SlideShare uma empresa Scribd logo
ENSantidade
Revista
EQUIPES DE NOSSA SENHORA DA REGIÃO GOIÁS CENTRO
ANO VI - N° 21 - JUL/AGO/SET . 2015
ENCONTRO NACIONAL PÁG.2
PCE MEDITAÇÃO:
EXERCÍCIO ORAÇÃO E
DESCOBERTA DE DEUS
PÁG. 7
BREVE HISTÓRICO
EQUIPES NOSSA
SENHORA
PÁG. 9
2
PALAVRA DO REGIONAL
Queridos Equipistas!
E, ao terceiro dia, fizeram-se
umas bodas em Caná da Galiléia;
e estava ali a mãe de Jesus. Foi
também convidado Jesus e os seus
discípulos para as bodas. E, faltando
vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles
não têm mais vinho. Sua mãe disse
aos serventes: Fazei tudo quanto ele
vos disser. (Jo, 2, 1-3, 5)
Embalados pelas mensagens e
testemunhos do III Encontro Nacio-
nal em Aparecida, ousemos o Evan-
gelho, cada um na sua missão!
Retomamos aqui algumas pala-
vras do SCE/SRB Pe. Paulo Renato ao
final do encontro, no momento em
que nos lembrou que somos movidos
por uma TEOLOGIA e não por IDEO-
LOGIAS humanas! Portanto, o que
nos constrói são as decisões que to-
mamos durante nossa vida e que só
podemos testemunhar o que viven-
ciamos. Assim, cabe-nos assegurar
de que estamos realmente imbuídos
de Deus em nossas ações!
Lembrou-nos também, que nós
Equipistas recebemos muito e por
isso temos uma dívida eclesial a
resgatar! Basta olharmos o que te-
mos à nossa disposição (casais, sa-
cerdotes/acompanhantes espiritu-
ais temporários e toda a estrutura
do movimento)! Desta forma, cada
equipista, deve encher sua talha, dos
irmãos mais próximos e em cadeia,
partirmos para a missão que ELE nos
confiou, a de evangelizar... Devemos
fazer com que as reuniões formais se-
jam canais da graça e amor de Deus,
assim, nossas talhas a cada mês se
enchem e não mais haverá sede e
estaremos prontos a dar ao mundo a
razão de nossa fé! Será que nossas
reuniões de equipe estão sendo efi-
cazes neste aspecto?
Estamos de fato, fazendo o que
nos pediu amorosamente Nossa
Senhora? Fazei tudo o que Ele vos
disser? Para atendê-la, primeiro de-
vemos estar prontos a OUVIR, capaci-
tados a RESPONDER (“Fala, teu servo
escuta! 1Sam. 3,10) e depois disponí-
veis para AGIR, sempre convictos de
que tudo que nos é pedido, já nos foi
dado, por Deus!
Desta forma, desejamos que se
programem, de acordo com o calen-
dário de cada setor, para as ativida-
des deste segundo semestre! São
vários eventos formativos e outros
festivos: retiros, Interequipes, reu-
nião horizontal, adoração, confrater-
nização, galinhada, etc.
Queremos de modo especial, falar
aos queridos Equipistas que ingres-
saram mais recentemente no movi-
mento e CONVIDÁ-LOS com muito
carinho a participarem da cerimônia
de compromisso, que ocorrerá nos
dias 26 e 27 de setembro. Durante o
Encontro de Equipes Novas (EEN) ha-
verá um momento especial e solene,
em que darão o SIM definitivo e se-
rão acolhidos pela equipe de Forma-
dores da Província Centro Oeste. Este
é um marco na história de cada casal
equipista, é a coroação de toda a pi-
lotagem! Estamos ansiosos e desde
já, nos preparando para acolhê-los.
Em outubro, acontece em to-
das as equipes o discernimento para
CRE/2016,elevemosnossopensamen-
to a Deus, para que o casal CHAMADO,
possa ouvir, sentir-se amado e agracia-
do pela oportunidade de servir!
Carinhosamente,
Maria e Nonato - Equipe 4A Andréia e Earle - Equipe 3 Água Boa Maria Aparecida e Sousa - Equipe 8B
Lu e Nelson - Equipe 1A
Tania e Ramon - Equipe 10B
DÉBORA E MARQUINHO
CRR – Goiás Centro
Av. C-10 Qd. 81 Lt. 11 Nº. 450, Sobrado 01
Setor Sudoeste - Cep: 74.305-120, Goiânia-GO
Fone: (62) 3093-6070 / Cel.: (62) 8219-9755
ramon@contabilidadeinterativa.com.br
www.contabilidadeinterativa.com.br
3
O III Encontro Nacional das ENS
foi uma bênção na vida dos equi-
pistas. Trouxe um fôlego motivador
animando a missão. A participação
nas formações do movimento é uma
oportunidade ímpar de reavivar e
despertar em nós o desejo de viver
em plenitude, mantendo as nossas
Mércia e Júnior - Equipe 4A
ENCHENDO AS TALHAS,
TESTEMUNHANDO AS GRAÇAS!
talhas sempre cheias, para que o
ardor missionário esteja ativado e o
nosso feixe de luz jamais se apague.
Sabemos que a caminhada rumo
a santidade não é tarefa fácil, por
isso a necessidade de buscarmos
maior intimidade com o Senhor, atra-
vés da oração diária e participação
na Eucaristia para o fortalecimento e
crescimento da nossa espiritualidade
conjugal. E como bem disse Pe. Paulo
ABADIA E CARLOS - Equipe 05
N. S. de Fátima - Uruaçu
FORMAR PRESBÍTEROS PARA QUE SEJAM A
PRESENÇA DE CRISTO NA VIDA DOS CASAIS
PE. FRANCIEL LOPES DA SILVA
SCE do Setor Uruaçu
O mês de agosto é para a Igre-
ja tempo de lançar as sementes na
“boa terra” do coração da juventu-
de. É mês vocacional, tempo de fa-
lar das vocações, do chamado que o
próprio Deus tem feito aos operários
para trabalharem na Sua vinha. Se a
vinha é de Deus, então os operários
necessitam terem sido enviados por
Ele para trabalharem em Seu nome.
O jovem vocacionado que chega
ao Seminário é tirado do meio do
povo, do seio das comunidades que
incessantemente rezam ao Senhor da
messe. Chegam ao Seminário, a cada
ano, muitos jovens para começarem
seu caminho de discernimento voca-
cional. No início de sua bela e longa
caminhada, oferecem a Deus um co-
ração generoso, aberto e entusias-
mado para essa maravilhosa aventu-
ra de descobrir o chamado do Senhor
em suas vidas.
O caminho ordinário da forma-
ção presbiteral é constituído por oito
anos de estudo e discipulado aos pés
do Senhor. No início de sua cami-
nhada, o jovem vocacionado faz um
ano de Propedêutico, tempo este de
adaptação ao Seminário e de forma-
ção para o discipulado; é um tempo
intenso de vida comunitária e de
formação humana e espiritual. Logo
depois, se dará sua formação filosó-
fica; três anos de profunda reflexão,
a partir de sólidos princípios que sir-
vam de fundamento para os estudos
posteriores. A última etapa da forma-
ção presbiteral é constituída pelos
estudos teológicos. Neste momento,
o seminarista entra em contato mais
profundamente com os mistérios da
Revelação divina, formando um cora-
ção de pastor que transmita ao povo
de Deus os Seus ensinamentos.
Durante o tempo de Seminário, de
formação pastoral, o seminarista é in-
centivadoaentraremcontatoeconhe-
cer as diversas pastorais e movimentos
da Igreja. De forma especial, a Igreja
pede para que os seus pastores sejam
formados para evangelizar e cuidar das
famílias, dos casais, da santificação dos
matrimônios. O sacerdote é aquele
modelo de Cristo (Alter Christus) que
deve amar de forma incondicional a fa-
mília, promover com afinco a vocação
matrimonial, trabalhar ardorosamente
pela santificação dos casais, gastar seu
tempo cuidando para tornar sagrados
os lares de sua comunidade. O Movi-
mento das ENS é esse precioso instru-
mento de Deus, o qual o presbítero po-
derá utilizar, em seu trabalho pastoral,
como meio para a transformação dos
casais, da vivência autêntica dos ma-
trimônios, de uma experiência mais
profunda do amor de Deus na vida dos
casais. Desde o tempo de formação, os
seminaristas deverão ser incentivados
a amar os casais e trabalhar pela san-
tificação dos mesmos; que os sacerdo-
tes sejam a presença visível de Cristo
para os cônjuges e cresçam mutua-
mente no amor de Deus.
Renato “O casamento é obra prima
de Deus”, por isso não podemos ja-
mais abrir mão de testemunhá-lo.
4
Sandra e Jesus - Equipe 1A
ENTREVISTA
PE. JOÃO LUIZ DA SILVA
SCE das Equipes 2A e 4A e 11B
1. O III Encontro Nacional das ENS
foi pensado como uma peregrinação
e diante da riqueza que foi viven-
ciada nestes dias, que mensagem
podemos compartilhar com nossos
irmãos equipistas e SCE que não pu-
deram estar no encontro.
SCE - Quero dizer a cada casal, e SCE,
que não puderam estar conosco no
Encontro Nacional, que é revigorante,
fortalecedor, ver a alegria e disponibi-
lidade de casais e sacerdotes, unidos
em um só coração. Ver a unidade e a
força dos casais. Casais que em suas
colocações e testemunhos fazem a
diferença na Igreja e no mundo. Por
isso todo esforço que puderem fazer
para participarem e viverem para o
movimento, nada roubará esta rique-
za adquirida. Queridos casais, muito
obrigado por ter colaborado comigo,
dando esta oportunidade para eu
participar do encontro, experimentar
deste riquíssimo movimento.
2. Pe. Jacinto (SCE da ERI) fez uma re-
flexão sobre o novo tempo em que
a igreja esta vivendo. Ressaltou que
este despertar primaveril do Cristia-
nismo deve ajudar a humanidade a
recuperar a fé em Deus como o gran-
de patrimônio da vida pessoal, fami-
liar, espiritual e social. Hoje, como as
ENS podem ser uma nova primavera
para igreja e para o mundo?
SCE - As ENS tem sido para a Igreja
e para o mundo, a grande abertu-
ra para o crescimento e riqueza de
muitos casais, se todas os sacerdotes
soubessem que temos um tesouro
de espiritualidade conjugal, e que só
uma disponibilidade maior de cada
um, para fazer da Igreja e do mundo
este celeiro de casais mais cristãos,
mais comunidade, mais Igreja. As
Equipes para mim, são este rejuve-
nescer para a Igreja, Padre e casais
fazendo da Igreja uma nova socieda-
de, caminhando para a santidade.
3. Refletindo sobre o Tema: “Matri-
mônio cristão: festa da alegria e do
amor conjugal” e o Lema: Fazei tudo
que Ele vos disser”. Fale-nos sobre
os maiores desafios dos casais e SCE
em pertencer ao movimento das
Equipes de Nossa Senhora.
SCE - O Matrimônio hoje é um gran-
de desafio para toda a Igreja. Os Ca-
sais tendem a não querer receber o
sacramento do matrimônio, achan-
do que é uma exigência grande. A
festa é feita, mas fica só na festa da
alegria passageira, o que não funda-
menta no amor, querendo aquilo que
se torna mais fácil de verdade para
uma certeza da conjugalidade que
permanece para eternidade. Assim
é o desafio para ter um matrimô-
nio comprometedor, amor que deve
durar até que a “morte o separe”. É
o matrimônio do provisório, isto é
triste. Por isso, para permanecer nas
ENS, é necessário acreditar no amor,
matrimônio que é eterno, ter voca-
ção para o movimento. O SCE, tam-
bém, diante do movimento das ENS,
deve desafiar-se a si mesmo, com o
carisma do acreditar no sacramento
do matrimônio como um lugar de es-
tar aberto a ver os casais na vocação
do amor de entrega total. O SCE deve
também entregar-se às reuniões com
um tempo de encontrar na disponibi-
lidade de ouvir e acolher com amor
a alegria do vinho novo de cada ca-
sal, experimentado durante o mês. É
uma verdadeira ação de graças para
casais e sacerdote.
4. O testemunho de Dom João One-
res (Bispo Emérito de Lages-SC)
encantou a todos. Ele falou da im-
portância das ENS na vida do SCE e
revelou seu amor pelo movimento.
Na nossa opinião, existe uma gran-
de semelhança entre D. Oneres e do
Senhor. Gostaríamos que partilhasse
conosco um pouco da sua experiên-
cia de SCE nas ENS.
SCE - O movimento da ENS, em minha
vida é um dom de Deus, desde o meu
tempo de seminarista conheci está
dádiva de Deus, através da equipe
19 de Brasília, depois como diácono
acompanhei a experiência comuni-
tária, que se tornou a equipe 65. Em
1994, fui ordenado sacerdote, logo
fui designado para Anápolis onde
encontrei as ENS. Também fui cha-
mado a colaborar, durante os anos
que lá permaneci. Em Goiânia sir-
vo neste ministério de amar as ENS,
onde creio que sou mais ajudado do
que de fato posso prestar ajuda. A
ENS, em minha vida sacerdotal sem-
pre fez o diferencial. As reuniões são
para mim de uma riqueza espiritual
e pastoral enorme que não existe em
outro movimento de conjugalidade.
Faço das reuniões dos ENS uma cele-
bração de vida entre estes dois sacra-
mentos - o matrimônio e ordem que
se completam para gerar vida espiri-
tual. É o verdadeira renovação do vi-
nho da alegria e da vida do casal e do
sacerdote. Concluo que as ENS são o
tesouro que tenho em minha vida sa-
cerdotal. O Encontro nacional só veio
me enriquecer, e me fazer convencer
ainda mais, de que vale a pena estar
com os casais e o movimento.
5
POR: HOLIANDA E JOSÉ ELOY
CRS Anápolis
CIDA E EBERT
Eq. 6A - N.S.Desatadora dos Nós
Pe. Caffarel, iniciou as ENS em
25/02/1939, juntamente com três
novos casais na cidade de Paris; per-
manecendo à frente do movimento
até 1973.
Algumas de suas Obras: - Pro-
feta do Matrimônio; Centelhas de
sua Mensagem; A Missão do Casal
Cristão; Um Homem Arrebatado
por Deus; Espiritualidade Conju-
gal; O Carisma Fundador (Discurso
de Chantilly); Nas Encruzilhadas do
Amor; Na Presença de Deus (com
cartas sobre Oração); O Amor e a
Graça; etc.
Pe Caffarel – homem exigente!
Dedicava tanto amor à sua Igreja
quanto as Equipes de Nossa Senhora,
por isso Ele escreve em uma de suas
obras: “Teu amor sem exigência me
diminui; tua exigência sem amor me
revolta; tua exigência sem paciência
me desanima; teu amor exigente me
engrandece”.
Sua vida em três Períodos:
I – As fundações (1939-1949)
Senhor,
Não Vos pedimos
A fé dos mártires,
Pois nossa fragilidade não resistiria;
Não uma fé grandiosa,
Nosso orgulho ficaria inflamado;
Nem uma fé de milagres,
Pois cairíamos no ativismo das obras;
Menos ainda uma fé de competição,
Pois valorizaríamos os obstáculos
Esquecendo o amor que nos une
Vos agradecemos Senhor,
PRIORIDADE PARA 2015:
OBRAS DO PADRE HENRY CAFFAREL
PADRE HENRI CAFFAREL
Nascimento: 30/07/1903
em Lyon - França
Batizado: 02/08/1903
Ordenação: 19/04/1930
Falecimento: 18/09/1996
II–Otempodamaturação(1950-1973)
III – O aprofundamento (1973—1996)
Hoje o movimento das Equipes de
Nossa Senhora está presente nos cin-
co continentes (79 países).
“A única intenção verdadeira a
que corresponde a finalidade das
ENS, é a vontade de melhor conhe-
cer a Deus de melhor amá-lo e ser-
vi-lo”.
“Entra-se nas Equipes por causa
de Deus, fica-se nas Equipes por cau-
sa de Deus”.
O Cardeal Lustiger o chamou de
profeta para o nosso tempo, ele não
disse que o Pe. Caffarel adivinhava o
futuro. Um profeta é aquele que bus-
ca a vontade de Deus.
Ele gostava de dizer que o matri-
mônio consiste em dar-se um ao ou-
tro para juntos, dar-se aos outros.
Pe. Caffarel nos deixou o teste-
munho de homem muito unido ao
Senhor e também inspirado pelo Es-
pírito Santo.
Precisamos ler (estudar) as obras
deste “profeta”, para mostrar ao
mundo quem foi o Padre Caffarel, as-
sim como podemos também contri-
buir com a causa de sua canonização
(http://www.henri-caffarel.org).
Pela fé, que como dom, recebemos
Por pequena que seja,
Mas alicerçada no Amor
E na Esperança
E nos faz enfrentar
E vencer as dificuldades
Que permeiam nossas vidas
Enquanto casal peregrino.
Com esse dom recebido,
Somos mais que vencedores
Mas pelos méritos do Vosso sangue
Derramado na Cruz.
E isso nos basta.
Nós cremos, Senhor
Mas aumentai e fortalecei a nossa fé.
Como viver uma fé madura
Jussara e Edimilson - Equipe 3A
6
Vanusa e Deusamar - Equipe 4A Milla e Cresiano - Equipe 6 Uruaçu Cidonia e Eustáquio - Equipe 8B
DOUTORA E MESTRA - SANTA TERESA DE JESUS
Teresa Sánches de Cepeda e Ahu-
mada, uma força feminina que mar-
cou história. Nascida em 24 de março
de 1515, essa mulher é reconhecida
por suas obras. Provocou um movi-
mento de mulheres para que essas vi-
vessem um espírito evangélico como
pobres orantes e iguais, as Carmelitas
Descalças e ainda propôs aos homens,
Carmelitas Descalços, que vivessem a
mesma proposta de vida. Uma mu-
lher a frente de seu tempo, Teresa
influenciou a vida de muitos, como
Therèse Francoise Martin, conhecida
como Santa Teresinha do Menino Je-
sus, Madre Teresa de Calcutá e Santo
Enrique de Ossó e Servelló, Fundador
da Companhia de Santa Teresa, que
beberam da fonte de seus escritos e
de seu exemplo de santidade. Mulher
que soube, e ensinou, a ter uma rela-
ção de amizade com Deus, por isso é
chamada mestra de oração e pela sua
obra, livros, é conhecida como Douto-
ra da Igreja. Estamos falando de Santa
Teresa de Jesus, conhecida também
como Teresa D’Ávila.
O que certamente torna fasci-
nante na vida de Teresa é sua inces-
sante busca pela verdade que faz
com que ela realize a descoberta do
Transcendente, transformando sua
vida. Uma contínua paixão por Deus
e pela humanidade. A “determinada
determinação”, como dizia a Santa, a
ajudava a vencer todas as dificulda-
des tendo sempre a sua frente um
amplo horizonte: “É indispensável
ter grande confiança. Convém muito
não amesquinhar os desejos, e con-
fiar em Deus” (V 13, 2). Com essa
RICARDO NEGUETTE DA FABIANA,
LEIGO TERESIANO
Eq. 7A - N.S.da Anunciação
determinação, andou por toda a Es-
panha, tratando de suas fundações,
Carmelos. Para ela a missão exige
ardor missionário, empolgação e âni-
mo por causa do Reino. Como mestra
de oração, Teresa nos ensina a como
encontrar Deus no “Castelo Interior”.
Teresa compara a pessoa como a um
castelo habitado pela Trindade. A
alma é como um castelo de cristal,
ou diamante, com muitas moradas,
onde no centro está a principal onde
se passam as coisas mais secretas en-
tre Deus e a alma. “O que disser, te-
nho-o comprovado por experiência”
(V 22,5; 28,7), “não direi coisa que
não tenha experimentado muito”
(V 18,8), assim Teresa de Jesus nos
convoca a permanecermos firmes no
caminho de oração com grande de-
terminação. Compara o ser humano
como uma horta, onde Deus é o agri-
cultor, e que temos que nos transfor-
mar, como acontece com o bicho-da-
-seda, um chamado a transformação
em Cristo. Em seus escritos, ela nos
diz que na oração, “o importante
não está em pensar muito, senão
amar muito...” e ainda que “o amor
de Deus não consiste nas lágrimas,
nas delícias, nas ternuras da oração,
mas em servir Deus com humildade,
fortaleza e justiça”. Mas também nos
alerta: “Procurai ser pregadoras em
obras”. Como vemos Teresa foi uma
mulher onde se concretizou buscar a
Deus através de ações.
Neste anos de 2015 todos aque-
les que buscam viver a espiritualida-
de de Santa Teresa D’Ávila, ou Teresa
de Jesus, em todo o mundo, come-
moram o V centenário do seu nas-
cimento. Também a Paróquia Santa
Clara e São Francisco, em Aparecida
de Goiânia, onde trabalham as Irmãs
da Companhia de Santa Teresa, Suje
toda família teresiana farão diversas
celebrações em suas capelas, inician-
do no dia 28 de março, na Comuni-
dade de Corpus Christi, e encerrando
no dia 15 de outubro na Igreja Ma-
triz da Paróquia. Assim como Teresa
todos querem assumir a missão de
conhecer e amar a Cristo tornando-o
também conhecido e amado por to-
dos e todas por todos os cantos do
mundo.
Mari e Onir - Equipe 1B
7
PCE MEDITAÇÃO: EXERCÍCIO DE
ORAÇÃO E DESCOBERTA DE DEUS
MARIA LETÍCIA E JOÃO CARLOS
Eq. 5 B – N. S. Rainha da Paz
tos da palavra de Deus. “Ora, quem
se alimenta de leite não é capaz de
compreender uma doutrina profun-
da, porque ainda é criança” (Heb 5,
13). Como um casal equipista, temos
aprendido a “mastigar” os primei-
ros frutos colhidos e a preparar nos-
so terreno para a colheita de frutos
cem por um. Dizemos que “temos
aprendido”, porque a aprendizagem
é constante e, infelizmente, nossas
dificuldades, fraquezas e falta de
disciplina também são constantes.
Lutamos para sermos fortes e perse-
verantes a cada novo dia.
De maneira especial, no campo
espiritual, as ENS com sua proposta
de vida conjugal mais santa e plena
nos impele fortemente à oração e a
meditação. E é somente na oração
que encontramos o alimento espiri-
tual que nos fortalece e nos revigora,
além de aprofundar o conhecimento
de nós mesmos e de Deus.
Assim, a oração só nos traz bene-
fícios e, para tanto, exige de nós uma
tomada de atitude e disciplina. Os
documentos das ENS nos ensinam e
reforçam essa ideia, nos convocando
a ler, estudar, ruminar e exercitar a
palavra de Deus. Precisamos nos con-
vencer de que nada se constrói sem
ação e disciplina. Daí nossa necessi-
dade de exercitarmos o PCE: Medi-
tação, de maneira intensa, com um
inesgotável desejo de sorver e absor-
ver a doçura e a eficácia da palavra
de Deus em nossa vida. Entendemos
que a meditação é uma forma de ora-
ção contemplativa e silenciosa.
Por conseguinte, todos os dias so-
mos naturalmente convidados a nos
colocar em oração através da medi-
tação. Dizemos ‘naturalmente” por-
que, apesar das propostas de nosso
Movimento, somos livremente con-
duzidos por elas. A decisão de acatar
o convite à oração cabe somente a
nós, reconhecendo que os frutos a se-
rem colhidos também serão nossos.
Através da oração-meditação, te-
mos a possibilidade de voltar a aten-
ção para dentro de nós mesmos e
nos desligarmos do mundo exterior
para que possamos falar com Deus e
ouvir o que Ele tem a nos falar.
Ao longo de quase 6 anos nas ENS,
muito temos aprendido com tudo
que o movimento nos proporciona,
seja através de sua própria dinâmica,
ou através da nossa decisão em par-
ticipar e aderir às equipes. É chega-
do o momento (... e como é preciso
que sejamos per-sis-ten-tes!!!), que
o sentimento de pertença às ENS co-
mece a existir e a se tornar real e ver-
dadeiro. A partir de nossa consciente
disposição à prática dos Pontos Con-
cretos de Esforço, antes denomina-
dos “meios de aperfeiçoamento”,
passamos a “sentir” e a “colher” os
primeiros frutos. Frutos estes, que
têm servido de alimento sólido para
melhorarmos nossa vivência cristã.
Ilustramos esse momento, reto-
mando a Epístola de São Paulo aos
Hebreus 5, 11-14, onde esses pri-
meiros frutos representam para nós
aquele “leitinho” que todo bebê
necessita para sobreviver no início
de sua vida, e que para nós, cris-
tãos adultos, representam nossa
lentidão em compreender as coisas
espirituais. Precisamos destes pri-
meiros frutos porque ainda estamos
aprendendo os primeiros rudimen-
Luciana e Eroni - Equipe 1A
8
Débora e Marquinhos - Equipe 1A
Em 1997 fomos convidados, pelo
SCE Pe. Adenir Fumagalli, a participar
do Movimento das ENS e em seguida
pilotados pelo casal Dalva e Batista
de Brasília. Não conhecíamos o Movi-
mento, mas aos poucos fomos desco-
brindo sua riqueza através da vida de
equipe e da vivencia dos PCE. Os PCE
são regras de ouro que nos direciona
no caminhar em casal e em família,
fortalecendo o diálogo e a compreen-
são um do outro. A Oração Conjugal
é para o casal um momento ímpar
onde exercitamos a cumplicidade, o
perdão e a entrega um do outro a
Deus. Aprendemos a rezar um para o
outro e em casal o terço interceden-
do pela nossa família.
Temos duas filhas, Patrícia que é
um anjo que está junto de Deus in-
tercedendo por nós e Camila que
cresceu nos acompanhando no Mo-
vimento aprendendo desde cedo a
rezar o Magnificat. Fomos casal res-
ponsável de equipe por três vezes
hoje também somos Casal Ligação.
Através da equipes conhecemos
melhor Jesus e aprendemos a amá-lo
mais. Hoje temos a certeza que Jesus
está sempre ao nosso lado e nunca
nos desampara e abandona mesmo
nos momentos mais difíceis de nos-
sas vidas. Sentimos verdadeiramente
amados por Deus quando meu espo-
so José precisou fazer uma cirurgia
na coluna, de hérnia de disco; ou me-
lhor, não uma, mas três cirurgias. A
primeira cirurgia foi em 16/05/2014
e a segunda em 11/05/2015, tendo
ORAÇÃO CONJUGAL - TESTEMUNHO
IVETE E JOSÉ
Eq. 01 – N. S. Do Bom Conselho
Água Boa - MT
essa uma complicação devido a uma
fístula liquórica (saída do líquido da
coluna), podendo provocar infecção
(meningite). Assim a vida do meu
esposo estava em risco, foi quando o
médico realizou a terceira cirurgia no
dia 15/05/2015.
Pudemos testemunhar o poder
da oração em nossas vidas no enfren-
tamento das dificuldades. As orações
de todos os casais equipistas do nos-
so Setor e Região, em prol da nossa
família, foram importantes no forta-
lecimento da nossa fé e mostraram
que nunca estamos sozinhos quando
vivemos em comunidade, Deus ai
está.
Percebermos o quanto somos
amados por Deus e esse amor nos
impulsiona corajosamente a conti-
nuar. Só temos que agradecer a Deus
por fazermos parte dessa família que
é as ENS. Agradecemos a todos, ca-
sais equipistas e Conselheiros Espiri-
tuais pelas orações que fizeram pelo
José, pela força e pelo carinho.
Sabemos que muito temos a fazer
pelo movimento, que nossa missão
apenas começou. As provações vie-
ram renovar e fortalecer a nossa fé.
Trouxeram-nos a certeza que sem-
pre podemos contar com Jesus Cris-
to e não somos nada sem Ele. Ele é
a nossa força, esperança e proteção.
Amém.
PEDIDOS DE ORAÇÃO:
• Pelo consolo da família do SCE Frei Luiz Sampaio que perdeu
mãe e irmão nos dias 14 e 18/8.
• Pelo tratamento do Deusamar da Vanusa (Equipe 4A)
• Pela Reunião do Colegiado Provincial entre os dias 16-18/10
• Pela unidade das ENS da Região Goiás Centro
• Pelos trabalhos dos novos CRS Setores B e Anápolis
Janete e Carlos Turra - Equipe 4 Água Boa
9
NOSSA SENHORA DE FÁTIMA – SETOR URUAÇU
Em 2010 fomos convidados, por Pe
Rodrigo Carrijo, então pároco da nos-
sa comunidade, para uma reunião cer-
cada de mistérios, que aguçava nossa
curiosidade. A partir dai formamos
um grupo de Experiência Comunitária
com 7 casais e o SCE, além do Casal
Coordenador Nairene e Cícero.
Ao término da Experiência Co-
munitária, no início de 2011, o movi-
mento das Equipes de Nossa Senho-
ra nos foi apresentado. Mesmo sem
saber realmente como funcionava,
o Espírito Santo nos impulsionava
a dizer sim. Do grupo inicial apenas
dois casais não continuaram. Logo
em seguida, outros dois casais foram
convidados. Desta forma, estava for-
mada a equipe 05, tendo como in-
tercessora N. S. de Fátima.
Ainda em 2011, começamos a Pi-
lotagem, Pe. Gilson Luiz que acabara
de chegar como vigário paroquial, as-
sume nossa equipe como SCE. Hoje é
pároco em outra cidade e mesmo em
meio a muitas dificuldades continua
conosco. A pilotagem foi um momen-
to ímpar na vida da equipe. O casal
Tereza e Jurandir, de Goiânia, viajava
todos os meses, sem medir esfor-
ços, para estar conosco, com muito
amor, zelo, dedicação e um lindo tes-
temunho de vida nos presenteavam
pouco a pouco com as diretrizes do
movimento. Ao final da pilotagem ti-
vemos a escolha do primeiro CRE, a
partir daí começávamos “caminhar
sozinhos”. Em 2012 mais uma vez so-
mos presenteados com nosso casal li-
gação, Valéria e Wilson, casal que nos
contagiava com sua alegria e carisma.
Deixou saudades...
Com a expansão do movimento
em nossa cidade, em 2013 Uruaçu
torna-se Setor sob a responsabilidade
do casal Lúcia e Nivaldo. Na formação
do colegiado do Setor um dos casais
da nossa equipe foi convidado para
fazer parte desse colegiado. O casal,
com muito carinho, aceita o convite
e contagia a todos da equipe com a
alegria em servir ao movimento. Hoje
todos os casais da nossa equipe, ser-
vem ao movimento como - Coorde-
nadores de Experiência Comunitária,
Casal Ligação e Casal Piloto.
Em 2014, o casal Divina e Vascon-
celos mudaram para Manaus. Hoje
temos um casal sendo pilotado e seis
casais que caminham juntos, e mes-
mo em meio as dificuldades e limi-
tações, procuramos viver a mística.
Os laços fraternos que nos une como
família permite sermos responsáveis
uns pelos outros e nesse anseio, de-
sejamos que todos consigam tam-
bém vivenciar o carisma do nosso
movimento que é a certeza da verda-
deira felicidade. Que Nossa Senhora
de Fátima continue intercedendo por
nossa equipe e que o Poderoso faça
sempre em nós Maravilhas!
HISTÓRICO DA EQUIPE 05
BREVE HISTÓRICO DAS
EQUIPES DE NOSSA SENHORA
A primeira equipe: Em 1938, um
jovem padre de Paris, Henri Caffarel,
recebe a visita de uma pessoa que
desejava lhe falar sobre sua vida es-
piritual. Alguns dias depois, ela volta,
acompanhada do marido. A seguir,
esse casal apresenta o Padre Caffa-
rel a outros três casais. Repletos de
amor e cristãos convictos pedem a
ele que os guie em busca de viver o
seu amor à luz da sua fé.
“Façamos o caminho juntos” res-
ponde-lhes o Padre Caffarel, e dessa
maneira, o projeto de se reunirem
para refletir em comum sobre o ma-
JANAINA E RIGONATTO
Eq. 6A - N. S. Desatadora dos Nós
Goiânia - Goiás
trimônio estava lançado. Pouco a
pouco, os olhos destes jovens casais
descobrem o lugar privilegiado do
casal nos desígnios de Deus. Simul-
taneamente, fazem experiências de
vida comunitária onde se realiza a
promessa de Cristo de estar presen-
te. A vida deles progride através da
abertura aos outros, na união a Deus,
entre os esposos e entre os casais.
No Mundo: As Equipes de Nossa
Senhora têm sua sede em Paris, na
França, e estão presentes nos 5 con-
tinentes e em 69 países.
No Brasil: Um grupo de casais de
São Paulo por iniciativa de Nancy a
Pedro Moncau Jr, estabeleceram vá-
rios contatos com Pe. Caffarel e dão
início, juntamente com Pe. Oscar Me-
lanson, CSC, ao Movimento no Brasil
com o lançamento da primeira equi-
pe, no dia 13/05/1950. De acordo
com o último levantamento, existem
no Brasil, 52 Regiões, 312 Setores/
Coordenações, 3.650 Equipes, com
22.041 Casais, 395 Viúvas(os) e 2.337
Sacerdotes Conselheiros Espirituais.
Em Goiânia: 	 Em 1998, vindos
do interior de São Paulo, o casal Lu
e Nelson, que já pertenciam as ENS
há sete anos, e não se enxergavam
fora das equipes, resolveram procu-
10
Nairene e Cícero - Equipe 2 Uruaçu Margarete e Divino- Equipe 3 Uruaçú Macionila e Simplício - Equipe 2A
rar o então, Casal Responsável da Re-
gião Centro Oeste (CRR-CO) sediada
em Brasília, Rita e José Adolfo, para
implantar o movimento em Goiânia.
Anteriormente o CRR-CO já havia
tentado a implantação, porém o bis-
po da época não era favorável. Sem
desistir do sonho, recuaram para
tentar depois em tempo mais opor-
tuno. Assim que foram procurados
por Lu e Nelson os trabalhos come-
çaram. Após diversos contatos, to-
dos se animaram especialmente pela
concordância de um forte aliado, o
Pe. Geraldo Dias, na época pároco
da São Paulo Apóstolo, que logo se
prontificou a falar com o bispo junto
com Lu e Nelson. Tendo a aprovação
do bispo Dom Antônio, partiram para
a próxima etapa, formação dos gru-
pos. Relatam Lu e Nelson, que não foi
nada fácil! Foram feitas várias reuni-
ões de informação, sem sucesso, pois
os casais não aderiam de imediato
por falta de conhecimento. Após a
terceira tentativa, juntamente com
mais um casal equipista de Brasília
Edna e Estevam, quatro casais de
Goiânia e o SCE Pe. Geraldo Dias,
surgiu a 1ª Equipe em 07/04/2000!
Foi necessária muita perseverança!
Logo em seguida, em agosto for-
mou-se a 2ª equipe com sete casais,
tendo como SCE o mesmo sacerdote.
Em fevereiro de 2002 formou-se a 3ª
equipe, com oito casais e o SCE Pe.
Omar. Em agosto de 2003 Goiânia já
contava com 5 equipes, passando en-
tão a Coordenação ou Pré-setor. Com
a implantação da equipe 6, passa a
Setor, tendo como CRS o casal Lu e
Nelson e SCE Pe. David.
Hoje o movimento em Goiânia
está estruturado com 20 equipes, 9
grupos em Experiência Comunitária e
acompanhadas por 14 SCE.
É importante ressaltar, que as
ENS, não é um movimento paroquial
e nem um movimento de ação, mas
sim de casais ativos. Desta forma, o
movimento conta com casais de vá-
rias paróquias. Em Goiânia somos
180 casais, sendo que a maioria está
inserido em pastorais e prestam ser-
viços em suas comunidades de base.
Na Região Goiás Centro: A partir
de 2010 foi instituída a Região Goiás
Centro, que abrange 43 equipes, 15
Experiências Comunitárias e mais de
350 casais dos municípios de Goiânia,
Aparecida de Goiânia, Anápolis, Uru-
açu, Estrela do Norte e Água Boa-MT.
Para conhecer melhor o movi-
mento basta acessar o site www.ens.
org.br ou entrar em contato com os
responsáveis pelos Setores constitu-
ídos, cujos contatos estão descritos
no expediente deste informativo.
Notícias SETORES A E B - GOIÂNIA
Festa Dos Namorados
Foi realizada no dia 13/06 no Salão da FAEG em Goi-
ânia mais uma edição da Festa em comemoração ao dia
dos namorados. A Festa foi animada com música ao vivo,
com partilha dos tira-gostos e regada com muita alegria.
O salão foi palco de danças apaixonadas e manifestações
públicas do amor conjugal.
Formação Sobre Retiro
Foi realizado no último dia 08/08 no Centro Catequé-
tico da Paróquia Santa Cruz um momento de Formação
sobre Retiro. O momento foi conduzido pelo Conselheiro
Padre João Luiz com a participação de 20 casais dos Seto-
res A e B de Goiânia
Semana
das Famílias
As Equipes de Goiânia ce-
lebraram com a Comunidade
Sagrada Família no último dia
08/08 a semana das famílias.
Na oportunidade o CRS-B Vera
e Luiz Antonio fizeram uma ex-
planação sobre o Movimento
para os paroquianos.
11
Almoço
Foi realizada no último dia 16/08 no Salão de even-
tos da Paróquia Santo Antonio mais uma edição da
Galinhada das ENS. O almoço é realizado anualmente,
visando angariar fundos para a realização das forma-
ções, retiros e demais eventos do movimento em Goi-
ânia, contou com a presença de aproximadamente 350
participantes. Os alimentos e bebidas foram adquiridos
através de doações, pelos casais equipistas. A progra-
mação foi ainda animada com bingos e sorteios de
brindes. Os Setores A e B agradecem a generosidade e
apoio de todos.
Encontro De Conselheiros
Foi realizada no dia 17/08 um Encontro dos Conse-
lheiros Espirituais das Equipes dos Setores A e B de Goi-
ânia. Após um momento de formação, partilha e de-
bate aconteceu uma confraternização onde foi servido
um delicioso churrasco. Nossos agradecimentos a estes
homens de Deus pela dedicação com que acompanham
nossas Equipes.
Formação Para Casal
Piloto
No dia 29/08 aconteceu um momento de
Formação para Casal Piloto, com a participa-
ção de 12 casais dos setores A e B de Goiânia
e tem por objetivo formar casais para atuarem
na pilotagem. Em Goiânia estão em andamen-
to 8 grupos de Experiência Comunitária, que ao
final desta etapa, poderão optar pelo ingresso
ao movimento.
Retiro Aberto
Será realizado nos dias 12 e
13/09 na Casa das Irmãs Fran-
ciscanas dos Pobres mais uma
edição do Retiro Aberto dos Se-
tores A e B de Goiânia. O retiro
será pregado pelo SCER Pe. João
Batista. Não percam a oportu-
nidade de exercitar este PCE
em 2015.
Reuniões Mistas - Interequipes
Serão realizadas nos dias 23, 24, 25 e 26 de outubro mais uma edição das
Interequipes. Estas reuniões mistas são oportunidades de integração e de-
monstração de unidade do movimento. Nos próximos dias os Setores iniciarão
as inscrições para participação, animação e anfitrião de cada grupo.
Sandra e Ilson - Equipe 6A
12
Selma e Elias - Equipe 7 Anápolis Tatiane e Augusto - Equipe 7 Água BoaVera do Ivo e Alexandre - Equipe 4 Anápolis
Notícias SETOR ÁGUA BOA
RETIRO: Momento
de reflexão e
reabastecimento.
Foi realizado no final de semana
de 30 e 31/05 o Retiro dos casais das
ENS do Setor Água Boa-MT. O reti-
ro teve como pregador o SCE Padre
Franciel Lopes de Uruaçu e Pe. Da-
quin Kangila. Houve participação sig-
nificativa dos equipistas que aprovei-
taram para priorizar o encontro com
Deus na oração, ouvir sua Palavra e
com ela confrontar sua vida.
Expansão do Movimento.
Tendo em vista a busca da Santidade Conjugal, as ENS através
do Casal Piloto Ana Maria e Mário Eugênio Possamai, tem presta-
do serviços como casal informador, levando informações aos ca-
sais interessados em conhecer o movimento. Cinco casais deram
seu “SIM” e já estão em pilotagem e outros aguardam formações
na experiência comunitária. O Setor se alegra com vossa opção e
atitude de amor ao movimento, pois o melhor investimento que
podemos fazer é TRABALHAR na formação das famílias.
Semana Nacional da Família.
Na Semana Nacional da Família as ENS do Setor Água Boa,
reuniram-se juntamente com a comunidade para momentos
de fé, oração, palestras, confraternização, sorteio de brindes
religiosos e muita animação. Que Jesus, Maria e José, interce-
dam pelas famílias do mundo inteiro.
Festa Junina
A noite do dia 13/06 foi diferente. No Espaço Modelar acon-
teceu “O Arraia das ENS !!” Viva Santo Antônio, São Pedro e São
João !! Nesta alegria o setor possibilitou a confraternização dos
equipistas, familiares e convidados nos festejos Juninos. Muitas
guloseimas, rifas e premiações abrilhantaram a noite. E nossos
Sinhôs e Sinhás... Um verdadeiro show! Parabéns a todos!
13
Notícias SETOR ANÁPOLIS
Discernimento para escolha do CRS
Aconteceu na Paróquia São João Evangelista o Discernimento para es-
colha do Casal Responsável do Setor Anápolis para os próximos três anos
e contou com a participação de todos os Casais Ligação, Casal Responsá-
vel de Equipe e SCE Pe Luiz Lemos.
Galinhada
O tradicional almoço realizado pe-
las Equipes de Nossa senhora do Setor
Anápolis, aconteceu dia 24 de maio
Dalva e Máximo – Equipe 01 –
Nossa Senhora Aparecida, comemo-
raram 50 anos de casados no dia 17
de julho, numa belíssima cerimônia
celebrada em Belo Horizonte – MG,
na Paróquia Santa Efigênia, junta-
mente com seus familiares, onde
renovaram os compromissos matri-
moniais.
Foi realizado com bom êxito nos
dias 14,15 e 16 de Agosto o retiro anu-
al do setor, com a presença de 43 ca-
sais, sendo um casal de Goiânia, Jussa-
ra e Edemilson, a equipe de cozinha, o
pregador do retiro SCE Pe. Thiago e o
Diácono Diego desta Diocese.
Pe. Thiago iniciou o encontro com
uma boa meditação destacando a ne-
cessidade de levar a sério o encontro
e o cuidado com o silêncio. Conven-
ceu a todos a ficarem atentos para as
três referências: recolher-te, encon-
trar Deus em ti e escutar. Ainda na
primeira noite foi celebrada a Santa
Missa e a meditação: “Uma revisão
de vida”, voltado para vida de oração
do casal e vida em família.
No sábado após as orações da
manhã e meditação, o Diácono Diego
nos levou a meditar sobre a “infância
espiritual” focando a Eucaristia como
fonte e o ápice da Igreja. Todo o sá-
POR: SÔNIA E OSVANDO
Equipe 06 - Nossa Senhora das Graças
Retiro anual
bado transcorreu com normalidade
e pode-se notar o interesse e a aten-
ção dos equipistas motivados pelas
conferências, meditações, orações,
confissões, terços e Via Sacra. O en-
cerramento neste dia se deu com a
Adoração ao Santíssimo Sacramento
do Altar.
No domingo participamos, já no
primeiro momento, da meditação
com Pe. Thiago na capela e em segui-
da as Laudes, seguida de uma santa
meditação e do dever de sentar-se
nos jardins do convento com ques-
tões objetivas que nos levaram a re-
fletir sobre o matrimônio, a família e
a vida em equipe.
O retiro encerrou no domingo com
uma motivada celebração Eucarística
com a benção das alianças e a reno-
vação do Sacramento do Matrimônio.
Numa breve avaliação geral, além
dos casais do setor terem cumprido
este essencial PCE, ficou clara a sa-
tisfação humana, pessoal e espiritual
em cada equipista. Afinal, os objeti-
vos foram alcançados, como sempre,
com a misericordiosa graça de Deus.
Bodas de Ouro
no salão da Paróquia São Sebastião. O
objetivo foi reforçar a unidade do Mo-
vimento, angariar recursos financeiros
para contribuir com os casais equipis-
tas na participação do Retiro anual.
14
Maria e José Queiroz - Equipe 5A .Boa
No dia 01 de junho completamos
vinte e cinco anos de casados. Neste
espaço de tempo vivemos com muito
amor, empenho, sacrifícios e desafios.
Destes vinte cinco anos, dezesseis
foram vividos participando do Movi-
mento das Equipes de Nossa Senhora.
Quantas graças recebemos! Quanto
nos ajudou o movimento nesta cami-
nhada de vida a dois! Quanto ainda es-
tamos aprendendo, crescendo e apri-
morando nossa vida espiritual!
O nosso casamento foi algo natural,
inevitáveldiantedoamordedicadoque
sempre tivemos em relação ao outro.
A felicidade proveniente deste amor é
algo ainda maior, pois foi construída no
nosso dia-a-dia, com base num esfor-
ço solidário e comum que se nota cada
vez mais raro hoje em dia, visto que
nem todos os casais são capazes de
enfrentar com esperança e dignidade
as dificuldades que surgem pelo cami-
nho. Nós tivemos sempre a esperança
e a coragem. Tivemos sempre a digni-
dade de discutirmos as nossas angús-
tias, incertezas e desesperos. Por isso,
apesar de todas as pedras que tivemos
pelo caminho, tudo tem valido a pena.
Muitas das pedras que surgiram como
obstáculos acabaram a revelar-se pe-
dras preciosas; melhor dizendo, apren-
demos muito com as dificuldades.
Temos a certeza que continuare-
mos sendo abençoados por Deus e
que Nossa Senhora sempre estará
nos abençoando, protegendo e ilu-
minando nosso matrimônio.
Bodas de Prata - Eliane e Wilson
ELIANE E WILSON
Equipe 06, Nossa Senhora das Graças
Em cada etapa da vida vivemos
um tempo de venturas e aventuras,
alegrias e tristezas, encontros e de-
sencontros. E cada uma traz sempre
aprendizagens importantes para con-
tinuar a viver com mais sabedoria e
discernimento.
As Comunidades Nossa Senho-
ra da Esperança, tem como objetivo
ajudar as viúvas(os) e pessoas sós,
resgatando-lhes a uma realidade que
lhes faz ver que “não estão mais tão
sós”. Pretendemos dar destaque,
hoje, ao testemunho de D. Maria Al-
ves Barbosa que se encontra nessa
situação e pode ajudar a outras pes-
soas que vivem situação semelhante.
“Sou Maria Alves Barbosa, nasci
em Araguari no dia 25 de março de
1919, dia da Anunciação do Anjo Ga-
briel à Virgem Maria. Meus pais Rafa-
el Antônio Alves, funcionário público
e minha mãe Altina Gomes Alves, do
lar, pais de seis filhos sendo eu a única
mulher. Casei-me em Araguari, com
Luiz Barbosa, em 15 de novembro
de 1950, nascendo dessa união três
filhos, seis netos e com muita alegria
aguardando a chegada da primeira
MIRIAN E JOEL
Casal Coordenador Local - CNSE
“Não mais
tão sós!”
bisneta. Funcionária pública, aprova-
da no primeiro concurso federal do
Brasil. Com o curso normal concluído,
novamente aprovada para preencher
quadros de funcionários. Sempre tra-
balhei na área da educação: professo-
ra, vice-diretora e diretora.
Aposentei-me em 1973 e nos mu-
damos para Goiânia para que nossos
filhos pudessem concluir os estudos.
Luiz e eu vivemos o sacramento do
matrimônio durante 49 anos, quando
ele veio a falecer em 12/12/1999. En-
quanto mais jovem, depois da viuvez
vivi independente a minha vida. Pas-
seios, viagens, aniversários de amigas
enfim...
Com a idade mais avançada, mi-
nha filha, apesar da minha resistên-
cia, levou-me para morar com ela. Foi
quando aconteceu o “milagre”. Em
um dia, na missa, uma vizinha amiga,
Silvia Velludo, convidou-me para par-
ticipar da Comunidade Nossa Senho-
ra da Esperança. Aceitei sem vacilar.
Foi para mim uma luz Divina, porque
ali reencontrei a alegria de viver. Co-
mecei a participar das reuniões “sen-
tindo-me imensamente feliz.” No
grupo passamos a entender e aceitar
melhor as nossas perdas. Com o ca-
rinho das irmãs, orientadoras espiri-
tuais e um casal coordenador tem-
porário, nossas reuniões tornam-se
enriquecidas com meditações da
palavra de Deus, partilha sobre um
tema e a co-participação momento
de ajuda, respeito e fraternidade en-
tre as participantes.
Gostaria de convidar a todas as
amigas viúvas, solteiras idosas, e pes-
soas sós que venham se juntar a nós
para saborearmos juntas dessa graça
que Deus nos deu.
Agora uma palavrinha aos casais
de bom coração. Precisamos de vo-
cês para que o movimento cresça.
Casais espiritualizados, animados e
alegres que nos ajudem a viver bem
nosso estado de vida. Façam uma ex-
periência e sejam felizes! Na certeza
de que Nossa Senhora da Esperança
vai nos conduzir e abençoar sempre,
deixo um grande abraço a todos”.
15
Notícias SETOR URUAÇU
Retiro
O retiro realizado em 20 e 21 de junho foi um mo-
mento ímpar em nossas vidas e o Senhor usou carinho-
samente o CE Pe. Franciel para falar ao nosso coração,
focando na família. Fomos convidados a visitar a família
de Nazaré, para, a partir de seu exemplo, poder analisar
como fazer do nosso lar, uma família mais semelhante à
família de Nazaré, vivendo o respeito, a compreensão, o
perdão e vivenciando a religião. Contemplando então a
família de Nazaré, fomos enxertados da certeza de que
“A família que tem seu alicerce na fé, cresce na fé”. A
Igreja nos oferece os meios para cuidarmos da Vida Di-
vina em nós. Como sugestão para dedicarmos mais a
nossa família o padre nos fez um convite: Reservar um
dia para viver em família – rezar juntos, viver o dom da
fé. Criar um tempo para Deus em nosso lar. Deus seja
louvado por tanto amor para conosco.
II Jantar dançante
Aconteceu dia 23/05 com a presença de muita gente
alegre, o jantar que foi animado pelo som do forró!
Reunião de Informação
de Pilotagem
Realizada no dia 27/06. Casais amados por Deus,
sejam bem-vindos às Equipes de Nossa Senhora!
Novena
Realizada nos dias de 17 a 26/07 a grandiosa Novena
em Louvor a Senhora Sant’Anna, na Paróquia Santana. Di-
versas pastorais e membros das ENS trabalharam com mui-
to amor e dedicação.
Uma noite abençoada
No dia 07/08 aconteceu uma noite abençoada para as
ENS e Pastoral Familiar juntamente com Frei Bruno Varia-
no, da Terra Santa, onde aprendemos um pouco “Na Es-
cola de Nazaré...”.
Início de Pilotagem
Nos dias 11 e 24/08 foram realiza-
das as reuniões iniciais com duas equi-
pes novas que iniciarão a caminhada
rumo à santidade.
Semana da Família
Dos dias 16 a 23/08 foi comemorada a Semana da
Família - Testemunhando o amor conjugal junto às fa-
mílias dos diversos setores da cidade.
Formação para Casal Piloto
Dia 26/08 – Um convite especial a todos os casais
equipistas na Paróquia São Sebastião realizado às 19h.
É o próprio Cristo que diz: Vem e Segue-me.
16
Setor Anápolis
Holinda e José Eloy
czeloy@yahoo.com
Setor A Goiânia
Janaína e Rigonato
rigonatto@faeg.org.br
Setor B Goiânia
Vera e Luiz Antônio
veraeluizantonio@gmail.com
Setor Uruaçu
Lúcia e Nivaldo
mlmso31@hotmail.com
Equipe de Comunicação
Lázara e Edison
Eq. 2A - Goiânia
sulinop@gmail.com
Gislana e José Gabriel
Eq. 7B - Goiânia
gislanacanedo@hotmail.com
Vera Lúcia e Ivo
Eq. 4 - Anápolis
sscotivera@yahoo.com.br
Daniella e Michel
Eq. 7 - Água Boa
dani.buzaim@gmail.com
Marcia e Girlan
Eq. 1 - Uruaçu
marciaegirlan.ens.pv@hotmail.com
Diagramação:
Vitor H. Rocha
vhbr@msn.com
Jornalista Responsável:
Vitor H. Rocha
JP-GO 01309
Tiragem: 1.000 exemplares
JORNAL ENSANTIDADE
Ano 6, nº 21 - Jul/Ago/Set 2015
Colegiado da Região Goiás Centro
Casais Responsáveis:
Regional: Débora e Marquinho
deboralemosmaia@gmail.com
Setor Águas Boa
Maristela e Telmino
mariste_m@hotmail.com
EXPEDIENTE
com a graça de Deus deram o “sim”
para assumir a missão de Casal Res-
ponsável do Setor Anápolis – Mari-
leide e Renato e Casal Responsável
do Setor B-Goiânia Terezinha e Alan.
Esta responsabilidade é por 3 anos e
os casais serão empossados durante
o Encontro Provincial que acontecerá
entre os dias 16 e 18/10 em Goiânia.
Nossos agradecimentos e homena-
gens aos Casais Holianda/José Eloy e
Vera/Luiz Antônio e suas equipes de
Setor, que encerram esta missão, e
com muita dedicação e amor conse-
Novos Responsáveis de Setor
A Região Goiás Centro comunica
a finalização do processo de discer-
nimento, realizado recentemente, e
guiram manter o movimento pulsan-
te nos Setores Anápolis e Goiânia-B.
Nossas orações e apoio às novas
equipes que iniciam essa jornada.
SETEMBRO
12 e 13
Retiro aberto em Goiânia na Casa das Irmãs
Franciscanas dos Pobres
18 Reuniões Mistas - Interequipes em Anápolis
21 Formação para SCE
01 a 30 Reuniões Mistas - Interequipes em Uruaçu
26 e 27
Encontro de Equipes Novas em Goiânia na
Casa das Irª Franciscanas dos Pobres
OUTUBRO
16 a 18 Encontro provincial em Goiânia
23 a 26
Reuniões Mistas - Interequipes em Goiânia
e Água Boa
01 a 31
Escolha dos novos CRE para 2016 para
todas as equipes
NOVEMBRO
07 e 08 Sessão de formação nível I em Uruaçu
14 Confraternização SCE/AET em Anápolis
20 a 23
Reuniões horizontais (CL + equipes ligadas)
em Goiânia
27 Missa de posse CRE/2016 em Anápolis
28
Pré-EACRE novos CRE em Goiânia em
Goiânia, Água Boa e Uruaçu.
29 Missa de posse CRE/2016 em Uruaçu
DEZEMBRO
01
Missa posse CRE/2016 em Água Boa e
Goiânia
08
Pré-EACRE em Anápolis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acolhida rev luis souza web
Acolhida rev luis souza webAcolhida rev luis souza web
Acolhida rev luis souza web
Paulo Dias Nogueira
 
Boletim posse
Boletim posseBoletim posse
Boletim posse
Ronny Clayton
 
Boletim 350 - 01/09/13
Boletim 350 - 01/09/13Boletim 350 - 01/09/13
Boletim 350 - 01/09/13
stanaami
 
Boletim bimba 15-04-2018
Boletim bimba    15-04-2018Boletim bimba    15-04-2018
Boletim bimba 15-04-2018
Debora Teixeira
 
ECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubroECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubro
Lada vitorino
 
Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012
Bernadetecebs .
 
Contact novembro
Contact novembroContact novembro
Contact novembro
Leutherio
 
Boletim bimba 29-04-2018
Boletim bimba    29-04-2018Boletim bimba    29-04-2018
Boletim bimba 29-04-2018
Debora Teixeira
 
Jornal dezembro 2014 janeiro 2015
Jornal dezembro 2014   janeiro 2015Jornal dezembro 2014   janeiro 2015
Jornal dezembro 2014 janeiro 2015
saojosepascom
 
Contact julho 2010
Contact julho 2010Contact julho 2010
Contact julho 2010
Leutherio
 
391
391391
420
420420
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do PovoLivreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Bernadetecebs .
 
Monte Carmelo julho-agosto 2010
Monte Carmelo julho-agosto 2010Monte Carmelo julho-agosto 2010
Monte Carmelo julho-agosto 2010
lucianodidimo
 
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de FlorianópolisLivrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Bernadetecebs .
 
Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012
wapema
 
Ecovida maio e .junho
Ecovida  maio e .junhoEcovida  maio e .junho
Ecovida maio e .junho
Lada vitorino
 
Boletim 426 - 12/10/15
Boletim 426 - 12/10/15Boletim 426 - 12/10/15
Boletim 426 - 12/10/15
stanaami
 

Mais procurados (18)

Acolhida rev luis souza web
Acolhida rev luis souza webAcolhida rev luis souza web
Acolhida rev luis souza web
 
Boletim posse
Boletim posseBoletim posse
Boletim posse
 
Boletim 350 - 01/09/13
Boletim 350 - 01/09/13Boletim 350 - 01/09/13
Boletim 350 - 01/09/13
 
Boletim bimba 15-04-2018
Boletim bimba    15-04-2018Boletim bimba    15-04-2018
Boletim bimba 15-04-2018
 
ECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubroECOVIDA Setembro-outubro
ECOVIDA Setembro-outubro
 
Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012
 
Contact novembro
Contact novembroContact novembro
Contact novembro
 
Boletim bimba 29-04-2018
Boletim bimba    29-04-2018Boletim bimba    29-04-2018
Boletim bimba 29-04-2018
 
Jornal dezembro 2014 janeiro 2015
Jornal dezembro 2014   janeiro 2015Jornal dezembro 2014   janeiro 2015
Jornal dezembro 2014 janeiro 2015
 
Contact julho 2010
Contact julho 2010Contact julho 2010
Contact julho 2010
 
391
391391
391
 
420
420420
420
 
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do PovoLivreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
 
Monte Carmelo julho-agosto 2010
Monte Carmelo julho-agosto 2010Monte Carmelo julho-agosto 2010
Monte Carmelo julho-agosto 2010
 
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de FlorianópolisLivrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
 
Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012
 
Ecovida maio e .junho
Ecovida  maio e .junhoEcovida  maio e .junho
Ecovida maio e .junho
 
Boletim 426 - 12/10/15
Boletim 426 - 12/10/15Boletim 426 - 12/10/15
Boletim 426 - 12/10/15
 

Destaque

Revista Livre Acesso
Revista Livre AcessoRevista Livre Acesso
Revista Livre Acesso
Rikcborges
 
P&v 1 t13
P&v 1 t13P&v 1 t13
P&v 1 t13
Jorge Miranda
 
Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02 Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02
Flavio Chaves
 
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
Receitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  MilhoReceitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  Milho
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
festa junina
 
Paginas Internet
Paginas InternetPaginas Internet
Paginas Internet
José Augusto Fiorin
 
Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015
Jornal Mais Vida
 
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Adilson Moreira
 
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Ciclismo Naserra
 
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vidaAssistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Nayara Dávilla
 
Revista ELIS::01.edição
Revista ELIS::01.ediçãoRevista ELIS::01.edição
Revista ELIS::01.edição
anialmeida
 
Jornal Evolução
Jornal EvoluçãoJornal Evolução
Jornal Evolução
SCastilhos
 
Nosso templo (6ª edição)
Nosso templo (6ª  edição)Nosso templo (6ª  edição)
Nosso templo (6ª edição)
temploolhosdelince
 
Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013
Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013
Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013
Wellyngton Pita
 
Jornal A Voz do Povo
Jornal A Voz do PovoJornal A Voz do Povo
Jornal A Voz do Povo
Avozdopovo Udi
 
Bruna martins correa e lara alves schotten
Bruna martins correa e lara alves schottenBruna martins correa e lara alves schotten
Bruna martins correa e lara alves schotten
Tatiana Lage
 
Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...
Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...
Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...
Joseheitordacosta Dacosta
 
Coleta de residuos v9
Coleta de residuos v9Coleta de residuos v9
Coleta de residuos v9
gtmgoias
 
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem MitosLivro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
Roberta Soares
 
Cartilha minicurso de formação manipuladores
Cartilha minicurso de formação manipuladoresCartilha minicurso de formação manipuladores
Cartilha minicurso de formação manipuladores
helen-nutri
 
Assistência médica por ciclos de vida
Assistência médica por ciclos de vidaAssistência médica por ciclos de vida
Assistência médica por ciclos de vida
Centro Universitário Ages
 

Destaque (20)

Revista Livre Acesso
Revista Livre AcessoRevista Livre Acesso
Revista Livre Acesso
 
P&v 1 t13
P&v 1 t13P&v 1 t13
P&v 1 t13
 
Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02 Jornal 130117102828-phpapp02
Jornal 130117102828-phpapp02
 
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
Receitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  MilhoReceitas  Juninas  Arroz  Doce  Farofa  Bolo De  Milho
Receitas Juninas Arroz Doce Farofa Bolo De Milho
 
Paginas Internet
Paginas InternetPaginas Internet
Paginas Internet
 
Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015Jmv 10 maio_2015
Jmv 10 maio_2015
 
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
Gazeta do Santa Cândida Dezembro 2011
 
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2Jornal o correio da mantiqueira nº 2
Jornal o correio da mantiqueira nº 2
 
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vidaAssistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
Assistencia de enfermagem_por_ciclos_de_vida
 
Revista ELIS::01.edição
Revista ELIS::01.ediçãoRevista ELIS::01.edição
Revista ELIS::01.edição
 
Jornal Evolução
Jornal EvoluçãoJornal Evolução
Jornal Evolução
 
Nosso templo (6ª edição)
Nosso templo (6ª  edição)Nosso templo (6ª  edição)
Nosso templo (6ª edição)
 
Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013
Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013
Jornal O Comunitário Regional - Janeiro de 2013
 
Jornal A Voz do Povo
Jornal A Voz do PovoJornal A Voz do Povo
Jornal A Voz do Povo
 
Bruna martins correa e lara alves schotten
Bruna martins correa e lara alves schottenBruna martins correa e lara alves schotten
Bruna martins correa e lara alves schotten
 
Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...
Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...
Revista jhc mídiadigital edição 58 ano 2016 editada pela editora jhcmídiadigi...
 
Coleta de residuos v9
Coleta de residuos v9Coleta de residuos v9
Coleta de residuos v9
 
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem MitosLivro quimioterapia Verdades sem Mitos
Livro quimioterapia Verdades sem Mitos
 
Cartilha minicurso de formação manipuladores
Cartilha minicurso de formação manipuladoresCartilha minicurso de formação manipuladores
Cartilha minicurso de formação manipuladores
 
Assistência médica por ciclos de vida
Assistência médica por ciclos de vidaAssistência médica por ciclos de vida
Assistência médica por ciclos de vida
 

Semelhante a Ensantidade edição 21

Jornal sta. bernadete edição 41
Jornal sta. bernadete   edição 41Jornal sta. bernadete   edição 41
Jornal sta. bernadete edição 41
Paróquia Santa Bernadete
 
Nosso encontro outubro
Nosso encontro outubroNosso encontro outubro
Nosso encontro outubro
apostoladoarquidiocesano
 
393
393393
Jornal Aliança nº 177 Julho 2014
Jornal Aliança nº 177 Julho 2014Jornal Aliança nº 177 Julho 2014
Jornal Aliança nº 177 Julho 2014
mcj2013
 
423
423423
Boletim 273 19/02/12
Boletim 273 19/02/12Boletim 273 19/02/12
Boletim 273 19/02/12
stanaami
 
DIRETRIZES%20(1).pptx
DIRETRIZES%20(1).pptxDIRETRIZES%20(1).pptx
DIRETRIZES%20(1).pptx
Allen Santos
 
Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012
José Vieira Dos Santos
 
Celebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês VocacionalCelebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês Vocacional
Cris Simoni
 
Boletim 445 - 23/08/15
Boletim 445 - 23/08/15Boletim 445 - 23/08/15
Boletim 445 - 23/08/15
stanaami
 
Caminhada quaresma familia
Caminhada quaresma familiaCaminhada quaresma familia
Caminhada quaresma familia
svicentebranca
 
Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Diocese de Aveiro
 
Circ mar.2012 (4)
Circ mar.2012 (4)Circ mar.2012 (4)
Circ mar.2012 (4)
cnisbrasil
 
Jornal Aliança V ECJ
Jornal Aliança V ECJJornal Aliança V ECJ
Jornal Aliança V ECJ
CIP2014
 
Subsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Subsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPSubsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Subsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Bernadetecebs .
 
Carta Rodrigo Fev2017
Carta Rodrigo Fev2017Carta Rodrigo Fev2017
Carta Rodrigo Fev2017
Missão SEMIPA
 
Boletim bimba 05 01 2014 santa ceia
Boletim bimba 05 01 2014   santa ceiaBoletim bimba 05 01 2014   santa ceia
Boletim bimba 05 01 2014 santa ceia
Regina Lissone
 
Plano de ação m farias rcc 2016
Plano de ação m farias rcc 2016Plano de ação m farias rcc 2016
Plano de ação m farias rcc 2016
Maria Dfarias
 
Boletim 456 - 08/11/15
Boletim 456 - 08/11/15Boletim 456 - 08/11/15
Boletim 456 - 08/11/15
stanaami
 
Boletim bimba 02 02 escola dominical
Boletim bimba 02 02    escola dominicalBoletim bimba 02 02    escola dominical
Boletim bimba 02 02 escola dominical
Regina Lissone
 

Semelhante a Ensantidade edição 21 (20)

Jornal sta. bernadete edição 41
Jornal sta. bernadete   edição 41Jornal sta. bernadete   edição 41
Jornal sta. bernadete edição 41
 
Nosso encontro outubro
Nosso encontro outubroNosso encontro outubro
Nosso encontro outubro
 
393
393393
393
 
Jornal Aliança nº 177 Julho 2014
Jornal Aliança nº 177 Julho 2014Jornal Aliança nº 177 Julho 2014
Jornal Aliança nº 177 Julho 2014
 
423
423423
423
 
Boletim 273 19/02/12
Boletim 273 19/02/12Boletim 273 19/02/12
Boletim 273 19/02/12
 
DIRETRIZES%20(1).pptx
DIRETRIZES%20(1).pptxDIRETRIZES%20(1).pptx
DIRETRIZES%20(1).pptx
 
Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012
 
Celebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês VocacionalCelebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês Vocacional
 
Boletim 445 - 23/08/15
Boletim 445 - 23/08/15Boletim 445 - 23/08/15
Boletim 445 - 23/08/15
 
Caminhada quaresma familia
Caminhada quaresma familiaCaminhada quaresma familia
Caminhada quaresma familia
 
Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012Caminhada da Quaresma e da Família 2012
Caminhada da Quaresma e da Família 2012
 
Circ mar.2012 (4)
Circ mar.2012 (4)Circ mar.2012 (4)
Circ mar.2012 (4)
 
Jornal Aliança V ECJ
Jornal Aliança V ECJJornal Aliança V ECJ
Jornal Aliança V ECJ
 
Subsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Subsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPSubsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Subsídio das CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
 
Carta Rodrigo Fev2017
Carta Rodrigo Fev2017Carta Rodrigo Fev2017
Carta Rodrigo Fev2017
 
Boletim bimba 05 01 2014 santa ceia
Boletim bimba 05 01 2014   santa ceiaBoletim bimba 05 01 2014   santa ceia
Boletim bimba 05 01 2014 santa ceia
 
Plano de ação m farias rcc 2016
Plano de ação m farias rcc 2016Plano de ação m farias rcc 2016
Plano de ação m farias rcc 2016
 
Boletim 456 - 08/11/15
Boletim 456 - 08/11/15Boletim 456 - 08/11/15
Boletim 456 - 08/11/15
 
Boletim bimba 02 02 escola dominical
Boletim bimba 02 02    escola dominicalBoletim bimba 02 02    escola dominical
Boletim bimba 02 02 escola dominical
 

Último

Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 

Último (16)

Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 

Ensantidade edição 21

  • 1. ENSantidade Revista EQUIPES DE NOSSA SENHORA DA REGIÃO GOIÁS CENTRO ANO VI - N° 21 - JUL/AGO/SET . 2015 ENCONTRO NACIONAL PÁG.2 PCE MEDITAÇÃO: EXERCÍCIO ORAÇÃO E DESCOBERTA DE DEUS PÁG. 7 BREVE HISTÓRICO EQUIPES NOSSA SENHORA PÁG. 9
  • 2. 2 PALAVRA DO REGIONAL Queridos Equipistas! E, ao terceiro dia, fizeram-se umas bodas em Caná da Galiléia; e estava ali a mãe de Jesus. Foi também convidado Jesus e os seus discípulos para as bodas. E, faltando vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm mais vinho. Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser. (Jo, 2, 1-3, 5) Embalados pelas mensagens e testemunhos do III Encontro Nacio- nal em Aparecida, ousemos o Evan- gelho, cada um na sua missão! Retomamos aqui algumas pala- vras do SCE/SRB Pe. Paulo Renato ao final do encontro, no momento em que nos lembrou que somos movidos por uma TEOLOGIA e não por IDEO- LOGIAS humanas! Portanto, o que nos constrói são as decisões que to- mamos durante nossa vida e que só podemos testemunhar o que viven- ciamos. Assim, cabe-nos assegurar de que estamos realmente imbuídos de Deus em nossas ações! Lembrou-nos também, que nós Equipistas recebemos muito e por isso temos uma dívida eclesial a resgatar! Basta olharmos o que te- mos à nossa disposição (casais, sa- cerdotes/acompanhantes espiritu- ais temporários e toda a estrutura do movimento)! Desta forma, cada equipista, deve encher sua talha, dos irmãos mais próximos e em cadeia, partirmos para a missão que ELE nos confiou, a de evangelizar... Devemos fazer com que as reuniões formais se- jam canais da graça e amor de Deus, assim, nossas talhas a cada mês se enchem e não mais haverá sede e estaremos prontos a dar ao mundo a razão de nossa fé! Será que nossas reuniões de equipe estão sendo efi- cazes neste aspecto? Estamos de fato, fazendo o que nos pediu amorosamente Nossa Senhora? Fazei tudo o que Ele vos disser? Para atendê-la, primeiro de- vemos estar prontos a OUVIR, capaci- tados a RESPONDER (“Fala, teu servo escuta! 1Sam. 3,10) e depois disponí- veis para AGIR, sempre convictos de que tudo que nos é pedido, já nos foi dado, por Deus! Desta forma, desejamos que se programem, de acordo com o calen- dário de cada setor, para as ativida- des deste segundo semestre! São vários eventos formativos e outros festivos: retiros, Interequipes, reu- nião horizontal, adoração, confrater- nização, galinhada, etc. Queremos de modo especial, falar aos queridos Equipistas que ingres- saram mais recentemente no movi- mento e CONVIDÁ-LOS com muito carinho a participarem da cerimônia de compromisso, que ocorrerá nos dias 26 e 27 de setembro. Durante o Encontro de Equipes Novas (EEN) ha- verá um momento especial e solene, em que darão o SIM definitivo e se- rão acolhidos pela equipe de Forma- dores da Província Centro Oeste. Este é um marco na história de cada casal equipista, é a coroação de toda a pi- lotagem! Estamos ansiosos e desde já, nos preparando para acolhê-los. Em outubro, acontece em to- das as equipes o discernimento para CRE/2016,elevemosnossopensamen- to a Deus, para que o casal CHAMADO, possa ouvir, sentir-se amado e agracia- do pela oportunidade de servir! Carinhosamente, Maria e Nonato - Equipe 4A Andréia e Earle - Equipe 3 Água Boa Maria Aparecida e Sousa - Equipe 8B Lu e Nelson - Equipe 1A Tania e Ramon - Equipe 10B DÉBORA E MARQUINHO CRR – Goiás Centro Av. C-10 Qd. 81 Lt. 11 Nº. 450, Sobrado 01 Setor Sudoeste - Cep: 74.305-120, Goiânia-GO Fone: (62) 3093-6070 / Cel.: (62) 8219-9755 ramon@contabilidadeinterativa.com.br www.contabilidadeinterativa.com.br
  • 3. 3 O III Encontro Nacional das ENS foi uma bênção na vida dos equi- pistas. Trouxe um fôlego motivador animando a missão. A participação nas formações do movimento é uma oportunidade ímpar de reavivar e despertar em nós o desejo de viver em plenitude, mantendo as nossas Mércia e Júnior - Equipe 4A ENCHENDO AS TALHAS, TESTEMUNHANDO AS GRAÇAS! talhas sempre cheias, para que o ardor missionário esteja ativado e o nosso feixe de luz jamais se apague. Sabemos que a caminhada rumo a santidade não é tarefa fácil, por isso a necessidade de buscarmos maior intimidade com o Senhor, atra- vés da oração diária e participação na Eucaristia para o fortalecimento e crescimento da nossa espiritualidade conjugal. E como bem disse Pe. Paulo ABADIA E CARLOS - Equipe 05 N. S. de Fátima - Uruaçu FORMAR PRESBÍTEROS PARA QUE SEJAM A PRESENÇA DE CRISTO NA VIDA DOS CASAIS PE. FRANCIEL LOPES DA SILVA SCE do Setor Uruaçu O mês de agosto é para a Igre- ja tempo de lançar as sementes na “boa terra” do coração da juventu- de. É mês vocacional, tempo de fa- lar das vocações, do chamado que o próprio Deus tem feito aos operários para trabalharem na Sua vinha. Se a vinha é de Deus, então os operários necessitam terem sido enviados por Ele para trabalharem em Seu nome. O jovem vocacionado que chega ao Seminário é tirado do meio do povo, do seio das comunidades que incessantemente rezam ao Senhor da messe. Chegam ao Seminário, a cada ano, muitos jovens para começarem seu caminho de discernimento voca- cional. No início de sua bela e longa caminhada, oferecem a Deus um co- ração generoso, aberto e entusias- mado para essa maravilhosa aventu- ra de descobrir o chamado do Senhor em suas vidas. O caminho ordinário da forma- ção presbiteral é constituído por oito anos de estudo e discipulado aos pés do Senhor. No início de sua cami- nhada, o jovem vocacionado faz um ano de Propedêutico, tempo este de adaptação ao Seminário e de forma- ção para o discipulado; é um tempo intenso de vida comunitária e de formação humana e espiritual. Logo depois, se dará sua formação filosó- fica; três anos de profunda reflexão, a partir de sólidos princípios que sir- vam de fundamento para os estudos posteriores. A última etapa da forma- ção presbiteral é constituída pelos estudos teológicos. Neste momento, o seminarista entra em contato mais profundamente com os mistérios da Revelação divina, formando um cora- ção de pastor que transmita ao povo de Deus os Seus ensinamentos. Durante o tempo de Seminário, de formação pastoral, o seminarista é in- centivadoaentraremcontatoeconhe- cer as diversas pastorais e movimentos da Igreja. De forma especial, a Igreja pede para que os seus pastores sejam formados para evangelizar e cuidar das famílias, dos casais, da santificação dos matrimônios. O sacerdote é aquele modelo de Cristo (Alter Christus) que deve amar de forma incondicional a fa- mília, promover com afinco a vocação matrimonial, trabalhar ardorosamente pela santificação dos casais, gastar seu tempo cuidando para tornar sagrados os lares de sua comunidade. O Movi- mento das ENS é esse precioso instru- mento de Deus, o qual o presbítero po- derá utilizar, em seu trabalho pastoral, como meio para a transformação dos casais, da vivência autêntica dos ma- trimônios, de uma experiência mais profunda do amor de Deus na vida dos casais. Desde o tempo de formação, os seminaristas deverão ser incentivados a amar os casais e trabalhar pela san- tificação dos mesmos; que os sacerdo- tes sejam a presença visível de Cristo para os cônjuges e cresçam mutua- mente no amor de Deus. Renato “O casamento é obra prima de Deus”, por isso não podemos ja- mais abrir mão de testemunhá-lo.
  • 4. 4 Sandra e Jesus - Equipe 1A ENTREVISTA PE. JOÃO LUIZ DA SILVA SCE das Equipes 2A e 4A e 11B 1. O III Encontro Nacional das ENS foi pensado como uma peregrinação e diante da riqueza que foi viven- ciada nestes dias, que mensagem podemos compartilhar com nossos irmãos equipistas e SCE que não pu- deram estar no encontro. SCE - Quero dizer a cada casal, e SCE, que não puderam estar conosco no Encontro Nacional, que é revigorante, fortalecedor, ver a alegria e disponibi- lidade de casais e sacerdotes, unidos em um só coração. Ver a unidade e a força dos casais. Casais que em suas colocações e testemunhos fazem a diferença na Igreja e no mundo. Por isso todo esforço que puderem fazer para participarem e viverem para o movimento, nada roubará esta rique- za adquirida. Queridos casais, muito obrigado por ter colaborado comigo, dando esta oportunidade para eu participar do encontro, experimentar deste riquíssimo movimento. 2. Pe. Jacinto (SCE da ERI) fez uma re- flexão sobre o novo tempo em que a igreja esta vivendo. Ressaltou que este despertar primaveril do Cristia- nismo deve ajudar a humanidade a recuperar a fé em Deus como o gran- de patrimônio da vida pessoal, fami- liar, espiritual e social. Hoje, como as ENS podem ser uma nova primavera para igreja e para o mundo? SCE - As ENS tem sido para a Igreja e para o mundo, a grande abertu- ra para o crescimento e riqueza de muitos casais, se todas os sacerdotes soubessem que temos um tesouro de espiritualidade conjugal, e que só uma disponibilidade maior de cada um, para fazer da Igreja e do mundo este celeiro de casais mais cristãos, mais comunidade, mais Igreja. As Equipes para mim, são este rejuve- nescer para a Igreja, Padre e casais fazendo da Igreja uma nova socieda- de, caminhando para a santidade. 3. Refletindo sobre o Tema: “Matri- mônio cristão: festa da alegria e do amor conjugal” e o Lema: Fazei tudo que Ele vos disser”. Fale-nos sobre os maiores desafios dos casais e SCE em pertencer ao movimento das Equipes de Nossa Senhora. SCE - O Matrimônio hoje é um gran- de desafio para toda a Igreja. Os Ca- sais tendem a não querer receber o sacramento do matrimônio, achan- do que é uma exigência grande. A festa é feita, mas fica só na festa da alegria passageira, o que não funda- menta no amor, querendo aquilo que se torna mais fácil de verdade para uma certeza da conjugalidade que permanece para eternidade. Assim é o desafio para ter um matrimô- nio comprometedor, amor que deve durar até que a “morte o separe”. É o matrimônio do provisório, isto é triste. Por isso, para permanecer nas ENS, é necessário acreditar no amor, matrimônio que é eterno, ter voca- ção para o movimento. O SCE, tam- bém, diante do movimento das ENS, deve desafiar-se a si mesmo, com o carisma do acreditar no sacramento do matrimônio como um lugar de es- tar aberto a ver os casais na vocação do amor de entrega total. O SCE deve também entregar-se às reuniões com um tempo de encontrar na disponibi- lidade de ouvir e acolher com amor a alegria do vinho novo de cada ca- sal, experimentado durante o mês. É uma verdadeira ação de graças para casais e sacerdote. 4. O testemunho de Dom João One- res (Bispo Emérito de Lages-SC) encantou a todos. Ele falou da im- portância das ENS na vida do SCE e revelou seu amor pelo movimento. Na nossa opinião, existe uma gran- de semelhança entre D. Oneres e do Senhor. Gostaríamos que partilhasse conosco um pouco da sua experiên- cia de SCE nas ENS. SCE - O movimento da ENS, em minha vida é um dom de Deus, desde o meu tempo de seminarista conheci está dádiva de Deus, através da equipe 19 de Brasília, depois como diácono acompanhei a experiência comuni- tária, que se tornou a equipe 65. Em 1994, fui ordenado sacerdote, logo fui designado para Anápolis onde encontrei as ENS. Também fui cha- mado a colaborar, durante os anos que lá permaneci. Em Goiânia sir- vo neste ministério de amar as ENS, onde creio que sou mais ajudado do que de fato posso prestar ajuda. A ENS, em minha vida sacerdotal sem- pre fez o diferencial. As reuniões são para mim de uma riqueza espiritual e pastoral enorme que não existe em outro movimento de conjugalidade. Faço das reuniões dos ENS uma cele- bração de vida entre estes dois sacra- mentos - o matrimônio e ordem que se completam para gerar vida espiri- tual. É o verdadeira renovação do vi- nho da alegria e da vida do casal e do sacerdote. Concluo que as ENS são o tesouro que tenho em minha vida sa- cerdotal. O Encontro nacional só veio me enriquecer, e me fazer convencer ainda mais, de que vale a pena estar com os casais e o movimento.
  • 5. 5 POR: HOLIANDA E JOSÉ ELOY CRS Anápolis CIDA E EBERT Eq. 6A - N.S.Desatadora dos Nós Pe. Caffarel, iniciou as ENS em 25/02/1939, juntamente com três novos casais na cidade de Paris; per- manecendo à frente do movimento até 1973. Algumas de suas Obras: - Pro- feta do Matrimônio; Centelhas de sua Mensagem; A Missão do Casal Cristão; Um Homem Arrebatado por Deus; Espiritualidade Conju- gal; O Carisma Fundador (Discurso de Chantilly); Nas Encruzilhadas do Amor; Na Presença de Deus (com cartas sobre Oração); O Amor e a Graça; etc. Pe Caffarel – homem exigente! Dedicava tanto amor à sua Igreja quanto as Equipes de Nossa Senhora, por isso Ele escreve em uma de suas obras: “Teu amor sem exigência me diminui; tua exigência sem amor me revolta; tua exigência sem paciência me desanima; teu amor exigente me engrandece”. Sua vida em três Períodos: I – As fundações (1939-1949) Senhor, Não Vos pedimos A fé dos mártires, Pois nossa fragilidade não resistiria; Não uma fé grandiosa, Nosso orgulho ficaria inflamado; Nem uma fé de milagres, Pois cairíamos no ativismo das obras; Menos ainda uma fé de competição, Pois valorizaríamos os obstáculos Esquecendo o amor que nos une Vos agradecemos Senhor, PRIORIDADE PARA 2015: OBRAS DO PADRE HENRY CAFFAREL PADRE HENRI CAFFAREL Nascimento: 30/07/1903 em Lyon - França Batizado: 02/08/1903 Ordenação: 19/04/1930 Falecimento: 18/09/1996 II–Otempodamaturação(1950-1973) III – O aprofundamento (1973—1996) Hoje o movimento das Equipes de Nossa Senhora está presente nos cin- co continentes (79 países). “A única intenção verdadeira a que corresponde a finalidade das ENS, é a vontade de melhor conhe- cer a Deus de melhor amá-lo e ser- vi-lo”. “Entra-se nas Equipes por causa de Deus, fica-se nas Equipes por cau- sa de Deus”. O Cardeal Lustiger o chamou de profeta para o nosso tempo, ele não disse que o Pe. Caffarel adivinhava o futuro. Um profeta é aquele que bus- ca a vontade de Deus. Ele gostava de dizer que o matri- mônio consiste em dar-se um ao ou- tro para juntos, dar-se aos outros. Pe. Caffarel nos deixou o teste- munho de homem muito unido ao Senhor e também inspirado pelo Es- pírito Santo. Precisamos ler (estudar) as obras deste “profeta”, para mostrar ao mundo quem foi o Padre Caffarel, as- sim como podemos também contri- buir com a causa de sua canonização (http://www.henri-caffarel.org). Pela fé, que como dom, recebemos Por pequena que seja, Mas alicerçada no Amor E na Esperança E nos faz enfrentar E vencer as dificuldades Que permeiam nossas vidas Enquanto casal peregrino. Com esse dom recebido, Somos mais que vencedores Mas pelos méritos do Vosso sangue Derramado na Cruz. E isso nos basta. Nós cremos, Senhor Mas aumentai e fortalecei a nossa fé. Como viver uma fé madura Jussara e Edimilson - Equipe 3A
  • 6. 6 Vanusa e Deusamar - Equipe 4A Milla e Cresiano - Equipe 6 Uruaçu Cidonia e Eustáquio - Equipe 8B DOUTORA E MESTRA - SANTA TERESA DE JESUS Teresa Sánches de Cepeda e Ahu- mada, uma força feminina que mar- cou história. Nascida em 24 de março de 1515, essa mulher é reconhecida por suas obras. Provocou um movi- mento de mulheres para que essas vi- vessem um espírito evangélico como pobres orantes e iguais, as Carmelitas Descalças e ainda propôs aos homens, Carmelitas Descalços, que vivessem a mesma proposta de vida. Uma mu- lher a frente de seu tempo, Teresa influenciou a vida de muitos, como Therèse Francoise Martin, conhecida como Santa Teresinha do Menino Je- sus, Madre Teresa de Calcutá e Santo Enrique de Ossó e Servelló, Fundador da Companhia de Santa Teresa, que beberam da fonte de seus escritos e de seu exemplo de santidade. Mulher que soube, e ensinou, a ter uma rela- ção de amizade com Deus, por isso é chamada mestra de oração e pela sua obra, livros, é conhecida como Douto- ra da Igreja. Estamos falando de Santa Teresa de Jesus, conhecida também como Teresa D’Ávila. O que certamente torna fasci- nante na vida de Teresa é sua inces- sante busca pela verdade que faz com que ela realize a descoberta do Transcendente, transformando sua vida. Uma contínua paixão por Deus e pela humanidade. A “determinada determinação”, como dizia a Santa, a ajudava a vencer todas as dificulda- des tendo sempre a sua frente um amplo horizonte: “É indispensável ter grande confiança. Convém muito não amesquinhar os desejos, e con- fiar em Deus” (V 13, 2). Com essa RICARDO NEGUETTE DA FABIANA, LEIGO TERESIANO Eq. 7A - N.S.da Anunciação determinação, andou por toda a Es- panha, tratando de suas fundações, Carmelos. Para ela a missão exige ardor missionário, empolgação e âni- mo por causa do Reino. Como mestra de oração, Teresa nos ensina a como encontrar Deus no “Castelo Interior”. Teresa compara a pessoa como a um castelo habitado pela Trindade. A alma é como um castelo de cristal, ou diamante, com muitas moradas, onde no centro está a principal onde se passam as coisas mais secretas en- tre Deus e a alma. “O que disser, te- nho-o comprovado por experiência” (V 22,5; 28,7), “não direi coisa que não tenha experimentado muito” (V 18,8), assim Teresa de Jesus nos convoca a permanecermos firmes no caminho de oração com grande de- terminação. Compara o ser humano como uma horta, onde Deus é o agri- cultor, e que temos que nos transfor- mar, como acontece com o bicho-da- -seda, um chamado a transformação em Cristo. Em seus escritos, ela nos diz que na oração, “o importante não está em pensar muito, senão amar muito...” e ainda que “o amor de Deus não consiste nas lágrimas, nas delícias, nas ternuras da oração, mas em servir Deus com humildade, fortaleza e justiça”. Mas também nos alerta: “Procurai ser pregadoras em obras”. Como vemos Teresa foi uma mulher onde se concretizou buscar a Deus através de ações. Neste anos de 2015 todos aque- les que buscam viver a espiritualida- de de Santa Teresa D’Ávila, ou Teresa de Jesus, em todo o mundo, come- moram o V centenário do seu nas- cimento. Também a Paróquia Santa Clara e São Francisco, em Aparecida de Goiânia, onde trabalham as Irmãs da Companhia de Santa Teresa, Suje toda família teresiana farão diversas celebrações em suas capelas, inician- do no dia 28 de março, na Comuni- dade de Corpus Christi, e encerrando no dia 15 de outubro na Igreja Ma- triz da Paróquia. Assim como Teresa todos querem assumir a missão de conhecer e amar a Cristo tornando-o também conhecido e amado por to- dos e todas por todos os cantos do mundo. Mari e Onir - Equipe 1B
  • 7. 7 PCE MEDITAÇÃO: EXERCÍCIO DE ORAÇÃO E DESCOBERTA DE DEUS MARIA LETÍCIA E JOÃO CARLOS Eq. 5 B – N. S. Rainha da Paz tos da palavra de Deus. “Ora, quem se alimenta de leite não é capaz de compreender uma doutrina profun- da, porque ainda é criança” (Heb 5, 13). Como um casal equipista, temos aprendido a “mastigar” os primei- ros frutos colhidos e a preparar nos- so terreno para a colheita de frutos cem por um. Dizemos que “temos aprendido”, porque a aprendizagem é constante e, infelizmente, nossas dificuldades, fraquezas e falta de disciplina também são constantes. Lutamos para sermos fortes e perse- verantes a cada novo dia. De maneira especial, no campo espiritual, as ENS com sua proposta de vida conjugal mais santa e plena nos impele fortemente à oração e a meditação. E é somente na oração que encontramos o alimento espiri- tual que nos fortalece e nos revigora, além de aprofundar o conhecimento de nós mesmos e de Deus. Assim, a oração só nos traz bene- fícios e, para tanto, exige de nós uma tomada de atitude e disciplina. Os documentos das ENS nos ensinam e reforçam essa ideia, nos convocando a ler, estudar, ruminar e exercitar a palavra de Deus. Precisamos nos con- vencer de que nada se constrói sem ação e disciplina. Daí nossa necessi- dade de exercitarmos o PCE: Medi- tação, de maneira intensa, com um inesgotável desejo de sorver e absor- ver a doçura e a eficácia da palavra de Deus em nossa vida. Entendemos que a meditação é uma forma de ora- ção contemplativa e silenciosa. Por conseguinte, todos os dias so- mos naturalmente convidados a nos colocar em oração através da medi- tação. Dizemos ‘naturalmente” por- que, apesar das propostas de nosso Movimento, somos livremente con- duzidos por elas. A decisão de acatar o convite à oração cabe somente a nós, reconhecendo que os frutos a se- rem colhidos também serão nossos. Através da oração-meditação, te- mos a possibilidade de voltar a aten- ção para dentro de nós mesmos e nos desligarmos do mundo exterior para que possamos falar com Deus e ouvir o que Ele tem a nos falar. Ao longo de quase 6 anos nas ENS, muito temos aprendido com tudo que o movimento nos proporciona, seja através de sua própria dinâmica, ou através da nossa decisão em par- ticipar e aderir às equipes. É chega- do o momento (... e como é preciso que sejamos per-sis-ten-tes!!!), que o sentimento de pertença às ENS co- mece a existir e a se tornar real e ver- dadeiro. A partir de nossa consciente disposição à prática dos Pontos Con- cretos de Esforço, antes denomina- dos “meios de aperfeiçoamento”, passamos a “sentir” e a “colher” os primeiros frutos. Frutos estes, que têm servido de alimento sólido para melhorarmos nossa vivência cristã. Ilustramos esse momento, reto- mando a Epístola de São Paulo aos Hebreus 5, 11-14, onde esses pri- meiros frutos representam para nós aquele “leitinho” que todo bebê necessita para sobreviver no início de sua vida, e que para nós, cris- tãos adultos, representam nossa lentidão em compreender as coisas espirituais. Precisamos destes pri- meiros frutos porque ainda estamos aprendendo os primeiros rudimen- Luciana e Eroni - Equipe 1A
  • 8. 8 Débora e Marquinhos - Equipe 1A Em 1997 fomos convidados, pelo SCE Pe. Adenir Fumagalli, a participar do Movimento das ENS e em seguida pilotados pelo casal Dalva e Batista de Brasília. Não conhecíamos o Movi- mento, mas aos poucos fomos desco- brindo sua riqueza através da vida de equipe e da vivencia dos PCE. Os PCE são regras de ouro que nos direciona no caminhar em casal e em família, fortalecendo o diálogo e a compreen- são um do outro. A Oração Conjugal é para o casal um momento ímpar onde exercitamos a cumplicidade, o perdão e a entrega um do outro a Deus. Aprendemos a rezar um para o outro e em casal o terço interceden- do pela nossa família. Temos duas filhas, Patrícia que é um anjo que está junto de Deus in- tercedendo por nós e Camila que cresceu nos acompanhando no Mo- vimento aprendendo desde cedo a rezar o Magnificat. Fomos casal res- ponsável de equipe por três vezes hoje também somos Casal Ligação. Através da equipes conhecemos melhor Jesus e aprendemos a amá-lo mais. Hoje temos a certeza que Jesus está sempre ao nosso lado e nunca nos desampara e abandona mesmo nos momentos mais difíceis de nos- sas vidas. Sentimos verdadeiramente amados por Deus quando meu espo- so José precisou fazer uma cirurgia na coluna, de hérnia de disco; ou me- lhor, não uma, mas três cirurgias. A primeira cirurgia foi em 16/05/2014 e a segunda em 11/05/2015, tendo ORAÇÃO CONJUGAL - TESTEMUNHO IVETE E JOSÉ Eq. 01 – N. S. Do Bom Conselho Água Boa - MT essa uma complicação devido a uma fístula liquórica (saída do líquido da coluna), podendo provocar infecção (meningite). Assim a vida do meu esposo estava em risco, foi quando o médico realizou a terceira cirurgia no dia 15/05/2015. Pudemos testemunhar o poder da oração em nossas vidas no enfren- tamento das dificuldades. As orações de todos os casais equipistas do nos- so Setor e Região, em prol da nossa família, foram importantes no forta- lecimento da nossa fé e mostraram que nunca estamos sozinhos quando vivemos em comunidade, Deus ai está. Percebermos o quanto somos amados por Deus e esse amor nos impulsiona corajosamente a conti- nuar. Só temos que agradecer a Deus por fazermos parte dessa família que é as ENS. Agradecemos a todos, ca- sais equipistas e Conselheiros Espiri- tuais pelas orações que fizeram pelo José, pela força e pelo carinho. Sabemos que muito temos a fazer pelo movimento, que nossa missão apenas começou. As provações vie- ram renovar e fortalecer a nossa fé. Trouxeram-nos a certeza que sem- pre podemos contar com Jesus Cris- to e não somos nada sem Ele. Ele é a nossa força, esperança e proteção. Amém. PEDIDOS DE ORAÇÃO: • Pelo consolo da família do SCE Frei Luiz Sampaio que perdeu mãe e irmão nos dias 14 e 18/8. • Pelo tratamento do Deusamar da Vanusa (Equipe 4A) • Pela Reunião do Colegiado Provincial entre os dias 16-18/10 • Pela unidade das ENS da Região Goiás Centro • Pelos trabalhos dos novos CRS Setores B e Anápolis Janete e Carlos Turra - Equipe 4 Água Boa
  • 9. 9 NOSSA SENHORA DE FÁTIMA – SETOR URUAÇU Em 2010 fomos convidados, por Pe Rodrigo Carrijo, então pároco da nos- sa comunidade, para uma reunião cer- cada de mistérios, que aguçava nossa curiosidade. A partir dai formamos um grupo de Experiência Comunitária com 7 casais e o SCE, além do Casal Coordenador Nairene e Cícero. Ao término da Experiência Co- munitária, no início de 2011, o movi- mento das Equipes de Nossa Senho- ra nos foi apresentado. Mesmo sem saber realmente como funcionava, o Espírito Santo nos impulsionava a dizer sim. Do grupo inicial apenas dois casais não continuaram. Logo em seguida, outros dois casais foram convidados. Desta forma, estava for- mada a equipe 05, tendo como in- tercessora N. S. de Fátima. Ainda em 2011, começamos a Pi- lotagem, Pe. Gilson Luiz que acabara de chegar como vigário paroquial, as- sume nossa equipe como SCE. Hoje é pároco em outra cidade e mesmo em meio a muitas dificuldades continua conosco. A pilotagem foi um momen- to ímpar na vida da equipe. O casal Tereza e Jurandir, de Goiânia, viajava todos os meses, sem medir esfor- ços, para estar conosco, com muito amor, zelo, dedicação e um lindo tes- temunho de vida nos presenteavam pouco a pouco com as diretrizes do movimento. Ao final da pilotagem ti- vemos a escolha do primeiro CRE, a partir daí começávamos “caminhar sozinhos”. Em 2012 mais uma vez so- mos presenteados com nosso casal li- gação, Valéria e Wilson, casal que nos contagiava com sua alegria e carisma. Deixou saudades... Com a expansão do movimento em nossa cidade, em 2013 Uruaçu torna-se Setor sob a responsabilidade do casal Lúcia e Nivaldo. Na formação do colegiado do Setor um dos casais da nossa equipe foi convidado para fazer parte desse colegiado. O casal, com muito carinho, aceita o convite e contagia a todos da equipe com a alegria em servir ao movimento. Hoje todos os casais da nossa equipe, ser- vem ao movimento como - Coorde- nadores de Experiência Comunitária, Casal Ligação e Casal Piloto. Em 2014, o casal Divina e Vascon- celos mudaram para Manaus. Hoje temos um casal sendo pilotado e seis casais que caminham juntos, e mes- mo em meio as dificuldades e limi- tações, procuramos viver a mística. Os laços fraternos que nos une como família permite sermos responsáveis uns pelos outros e nesse anseio, de- sejamos que todos consigam tam- bém vivenciar o carisma do nosso movimento que é a certeza da verda- deira felicidade. Que Nossa Senhora de Fátima continue intercedendo por nossa equipe e que o Poderoso faça sempre em nós Maravilhas! HISTÓRICO DA EQUIPE 05 BREVE HISTÓRICO DAS EQUIPES DE NOSSA SENHORA A primeira equipe: Em 1938, um jovem padre de Paris, Henri Caffarel, recebe a visita de uma pessoa que desejava lhe falar sobre sua vida es- piritual. Alguns dias depois, ela volta, acompanhada do marido. A seguir, esse casal apresenta o Padre Caffa- rel a outros três casais. Repletos de amor e cristãos convictos pedem a ele que os guie em busca de viver o seu amor à luz da sua fé. “Façamos o caminho juntos” res- ponde-lhes o Padre Caffarel, e dessa maneira, o projeto de se reunirem para refletir em comum sobre o ma- JANAINA E RIGONATTO Eq. 6A - N. S. Desatadora dos Nós Goiânia - Goiás trimônio estava lançado. Pouco a pouco, os olhos destes jovens casais descobrem o lugar privilegiado do casal nos desígnios de Deus. Simul- taneamente, fazem experiências de vida comunitária onde se realiza a promessa de Cristo de estar presen- te. A vida deles progride através da abertura aos outros, na união a Deus, entre os esposos e entre os casais. No Mundo: As Equipes de Nossa Senhora têm sua sede em Paris, na França, e estão presentes nos 5 con- tinentes e em 69 países. No Brasil: Um grupo de casais de São Paulo por iniciativa de Nancy a Pedro Moncau Jr, estabeleceram vá- rios contatos com Pe. Caffarel e dão início, juntamente com Pe. Oscar Me- lanson, CSC, ao Movimento no Brasil com o lançamento da primeira equi- pe, no dia 13/05/1950. De acordo com o último levantamento, existem no Brasil, 52 Regiões, 312 Setores/ Coordenações, 3.650 Equipes, com 22.041 Casais, 395 Viúvas(os) e 2.337 Sacerdotes Conselheiros Espirituais. Em Goiânia: Em 1998, vindos do interior de São Paulo, o casal Lu e Nelson, que já pertenciam as ENS há sete anos, e não se enxergavam fora das equipes, resolveram procu-
  • 10. 10 Nairene e Cícero - Equipe 2 Uruaçu Margarete e Divino- Equipe 3 Uruaçú Macionila e Simplício - Equipe 2A rar o então, Casal Responsável da Re- gião Centro Oeste (CRR-CO) sediada em Brasília, Rita e José Adolfo, para implantar o movimento em Goiânia. Anteriormente o CRR-CO já havia tentado a implantação, porém o bis- po da época não era favorável. Sem desistir do sonho, recuaram para tentar depois em tempo mais opor- tuno. Assim que foram procurados por Lu e Nelson os trabalhos come- çaram. Após diversos contatos, to- dos se animaram especialmente pela concordância de um forte aliado, o Pe. Geraldo Dias, na época pároco da São Paulo Apóstolo, que logo se prontificou a falar com o bispo junto com Lu e Nelson. Tendo a aprovação do bispo Dom Antônio, partiram para a próxima etapa, formação dos gru- pos. Relatam Lu e Nelson, que não foi nada fácil! Foram feitas várias reuni- ões de informação, sem sucesso, pois os casais não aderiam de imediato por falta de conhecimento. Após a terceira tentativa, juntamente com mais um casal equipista de Brasília Edna e Estevam, quatro casais de Goiânia e o SCE Pe. Geraldo Dias, surgiu a 1ª Equipe em 07/04/2000! Foi necessária muita perseverança! Logo em seguida, em agosto for- mou-se a 2ª equipe com sete casais, tendo como SCE o mesmo sacerdote. Em fevereiro de 2002 formou-se a 3ª equipe, com oito casais e o SCE Pe. Omar. Em agosto de 2003 Goiânia já contava com 5 equipes, passando en- tão a Coordenação ou Pré-setor. Com a implantação da equipe 6, passa a Setor, tendo como CRS o casal Lu e Nelson e SCE Pe. David. Hoje o movimento em Goiânia está estruturado com 20 equipes, 9 grupos em Experiência Comunitária e acompanhadas por 14 SCE. É importante ressaltar, que as ENS, não é um movimento paroquial e nem um movimento de ação, mas sim de casais ativos. Desta forma, o movimento conta com casais de vá- rias paróquias. Em Goiânia somos 180 casais, sendo que a maioria está inserido em pastorais e prestam ser- viços em suas comunidades de base. Na Região Goiás Centro: A partir de 2010 foi instituída a Região Goiás Centro, que abrange 43 equipes, 15 Experiências Comunitárias e mais de 350 casais dos municípios de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis, Uru- açu, Estrela do Norte e Água Boa-MT. Para conhecer melhor o movi- mento basta acessar o site www.ens. org.br ou entrar em contato com os responsáveis pelos Setores constitu- ídos, cujos contatos estão descritos no expediente deste informativo. Notícias SETORES A E B - GOIÂNIA Festa Dos Namorados Foi realizada no dia 13/06 no Salão da FAEG em Goi- ânia mais uma edição da Festa em comemoração ao dia dos namorados. A Festa foi animada com música ao vivo, com partilha dos tira-gostos e regada com muita alegria. O salão foi palco de danças apaixonadas e manifestações públicas do amor conjugal. Formação Sobre Retiro Foi realizado no último dia 08/08 no Centro Catequé- tico da Paróquia Santa Cruz um momento de Formação sobre Retiro. O momento foi conduzido pelo Conselheiro Padre João Luiz com a participação de 20 casais dos Seto- res A e B de Goiânia Semana das Famílias As Equipes de Goiânia ce- lebraram com a Comunidade Sagrada Família no último dia 08/08 a semana das famílias. Na oportunidade o CRS-B Vera e Luiz Antonio fizeram uma ex- planação sobre o Movimento para os paroquianos.
  • 11. 11 Almoço Foi realizada no último dia 16/08 no Salão de even- tos da Paróquia Santo Antonio mais uma edição da Galinhada das ENS. O almoço é realizado anualmente, visando angariar fundos para a realização das forma- ções, retiros e demais eventos do movimento em Goi- ânia, contou com a presença de aproximadamente 350 participantes. Os alimentos e bebidas foram adquiridos através de doações, pelos casais equipistas. A progra- mação foi ainda animada com bingos e sorteios de brindes. Os Setores A e B agradecem a generosidade e apoio de todos. Encontro De Conselheiros Foi realizada no dia 17/08 um Encontro dos Conse- lheiros Espirituais das Equipes dos Setores A e B de Goi- ânia. Após um momento de formação, partilha e de- bate aconteceu uma confraternização onde foi servido um delicioso churrasco. Nossos agradecimentos a estes homens de Deus pela dedicação com que acompanham nossas Equipes. Formação Para Casal Piloto No dia 29/08 aconteceu um momento de Formação para Casal Piloto, com a participa- ção de 12 casais dos setores A e B de Goiânia e tem por objetivo formar casais para atuarem na pilotagem. Em Goiânia estão em andamen- to 8 grupos de Experiência Comunitária, que ao final desta etapa, poderão optar pelo ingresso ao movimento. Retiro Aberto Será realizado nos dias 12 e 13/09 na Casa das Irmãs Fran- ciscanas dos Pobres mais uma edição do Retiro Aberto dos Se- tores A e B de Goiânia. O retiro será pregado pelo SCER Pe. João Batista. Não percam a oportu- nidade de exercitar este PCE em 2015. Reuniões Mistas - Interequipes Serão realizadas nos dias 23, 24, 25 e 26 de outubro mais uma edição das Interequipes. Estas reuniões mistas são oportunidades de integração e de- monstração de unidade do movimento. Nos próximos dias os Setores iniciarão as inscrições para participação, animação e anfitrião de cada grupo. Sandra e Ilson - Equipe 6A
  • 12. 12 Selma e Elias - Equipe 7 Anápolis Tatiane e Augusto - Equipe 7 Água BoaVera do Ivo e Alexandre - Equipe 4 Anápolis Notícias SETOR ÁGUA BOA RETIRO: Momento de reflexão e reabastecimento. Foi realizado no final de semana de 30 e 31/05 o Retiro dos casais das ENS do Setor Água Boa-MT. O reti- ro teve como pregador o SCE Padre Franciel Lopes de Uruaçu e Pe. Da- quin Kangila. Houve participação sig- nificativa dos equipistas que aprovei- taram para priorizar o encontro com Deus na oração, ouvir sua Palavra e com ela confrontar sua vida. Expansão do Movimento. Tendo em vista a busca da Santidade Conjugal, as ENS através do Casal Piloto Ana Maria e Mário Eugênio Possamai, tem presta- do serviços como casal informador, levando informações aos ca- sais interessados em conhecer o movimento. Cinco casais deram seu “SIM” e já estão em pilotagem e outros aguardam formações na experiência comunitária. O Setor se alegra com vossa opção e atitude de amor ao movimento, pois o melhor investimento que podemos fazer é TRABALHAR na formação das famílias. Semana Nacional da Família. Na Semana Nacional da Família as ENS do Setor Água Boa, reuniram-se juntamente com a comunidade para momentos de fé, oração, palestras, confraternização, sorteio de brindes religiosos e muita animação. Que Jesus, Maria e José, interce- dam pelas famílias do mundo inteiro. Festa Junina A noite do dia 13/06 foi diferente. No Espaço Modelar acon- teceu “O Arraia das ENS !!” Viva Santo Antônio, São Pedro e São João !! Nesta alegria o setor possibilitou a confraternização dos equipistas, familiares e convidados nos festejos Juninos. Muitas guloseimas, rifas e premiações abrilhantaram a noite. E nossos Sinhôs e Sinhás... Um verdadeiro show! Parabéns a todos!
  • 13. 13 Notícias SETOR ANÁPOLIS Discernimento para escolha do CRS Aconteceu na Paróquia São João Evangelista o Discernimento para es- colha do Casal Responsável do Setor Anápolis para os próximos três anos e contou com a participação de todos os Casais Ligação, Casal Responsá- vel de Equipe e SCE Pe Luiz Lemos. Galinhada O tradicional almoço realizado pe- las Equipes de Nossa senhora do Setor Anápolis, aconteceu dia 24 de maio Dalva e Máximo – Equipe 01 – Nossa Senhora Aparecida, comemo- raram 50 anos de casados no dia 17 de julho, numa belíssima cerimônia celebrada em Belo Horizonte – MG, na Paróquia Santa Efigênia, junta- mente com seus familiares, onde renovaram os compromissos matri- moniais. Foi realizado com bom êxito nos dias 14,15 e 16 de Agosto o retiro anu- al do setor, com a presença de 43 ca- sais, sendo um casal de Goiânia, Jussa- ra e Edemilson, a equipe de cozinha, o pregador do retiro SCE Pe. Thiago e o Diácono Diego desta Diocese. Pe. Thiago iniciou o encontro com uma boa meditação destacando a ne- cessidade de levar a sério o encontro e o cuidado com o silêncio. Conven- ceu a todos a ficarem atentos para as três referências: recolher-te, encon- trar Deus em ti e escutar. Ainda na primeira noite foi celebrada a Santa Missa e a meditação: “Uma revisão de vida”, voltado para vida de oração do casal e vida em família. No sábado após as orações da manhã e meditação, o Diácono Diego nos levou a meditar sobre a “infância espiritual” focando a Eucaristia como fonte e o ápice da Igreja. Todo o sá- POR: SÔNIA E OSVANDO Equipe 06 - Nossa Senhora das Graças Retiro anual bado transcorreu com normalidade e pode-se notar o interesse e a aten- ção dos equipistas motivados pelas conferências, meditações, orações, confissões, terços e Via Sacra. O en- cerramento neste dia se deu com a Adoração ao Santíssimo Sacramento do Altar. No domingo participamos, já no primeiro momento, da meditação com Pe. Thiago na capela e em segui- da as Laudes, seguida de uma santa meditação e do dever de sentar-se nos jardins do convento com ques- tões objetivas que nos levaram a re- fletir sobre o matrimônio, a família e a vida em equipe. O retiro encerrou no domingo com uma motivada celebração Eucarística com a benção das alianças e a reno- vação do Sacramento do Matrimônio. Numa breve avaliação geral, além dos casais do setor terem cumprido este essencial PCE, ficou clara a sa- tisfação humana, pessoal e espiritual em cada equipista. Afinal, os objeti- vos foram alcançados, como sempre, com a misericordiosa graça de Deus. Bodas de Ouro no salão da Paróquia São Sebastião. O objetivo foi reforçar a unidade do Mo- vimento, angariar recursos financeiros para contribuir com os casais equipis- tas na participação do Retiro anual.
  • 14. 14 Maria e José Queiroz - Equipe 5A .Boa No dia 01 de junho completamos vinte e cinco anos de casados. Neste espaço de tempo vivemos com muito amor, empenho, sacrifícios e desafios. Destes vinte cinco anos, dezesseis foram vividos participando do Movi- mento das Equipes de Nossa Senhora. Quantas graças recebemos! Quanto nos ajudou o movimento nesta cami- nhada de vida a dois! Quanto ainda es- tamos aprendendo, crescendo e apri- morando nossa vida espiritual! O nosso casamento foi algo natural, inevitáveldiantedoamordedicadoque sempre tivemos em relação ao outro. A felicidade proveniente deste amor é algo ainda maior, pois foi construída no nosso dia-a-dia, com base num esfor- ço solidário e comum que se nota cada vez mais raro hoje em dia, visto que nem todos os casais são capazes de enfrentar com esperança e dignidade as dificuldades que surgem pelo cami- nho. Nós tivemos sempre a esperança e a coragem. Tivemos sempre a digni- dade de discutirmos as nossas angús- tias, incertezas e desesperos. Por isso, apesar de todas as pedras que tivemos pelo caminho, tudo tem valido a pena. Muitas das pedras que surgiram como obstáculos acabaram a revelar-se pe- dras preciosas; melhor dizendo, apren- demos muito com as dificuldades. Temos a certeza que continuare- mos sendo abençoados por Deus e que Nossa Senhora sempre estará nos abençoando, protegendo e ilu- minando nosso matrimônio. Bodas de Prata - Eliane e Wilson ELIANE E WILSON Equipe 06, Nossa Senhora das Graças Em cada etapa da vida vivemos um tempo de venturas e aventuras, alegrias e tristezas, encontros e de- sencontros. E cada uma traz sempre aprendizagens importantes para con- tinuar a viver com mais sabedoria e discernimento. As Comunidades Nossa Senho- ra da Esperança, tem como objetivo ajudar as viúvas(os) e pessoas sós, resgatando-lhes a uma realidade que lhes faz ver que “não estão mais tão sós”. Pretendemos dar destaque, hoje, ao testemunho de D. Maria Al- ves Barbosa que se encontra nessa situação e pode ajudar a outras pes- soas que vivem situação semelhante. “Sou Maria Alves Barbosa, nasci em Araguari no dia 25 de março de 1919, dia da Anunciação do Anjo Ga- briel à Virgem Maria. Meus pais Rafa- el Antônio Alves, funcionário público e minha mãe Altina Gomes Alves, do lar, pais de seis filhos sendo eu a única mulher. Casei-me em Araguari, com Luiz Barbosa, em 15 de novembro de 1950, nascendo dessa união três filhos, seis netos e com muita alegria aguardando a chegada da primeira MIRIAN E JOEL Casal Coordenador Local - CNSE “Não mais tão sós!” bisneta. Funcionária pública, aprova- da no primeiro concurso federal do Brasil. Com o curso normal concluído, novamente aprovada para preencher quadros de funcionários. Sempre tra- balhei na área da educação: professo- ra, vice-diretora e diretora. Aposentei-me em 1973 e nos mu- damos para Goiânia para que nossos filhos pudessem concluir os estudos. Luiz e eu vivemos o sacramento do matrimônio durante 49 anos, quando ele veio a falecer em 12/12/1999. En- quanto mais jovem, depois da viuvez vivi independente a minha vida. Pas- seios, viagens, aniversários de amigas enfim... Com a idade mais avançada, mi- nha filha, apesar da minha resistên- cia, levou-me para morar com ela. Foi quando aconteceu o “milagre”. Em um dia, na missa, uma vizinha amiga, Silvia Velludo, convidou-me para par- ticipar da Comunidade Nossa Senho- ra da Esperança. Aceitei sem vacilar. Foi para mim uma luz Divina, porque ali reencontrei a alegria de viver. Co- mecei a participar das reuniões “sen- tindo-me imensamente feliz.” No grupo passamos a entender e aceitar melhor as nossas perdas. Com o ca- rinho das irmãs, orientadoras espiri- tuais e um casal coordenador tem- porário, nossas reuniões tornam-se enriquecidas com meditações da palavra de Deus, partilha sobre um tema e a co-participação momento de ajuda, respeito e fraternidade en- tre as participantes. Gostaria de convidar a todas as amigas viúvas, solteiras idosas, e pes- soas sós que venham se juntar a nós para saborearmos juntas dessa graça que Deus nos deu. Agora uma palavrinha aos casais de bom coração. Precisamos de vo- cês para que o movimento cresça. Casais espiritualizados, animados e alegres que nos ajudem a viver bem nosso estado de vida. Façam uma ex- periência e sejam felizes! Na certeza de que Nossa Senhora da Esperança vai nos conduzir e abençoar sempre, deixo um grande abraço a todos”.
  • 15. 15 Notícias SETOR URUAÇU Retiro O retiro realizado em 20 e 21 de junho foi um mo- mento ímpar em nossas vidas e o Senhor usou carinho- samente o CE Pe. Franciel para falar ao nosso coração, focando na família. Fomos convidados a visitar a família de Nazaré, para, a partir de seu exemplo, poder analisar como fazer do nosso lar, uma família mais semelhante à família de Nazaré, vivendo o respeito, a compreensão, o perdão e vivenciando a religião. Contemplando então a família de Nazaré, fomos enxertados da certeza de que “A família que tem seu alicerce na fé, cresce na fé”. A Igreja nos oferece os meios para cuidarmos da Vida Di- vina em nós. Como sugestão para dedicarmos mais a nossa família o padre nos fez um convite: Reservar um dia para viver em família – rezar juntos, viver o dom da fé. Criar um tempo para Deus em nosso lar. Deus seja louvado por tanto amor para conosco. II Jantar dançante Aconteceu dia 23/05 com a presença de muita gente alegre, o jantar que foi animado pelo som do forró! Reunião de Informação de Pilotagem Realizada no dia 27/06. Casais amados por Deus, sejam bem-vindos às Equipes de Nossa Senhora! Novena Realizada nos dias de 17 a 26/07 a grandiosa Novena em Louvor a Senhora Sant’Anna, na Paróquia Santana. Di- versas pastorais e membros das ENS trabalharam com mui- to amor e dedicação. Uma noite abençoada No dia 07/08 aconteceu uma noite abençoada para as ENS e Pastoral Familiar juntamente com Frei Bruno Varia- no, da Terra Santa, onde aprendemos um pouco “Na Es- cola de Nazaré...”. Início de Pilotagem Nos dias 11 e 24/08 foram realiza- das as reuniões iniciais com duas equi- pes novas que iniciarão a caminhada rumo à santidade. Semana da Família Dos dias 16 a 23/08 foi comemorada a Semana da Família - Testemunhando o amor conjugal junto às fa- mílias dos diversos setores da cidade. Formação para Casal Piloto Dia 26/08 – Um convite especial a todos os casais equipistas na Paróquia São Sebastião realizado às 19h. É o próprio Cristo que diz: Vem e Segue-me.
  • 16. 16 Setor Anápolis Holinda e José Eloy czeloy@yahoo.com Setor A Goiânia Janaína e Rigonato rigonatto@faeg.org.br Setor B Goiânia Vera e Luiz Antônio veraeluizantonio@gmail.com Setor Uruaçu Lúcia e Nivaldo mlmso31@hotmail.com Equipe de Comunicação Lázara e Edison Eq. 2A - Goiânia sulinop@gmail.com Gislana e José Gabriel Eq. 7B - Goiânia gislanacanedo@hotmail.com Vera Lúcia e Ivo Eq. 4 - Anápolis sscotivera@yahoo.com.br Daniella e Michel Eq. 7 - Água Boa dani.buzaim@gmail.com Marcia e Girlan Eq. 1 - Uruaçu marciaegirlan.ens.pv@hotmail.com Diagramação: Vitor H. Rocha vhbr@msn.com Jornalista Responsável: Vitor H. Rocha JP-GO 01309 Tiragem: 1.000 exemplares JORNAL ENSANTIDADE Ano 6, nº 21 - Jul/Ago/Set 2015 Colegiado da Região Goiás Centro Casais Responsáveis: Regional: Débora e Marquinho deboralemosmaia@gmail.com Setor Águas Boa Maristela e Telmino mariste_m@hotmail.com EXPEDIENTE com a graça de Deus deram o “sim” para assumir a missão de Casal Res- ponsável do Setor Anápolis – Mari- leide e Renato e Casal Responsável do Setor B-Goiânia Terezinha e Alan. Esta responsabilidade é por 3 anos e os casais serão empossados durante o Encontro Provincial que acontecerá entre os dias 16 e 18/10 em Goiânia. Nossos agradecimentos e homena- gens aos Casais Holianda/José Eloy e Vera/Luiz Antônio e suas equipes de Setor, que encerram esta missão, e com muita dedicação e amor conse- Novos Responsáveis de Setor A Região Goiás Centro comunica a finalização do processo de discer- nimento, realizado recentemente, e guiram manter o movimento pulsan- te nos Setores Anápolis e Goiânia-B. Nossas orações e apoio às novas equipes que iniciam essa jornada. SETEMBRO 12 e 13 Retiro aberto em Goiânia na Casa das Irmãs Franciscanas dos Pobres 18 Reuniões Mistas - Interequipes em Anápolis 21 Formação para SCE 01 a 30 Reuniões Mistas - Interequipes em Uruaçu 26 e 27 Encontro de Equipes Novas em Goiânia na Casa das Irª Franciscanas dos Pobres OUTUBRO 16 a 18 Encontro provincial em Goiânia 23 a 26 Reuniões Mistas - Interequipes em Goiânia e Água Boa 01 a 31 Escolha dos novos CRE para 2016 para todas as equipes NOVEMBRO 07 e 08 Sessão de formação nível I em Uruaçu 14 Confraternização SCE/AET em Anápolis 20 a 23 Reuniões horizontais (CL + equipes ligadas) em Goiânia 27 Missa de posse CRE/2016 em Anápolis 28 Pré-EACRE novos CRE em Goiânia em Goiânia, Água Boa e Uruaçu. 29 Missa de posse CRE/2016 em Uruaçu DEZEMBRO 01 Missa posse CRE/2016 em Água Boa e Goiânia 08 Pré-EACRE em Anápolis