SlideShare uma empresa Scribd logo
Esqueleto axial
http://www.imagingonline.com.br/
Esse capítulo descreve sucintamente os ossos do esqueleto axial. No final do
capítulo, encontras-se um mini-atlas e exercícios de memorização a partir de
desenhos.
2010
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi
Apoio: Instituto de Imagem em Saúde - CIMAS
14/10/2010
Figura - Figura – Fonte: RAYNES, John. Figure Drawing & Anatomy for the Artist. London:
Bounty Books, 2005, pp. 26-33.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 2
3.1 ESQUELETO AXIAL
O esqueleto axial (do latim axis = eixo) é formado pelos ossos que estão no eixo do corpo.
São eles: ossos do crânio (28 ossos); ossos da coluna vertebral (26 ossos); costelas (24
ossos), esterno (1 osso) e hióide (1 osso), totalizando 80 ossos.
Os ossos do esqueleto axial conferem proteção para os órgãos vitais, no caso do crânio que
protege o encéfalo; a caixa torácica protegendo as vísceras torácicas e parte de vísceras
abdominais e a coluna vertebral que abriga a medula espinal.
Incluiremos nesse capítulo o estudo da pelve óssea, formado por ossos do cíngulo do
membro inferior e ossos do esqueleto axial, que abriga parcialmente vísceras abdominais e
as vísceras pélvicas.
3.2 CRÂNIO
O crânio está localizado na parte superior do esqueleto axial. Desenvolve-se do mesênquima
embrionário localizado ao redor do encéfalo. Consiste em duas regiões diferentes: o
neurocrânio e o víscerocrânio.
A posição anatômica de estudo do crânio é definida por uma linha transversal, de sentido
ântero-posterior, que passa abaixo da margem infra-orbital e acima do meato acústico
externo, denominada de linha órbito-meática (de “Frankfurt”).
O crânio protege a parte central do sistema nervoso, órgãos dos sentidos (audição, visão,
olfato e gustação), vasos sangüíneos e nervos.
A parte superior do crânio, revestida externamente pelo couro cabeludo, é denominada de
calvária (veja adiante).
A cavidade do crânio (cavidade craniana) abriga o encéfalo, nervos, meninges e vasos
sanguíneos. O soalho desta cavidade é denominado de base do crânio (veja adiante.
As órbitas são duas cavidades encontradas na região anterior do crânio. Abrigam o bulbo do
olho (globo ocular), aparelho lacrimal, músculos associados, vasos sangüíneos e nervos. É
formada pelos ossos: frontal, maxila, lacrimal, zigomático, esfenóide, etmóide e palatino
A abertura piriforme (do latim pirum = pêra, formis = forma) é uma abertura mediana que dá
acesso à cavidade nasal.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 3
Diversas aberturas (forames, canais ou meatos) são encontradas no crânio, permitindo a
passagem de estruturas (de fora para dentro ou vice-versa), as principais são:
Abertura Conteúdo Localização
canal óptico nervo óptico, artéria central da retina esfenóide
fissura orbitária superior
vasos supra-orbitais e
esfenóide
nervos: oculomotor, troclear e abducente
fissura orbitária inferior vasos infra-orbitais e nervo maxilar esfenóide
forame redondo nervo maxilar esfenóide
forame oval nervo mandibular esfenóide
forame espinhoso vasos meníngeos médios esfenóide
forame lacerado obliterado por cartilagem temporal
forame estilomastóideo nervo facial temporal
canal carótico artéria carótida interna e plexo carotídeo temporal
forame jugular
veia jugular interna e temporal e
occipitalnervos: glossofaríngeo, vago e acessório
canal do nervo
hipoglosso nervo hipoglosso occipital
forame magno
bulbo, medula espinal, meninges, vasos
espinais, raiz cervical do nervo acessório occipital
meato acústico interno nervos: vestibulococlear e facial temporal
lâmina cribriforme nervos olfatórios etmóide
forame supra-orbital vasos e nervos supra-orbitais frontal
forame infra-orbital vasos e nervos infra-orbitais frontal
forame da mandíbula vasos e nervo alveolares inferiores mandíbula
forame mentual vasos e nervos mentuais mandíbula
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 4
3.3 CALVÁRIA
É a parte superior do crânio, também conhecida como abóbada craniana. É constituída pelos
ossos: parietais, frontal, occipital e temporal. As suturas são as articulações que promovem a
união dos ossos da calvária. A sutura sagital localizada entre os ossos parietais (sofre
sinostose entre 20º e 30º ano de vida); sutura coronal localizada entre os ossos frontal e
parietais (sofre sinostose entre 30º e 40º ano de vida); sutura lambdóidea localizada entre
os ossos occipital e parietal (sofre sinostose entre 40º e 50º ano de vida).
No crânio do recém-nascido, existe uma grande quantidade de tecido fibroso nessas áreas,
formando os fontículos do crânio. São seis fontículos: anterior (bregmático), posterior
(lambdóide), ântero-lateral (esfenoidal) e póstero-lateral (mastóideo). Quase todos os
fontículos sofrem sinostose no primeiro ano de vida, sendo o fontículo anterior o que mais
tarda a desaparecer, seu fechamento ocorre por volta do 2º ao 3º ano de vida.
A calvária contém diversos forames diminutos, por onde passam veias, conhecidas como
veias emissárias, comunicando o sistema venoso intracraniano com o sistema venoso
extracraniano.
O revestimento externo da calvária é o couro cabeludo, formado por cinco camadas. A
camada mais externa é formada pela pele; subjacente a ela a camada de tecido conectivo
denso; aponeurose (gálea aponeurótica); tecido conectivo frouxo, que permite a mobilidade
das três camadas localizadas superficialmente, nessa camada localiza-se as veias emissárias;
e o pericrânio.
3.4 BASE DO CRÂNIO
Região óssea que serve de apoio para o encéfalo. A base do crânio é irregular e contém
diversas aberturas (forames) para passagem de vasos e nervos (listados na tabela 1). É
dividida em três fossas: anterior, média e posterior, que não estão no mesmo plano
horizontal.
A fossa anterior do crânio, mais elevada, é constituída pelos ossos: frontal, etmóide e
esfenóide. A lâmina cribriforme se localiza no osso etmóide, permite a passagem as fibras do
nervo olfatório (NC I). Sobre essa fossa repousa os lobos frontais do telencéfalo.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 5
A fossa média do crânio é constituída pelos ossos: esfenóide, temporais e parte dos
parietais. O detalhe anatômico mais evidente é a sela turca, localizada no osso esfenóide,
que abriga a hipófise. Apoiada nessa fossa encontra-se os lobos temporais do telencéfalo.
A fossa posterior do crânio, formada pelos ossos temporais e occipital, abriga o cerebelo e o
tronco encefálico. Seu detalhe anatômico marcante é a maior abertura do crânio, o forame
magno.
3.5 NEUROCRÂNIO
Parte do crânio formada por ossos que protegem o encéfalo. Os ossos que formam o
neurocrânio são:
- Frontal: osso ímpar localizado anteriormente, formando: a fronte (“testa”), margem superior
e teto da órbita. Classificado como: laminar e pneumático (presença do seio frontal). Protege
os lobos frontais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso).
- Parietal: ossos pares, laminares, localizados na parte superior e lateral do crânio, protegem
parte dos lobos frontais e parietais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso).
- Occipital: osso ímpar, localizado na parte posterior e inferior do crânio (acima da nuca).
Classificado como laminar, apresenta o maior forame do crânio, denominado de forame
magno. Protege os lobos occipitais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso), cerebelo
e parcialmente o tronco encefálico.
- Temporal: ossos pares localizados na parte lateral do crânio. São ossos irregulares e
pneumáticos (contêm as células mastóideas). No interior dos ossos temporais estão
localizadas as partes média e interna das orelhas. A parte média (denominada de cavidade
timpânica) abriga os ossículos da audição: martelo, bigorna e estribo (sendo encontrado um
exemplar de cada osso em cada uma das orelhas). A parte interna da orelha é denominada
de labirinto e contém o órgão vestibulococlear, responsável pela posição da cabeça no
espaço (proporcionando equilíbrio) e a audição. O osso temporal protege os lobos temporais
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 6
(telencéfalo – parte central do sistema nervoso) e se articula com o osso móvel do crânio, a
mandíbula, constituindo a articulação temporomandibular (= ATM).
- Esfenóide: osso ímpar, irregular e pneumático (seio esfenoidal), se estende de um lado ao
outro do crânio. Possui projeções nas regiões: laterais, inferior e interna do crânio. Forma
parte da parede da cavidade nasal e da órbita. Na parte interna do crânio, no osso
esfenóide, localiza-se a sela turca, cujo local abriga a hipófise. Protege parte dos lobos
temporais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso).
- Etmóide: osso ímpar, irregular e pneumático (células etmoidais). Localiza-se na fossa
anterior do crânio. Forma parte do teto da cavidade nasal, o qual possui diversas e diminutas
aberturas (lâmina cribriforme, do latim cribum = peneira), que dá passagem as fibras
nervosas do nervo olfatório. Na parede lateral da cavidade nasal, projeções do osso etmóide
são encontradas, denominadas de conchas nasais: superior e média. Em alguns casos ocorre
a presença de uma concha nasal extra, localizada superiormente à concha nasal superior,
sendo denominada de concha nasal suprema. A lâmina perpendicular é uma projeção óssea
direcionada para a cavidade nasal, localizada próximo a linha mediana. Esta lâmina se
articula com o osso vômer, formando a parte óssea do septo nasal.
3.6 VISCEROCRÂNIO
Parte do crânio formada por ossos que constituem as aberturas do sistema respiratório e
digestório. Denominado de esqueleto facial. Os ossos do viscerocrânio são:
- Nasal: ossos pares, laminares, encontrados superiormente à abertura piriforme.
- Lacrimal: ossos pares, laminares, localizados na parede medial da órbita.
- Zigomático: ossos pares que formam as projeções maciças na região ínfero-lateral da órbita.
O osso zigomático se articula com o osso temporal por meio de uma projeção: processo
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 7
temporal do osso zigomático, a parte do osso temporal que se articula com o osso zigomático é
denominada de processo zigomático do osso temporal. Ambos os processos (zigomático e
temporal) formam o arco zigomático.
- Maxila: ossos pares, irregulares, pneumáticos (presença do seio maxilar). Serve de fixação
para o arco dental maxilar (superior), e forma grande parte do soalho da órbita. Em sua região
inferior, apresenta uma grande projeção: processo palatino da maxila, esse processo se articula
com as lâminas horizontais do osso palatino, constituindo o palato ósseo (2/3 anteriores do
palato ósseo são formados pelas maxilas, sendo o 1/3 posterior pelos ossos palatinos).
- Concha nasal inferior: ossos pares, irregulares, localizados na parede lateral da cavidade
nasal. Das três conchas nasais (superior, média e inferior), as conchas nasais inferiores são as
maiores.
- Palatino: ossos pares, irregulares, localizados posteriormente às maxilas. Os ossos palatinos
possuem a forma de uma letra “L”, a projeção vertical é denominada de lâmina perpendicular
e, a projeção horizontal é denominada de lâmina horizontal (forma parte do palato ósseo, ver
anteriormente na maxila). Uma pequena projeção do osso palatino é encontrada no soalho da
órbita (processo orbital), outra pequena projeção se localiza na região inferior do processo
pterigóide do osso esfenóide, essa projeção do osso palatino é denominada de processo
piramidal.
- Vômer: pequeno osso ímpar, laminar, localizado na cavidade nasal. Articula-se com o osso
esfenóide e com a lâmina perpendicular do osso etmóide (formando a parte óssea do septo
nasal, ver anteriormente osso etmóide).
- Mandíbula: osso ímpar, irregular, localizado na região inferior do esqueleto facial. Único com
movimento apreciável no crânio. Articula-se com os ossos temporais, formando as articulações
temporomandibulares (ATMs). Em seu corpo está fixo o arco dental mandibular (inferior). O
ângulo da mandíbula é o local entre o corpo e o ramo. Nas partes externa e interna do ângulo
da mandíbula estão as tuberosidades: massetérica e pterigóidea, respectivamente. O ramo da
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 8
mandíbula se divide superiormente em dois processos: coronóide (anterior) e condilar
(posterior).
3.7 SEIOS PARANASAIS
São cavidades, encontradas no interior dos ossos do crânio, que se comunicam com a cavidade
nasal. São eles: frontal, maxilar (maior dos seios paranasais), esfenoidal e as células etmoidais.
3.8 OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO
Ossos localizados no interior do osso temporal (orelha média), que auxiliam a audição. São
eles: martelo, bigorna e estribo. Identificar: martelo, bigorna e estribo.
3.9 OSSO HIÓIDE
Localizado no pescoço, não se articula com nenhum outro osso, desenvolve-se com o crânio,
permanecendo a ele conectado por músculos e ligamentos.
3.10 CRÂNIO DO RESCÉM-NASCIDO E ALTERAÇÕES PÓS-NATAL
No crânio do recém-nascido o neurocrânio é predominante em relação ao viscerocrânio,
pois acompanha o desenvolvimento do sistema nervoso, enquanto que o viscerocrânio
desenvolverá posteriormente, sendo estimulado o desenvolvimento pela ação dos músculos
da expressão facial durante o processo de amamentação.
Os ossos da calvária do recém-nascido são delgados e separados por flexíveis e resistentes
membranas ao longo das linhas de sutura do crânio, denominadas de fontículos. São seis
fontículos, dois pares: fontículo ântero-lateral e póstero-lateral e os fontículos ímpares:
anterior e posterior. A obliteração dos fontículos ocorre a partir do terceiro mês após
nascimento. Após o segundo ano, em cerca de 90% dos casos, todos os fontículos sofrem o
processo de sinostose (calcificação), sendo o fontículo anterior o último desaparecer. O
bregma e o lambda representam respectivamente o ponto de fusão dos fontículos anterior e
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 9
posterior; o ptério e o astério são os locais onde ocorreu o fechamento dos fontículos
ântero-lateral e póstero-lateral, respectivamente. Nos dois primeiros anos de vida a calvária
aumenta rapidamente, concluindo sua expansão total por volta dos 16 anos de idade. Após
esse período ocorre o aumento de sua espessura.
As articulações fibrosas do tipo sutura do crânio do recém-nascido permite seu crescimento,
assim como as sincondroses, principalmente a esfenoccipital (crescimento ântero-posterior
do crânio). A face se desenvolve rapidamente, estimulada pela musculatura durante o
processo de sucção, que ocorre na amamentação; pela erupção dos dentes decíduos
(primeira dentição); expansão dos seios paranasais, alterando a forma da face e a
ressonância da voz.
Os ossos frontais, em número de dois, são separados por uma sutura (articulação fibrosa),
denominada de sutura frontal mediana (metópica), que geralmente do quinto ao oitavo ano
de vida sofre a sinostose, não persistindo no adulto.
O osso esfenóide se articula com o osso occipital por meio de uma cartilagem hialina,
formando a articulação esfenoccipital (uma sincondrose interóssea), que inicia o processo de
calcificação após a puberdade, completando esse processo por volta dos 24 anos de vida.
As maxilas são curtas e largas. A parte alveolar possui cinco grandes alvéolos, com grandes
dentes decíduos. Crescimento posterior ocorre mais no sentido vertical, devido ao
desenvolvimento dos seios maxilares, principalmente.
Nos ossos temporais, o processo mastóide não está desenvolvido, o que expõe o nervo
facial, tornando-o susceptível a lesões principalmente no momento do parto (por fórceps),
seu crescimento ocorre nos três primeiro anos de vida.
A mandíbula é constituída de duas metades ósseas unidas por tecido fibroso que constitui a
sínfise da mandíbula, a ossificação desta sínfise ocorre após o primeiro e segundo ano de
vida. A parte alveolar apresenta dentes decíduos e alguns já permanentes, em seu interior.
Os ângulos da mandíbula são curtos e em ângulos obtusos (140º).
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 10
3.11 COLUNA VERTEBRAL
A coluna vertebral é um pilar ósseo mediano, se articula com o crânio e costelas, fixa-se nos
cíngulos dos membros superiores e inferiores. Suporta o peso do tronco e o distribui para os
membros inferiores. Protege a medula espinal, vasos sangüíneos, gânglios e nervos espinais.
Confere mobilidade para o tronco.
As unidades ósseas que formam a coluna vertebral são denominadas de vértebras
(espôndilo), em número de 33 são distribuídas nas regiões da coluna. Comumente a
referência das vértebras é feito por abreviação (região da coluna + número da vértebra em
algarismos romanos), exemplo: vamos nos referir a quinta vértebra cervical (CV) = C (região
cervical) V (cinco em romano). Todas as vértebras são ossos irregulares.
- Região cervical (contendo sete vértebras cervicais): região de grande mobilidade estende-
se de CI até CVII.
- Região torácica (contendo doze vértebras torácicas): região da coluna com restrição da
mobilidade devido às articulações com as costelas. Cada vértebra torácica se articula com
um par de costelas, estende-se de TI até TXII.
- Região lombar (contendo cinco vértebras lombares): região da coluna vertebral que recebe
todo o peso do tronco, devido a esse fato suas vértebras são as mais robustas e maiores da
coluna vertebral, estende-se de LI até LV.
- Região sacral (contendo cinco vértebras sacrais): as vértebras sacrais sofrem sinostose
formando um único osso mediano, denominado de sacro, estende-se de SI até SV.
- Região coccígea (contendo quatro vértebras coccígeas): atrofia da cauda, as vértebras
coccígeas sofrem sinostose com a idade, formando o cóccix. Estende-se de CoI até CoIV.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 11
3.12 CURVATURAS FISIOLÓGICAS DA COLUNA VERTEBRAL
A coluna vertebral quando analisada em vista anterior ou posterior, não deve apresentar
desvios ou curvaturas, entretanto, em vista lateral (perfil), a coluna vertebral apresenta
curvas fisiológicas, que conferem a ela o aumento da resistência, melhora a distribuição de
carga, evitando compressões.
São quatro curvaturas fisiológicas da coluna vertebral:
- Cifoses: curvaturas com a concavidade anterior. São encontradas nas regiões: torácica e
sacrococcígea.
- Lordoses: curvaturas com a concavidade posterior. São encontradas nas regiões: cervical e
lombar.
As cifoses são denominadas de curvaturas primárias da coluna vertebral, pois mantém o
lado côncavo voltado anteriormente, da mesma maneira que é encontrado no feto.
As lordoses são denominadas de curvaturas secundárias da coluna vertebral, pois a
concavidade se inverteu em relação ao feto (concavidade voltada posteriormente). A
lordose cervical começa a aparecer por volta de quatro meses de vida, quando a criança
começa a controlar o movimento da cabeça. A lordose lombar inicia seu desenvolvimento
por volta do final do primeiro ano de vida da criança, quando esta assume a posição bípede.
As cifoses e lordoses tendem a se acentuar com o avançar da idade, tornado a coluna
vertebral do idoso mais arqueado.
As vértebras apresentam características comuns, particularidades são encontradas em cada
região da coluna, podendo desta forma reconhecer a região que a vértebra pertence.
As características gerais das vértebras típicas são:
- Corpo vértebra: parte anterior e robusta da vértebra, ocorre aumento no tamanho e
volume dos corpos vertebrais quanto mais inferior estiver a vértebra. O corpo vertebral é a
estrutura da vértebra responsável pelo suporte de peso;
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 12
- Arco vertebral: formado por traves ósseas que se prendem no corpo vertebral e delimitam
um orifício central, denominado de forame vertebral. O arco vertebral protege a medula
espinal, meninges, vasos sangüíneos e nervos. A parte do arco vertebral preso ao corpo
vertebral é denominada de pedículo da vértebra. Posteriormente, duas projeções ósseas, as
lâminas se encontram para formar o processo espinhoso da vértebra.
- Sete processos se projetam do arco vertebral: (2) processos articulares superiores; (2)
processos articulares inferiores; (2) processos transversos; (1) processo espinhoso. Os
processos articulares superiores se articulam com os processos articulares inferiores (uma
vértebra superior com uma vértebra inferior), são articulações móveis, que conferem
liberdade de movimento para a coluna vertebral. Os processos transversos e espinhoso
servem de fixação ligamentar e muscular, atuando como alavancas para o movimento.
Quando as vértebras estão articuladas, sobrepostas, os forames vertebrais formam o canal
vertebral (ocupado pela medula espinal, meninges, vasos sangüíneos e nervos). Observe
entre os pedículos das vértebras a formação do forame intervertebral, local que dá
passagem para o nervo espinal.
3.13 VÉRTEBRAS CERVICAIS
Possuem o menor corpo vertebral, com exceção da primeira e sétima, as vértebras cervicais
apresentam o processo espinhoso bífido, forame transversário (localizado no processo
transverso) e presença do processo uncinado no corpo das vértebras. As vértebras CI, CII e
CVII são vértebras atípicas, com características diferentes das vértebras CIII, CIV, CV e CVI
(vértebras típicas).
- Atlas (primeira vértebra cervical): recebeu esta denominação pela comparação feita com o
gigante mitológico Atlas, que foi amaldiçoado por Zeus a carregar o mundo sobre os ombros,
a primeira vértebra cervical sustenta o crânio. A vértebra CI não apresenta corpo vertebral e
processo espinhoso. É formada por duas massas laterais, unidas por dois arcos: anterior e
posterior. O arco anterior do atlas se articula com o dente do áxis. Nas massas laterais se
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 13
encontram as faces articulares superiores para o osso occipital e, as faces articulares
inferiores para a articulação com o áxis.
- Áxis (segunda vértebra cervical): por apresentar o dente (corpo da vértebra atlas que
calcificou no áxis), forma um eixo para a rotação do atlas (do latim axis = eixo). O dente do
áxis se articula com o arco anterior do atlas, é a característica marcante desta vértebra.
- De CIII até CVI: são vértebras típicas, possuindo as características gerais das vértebras.
- Vértebra proeminente (CVII): possui o processo espinhoso sem bifurcação, longo e afilado.
Quando flexionamos o pescoço, seu processo espinhoso torna-se saliente na região da nuca,
o que lhe valeu o nome de vértebra proeminente. Na maior parte dos casos não apresenta
forames transversários, estando estes presentes nos casos de variações anatômicas.
3.14 VÉRTEBRAS TORÁCICAS
As vértebras torácicas se articulam com um par de costelas, um estudo pormenorizado
diferencia as vértebras torácicas em típicas (de TII até TVIII) e atípicas (TI, TIX, TX, TXI e TXII),
nossa pretensão não é realizar este estudo detalhado, o aluno deverá recorrer a tratados de
anatomia se desejar verificar tais detalhes, trataremos as características anatômicas das
vértebras de acordo com a maioria delas (típicas).
As vértebras torácicas apresentam um corpo vertebral em forma de coração (cordiforme). O
processo espinhoso é afilado e inclinado inferiormente, sobrepondo-se. No corpo vertebral e
nos processos transversos encontram-se as fóveas costais, locais de articulação entre as
costelas e as vértebras. No corpo vertebral são duas fóveas costais (superior e inferior), que
recebem as cabeças das costelas. Nos processos transversos estão as fóveas costais do
processo transverso, local que se articula com o tubérculo da costela (discutiremos mais
adiante, ver costelas, como cada costela se articula com as vértebras torácicas). Vale
ressaltar que as últimas vértebras torácicas (vértebras de transição para a região lombar),
apresentam características semelhantes às vértebras lombares (corpo vertebral em forma
de rim, riniforme, processo espinhos quadrangular e pouco inclinado inferiormente).
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 14
3.15 VÉRTEBRAS LOMBARES
São as vértebras que possuem os maiores corpos vertebrais, em forma de rim (riniforme).
Seus processos espinhosos são quadrangulares, os processos transversos desenvolvem-se
embriologicamente do elemento costal e, desta maneira, é homólogo a uma costela, sendo
denominado de processo costiforme. Na parte posterior dos processos articulares superiores
são encontrados os processos mamilares, que servem de inserção para os músculos do
dorso.
3.16 VÉRTEBRAS SACRAIS
As cinco vértebras sacrais, na idade adulta, sofrem sinostose e, desta forma, formam o osso
sacro. O sacro articula-se superiormente com LV (articulação lombossacral), com os ossos do
quadril lateralmente (articulações sacroilíacas) e com o cóccix inferiormente (articulação
sacrococcígea). A fusão das vértebras origina um osso curvo, de concavidade anterior, esta
concavidade é a face pélvica do sacro, enquanto que o lado convexo é denominado de face
dorsal. Nas faces pélvica e dorsal localizam-se os forames sacrais anteriores e posteriores
(respectivamente). Na margem anterior da superfície superior do corpo da primeira vértebra
sacral se localiza o promontório do sacro. Os forames vertebrais fundidos formam o canal
sacral (neste local não há a presença da medula espinal, apenas do saco dural, filamento
terminal e cauda eqüina). Na face dorsal do sacro observa-se a fusão dos processos
espinhosos, formando a crista sacral mediana, que na região mais inferior é interrompida
por uma fenda, denominada de hiato sacral.
3.17 VÉRTEBRAS COCCÍGEAS
Fundem-se na idade adulta para formar o osso cóccix, um osso pequeno e triangular,
localizado na região mais inferior da coluna vertebral. Articula-se superiormente com o osso
sacro. Não participa na sustentação do peso, embora, na posição sentada, pode receber
alguma parte da carga. O cóccix serve de fixação para alguns músculos e ligamentos.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 15
3.18 VARIAÇÕES NAS VÉRTEBRAS
São influenciadas por fatores como etnia, gênero, genética e ambiente. Variações são mais
freqüentes nas 24 vértebras pré-sacrais (regiões cervical, torácica e lombar). O aumento no
número de vértebras ocorre mais no gênero masculino e, a diminuição no número de
vértebras é mais encontrada no gênero feminino. Geralmente, quando ocorre o aumento do
número de vértebras pré-sacrais em uma região, há um decréscimo compensatório no
número de vértebras em outra região (exemplo: aumenta o número de vértebras torácicas,
diminuindo proporcionalmente o número de vértebras lombares). Quando o aumento do
número de vértebras pré-sacrais ocorre sem que o decréscimo aconteça, gera o
alongamento da região pré-sacral provocando sobrecarga na região lombar. Em
aproximadamente 5% das pessoas, LV é incorporada (calcificada) ao osso sacro, condição
denominada de sacralização de LV. Com praticamente a mesma freqüência, a primeira
vértebra sacral pode se desprender do restante do sacro e se calcificar com a LV, esta
condição é denominada de lombarização de SI.
3.19 ENVELHECIMENTO DA COLUNA VERTEBRAL
O crescimento da coluna é acelerado, por volta dos 15 anos a velocidade diminui, concluindo
o crescimento na faixa entre 18 e 25 anos de idade. A resistência e densidade dos corpos
vertebrais diminuem com o avançar da idade, modificando o formado desta região da
vértebra. Esta deformidade torna as vértebras mais arqueadas, aumentando as curvaturas
da coluna vertebral, levando a diminuição da estatura no idoso.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 16
3.20 ESQUELETO DO TÓRAX
É constituído por um esqueleto osteocartilagíneo formado: posteriormente pelas doze
vértebras torácicas; póstero-látero-anteriormente por doze pares de costelas e suas
cartilagens costais; anteriormente pelo osso esterno. Quando estas peças estão articuladas
constituem a caixa torácica.
A caixa torácica desempenha papel importante na mecânica respiratória (ver capítulo
referente ao sistema respiratório) e proteção dos órgãos torácicos, abrigados na cavidade
torácica (parte interna da caixa torácica). Superiormente a caixa torácica apresenta a
abertura superior do tórax; delimitada pelas margens superiores de TI, primeira costela e
osso esterno; local de passagem de grandes vasos, nervos e vísceras. Na parte inferior, a
abertura inferior do tórax é delimitada pela TXII, 11º e 12º pares de costelas, cartilagens
costais unidas das 7ª até a 10ª costelas (formando as margens costais) e o processo xifóide.
Nesta abertura encontramos o músculo diafragma, que separa completamente a cavidade
torácica (localizada superiormente), da cavidade abdominal (localizada inferiormente). A
passagem de estruturas anatômicas do tórax para o abdome se faz por aberturas no
músculo diafragma, que serão discutidas no capítulo do sistema muscular.
Os espaços entre as costelas são denominados de espaços intercostais, são onze espaços
intercostais que contêm músculos, nervos, artérias e veias intercostais.
3.21 COSTELAS
São doze pares de ossos alongados que se articulam posteriormente com as vértebras
torácicas. A parte da costela que se articula com o corpo da vértebra é denominado de
cabeça da costela, enquanto que a região da costela que se articula com o processo
transverso das vértebras torácicas é denominado de tubérculo da costela. Estudos
pormenorizados podem ser feitos para distinguir diferenças entre as costelas, são
consideradas costelas típicas do 3º até o 9º pares, e atípicas 1º. 2º, 10º, 11º e 12º.
A cabeça da costela típica se articula com a fóvea superior do corpo da vértebra
correspondente e com a fóvea inferior da vértebra sobrejacente (cabeça da 5ª costela se
articula com a fóvea costal superior de TV e, com a fóvea costal inferior de TIV).
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 17
O tubérculo da costela típica se articula com a fóvea do processo transverso da vértebra
torácica correspondente.
As costelas podem ser classificadas em: verdadeiras, falsas e flutuantes.
- costelas verdadeiras (vertebrocostais): do 1º ao 7º pares, são costelas que suas cartilagens
se articulam diretamente com o osso esterno;
- costelas falsas (vertebrocondrais ou espúrias): do 8º ao 10º pares, são costelas que suas
cartilagens se articulam com as cartilagens de costelas suprajacente (exemplo: cartilagem
costal da 8º costela se articula com a cartilagem costal da 7º costela);
- costelas flutuantes (vertebrais ou livres): 11º e 12º pares, são costelas que estão
articuladas apenas posteriormente com as vértebras, suas cartilagens costais não se
articulam com o esterno ou com outras cartilagens costais.
3.22 ESTERNO
É um osso laminar, de posição mediana anterior no esqueleto torácico (esterno do grego
sternon = peito). Articula-se com as clavículas e com as cartilagens costais dos sete primeiros
pares de costelas. É constituído de três partes: manúbrio (parte superior e dilatada), o corpo
(parte média) e o processo xifóide (parte inferior). Entre o manúbrio e o corpo se localiza o
ângulo do esterno. O osso esterno está muito próximo a pele e pode ser facilmente palpado.
Sua substância compacta é delgada, podendo assim ser puncionado por uma agulha para
aspiração da medula óssea. Lateralmente ao ângulo do esterno pode ser palpada a segunda
costela, desta forma, este ângulo se torna um ponto anatômico importante para contagem
das costelas e espaços intercostais (espaços entre as costelas).
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 18
3.23 PELVE ÓSSEA
Pelve (do latim pélvis = bacia) é formada pelos ossos do quadril, sacro e coccíx articulados.
Localizada na parte inferior do tronco, ladeada pelo cíngulo do membro inferior,
desempenha funções como: proteção das vísceras pélvica, suporte para as vísceras
abdominopélvicas, fixação para os órgãos genitais externos e músculos que formam o soalho
pélvico.
A pelve óssea é subdividida em duas: pelve maior e a pelve menor. Ambas possuem
aberturas superior e inferior. A abertura inferior da pelve maior coincide com a abertura
superior da pelve menor. A separação entre as pelves, maior e menor, é feita por uma linha
que segue a: margem superior da sínfise púbica, linha pectínea, linha arqueada (juntas as
linhas pectínea e arqueada formam a linha terminal), asa do sacro e promontório do sacro,
delimitando a abertura superior da pelve (estreito superior da pelve).
A pelve maior (falsa) localiza-se acima da abertura superior da pelve, limitada póstero-
lateralmente pelas asas dos ossos ilíacos e, posteriormente pela primeira vértebra sacral.
Protege vísceras abdominais.
A pelve menor (verdadeira) situa-se entre as aberturas superior e inferior da pelve (abertura
inferior, ou estreito inferior da pelve é limitada lateralmente pelos túberes isquiáticos,
anteriormente pela sínfise púbica e posteriormente pelo ápice do osso cóccix). Inclui a
cavidade pélvica entre essas aberturas protegendo as vísceras pélvicas, por isto a pelve
menor é denominada de verdadeira.
Medidas importantes em ginecologia e obstetrícia são tomadas da abertura superior da
pelve (pelvimetria), utilizadas para o parto natural. Utilizando pontos de referências ósseas
podem ser traçados três diâmetros: ântero-posterior (conjugado); conjugado obstétrico e
conjugado diagonal.
- Diâmetro ântero-posterior (conjugado): traçado da margem superior da sínfise púbica até o
promontório do sacro, mede aproximadamente 11cm de comprimento.
- Diâmetro conjugado obstétrico: (menor distância entre a sínfise púbica e o promontório), é
traçado da parte média da sínfise púbica até o promontório do sacro, com
aproximadamente 10,5cm de comprimento.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 19
- Diâmetro conjugado diagonal: traçado da margem inferior da sínfise púbica até o
promontório do sacro sacral, com aproximadamente 12cm de comprimento.
Na abertura inferior da pelve dois diâmetros são avaliados: ântero-posterior e o transverso.
- Diâmetro ântero-posterior: estende-se da sínfise púbica até o cóccix, possuindo
aproximadamente 9,5cm de comprimento.
- Diâmetro transverso: estende-se de um túber isquiático até o outro, medindo
aproximadamente 11cm de comprimento.
3.24 DIFERENÇAS SEXUAIS DA PELVE ÓSSEA
As características ósseas da pelve óssea do homem são mais marcantes, possuindo sulcos,
fissuras e linhas mais proeminentes. No entanto, a pelve óssea feminina, deve ser mais larga
permitindo assim a passagem do feto no momento do parto. Algumas características
importantes são observadas entre as pelves:
PELVE ÓSSEA MASCULINA PELVE ÓSSEA FEMININA
Pelve maior profunda Pelve maior superficial
Pelve menor estreita Pelve menor larga
Abertura superior em forma de coração Abertura superior arredondada e larga
Abertura inferior pequena Abertura inferior grande
Menos inclinada anteriormente Mais inclinada anteriormente
Ângulo subpúbico menor ou igual que 70º Ângulo subpúbico maior ou igual que 80º
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 20
3.25 PELVE ÓSSEA DO RECÉM-NASCIDO
Ao nascimento, os aspectos estruturais que constituem o dimorfismo sexual da pelve óssea
do adulto estão ausentes. A forma geral da pelve do recém-nascido é a de um cone. O
comprimento é um pouco maior, em proporção aos diâmetros máximos: ântero-posterior e
transverso do que no adulto. O diâmetro ântero-posterior da pelve verdadeira é de cerca de
2,8cm e, o diâmetro transverso atinge aproximadamente 2,2 cm. O sacro forma uma maior
parte da circunferência pélvica no recém-nascido do que no adulto. A asa do ílio é espessa e
arredondada, estendendo-se para cima.
A pelve cresce rapidamente nos primeiros anos de vida e após a criança assumir a postura
bípede as alterações da forma da pelve são tênues. As diferenças entre os gêneros da pelve
óssea aparecem na puberdade, resultando na mulher um canal razoavelmente largo,
preparando-a para o parto natural.
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 21
3.26 Mini-atlas
As imagens anatômicas facilitam a compreensão do texto. Estude as imagens abaixo e releia
o texto descrito anteriormente, esse procedimento facilitará o aprendizado. As imagens do
mini-atlas foram produzidas por: Prof.Me. Leandro Nobeschi; Profa. Me. Paula C. G.
Gonzales e Prof. Me. Paulo M. Gonzales.
3.26.1 Vista anterior do crânio (norma frontal)
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 22
3.26.2 Vista inferior do crânio (Norma basilar)
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 23
3.26.3 Vista lateral (Norma lateral)
3.26.4 Corte sagital paramediano
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 24
3.26.5 Base interna do crânio – vista superior (Fonte: Netter, Atlas de Anatomia Humana,
2007. Modificado)
3.26.6 Fontículos
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 25
3.26.7 Mandíbula
3.26.8 Ossículos da audição
3.26.9 Osso hióide
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 26
3.26.10 Caixa torácica
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 27
3.26.11 Osso esterno
3.26.12 Costela
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 28
3.26.13 Vértebras
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 29
3.26.14 Sacro e cóccix
Vista anterior – pélvica Vista posterior - dorsal
3.26.15 Pelve óssea
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 30
3.27 Exercício de memorização prática
Com o auxílio do atlas de anatomia preencha o nome dos acidentes ósseos indicados nas figuras abaixo. Esse
exercício auxilia a memorização. Você pode tentar preencher inicialmente sem o auxílio do Atlas de Anatomia,
caso tenha dúvidas ou não consiga lembrar a estrutura, procure em seu livro. Ao finalizar esse exercício a
nomenclatura tornar-se mais fácil. Faça a lápis, assim você poderá apagar e preencher novamente.
COMPONENTES DE UMA VÉRTEBRA TÍPICA
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 31
VÉRTEBRAS CERVICAIS
Nome da vértebra__________________________
Nome da vértebra__________________________
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 32
Vértebra cervical típica
Vértebra torácica típica
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 33
Vértebra lombar
SACRO – VISTA ANTERIOR SACRO – VISTA POSTERIOR
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 34
ESTERNO
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 35
CRÂNIO – VISTA ANTERIOR
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 36
CRÂNIO – VISTA SUPERIOR
CRÂNIO – VISTA LATERAL
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 37
CRÂNIO – BASE INTERNA
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 38
CRÂNIO – BASE EXTERNA
Esqueleto axial
Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 39
2.10 REFERÊNCIAS
DI DIO, John Alphonse Liberato. Tratado de Anatomia Sistêmica Aplicada. São Paulo:
Atheneu, 2002.
DRAKE, Richard L; VOGL, Wayne; MITCHELL, Adam W. M. Gray: anatomia para estudantes.
Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
FERNANDES, Geraldo José Medeiros. Eponímia: glossários de termos epônimos em
anatomia. Etimologia: dicionário etimológico da nomenclatura anatômica. São Paulo:
Plêiade, 1999.
GARDNER, Ernest; GRAY, Donald J; O´RAHILLY, Ronan. Anatomia: estudo regional do corpo
humano. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.
GOSS, Charles Mayo. Gray Anatomia. 29.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988.
MOORE, Keith L; DALLEY, Arthur F. Clinically Oriented Anatomy. 5.ed. Toronto: Lippincott
Williams & Wilkins, 2006.
AUTOR
Prof. Me. Leandro Nobeschi
Fisioterapeuta – Universidade do Grande ABC (UniABC)
Tecnólogo em Radiologia – Centro Universitário Anhanguera de Santo
André (UniA)
Mestre em Morfologia – Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
E-mail: nobeschi@institutocimas.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

02 sistema esquelético
02   sistema esquelético02   sistema esquelético
02 sistema esquelético
Maxsuell Lopes
 
03 sistema articular
03   sistema articular03   sistema articular
03 sistema articular
Maxsuell Lopes
 
Introdução a anatomia
Introdução a anatomiaIntrodução a anatomia
Introdução a anatomia
Maxsuell Lopes
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula 04 anatomia e fisiologia humana
Aula 04 anatomia e fisiologia humanaAula 04 anatomia e fisiologia humana
Aula 04 anatomia e fisiologia humana
LUCAS MENDES SILVA OLIVEIRA
 
Sistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.pptSistema esqueletico.ppt
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
José Vitor Alves
 
Introdução a anatomia por Robson Lucas
Introdução a anatomia por Robson LucasIntrodução a anatomia por Robson Lucas
Introdução a anatomia por Robson Lucas
robson lucas pontes
 
Introdução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologiaIntrodução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologia
Caio Maximino
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Leonardo Delgado
 
Siatema muscular
Siatema muscularSiatema muscular
Siatema muscular
Evandro Ceranto
 
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulnaAula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Hamilton Nobrega
 
Músculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeçaMúsculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeça
Caio Maximino
 
Introdução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomiaIntrodução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomia
Rodrigo Bruno
 
Aula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdf
Aula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdfAula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdf
Aula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdf
CentrodeCapacitaoemS1
 
Aula anatomia coluna vertebral e caixa torácica
Aula anatomia   coluna vertebral e caixa torácicaAula anatomia   coluna vertebral e caixa torácica
Aula anatomia coluna vertebral e caixa torácica
Giselle Paula
 
História da Anatomia Humana
História da Anatomia Humana História da Anatomia Humana
História da Anatomia Humana
Ozimo Gama
 
Anatomia - sistema ósseo
Anatomia - sistema ósseoAnatomia - sistema ósseo
Anatomia - sistema ósseo
Luis Antonio Cezar Junior
 
Anatomia Coluna Vertebral
Anatomia Coluna VertebralAnatomia Coluna Vertebral
Anatomia Coluna Vertebral
Dr. Peterson Xavier @drpetersonxavier
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
Fernando Dias
 

Mais procurados (20)

02 sistema esquelético
02   sistema esquelético02   sistema esquelético
02 sistema esquelético
 
03 sistema articular
03   sistema articular03   sistema articular
03 sistema articular
 
Introdução a anatomia
Introdução a anatomiaIntrodução a anatomia
Introdução a anatomia
 
Sistema óSseo
Sistema óSseoSistema óSseo
Sistema óSseo
 
Aula 04 anatomia e fisiologia humana
Aula 04 anatomia e fisiologia humanaAula 04 anatomia e fisiologia humana
Aula 04 anatomia e fisiologia humana
 
Sistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.pptSistema esqueletico.ppt
Sistema esqueletico.ppt
 
Sistema articular
Sistema articularSistema articular
Sistema articular
 
Introdução a anatomia por Robson Lucas
Introdução a anatomia por Robson LucasIntrodução a anatomia por Robson Lucas
Introdução a anatomia por Robson Lucas
 
Introdução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologiaIntrodução ao estudo da fisiologia
Introdução ao estudo da fisiologia
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Siatema muscular
Siatema muscularSiatema muscular
Siatema muscular
 
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulnaAula 03   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
Aula 03 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - radio e ulna
 
Músculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeçaMúsculos e ossos da cabeça
Músculos e ossos da cabeça
 
Introdução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomiaIntrodução ao estudo da anatomia
Introdução ao estudo da anatomia
 
Aula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdf
Aula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdfAula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdf
Aula 3 - Sistema Muscular - Prof. Rafael Ramos.pdf
 
Aula anatomia coluna vertebral e caixa torácica
Aula anatomia   coluna vertebral e caixa torácicaAula anatomia   coluna vertebral e caixa torácica
Aula anatomia coluna vertebral e caixa torácica
 
História da Anatomia Humana
História da Anatomia Humana História da Anatomia Humana
História da Anatomia Humana
 
Anatomia - sistema ósseo
Anatomia - sistema ósseoAnatomia - sistema ósseo
Anatomia - sistema ósseo
 
Anatomia Coluna Vertebral
Anatomia Coluna VertebralAnatomia Coluna Vertebral
Anatomia Coluna Vertebral
 
Sistema Muscular
Sistema MuscularSistema Muscular
Sistema Muscular
 

Destaque

Osteologia do esqueleto axial e apendicular
Osteologia do esqueleto axial e apendicularOsteologia do esqueleto axial e apendicular
Osteologia do esqueleto axial e apendicular
Nancy Cabral
 
3) anatomia (esqueleto axial 1)
3) anatomia (esqueleto axial 1)3) anatomia (esqueleto axial 1)
3) anatomia (esqueleto axial 1)
DANLIMA FERREIRA
 
Anatomia i esqueleto axial artrologia
Anatomia i   esqueleto axial artrologiaAnatomia i   esqueleto axial artrologia
Anatomia i esqueleto axial artrologia
Rafael Fontoura
 
As articulações do esqueleto axial
As articulações do esqueleto axialAs articulações do esqueleto axial
As articulações do esqueleto axial
Argentino Uebas
 
Esqueleto apendicular
Esqueleto apendicularEsqueleto apendicular
Esqueleto apendicular
magicozoom
 
Atlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomiaAtlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomia
projetacursosba
 
Acidentes ósseos
Acidentes ósseosAcidentes ósseos
Acidentes ósseos
Meiry Vieira
 
Sistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTicoSistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTico
projeto.postura
 
Anatomia óSsea
Anatomia óSseaAnatomia óSsea
Anatomia óSsea
Dr. Luciano Moura
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Hamilton Nobrega
 
Miologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADA
Miologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADAMiologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADA
Miologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADA
Isadora Oliveira
 
Anatomia da face
Anatomia da faceAnatomia da face
Anatomia da face
S P
 
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmurAula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Hamilton Nobrega
 
Ossos da cabeça i
Ossos da cabeça iOssos da cabeça i
Ossos da cabeça i
Mia L Fernandes
 
Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça
Med. Veterinária 2011
 
Anatomia cabeça e pescoço
Anatomia cabeça e pescoçoAnatomia cabeça e pescoço
Anatomia cabeça e pescoço
rafaellafrguerra
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Hamilton Nobrega
 
Articulações e seus movimentos
Articulações e seus movimentosArticulações e seus movimentos
Articulações e seus movimentos
Jose Roberto Coccki
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
Renata Rodrigues
 
Anatomia humana slides
Anatomia humana slidesAnatomia humana slides
Anatomia humana slides
Ced Amanhecer
 

Destaque (20)

Osteologia do esqueleto axial e apendicular
Osteologia do esqueleto axial e apendicularOsteologia do esqueleto axial e apendicular
Osteologia do esqueleto axial e apendicular
 
3) anatomia (esqueleto axial 1)
3) anatomia (esqueleto axial 1)3) anatomia (esqueleto axial 1)
3) anatomia (esqueleto axial 1)
 
Anatomia i esqueleto axial artrologia
Anatomia i   esqueleto axial artrologiaAnatomia i   esqueleto axial artrologia
Anatomia i esqueleto axial artrologia
 
As articulações do esqueleto axial
As articulações do esqueleto axialAs articulações do esqueleto axial
As articulações do esqueleto axial
 
Esqueleto apendicular
Esqueleto apendicularEsqueleto apendicular
Esqueleto apendicular
 
Atlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomiaAtlas básico de anatomia
Atlas básico de anatomia
 
Acidentes ósseos
Acidentes ósseosAcidentes ósseos
Acidentes ósseos
 
Sistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTicoSistema EsqueléTico
Sistema EsqueléTico
 
Anatomia óSsea
Anatomia óSseaAnatomia óSsea
Anatomia óSsea
 
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpoAula 02   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
Aula 02 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - carpo
 
Miologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADA
Miologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADAMiologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADA
Miologia – estudos dos músculos em ANATOMIA COMPARADA
 
Anatomia da face
Anatomia da faceAnatomia da face
Anatomia da face
 
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmurAula 08   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
Aula 08 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - fêmur
 
Ossos da cabeça i
Ossos da cabeça iOssos da cabeça i
Ossos da cabeça i
 
Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça
 
Anatomia cabeça e pescoço
Anatomia cabeça e pescoçoAnatomia cabeça e pescoço
Anatomia cabeça e pescoço
 
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapularAula 05   radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
Aula 05 radiologia - anatomia do esqueleto apendicular - cintura escapular
 
Articulações e seus movimentos
Articulações e seus movimentosArticulações e seus movimentos
Articulações e seus movimentos
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Anatomia humana slides
Anatomia humana slidesAnatomia humana slides
Anatomia humana slides
 

Semelhante a Esqueleto axial

Osteologia Enf Nut Farm.pptx
Osteologia Enf Nut Farm.pptxOsteologia Enf Nut Farm.pptx
Osteologia Enf Nut Farm.pptx
paulosa14
 
Atlas bsico
Atlas bsicoAtlas bsico
Atlas bsico
Eliane Pereira
 
Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)
Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)
Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)
Camilla Menezes
 
Aula de anatomia(resumo)
Aula de anatomia(resumo)Aula de anatomia(resumo)
Aula de anatomia(resumo)
Vasconcelo Lucas
 
I Introdução Osteologia
I Introdução OsteologiaI Introdução Osteologia
I Introdução Osteologia
Bolivar Motta
 
Apostila Crânio
Apostila CrânioApostila Crânio
Apostila Crânio
Dan Moreyra
 
introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.
introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.
introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.
FabioCorreia46
 
Apostila de anatomia do crânio
Apostila de anatomia do crânioApostila de anatomia do crânio
Apostila de anatomia do crânio
Brumiel Sampaio
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
Neif Mendes
 
Aula CRANIO E FACE- anatomia e radiologia
Aula CRANIO E FACE- anatomia e radiologiaAula CRANIO E FACE- anatomia e radiologia
Aula CRANIO E FACE- anatomia e radiologia
ProfMarlei
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Jucie Vasconcelos
 
SIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptxSIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptx
MayaraKaroliny1
 
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdfSemiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Jucie Vasconcelos
 
Anatomia membro superior
Anatomia membro superiorAnatomia membro superior
Anatomia membro superior
Adlem Dutra
 
Atlas de Anatomia.pdf
Atlas de Anatomia.pdfAtlas de Anatomia.pdf
Atlas de Anatomia.pdf
ALINE GUIMARAES
 
Aparelho Locomotor - Osteologia.pptx
Aparelho Locomotor - Osteologia.pptxAparelho Locomotor - Osteologia.pptx
Aparelho Locomotor - Osteologia.pptx
MedUema19
 
aula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdf
aula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdfaula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdf
aula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdf
KarollineTavares1
 
Esqueletohumano
EsqueletohumanoEsqueletohumano
Esqueletohumano
Li Tagarelinhas
 
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
AyrttonAnacleto2
 
Esqueleto humano (powerpoint).edit
Esqueleto humano (powerpoint).editEsqueleto humano (powerpoint).edit
Esqueleto humano (powerpoint).edit
isabelalexandrapinto
 

Semelhante a Esqueleto axial (20)

Osteologia Enf Nut Farm.pptx
Osteologia Enf Nut Farm.pptxOsteologia Enf Nut Farm.pptx
Osteologia Enf Nut Farm.pptx
 
Atlas bsico
Atlas bsicoAtlas bsico
Atlas bsico
 
Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)
Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)
Apostila cranio-completa-110316175807-phpapp01 (1)
 
Aula de anatomia(resumo)
Aula de anatomia(resumo)Aula de anatomia(resumo)
Aula de anatomia(resumo)
 
I Introdução Osteologia
I Introdução OsteologiaI Introdução Osteologia
I Introdução Osteologia
 
Apostila Crânio
Apostila CrânioApostila Crânio
Apostila Crânio
 
introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.
introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.
introdução ao estudo da anatomia cabeca e pescoço.
 
Apostila de anatomia do crânio
Apostila de anatomia do crânioApostila de anatomia do crânio
Apostila de anatomia do crânio
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Aula CRANIO E FACE- anatomia e radiologia
Aula CRANIO E FACE- anatomia e radiologiaAula CRANIO E FACE- anatomia e radiologia
Aula CRANIO E FACE- anatomia e radiologia
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânioMedresumos 2016   neuroanatomia 22 - ossos do crânio
Medresumos 2016 neuroanatomia 22 - ossos do crânio
 
SIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptxSIST. NERV. PERIF..pptx
SIST. NERV. PERIF..pptx
 
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdfSemiologia 09   otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
Semiologia 09 otorrinolaringologia - propedêutica orl pdf
 
Anatomia membro superior
Anatomia membro superiorAnatomia membro superior
Anatomia membro superior
 
Atlas de Anatomia.pdf
Atlas de Anatomia.pdfAtlas de Anatomia.pdf
Atlas de Anatomia.pdf
 
Aparelho Locomotor - Osteologia.pptx
Aparelho Locomotor - Osteologia.pptxAparelho Locomotor - Osteologia.pptx
Aparelho Locomotor - Osteologia.pptx
 
aula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdf
aula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdfaula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdf
aula2sistemaesqueltico-121114052616-phpapp01.pdf
 
Esqueletohumano
EsqueletohumanoEsqueletohumano
Esqueletohumano
 
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdfaulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
aulasnc-131229090727-phpapp01.pdf
 
Esqueleto humano (powerpoint).edit
Esqueleto humano (powerpoint).editEsqueleto humano (powerpoint).edit
Esqueleto humano (powerpoint).edit
 

Último

EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 

Esqueleto axial

  • 1. Esqueleto axial http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve sucintamente os ossos do esqueleto axial. No final do capítulo, encontras-se um mini-atlas e exercícios de memorização a partir de desenhos. 2010 Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Apoio: Instituto de Imagem em Saúde - CIMAS 14/10/2010 Figura - Figura – Fonte: RAYNES, John. Figure Drawing & Anatomy for the Artist. London: Bounty Books, 2005, pp. 26-33.
  • 2. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 2 3.1 ESQUELETO AXIAL O esqueleto axial (do latim axis = eixo) é formado pelos ossos que estão no eixo do corpo. São eles: ossos do crânio (28 ossos); ossos da coluna vertebral (26 ossos); costelas (24 ossos), esterno (1 osso) e hióide (1 osso), totalizando 80 ossos. Os ossos do esqueleto axial conferem proteção para os órgãos vitais, no caso do crânio que protege o encéfalo; a caixa torácica protegendo as vísceras torácicas e parte de vísceras abdominais e a coluna vertebral que abriga a medula espinal. Incluiremos nesse capítulo o estudo da pelve óssea, formado por ossos do cíngulo do membro inferior e ossos do esqueleto axial, que abriga parcialmente vísceras abdominais e as vísceras pélvicas. 3.2 CRÂNIO O crânio está localizado na parte superior do esqueleto axial. Desenvolve-se do mesênquima embrionário localizado ao redor do encéfalo. Consiste em duas regiões diferentes: o neurocrânio e o víscerocrânio. A posição anatômica de estudo do crânio é definida por uma linha transversal, de sentido ântero-posterior, que passa abaixo da margem infra-orbital e acima do meato acústico externo, denominada de linha órbito-meática (de “Frankfurt”). O crânio protege a parte central do sistema nervoso, órgãos dos sentidos (audição, visão, olfato e gustação), vasos sangüíneos e nervos. A parte superior do crânio, revestida externamente pelo couro cabeludo, é denominada de calvária (veja adiante). A cavidade do crânio (cavidade craniana) abriga o encéfalo, nervos, meninges e vasos sanguíneos. O soalho desta cavidade é denominado de base do crânio (veja adiante. As órbitas são duas cavidades encontradas na região anterior do crânio. Abrigam o bulbo do olho (globo ocular), aparelho lacrimal, músculos associados, vasos sangüíneos e nervos. É formada pelos ossos: frontal, maxila, lacrimal, zigomático, esfenóide, etmóide e palatino A abertura piriforme (do latim pirum = pêra, formis = forma) é uma abertura mediana que dá acesso à cavidade nasal.
  • 3. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 3 Diversas aberturas (forames, canais ou meatos) são encontradas no crânio, permitindo a passagem de estruturas (de fora para dentro ou vice-versa), as principais são: Abertura Conteúdo Localização canal óptico nervo óptico, artéria central da retina esfenóide fissura orbitária superior vasos supra-orbitais e esfenóide nervos: oculomotor, troclear e abducente fissura orbitária inferior vasos infra-orbitais e nervo maxilar esfenóide forame redondo nervo maxilar esfenóide forame oval nervo mandibular esfenóide forame espinhoso vasos meníngeos médios esfenóide forame lacerado obliterado por cartilagem temporal forame estilomastóideo nervo facial temporal canal carótico artéria carótida interna e plexo carotídeo temporal forame jugular veia jugular interna e temporal e occipitalnervos: glossofaríngeo, vago e acessório canal do nervo hipoglosso nervo hipoglosso occipital forame magno bulbo, medula espinal, meninges, vasos espinais, raiz cervical do nervo acessório occipital meato acústico interno nervos: vestibulococlear e facial temporal lâmina cribriforme nervos olfatórios etmóide forame supra-orbital vasos e nervos supra-orbitais frontal forame infra-orbital vasos e nervos infra-orbitais frontal forame da mandíbula vasos e nervo alveolares inferiores mandíbula forame mentual vasos e nervos mentuais mandíbula
  • 4. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 4 3.3 CALVÁRIA É a parte superior do crânio, também conhecida como abóbada craniana. É constituída pelos ossos: parietais, frontal, occipital e temporal. As suturas são as articulações que promovem a união dos ossos da calvária. A sutura sagital localizada entre os ossos parietais (sofre sinostose entre 20º e 30º ano de vida); sutura coronal localizada entre os ossos frontal e parietais (sofre sinostose entre 30º e 40º ano de vida); sutura lambdóidea localizada entre os ossos occipital e parietal (sofre sinostose entre 40º e 50º ano de vida). No crânio do recém-nascido, existe uma grande quantidade de tecido fibroso nessas áreas, formando os fontículos do crânio. São seis fontículos: anterior (bregmático), posterior (lambdóide), ântero-lateral (esfenoidal) e póstero-lateral (mastóideo). Quase todos os fontículos sofrem sinostose no primeiro ano de vida, sendo o fontículo anterior o que mais tarda a desaparecer, seu fechamento ocorre por volta do 2º ao 3º ano de vida. A calvária contém diversos forames diminutos, por onde passam veias, conhecidas como veias emissárias, comunicando o sistema venoso intracraniano com o sistema venoso extracraniano. O revestimento externo da calvária é o couro cabeludo, formado por cinco camadas. A camada mais externa é formada pela pele; subjacente a ela a camada de tecido conectivo denso; aponeurose (gálea aponeurótica); tecido conectivo frouxo, que permite a mobilidade das três camadas localizadas superficialmente, nessa camada localiza-se as veias emissárias; e o pericrânio. 3.4 BASE DO CRÂNIO Região óssea que serve de apoio para o encéfalo. A base do crânio é irregular e contém diversas aberturas (forames) para passagem de vasos e nervos (listados na tabela 1). É dividida em três fossas: anterior, média e posterior, que não estão no mesmo plano horizontal. A fossa anterior do crânio, mais elevada, é constituída pelos ossos: frontal, etmóide e esfenóide. A lâmina cribriforme se localiza no osso etmóide, permite a passagem as fibras do nervo olfatório (NC I). Sobre essa fossa repousa os lobos frontais do telencéfalo.
  • 5. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 5 A fossa média do crânio é constituída pelos ossos: esfenóide, temporais e parte dos parietais. O detalhe anatômico mais evidente é a sela turca, localizada no osso esfenóide, que abriga a hipófise. Apoiada nessa fossa encontra-se os lobos temporais do telencéfalo. A fossa posterior do crânio, formada pelos ossos temporais e occipital, abriga o cerebelo e o tronco encefálico. Seu detalhe anatômico marcante é a maior abertura do crânio, o forame magno. 3.5 NEUROCRÂNIO Parte do crânio formada por ossos que protegem o encéfalo. Os ossos que formam o neurocrânio são: - Frontal: osso ímpar localizado anteriormente, formando: a fronte (“testa”), margem superior e teto da órbita. Classificado como: laminar e pneumático (presença do seio frontal). Protege os lobos frontais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso). - Parietal: ossos pares, laminares, localizados na parte superior e lateral do crânio, protegem parte dos lobos frontais e parietais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso). - Occipital: osso ímpar, localizado na parte posterior e inferior do crânio (acima da nuca). Classificado como laminar, apresenta o maior forame do crânio, denominado de forame magno. Protege os lobos occipitais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso), cerebelo e parcialmente o tronco encefálico. - Temporal: ossos pares localizados na parte lateral do crânio. São ossos irregulares e pneumáticos (contêm as células mastóideas). No interior dos ossos temporais estão localizadas as partes média e interna das orelhas. A parte média (denominada de cavidade timpânica) abriga os ossículos da audição: martelo, bigorna e estribo (sendo encontrado um exemplar de cada osso em cada uma das orelhas). A parte interna da orelha é denominada de labirinto e contém o órgão vestibulococlear, responsável pela posição da cabeça no espaço (proporcionando equilíbrio) e a audição. O osso temporal protege os lobos temporais
  • 6. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 6 (telencéfalo – parte central do sistema nervoso) e se articula com o osso móvel do crânio, a mandíbula, constituindo a articulação temporomandibular (= ATM). - Esfenóide: osso ímpar, irregular e pneumático (seio esfenoidal), se estende de um lado ao outro do crânio. Possui projeções nas regiões: laterais, inferior e interna do crânio. Forma parte da parede da cavidade nasal e da órbita. Na parte interna do crânio, no osso esfenóide, localiza-se a sela turca, cujo local abriga a hipófise. Protege parte dos lobos temporais (telencéfalo – parte central do sistema nervoso). - Etmóide: osso ímpar, irregular e pneumático (células etmoidais). Localiza-se na fossa anterior do crânio. Forma parte do teto da cavidade nasal, o qual possui diversas e diminutas aberturas (lâmina cribriforme, do latim cribum = peneira), que dá passagem as fibras nervosas do nervo olfatório. Na parede lateral da cavidade nasal, projeções do osso etmóide são encontradas, denominadas de conchas nasais: superior e média. Em alguns casos ocorre a presença de uma concha nasal extra, localizada superiormente à concha nasal superior, sendo denominada de concha nasal suprema. A lâmina perpendicular é uma projeção óssea direcionada para a cavidade nasal, localizada próximo a linha mediana. Esta lâmina se articula com o osso vômer, formando a parte óssea do septo nasal. 3.6 VISCEROCRÂNIO Parte do crânio formada por ossos que constituem as aberturas do sistema respiratório e digestório. Denominado de esqueleto facial. Os ossos do viscerocrânio são: - Nasal: ossos pares, laminares, encontrados superiormente à abertura piriforme. - Lacrimal: ossos pares, laminares, localizados na parede medial da órbita. - Zigomático: ossos pares que formam as projeções maciças na região ínfero-lateral da órbita. O osso zigomático se articula com o osso temporal por meio de uma projeção: processo
  • 7. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 7 temporal do osso zigomático, a parte do osso temporal que se articula com o osso zigomático é denominada de processo zigomático do osso temporal. Ambos os processos (zigomático e temporal) formam o arco zigomático. - Maxila: ossos pares, irregulares, pneumáticos (presença do seio maxilar). Serve de fixação para o arco dental maxilar (superior), e forma grande parte do soalho da órbita. Em sua região inferior, apresenta uma grande projeção: processo palatino da maxila, esse processo se articula com as lâminas horizontais do osso palatino, constituindo o palato ósseo (2/3 anteriores do palato ósseo são formados pelas maxilas, sendo o 1/3 posterior pelos ossos palatinos). - Concha nasal inferior: ossos pares, irregulares, localizados na parede lateral da cavidade nasal. Das três conchas nasais (superior, média e inferior), as conchas nasais inferiores são as maiores. - Palatino: ossos pares, irregulares, localizados posteriormente às maxilas. Os ossos palatinos possuem a forma de uma letra “L”, a projeção vertical é denominada de lâmina perpendicular e, a projeção horizontal é denominada de lâmina horizontal (forma parte do palato ósseo, ver anteriormente na maxila). Uma pequena projeção do osso palatino é encontrada no soalho da órbita (processo orbital), outra pequena projeção se localiza na região inferior do processo pterigóide do osso esfenóide, essa projeção do osso palatino é denominada de processo piramidal. - Vômer: pequeno osso ímpar, laminar, localizado na cavidade nasal. Articula-se com o osso esfenóide e com a lâmina perpendicular do osso etmóide (formando a parte óssea do septo nasal, ver anteriormente osso etmóide). - Mandíbula: osso ímpar, irregular, localizado na região inferior do esqueleto facial. Único com movimento apreciável no crânio. Articula-se com os ossos temporais, formando as articulações temporomandibulares (ATMs). Em seu corpo está fixo o arco dental mandibular (inferior). O ângulo da mandíbula é o local entre o corpo e o ramo. Nas partes externa e interna do ângulo da mandíbula estão as tuberosidades: massetérica e pterigóidea, respectivamente. O ramo da
  • 8. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 8 mandíbula se divide superiormente em dois processos: coronóide (anterior) e condilar (posterior). 3.7 SEIOS PARANASAIS São cavidades, encontradas no interior dos ossos do crânio, que se comunicam com a cavidade nasal. São eles: frontal, maxilar (maior dos seios paranasais), esfenoidal e as células etmoidais. 3.8 OSSÍCULOS DA AUDIÇÃO Ossos localizados no interior do osso temporal (orelha média), que auxiliam a audição. São eles: martelo, bigorna e estribo. Identificar: martelo, bigorna e estribo. 3.9 OSSO HIÓIDE Localizado no pescoço, não se articula com nenhum outro osso, desenvolve-se com o crânio, permanecendo a ele conectado por músculos e ligamentos. 3.10 CRÂNIO DO RESCÉM-NASCIDO E ALTERAÇÕES PÓS-NATAL No crânio do recém-nascido o neurocrânio é predominante em relação ao viscerocrânio, pois acompanha o desenvolvimento do sistema nervoso, enquanto que o viscerocrânio desenvolverá posteriormente, sendo estimulado o desenvolvimento pela ação dos músculos da expressão facial durante o processo de amamentação. Os ossos da calvária do recém-nascido são delgados e separados por flexíveis e resistentes membranas ao longo das linhas de sutura do crânio, denominadas de fontículos. São seis fontículos, dois pares: fontículo ântero-lateral e póstero-lateral e os fontículos ímpares: anterior e posterior. A obliteração dos fontículos ocorre a partir do terceiro mês após nascimento. Após o segundo ano, em cerca de 90% dos casos, todos os fontículos sofrem o processo de sinostose (calcificação), sendo o fontículo anterior o último desaparecer. O bregma e o lambda representam respectivamente o ponto de fusão dos fontículos anterior e
  • 9. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 9 posterior; o ptério e o astério são os locais onde ocorreu o fechamento dos fontículos ântero-lateral e póstero-lateral, respectivamente. Nos dois primeiros anos de vida a calvária aumenta rapidamente, concluindo sua expansão total por volta dos 16 anos de idade. Após esse período ocorre o aumento de sua espessura. As articulações fibrosas do tipo sutura do crânio do recém-nascido permite seu crescimento, assim como as sincondroses, principalmente a esfenoccipital (crescimento ântero-posterior do crânio). A face se desenvolve rapidamente, estimulada pela musculatura durante o processo de sucção, que ocorre na amamentação; pela erupção dos dentes decíduos (primeira dentição); expansão dos seios paranasais, alterando a forma da face e a ressonância da voz. Os ossos frontais, em número de dois, são separados por uma sutura (articulação fibrosa), denominada de sutura frontal mediana (metópica), que geralmente do quinto ao oitavo ano de vida sofre a sinostose, não persistindo no adulto. O osso esfenóide se articula com o osso occipital por meio de uma cartilagem hialina, formando a articulação esfenoccipital (uma sincondrose interóssea), que inicia o processo de calcificação após a puberdade, completando esse processo por volta dos 24 anos de vida. As maxilas são curtas e largas. A parte alveolar possui cinco grandes alvéolos, com grandes dentes decíduos. Crescimento posterior ocorre mais no sentido vertical, devido ao desenvolvimento dos seios maxilares, principalmente. Nos ossos temporais, o processo mastóide não está desenvolvido, o que expõe o nervo facial, tornando-o susceptível a lesões principalmente no momento do parto (por fórceps), seu crescimento ocorre nos três primeiro anos de vida. A mandíbula é constituída de duas metades ósseas unidas por tecido fibroso que constitui a sínfise da mandíbula, a ossificação desta sínfise ocorre após o primeiro e segundo ano de vida. A parte alveolar apresenta dentes decíduos e alguns já permanentes, em seu interior. Os ângulos da mandíbula são curtos e em ângulos obtusos (140º).
  • 10. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 10 3.11 COLUNA VERTEBRAL A coluna vertebral é um pilar ósseo mediano, se articula com o crânio e costelas, fixa-se nos cíngulos dos membros superiores e inferiores. Suporta o peso do tronco e o distribui para os membros inferiores. Protege a medula espinal, vasos sangüíneos, gânglios e nervos espinais. Confere mobilidade para o tronco. As unidades ósseas que formam a coluna vertebral são denominadas de vértebras (espôndilo), em número de 33 são distribuídas nas regiões da coluna. Comumente a referência das vértebras é feito por abreviação (região da coluna + número da vértebra em algarismos romanos), exemplo: vamos nos referir a quinta vértebra cervical (CV) = C (região cervical) V (cinco em romano). Todas as vértebras são ossos irregulares. - Região cervical (contendo sete vértebras cervicais): região de grande mobilidade estende- se de CI até CVII. - Região torácica (contendo doze vértebras torácicas): região da coluna com restrição da mobilidade devido às articulações com as costelas. Cada vértebra torácica se articula com um par de costelas, estende-se de TI até TXII. - Região lombar (contendo cinco vértebras lombares): região da coluna vertebral que recebe todo o peso do tronco, devido a esse fato suas vértebras são as mais robustas e maiores da coluna vertebral, estende-se de LI até LV. - Região sacral (contendo cinco vértebras sacrais): as vértebras sacrais sofrem sinostose formando um único osso mediano, denominado de sacro, estende-se de SI até SV. - Região coccígea (contendo quatro vértebras coccígeas): atrofia da cauda, as vértebras coccígeas sofrem sinostose com a idade, formando o cóccix. Estende-se de CoI até CoIV.
  • 11. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 11 3.12 CURVATURAS FISIOLÓGICAS DA COLUNA VERTEBRAL A coluna vertebral quando analisada em vista anterior ou posterior, não deve apresentar desvios ou curvaturas, entretanto, em vista lateral (perfil), a coluna vertebral apresenta curvas fisiológicas, que conferem a ela o aumento da resistência, melhora a distribuição de carga, evitando compressões. São quatro curvaturas fisiológicas da coluna vertebral: - Cifoses: curvaturas com a concavidade anterior. São encontradas nas regiões: torácica e sacrococcígea. - Lordoses: curvaturas com a concavidade posterior. São encontradas nas regiões: cervical e lombar. As cifoses são denominadas de curvaturas primárias da coluna vertebral, pois mantém o lado côncavo voltado anteriormente, da mesma maneira que é encontrado no feto. As lordoses são denominadas de curvaturas secundárias da coluna vertebral, pois a concavidade se inverteu em relação ao feto (concavidade voltada posteriormente). A lordose cervical começa a aparecer por volta de quatro meses de vida, quando a criança começa a controlar o movimento da cabeça. A lordose lombar inicia seu desenvolvimento por volta do final do primeiro ano de vida da criança, quando esta assume a posição bípede. As cifoses e lordoses tendem a se acentuar com o avançar da idade, tornado a coluna vertebral do idoso mais arqueado. As vértebras apresentam características comuns, particularidades são encontradas em cada região da coluna, podendo desta forma reconhecer a região que a vértebra pertence. As características gerais das vértebras típicas são: - Corpo vértebra: parte anterior e robusta da vértebra, ocorre aumento no tamanho e volume dos corpos vertebrais quanto mais inferior estiver a vértebra. O corpo vertebral é a estrutura da vértebra responsável pelo suporte de peso;
  • 12. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 12 - Arco vertebral: formado por traves ósseas que se prendem no corpo vertebral e delimitam um orifício central, denominado de forame vertebral. O arco vertebral protege a medula espinal, meninges, vasos sangüíneos e nervos. A parte do arco vertebral preso ao corpo vertebral é denominada de pedículo da vértebra. Posteriormente, duas projeções ósseas, as lâminas se encontram para formar o processo espinhoso da vértebra. - Sete processos se projetam do arco vertebral: (2) processos articulares superiores; (2) processos articulares inferiores; (2) processos transversos; (1) processo espinhoso. Os processos articulares superiores se articulam com os processos articulares inferiores (uma vértebra superior com uma vértebra inferior), são articulações móveis, que conferem liberdade de movimento para a coluna vertebral. Os processos transversos e espinhoso servem de fixação ligamentar e muscular, atuando como alavancas para o movimento. Quando as vértebras estão articuladas, sobrepostas, os forames vertebrais formam o canal vertebral (ocupado pela medula espinal, meninges, vasos sangüíneos e nervos). Observe entre os pedículos das vértebras a formação do forame intervertebral, local que dá passagem para o nervo espinal. 3.13 VÉRTEBRAS CERVICAIS Possuem o menor corpo vertebral, com exceção da primeira e sétima, as vértebras cervicais apresentam o processo espinhoso bífido, forame transversário (localizado no processo transverso) e presença do processo uncinado no corpo das vértebras. As vértebras CI, CII e CVII são vértebras atípicas, com características diferentes das vértebras CIII, CIV, CV e CVI (vértebras típicas). - Atlas (primeira vértebra cervical): recebeu esta denominação pela comparação feita com o gigante mitológico Atlas, que foi amaldiçoado por Zeus a carregar o mundo sobre os ombros, a primeira vértebra cervical sustenta o crânio. A vértebra CI não apresenta corpo vertebral e processo espinhoso. É formada por duas massas laterais, unidas por dois arcos: anterior e posterior. O arco anterior do atlas se articula com o dente do áxis. Nas massas laterais se
  • 13. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 13 encontram as faces articulares superiores para o osso occipital e, as faces articulares inferiores para a articulação com o áxis. - Áxis (segunda vértebra cervical): por apresentar o dente (corpo da vértebra atlas que calcificou no áxis), forma um eixo para a rotação do atlas (do latim axis = eixo). O dente do áxis se articula com o arco anterior do atlas, é a característica marcante desta vértebra. - De CIII até CVI: são vértebras típicas, possuindo as características gerais das vértebras. - Vértebra proeminente (CVII): possui o processo espinhoso sem bifurcação, longo e afilado. Quando flexionamos o pescoço, seu processo espinhoso torna-se saliente na região da nuca, o que lhe valeu o nome de vértebra proeminente. Na maior parte dos casos não apresenta forames transversários, estando estes presentes nos casos de variações anatômicas. 3.14 VÉRTEBRAS TORÁCICAS As vértebras torácicas se articulam com um par de costelas, um estudo pormenorizado diferencia as vértebras torácicas em típicas (de TII até TVIII) e atípicas (TI, TIX, TX, TXI e TXII), nossa pretensão não é realizar este estudo detalhado, o aluno deverá recorrer a tratados de anatomia se desejar verificar tais detalhes, trataremos as características anatômicas das vértebras de acordo com a maioria delas (típicas). As vértebras torácicas apresentam um corpo vertebral em forma de coração (cordiforme). O processo espinhoso é afilado e inclinado inferiormente, sobrepondo-se. No corpo vertebral e nos processos transversos encontram-se as fóveas costais, locais de articulação entre as costelas e as vértebras. No corpo vertebral são duas fóveas costais (superior e inferior), que recebem as cabeças das costelas. Nos processos transversos estão as fóveas costais do processo transverso, local que se articula com o tubérculo da costela (discutiremos mais adiante, ver costelas, como cada costela se articula com as vértebras torácicas). Vale ressaltar que as últimas vértebras torácicas (vértebras de transição para a região lombar), apresentam características semelhantes às vértebras lombares (corpo vertebral em forma de rim, riniforme, processo espinhos quadrangular e pouco inclinado inferiormente).
  • 14. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 14 3.15 VÉRTEBRAS LOMBARES São as vértebras que possuem os maiores corpos vertebrais, em forma de rim (riniforme). Seus processos espinhosos são quadrangulares, os processos transversos desenvolvem-se embriologicamente do elemento costal e, desta maneira, é homólogo a uma costela, sendo denominado de processo costiforme. Na parte posterior dos processos articulares superiores são encontrados os processos mamilares, que servem de inserção para os músculos do dorso. 3.16 VÉRTEBRAS SACRAIS As cinco vértebras sacrais, na idade adulta, sofrem sinostose e, desta forma, formam o osso sacro. O sacro articula-se superiormente com LV (articulação lombossacral), com os ossos do quadril lateralmente (articulações sacroilíacas) e com o cóccix inferiormente (articulação sacrococcígea). A fusão das vértebras origina um osso curvo, de concavidade anterior, esta concavidade é a face pélvica do sacro, enquanto que o lado convexo é denominado de face dorsal. Nas faces pélvica e dorsal localizam-se os forames sacrais anteriores e posteriores (respectivamente). Na margem anterior da superfície superior do corpo da primeira vértebra sacral se localiza o promontório do sacro. Os forames vertebrais fundidos formam o canal sacral (neste local não há a presença da medula espinal, apenas do saco dural, filamento terminal e cauda eqüina). Na face dorsal do sacro observa-se a fusão dos processos espinhosos, formando a crista sacral mediana, que na região mais inferior é interrompida por uma fenda, denominada de hiato sacral. 3.17 VÉRTEBRAS COCCÍGEAS Fundem-se na idade adulta para formar o osso cóccix, um osso pequeno e triangular, localizado na região mais inferior da coluna vertebral. Articula-se superiormente com o osso sacro. Não participa na sustentação do peso, embora, na posição sentada, pode receber alguma parte da carga. O cóccix serve de fixação para alguns músculos e ligamentos.
  • 15. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 15 3.18 VARIAÇÕES NAS VÉRTEBRAS São influenciadas por fatores como etnia, gênero, genética e ambiente. Variações são mais freqüentes nas 24 vértebras pré-sacrais (regiões cervical, torácica e lombar). O aumento no número de vértebras ocorre mais no gênero masculino e, a diminuição no número de vértebras é mais encontrada no gênero feminino. Geralmente, quando ocorre o aumento do número de vértebras pré-sacrais em uma região, há um decréscimo compensatório no número de vértebras em outra região (exemplo: aumenta o número de vértebras torácicas, diminuindo proporcionalmente o número de vértebras lombares). Quando o aumento do número de vértebras pré-sacrais ocorre sem que o decréscimo aconteça, gera o alongamento da região pré-sacral provocando sobrecarga na região lombar. Em aproximadamente 5% das pessoas, LV é incorporada (calcificada) ao osso sacro, condição denominada de sacralização de LV. Com praticamente a mesma freqüência, a primeira vértebra sacral pode se desprender do restante do sacro e se calcificar com a LV, esta condição é denominada de lombarização de SI. 3.19 ENVELHECIMENTO DA COLUNA VERTEBRAL O crescimento da coluna é acelerado, por volta dos 15 anos a velocidade diminui, concluindo o crescimento na faixa entre 18 e 25 anos de idade. A resistência e densidade dos corpos vertebrais diminuem com o avançar da idade, modificando o formado desta região da vértebra. Esta deformidade torna as vértebras mais arqueadas, aumentando as curvaturas da coluna vertebral, levando a diminuição da estatura no idoso.
  • 16. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 16 3.20 ESQUELETO DO TÓRAX É constituído por um esqueleto osteocartilagíneo formado: posteriormente pelas doze vértebras torácicas; póstero-látero-anteriormente por doze pares de costelas e suas cartilagens costais; anteriormente pelo osso esterno. Quando estas peças estão articuladas constituem a caixa torácica. A caixa torácica desempenha papel importante na mecânica respiratória (ver capítulo referente ao sistema respiratório) e proteção dos órgãos torácicos, abrigados na cavidade torácica (parte interna da caixa torácica). Superiormente a caixa torácica apresenta a abertura superior do tórax; delimitada pelas margens superiores de TI, primeira costela e osso esterno; local de passagem de grandes vasos, nervos e vísceras. Na parte inferior, a abertura inferior do tórax é delimitada pela TXII, 11º e 12º pares de costelas, cartilagens costais unidas das 7ª até a 10ª costelas (formando as margens costais) e o processo xifóide. Nesta abertura encontramos o músculo diafragma, que separa completamente a cavidade torácica (localizada superiormente), da cavidade abdominal (localizada inferiormente). A passagem de estruturas anatômicas do tórax para o abdome se faz por aberturas no músculo diafragma, que serão discutidas no capítulo do sistema muscular. Os espaços entre as costelas são denominados de espaços intercostais, são onze espaços intercostais que contêm músculos, nervos, artérias e veias intercostais. 3.21 COSTELAS São doze pares de ossos alongados que se articulam posteriormente com as vértebras torácicas. A parte da costela que se articula com o corpo da vértebra é denominado de cabeça da costela, enquanto que a região da costela que se articula com o processo transverso das vértebras torácicas é denominado de tubérculo da costela. Estudos pormenorizados podem ser feitos para distinguir diferenças entre as costelas, são consideradas costelas típicas do 3º até o 9º pares, e atípicas 1º. 2º, 10º, 11º e 12º. A cabeça da costela típica se articula com a fóvea superior do corpo da vértebra correspondente e com a fóvea inferior da vértebra sobrejacente (cabeça da 5ª costela se articula com a fóvea costal superior de TV e, com a fóvea costal inferior de TIV).
  • 17. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 17 O tubérculo da costela típica se articula com a fóvea do processo transverso da vértebra torácica correspondente. As costelas podem ser classificadas em: verdadeiras, falsas e flutuantes. - costelas verdadeiras (vertebrocostais): do 1º ao 7º pares, são costelas que suas cartilagens se articulam diretamente com o osso esterno; - costelas falsas (vertebrocondrais ou espúrias): do 8º ao 10º pares, são costelas que suas cartilagens se articulam com as cartilagens de costelas suprajacente (exemplo: cartilagem costal da 8º costela se articula com a cartilagem costal da 7º costela); - costelas flutuantes (vertebrais ou livres): 11º e 12º pares, são costelas que estão articuladas apenas posteriormente com as vértebras, suas cartilagens costais não se articulam com o esterno ou com outras cartilagens costais. 3.22 ESTERNO É um osso laminar, de posição mediana anterior no esqueleto torácico (esterno do grego sternon = peito). Articula-se com as clavículas e com as cartilagens costais dos sete primeiros pares de costelas. É constituído de três partes: manúbrio (parte superior e dilatada), o corpo (parte média) e o processo xifóide (parte inferior). Entre o manúbrio e o corpo se localiza o ângulo do esterno. O osso esterno está muito próximo a pele e pode ser facilmente palpado. Sua substância compacta é delgada, podendo assim ser puncionado por uma agulha para aspiração da medula óssea. Lateralmente ao ângulo do esterno pode ser palpada a segunda costela, desta forma, este ângulo se torna um ponto anatômico importante para contagem das costelas e espaços intercostais (espaços entre as costelas).
  • 18. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 18 3.23 PELVE ÓSSEA Pelve (do latim pélvis = bacia) é formada pelos ossos do quadril, sacro e coccíx articulados. Localizada na parte inferior do tronco, ladeada pelo cíngulo do membro inferior, desempenha funções como: proteção das vísceras pélvica, suporte para as vísceras abdominopélvicas, fixação para os órgãos genitais externos e músculos que formam o soalho pélvico. A pelve óssea é subdividida em duas: pelve maior e a pelve menor. Ambas possuem aberturas superior e inferior. A abertura inferior da pelve maior coincide com a abertura superior da pelve menor. A separação entre as pelves, maior e menor, é feita por uma linha que segue a: margem superior da sínfise púbica, linha pectínea, linha arqueada (juntas as linhas pectínea e arqueada formam a linha terminal), asa do sacro e promontório do sacro, delimitando a abertura superior da pelve (estreito superior da pelve). A pelve maior (falsa) localiza-se acima da abertura superior da pelve, limitada póstero- lateralmente pelas asas dos ossos ilíacos e, posteriormente pela primeira vértebra sacral. Protege vísceras abdominais. A pelve menor (verdadeira) situa-se entre as aberturas superior e inferior da pelve (abertura inferior, ou estreito inferior da pelve é limitada lateralmente pelos túberes isquiáticos, anteriormente pela sínfise púbica e posteriormente pelo ápice do osso cóccix). Inclui a cavidade pélvica entre essas aberturas protegendo as vísceras pélvicas, por isto a pelve menor é denominada de verdadeira. Medidas importantes em ginecologia e obstetrícia são tomadas da abertura superior da pelve (pelvimetria), utilizadas para o parto natural. Utilizando pontos de referências ósseas podem ser traçados três diâmetros: ântero-posterior (conjugado); conjugado obstétrico e conjugado diagonal. - Diâmetro ântero-posterior (conjugado): traçado da margem superior da sínfise púbica até o promontório do sacro, mede aproximadamente 11cm de comprimento. - Diâmetro conjugado obstétrico: (menor distância entre a sínfise púbica e o promontório), é traçado da parte média da sínfise púbica até o promontório do sacro, com aproximadamente 10,5cm de comprimento.
  • 19. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 19 - Diâmetro conjugado diagonal: traçado da margem inferior da sínfise púbica até o promontório do sacro sacral, com aproximadamente 12cm de comprimento. Na abertura inferior da pelve dois diâmetros são avaliados: ântero-posterior e o transverso. - Diâmetro ântero-posterior: estende-se da sínfise púbica até o cóccix, possuindo aproximadamente 9,5cm de comprimento. - Diâmetro transverso: estende-se de um túber isquiático até o outro, medindo aproximadamente 11cm de comprimento. 3.24 DIFERENÇAS SEXUAIS DA PELVE ÓSSEA As características ósseas da pelve óssea do homem são mais marcantes, possuindo sulcos, fissuras e linhas mais proeminentes. No entanto, a pelve óssea feminina, deve ser mais larga permitindo assim a passagem do feto no momento do parto. Algumas características importantes são observadas entre as pelves: PELVE ÓSSEA MASCULINA PELVE ÓSSEA FEMININA Pelve maior profunda Pelve maior superficial Pelve menor estreita Pelve menor larga Abertura superior em forma de coração Abertura superior arredondada e larga Abertura inferior pequena Abertura inferior grande Menos inclinada anteriormente Mais inclinada anteriormente Ângulo subpúbico menor ou igual que 70º Ângulo subpúbico maior ou igual que 80º
  • 20. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 20 3.25 PELVE ÓSSEA DO RECÉM-NASCIDO Ao nascimento, os aspectos estruturais que constituem o dimorfismo sexual da pelve óssea do adulto estão ausentes. A forma geral da pelve do recém-nascido é a de um cone. O comprimento é um pouco maior, em proporção aos diâmetros máximos: ântero-posterior e transverso do que no adulto. O diâmetro ântero-posterior da pelve verdadeira é de cerca de 2,8cm e, o diâmetro transverso atinge aproximadamente 2,2 cm. O sacro forma uma maior parte da circunferência pélvica no recém-nascido do que no adulto. A asa do ílio é espessa e arredondada, estendendo-se para cima. A pelve cresce rapidamente nos primeiros anos de vida e após a criança assumir a postura bípede as alterações da forma da pelve são tênues. As diferenças entre os gêneros da pelve óssea aparecem na puberdade, resultando na mulher um canal razoavelmente largo, preparando-a para o parto natural.
  • 21. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 21 3.26 Mini-atlas As imagens anatômicas facilitam a compreensão do texto. Estude as imagens abaixo e releia o texto descrito anteriormente, esse procedimento facilitará o aprendizado. As imagens do mini-atlas foram produzidas por: Prof.Me. Leandro Nobeschi; Profa. Me. Paula C. G. Gonzales e Prof. Me. Paulo M. Gonzales. 3.26.1 Vista anterior do crânio (norma frontal)
  • 22. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 22 3.26.2 Vista inferior do crânio (Norma basilar)
  • 23. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 23 3.26.3 Vista lateral (Norma lateral) 3.26.4 Corte sagital paramediano
  • 24. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 24 3.26.5 Base interna do crânio – vista superior (Fonte: Netter, Atlas de Anatomia Humana, 2007. Modificado) 3.26.6 Fontículos
  • 25. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 25 3.26.7 Mandíbula 3.26.8 Ossículos da audição 3.26.9 Osso hióide
  • 26. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 26 3.26.10 Caixa torácica
  • 27. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 27 3.26.11 Osso esterno 3.26.12 Costela
  • 28. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 28 3.26.13 Vértebras
  • 29. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 29 3.26.14 Sacro e cóccix Vista anterior – pélvica Vista posterior - dorsal 3.26.15 Pelve óssea
  • 30. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 30 3.27 Exercício de memorização prática Com o auxílio do atlas de anatomia preencha o nome dos acidentes ósseos indicados nas figuras abaixo. Esse exercício auxilia a memorização. Você pode tentar preencher inicialmente sem o auxílio do Atlas de Anatomia, caso tenha dúvidas ou não consiga lembrar a estrutura, procure em seu livro. Ao finalizar esse exercício a nomenclatura tornar-se mais fácil. Faça a lápis, assim você poderá apagar e preencher novamente. COMPONENTES DE UMA VÉRTEBRA TÍPICA
  • 31. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 31 VÉRTEBRAS CERVICAIS Nome da vértebra__________________________ Nome da vértebra__________________________
  • 32. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 32 Vértebra cervical típica Vértebra torácica típica
  • 33. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 33 Vértebra lombar SACRO – VISTA ANTERIOR SACRO – VISTA POSTERIOR
  • 34. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 34 ESTERNO
  • 35. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 35 CRÂNIO – VISTA ANTERIOR
  • 36. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 36 CRÂNIO – VISTA SUPERIOR CRÂNIO – VISTA LATERAL
  • 37. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 37 CRÂNIO – BASE INTERNA
  • 38. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 38 CRÂNIO – BASE EXTERNA
  • 39. Esqueleto axial Autor: Prof. Me. Leandro Nobeschi Página 39 2.10 REFERÊNCIAS DI DIO, John Alphonse Liberato. Tratado de Anatomia Sistêmica Aplicada. São Paulo: Atheneu, 2002. DRAKE, Richard L; VOGL, Wayne; MITCHELL, Adam W. M. Gray: anatomia para estudantes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. FERNANDES, Geraldo José Medeiros. Eponímia: glossários de termos epônimos em anatomia. Etimologia: dicionário etimológico da nomenclatura anatômica. São Paulo: Plêiade, 1999. GARDNER, Ernest; GRAY, Donald J; O´RAHILLY, Ronan. Anatomia: estudo regional do corpo humano. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988. GOSS, Charles Mayo. Gray Anatomia. 29.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1988. MOORE, Keith L; DALLEY, Arthur F. Clinically Oriented Anatomy. 5.ed. Toronto: Lippincott Williams & Wilkins, 2006. AUTOR Prof. Me. Leandro Nobeschi Fisioterapeuta – Universidade do Grande ABC (UniABC) Tecnólogo em Radiologia – Centro Universitário Anhanguera de Santo André (UniA) Mestre em Morfologia – Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) E-mail: nobeschi@institutocimas.com.br