SlideShare uma empresa Scribd logo
www.musica.ead.unis.edu.br
1
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
CAMPOS HARMÔNICOS
É quando montamos sobre cada nota da escala, um acorde. Conseqüentemente,
esses acordes irão conter apenas as notas dessa escala. Podemos então acompanhar
melodias feitas com essa escala usando tais acordes. Dessa maneira, tocar-se-á tanto
em forma de acordes (em acompanhamento) como em melodias (em solos), apenas as
notas da escala.
1. Campo harmônico maior
Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar as possibilidades de
montagem de acordes de três sons (tríades), em uma tonalidade maior.
Usam-se numerais romanos acima dos acordes, para generalizarmos o campo
harmônico para outros tons.
Ex.: Dó maior:
I IIm IIIm IV V VIm VIIm(b5)
C Dm Em F G Am Bm(b5)
2. Campo harmônico menor
Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar as possibilidades de
montagem de acordes de três sons (tríades), em uma tonalidade menor.
Obs.: Como o campo harmônico de Dó maior e de Lá menor tem as mesmas
notas e os mesmos acordes, chamamos estes tons de relativos.
www.musica.ead.unis.edu.br
2
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
Ex.: Lá menor natural:
Im IIm(b5) bIII IVm Vm bVI bVII
Am Bm(b5) C Dm Em F G
Desta forma pode-se montar os campos harmônicos das escalas menores Harmônicas e
melódicas (Bachianas):
Ex.: Lá menor harmônico:
Im IIm(b5) bIII(#5) IVm V bVI VIIm(b5)
Am Bm(b5) C(#5) Dm E F G#m(b5)
Ex.: Lá menor melódico (da Escala Bachiana)::
Im IIm bIII(#5) IV V VI#m(b5) VIIm(b5)
Am Bm C(#5) D E F#m(b5) G#m(b5)
www.musica.ead.unis.edu.br
3
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
3. A Função dos acordes
Normalmente um acorde é ouvido de acordo com sua função qualitativa dentro de
um determinado encadeamento de acordes. Essa função é distinguida devido à
impressão sonora, caracterizada dentro do tom do trecho musical. Podemos significar
essa impressão por qualidades como a instabilidade ou estabilidade.
Basicamente temos três funções que comumente são relacionadas às impressões:
Tônica: É representada pelo acorde de primeiro grau de uma tonalidade
seja maior ou menor. Acordes com essa função exprimem repouso e são
mais estáveis que as outras funções.
Subdominante: Representado pelo acorde de quarto grau de uma
tonalidade seja maior ou menor. Acordes com essa função exprimem uma
moderada sensação de movimento em relação à tonica, sendo mais
instável que ela, porém demonstra mais estabilidade que a função de
dominante.
Dominante: Representado pelo acorde, sempre maior, montado sobre o
quinto grau de uma tonalidade seja maior ou menor. Acordes com essa
função exprimem uma intensa sensação de movimento em relação à
tonica, sendo a função mais instável do campo harmônico. Essa função,
quando encadeada para um acorde de tônica, provoca o que chamamos
de resolução, então podemos dizer que ao conduzirmos um acorde de
dominante para um de tônica temos a sensação de tensão e resolução ou
expectativa e repouso. Esse efeito de resolução se dá mais intensamente
quando o acorde de dominante está adicionado de uma sétima menor, o
que implica na presença das notas atrativas da tonalidade, ou seja, o
trítono, e que será abordado no item 5.
www.musica.ead.unis.edu.br
4
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
4. Relação funcional entre acordes
Dentro de um campo harmônico, os acordes geralmente se relacionam,
demonstrando, de certa forma, uma possibilidade substituírem uns aos outros. Por
exemplo, o acorde de dó maior (C) tem duas notas em comum com o acorde de mi
menor (Em) e com o lá maior (Am):
IIIm I VIm
Em C Am
Então podemos relacionar esses acordes, Em e Am, como se fossem também,
como o C, de função tônica. Porém, devido a presença da fundamental do acorde de C
no Am, esse será denominado de acorde relativo, pois demonstra mais tal função o que
já não acontece com o Em, o que chamamos de anti-relativo.
Seguindo esse mesmo raciocínio podemos achar os relativos e anti-relativos das
outras funções.
Acordes de função subdominante
VIm IV IIm
Am F Dm
Acordes de função dominante
VIIm(b5) V IIIm
Bm(b5) G7 Em
O acorde de dominante quando usado com sétima tende a se afeiçoar mais com
o acorde anti-relativo devido a presença do trítono, pois esse intervalo, como já
abordado aqui, ao ser resolvido expressa o efeito de tensão e resolução que ocorre
entre a dominante e a tônica.
www.musica.ead.unis.edu.br
5
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
Em tons maiores podemos entender os graus e suas funções da seguinte forma:
Função forte Função média Função fraca
Tônica I VIm (relativo) IIIm (anti-relativo)
Subdominante IV IIm (relativo) VIm (anti-relativo)
Dominante V VIIm(b5) (anti-relativo) IIIm (relativo)
Em tons menores podemos então entender assim os graus e suas funções:
Função forte Função média Função fraca
Tônica Im bVI (relativo) bIII (anti-relativo)
Subdominante IVm bVIIm (relativo) bVIm (anti-relativo)
Dominante V VIIº (anti-relativo) bIII (relativo)
5. O Trítono
O trítono é o intervalo de quarta aumentada (enarmônica a uma quinta diminuta),
ou seja, é a distância de três tons entre duas notas, daí o nome de trítono (três tons).
Consiste em uma dissonância que resolve por grau conjunto e em movimento contrário.
Ex.:
Trítono Resolução Trítono Resolução
Trítono Resolução Trítono Resolução
www.musica.ead.unis.edu.br
6
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
Quando resolvido, o trítono exprime uma das principais características do sistema
tonal, ou seja, o efeito de tensão e resolução, pois esse intervalo harmônico, que está
presente em acordes dominantes e seus substitutos, tende, portanto, resolver em
acordes de função tônica.
Ex.:
V7 I V7 Im
G7 C G7 C
6. Campos harmônicos com dissonâncias (tétrades mais tensões)
Campo harmônico maior
Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as
possibilidades de montagem de acordes em uma tonalidade maior.
Ex.: Dó maior:
I7M IIm7 IIIm7 IV7M V7 VIm7 VIIm7(b5)
C7M Dm7 Em7 F7M G7 Am7 Bm7(b5)
9, (4),
6 ou 13*
9, 11,
6 ou 13*
(b9), 11,
(b13)
9, #11,
6 ou 13*
9, (4), 13 9, 11,
(b13)
(b9), 11,
b13
www.musica.ead.unis.edu.br
7
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
Obs.:
-As notas e números entre parênteses são notas evitadas (avoid notes), ou seja,
usadas somente como passagem e não incluídas na formação do acorde. Estas notas
se encontram a distância de uma 2ª menor ascendente de qualquer uma nota do acorde.
-* A décima terceira é usada em acordes com sétima e assim a sexta só será
usada quando não incluímos a sétima no acorde.
-No V grau podemos também obter o acorde de V7sus4 (V47
) que é usualmente
usado como IIm7 com baixo na 4ª, por conter as notas vitais à sonoridade de IIm7.
Ex.:
V7sus4 IIm7
G7sus4 Dm7/G
Dó
Fá Lá
Ré Fá
Dó Ré
Sol Sol
`
Campo harmônico menor natural
Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as
possibilidades de montagem de acordes da escala menor natural (primitiva ou eólio).
Ex.: Lá menor.
Im7 IIm7(b5) bIII7M IVm7 Vm7 bVI7M bVII7
Am7 Bm7(b5) C7M Dm7 Em7 F7M G7
9, 11,
(b13)
(b9), 11,
b13
9, (4),
6 ou 13*
9, 11,
6 ou13*
(b9), 11,
(b13)
9, #11,
6 ou 13*
9, (4), 13
www.musica.ead.unis.edu.br
8
Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br
Campo harmônico menor harmônico
Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as
possibilidades de montagem de acordes da escala menor harmônica.
Ex.: Lá menor
Im7 IIm7(b5) bIII7M IVm7 Vm7 bVI7M VIIº
Am7M Bm7(b5) C7M(#5) Dm7 E7 F7M G#º
9, 11,
(b13)
(b9), 11,
13
9, (4),
(6 ou13*)
9, #11,
6 ou13*
(b9), 11,
(b13)
#9, #11,
6 ou 13*
b9, b4,
b13
Obs.: - Apesar de a (b13) e a(b9) do acorde de E7 fazerem semitom ascendente com,
respectivamente, a quinta justa e a fundamental, esta é uma nota disponível, pois
caracteriza a dominante da tonalidade menor harmônica.
Campo harmônico menor melódico
Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as
possibilidades de montagem de acordes da escala menor harmônica.
Ex.: Lá menor.
Im7 IIm7(b5) bIII7M(#5) IV7 V7 VIm7(b5) VIIm7(b5)
Am7M Bm7 C7M(#5) D7 E7 F#m7(b5) G#m7(b5)
9, 11,
b13
(b9), 11,
13
9, #4,
(6 ou 13*)
9, #11,
6 ou13*
9, (4),
b13
9, 11,
6 ou 13*
9, (b4),
b13
Obs.: Apesar de a (b13) do acorde de E7 fazer semitom ascendente com sua quinta
justa, esta é uma nota disponível, pois caracteriza a dominante da tonalidade menor
melódica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Escalas Contrabaixo Iniciantes PDF
Escalas Contrabaixo Iniciantes PDFEscalas Contrabaixo Iniciantes PDF
Escalas Contrabaixo Iniciantes PDF
Treinamento Intensivo de Contrabaixo
 
Curso de violão simples e completo, com varios solinho
Curso de violão simples e completo, com varios solinhoCurso de violão simples e completo, com varios solinho
Curso de violão simples e completo, com varios solinho
Luiz Avelar
 
Harmonia de a a z
Harmonia de a a zHarmonia de a a z
Harmonia de a a z
djesusproducoes
 
Apostila batidas de violao vol 3
Apostila batidas de violao   vol 3Apostila batidas de violao   vol 3
Apostila batidas de violao vol 3
Leafar Azous
 
Apostila-de-violao-avancado
Apostila-de-violao-avancadoApostila-de-violao-avancado
Apostila-de-violao-avancado
Nando Costa
 
Livro diagramas de acordes def5
Livro diagramas de acordes def5Livro diagramas de acordes def5
Livro diagramas de acordes def5
Nando Costa
 
Digitação germânica e_barroca_-_flautas_em_do
Digitação germânica e_barroca_-_flautas_em_doDigitação germânica e_barroca_-_flautas_em_do
Digitação germânica e_barroca_-_flautas_em_do
Proerd Dare Nyno Justino
 
Harmonia
HarmoniaHarmonia
Apostila contra-baixo
Apostila contra-baixoApostila contra-baixo
Apostila contra-baixo
eltoleon
 
Como tocar cifras no contrabaixo 5 aulas
Como tocar cifras no contrabaixo 5 aulasComo tocar cifras no contrabaixo 5 aulas
Como tocar cifras no contrabaixo 5 aulas
Marcos Duprá
 
Apostila de contrabaixo prof. Luciano Carvalho
Apostila de contrabaixo prof. Luciano CarvalhoApostila de contrabaixo prof. Luciano Carvalho
Apostila de contrabaixo prof. Luciano Carvalho
Luciano Carvalho
 
Acordes orgao
Acordes orgaoAcordes orgao
Acordes orgao
zeca12
 
Exercícios de digitação no contrabaixo
Exercícios de digitação no contrabaixoExercícios de digitação no contrabaixo
Exercícios de digitação no contrabaixo
Marcos Duprá
 
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
Partitura de Banda
 
Apostila guto contra baixo n°vel 2
Apostila guto contra baixo n°vel 2Apostila guto contra baixo n°vel 2
Apostila guto contra baixo n°vel 2
Silas Santana
 
Escala maior-natural_aula_especial
 Escala maior-natural_aula_especial Escala maior-natural_aula_especial
Escala maior-natural_aula_especial
Nando Costa
 
Marcha nupcial (mendelsohn)
Marcha nupcial (mendelsohn)Marcha nupcial (mendelsohn)
Marcha nupcial (mendelsohn)
phclarinete
 
Apostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musicalApostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musical
jaconiasmusical
 
Campo harmônico maior
Campo harmônico maior Campo harmônico maior
Campo harmônico maior
walter ribeiro
 
Acordes soul
Acordes soulAcordes soul
Acordes soul
FernandoBatista104
 

Mais procurados (20)

Escalas Contrabaixo Iniciantes PDF
Escalas Contrabaixo Iniciantes PDFEscalas Contrabaixo Iniciantes PDF
Escalas Contrabaixo Iniciantes PDF
 
Curso de violão simples e completo, com varios solinho
Curso de violão simples e completo, com varios solinhoCurso de violão simples e completo, com varios solinho
Curso de violão simples e completo, com varios solinho
 
Harmonia de a a z
Harmonia de a a zHarmonia de a a z
Harmonia de a a z
 
Apostila batidas de violao vol 3
Apostila batidas de violao   vol 3Apostila batidas de violao   vol 3
Apostila batidas de violao vol 3
 
Apostila-de-violao-avancado
Apostila-de-violao-avancadoApostila-de-violao-avancado
Apostila-de-violao-avancado
 
Livro diagramas de acordes def5
Livro diagramas de acordes def5Livro diagramas de acordes def5
Livro diagramas de acordes def5
 
Digitação germânica e_barroca_-_flautas_em_do
Digitação germânica e_barroca_-_flautas_em_doDigitação germânica e_barroca_-_flautas_em_do
Digitação germânica e_barroca_-_flautas_em_do
 
Harmonia
HarmoniaHarmonia
Harmonia
 
Apostila contra-baixo
Apostila contra-baixoApostila contra-baixo
Apostila contra-baixo
 
Como tocar cifras no contrabaixo 5 aulas
Como tocar cifras no contrabaixo 5 aulasComo tocar cifras no contrabaixo 5 aulas
Como tocar cifras no contrabaixo 5 aulas
 
Apostila de contrabaixo prof. Luciano Carvalho
Apostila de contrabaixo prof. Luciano CarvalhoApostila de contrabaixo prof. Luciano Carvalho
Apostila de contrabaixo prof. Luciano Carvalho
 
Acordes orgao
Acordes orgaoAcordes orgao
Acordes orgao
 
Exercícios de digitação no contrabaixo
Exercícios de digitação no contrabaixoExercícios de digitação no contrabaixo
Exercícios de digitação no contrabaixo
 
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal   nilson ...
Exercícios diários de escala e sonoridade para flauta transversal nilson ...
 
Apostila guto contra baixo n°vel 2
Apostila guto contra baixo n°vel 2Apostila guto contra baixo n°vel 2
Apostila guto contra baixo n°vel 2
 
Escala maior-natural_aula_especial
 Escala maior-natural_aula_especial Escala maior-natural_aula_especial
Escala maior-natural_aula_especial
 
Marcha nupcial (mendelsohn)
Marcha nupcial (mendelsohn)Marcha nupcial (mendelsohn)
Marcha nupcial (mendelsohn)
 
Apostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musicalApostila de Teoria musical
Apostila de Teoria musical
 
Campo harmônico maior
Campo harmônico maior Campo harmônico maior
Campo harmônico maior
 
Acordes soul
Acordes soulAcordes soul
Acordes soul
 

Semelhante a Campos harmonicos

Curso de harmonia funcional
Curso de harmonia  funcionalCurso de harmonia  funcional
Curso de harmonia funcional
MILTON ALVES
 
Harmonia Funcional - Sergio Solimando
Harmonia Funcional - Sergio SolimandoHarmonia Funcional - Sergio Solimando
Harmonia Funcional - Sergio Solimando
Sergio Solimando
 
Apostila de guitarra
Apostila de guitarraApostila de guitarra
Apostila de guitarra
Evandro da Silva Monteiro
 
Harmonia - Sergio Solimando
Harmonia - Sergio SolimandoHarmonia - Sergio Solimando
Harmonia - Sergio Solimando
Sergio Solimando
 
Apostila de guitarra módulo intermediário ao avançado
Apostila de guitarra   módulo intermediário ao avançadoApostila de guitarra   módulo intermediário ao avançado
Apostila de guitarra módulo intermediário ao avançado
Marlon Ferreira
 
A MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A EscalaA MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A Escala
HOME
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
Nome Sobrenome
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
Elvis Live
 
Caderno de harmonia
Caderno de harmoniaCaderno de harmonia
Caderno de harmonia
Partitura de Banda
 
Contraponto 01 1ª- especie
Contraponto 01 1ª- especieContraponto 01 1ª- especie
Contraponto 01 1ª- especie
Jouhilton
 
Apostila Jazz introduçãoAulas elias santos
Apostila Jazz introduçãoAulas elias santosApostila Jazz introduçãoAulas elias santos
Apostila Jazz introduçãoAulas elias santos
dougand
 
Como improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilosComo improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilos
jop1996
 
curso-basico-de-teoria-musical
curso-basico-de-teoria-musicalcurso-basico-de-teoria-musical
curso-basico-de-teoria-musical
Saulo Gomes
 
Apostila curso basic_de_teoria_musical
Apostila curso basic_de_teoria_musicalApostila curso basic_de_teoria_musical
Apostila curso basic_de_teoria_musical
Poliana Cerqueira Pereira
 
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf
Mcp2016
 
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf
Mcp2016
 
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
José Claudemiro Oliveira
 
Livro de aulas revisão de conteúdo hm ii
Livro de aulas revisão de conteúdo hm iiLivro de aulas revisão de conteúdo hm ii
Livro de aulas revisão de conteúdo hm ii
Srilis Mourao
 
Campo harmônico da escala maior natural.pdf
Campo harmônico da escala maior natural.pdfCampo harmônico da escala maior natural.pdf
Campo harmônico da escala maior natural.pdf
John451958
 
Harmonia e suas formas
Harmonia e suas formasHarmonia e suas formas
Harmonia e suas formas
MILTON ALVES
 

Semelhante a Campos harmonicos (20)

Curso de harmonia funcional
Curso de harmonia  funcionalCurso de harmonia  funcional
Curso de harmonia funcional
 
Harmonia Funcional - Sergio Solimando
Harmonia Funcional - Sergio SolimandoHarmonia Funcional - Sergio Solimando
Harmonia Funcional - Sergio Solimando
 
Apostila de guitarra
Apostila de guitarraApostila de guitarra
Apostila de guitarra
 
Harmonia - Sergio Solimando
Harmonia - Sergio SolimandoHarmonia - Sergio Solimando
Harmonia - Sergio Solimando
 
Apostila de guitarra módulo intermediário ao avançado
Apostila de guitarra   módulo intermediário ao avançadoApostila de guitarra   módulo intermediário ao avançado
Apostila de guitarra módulo intermediário ao avançado
 
A MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A EscalaA MúSica, As Notas E A Escala
A MúSica, As Notas E A Escala
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Teoria musical
Teoria musicalTeoria musical
Teoria musical
 
Caderno de harmonia
Caderno de harmoniaCaderno de harmonia
Caderno de harmonia
 
Contraponto 01 1ª- especie
Contraponto 01 1ª- especieContraponto 01 1ª- especie
Contraponto 01 1ª- especie
 
Apostila Jazz introduçãoAulas elias santos
Apostila Jazz introduçãoAulas elias santosApostila Jazz introduçãoAulas elias santos
Apostila Jazz introduçãoAulas elias santos
 
Como improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilosComo improvisar varios_estilos
Como improvisar varios_estilos
 
curso-basico-de-teoria-musical
curso-basico-de-teoria-musicalcurso-basico-de-teoria-musical
curso-basico-de-teoria-musical
 
Apostila curso basic_de_teoria_musical
Apostila curso basic_de_teoria_musicalApostila curso basic_de_teoria_musical
Apostila curso basic_de_teoria_musical
 
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes.pdf
 
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf
[cliqueapostilas.com.br]-violao---acordes-dissonantes (1).pdf
 
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
Apostila partituras-iii_armadura_de_clave_final
 
Livro de aulas revisão de conteúdo hm ii
Livro de aulas revisão de conteúdo hm iiLivro de aulas revisão de conteúdo hm ii
Livro de aulas revisão de conteúdo hm ii
 
Campo harmônico da escala maior natural.pdf
Campo harmônico da escala maior natural.pdfCampo harmônico da escala maior natural.pdf
Campo harmônico da escala maior natural.pdf
 
Harmonia e suas formas
Harmonia e suas formasHarmonia e suas formas
Harmonia e suas formas
 

Campos harmonicos

  • 1. www.musica.ead.unis.edu.br 1 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br CAMPOS HARMÔNICOS É quando montamos sobre cada nota da escala, um acorde. Conseqüentemente, esses acordes irão conter apenas as notas dessa escala. Podemos então acompanhar melodias feitas com essa escala usando tais acordes. Dessa maneira, tocar-se-á tanto em forma de acordes (em acompanhamento) como em melodias (em solos), apenas as notas da escala. 1. Campo harmônico maior Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar as possibilidades de montagem de acordes de três sons (tríades), em uma tonalidade maior. Usam-se numerais romanos acima dos acordes, para generalizarmos o campo harmônico para outros tons. Ex.: Dó maior: I IIm IIIm IV V VIm VIIm(b5) C Dm Em F G Am Bm(b5) 2. Campo harmônico menor Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar as possibilidades de montagem de acordes de três sons (tríades), em uma tonalidade menor. Obs.: Como o campo harmônico de Dó maior e de Lá menor tem as mesmas notas e os mesmos acordes, chamamos estes tons de relativos.
  • 2. www.musica.ead.unis.edu.br 2 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br Ex.: Lá menor natural: Im IIm(b5) bIII IVm Vm bVI bVII Am Bm(b5) C Dm Em F G Desta forma pode-se montar os campos harmônicos das escalas menores Harmônicas e melódicas (Bachianas): Ex.: Lá menor harmônico: Im IIm(b5) bIII(#5) IVm V bVI VIIm(b5) Am Bm(b5) C(#5) Dm E F G#m(b5) Ex.: Lá menor melódico (da Escala Bachiana):: Im IIm bIII(#5) IV V VI#m(b5) VIIm(b5) Am Bm C(#5) D E F#m(b5) G#m(b5)
  • 3. www.musica.ead.unis.edu.br 3 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br 3. A Função dos acordes Normalmente um acorde é ouvido de acordo com sua função qualitativa dentro de um determinado encadeamento de acordes. Essa função é distinguida devido à impressão sonora, caracterizada dentro do tom do trecho musical. Podemos significar essa impressão por qualidades como a instabilidade ou estabilidade. Basicamente temos três funções que comumente são relacionadas às impressões: Tônica: É representada pelo acorde de primeiro grau de uma tonalidade seja maior ou menor. Acordes com essa função exprimem repouso e são mais estáveis que as outras funções. Subdominante: Representado pelo acorde de quarto grau de uma tonalidade seja maior ou menor. Acordes com essa função exprimem uma moderada sensação de movimento em relação à tonica, sendo mais instável que ela, porém demonstra mais estabilidade que a função de dominante. Dominante: Representado pelo acorde, sempre maior, montado sobre o quinto grau de uma tonalidade seja maior ou menor. Acordes com essa função exprimem uma intensa sensação de movimento em relação à tonica, sendo a função mais instável do campo harmônico. Essa função, quando encadeada para um acorde de tônica, provoca o que chamamos de resolução, então podemos dizer que ao conduzirmos um acorde de dominante para um de tônica temos a sensação de tensão e resolução ou expectativa e repouso. Esse efeito de resolução se dá mais intensamente quando o acorde de dominante está adicionado de uma sétima menor, o que implica na presença das notas atrativas da tonalidade, ou seja, o trítono, e que será abordado no item 5.
  • 4. www.musica.ead.unis.edu.br 4 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br 4. Relação funcional entre acordes Dentro de um campo harmônico, os acordes geralmente se relacionam, demonstrando, de certa forma, uma possibilidade substituírem uns aos outros. Por exemplo, o acorde de dó maior (C) tem duas notas em comum com o acorde de mi menor (Em) e com o lá maior (Am): IIIm I VIm Em C Am Então podemos relacionar esses acordes, Em e Am, como se fossem também, como o C, de função tônica. Porém, devido a presença da fundamental do acorde de C no Am, esse será denominado de acorde relativo, pois demonstra mais tal função o que já não acontece com o Em, o que chamamos de anti-relativo. Seguindo esse mesmo raciocínio podemos achar os relativos e anti-relativos das outras funções. Acordes de função subdominante VIm IV IIm Am F Dm Acordes de função dominante VIIm(b5) V IIIm Bm(b5) G7 Em O acorde de dominante quando usado com sétima tende a se afeiçoar mais com o acorde anti-relativo devido a presença do trítono, pois esse intervalo, como já abordado aqui, ao ser resolvido expressa o efeito de tensão e resolução que ocorre entre a dominante e a tônica.
  • 5. www.musica.ead.unis.edu.br 5 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br Em tons maiores podemos entender os graus e suas funções da seguinte forma: Função forte Função média Função fraca Tônica I VIm (relativo) IIIm (anti-relativo) Subdominante IV IIm (relativo) VIm (anti-relativo) Dominante V VIIm(b5) (anti-relativo) IIIm (relativo) Em tons menores podemos então entender assim os graus e suas funções: Função forte Função média Função fraca Tônica Im bVI (relativo) bIII (anti-relativo) Subdominante IVm bVIIm (relativo) bVIm (anti-relativo) Dominante V VIIº (anti-relativo) bIII (relativo) 5. O Trítono O trítono é o intervalo de quarta aumentada (enarmônica a uma quinta diminuta), ou seja, é a distância de três tons entre duas notas, daí o nome de trítono (três tons). Consiste em uma dissonância que resolve por grau conjunto e em movimento contrário. Ex.: Trítono Resolução Trítono Resolução Trítono Resolução Trítono Resolução
  • 6. www.musica.ead.unis.edu.br 6 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br Quando resolvido, o trítono exprime uma das principais características do sistema tonal, ou seja, o efeito de tensão e resolução, pois esse intervalo harmônico, que está presente em acordes dominantes e seus substitutos, tende, portanto, resolver em acordes de função tônica. Ex.: V7 I V7 Im G7 C G7 C 6. Campos harmônicos com dissonâncias (tétrades mais tensões) Campo harmônico maior Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as possibilidades de montagem de acordes em uma tonalidade maior. Ex.: Dó maior: I7M IIm7 IIIm7 IV7M V7 VIm7 VIIm7(b5) C7M Dm7 Em7 F7M G7 Am7 Bm7(b5) 9, (4), 6 ou 13* 9, 11, 6 ou 13* (b9), 11, (b13) 9, #11, 6 ou 13* 9, (4), 13 9, 11, (b13) (b9), 11, b13
  • 7. www.musica.ead.unis.edu.br 7 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br Obs.: -As notas e números entre parênteses são notas evitadas (avoid notes), ou seja, usadas somente como passagem e não incluídas na formação do acorde. Estas notas se encontram a distância de uma 2ª menor ascendente de qualquer uma nota do acorde. -* A décima terceira é usada em acordes com sétima e assim a sexta só será usada quando não incluímos a sétima no acorde. -No V grau podemos também obter o acorde de V7sus4 (V47 ) que é usualmente usado como IIm7 com baixo na 4ª, por conter as notas vitais à sonoridade de IIm7. Ex.: V7sus4 IIm7 G7sus4 Dm7/G Dó Fá Lá Ré Fá Dó Ré Sol Sol ` Campo harmônico menor natural Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as possibilidades de montagem de acordes da escala menor natural (primitiva ou eólio). Ex.: Lá menor. Im7 IIm7(b5) bIII7M IVm7 Vm7 bVI7M bVII7 Am7 Bm7(b5) C7M Dm7 Em7 F7M G7 9, 11, (b13) (b9), 11, b13 9, (4), 6 ou 13* 9, 11, 6 ou13* (b9), 11, (b13) 9, #11, 6 ou 13* 9, (4), 13
  • 8. www.musica.ead.unis.edu.br 8 Elaborado por Celso Gomes - www.celsogomes.com.br Campo harmônico menor harmônico Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as possibilidades de montagem de acordes da escala menor harmônica. Ex.: Lá menor Im7 IIm7(b5) bIII7M IVm7 Vm7 bVI7M VIIº Am7M Bm7(b5) C7M(#5) Dm7 E7 F7M G#º 9, 11, (b13) (b9), 11, 13 9, (4), (6 ou13*) 9, #11, 6 ou13* (b9), 11, (b13) #9, #11, 6 ou 13* b9, b4, b13 Obs.: - Apesar de a (b13) e a(b9) do acorde de E7 fazerem semitom ascendente com, respectivamente, a quinta justa e a fundamental, esta é uma nota disponível, pois caracteriza a dominante da tonalidade menor harmônica. Campo harmônico menor melódico Com o campo harmônico abaixo, podemos visualizar mais amplamente as possibilidades de montagem de acordes da escala menor harmônica. Ex.: Lá menor. Im7 IIm7(b5) bIII7M(#5) IV7 V7 VIm7(b5) VIIm7(b5) Am7M Bm7 C7M(#5) D7 E7 F#m7(b5) G#m7(b5) 9, 11, b13 (b9), 11, 13 9, #4, (6 ou 13*) 9, #11, 6 ou13* 9, (4), b13 9, 11, 6 ou 13* 9, (b4), b13 Obs.: Apesar de a (b13) do acorde de E7 fazer semitom ascendente com sua quinta justa, esta é uma nota disponível, pois caracteriza a dominante da tonalidade menor melódica.