SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Análise do setor por meio do modelo de 5 forças de Porter Créditos consignados e os correspondentes bancários ,[object Object],[object Object]
Crédito Consignado:   O crédito consignado é a  grande revolução do governo Lula , foi uma solução para amenizar os  riscos dos empréstimos bancários . Até o ano de 2003 os funcionários públicos eram os únicos beneficiários do consignado. No fim de 2003 abriu-se o beneficio para os aposentados e pensionistas do INSS e para os trabalhadores da iniciativa privada com carteira assinada. Este fato dá nova força ao crédito consignado. Com taxas mais baixas o consignado obtém um volume alto de operações : em janeiro de 2004 fechou em 9,6 bilhões de reais e em junho de 2010 foram 123,4 bilhões de reais. Comparativo entre as taxas (ano 2010) – Consignado 27,1% ao ano; Crédito pessoal 41,9%; e, Cheque especial 165,1%. Antes do consignado uma parte da população não era alvo do sistema financeiro e o crédito não chegava às classes C, D e E. Devido ao fato de o consignado não exigir conta corrente ou relacionamento com o banco, mais pessoas puderam utilizar o beneficio. A segurança é o principal diferencial da modalidade, pois mesmo que o trabalhador venha a ser demitido, os contratos podem estabelecer o uso de até 30% da verba rescisória para a quitação do saldo que permanecer em aberto. Ou pode ser realizado um seguro, no qual o valor é embutido nas parcelas. O poder de barganha dos clientes é o seu salário, pois ele serve de garantia e faz com que as empresa operem com taxas de juros mais baixas. Pelo fato das taxas serem mais baixas, alguns clientes optam pelo consignado para adquirir veículos ou até mesmo imóveis. Fonte: Revista Exame
Grandes bancos avançam no crédito consignado: Margem de lucro dos bancos com o consignado é menor que a de outras operações de crédito às pessoas físicas Em 2007, os  bancos de pequeno e médio portes tinham três quartos do mercado de crédito consignado. Hoje, essa participação é de 50%. No mesmo intervalo, as grandes instituições de varejo elevaram sua fatia de 25% para 50%.  Segundo especialistas, a tendência é de que esse movimento se aprofunde nos próximos meses e anos, o que traz mais um desafio na já complicada vida dos menores. Essa mudança de perfil do negócio é explicada por dois movimentos. De um lado , os grandes bancos acordaram para o segment o.  De outro , os pequenos e médios vêm enfrentando uma série de dificuldades , que os levaram a botar o pé no freio na concessão de empréstimos em geral, o que atingiu também o consignado.“ O que aconteceu nesse segmento é o óbvio: só quem tem escala consegue fazer essa operação ser rentável", afirmou um banqueiro que desistiu do consignado há cerca de dois anos. Um alto executivo de uma instituição de varejo confirma: "O modelo de negócios que os bancos pequenos imaginaram lá atrás para o consignado não funciona mais". O analista de instituições financeiras da Austin Rating, Luís Miguel Santacreu, explica a que se refere o executivo. Em primeiro lugar , a margem de lucro dos bancos com o consignado é menor que a de outras operações de crédito às pessoas físicas. Ou seja, para ganhar dinheiro com o negócio, é preciso volume . Em outras palavras,  ter escala . O segundo ponto é  que essa margem já reduzida ficou ainda menor com os obstáculos à captação de recursos que os bancos pequenos e médios passaram a encontrar depois do estouro da crise global . Na prática, isso significa dinheiro mais caro. "Entre 2002 e 2008, vivemos um período de extrema bonança. Havia funding para tudo e para todos", lembra o presidente da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), Renato Oliva. A entidade representa justamente as instituições financeiras de menor porte. "A partir da crise, o foco dos bancos pequenos e médios passou a ser o funding. Antes, era o produto de crédito", afirmou. As informações são do jornal  O Estado de S. Paulo. Fonte: Revista Exame
[object Object],[object Object],[object Object],Créditos consignados
Questão de pesquisa: ,[object Object]
Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Ameaça de novos entrantes Ameaças Estratégias Baixa regulamentação Seguir regulamentação de órgãos Pouca necessidade de investimento inicial Estratégias amarradas com os fornecedores Custos marginais baixos Aumento das escalas de operação a um mínimo eficiente Ausência de marcas solidamente estabelecidas no mercado Criação de uma imagem da marca
Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Ameaça dos substitutos Ameaças Estratégias Existência de muitos produtos substitutos Foco na diferenciação dos serviços oferecidos Propensão dos clientes pela troca Pesquisas com os consumidores para  descobrir suas preferências
Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Poder de barganha dos fornecedores Ameaças Estratégias Poucos fornecedores Conhecimento dos métodos e custos dos fornecedores Pouco investimento em marca própria Maiores investimentos em marca própria para desvincular a imagem do banco Custo de mudança nem alto nem baixo - nulo Aumento da dependência dos fornecedores
Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força ,[object Object],Poder de barganha dos clientes finais
Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Rivalidade na indústria Ameaças Estratégias Baixa diferenciação de produtos e serviços Aumentar diferenciação dos serviços oferecidos Enorme diversidade de concorrentes Reduzir o excesso de capacidade do mercado Produtos e esforços promocionais iguais aos dos concorrentes Estratégias diferenciadas de composto de marketing
Posicionamento das empresas de crédito consignado ,[object Object],[object Object]
Referências: ,[object Object],[object Object]
BOA NOITE ! OBRIGADA

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Cómo crear una cuenta en you tube
Cómo crear una cuenta en you tubeCómo crear una cuenta en you tube
Cómo crear una cuenta en you tubeTefa Verdugo
 
Conceptos
ConceptosConceptos
Conceptos920615
 
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoO uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoClaudinhan2
 
Quinto Império - Jogo de tabuleiro
Quinto Império - Jogo de tabuleiroQuinto Império - Jogo de tabuleiro
Quinto Império - Jogo de tabuleiropimpumplay
 
Semillas cicgercom
Semillas cicgercomSemillas cicgercom
Semillas cicgercomedgartic
 
Estructura de los textos
Estructura de los textosEstructura de los textos
Estructura de los textosGabriel Olave
 
Lectura de imágenes
Lectura de imágenesLectura de imágenes
Lectura de imágenesGabriel Olave
 
Joule Financing handout - Facilities r5
Joule Financing handout - Facilities r5Joule Financing handout - Facilities r5
Joule Financing handout - Facilities r5Teri Mendelsohn
 
Fase planificacion
Fase planificacionFase planificacion
Fase planificacionmanha84
 
285115-OSHAcademy-Transcript
285115-OSHAcademy-Transcript285115-OSHAcademy-Transcript
285115-OSHAcademy-TranscriptVijaykumar Gandi
 

Destaque (20)

Edades
EdadesEdades
Edades
 
Cómo crear una cuenta en you tube
Cómo crear una cuenta en you tubeCómo crear una cuenta en you tube
Cómo crear una cuenta en you tube
 
Conceptos
ConceptosConceptos
Conceptos
 
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - ProinfoO uso das TIC's na Educação - Proinfo
O uso das TIC's na Educação - Proinfo
 
CETRIFICATE 01
CETRIFICATE 01CETRIFICATE 01
CETRIFICATE 01
 
Organización escolar 2012
Organización escolar 2012Organización escolar 2012
Organización escolar 2012
 
Quinto Império - Jogo de tabuleiro
Quinto Império - Jogo de tabuleiroQuinto Império - Jogo de tabuleiro
Quinto Império - Jogo de tabuleiro
 
000 ouvidoria
000   ouvidoria000   ouvidoria
000 ouvidoria
 
Tjenest.ut prt18
Tjenest.ut prt18Tjenest.ut prt18
Tjenest.ut prt18
 
Semillas cicgercom
Semillas cicgercomSemillas cicgercom
Semillas cicgercom
 
NATHANIEL AMBROSE
NATHANIEL AMBROSENATHANIEL AMBROSE
NATHANIEL AMBROSE
 
Resume EA 1
Resume EA 1Resume EA 1
Resume EA 1
 
Estructura de los textos
Estructura de los textosEstructura de los textos
Estructura de los textos
 
Lectura de imágenes
Lectura de imágenesLectura de imágenes
Lectura de imágenes
 
Cap2
Cap2Cap2
Cap2
 
projectletter
projectletterprojectletter
projectletter
 
Joule Financing handout - Facilities r5
Joule Financing handout - Facilities r5Joule Financing handout - Facilities r5
Joule Financing handout - Facilities r5
 
Practica de word
Practica de wordPractica de word
Practica de word
 
Fase planificacion
Fase planificacionFase planificacion
Fase planificacion
 
285115-OSHAcademy-Transcript
285115-OSHAcademy-Transcript285115-OSHAcademy-Transcript
285115-OSHAcademy-Transcript
 

Semelhante a Créditos consignados e os correspondentes bancários 1

Seminario Internacionalizacao Mpe
Seminario Internacionalizacao MpeSeminario Internacionalizacao Mpe
Seminario Internacionalizacao Mpeeinne2012
 
Apresentação - Luiz Petitinga - Desenbahia
Apresentação - Luiz Petitinga - DesenbahiaApresentação - Luiz Petitinga - Desenbahia
Apresentação - Luiz Petitinga - DesenbahiaSistema FIEB
 
Microfinance India South Africa Brazil
Microfinance India   South Africa   BrazilMicrofinance India   South Africa   Brazil
Microfinance India South Africa Brazilsiqueiramt
 
Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)
Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)
Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)uriel dos santos souza
 
MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...
MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...
MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...MVAR Solucoes e Servicos
 
Fórum Estratégico de Risco de Crédito
Fórum Estratégico de Risco de CréditoFórum Estratégico de Risco de Crédito
Fórum Estratégico de Risco de CréditoInformaGroup
 
MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA - Abril 2013
MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA  - Abril 2013MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA  - Abril 2013
MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA - Abril 2013MVAR Solucoes e Servicos
 
Fusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e Cobrança
Fusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e CobrançaFusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e Cobrança
Fusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e CobrançaZipCode
 
43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior
43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior
43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino SuperiorSPC Brasil
 
Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito
Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito
Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito SPC Brasil
 
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrançaTecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrançaLeonardo Couto
 
Dissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de Crédito
Dissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de CréditoDissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de Crédito
Dissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de CréditoAntonio Amorim
 

Semelhante a Créditos consignados e os correspondentes bancários 1 (20)

Seminario Internacionalizacao Mpe
Seminario Internacionalizacao MpeSeminario Internacionalizacao Mpe
Seminario Internacionalizacao Mpe
 
Apresentação - Luiz Petitinga - Desenbahia
Apresentação - Luiz Petitinga - DesenbahiaApresentação - Luiz Petitinga - Desenbahia
Apresentação - Luiz Petitinga - Desenbahia
 
Microfinance India South Africa Brazil
Microfinance India   South Africa   BrazilMicrofinance India   South Africa   Brazil
Microfinance India South Africa Brazil
 
Pre modelo de projeto metta socios
Pre modelo de projeto metta sociosPre modelo de projeto metta socios
Pre modelo de projeto metta socios
 
Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)
Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)
Pre modelo de projeto metta socios (microcrédito)
 
MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...
MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...
MVAR- Previsibilidade de um sistema de rating aplicado a empresas brasileiras...
 
Spread bancário
Spread bancárioSpread bancário
Spread bancário
 
Fórum Estratégico de Risco de Crédito
Fórum Estratégico de Risco de CréditoFórum Estratégico de Risco de Crédito
Fórum Estratégico de Risco de Crédito
 
MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA - Abril 2013
MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA  - Abril 2013MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA  - Abril 2013
MVAR- Gestao de Riscos- Revista ValorEspecial GESTAO FINANCEIRA - Abril 2013
 
Fusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e Cobrança
Fusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e CobrançaFusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e Cobrança
Fusões e aquisições e o impacto no setor de Crédito e Cobrança
 
8 modalidades de riscos
8 modalidades de riscos8 modalidades de riscos
8 modalidades de riscos
 
43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior
43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior
43,5% das dívidas no setor de Educação são do Ensino Superior
 
Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito
Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito
Micro e pequenos empresários estão pouco dispostos a tomar crédito
 
Politica de cobranca
Politica de cobrancaPolitica de cobranca
Politica de cobranca
 
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrançaTecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
Tecnologia analítica para a indústria de crédito e cobrança
 
MPI 2010 - Ricardo H. Rocha, FEA-USP
MPI 2010 - Ricardo H. Rocha, FEA-USPMPI 2010 - Ricardo H. Rocha, FEA-USP
MPI 2010 - Ricardo H. Rocha, FEA-USP
 
Agregado Crédito Médio e Longo Prazo
Agregado Crédito Médio e Longo Prazo Agregado Crédito Médio e Longo Prazo
Agregado Crédito Médio e Longo Prazo
 
Fortaleza Créditos
Fortaleza CréditosFortaleza Créditos
Fortaleza Créditos
 
Bradesco promotora
Bradesco promotoraBradesco promotora
Bradesco promotora
 
Dissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de Crédito
Dissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de CréditoDissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de Crédito
Dissertacao de Mestrado em Finanças: Risco de Crédito
 

Mais de Rozangela Silva

Mais de Rozangela Silva (14)

Legislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a culturaLegislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a cultura
 
Legislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a culturaLegislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a cultura
 
Bag for life
Bag for lifeBag for life
Bag for life
 
Activia
ActiviaActivia
Activia
 
Gafisa
GafisaGafisa
Gafisa
 
Gafisa
GafisaGafisa
Gafisa
 
Planej estrategico bancos ok
Planej estrategico bancos okPlanej estrategico bancos ok
Planej estrategico bancos ok
 
Texto facul
Texto faculTexto facul
Texto facul
 
Gafisa
GafisaGafisa
Gafisa
 
Gafisa
GafisaGafisa
Gafisa
 
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
 
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
 
CAMPANHA MKT DIGITAL
CAMPANHA MKT DIGITALCAMPANHA MKT DIGITAL
CAMPANHA MKT DIGITAL
 
CAMPANHA MKT DIGITAL
CAMPANHA MKT DIGITALCAMPANHA MKT DIGITAL
CAMPANHA MKT DIGITAL
 

Créditos consignados e os correspondentes bancários 1

  • 1.
  • 2. Crédito Consignado:   O crédito consignado é a grande revolução do governo Lula , foi uma solução para amenizar os riscos dos empréstimos bancários . Até o ano de 2003 os funcionários públicos eram os únicos beneficiários do consignado. No fim de 2003 abriu-se o beneficio para os aposentados e pensionistas do INSS e para os trabalhadores da iniciativa privada com carteira assinada. Este fato dá nova força ao crédito consignado. Com taxas mais baixas o consignado obtém um volume alto de operações : em janeiro de 2004 fechou em 9,6 bilhões de reais e em junho de 2010 foram 123,4 bilhões de reais. Comparativo entre as taxas (ano 2010) – Consignado 27,1% ao ano; Crédito pessoal 41,9%; e, Cheque especial 165,1%. Antes do consignado uma parte da população não era alvo do sistema financeiro e o crédito não chegava às classes C, D e E. Devido ao fato de o consignado não exigir conta corrente ou relacionamento com o banco, mais pessoas puderam utilizar o beneficio. A segurança é o principal diferencial da modalidade, pois mesmo que o trabalhador venha a ser demitido, os contratos podem estabelecer o uso de até 30% da verba rescisória para a quitação do saldo que permanecer em aberto. Ou pode ser realizado um seguro, no qual o valor é embutido nas parcelas. O poder de barganha dos clientes é o seu salário, pois ele serve de garantia e faz com que as empresa operem com taxas de juros mais baixas. Pelo fato das taxas serem mais baixas, alguns clientes optam pelo consignado para adquirir veículos ou até mesmo imóveis. Fonte: Revista Exame
  • 3. Grandes bancos avançam no crédito consignado: Margem de lucro dos bancos com o consignado é menor que a de outras operações de crédito às pessoas físicas Em 2007, os bancos de pequeno e médio portes tinham três quartos do mercado de crédito consignado. Hoje, essa participação é de 50%. No mesmo intervalo, as grandes instituições de varejo elevaram sua fatia de 25% para 50%. Segundo especialistas, a tendência é de que esse movimento se aprofunde nos próximos meses e anos, o que traz mais um desafio na já complicada vida dos menores. Essa mudança de perfil do negócio é explicada por dois movimentos. De um lado , os grandes bancos acordaram para o segment o. De outro , os pequenos e médios vêm enfrentando uma série de dificuldades , que os levaram a botar o pé no freio na concessão de empréstimos em geral, o que atingiu também o consignado.“ O que aconteceu nesse segmento é o óbvio: só quem tem escala consegue fazer essa operação ser rentável", afirmou um banqueiro que desistiu do consignado há cerca de dois anos. Um alto executivo de uma instituição de varejo confirma: "O modelo de negócios que os bancos pequenos imaginaram lá atrás para o consignado não funciona mais". O analista de instituições financeiras da Austin Rating, Luís Miguel Santacreu, explica a que se refere o executivo. Em primeiro lugar , a margem de lucro dos bancos com o consignado é menor que a de outras operações de crédito às pessoas físicas. Ou seja, para ganhar dinheiro com o negócio, é preciso volume . Em outras palavras, ter escala . O segundo ponto é que essa margem já reduzida ficou ainda menor com os obstáculos à captação de recursos que os bancos pequenos e médios passaram a encontrar depois do estouro da crise global . Na prática, isso significa dinheiro mais caro. "Entre 2002 e 2008, vivemos um período de extrema bonança. Havia funding para tudo e para todos", lembra o presidente da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), Renato Oliva. A entidade representa justamente as instituições financeiras de menor porte. "A partir da crise, o foco dos bancos pequenos e médios passou a ser o funding. Antes, era o produto de crédito", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. Fonte: Revista Exame
  • 4.
  • 5.
  • 6. Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Ameaça de novos entrantes Ameaças Estratégias Baixa regulamentação Seguir regulamentação de órgãos Pouca necessidade de investimento inicial Estratégias amarradas com os fornecedores Custos marginais baixos Aumento das escalas de operação a um mínimo eficiente Ausência de marcas solidamente estabelecidas no mercado Criação de uma imagem da marca
  • 7. Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Ameaça dos substitutos Ameaças Estratégias Existência de muitos produtos substitutos Foco na diferenciação dos serviços oferecidos Propensão dos clientes pela troca Pesquisas com os consumidores para descobrir suas preferências
  • 8. Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Poder de barganha dos fornecedores Ameaças Estratégias Poucos fornecedores Conhecimento dos métodos e custos dos fornecedores Pouco investimento em marca própria Maiores investimentos em marca própria para desvincular a imagem do banco Custo de mudança nem alto nem baixo - nulo Aumento da dependência dos fornecedores
  • 9.
  • 10. Ações estratégicas para reduzir o impacto de ameaças de cada força Rivalidade na indústria Ameaças Estratégias Baixa diferenciação de produtos e serviços Aumentar diferenciação dos serviços oferecidos Enorme diversidade de concorrentes Reduzir o excesso de capacidade do mercado Produtos e esforços promocionais iguais aos dos concorrentes Estratégias diferenciadas de composto de marketing
  • 11.
  • 12.
  • 13. BOA NOITE ! OBRIGADA