOME
Sumário
2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO
1. CONCEITOS E FERRAMENTAS DE PREVENÇÃO
4. NBR 14039 – MÉDIA TENSÃO
3. ONDE NÃO SE APLICA A NBR 5410?
6. QUIZ – ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
FERRAMENTAS DE PREVENÇÃO
1. CONCEITOS E FERRAMENTAS DE PREVENÇÃO
Prevenção:
Ação ou resultado de prevenir.
Prevenir:
Dispor com antecipação (algo) de modo que se evite mal ou dano; Impedir.
 Procedimentos Operacionais Padronizados – POPs;
 Avaliação, Comunicação e Gerenciamento de risco;
 Permissão de Trabalho;
 Diálogo Diário de Segurança – DDS;
 Portaria 3.214;
 Associação Brasileira de Nomas Técnicas – ABNT;
 Treinamento de Segurança;
 Plano de Emergência.
2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO
Em áreas descobertas das propriedades, externas às edificações;
Reboques de acampamento (trailers), locais de acampamento (campings), marinas e instalações
análogas;
Canteiros de obra, feiras, exposições e outras instalações temporárias;
Aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a 1 000 V em corrente
alternada, com frequências inferiores a 400 Hz, ou a 1 500 V em corrente contínua;
Aos circuitos elétricos, que não os internos aos equipamentos, funcionando sob uma tensão superior a
1 000 V e alimentados através de uma instalação de tensão igual ou inferior a 1 000 V em corrente
alternada (por exemplo, circuitos de lâmpadas a descarga, precipitadores eletrostáticos, etc.);
1
2
3
4
5
À toda fiação e à toda linha elétrica que não sejam cobertas pelas normas relativas aos equipamentos
de utilização;
Às linhas elétricas fixas de sinal (com exceção dos circuitos internos dos equipamentos).
2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO
6
7
A aplicação às linhas de sinal concentra-se na prevenção dos riscos decorrentes
das influências mútuas entre essas linhas e as demais linhas elétricas da instalação,
sobretudo sob os pontos de vista da segurança contra choques elétricos, da
segurança contra incêndios e efeitos térmicos prejudiciais e da compatibilidade
eletromagnética.
NOTA
2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO
Modificações destinadas à, por exemplo, acomodar novos equipamentos elétricos,
inclusive de sinal, ou substituir equipamentos existentes, não caracterizam
necessariamente uma reforma geral da instalação.
NOTA
A NBR 5410 aplica-se às instalações novas e a reformas em instalações existentes.
3. ONDE NÃO SE APLICA A NBR 5410?
Instalações de tração elétrica;
Instalações elétricas de veículos automotores;
Instalações elétricas de embarcações e aeronaves;
Equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, na medida em que não comprometam a
segurança das instalações;
Instalações de iluminação pública;
Redes públicas de distribuição de energia elétrica;
1
2
3
4
5
6
3. ONDE NÃO SE APLICA A NBR 5410?
Instalações de proteção contra quedas diretas de raios. No entanto, esta Norma considera as
consequências dos fenômenos atmosféricos sobre as instalações (por exemplo, seleção dos
dispositivos de proteção contra sobretensões);
Instalações em minas;
Instalações de cercas eletrificadas. Os componentes da instalação são considerados apenas no que
concerne à sua seleção e condições de instalação. Isto é igualmente válido para conjuntos em
conformidade com as normas a eles aplicáveis. A aplicação desta Norma não dispensa o atendimento a
outras normas complementares, aplicáveis as instalações e locais específicos.
7
8
9
4. NBR 14039 – MÉDIA TENSÃO
“
Esta norma estabelece um sistema para o projeto
e execução de instalações elétricas de média
média tensão, com tensão nominal de 1,0 kV a 36,2
1,0 kV a 36,2 kV, à frequência industrial, de modo a
industrial, de modo a garantir segurança e
continuidade de serviço.
4. NBR 14039 – MÉDIA TENSÃO
VÍDEO
Ver vídeo
Cidade Alerta
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
PORTA CORTA-FOGO
A porta corta fogo, também chamada
de PCF é uma porta resistente ao fogo,
utilizada com a finalidade de garantir
proteção contra incêndios, também
impedindo a passagem de fogo ou fumaça
entre compartimentos, facilitando a fuga de
pessoas e resgates.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
PORTA CORTA-FOGO
Tal porta é usada em vários locais no dia
a dia, como:
 Shopping centers;
 Teatros;
 Cinemas;
 Edifícios;
 Entradas de escritório;
 Áreas de refúgio (bunkers);
 Antecâmaras;
 Separação de áreas (risco industrial e
comercial);
 Locais de acesso restrito;
 Etc...
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
PORTA CORTA-FOGO
É requerida em:
 Edifícios comerciais ou residenciais;
 Casas;
 Instalações industriais, marítimas;
 Etc...
É considerado um produto seguro,
entretanto seu uso inadequado e se não
passar por um teste de qualidade sua
eficácia pode ser comprometida.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
ESCADA DE EMERGÊNCIA
A escada de emergência é a principal forma de
evacuação de um edifício em caso
de emergência.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
SAÍDA DE EMERGÊNCIA
Saída de emergência, em uma estrutura, é uma saída especial para
emergências como um incêndio. O uso combinado de saídas regulares e
especiais permite evacuação rápida, enquanto fornece uma alternativa se a
rota para a saída regular for bloqueada pelo incêndio, etc.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
BARRA ANTIPÂNICO
Barra antipânico é um sistema de fechadura instalada na parte interna de
uma porta de saída de emergência, que consiste em um simples encostar ela
destrava abrindo no sentido de dentro para fora.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CHUVEIRO AUTOMÁTICO OU SPRINKLER
Chuveiro automático ou sprinkler, é um dispositivo comumente utilizado no
combate a incêndios. Ele é composto de uma “armadura”, um elemento
sensível, chamado bulbo. O bico de sprinkler é rosqueado a uma tubulação
pressurizada e permanece fechado por tampa travada pelo bulbo.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CHUVEIRO AUTOMÁTICO OU SPRINKLER
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
FORMAÇÃO 40 HORAS
VÍDEO
Link do vídeo no Youtube:
https://youtu.be/FNgUlmJ0JpM
Propagação de incêndio com x sem sprinklers
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CHUVEIRO E LAVA-OLHOS DE EMERGÊNCIA
Chuveiros e lava-olhos de
Emergência, são equipamentos
fundamentais na descontaminação
dos colaboradores, no momento
que tem seus olhos, face ou corpo
expostos a qualquer produto
químico.
O tempo é vital! Ter um equipamento para fazer uso de
IMEDIATO, garantirá a melhor descontaminação, bem como
reduzirá consideravelmente as chances de danos futuros como
queimaduras graves, danos na visão, ou até mesmo, em casos
mais graves, o óbito do colaborador.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
MANGUEIRA DE INCÊNDIO
Mangueira de incêndio é um equipamento de combate à incêndio, constituído
essencialmente por um duto flexível dotado de uniões.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
ESGUICHO PARA MANGUEIRA DE INCÊNDIO
O esguicho para mangueira de incêndio é um acessório que fica acoplado na
ponta da mangueira e auxilia no combate a incêndio, ele completa a função
da mangueira, pois tem a incumbência de direcionar a água para o foco
do incêndio de acordo com a necessidade e pressão da água que vem da casa
de bombas.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
EXTINTOR DE INCÊNDIO
Um extintor de incêndio ou simplesmente extintor (do latim extinctore) é
um equipamento de segurança que possui a finalidade de extinguir ou
controlar princípios de incêndios em casos de emergência.
Em geral, é um cilindro que pode ser
carregado até o local do foco do
incêndio, contendo um agente
extintor sob pressão.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
É uma combustão na qual
podemos visualizar produção de
chamas com a liberação de
energia (calor e luz).
FOGO
É uma reação química entre dois
reagentes,
combustível e comburente, mediante
uma
condição favorável, o calor.
COMBUSTÃO
É o fogo que foge do controle.
INCÊNDIO
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
TETRAEDRO DO FOGO
Para que exista o fogo, é
necessário a condição favorável,
juntamente com os quatro
elementos:
 Comburente (ou oxigênio);
 Combustível;
 Calor;
 Reação em cadeia.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
FASES DE UM INCÊNDIO
IGNIÇÃO PROPAGAÇÃO CONSEQUÊNCIAS
Vertical e horizontal Perdas humanas e
materiais
 Cabos elétricos
 Instalações elétricas sem
proteção
 Derramamento de
combustíveis
 Armazenamento inadequado
de solventes
 Tabagismo em áreas proibidas
 Motores e máquinas com
manutenção deficiente
 Incompatibilidade de Produtos
Químicos
 Eletricidade estática
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
COMO O FOGO SE FORMA?
Para que haja a combustão (fogo), é necessário juntar três elementos:
COMBUSTÍVEL COMBURENTE CALOR
+ +
=
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
COMBUSTÍVEL
É todo material que queima e serve de campo de propagação para o fogo.
São encontrados nos estados sólido, líquido e gasoso.
COMBURENTE
Na concentração de gases da nossa atmosfera, 78% de Nitrogênio, 21 % de
oxigênio e1% de outros gases. Para que haja uma combustão com chamas a
porcentagem do comburente o mais encontrado é o oxigênio; ele tem que
estar acima de 16%. Na faixa entre 16% a 8%, no caso de combustíveis
sólidos haverá apenas brasa e abaixo de 8% não haverá combustão.
CALOR
É o elemento que dá início à combustão e a mantem. As fontes que podem
produzir calor são : de origem elétrica (curto circuito, resistência elétrica,
faíscas, etc..., química, mecânica, chama aberta, eletricidade estática, raio,
etc...
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
TETRAEDRO DO FOGO
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
PONTOS DE TEMPERATURA
Ponto de fulgor Ponto de combustão Ponto de ignição
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
FORMAS DE PROPAGAÇÃO DE CALOR – IRRADIAÇÃO
É a transmissão de calor
por ondas de energia
que se deslocam através
do espaço.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
FORMAS DE PROPAGAÇÃO DE CALOR – CONDUÇÃO
É a transferência de
calor através de um
corpo sólido, de
molécula a molécula.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
FORMAS DE PROPAGAÇÃO DE CALOR – CONVECÇÃO
Quando o calor é
transmitido através de
uma massa ascendente
aquecida, de
gases ou de líquidos, de
baixo para cima.
Resfriamento
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO
Abafamento
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO
Isolamento
Quebrar a reação em
cadeia
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CLASSES DE INCÊNDIO
Óleos e gordura de cozinha
Metais pirofóricos
Equipamentos elétricos
Líquidos inflamáveis
A
B
C
D
K
Combustíveis ordinários
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CLASSES DE INCÊNDIO
A Combustíveis ordinários
 Madeira;
 Papel;
 Tecido;
 Carvão;
 Plástico;
 Borracha;
 Etc...
Que queimam na superfície, profundidade e deixam resíduos, brasas e
cinzas.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CLASSES DE INCÊNDIO
B Líquidos inflamáveis
 Gasolina;
 Óleo;
 Álcool;
 Graxa;
 Tintas;
 Gases (butano, propano, acetileno, hidrogênio, etc.);
Queimam nas superfícies.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CLASSES DE INCÊNDIO
C Equipamentos elétricos
 Equipamentos elétricos energizados.
D Metais pirofóricos
 Pó de zinco, magnésio, zircônio, etc.
D Óleos e gordura de cozinha
 Óleos para frituras, gorduras impregnadas nos
sistemas de exaustão.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
AGENTES EXTINTORES
Trata-se de certas substâncias sólidas, líquidas ou gasosas que atuam por
abafamento, resfriamento ou quebram a reação química em cadeia. São elas :
 Água;
 CO2;
 Pó BC – à base de bicarbonato de sódio;
 Pó ABC – à base de monofosfato de amônio;
 Espuma;
 Halotron;
 FM-200;
 Pó especial para classe D;
 Base alcalina para classe K.
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
VÍDEOS NA PASTA
Video 1 Video 2 Video 3 Video 4
NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
FORMAÇÃO 40 HORAS
VÍDEOS NO YOUTUBE
Link do vídeo no Youtube:
https://youtu.be/pUdmiOmRjnU
Veja a forma correta de uso do extintor de incêndio.
Link do vídeo no Youtube:
https://youtu.be/D2NGbUnyp28
Mundo da elétrica: incêndio, como evitar?
5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS
CLASSES DE INCÊNDIO X AGENTES EXTINTORES
CLASSES/A
GENTES
ÁGUA CO2 PÓ BC
PÓ
ABC
ESPUMA HALOTRON FM 200
PÓ
ESPECIAL
A Sim Sim Sim Sim Sim Não
B Sim Sim Sim Sim Sim Sim Não
C Não Sim Sim Sim Não Sim Sim Não
D Sim
K Sim Sim Sim Sim Sim Sim Não
6. QUIZ – ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
4 Em queimaduras podemos aplicar óleo de cozinha, pomadas ou algum outro tipo
de produto para aliviar a dor?
5 Em picadas de animais peçonhentos devemos fazer uma incisão (corte) no local
da picada e sugar o veneno com a boca para retirar o veneno?
6 Qual é o agente extintor usado para incêndios de classe A?
1 Qual deve ser a atitude de um socorrista ao deparar com uma vitima caída e
desacordada?
3 Quantas massagens e quantas ventilações fazemos em uma pessoa com PCR
(parada cardiorrespiratória)?
2 O que são os sinais vitais?
6. QUIZ – ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
10 O que significa ponto de ignição?
11 Quais os meios de propagação do fogo?
7 Qual é o agente extintor usado para incêndios de classe C?
9 Quais os elementos essenciais para ocorrer o fogo?
8 Qual o agente extintor que utilizamos onde o fogo atingiu um tanque de
combustíveis?
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
Acidente de origem elétrica
 É o principal tipo de acidente que os
que atuam em ambientes
podem sofrer;
 Um acidente elétrico, muitas vezes,
em outros tipos de acidentes;
 É muito importante que os profissionais
técnicas de prevenção para que não
acidentes, além de serem capazes de
situações no caso de acidentes.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
NO QUE CONSISTEM AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
Para evitar uma situação potencialmente perigosa, primeiramente você
precisa conhecê-la. Sem saber no que consiste uma instalação elétrica fica
difícil entender de que maneira podem ocorrer curtos-circuitos ou choques
elétricos, por exemplo.
Uma instalação elétrica é um conjunto formado por fios, cabos e outros
acessórios com características coordenadas entre si e essenciais para o
funcionamento de um sistema elétrico.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
NO QUE CONSISTEM AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS?
Em uma construção, a instalação elétrica precisa ser
necessariamente acompanhada por normas. No Brasil, é a Norma
Regulamentadora 10 (NR-10) que determina regras para a segurança e
serviços com eletricidade.
Todo projeto elétrico precisa ser feito por profissionais e técnicos
especializados. É esse projeto que diz como será a instalação, seu porte,
circuitos, bem como materiais e produtos que deverão ser usados.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
POR QUE É IMPORTANTE SE PREOCUPAR COM ACIDENTES DE ORDEM ELÉTRICA?
Os acidentes de origem elétrica representam o principal tipo de acidente que
as pessoas que trabalham em ambientes regulamentados pela NR-10 podem
sofrer.
Em muitos casos, um acidente desse tipo pode acarretar outros tipos de
acidentes. Portanto, é essencial que os profissionais envolvidos conheçam
quais são as principais técnicas de prevenção. Isso pode ajudar até mesmo a
controlar as emergências com eficiência.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
POR QUE É IMPORTANTE SE PREOCUPAR COM ACIDENTES DE ORDEM ELÉTRICA?
O choque elétrico acontece quando a
energia atravessa um corpo, entrando
por um ponto e saindo por outro. Por
conter bastante sódio e água, o corpo
humano é um ótimo condutor de
eletricidade, o que agrava o perigo.
Apesar de existirem diversas
situações intermediárias, um choque
elétrico pode até levar à morte. Isso
por si só é um motivo para levar a
causa a sério, certo?
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
PRINCIPAIS CAUSAS DESSE TIPO DE ACIDENTE
A intensidade de um choque depende de muitos fatores, como a tensão da
rede, as roupas que a pessoa está usando e o tipo de contato com a fonte de
energia elétrica (direto ou indireto). Dentre as principais causas desse tipo de
acidente estão:
 Falta de manutenção:
Quando o estado físico da instalação elétrica não é mantido em perfeitas
condições, acidentes passam a ser mais propensos. Componentes
danificados, como tomadas e interruptores, precisam ser
substituídos. Realize uma revisão periódica da instalação elétrica, pelo
menos, de cinco em cinco anos.
 Sobrecarga nos circuitos elétricos:
Todos os circuitos são calculados para uma determinada potência. Ela
pode representar um número limitado de equipamentos, ou mesmo um
valor máximo para um deles. Aumentar essa condição sem revisar e
adequar a instalação elétrica pode causar acidentes.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
PRINCIPAIS CAUSAS DESSE TIPO DE ACIDENTE
 Materiais de má qualidade:
Opte sempre por materiais normalizados, assim você terá a garantia de
segurança e bom funcionamento.
 Falta de DR:
O DR é um dispositivo que identifica
correntes de fuga. Na prática, ele
desliga o circuito na presença de
risco de choque elétrico,
atuando como uma proteção para as
pessoas. Na presença de alguma
falha de isolamento nos
equipamentos, o DR desliga a energia
elétrica imediatamente, impedindo o
choque elétrico.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
COMO ATUA A NR10?
Como mencionamos, a NR-10 estabelece os requisitos para a implementação
de medidas de controle e sistemas preventivos quanto à interação com
instalações elétricas e serviços com eletricidade.
Para garantir a segurança e a saúde dos colaboradores que, direta ou
indiretamente, precisam lidar com esse tipo de trabalho, a NR-10 se aplica
nas fases de geração, transmissão, distribuição e consumo. Desse modo,
as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes precisam
estar presentes nas seguintes etapas de projeto:
 Planejamento;
 Construção;
 Montagem;
 Operação; e
 Manutenção das instalações elétricas e trabalhos realizados
em proximidades.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
COMO ATUA A NR10?
Os trabalhadores que não tiverem treinamento específico sobre os
riscos decorrentes do emprego de energia elétrica e das principais medidas
de prevenção de acidentes em instalações elétricas não estão autorizados a
trabalhar neste tipo de atividade.
Esse treinamento (conforme o Anexo III da NR-10) é conhecido como curso
básico da norma além do curso de segurança no Sistema Elétrico de Potência
(SEP) mais avançado para trabalhadores que irão realizar atividades em
subestações por exemplo.
Ambos os treinamentos contam com conteúdo de natureza multiprofissional
e carga horária de no mínimo 40 horas.
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
COMO EVITAR ESSE TIPO DE ACIDENTE?
Além de submeter os trabalhadores envolvidos ao treinamento adequado,
existem algumas normas que você pode colocar em prática para evitar que
hajam acidentes de origem elétrica:
 Proíba a manutenção com a energia ligada:
Não permita que manutenções sejam feitas com a energia ligada. Aliás,
apenas um profissional qualificado pode se responsabilizar pela
manutenção, mesmo que no cotidiano de trabalho isso nem sempre
aconteça.
Como responsável pela segurança do trabalho, você será responsabilizado
por acidentes nesse setor. Um bom programa de lockout/tagout ajudará na
garantia do bloqueio coreto da fonte de energia elétrica. Caso seja preciso
fazer pequenos reparos, como uma troca de lâmpada, sempre confira se a
energia elétrica foi desligada!
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
COMO EVITAR ESSE TIPO DE ACIDENTE?
 Evite usar eletricidade em ambientes molhados:
Procure evitar que equipamentos elétricos sejam usados em ambientes
úmidos. Se algum equipamento elétrico for molhado, envie-o
imediatamente para a manutenção, evitando as chances de curto-circuito.
 Não deixe a fiação aparente:
Mantenha isolados os fios das instalações. Fios expostos devem ser
considerados situações de risco. Assim, caso sejam identificados, desligue
a energia elétrica e providencie o isolamento imediato (ou a troca).
Conscientize os funcionários para que interrompam o trabalho assim que
identificarem fios desencapados em equipamentos. Todos devem agir em
prol da segurança!
7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
No mais, lembre-se de que o treinamento é de extrema importância para que todos os colaboradores
estejam alinhados no mesmo propósito. Você também pode explorar atividades e eventos, como
o DDS, a SIPAT e a CIPA, e aproveitar qualquer outro momento disponível para tratar dos riscos
ligados à eletricidade.
Gostou de saber mais sobre o assunto?
Procura ajuda para resolver os problemas atuais com acidentes de origem elétrica?
Que tal bater um papo com especialistas do ramo?
Entre em contato com a CONECT e descubra soluções que podem se encaixar no que a sua empresa
precisa.
Logo da
empresa
ANALISE DE RISCO
Data da elaboração ___/___/___
Data da revisão ___/___/___
Local do trabalho: Equipamento:
Descrição dos trabalhos:
Responsável:
EPI´s Básicos:
EPI´s Específicos:
SEQUENCIA DAS ETAPAS DE
TRABALHO
POTENCIAL DE ACIDENTES OU
PERDAS
MEDIDAS PREVENTIVAS
ENCERRAMENTO
Chegamos ao fim de mais um curso de NR 10 básico, espero que tenho aproveitado essa aula, é de
vital importância de que, quem trabalha com elétrica deve ter cuidados redobrados.
Eletricidade é coisa séria, um simples choque de 110 v pode matar. Então você que é um bom
eletricista, sempre tenha medo deste cara e respeite sua capacidade, não tenha vergonha de dizer EU
NÃO SEI, a vida é um aprendizado seja para os mais novos e também para os mais experientes.
mais experientes.
Um abraço a todos!
OBRIGADO!
Escolha a VIDA!
Tenha sempre cuidado com a
rede elétrica.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx

AREA CLASSIFICADA.pptx
AREA CLASSIFICADA.pptxAREA CLASSIFICADA.pptx
AREA CLASSIFICADA.pptx
Carlos Demétrius Rolim Figueiredo
 
Weg cartilha atmosfera explosiva
Weg cartilha atmosfera explosivaWeg cartilha atmosfera explosiva
Weg cartilha atmosfera explosiva
Luiz Otavio Dias
 
Weg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-br
Weg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-brWeg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-br
Weg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-br
Jose Fernandes
 
Cultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -MasterlockCultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -Masterlock
TIPSAL
 
Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11
Marcio Macario
 
BRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdf
BRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdfBRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdf
BRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdf
rodrigoamorim203871
 
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptxCURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
José Alencar Peixoto
 
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptxCURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
Giovanni Palheta
 
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio  introduçao a engenhariaSistemas de combate a incêndio  introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenharia
Júnior Pereira
 
Extintor co2
Extintor co2Extintor co2
Hidrantes projetos
Hidrantes   projetosHidrantes   projetos
Hidrantes projetos
Heronildo Apolinario
 
Manual Ar Condicionado Springer Up
Manual Ar Condicionado Springer UpManual Ar Condicionado Springer Up
Manual Ar Condicionado Springer Up
Polo Ar
 
Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10
Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10
Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10
Shirlene Maciel Rafino
 
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
Haynil
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentos
Tiago Viegas
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
Santos de Castro
 
Apostila espaço confinado
Apostila  espaço confinadoApostila  espaço confinado
Apostila espaço confinado
Fernanda Vicentinni
 
TREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptx
TREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptxTREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptx
TREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptx
Rogério Gomes Barbosa
 
Sprinklers rosiel
Sprinklers rosielSprinklers rosiel
Sprinklers rosiel
Rosiel Sousa
 
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
DiegoAugusto86
 

Semelhante a NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx (20)

AREA CLASSIFICADA.pptx
AREA CLASSIFICADA.pptxAREA CLASSIFICADA.pptx
AREA CLASSIFICADA.pptx
 
Weg cartilha atmosfera explosiva
Weg cartilha atmosfera explosivaWeg cartilha atmosfera explosiva
Weg cartilha atmosfera explosiva
 
Weg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-br
Weg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-brWeg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-br
Weg cartilha-de-atmosferas-explosivas-50039055-catalogo-portugues-br
 
Cultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -MasterlockCultura de Segurança -Masterlock
Cultura de Segurança -Masterlock
 
Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11Einstbombeirossp25 11
Einstbombeirossp25 11
 
BRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdf
BRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdfBRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdf
BRIGADA DE INCÊNDIO - TREINAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS.pdf
 
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptxCURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
 
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptxCURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
CURSO INTEGRAÇÃO MONSANTO - NR20.pptx
 
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio  introduçao a engenhariaSistemas de combate a incêndio  introduçao a engenharia
Sistemas de combate a incêndio introduçao a engenharia
 
Extintor co2
Extintor co2Extintor co2
Extintor co2
 
Hidrantes projetos
Hidrantes   projetosHidrantes   projetos
Hidrantes projetos
 
Manual Ar Condicionado Springer Up
Manual Ar Condicionado Springer UpManual Ar Condicionado Springer Up
Manual Ar Condicionado Springer Up
 
Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10
Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10
Mod 10 combate a incêndios reciclagem nr10
 
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentos
 
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod ISegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade     Mod I
SegurançA Em InstalaçõEs E ServiçOs Com Eletricidade Mod I
 
Apostila espaço confinado
Apostila  espaço confinadoApostila  espaço confinado
Apostila espaço confinado
 
TREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptx
TREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptxTREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptx
TREINAMENTO BRIGADA DE EMERGÊNCIA - MAC LUCER.pptx
 
Sprinklers rosiel
Sprinklers rosielSprinklers rosiel
Sprinklers rosiel
 
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
 

Último

Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
cristiano docarmo
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 

Último (9)

Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 

NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx

  • 1. TREINAMENTO SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE
  • 3. Sumário 2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO 1. CONCEITOS E FERRAMENTAS DE PREVENÇÃO 4. NBR 14039 – MÉDIA TENSÃO 3. ONDE NÃO SE APLICA A NBR 5410? 6. QUIZ – ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA
  • 4. FERRAMENTAS DE PREVENÇÃO 1. CONCEITOS E FERRAMENTAS DE PREVENÇÃO Prevenção: Ação ou resultado de prevenir. Prevenir: Dispor com antecipação (algo) de modo que se evite mal ou dano; Impedir.  Procedimentos Operacionais Padronizados – POPs;  Avaliação, Comunicação e Gerenciamento de risco;  Permissão de Trabalho;  Diálogo Diário de Segurança – DDS;  Portaria 3.214;  Associação Brasileira de Nomas Técnicas – ABNT;  Treinamento de Segurança;  Plano de Emergência.
  • 5. 2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO Em áreas descobertas das propriedades, externas às edificações; Reboques de acampamento (trailers), locais de acampamento (campings), marinas e instalações análogas; Canteiros de obra, feiras, exposições e outras instalações temporárias; Aos circuitos elétricos alimentados sob tensão nominal igual ou inferior a 1 000 V em corrente alternada, com frequências inferiores a 400 Hz, ou a 1 500 V em corrente contínua; Aos circuitos elétricos, que não os internos aos equipamentos, funcionando sob uma tensão superior a 1 000 V e alimentados através de uma instalação de tensão igual ou inferior a 1 000 V em corrente alternada (por exemplo, circuitos de lâmpadas a descarga, precipitadores eletrostáticos, etc.); 1 2 3 4 5
  • 6. À toda fiação e à toda linha elétrica que não sejam cobertas pelas normas relativas aos equipamentos de utilização; Às linhas elétricas fixas de sinal (com exceção dos circuitos internos dos equipamentos). 2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO 6 7 A aplicação às linhas de sinal concentra-se na prevenção dos riscos decorrentes das influências mútuas entre essas linhas e as demais linhas elétricas da instalação, sobretudo sob os pontos de vista da segurança contra choques elétricos, da segurança contra incêndios e efeitos térmicos prejudiciais e da compatibilidade eletromagnética. NOTA
  • 7. 2. NORMA NBR 5410 E SUAS APLICAÇÕES – BAIXA TENSÃO Modificações destinadas à, por exemplo, acomodar novos equipamentos elétricos, inclusive de sinal, ou substituir equipamentos existentes, não caracterizam necessariamente uma reforma geral da instalação. NOTA A NBR 5410 aplica-se às instalações novas e a reformas em instalações existentes.
  • 8. 3. ONDE NÃO SE APLICA A NBR 5410? Instalações de tração elétrica; Instalações elétricas de veículos automotores; Instalações elétricas de embarcações e aeronaves; Equipamentos para supressão de perturbações radioelétricas, na medida em que não comprometam a segurança das instalações; Instalações de iluminação pública; Redes públicas de distribuição de energia elétrica; 1 2 3 4 5 6
  • 9. 3. ONDE NÃO SE APLICA A NBR 5410? Instalações de proteção contra quedas diretas de raios. No entanto, esta Norma considera as consequências dos fenômenos atmosféricos sobre as instalações (por exemplo, seleção dos dispositivos de proteção contra sobretensões); Instalações em minas; Instalações de cercas eletrificadas. Os componentes da instalação são considerados apenas no que concerne à sua seleção e condições de instalação. Isto é igualmente válido para conjuntos em conformidade com as normas a eles aplicáveis. A aplicação desta Norma não dispensa o atendimento a outras normas complementares, aplicáveis as instalações e locais específicos. 7 8 9
  • 10. 4. NBR 14039 – MÉDIA TENSÃO “ Esta norma estabelece um sistema para o projeto e execução de instalações elétricas de média média tensão, com tensão nominal de 1,0 kV a 36,2 1,0 kV a 36,2 kV, à frequência industrial, de modo a industrial, de modo a garantir segurança e continuidade de serviço.
  • 11. 4. NBR 14039 – MÉDIA TENSÃO VÍDEO Ver vídeo Cidade Alerta
  • 12. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS PORTA CORTA-FOGO A porta corta fogo, também chamada de PCF é uma porta resistente ao fogo, utilizada com a finalidade de garantir proteção contra incêndios, também impedindo a passagem de fogo ou fumaça entre compartimentos, facilitando a fuga de pessoas e resgates.
  • 13. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS PORTA CORTA-FOGO Tal porta é usada em vários locais no dia a dia, como:  Shopping centers;  Teatros;  Cinemas;  Edifícios;  Entradas de escritório;  Áreas de refúgio (bunkers);  Antecâmaras;  Separação de áreas (risco industrial e comercial);  Locais de acesso restrito;  Etc...
  • 14. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS PORTA CORTA-FOGO É requerida em:  Edifícios comerciais ou residenciais;  Casas;  Instalações industriais, marítimas;  Etc... É considerado um produto seguro, entretanto seu uso inadequado e se não passar por um teste de qualidade sua eficácia pode ser comprometida.
  • 15. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS ESCADA DE EMERGÊNCIA A escada de emergência é a principal forma de evacuação de um edifício em caso de emergência.
  • 16. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS SAÍDA DE EMERGÊNCIA Saída de emergência, em uma estrutura, é uma saída especial para emergências como um incêndio. O uso combinado de saídas regulares e especiais permite evacuação rápida, enquanto fornece uma alternativa se a rota para a saída regular for bloqueada pelo incêndio, etc.
  • 17. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS BARRA ANTIPÂNICO Barra antipânico é um sistema de fechadura instalada na parte interna de uma porta de saída de emergência, que consiste em um simples encostar ela destrava abrindo no sentido de dentro para fora.
  • 18. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CHUVEIRO AUTOMÁTICO OU SPRINKLER Chuveiro automático ou sprinkler, é um dispositivo comumente utilizado no combate a incêndios. Ele é composto de uma “armadura”, um elemento sensível, chamado bulbo. O bico de sprinkler é rosqueado a uma tubulação pressurizada e permanece fechado por tampa travada pelo bulbo.
  • 19. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CHUVEIRO AUTOMÁTICO OU SPRINKLER
  • 20. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FORMAÇÃO 40 HORAS VÍDEO Link do vídeo no Youtube: https://youtu.be/FNgUlmJ0JpM Propagação de incêndio com x sem sprinklers
  • 21. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CHUVEIRO E LAVA-OLHOS DE EMERGÊNCIA Chuveiros e lava-olhos de Emergência, são equipamentos fundamentais na descontaminação dos colaboradores, no momento que tem seus olhos, face ou corpo expostos a qualquer produto químico. O tempo é vital! Ter um equipamento para fazer uso de IMEDIATO, garantirá a melhor descontaminação, bem como reduzirá consideravelmente as chances de danos futuros como queimaduras graves, danos na visão, ou até mesmo, em casos mais graves, o óbito do colaborador.
  • 22. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS MANGUEIRA DE INCÊNDIO Mangueira de incêndio é um equipamento de combate à incêndio, constituído essencialmente por um duto flexível dotado de uniões.
  • 23. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS ESGUICHO PARA MANGUEIRA DE INCÊNDIO O esguicho para mangueira de incêndio é um acessório que fica acoplado na ponta da mangueira e auxilia no combate a incêndio, ele completa a função da mangueira, pois tem a incumbência de direcionar a água para o foco do incêndio de acordo com a necessidade e pressão da água que vem da casa de bombas.
  • 24. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS EXTINTOR DE INCÊNDIO Um extintor de incêndio ou simplesmente extintor (do latim extinctore) é um equipamento de segurança que possui a finalidade de extinguir ou controlar princípios de incêndios em casos de emergência. Em geral, é um cilindro que pode ser carregado até o local do foco do incêndio, contendo um agente extintor sob pressão.
  • 25. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS É uma combustão na qual podemos visualizar produção de chamas com a liberação de energia (calor e luz). FOGO É uma reação química entre dois reagentes, combustível e comburente, mediante uma condição favorável, o calor. COMBUSTÃO É o fogo que foge do controle. INCÊNDIO
  • 26. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS TETRAEDRO DO FOGO Para que exista o fogo, é necessário a condição favorável, juntamente com os quatro elementos:  Comburente (ou oxigênio);  Combustível;  Calor;  Reação em cadeia.
  • 27. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS FASES DE UM INCÊNDIO IGNIÇÃO PROPAGAÇÃO CONSEQUÊNCIAS Vertical e horizontal Perdas humanas e materiais  Cabos elétricos  Instalações elétricas sem proteção  Derramamento de combustíveis  Armazenamento inadequado de solventes  Tabagismo em áreas proibidas  Motores e máquinas com manutenção deficiente  Incompatibilidade de Produtos Químicos  Eletricidade estática
  • 28. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS COMO O FOGO SE FORMA? Para que haja a combustão (fogo), é necessário juntar três elementos: COMBUSTÍVEL COMBURENTE CALOR + + =
  • 29. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS COMBUSTÍVEL É todo material que queima e serve de campo de propagação para o fogo. São encontrados nos estados sólido, líquido e gasoso. COMBURENTE Na concentração de gases da nossa atmosfera, 78% de Nitrogênio, 21 % de oxigênio e1% de outros gases. Para que haja uma combustão com chamas a porcentagem do comburente o mais encontrado é o oxigênio; ele tem que estar acima de 16%. Na faixa entre 16% a 8%, no caso de combustíveis sólidos haverá apenas brasa e abaixo de 8% não haverá combustão. CALOR É o elemento que dá início à combustão e a mantem. As fontes que podem produzir calor são : de origem elétrica (curto circuito, resistência elétrica, faíscas, etc..., química, mecânica, chama aberta, eletricidade estática, raio, etc...
  • 30. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS TETRAEDRO DO FOGO
  • 31. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS PONTOS DE TEMPERATURA Ponto de fulgor Ponto de combustão Ponto de ignição
  • 32. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS FORMAS DE PROPAGAÇÃO DE CALOR – IRRADIAÇÃO É a transmissão de calor por ondas de energia que se deslocam através do espaço.
  • 33. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS FORMAS DE PROPAGAÇÃO DE CALOR – CONDUÇÃO É a transferência de calor através de um corpo sólido, de molécula a molécula.
  • 34. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS FORMAS DE PROPAGAÇÃO DE CALOR – CONVECÇÃO Quando o calor é transmitido através de uma massa ascendente aquecida, de gases ou de líquidos, de baixo para cima.
  • 35. Resfriamento 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO Abafamento
  • 36. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS MÉTODOS DE EXTINÇÃO DO FOGO Isolamento Quebrar a reação em cadeia
  • 37. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CLASSES DE INCÊNDIO Óleos e gordura de cozinha Metais pirofóricos Equipamentos elétricos Líquidos inflamáveis A B C D K Combustíveis ordinários
  • 38. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CLASSES DE INCÊNDIO A Combustíveis ordinários  Madeira;  Papel;  Tecido;  Carvão;  Plástico;  Borracha;  Etc... Que queimam na superfície, profundidade e deixam resíduos, brasas e cinzas.
  • 39. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CLASSES DE INCÊNDIO B Líquidos inflamáveis  Gasolina;  Óleo;  Álcool;  Graxa;  Tintas;  Gases (butano, propano, acetileno, hidrogênio, etc.); Queimam nas superfícies.
  • 40. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CLASSES DE INCÊNDIO C Equipamentos elétricos  Equipamentos elétricos energizados. D Metais pirofóricos  Pó de zinco, magnésio, zircônio, etc. D Óleos e gordura de cozinha  Óleos para frituras, gorduras impregnadas nos sistemas de exaustão.
  • 41. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS AGENTES EXTINTORES Trata-se de certas substâncias sólidas, líquidas ou gasosas que atuam por abafamento, resfriamento ou quebram a reação química em cadeia. São elas :  Água;  CO2;  Pó BC – à base de bicarbonato de sódio;  Pó ABC – à base de monofosfato de amônio;  Espuma;  Halotron;  FM-200;  Pó especial para classe D;  Base alcalina para classe K.
  • 42. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS VÍDEOS NA PASTA Video 1 Video 2 Video 3 Video 4
  • 43. NR 10 – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FORMAÇÃO 40 HORAS VÍDEOS NO YOUTUBE Link do vídeo no Youtube: https://youtu.be/pUdmiOmRjnU Veja a forma correta de uso do extintor de incêndio. Link do vídeo no Youtube: https://youtu.be/D2NGbUnyp28 Mundo da elétrica: incêndio, como evitar?
  • 44. 5. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS CLASSES DE INCÊNDIO X AGENTES EXTINTORES CLASSES/A GENTES ÁGUA CO2 PÓ BC PÓ ABC ESPUMA HALOTRON FM 200 PÓ ESPECIAL A Sim Sim Sim Sim Sim Não B Sim Sim Sim Sim Sim Sim Não C Não Sim Sim Sim Não Sim Sim Não D Sim K Sim Sim Sim Sim Sim Sim Não
  • 45. 6. QUIZ – ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA 4 Em queimaduras podemos aplicar óleo de cozinha, pomadas ou algum outro tipo de produto para aliviar a dor? 5 Em picadas de animais peçonhentos devemos fazer uma incisão (corte) no local da picada e sugar o veneno com a boca para retirar o veneno? 6 Qual é o agente extintor usado para incêndios de classe A? 1 Qual deve ser a atitude de um socorrista ao deparar com uma vitima caída e desacordada? 3 Quantas massagens e quantas ventilações fazemos em uma pessoa com PCR (parada cardiorrespiratória)? 2 O que são os sinais vitais?
  • 46. 6. QUIZ – ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA 10 O que significa ponto de ignição? 11 Quais os meios de propagação do fogo? 7 Qual é o agente extintor usado para incêndios de classe C? 9 Quais os elementos essenciais para ocorrer o fogo? 8 Qual o agente extintor que utilizamos onde o fogo atingiu um tanque de combustíveis?
  • 47. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA Acidente de origem elétrica  É o principal tipo de acidente que os que atuam em ambientes podem sofrer;  Um acidente elétrico, muitas vezes, em outros tipos de acidentes;  É muito importante que os profissionais técnicas de prevenção para que não acidentes, além de serem capazes de situações no caso de acidentes.
  • 48. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA NO QUE CONSISTEM AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS? Para evitar uma situação potencialmente perigosa, primeiramente você precisa conhecê-la. Sem saber no que consiste uma instalação elétrica fica difícil entender de que maneira podem ocorrer curtos-circuitos ou choques elétricos, por exemplo. Uma instalação elétrica é um conjunto formado por fios, cabos e outros acessórios com características coordenadas entre si e essenciais para o funcionamento de um sistema elétrico.
  • 49. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA NO QUE CONSISTEM AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS? Em uma construção, a instalação elétrica precisa ser necessariamente acompanhada por normas. No Brasil, é a Norma Regulamentadora 10 (NR-10) que determina regras para a segurança e serviços com eletricidade. Todo projeto elétrico precisa ser feito por profissionais e técnicos especializados. É esse projeto que diz como será a instalação, seu porte, circuitos, bem como materiais e produtos que deverão ser usados.
  • 50. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA POR QUE É IMPORTANTE SE PREOCUPAR COM ACIDENTES DE ORDEM ELÉTRICA? Os acidentes de origem elétrica representam o principal tipo de acidente que as pessoas que trabalham em ambientes regulamentados pela NR-10 podem sofrer. Em muitos casos, um acidente desse tipo pode acarretar outros tipos de acidentes. Portanto, é essencial que os profissionais envolvidos conheçam quais são as principais técnicas de prevenção. Isso pode ajudar até mesmo a controlar as emergências com eficiência.
  • 51. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA POR QUE É IMPORTANTE SE PREOCUPAR COM ACIDENTES DE ORDEM ELÉTRICA? O choque elétrico acontece quando a energia atravessa um corpo, entrando por um ponto e saindo por outro. Por conter bastante sódio e água, o corpo humano é um ótimo condutor de eletricidade, o que agrava o perigo. Apesar de existirem diversas situações intermediárias, um choque elétrico pode até levar à morte. Isso por si só é um motivo para levar a causa a sério, certo?
  • 52. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA PRINCIPAIS CAUSAS DESSE TIPO DE ACIDENTE A intensidade de um choque depende de muitos fatores, como a tensão da rede, as roupas que a pessoa está usando e o tipo de contato com a fonte de energia elétrica (direto ou indireto). Dentre as principais causas desse tipo de acidente estão:  Falta de manutenção: Quando o estado físico da instalação elétrica não é mantido em perfeitas condições, acidentes passam a ser mais propensos. Componentes danificados, como tomadas e interruptores, precisam ser substituídos. Realize uma revisão periódica da instalação elétrica, pelo menos, de cinco em cinco anos.  Sobrecarga nos circuitos elétricos: Todos os circuitos são calculados para uma determinada potência. Ela pode representar um número limitado de equipamentos, ou mesmo um valor máximo para um deles. Aumentar essa condição sem revisar e adequar a instalação elétrica pode causar acidentes.
  • 53. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA PRINCIPAIS CAUSAS DESSE TIPO DE ACIDENTE  Materiais de má qualidade: Opte sempre por materiais normalizados, assim você terá a garantia de segurança e bom funcionamento.  Falta de DR: O DR é um dispositivo que identifica correntes de fuga. Na prática, ele desliga o circuito na presença de risco de choque elétrico, atuando como uma proteção para as pessoas. Na presença de alguma falha de isolamento nos equipamentos, o DR desliga a energia elétrica imediatamente, impedindo o choque elétrico.
  • 54. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA COMO ATUA A NR10? Como mencionamos, a NR-10 estabelece os requisitos para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos quanto à interação com instalações elétricas e serviços com eletricidade. Para garantir a segurança e a saúde dos colaboradores que, direta ou indiretamente, precisam lidar com esse tipo de trabalho, a NR-10 se aplica nas fases de geração, transmissão, distribuição e consumo. Desse modo, as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes precisam estar presentes nas seguintes etapas de projeto:  Planejamento;  Construção;  Montagem;  Operação; e  Manutenção das instalações elétricas e trabalhos realizados em proximidades.
  • 55. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA COMO ATUA A NR10? Os trabalhadores que não tiverem treinamento específico sobre os riscos decorrentes do emprego de energia elétrica e das principais medidas de prevenção de acidentes em instalações elétricas não estão autorizados a trabalhar neste tipo de atividade. Esse treinamento (conforme o Anexo III da NR-10) é conhecido como curso básico da norma além do curso de segurança no Sistema Elétrico de Potência (SEP) mais avançado para trabalhadores que irão realizar atividades em subestações por exemplo. Ambos os treinamentos contam com conteúdo de natureza multiprofissional e carga horária de no mínimo 40 horas.
  • 56. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA COMO EVITAR ESSE TIPO DE ACIDENTE? Além de submeter os trabalhadores envolvidos ao treinamento adequado, existem algumas normas que você pode colocar em prática para evitar que hajam acidentes de origem elétrica:  Proíba a manutenção com a energia ligada: Não permita que manutenções sejam feitas com a energia ligada. Aliás, apenas um profissional qualificado pode se responsabilizar pela manutenção, mesmo que no cotidiano de trabalho isso nem sempre aconteça. Como responsável pela segurança do trabalho, você será responsabilizado por acidentes nesse setor. Um bom programa de lockout/tagout ajudará na garantia do bloqueio coreto da fonte de energia elétrica. Caso seja preciso fazer pequenos reparos, como uma troca de lâmpada, sempre confira se a energia elétrica foi desligada!
  • 57. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA COMO EVITAR ESSE TIPO DE ACIDENTE?  Evite usar eletricidade em ambientes molhados: Procure evitar que equipamentos elétricos sejam usados em ambientes úmidos. Se algum equipamento elétrico for molhado, envie-o imediatamente para a manutenção, evitando as chances de curto-circuito.  Não deixe a fiação aparente: Mantenha isolados os fios das instalações. Fios expostos devem ser considerados situações de risco. Assim, caso sejam identificados, desligue a energia elétrica e providencie o isolamento imediato (ou a troca). Conscientize os funcionários para que interrompam o trabalho assim que identificarem fios desencapados em equipamentos. Todos devem agir em prol da segurança!
  • 58. 7. ACIDENTES DE ORIGEM ELÉTRICA No mais, lembre-se de que o treinamento é de extrema importância para que todos os colaboradores estejam alinhados no mesmo propósito. Você também pode explorar atividades e eventos, como o DDS, a SIPAT e a CIPA, e aproveitar qualquer outro momento disponível para tratar dos riscos ligados à eletricidade. Gostou de saber mais sobre o assunto? Procura ajuda para resolver os problemas atuais com acidentes de origem elétrica? Que tal bater um papo com especialistas do ramo? Entre em contato com a CONECT e descubra soluções que podem se encaixar no que a sua empresa precisa.
  • 59. Logo da empresa ANALISE DE RISCO Data da elaboração ___/___/___ Data da revisão ___/___/___ Local do trabalho: Equipamento: Descrição dos trabalhos: Responsável: EPI´s Básicos: EPI´s Específicos: SEQUENCIA DAS ETAPAS DE TRABALHO POTENCIAL DE ACIDENTES OU PERDAS MEDIDAS PREVENTIVAS
  • 60. ENCERRAMENTO Chegamos ao fim de mais um curso de NR 10 básico, espero que tenho aproveitado essa aula, é de vital importância de que, quem trabalha com elétrica deve ter cuidados redobrados. Eletricidade é coisa séria, um simples choque de 110 v pode matar. Então você que é um bom eletricista, sempre tenha medo deste cara e respeite sua capacidade, não tenha vergonha de dizer EU NÃO SEI, a vida é um aprendizado seja para os mais novos e também para os mais experientes. mais experientes. Um abraço a todos!
  • 61. OBRIGADO! Escolha a VIDA! Tenha sempre cuidado com a rede elétrica.

Notas do Editor

  1. Como a apresentação beneficiará o público: Os adultos têm mais interesse em um assunto se eles sabem como e por que ele é importante para eles. Nível de conhecimento do apresentador no assunto: Indique, de maneira breve, suas credenciais nesta área ou explique por que os participantes devem prestar atenção em você.
  2. Como a apresentação beneficiará o público: Os adultos têm mais interesse em um assunto se eles sabem como e por que ele é importante para eles. Nível de conhecimento do apresentador no assunto: Indique, de maneira breve, suas credenciais nesta área ou explique por que os participantes devem prestar atenção em você.