SlideShare uma empresa Scribd logo
Heliotek

Manual do Proprietário
SISTEMA HELIOTEK DE AQUECIMENTO SOLAR
Manual do Proprietário
AGRADECIMENTOS
Estamos honrados por você ter escolhido um produto Heliotek.
Nossa forma de demonstrar isso é produzir equipamentos de alto desempenho,
confiabilidade e qualidade que irão proporcionar muito conforto durante muitos
anos.
Nosso objetivo vai além de sua plena satisfação. Observamos
cuidadosamente nosso ambiente e a forma de preservá-lo é controlando os
impactos de nossa atividade industrial.
Prova maior destes compromissos é que nosso sistema de gestão integrado
possui as certificações ISO 9001 e ISO 14001.
Por tudo isso, ao adquirir um produto Heliotek, você investiu em tecnologia,
conforto e desempenho, além de demonstrar respeito ao meio ambiente.
Heliotek - Orgulhosamente produzido no Brasil, com a qualidade
Mundial Heliotek.
Heliotek
Índice
1. INSTRUÇÕES E RECOMENDAÇÕES ................................................. pág. 03

2. INSTALAÇÃO ....................................................................................... pág. 05
2.1 Localização do equipamento ....................................................... pág. 05
2.2 Instalação dos coletores ........................................................... pág. 07
2.2.1 Instalação em telhados .......................................................... pág. 07
2.2.2 Instalação em lajes ................................................................. pág. 08
2.3 Hidraúlica ....................................................................................... pág. 09
2.3.1 Alimentação de água fria e consumo
de água quente (Circuito secundário) ................................. pág. 09
2.3.2 Circulação de água nos coletores
solares (Circuito primário) ................................................... pág. 13
2.4 Elétrica ........................................................................................... pág. 19

3. OPERAÇÃO .......................................................................................... pág. 20
3.1 Conclusão da Instalação .............................................................. pág. 20
3.2 Complementar Elétrico ................................................................. pág. 21
3.3 Utilização ........................................................................................ pág. 21

4. LIMPEZA E CONSERVAÇÃO .............................................................. pág. 22

5. SOLUÇÕES PRÁTICAS ....................................................................... pág. 23

6. CERTIFICADO DE GARANTIA ............................................................ pág. 24
Manual do Proprietário
1.	 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA / RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES
-Como todo equipamento, não permita, jamais, ser manuseado por crianças;
-Cada componente elétrico do sistema (resistência, microbomba, etc) deve ter
proteção por disjuntor exclusivo;
-Não aplique ou utilize produtos químicos como thinner, gasolina ou inseticidas perto
do equipamento, pois tais agentes podem causar danos ao gabinete;
-Não introduza objetos através das aberturas de alimentação elétrica e circulação de
água, isto pode danificar o aparelho e causar ferimentos aos usuários;
-Use o equipamento somente com a alimentação elétrica especificada pelo modelo;
-Sempre ligue o fio terra do aparelho, ele é a sua segurança;
-Não sente ou apoie objetos no aquecedor;
-Se o fornecimento de energia for interrompido, desligue os disjuntores do sistema
para evitar que variações de tensão queimem os componentes elétricos;
-Para utilização com água de poço, caminhão pipa ou mesmo regiões onde o
tratamento de água não é eficaz, deve-se optar por reservatórios térmicos construídos
com ânodo de sacrifício, o qual deve ser substituído anualmente para evitar a corrosão
do reservatório. Mesmo assim, é fundamental observar e seguir os limites para a
qualidade de água para consumo humano, como:
PH:­­­			
Cloro livre:		
Dureza cálcica:		

6,0 à 9,5
2,0 mg / L (valor máximo permitido)
500 mg / L (valor máximo permitido)

-Em regiões onde há ocorrência de geadas é obrigatório utilizar o sistema K2,
único sistema solar capaz de suportar temperaturas de até - 45ºC;
-Observe os valores máximos de pressão de trabalho que constam na etiqueta do
reservatório térmico. Não efetue a instalação caso a pressão no sistema atinja um
valor maior que a pressão de trabalho do reservatório;
-O sistema Heliotek de aquecimento solar pode atingir temperaturas próximas a
100ºC, desta forma, a seleção do material dos tubos e conexões deve suportar
tais condições;

3
Heliotek
-Durante o projeto e instalação, observar a norma NBR 15569 – Sistema de
aquecimento solar de água em circuito direto – Projeto e Instalação;
-Durante a instalação ou enquanto o sistema estiver sem a carga completa de
água ou solução (K2), os coletores solares deverão ser mantidos cobertos. O
superaquecimento dos componentes internos, devido à elevada eficiência na
captação solar, poderá provocar trincas nos vidros, queima nas vedações de
EPDM e empenamento dos coletores solares.

Fig. 01 - Proteção contra superaquecimento dos coletores solares

4
Manual do Proprietário
2.	 INSTALAÇÃO	
2.1

Localização do equipamento

A performance de seu aquecedor está diretamente relacionada com o local de
instalação. Para definição do local, deverá ser levado em consideração as dimensões
do aparelho e as orientações abaixo descritas:
-Local de fácil acesso para que a instalação possa ser inspecionada de acordo com o
Plano de Manutenção Preventiva Heliotek;
-O reservatório térmico deve ser colocado em uma base plana nivelada, para não
prejudicar a circulação de água e distribuir seu peso corretamente ao longo de
todo o seu comprimento. Esta base deve possuir ainda um sistema de escoamento
impermeabilização para direcionar a água quente (proveniente de uma eventual
manutenção ou até mesmo de um vazamento) evitando danos às instalações e
possíveis ferimentos dos usuários;

Fig. 02/03 - Reservatório térmico - Base básica

5
Heliotek
-Instalar o reservatório térmico e os coletores solares próximos aos pontos de
consumo, para evitar perda térmica na tubulação (a distância entre coletores solares
e reservatórios térmicos não deve ser superior a 5 metros.);
-Instalar os coletores solares com inclinação e direção corretas para a sua localidade;
-Os coletores solares deverão estar orientados para o Norte Geográfico (regiões
no hemisfério sul) ou Sul Geográfico (regiões no hemisfério norte) com um desvio
máximo de 30º;
-A inclinação ideal dos coletores solares é dada pelo valor da latitude onde será
feita a instalação somando dez graus, porém é comum instalar diretamente sobre
o telhado (inclinação comum 17º ou 30%) sem que a perda de eficiência seja
considerável;

Fig. 04 - Orientação e inclinação dos coletores solares

6
Manual do Proprietário
2.2 Instalação dos coletores
2.2.1 Instalação em telhados
-Nas instalações feitas em telhados deve-se garantir que o coletor fique totalmente
apoiado nas telhas (Fig. 05).

Fig. 05 - Instalação dos coletores em telhados

-O coletor deve ser amarrado juntamente ao telhado, para isso, pode-se utilizar fitas
de aço inox perfurado ou fios de cobre. O mais importante é que o material com o
qual a fixação será feita tenha alta resistência à corrosão.
-A fixação deve ser feita utilizando os tubos do coletor (Fig. 06).

Fig. 06 - Fixação dos coletores juntamente ao telhado

7
Heliotek
2.2.2

Instalação em lajes

-Para instalação em lajes é necessário um suporte triangular. O coletor deve ser totalmente
apoiado e fixado neste suporte.
-Bases de alvenaria devem ser construídas para fixar os suportes triangulares. O
espaçamento entre as bases de alvenaria varia conforme o modelo do coletor (Tabela 1).

Fig. 07 - Fixação dos coletores em lajes

Fig. 08 - Suporte triangular e base de alvenaria

8
Manual do Proprietário
2.3 Hidraúlica
A instalação hidráulica deve ser executada por profissional capacitado, utilizando
tubos e conexões de boa qualidade.
IMPORTANTE:
-Não conecte o reservatório térmico direto na rede de água pública, as variações
de pressão podem danificá-lo. É obrigatório o uso de caixa d’água fria, respeitando
as alturas máximas recomendadas para cada modelo de reservatório;
-Nos sistemas de baixa pressão é obrigatório o uso do tubo de respiro ou dispositivo
equivalente;
-Nos sistemas de alta pressão deverá ser adotada uma válvula de segurança.
2.3.1 Alimentação de água fria e consumo de água quente (circuito secundário)
Baixa pressão
Os sistemas alimentados por caixa d’água em baixa pressão devem ser montados
conforme diagramas a seguir. Observar as seguintes características importantes:
-Deve haver um desnível mínimo de 15cm entre a base da caixa d’água fria e o topo
do reservatório térmico;
-Na tubulação de consumo de água quente, próximo ao reservatório térmico, deve
haver um tubo de respiro para controlar a pressão em seu interior (fig. 09);

Fig. 09 - Respiro e consumo de água quente - baixa pressão

9
Heliotek
-Na tampa lateral do reservatório térmico onde está localizado o sistema de apoio
elétrico (resistência), está o tubo superior que deve ser utilizado como saída para
consumo de água quente (fig. 09);
-Respeitar a altura máxima entre a base do reservatório térmico e o topo da caixa
d’água fria;
-A alimentação de água fria deve ser executada em tubulação exclusiva para o
reservatório térmico;
-As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC)
e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos do reservatório térmico;
-Aplicar isolamento térmico somente na tubulação de consumo de água quente;

Fig. 10 - Circuito secundário - Baixa pressão

10
Manual do Proprietário
Alta pressão
Os sistemas que operam em alta pressão solicitam alguns itens de segurança
para operar dentro dos limites de projeto. Observar as seguintes características
importantes:
-O manômetro com ponta de arraste deve ter escala de 0 à 6 kgf/cm2, ser próprio
para utilização com água quente e possuir ponta de arraste, cujo objetivo é registrar
a máxima pressão;
-A válvula eliminadora de ar – ventosa, permite que o ar ou vapor saia da tubulação
livremente, facilitando o escoamento da água até o ponto de consumo;
-A válvula de segurança e quebra vácuo deve ser instalada nas tubulações de
consumo do reservatório térmico. Um eventual fluxo de água quente deve ser
direcionado para um local seguro e que permita a visualização pelo usuário, pois esta
não é uma ocorrência normal. A passagem da válvula deve estar sempre livre, uma
vez que durante a drenagem do reservatório térmico, a válvula atua como quebra
vácuo, permitindo a entrada de ar, equalizando a pressão interna do reservatório
térmico com a pressão atmosférica (fig. 11);
-Na tampa lateral do reservatório térmico onde está localizado o sistema de apoio
elétrico (resistência), está o tubo superior que deve ser utilizado como saída para
consumo de água quente (fig. 11);

Fig. 11 - Válvula de segurança e consumo de água quente - Alta pressão

11
Heliotek
-O vaso de expansão deve possuir 4% do volume total do reservatório térmico.
Além disso, deve-se pressurizar o lado do ar com 3,5 kgf/cm2, para que possa
absorver a expansão térmica da água e o golpe de aríete;
-O pressurizador deve ter curva com ponto de máxima pressão em 2 kgf/cm2. O
dimensionamento pelo número de pontos de consumo deve ser feito em função
somente da vazão de água;
-A alimentação de água fria deve ser executada em tubulação exclusiva para o
reservatório térmico;
-As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC)
e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos do reservatório térmico;
-Aplicar isolamento térmico somente na tubulação de consumo de água quente;

Fig. 12 - Circuito secundário - Alta pressão com caixa d’água

12
Manual do Proprietário

Fig. 13 - Circuito secundário - Alta pressão com pressurizador

2.3.2 Circulação de água nos coletores solares ( circuito primário )
Circulação por termossifão (sem bomba de circulação)
Nos sistemas de circulação por termossifão, a circulação de água entre os coletores
solares e o reservatório térmico é provocada pela variação de sua densidade em
função da temperatura. A água quando aquecida nos coletores solares (menor
densidade), sobe até o reservatório térmico onde a água fria (maior densidade),
desce para os coletores solares.
Para que este ciclo funcione deve-se observar algumas características importantes
apontadas abaixo:
-Deve haver um desnível mínimo de 20cm entre o topo dos coletores solares e a base
do reservatório térmico (Fig. 14);
-A distância entre coletores solares e reservatório térmico não deve ser
superior a 5m;

13
Heliotek

Fig. 14 - Circuito primário - Circulação por termossifão - dimensões recomendadas

-Para desníveis inferiores a 20cm deve-se utilizar a válvula termossifão e
respeitar os novos limites (Fig. 15 e 16);

Fig. 15 - Circuito primário - Válvula de termossifão

14
Manual do Proprietário

Fig. 16 - Circuito primário - Válvula termossifão

-A tubulação que interliga os coletores solares e o reservatório térmico deve ter
inclinação mínima de 2% para que a água circule naturalmente. Esta tubulação deve
ser isenta de ‘barrigas’, cavaletes ou qualquer outra característica que dificulte a
circulação natural;
-As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC)
e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos dos coletores solares;
-Aplicar isolamento térmico em toda a tubulação;

Fig. 17 - Circuito primário - Termossifão

15
Heliotek

Fig. 18 - Circuito primário - Termossifão

Fig. 19 - Circuito primário - Válvula termossifão

16
Manual do Proprietário

Fig. 20 - Circuito primário - Válvula termossifão

Circulação forçada (com bomba de circulação)
-Nos sistemas por circulação forçada, a circulação de água entre os coletores solares
e o reservatório térmico é provocada por uma bomba de circulação comandada por
um controlador eletrônico. O controlador é o responsável por ligar e desligar a bomba
nos períodos de Sol.
-Para que este sistema funcione deve-se observar algumas características importantes
apontadas a seguir:

Fig. 21 - Circuito primário - Circulação forçada - Cavalete

17
Heliotek
-Nos sistemas K2, o vaso de expansão deve sempre estar acima dos coletores
solares para garantir o preenchimento total do sistema com o fluído Heliotherm
e a correta eliminação do ar. Nestes casos, deslocar o vaso de expansão do
reservatório, prolongar a mangueira principal, fechar a mangueira de equalização e
fazer nova tomada de equalização no ponto mais alto dos coletores solares;

Fig. 22 - Circuito primário - Circulação forçada - cavalete e vaso de expansão K2

-As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC)
e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos dos coletores solares;
-Aplicar isolamento térmico em toda a tubulação;

Fig. 23 - Circuito primário - Circulação forçada

18
Manual do Proprietário

Fig. 24 - Circuito primário - Circulação forçada

2.4 Elétrica
-Seleção de cabos e disjuntores
A exemplo da instalação hidráulica, a instalação elétrica deve ser executada por
profissional capacitado e utilizando cabos e disjuntores de boa qualidade. Para
selecionar o cabo e o disjuntor adequado ao seu equipamento, utilize a tabela abaixo.
Esta tabela leva em consideração a pior condição de operação e informa a distância
máxima entre o quadro de distribuição e o reservatório térmico. Sempre conecte o
fio terra do aparelho a um sistema de aterramento com resistência inferior a 3 ohms.
Distâncias Máximas recomendadas para cada resistência (m)
Cabo
mm²

2500W

5000W

220V

220V

220V

220V

2,5

25

10

Não se aplica

Não se aplica

4

50

25

15

10

6

75

40

25

15

10

100

70

40

25

16

200

100

70

40

Disj.

19

10000W 3F

Bipolar
15A

15000W 3F

Tripolar
30A

40A

60A
Heliotek
3. OPERAÇÃO
	
3.1 Conclusão da instalação
Sistema K2
Para o primeiro enchimento seguir os seguintes passos:
-Encher o reservatório térmico com água
fria;
-Os coletores e reservatórios devem estar à
temperatura ambiente;
-Manter os coletores cobertos para não
aquecer (Fig. 01);
-Para sistemas com circulação forçada,
posicionar o vaso de expansão acima do
topo dos coletores solares e fazer nova
tomada de equalização (Fig. 24);
-Remover a tampa do vaso de expansão e
colocar o Heliotherm na quantidade indicada na etiqueta (em função do volume do
reservatório e do nº de coletores solares);
-Completar com água, lentamente, permitindo que o ar seja expulso pela mangueira
de equalização, até a metade do vaso de expansão;
-O nível ideal com o sistema frio está indicado no vaso de expansão;
-Fechar a tampa do vaso de expansão;
Todos os sistemas
Concluída a instalação deve-se verificar todo o sistema:
-Abrir os pontos de consumo de água quente para retirar o ar das tubulações de
consumo;
-Retirar o ar das tubulações de circulação entre os coletores solares e o reservatório
térmico;

20
Manual do Proprietário
-Inspecionar as soldas, roscas e junções das tubulações à procura de vazamentos;
-Verificar se os desníveis recomendados entre a caixa d’água fria, o reservatório e os
coletores foram atingidos;
-Verificar se as tubulações cederam com o peso da água ou impactos e providenciar
suportes ou reparos, se necessário;
-Testar os componentes elétricos;
-Verificar a temperatura programada do termostato no reservatório térmico;
-Limpar e organizar o local da instalação;
3.2 Complementar elétrico
Todos os reservatórios térmicos Heliotek possuem um sistema de apoio para os dias
em que não há Sol. O sistema de apoio é composto por uma resistência elétrica
blindada e dois termostatos de encosto, sendo um de trabalho regulável, programado
para 45ºC e outro de segurança fixo em 80ºC. Para garantir maior economia de
energia é necessário racionalizar o uso do sistema de apoio, evitando que ele trabalhe
nos períodos em que há Sol.
Recomenda-se a utilização do HelioControl, controlador digital que além de
racionalizar o uso do sistema de apoio, controla a bomba de circulação (sistema com
circulação forçada) e possui função auto-diagnóstico.
3.3 Utilização
	
Recomendações
-Utilize a água quente de modo racional, lembre-se, o volume do reservatório
térmico é limitado;
-Após utilizar a ducha higiênica, feche os 3 registros, pois eles permitem que a água
fria (maior pressão pois a caixa d’água fria está acima do reservatório) vá para o
reservatório esfriando toda a água armazenada;

21
Heliotek
4. LIMPEZA E CONSERVAÇÃO
-Os coletores solares devem permanecer razoavelmente limpos, recomenda-se lavar
os vidros a cada 6 meses (dependendo do local) sempre nos períodos sem Sol para
evitar choques térmicos;
-Não aplique álcool ou solventes, utilize água e sabão neutro;
-Reaperte as conexões elétricas e aplique um desengripante para evitar corrosão;
-Antes da manutenção deve-se desligar os disjuntores do sistema;
-Efetue a drenagem do sistema anualmente, esvaziando os coletores solares e o
reservatório térmico;
-O reservatório térmico deve possuir tubo de respiro ou sistema equivalente para
evitar deformações por vácuo;
-No sistema K2, deve-se substituir o fluído térmico a cada 2 (dois) anos;
-Aproveitar a drenagem anual e, com o sistema frio (coletores solares e reservatório
térmico), verificar o nível de fluído no vaso de expansão do sistema K2. O nível ideal
com o sistema frio está indicado no vaso de expansão.
À princípio, qualquer perda de líquido deve ser atribuída à um vazamento. Desta
forma, é necessário inspecionar as tubulações, os coletores solares e o reservatório
térmico a procura de sinais de vazamentos.
No entanto, como o sistema possui uma válvula de segurança na tampa do vaso
de expansão, em alguns casos, dependendo da temperatura máxima atingida, esta
válvula pode abrir permitindo a saída de vapor. Sendo assim, pode ser necessário
completar a solução sem a presença de um vazamento. Completar somente com
Heliotherm;
-Em regiões litorâneas a limpeza deve ser intensificada para evitar corrosão;
-Durante a limpeza da caixa d’água fria feche o registro do reservatório para evitar
que as impurezas e os produtos utilizados fiquem dentro do reservatório térmico;

22
Manual do Proprietário
5. SOLUÇÕES PRÁTICAS
Problema

Causa Provável

Solução

Água não esquenta
com energia solar

Falta de insolação
Falta d’água
Ligação inadequada entre
coletores /reservatório

Verificar nível da caixa
Chamar assistência Técnica

Água não esquenta
com complementar
elétrico ligado

Falta de energia
Fiação elétrica rompida
Termostato na posição de
desligado
Defeito na resistência ou
termostato

Verifique o fusível ou disjuntor
Verifique a ligação entre
disjuntor e reservatório
Colocar termostato regulado
entre 40ºC e 50ºC
Chamar assitência técnica
Verificar e abrir

Não sai água na
torneira de água
quente

Registro de distribuição
fechado
Registro entre caixa d’água
e reservatório fechado
Volume de água
insuficiente para
pressurizar reservatório
Ar na tubulação de
distribuição
Falha na válvula de
retenção

Substituir válvula

Termostato desregulado
Defeito no termostato

Colocar termostato regulado
entre 40ºC e 50ºC
Chamar assitência técnica

Sai água quente na
torneira de água
fria
Aquecimento
excessivo da água

Verificar e abrir
Verificar
Abrir todas as torneiras de
água quente, aguardar 5
minutos, fechando-as assim
que o fluxo d’água normalizar

Choques nas
torneiras

Fiação elétrica sem
Trocar disjuntor
isolamento em contato com Verificar e reparar
a tubulação de cobre
Chamar Assistência Técnica
Aterramento inadequado
Defeito na resistência

Disjuntor não arma

Defeito no disjuntor
Fiação elétrica em curto
Resistência queimada

23

Trocar disjuntor
Verificar e reparar
Chamar Assistência Técnica
Heliotek
6. CERTIFICADO DE GARANTIA - PRODUTOS HELIOTEK
Prazo
A Heliotek Máquinas e Equipamentos LTDA garante os produtos por ela fabricados
e comercializados, contra todo e qualquer eventual defeito de fabricação durante os
períodos abaixo descritos:
Produto

Período de garantia total

Coletores solares e reservatórios térmicos

36 meses

Bombas de calor

12 meses

Vidros, resistências. termostatos, bombas de
circulação, controladores diferenciais, tubos,
conexões, acessórios e serviços

3 meses

Os prazos serão contados à partir da data existente na nota fiscal de venda do
produto, caso o consumidor não mais a possua, os prazos serão contados à partir da
data de fabricação do produto. Os períodos de garantia total acima mencionados já
incluem o período de garantia legal.
Cobertura
Durante os 3 (três) primeiros meses após a entrega do produto, a garantia em vigor
segue os termos da LEI nº 8078 de 11 de setembro de 1990 - Garantia Legal de
adequação do produto aos fins a que se destina, cobrindo as peças necessárias bem
como a mão-de-obra especializada para sua substituição, o transporte do produto
para análise na fábrica ou em posto autorizado e o deslocamento de um técnico até
o local da instalação do produto*.
*Desde que a instalação esteja dentro da área de cobertura da Heliotek.
Decorrido o prazo da Garantia Legal, entra em vigor a Garantia Contratual, que
cobre todas as peças necessárias bem como a mão-de-obra especializada para sua
substituição. Os custos com transporte do produto para análise na fábrica ou em posto
autorizado e com o deslocamento de um técnico até o local da instalação do produto
não são cobertos pela Garantia Contratual, sendo portanto objeto de orçamento para
aprovação do cliente.

24
Manual do Proprietário
OBSERVAÇÕES
Esta garantia não é válida nos seguintes casos:
- Conserto ou ajuste do produto por profissional não autorizado pela Heliotek;
- Utilização do produto em desacordo com as instruções do manual do proprietário;
- Mau uso ou negligência quanto às condições mínimas de conservação e limpeza;
- Manuseio inadequado;
- Impacto de objetos estranhos;
- Exposição do produto à agentes que possam acelerar seu desgaste;
- Congelamento dos coletores solares por geadas, caso o cliente não tenha optado
pelo sistema com tecnologia K2;
- Instalação elétrica em desacordo com as normas locais (Bitola dos cabos, sistema
de proteção, etc);
- Raios ou descargas elétricas;
- Vendavais, enchentes, chuvas de granizos, terremotos ou outras ações tempestivas
da natureza.

25
Heliotek

Central de Relacionamento

(011) 4166 4600

www.heliotek.com.br
heliotek@heliotek.com.br
Rua São Paulo, 144 - Alphaville Empresarial
CEP 06465-130 - Barueri - São Paulo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Preços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de PiscinasPreços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Show de Piscinas
 
Heliotek informa 19
Heliotek informa 19Heliotek informa 19
Heliotek informa 19
bene piscinas
 
Instrumentação analítica e preparo de amostras evaporação e separação
Instrumentação analítica e preparo de amostras    evaporação e separaçãoInstrumentação analítica e preparo de amostras    evaporação e separação
Instrumentação analítica e preparo de amostras evaporação e separação
Pensalab Instrumentação Analítica
 
Filtros Para Piscinas Sodramar
Filtros Para Piscinas SodramarFiltros Para Piscinas Sodramar
Filtros Para Piscinas Sodramar
Sol e Lazer Piscinas
 
Filtro bomba
Filtro bombaFiltro bomba
Filtro bomba
Show de Piscinas
 
Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993
Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993
Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993
SeuDOJ
 
Filtros e Bombas Sodramar Série Millenium
Filtros e Bombas Sodramar Série MilleniumFiltros e Bombas Sodramar Série Millenium
Filtros e Bombas Sodramar Série Millenium
Sol e Lazer Piscinas
 
Drenos de Fundo Sodramar
Drenos de Fundo SodramarDrenos de Fundo Sodramar
Drenos de Fundo Sodramar
Sol e Lazer Piscinas
 
Manual Banheira Córdoba
Manual Banheira CórdobaManual Banheira Córdoba
Manual Banheira Córdoba
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Ademar Angst
 
Soluções PRO-SOL: Coletor Solar
Soluções PRO-SOL: Coletor SolarSoluções PRO-SOL: Coletor Solar
Soluções PRO-SOL: Coletor Solar
Henrimar Piscinas Henrimar
 
Sistema de hidrantes prediais
Sistema de hidrantes prediaisSistema de hidrantes prediais
Sistema de hidrantes prediais
Ageu Silva
 
Sistemas de prevenção e combate a incêndio
Sistemas de prevenção e combate a incêndioSistemas de prevenção e combate a incêndio
Sistemas de prevenção e combate a incêndio
Jane Oliveira
 
Manual Banheira Siesta
Manual Banheira SiestaManual Banheira Siesta
Manual Banheira Siesta
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Sodramar Manual Mixer
Sodramar Manual MixerSodramar Manual Mixer
Sodramar Manual Mixer
Piscinas Jundiai
 
Apresentacao Possibilidades SLX_BR
Apresentacao Possibilidades SLX_BRApresentacao Possibilidades SLX_BR
Apresentacao Possibilidades SLX_BR
Lester Izaac
 
Manual de Escada para piscina Sodramar
Manual de Escada para piscina SodramarManual de Escada para piscina Sodramar
Manual de Escada para piscina Sodramar
Cottage Casa E Lazer
 
Piscina Concreto Passo a Passo - Show de Piscinas
Piscina Concreto Passo a Passo - Show de PiscinasPiscina Concreto Passo a Passo - Show de Piscinas
Piscina Concreto Passo a Passo - Show de Piscinas
Show de Piscinas
 

Mais procurados (18)

Preços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de PiscinasPreços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
Preços de Piscinas de Concreto - Show de Piscinas
 
Heliotek informa 19
Heliotek informa 19Heliotek informa 19
Heliotek informa 19
 
Instrumentação analítica e preparo de amostras evaporação e separação
Instrumentação analítica e preparo de amostras    evaporação e separaçãoInstrumentação analítica e preparo de amostras    evaporação e separação
Instrumentação analítica e preparo de amostras evaporação e separação
 
Filtros Para Piscinas Sodramar
Filtros Para Piscinas SodramarFiltros Para Piscinas Sodramar
Filtros Para Piscinas Sodramar
 
Filtro bomba
Filtro bombaFiltro bomba
Filtro bomba
 
Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993
Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993
Projeto e execucao_de_instalacoes_prediais_de_agua_quente_nbr_07198_-_1993
 
Filtros e Bombas Sodramar Série Millenium
Filtros e Bombas Sodramar Série MilleniumFiltros e Bombas Sodramar Série Millenium
Filtros e Bombas Sodramar Série Millenium
 
Drenos de Fundo Sodramar
Drenos de Fundo SodramarDrenos de Fundo Sodramar
Drenos de Fundo Sodramar
 
Manual Banheira Córdoba
Manual Banheira CórdobaManual Banheira Córdoba
Manual Banheira Córdoba
 
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
Você não quer errar na hora de comprar seu aquecedor, não é? Veja nossas dicas!
 
Soluções PRO-SOL: Coletor Solar
Soluções PRO-SOL: Coletor SolarSoluções PRO-SOL: Coletor Solar
Soluções PRO-SOL: Coletor Solar
 
Sistema de hidrantes prediais
Sistema de hidrantes prediaisSistema de hidrantes prediais
Sistema de hidrantes prediais
 
Sistemas de prevenção e combate a incêndio
Sistemas de prevenção e combate a incêndioSistemas de prevenção e combate a incêndio
Sistemas de prevenção e combate a incêndio
 
Manual Banheira Siesta
Manual Banheira SiestaManual Banheira Siesta
Manual Banheira Siesta
 
Sodramar Manual Mixer
Sodramar Manual MixerSodramar Manual Mixer
Sodramar Manual Mixer
 
Apresentacao Possibilidades SLX_BR
Apresentacao Possibilidades SLX_BRApresentacao Possibilidades SLX_BR
Apresentacao Possibilidades SLX_BR
 
Manual de Escada para piscina Sodramar
Manual de Escada para piscina SodramarManual de Escada para piscina Sodramar
Manual de Escada para piscina Sodramar
 
Piscina Concreto Passo a Passo - Show de Piscinas
Piscina Concreto Passo a Passo - Show de PiscinasPiscina Concreto Passo a Passo - Show de Piscinas
Piscina Concreto Passo a Passo - Show de Piscinas
 

Semelhante a Manual solar julho_2012_web

Eletrico manual
Eletrico manualEletrico manual
Eletrico manual
bene piscinas
 
02 energia solar_02_pr
02 energia solar_02_pr02 energia solar_02_pr
Aquecedor solar
Aquecedor solarAquecedor solar
Aquecedor solar
Cocab Pools
 
Aquecedor solar
Aquecedor solarAquecedor solar
Aquecedor solar
Dalton Lara Stella
 
Res agas acumulacao_manual
Res agas acumulacao_manualRes agas acumulacao_manual
Res agas acumulacao_manual
bene piscinas
 
Manual hidrojato
Manual hidrojatoManual hidrojato
Manual hidrojato
Cocab Pools
 
0001 (1)
0001 (1)0001 (1)
0001 (1)
Charles W
 
aciaria acidentes.ppt
aciaria acidentes.pptaciaria acidentes.ppt
aciaria acidentes.ppt
IccilaMobile
 
Instalação de ar condicionado split
Instalação de ar condicionado splitInstalação de ar condicionado split
Hidrojato para Nadar na Piscina - Show de Piscinas
Hidrojato para Nadar na Piscina - Show de PiscinasHidrojato para Nadar na Piscina - Show de Piscinas
Hidrojato para Nadar na Piscina - Show de Piscinas
Show de Piscinas
 
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de PiscinasAquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Show de Piscinas
 
Aula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalaçãoAula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalação
Reginaldo Dantas
 
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçadaComponentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Carlos Duarte Castanheira
 
Manual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manManual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas man
Adjamar Raimundo
 
Manual de aquecimento unisol
Manual de aquecimento unisolManual de aquecimento unisol
Manual de aquecimento unisol
bragancapiscinas
 
Novo Manual Sauna a Vapor Compact Line - Sodramar
Novo Manual Sauna a Vapor Compact Line - SodramarNovo Manual Sauna a Vapor Compact Line - Sodramar
Novo Manual Sauna a Vapor Compact Line - Sodramar
Cottage Casa E Lazer
 
Bomba folheto
Bomba folhetoBomba folheto
Bomba folheto
Show de Piscinas
 
Gree hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1a
Gree   hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1aGree   hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1a
Gree hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1a
Guilherme Gugelmin
 
Mt8kmanual compact line
Mt8kmanual compact lineMt8kmanual compact line
Mt8kmanual compact line
Cocab Pools
 
Econogas Sodramar
Econogas SodramarEconogas Sodramar
Econogas Sodramar
Sol e Lazer Piscinas
 

Semelhante a Manual solar julho_2012_web (20)

Eletrico manual
Eletrico manualEletrico manual
Eletrico manual
 
02 energia solar_02_pr
02 energia solar_02_pr02 energia solar_02_pr
02 energia solar_02_pr
 
Aquecedor solar
Aquecedor solarAquecedor solar
Aquecedor solar
 
Aquecedor solar
Aquecedor solarAquecedor solar
Aquecedor solar
 
Res agas acumulacao_manual
Res agas acumulacao_manualRes agas acumulacao_manual
Res agas acumulacao_manual
 
Manual hidrojato
Manual hidrojatoManual hidrojato
Manual hidrojato
 
0001 (1)
0001 (1)0001 (1)
0001 (1)
 
aciaria acidentes.ppt
aciaria acidentes.pptaciaria acidentes.ppt
aciaria acidentes.ppt
 
Instalação de ar condicionado split
Instalação de ar condicionado splitInstalação de ar condicionado split
Instalação de ar condicionado split
 
Hidrojato para Nadar na Piscina - Show de Piscinas
Hidrojato para Nadar na Piscina - Show de PiscinasHidrojato para Nadar na Piscina - Show de Piscinas
Hidrojato para Nadar na Piscina - Show de Piscinas
 
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de PiscinasAquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
 
Aula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalaçãoAula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalação
 
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçadaComponentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
 
Manual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manManual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas man
 
Manual de aquecimento unisol
Manual de aquecimento unisolManual de aquecimento unisol
Manual de aquecimento unisol
 
Novo Manual Sauna a Vapor Compact Line - Sodramar
Novo Manual Sauna a Vapor Compact Line - SodramarNovo Manual Sauna a Vapor Compact Line - Sodramar
Novo Manual Sauna a Vapor Compact Line - Sodramar
 
Bomba folheto
Bomba folhetoBomba folheto
Bomba folheto
 
Gree hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1a
Gree   hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1aGree   hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1a
Gree hi-wall r410 a - usuário - gwhd(09-12)abnk3a1a
 
Mt8kmanual compact line
Mt8kmanual compact lineMt8kmanual compact line
Mt8kmanual compact line
 
Econogas Sodramar
Econogas SodramarEconogas Sodramar
Econogas Sodramar
 

Mais de bene piscinas

Fluxoturbo para-hidromassagem-geracao-ii
Fluxoturbo para-hidromassagem-geracao-iiFluxoturbo para-hidromassagem-geracao-ii
Fluxoturbo para-hidromassagem-geracao-ii
bene piscinas
 
Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3
Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3
Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3
bene piscinas
 
Manual tcnico motobomba_nbf_web
Manual tcnico motobomba_nbf_webManual tcnico motobomba_nbf_web
Manual tcnico motobomba_nbf_web
bene piscinas
 
Linha aquecimento de água nautilus
Linha aquecimento de água nautilusLinha aquecimento de água nautilus
Linha aquecimento de água nautilus
bene piscinas
 
Af ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombas
Af ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombasAf ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombas
Af ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombas
bene piscinas
 
Catalogo geral schneider franklin
Catalogo geral schneider franklinCatalogo geral schneider franklin
Catalogo geral schneider franklin
bene piscinas
 
Catálogo de bombas jacuzzi
Catálogo de bombas   jacuzziCatálogo de bombas   jacuzzi
Catálogo de bombas jacuzzi
bene piscinas
 
Serie tp reformulado
Serie tp reformuladoSerie tp reformulado
Serie tp reformulado
bene piscinas
 
Serie fit reformulado
Serie fit reformuladoSerie fit reformulado
Serie fit reformuladobene piscinas
 
Serie cfa reformulado
Serie cfa reformuladoSerie cfa reformulado
Serie cfa reformulado
bene piscinas
 
Desenho indicativo filtros_areia1
Desenho indicativo filtros_areia1Desenho indicativo filtros_areia1
Desenho indicativo filtros_areia1
bene piscinas
 
Manual aquecedor solar
Manual aquecedor solarManual aquecedor solar
Manual aquecedor solar
bene piscinas
 
Manual heliopool imagem
Manual heliopool imagemManual heliopool imagem
Manual heliopool imagem
bene piscinas
 
Jornal15
Jornal15Jornal15
Jornal15
bene piscinas
 
Jornal14
Jornal14Jornal14
Jornal14
bene piscinas
 
Jornal12b
Jornal12bJornal12b
Jornal12b
bene piscinas
 
Jornal11b
Jornal11bJornal11b
Jornal11b
bene piscinas
 
Jornal10b
Jornal10bJornal10b
Jornal10b
bene piscinas
 
Jornal9b
Jornal9bJornal9b
Jornal9b
bene piscinas
 

Mais de bene piscinas (20)

Fluxoturbo para-hidromassagem-geracao-ii
Fluxoturbo para-hidromassagem-geracao-iiFluxoturbo para-hidromassagem-geracao-ii
Fluxoturbo para-hidromassagem-geracao-ii
 
Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3
Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3
Ne 0052 13_b_folheto_lanamento_3
 
Manual tcnico motobomba_nbf_web
Manual tcnico motobomba_nbf_webManual tcnico motobomba_nbf_web
Manual tcnico motobomba_nbf_web
 
Linha aquecimento de água nautilus
Linha aquecimento de água nautilusLinha aquecimento de água nautilus
Linha aquecimento de água nautilus
 
Af ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombas
Af ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombasAf ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombas
Af ne 0026_13_j_folheto_filtros__motobombas
 
Catalogo geral schneider franklin
Catalogo geral schneider franklinCatalogo geral schneider franklin
Catalogo geral schneider franklin
 
Catálogo de bombas jacuzzi
Catálogo de bombas   jacuzziCatálogo de bombas   jacuzzi
Catálogo de bombas jacuzzi
 
Serie tp reformulado
Serie tp reformuladoSerie tp reformulado
Serie tp reformulado
 
Serie fit reformulado
Serie fit reformuladoSerie fit reformulado
Serie fit reformulado
 
Serie cfa reformulado
Serie cfa reformuladoSerie cfa reformulado
Serie cfa reformulado
 
Desenho indicativo filtros_areia1
Desenho indicativo filtros_areia1Desenho indicativo filtros_areia1
Desenho indicativo filtros_areia1
 
Manual aquecedor solar
Manual aquecedor solarManual aquecedor solar
Manual aquecedor solar
 
Manual heliopool imagem
Manual heliopool imagemManual heliopool imagem
Manual heliopool imagem
 
Jornal15
Jornal15Jornal15
Jornal15
 
Jornal14
Jornal14Jornal14
Jornal14
 
Jornal13
Jornal13Jornal13
Jornal13
 
Jornal12b
Jornal12bJornal12b
Jornal12b
 
Jornal11b
Jornal11bJornal11b
Jornal11b
 
Jornal10b
Jornal10bJornal10b
Jornal10b
 
Jornal9b
Jornal9bJornal9b
Jornal9b
 

Manual solar julho_2012_web

  • 1. Heliotek Manual do Proprietário SISTEMA HELIOTEK DE AQUECIMENTO SOLAR
  • 2. Manual do Proprietário AGRADECIMENTOS Estamos honrados por você ter escolhido um produto Heliotek. Nossa forma de demonstrar isso é produzir equipamentos de alto desempenho, confiabilidade e qualidade que irão proporcionar muito conforto durante muitos anos. Nosso objetivo vai além de sua plena satisfação. Observamos cuidadosamente nosso ambiente e a forma de preservá-lo é controlando os impactos de nossa atividade industrial. Prova maior destes compromissos é que nosso sistema de gestão integrado possui as certificações ISO 9001 e ISO 14001. Por tudo isso, ao adquirir um produto Heliotek, você investiu em tecnologia, conforto e desempenho, além de demonstrar respeito ao meio ambiente. Heliotek - Orgulhosamente produzido no Brasil, com a qualidade Mundial Heliotek.
  • 3. Heliotek Índice 1. INSTRUÇÕES E RECOMENDAÇÕES ................................................. pág. 03 2. INSTALAÇÃO ....................................................................................... pág. 05 2.1 Localização do equipamento ....................................................... pág. 05 2.2 Instalação dos coletores ........................................................... pág. 07 2.2.1 Instalação em telhados .......................................................... pág. 07 2.2.2 Instalação em lajes ................................................................. pág. 08 2.3 Hidraúlica ....................................................................................... pág. 09 2.3.1 Alimentação de água fria e consumo de água quente (Circuito secundário) ................................. pág. 09 2.3.2 Circulação de água nos coletores solares (Circuito primário) ................................................... pág. 13 2.4 Elétrica ........................................................................................... pág. 19 3. OPERAÇÃO .......................................................................................... pág. 20 3.1 Conclusão da Instalação .............................................................. pág. 20 3.2 Complementar Elétrico ................................................................. pág. 21 3.3 Utilização ........................................................................................ pág. 21 4. LIMPEZA E CONSERVAÇÃO .............................................................. pág. 22 5. SOLUÇÕES PRÁTICAS ....................................................................... pág. 23 6. CERTIFICADO DE GARANTIA ............................................................ pág. 24
  • 4. Manual do Proprietário 1. INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA / RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES -Como todo equipamento, não permita, jamais, ser manuseado por crianças; -Cada componente elétrico do sistema (resistência, microbomba, etc) deve ter proteção por disjuntor exclusivo; -Não aplique ou utilize produtos químicos como thinner, gasolina ou inseticidas perto do equipamento, pois tais agentes podem causar danos ao gabinete; -Não introduza objetos através das aberturas de alimentação elétrica e circulação de água, isto pode danificar o aparelho e causar ferimentos aos usuários; -Use o equipamento somente com a alimentação elétrica especificada pelo modelo; -Sempre ligue o fio terra do aparelho, ele é a sua segurança; -Não sente ou apoie objetos no aquecedor; -Se o fornecimento de energia for interrompido, desligue os disjuntores do sistema para evitar que variações de tensão queimem os componentes elétricos; -Para utilização com água de poço, caminhão pipa ou mesmo regiões onde o tratamento de água não é eficaz, deve-se optar por reservatórios térmicos construídos com ânodo de sacrifício, o qual deve ser substituído anualmente para evitar a corrosão do reservatório. Mesmo assim, é fundamental observar e seguir os limites para a qualidade de água para consumo humano, como: PH:­­­ Cloro livre: Dureza cálcica: 6,0 à 9,5 2,0 mg / L (valor máximo permitido) 500 mg / L (valor máximo permitido) -Em regiões onde há ocorrência de geadas é obrigatório utilizar o sistema K2, único sistema solar capaz de suportar temperaturas de até - 45ºC; -Observe os valores máximos de pressão de trabalho que constam na etiqueta do reservatório térmico. Não efetue a instalação caso a pressão no sistema atinja um valor maior que a pressão de trabalho do reservatório; -O sistema Heliotek de aquecimento solar pode atingir temperaturas próximas a 100ºC, desta forma, a seleção do material dos tubos e conexões deve suportar tais condições; 3
  • 5. Heliotek -Durante o projeto e instalação, observar a norma NBR 15569 – Sistema de aquecimento solar de água em circuito direto – Projeto e Instalação; -Durante a instalação ou enquanto o sistema estiver sem a carga completa de água ou solução (K2), os coletores solares deverão ser mantidos cobertos. O superaquecimento dos componentes internos, devido à elevada eficiência na captação solar, poderá provocar trincas nos vidros, queima nas vedações de EPDM e empenamento dos coletores solares. Fig. 01 - Proteção contra superaquecimento dos coletores solares 4
  • 6. Manual do Proprietário 2. INSTALAÇÃO 2.1 Localização do equipamento A performance de seu aquecedor está diretamente relacionada com o local de instalação. Para definição do local, deverá ser levado em consideração as dimensões do aparelho e as orientações abaixo descritas: -Local de fácil acesso para que a instalação possa ser inspecionada de acordo com o Plano de Manutenção Preventiva Heliotek; -O reservatório térmico deve ser colocado em uma base plana nivelada, para não prejudicar a circulação de água e distribuir seu peso corretamente ao longo de todo o seu comprimento. Esta base deve possuir ainda um sistema de escoamento impermeabilização para direcionar a água quente (proveniente de uma eventual manutenção ou até mesmo de um vazamento) evitando danos às instalações e possíveis ferimentos dos usuários; Fig. 02/03 - Reservatório térmico - Base básica 5
  • 7. Heliotek -Instalar o reservatório térmico e os coletores solares próximos aos pontos de consumo, para evitar perda térmica na tubulação (a distância entre coletores solares e reservatórios térmicos não deve ser superior a 5 metros.); -Instalar os coletores solares com inclinação e direção corretas para a sua localidade; -Os coletores solares deverão estar orientados para o Norte Geográfico (regiões no hemisfério sul) ou Sul Geográfico (regiões no hemisfério norte) com um desvio máximo de 30º; -A inclinação ideal dos coletores solares é dada pelo valor da latitude onde será feita a instalação somando dez graus, porém é comum instalar diretamente sobre o telhado (inclinação comum 17º ou 30%) sem que a perda de eficiência seja considerável; Fig. 04 - Orientação e inclinação dos coletores solares 6
  • 8. Manual do Proprietário 2.2 Instalação dos coletores 2.2.1 Instalação em telhados -Nas instalações feitas em telhados deve-se garantir que o coletor fique totalmente apoiado nas telhas (Fig. 05). Fig. 05 - Instalação dos coletores em telhados -O coletor deve ser amarrado juntamente ao telhado, para isso, pode-se utilizar fitas de aço inox perfurado ou fios de cobre. O mais importante é que o material com o qual a fixação será feita tenha alta resistência à corrosão. -A fixação deve ser feita utilizando os tubos do coletor (Fig. 06). Fig. 06 - Fixação dos coletores juntamente ao telhado 7
  • 9. Heliotek 2.2.2 Instalação em lajes -Para instalação em lajes é necessário um suporte triangular. O coletor deve ser totalmente apoiado e fixado neste suporte. -Bases de alvenaria devem ser construídas para fixar os suportes triangulares. O espaçamento entre as bases de alvenaria varia conforme o modelo do coletor (Tabela 1). Fig. 07 - Fixação dos coletores em lajes Fig. 08 - Suporte triangular e base de alvenaria 8
  • 10. Manual do Proprietário 2.3 Hidraúlica A instalação hidráulica deve ser executada por profissional capacitado, utilizando tubos e conexões de boa qualidade. IMPORTANTE: -Não conecte o reservatório térmico direto na rede de água pública, as variações de pressão podem danificá-lo. É obrigatório o uso de caixa d’água fria, respeitando as alturas máximas recomendadas para cada modelo de reservatório; -Nos sistemas de baixa pressão é obrigatório o uso do tubo de respiro ou dispositivo equivalente; -Nos sistemas de alta pressão deverá ser adotada uma válvula de segurança. 2.3.1 Alimentação de água fria e consumo de água quente (circuito secundário) Baixa pressão Os sistemas alimentados por caixa d’água em baixa pressão devem ser montados conforme diagramas a seguir. Observar as seguintes características importantes: -Deve haver um desnível mínimo de 15cm entre a base da caixa d’água fria e o topo do reservatório térmico; -Na tubulação de consumo de água quente, próximo ao reservatório térmico, deve haver um tubo de respiro para controlar a pressão em seu interior (fig. 09); Fig. 09 - Respiro e consumo de água quente - baixa pressão 9
  • 11. Heliotek -Na tampa lateral do reservatório térmico onde está localizado o sistema de apoio elétrico (resistência), está o tubo superior que deve ser utilizado como saída para consumo de água quente (fig. 09); -Respeitar a altura máxima entre a base do reservatório térmico e o topo da caixa d’água fria; -A alimentação de água fria deve ser executada em tubulação exclusiva para o reservatório térmico; -As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC) e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos do reservatório térmico; -Aplicar isolamento térmico somente na tubulação de consumo de água quente; Fig. 10 - Circuito secundário - Baixa pressão 10
  • 12. Manual do Proprietário Alta pressão Os sistemas que operam em alta pressão solicitam alguns itens de segurança para operar dentro dos limites de projeto. Observar as seguintes características importantes: -O manômetro com ponta de arraste deve ter escala de 0 à 6 kgf/cm2, ser próprio para utilização com água quente e possuir ponta de arraste, cujo objetivo é registrar a máxima pressão; -A válvula eliminadora de ar – ventosa, permite que o ar ou vapor saia da tubulação livremente, facilitando o escoamento da água até o ponto de consumo; -A válvula de segurança e quebra vácuo deve ser instalada nas tubulações de consumo do reservatório térmico. Um eventual fluxo de água quente deve ser direcionado para um local seguro e que permita a visualização pelo usuário, pois esta não é uma ocorrência normal. A passagem da válvula deve estar sempre livre, uma vez que durante a drenagem do reservatório térmico, a válvula atua como quebra vácuo, permitindo a entrada de ar, equalizando a pressão interna do reservatório térmico com a pressão atmosférica (fig. 11); -Na tampa lateral do reservatório térmico onde está localizado o sistema de apoio elétrico (resistência), está o tubo superior que deve ser utilizado como saída para consumo de água quente (fig. 11); Fig. 11 - Válvula de segurança e consumo de água quente - Alta pressão 11
  • 13. Heliotek -O vaso de expansão deve possuir 4% do volume total do reservatório térmico. Além disso, deve-se pressurizar o lado do ar com 3,5 kgf/cm2, para que possa absorver a expansão térmica da água e o golpe de aríete; -O pressurizador deve ter curva com ponto de máxima pressão em 2 kgf/cm2. O dimensionamento pelo número de pontos de consumo deve ser feito em função somente da vazão de água; -A alimentação de água fria deve ser executada em tubulação exclusiva para o reservatório térmico; -As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC) e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos do reservatório térmico; -Aplicar isolamento térmico somente na tubulação de consumo de água quente; Fig. 12 - Circuito secundário - Alta pressão com caixa d’água 12
  • 14. Manual do Proprietário Fig. 13 - Circuito secundário - Alta pressão com pressurizador 2.3.2 Circulação de água nos coletores solares ( circuito primário ) Circulação por termossifão (sem bomba de circulação) Nos sistemas de circulação por termossifão, a circulação de água entre os coletores solares e o reservatório térmico é provocada pela variação de sua densidade em função da temperatura. A água quando aquecida nos coletores solares (menor densidade), sobe até o reservatório térmico onde a água fria (maior densidade), desce para os coletores solares. Para que este ciclo funcione deve-se observar algumas características importantes apontadas abaixo: -Deve haver um desnível mínimo de 20cm entre o topo dos coletores solares e a base do reservatório térmico (Fig. 14); -A distância entre coletores solares e reservatório térmico não deve ser superior a 5m; 13
  • 15. Heliotek Fig. 14 - Circuito primário - Circulação por termossifão - dimensões recomendadas -Para desníveis inferiores a 20cm deve-se utilizar a válvula termossifão e respeitar os novos limites (Fig. 15 e 16); Fig. 15 - Circuito primário - Válvula de termossifão 14
  • 16. Manual do Proprietário Fig. 16 - Circuito primário - Válvula termossifão -A tubulação que interliga os coletores solares e o reservatório térmico deve ter inclinação mínima de 2% para que a água circule naturalmente. Esta tubulação deve ser isenta de ‘barrigas’, cavaletes ou qualquer outra característica que dificulte a circulação natural; -As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC) e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos dos coletores solares; -Aplicar isolamento térmico em toda a tubulação; Fig. 17 - Circuito primário - Termossifão 15
  • 17. Heliotek Fig. 18 - Circuito primário - Termossifão Fig. 19 - Circuito primário - Válvula termossifão 16
  • 18. Manual do Proprietário Fig. 20 - Circuito primário - Válvula termossifão Circulação forçada (com bomba de circulação) -Nos sistemas por circulação forçada, a circulação de água entre os coletores solares e o reservatório térmico é provocada por uma bomba de circulação comandada por um controlador eletrônico. O controlador é o responsável por ligar e desligar a bomba nos períodos de Sol. -Para que este sistema funcione deve-se observar algumas características importantes apontadas a seguir: Fig. 21 - Circuito primário - Circulação forçada - Cavalete 17
  • 19. Heliotek -Nos sistemas K2, o vaso de expansão deve sempre estar acima dos coletores solares para garantir o preenchimento total do sistema com o fluído Heliotherm e a correta eliminação do ar. Nestes casos, deslocar o vaso de expansão do reservatório, prolongar a mangueira principal, fechar a mangueira de equalização e fazer nova tomada de equalização no ponto mais alto dos coletores solares; Fig. 22 - Circuito primário - Circulação forçada - cavalete e vaso de expansão K2 -As tubulações devem ser executadas em material próprio para água quente (100ºC) e ter diâmetro igual ou superior ao diâmetro dos tubos dos coletores solares; -Aplicar isolamento térmico em toda a tubulação; Fig. 23 - Circuito primário - Circulação forçada 18
  • 20. Manual do Proprietário Fig. 24 - Circuito primário - Circulação forçada 2.4 Elétrica -Seleção de cabos e disjuntores A exemplo da instalação hidráulica, a instalação elétrica deve ser executada por profissional capacitado e utilizando cabos e disjuntores de boa qualidade. Para selecionar o cabo e o disjuntor adequado ao seu equipamento, utilize a tabela abaixo. Esta tabela leva em consideração a pior condição de operação e informa a distância máxima entre o quadro de distribuição e o reservatório térmico. Sempre conecte o fio terra do aparelho a um sistema de aterramento com resistência inferior a 3 ohms. Distâncias Máximas recomendadas para cada resistência (m) Cabo mm² 2500W 5000W 220V 220V 220V 220V 2,5 25 10 Não se aplica Não se aplica 4 50 25 15 10 6 75 40 25 15 10 100 70 40 25 16 200 100 70 40 Disj. 19 10000W 3F Bipolar 15A 15000W 3F Tripolar 30A 40A 60A
  • 21. Heliotek 3. OPERAÇÃO 3.1 Conclusão da instalação Sistema K2 Para o primeiro enchimento seguir os seguintes passos: -Encher o reservatório térmico com água fria; -Os coletores e reservatórios devem estar à temperatura ambiente; -Manter os coletores cobertos para não aquecer (Fig. 01); -Para sistemas com circulação forçada, posicionar o vaso de expansão acima do topo dos coletores solares e fazer nova tomada de equalização (Fig. 24); -Remover a tampa do vaso de expansão e colocar o Heliotherm na quantidade indicada na etiqueta (em função do volume do reservatório e do nº de coletores solares); -Completar com água, lentamente, permitindo que o ar seja expulso pela mangueira de equalização, até a metade do vaso de expansão; -O nível ideal com o sistema frio está indicado no vaso de expansão; -Fechar a tampa do vaso de expansão; Todos os sistemas Concluída a instalação deve-se verificar todo o sistema: -Abrir os pontos de consumo de água quente para retirar o ar das tubulações de consumo; -Retirar o ar das tubulações de circulação entre os coletores solares e o reservatório térmico; 20
  • 22. Manual do Proprietário -Inspecionar as soldas, roscas e junções das tubulações à procura de vazamentos; -Verificar se os desníveis recomendados entre a caixa d’água fria, o reservatório e os coletores foram atingidos; -Verificar se as tubulações cederam com o peso da água ou impactos e providenciar suportes ou reparos, se necessário; -Testar os componentes elétricos; -Verificar a temperatura programada do termostato no reservatório térmico; -Limpar e organizar o local da instalação; 3.2 Complementar elétrico Todos os reservatórios térmicos Heliotek possuem um sistema de apoio para os dias em que não há Sol. O sistema de apoio é composto por uma resistência elétrica blindada e dois termostatos de encosto, sendo um de trabalho regulável, programado para 45ºC e outro de segurança fixo em 80ºC. Para garantir maior economia de energia é necessário racionalizar o uso do sistema de apoio, evitando que ele trabalhe nos períodos em que há Sol. Recomenda-se a utilização do HelioControl, controlador digital que além de racionalizar o uso do sistema de apoio, controla a bomba de circulação (sistema com circulação forçada) e possui função auto-diagnóstico. 3.3 Utilização Recomendações -Utilize a água quente de modo racional, lembre-se, o volume do reservatório térmico é limitado; -Após utilizar a ducha higiênica, feche os 3 registros, pois eles permitem que a água fria (maior pressão pois a caixa d’água fria está acima do reservatório) vá para o reservatório esfriando toda a água armazenada; 21
  • 23. Heliotek 4. LIMPEZA E CONSERVAÇÃO -Os coletores solares devem permanecer razoavelmente limpos, recomenda-se lavar os vidros a cada 6 meses (dependendo do local) sempre nos períodos sem Sol para evitar choques térmicos; -Não aplique álcool ou solventes, utilize água e sabão neutro; -Reaperte as conexões elétricas e aplique um desengripante para evitar corrosão; -Antes da manutenção deve-se desligar os disjuntores do sistema; -Efetue a drenagem do sistema anualmente, esvaziando os coletores solares e o reservatório térmico; -O reservatório térmico deve possuir tubo de respiro ou sistema equivalente para evitar deformações por vácuo; -No sistema K2, deve-se substituir o fluído térmico a cada 2 (dois) anos; -Aproveitar a drenagem anual e, com o sistema frio (coletores solares e reservatório térmico), verificar o nível de fluído no vaso de expansão do sistema K2. O nível ideal com o sistema frio está indicado no vaso de expansão. À princípio, qualquer perda de líquido deve ser atribuída à um vazamento. Desta forma, é necessário inspecionar as tubulações, os coletores solares e o reservatório térmico a procura de sinais de vazamentos. No entanto, como o sistema possui uma válvula de segurança na tampa do vaso de expansão, em alguns casos, dependendo da temperatura máxima atingida, esta válvula pode abrir permitindo a saída de vapor. Sendo assim, pode ser necessário completar a solução sem a presença de um vazamento. Completar somente com Heliotherm; -Em regiões litorâneas a limpeza deve ser intensificada para evitar corrosão; -Durante a limpeza da caixa d’água fria feche o registro do reservatório para evitar que as impurezas e os produtos utilizados fiquem dentro do reservatório térmico; 22
  • 24. Manual do Proprietário 5. SOLUÇÕES PRÁTICAS Problema Causa Provável Solução Água não esquenta com energia solar Falta de insolação Falta d’água Ligação inadequada entre coletores /reservatório Verificar nível da caixa Chamar assistência Técnica Água não esquenta com complementar elétrico ligado Falta de energia Fiação elétrica rompida Termostato na posição de desligado Defeito na resistência ou termostato Verifique o fusível ou disjuntor Verifique a ligação entre disjuntor e reservatório Colocar termostato regulado entre 40ºC e 50ºC Chamar assitência técnica Verificar e abrir Não sai água na torneira de água quente Registro de distribuição fechado Registro entre caixa d’água e reservatório fechado Volume de água insuficiente para pressurizar reservatório Ar na tubulação de distribuição Falha na válvula de retenção Substituir válvula Termostato desregulado Defeito no termostato Colocar termostato regulado entre 40ºC e 50ºC Chamar assitência técnica Sai água quente na torneira de água fria Aquecimento excessivo da água Verificar e abrir Verificar Abrir todas as torneiras de água quente, aguardar 5 minutos, fechando-as assim que o fluxo d’água normalizar Choques nas torneiras Fiação elétrica sem Trocar disjuntor isolamento em contato com Verificar e reparar a tubulação de cobre Chamar Assistência Técnica Aterramento inadequado Defeito na resistência Disjuntor não arma Defeito no disjuntor Fiação elétrica em curto Resistência queimada 23 Trocar disjuntor Verificar e reparar Chamar Assistência Técnica
  • 25. Heliotek 6. CERTIFICADO DE GARANTIA - PRODUTOS HELIOTEK Prazo A Heliotek Máquinas e Equipamentos LTDA garante os produtos por ela fabricados e comercializados, contra todo e qualquer eventual defeito de fabricação durante os períodos abaixo descritos: Produto Período de garantia total Coletores solares e reservatórios térmicos 36 meses Bombas de calor 12 meses Vidros, resistências. termostatos, bombas de circulação, controladores diferenciais, tubos, conexões, acessórios e serviços 3 meses Os prazos serão contados à partir da data existente na nota fiscal de venda do produto, caso o consumidor não mais a possua, os prazos serão contados à partir da data de fabricação do produto. Os períodos de garantia total acima mencionados já incluem o período de garantia legal. Cobertura Durante os 3 (três) primeiros meses após a entrega do produto, a garantia em vigor segue os termos da LEI nº 8078 de 11 de setembro de 1990 - Garantia Legal de adequação do produto aos fins a que se destina, cobrindo as peças necessárias bem como a mão-de-obra especializada para sua substituição, o transporte do produto para análise na fábrica ou em posto autorizado e o deslocamento de um técnico até o local da instalação do produto*. *Desde que a instalação esteja dentro da área de cobertura da Heliotek. Decorrido o prazo da Garantia Legal, entra em vigor a Garantia Contratual, que cobre todas as peças necessárias bem como a mão-de-obra especializada para sua substituição. Os custos com transporte do produto para análise na fábrica ou em posto autorizado e com o deslocamento de um técnico até o local da instalação do produto não são cobertos pela Garantia Contratual, sendo portanto objeto de orçamento para aprovação do cliente. 24
  • 26. Manual do Proprietário OBSERVAÇÕES Esta garantia não é válida nos seguintes casos: - Conserto ou ajuste do produto por profissional não autorizado pela Heliotek; - Utilização do produto em desacordo com as instruções do manual do proprietário; - Mau uso ou negligência quanto às condições mínimas de conservação e limpeza; - Manuseio inadequado; - Impacto de objetos estranhos; - Exposição do produto à agentes que possam acelerar seu desgaste; - Congelamento dos coletores solares por geadas, caso o cliente não tenha optado pelo sistema com tecnologia K2; - Instalação elétrica em desacordo com as normas locais (Bitola dos cabos, sistema de proteção, etc); - Raios ou descargas elétricas; - Vendavais, enchentes, chuvas de granizos, terremotos ou outras ações tempestivas da natureza. 25
  • 27. Heliotek Central de Relacionamento (011) 4166 4600 www.heliotek.com.br heliotek@heliotek.com.br Rua São Paulo, 144 - Alphaville Empresarial CEP 06465-130 - Barueri - São Paulo