SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
História
1o bimestre – Aula 06
Ensino Fundamental: Anos Finais
Modernidade Europeia: Perspectivas
sobre África e América
● A visão eurocêntrica do
mundo;
● Idade Moderna.
● Identificar os principais
elementos da visão europeia
sobre os continentes
africano e americano durante
a Modernidade;
● Analisar os impactos dessa
visão nas relações entre
Europa, África e América;
● Debater para estimular a
reflexão crítica dos
estudantes.
1– Você já vivenciou alguma situação em que, por algum motivo,
sentiu-se “diferente” das outras pessoas?
Vire e converse
1. Analise as imagens abaixo e responda às questões oralmente.
Fonte 1 Fonte 2
Todos juntos
a) O que você observa nas imagens? Quais são os detalhes mais
importantes que você identifica nas imagens?
b) Em que contexto histórico elas foram produzidas?
c) Considerando as representações visuais dos Tupinambás, disponíveis
para os europeus do século XVI, quais hipóteses podem ser levantadas
sobre a percepção europeia em relação à cultura, costumes e
sociedade dos Tupinambás? Como essas representações podem ter
influenciado a construção do imaginário e as culturas na época?
1. Analise as imagens e responda às questões
oralmente.
A visão europeia sobre a África,
durante a Modernidade, era marcada
pela crença de que seus povos eram
inferiores. Os africanos eram,
frequentemente, representados como
selvagens, primitivos e atrasados. Essa
visão justificava a exploração e a
colonização da África pelos europeus.
Visão europeia sobre a África
Inferioridade
População pobre e incivilizada
Naturalmente propensos à escravidão
Alguns elementos
da visão
A visão europeia sobre a América, durante a
Modernidade, também era marcada pela
inferioridade. Os americanos eram,
frequentemente, representados como
primitivos, pagãos e atrasados. Essa visão
justificava a conquista e a dominação dos
americanos pelos europeus.
Visão europeia sobre a América
Alguns elementos
da visão
Inferioridade
Conversão
Oportunidades
A visão eurocêntrica é uma perspectiva que coloca a Europa como o centro
do mundo e todas as outras culturas como inferiores. Essa visão foi
desenvolvida durante a Modernidade, quando países do continente
europeu emergiram como uma potência global.
Visão
eurocêntrica
O encontro entre os povos indígenas e
os portugueses foi marcado por uma
visão etnocêntrica.
Etnocentrismo é quando
observamos e julgamos a vida, as
crenças, os hábitos e os costumes
de outros povos a partir da
perspectiva particular do povo e
da cultura aos quais
pertencemos.
A partir de uma visão etnocêntrica, isto é,
julgando a partir de seus próprios hábitos
e costumes, os portugueses
caracterizaram e julgaram os indígenas
como povos ‘inferiores’ e ‘selvagens’:
‘sem lei, sem rei e sem fé’.
Interessados na exploração do pau-brasil e na
dominação do território dos povos indígenas,
os portugueses passaram a exterminar a
população indígena: mortes, assassinatos e
doenças. Impuseram também, por meio da
violência, os costumes europeus, como a
religião católica, a língua portuguesa e a
obediência ao rei de Portugal.
[...] Eurocentrismo é, aqui, o nome de uma perspectiva de conhecimento cuja
elaboração sistemática começou na Europa Ocidental antes da metade do século
XVII, ainda que algumas de suas raízes são sem dúvida mais velhas, ou mesmo
antigas, e que nos séculos seguintes se tornou mundialmente hegemônica
percorrendo o mesmo fluxo do domínio da Europa burguesa. Sua constituição
ocorreu associada à específica secularização burguesa do pensamento europeu e
à experiência e às necessidades do padrão mundial de poder capitalista,
colonial/moderno, eurocentrado, estabelecido a partir da América.
QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER,
Edgardo (Org.) A Colonialidade do saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas
latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p 115.
Após a explicação de seu professor, cada estudante deve escrever uma
frase sobre o que compreendeu dos impactos dessa visão dos europeus
sobre a África e a América.
Compartilhe sua frase quando solicitado pelo professor.
2. Vamos analisar os impactos dessa visão nas relações entre Europa,
África e América.
Mostre-me
Aventureiros europeus
Narrativas de aventureiros europeus, como a de Hans Staden, do século
XVI, apresentavam os continentes africano e americano como locais
atrasados, povoados por selvagens, que, segundo eles, somente se
modernizaram após o contato com a cultura europeia. No entanto, um
estudo do passado nos permite conhecer e desmistificar ideias
preestabelecidas. Em primeiro lugar, temos que, na África e na América,
sempre houve uma grande diversidade de povos, com diferentes
características culturais, sociais e políticas.
A cerâmica e a metalurgia do ouro e da prata, por exemplo, eram conhecidas
pelas antigas sociedades africanas e americanas, possibilitando a produção
de utensílios, ferramentas e artefatos simbólicos. Exemplos de construções
arquitetônicas, como Machu Picchu, na América, e a Grande Mesquita de
Djenné, na África, ambas declaradas Patrimônios da Humanidade pela
UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a
Cultura), são representações da complexidade tecnológica dessas
sociedades. Essas e outras fontes históricas nos permitem conhecer as
características desses povos.
Fonte: Currículo em Ação
Todo do mundo
escreve
a) De acordo com o texto, como os aventureiros europeus, a partir do
século XVI, costumavam apresentar os continentes africano e
americano?
b) Debata em dupla e responda por que essa concepção é considerada
equivocada atualmente?
3. Leia o texto e responda às questões em seu caderno.
a) De acordo com o texto, como os aventureiros europeus, a partir
do século XVI, costumavam apresentar os continentes africano
e americano?
Resposta: De acordo com o texto, os aventureiros europeus, a partir do
século XVI, costumavam apresentar os continentes africano e americano
como locais atrasados, povoados por selvagens. Essa concepção era
baseada em uma visão eurocêntrica, que colocava a Europa como o
centro do mundo e todas as outras culturas como inferiores.
Correção
b) Debata em dupla e responda por que essa concepção é considerada equivocada
atualmente?
Resposta: Essa concepção é considerada equivocada atualmente por uma série
de razões. Vamos apontar algumas nesta resposta.
Em primeiro lugar, sabemos que na África e na América sempre houve uma
grande diversidade de povos, com diferentes características culturais, sociais e
políticas.
Em segundo lugar, sabemos que os povos africanos e americanos desenvolveram
tecnologias sofisticadas em diversas áreas, como a cerâmica, a metalurgia, a
arquitetura e a astronomia.
Em terceiro lugar, sabemos que os povos africanos e americanos não eram
selvagens, mas, sim, seres humanos com uma cultura e uma história complexas.
Correção
Faça agora
4. Vamos elaborar um mapa conceitual com os principais conceitos
que foram abordados na aula, indicados abaixo:
A Modernidade – Os europeus visão
sobre continentes africano e americano
● Hoje, na aula de História do 7o ano, aprendemos a
respeito da visão europeia sobre os continentes
africano e americano durante a Modernidade. Essa
visão foi marcada pela crença dos povos europeus
de que os povos africanos e americanos eram
inferiores, o que serviu como justificativa para as
ações de imposição, conquista e submissão,
iniciadas por países do continente europeu a partir
do início do séc. XVI.
Referências
Slide 4 – Imagem 1–
Fonte: Domínio Público. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/imagem/ic00001
3.jpg . Acesso em: 05 ago. 2022. Imagem 2 –
Fonte: Domínio Público. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/imagem/ic00000
8.gif . Acesso em: 05 ago. 2022.
Slide 8 – Imagem 3 –
Fonte: Wikipedia. Disponível em: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/13/Waldseemull
er_map_in_color.jpg Acesso em: 05 nov. 2023.
LEMOV, Doug. Aula nota 10 3.0: 63 técnicas para melhorar a gestão da sala de aula. Porto Alegre:
Penso, 2023.
SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Currículo Paulista: Etapas Educação Infantil e Ensino
Fundamental. Secretaria da Educação – São Paulo: SEE, 2019.
QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER, Edgardo
(Org.) A Colonialidade do saber: Eurocentrismo e Ciências sociais – Perspectivas latino-americanas.
Buenos Aires: CLACSO, 2005. p 115.
Modernidade perspectiva sobre a África e América

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Modernidade perspectiva sobre a África e América

historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptxhistoria_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptxErnandesLinhares1
 
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptxLEANDROSPANHOL1
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Diogo Santos
 
Aula - tema: África - Ensino Médio
Aula - tema: África - Ensino MédioAula - tema: África - Ensino Médio
Aula - tema: África - Ensino MédioJoacir Pimenta
 
Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas) Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas) elianemfr
 
Africa do imaginário social
Africa do imaginário socialAfrica do imaginário social
Africa do imaginário socialValquiria Azevedo
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017Diogo Santos
 
O ensino da história africana
O ensino da história africanaO ensino da história africana
O ensino da história africanaprimeiraopcao
 
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saberLopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saberAndre Bezerra Lins
 
Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.
Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.
Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.Lauri Rene Reis Filho
 
PROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EM
PROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EMPROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EM
PROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EMNelson Silva
 

Semelhante a Modernidade perspectiva sobre a África e América (20)

historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptxhistoria_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
historia_7ºano_Slides aula 10 Aulas.pptx
 
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
66ssssssssssssssssssssssssssssss4434.pptx
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 1 2014-2017
 
Aula - tema: África - Ensino Médio
Aula - tema: África - Ensino MédioAula - tema: África - Ensino Médio
Aula - tema: África - Ensino Médio
 
Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas) Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas)
 
Africa do imaginário social
Africa do imaginário socialAfrica do imaginário social
Africa do imaginário social
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
 
História
HistóriaHistória
História
 
Geograia
GeograiaGeograia
Geograia
 
Modulo 13 historia
Modulo 13 historiaModulo 13 historia
Modulo 13 historia
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
Caderno do Aluno História 1 ano vol 2 2014-2017
 
O ensino da história africana
O ensino da história africanaO ensino da história africana
O ensino da história africana
 
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saberLopes, m s (2002) da descoberta ao saber
Lopes, m s (2002) da descoberta ao saber
 
Tarefa 3 8 ano
Tarefa 3   8 anoTarefa 3   8 ano
Tarefa 3 8 ano
 
Aa 43 o_pinho
Aa 43 o_pinhoAa 43 o_pinho
Aa 43 o_pinho
 
Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.
Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.
Orientações Pedagógicas Primeiros povoadores ameríndios e suas origens.
 
Olhar iconográfico
Olhar iconográficoOlhar iconográfico
Olhar iconográfico
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
PROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EM
PROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EMPROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EM
PROGRAMA DE HISTÓRIA 2009 CEN 6º ANO DO EF AO 3º ANO DO EM
 

Último

transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 

Último (20)

transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 

Modernidade perspectiva sobre a África e América

  • 1. História 1o bimestre – Aula 06 Ensino Fundamental: Anos Finais Modernidade Europeia: Perspectivas sobre África e América
  • 2. ● A visão eurocêntrica do mundo; ● Idade Moderna. ● Identificar os principais elementos da visão europeia sobre os continentes africano e americano durante a Modernidade; ● Analisar os impactos dessa visão nas relações entre Europa, África e América; ● Debater para estimular a reflexão crítica dos estudantes.
  • 3. 1– Você já vivenciou alguma situação em que, por algum motivo, sentiu-se “diferente” das outras pessoas? Vire e converse
  • 4. 1. Analise as imagens abaixo e responda às questões oralmente. Fonte 1 Fonte 2
  • 5. Todos juntos a) O que você observa nas imagens? Quais são os detalhes mais importantes que você identifica nas imagens? b) Em que contexto histórico elas foram produzidas? c) Considerando as representações visuais dos Tupinambás, disponíveis para os europeus do século XVI, quais hipóteses podem ser levantadas sobre a percepção europeia em relação à cultura, costumes e sociedade dos Tupinambás? Como essas representações podem ter influenciado a construção do imaginário e as culturas na época? 1. Analise as imagens e responda às questões oralmente.
  • 6. A visão europeia sobre a África, durante a Modernidade, era marcada pela crença de que seus povos eram inferiores. Os africanos eram, frequentemente, representados como selvagens, primitivos e atrasados. Essa visão justificava a exploração e a colonização da África pelos europeus. Visão europeia sobre a África Inferioridade População pobre e incivilizada Naturalmente propensos à escravidão Alguns elementos da visão
  • 7. A visão europeia sobre a América, durante a Modernidade, também era marcada pela inferioridade. Os americanos eram, frequentemente, representados como primitivos, pagãos e atrasados. Essa visão justificava a conquista e a dominação dos americanos pelos europeus. Visão europeia sobre a América Alguns elementos da visão Inferioridade Conversão Oportunidades
  • 8. A visão eurocêntrica é uma perspectiva que coloca a Europa como o centro do mundo e todas as outras culturas como inferiores. Essa visão foi desenvolvida durante a Modernidade, quando países do continente europeu emergiram como uma potência global. Visão eurocêntrica
  • 9. O encontro entre os povos indígenas e os portugueses foi marcado por uma visão etnocêntrica. Etnocentrismo é quando observamos e julgamos a vida, as crenças, os hábitos e os costumes de outros povos a partir da perspectiva particular do povo e da cultura aos quais pertencemos. A partir de uma visão etnocêntrica, isto é, julgando a partir de seus próprios hábitos e costumes, os portugueses caracterizaram e julgaram os indígenas como povos ‘inferiores’ e ‘selvagens’: ‘sem lei, sem rei e sem fé’. Interessados na exploração do pau-brasil e na dominação do território dos povos indígenas, os portugueses passaram a exterminar a população indígena: mortes, assassinatos e doenças. Impuseram também, por meio da violência, os costumes europeus, como a religião católica, a língua portuguesa e a obediência ao rei de Portugal.
  • 10. [...] Eurocentrismo é, aqui, o nome de uma perspectiva de conhecimento cuja elaboração sistemática começou na Europa Ocidental antes da metade do século XVII, ainda que algumas de suas raízes são sem dúvida mais velhas, ou mesmo antigas, e que nos séculos seguintes se tornou mundialmente hegemônica percorrendo o mesmo fluxo do domínio da Europa burguesa. Sua constituição ocorreu associada à específica secularização burguesa do pensamento europeu e à experiência e às necessidades do padrão mundial de poder capitalista, colonial/moderno, eurocentrado, estabelecido a partir da América. QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER, Edgardo (Org.) A Colonialidade do saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais – Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p 115.
  • 11. Após a explicação de seu professor, cada estudante deve escrever uma frase sobre o que compreendeu dos impactos dessa visão dos europeus sobre a África e a América. Compartilhe sua frase quando solicitado pelo professor. 2. Vamos analisar os impactos dessa visão nas relações entre Europa, África e América. Mostre-me
  • 12. Aventureiros europeus Narrativas de aventureiros europeus, como a de Hans Staden, do século XVI, apresentavam os continentes africano e americano como locais atrasados, povoados por selvagens, que, segundo eles, somente se modernizaram após o contato com a cultura europeia. No entanto, um estudo do passado nos permite conhecer e desmistificar ideias preestabelecidas. Em primeiro lugar, temos que, na África e na América, sempre houve uma grande diversidade de povos, com diferentes características culturais, sociais e políticas.
  • 13. A cerâmica e a metalurgia do ouro e da prata, por exemplo, eram conhecidas pelas antigas sociedades africanas e americanas, possibilitando a produção de utensílios, ferramentas e artefatos simbólicos. Exemplos de construções arquitetônicas, como Machu Picchu, na América, e a Grande Mesquita de Djenné, na África, ambas declaradas Patrimônios da Humanidade pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), são representações da complexidade tecnológica dessas sociedades. Essas e outras fontes históricas nos permitem conhecer as características desses povos. Fonte: Currículo em Ação
  • 14. Todo do mundo escreve a) De acordo com o texto, como os aventureiros europeus, a partir do século XVI, costumavam apresentar os continentes africano e americano? b) Debata em dupla e responda por que essa concepção é considerada equivocada atualmente? 3. Leia o texto e responda às questões em seu caderno.
  • 15. a) De acordo com o texto, como os aventureiros europeus, a partir do século XVI, costumavam apresentar os continentes africano e americano? Resposta: De acordo com o texto, os aventureiros europeus, a partir do século XVI, costumavam apresentar os continentes africano e americano como locais atrasados, povoados por selvagens. Essa concepção era baseada em uma visão eurocêntrica, que colocava a Europa como o centro do mundo e todas as outras culturas como inferiores. Correção
  • 16. b) Debata em dupla e responda por que essa concepção é considerada equivocada atualmente? Resposta: Essa concepção é considerada equivocada atualmente por uma série de razões. Vamos apontar algumas nesta resposta. Em primeiro lugar, sabemos que na África e na América sempre houve uma grande diversidade de povos, com diferentes características culturais, sociais e políticas. Em segundo lugar, sabemos que os povos africanos e americanos desenvolveram tecnologias sofisticadas em diversas áreas, como a cerâmica, a metalurgia, a arquitetura e a astronomia. Em terceiro lugar, sabemos que os povos africanos e americanos não eram selvagens, mas, sim, seres humanos com uma cultura e uma história complexas. Correção
  • 17. Faça agora 4. Vamos elaborar um mapa conceitual com os principais conceitos que foram abordados na aula, indicados abaixo: A Modernidade – Os europeus visão sobre continentes africano e americano
  • 18. ● Hoje, na aula de História do 7o ano, aprendemos a respeito da visão europeia sobre os continentes africano e americano durante a Modernidade. Essa visão foi marcada pela crença dos povos europeus de que os povos africanos e americanos eram inferiores, o que serviu como justificativa para as ações de imposição, conquista e submissão, iniciadas por países do continente europeu a partir do início do séc. XVI.
  • 19. Referências Slide 4 – Imagem 1– Fonte: Domínio Público. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/imagem/ic00001 3.jpg . Acesso em: 05 ago. 2022. Imagem 2 – Fonte: Domínio Público. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/imagem/ic00000 8.gif . Acesso em: 05 ago. 2022. Slide 8 – Imagem 3 – Fonte: Wikipedia. Disponível em: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/13/Waldseemull er_map_in_color.jpg Acesso em: 05 nov. 2023. LEMOV, Doug. Aula nota 10 3.0: 63 técnicas para melhorar a gestão da sala de aula. Porto Alegre: Penso, 2023. SÃO PAULO (Estado) Secretaria da Educação. Currículo Paulista: Etapas Educação Infantil e Ensino Fundamental. Secretaria da Educação – São Paulo: SEE, 2019. QUIJANO, Aníbal. “Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER, Edgardo (Org.) A Colonialidade do saber: Eurocentrismo e Ciências sociais – Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p 115.