SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia Homem & Espaço
9º ano - Unidade II
Capítulo 4 – Europa - natureza
Elian Alabi Lucci e
Anselmo Lazaro Branco
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o mapa. Europa - Divisão Política - 2006
Fonte: Leda Ísola; Vera Caldini, Atlas geográfico Saraiva. São Paulo: Saraiva, 2005. p. 60/ http://europa.eu/abc/european_countries/ - acesso
em janeiro de 2009 (adaptado).
Sidnei
Moura
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
• Qual a localização do continente europeu,
considerando a principais coordenadas
geográficas, os hemisférios, a zona
térmica e os oceanos?
• Que formações naturais determinam os
limites do continente a leste?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
• Observe a configuração do litoral
europeu. Quais os principais mares e as
três maiores ilhas?
• Quais continentes estão próximos da
Europa?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O continente europeu
Helsinki, capital da Finlândia, na costa do mar Báltico.
Com uma área de pouco
mais de 10 milhões de
quilômetros quadrados,
que corresponde a
apenas 7% das terras
emersas, a Europa é
uma das menores
porções continentais do
globo.
Estende-se do oceano Atlântico
aos montes Urais (que o
separam da Ásia).
GavinHellier/RobertHardingWorld
Imagery/Corbis/LatinStock
Diferentemente dos
outros continentes, as
terras da Europa não
estão distribuídas de
forma compacta.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O litoral do continente europeu é extenso e bastante recortado,
contém um grande números de mares, golfos, penínsulas,
fiordes e outros acidentes geográficos.
Facilita a construção de
portos, favorecendo a
utilização do transporte
marítimo.
Mares europeus mais
importantes:
• Mediterrâneo, Negro, Adriático,
do Norte, Báltico, da Noruega,
Egeu e Cáspio.
Ao norte, em razão
dos clima frios, parte
do Atlântico e do
Ártico congelam-se no
inverno, dificultando a
navegação.
A Rússia é um dos países mais
afetados pelas baixas temperaturas as
saídas por mar para o Atlântico. As
únicas com as quais pode contar, ficam
congeladas durante parte do inverno.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Dentre as várias penínsulas, destacam-se:
• a Escandinava, onde se localizam a Noruega e a Suécia;
• a Jutlândia, onde se situa a Dinamarca;
• a Ibérica, constituída pela Espanha e por Portugal;
• a Itálica, onde se localiza a Itália;
• a Balcânia ou dos Bálcãs, constituída por Bulgária, Croácia, Bósnia-
Herzegovina, Sérvia e Montenegro, Macedônia, Turquia (parte
europeia), Grécia e Albânia.
Ilhas e arquipélagos:
• no oceano Atlântico, o arquipélago Britânico, cujas maiores ilhas são
a Grã-Bretanha e a Irlanda, o arquipélago dos Açores e a ilha da
Islândia;
• no mar Mediterrâneo, as ilhas Baleares, da Sardenha, Sicília,
Córsega e de Creta;
• no mar Egeu, o arquipélago Grego.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Eurotúnel
Em dezembro de 1990, 51 metros abaixo da superfície do canal da
Mancha, operários ingleses e franceses concluíram a abertura do
primeiro dos três túneis previstos no projeto que liga Inglaterra à França.
A idéia original
da ligação
entre os países
foi do
engenheiro
francês Albert
Mathieu,
apresentada a
Napoleão
Bonaparte no
século XIX
Fonte: Nova Ciência , n. 21, 1994/ Agência DW-World.
Disponível em: www.dw-world.de/dw/article - acesso em 13/abr./2005.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O relevo e a hidrografia
Observe o mapa.
Fonte: Atlas 2000. La France et le monde. Paris: Nathan, 1998. p. 28 (adaptado).
MárioYoshida
Europa - Físico
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Conversa
• Quais fronteiras naturais o mapa permite
identificar entre a Europa e a Ásia?
• Quais formas de relevo há no continente
europeu?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O relevo europeu
Predominam as
baixas altitudes
Há cadeias montanhosas
com altitudes superiores a
4 mil metros (Alpes) e a 5
mil metros (Cáucaso).
Formado por planaltos, cadeias de
montanhas, planícies e depressões
São encontrados ao norte e distribuídos
pela parte central do continente.
Porção central e
sul do continente.
A cadeia mais
importante é a dos
Alpes.
Cerca de dois
terços do relevo
europeu,
principalmente
na parte leste e
central do
continente
Ocorrem junto
ao mar Cáspio e
na Holanda, ao
norte do baixo
curso do rio
Reno.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Fotodoautor
CEDOC
Maciço central da
França.
Meseta da região da
Pamplona,
Espanha.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Maciço central na França.
Hemis/Corbis/LatinStock
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
As cadeias montanhosas foram formadas por tectonismo. A porção sul
apresenta atividade sísmica e vulcânica, que é também intensa na
Islândia. Além dos vulcões, há na ilha cerca de 800 fontes de água
quente, chamadas gêiseres. Elas lançam água a temperaturas entre
75ºC e 100ºC e são aproveitadas para geração de energia.
Na Islândia, 100% da eletricidade gerada é proveniente de
fontes de energia renováveis (hidrelétrica e geotérmica ou
geotermal).
Arctic-Images/Corbis/LatinStock
As usinas
geotermais
atualmente geram
845 mW da energia
do país, o
equivalente ao de
uma usina nuclear, e
respondem por um
terço das
necessidades do
país. A maior parte
dessa energia serve
para aquecer as
casas, a água que
sai das torneiras e
as estufas.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
As fotografias
retratam a região dos
Alpes, na Áustria.
Klaus Hackenberg/ Zefa/ Corbis/ LatinStock
Walter Geiersperger/ Corbis/ LatinStock
Os Alpes estendem-se
aproximadamente desde
Nice até Viena, formando
um grande arco, que
abrange principalmente o
território da Suíça e o
norte da Itália, além do
leste da própria Áustria.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Vista externa de túnel
sobre os Alpes
Vista interna de
túnel sobre os
Alpes.
CEDOC
CEDOC
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
CEDOC
O monte Branco, na fronteira
entre a França e a Itália, é o
ponto culminante dos Alpes.
Em 1965 foi aberto sobre ele
um túnel de mais de 11 mil
metros para o trânsito de
veículos. O túnel tem duas vias
de 7 metros de largura,
ar-condicionado e um sistema
de controle de tráfego por meio
de radar.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Além dos Alpes, destacam-se:
• os Pirineus, na divisa entre a França e a Espanha;
• os Apeninos, na península Itálica;
• os Cárpatos, pequeno arco em torno da planície da Hungria;
• os Bálcãs, na península Balcânica, entre o mar Adriático e o mar
Negro;
• o Cáucaso, entre o mar Negro e o mar Cáspio.
As planícies mais extensas são:
• a Russa;
• a Germano-Polonesa
• a da Hungria.
Outras: planície do Pó, bacia de
Paris bacia de Londres.
As planícies são
sedimentares, cortadas por
importantes rios navegáveis e
se estendem do mar do Norte
aos montes Urais.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Pôlder na Holanda.
K.M.Westermann/Corbis/LatinStock
Essas construções permitiram a ampliação do território, com um
avanço sobre o mar do Norte. Essas áreas conquistadas são
chamadas de pôlderes, utilizados principalmente para a prática da
agricultura e da pecuária.
Cerca de 50% do território
dos Países Baixos
localiza-se abaixo do nível
do mar.
Desde o século XVII, os
holandeses vêm construindo
diques para impedir a
invasão da água do mar;
edificam também canais e
sistemas de drenagem e
bombeamento para a
retirada da água de áreas
pantanosas e lagos.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
A hidrografia
Não se destacam
pela grande
extensão, mas
pelo volume de
água e sua
importância como
via de transporte.
Apresenta cerca de 75 mil
quilômetros de vias fluviais
43 500 km são
constituídos por canais
Principais rios:
• Danúbio
• Volga
• Reno
Os rios europeus.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O rio Danúbio
Nasce na região da Floresta Negra,
a mais de 600 m de altitude, e
deságua no mar Negro.
É o rio que atravessa o maior
número de países europeus e
serve de limites entre alguns
deles.
• Alemanha, Áustria, Eslováquia,
Hungria, Croácia, Sérvia,
Montenegro, Bulgária, Romênia
e Ucrânia.
• Importante via de ligação entre
a parte ocidental e a parte
oriental da Europa.
• O Danúbio comunica com o rio
Reno, através do canal de Ludwig
e do rio Meno.
Dos seus 2 858 km de
extensão, 2 450 km são
navegáveis em
qualquer época do ano.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O rio Volga
Com 3 701 km de comprimento
é o mais extenso do continente.
Nasce no planalto de Valdai,
corre pela planície Russa e
desemboca no mar Cáspio.
Navegável em quase todo o
seu curso; suas águas
permanecem congeladas
durante boa parte do ano.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O rio Reno
• 1 350 km de extensão
• Liga a parte central da Europa
aos Países Baixos
Junto ao seu principal afluente
na Alemanha, o rio Ruhr,
localiza-se o maior complexo
industrial da Europa.
• Nasce nos Alpes Suíços, separa
a Alemanha da França, passa
pelos Países Baixo e desemboca
no mar Norte.
• Navegável da Basileia até o mar
do Norte
O que permite o escoamento
de vários produtos a custos
bem menores do que por
outras vias.
Em seu curso
foram
construídas
usinas
hidrelétricas
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Transporte de
mercadorias no rio
Reno, na Alemanha.
O Reno comunica-se com vários rios através de canais e
liga o oceano a várias regiões industriais. Isso tornou o
porto de Roterdã, localizado em sua foz, um dos mais
movimentados do mundo.
HenningKaiser/AFP/GettyImages
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Outros rios importantes do continente europeu :
• Tejo, Douro e Minho, em Portugal;
• Tejo, Douro e Ebro, na Espanha;
• Sena, Loire e Ródano, na França;
• Tâmisa, na Inglaterra;
• Pó, Tibre e Arno, na Itália;
• Vístula e Oder, na Polônia;
• Elba, na República Tcheca e na Alemanha;
• Don e Dnieper, na Rússia;
• Dnieper, na Ucrânia e em Belarus.
Os dois principais centros dispersores de água da Europa são:
os Alpes e o planalto de Valdai (Rússia).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Os lagos da Europa
A Europa apresenta
numerosas regiões
lacustres.
Na parte europeia da Rússia,
localizam-se grandes lagos, como o
Ládoga (com 18 200 km², o maior da
Europa) e o Onega.
Os mais belos lagos da Europa
localizam-se nos Alpes, com destaque
para:
• o de Genebra, entre a Suíça e a
França;
• o dos Quatro Cantões (Vierwaldstatter),
o de Zurique e o de Neuchatel, na Suíça;
• o de Constança, entre a Suíça e a
Alemanha, que funciona como
regularizador do curso do Reno;
• o de Como e o de Garda, na Itália.
Na península
Escandinava,
aparecem o Venern
e o Vattern,
considerados lagos
residuais. Na
Finlândia, existem
alguns milhares de
lagos, formados a
partir de processos
resultantes da
escavação de
gelerias.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O clima e a vegetação
O continente europeu,
situado quase totalmente
na zona temperada do
hemisfério Norte,
apresenta
predominantemente clima
temperado.
Além da posição geográfica, outros
fatores são responsáveis pela
determinação de seus tipos climáticos:
• as correntes marinhas,
• o litoral recortado,
• a disposição das formas do relevo,
que influi na penetração das massas de
ar.
Uma corrente marinha que influencia bastante o clima da
Europa é a corrente do Golfo. Ela provém da zona
intertropical e aquece as áreas litorâneas de vários países.
O clima temperado europeu divide-se em dois tipos:
temperado oceânico e temperado continental.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Europa – Fatores climáticos
MárioYoshida
Fonte: Rémy Knafou. Histoire/Geographie (initiation économique). Paris: Belin, 1992. p. 202 (adaptado).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O clima temperadotemperado
oceânicooceânico, que ocorre na
parte ocidental do
continente, recebe a
influência da corrente do
Golfo; é úmido,com
verão e inverno menos
rigorosos. A amplitude
térmica dessa região é
menor que no interior do
continente, e as chuvas,
abundantes, distribuem-
se de forma regular
pelos 12 meses do ano,
atingindo maiores
quantidades no inverno.
O clima temperadotemperado
continentalcontinental ocorre no
interior do continente e
não recebe a influência do
mar. Abrange as partes
central e oriental da
Europa, onde os verões
são quentes, em contraste
com o inverno, bastante
rigoroso e com queda de
neve; amplitude térmica, é
grande, e as chuvas,
bastante irregulares, caem
em maior quantidade no
verão e na primavera.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe os climogramas e o mapa dos climas da
Europa.
Fonte: La Geographie de l’Europe des 15. Paris: Nathan, 1998. p.11.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Europa - Clima
SidneiMoura
Fonte: La Géographie de Monde. Paris: Nathan, 2000. p. 13 (adaptado).
Conversa
• Compare os climogramas das cidades de
Vardo e Atenas, considerando o outono
europeu.
• Que fatores determinam a maior
pluviosidade e a temperatura amena na
cidade de Valencia?
• Atenas apresenta a temperatura mais
elevada das quatro cidades. Por quê?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Os tipos climáticos temperado oceânico e temperado continental
correspondem aproximadamente aos seguintes tipos de
vegetação:
• Floresta temperada – cobria grande extensão do território
europeu; agora ficou reduzida a alguns bosques.
• Landa – formação vegetal comum na Europa em áreas de solos
menos férteis; esses solos correspondem às terras antes cobertas
pela floresta temperada.
• Turfeira – aparece onde os solos se apresentam úmidos, em
virtude do fraco escoamento das águas;
• Estepe – recobre as planícies e os baixos planaltos, áreas de
clima temperado continental um pouco mais seco; ao norte do mar
Negro, encontra-se estepe negra, que apresenta um dos tipos de
solo mais férteis do globo, o tchernoziom, intensamente
aproveitado para a atividade agrícola, principalmente o cultivo de
trigo.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Vegetação de estepe, na Itália (2003).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Floresta Temperada,
norte da França.
CEDOC
CEDOC
CEDOC
Estepe negra,
na Ucrânia.
Landa, na
Bretanha,
França.
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Campos Alpinos
na Suíça.
Maqui, em Port-Gros,
França.
CEDOC
CEDOC
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Parque Nacional da Doñana,
Espanha, 2005.
SamualAranda/AFP/GettyImages
Lince ibérico,
2205.
PeterArnold/OtherImages
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Tundra, no
norte da
Rússia
européia,
2006.
Momatiuk–eastcott/Corbis/LatinStock
Rio Tâmisa, na
Inglaterra (2006).
ColinDutton/GrandTour/Corbia/LatinStock
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
O clima frio ártico
Próximo ao oceano
glacial Ártico, ocorre o
clima frio ártico. Durante
um curto período do
verão, esse tipo
climático apresenta
temperaturas próximas a
10°C e, no inverno,
médias inferiores a 0°C.
Sua vegetação predominante é a
tundra, vegetação rasteira
constituída por musgos e líquens.
Nas áreas de elevada altitude, ocorre
o frio de montanha. Nessas áreas, a
vegetação modifica-se de acordo com
a altitude e a conseqüente queda de
temperatura nas partes mais altas.
Nas proximidades do Mediterrâneo, ocorre o clima
mediterrâneo. Graças à influência das massas de ar oriundas
do deserto do Saara, esse tipo de clima caracteriza-se por
verões quentes e secos. A época de chuvas é no inverno.
As formações vegetais que correspondem ao clima
mediterrâneo são o maqui e o garrigue.
AS MASSAS DE ARAS MASSAS DE AR
Ar atmosférico
+
Pressão
+
Rotação do planeta
Constante movimento
Variam com as
estações
alta pressão
baixa pressão
Circulação
atmosférica
MASSAS
DE AR
CLIMAS
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Fonte: A atmosfera e a previsão do tempo. São Paulo: Melhoramentos, 1979 (adaptado).
TIPO CLIMÁTICO ATUAÇÃO DAS MASSAS DE AR
ADQUIRE CARACTERÍSTICAS DE
- temperatura
- pressão
- umidade
geralmente estáveis
de seu local de origem
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
As frentes
• Ao se deslocarem, as massas de ar se encontram. Nesse
contato, porém, elas não se misturam: uma exerce pressão
sobre a outra, de tal forma que aquela que avança com mais
intensidade faz com que a outra retroceda e acabe incorporando
suas características.
• A zona de contato entre duas massas de ar diferentes recebe
o nome de frente ou superfície frontal.
Quando a massa de ar frio avança, fazendo o ar quente recuar,
trata-se de uma frente fria.
Outro tipo de frente é a frente quente, que ocorre quando o ar
quente avança sobre o ar frio.
Conversa
• O que são as massas de ar e como elas
se formam?
• O que são frentes e como elas se
formam?
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Europa - Clima
SidneiMoura
Fonte: La Géographie de Monde. Paris: Nathan, 2000. p. 13 (adaptado).
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
Observe o mapa de climas da Europa
e indique um país com predomínio de
clima:
• temperado oceânico;
• temperado continental;
• mediterrâneo;
• frio de montanha.
Geografia Homem & Espaço
9º ano - Unidade II
Capítulo 4 – Europa - natureza
Elian Alabi Lucci e
Anselmo Lazaro Branco
ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Europa
EuropaEuropa
Geografia da Europa 2015/2016 - Climatologia
Geografia da Europa 2015/2016 - ClimatologiaGeografia da Europa 2015/2016 - Climatologia
Geografia da Europa 2015/2016 - Climatologia
Carlos Ribeiro Medeiros
 
Europa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANO
Europa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANOEuropa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANO
Europa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANO
Fabiane Ferreira
 
Europa físicoo
Europa físicooEuropa físicoo
Europa físicoo
Fernanda Lopes
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
Professor
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
Livia Rosa
 
Geografia física da Europa - Orografia e Hidrografia
Geografia física da Europa - Orografia e HidrografiaGeografia física da Europa - Orografia e Hidrografia
Geografia física da Europa - Orografia e Hidrografia
Carlos Ribeiro Medeiros
 
Modulo 06 - O quadro natural da Europa
Modulo 06 - O quadro natural da EuropaModulo 06 - O quadro natural da Europa
Modulo 06 - O quadro natural da Europa
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Europa - características naturais
Europa - características naturaisEuropa - características naturais
Europa - características naturais
Marcelo Caetano
 
Europa Aspectos físicos.
Europa Aspectos físicos.Europa Aspectos físicos.
Europa Aspectos físicos.
Camila Brito
 
Continente Europeu
Continente EuropeuContinente Europeu
Continente Europeu
E-professor Julio
 
Geografia física da Europa - Climatologia
Geografia física da Europa - ClimatologiaGeografia física da Europa - Climatologia
Geografia física da Europa - Climatologia
Carlos Ribeiro Medeiros
 
Europa Físico
Europa FísicoEuropa Físico
Europa Físico
Andre Caiado
 
Continente europeu - impressões iniciais.
Continente europeu - impressões iniciais.Continente europeu - impressões iniciais.
Continente europeu - impressões iniciais.
Abner de Paula
 
A europa aspectos naturais
A europa aspectos naturaisA europa aspectos naturais
A europa aspectos naturais
Colégio Nova Geração COC
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
André Luiz Marques
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
Prof.Paulo/geografia
 
9º ano
9º ano9º ano
Europa blod 1
Europa blod 1Europa blod 1
Geografia física da Europa (2018-2019) - Climatologia
Geografia física da Europa (2018-2019) - ClimatologiaGeografia física da Europa (2018-2019) - Climatologia
Geografia física da Europa (2018-2019) - Climatologia
Carlos Ribeiro Medeiros
 

Mais procurados (20)

Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Geografia da Europa 2015/2016 - Climatologia
Geografia da Europa 2015/2016 - ClimatologiaGeografia da Europa 2015/2016 - Climatologia
Geografia da Europa 2015/2016 - Climatologia
 
Europa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANO
Europa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANOEuropa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANO
Europa - ASPETOS NATURAIS - 9º ANO
 
Europa físicoo
Europa físicooEuropa físicoo
Europa físicoo
 
Europa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturaisEuropa – aspectos naturais
Europa – aspectos naturais
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Geografia física da Europa - Orografia e Hidrografia
Geografia física da Europa - Orografia e HidrografiaGeografia física da Europa - Orografia e Hidrografia
Geografia física da Europa - Orografia e Hidrografia
 
Modulo 06 - O quadro natural da Europa
Modulo 06 - O quadro natural da EuropaModulo 06 - O quadro natural da Europa
Modulo 06 - O quadro natural da Europa
 
Europa - características naturais
Europa - características naturaisEuropa - características naturais
Europa - características naturais
 
Europa Aspectos físicos.
Europa Aspectos físicos.Europa Aspectos físicos.
Europa Aspectos físicos.
 
Continente Europeu
Continente EuropeuContinente Europeu
Continente Europeu
 
Geografia física da Europa - Climatologia
Geografia física da Europa - ClimatologiaGeografia física da Europa - Climatologia
Geografia física da Europa - Climatologia
 
Europa Físico
Europa FísicoEuropa Físico
Europa Físico
 
Continente europeu - impressões iniciais.
Continente europeu - impressões iniciais.Continente europeu - impressões iniciais.
Continente europeu - impressões iniciais.
 
A europa aspectos naturais
A europa aspectos naturaisA europa aspectos naturais
A europa aspectos naturais
 
Geografia continente europeu
Geografia   continente europeuGeografia   continente europeu
Geografia continente europeu
 
Aspectos naturais europa
Aspectos naturais europaAspectos naturais europa
Aspectos naturais europa
 
9º ano
9º ano9º ano
9º ano
 
Europa blod 1
Europa blod 1Europa blod 1
Europa blod 1
 
Geografia física da Europa (2018-2019) - Climatologia
Geografia física da Europa (2018-2019) - ClimatologiaGeografia física da Europa (2018-2019) - Climatologia
Geografia física da Europa (2018-2019) - Climatologia
 

Destaque

Geo h e_9o_cap10_site_ok
Geo h e_9o_cap10_site_okGeo h e_9o_cap10_site_ok
Geo h e_9o_cap10_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_9o_cap8_site_ok
Geo h e_9o_cap8_site_okGeo h e_9o_cap8_site_ok
Geo h e_9o_cap8_site_ok
rdbtava
 
Geo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_siteGeo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_site
rdbtava
 
Geo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_okGeo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_ok
rdbtava
 
Geo h e_9ano_cap20_site
Geo h e_9ano_cap20_siteGeo h e_9ano_cap20_site
Geo h e_9ano_cap20_site
rdbtava
 
Geo h e_9ano_cap6_site_pronto
Geo h e_9ano_cap6_site_prontoGeo h e_9ano_cap6_site_pronto
Geo h e_9ano_cap6_site_pronto
rdbtava
 
Cap.13 - Japão e tigres asiáticos
Cap.13 - Japão e tigres asiáticosCap.13 - Japão e tigres asiáticos
Cap.13 - Japão e tigres asiáticos
Acácio Netto
 
China medieval
China medievalChina medieval
China medieval
Aquéle Hendz
 
China medieval
China medievalChina medieval
China medieval
Juliana Zalamena
 
Europa sociedade.
Europa  sociedade.Europa  sociedade.
Europa sociedade.
Ste Escola Bernardino
 
Encontro Dos Professores Da Disciplina Arte
Encontro Dos Professores Da Disciplina ArteEncontro Dos Professores Da Disciplina Arte
Encontro Dos Professores Da Disciplina Arte
Kristiane Munique Costa e Costa
 
Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas) Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas)
elianemfr
 
Cultura indígena - Por Kívia Caroline
Cultura indígena - Por Kívia CarolineCultura indígena - Por Kívia Caroline
Cultura indígena - Por Kívia Caroline
Kivia Caroline
 
A guerra-fria-e-o-fim-da-urss
A guerra-fria-e-o-fim-da-urssA guerra-fria-e-o-fim-da-urss
A guerra-fria-e-o-fim-da-urss
rdbtava
 
Medieval China
Medieval ChinaMedieval China
Medieval China
mattbunn
 
As primeiras sociedades africanas
As primeiras sociedades africanasAs primeiras sociedades africanas
As primeiras sociedades africanas
gislainegeografiahumanas
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Dia do Índio
Dia do ÍndioDia do Índio
Dia do Índio
Débora Madalena
 
Japão e Tigres Asiáticos
Japão e Tigres AsiáticosJapão e Tigres Asiáticos
Japão e Tigres Asiáticos
TI Medianeira
 
História da Arte: Arte indígena brasileira
História da Arte: Arte indígena brasileiraHistória da Arte: Arte indígena brasileira
História da Arte: Arte indígena brasileira
Raphael Lanzillotte
 

Destaque (20)

Geo h e_9o_cap10_site_ok
Geo h e_9o_cap10_site_okGeo h e_9o_cap10_site_ok
Geo h e_9o_cap10_site_ok
 
Geo h e_9o_cap8_site_ok
Geo h e_9o_cap8_site_okGeo h e_9o_cap8_site_ok
Geo h e_9o_cap8_site_ok
 
Geo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_siteGeo he 9o_ano_cap2_site
Geo he 9o_ano_cap2_site
 
Geo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_okGeo h e_9o_cap11_ok
Geo h e_9o_cap11_ok
 
Geo h e_9ano_cap20_site
Geo h e_9ano_cap20_siteGeo h e_9ano_cap20_site
Geo h e_9ano_cap20_site
 
Geo h e_9ano_cap6_site_pronto
Geo h e_9ano_cap6_site_prontoGeo h e_9ano_cap6_site_pronto
Geo h e_9ano_cap6_site_pronto
 
Cap.13 - Japão e tigres asiáticos
Cap.13 - Japão e tigres asiáticosCap.13 - Japão e tigres asiáticos
Cap.13 - Japão e tigres asiáticos
 
China medieval
China medievalChina medieval
China medieval
 
China medieval
China medievalChina medieval
China medieval
 
Europa sociedade.
Europa  sociedade.Europa  sociedade.
Europa sociedade.
 
Encontro Dos Professores Da Disciplina Arte
Encontro Dos Professores Da Disciplina ArteEncontro Dos Professores Da Disciplina Arte
Encontro Dos Professores Da Disciplina Arte
 
Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas) Aula modelo (as sociedades africanas)
Aula modelo (as sociedades africanas)
 
Cultura indígena - Por Kívia Caroline
Cultura indígena - Por Kívia CarolineCultura indígena - Por Kívia Caroline
Cultura indígena - Por Kívia Caroline
 
A guerra-fria-e-o-fim-da-urss
A guerra-fria-e-o-fim-da-urssA guerra-fria-e-o-fim-da-urss
A guerra-fria-e-o-fim-da-urss
 
Medieval China
Medieval ChinaMedieval China
Medieval China
 
As primeiras sociedades africanas
As primeiras sociedades africanasAs primeiras sociedades africanas
As primeiras sociedades africanas
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Dia do Índio
Dia do ÍndioDia do Índio
Dia do Índio
 
Japão e Tigres Asiáticos
Japão e Tigres AsiáticosJapão e Tigres Asiáticos
Japão e Tigres Asiáticos
 
História da Arte: Arte indígena brasileira
História da Arte: Arte indígena brasileiraHistória da Arte: Arte indígena brasileira
História da Arte: Arte indígena brasileira
 

Semelhante a Geo he 9ano_cap4_site

Privest - Europa I - 3º ano EM
Privest - Europa I - 3º ano EMPrivest - Europa I - 3º ano EM
Privest - Europa I - 3º ano EM
profrodrigoribeiro
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
Camila Brito
 
europa-aspectos fisicos.pdf
europa-aspectos fisicos.pdfeuropa-aspectos fisicos.pdf
europa-aspectos fisicos.pdf
jaque54
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
Camila Brito
 
Aula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economia
Aula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economiaAula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economia
Aula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economia
Michele Wilbert
 
A europa aspectos naturais
A europa aspectos naturaisA europa aspectos naturais
A europa aspectos naturais
Colégio Nova Geração COC
 
nordeste
nordestenordeste
nordeste
Nome
 
Europa. geral
Europa. geralEuropa. geral
Europa. geral
Raquel Avila
 
Aspectos Naturais Europa
Aspectos Naturais  EuropaAspectos Naturais  Europa
Aspectos Naturais Europa
Luiz Carlos
 
Europa 901 902
Europa 901  902Europa 901  902
Europa 901 902
Jorgeana Razzolini
 
Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012
Antonio Pessoa
 
Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012
Antonio Pessoa
 
Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012
Antonio Pessoa
 
Geografia as diferentes realidades espaciais da europa
Geografia   as diferentes realidades espaciais da europaGeografia   as diferentes realidades espaciais da europa
Geografia as diferentes realidades espaciais da europa
Gustavo Soares
 
O continente europeu aspectos físicos 9º ano
O continente europeu aspectos físicos 9º anoO continente europeu aspectos físicos 9º ano
O continente europeu aspectos físicos 9º ano
Ednaldo Santos de Jesus
 
Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014
Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014
Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014
Antonio Pessoa
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
manoel1993
 
O continente europeu parte 2.
O continente europeu   parte 2.O continente europeu   parte 2.
Aula 10 europa - quadro natural e humano
Aula 10   europa - quadro natural e humanoAula 10   europa - quadro natural e humano
Aula 10 europa - quadro natural e humano
Jonatas Carlos
 
O continente europeu -
O continente europeu - O continente europeu -

Semelhante a Geo he 9ano_cap4_site (20)

Privest - Europa I - 3º ano EM
Privest - Europa I - 3º ano EMPrivest - Europa I - 3º ano EM
Privest - Europa I - 3º ano EM
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
europa-aspectos fisicos.pdf
europa-aspectos fisicos.pdfeuropa-aspectos fisicos.pdf
europa-aspectos fisicos.pdf
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
Aula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economia
Aula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economiaAula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economia
Aula para 9º Ano - Europa aspectos naturais, sociedade e economia
 
A europa aspectos naturais
A europa aspectos naturaisA europa aspectos naturais
A europa aspectos naturais
 
nordeste
nordestenordeste
nordeste
 
Europa. geral
Europa. geralEuropa. geral
Europa. geral
 
Aspectos Naturais Europa
Aspectos Naturais  EuropaAspectos Naturais  Europa
Aspectos Naturais Europa
 
Europa 901 902
Europa 901  902Europa 901  902
Europa 901 902
 
Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012
 
Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012
 
Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012Aula europa 1-03-08-2012
Aula europa 1-03-08-2012
 
Geografia as diferentes realidades espaciais da europa
Geografia   as diferentes realidades espaciais da europaGeografia   as diferentes realidades espaciais da europa
Geografia as diferentes realidades espaciais da europa
 
O continente europeu aspectos físicos 9º ano
O continente europeu aspectos físicos 9º anoO continente europeu aspectos físicos 9º ano
O continente europeu aspectos físicos 9º ano
 
Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014
Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014
Aula Europa - CUCA Manhã 2014 - 20/08/2014
 
Europa
EuropaEuropa
Europa
 
O continente europeu parte 2.
O continente europeu   parte 2.O continente europeu   parte 2.
O continente europeu parte 2.
 
Aula 10 europa - quadro natural e humano
Aula 10   europa - quadro natural e humanoAula 10   europa - quadro natural e humano
Aula 10 europa - quadro natural e humano
 
O continente europeu -
O continente europeu - O continente europeu -
O continente europeu -
 

Mais de rdbtava

Geo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_prontoGeo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_pronto
rdbtava
 
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_prontoGeo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
rdbtava
 
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizadoGeo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
rdbtava
 
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_editGeo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
rdbtava
 
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_siteGeo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
rdbtava
 
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
rdbtava
 
Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
rdbtava
 
Brasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedadeBrasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedade
rdbtava
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
rdbtava
 
Geografia e o mundo
Geografia e o mundoGeografia e o mundo
Geografia e o mundo
rdbtava
 
Geo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_siteGeo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_site
rdbtava
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_site
rdbtava
 
Geo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_siteGeo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_site
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_okGeo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_okGeo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_okGeo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_okGeo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_ok
rdbtava
 
Geo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_siteGeo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_site
rdbtava
 

Mais de rdbtava (20)

Geo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_prontoGeo h e_7ano_cap7_pronto
Geo h e_7ano_cap7_pronto
 
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_prontoGeo h e_7ano_cap6_site_pronto
Geo h e_7ano_cap6_site_pronto
 
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizadoGeo h e_7ano_cap5_site_finalizado
Geo h e_7ano_cap5_site_finalizado
 
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_editGeo h e_7_ano_cap3_site_edit
Geo h e_7_ano_cap3_site_edit
 
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_siteGeo 7o homem_espa_o_cap1_site
Geo 7o homem_espa_o_cap1_site
 
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
Geo7ohomemespaocap1site 110301175245-phpapp02
 
Cobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasilCobertura vegetalbrasil
Cobertura vegetalbrasil
 
Brasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedadeBrasil economia-e-sociedade
Brasil economia-e-sociedade
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Geografia e o mundo
Geografia e o mundoGeografia e o mundo
Geografia e o mundo
 
Geo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_siteGeo he 8o_ano_cap2_site
Geo he 8o_ano_cap2_site
 
Geo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_siteGeo he 8ano_cap4_site
Geo he 8ano_cap4_site
 
Geo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_siteGeo he 8ano_cap3_site
Geo he 8ano_cap3_site
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
 
Geo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_okGeo h e_8o_cap12_site_ok
Geo h e_8o_cap12_site_ok
 
Geo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_okGeo h e_8o_cap11_site_ok
Geo h e_8o_cap11_site_ok
 
Geo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_okGeo h e_8o_cap10_site_ok
Geo h e_8o_cap10_site_ok
 
Geo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_okGeo h e_8o_cap9_site_ok
Geo h e_8o_cap9_site_ok
 
Geo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_okGeo h e_8o_cap8_site_ok
Geo h e_8o_cap8_site_ok
 
Geo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_siteGeo h e_8ano_cap17_site
Geo h e_8ano_cap17_site
 

Último

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
SolangeWaltre
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdfEsquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
Esquadrilhas de Ligação e Observação (ELO).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumoESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS  DE ÉPOCA- resumo
ESCOLAS LITERÁRIAS OU ESTILOS DE ÉPOCA- resumo
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 

Geo he 9ano_cap4_site

  • 1. Geografia Homem & Espaço 9º ano - Unidade II Capítulo 4 – Europa - natureza Elian Alabi Lucci e Anselmo Lazaro Branco ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 2. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe o mapa. Europa - Divisão Política - 2006 Fonte: Leda Ísola; Vera Caldini, Atlas geográfico Saraiva. São Paulo: Saraiva, 2005. p. 60/ http://europa.eu/abc/european_countries/ - acesso em janeiro de 2009 (adaptado). Sidnei Moura
  • 3. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Conversa • Qual a localização do continente europeu, considerando a principais coordenadas geográficas, os hemisférios, a zona térmica e os oceanos? • Que formações naturais determinam os limites do continente a leste?
  • 4. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva • Observe a configuração do litoral europeu. Quais os principais mares e as três maiores ilhas? • Quais continentes estão próximos da Europa?
  • 5. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O continente europeu Helsinki, capital da Finlândia, na costa do mar Báltico. Com uma área de pouco mais de 10 milhões de quilômetros quadrados, que corresponde a apenas 7% das terras emersas, a Europa é uma das menores porções continentais do globo. Estende-se do oceano Atlântico aos montes Urais (que o separam da Ásia). GavinHellier/RobertHardingWorld Imagery/Corbis/LatinStock Diferentemente dos outros continentes, as terras da Europa não estão distribuídas de forma compacta.
  • 6. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O litoral do continente europeu é extenso e bastante recortado, contém um grande números de mares, golfos, penínsulas, fiordes e outros acidentes geográficos. Facilita a construção de portos, favorecendo a utilização do transporte marítimo. Mares europeus mais importantes: • Mediterrâneo, Negro, Adriático, do Norte, Báltico, da Noruega, Egeu e Cáspio. Ao norte, em razão dos clima frios, parte do Atlântico e do Ártico congelam-se no inverno, dificultando a navegação. A Rússia é um dos países mais afetados pelas baixas temperaturas as saídas por mar para o Atlântico. As únicas com as quais pode contar, ficam congeladas durante parte do inverno.
  • 7. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Dentre as várias penínsulas, destacam-se: • a Escandinava, onde se localizam a Noruega e a Suécia; • a Jutlândia, onde se situa a Dinamarca; • a Ibérica, constituída pela Espanha e por Portugal; • a Itálica, onde se localiza a Itália; • a Balcânia ou dos Bálcãs, constituída por Bulgária, Croácia, Bósnia- Herzegovina, Sérvia e Montenegro, Macedônia, Turquia (parte europeia), Grécia e Albânia. Ilhas e arquipélagos: • no oceano Atlântico, o arquipélago Britânico, cujas maiores ilhas são a Grã-Bretanha e a Irlanda, o arquipélago dos Açores e a ilha da Islândia; • no mar Mediterrâneo, as ilhas Baleares, da Sardenha, Sicília, Córsega e de Creta; • no mar Egeu, o arquipélago Grego.
  • 8. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Eurotúnel Em dezembro de 1990, 51 metros abaixo da superfície do canal da Mancha, operários ingleses e franceses concluíram a abertura do primeiro dos três túneis previstos no projeto que liga Inglaterra à França. A idéia original da ligação entre os países foi do engenheiro francês Albert Mathieu, apresentada a Napoleão Bonaparte no século XIX Fonte: Nova Ciência , n. 21, 1994/ Agência DW-World. Disponível em: www.dw-world.de/dw/article - acesso em 13/abr./2005.
  • 9. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O relevo e a hidrografia Observe o mapa. Fonte: Atlas 2000. La France et le monde. Paris: Nathan, 1998. p. 28 (adaptado). MárioYoshida Europa - Físico
  • 10. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Conversa • Quais fronteiras naturais o mapa permite identificar entre a Europa e a Ásia? • Quais formas de relevo há no continente europeu?
  • 11. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O relevo europeu Predominam as baixas altitudes Há cadeias montanhosas com altitudes superiores a 4 mil metros (Alpes) e a 5 mil metros (Cáucaso). Formado por planaltos, cadeias de montanhas, planícies e depressões São encontrados ao norte e distribuídos pela parte central do continente. Porção central e sul do continente. A cadeia mais importante é a dos Alpes. Cerca de dois terços do relevo europeu, principalmente na parte leste e central do continente Ocorrem junto ao mar Cáspio e na Holanda, ao norte do baixo curso do rio Reno.
  • 14. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva As cadeias montanhosas foram formadas por tectonismo. A porção sul apresenta atividade sísmica e vulcânica, que é também intensa na Islândia. Além dos vulcões, há na ilha cerca de 800 fontes de água quente, chamadas gêiseres. Elas lançam água a temperaturas entre 75ºC e 100ºC e são aproveitadas para geração de energia. Na Islândia, 100% da eletricidade gerada é proveniente de fontes de energia renováveis (hidrelétrica e geotérmica ou geotermal). Arctic-Images/Corbis/LatinStock As usinas geotermais atualmente geram 845 mW da energia do país, o equivalente ao de uma usina nuclear, e respondem por um terço das necessidades do país. A maior parte dessa energia serve para aquecer as casas, a água que sai das torneiras e as estufas.
  • 15. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva As fotografias retratam a região dos Alpes, na Áustria. Klaus Hackenberg/ Zefa/ Corbis/ LatinStock Walter Geiersperger/ Corbis/ LatinStock Os Alpes estendem-se aproximadamente desde Nice até Viena, formando um grande arco, que abrange principalmente o território da Suíça e o norte da Itália, além do leste da própria Áustria.
  • 16. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Vista externa de túnel sobre os Alpes Vista interna de túnel sobre os Alpes. CEDOC CEDOC
  • 17. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva CEDOC O monte Branco, na fronteira entre a França e a Itália, é o ponto culminante dos Alpes. Em 1965 foi aberto sobre ele um túnel de mais de 11 mil metros para o trânsito de veículos. O túnel tem duas vias de 7 metros de largura, ar-condicionado e um sistema de controle de tráfego por meio de radar.
  • 18. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Além dos Alpes, destacam-se: • os Pirineus, na divisa entre a França e a Espanha; • os Apeninos, na península Itálica; • os Cárpatos, pequeno arco em torno da planície da Hungria; • os Bálcãs, na península Balcânica, entre o mar Adriático e o mar Negro; • o Cáucaso, entre o mar Negro e o mar Cáspio. As planícies mais extensas são: • a Russa; • a Germano-Polonesa • a da Hungria. Outras: planície do Pó, bacia de Paris bacia de Londres. As planícies são sedimentares, cortadas por importantes rios navegáveis e se estendem do mar do Norte aos montes Urais.
  • 19. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Pôlder na Holanda. K.M.Westermann/Corbis/LatinStock Essas construções permitiram a ampliação do território, com um avanço sobre o mar do Norte. Essas áreas conquistadas são chamadas de pôlderes, utilizados principalmente para a prática da agricultura e da pecuária. Cerca de 50% do território dos Países Baixos localiza-se abaixo do nível do mar. Desde o século XVII, os holandeses vêm construindo diques para impedir a invasão da água do mar; edificam também canais e sistemas de drenagem e bombeamento para a retirada da água de áreas pantanosas e lagos.
  • 20. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva A hidrografia Não se destacam pela grande extensão, mas pelo volume de água e sua importância como via de transporte. Apresenta cerca de 75 mil quilômetros de vias fluviais 43 500 km são constituídos por canais Principais rios: • Danúbio • Volga • Reno Os rios europeus.
  • 21. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O rio Danúbio Nasce na região da Floresta Negra, a mais de 600 m de altitude, e deságua no mar Negro. É o rio que atravessa o maior número de países europeus e serve de limites entre alguns deles. • Alemanha, Áustria, Eslováquia, Hungria, Croácia, Sérvia, Montenegro, Bulgária, Romênia e Ucrânia. • Importante via de ligação entre a parte ocidental e a parte oriental da Europa. • O Danúbio comunica com o rio Reno, através do canal de Ludwig e do rio Meno. Dos seus 2 858 km de extensão, 2 450 km são navegáveis em qualquer época do ano.
  • 22. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O rio Volga Com 3 701 km de comprimento é o mais extenso do continente. Nasce no planalto de Valdai, corre pela planície Russa e desemboca no mar Cáspio. Navegável em quase todo o seu curso; suas águas permanecem congeladas durante boa parte do ano.
  • 23. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O rio Reno • 1 350 km de extensão • Liga a parte central da Europa aos Países Baixos Junto ao seu principal afluente na Alemanha, o rio Ruhr, localiza-se o maior complexo industrial da Europa. • Nasce nos Alpes Suíços, separa a Alemanha da França, passa pelos Países Baixo e desemboca no mar Norte. • Navegável da Basileia até o mar do Norte O que permite o escoamento de vários produtos a custos bem menores do que por outras vias. Em seu curso foram construídas usinas hidrelétricas
  • 24. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Transporte de mercadorias no rio Reno, na Alemanha. O Reno comunica-se com vários rios através de canais e liga o oceano a várias regiões industriais. Isso tornou o porto de Roterdã, localizado em sua foz, um dos mais movimentados do mundo. HenningKaiser/AFP/GettyImages
  • 25. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Outros rios importantes do continente europeu : • Tejo, Douro e Minho, em Portugal; • Tejo, Douro e Ebro, na Espanha; • Sena, Loire e Ródano, na França; • Tâmisa, na Inglaterra; • Pó, Tibre e Arno, na Itália; • Vístula e Oder, na Polônia; • Elba, na República Tcheca e na Alemanha; • Don e Dnieper, na Rússia; • Dnieper, na Ucrânia e em Belarus. Os dois principais centros dispersores de água da Europa são: os Alpes e o planalto de Valdai (Rússia).
  • 26. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Os lagos da Europa A Europa apresenta numerosas regiões lacustres. Na parte europeia da Rússia, localizam-se grandes lagos, como o Ládoga (com 18 200 km², o maior da Europa) e o Onega. Os mais belos lagos da Europa localizam-se nos Alpes, com destaque para: • o de Genebra, entre a Suíça e a França; • o dos Quatro Cantões (Vierwaldstatter), o de Zurique e o de Neuchatel, na Suíça; • o de Constança, entre a Suíça e a Alemanha, que funciona como regularizador do curso do Reno; • o de Como e o de Garda, na Itália. Na península Escandinava, aparecem o Venern e o Vattern, considerados lagos residuais. Na Finlândia, existem alguns milhares de lagos, formados a partir de processos resultantes da escavação de gelerias.
  • 27. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O clima e a vegetação O continente europeu, situado quase totalmente na zona temperada do hemisfério Norte, apresenta predominantemente clima temperado. Além da posição geográfica, outros fatores são responsáveis pela determinação de seus tipos climáticos: • as correntes marinhas, • o litoral recortado, • a disposição das formas do relevo, que influi na penetração das massas de ar. Uma corrente marinha que influencia bastante o clima da Europa é a corrente do Golfo. Ela provém da zona intertropical e aquece as áreas litorâneas de vários países. O clima temperado europeu divide-se em dois tipos: temperado oceânico e temperado continental.
  • 28. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Europa – Fatores climáticos MárioYoshida Fonte: Rémy Knafou. Histoire/Geographie (initiation économique). Paris: Belin, 1992. p. 202 (adaptado).
  • 29. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O clima temperadotemperado oceânicooceânico, que ocorre na parte ocidental do continente, recebe a influência da corrente do Golfo; é úmido,com verão e inverno menos rigorosos. A amplitude térmica dessa região é menor que no interior do continente, e as chuvas, abundantes, distribuem- se de forma regular pelos 12 meses do ano, atingindo maiores quantidades no inverno. O clima temperadotemperado continentalcontinental ocorre no interior do continente e não recebe a influência do mar. Abrange as partes central e oriental da Europa, onde os verões são quentes, em contraste com o inverno, bastante rigoroso e com queda de neve; amplitude térmica, é grande, e as chuvas, bastante irregulares, caem em maior quantidade no verão e na primavera.
  • 30. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe os climogramas e o mapa dos climas da Europa. Fonte: La Geographie de l’Europe des 15. Paris: Nathan, 1998. p.11.
  • 31. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Europa - Clima SidneiMoura Fonte: La Géographie de Monde. Paris: Nathan, 2000. p. 13 (adaptado).
  • 32. Conversa • Compare os climogramas das cidades de Vardo e Atenas, considerando o outono europeu. • Que fatores determinam a maior pluviosidade e a temperatura amena na cidade de Valencia? • Atenas apresenta a temperatura mais elevada das quatro cidades. Por quê? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 33. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Os tipos climáticos temperado oceânico e temperado continental correspondem aproximadamente aos seguintes tipos de vegetação: • Floresta temperada – cobria grande extensão do território europeu; agora ficou reduzida a alguns bosques. • Landa – formação vegetal comum na Europa em áreas de solos menos férteis; esses solos correspondem às terras antes cobertas pela floresta temperada. • Turfeira – aparece onde os solos se apresentam úmidos, em virtude do fraco escoamento das águas; • Estepe – recobre as planícies e os baixos planaltos, áreas de clima temperado continental um pouco mais seco; ao norte do mar Negro, encontra-se estepe negra, que apresenta um dos tipos de solo mais férteis do globo, o tchernoziom, intensamente aproveitado para a atividade agrícola, principalmente o cultivo de trigo.
  • 35. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Floresta Temperada, norte da França. CEDOC CEDOC CEDOC Estepe negra, na Ucrânia. Landa, na Bretanha, França.
  • 37. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Parque Nacional da Doñana, Espanha, 2005. SamualAranda/AFP/GettyImages Lince ibérico, 2205. PeterArnold/OtherImages
  • 39. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva O clima frio ártico Próximo ao oceano glacial Ártico, ocorre o clima frio ártico. Durante um curto período do verão, esse tipo climático apresenta temperaturas próximas a 10°C e, no inverno, médias inferiores a 0°C. Sua vegetação predominante é a tundra, vegetação rasteira constituída por musgos e líquens. Nas áreas de elevada altitude, ocorre o frio de montanha. Nessas áreas, a vegetação modifica-se de acordo com a altitude e a conseqüente queda de temperatura nas partes mais altas. Nas proximidades do Mediterrâneo, ocorre o clima mediterrâneo. Graças à influência das massas de ar oriundas do deserto do Saara, esse tipo de clima caracteriza-se por verões quentes e secos. A época de chuvas é no inverno. As formações vegetais que correspondem ao clima mediterrâneo são o maqui e o garrigue.
  • 40. AS MASSAS DE ARAS MASSAS DE AR Ar atmosférico + Pressão + Rotação do planeta Constante movimento Variam com as estações alta pressão baixa pressão Circulação atmosférica MASSAS DE AR CLIMAS
  • 41. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Fonte: A atmosfera e a previsão do tempo. São Paulo: Melhoramentos, 1979 (adaptado).
  • 42. TIPO CLIMÁTICO ATUAÇÃO DAS MASSAS DE AR ADQUIRE CARACTERÍSTICAS DE - temperatura - pressão - umidade geralmente estáveis de seu local de origem
  • 44. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva As frentes • Ao se deslocarem, as massas de ar se encontram. Nesse contato, porém, elas não se misturam: uma exerce pressão sobre a outra, de tal forma que aquela que avança com mais intensidade faz com que a outra retroceda e acabe incorporando suas características. • A zona de contato entre duas massas de ar diferentes recebe o nome de frente ou superfície frontal. Quando a massa de ar frio avança, fazendo o ar quente recuar, trata-se de uma frente fria. Outro tipo de frente é a frente quente, que ocorre quando o ar quente avança sobre o ar frio.
  • 45. Conversa • O que são as massas de ar e como elas se formam? • O que são frentes e como elas se formam? ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva
  • 46. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Europa - Clima SidneiMoura Fonte: La Géographie de Monde. Paris: Nathan, 2000. p. 13 (adaptado).
  • 47. ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva Observe o mapa de climas da Europa e indique um país com predomínio de clima: • temperado oceânico; • temperado continental; • mediterrâneo; • frio de montanha.
  • 48. Geografia Homem & Espaço 9º ano - Unidade II Capítulo 4 – Europa - natureza Elian Alabi Lucci e Anselmo Lazaro Branco ParteintegrantedaobraGeografiahomem&espaço,EditoraSaraiva