SlideShare uma empresa Scribd logo
Gerontologia
(1903)
Elie Metchnikoff
(1845-1916)
Geriatria
(1909)
Ignatz L.Nascher
(1863-1944)
Marjory W. Warren
(1897-1960)
Década de 30
•delineou os primórdios da
avaliação multidimensional e
a importância da
interdisciplinaridade
O que é Gerontologia? E Geriatria?
GERONTOLOGIA
✓“É a ciência que
estuda
envelhecimento”
(REBOUL, 1973)
✓É o conjunto das
disciplinas que
intervêm no mesmo
campo, o campo do
envelhecimento”
(DONFUT, 1973)
GERIATRIA
Se ocupa do aspecto
médico do idoso, pode
ser considerada como
parte da gerontologia”
(CARVALHO, 1984)
É a ciência médica que
cuida das pessoas idosas
(REBOUL, 1973)
Objetivos da Gerontologia
✓Tratar dos aspectos biológicos, sociais,
psíquicos e legais do envelhecimento, entre
outros.
✓Promover pesquisas que possam esclarecer
os fatores envolvidos no envelhecimento.
A Ciência do Envelhecimento
Gerontologia
social
Gerontologia
biomédica
Geriatria
➢Gerontologia social aspectos não orgânicos
(antropológicos, psicológicos, legais, sociais,
ambientais, econômicos, éticos e políticos de
saúde).
➢Gerontologia Biomédica estudo do
fenômeno do envelhecimento (molecular e
celular, estudos populacionais e de
prevenção de doenças associadas).
(COMO e POR QUE envelhecemos?)
➢Geriatria
Relação estreita com disciplinas da área
médica – subespecialidades.
➢ “fase de um continuum que é a vida, começando com a
concepção e terminando com a morte. Ao longo deste
continuum é possível observar fases de
desenvolvimento, puberdade e maturidade, entre as
quais podem ser identificados marcadores
biofisiológicos, que representam limites de transição
entre as mesmas”
➢ “processo dinâmico e progressivo, no qual há
modificações morfológicas, funcionais, bioquímicas e
psicológicas que determinam perda da capacidade de
adaptação do indivíduo ao meio ambiente,
ocasionando maior vulnerabilidade e maior incidência
de processos patológicos que terminam por levá-lo à
morte” (Papaléo Neto, 1996)
ENVELHECIMENTO NORMATIVO
Primário: universal, presente em todas as pessoas,
geneticamente determinado ou pré-programado.
Secundário : resultante da interação entre as influências
externas e o indivíduo. É variável entre indivíduos em
diferentes meios (decorrente de fatores geográficos,
cronológicos e culturais).
SENESCÊNCIA X SENILIDADE
Senescência ou senectude: resultante do somatório de
alterações orgânicas, funcionais e psicológicas próprias
do envelhecimento normal.
✓
✓ Senilidade: modificações determinadas por afecções que
freqüentemente afetam o idoso.
Envelhecimento: Comum x Saudável
✓Envelhecimento usual ou comum: processo
inerente ao envelhecimento + hábitos de vida
“insalubres”.
São não patológicos, mas de alto risco.
✓Envelhecimento saudável ou bem-sucedido: os
fatores extrínsecos (estilo de vida) → preservação
da saúde nesta fase da vida.
São de baixo risco e alta função.
Idoso saudável x idoso frágil
✓Idoso saudável:
baixo risco de doenças e de incapacidades
funcionais
bom funcionamento físico e mental
vida ativa
✓Idoso frágil:
Pertence a um grupo de idosos com múltiplas
doenças crônicas e com importantes limitações nas
AVDs.
Capacidade funcional (CF): um novo conceito de
saúde para o idoso
• É a habilidade de executar atividades em um padrão considerado
como normal, de acordo com comportamentos socialmente
construídos (NAGI, 1993)
• Resultante da interação multi-dimensional entre:
✓ saúde física
✓ saúde mental
✓ independência na vida diária
✓ integração social
✓ suporte familiar
✓ independência econômica
Psico-social
Suporte social
Físico-ambiental
Atividades de vida diária (AVD)
✓ Deitar/levantar da cama
✓ Pentear cabelo
✓ Vestir-se
✓ Andar no plano
✓ Ir ao banheiro em tempo
✓ Subir escadas
✓ Comer
Atividades de vida prática (AVP - AIVD)
✓ Medicar-se na hora
✓ Andar perto de casa
✓ Fazer compras
✓ Preparar refeições
✓ Cortar unha dos pés
✓ Sair de condução
✓ Fazer a limpeza da casa
Classificação dos idosos quanto a CF
Perda de capacidade funcional em idosos: Importante marcador de
institucionalização e morte.
Força muscular
encurtamentos
musculares
postura
marcha
equilíbrio
controle motor
riscos de quedas
dispositivos de auxílio à
marcha
avaliação ambiental
Diagnóstico
Funcional
•
•
Idosos dependentes
Idosos independentes
mobilidade
transferências
AVD e AIVD
LIMITAÇÃO
FUNCIONAL
Avaliar os graus de dependência e de autonomia
Dependência: É um estado no qual o indivíduo acredita
ser dependente de outros ou de equipamentos que lhe
permitam adaptação.
Independência: É a capacidade do indivíduo sobreviver
sem ajuda de outros.
Autonomia: É a capacidade de tomar decisões, livre
escolha, autogoverno.
Classificação de Incapacidades
(ICDH- Classificação internacional de deficiências,
incapacidades e desvantagens)
• Deficiência (impairment): perda ou anormalidade de
estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica,
temporária ou permanente. Ex.: deficiência sensorial,
física, orgânica e mental.
• Incapacidade(disability): restrição, resultante da
deficiência, da habilidade para desempenhar uma atividade
considerada normal para o ser humano. Ex.: incapacidade
de ...
• Desvantagem (handicap): prejuízo para o indivíduo
resultante de uma deficiência ou incapacidade, que limita
ou impede o desempenho de papéis de acordo com a idade,
sexo, fatores sociais e culturais. Ex.: desvantagem na
orientação, na mobilidade, na integração social, nas AVDs,
etc.
Intervenção
ser humano / ambiente
fatores intrínsecos e extrínsecos
modificáveis e não-modificáveis
• Individual
• Coletivo
– Grupo
• Patologias
• Faixa etária
• etc...
cuidador paciente
Terapeuta
Atuação do
Terapeuta
Ocupacional
• É competência da Terapia
Ocupacional criar, estimular e
desenvolver condição que
favoreçam o desencadeamento
do processo terapêutico.
• Programas de prevenção de
doenças e manutenção da saúde,
preparando o idoso para os
eventos inerentes ao seu
envelhecimento (aposentadoria,
menopausa, perdas)
incentivando seu convívio social,
familiar e sua autonomia.
Objetivos gerais da Terapia
Ocupacional em Gerontologia
-Integrar a pessoa em idade avançada à sua própria
comunidade, tornando-a o mais independente possível.
-Incentivar, encorajar e estimular o idoso a continuar fazendo
planos, ter ambições e aspirações.
-Manter o idoso na comunidade, em contato com pessoas de
todas as idades, promovendo relações interpessoais.
-Contribuir para o ajustamento psicoemocional do idoso e
sua expressão social.
-Manter o nível de atividade, alterando o ambiente se
necessário.
-Enfatizar os aspectos preventivos do envelhecimento
prematuro e de promoção de saúde.
-Reabilitação do idoso com incapacidade física e/ou mental.
-Tais objetivos estão na dependência do estado de saúde do
indivíduo, do seu grau de independência nas atividades da
vida diária (AVD) e do -seu grau de interesse e participação.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx

"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
Tainá Martins
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
luzienne moraes
 
Inserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidadeInserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidade
inclusao.eficiente
 
3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt
claudiamarques84245
 
Agente em geriatria 18.06.15
Agente em geriatria 18.06.15Agente em geriatria 18.06.15
Agente em geriatria 18.06.15
Daniela Lopes
 
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
KarineRibeiro57
 
As Várias Maneiras de Cuidar
As Várias Maneiras de CuidarAs Várias Maneiras de Cuidar
As Várias Maneiras de Cuidar
Cuidar de Idosos
 
SLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptx
SLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptxSLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptx
SLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptx
ivomaxgata
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
André Fidelis
 
Vamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-online
Vamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-onlineVamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-online
Vamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-online
Márcio Cristiano de Melo
 
Capa1
Capa1Capa1
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados bArtigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
nefer_amarna
 
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenauEnvelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Alícia Souza
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
gerontopedia
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Maria Dias
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Fábio Castro Machado
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Fundamentos de Enfermagem
Fundamentos de EnfermagemFundamentos de Enfermagem
Fundamentos de Enfermagem
Marina Axer
 
Psicologia da velhice
Psicologia da velhicePsicologia da velhice
Psicologia da velhice
Daniela Rocha
 
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIASTest Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Cuidar de Idosos
 

Semelhante a conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx (20)

"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Inserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidadeInserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidade
 
3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt
 
Agente em geriatria 18.06.15
Agente em geriatria 18.06.15Agente em geriatria 18.06.15
Agente em geriatria 18.06.15
 
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
 
As Várias Maneiras de Cuidar
As Várias Maneiras de CuidarAs Várias Maneiras de Cuidar
As Várias Maneiras de Cuidar
 
SLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptx
SLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptxSLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptx
SLIDES_DE_APOIO_UNIDADE_2_FISIOTERAPIA_NA_SAÚDE_DO_IDOSO.pptx
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
Vamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-online
Vamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-onlineVamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-online
Vamos falar-de-cuidados-paliativos-vers--o-online
 
Capa1
Capa1Capa1
Capa1
 
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados bArtigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
 
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenauEnvelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
Envelhecimento, saúde e qualidade de vida blumenau
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 
Fundamentos de Enfermagem
Fundamentos de EnfermagemFundamentos de Enfermagem
Fundamentos de Enfermagem
 
Psicologia da velhice
Psicologia da velhicePsicologia da velhice
Psicologia da velhice
 
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIASTest Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
Test Drive CURSO DE DEMÊNCIAS
 

conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx

  • 2. Marjory W. Warren (1897-1960) Década de 30 •delineou os primórdios da avaliação multidimensional e a importância da interdisciplinaridade
  • 3. O que é Gerontologia? E Geriatria? GERONTOLOGIA ✓“É a ciência que estuda envelhecimento” (REBOUL, 1973) ✓É o conjunto das disciplinas que intervêm no mesmo campo, o campo do envelhecimento” (DONFUT, 1973) GERIATRIA Se ocupa do aspecto médico do idoso, pode ser considerada como parte da gerontologia” (CARVALHO, 1984) É a ciência médica que cuida das pessoas idosas (REBOUL, 1973)
  • 4. Objetivos da Gerontologia ✓Tratar dos aspectos biológicos, sociais, psíquicos e legais do envelhecimento, entre outros. ✓Promover pesquisas que possam esclarecer os fatores envolvidos no envelhecimento. A Ciência do Envelhecimento Gerontologia social Gerontologia biomédica Geriatria
  • 5. ➢Gerontologia social aspectos não orgânicos (antropológicos, psicológicos, legais, sociais, ambientais, econômicos, éticos e políticos de saúde). ➢Gerontologia Biomédica estudo do fenômeno do envelhecimento (molecular e celular, estudos populacionais e de prevenção de doenças associadas). (COMO e POR QUE envelhecemos?) ➢Geriatria Relação estreita com disciplinas da área médica – subespecialidades.
  • 6. ➢ “fase de um continuum que é a vida, começando com a concepção e terminando com a morte. Ao longo deste continuum é possível observar fases de desenvolvimento, puberdade e maturidade, entre as quais podem ser identificados marcadores biofisiológicos, que representam limites de transição entre as mesmas” ➢ “processo dinâmico e progressivo, no qual há modificações morfológicas, funcionais, bioquímicas e psicológicas que determinam perda da capacidade de adaptação do indivíduo ao meio ambiente, ocasionando maior vulnerabilidade e maior incidência de processos patológicos que terminam por levá-lo à morte” (Papaléo Neto, 1996)
  • 7. ENVELHECIMENTO NORMATIVO Primário: universal, presente em todas as pessoas, geneticamente determinado ou pré-programado. Secundário : resultante da interação entre as influências externas e o indivíduo. É variável entre indivíduos em diferentes meios (decorrente de fatores geográficos, cronológicos e culturais). SENESCÊNCIA X SENILIDADE Senescência ou senectude: resultante do somatório de alterações orgânicas, funcionais e psicológicas próprias do envelhecimento normal. ✓ ✓ Senilidade: modificações determinadas por afecções que freqüentemente afetam o idoso.
  • 8. Envelhecimento: Comum x Saudável ✓Envelhecimento usual ou comum: processo inerente ao envelhecimento + hábitos de vida “insalubres”. São não patológicos, mas de alto risco. ✓Envelhecimento saudável ou bem-sucedido: os fatores extrínsecos (estilo de vida) → preservação da saúde nesta fase da vida. São de baixo risco e alta função.
  • 9. Idoso saudável x idoso frágil ✓Idoso saudável: baixo risco de doenças e de incapacidades funcionais bom funcionamento físico e mental vida ativa ✓Idoso frágil: Pertence a um grupo de idosos com múltiplas doenças crônicas e com importantes limitações nas AVDs.
  • 10. Capacidade funcional (CF): um novo conceito de saúde para o idoso • É a habilidade de executar atividades em um padrão considerado como normal, de acordo com comportamentos socialmente construídos (NAGI, 1993) • Resultante da interação multi-dimensional entre: ✓ saúde física ✓ saúde mental ✓ independência na vida diária ✓ integração social ✓ suporte familiar ✓ independência econômica Psico-social Suporte social Físico-ambiental
  • 11. Atividades de vida diária (AVD) ✓ Deitar/levantar da cama ✓ Pentear cabelo ✓ Vestir-se ✓ Andar no plano ✓ Ir ao banheiro em tempo ✓ Subir escadas ✓ Comer Atividades de vida prática (AVP - AIVD) ✓ Medicar-se na hora ✓ Andar perto de casa ✓ Fazer compras ✓ Preparar refeições ✓ Cortar unha dos pés ✓ Sair de condução ✓ Fazer a limpeza da casa
  • 12. Classificação dos idosos quanto a CF Perda de capacidade funcional em idosos: Importante marcador de institucionalização e morte. Força muscular encurtamentos musculares postura marcha equilíbrio controle motor riscos de quedas dispositivos de auxílio à marcha avaliação ambiental Diagnóstico Funcional • • Idosos dependentes Idosos independentes mobilidade transferências AVD e AIVD LIMITAÇÃO FUNCIONAL
  • 13. Avaliar os graus de dependência e de autonomia Dependência: É um estado no qual o indivíduo acredita ser dependente de outros ou de equipamentos que lhe permitam adaptação. Independência: É a capacidade do indivíduo sobreviver sem ajuda de outros. Autonomia: É a capacidade de tomar decisões, livre escolha, autogoverno.
  • 14. Classificação de Incapacidades (ICDH- Classificação internacional de deficiências, incapacidades e desvantagens) • Deficiência (impairment): perda ou anormalidade de estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica, temporária ou permanente. Ex.: deficiência sensorial, física, orgânica e mental. • Incapacidade(disability): restrição, resultante da deficiência, da habilidade para desempenhar uma atividade considerada normal para o ser humano. Ex.: incapacidade de ... • Desvantagem (handicap): prejuízo para o indivíduo resultante de uma deficiência ou incapacidade, que limita ou impede o desempenho de papéis de acordo com a idade, sexo, fatores sociais e culturais. Ex.: desvantagem na orientação, na mobilidade, na integração social, nas AVDs, etc.
  • 15. Intervenção ser humano / ambiente fatores intrínsecos e extrínsecos modificáveis e não-modificáveis • Individual • Coletivo – Grupo • Patologias • Faixa etária • etc...
  • 17. Atuação do Terapeuta Ocupacional • É competência da Terapia Ocupacional criar, estimular e desenvolver condição que favoreçam o desencadeamento do processo terapêutico. • Programas de prevenção de doenças e manutenção da saúde, preparando o idoso para os eventos inerentes ao seu envelhecimento (aposentadoria, menopausa, perdas) incentivando seu convívio social, familiar e sua autonomia.
  • 18. Objetivos gerais da Terapia Ocupacional em Gerontologia -Integrar a pessoa em idade avançada à sua própria comunidade, tornando-a o mais independente possível. -Incentivar, encorajar e estimular o idoso a continuar fazendo planos, ter ambições e aspirações. -Manter o idoso na comunidade, em contato com pessoas de todas as idades, promovendo relações interpessoais. -Contribuir para o ajustamento psicoemocional do idoso e sua expressão social. -Manter o nível de atividade, alterando o ambiente se necessário. -Enfatizar os aspectos preventivos do envelhecimento prematuro e de promoção de saúde. -Reabilitação do idoso com incapacidade física e/ou mental. -Tais objetivos estão na dependência do estado de saúde do indivíduo, do seu grau de independência nas atividades da vida diária (AVD) e do -seu grau de interesse e participação.