SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
Tática para o hoje

17/11/2011

Por Claudio Rossano Ritser


Este texto foi distribuído na reunião do Diretório Municipal em 17 de
novembro de 2011.


                                      “Quem passou por situações tão difíceis
                                      e negativas, como a ditadura militar e a
                                      hegemonia neoliberal, sabe valorizar
                                      mais os avanços atuais no Brasil, por
                                      pequenos que sejam, diante da herança
                                      pesada que recebemos e da difícil
                                      virada que o país está conseguindo
                                      realizar”. (Emir Sader, em seu perfil no
                                      Facebook, dia 10/11/2011).


Quando escrevi o texto “Minha opção pela CNB” (28 de junho de 2011) recebi
diversas manifestações, umas me parabenizando, outros se dizendo surpresos,
mas me desejando sucesso em minha nova tendência, outras me criticando e
outras fazendo algumas ponderações, até para tentar entender melhor meu
posicionamento/decisão. Há outros que preferiram criticar-me pelas costas.

Em respeito e consideração pelos que decidiram fazer ponderações, quanto à
minha decisão, e até para aprofundar um pouco mais as argumentações
referentes a minha decisão – em optar pela Construindo um Novo Brasil – é
que escrevo tal texto. Portanto, tal texto não tem pretensões, a não ser, tentar
esclarecer um pouco melhor os motivos políticos que fizeram, e que estão
fazendo, com que eu esteja fazendo uma releitura do cenário, das condições
objetivas, com meu entendimento anterior. (Aproveito a oportunidade, para,
também, expor minha opinião quanto a tática para as eleições de 2012 ao
Diretório Municipal - nessa data).


Cenários e problemas a serem enfrentados

Sempre quando alguém toma uma decisão, agradará alguns e desagradará
outros. O importante, em meu entender, não é o fato de agradar ou desagradar
pessoas e/ou grupos, mas, sim, o fato de tentar construir e/ou decidir por uma
tática que possibilite a implantação de um projeto diferenciado, nem que para
isso seja necessário, desidratar um pouco o programa para que se obtenha
alguns avanços.

Os problemas colocados a nós são (não necessariamente nessa ordem): a) o
sistema político eleitoral está estabelecido, e ele não nos favorece; b) o


                                                                              1
pensamento hegemônico na sociedade é de direita; c) a correlação de forças
na sociedade é desfavorável à nós; d) a maioria esmagadora dos eleitores não
leva em conta, na hora de votar, o projeto político; e) a generalização pejorativa
da “classe política”; f) ataques e confusões teóricas políticas por parte da
grande imprensa contra a esquerda; g) o pluripartidarismo, que seria um fator
positivo em uma sociedade democrática, contribui para o fisiologismo; h) o
poder da grande imprensa; i) o poder do mercado financeiro; j) a falta de
consciência de classe por parte da classe trabalhadora; l) a existência de
“caciques políticos” nos estados com presença e força política no Congresso
Nacional; m) políticos, no Congresso Nacional, que defendem interesses
próprios (privados) e que pertencem a setores sociais conservadores e
burgueses, como, por exemplos, os que pertencem a bancada evangélica, a
entidades de classe, como, por exemplo, os ruralistas, os industriais,...; n) a
falta de uma base sólida – ideológica – e numérica no Congresso Nacional, e
também nos estados e municípios governados pelo PT e pela esquerda, que
possibilita-se o apoio necessário ao governo; o) Poder Judiciário conservador;

Diante de tais problemas, o Partido dos Trabalhadores precisa decidir se faz a
disputa política eleitoral para marcar posição, ou se decide entrar na disputa
para ganhar e fazer a diferença estando no governo.

Entendo que, na história do partido, ouve momentos, no cenário nacional
principalmente, em que ele precisava lançar candidato para fazer a disputa na
sociedade, mostrando o programa e a face do PT, mesmo se o candidato não
estive-se tão bem posicionado nas intenções de voto, e conseqüentemente,
não apresentando condições concretas de vitória. Esse momento era o
momento de consolidação do Partido dos Trabalhadores na sociedade.
(Mesmo Lula chegando ao segundo turno contra Collor, em 1989, não era
certeza que seríamos vitoriosos já em outra eleição, e mais, que a sociedade,
como um todo, estava próxima de nosso projeto. Se estive próximo de nosso
projeto não seria a grande imprensa, por exemplo, a fazer ela mudar de opinião
e votar no candidato da burguesia. Foram precisos a participação em três
eleições presidências seguidas, aliada a luta política social, que, só na quarta
eleição presidencial (2002) em que Lula participou como candidato, foi eleito, e
ainda assim, sem uma base de sustentação sólida).

Passaram-se anos e eleições, até que o PT, encabeçando uma coligação,
conquista a presidência da República com Luiz Inácio Lula da Silva nas
eleições de 2002. Porém, até 2002, o PT já possuía experiência em alguns
governos municipais e estaduais.

O governo federal (2003 até hoje), no qual o Partido dos Trabalhadores faz
parte, sendo, inclusive, o maior e principal partido de sustentação do governo
federal, vem obtendo avanços, e através de políticas públicas, vem
possibilitando a conquista de dignidade para milhões de indivíduos – que até
ontem, eram esquecidos.

E como é um governo de coalizão, onde há partidos e indivíduos de esquerda,
centro e até de direita, é necessário entender que também houve recuos e até



                                                                                2
alguns retrocessos em alguns pontos (seja por parte de nossos aliados, seja
por parte do próprio PT – ver mais na seqüência).

No 4º Congresso do PT, em 2010, quando o partido aprovou a tática de
alianças para as eleições presidenciais do mesmo ano, que decidia pela
manutenção da coalizão, mesmo tendo que pagar o custo político e moral pela
manutenção da coalizão, que prevê a obtenção e/ou a manutenção de apoio
político no Legislativo e de setores da sociedade, o partido deixou claro que
entende haver mais avanços do que recuos e até de certos retrocessos, na
condução do governo federal, e com isso, decidia também que as disputas
eleitorais precisam ser para ganhar, e não apenas para marcar posição.

Em outras palavras, os problemas colocados a nós são: diante de um cenário
desfavorável, com estrutura social política eleitoral que privilegia a direita, além
dos enormes desafios administrativos e sociais ao chegarmos ao governo, nós
conseguiremos resolver ou ao menos minimizar tais problemas apenas com o
nosso grupo político de esquerda e com a nossa base social, e ainda
implementarmos o nosso programa de governo ao chegarmos ao governo?

A história nos mostrou que não é possível. O possível é que nós venhamos a
construir alianças/coligações que sejam viáveis para que possamos, sendo ou
não cabeças de chapa, ganhar eleições e governar tentando implementar
nosso programa. E com isso, trabalharmos para que, num curto prazo,
tenhamos condições de encabeçarmos a cabeça de chapa com reais
condições de vitória. (Cenários estaduais e municipais).

Nesse sentido, porém, há as criticas de que esse pensamento é entreguista,
aliancista, pragmático, governista e até que este é um pensamento de direita.

Porém, o que realmente está em jogo – e esse é o mundo real – é que só faz,
ou se tem as condições de fazer algo, quem ganha às eleições para o Poder
Executivo – que é o Poder que tem as condições objetivas de realização. Fora
isso, é discurso.

Quando estava em minha ex-tendência (Articulação de Esquerda) eu criticava
os discursos e posicionamentos dos que pertenciam à ala majoritária do
partido, por entender que, quando o PT cedia espaços a aliados (fosse no
governo ou a cabeça de chapa nas eleições) o partido decidia-se pelo seu
enfraquecimento, pelo não protagonismo, e correndo o risco de até perder a
identidade. Assim eu entendia aqui no estado também, e foi nessa linha
(contrário a uma coligação tendo o, então, senador Osmar Dias como
candidato ao governo do Paraná com o apoio do PT) que me manifestei
durante as discussões sobre as eleições estaduais de 2010.

No entanto, reconheço que meus olhos estavam voltados apenas para a
literatura – se assim posso dizer, para teses programáticas e de discursos bem
construídos e ditos de esquerda. Porém, teses e discursos que não
apresentavam respostas para problemas práticos e urgentes. E é diante
desses problemas práticos e urgentes que precisamos discutir as táticas – ou



                                                                                  3
melhor – qual a melhor tática nesse cenário para que possamos disputar para
ganhar. Repito: fora isso é discurso.

Fui contra a aliança com Osmar Dias, no entanto, já durante as eleições, fui
reconhecendo que a tática estava correta, e os resultados eleitorais obtidos
pelo partido demonstraram o acerto. Reconheço, mais uma vez meu equivoco
de entendimento.

No entanto, não estou aqui, entendam bem, querendo dizer que não
precisamos de teoria, de formulação e de teses. Claro que precisamos, até
porque é a teoria que fomenta o debate, que, por sua vez, nos dá a diretriz
para a nossa prática.

Porém, a teoria precisa dar respostas para os problemas práticos e urgentes do
cotidiano.

Um pequeno exemplo sobre teoria e prática, é a revolução de outubro de 1917.
Se a esquerda estivesse presa à teoria (ou o que se imagina ser o caminho
mais assertivo), a revolução não teria acontecido. A teoria (ou o que se
imaginava) dizia, de forma resumida, que a construção do socialismo se daria
melhor em cenários em que houvesse condições materiais para se dar a
construção do socialismo (Ou seja, de que a construção do socialismo se daria
em sociedades em que o capitalismo era mais desenvolvido). E a Rússia era
um país periférico, sem industrialização, muito pobre e sem estrutura. No
entanto, a oportunidade estava dada, ou a esquerda tomava o poder naquele
momento ou a direita é quem iria (re)tomar o poder (lembrando que no
momento em que a tomada de poder aconteceu, o que havia era um governo
provisório – defendido inclusive pela esquerda, que depois tomou o governo).

O estabelecimento de outro regime (o socialismo) não foi algo simples. Além de
que, também tiveram que conviver com a contradição.

A teoria dizia uma coisa, e a realidade foi outra. Não havia alternativa.
Independente do que dizia a teoria, a realidade era: ou a esquerda tomava o
poder, ou a direita retomava o poder. E se a direita retomasse o poder, a
esquerda poderia – e seria – dizimada.


Pequenas considerações sobre a estratégia, a tática e a hegemonia


O PT como partido classista e socialista – conforme reafirmação na Resolução
Política do 4º Congresso Extraordinário de setembro de 2011 – tem como norte
uma outra sociedade. E como almeja o socialismo, o Partido dos
Trabalhadores precisa construir suas estratégias e suas táticas, para que
possamos construir a hegemonia (ou a contra-hegemonia), que nos dará as
condições objetivas para construir o socialismo.

Estabelecido o norte, que é o socialismo, cabe, então, estabelecer a(s)
estratégia(s) e a(s) tática(s) que nos darão a oportunidade de dialogar com a


                                                                            4
sociedade, e a partir desse diálogo conquistar a confiança da população para
que possamos chegar ao Executivo e governarmos. E é através do exercício
do governo, e de seu êxito, que vamos obtendo/conquistando o respeito e
maior confiança da população.

Para que possamos dialogar com a sociedade, precisamos ouvir e tentar
compreender o que pensa, sente, e como age a maioria dos indivíduos na
sociedade. Com tais dados e informações nas mãos, é preciso refletir, debater
e decidir o que fazer se, por exemplo, nosso programa estiver muito diferente
do que a sociedade quer no momento (lembrando o que diz a Resolução
Política citada acima: “Como socialistas democráticos, queremos uma
alternativa de civilização ao capitalismo, a ser construída democraticamente
com o povo brasileiro”, e que ...“É este programa que orienta o nosso diálogo
com o povo brasileiro”. Portanto, não há em nossas resoluções a imposição de
programas, de projetos, à sociedade, mas, sim o diálogo “...sobre o sentido
histórico das transformações dos governos Lula e Dilma” e que “...o PT quer
firmar novos compromissos com o povo brasileiro”. Nisso está baseado a
nossa postura em dialogar, de ouvir e construir projetos juntos com a
sociedade). Caso contrário, manteremos nosso programa e falaremos para um
número muito reduzido de indivíduos, como fazem os partidos de extrema
esquerda (esquerdistas), que negam-se a enxergar a realidade e a importância
dos avanços, mesmo que sejam pequenos diante o que queremos e do que
almejamos. O que, paradoxalmente, não contribuí com o campo de esquerda
(que seria o objetivo dos extremados à esquerda), pelo contrário, contribui para
fortalecer justamente à direita (que seria, ao menos na teoria, o alvo da
extrema esquerda).

Tendo, então, a consciência de nossos problemas/desafios e aquilo que
queremos, que é outra sociedade, constrói-se a estratégia (o que queremos, o
que precisamos para começar a caminhar em direção ao nosso norte – o
socialismo), e conseqüentemente, qual ou quais as táticas (caminhos que
vamos adotar para termos êxito em nossa estratégia). Entendendo que
avanços na caminhada contribuirão para que se obtenha condições de se
começar a construir a hegemonia (ou a contra-hegemonia).

Desde 1995, até hoje, o Partido dos Trabalhadores segue essa lógica, e foi
fazendo alterações em seu programa, dialogando com vários segmentos da
sociedade e conquistando apoios, que – aliado a um cenário político
econômico social nefasto deixado pelo governo tucano e seus aliados –
conquistamos a presidência da República com Luiz Inácio Lula da Silva nas
eleições de 2002.

É importante dizer que, mesmo diante de tantos problemas/desafios (citados
anteriormente) que tínhamos e que continuamos a ter, houve muitos avanços
sociais no Brasil e para os/as brasileiros/as. No entanto, ainda há muito o que
fazer, porém, o aprofundamento dos avanços obtidos e sua ampliação, só se
tornarão fatos, quando os problemas/desafios forem superados, ou, no mínimo,
minimizados. O que não acontecerá da noite para o dia. Porém, é uma luta
política, uma construção cotidiana, e que tem haver com a mudança de



                                                                              5
pensamento, de cultura, e essa mudança em níveis significativos dá-se o nome
de (construção de) hegemonia.

A construção da hegemonia, que é um processo, uma construção, que tem
haver com a mudança na forma de pensar da maioria dos indivíduos (enxergar
o mundo e em sua conscientização de que pertence a classe trabalhadora), na
forma de cultura (valores, princípios, ideais,...) não pode, de forma alguma, ser
comparado a índices de aprovação popular de indivíduos em cargos
estratégicos na estrutura do Estado, aja visto, por exemplo, que indivíduos
podem avaliar positivamente um governante e seu governo, mas que pode
perfeitamente não compartilhar do mesmo pensamento, de uma mesma cultura
do governante e de membros do governo, tanto que, se confrontado a algumas
políticas públicas que ele julga inadequado/errado/pecado, ele irá ser contra. E
se for feito tais questionamentos em período eleitoral, esse indivíduo mesmo
avaliando positivamente o governante e o governo, ele poderá votar com a
oposição, porque a oposição tocou em pontos chaves que esse indivíduo não
consegue aceitar que um governante, um governo, o Estado, venha tocar em
tal ou tais questões. Isso, porque esse indivíduo não se conscientizou de sua
condição de membro de uma classe (trabalhadora), e não esta pensando
diferente e continua com sua cultura (seus princípios, seus valores,...).

Portanto, a construção da hegemonia é um processo histórico, de séculos de
luta política. Já a aprovação de um governante e/ou de um governo, se dá pela
postura pessoal do governante (como ele se comporta, e sua
identidade/afinidade com o povo e/ou seus interesses), e em relação a
aprovação do governo em si, passa pelo entendimento e de que as políticas
implementadas pelo governo são (no entender dos indivíduos) positivas para a
sua vida. Sendo, então, avaliadas as opiniões da população para medir sua
aprovação ou não de um governante e/ou de um governo, naquele momento.

No entanto, essa aprovação é relativa e não alinhada ideologicamente. Por
isso, ela é um apoio relativo, e sendo relativo, é um apoio um tanto fraco,
justamente por não haver uma identidade/afinidade ideológica. Um exemplo foi
o tema (caso) do aborto durante as eleições de 2010. Pessoas que apoiavam
nossa candidata, de uma hora para outra, ou deixaram de votar, ou, no mínimo,
balançaram diante a maneira de como a questão do aborto foi tratado nesse
período. O que demonstra, de forma clara, a falta de consciência de classe, a
falta de identidade/afinidade/alinhamento ideológico da imensa maioria da
população brasileira para com o nosso norte, que é o socialismo. Por isso, tal
apoio popular é, hoje, relativo e fraco (ver, também, a quantidade e o peso
político da oposição, tanto no cenário nacional, estaduais e municipais, por
exemplo, que ainda atrapalha e dificulta, o máximo que podem, com o apoio da
grande imprensa e de setores da sociedade civil, para inviabilizar e/ou para
impor a agenda deles aos governos federal, estaduais e municipais em que o
PT, e a esquerda integram). Somente a continuidade da luta política, a
capacidade de disputa ideológica do partido e de certa forma do governo, é que
poderemos, no longo prazo, começar a construir o caminho (mais sólido) para
a construção da hegemonia (aí sim, teremos uma certa homogeneização
ideológica na sociedade, que farão com que o apoio popular seja forte e
constante).


                                                                               6
Consciência política para a condução dos avanços

Entender as dificuldades/problemas/desafios do cenário político econômico
social e cultural, e mesmo assim querer caminhar para aprofundar os avanços
até aqui obtidos, requer responsabilidade e firmeza. Responsabilidade para
com os indivíduos que até aqui tiveram uma melhora em suas vidas, com
possibilidade de conquistarem outros níveis sociais – dentro da classe
trabalhadora – e também para com quem possibilitou que esses avanços,
através dos governos de Lula e, agora, de Dilma, pudessem acontecer. Ou
seja, responsabilidade que a nós (enquanto partido) cabe, para fazermos o
possível para mantermos – até onde der – a base de apoio ao governo federal
coesa. E firmeza para sustentarmos todos os ônus decorrentes dessa
responsabilidade, no qual nos deparamos com limitações não só
orçamentárias, administrativas, como, também, limitações políticas por
estarmos juntos com quem pensa bem diferente de nós, e aí aparecem as
contradições, entre outros custos políticos. Tudo isso é o preço por estarmos
no governo, sem termos apoio (sólido e numérico) político ideológico no
parlamento e na sociedade.

No entanto, entendo que essas dificuldades/problemas/desafios são –
guardadas as devidas proporções – similares as vividas pela esquerda russa
em outubro de 1917, no que diz respeito a responsabilidade e a firmeza que
tiveram que ter. Responsabilidade na tomada de decisão em tomar o poder,
para que pudessem implementar – apesar do cenário desfavorável – um
programa, um projeto, que era diferente, que tinha por objetivo a inclusão, a
igualdade, a liberdade, a dignidade, o progresso coletivo para o coletivo. E
tiveram que ter a firmeza em um cenário não só desfavorável, mas conturbado,
inclusive no decurso da 2ª Guerra Mundial, para manterem seu projeto,
independente das contradições e instrumentos que tiveram que utilizar para
tentarem implementar uma sociedade socialista.

Até hoje se lê e ouve-se muita critica à esquerda quando se referem à União
Soviética. Foi o preço político que tiveram que pagar. (Por outro, por exemplo,
se não fosse o Exército Vermelho os nazistas poderiam ter ganho a guerra. O
Exército Vermelho foi fundamental para a vitória contra o nazismo. E só foram
fundamentais porque a esquerda decidiu ousar, porque tiveram
responsabilidade e firmeza na condução do governo socialista – inclusive na
utilização de instrumentos capitalistas, que possibilitou – o que também é um
paradoxo – que o Estado socialista tivesse as condições objetivas para fazer o
devido enfrentamento contra os nazistas na guerra).

Em um cenário adverso, com tantos problemas/desafios conjunturais, no qual
precisamos construir maiorias (em todos os níveis da federação) para
governarmos, e antes, já para fazermos a disputa eleitoral, cabe, logicamente,
questionamentos como, por exemplo: qual a relação do PT com outros partidos
da coligação e/ou da futura base aliada, sendo o partido cabeça de chapa ou
não? Qual o nível de interferência do programa do PT no governo? Qual seria
ou será o avanço para a população com um governo de coalizão com tantos
partidos e indivíduos que pensam diferente? Como o PT, como um dos partidos
que compõe uma coligação e um futuro governo, poderá diferenciar-se no


                                                                             7
cotidiano para que o partido se fortaleça e não venha a enfraquecer-se a ponto
de ficar a reboque de outros partidos?

Para iniciar a resposta para tantos questionamentos, é preciso ressaltar que,
como as relações humanas não pertencem às ciências exatas, assim também
é nas relações sociais e políticas, sendo que não há uma resposta exata para
os questionamentos acima e para tantos outros questionamentos que venham
a surgir. E não há uma resposta exata para tais questionamentos porque,
simplesmente, a política (relações sociais, políticas, a ciência política) e as
relações humanas não fazem parte das ciências exatas. Em outras palavras,
não há exatidão para os questionamentos acima. E não há exatidão para os
questionamentos acima, porque as respostas dependerão da dinâmica do
partido dentro da referida coalizão e do futuro governo, e suas respectivas
conseqüências, que podem ser positivas ou negativas.

Entendo que somente teremos respostas concretas, se ousarmos “assaltar os
céus” (ao decidirmos fazer disputas políticas eleitorais com reais condições de
vitória) assim como fizeram a esquerda na Rússia (ao decidir tomar o poder,
mesmo sabendo das dificuldades/obstáculos/desafios que teriam na condução
do governo), quando tivermos situações concretas para avaliarmos. Até porque
se ousarmos fazer disputas para ganhar – e não só para marcarmos posição –
e caso venhamos a ganhar as eleições, parte substancial dos questionamentos
acima, poderão ser respondidos na prática, dependendo muito da dinâmica do
partido dentro de uma coalizão.

Uma coligação e posteriormente a formação de um governo de coalizão (após
o término das eleições, outros partidos poderão se aproximar da coligação
vitoriosa nas urnas para tentarem fazer parte de apoio do novo governo, e com
isso, tentarem espaço institucional em troca de apoio no Legislativo) tanto
podem dar certo, como podem dar errado. É a dinâmica do processo das
relações e das condições políticas que podem ser conquistadas, é que
proporcionarão o sucesso ou o fracasso de um governo (aquilo que ele pôde
realizar e significar para a maioria da população) e com isso a própria coalizão
formada.

A coligação desenhada e implementada nas eleições de 2002, com Lula e José
de Alencar, que sofreu duras criticas por parte da esquerda partidária, mostrou-
se vitoriosa, não só nas eleições, mas também após o término do governo em
2010, após oito anos de governo. Sendo que o governo e o ex-presidente Lula,
tiveram índices altíssimos de aprovação popular, o maior da história já
registrado. Fato de reconhecimento internacional.

Portanto, entendo que, tentar responder alguns questionamentos – que são
legítimos – políticos, sem termos tido casos concretos para se
avaliar/refletir/discutir, está mais para um exercício de futurologia, do que
discussão e reflexão política de fato.

Hoje podemos refletir, discutir e escrever sobre o governo Lula (2003-2010),
mas não podemos fazer o mesmo discutindo como seria o governo de 1990
(caso tivéssemos sido eleito em 1989), até porque, não vencemos aquelas


                                                                              8
eleições, e como não vencemos aquela eleição, não temos bases para refletir e
discutir sobre como teria sido o nosso governo naquela época e naquele
cenário. O mesmo acontece com as eleições de 2010, quando tivemos Osmar
Dias encabeçando a nossa chapa para o governo do estado.

Como já escrevi anteriormente (ler texto Minha opção pela CNB), praticamente
toda a minha formação política partidária se deu dentro da tendência
Articulação de Esquerda, no qual reconheço que há um ótimo acúmulo de
discussões e formulações que poderiam servir, no mínimo, como base de
construção de debates e criticas por parte do coletivo da militância do partido,
no entanto, este ótimo acúmulo de discussões e formulações, não consegue
apresentar uma tática para qual o partido venha enfrentar todos aqueles
problemas/desafios, fazer disputa política eleitoral, ganhar eleições e governar,
sem termos que dialogar acerca de nosso programa, tendo, inclusive, de
recuarmos em algumas ou muitas bandeiras históricas do partido, e ainda
termos apoio legislativo e social para implementarmos o programa de governo
– que nesse cenário, seria um programa – digamos – bem a esquerda, aja visto
que não foi preciso flexibilizar o programa. (Fato que considero difícil, muito
difícil de acontecer, pois, nesse caso, faltaria apoio parlamentar e social –
levando em consideração que o apoio social (como são os apoios legislativos)
é relativo, aja visto a falta de consciência política por parte da maioria da
população, o que acarreta na falta de afinidade/identidade/alinhamento
ideológico).

Acima citei a minha ex-tendência, mas, como não poderia ser diferente,
estendo essa critica para todo o campo dito de esquerda do partido (que, como
não poderia ser diferente, tenho grande consideração, só não estou mais
compartilhando com os mesmos pensamentos dos que integram esse campo
partidário), que se apresentam como socialistas revolucionários, os
programáticos, mas, que, na hora de apresentar uma tática que possa dar
conta dos problemas/desafios do hoje, de fazermos uma disputa política
eleitoral com reais condições de vitória, sem, com isso, que haja perdas – no
sentido programático e até moral em alguns casos – tal campo também não
consegue apresentar tal tática.

Se um dos nossos problemas/desafios é alterarmos a correlação de forças,
para conseguirmos alterar o modo de produção (leia-se: capitalismo), está claro
que precisamos estabelecer um diálogo permanente com a sociedade, que
inclui demais partidos políticos, movimentos sociais e entidades de classe. E
esse diálogo abre portas para que sejam viabilizadas alianças, coligações e
futuros governos de coalizão. E a dinâmica (luta política) política não se
encerra na engenharia política da construção de chapas, programas de
governo e na ocupação de espaço institucional, mas, também, durante todo o
tempo do novo governo. É uma disputa política permanente. E é essa luta
política que possibilitará ou não, uma maior inserção do partido no governo,
uma implementação maior do programa do partido no determinado governo, a
imagem do partido perante a população, como parte de um governo de
coalizão, entre outros questionamentos, só poderão ser respondidos se houver
um cenário político real para ser analisado/questionado/refletido.



                                                                               9
Parto do pressuposto que o debate, as discussões, as teses, as formulações,
são fundamentais para nos dar a diretriz a seguirmos (enquanto partido),
porém, tais debates, discussões, teses e formulações precisam estar focadas
para resolvermos problemas de fundo, mas, sem perdermos de vista que
precisamos, também, dar respostas para problemas/desafios do hoje.
Problemas/desafios/obstáculos que não são apenas teóricos, mas práticos, do
mundo real.


Custo político versus defesa do governo

Em pontos anteriores, citei o custo político que por ventura pudesse existir,
como já houve, ao partido e ao governo para a defesa e sustentação do próprio
governo.

Não é segredo para ninguém que a burguesia quer o fracasso e a destruição
do governo. Ela, apenas nos tolera, mas não nos aceita no governo federal. O
mesmo ocorre com os partidos de direita (que representam os burgueses e as
alas mais conservadoras da sociedade) e com a grande imprensa.

A grande imprensa, aliada com os partidos políticos de direita, investiram
contra o governo Lula em vários momentos, como, por exemplo: na chamada
crise do mensalão, na derrubada da CPMF, e na tentativa de derrubar o
presidente do Senado Federal José Sarney. Tais tentativas tinham por tática o
sangramento do governo, até o ponto do governo perder as condições políticas
e, com isso, de continuar com forças para continuar governando até o fim, e se
chegasse ao fim, que antes não tivesse condições políticas e morais de tentar
se reeleger, e se tentasse a reeleição, que não conseguisse. Não tiveram
sucesso.

E a direita (partidos políticos e a grande imprensa) não teve sucesso, por dois
motivos principais: a) o PT e o governo foram responsáveis ao pagar o custo
político, e b) a população levou em conta as mudanças sociais e econômicas
que estavam tendo e/ou percebendo e não caíram no golpe da direita.

Irei me ater no exemplo na tentativa de derrubar o presidente do Senado José
Sarney.

A direita sempre soube do passado, do presente, e tudo o que José Sarney
(PMDB-AP) fez e faz na política local e regional, seja no Maranhão ou no
Amapá e no cenário nacional, através de sua atuação e influência no
Congresso Nacional. No entanto, começou uma campanha midiática, articulada
com os partidos que fazem oposição ao governo federal, para derrubar o
presidente do Senado José Sarney, e, conseqüentemente, conduzir ao cargo
de presidente do Senado o Marconi Perillo (PSDB-GO). E tentou derrubar
Sarney da presidência do Senado porque José Sarney era aliado do PT e do
governo federal, e como aliado, ajudava o Palácio do Planalto junto ao Senado,
que era uma casa legislativa onde o governo Lula tinha muita dificuldade, por
não ter maioria dos senadores e senadoras em sua base aliada.



                                                                            10
O objetivo da direita (grande imprensa, principalmente da Rede Globo, e dos
partidos de oposição) era derrubar o governo Lula, pois saindo José Sarney da
presidência do Senado, assumiria o senador Marconi Perillo do PSDB, e com
os poderes do presidente do Senado, ele poderia - e faria – de tudo para
prejudicar o governo Lula.

(Vale lembrar que a família de José Sarney tem um grupo de comunicação no
Maranhão, com sede em São Luis, e esse grupo de comunicação integra a TV
Mirante, que é afiliada da Rede Globo. Então, o objetivo não era destruir um de
seus aliados – ao a Rede Globo atacar José Sarney – mas uma tática, um
subterfúgio para atingir e derrubar o governo Lula).

Mesmo tendo que pagar o custo político de defender José Sarney na
presidência do Senado, debaixo dos intensos achaques da grande imprensa,
tanto o PT, como o governo Lula, deram um exemplo de clareza política, de
que, não aceitariam golpes, nem súbito posicionamento de paladinos e arautos
da ética por parte da grande imprensa e dos partidos de oposição, que sempre
sugaram as riquezas do país e não foram capazes – por causa de sua
ideologia – de possibilitarem um pouco de dignidade e de oportunidades ao
povo brasileiro.

Infelizmente, a história nos mostra que muitas pessoas, do campo da esquerda
e do PT (em nossa bancada no Senado não havia consenso. Para mim, muitos
estavam pensando apenas em como iriam se explicar os seus eleitores. O que,
para mim, é uma visão egoísta, pois desfocava a necessidade da defesa do
governo Lula, como um todo, e apenas pensava em si, em como aparecer na
imprensa, ...), demonstraram uma certa fraqueza e um certo egoísmo, ao
vacilarem na defesa de José Sarney naquele momento, que, na realidade, não
era uma defesa de Sarney, mas uma defesa do governo Lula, do simbolismo
da vitória do primeiro presidente do Brasil de origem operária, as mudanças
políticas na condução do governo, e todos os avanços que estávamos
implementando e que poderíamos continuar a implementar estando no
governo. Se o governo Lula fosse derrubado, não teríamos a primeira mulher,
de esquerda, que lutou contra a ditadura militar, na presidência da República
Federativa do Brasil. Tudo o que aconteceu, está acontecendo e que poderá
acontecer no, agora, governo Dilma e em outros governos, inclusive com a
reeleição da presidenta Dilma, é fruto da defesa que houve ao José Sarney
naquele período.

As palavras de Ricardo Berzoini, então presidente nacional do PT, em uma
entrevista ao jornal O Globo, em 24/08/2009, foram que “O PT defende a ética,
mas não trata a ética como se fosse uma questão isolada da política”. Talvez
os arautos da ética no partido, e na esquerda como um todo, devessem refletir
nessa frase e procurar ler toda a entrevista de Berzoini. O então presidente do
PT diz, também, que “A questão é não cair em armadilha e facilitar o trabalho
da oposição” e que “O PT não pode ser ingênuo e entrar nesse joguete”.

Tendo consciência da importância de um governo, como, por exemplo, foi o
governo Lula e é o governo Dilma agora, temos que ter, enquanto partido e
enquanto indivíduos no Legislativo, que poderá haver – como houve –


                                                                            11
situações em que se exigirá responsabilidade, tanto do partido, como de
nossas bancadas, e do governo, para pagarmos o custo político tendo por
objetivo a defesa do governo e da manutenção da base de apoio no
parlamento.



Breve consideração à estratégia partidária de 1995 até hoje

Algumas pessoas, ditas do campo mais à esquerda do partido, fazem critica a
estratégia de centro esquerda, adotado pelo partido a partir de 1995, ao
dizerem que diante do cenário mundial – incluindo aqui no Brasil – da piora nas
condições objetivas e subjetivas, nos anos 90, fizeram com que algumas
pessoas começassem a elaborar uma nova estratégia partidária, optando,
então, por abandonar os propósitos revolucionários e socialistas. Para essas
pessoas - talvez campo partidário mais a esquerda, em si – o ideal, o mais
apropriado seria prosseguir na elaboração estratégica já construída nos 1980,
fazendo adequações estratégicas a um novo período histórico, que seria
marcado pela crise do socialismo e pela ofensiva neoliberal.

Os principais pontos de critica seriam:

a) O PT foi deixando de se apresentar (publicamente), como partido socialista,
abandonando estrategicamente o socialismo, para lutar contra o neoliberalismo
(antes a luta era contra o capitalismo);

b) Abandono do conceito de “revolução” e de conquista do poder;

Resumo da ópera: os ditos mais à esquerda do partido queriam radicalizar em
um momento em que as condições objetivas e subjetivas eram bem ruins.

Entendo que, se as condições objetivas e subjetivas são bem desfavoráveis
(como era os anos 1990), o radicalismo em vez de ajudar, só iria atrapalhar, o
que contribui para fortalecer ainda mais o campo adversário. E como
conseqüência, enfraquecer-nos ainda mais.

Se havia uma crise do socialismo e uma ofensiva neoliberal – tanto em nível
nacional como mundial, nos anos 90 – então qual seria o nosso adversário? O
neoliberalismo (que é, se assim posso dizer, a face mais perversa do
capitalismo). Sendo o neoliberalismo o instrumento do capitalismo que visava e
visa uma maior opressão e exploração no cotidiano da população, é importante
denunciá-lo e fazer o devido enfrentamento, com propostas que visem a sua
eliminação. Escrever e/ou discursar contra o capitalismo nessas condições,
sem termos a oportunidade de fazermos o enfrentamento real, objetivo, contra
o neoliberalismo, seria apenas bravata. Hoje, a política é outra, porém, só
estamos em condições de implementá-la, e com isso fazer o devido
enfrentamento contra o neoliberalismo, é porque soubemos usar a melhor
tática.




                                                                            12
Quanto a critica do abandono da conquista do poder, vale a pena lembrar que
somos um partido político, e partidos políticos só nascem com o objetivo de
tomarem o poder. Se assim não for, não a razão de existirem partidos políticos.
Para os que, realmente abandonaram esse objetivo (tomar o poder), precisam,
em meu entender, rever o porquê de ainda estar em um partido político.

A questão da tomada de poder, ou a luta para se tomar o poder, é fundamental
para um partido, ainda mais ele se declarando socialista, como é o caso do
Partido dos Trabalhadores em sua resolução após o 4º Congresso
Extraordinário. Se quisermos construir outra sociedade (socialista), em que não
haja mais exploração e nem opressão, isso só será possível se tivermos poder
(poder de fazer as mudanças estruturais necessárias – que passa pela
construção da hegemonia). E nesse caso, entendo apropriado ressaltar que, o
campo majoritário, tendo – logicamente, em conseqüência de ser “majoritário” –
a maioria do partido e conseqüentemente a maioria dos delegados e das
delegas no 4º Congresso e no 4º Congresso Extraordinário, votaram e
aprovaram o texto de resolução política em que diz que o objetivo do PT é o
socialismo. Se o entendimento é esse, como deixa claro a resolução, e sendo a
construção do socialismo uma mudança política econômica social cultural, só é
possível, então, se houver a tomada de poder. Por isso, a critica sobre o
abandono, pelo partido, sobre a tomada de poder, carece, entendo eu, de
sustentação.


Em relação à “revolução”, analiso-a no tópico abaixo.



O que é ser revolucionário hoje

Quando lemos ou ouvimos a palavra revolução, uma parte dos indivíduos tende
a pensar em um ato de mudança significativa na estrutura social que envolve
mudanças nos aspectos das instituições sociais, e o aprofundamento ou a
implementação de uma outra cultura, com outros valores e princípios. Nesse
sentido, a revolução seria um ato de ruptura abrupta, violenta, para a tomada
de poder e para o seu conseqüente estabelecimento. Nessa linha de
pensamento, revolucionário seria o indivíduo que não aceita a ordem
estabelecida e luta para que a revolução aconteça para mudar a estrutura
social então vigente.

Nosso entendimento, tendo por base o pensamento acima, de revolução está
diretamente ligado aos conceitos e fatos históricos europeus. Esse é um ponto.
Outro ponto é que tais revoluções aconteceram em um determinado período
histórico. Que é, diga-se de passagem, completamente diferente do cenário
(período histórico em que vivemos) atual.

Tendo isso em vista é que o professor Doutor Nildo Ouriques (UFSC), na
semana acadêmica de ciências sociais da UFPR, em 2009, disse que é preciso
deixar de ter o pensamento e a diretriz do que é revolução, somente com base
na teoria de europeus (o que é conhecido como pensamento “eurocêntrico”),


                                                                            13
mas, que é fundamental olharmos, estudarmos e refletirmos sobre as
experiências que estão acontecendo na América Latina.

E como sabemos, na América Latina não houve nenhuma revolução – dentro
do que se conhece por revolução no pensamento eurocêntrico - no entanto, o
professor Ouriques chamava a atenção para o processo em curso de algumas
mudanças, através de governos eleitos, na linha política de alguns países
latino-americanos, que tende a fazer o enfrentamento com a ordem
estabelecida.

A ordem estabelecida (o capitalismo) ainda é a ordem em vigor, não houve,
portanto, mudança na estrutura social nos países da América Latina, no
entanto, o que ninguém pode desconsiderar é que, na atual situação, eleger
governos de origem de esquerda – mesmo que na configuração dos governos,
haja representantes de outros setores e até de outra classe – são fatos de
suma importância, para que a sinalização de que outra política não só é capaz
de fazer o enfrentamento – político – com o atual sistema, como um fator
fundamental para a continuidade de se acumular força social e política
(construção da hegemonia) para que consigamos as condições necessárias
para a realização das mudanças estruturais na sociedade. Outro ponto que
ninguém pode negar, é que, apesar das limitações, os governos de esquerda
da América Latina estão conseguindo melhorar a vida dos indivíduos em seus
respectivos países.

O que vejo, hoje (pois reconheço que cometia o mesmo equivoco de
entendimento), é que muitos querem ser conhecidos como revolucionários,
querem fazer a revolução, gostam de usar bordões anti a ordem estabelecida,
contra a burguesia, contra agregar forças para enfraquecer o adversário, etc...,
e esquece de ver, de analisar, de refletir, que tais atos fazem o efeito contrário,
ou seja, em vez de ajudar o objetivo de enfraquecer o adversário, contribuem
para mantê-lo onde está e/ou fortalecê-lo.

É claro, no entanto, que uma revolução no conteúdo de ruptura abrupta,
violenta, para a tomada de poder e para o seu conseqüente estabelecimento
seria, digamos, o ideal, para romper de vez com a ordem estabelecida. E uma
revolução dessa forma é preciso ter maioria e/ou as condições propicias para
tal fato. Nesse sentido, ao tomar o poder, ter-se-ia, pelo menos, as condições
políticas para se implementar uma nova política. (As condições materiais é
outro fator).

Os revolucionários, então, seriam os que estariam no movimento revolucionário
contribuindo para com a revolução.

Já uma revolução na forma de ruptura abrupta, violenta, não seria positivo para
a classe trabalhadora, pois quem se beneficia da violência em si, é justamente
a direita.

Portanto, entendo que a questão não é essa (do que é revolução e ser
revolucionário hoje, e se a revolução teria que ser violenta ou não), mas, no
tamanho do desafio de governar (sendo eleito, e não tomando o poder, e sem


                                                                                14
maioria partidária e ideológica no parlamento e na sociedade), em um cenário
muito problemático, adverso, e tendo que dar respostas práticas e de certa
forma rápida, para a população, que em sua imensa maioria não tem
consciência de classe, e tendo que conviver, no cotidiano, com as contradições
de estar no governo, tendo o partido o seu programa, mas, tendo que fazer
certas concessões e acordos para obtenção de apoios, e ainda contribuir para
com a politização da população, fazendo parte de coalizões.

Diante dessa problematização resumida, entendo que ser revolucionário, hoje
em dia, não é gritar palavras de ordem, dizer que é contra certas políticas, por
entender que, por exemplo, a Educação tem que ser pública e gratuita. Creio
que todos e todas no partido, ou pelo menos a maioria, pensa e defende essa
posição, no entanto, precisamos incluir a maioria da população, que sempre
esteve à margem do sistema educacional e das políticas públicas no geral, em
um cenário em que não temos as condições de sairmos construindo todas as
Universidades, extensões necessárias, escolas técnicas e demais instituições
necessárias. Então, ser revolucionário é um indivíduo que não concorde e/ou
aceite a ordem estabelecida, mas, que saiba fazer uma leitura do cenário atual
e contribua para que possamos – enquanto classe e enquanto partido – ter a
melhor tática, para cada momento, com o propósito de enfraquecermos e
derrotarmos os nossos adversários, e com isso, possamos trabalhar na
construção da hegemonia para que possamos ter as condições objetivas de
rompermos, de vez, com a ordem e começarmos a implementar as mudanças
estruturais na sociedade. Nesse sentido, faz-se necessário a parceria, ou uma
certa parceria, com o empresariado, como, por exemplo, foi o ProUni, agora,
com o Pronatec. E faz-se necessário porque precisamos, urgentemente, mas
cientes do tamanho dos passos que possamos dar, incluir uma grande parte da
população que sempre esteve relegado pelo Estado, à Educação e aos demais
direitos.

(Não confundir as palavras ditas até aqui como uma exaltação para que nós
sejamos indivíduos adesistas, acríticos, governistas, e afins, mas, sermos
críticos e conscientes de que temos que dar respostas práticas e rápidas para
a população, por isso, a necessidade de debates e formulações que tenham
como intenção a construção de uma tática que nos permita chegarmos à
lugares que poderemos, mesmo com as limitações, dar algumas respostas
práticas, e o mais importante, fazer com que as pessoas vejam a mudança de
política, que, mesmo que não venhamos a ter condições de darmos as
respostas que as pessoas queriam, e naquela hora, que elas possam, ao
menos, notar, perceber e sentir, que conosco, (fazer) a política é diferente. Ao
partido cabe o papel de pensar, de refletir, de discutir, de formular, de criticar e
pressionar o governo, inclusive governos em que fazemos parte, porém, com
responsabilidade, aja visto, por exemplo, que no âmbito nacional, o PT é o
principal partido de apoio ao governo).

Entendo que, realidades diferentes requerem atitudes e políticas diferentes, ou
seja, dependendo do cenário, usam-se táticas diferentes. Sem, contudo, que
isso signifique mudanças de rumo.




                                                                                 15
A história já nos deu vários exemplos em que a esquerda esteve ao lado, por
exemplo, da burguesia e de ditadores fascistas. Contra o feudalismo, a
esquerda esteve ao lado da burguesia. A esquerda também esteve no apoio da
campanha do “queremismo”, em 1945, que visava apoiar o ditador fascista (ou
semifascita) Getulio Vargas, por entenderem que, naquele momento, a
permanência de Getulio Vargas poderia proporcionar avanços sociais.

Não entendo que, ao a esquerda decidir por tais caminhos em momentos
históricos diferentes, ela não estava perdida, sem rumo, mas pelo contrário, ela
estava vislumbrando a melhor tática para obter melhores condições de luta.
Podemos concordar ou não de tais decisões, mas não podemos dizer que eles
deixaram de ser esquerda por terem tomado um rumo que, hoje, podemos não
concordar.

Recentemente, em 2010, havia indivíduos que eram contra o PT fazer aliança
com o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) porque tais
aliados não iriam querer no programa de governo, e muito menos uma possível
execução do governo federal, em prol da reforma agrária, da reforma política,
da democratização da comunicação, por exemplo.

No entanto, esqueciam que o PMDB fazia parte do governo federal desde o
primeiro mandato. E se o entendimento é que o governo Lula, em seu segundo
mandato (com uma política mais desenvolvimentista), foi melhor do que o
primeiro, então deveríamos essa melhora ao PMDB?

O fato é que, se o primeiro mandato, até por conta do cenário, foi mais
moderado do que o primeiro, não pode ser atribuído aos nossos aliados,
inclusive ao PMDB, mas, sim, ao próprio PT e de alguns personagens petistas
que tinham – e continuam tendo – uma visão liberal (por exemplo, a indicação
e a sustentação de Henrique Meireles no Banco Central, e a do Antonio Palocci
na Fazenda, não foram indicações de aliados). O que limitava, ainda mais, as
ações do governo. (Lembrando, também que essa visão liberal tem haver com
financiamento de campanhas, pois campanhas eleitorais custam caro, e só
pode financiar campanha que tem grana, e quem tem recursos é a burguesia,
que por sua vez, tem um pensamento liberal. Está aí a base da defesa do
financiamento público de campanhas).

Posicionar-se contra o PMDB, por exemplo, seria conduzi-lo para os braços da
oposição, fazendo o inverso, fortalecendo a oposição e enfraquecendo-nos. É
claro, também, que, como são aliados, eles não pensam como nós e nós não
pensamos como eles, agora, se quisermos ser governo, ambos os lados
precisam conversar e construir um programa juntos, e quem tiver mais peso
político poderá influenciar mais ou menos no programa e no governo. Essa é a
vida real.

Pensar dessa forma, como também pensou a esquerda no passado, quando
tiveram que tomar decisões políticas, eles estavam usando táticas diferentes
para cenários também diferentes. Porém, creio que a esquerda não estava
perdida, mas tinha um rumo. (Ter um rumo, mas não ter condições de
implementar nada, não contribui para mudar a realidade social, que é, diga-se


                                                                             16
de passagem, o objetivo da esquerda. Para mudar ou tentar mudar a realidade,
é preciso ter as condições objetivas. Caso contrário, só restara o discurso para
a esquerda).

Ser revolucionário, hoje, é, no mínimo, compreender o momento histórico em
que estamos vivendo, ter ciência dos problemas/desafios que limitam nossa
atuação e ter consciência de que uma revolução abrupta, violenta, na forma e
no conteúdo, não se constrói do dia para a noite, e que, por isso, é preciso
trabalhar para que possamos derrotar nossos adversários, sempre que
possível, com o objetivo de fortalecer o campo da esquerda, contribuindo para
a correlação de forças, que nos dará condições de construirmos a (contra)
hegemonia, até construirmos as condições objetivas para as mudanças
estruturais na sociedade.

O PT, consciente da realidade em que vivemos, deixou claro na resolução
política após o 4º Congresso do partido, que é um partido de esquerda e
socialista, e que tem responsabilidade para com o Brasil e para com os
brasileiros e brasileiras, por isso, considera fundamental a manutenção e o
fortalecimento da base aliada que dá sustentação ao governo Dilma.

Nos jornais do dia 10/11/2011, como, por exemplo, veiculado no portal R7, há a
informação que a presidenta Dilma, ao se encontrar com o vice-presidente
Michel Temer e com o líder do PMDB na Câmara dos Deputados Henrique
Eduardo Alves, mostrou a “importância da palavra e dos acordos nas relações
políticas”, segundo o líder do PMDB na Câmara. O que demonstra a
consciência da importância que o PT e o governo federal têm em relação aos
partidos da base aliada no Congresso Nacional.


Eleições 2012

Sobre as eleições municipais de 2012, creio que todos e todas reconhecem
que o PT tem excelentes nomes para concorrer à prefeitura de Curitiba. E
também um ótimo projeto para a cidade. No entanto, a disputa para a prefeitura
não pode ser confundido com as eleições partidárias, que são internas ao
partido.

Para a disputa na sociedade, é fundamental ouvirmos o que a sociedade
pensa, e tem a dizer sobre o que ela entende, sente ou pensa achar sobre os
assuntos que a envolvem no cotidiano. E se em nosso programa de governo,
ou pré programa de governo há pontos que a sociedade discorda ou quer
alguma modificação, por que não fazer essa adaptação? O mesmo quanto a
nomes. Se a população, em sua maioria, já deu mostras de que até hoje, não
está disposta em votar em candidatos e candidatas do PT à prefeitura de
Curitiba, porque insistirmos em apresentar nomes que a população já deu
mostras de que não elegerá a prefeitura.

Se a conjuntura não está a nosso favor, aja visto que o PT municipal sempre
lançou candidatura majoritária, em vários cenários e situações diferentes,
como, por exemplo, quando saímos com candidatura própria praticamente


                                                                             17
sozinhos, com ampla coligação, e o resultado sempre foi, até hoje, o mesmo:
nossa derrota eleitoral, e aja visto a péssima percentagem de votos obtidos nas
eleições anteriores (2008) na majoritária – que refletiu na proporcional – e
diante das intenções de votos até agora divulgados por pesquisas, está claro
que, independente de nomes, a maioria da população está decidida a não votar
– pelo menos até hoje – em candidatura encabeçada pelo Partido dos
Trabalhadores, então, porque não tentarmos vencer o adversário (partindo do
pressuposto que o inimigo é o capitalismo) participando de coligação em que o
PT não será o cabeça de chapa? Sendo o objetivo do PT de Curitiba vencer as
eleições municipais, entendo que o partido não pode deixar a oportunidade de
uma possível aliança se perder.

A saída do Gustavo Fruet do PSDB, e seu ingresso no PDT, partido da base
aliada do governo federal, e sua percentagem de intenção de votos, segundo
pesquisas, aliada a sua disposição de fazer o (ou um certo ) enfrentamento ao
atual grupo político que está, no momento, no governo municipal e estadual,
(na conjuntura atual) torna-o um potencial aliado para os objetivos do PT, que é
mostrar para a população curitibana e da região metropolitana que é possível
ter uma outra lógica na administração do governo municipal de Curitiba, e que
essa outra política poderá beneficiar os moradores da região metropolitana.

Estou convicto que uma possível coligação do PT com o Gustavo Fruet é a
melhor alternativa para construirmos uma candidatura própria para eleições
municipais posteriores – respeitando as eleições que, numa coligação, e se
Fruet ganhando, poderá candidatar-se à reeleição – por isso, quando
procurado, não assinei apoio pró pré-candidatura de um companheiro que
postula a intenção de disputar as eleições do ano que vem pelo partido.

Como bem postou o companheiro Tadeu Veneri (que, respeitosamente, cito-o)
na sua página no Facebook no dia 16/10/2011 “A revolução não se faz com
grandes vitorias, mas pequenas vitorias todos os momentos. CHE GUEVARA.

Entendo que está na hora de começarmos a disputar as eleições para
ganharmos (quase ganhamos com a candidatura de Ângelo Vanhoni, mas,
ficamos no quase), e para isso, precisamos das condições objetivas para isso.
E as condições objetivas para derrotarmos os nossos adversários está, hoje,
numa possível aliança com Gustavo Fruet, que poderá proporcionar “pequenas
vitórias”, e quem sabe “em todos os momentos” na condução do governo
municipal (se fizermos a aliança e se ganharmos) e quem sabe, em outros
momentos, dependendo do relacionamento político que possivelmente
venhamos a ter.

É claro, no entanto, que no partido há todo um processo de discussão e
amadurecimento de idéias que culminam na decisão final (o que é positivo),
porém, é importante levar em conta a conjuntura nacional, estadual e municipal
e nossas reais chances de sairmos vitoriosos numa possível candidatura
própria. Para mim, está claro, que, diante o atual cenário, o lançamento de uma
candidatura própria, não nos levará, possivelmente, nem ao segundo turno. (É
o que indica as pesquisas até aqui). E se assim for, estaremos desperdiçando
a oportunidade de, com aliança, chegarmos à prefeitura. E aliado a isso, ainda


                                                                             18
prejudicarmos as eleições proporcionais. (Meu entendimento pode estar
errado? Sim, pode. Mas também pode estar correto. E se este entendimento
estiver correto, nós, então, desperdiçaríamos uma grande oportunidade de
causarmos uma grande derrota a direita, que governa o município há décadas,
além de colocarmos em risco as nossas candidaturas proporcionais, que
poderiam, dependendo dos resultados, serem seriamente prejudicadas, e com
isso, o conjunto do partido em Curitiba. Tudo isso precisa ser analisado e
refletido, principalmente, aos que fazem duras defesas pela tese da
candidatura própria).

Como estou convicto de que uma possível aliança com o Gustavo Fruet é a
melhor tática para o PT, também estou convicto de que o PT também é
importante para o Gustavo Fruet, pois o partido tem muitas coisas a oferecer
ao Fruet. O que não quer dizer que um ou outro deva “jogar-se” nos braços do
outro assim, de forma abrupta, até porque política não se faz dessa forma, é
preciso muita conversa, muita negociação. Peso político o PT tem, então, é
fundamental que os interlocutores do partido, ao fazerem as conversas, no seu
devido tempo, possam colocar o devido peso partidário para que o PT não
venha a ser apenas um coadjuvante numa possível aliança, mas que seja
também um protagonista na disputa pela prefeitura de Curitiba, e alinharmos a
política municipal à política nacional, para que a população venha a ser cada
vez mais beneficiada.

Por mais criticas que eu possa receber por parte de alguns, essa lógica, vale
ressaltar, está baseado na Resolução Política aprovada no 4º Congresso
Extraordinário, que diz que a “Nossa política para esta disputa tem como centro
fortalecer o nosso projeto de país, aprofundar o enraizamento do PT nos
municípios, e consolidar a aliança com os partidos da base de sustentação do
governo Dilma”. É claro, no entanto, que ...”O PT priorizará o lançamento de
candidaturas próprias nas principais cidades do país, nas cidades em que
governa e onde representa a melhor chance de vitória do campo progressista”.
No entanto, segue “Como partido que busca alianças para suas vitórias, o PT
poderá também apoiar candidaturas de outros partidos governistas”. O apoio
do PT dá-se em alguns critérios, como “...a identidade programática, a
solidariedade com o nosso projeto nacional e a viabilidade eleitoral”.

Entendendo que a “identidade programática” não quer dizer que o possível
aliado(a) sempre tenha pertencido ao mesmo campo social (esquerda) que o
nosso, e nem que tenha que compartilhar de todos os nossos pontos de vista,
mas, sim, que esteja disposto a aceitar alguns posicionamentos que são
nossos. Um exemplo é a aliança com o Eduardo Paes, ex-PSDB que hoje está
no PMDB, que é aliado do PT no Rio de Janeiro. Eduardo Paes quanto
deputado federal pelo PSDB fez um duro e desproporcional ataque ao nosso
governo, no entanto, a política não se faz com o estômago, e hoje, Eduardo
Paes , o PT e o governo federal são aliados. O que não quer dizer que Eduardo
Paes esteja pensando como nós pensamos, e nem vice-versa, apenas quer
dizer que, hoje, somos aliados. E como aliados impuseram derrotas aos seus
adversários locais (Cesar Maia). Por isso, entendo que, aqui, nós também
podemos ser aliados de Gustavo Fruet e vice-versa (e com isso, teremos a
oportunidade de derrotarmos nossos adversários locais aqui - Ducci e,


                                                                            19
conseqüentemente, o Beto Richa, e com isso, enfraquecermos o Richa para as
eleições de 2014). Porém, repito, nada pode ser feito de forma abrupta, é
preciso discussão interna, no entanto, estou convicto que poderemos ter a
maior oportunidade, após aquela quase vitória de Vanhoni, para chegarmos à
prefeitura de Curitiba com uma possível aliança com Gustavo Fruet. E aliado a
(possível) derrota de nossos adversários locais (com a possível coligação com
Gustavo Fruet), estaremos contribuindo para a “...construção de uma
correlação de forças favorável às eleições de 2014”


Como esse texto é de opinião e assinado por mim, ele apenas reflete a minha
opinião, no cenário e perspectivas de hoje, e não a opinião de outros
companheiros e companheiras que, por ventura, concordem com comigo.



Claudio Rossano Ritser, atualmente membro do diretório estadual, secretário
de formação política da regional Boqueirão e membro do coletivo de gestores
de formação política do PT-PR.




                                                                          20

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Artigo: Tática para hoje, por Claudio Ritser

GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006
GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006
GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006Dagobah
 
Perguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que correPerguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que correGRAZIA TANTA
 
PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)
PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)
PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)PT Paraná
 
Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...
Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...
Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...Aniervson Santos
 
Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...
Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...
Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...FecomercioSP
 
Reforma Política
Reforma PolíticaReforma Política
Reforma PolíticaPT Paraná
 
POLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docx
POLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docxPOLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docx
POLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docxfelipe berte freitas
 
Aula dissertação 1 e 2010
Aula dissertação 1 e 2010Aula dissertação 1 e 2010
Aula dissertação 1 e 2010iara oborges
 
Em busca de uma nova esquerda
Em busca de uma nova esquerdaEm busca de uma nova esquerda
Em busca de uma nova esquerdaRoque Ronald Jr.
 
DocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil Atual
DocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil AtualDocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil Atual
DocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil AtualEliseu Almeida
 
Apresentacao livro mauricio
Apresentacao livro mauricioApresentacao livro mauricio
Apresentacao livro mauricioPierre Lucena
 
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma política
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma políticaColuna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma política
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma políticaJúlia Dutra
 
PT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presente
PT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presentePT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presente
PT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presenteTiago de Andrade
 
Quem é o seu líder e com quem eu negocio? Dilemas do defasado sistema políti...
Quem é o seu líder e com quem eu negocio?  Dilemas do defasado sistema políti...Quem é o seu líder e com quem eu negocio?  Dilemas do defasado sistema políti...
Quem é o seu líder e com quem eu negocio? Dilemas do defasado sistema políti...Marcelo Pilon
 
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiroAnálise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiroJean Michel Gallo Soldatelli
 
O DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTER
O DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTERO DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTER
O DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTERAdauto Bitencourt Filho
 
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiroAnálise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiroJean Michel Gallo Soldatelli
 

Semelhante a Artigo: Tática para hoje, por Claudio Ritser (20)

GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006
GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006
GLOSSÁRIO DA 'ERA LULA' 2006
 
Perguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que correPerguntas óbvias no momento que corre
Perguntas óbvias no momento que corre
 
PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)
PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)
PED- Roteiro Plenárias de Filiação (2)
 
Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...
Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...
Política Pública e Movimentos Sociais: uma discussão do povo, com o povo e pa...
 
Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...
Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...
Seminário A Reforma Política Brasileira, 04/06/2009 - Apresentação de Marco M...
 
Textos livres
Textos livresTextos livres
Textos livres
 
Reforma Política
Reforma PolíticaReforma Política
Reforma Política
 
POLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docx
POLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docxPOLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docx
POLÍTICA É PARA TODOS (GABRIELA PRIOLI).docx
 
Aula dissertação 1 e 2010
Aula dissertação 1 e 2010Aula dissertação 1 e 2010
Aula dissertação 1 e 2010
 
Em busca de uma nova esquerda
Em busca de uma nova esquerdaEm busca de uma nova esquerda
Em busca de uma nova esquerda
 
Articulação unidade na luta
Articulação unidade na lutaArticulação unidade na luta
Articulação unidade na luta
 
DocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil Atual
DocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil AtualDocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil Atual
DocumentoEntrevista do Diretor do Vox Populi ao Rede Brasil Atual
 
Apresentacao livro mauricio
Apresentacao livro mauricioApresentacao livro mauricio
Apresentacao livro mauricio
 
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma política
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma políticaColuna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma política
Coluna do Senador Aécio Neves da Folha - Reforma política
 
Discurso
DiscursoDiscurso
Discurso
 
PT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presente
PT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presentePT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presente
PT e a "síndrome do Flamengo", mito de origem e dilemas do presente
 
Quem é o seu líder e com quem eu negocio? Dilemas do defasado sistema políti...
Quem é o seu líder e com quem eu negocio?  Dilemas do defasado sistema políti...Quem é o seu líder e com quem eu negocio?  Dilemas do defasado sistema políti...
Quem é o seu líder e com quem eu negocio? Dilemas do defasado sistema políti...
 
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiroAnálise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
 
O DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTER
O DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTERO DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTER
O DISCURSO POLÍTICO NAS HASHTAGS #FORATEMER E #TCHAUQUERIDA NO TWITTER
 
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiroAnálise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
Análise do comportamento eleitoral e identidade ideológica do povo brasileiro
 

Mais de PT Paraná

Cargos de Chefia
Cargos de ChefiaCargos de Chefia
Cargos de ChefiaPT Paraná
 
Boletim SACE Prazos
Boletim SACE PrazosBoletim SACE Prazos
Boletim SACE PrazosPT Paraná
 
Tabelas de Contribuição Partidária
Tabelas de Contribuição PartidáriaTabelas de Contribuição Partidária
Tabelas de Contribuição PartidáriaPT Paraná
 
Autorização SACE
Autorização SACEAutorização SACE
Autorização SACEPT Paraná
 
PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)
PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)
PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)PT Paraná
 
O Decênio que mudou o Brasil
O Decênio que mudou o BrasilO Decênio que mudou o Brasil
O Decênio que mudou o BrasilPT Paraná
 
Passo a passo novas filiações Sisfil
Passo a passo novas filiações SisfilPasso a passo novas filiações Sisfil
Passo a passo novas filiações SisfilPT Paraná
 
Manual de Instruções do Horário Eleitoral Gratuito
Manual de Instruções do Horário Eleitoral GratuitoManual de Instruções do Horário Eleitoral Gratuito
Manual de Instruções do Horário Eleitoral GratuitoPT Paraná
 
Orientações sobre os balancetes mensais
Orientações sobre os balancetes mensaisOrientações sobre os balancetes mensais
Orientações sobre os balancetes mensaisPT Paraná
 
Formulário Eleições 2012
Formulário Eleições 2012Formulário Eleições 2012
Formulário Eleições 2012PT Paraná
 
Cartilha JPT Eleições 2012
Cartilha JPT Eleições 2012Cartilha JPT Eleições 2012
Cartilha JPT Eleições 2012PT Paraná
 
Estatuto do PT
Estatuto do PTEstatuto do PT
Estatuto do PTPT Paraná
 
Regulamento Encontros Setoriais 2012
Regulamento Encontros Setoriais 2012Regulamento Encontros Setoriais 2012
Regulamento Encontros Setoriais 2012PT Paraná
 
Código de Ética
Código de ÉticaCódigo de Ética
Código de ÉticaPT Paraná
 
Carta de Princípios PT
Carta de Princípios PTCarta de Princípios PT
Carta de Princípios PTPT Paraná
 
Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...
Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...
Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...PT Paraná
 
Revista Interior - A transparência em foco
Revista Interior - A transparência em focoRevista Interior - A transparência em foco
Revista Interior - A transparência em focoPT Paraná
 

Mais de PT Paraná (20)

Cargos de Chefia
Cargos de ChefiaCargos de Chefia
Cargos de Chefia
 
Boletim SACE Prazos
Boletim SACE PrazosBoletim SACE Prazos
Boletim SACE Prazos
 
Tabelas de Contribuição Partidária
Tabelas de Contribuição PartidáriaTabelas de Contribuição Partidária
Tabelas de Contribuição Partidária
 
Autorização SACE
Autorização SACEAutorização SACE
Autorização SACE
 
PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)
PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)
PED Roteiro Plenárias de Filiação (1)
 
O Decênio que mudou o Brasil
O Decênio que mudou o BrasilO Decênio que mudou o Brasil
O Decênio que mudou o Brasil
 
Passo a passo novas filiações Sisfil
Passo a passo novas filiações SisfilPasso a passo novas filiações Sisfil
Passo a passo novas filiações Sisfil
 
Manual de Instruções do Horário Eleitoral Gratuito
Manual de Instruções do Horário Eleitoral GratuitoManual de Instruções do Horário Eleitoral Gratuito
Manual de Instruções do Horário Eleitoral Gratuito
 
Orientações sobre os balancetes mensais
Orientações sobre os balancetes mensaisOrientações sobre os balancetes mensais
Orientações sobre os balancetes mensais
 
Formulário Eleições 2012
Formulário Eleições 2012Formulário Eleições 2012
Formulário Eleições 2012
 
Cartilha JPT Eleições 2012
Cartilha JPT Eleições 2012Cartilha JPT Eleições 2012
Cartilha JPT Eleições 2012
 
Manifesto
ManifestoManifesto
Manifesto
 
Estatuto do PT
Estatuto do PTEstatuto do PT
Estatuto do PT
 
Regulamento Encontros Setoriais 2012
Regulamento Encontros Setoriais 2012Regulamento Encontros Setoriais 2012
Regulamento Encontros Setoriais 2012
 
Manifesto PT
Manifesto PTManifesto PT
Manifesto PT
 
Estatuto PT
Estatuto PTEstatuto PT
Estatuto PT
 
Código de Ética
Código de ÉticaCódigo de Ética
Código de Ética
 
Carta de Princípios PT
Carta de Princípios PTCarta de Princípios PT
Carta de Princípios PT
 
Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...
Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...
Caderno de Textos do seminário “Por um Novo Marco Regulatório para as Comunic...
 
Revista Interior - A transparência em foco
Revista Interior - A transparência em focoRevista Interior - A transparência em foco
Revista Interior - A transparência em foco
 

Artigo: Tática para hoje, por Claudio Ritser

  • 1. Tática para o hoje 17/11/2011 Por Claudio Rossano Ritser Este texto foi distribuído na reunião do Diretório Municipal em 17 de novembro de 2011. “Quem passou por situações tão difíceis e negativas, como a ditadura militar e a hegemonia neoliberal, sabe valorizar mais os avanços atuais no Brasil, por pequenos que sejam, diante da herança pesada que recebemos e da difícil virada que o país está conseguindo realizar”. (Emir Sader, em seu perfil no Facebook, dia 10/11/2011). Quando escrevi o texto “Minha opção pela CNB” (28 de junho de 2011) recebi diversas manifestações, umas me parabenizando, outros se dizendo surpresos, mas me desejando sucesso em minha nova tendência, outras me criticando e outras fazendo algumas ponderações, até para tentar entender melhor meu posicionamento/decisão. Há outros que preferiram criticar-me pelas costas. Em respeito e consideração pelos que decidiram fazer ponderações, quanto à minha decisão, e até para aprofundar um pouco mais as argumentações referentes a minha decisão – em optar pela Construindo um Novo Brasil – é que escrevo tal texto. Portanto, tal texto não tem pretensões, a não ser, tentar esclarecer um pouco melhor os motivos políticos que fizeram, e que estão fazendo, com que eu esteja fazendo uma releitura do cenário, das condições objetivas, com meu entendimento anterior. (Aproveito a oportunidade, para, também, expor minha opinião quanto a tática para as eleições de 2012 ao Diretório Municipal - nessa data). Cenários e problemas a serem enfrentados Sempre quando alguém toma uma decisão, agradará alguns e desagradará outros. O importante, em meu entender, não é o fato de agradar ou desagradar pessoas e/ou grupos, mas, sim, o fato de tentar construir e/ou decidir por uma tática que possibilite a implantação de um projeto diferenciado, nem que para isso seja necessário, desidratar um pouco o programa para que se obtenha alguns avanços. Os problemas colocados a nós são (não necessariamente nessa ordem): a) o sistema político eleitoral está estabelecido, e ele não nos favorece; b) o 1
  • 2. pensamento hegemônico na sociedade é de direita; c) a correlação de forças na sociedade é desfavorável à nós; d) a maioria esmagadora dos eleitores não leva em conta, na hora de votar, o projeto político; e) a generalização pejorativa da “classe política”; f) ataques e confusões teóricas políticas por parte da grande imprensa contra a esquerda; g) o pluripartidarismo, que seria um fator positivo em uma sociedade democrática, contribui para o fisiologismo; h) o poder da grande imprensa; i) o poder do mercado financeiro; j) a falta de consciência de classe por parte da classe trabalhadora; l) a existência de “caciques políticos” nos estados com presença e força política no Congresso Nacional; m) políticos, no Congresso Nacional, que defendem interesses próprios (privados) e que pertencem a setores sociais conservadores e burgueses, como, por exemplos, os que pertencem a bancada evangélica, a entidades de classe, como, por exemplo, os ruralistas, os industriais,...; n) a falta de uma base sólida – ideológica – e numérica no Congresso Nacional, e também nos estados e municípios governados pelo PT e pela esquerda, que possibilita-se o apoio necessário ao governo; o) Poder Judiciário conservador; Diante de tais problemas, o Partido dos Trabalhadores precisa decidir se faz a disputa política eleitoral para marcar posição, ou se decide entrar na disputa para ganhar e fazer a diferença estando no governo. Entendo que, na história do partido, ouve momentos, no cenário nacional principalmente, em que ele precisava lançar candidato para fazer a disputa na sociedade, mostrando o programa e a face do PT, mesmo se o candidato não estive-se tão bem posicionado nas intenções de voto, e conseqüentemente, não apresentando condições concretas de vitória. Esse momento era o momento de consolidação do Partido dos Trabalhadores na sociedade. (Mesmo Lula chegando ao segundo turno contra Collor, em 1989, não era certeza que seríamos vitoriosos já em outra eleição, e mais, que a sociedade, como um todo, estava próxima de nosso projeto. Se estive próximo de nosso projeto não seria a grande imprensa, por exemplo, a fazer ela mudar de opinião e votar no candidato da burguesia. Foram precisos a participação em três eleições presidências seguidas, aliada a luta política social, que, só na quarta eleição presidencial (2002) em que Lula participou como candidato, foi eleito, e ainda assim, sem uma base de sustentação sólida). Passaram-se anos e eleições, até que o PT, encabeçando uma coligação, conquista a presidência da República com Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2002. Porém, até 2002, o PT já possuía experiência em alguns governos municipais e estaduais. O governo federal (2003 até hoje), no qual o Partido dos Trabalhadores faz parte, sendo, inclusive, o maior e principal partido de sustentação do governo federal, vem obtendo avanços, e através de políticas públicas, vem possibilitando a conquista de dignidade para milhões de indivíduos – que até ontem, eram esquecidos. E como é um governo de coalizão, onde há partidos e indivíduos de esquerda, centro e até de direita, é necessário entender que também houve recuos e até 2
  • 3. alguns retrocessos em alguns pontos (seja por parte de nossos aliados, seja por parte do próprio PT – ver mais na seqüência). No 4º Congresso do PT, em 2010, quando o partido aprovou a tática de alianças para as eleições presidenciais do mesmo ano, que decidia pela manutenção da coalizão, mesmo tendo que pagar o custo político e moral pela manutenção da coalizão, que prevê a obtenção e/ou a manutenção de apoio político no Legislativo e de setores da sociedade, o partido deixou claro que entende haver mais avanços do que recuos e até de certos retrocessos, na condução do governo federal, e com isso, decidia também que as disputas eleitorais precisam ser para ganhar, e não apenas para marcar posição. Em outras palavras, os problemas colocados a nós são: diante de um cenário desfavorável, com estrutura social política eleitoral que privilegia a direita, além dos enormes desafios administrativos e sociais ao chegarmos ao governo, nós conseguiremos resolver ou ao menos minimizar tais problemas apenas com o nosso grupo político de esquerda e com a nossa base social, e ainda implementarmos o nosso programa de governo ao chegarmos ao governo? A história nos mostrou que não é possível. O possível é que nós venhamos a construir alianças/coligações que sejam viáveis para que possamos, sendo ou não cabeças de chapa, ganhar eleições e governar tentando implementar nosso programa. E com isso, trabalharmos para que, num curto prazo, tenhamos condições de encabeçarmos a cabeça de chapa com reais condições de vitória. (Cenários estaduais e municipais). Nesse sentido, porém, há as criticas de que esse pensamento é entreguista, aliancista, pragmático, governista e até que este é um pensamento de direita. Porém, o que realmente está em jogo – e esse é o mundo real – é que só faz, ou se tem as condições de fazer algo, quem ganha às eleições para o Poder Executivo – que é o Poder que tem as condições objetivas de realização. Fora isso, é discurso. Quando estava em minha ex-tendência (Articulação de Esquerda) eu criticava os discursos e posicionamentos dos que pertenciam à ala majoritária do partido, por entender que, quando o PT cedia espaços a aliados (fosse no governo ou a cabeça de chapa nas eleições) o partido decidia-se pelo seu enfraquecimento, pelo não protagonismo, e correndo o risco de até perder a identidade. Assim eu entendia aqui no estado também, e foi nessa linha (contrário a uma coligação tendo o, então, senador Osmar Dias como candidato ao governo do Paraná com o apoio do PT) que me manifestei durante as discussões sobre as eleições estaduais de 2010. No entanto, reconheço que meus olhos estavam voltados apenas para a literatura – se assim posso dizer, para teses programáticas e de discursos bem construídos e ditos de esquerda. Porém, teses e discursos que não apresentavam respostas para problemas práticos e urgentes. E é diante desses problemas práticos e urgentes que precisamos discutir as táticas – ou 3
  • 4. melhor – qual a melhor tática nesse cenário para que possamos disputar para ganhar. Repito: fora isso é discurso. Fui contra a aliança com Osmar Dias, no entanto, já durante as eleições, fui reconhecendo que a tática estava correta, e os resultados eleitorais obtidos pelo partido demonstraram o acerto. Reconheço, mais uma vez meu equivoco de entendimento. No entanto, não estou aqui, entendam bem, querendo dizer que não precisamos de teoria, de formulação e de teses. Claro que precisamos, até porque é a teoria que fomenta o debate, que, por sua vez, nos dá a diretriz para a nossa prática. Porém, a teoria precisa dar respostas para os problemas práticos e urgentes do cotidiano. Um pequeno exemplo sobre teoria e prática, é a revolução de outubro de 1917. Se a esquerda estivesse presa à teoria (ou o que se imagina ser o caminho mais assertivo), a revolução não teria acontecido. A teoria (ou o que se imaginava) dizia, de forma resumida, que a construção do socialismo se daria melhor em cenários em que houvesse condições materiais para se dar a construção do socialismo (Ou seja, de que a construção do socialismo se daria em sociedades em que o capitalismo era mais desenvolvido). E a Rússia era um país periférico, sem industrialização, muito pobre e sem estrutura. No entanto, a oportunidade estava dada, ou a esquerda tomava o poder naquele momento ou a direita é quem iria (re)tomar o poder (lembrando que no momento em que a tomada de poder aconteceu, o que havia era um governo provisório – defendido inclusive pela esquerda, que depois tomou o governo). O estabelecimento de outro regime (o socialismo) não foi algo simples. Além de que, também tiveram que conviver com a contradição. A teoria dizia uma coisa, e a realidade foi outra. Não havia alternativa. Independente do que dizia a teoria, a realidade era: ou a esquerda tomava o poder, ou a direita retomava o poder. E se a direita retomasse o poder, a esquerda poderia – e seria – dizimada. Pequenas considerações sobre a estratégia, a tática e a hegemonia O PT como partido classista e socialista – conforme reafirmação na Resolução Política do 4º Congresso Extraordinário de setembro de 2011 – tem como norte uma outra sociedade. E como almeja o socialismo, o Partido dos Trabalhadores precisa construir suas estratégias e suas táticas, para que possamos construir a hegemonia (ou a contra-hegemonia), que nos dará as condições objetivas para construir o socialismo. Estabelecido o norte, que é o socialismo, cabe, então, estabelecer a(s) estratégia(s) e a(s) tática(s) que nos darão a oportunidade de dialogar com a 4
  • 5. sociedade, e a partir desse diálogo conquistar a confiança da população para que possamos chegar ao Executivo e governarmos. E é através do exercício do governo, e de seu êxito, que vamos obtendo/conquistando o respeito e maior confiança da população. Para que possamos dialogar com a sociedade, precisamos ouvir e tentar compreender o que pensa, sente, e como age a maioria dos indivíduos na sociedade. Com tais dados e informações nas mãos, é preciso refletir, debater e decidir o que fazer se, por exemplo, nosso programa estiver muito diferente do que a sociedade quer no momento (lembrando o que diz a Resolução Política citada acima: “Como socialistas democráticos, queremos uma alternativa de civilização ao capitalismo, a ser construída democraticamente com o povo brasileiro”, e que ...“É este programa que orienta o nosso diálogo com o povo brasileiro”. Portanto, não há em nossas resoluções a imposição de programas, de projetos, à sociedade, mas, sim o diálogo “...sobre o sentido histórico das transformações dos governos Lula e Dilma” e que “...o PT quer firmar novos compromissos com o povo brasileiro”. Nisso está baseado a nossa postura em dialogar, de ouvir e construir projetos juntos com a sociedade). Caso contrário, manteremos nosso programa e falaremos para um número muito reduzido de indivíduos, como fazem os partidos de extrema esquerda (esquerdistas), que negam-se a enxergar a realidade e a importância dos avanços, mesmo que sejam pequenos diante o que queremos e do que almejamos. O que, paradoxalmente, não contribuí com o campo de esquerda (que seria o objetivo dos extremados à esquerda), pelo contrário, contribui para fortalecer justamente à direita (que seria, ao menos na teoria, o alvo da extrema esquerda). Tendo, então, a consciência de nossos problemas/desafios e aquilo que queremos, que é outra sociedade, constrói-se a estratégia (o que queremos, o que precisamos para começar a caminhar em direção ao nosso norte – o socialismo), e conseqüentemente, qual ou quais as táticas (caminhos que vamos adotar para termos êxito em nossa estratégia). Entendendo que avanços na caminhada contribuirão para que se obtenha condições de se começar a construir a hegemonia (ou a contra-hegemonia). Desde 1995, até hoje, o Partido dos Trabalhadores segue essa lógica, e foi fazendo alterações em seu programa, dialogando com vários segmentos da sociedade e conquistando apoios, que – aliado a um cenário político econômico social nefasto deixado pelo governo tucano e seus aliados – conquistamos a presidência da República com Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2002. É importante dizer que, mesmo diante de tantos problemas/desafios (citados anteriormente) que tínhamos e que continuamos a ter, houve muitos avanços sociais no Brasil e para os/as brasileiros/as. No entanto, ainda há muito o que fazer, porém, o aprofundamento dos avanços obtidos e sua ampliação, só se tornarão fatos, quando os problemas/desafios forem superados, ou, no mínimo, minimizados. O que não acontecerá da noite para o dia. Porém, é uma luta política, uma construção cotidiana, e que tem haver com a mudança de 5
  • 6. pensamento, de cultura, e essa mudança em níveis significativos dá-se o nome de (construção de) hegemonia. A construção da hegemonia, que é um processo, uma construção, que tem haver com a mudança na forma de pensar da maioria dos indivíduos (enxergar o mundo e em sua conscientização de que pertence a classe trabalhadora), na forma de cultura (valores, princípios, ideais,...) não pode, de forma alguma, ser comparado a índices de aprovação popular de indivíduos em cargos estratégicos na estrutura do Estado, aja visto, por exemplo, que indivíduos podem avaliar positivamente um governante e seu governo, mas que pode perfeitamente não compartilhar do mesmo pensamento, de uma mesma cultura do governante e de membros do governo, tanto que, se confrontado a algumas políticas públicas que ele julga inadequado/errado/pecado, ele irá ser contra. E se for feito tais questionamentos em período eleitoral, esse indivíduo mesmo avaliando positivamente o governante e o governo, ele poderá votar com a oposição, porque a oposição tocou em pontos chaves que esse indivíduo não consegue aceitar que um governante, um governo, o Estado, venha tocar em tal ou tais questões. Isso, porque esse indivíduo não se conscientizou de sua condição de membro de uma classe (trabalhadora), e não esta pensando diferente e continua com sua cultura (seus princípios, seus valores,...). Portanto, a construção da hegemonia é um processo histórico, de séculos de luta política. Já a aprovação de um governante e/ou de um governo, se dá pela postura pessoal do governante (como ele se comporta, e sua identidade/afinidade com o povo e/ou seus interesses), e em relação a aprovação do governo em si, passa pelo entendimento e de que as políticas implementadas pelo governo são (no entender dos indivíduos) positivas para a sua vida. Sendo, então, avaliadas as opiniões da população para medir sua aprovação ou não de um governante e/ou de um governo, naquele momento. No entanto, essa aprovação é relativa e não alinhada ideologicamente. Por isso, ela é um apoio relativo, e sendo relativo, é um apoio um tanto fraco, justamente por não haver uma identidade/afinidade ideológica. Um exemplo foi o tema (caso) do aborto durante as eleições de 2010. Pessoas que apoiavam nossa candidata, de uma hora para outra, ou deixaram de votar, ou, no mínimo, balançaram diante a maneira de como a questão do aborto foi tratado nesse período. O que demonstra, de forma clara, a falta de consciência de classe, a falta de identidade/afinidade/alinhamento ideológico da imensa maioria da população brasileira para com o nosso norte, que é o socialismo. Por isso, tal apoio popular é, hoje, relativo e fraco (ver, também, a quantidade e o peso político da oposição, tanto no cenário nacional, estaduais e municipais, por exemplo, que ainda atrapalha e dificulta, o máximo que podem, com o apoio da grande imprensa e de setores da sociedade civil, para inviabilizar e/ou para impor a agenda deles aos governos federal, estaduais e municipais em que o PT, e a esquerda integram). Somente a continuidade da luta política, a capacidade de disputa ideológica do partido e de certa forma do governo, é que poderemos, no longo prazo, começar a construir o caminho (mais sólido) para a construção da hegemonia (aí sim, teremos uma certa homogeneização ideológica na sociedade, que farão com que o apoio popular seja forte e constante). 6
  • 7. Consciência política para a condução dos avanços Entender as dificuldades/problemas/desafios do cenário político econômico social e cultural, e mesmo assim querer caminhar para aprofundar os avanços até aqui obtidos, requer responsabilidade e firmeza. Responsabilidade para com os indivíduos que até aqui tiveram uma melhora em suas vidas, com possibilidade de conquistarem outros níveis sociais – dentro da classe trabalhadora – e também para com quem possibilitou que esses avanços, através dos governos de Lula e, agora, de Dilma, pudessem acontecer. Ou seja, responsabilidade que a nós (enquanto partido) cabe, para fazermos o possível para mantermos – até onde der – a base de apoio ao governo federal coesa. E firmeza para sustentarmos todos os ônus decorrentes dessa responsabilidade, no qual nos deparamos com limitações não só orçamentárias, administrativas, como, também, limitações políticas por estarmos juntos com quem pensa bem diferente de nós, e aí aparecem as contradições, entre outros custos políticos. Tudo isso é o preço por estarmos no governo, sem termos apoio (sólido e numérico) político ideológico no parlamento e na sociedade. No entanto, entendo que essas dificuldades/problemas/desafios são – guardadas as devidas proporções – similares as vividas pela esquerda russa em outubro de 1917, no que diz respeito a responsabilidade e a firmeza que tiveram que ter. Responsabilidade na tomada de decisão em tomar o poder, para que pudessem implementar – apesar do cenário desfavorável – um programa, um projeto, que era diferente, que tinha por objetivo a inclusão, a igualdade, a liberdade, a dignidade, o progresso coletivo para o coletivo. E tiveram que ter a firmeza em um cenário não só desfavorável, mas conturbado, inclusive no decurso da 2ª Guerra Mundial, para manterem seu projeto, independente das contradições e instrumentos que tiveram que utilizar para tentarem implementar uma sociedade socialista. Até hoje se lê e ouve-se muita critica à esquerda quando se referem à União Soviética. Foi o preço político que tiveram que pagar. (Por outro, por exemplo, se não fosse o Exército Vermelho os nazistas poderiam ter ganho a guerra. O Exército Vermelho foi fundamental para a vitória contra o nazismo. E só foram fundamentais porque a esquerda decidiu ousar, porque tiveram responsabilidade e firmeza na condução do governo socialista – inclusive na utilização de instrumentos capitalistas, que possibilitou – o que também é um paradoxo – que o Estado socialista tivesse as condições objetivas para fazer o devido enfrentamento contra os nazistas na guerra). Em um cenário adverso, com tantos problemas/desafios conjunturais, no qual precisamos construir maiorias (em todos os níveis da federação) para governarmos, e antes, já para fazermos a disputa eleitoral, cabe, logicamente, questionamentos como, por exemplo: qual a relação do PT com outros partidos da coligação e/ou da futura base aliada, sendo o partido cabeça de chapa ou não? Qual o nível de interferência do programa do PT no governo? Qual seria ou será o avanço para a população com um governo de coalizão com tantos partidos e indivíduos que pensam diferente? Como o PT, como um dos partidos que compõe uma coligação e um futuro governo, poderá diferenciar-se no 7
  • 8. cotidiano para que o partido se fortaleça e não venha a enfraquecer-se a ponto de ficar a reboque de outros partidos? Para iniciar a resposta para tantos questionamentos, é preciso ressaltar que, como as relações humanas não pertencem às ciências exatas, assim também é nas relações sociais e políticas, sendo que não há uma resposta exata para os questionamentos acima e para tantos outros questionamentos que venham a surgir. E não há uma resposta exata para tais questionamentos porque, simplesmente, a política (relações sociais, políticas, a ciência política) e as relações humanas não fazem parte das ciências exatas. Em outras palavras, não há exatidão para os questionamentos acima. E não há exatidão para os questionamentos acima, porque as respostas dependerão da dinâmica do partido dentro da referida coalizão e do futuro governo, e suas respectivas conseqüências, que podem ser positivas ou negativas. Entendo que somente teremos respostas concretas, se ousarmos “assaltar os céus” (ao decidirmos fazer disputas políticas eleitorais com reais condições de vitória) assim como fizeram a esquerda na Rússia (ao decidir tomar o poder, mesmo sabendo das dificuldades/obstáculos/desafios que teriam na condução do governo), quando tivermos situações concretas para avaliarmos. Até porque se ousarmos fazer disputas para ganhar – e não só para marcarmos posição – e caso venhamos a ganhar as eleições, parte substancial dos questionamentos acima, poderão ser respondidos na prática, dependendo muito da dinâmica do partido dentro de uma coalizão. Uma coligação e posteriormente a formação de um governo de coalizão (após o término das eleições, outros partidos poderão se aproximar da coligação vitoriosa nas urnas para tentarem fazer parte de apoio do novo governo, e com isso, tentarem espaço institucional em troca de apoio no Legislativo) tanto podem dar certo, como podem dar errado. É a dinâmica do processo das relações e das condições políticas que podem ser conquistadas, é que proporcionarão o sucesso ou o fracasso de um governo (aquilo que ele pôde realizar e significar para a maioria da população) e com isso a própria coalizão formada. A coligação desenhada e implementada nas eleições de 2002, com Lula e José de Alencar, que sofreu duras criticas por parte da esquerda partidária, mostrou- se vitoriosa, não só nas eleições, mas também após o término do governo em 2010, após oito anos de governo. Sendo que o governo e o ex-presidente Lula, tiveram índices altíssimos de aprovação popular, o maior da história já registrado. Fato de reconhecimento internacional. Portanto, entendo que, tentar responder alguns questionamentos – que são legítimos – políticos, sem termos tido casos concretos para se avaliar/refletir/discutir, está mais para um exercício de futurologia, do que discussão e reflexão política de fato. Hoje podemos refletir, discutir e escrever sobre o governo Lula (2003-2010), mas não podemos fazer o mesmo discutindo como seria o governo de 1990 (caso tivéssemos sido eleito em 1989), até porque, não vencemos aquelas 8
  • 9. eleições, e como não vencemos aquela eleição, não temos bases para refletir e discutir sobre como teria sido o nosso governo naquela época e naquele cenário. O mesmo acontece com as eleições de 2010, quando tivemos Osmar Dias encabeçando a nossa chapa para o governo do estado. Como já escrevi anteriormente (ler texto Minha opção pela CNB), praticamente toda a minha formação política partidária se deu dentro da tendência Articulação de Esquerda, no qual reconheço que há um ótimo acúmulo de discussões e formulações que poderiam servir, no mínimo, como base de construção de debates e criticas por parte do coletivo da militância do partido, no entanto, este ótimo acúmulo de discussões e formulações, não consegue apresentar uma tática para qual o partido venha enfrentar todos aqueles problemas/desafios, fazer disputa política eleitoral, ganhar eleições e governar, sem termos que dialogar acerca de nosso programa, tendo, inclusive, de recuarmos em algumas ou muitas bandeiras históricas do partido, e ainda termos apoio legislativo e social para implementarmos o programa de governo – que nesse cenário, seria um programa – digamos – bem a esquerda, aja visto que não foi preciso flexibilizar o programa. (Fato que considero difícil, muito difícil de acontecer, pois, nesse caso, faltaria apoio parlamentar e social – levando em consideração que o apoio social (como são os apoios legislativos) é relativo, aja visto a falta de consciência política por parte da maioria da população, o que acarreta na falta de afinidade/identidade/alinhamento ideológico). Acima citei a minha ex-tendência, mas, como não poderia ser diferente, estendo essa critica para todo o campo dito de esquerda do partido (que, como não poderia ser diferente, tenho grande consideração, só não estou mais compartilhando com os mesmos pensamentos dos que integram esse campo partidário), que se apresentam como socialistas revolucionários, os programáticos, mas, que, na hora de apresentar uma tática que possa dar conta dos problemas/desafios do hoje, de fazermos uma disputa política eleitoral com reais condições de vitória, sem, com isso, que haja perdas – no sentido programático e até moral em alguns casos – tal campo também não consegue apresentar tal tática. Se um dos nossos problemas/desafios é alterarmos a correlação de forças, para conseguirmos alterar o modo de produção (leia-se: capitalismo), está claro que precisamos estabelecer um diálogo permanente com a sociedade, que inclui demais partidos políticos, movimentos sociais e entidades de classe. E esse diálogo abre portas para que sejam viabilizadas alianças, coligações e futuros governos de coalizão. E a dinâmica (luta política) política não se encerra na engenharia política da construção de chapas, programas de governo e na ocupação de espaço institucional, mas, também, durante todo o tempo do novo governo. É uma disputa política permanente. E é essa luta política que possibilitará ou não, uma maior inserção do partido no governo, uma implementação maior do programa do partido no determinado governo, a imagem do partido perante a população, como parte de um governo de coalizão, entre outros questionamentos, só poderão ser respondidos se houver um cenário político real para ser analisado/questionado/refletido. 9
  • 10. Parto do pressuposto que o debate, as discussões, as teses, as formulações, são fundamentais para nos dar a diretriz a seguirmos (enquanto partido), porém, tais debates, discussões, teses e formulações precisam estar focadas para resolvermos problemas de fundo, mas, sem perdermos de vista que precisamos, também, dar respostas para problemas/desafios do hoje. Problemas/desafios/obstáculos que não são apenas teóricos, mas práticos, do mundo real. Custo político versus defesa do governo Em pontos anteriores, citei o custo político que por ventura pudesse existir, como já houve, ao partido e ao governo para a defesa e sustentação do próprio governo. Não é segredo para ninguém que a burguesia quer o fracasso e a destruição do governo. Ela, apenas nos tolera, mas não nos aceita no governo federal. O mesmo ocorre com os partidos de direita (que representam os burgueses e as alas mais conservadoras da sociedade) e com a grande imprensa. A grande imprensa, aliada com os partidos políticos de direita, investiram contra o governo Lula em vários momentos, como, por exemplo: na chamada crise do mensalão, na derrubada da CPMF, e na tentativa de derrubar o presidente do Senado Federal José Sarney. Tais tentativas tinham por tática o sangramento do governo, até o ponto do governo perder as condições políticas e, com isso, de continuar com forças para continuar governando até o fim, e se chegasse ao fim, que antes não tivesse condições políticas e morais de tentar se reeleger, e se tentasse a reeleição, que não conseguisse. Não tiveram sucesso. E a direita (partidos políticos e a grande imprensa) não teve sucesso, por dois motivos principais: a) o PT e o governo foram responsáveis ao pagar o custo político, e b) a população levou em conta as mudanças sociais e econômicas que estavam tendo e/ou percebendo e não caíram no golpe da direita. Irei me ater no exemplo na tentativa de derrubar o presidente do Senado José Sarney. A direita sempre soube do passado, do presente, e tudo o que José Sarney (PMDB-AP) fez e faz na política local e regional, seja no Maranhão ou no Amapá e no cenário nacional, através de sua atuação e influência no Congresso Nacional. No entanto, começou uma campanha midiática, articulada com os partidos que fazem oposição ao governo federal, para derrubar o presidente do Senado José Sarney, e, conseqüentemente, conduzir ao cargo de presidente do Senado o Marconi Perillo (PSDB-GO). E tentou derrubar Sarney da presidência do Senado porque José Sarney era aliado do PT e do governo federal, e como aliado, ajudava o Palácio do Planalto junto ao Senado, que era uma casa legislativa onde o governo Lula tinha muita dificuldade, por não ter maioria dos senadores e senadoras em sua base aliada. 10
  • 11. O objetivo da direita (grande imprensa, principalmente da Rede Globo, e dos partidos de oposição) era derrubar o governo Lula, pois saindo José Sarney da presidência do Senado, assumiria o senador Marconi Perillo do PSDB, e com os poderes do presidente do Senado, ele poderia - e faria – de tudo para prejudicar o governo Lula. (Vale lembrar que a família de José Sarney tem um grupo de comunicação no Maranhão, com sede em São Luis, e esse grupo de comunicação integra a TV Mirante, que é afiliada da Rede Globo. Então, o objetivo não era destruir um de seus aliados – ao a Rede Globo atacar José Sarney – mas uma tática, um subterfúgio para atingir e derrubar o governo Lula). Mesmo tendo que pagar o custo político de defender José Sarney na presidência do Senado, debaixo dos intensos achaques da grande imprensa, tanto o PT, como o governo Lula, deram um exemplo de clareza política, de que, não aceitariam golpes, nem súbito posicionamento de paladinos e arautos da ética por parte da grande imprensa e dos partidos de oposição, que sempre sugaram as riquezas do país e não foram capazes – por causa de sua ideologia – de possibilitarem um pouco de dignidade e de oportunidades ao povo brasileiro. Infelizmente, a história nos mostra que muitas pessoas, do campo da esquerda e do PT (em nossa bancada no Senado não havia consenso. Para mim, muitos estavam pensando apenas em como iriam se explicar os seus eleitores. O que, para mim, é uma visão egoísta, pois desfocava a necessidade da defesa do governo Lula, como um todo, e apenas pensava em si, em como aparecer na imprensa, ...), demonstraram uma certa fraqueza e um certo egoísmo, ao vacilarem na defesa de José Sarney naquele momento, que, na realidade, não era uma defesa de Sarney, mas uma defesa do governo Lula, do simbolismo da vitória do primeiro presidente do Brasil de origem operária, as mudanças políticas na condução do governo, e todos os avanços que estávamos implementando e que poderíamos continuar a implementar estando no governo. Se o governo Lula fosse derrubado, não teríamos a primeira mulher, de esquerda, que lutou contra a ditadura militar, na presidência da República Federativa do Brasil. Tudo o que aconteceu, está acontecendo e que poderá acontecer no, agora, governo Dilma e em outros governos, inclusive com a reeleição da presidenta Dilma, é fruto da defesa que houve ao José Sarney naquele período. As palavras de Ricardo Berzoini, então presidente nacional do PT, em uma entrevista ao jornal O Globo, em 24/08/2009, foram que “O PT defende a ética, mas não trata a ética como se fosse uma questão isolada da política”. Talvez os arautos da ética no partido, e na esquerda como um todo, devessem refletir nessa frase e procurar ler toda a entrevista de Berzoini. O então presidente do PT diz, também, que “A questão é não cair em armadilha e facilitar o trabalho da oposição” e que “O PT não pode ser ingênuo e entrar nesse joguete”. Tendo consciência da importância de um governo, como, por exemplo, foi o governo Lula e é o governo Dilma agora, temos que ter, enquanto partido e enquanto indivíduos no Legislativo, que poderá haver – como houve – 11
  • 12. situações em que se exigirá responsabilidade, tanto do partido, como de nossas bancadas, e do governo, para pagarmos o custo político tendo por objetivo a defesa do governo e da manutenção da base de apoio no parlamento. Breve consideração à estratégia partidária de 1995 até hoje Algumas pessoas, ditas do campo mais à esquerda do partido, fazem critica a estratégia de centro esquerda, adotado pelo partido a partir de 1995, ao dizerem que diante do cenário mundial – incluindo aqui no Brasil – da piora nas condições objetivas e subjetivas, nos anos 90, fizeram com que algumas pessoas começassem a elaborar uma nova estratégia partidária, optando, então, por abandonar os propósitos revolucionários e socialistas. Para essas pessoas - talvez campo partidário mais a esquerda, em si – o ideal, o mais apropriado seria prosseguir na elaboração estratégica já construída nos 1980, fazendo adequações estratégicas a um novo período histórico, que seria marcado pela crise do socialismo e pela ofensiva neoliberal. Os principais pontos de critica seriam: a) O PT foi deixando de se apresentar (publicamente), como partido socialista, abandonando estrategicamente o socialismo, para lutar contra o neoliberalismo (antes a luta era contra o capitalismo); b) Abandono do conceito de “revolução” e de conquista do poder; Resumo da ópera: os ditos mais à esquerda do partido queriam radicalizar em um momento em que as condições objetivas e subjetivas eram bem ruins. Entendo que, se as condições objetivas e subjetivas são bem desfavoráveis (como era os anos 1990), o radicalismo em vez de ajudar, só iria atrapalhar, o que contribui para fortalecer ainda mais o campo adversário. E como conseqüência, enfraquecer-nos ainda mais. Se havia uma crise do socialismo e uma ofensiva neoliberal – tanto em nível nacional como mundial, nos anos 90 – então qual seria o nosso adversário? O neoliberalismo (que é, se assim posso dizer, a face mais perversa do capitalismo). Sendo o neoliberalismo o instrumento do capitalismo que visava e visa uma maior opressão e exploração no cotidiano da população, é importante denunciá-lo e fazer o devido enfrentamento, com propostas que visem a sua eliminação. Escrever e/ou discursar contra o capitalismo nessas condições, sem termos a oportunidade de fazermos o enfrentamento real, objetivo, contra o neoliberalismo, seria apenas bravata. Hoje, a política é outra, porém, só estamos em condições de implementá-la, e com isso fazer o devido enfrentamento contra o neoliberalismo, é porque soubemos usar a melhor tática. 12
  • 13. Quanto a critica do abandono da conquista do poder, vale a pena lembrar que somos um partido político, e partidos políticos só nascem com o objetivo de tomarem o poder. Se assim não for, não a razão de existirem partidos políticos. Para os que, realmente abandonaram esse objetivo (tomar o poder), precisam, em meu entender, rever o porquê de ainda estar em um partido político. A questão da tomada de poder, ou a luta para se tomar o poder, é fundamental para um partido, ainda mais ele se declarando socialista, como é o caso do Partido dos Trabalhadores em sua resolução após o 4º Congresso Extraordinário. Se quisermos construir outra sociedade (socialista), em que não haja mais exploração e nem opressão, isso só será possível se tivermos poder (poder de fazer as mudanças estruturais necessárias – que passa pela construção da hegemonia). E nesse caso, entendo apropriado ressaltar que, o campo majoritário, tendo – logicamente, em conseqüência de ser “majoritário” – a maioria do partido e conseqüentemente a maioria dos delegados e das delegas no 4º Congresso e no 4º Congresso Extraordinário, votaram e aprovaram o texto de resolução política em que diz que o objetivo do PT é o socialismo. Se o entendimento é esse, como deixa claro a resolução, e sendo a construção do socialismo uma mudança política econômica social cultural, só é possível, então, se houver a tomada de poder. Por isso, a critica sobre o abandono, pelo partido, sobre a tomada de poder, carece, entendo eu, de sustentação. Em relação à “revolução”, analiso-a no tópico abaixo. O que é ser revolucionário hoje Quando lemos ou ouvimos a palavra revolução, uma parte dos indivíduos tende a pensar em um ato de mudança significativa na estrutura social que envolve mudanças nos aspectos das instituições sociais, e o aprofundamento ou a implementação de uma outra cultura, com outros valores e princípios. Nesse sentido, a revolução seria um ato de ruptura abrupta, violenta, para a tomada de poder e para o seu conseqüente estabelecimento. Nessa linha de pensamento, revolucionário seria o indivíduo que não aceita a ordem estabelecida e luta para que a revolução aconteça para mudar a estrutura social então vigente. Nosso entendimento, tendo por base o pensamento acima, de revolução está diretamente ligado aos conceitos e fatos históricos europeus. Esse é um ponto. Outro ponto é que tais revoluções aconteceram em um determinado período histórico. Que é, diga-se de passagem, completamente diferente do cenário (período histórico em que vivemos) atual. Tendo isso em vista é que o professor Doutor Nildo Ouriques (UFSC), na semana acadêmica de ciências sociais da UFPR, em 2009, disse que é preciso deixar de ter o pensamento e a diretriz do que é revolução, somente com base na teoria de europeus (o que é conhecido como pensamento “eurocêntrico”), 13
  • 14. mas, que é fundamental olharmos, estudarmos e refletirmos sobre as experiências que estão acontecendo na América Latina. E como sabemos, na América Latina não houve nenhuma revolução – dentro do que se conhece por revolução no pensamento eurocêntrico - no entanto, o professor Ouriques chamava a atenção para o processo em curso de algumas mudanças, através de governos eleitos, na linha política de alguns países latino-americanos, que tende a fazer o enfrentamento com a ordem estabelecida. A ordem estabelecida (o capitalismo) ainda é a ordem em vigor, não houve, portanto, mudança na estrutura social nos países da América Latina, no entanto, o que ninguém pode desconsiderar é que, na atual situação, eleger governos de origem de esquerda – mesmo que na configuração dos governos, haja representantes de outros setores e até de outra classe – são fatos de suma importância, para que a sinalização de que outra política não só é capaz de fazer o enfrentamento – político – com o atual sistema, como um fator fundamental para a continuidade de se acumular força social e política (construção da hegemonia) para que consigamos as condições necessárias para a realização das mudanças estruturais na sociedade. Outro ponto que ninguém pode negar, é que, apesar das limitações, os governos de esquerda da América Latina estão conseguindo melhorar a vida dos indivíduos em seus respectivos países. O que vejo, hoje (pois reconheço que cometia o mesmo equivoco de entendimento), é que muitos querem ser conhecidos como revolucionários, querem fazer a revolução, gostam de usar bordões anti a ordem estabelecida, contra a burguesia, contra agregar forças para enfraquecer o adversário, etc..., e esquece de ver, de analisar, de refletir, que tais atos fazem o efeito contrário, ou seja, em vez de ajudar o objetivo de enfraquecer o adversário, contribuem para mantê-lo onde está e/ou fortalecê-lo. É claro, no entanto, que uma revolução no conteúdo de ruptura abrupta, violenta, para a tomada de poder e para o seu conseqüente estabelecimento seria, digamos, o ideal, para romper de vez com a ordem estabelecida. E uma revolução dessa forma é preciso ter maioria e/ou as condições propicias para tal fato. Nesse sentido, ao tomar o poder, ter-se-ia, pelo menos, as condições políticas para se implementar uma nova política. (As condições materiais é outro fator). Os revolucionários, então, seriam os que estariam no movimento revolucionário contribuindo para com a revolução. Já uma revolução na forma de ruptura abrupta, violenta, não seria positivo para a classe trabalhadora, pois quem se beneficia da violência em si, é justamente a direita. Portanto, entendo que a questão não é essa (do que é revolução e ser revolucionário hoje, e se a revolução teria que ser violenta ou não), mas, no tamanho do desafio de governar (sendo eleito, e não tomando o poder, e sem 14
  • 15. maioria partidária e ideológica no parlamento e na sociedade), em um cenário muito problemático, adverso, e tendo que dar respostas práticas e de certa forma rápida, para a população, que em sua imensa maioria não tem consciência de classe, e tendo que conviver, no cotidiano, com as contradições de estar no governo, tendo o partido o seu programa, mas, tendo que fazer certas concessões e acordos para obtenção de apoios, e ainda contribuir para com a politização da população, fazendo parte de coalizões. Diante dessa problematização resumida, entendo que ser revolucionário, hoje em dia, não é gritar palavras de ordem, dizer que é contra certas políticas, por entender que, por exemplo, a Educação tem que ser pública e gratuita. Creio que todos e todas no partido, ou pelo menos a maioria, pensa e defende essa posição, no entanto, precisamos incluir a maioria da população, que sempre esteve à margem do sistema educacional e das políticas públicas no geral, em um cenário em que não temos as condições de sairmos construindo todas as Universidades, extensões necessárias, escolas técnicas e demais instituições necessárias. Então, ser revolucionário é um indivíduo que não concorde e/ou aceite a ordem estabelecida, mas, que saiba fazer uma leitura do cenário atual e contribua para que possamos – enquanto classe e enquanto partido – ter a melhor tática, para cada momento, com o propósito de enfraquecermos e derrotarmos os nossos adversários, e com isso, possamos trabalhar na construção da hegemonia para que possamos ter as condições objetivas de rompermos, de vez, com a ordem e começarmos a implementar as mudanças estruturais na sociedade. Nesse sentido, faz-se necessário a parceria, ou uma certa parceria, com o empresariado, como, por exemplo, foi o ProUni, agora, com o Pronatec. E faz-se necessário porque precisamos, urgentemente, mas cientes do tamanho dos passos que possamos dar, incluir uma grande parte da população que sempre esteve relegado pelo Estado, à Educação e aos demais direitos. (Não confundir as palavras ditas até aqui como uma exaltação para que nós sejamos indivíduos adesistas, acríticos, governistas, e afins, mas, sermos críticos e conscientes de que temos que dar respostas práticas e rápidas para a população, por isso, a necessidade de debates e formulações que tenham como intenção a construção de uma tática que nos permita chegarmos à lugares que poderemos, mesmo com as limitações, dar algumas respostas práticas, e o mais importante, fazer com que as pessoas vejam a mudança de política, que, mesmo que não venhamos a ter condições de darmos as respostas que as pessoas queriam, e naquela hora, que elas possam, ao menos, notar, perceber e sentir, que conosco, (fazer) a política é diferente. Ao partido cabe o papel de pensar, de refletir, de discutir, de formular, de criticar e pressionar o governo, inclusive governos em que fazemos parte, porém, com responsabilidade, aja visto, por exemplo, que no âmbito nacional, o PT é o principal partido de apoio ao governo). Entendo que, realidades diferentes requerem atitudes e políticas diferentes, ou seja, dependendo do cenário, usam-se táticas diferentes. Sem, contudo, que isso signifique mudanças de rumo. 15
  • 16. A história já nos deu vários exemplos em que a esquerda esteve ao lado, por exemplo, da burguesia e de ditadores fascistas. Contra o feudalismo, a esquerda esteve ao lado da burguesia. A esquerda também esteve no apoio da campanha do “queremismo”, em 1945, que visava apoiar o ditador fascista (ou semifascita) Getulio Vargas, por entenderem que, naquele momento, a permanência de Getulio Vargas poderia proporcionar avanços sociais. Não entendo que, ao a esquerda decidir por tais caminhos em momentos históricos diferentes, ela não estava perdida, sem rumo, mas pelo contrário, ela estava vislumbrando a melhor tática para obter melhores condições de luta. Podemos concordar ou não de tais decisões, mas não podemos dizer que eles deixaram de ser esquerda por terem tomado um rumo que, hoje, podemos não concordar. Recentemente, em 2010, havia indivíduos que eram contra o PT fazer aliança com o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) porque tais aliados não iriam querer no programa de governo, e muito menos uma possível execução do governo federal, em prol da reforma agrária, da reforma política, da democratização da comunicação, por exemplo. No entanto, esqueciam que o PMDB fazia parte do governo federal desde o primeiro mandato. E se o entendimento é que o governo Lula, em seu segundo mandato (com uma política mais desenvolvimentista), foi melhor do que o primeiro, então deveríamos essa melhora ao PMDB? O fato é que, se o primeiro mandato, até por conta do cenário, foi mais moderado do que o primeiro, não pode ser atribuído aos nossos aliados, inclusive ao PMDB, mas, sim, ao próprio PT e de alguns personagens petistas que tinham – e continuam tendo – uma visão liberal (por exemplo, a indicação e a sustentação de Henrique Meireles no Banco Central, e a do Antonio Palocci na Fazenda, não foram indicações de aliados). O que limitava, ainda mais, as ações do governo. (Lembrando, também que essa visão liberal tem haver com financiamento de campanhas, pois campanhas eleitorais custam caro, e só pode financiar campanha que tem grana, e quem tem recursos é a burguesia, que por sua vez, tem um pensamento liberal. Está aí a base da defesa do financiamento público de campanhas). Posicionar-se contra o PMDB, por exemplo, seria conduzi-lo para os braços da oposição, fazendo o inverso, fortalecendo a oposição e enfraquecendo-nos. É claro, também, que, como são aliados, eles não pensam como nós e nós não pensamos como eles, agora, se quisermos ser governo, ambos os lados precisam conversar e construir um programa juntos, e quem tiver mais peso político poderá influenciar mais ou menos no programa e no governo. Essa é a vida real. Pensar dessa forma, como também pensou a esquerda no passado, quando tiveram que tomar decisões políticas, eles estavam usando táticas diferentes para cenários também diferentes. Porém, creio que a esquerda não estava perdida, mas tinha um rumo. (Ter um rumo, mas não ter condições de implementar nada, não contribui para mudar a realidade social, que é, diga-se 16
  • 17. de passagem, o objetivo da esquerda. Para mudar ou tentar mudar a realidade, é preciso ter as condições objetivas. Caso contrário, só restara o discurso para a esquerda). Ser revolucionário, hoje, é, no mínimo, compreender o momento histórico em que estamos vivendo, ter ciência dos problemas/desafios que limitam nossa atuação e ter consciência de que uma revolução abrupta, violenta, na forma e no conteúdo, não se constrói do dia para a noite, e que, por isso, é preciso trabalhar para que possamos derrotar nossos adversários, sempre que possível, com o objetivo de fortalecer o campo da esquerda, contribuindo para a correlação de forças, que nos dará condições de construirmos a (contra) hegemonia, até construirmos as condições objetivas para as mudanças estruturais na sociedade. O PT, consciente da realidade em que vivemos, deixou claro na resolução política após o 4º Congresso do partido, que é um partido de esquerda e socialista, e que tem responsabilidade para com o Brasil e para com os brasileiros e brasileiras, por isso, considera fundamental a manutenção e o fortalecimento da base aliada que dá sustentação ao governo Dilma. Nos jornais do dia 10/11/2011, como, por exemplo, veiculado no portal R7, há a informação que a presidenta Dilma, ao se encontrar com o vice-presidente Michel Temer e com o líder do PMDB na Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves, mostrou a “importância da palavra e dos acordos nas relações políticas”, segundo o líder do PMDB na Câmara. O que demonstra a consciência da importância que o PT e o governo federal têm em relação aos partidos da base aliada no Congresso Nacional. Eleições 2012 Sobre as eleições municipais de 2012, creio que todos e todas reconhecem que o PT tem excelentes nomes para concorrer à prefeitura de Curitiba. E também um ótimo projeto para a cidade. No entanto, a disputa para a prefeitura não pode ser confundido com as eleições partidárias, que são internas ao partido. Para a disputa na sociedade, é fundamental ouvirmos o que a sociedade pensa, e tem a dizer sobre o que ela entende, sente ou pensa achar sobre os assuntos que a envolvem no cotidiano. E se em nosso programa de governo, ou pré programa de governo há pontos que a sociedade discorda ou quer alguma modificação, por que não fazer essa adaptação? O mesmo quanto a nomes. Se a população, em sua maioria, já deu mostras de que até hoje, não está disposta em votar em candidatos e candidatas do PT à prefeitura de Curitiba, porque insistirmos em apresentar nomes que a população já deu mostras de que não elegerá a prefeitura. Se a conjuntura não está a nosso favor, aja visto que o PT municipal sempre lançou candidatura majoritária, em vários cenários e situações diferentes, como, por exemplo, quando saímos com candidatura própria praticamente 17
  • 18. sozinhos, com ampla coligação, e o resultado sempre foi, até hoje, o mesmo: nossa derrota eleitoral, e aja visto a péssima percentagem de votos obtidos nas eleições anteriores (2008) na majoritária – que refletiu na proporcional – e diante das intenções de votos até agora divulgados por pesquisas, está claro que, independente de nomes, a maioria da população está decidida a não votar – pelo menos até hoje – em candidatura encabeçada pelo Partido dos Trabalhadores, então, porque não tentarmos vencer o adversário (partindo do pressuposto que o inimigo é o capitalismo) participando de coligação em que o PT não será o cabeça de chapa? Sendo o objetivo do PT de Curitiba vencer as eleições municipais, entendo que o partido não pode deixar a oportunidade de uma possível aliança se perder. A saída do Gustavo Fruet do PSDB, e seu ingresso no PDT, partido da base aliada do governo federal, e sua percentagem de intenção de votos, segundo pesquisas, aliada a sua disposição de fazer o (ou um certo ) enfrentamento ao atual grupo político que está, no momento, no governo municipal e estadual, (na conjuntura atual) torna-o um potencial aliado para os objetivos do PT, que é mostrar para a população curitibana e da região metropolitana que é possível ter uma outra lógica na administração do governo municipal de Curitiba, e que essa outra política poderá beneficiar os moradores da região metropolitana. Estou convicto que uma possível coligação do PT com o Gustavo Fruet é a melhor alternativa para construirmos uma candidatura própria para eleições municipais posteriores – respeitando as eleições que, numa coligação, e se Fruet ganhando, poderá candidatar-se à reeleição – por isso, quando procurado, não assinei apoio pró pré-candidatura de um companheiro que postula a intenção de disputar as eleições do ano que vem pelo partido. Como bem postou o companheiro Tadeu Veneri (que, respeitosamente, cito-o) na sua página no Facebook no dia 16/10/2011 “A revolução não se faz com grandes vitorias, mas pequenas vitorias todos os momentos. CHE GUEVARA. Entendo que está na hora de começarmos a disputar as eleições para ganharmos (quase ganhamos com a candidatura de Ângelo Vanhoni, mas, ficamos no quase), e para isso, precisamos das condições objetivas para isso. E as condições objetivas para derrotarmos os nossos adversários está, hoje, numa possível aliança com Gustavo Fruet, que poderá proporcionar “pequenas vitórias”, e quem sabe “em todos os momentos” na condução do governo municipal (se fizermos a aliança e se ganharmos) e quem sabe, em outros momentos, dependendo do relacionamento político que possivelmente venhamos a ter. É claro, no entanto, que no partido há todo um processo de discussão e amadurecimento de idéias que culminam na decisão final (o que é positivo), porém, é importante levar em conta a conjuntura nacional, estadual e municipal e nossas reais chances de sairmos vitoriosos numa possível candidatura própria. Para mim, está claro, que, diante o atual cenário, o lançamento de uma candidatura própria, não nos levará, possivelmente, nem ao segundo turno. (É o que indica as pesquisas até aqui). E se assim for, estaremos desperdiçando a oportunidade de, com aliança, chegarmos à prefeitura. E aliado a isso, ainda 18
  • 19. prejudicarmos as eleições proporcionais. (Meu entendimento pode estar errado? Sim, pode. Mas também pode estar correto. E se este entendimento estiver correto, nós, então, desperdiçaríamos uma grande oportunidade de causarmos uma grande derrota a direita, que governa o município há décadas, além de colocarmos em risco as nossas candidaturas proporcionais, que poderiam, dependendo dos resultados, serem seriamente prejudicadas, e com isso, o conjunto do partido em Curitiba. Tudo isso precisa ser analisado e refletido, principalmente, aos que fazem duras defesas pela tese da candidatura própria). Como estou convicto de que uma possível aliança com o Gustavo Fruet é a melhor tática para o PT, também estou convicto de que o PT também é importante para o Gustavo Fruet, pois o partido tem muitas coisas a oferecer ao Fruet. O que não quer dizer que um ou outro deva “jogar-se” nos braços do outro assim, de forma abrupta, até porque política não se faz dessa forma, é preciso muita conversa, muita negociação. Peso político o PT tem, então, é fundamental que os interlocutores do partido, ao fazerem as conversas, no seu devido tempo, possam colocar o devido peso partidário para que o PT não venha a ser apenas um coadjuvante numa possível aliança, mas que seja também um protagonista na disputa pela prefeitura de Curitiba, e alinharmos a política municipal à política nacional, para que a população venha a ser cada vez mais beneficiada. Por mais criticas que eu possa receber por parte de alguns, essa lógica, vale ressaltar, está baseado na Resolução Política aprovada no 4º Congresso Extraordinário, que diz que a “Nossa política para esta disputa tem como centro fortalecer o nosso projeto de país, aprofundar o enraizamento do PT nos municípios, e consolidar a aliança com os partidos da base de sustentação do governo Dilma”. É claro, no entanto, que ...”O PT priorizará o lançamento de candidaturas próprias nas principais cidades do país, nas cidades em que governa e onde representa a melhor chance de vitória do campo progressista”. No entanto, segue “Como partido que busca alianças para suas vitórias, o PT poderá também apoiar candidaturas de outros partidos governistas”. O apoio do PT dá-se em alguns critérios, como “...a identidade programática, a solidariedade com o nosso projeto nacional e a viabilidade eleitoral”. Entendendo que a “identidade programática” não quer dizer que o possível aliado(a) sempre tenha pertencido ao mesmo campo social (esquerda) que o nosso, e nem que tenha que compartilhar de todos os nossos pontos de vista, mas, sim, que esteja disposto a aceitar alguns posicionamentos que são nossos. Um exemplo é a aliança com o Eduardo Paes, ex-PSDB que hoje está no PMDB, que é aliado do PT no Rio de Janeiro. Eduardo Paes quanto deputado federal pelo PSDB fez um duro e desproporcional ataque ao nosso governo, no entanto, a política não se faz com o estômago, e hoje, Eduardo Paes , o PT e o governo federal são aliados. O que não quer dizer que Eduardo Paes esteja pensando como nós pensamos, e nem vice-versa, apenas quer dizer que, hoje, somos aliados. E como aliados impuseram derrotas aos seus adversários locais (Cesar Maia). Por isso, entendo que, aqui, nós também podemos ser aliados de Gustavo Fruet e vice-versa (e com isso, teremos a oportunidade de derrotarmos nossos adversários locais aqui - Ducci e, 19
  • 20. conseqüentemente, o Beto Richa, e com isso, enfraquecermos o Richa para as eleições de 2014). Porém, repito, nada pode ser feito de forma abrupta, é preciso discussão interna, no entanto, estou convicto que poderemos ter a maior oportunidade, após aquela quase vitória de Vanhoni, para chegarmos à prefeitura de Curitiba com uma possível aliança com Gustavo Fruet. E aliado a (possível) derrota de nossos adversários locais (com a possível coligação com Gustavo Fruet), estaremos contribuindo para a “...construção de uma correlação de forças favorável às eleições de 2014” Como esse texto é de opinião e assinado por mim, ele apenas reflete a minha opinião, no cenário e perspectivas de hoje, e não a opinião de outros companheiros e companheiras que, por ventura, concordem com comigo. Claudio Rossano Ritser, atualmente membro do diretório estadual, secretário de formação política da regional Boqueirão e membro do coletivo de gestores de formação política do PT-PR. 20