SlideShare uma empresa Scribd logo
ESPIRITUALIDADE e CIVILIZAÇÃO do ESPÍRITO
Adriana C.S. Melzer∗∗∗∗
“O futuro da humanidade está biologicamente em sua espiritualização.”
(Pietro Ubaldi)13
Léon Denis, no início do século XX em sua obra “O problema do ser, do destino e da dor”1
referiu-se ao momento vivido pela humanidade de então como sendo “tempos de anemia
moral”. Em uma coletânea das obras de Divaldo Franco ditadas pelo espírito Victor Hugo,5
falou-se da “noite moral” que governa destinos sob espessas sombras e que “O problema da
Humanidade, antes que socioeconômico é sociomoral”. Completando esse pensamento, em
uma de suas obras com Joanna de Ângelis,4 Divaldo afirma que “O problema humano,
portanto, maior e mais urgente para ser equacionado, é a própria criatura humana”.
De fato, diariamente somos confrontados por dezenas de acontecimentos que evidenciam a
carência moral e a insuficiência de valores espirituais no mundo atual. De tragédias familiares,
crimes variados e violência gratuita a excessivo culto ao corpo, exibicionismo desmedido e
exposição desnecessária da vida alheia, transita-se por uma vasta lista de desmazelos e
inconsequências que, juntando-se a ainda mais ampla gama de distúrbios, doenças,
sofrimento e dor, muito bem ilustram o quadro de indigência espiritual que povoa o mundo.
Pietro Ubaldi, em sua “Grande Síntese”,13 afirma que a maneira de se vencer a inércia moral
é espiritualizar-se. Na obra complementar, “A Nova Civilização do III Milênio”14 enfatiza que o
homem moderno é “...vivo só na carne, mas ainda adormecido no que diz respeito ao espírito”.
O autor explica que a atual maioria da humanidade vive e age na superfície,
inconscientemente, como que manobrada por instintos, sem saber quase nada a respeito do
porquê das coisas, “...em uma espécie de resignação à ignorância, de adaptação à
inconsciência...”, crendo estar sozinha no caos quando na verdade participa de imenso
organismo. Assim, se nos assustamos com a atual fase das coisas é porque somente vemos
essa superfície, não pensamos em profundidade.
∗
Terapeuta Holística, Fisioterapeuta, Mestre em Saúde Pública, Doutora em Saúde Coletiva (Unicamp)
Esta consciência espiritual13 ou esta faculdade de viver a vida cotidiana mantendo vínculo
mental com a continuidade da existência, ou seja, de viver com senso de eternidade3 é o que
aqui denominamos Espiritualidade.
Trata-se de mudar o nível de percepção da realidade, de sair da dualidade e despertar
para a unidade, para a essência,13 compreendendo a ligação entre todos os fenômenos, a
eternidade do espírito, a meta da vida, a lógica do destino, a significação das provas e da dor,
“...acostumar a conceber os efeitos a longos vencimentos, na vossa vida eterna, e não no
instante presente...”.13
O que falta ao homem é a responsabilidade de entender este “valor espiritual da vida”,
desenvolvendo a sua consciência cósmica, ao restabelecer o vínculo com a Divindade que o
inspira e conduz, entendendo que a vida é feita pelas forças da Lei, independente da sua
vontade e consciência. 5,13
A vivência da unidade cósmica ou vínculo com a Divindade – seja denominado Deus,
Brahma, Inteligência Suprema ou Absoluto – é que traz sentimentos de paz, confiança,
entrega, serenidade e harmonia, permitindo a não identificação com atitudes e
acontecimentos circunstanciais. 12
A consciência sobre a lei universal/ordem soberana mostra que no universo tudo clama
causalidade, ordem, indestrutibilidade. Tudo é função, equilíbrio e justiça e tudo está ligado
por uma rede de reações, conjugado ao funcionamento do grande organismo. Quando não se
tem essa consciência refugia-se na inconsciência do “aproveitar a vida”: filosofia do desespero,
cegueira intelectual e moral. 13
Em tempos onde a necessidade é “transformar o homem para que o mundo se
transforme,”8 é mister, como assevera Léon Denis: direcionar a atividade humana “.. com mais
intensidade para os caminhos do espírito.”1
Espiritualidade e Materialismo
“A vida perde o seu sentido, a sua significação, a sua razão de ser, quando o
homem se afasta da compreensão espiritual, buscando no mundo material a
única explicação das coisas.”
(J. Heculano Pires)8
Nas palavras de Victor Hugo (espírito), a vida material, “..breve parênteses aberto na
Eternidade...”, é a “asfixia da alma.” 9
Todos os indivíduos em experiência na dimensão física são impelidos por necessidades
eminentemente materiais e estão em luta com as “vozes da matéria”, constantemente atraindo
e influenciando suas ações. 1
Assim assinala Bezerra de Menezes abrindo o Prefácio da obra de Gilson Freire e
Adamastor (Espírito), “Senda Redentora”:6
“Em trânsito pela ribalta terrena, o espírito é incapaz de
antever com clareza a grande realidade em que se acha
imerso. Portando uma mente acanhada, abafada pelas
vestes carnais, envolvido pelas necessidades de
sobrevivência e ameaçado pelas adversidades naturais
de seu caminho, ele não conhece a sua origem, ignora
sua natureza e não percebe sua real destinação...” (p.13)
Todavia, isso não os obriga a manter a consciência exclusivamente nesse nível de realidade.
Para Léon Denis,1 o materialismo em si (enquanto filosofia), embora tenha representado uma
vigorosa e inevitável reação contra o dogma e a superstição e a favor do livre pensamento,
nada soube construir, pelo contrário, provocou o fechamento das almas a fé e tirou do homem
a sua “luz moral”, estancando a evolução moral do mundo.
Quanto mais a consciência é materialista, mais dela se subtraem os princípios da
moralidade e seus deveres. 2 Daí se explicam a crise moral e a decadência da nossa época,
ambas resultantes da imobilização do espírito humano e do enfraquecimento do sentimento
do dever: “A origem de todos os males está em nossa falta de saber e em nossa inferioridade
moral”.1
Herculano Pires8 observa que tanto o materialismo quanto o religiosismo (de onde se
derivam o ateísmo e a crendice, respectivamente) são “dois extremos perigosos da condição
humana”. De um lado, a “fé pela fé” (o extremo da religião), em que o homem crê sem indagar,
sem compreender nem querer compreender. De outro, aquele que só está bem enquanto não
lhe faltam recursos materiais. Ambos podem quebrar-se com facilidade ante os golpes da vida
porque as duas visões estão presas a um ponto de vista estreito: “...tanto à descrença absoluta
como à crendice beata faltam as luzes do verdadeiro esclarecimento espiritual, da verdadeira
ligação do homem com o sentido da vida.”
Enfim, é preciso entender a enorme superioridade do espírito sobre a matéria,1
possibilitando ao ser em evolução abrir-se para o seu verdadeiro caminho: a cidadania eterna
do espírito.13
Espiritualidade e Espiritismo
“Antes de tentardes fazer alguém espiritista, tornai-o espiritualista”
Allan Kardec (citado pelo espírito Victor Hugo).9
As ciências, filosofias e religiões representam estágios ou trechos percorridos pela
humanidade. As religiões em particular - quando não se fecham em dogmas estreitos e rígidos
que tolhem a liberdade do indivíduo - contribuem para a educação humana na medida em que
põem freio às paixões e à barbárie e fortalecem a noção moral da criatura. Elas não podem,
todavia, impedir a evolução do pensamento, devendo antes representar a síntese, enquanto a
ciência, representa a análise.1
A humanidade hoje (ou ao menos uma parcela dela em vias do despertamento) busca uma
concepção religiosa que esteja ao mesmo tempo em harmonia com os avanços da ciência e
que possa satisfazer a razão (procura pela verdade). A busca é pela libertação do miraculoso e
do sobrenatural, sem abandonar a relação homem-mundo invisível-Deus.2 Como enfatiza
Allan Kardec em "O Evangelho Segundo o Espiritismo”: "Só é inabalável a fé que pode encarar
a razão face a face, em todas as etapas da humanidade."10
Da união entre ciência e religião, destacaram-se os estudos que, acompanhando a
ascensão e evolução do pensamento no Ocidente, contemplavam o domínio do invisível,
intangível e imponderável. Nesse rol encontram-se as dezenas de pesquisas realizadas a partir
do século XIX, em especial sobre magnetismo e fluidos, enumerados e resumidos em muitas
obras, dentre as quais a de Léon Denis, “O problema do ser, do destino e da dor”1
Cabe ressaltar que muito antes desses estudos, os fenômenos espirituais estiveram nas
bases de todas as grandes doutrinas do passado e a relação entre os dois mundos, visível e
invisível, era parte delas. 2
O que se verifica é que embora muitas escolas ocultistas, esotéricas e teosóficas tenham
penetrado fundo no assunto relacionado aos fenômenos espirituais, apresentaram concepções
nem sempre admissíveis à luz da razão8 e isso não condiz com o pensamento crítico do
homem de hoje.
O espiritismo (a que Léon Denis denomina “Espiritualismo Moderno”2) se destaca por
abranger três características que a distinguem das demais escolas espiritualistas: é uma
doutrina cientifica, dado seu caráter experimental, buscando o esclarecimento através da
pesquisa, do estudo e da exposição da verdade;7 é doutrina filosófica sintética sobre a
existência, fórmula mais extensa e elevada da verdade2; e é também religião, considerando-se
a acepção original do termo, ou seja, no sentido de religação do homem a Deus, embora sem
dogmatizar e ritualizar como em muitas outras religiões.
Sobre as características do espiritismo, Allan Kardec enfatiza em seus escritos que por
basear-se em observações e deduções e posteriores comparações com as comunicações dos
espíritos, trata-se de uma doutrina científica e filosófica com consequências morais e
religiosas, como toda doutrina espiritualista, devido ao alcance psicológico que possui ao
modificar a visão de mundo dos indivíduos. Embora o codificador reconheça a possibilidade
de haver uma fase religiosa do movimento espírita, para ele o espiritismo não é uma religião
constituída, tendo em vista não ter nem culto, nem rito, nem templo, tampouco, entre os seus
adeptos, nenhum que tenha tomado ou recebido o título de sacerdote ou sumo-sacerdote.
“Essas qualificações são pura invenção da crítica”, disse ele. 7,11
Camille Flammarion, em discurso proferido sobre o túmulo de Kardec, assim se refere ao
espiritismo:
“...o Espiritismo não é uma religião, mas é uma ciência, ciência
da qual conhecemos apenas o a b c. O tempo dos dogmas
acabou. A Natureza abarca o Universo, e o próprio Deus, que
se fez outrora à imagem do homem, não pode ser considerado
pela metafísica moderna senão como um Espírito na
Natureza. O sobrenatural não existe mais. As manifestações
obtidas por intermédio dos médiuns, como as do magnetismo e
do sonambulismo, são de ordem natural, e devem ser
severamente submetidas ao controle da experiência. Não há
mais milagres. Assistimos à aurora de uma ciência
desconhecida. Quem poderia prever a quais consequências
conduzir·, no mundo do pensamento, o estudo positivo dessa
psicologia nova?”11
O espiritismo pode, portanto, ser considerado um dos (não o único) mais fidedignos
caminhos para se chegar à espiritualidade, enquanto ainda não podemos atingir a unidade
perfeita, quando as ciências, religiões, filosofias, hoje divididas, se unirem em uma síntese,
abrangendo todos os reinos da ideia, inaugurando “o esplendor do espírito, o reinado do
conhecimento”. 1
Para Léon Denis, o espiritismo é para espíritos livres, capazes de por si sós
compreenderem e encontrarem a solução para seus problemas. 1 Para aqueles que se inclinam
muitas vezes, “...a julgar os fatos no limite do acanhado horizonte dos seus preconceitos e dos
seus conhecimentos...”, o apóstolo do espiritismo enfatiza que cabe com urgência, “...elevar
mais alto, projetar mais longe o olhar e medir a sua fraqueza em face do Universo. Assim se
aprenderá a ser modesto, a nada rejeitar nem condenar sem prévio exame”. 2
Espiritualidade e Cristianismo
“O Cristianismo é a espiritualização da religião”.
(J. Herculano Pires)8
Cristo é a expressão mais alta da evolução espiritual do homem9 e a sua doutrina, o elo de
ligação da humanidade terrestre a Deus. Fonte pura de nutrição moral, o Cristianismo
promove a elevação da alma em detrimento da matéria e indica a finalidade da vida terrestre
como etapa de educação da alma.2 Pietro Ubaldi assim de refere ao legado de Cristo: “O vosso,
é o mundo visto da Terra; o Evangelho é o mundo visto do céu”. 13
Quando examinado no início de sua marcha, percebe-se como o Cristianismo surge como
momento de emancipação espiritual do homem, sendo, apenas mais tarde, desvirtuado de sua
missão original ao submeter-se aos dogmas e rituais impostos pelo Catolicismo.8
Ubaldi, que sintetiza Cristo segundo uma visão cósmica de sua passagem pela Terra,
assegura que a sua doutrina revela a técnica evolutiva enquadrada na biologia universal do
espírito: “Cristo nos mostrou o caminho da redenção, mas cada um deve percorrê-lo com o
seu próprio esforço”. 16
Desse modo, tanto a doutrina do Cristo quanto a doutrina dos espíritos querem que “...o
homem egoísta, brutal, carnal, agressivo, animalesco, seja substituído pelo homem
espiritual.”16 O espiritismo traz a missão de completar a obra do Cristo, libertando a religião
dos compromissos exteriores e instaurando na terra o reinado do espírito, base da nova
civilização do porvir.
A Civilização do Espírito
“...é pela soma de amor acumulada em nós que podemos avaliar o caminho que
temos andado para Deus”.
(Léon Denis)1
“A vida para o homem espiritual não é só rejeição dos valores do mundo, mas é,
acima de tudo, operosidade de conquista dos valores do Céu”.
(Pietro Ubaldi)16
Pietro Ubaldi afirma em “A Grande Síntese”13 que o deslocamento das aspirações humanas
e a inversão dos valores comuns, mudando o eixo da vida no sentido da revalorização de si
mesmo num nível mais elevado, conduzirão à construção de uma “alma nova”. Processo que
requer grande esforço, mas que terá como “farol luminoso” a nova espiritualidade: religião
sintética do porvir, feita da força do espírito e da bondade, enraizada na eternidade, universal
para sobreviver no tempo e sem limitações de espaço.
Produto da maturação que se alcança por evolução,13 o homem terá então uma visão
precisa do objetivo da existência e uma noção positiva do destino, que estimulará seu
aperfeiçoamento, com responsabilidade e disciplina moral. 2
A nova espiritualidade não será de casos individuais e isolados, mas se desenvolverá na
“reconstrução orgânica da civilização”. Ubaldi assim profetiza: “A nova espiritualidade do ano
3.000 deverá realizar-se em plano coletivo muito mais amplo, profundo e orgânico do que dos
precedentes.”14
A chamada Civilização do III Milênio representará o renascimento do mundo para a vida do
espírito, porque “...a verdadeira civilização está no ideal espiritual e (...) sem ele, os povos
caem na corrupção e na decadência”. 1
A Civilização do Espírito entenderá a alma (espírito) como “partícula da essência divina”,
que persiste e permanece na sua perpetuidade, em marcha ascendente, destinada a conhecer,
adquirir e possuir tudo, percorrendo no tempo e no espaço, um caminho sem limites. Os
homens seguirão essa “surda aspiração”, essa “...íntima energia misteriosa que nos encaminha
para as alturas, que nos faz tender para destinos cada vez mais elevados...”1
E então nos encontraremos onde se movem as forças do infinito, na “...torrente de
pensamentos e de energias...”,15 momento em que deixaremos de tocar as profundezas
sombrias do abismo para tocarmos “...as alturas fulgurantes do céu, o império glorioso dos
Espíritos”.1
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (em ordem alfabética)
1. Denis, Léon. O problema do ser, do destino e da dor. 20ª edição. Rio de Janeiro: FEB, 1998.
2. Denis, Léon. Cristianismo e Espiritismo. 7ª Edição. Rio de Janeiro: FEB, 1978.
3. Ferreira, Inácio. A escada de Jacó. Psicografia de Carlos A. Bacelli. Uberaba: Pedro e Paulo
Editora, 2004.
4. Franco, Divaldo. Pelo espírito Joanna de Ângelis. O ser consciente. Disponível em:
http://www.bvespirita.com
5. Franco, Divaldo e Fernandes, Washington L. Nogueira (org.). 100 Reflexões filosóficas e cor
local nos romances mediúnicos de Victor Hugo. Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2009.
6. Freire, Gilson T. Pelo espírito Adamastor. Senda Redentora: a saga do espírito que retorna a
Deus. 1ª Edição. Belo Horizonte: Editora INEDE, 2011.
7. Guimarães, Carlos Antonio Fragoso. O Espiritismo. Disponível em:
http://bvespirita.com/O%20Espiritismo%20(Carlos%20Antonio%20Fragoso%20Guimar%C
3%A3es).pdf
8. Herculano-Pires, J. O Homem Novo. Disponível em: http://bvespirita.com/
9. Hugo, Victor (Espírito). Na sombra e na luz. Psicografia de Zilda Gama. Rio de Janeiro: FEB,
2007.
10. Kardec, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. 191ª edição. São Paulo: Instituto de
Difusão Espírita, 1995.
11. Kardec, Allan. Obras Póstumas. Disponível em: http://bvespirita.com/
12. Saldanha, Vera. A psicoterapia transpessoal. Campinas: Editora Komedi, 1997.
13. Ubaldi, Pietro. A Grande Síntese – Síntese e solução dos problemas da ciência e do espírito.
5ª edição. São Paulo: LAKE, 1955.
14. Ubaldi, Pietro. A Nova Civilização do Terceiro Milênio. São Paulo: LAKE, 1956.
15. Ubaldi, Pietro. Ascese Mística. Disponível em:
http://www.ubaldi.org/index.php/biblioteca-virtual e http://bvespirita.com/
16. Ubaldi, Pietro. Cristo. 4ª Edição. Campos: Instituto Pietro Ubaldi, 2001.
Aeterna Holística © Copyright 2015. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
Ricardo Akerman
 
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
Herculano pires   obsessão -  o passe  - a doutrinaçãoHerculano pires   obsessão -  o passe  - a doutrinação
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
Claudia Ruzicki Kremer
 
Da alma humana antónio j. freire - feb
Da alma humana   antónio j. freire - febDa alma humana   antónio j. freire - feb
Da alma humana antónio j. freire - feb
Helio Cruz
 
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Nertan Jucá
 
Carater revelacao espirita
Carater revelacao espiritaCarater revelacao espirita
Carater revelacao espirita
Eduardo Duarte
 
A tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidadeA tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidade
Dókimos Aprovado
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
home
 
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espíritaAg 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Carater revelacao espirita
Carater revelacao espiritaCarater revelacao espirita
Carater revelacao espirita
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Entendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consoladorEntendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consolador
marciot
 
Deus e crencas no discurso_JJ Queiroz Exposicao
Deus e crencas no discurso_JJ Queiroz ExposicaoDeus e crencas no discurso_JJ Queiroz Exposicao
Deus e crencas no discurso_JJ Queiroz Exposicao
Rev. Jouberto Heringer
 
Genealogia da moral nietzsche
Genealogia da moral  nietzscheGenealogia da moral  nietzsche
Genealogia da moral nietzsche
masalas
 
Triplice Aspecto da Doutrina Espirita
Triplice Aspecto da Doutrina EspiritaTriplice Aspecto da Doutrina Espirita
Triplice Aspecto da Doutrina Espirita
Angelo Baptista
 
Nietzsche e o Existencialismo
Nietzsche e o ExistencialismoNietzsche e o Existencialismo
Nietzsche e o Existencialismo
Marco Aurélio Rodrigues Dias
 
Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.
Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.
Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.
Geead Abu Dhabi
 
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do EspíritoMinistério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
mlrehbein
 
Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22
Candice Gunther
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Carlos Alberto Monteiro da Silva
 
Ipece 140226-CESP-apresentação-pq
Ipece 140226-CESP-apresentação-pqIpece 140226-CESP-apresentação-pq
Ipece 140226-CESP-apresentação-pq
Fernando Fazzane
 
A filosofia cristã de agostinho
A filosofia cristã de agostinhoA filosofia cristã de agostinho
A filosofia cristã de agostinho
Jorge Miklos
 

Mais procurados (20)

A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques   espírito ...
A cura do corpo e do espírito (psicografia luiz guilherme marques espírito ...
 
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
Herculano pires   obsessão -  o passe  - a doutrinaçãoHerculano pires   obsessão -  o passe  - a doutrinação
Herculano pires obsessão - o passe - a doutrinação
 
Da alma humana antónio j. freire - feb
Da alma humana   antónio j. freire - febDa alma humana   antónio j. freire - feb
Da alma humana antónio j. freire - feb
 
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
Espiritismo, científico, filosófico e religioso (nertan jucá)
 
Carater revelacao espirita
Carater revelacao espiritaCarater revelacao espirita
Carater revelacao espirita
 
A tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidadeA tendência humana para religiosidade
A tendência humana para religiosidade
 
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5hO que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
O que é o Espiritismo? (o tríplice aspecto)-1,5h
 
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espíritaAg 110209-caracteres da revelação espírita
Ag 110209-caracteres da revelação espírita
 
Carater revelacao espirita
Carater revelacao espiritaCarater revelacao espirita
Carater revelacao espirita
 
Entendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consoladorEntendendo a vida evo consolador
Entendendo a vida evo consolador
 
Deus e crencas no discurso_JJ Queiroz Exposicao
Deus e crencas no discurso_JJ Queiroz ExposicaoDeus e crencas no discurso_JJ Queiroz Exposicao
Deus e crencas no discurso_JJ Queiroz Exposicao
 
Genealogia da moral nietzsche
Genealogia da moral  nietzscheGenealogia da moral  nietzsche
Genealogia da moral nietzsche
 
Triplice Aspecto da Doutrina Espirita
Triplice Aspecto da Doutrina EspiritaTriplice Aspecto da Doutrina Espirita
Triplice Aspecto da Doutrina Espirita
 
Nietzsche e o Existencialismo
Nietzsche e o ExistencialismoNietzsche e o Existencialismo
Nietzsche e o Existencialismo
 
Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.
Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.
Geead 01/06/2011 - Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita.
 
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do EspíritoMinistério Educacional na Lógica do Espírito
Ministério Educacional na Lógica do Espírito
 
Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22Estudo do livro Roteiro lição 22
Estudo do livro Roteiro lição 22
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
 
Ipece 140226-CESP-apresentação-pq
Ipece 140226-CESP-apresentação-pqIpece 140226-CESP-apresentação-pq
Ipece 140226-CESP-apresentação-pq
 
A filosofia cristã de agostinho
A filosofia cristã de agostinhoA filosofia cristã de agostinho
A filosofia cristã de agostinho
 

Destaque

Organizing the self employed - the politics of the urban informal sector
Organizing the self employed - the politics of the urban informal sectorOrganizing the self employed - the politics of the urban informal sector
Organizing the self employed - the politics of the urban informal sector
Dr Lendy Spires
 
A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...
A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...
A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...
Dr Lendy Spires
 
Steundeclub.nl presentatie
Steundeclub.nl presentatieSteundeclub.nl presentatie
Steundeclub.nl presentatie
Kentaa
 
ENSAYO
ENSAYOENSAYO
ENSAYO
Mau_Novelo
 
Common core.adolescent gifted readers
Common core.adolescent gifted readersCommon core.adolescent gifted readers
Common core.adolescent gifted readers
Liz Fogarty
 
Libro Bianco del Congressuale Italiano
Libro Bianco del Congressuale ItalianoLibro Bianco del Congressuale Italiano
Libro Bianco del Congressuale Italiano
MeetingConsultantssrl
 
Web 2.0.
Web 2.0.Web 2.0.
Web 2.0.
SantiagoMejiaM
 
Environmental policy in the presence of an informal sector
Environmental policy in the presence of an informal sectorEnvironmental policy in the presence of an informal sector
Environmental policy in the presence of an informal sector
Dr Lendy Spires
 
Ambreen Supply chain 1998
Ambreen Supply chain 1998Ambreen Supply chain 1998
Ambreen Supply chain 1998
rbi
 
José ortega y gasset contexto
José ortega y gasset contextoJosé ortega y gasset contexto
José ortega y gasset contexto
IES LLANES OF SEVILLE
 
Jorge 3
Jorge 3Jorge 3
Jorge 3
zhusestra
 
Transit of venus
Transit of venusTransit of venus
Transit of venus
MynameisPoseidon
 
Skin care
Skin careSkin care
Skin care
merijanhoap
 
Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014
Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014
Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014
ntomata
 
Young marketer 3 final round - bui nguon anh tuan
Young marketer 3  final round - bui nguon anh tuanYoung marketer 3  final round - bui nguon anh tuan
Young marketer 3 final round - bui nguon anh tuan
mrkelvin2094
 
Gacetilla de prensa 14 11-2014
Gacetilla de prensa 14 11-2014Gacetilla de prensa 14 11-2014
Gacetilla de prensa 14 11-2014
Siemprefm Cientouno Punto Cinco
 
Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...
Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...
Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...
Dr Lendy Spires
 
Buckley Bio Powerpoint July 11 2015
Buckley Bio Powerpoint July 11 2015Buckley Bio Powerpoint July 11 2015
Buckley Bio Powerpoint July 11 2015
Mark Buckley
 
Investing in african youth mesuring the pulse of africa
Investing in african youth mesuring the pulse of africaInvesting in african youth mesuring the pulse of africa
Investing in african youth mesuring the pulse of africa
Dr Lendy Spires
 
Retail reusable infographic v3 ppt
Retail reusable infographic v3 pptRetail reusable infographic v3 ppt
Retail reusable infographic v3 ppt
earthwisebags
 

Destaque (20)

Organizing the self employed - the politics of the urban informal sector
Organizing the self employed - the politics of the urban informal sectorOrganizing the self employed - the politics of the urban informal sector
Organizing the self employed - the politics of the urban informal sector
 
A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...
A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...
A guidebook for mainstreaming gender perspectives and household production in...
 
Steundeclub.nl presentatie
Steundeclub.nl presentatieSteundeclub.nl presentatie
Steundeclub.nl presentatie
 
ENSAYO
ENSAYOENSAYO
ENSAYO
 
Common core.adolescent gifted readers
Common core.adolescent gifted readersCommon core.adolescent gifted readers
Common core.adolescent gifted readers
 
Libro Bianco del Congressuale Italiano
Libro Bianco del Congressuale ItalianoLibro Bianco del Congressuale Italiano
Libro Bianco del Congressuale Italiano
 
Web 2.0.
Web 2.0.Web 2.0.
Web 2.0.
 
Environmental policy in the presence of an informal sector
Environmental policy in the presence of an informal sectorEnvironmental policy in the presence of an informal sector
Environmental policy in the presence of an informal sector
 
Ambreen Supply chain 1998
Ambreen Supply chain 1998Ambreen Supply chain 1998
Ambreen Supply chain 1998
 
José ortega y gasset contexto
José ortega y gasset contextoJosé ortega y gasset contexto
José ortega y gasset contexto
 
Jorge 3
Jorge 3Jorge 3
Jorge 3
 
Transit of venus
Transit of venusTransit of venus
Transit of venus
 
Skin care
Skin careSkin care
Skin care
 
Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014
Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014
Πολυτεχνείο 1973- Πολυτεχνείο 2014
 
Young marketer 3 final round - bui nguon anh tuan
Young marketer 3  final round - bui nguon anh tuanYoung marketer 3  final round - bui nguon anh tuan
Young marketer 3 final round - bui nguon anh tuan
 
Gacetilla de prensa 14 11-2014
Gacetilla de prensa 14 11-2014Gacetilla de prensa 14 11-2014
Gacetilla de prensa 14 11-2014
 
Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...
Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...
Training for work in the informal sector new evidence from eastern and southe...
 
Buckley Bio Powerpoint July 11 2015
Buckley Bio Powerpoint July 11 2015Buckley Bio Powerpoint July 11 2015
Buckley Bio Powerpoint July 11 2015
 
Investing in african youth mesuring the pulse of africa
Investing in african youth mesuring the pulse of africaInvesting in african youth mesuring the pulse of africa
Investing in african youth mesuring the pulse of africa
 
Retail reusable infographic v3 ppt
Retail reusable infographic v3 pptRetail reusable infographic v3 ppt
Retail reusable infographic v3 ppt
 

Semelhante a Espiritualidade

O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbação
fespiritacrista
 
Filosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptxFilosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptx
Josevandro Soares
 
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
Nicolas Pelicioni
 
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo EspiritualEspiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
floresnoar
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
liliancostadias
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
Universidade Federal Fluminense
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
Silas Bruno Mps
 
Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611
Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611
Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611
UFC
 
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIASUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
UFC
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
jeconiaseandreia
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
jeconiaseandreia
 
Mediunidade doença mental ou oportunidade!
Mediunidade doença mental ou oportunidade!Mediunidade doença mental ou oportunidade!
Mediunidade doença mental ou oportunidade!
Leonardo Pereira
 
Alquimia da Prece
Alquimia da PreceAlquimia da Prece
Alquimia da Prece
RODRIGO ORION
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
Laguat
 
Tópicos especiais em filosofia
Tópicos especiais em filosofiaTópicos especiais em filosofia
Tópicos especiais em filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
paraiba1974
 
J. herculano pires obsessão passe e doutrinação
J. herculano pires   obsessão passe e doutrinaçãoJ. herculano pires   obsessão passe e doutrinação
J. herculano pires obsessão passe e doutrinação
Helio Cruz
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Roteiro 1 existência de deus
Roteiro 1   existência de deusRoteiro 1   existência de deus
Roteiro 1 existência de deus
Bruno Cechinel Filho
 

Semelhante a Espiritualidade (20)

O homem integral fatores de perturbação
O homem integral   fatores de perturbaçãoO homem integral   fatores de perturbação
O homem integral fatores de perturbação
 
Filosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptxFilosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptx
 
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo“Psicologia, uma (nova) introdução”   resumo
“Psicologia, uma (nova) introdução” resumo
 
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo EspiritualEspiritualidade e Materialismo Espiritual
Espiritualidade e Materialismo Espiritual
 
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de EspiritismoAula 05 Curso Básico de Espiritismo
Aula 05 Curso Básico de Espiritismo
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
 
Homo religiosus
Homo religiosusHomo religiosus
Homo religiosus
 
Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611
Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611
Palestra sesc a emergência do conceito ... 160611
 
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIASUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
SUBJETIVIDADE FILOSOFIA PSICOLOGIA
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Mediunidade doença mental ou oportunidade!
Mediunidade doença mental ou oportunidade!Mediunidade doença mental ou oportunidade!
Mediunidade doença mental ou oportunidade!
 
Alquimia da Prece
Alquimia da PreceAlquimia da Prece
Alquimia da Prece
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
 
Tópicos especiais em filosofia
Tópicos especiais em filosofiaTópicos especiais em filosofia
Tópicos especiais em filosofia
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
J. herculano pires obsessão passe e doutrinação
J. herculano pires   obsessão passe e doutrinaçãoJ. herculano pires   obsessão passe e doutrinação
J. herculano pires obsessão passe e doutrinação
 
2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência2º anos (Filosofia) Consciência
2º anos (Filosofia) Consciência
 
Roteiro 1 existência de deus
Roteiro 1   existência de deusRoteiro 1   existência de deus
Roteiro 1 existência de deus
 

Espiritualidade

  • 1. ESPIRITUALIDADE e CIVILIZAÇÃO do ESPÍRITO Adriana C.S. Melzer∗∗∗∗ “O futuro da humanidade está biologicamente em sua espiritualização.” (Pietro Ubaldi)13 Léon Denis, no início do século XX em sua obra “O problema do ser, do destino e da dor”1 referiu-se ao momento vivido pela humanidade de então como sendo “tempos de anemia moral”. Em uma coletânea das obras de Divaldo Franco ditadas pelo espírito Victor Hugo,5 falou-se da “noite moral” que governa destinos sob espessas sombras e que “O problema da Humanidade, antes que socioeconômico é sociomoral”. Completando esse pensamento, em uma de suas obras com Joanna de Ângelis,4 Divaldo afirma que “O problema humano, portanto, maior e mais urgente para ser equacionado, é a própria criatura humana”. De fato, diariamente somos confrontados por dezenas de acontecimentos que evidenciam a carência moral e a insuficiência de valores espirituais no mundo atual. De tragédias familiares, crimes variados e violência gratuita a excessivo culto ao corpo, exibicionismo desmedido e exposição desnecessária da vida alheia, transita-se por uma vasta lista de desmazelos e inconsequências que, juntando-se a ainda mais ampla gama de distúrbios, doenças, sofrimento e dor, muito bem ilustram o quadro de indigência espiritual que povoa o mundo. Pietro Ubaldi, em sua “Grande Síntese”,13 afirma que a maneira de se vencer a inércia moral é espiritualizar-se. Na obra complementar, “A Nova Civilização do III Milênio”14 enfatiza que o homem moderno é “...vivo só na carne, mas ainda adormecido no que diz respeito ao espírito”. O autor explica que a atual maioria da humanidade vive e age na superfície, inconscientemente, como que manobrada por instintos, sem saber quase nada a respeito do porquê das coisas, “...em uma espécie de resignação à ignorância, de adaptação à inconsciência...”, crendo estar sozinha no caos quando na verdade participa de imenso organismo. Assim, se nos assustamos com a atual fase das coisas é porque somente vemos essa superfície, não pensamos em profundidade. ∗ Terapeuta Holística, Fisioterapeuta, Mestre em Saúde Pública, Doutora em Saúde Coletiva (Unicamp)
  • 2. Esta consciência espiritual13 ou esta faculdade de viver a vida cotidiana mantendo vínculo mental com a continuidade da existência, ou seja, de viver com senso de eternidade3 é o que aqui denominamos Espiritualidade. Trata-se de mudar o nível de percepção da realidade, de sair da dualidade e despertar para a unidade, para a essência,13 compreendendo a ligação entre todos os fenômenos, a eternidade do espírito, a meta da vida, a lógica do destino, a significação das provas e da dor, “...acostumar a conceber os efeitos a longos vencimentos, na vossa vida eterna, e não no instante presente...”.13 O que falta ao homem é a responsabilidade de entender este “valor espiritual da vida”, desenvolvendo a sua consciência cósmica, ao restabelecer o vínculo com a Divindade que o inspira e conduz, entendendo que a vida é feita pelas forças da Lei, independente da sua vontade e consciência. 5,13 A vivência da unidade cósmica ou vínculo com a Divindade – seja denominado Deus, Brahma, Inteligência Suprema ou Absoluto – é que traz sentimentos de paz, confiança, entrega, serenidade e harmonia, permitindo a não identificação com atitudes e acontecimentos circunstanciais. 12 A consciência sobre a lei universal/ordem soberana mostra que no universo tudo clama causalidade, ordem, indestrutibilidade. Tudo é função, equilíbrio e justiça e tudo está ligado por uma rede de reações, conjugado ao funcionamento do grande organismo. Quando não se tem essa consciência refugia-se na inconsciência do “aproveitar a vida”: filosofia do desespero, cegueira intelectual e moral. 13 Em tempos onde a necessidade é “transformar o homem para que o mundo se transforme,”8 é mister, como assevera Léon Denis: direcionar a atividade humana “.. com mais intensidade para os caminhos do espírito.”1
  • 3. Espiritualidade e Materialismo “A vida perde o seu sentido, a sua significação, a sua razão de ser, quando o homem se afasta da compreensão espiritual, buscando no mundo material a única explicação das coisas.” (J. Heculano Pires)8 Nas palavras de Victor Hugo (espírito), a vida material, “..breve parênteses aberto na Eternidade...”, é a “asfixia da alma.” 9 Todos os indivíduos em experiência na dimensão física são impelidos por necessidades eminentemente materiais e estão em luta com as “vozes da matéria”, constantemente atraindo e influenciando suas ações. 1 Assim assinala Bezerra de Menezes abrindo o Prefácio da obra de Gilson Freire e Adamastor (Espírito), “Senda Redentora”:6 “Em trânsito pela ribalta terrena, o espírito é incapaz de antever com clareza a grande realidade em que se acha imerso. Portando uma mente acanhada, abafada pelas vestes carnais, envolvido pelas necessidades de sobrevivência e ameaçado pelas adversidades naturais de seu caminho, ele não conhece a sua origem, ignora sua natureza e não percebe sua real destinação...” (p.13) Todavia, isso não os obriga a manter a consciência exclusivamente nesse nível de realidade. Para Léon Denis,1 o materialismo em si (enquanto filosofia), embora tenha representado uma vigorosa e inevitável reação contra o dogma e a superstição e a favor do livre pensamento, nada soube construir, pelo contrário, provocou o fechamento das almas a fé e tirou do homem a sua “luz moral”, estancando a evolução moral do mundo. Quanto mais a consciência é materialista, mais dela se subtraem os princípios da moralidade e seus deveres. 2 Daí se explicam a crise moral e a decadência da nossa época, ambas resultantes da imobilização do espírito humano e do enfraquecimento do sentimento do dever: “A origem de todos os males está em nossa falta de saber e em nossa inferioridade moral”.1
  • 4. Herculano Pires8 observa que tanto o materialismo quanto o religiosismo (de onde se derivam o ateísmo e a crendice, respectivamente) são “dois extremos perigosos da condição humana”. De um lado, a “fé pela fé” (o extremo da religião), em que o homem crê sem indagar, sem compreender nem querer compreender. De outro, aquele que só está bem enquanto não lhe faltam recursos materiais. Ambos podem quebrar-se com facilidade ante os golpes da vida porque as duas visões estão presas a um ponto de vista estreito: “...tanto à descrença absoluta como à crendice beata faltam as luzes do verdadeiro esclarecimento espiritual, da verdadeira ligação do homem com o sentido da vida.” Enfim, é preciso entender a enorme superioridade do espírito sobre a matéria,1 possibilitando ao ser em evolução abrir-se para o seu verdadeiro caminho: a cidadania eterna do espírito.13 Espiritualidade e Espiritismo “Antes de tentardes fazer alguém espiritista, tornai-o espiritualista” Allan Kardec (citado pelo espírito Victor Hugo).9 As ciências, filosofias e religiões representam estágios ou trechos percorridos pela humanidade. As religiões em particular - quando não se fecham em dogmas estreitos e rígidos que tolhem a liberdade do indivíduo - contribuem para a educação humana na medida em que põem freio às paixões e à barbárie e fortalecem a noção moral da criatura. Elas não podem, todavia, impedir a evolução do pensamento, devendo antes representar a síntese, enquanto a ciência, representa a análise.1 A humanidade hoje (ou ao menos uma parcela dela em vias do despertamento) busca uma concepção religiosa que esteja ao mesmo tempo em harmonia com os avanços da ciência e que possa satisfazer a razão (procura pela verdade). A busca é pela libertação do miraculoso e do sobrenatural, sem abandonar a relação homem-mundo invisível-Deus.2 Como enfatiza Allan Kardec em "O Evangelho Segundo o Espiritismo”: "Só é inabalável a fé que pode encarar a razão face a face, em todas as etapas da humanidade."10 Da união entre ciência e religião, destacaram-se os estudos que, acompanhando a ascensão e evolução do pensamento no Ocidente, contemplavam o domínio do invisível, intangível e imponderável. Nesse rol encontram-se as dezenas de pesquisas realizadas a partir do século XIX, em especial sobre magnetismo e fluidos, enumerados e resumidos em muitas obras, dentre as quais a de Léon Denis, “O problema do ser, do destino e da dor”1
  • 5. Cabe ressaltar que muito antes desses estudos, os fenômenos espirituais estiveram nas bases de todas as grandes doutrinas do passado e a relação entre os dois mundos, visível e invisível, era parte delas. 2 O que se verifica é que embora muitas escolas ocultistas, esotéricas e teosóficas tenham penetrado fundo no assunto relacionado aos fenômenos espirituais, apresentaram concepções nem sempre admissíveis à luz da razão8 e isso não condiz com o pensamento crítico do homem de hoje. O espiritismo (a que Léon Denis denomina “Espiritualismo Moderno”2) se destaca por abranger três características que a distinguem das demais escolas espiritualistas: é uma doutrina cientifica, dado seu caráter experimental, buscando o esclarecimento através da pesquisa, do estudo e da exposição da verdade;7 é doutrina filosófica sintética sobre a existência, fórmula mais extensa e elevada da verdade2; e é também religião, considerando-se a acepção original do termo, ou seja, no sentido de religação do homem a Deus, embora sem dogmatizar e ritualizar como em muitas outras religiões. Sobre as características do espiritismo, Allan Kardec enfatiza em seus escritos que por basear-se em observações e deduções e posteriores comparações com as comunicações dos espíritos, trata-se de uma doutrina científica e filosófica com consequências morais e religiosas, como toda doutrina espiritualista, devido ao alcance psicológico que possui ao modificar a visão de mundo dos indivíduos. Embora o codificador reconheça a possibilidade de haver uma fase religiosa do movimento espírita, para ele o espiritismo não é uma religião constituída, tendo em vista não ter nem culto, nem rito, nem templo, tampouco, entre os seus adeptos, nenhum que tenha tomado ou recebido o título de sacerdote ou sumo-sacerdote. “Essas qualificações são pura invenção da crítica”, disse ele. 7,11 Camille Flammarion, em discurso proferido sobre o túmulo de Kardec, assim se refere ao espiritismo: “...o Espiritismo não é uma religião, mas é uma ciência, ciência da qual conhecemos apenas o a b c. O tempo dos dogmas acabou. A Natureza abarca o Universo, e o próprio Deus, que se fez outrora à imagem do homem, não pode ser considerado pela metafísica moderna senão como um Espírito na Natureza. O sobrenatural não existe mais. As manifestações obtidas por intermédio dos médiuns, como as do magnetismo e
  • 6. do sonambulismo, são de ordem natural, e devem ser severamente submetidas ao controle da experiência. Não há mais milagres. Assistimos à aurora de uma ciência desconhecida. Quem poderia prever a quais consequências conduzir·, no mundo do pensamento, o estudo positivo dessa psicologia nova?”11 O espiritismo pode, portanto, ser considerado um dos (não o único) mais fidedignos caminhos para se chegar à espiritualidade, enquanto ainda não podemos atingir a unidade perfeita, quando as ciências, religiões, filosofias, hoje divididas, se unirem em uma síntese, abrangendo todos os reinos da ideia, inaugurando “o esplendor do espírito, o reinado do conhecimento”. 1 Para Léon Denis, o espiritismo é para espíritos livres, capazes de por si sós compreenderem e encontrarem a solução para seus problemas. 1 Para aqueles que se inclinam muitas vezes, “...a julgar os fatos no limite do acanhado horizonte dos seus preconceitos e dos seus conhecimentos...”, o apóstolo do espiritismo enfatiza que cabe com urgência, “...elevar mais alto, projetar mais longe o olhar e medir a sua fraqueza em face do Universo. Assim se aprenderá a ser modesto, a nada rejeitar nem condenar sem prévio exame”. 2 Espiritualidade e Cristianismo “O Cristianismo é a espiritualização da religião”. (J. Herculano Pires)8 Cristo é a expressão mais alta da evolução espiritual do homem9 e a sua doutrina, o elo de ligação da humanidade terrestre a Deus. Fonte pura de nutrição moral, o Cristianismo promove a elevação da alma em detrimento da matéria e indica a finalidade da vida terrestre como etapa de educação da alma.2 Pietro Ubaldi assim de refere ao legado de Cristo: “O vosso, é o mundo visto da Terra; o Evangelho é o mundo visto do céu”. 13 Quando examinado no início de sua marcha, percebe-se como o Cristianismo surge como momento de emancipação espiritual do homem, sendo, apenas mais tarde, desvirtuado de sua missão original ao submeter-se aos dogmas e rituais impostos pelo Catolicismo.8
  • 7. Ubaldi, que sintetiza Cristo segundo uma visão cósmica de sua passagem pela Terra, assegura que a sua doutrina revela a técnica evolutiva enquadrada na biologia universal do espírito: “Cristo nos mostrou o caminho da redenção, mas cada um deve percorrê-lo com o seu próprio esforço”. 16 Desse modo, tanto a doutrina do Cristo quanto a doutrina dos espíritos querem que “...o homem egoísta, brutal, carnal, agressivo, animalesco, seja substituído pelo homem espiritual.”16 O espiritismo traz a missão de completar a obra do Cristo, libertando a religião dos compromissos exteriores e instaurando na terra o reinado do espírito, base da nova civilização do porvir. A Civilização do Espírito “...é pela soma de amor acumulada em nós que podemos avaliar o caminho que temos andado para Deus”. (Léon Denis)1 “A vida para o homem espiritual não é só rejeição dos valores do mundo, mas é, acima de tudo, operosidade de conquista dos valores do Céu”. (Pietro Ubaldi)16 Pietro Ubaldi afirma em “A Grande Síntese”13 que o deslocamento das aspirações humanas e a inversão dos valores comuns, mudando o eixo da vida no sentido da revalorização de si mesmo num nível mais elevado, conduzirão à construção de uma “alma nova”. Processo que requer grande esforço, mas que terá como “farol luminoso” a nova espiritualidade: religião sintética do porvir, feita da força do espírito e da bondade, enraizada na eternidade, universal para sobreviver no tempo e sem limitações de espaço. Produto da maturação que se alcança por evolução,13 o homem terá então uma visão precisa do objetivo da existência e uma noção positiva do destino, que estimulará seu aperfeiçoamento, com responsabilidade e disciplina moral. 2 A nova espiritualidade não será de casos individuais e isolados, mas se desenvolverá na “reconstrução orgânica da civilização”. Ubaldi assim profetiza: “A nova espiritualidade do ano 3.000 deverá realizar-se em plano coletivo muito mais amplo, profundo e orgânico do que dos precedentes.”14
  • 8. A chamada Civilização do III Milênio representará o renascimento do mundo para a vida do espírito, porque “...a verdadeira civilização está no ideal espiritual e (...) sem ele, os povos caem na corrupção e na decadência”. 1 A Civilização do Espírito entenderá a alma (espírito) como “partícula da essência divina”, que persiste e permanece na sua perpetuidade, em marcha ascendente, destinada a conhecer, adquirir e possuir tudo, percorrendo no tempo e no espaço, um caminho sem limites. Os homens seguirão essa “surda aspiração”, essa “...íntima energia misteriosa que nos encaminha para as alturas, que nos faz tender para destinos cada vez mais elevados...”1 E então nos encontraremos onde se movem as forças do infinito, na “...torrente de pensamentos e de energias...”,15 momento em que deixaremos de tocar as profundezas sombrias do abismo para tocarmos “...as alturas fulgurantes do céu, o império glorioso dos Espíritos”.1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (em ordem alfabética) 1. Denis, Léon. O problema do ser, do destino e da dor. 20ª edição. Rio de Janeiro: FEB, 1998. 2. Denis, Léon. Cristianismo e Espiritismo. 7ª Edição. Rio de Janeiro: FEB, 1978. 3. Ferreira, Inácio. A escada de Jacó. Psicografia de Carlos A. Bacelli. Uberaba: Pedro e Paulo Editora, 2004. 4. Franco, Divaldo. Pelo espírito Joanna de Ângelis. O ser consciente. Disponível em: http://www.bvespirita.com 5. Franco, Divaldo e Fernandes, Washington L. Nogueira (org.). 100 Reflexões filosóficas e cor local nos romances mediúnicos de Victor Hugo. Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2009. 6. Freire, Gilson T. Pelo espírito Adamastor. Senda Redentora: a saga do espírito que retorna a Deus. 1ª Edição. Belo Horizonte: Editora INEDE, 2011. 7. Guimarães, Carlos Antonio Fragoso. O Espiritismo. Disponível em: http://bvespirita.com/O%20Espiritismo%20(Carlos%20Antonio%20Fragoso%20Guimar%C 3%A3es).pdf 8. Herculano-Pires, J. O Homem Novo. Disponível em: http://bvespirita.com/ 9. Hugo, Victor (Espírito). Na sombra e na luz. Psicografia de Zilda Gama. Rio de Janeiro: FEB, 2007. 10. Kardec, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. 191ª edição. São Paulo: Instituto de Difusão Espírita, 1995.
  • 9. 11. Kardec, Allan. Obras Póstumas. Disponível em: http://bvespirita.com/ 12. Saldanha, Vera. A psicoterapia transpessoal. Campinas: Editora Komedi, 1997. 13. Ubaldi, Pietro. A Grande Síntese – Síntese e solução dos problemas da ciência e do espírito. 5ª edição. São Paulo: LAKE, 1955. 14. Ubaldi, Pietro. A Nova Civilização do Terceiro Milênio. São Paulo: LAKE, 1956. 15. Ubaldi, Pietro. Ascese Mística. Disponível em: http://www.ubaldi.org/index.php/biblioteca-virtual e http://bvespirita.com/ 16. Ubaldi, Pietro. Cristo. 4ª Edição. Campos: Instituto Pietro Ubaldi, 2001. Aeterna Holística © Copyright 2015. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial.