SlideShare uma empresa Scribd logo
Industrialização
Processo, Características, Difusão
Processos e Características
• Artesanato  Manufatura  Indústria
• Dois tipos:
 Extrativa
 Transformação: * Bens de Produção
* Bens de Capital
* Bens de Consumo
‘
1ª RI  2ª RI  3ª RI
XVIII XIX XX
Sistemas de Produção
• Taylorismo: séc. XVIII-XIX  aumentar a produtividade
 Operário: executor da tarefa, não da produção;
 Gerente/Supervisor: conhecimento da produção / controle
• Fordismo: séc XVIII-XIX: dinamizar a produção
Linha da montagem
 Estoque
• Toyotismo: Séc XX
Just in Time  Japão
• Produção com garantia de venda
• Mão de obra e maquinário flexível  adaptação
• Terceirização produtiva  precarização do trabalho e do salário.
JAPÃO:
 Pequeno território;
 escassez de matéria-prima
 pouco espaço para estoque
 necessidade de recuperação pós-guerra
Maiores investimentos em meios
de transporte e meios de
comunicação
Redes e Fluxos Globais
GLOBALIZAÇÃO
Localização Industrial
• Antes: 1ª e 2ª RI: concentração
• Próx. à matéria-prima
• Litoral (exportação/importação)
• Hoje: 3ª RI / Globalização: Maior dinamismo na área de
transporte, comunicação e energia
 Desconcentração produtiva
 “cérebro” da empresa ainda nos grandes centros
Localização Industrial
• “CLUSTERS”: agrupamento industrial aproveitando a mão
de obra e infraestruturas;
• TECNOPOLOS: proximidade com universidades e centros
de pequisa
Principais Centros Industriais
EUA
• Manufacturing Belt
• Sun Belt
Principais Centros Industriais
Japão
• Era Meiji (1868-1912)
• Zaibatsus; Keiretsus
• Pós-Guerra: pesados
investimentos em educação e
pesquisa
• Maior competitividade com os
Tigres Asiáticos
 O Japão, até o século XIX era um país feudal e agrícola, que vivia completamente fechado às
influências do Ocidente. Essa situação mudou a partir de 1868, quando o poder político, que estava
fragmentado entre as elites feudais, foi centralizado pelo
Imperador, pertencente à dinastia Meiji. A partir desta data, o Japão aproximou-se da economia dos
países ocidentais que passavam pela fase do capitalismo industrial.
Imperador Mutsuhito (1852-1912)
A Era Meiji: A abertura e o desenvolvimento econômico:
A sucessão dos imperadores preocuparam-se em criar medidas e ações de desenvolvimento a
partir das potencialidades do território japonês, já que é um país pobre em recursos naturais e
energéticos:
 criação de infra-estrutura, como ferrovias e portos;
 instalação de industrias de bens de consumo;
 grandes investimentos na educação do povo para obter mão-de-obra preparada para
desenvolver uma nova atividade (não só agrícola);
 investimentos feitos na indústrias pelos grupos familiares, os Zaibatsus, que se tornariam
posteriormente grandes conglomerados;
 adoção do xintoísmo, religião que fazia do imperador chefe sagrado do Estado, ajudou a
incentivar o povo japonês ao culto à disciplina, que é uma das principais características desse
povo.
A INDUSTRIALIZAÇÃO DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS
NIC
NEWLY INDUSTRIALIZED COUNTRIES
Ao longo dos dois conflitos mundiais (Primeira Guerra
Mundial, 1914 a 1918, e Segunda Guerra Mundial, 1939 a
1945), os principais países fornecedores de bens
industrializados não podiam vender muitas das mercadorias
que os países subdesenvolvidos necessitavam.
Dessa forma, estes países tiveram que substituir as
importações.
Industrialização por
Substituição de Importações
• Brasil, México e Argentina
• Investimentos estadunidenses e europeu.
• Crise de 1929 e 2ª GM: redução das importações; redução das exportações;
• Grandes incentivos à internacionalização do mercado interno:
 Mão de obra Barata
 Investimento em infraestrutura de transporte, energia e mp industrial
 grande mercado consumidor interno
 incentivos fiscais
 facilidade na remessa de lucros
* México: Maquiladoras  dependência total aos EUA
América Latina
Porém, essa industrialização não foi completa.
Esses países adotaram a política de “estrangeirar” o processo industrial:
• Aceitaram a presença de multinacionais e transnacionais, sobretudo na
área de produção de bens intermediários e bens de consumo duráveis;
• As indústrias nacionais concentravam sua produção de beneficiamento de
matérias-primas minerais para exportação e na indústria de base.
Usavam matérias-primas abundantes no país, tecnologia simples e mão de
obra de baixa qualificação.
Mas essa política trouxe consequências:
1ª - Dependência de tecnologia do exterior: imposição ao
neoliberalismo  perda do controle estatal de setores
estratégicos  falência das empresas nacionais  perda de
postos de trabalho e encarecimento dos serviços essenciais
privatizados  elevação dos índices de pobreza.
2ª - Dependência e elevação da dívida externa, afinal era preciso
realizar investimento em infraestrutura para atender as
necessidades e interesses das multinacionais e transnacionais:
rodovias, rede de energia elétrica, modernização de portos, etc.;
3ª - Fragmentação da produção  terceirização da produção 
transnacionais  barateamento da produção  redução salarial
 pobreza e violência
4ª - Levou a uma urbanização acelerada e sem planejamento,
sobretudo nas capitais, local onde se concentravam as atividades
industriais, levando a sérios problemas urbanos.
1980: Crise da política de substituição de importações
1990: CONSENSO DE WASHINGTON:
A necessidade de modernização e inserção na economia
globalizada: CONDIÇÕES PARA NOVOS EMPRÉSTIMOS:
 Entrada de multinacionais
 Privatização de setores estratégicos
Industrialização por
Plataforma de Exportação
Os Velhos e Novos Tigres Asiáticos
• Primeiros Tigres Asiáticos: Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan
• Após a década de 1960 alguns países asiáticos iniciaram o processo de industrialização
motivados por:
 Mão de obra abundante, qualificada e barata;
 Facilidade de importação de equipamentos industriais;
 Incentivos fiscais;
 Leis ambientais inexistentes ou liberais;
 Mercados consumidores internos em expansão;
 Proximidade de fontes de matérias-primas;
 Incentivos à exportação.
 Pesados investimentos em educação e treinamento da mdo
 Controle excessivo do estado à população
• Diferente dos países que se industrializaram no pós-guerra, os
chamados TIGRES ASIÁTICOS tiveram uma industrialização focada na
exportação (por isso plataforma de exportação) e no
desenvolvimento de tecnologias, investindo na área da educação e
pesquisa tecnológica.
• Investimentos japoneses  Imperialismo Japonês
• Parceria Pública-Privada  controle estatal  proteção às empresas
nacionais  incentivos à exportação
Os Tigres Asiáticos
Foram 99 anos de “empréstimo“ concedido
pela China à Inglaterra. Como resultado,
Hong Kong passou por um século de
desenvolvimento à parte em um país que,
mesmo tendo uma força descomunal como
nação, já é completamente desconjuntado.
A quase cidade-estado recebe hoje o título
de Região Administrativa Especial da
China.
http://opiniaoenoticia.com.br/opiniao/hong-kong-e-
china-ou-nao-e/
Hong Kong foi devolvida à China em
1997.
Industrialização da China
Em 1978, sob a liderança de Deng Xiaoping, o Partido Comunista Chinês reintroduziu a
economia de mercado em quatro regiões da China, denominadas Zonas Econômicas
Especiais (ZEEs), e em catorze cidades litorâneas, que se transformaram em Zonas de
Comércio Aberto (ZCA).
As cidades escolhidas para a criação dessas zonas de economia de mercado abriram-se
para os investimentos estrangeiros e nelas se estabeleceram medidas semelhantes às
adotadas nos Tigres Asiáticos – baixos impostos, isenção para a importação de máquinas e
equipamentos industriais e facilidades para a remessa de lucros ao exterior. Além disso, as
empresas que se instalaram nessas regiões contam com mão-de-obra industrial muito
barata, o que torna os preços dos produtos de baixo aporte tecnológico (têxteis, calçados e
brinquedos) imbatíveis no mercado internacional. Num segundo momento, instalaram-se as
montadoras de automóveis, como a Volkswagem e General Motors, e as de equipamentos
elétrico-eletrônicos.
http://clubedahistoria.com.br/post.php?codigo=94

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
Sarinha Silva
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
Professor
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
Artur Lara
 
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
ProfMario De Mori
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
eunamahcado
 
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
Fabíola de Medeiros
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Eponina Alencar
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasil
Carlos Eduardo Colares Joseph
 
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...
UNESA - RJ
 
Industria brasileira 2011
Industria  brasileira 2011Industria  brasileira 2011
Industria brasileira 2011
alfredo1ssa
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
flornomandacaru
 
A grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudesteA grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudeste
Rosemildo Lima
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
Bruno Lima
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
A industrialização brasileira
A industrialização brasileiraA industrialização brasileira
A industrialização brasileira
Uilson Pereira da Silva
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
fernandesrafael
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
joao paulo
 
O processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do BrasilO processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do Brasil
Cristina Soares
 

Mais procurados (20)

Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
7º anos (Geografia) A Indústria Brasileira
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasil
 
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...Industrialização geografia. o que é indústria  setores da economia setor prim...
Industrialização geografia. o que é indústria setores da economia setor prim...
 
Industria brasileira 2011
Industria  brasileira 2011Industria  brasileira 2011
Industria brasileira 2011
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
A grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudesteA grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudeste
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
 
A industrialização brasileira
A industrialização brasileiraA industrialização brasileira
A industrialização brasileira
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
O processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do BrasilO processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do Brasil
 

Destaque

Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Professora Verônica Santos
 
Estrutura urbana
Estrutura urbanaEstrutura urbana
Estrutura urbana
Professora Verônica Santos
 
O Espaço Urbano mundial
O Espaço Urbano mundialO Espaço Urbano mundial
O Espaço Urbano mundial
Professora Verônica Santos
 
Formação geológica brasileira
Formação geológica brasileiraFormação geológica brasileira
Formação geológica brasileira
Professora Verônica Santos
 
Formação da Terra e o Tectonismo
Formação da Terra e o TectonismoFormação da Terra e o Tectonismo
Formação da Terra e o Tectonismo
Professora Verônica Santos
 
Sociedade e Economia
Sociedade e EconomiaSociedade e Economia
Sociedade e Economia
Professora Verônica Santos
 
Planeta Terra: Movimentos e fuso horário
Planeta Terra: Movimentos e fuso horárioPlaneta Terra: Movimentos e fuso horário
Planeta Terra: Movimentos e fuso horário
Professora Verônica Santos
 
A questão geopolítica da ucrânia
A questão geopolítica da ucrâniaA questão geopolítica da ucrânia
A questão geopolítica da ucrânia
Professora Verônica Santos
 
Orientação coordenadas e projeções cartográficas
Orientação coordenadas e projeções cartográficasOrientação coordenadas e projeções cartográficas
Orientação coordenadas e projeções cartográficas
Professora Verônica Santos
 
Choque de civilizações?
Choque de civilizações?Choque de civilizações?
Choque de civilizações?
Professora Verônica Santos
 
Aulão enem
Aulão enemAulão enem
Litosfera e a Formação de Relevo
Litosfera e a Formação de RelevoLitosfera e a Formação de Relevo
Litosfera e a Formação de Relevo
Professora Verônica Santos
 
Geografia política e geopolítica
Geografia política e geopolíticaGeografia política e geopolítica
Geografia política e geopolítica
Professora Verônica Santos
 
Estudos Demográficos
Estudos DemográficosEstudos Demográficos
Estudos Demográficos
Professora Verônica Santos
 
Organização e estrutura do Estado
Organização e estrutura do EstadoOrganização e estrutura do Estado
Organização e estrutura do Estado
Professora Verônica Santos
 
Recursos naturais e a exploração humana
Recursos naturais e a exploração humanaRecursos naturais e a exploração humana
Recursos naturais e a exploração humana
Professora Verônica Santos
 
Biomas e domínios brasileiros I
Biomas e domínios brasileiros IBiomas e domínios brasileiros I
Biomas e domínios brasileiros I
Professora Verônica Santos
 
As Ordens Mundiais
As Ordens MundiaisAs Ordens Mundiais
As Ordens Mundiais
Professora Verônica Santos
 
Perfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiroPerfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiro
Professora Verônica Santos
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
Professora Verônica Santos
 

Destaque (20)

Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Estrutura urbana
Estrutura urbanaEstrutura urbana
Estrutura urbana
 
O Espaço Urbano mundial
O Espaço Urbano mundialO Espaço Urbano mundial
O Espaço Urbano mundial
 
Formação geológica brasileira
Formação geológica brasileiraFormação geológica brasileira
Formação geológica brasileira
 
Formação da Terra e o Tectonismo
Formação da Terra e o TectonismoFormação da Terra e o Tectonismo
Formação da Terra e o Tectonismo
 
Sociedade e Economia
Sociedade e EconomiaSociedade e Economia
Sociedade e Economia
 
Planeta Terra: Movimentos e fuso horário
Planeta Terra: Movimentos e fuso horárioPlaneta Terra: Movimentos e fuso horário
Planeta Terra: Movimentos e fuso horário
 
A questão geopolítica da ucrânia
A questão geopolítica da ucrâniaA questão geopolítica da ucrânia
A questão geopolítica da ucrânia
 
Orientação coordenadas e projeções cartográficas
Orientação coordenadas e projeções cartográficasOrientação coordenadas e projeções cartográficas
Orientação coordenadas e projeções cartográficas
 
Choque de civilizações?
Choque de civilizações?Choque de civilizações?
Choque de civilizações?
 
Aulão enem
Aulão enemAulão enem
Aulão enem
 
Litosfera e a Formação de Relevo
Litosfera e a Formação de RelevoLitosfera e a Formação de Relevo
Litosfera e a Formação de Relevo
 
Geografia política e geopolítica
Geografia política e geopolíticaGeografia política e geopolítica
Geografia política e geopolítica
 
Estudos Demográficos
Estudos DemográficosEstudos Demográficos
Estudos Demográficos
 
Organização e estrutura do Estado
Organização e estrutura do EstadoOrganização e estrutura do Estado
Organização e estrutura do Estado
 
Recursos naturais e a exploração humana
Recursos naturais e a exploração humanaRecursos naturais e a exploração humana
Recursos naturais e a exploração humana
 
Biomas e domínios brasileiros I
Biomas e domínios brasileiros IBiomas e domínios brasileiros I
Biomas e domínios brasileiros I
 
As Ordens Mundiais
As Ordens MundiaisAs Ordens Mundiais
As Ordens Mundiais
 
Perfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiroPerfil hídrico brasileiro
Perfil hídrico brasileiro
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 

Semelhante a Industrialização

O espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanizaçãoO espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanização
Camila Brito
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
Débora Sales
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
João José Ferreira Tojal
 
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo HistóricoIndustrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
Guilherme Calixto Vicente
 
A atividade industrial
A atividade industrialA atividade industrial
A atividade industrial
rillaryalvesj
 
Geografia 2ano 4bim1
Geografia 2ano 4bim1Geografia 2ano 4bim1
Geografia 2ano 4bim1
Junior Oliveira
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
CADUCOC1
 
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
Judson Malta
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
Bruna Azevedo
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
Italo Alan
 
Industrialização tardia 9º ano.pptx
Industrialização tardia 9º ano.pptxIndustrialização tardia 9º ano.pptx
Industrialização tardia 9º ano.pptx
Kelvin Sousa
 
Tigres Asiáticos e Japão
Tigres Asiáticos e JapãoTigres Asiáticos e Japão
Tigres Asiáticos e Japão
Prof. Francesco Torres
 
Aula 16 indústria brasileira
Aula 16   indústria brasileiraAula 16   indústria brasileira
Aula 16 indústria brasileira
Jonatas Carlos
 
A atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos euaA atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos eua
Professor
 
Indústria Brasileira
Indústria BrasileiraIndústria Brasileira
Indústria Brasileira
Italo Malta
 
Geografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraGeografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria Brasileira
Carson Souza
 
2ano geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)
2ano   geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)2ano   geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)
2ano geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)
GRMIOImortaL
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
Euna Machado
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
Débora Sales
 

Semelhante a Industrialização (20)

O espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanizaçãoO espaço industrial e o processo de urbanização
O espaço industrial e o processo de urbanização
 
Industria 2° ano
Industria 2° anoIndustria 2° ano
Industria 2° ano
 
Evolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrializaçãoEvolução, classificação e modelos de industrialização
Evolução, classificação e modelos de industrialização
 
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo HistóricoIndustrialização Japonesa - Processo Histórico
Industrialização Japonesa - Processo Histórico
 
A atividade industrial
A atividade industrialA atividade industrial
A atividade industrial
 
Geografia 2ano 4bim1
Geografia 2ano 4bim1Geografia 2ano 4bim1
Geografia 2ano 4bim1
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
 
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
ESPAÇO INDUSTRIAL E GEOGRAFIA DA INDUSTRIA
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
 
Setores de produção
Setores de produçãoSetores de produção
Setores de produção
 
Industrialização tardia 9º ano.pptx
Industrialização tardia 9º ano.pptxIndustrialização tardia 9º ano.pptx
Industrialização tardia 9º ano.pptx
 
Tigres Asiáticos e Japão
Tigres Asiáticos e JapãoTigres Asiáticos e Japão
Tigres Asiáticos e Japão
 
Aula 16 indústria brasileira
Aula 16   indústria brasileiraAula 16   indústria brasileira
Aula 16 indústria brasileira
 
A atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos euaA atividade industrial nos eua
A atividade industrial nos eua
 
Indústria Brasileira
Indústria BrasileiraIndústria Brasileira
Indústria Brasileira
 
Geografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraGeografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria Brasileira
 
2ano geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)
2ano   geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)2ano   geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)
2ano geo - m79-80 - industrialização i e ii (europa)
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 

Mais de Professora Verônica Santos

Solo
SoloSolo
Fluxos migratórios
Fluxos migratóriosFluxos migratórios
Fluxos migratórios
Professora Verônica Santos
 
Formação vegetal do mundo - Biomas Globais
Formação vegetal do mundo - Biomas GlobaisFormação vegetal do mundo - Biomas Globais
Formação vegetal do mundo - Biomas Globais
Professora Verônica Santos
 
Formações vegetais I - Nomenclaturas
Formações vegetais I - NomenclaturasFormações vegetais I - Nomenclaturas
Formações vegetais I - Nomenclaturas
Professora Verônica Santos
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
Professora Verônica Santos
 
Recursos minerais e energéticos no Brasil
Recursos minerais e energéticos no BrasilRecursos minerais e energéticos no Brasil
Recursos minerais e energéticos no Brasil
Professora Verônica Santos
 
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no BrasilRecursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
Professora Verônica Santos
 
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no BrasilRecursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
Professora Verônica Santos
 
Rochas e solo
Rochas e soloRochas e solo
Desenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções IndustriaisDesenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Professora Verônica Santos
 

Mais de Professora Verônica Santos (10)

Solo
SoloSolo
Solo
 
Fluxos migratórios
Fluxos migratóriosFluxos migratórios
Fluxos migratórios
 
Formação vegetal do mundo - Biomas Globais
Formação vegetal do mundo - Biomas GlobaisFormação vegetal do mundo - Biomas Globais
Formação vegetal do mundo - Biomas Globais
 
Formações vegetais I - Nomenclaturas
Formações vegetais I - NomenclaturasFormações vegetais I - Nomenclaturas
Formações vegetais I - Nomenclaturas
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
Recursos minerais e energéticos no Brasil
Recursos minerais e energéticos no BrasilRecursos minerais e energéticos no Brasil
Recursos minerais e energéticos no Brasil
 
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no BrasilRecursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
 
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no BrasilRecursos Minerais no Mundo e no Brasil
Recursos Minerais no Mundo e no Brasil
 
Rochas e solo
Rochas e soloRochas e solo
Rochas e solo
 
Desenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções IndustriaisDesenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
Desenvolvimento industrial e as revoluções Industriais
 

Último

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 

Industrialização

  • 2. Processos e Características • Artesanato  Manufatura  Indústria • Dois tipos:  Extrativa  Transformação: * Bens de Produção * Bens de Capital * Bens de Consumo ‘
  • 3.
  • 4. 1ª RI  2ª RI  3ª RI XVIII XIX XX
  • 5. Sistemas de Produção • Taylorismo: séc. XVIII-XIX  aumentar a produtividade  Operário: executor da tarefa, não da produção;  Gerente/Supervisor: conhecimento da produção / controle • Fordismo: séc XVIII-XIX: dinamizar a produção Linha da montagem  Estoque
  • 6. • Toyotismo: Séc XX Just in Time  Japão • Produção com garantia de venda • Mão de obra e maquinário flexível  adaptação • Terceirização produtiva  precarização do trabalho e do salário. JAPÃO:  Pequeno território;  escassez de matéria-prima  pouco espaço para estoque  necessidade de recuperação pós-guerra Maiores investimentos em meios de transporte e meios de comunicação Redes e Fluxos Globais GLOBALIZAÇÃO
  • 7. Localização Industrial • Antes: 1ª e 2ª RI: concentração • Próx. à matéria-prima • Litoral (exportação/importação) • Hoje: 3ª RI / Globalização: Maior dinamismo na área de transporte, comunicação e energia  Desconcentração produtiva  “cérebro” da empresa ainda nos grandes centros
  • 8. Localização Industrial • “CLUSTERS”: agrupamento industrial aproveitando a mão de obra e infraestruturas; • TECNOPOLOS: proximidade com universidades e centros de pequisa
  • 9.
  • 10.
  • 11. Principais Centros Industriais EUA • Manufacturing Belt • Sun Belt
  • 12.
  • 13.
  • 14. Principais Centros Industriais Japão • Era Meiji (1868-1912) • Zaibatsus; Keiretsus • Pós-Guerra: pesados investimentos em educação e pesquisa • Maior competitividade com os Tigres Asiáticos
  • 15.  O Japão, até o século XIX era um país feudal e agrícola, que vivia completamente fechado às influências do Ocidente. Essa situação mudou a partir de 1868, quando o poder político, que estava fragmentado entre as elites feudais, foi centralizado pelo Imperador, pertencente à dinastia Meiji. A partir desta data, o Japão aproximou-se da economia dos países ocidentais que passavam pela fase do capitalismo industrial. Imperador Mutsuhito (1852-1912)
  • 16. A Era Meiji: A abertura e o desenvolvimento econômico: A sucessão dos imperadores preocuparam-se em criar medidas e ações de desenvolvimento a partir das potencialidades do território japonês, já que é um país pobre em recursos naturais e energéticos:  criação de infra-estrutura, como ferrovias e portos;  instalação de industrias de bens de consumo;  grandes investimentos na educação do povo para obter mão-de-obra preparada para desenvolver uma nova atividade (não só agrícola);  investimentos feitos na indústrias pelos grupos familiares, os Zaibatsus, que se tornariam posteriormente grandes conglomerados;  adoção do xintoísmo, religião que fazia do imperador chefe sagrado do Estado, ajudou a incentivar o povo japonês ao culto à disciplina, que é uma das principais características desse povo.
  • 17. A INDUSTRIALIZAÇÃO DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS NIC NEWLY INDUSTRIALIZED COUNTRIES
  • 18. Ao longo dos dois conflitos mundiais (Primeira Guerra Mundial, 1914 a 1918, e Segunda Guerra Mundial, 1939 a 1945), os principais países fornecedores de bens industrializados não podiam vender muitas das mercadorias que os países subdesenvolvidos necessitavam. Dessa forma, estes países tiveram que substituir as importações.
  • 19.
  • 21. • Brasil, México e Argentina • Investimentos estadunidenses e europeu. • Crise de 1929 e 2ª GM: redução das importações; redução das exportações; • Grandes incentivos à internacionalização do mercado interno:  Mão de obra Barata  Investimento em infraestrutura de transporte, energia e mp industrial  grande mercado consumidor interno  incentivos fiscais  facilidade na remessa de lucros * México: Maquiladoras  dependência total aos EUA América Latina
  • 22. Porém, essa industrialização não foi completa. Esses países adotaram a política de “estrangeirar” o processo industrial: • Aceitaram a presença de multinacionais e transnacionais, sobretudo na área de produção de bens intermediários e bens de consumo duráveis; • As indústrias nacionais concentravam sua produção de beneficiamento de matérias-primas minerais para exportação e na indústria de base. Usavam matérias-primas abundantes no país, tecnologia simples e mão de obra de baixa qualificação.
  • 23. Mas essa política trouxe consequências: 1ª - Dependência de tecnologia do exterior: imposição ao neoliberalismo  perda do controle estatal de setores estratégicos  falência das empresas nacionais  perda de postos de trabalho e encarecimento dos serviços essenciais privatizados  elevação dos índices de pobreza.
  • 24. 2ª - Dependência e elevação da dívida externa, afinal era preciso realizar investimento em infraestrutura para atender as necessidades e interesses das multinacionais e transnacionais: rodovias, rede de energia elétrica, modernização de portos, etc.; 3ª - Fragmentação da produção  terceirização da produção  transnacionais  barateamento da produção  redução salarial  pobreza e violência 4ª - Levou a uma urbanização acelerada e sem planejamento, sobretudo nas capitais, local onde se concentravam as atividades industriais, levando a sérios problemas urbanos.
  • 25. 1980: Crise da política de substituição de importações 1990: CONSENSO DE WASHINGTON: A necessidade de modernização e inserção na economia globalizada: CONDIÇÕES PARA NOVOS EMPRÉSTIMOS:  Entrada de multinacionais  Privatização de setores estratégicos
  • 26.
  • 27. Industrialização por Plataforma de Exportação Os Velhos e Novos Tigres Asiáticos
  • 28. • Primeiros Tigres Asiáticos: Cingapura, Hong Kong, Coreia do Sul e Taiwan • Após a década de 1960 alguns países asiáticos iniciaram o processo de industrialização motivados por:  Mão de obra abundante, qualificada e barata;  Facilidade de importação de equipamentos industriais;  Incentivos fiscais;  Leis ambientais inexistentes ou liberais;  Mercados consumidores internos em expansão;  Proximidade de fontes de matérias-primas;  Incentivos à exportação.  Pesados investimentos em educação e treinamento da mdo  Controle excessivo do estado à população
  • 29. • Diferente dos países que se industrializaram no pós-guerra, os chamados TIGRES ASIÁTICOS tiveram uma industrialização focada na exportação (por isso plataforma de exportação) e no desenvolvimento de tecnologias, investindo na área da educação e pesquisa tecnológica. • Investimentos japoneses  Imperialismo Japonês • Parceria Pública-Privada  controle estatal  proteção às empresas nacionais  incentivos à exportação
  • 30. Os Tigres Asiáticos Foram 99 anos de “empréstimo“ concedido pela China à Inglaterra. Como resultado, Hong Kong passou por um século de desenvolvimento à parte em um país que, mesmo tendo uma força descomunal como nação, já é completamente desconjuntado. A quase cidade-estado recebe hoje o título de Região Administrativa Especial da China. http://opiniaoenoticia.com.br/opiniao/hong-kong-e- china-ou-nao-e/ Hong Kong foi devolvida à China em 1997.
  • 31. Industrialização da China Em 1978, sob a liderança de Deng Xiaoping, o Partido Comunista Chinês reintroduziu a economia de mercado em quatro regiões da China, denominadas Zonas Econômicas Especiais (ZEEs), e em catorze cidades litorâneas, que se transformaram em Zonas de Comércio Aberto (ZCA). As cidades escolhidas para a criação dessas zonas de economia de mercado abriram-se para os investimentos estrangeiros e nelas se estabeleceram medidas semelhantes às adotadas nos Tigres Asiáticos – baixos impostos, isenção para a importação de máquinas e equipamentos industriais e facilidades para a remessa de lucros ao exterior. Além disso, as empresas que se instalaram nessas regiões contam com mão-de-obra industrial muito barata, o que torna os preços dos produtos de baixo aporte tecnológico (têxteis, calçados e brinquedos) imbatíveis no mercado internacional. Num segundo momento, instalaram-se as montadoras de automóveis, como a Volkswagem e General Motors, e as de equipamentos elétrico-eletrônicos. http://clubedahistoria.com.br/post.php?codigo=94