SlideShare uma empresa Scribd logo
Apostila
Tratamento de Água
Estação de Tratamento de Água em Caçaroca – Vila Velha
MISSÃO
"Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma
sustentável, buscando a satisfação da sociedade, dos clientes, acionistas e
colaboradores."
VISÃO
"Ser uma excelência no setor de saneamento do Brasil"
VALORES
• Respeito
• Responsabilidade
• Comprometimento
• Ética
• Transparência
• Competitividade
• Qualidade
• Inovação
A Importância da Água
Os primeiros seres vivos da Terra surgiram na água há cerca de 3,5 bilhões de
anos nos mares e oceanos. É fato que a água é um dos elementos
fundamentais para a existência da vida no planeta.
A Água e o Corpo Humano
A água forma a maior parte do volume de uma célula. No ser humano, ela
representa cerca de 70% de seu peso, daí sua importância no funcionamento
dos organismos vivos.
O transporte dos sais minerais e de outras substâncias, para dentro ou para fora
da célula, é feito por soluções aquosas. Mesmo a regulagem da temperatura do
corpo depende da água: o suor é a nossa principal forma de controle da
temperatura interna.
A Água na superfície Terrestre
A água existente em nosso Planeta ocupa ¾ da superfície da crosta terrestre,
através de mares, rios e lagos além de preencher cavidades internas da Terra
formando lençóis freáticos, artesianos e aquíferos.
A distribuição da Água na superfície Terrestre
A Terra apresenta aproximadamente a seguinte distribuição de seu volume de
água: 97,% nos oceanos, 2% nas geleiras e 1% de água doce distribuída de
maneira não uniforme pela superfície do planeta. Grande parte dessa água doce
já se encontra poluída e contaminada por lixo, esgoto e efluentes industriais.
O Ciclo Hidrológico
O Sol, além de ser uma Estrela, atua também como um grande reator e a
posição que Terra ocupa no Sistema Solar permite a vida e faz com que a água
mude de estado físico, fazendo uma viagem pelo Planeta. A essa viagem
chamamos de Ciclo da Água ou Ciclo Hidrológico: a água evapora e, em uma
determinada altitude, condensa, formando as nuvens que produzirão a chuva.
No entanto, quando o objetivo é abastecer populações, a chuva mais importante
é a que cai na parte alta do continente, ou seja, montanhas, morros, planaltos e
encostas. A combinação desses relevos com a vegetação e com a chuva
formam as “caixas de água naturais” que darão origem às nascentes pela
infiltração da água no solo. Estas nascentes formarão os córregos e riachos que,
por sua vez, formarão os rios e lagos que constituem os mananciais.
Fontes de Poluição da Água
Durante sua circulação pela superfície da Terra, a água pode ser contaminada
pelo homem e animais. Isso acontece principalmente nas cidades, onde os
esgotos das casas, hospitais e fábricas são lançados sem tratamento nos rios,
lagos e mares.
A água contaminada é um poderoso veículo de transmissão de doenças. As
doenças relacionadas com a água têm diversas origens e são causadas
principalmente por bactérias, vírus ou parasitas.
Doenças veiculadas pela Água:
As doenças relacionadas com a água são muito comuns e têm uma grande
presença entre as causas de enfermidades e mortes da população. As doenças
veiculadas pela água podem ser contraídas:
 Bebendo água contaminada,
 Comendo alimentos lavados com essa água ou
 Banhando-se nelas.
Por isso é importante que utilizemos somente água tratada para consumo
humano e fazer um bom uso quanto aos hábitos higiênicos pessoais e na
manipulação e no preparo de alimentos.
Conceitos Importantes
O Ministério da Saúde é o órgão responsável por definir quais são as
características adequadas para que a água possa ser consumida pelos seres
humanos sem causar danos à saúde. Através da Portaria nº 2914/2011, foram
definidos os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água
para consumo humano e seu padrão de potabilidade. É essa legislação que
define conceitos importantes sobre a água que bebemos:
I - Água para consumo humano: água potável destinada à ingestão,
preparação e produção de alimentos e à higiene pessoal, independentemente da
sua origem.
II - Água potável: água que atenda ao padrão de potabilidade estabelecido na
Portaria nº 2914/2011 do Ministério da Saúde e que não ofereça riscos à saúde.
III - Água tratada: água submetida a processos físicos, químicos ou combinação
destes, visando atender ao padrão de potabilidade.
IV - Sistema de abastecimento de água para consumo humano: instalação
composta por um conjunto de obras civis, materiais e equipamentos, desde a
zona de captação até as ligações prediais, destinada à produção e ao
fornecimento coletivo de água potável, por meio de rede de distribuição.
V - Controle da qualidade da água para consumo humano: conjunto de
atividades exercidas regularmente pelo responsável pelo sistema de
abastecimento de água, destinado a verificar se a água fornecida à população é
potável, de forma a assegurar a manutenção desta condição.
Sistema de Abastecimento de Água
É composto por:
Manancial: fontes de água superficiais ou subterrâneas que são usadas para
abastecimento humano.
Captação: é a primeira unidade do sistema de abastecimento de água.
Responsável por coletar de modo adequado a água do manancial, também
chamada de água bruta.
Adutora: é a tubulação de grande diâmetro usada para a condução da água do
ponto de captação no manancial até a Estação de Tratamento de Água (adutora
de água bruta), e da Estação de Tratamento de Água até os reservatórios de
distribuição (adutora de água tratada).
Estação Elevatória:
é o conjunto das instalações e equipamentos de bombeamento, destinados a
transportar a água a pontos mais distantes ou mais elevados, ou para aumentar
a vazão de linhas adutoras.
- Estação Elevatória de Água Bruta (EEAB): transporta água bruta do manancial
até a Estação de Tratamento de Água
- Estação Elevatória de Água Tratada (EEAT): transporta água tratada da
Estação de Tratamento de Água até os reservatórios ou pontos mais elevados
da rede de distribuição.
Estação de tratamento: unidade industrial responsável pela purificação da
água bruta coletada no manancial, seguindo critérios de qualidade especificados
na legislação.
Reservatório: grandes caixas de concreto onde fica reservada a água após
tratamento.
Rede de distribuição: adutoras, tubulações e encanamentos por onde se
distribui a água tratada para a população.
Captação de água bruta no Rio Jucu
Estação Elevatória Baixo Recalque – Cariacica
Estação Elevatória Planalto– Serra
Reservatório de Água Tratada do bairro Garoto – Vila Velha.
Tratamento de Água
Água é vida, porém água sem tratamento pode causar doenças graves. Como
nem toda a água presente na natureza está em condições para consumo
imediato, a água deverá passar por um tratamento até que se encontre em
condições de consumo e seja classificada como água potável.
A portaria 2.914/2011 do Ministério da Saúde determina os padrões de
qualidade da água para abastecimento humano.
Estação de Tratamento de Água de Vale Esperança (ETA 1 – Cariacica)
Ciclo da água da Cesan
Etapas do Tratamento de Água e Produtos Químicos utilizados:
Na CESAN, a água antes de ser tratada (água bruta) possui um aspecto
barrento, turvo e com coloração que vai do amarelo ou marrom claro ao marrom
escuro. Quem proporciona turbidez à água são partículas de material que ficam
em suspensão (argila, areia, micro algas, etc). A coloração da água é provocada
por substâncias orgânicas dissolvidas ou finamente divididas. Na estação de
tratamento da água essas substâncias são removidas de maneira a tornar a
água própria para o consumo humano.
O tratamento de água acontece em etapas e envolve processos químicos e
físicos. A adição de produtos químicos contribui para tornar a água potável.
Vamos conhecer as etapas do tratamento e os produtos adicionados em cada
uma delas:
1ª Etapa: Coagulação
Produto químico adicionado: Sulfato de Alumínio ou Cloreto de Polialumínio
(PAC)
Na etapa da coagulação o primeiro produto químico que entrará em contato com
a água é um coagulante, como o Sulfato de Alumínio ou o Cloreto de
Polialumínio (PAC). Seu objetivo é aglomerar as partículas para que, aderindo
umas às outras, formem flocos. Essa etapa ocorre no tanque de mistura rápida.
2ª Etapa: Floculação
Produto químico adicionado: polímero catiônico, aniônico ou neutro
Após a coagulação, a água é direcionada ao floculador, onde é adicionado o
polímero, que é um auxiliar da floculação. É um composto químico de grande
cadeia molecular que auxilia a aumentar o tamanho dos flocos que ganham
peso no floculador. Dependendo da característica química da água, escolhe-se
qual polímero será usado (catiônico, aniônico ou neutro). Para algumas águas
não é necessária sua adição no floculador.
3ª Etapa: Decantação ou Flotação
Não é adicionado produto químico nessa etapa do tratamento.
Essa etapa promove a remoção dos flocos formados. A água floculada passa
para um próximo tanque onde ocorrerá o processo decantação em que esses
flocos que cresceram no floculador se depositarão no fundo do decantador pela
ação da gravidade para depois serem removidos.
Uma outra alternativa para a decantação é a flotação. Ao contrário da
decantação, onde os flocos vão para o fundo do tanque pela força da gravidade,
na flotação os flocos são arrastados para a superfície do tanque devido a adição
de água com microbolhas de ar que fazem os flocos flutuarem para depois
serem removidos. A utilização de um decantador ou de um flotador em uma
ETA, depende das características da água bruta a ser tratada.
4ª Etapa: Filtração
Não é adicionado produto químico nessa etapa do tratamento.
Os filtros são tanques compostos por camadas de seixos (pedras), areia, e
carvão antracito. Na filtração, o restante dos flocos que não foram removidos na
etapa de decantação (ou flotação) será retirado.
Essa etapa é importante não só para remover a turbidez da água, mas nela
também inicia a remoção de microrganismos patogênicos. A filtração é uma
barreira sanitária do tratamento, pois não se pode garantir uma adequada
segurança da água com relação à presença de patogênicos, se ela não passar
pelo filtro.
Após a filtração a água seguirá para o tanque de contato onde ocorrerão as
etapas finais do tratamento.
5ª Etapa: Desinfecção
Produto químico adicionado: Cloro (Cl)
Após a filtração, alguns microrganismos patogênicos podem ainda estar
presentes na água. Para removê-los, utiliza-se cloro como desinfetante.
A portaria 2.914/2011 estabelece que a companhia de saneamento deve
entregar ao consumidor a água tratada com um teor mínimo de cloro residual
livre de 0,2 mg/L. Porém, para que o cloro continue mantendo seu poder de
desinfeção, o morador deve lavar a caixa d’ água da sua residência pelo
menos duas vezes ao ano e mantê-la sempre tampada.
6ª Etapa: Fluoretação
Produto químico adicionado: Ácido Fluossilícico (H2SiF6)
O ácido fluossilícico libera na água o fluoreto, forma iônica do elemento químico
flúor, um dos responsáveis pelo declínio da cárie dentária no Brasil. O trabalho
de adição de fluoreto nas águas de abastecimento público, no Brasil, iniciou-se
em 1953 no Espírito Santo, na cidade de Baixo Guandu, tornou-se lei federal em
1974 e expandiu-se pelo país na década de 1980. Em 2006 já beneficiava mais
de 100 milhões de pessoas.
As bactérias presentes na placa dental produzem ácidos que removem os
minerais dos dentes (desmineralização) deixando-os vulneráveis à cárie. Porém,
quando ingerimos água fluoretada desde a infância, esse fluoreto passa a fazer
parte do organismo e aumenta sua concentração no sangue e na saliva,
participando do processo de recomposição dos minerais dos dentes
(remineralização) tornando-os resistentes à cárie. Na maior parte do Brasil o teor
de flúor utilizado na água é de 0,6 a 0,8 mg/L.
7ª Etapa: Neutralização ou correção do pH
Produto químico adicionado: Cal Hidratada (Ca(OH)2)
A Cal hidratada ou hidróxido de cálcio é um produto químico utilizado no
tratamento de água para correção do pH (potencial de hidrogênio). Durante o
tratamento, a água entra em contato com produtos químicos que conferem
característica de acidez à água e isso precisa ser corrigido.
O pH é um escala que varia de 0 a 14 sendo 7 o ponto neutro que indica que
uma substância não é ácida nem alcalina. Números acima de 7 indicam
alcalinidade e abaixo de 7 indicam acidez.
O objetivo da adição da Cal no tratamento de água é estabilizar o pH para que
fique o mais próximo do indicador 7. A portaria 2.914/2011 recomenda que o pH
mínimo para água tratada deva ser 6 e no máximo 9,5.
Unidades físicas onde ocorrem as etapas do processo de
Tratamento de água:
Abaixo encontram-se o fluxograma de duas ETAs da CESAN, onde podem ser
observadas todas unidades de tratamento de água:
Tanque de mistura rápida (coagulação), floculador (floculação), decantador
(decantação), filtros (filtração), tanque de contato (cloração, fluoretação e
correção de pH).
Seguem fluxogramas de processos da ETA Santa Maria e ETA Vale Esperança:
Apostila de tratamento_de_agua-
Apostila de tratamento_de_agua-
CONTROLE DE QUALIDADE NA CESAN
Durante todo o processo de tratamento de água e esgoto, existe monitoramento
constante designado Controle de Qualidade. Esse controle tem como objetivo monitorar
os mananciais de captação, as diversas fases do tratamento de água, a rede de
distribuição, as estações de tratamento de esgotos e as condições dos corpos
receptores.
O controle é realizado através de análises físico químicas e bacteriológicas, as quais
tem como finalidade diagnosticar as condições de qualidade dos pontos pesquisados,
fornecendo subsídios tanto para a operação dos sistemas de tratamento, como para
aplicar medidas saneadoras na despoluição dos mananciais.
O trabalho de uma Companhia de Saneamento como a CESAN influi diretamente na
melhoria do meio ambiente, pois se é feito um tratamento adequado dos esgotos
domésticos antes de depositá-los nos rios, com certeza a água captada neste mesmo
manancial será de melhor qualidade e exigirá um tratamento menos agressivo.
O uso correto da água
O tratamento de água envolve consumo de energia elétrica, utilização de produtos
químicos e técnicos especializados que trabalham 24h, o ano inteiro, para que você
tenha em sua casa água potável para atender suas necessidades de higiene, conforto e
bem estar. Por isso a água é um produto que deve ser usado de forma correta, evitando
desperdícios e sempre mantendo as instalações hidráulicas do imóvel em bom estado.
CONTROLE DO DESPERDÍCIO
Atividade Gasto Médio Uso Racional
24 litros
160 litros
Lavar louça 97 litros
36 litros
520 litros
250 litros
Economia 1087 litros
Economia
Obtida
Escovar os
dentes
25 litros em 5
minutos
Fechar a torneira enquanto escova os
dentes
Tomar
banho de
chuveiro
240 litros em
15 minutos
Diminuir o tempo do banho para 5 minutos
e fechar o chuveiro enquanto se ensaboa
117 litros em
15 minutos
Limpar os restos de comida antes de lavar,
encher a pia até a metade para ensaboar,
abrir a torneira apenas o suficiente para
lavar a louça
Regar
jardins e
plantas
86 litros em
10 minutos
Usar esguicho do tipo revólver, regar pela
manhã ou à noite, quando a incidência do
sol for mais fraca.
Lavar o
carro
560 litros em
30 minutos
Lavar só quando necessário e trocar a
mangueira pelo balde
Lavar a
calçada
280 litros em
15 minutos
Limpar o chão com a vassoura e no lugar
da mangueira jogar um balde de água.
Para mais informações acesse www.cesan.com.br
Disque 115 para atendimento ao cliente
Referências Bibliográficas:
http://www.cesan.com.br
http://www.sanesul.ms.gov.br/conteudos.aspx?id=1
Ministério da Saúde: Portaria nº 2914/2011

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz)
Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz) Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz)
Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz)
Rita Magalhães
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
A água e o tratamento da água
A água e o tratamento da águaA água e o tratamento da água
A água e o tratamento da água
ISJ
 
Etapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaEtapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de água
Giullia Netto
 
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Estação de tratamento de água
Estação de tratamento de águaEstação de tratamento de água
Estação de tratamento de água
espacoaberto
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
Agua
AguaAgua
Agua2
Agua2Agua2
Agua2
gigi0302
 
Dessalinização por osmose reversa 0
Dessalinização por osmose reversa 0Dessalinização por osmose reversa 0
Dessalinização por osmose reversa 0
Dijaci Santos
 
Tratamento da agua
Tratamento da aguaTratamento da agua
Tratamento da agua
rogerio rocha
 
Tratamento de Água
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Tratamento de Água
Nuno Correia
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
Grazi Grazi
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
Lucaxs Almada Benites
 
Relatório de visita técnica ao dmae
Relatório de visita técnica ao dmaeRelatório de visita técnica ao dmae
Relatório de visita técnica ao dmae
Tatiane Lopes
 
Tratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuaisTratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuais
Sandra Semedo
 
3 estação de tratamento de águas residuais
3  estação de tratamento de águas residuais3  estação de tratamento de águas residuais
3 estação de tratamento de águas residuais
Gilson Adao
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
José Marcelo Cangemi
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
Eta
EtaEta

Mais procurados (20)

Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz)
Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz) Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz)
Etar da Ponte da Baia (Vila Caiz)
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento da água
 
A água e o tratamento da água
A água e o tratamento da águaA água e o tratamento da água
A água e o tratamento da água
 
Etapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaEtapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de água
 
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
Valdir Folgosi - Seminário Saneamento e Tratamento da Água nos Processos de A...
 
Estação de tratamento de água
Estação de tratamento de águaEstação de tratamento de água
Estação de tratamento de água
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Agua2
Agua2Agua2
Agua2
 
Dessalinização por osmose reversa 0
Dessalinização por osmose reversa 0Dessalinização por osmose reversa 0
Dessalinização por osmose reversa 0
 
Tratamento da agua
Tratamento da aguaTratamento da agua
Tratamento da agua
 
Tratamento de Água
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Tratamento de Água
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
 
Relatório de visita técnica ao dmae
Relatório de visita técnica ao dmaeRelatório de visita técnica ao dmae
Relatório de visita técnica ao dmae
 
Tratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuaisTratamento de águas residuais
Tratamento de águas residuais
 
3 estação de tratamento de águas residuais
3  estação de tratamento de águas residuais3  estação de tratamento de águas residuais
3 estação de tratamento de águas residuais
 
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013Tratamento de água   objetivo ituverava - 2013
Tratamento de água objetivo ituverava - 2013
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Eta
EtaEta
Eta
 

Semelhante a Apostila de tratamento_de_agua-

As estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.pptAs estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.ppt
ssuser46216d
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da Água
Adminefa
 
Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua Ultimo
Ttavares
 
Agua
AguaAgua
Agua
jonibete
 
As-estações-de-tratamento de água ppppppp
As-estações-de-tratamento de água pppppppAs-estações-de-tratamento de água ppppppp
As-estações-de-tratamento de água ppppppp
johnolivermbc
 
Saneamento e abastecimento de água
Saneamento e abastecimento de água Saneamento e abastecimento de água
Saneamento e abastecimento de água
Copasa Digital
 
Slides agua
Slides   aguaSlides   agua
Slides agua
marllacristtina
 
As estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.pptAs estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.ppt
CPontesPontes1
 
Agua 6º ano
Agua 6º anoAgua 6º ano
Agua 6º ano
giovannimusetti
 
Agua especial para crianças
Agua   especial para criançasAgua   especial para crianças
Agua especial para crianças
lucianeaparecidabolzan
 
Agua
AguaAgua
Agua
AguaAgua
Agua
AguaAgua
Agua
cigm1
 
Power Point ApresentaçãO áGua
Power Point  ApresentaçãO áGuaPower Point  ApresentaçãO áGua
Power Point ApresentaçãO áGua
guest18a41ac
 
Agua
AguaAgua
Ciencias as estacoes de tratamento de agua
Ciencias   as estacoes de tratamento de aguaCiencias   as estacoes de tratamento de agua
Ciencias as estacoes de tratamento de agua
Gustavo Soares
 
A ÁGUA
A ÁGUAA ÁGUA
A ÁGUA
Angela Santos
 
Agua
AguaAgua
Agua
hmmbbr
 
Agua qualidade de vida versus qualidade de vida.
Agua  qualidade  de  vida  versus  qualidade  de  vida.Agua  qualidade  de  vida  versus  qualidade  de  vida.
Agua qualidade de vida versus qualidade de vida.
Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo de São Paulo
 
Agua
AguaAgua

Semelhante a Apostila de tratamento_de_agua- (20)

As estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.pptAs estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.ppt
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da Água
 
Ciclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua UltimoCiclo Da áGua Ultimo
Ciclo Da áGua Ultimo
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
As-estações-de-tratamento de água ppppppp
As-estações-de-tratamento de água pppppppAs-estações-de-tratamento de água ppppppp
As-estações-de-tratamento de água ppppppp
 
Saneamento e abastecimento de água
Saneamento e abastecimento de água Saneamento e abastecimento de água
Saneamento e abastecimento de água
 
Slides agua
Slides   aguaSlides   agua
Slides agua
 
As estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.pptAs estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.ppt
 
Agua 6º ano
Agua 6º anoAgua 6º ano
Agua 6º ano
 
Agua especial para crianças
Agua   especial para criançasAgua   especial para crianças
Agua especial para crianças
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Power Point ApresentaçãO áGua
Power Point  ApresentaçãO áGuaPower Point  ApresentaçãO áGua
Power Point ApresentaçãO áGua
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Ciencias as estacoes de tratamento de agua
Ciencias   as estacoes de tratamento de aguaCiencias   as estacoes de tratamento de agua
Ciencias as estacoes de tratamento de agua
 
A ÁGUA
A ÁGUAA ÁGUA
A ÁGUA
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Agua qualidade de vida versus qualidade de vida.
Agua  qualidade  de  vida  versus  qualidade  de  vida.Agua  qualidade  de  vida  versus  qualidade  de  vida.
Agua qualidade de vida versus qualidade de vida.
 
Agua
AguaAgua
Agua
 

Mais de gbruck53

Livro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_finalLivro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_final
gbruck53
 
Bv rio pt
Bv rio ptBv rio pt
Bv rio pt
gbruck53
 
Ta156 03032006-151938 (1)
Ta156 03032006-151938 (1)Ta156 03032006-151938 (1)
Ta156 03032006-151938 (1)
gbruck53
 
Sistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimento
Sistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimentoSistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimento
Sistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimento
gbruck53
 
Sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos
Sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricosSistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos
Sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos
gbruck53
 
Politica de recursos hidricos no brasil
Politica de recursos hidricos no brasilPolitica de recursos hidricos no brasil
Politica de recursos hidricos no brasil
gbruck53
 
Introducao gerenciamento
Introducao gerenciamentoIntroducao gerenciamento
Introducao gerenciamento
gbruck53
 
Freitas
FreitasFreitas
Freitas
gbruck53
 
Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1
Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1
Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1
gbruck53
 
Aguas de abastecimento
Aguas de abastecimentoAguas de abastecimento
Aguas de abastecimento
gbruck53
 
revista águas do brasil, ano i nº 3
revista águas do brasil, ano i   nº 3revista águas do brasil, ano i   nº 3
revista águas do brasil, ano i nº 3
gbruck53
 
29132
2913229132
29132
gbruck53
 
recursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasil
recursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasilrecursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasil
recursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasil
gbruck53
 
Uso da agua no Brasil
Uso da agua no BrasilUso da agua no Brasil
Uso da agua no Brasil
gbruck53
 
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentesAbastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
gbruck53
 
Futuro climatico-da-amazonia
Futuro climatico-da-amazoniaFuturo climatico-da-amazonia
Futuro climatico-da-amazonia
gbruck53
 
Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...
Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...
Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...
gbruck53
 

Mais de gbruck53 (17)

Livro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_finalLivro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_final
 
Bv rio pt
Bv rio ptBv rio pt
Bv rio pt
 
Ta156 03032006-151938 (1)
Ta156 03032006-151938 (1)Ta156 03032006-151938 (1)
Ta156 03032006-151938 (1)
 
Sistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimento
Sistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimentoSistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimento
Sistemas e processos_de_tratamento_de_aguas_de_abastecimento
 
Sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos
Sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricosSistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos
Sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos
 
Politica de recursos hidricos no brasil
Politica de recursos hidricos no brasilPolitica de recursos hidricos no brasil
Politica de recursos hidricos no brasil
 
Introducao gerenciamento
Introducao gerenciamentoIntroducao gerenciamento
Introducao gerenciamento
 
Freitas
FreitasFreitas
Freitas
 
Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1
Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1
Analise gestao recursos_hidricos_brasil_1
 
Aguas de abastecimento
Aguas de abastecimentoAguas de abastecimento
Aguas de abastecimento
 
revista águas do brasil, ano i nº 3
revista águas do brasil, ano i   nº 3revista águas do brasil, ano i   nº 3
revista águas do brasil, ano i nº 3
 
29132
2913229132
29132
 
recursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasil
recursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasilrecursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasil
recursos hidricos_e_desenvolvimento_sustentavel_no_brasil
 
Uso da agua no Brasil
Uso da agua no BrasilUso da agua no Brasil
Uso da agua no Brasil
 
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentesAbastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
 
Futuro climatico-da-amazonia
Futuro climatico-da-amazoniaFuturo climatico-da-amazonia
Futuro climatico-da-amazonia
 
Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...
Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...
Atividades de gestão do conhecimento na elaboração do estudo de impacto ambie...
 

Apostila de tratamento_de_agua-

  • 1. Apostila Tratamento de Água Estação de Tratamento de Água em Caçaroca – Vila Velha
  • 2. MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade, dos clientes, acionistas e colaboradores." VISÃO "Ser uma excelência no setor de saneamento do Brasil" VALORES • Respeito • Responsabilidade • Comprometimento • Ética • Transparência • Competitividade • Qualidade • Inovação
  • 3. A Importância da Água Os primeiros seres vivos da Terra surgiram na água há cerca de 3,5 bilhões de anos nos mares e oceanos. É fato que a água é um dos elementos fundamentais para a existência da vida no planeta. A Água e o Corpo Humano A água forma a maior parte do volume de uma célula. No ser humano, ela representa cerca de 70% de seu peso, daí sua importância no funcionamento dos organismos vivos. O transporte dos sais minerais e de outras substâncias, para dentro ou para fora da célula, é feito por soluções aquosas. Mesmo a regulagem da temperatura do corpo depende da água: o suor é a nossa principal forma de controle da temperatura interna. A Água na superfície Terrestre A água existente em nosso Planeta ocupa ¾ da superfície da crosta terrestre, através de mares, rios e lagos além de preencher cavidades internas da Terra formando lençóis freáticos, artesianos e aquíferos.
  • 4. A distribuição da Água na superfície Terrestre A Terra apresenta aproximadamente a seguinte distribuição de seu volume de água: 97,% nos oceanos, 2% nas geleiras e 1% de água doce distribuída de maneira não uniforme pela superfície do planeta. Grande parte dessa água doce já se encontra poluída e contaminada por lixo, esgoto e efluentes industriais. O Ciclo Hidrológico O Sol, além de ser uma Estrela, atua também como um grande reator e a posição que Terra ocupa no Sistema Solar permite a vida e faz com que a água mude de estado físico, fazendo uma viagem pelo Planeta. A essa viagem chamamos de Ciclo da Água ou Ciclo Hidrológico: a água evapora e, em uma determinada altitude, condensa, formando as nuvens que produzirão a chuva.
  • 5. No entanto, quando o objetivo é abastecer populações, a chuva mais importante é a que cai na parte alta do continente, ou seja, montanhas, morros, planaltos e encostas. A combinação desses relevos com a vegetação e com a chuva formam as “caixas de água naturais” que darão origem às nascentes pela infiltração da água no solo. Estas nascentes formarão os córregos e riachos que, por sua vez, formarão os rios e lagos que constituem os mananciais. Fontes de Poluição da Água Durante sua circulação pela superfície da Terra, a água pode ser contaminada pelo homem e animais. Isso acontece principalmente nas cidades, onde os esgotos das casas, hospitais e fábricas são lançados sem tratamento nos rios, lagos e mares. A água contaminada é um poderoso veículo de transmissão de doenças. As doenças relacionadas com a água têm diversas origens e são causadas principalmente por bactérias, vírus ou parasitas.
  • 7. As doenças relacionadas com a água são muito comuns e têm uma grande presença entre as causas de enfermidades e mortes da população. As doenças veiculadas pela água podem ser contraídas:  Bebendo água contaminada,  Comendo alimentos lavados com essa água ou  Banhando-se nelas. Por isso é importante que utilizemos somente água tratada para consumo humano e fazer um bom uso quanto aos hábitos higiênicos pessoais e na manipulação e no preparo de alimentos. Conceitos Importantes O Ministério da Saúde é o órgão responsável por definir quais são as características adequadas para que a água possa ser consumida pelos seres humanos sem causar danos à saúde. Através da Portaria nº 2914/2011, foram definidos os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. É essa legislação que define conceitos importantes sobre a água que bebemos: I - Água para consumo humano: água potável destinada à ingestão, preparação e produção de alimentos e à higiene pessoal, independentemente da sua origem. II - Água potável: água que atenda ao padrão de potabilidade estabelecido na Portaria nº 2914/2011 do Ministério da Saúde e que não ofereça riscos à saúde. III - Água tratada: água submetida a processos físicos, químicos ou combinação destes, visando atender ao padrão de potabilidade. IV - Sistema de abastecimento de água para consumo humano: instalação composta por um conjunto de obras civis, materiais e equipamentos, desde a zona de captação até as ligações prediais, destinada à produção e ao fornecimento coletivo de água potável, por meio de rede de distribuição. V - Controle da qualidade da água para consumo humano: conjunto de atividades exercidas regularmente pelo responsável pelo sistema de abastecimento de água, destinado a verificar se a água fornecida à população é potável, de forma a assegurar a manutenção desta condição. Sistema de Abastecimento de Água É composto por: Manancial: fontes de água superficiais ou subterrâneas que são usadas para abastecimento humano.
  • 8. Captação: é a primeira unidade do sistema de abastecimento de água. Responsável por coletar de modo adequado a água do manancial, também chamada de água bruta. Adutora: é a tubulação de grande diâmetro usada para a condução da água do ponto de captação no manancial até a Estação de Tratamento de Água (adutora de água bruta), e da Estação de Tratamento de Água até os reservatórios de distribuição (adutora de água tratada). Estação Elevatória: é o conjunto das instalações e equipamentos de bombeamento, destinados a transportar a água a pontos mais distantes ou mais elevados, ou para aumentar a vazão de linhas adutoras. - Estação Elevatória de Água Bruta (EEAB): transporta água bruta do manancial até a Estação de Tratamento de Água - Estação Elevatória de Água Tratada (EEAT): transporta água tratada da Estação de Tratamento de Água até os reservatórios ou pontos mais elevados da rede de distribuição. Estação de tratamento: unidade industrial responsável pela purificação da água bruta coletada no manancial, seguindo critérios de qualidade especificados na legislação. Reservatório: grandes caixas de concreto onde fica reservada a água após tratamento. Rede de distribuição: adutoras, tubulações e encanamentos por onde se distribui a água tratada para a população. Captação de água bruta no Rio Jucu
  • 9. Estação Elevatória Baixo Recalque – Cariacica Estação Elevatória Planalto– Serra Reservatório de Água Tratada do bairro Garoto – Vila Velha.
  • 10. Tratamento de Água Água é vida, porém água sem tratamento pode causar doenças graves. Como nem toda a água presente na natureza está em condições para consumo imediato, a água deverá passar por um tratamento até que se encontre em condições de consumo e seja classificada como água potável. A portaria 2.914/2011 do Ministério da Saúde determina os padrões de qualidade da água para abastecimento humano. Estação de Tratamento de Água de Vale Esperança (ETA 1 – Cariacica)
  • 11. Ciclo da água da Cesan Etapas do Tratamento de Água e Produtos Químicos utilizados: Na CESAN, a água antes de ser tratada (água bruta) possui um aspecto barrento, turvo e com coloração que vai do amarelo ou marrom claro ao marrom escuro. Quem proporciona turbidez à água são partículas de material que ficam em suspensão (argila, areia, micro algas, etc). A coloração da água é provocada por substâncias orgânicas dissolvidas ou finamente divididas. Na estação de tratamento da água essas substâncias são removidas de maneira a tornar a água própria para o consumo humano.
  • 12. O tratamento de água acontece em etapas e envolve processos químicos e físicos. A adição de produtos químicos contribui para tornar a água potável. Vamos conhecer as etapas do tratamento e os produtos adicionados em cada uma delas: 1ª Etapa: Coagulação Produto químico adicionado: Sulfato de Alumínio ou Cloreto de Polialumínio (PAC) Na etapa da coagulação o primeiro produto químico que entrará em contato com a água é um coagulante, como o Sulfato de Alumínio ou o Cloreto de Polialumínio (PAC). Seu objetivo é aglomerar as partículas para que, aderindo umas às outras, formem flocos. Essa etapa ocorre no tanque de mistura rápida. 2ª Etapa: Floculação Produto químico adicionado: polímero catiônico, aniônico ou neutro Após a coagulação, a água é direcionada ao floculador, onde é adicionado o polímero, que é um auxiliar da floculação. É um composto químico de grande cadeia molecular que auxilia a aumentar o tamanho dos flocos que ganham peso no floculador. Dependendo da característica química da água, escolhe-se qual polímero será usado (catiônico, aniônico ou neutro). Para algumas águas não é necessária sua adição no floculador. 3ª Etapa: Decantação ou Flotação Não é adicionado produto químico nessa etapa do tratamento. Essa etapa promove a remoção dos flocos formados. A água floculada passa para um próximo tanque onde ocorrerá o processo decantação em que esses flocos que cresceram no floculador se depositarão no fundo do decantador pela ação da gravidade para depois serem removidos. Uma outra alternativa para a decantação é a flotação. Ao contrário da decantação, onde os flocos vão para o fundo do tanque pela força da gravidade, na flotação os flocos são arrastados para a superfície do tanque devido a adição de água com microbolhas de ar que fazem os flocos flutuarem para depois serem removidos. A utilização de um decantador ou de um flotador em uma ETA, depende das características da água bruta a ser tratada. 4ª Etapa: Filtração Não é adicionado produto químico nessa etapa do tratamento. Os filtros são tanques compostos por camadas de seixos (pedras), areia, e carvão antracito. Na filtração, o restante dos flocos que não foram removidos na etapa de decantação (ou flotação) será retirado. Essa etapa é importante não só para remover a turbidez da água, mas nela também inicia a remoção de microrganismos patogênicos. A filtração é uma barreira sanitária do tratamento, pois não se pode garantir uma adequada segurança da água com relação à presença de patogênicos, se ela não passar pelo filtro.
  • 13. Após a filtração a água seguirá para o tanque de contato onde ocorrerão as etapas finais do tratamento. 5ª Etapa: Desinfecção Produto químico adicionado: Cloro (Cl) Após a filtração, alguns microrganismos patogênicos podem ainda estar presentes na água. Para removê-los, utiliza-se cloro como desinfetante. A portaria 2.914/2011 estabelece que a companhia de saneamento deve entregar ao consumidor a água tratada com um teor mínimo de cloro residual livre de 0,2 mg/L. Porém, para que o cloro continue mantendo seu poder de desinfeção, o morador deve lavar a caixa d’ água da sua residência pelo menos duas vezes ao ano e mantê-la sempre tampada. 6ª Etapa: Fluoretação Produto químico adicionado: Ácido Fluossilícico (H2SiF6) O ácido fluossilícico libera na água o fluoreto, forma iônica do elemento químico flúor, um dos responsáveis pelo declínio da cárie dentária no Brasil. O trabalho de adição de fluoreto nas águas de abastecimento público, no Brasil, iniciou-se em 1953 no Espírito Santo, na cidade de Baixo Guandu, tornou-se lei federal em 1974 e expandiu-se pelo país na década de 1980. Em 2006 já beneficiava mais de 100 milhões de pessoas. As bactérias presentes na placa dental produzem ácidos que removem os minerais dos dentes (desmineralização) deixando-os vulneráveis à cárie. Porém, quando ingerimos água fluoretada desde a infância, esse fluoreto passa a fazer parte do organismo e aumenta sua concentração no sangue e na saliva, participando do processo de recomposição dos minerais dos dentes (remineralização) tornando-os resistentes à cárie. Na maior parte do Brasil o teor de flúor utilizado na água é de 0,6 a 0,8 mg/L. 7ª Etapa: Neutralização ou correção do pH Produto químico adicionado: Cal Hidratada (Ca(OH)2) A Cal hidratada ou hidróxido de cálcio é um produto químico utilizado no tratamento de água para correção do pH (potencial de hidrogênio). Durante o tratamento, a água entra em contato com produtos químicos que conferem característica de acidez à água e isso precisa ser corrigido. O pH é um escala que varia de 0 a 14 sendo 7 o ponto neutro que indica que uma substância não é ácida nem alcalina. Números acima de 7 indicam alcalinidade e abaixo de 7 indicam acidez.
  • 14. O objetivo da adição da Cal no tratamento de água é estabilizar o pH para que fique o mais próximo do indicador 7. A portaria 2.914/2011 recomenda que o pH mínimo para água tratada deva ser 6 e no máximo 9,5. Unidades físicas onde ocorrem as etapas do processo de Tratamento de água: Abaixo encontram-se o fluxograma de duas ETAs da CESAN, onde podem ser observadas todas unidades de tratamento de água: Tanque de mistura rápida (coagulação), floculador (floculação), decantador (decantação), filtros (filtração), tanque de contato (cloração, fluoretação e correção de pH). Seguem fluxogramas de processos da ETA Santa Maria e ETA Vale Esperança:
  • 17. CONTROLE DE QUALIDADE NA CESAN Durante todo o processo de tratamento de água e esgoto, existe monitoramento constante designado Controle de Qualidade. Esse controle tem como objetivo monitorar os mananciais de captação, as diversas fases do tratamento de água, a rede de distribuição, as estações de tratamento de esgotos e as condições dos corpos receptores. O controle é realizado através de análises físico químicas e bacteriológicas, as quais tem como finalidade diagnosticar as condições de qualidade dos pontos pesquisados, fornecendo subsídios tanto para a operação dos sistemas de tratamento, como para aplicar medidas saneadoras na despoluição dos mananciais. O trabalho de uma Companhia de Saneamento como a CESAN influi diretamente na melhoria do meio ambiente, pois se é feito um tratamento adequado dos esgotos domésticos antes de depositá-los nos rios, com certeza a água captada neste mesmo manancial será de melhor qualidade e exigirá um tratamento menos agressivo. O uso correto da água O tratamento de água envolve consumo de energia elétrica, utilização de produtos químicos e técnicos especializados que trabalham 24h, o ano inteiro, para que você tenha em sua casa água potável para atender suas necessidades de higiene, conforto e bem estar. Por isso a água é um produto que deve ser usado de forma correta, evitando desperdícios e sempre mantendo as instalações hidráulicas do imóvel em bom estado. CONTROLE DO DESPERDÍCIO Atividade Gasto Médio Uso Racional 24 litros 160 litros Lavar louça 97 litros 36 litros 520 litros 250 litros Economia 1087 litros Economia Obtida Escovar os dentes 25 litros em 5 minutos Fechar a torneira enquanto escova os dentes Tomar banho de chuveiro 240 litros em 15 minutos Diminuir o tempo do banho para 5 minutos e fechar o chuveiro enquanto se ensaboa 117 litros em 15 minutos Limpar os restos de comida antes de lavar, encher a pia até a metade para ensaboar, abrir a torneira apenas o suficiente para lavar a louça Regar jardins e plantas 86 litros em 10 minutos Usar esguicho do tipo revólver, regar pela manhã ou à noite, quando a incidência do sol for mais fraca. Lavar o carro 560 litros em 30 minutos Lavar só quando necessário e trocar a mangueira pelo balde Lavar a calçada 280 litros em 15 minutos Limpar o chão com a vassoura e no lugar da mangueira jogar um balde de água.
  • 18. Para mais informações acesse www.cesan.com.br Disque 115 para atendimento ao cliente Referências Bibliográficas: http://www.cesan.com.br http://www.sanesul.ms.gov.br/conteudos.aspx?id=1 Ministério da Saúde: Portaria nº 2914/2011