SlideShare uma empresa Scribd logo
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
Componentes do Grupo:
Daniel Loren
Jessica Reis
Juliana Rodrigues
Marcio Barreto
Mariana Lourenço
Thalita Sales
Processos de Tratamento deProcessos de Tratamento de
ÁguasÁguas
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Consiste na remoção de impurezas e contaminantes que podem ser
prejudiciais ao homem antes de destiná-la ao consumo.
 O tratamento varia conforme a sua captação.
 Geralmente águas subterrâneas de
poços profundos dispensa
tratamento, pois são naturalmente
filtradas pelo solo.
 Como não estão expostas, não
foram contaminadas e não
apresentam turbidez, sendo
necessário apenas desinfecção
com cloro.
Tratamento de ÁguaTratamento de Água
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Para as águas captadas na superfície é necessário um tratamento
especial, realizado nas ETA’s – Estações de Tratamento de Água.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Captação
 Dos reservatórios onde é feita a captação, a água é levada por
grossas tubulações, também chamadas adutoras, para a ETA.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Bombeamento
 Caso existam morros ou outros obstáculos pelo caminho, estações
elevatórias se encarregam de bombear a água terreno acima.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Bacia de Tranquilização
 Sua função é reduzir a velocidade da água.
 Processo inicial de limpeza, onde a água passa por grades que
retêm os detritos sólidos maiores.
 Ainda nesse tanque,
dosadores jogam
cloro para matar vírus,
bactérias e outros
microrganismos e
dissolver metais
presentes na água.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Coagulação
 Nesta etapa do processo, a água passa por canais de coagulação,
onde recebe sulfato de alumínio liquido.
 Esse produto serve
para desestabilizar as
partículas de sujeiras.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Floculação
 Nos tanques floculadores, motores agitam a água em velocidade
controlada e causam a aglutinação das partículas sólidas em
suspensão, formando flocos maiores.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Decantação
 No tanque de decantação, a água fica em descanso por cerca de 90
minutos, tempo necessário para que os flocos se depositem no fundo,
livrando a água de boa parte de suas impurezas sólidas.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Decantação
 Os decantadores possuem
pás que arrastam o lodo
formado no fundo para o
centro do tanque. A cada
duas horas, em média, essa
sujeira é bombeada para um
canal de esgoto.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Filtração
 Canaletas localizadas na parte superior dos tanques de decantação
captam a água da superfície, que segue para filtros verticais.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Filtração
 Os filtros são formados por camadas de carvão, areia, pedregulho
e cascalho. A sujeira que restou da fase de decantação fica
aprisionada nos filtros.
 A vida útil dos filtros utilizados
numa ETA varia de 20 a 30
horas. Depois desse período,
são lavados para retirada da
sujeira que ficou retida neles.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Desinfecção
 Depois da filtragem, o tratamento está quase finalizado. Na última
etapa, a água passa três processos distintos e complementares:
cloração, alcalinização e fluoretação.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Cloração
 Serve para manter um teor residual do produto, garantindo que a
água estará livre de microrganismos patogênicos causadores de
doenças, quando chegar à casa dos consumidores.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Alcalinização
 É feita com a colocação de cal na água e serve para evitar a
corrosão dos canos da rede de abastecimento, uma vez que sua
adição eleva o ph da água.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Fluoretação
 O flúor é adicionado à água para prevenir cáries na população.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Distribuição
 A água tratada é bombeada para um grande reservatório junto a
ETA.
ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de
ÁguaÁgua
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Distribuição
 Em seguida, ela é levada por grandes tubulações para
reservatórios elevados nos bairros, de onde é distribuida para a
população.
Tratamento de EfluentesTratamento de Efluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Esgoto, efluente, águas servidas ou residuais são todos os resíduos
líquidos provenientes de indústrias e domicílios e que necessitam de
tratamento adequado para que sejam removidas as impurezas e assim
possam ser devolvidos à natureza sem causar danos ambientais e à
saúde humana.
Tratamento de EfluentesTratamento de Efluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
Usos da Água e Geração de EfluentesUsos da Água e Geração de Efluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
Abastecimento Doméstico
Usos da Água e Geração de EfluentesUsos da Água e Geração de Efluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
Abastecimento Industrial
ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de
EfluentesEfluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Captação
 Os efluentes líquidos dos processos industriais são
conduzidos para a ETE por uma rede de coletores e estações
elevatórias ou através de carretas (recebimento por batelada).
ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de
EfluentesEfluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Bacia de Equalização
 No tratamento preliminar, os efluentes chegam na bacia de
equalização, cuja função é dar robustez ao sistema ao absorver
variações bruscas na qualidade do efluente.
ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de
EfluentesEfluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Tanque de Aeração
 É onde acontece o tratamento biológico, e o efluente equalizado
entra em contato com os microrganismos que irão degradar os
poluentes.
ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de
EfluentesEfluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Decantadores
 É onde o licor misto que sai dos tanques de aeração é separado.
A fase solida (lodo) é estabilizado e a fase liquida (efluente
tratado) é enviada para disposição final.
ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de
EfluentesEfluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 O lodo estabilizado, chamado biossólido, é utilizado como fertilizante
para fins de jardinagem, paisagismo e recuperação de áreas
degradadas.
ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de
EfluentesEfluentes
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Os efluentes tratados são dispostos de forma segura no meio
ambiente pelo emissário submarino.
Referências BibliográficasReferências Bibliográficas
Engenharia de Produção – 10º Semestre
Processos Químicos
Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
 Fundação Estadual do Meio Ambiente. Orientações básicas para
operação de estações de tratamento de esgoto.- Belo Horizonte:
FEAM, 2006.
 Disponível em: http://www.infoescola.com/geografia/tratamento-de-
esgoto/. Data de Acesso: 03/10/2013.
 Disponível em:
http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/conteu
do_241249.shtml. Data de Acesso: 04/10/2013.
 Disponível em:
http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/bitstream/handle/mec/5035/o
pen/file/index.html?sequence=8. Data de Acesso: 04/10/2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
Grazi Grazi
 
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
Ricardo Portela
 
Introduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da químicaIntroduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da química
V
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes
Dominique Alves
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Roberto Emery-Trindade
 
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos HídricosA utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
UNICAMP/SP
 
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_taniaPrincipais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
João Siqueira da Mata
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
Paulo Alves de Araujo
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
Edir Leite Freire
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Lauryenne Oliveira
 
Flotação
FlotaçãoFlotação
Flotação
EuclidesMartins2
 
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções AquosasAula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 

Mais procurados (20)

Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
 
Aula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águasAula 02 - Caracterização das águas
Aula 02 - Caracterização das águas
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
 
Introduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da químicaIntroduçao ao estudo da química
Introduçao ao estudo da química
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Taa 8
 
Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes
Tratamento de efluentes
 
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10Aula 12   introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
Aula 12 introdução aos metodos tratamento - prof. nelson (area 1) - 13.10
 
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
 
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10Aula 14   tratamentos biológicos - 27.10
Aula 14 tratamentos biológicos - 27.10
 
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
Aula 03 - Caracterização das águas (parte 2)
 
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente. Parte1
 
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos HídricosA utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
A utilização da água na indústria - Gestão de Recursos Hídricos
 
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_taniaPrincipais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
Principais processos de_tratamento_de_água_de_abastecimento_-_tania
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 
Tratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriaisTratamento de efluentes industriais
Tratamento de efluentes industriais
 
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em QuímicaRelatorio de Estagio Supervisionado em Química
Relatorio de Estagio Supervisionado em Química
 
Flotação
FlotaçãoFlotação
Flotação
 
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
Aula 08 - Tecnicas de tratamento - parte 4 - 15.09
 
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções AquosasAula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
Aula Digital de Química - Condutividade Elétrica de Soluções Aquosas
 
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
Aula 07 - Tecnicas de tratamento - parte 3 - 08.09
 

Semelhante a Processos de tratamento de águas

ETAR
ETARETAR
AULA-4-exemplo da agua potavel .pdf
AULA-4-exemplo da agua potavel .pdfAULA-4-exemplo da agua potavel .pdf
AULA-4-exemplo da agua potavel .pdf
Bianca de Melo Silveira
 
AULA-4-Agatha.pdf
AULA-4-Agatha.pdfAULA-4-Agatha.pdf
AULA-4-Agatha.pdf
Uillian4
 
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma etaDissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
Elton Oliveira
 
Como funciona estação de tratamento de água
Como funciona estação de tratamento de águaComo funciona estação de tratamento de água
Como funciona estação de tratamento de água
Animais Amados
 
Tgi texto
Tgi textoTgi texto
Tgi texto
Celina Ferreira
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
guest3c1e728
 
Esgotos e Lixeiras
Esgotos e LixeirasEsgotos e Lixeiras
Esgotos e Lixeiras
claudialopes
 
Prefeitura do campus da ufac
Prefeitura do campus da ufacPrefeitura do campus da ufac
Prefeitura do campus da ufac
Movimento por uma outra Universidade
 
Etar
EtarEtar
3 estação de tratamento de águas residuais
3  estação de tratamento de águas residuais3  estação de tratamento de águas residuais
3 estação de tratamento de águas residuais
Gilson Adao
 
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Roberto Emery-Trindade
 
Reensino rem simulado
Reensino rem simuladoReensino rem simulado
Reensino rem simulado
Rogério Luiz
 
Etar
EtarEtar
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppttratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
Alessandro409980
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Higiene E Mais Valia Empresas
Higiene E Mais Valia   EmpresasHigiene E Mais Valia   Empresas
Higiene E Mais Valia Empresas
laurindamalta
 
Estudo do caso 2 saneamento
Estudo do caso 2   saneamentoEstudo do caso 2   saneamento
Estudo do caso 2 saneamento
Elisane Almeida Pires
 
Tratamento de água industrial
Tratamento de água industrialTratamento de água industrial
Tratamento de água industrial
Eric Silva Delvaz
 
Intro SWS-UET - Rev. 1
Intro SWS-UET  - Rev. 1Intro SWS-UET  - Rev. 1
Intro SWS-UET - Rev. 1
Henrique Sommerfeld
 

Semelhante a Processos de tratamento de águas (20)

ETAR
ETARETAR
ETAR
 
AULA-4-exemplo da agua potavel .pdf
AULA-4-exemplo da agua potavel .pdfAULA-4-exemplo da agua potavel .pdf
AULA-4-exemplo da agua potavel .pdf
 
AULA-4-Agatha.pdf
AULA-4-Agatha.pdfAULA-4-Agatha.pdf
AULA-4-Agatha.pdf
 
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma etaDissertação de mestrado ufpe   utilização do lodo proveniente de uma eta
Dissertação de mestrado ufpe utilização do lodo proveniente de uma eta
 
Como funciona estação de tratamento de água
Como funciona estação de tratamento de águaComo funciona estação de tratamento de água
Como funciona estação de tratamento de água
 
Tgi texto
Tgi textoTgi texto
Tgi texto
 
Tratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas ResiduaisTratamento De áGuas Residuais
Tratamento De áGuas Residuais
 
Esgotos e Lixeiras
Esgotos e LixeirasEsgotos e Lixeiras
Esgotos e Lixeiras
 
Prefeitura do campus da ufac
Prefeitura do campus da ufacPrefeitura do campus da ufac
Prefeitura do campus da ufac
 
Etar
EtarEtar
Etar
 
3 estação de tratamento de águas residuais
3  estação de tratamento de águas residuais3  estação de tratamento de águas residuais
3 estação de tratamento de águas residuais
 
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
 
Reensino rem simulado
Reensino rem simuladoReensino rem simulado
Reensino rem simulado
 
Etar
EtarEtar
Etar
 
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppttratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
tratamento e pós tratamento de esgoto.ppt
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Higiene E Mais Valia Empresas
Higiene E Mais Valia   EmpresasHigiene E Mais Valia   Empresas
Higiene E Mais Valia Empresas
 
Estudo do caso 2 saneamento
Estudo do caso 2   saneamentoEstudo do caso 2   saneamento
Estudo do caso 2 saneamento
 
Tratamento de água industrial
Tratamento de água industrialTratamento de água industrial
Tratamento de água industrial
 
Intro SWS-UET - Rev. 1
Intro SWS-UET  - Rev. 1Intro SWS-UET  - Rev. 1
Intro SWS-UET - Rev. 1
 

Último

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Processos de tratamento de águas

  • 1. Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba Componentes do Grupo: Daniel Loren Jessica Reis Juliana Rodrigues Marcio Barreto Mariana Lourenço Thalita Sales Processos de Tratamento deProcessos de Tratamento de ÁguasÁguas
  • 2. Tratamento de ÁguaTratamento de Água Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Consiste na remoção de impurezas e contaminantes que podem ser prejudiciais ao homem antes de destiná-la ao consumo.  O tratamento varia conforme a sua captação.  Geralmente águas subterrâneas de poços profundos dispensa tratamento, pois são naturalmente filtradas pelo solo.  Como não estão expostas, não foram contaminadas e não apresentam turbidez, sendo necessário apenas desinfecção com cloro.
  • 3. Tratamento de ÁguaTratamento de Água Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Para as águas captadas na superfície é necessário um tratamento especial, realizado nas ETA’s – Estações de Tratamento de Água.
  • 4. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Captação  Dos reservatórios onde é feita a captação, a água é levada por grossas tubulações, também chamadas adutoras, para a ETA.
  • 5. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Bombeamento  Caso existam morros ou outros obstáculos pelo caminho, estações elevatórias se encarregam de bombear a água terreno acima.
  • 6. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Bacia de Tranquilização  Sua função é reduzir a velocidade da água.  Processo inicial de limpeza, onde a água passa por grades que retêm os detritos sólidos maiores.  Ainda nesse tanque, dosadores jogam cloro para matar vírus, bactérias e outros microrganismos e dissolver metais presentes na água.
  • 7. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Coagulação  Nesta etapa do processo, a água passa por canais de coagulação, onde recebe sulfato de alumínio liquido.  Esse produto serve para desestabilizar as partículas de sujeiras.
  • 8. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Floculação  Nos tanques floculadores, motores agitam a água em velocidade controlada e causam a aglutinação das partículas sólidas em suspensão, formando flocos maiores.
  • 9. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Decantação  No tanque de decantação, a água fica em descanso por cerca de 90 minutos, tempo necessário para que os flocos se depositem no fundo, livrando a água de boa parte de suas impurezas sólidas.
  • 10. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Decantação  Os decantadores possuem pás que arrastam o lodo formado no fundo para o centro do tanque. A cada duas horas, em média, essa sujeira é bombeada para um canal de esgoto.
  • 11. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Filtração  Canaletas localizadas na parte superior dos tanques de decantação captam a água da superfície, que segue para filtros verticais.
  • 12. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Filtração  Os filtros são formados por camadas de carvão, areia, pedregulho e cascalho. A sujeira que restou da fase de decantação fica aprisionada nos filtros.  A vida útil dos filtros utilizados numa ETA varia de 20 a 30 horas. Depois desse período, são lavados para retirada da sujeira que ficou retida neles.
  • 13. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Desinfecção  Depois da filtragem, o tratamento está quase finalizado. Na última etapa, a água passa três processos distintos e complementares: cloração, alcalinização e fluoretação.
  • 14. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Cloração  Serve para manter um teor residual do produto, garantindo que a água estará livre de microrganismos patogênicos causadores de doenças, quando chegar à casa dos consumidores.
  • 15. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Alcalinização  É feita com a colocação de cal na água e serve para evitar a corrosão dos canos da rede de abastecimento, uma vez que sua adição eleva o ph da água.
  • 16. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Fluoretação  O flúor é adicionado à água para prevenir cáries na população.
  • 17. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Distribuição  A água tratada é bombeada para um grande reservatório junto a ETA.
  • 18. ETA – Estação de Tratamento deETA – Estação de Tratamento de ÁguaÁgua Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Distribuição  Em seguida, ela é levada por grandes tubulações para reservatórios elevados nos bairros, de onde é distribuida para a população.
  • 19. Tratamento de EfluentesTratamento de Efluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Esgoto, efluente, águas servidas ou residuais são todos os resíduos líquidos provenientes de indústrias e domicílios e que necessitam de tratamento adequado para que sejam removidas as impurezas e assim possam ser devolvidos à natureza sem causar danos ambientais e à saúde humana.
  • 20. Tratamento de EfluentesTratamento de Efluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba
  • 21. Usos da Água e Geração de EfluentesUsos da Água e Geração de Efluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba Abastecimento Doméstico
  • 22. Usos da Água e Geração de EfluentesUsos da Água e Geração de Efluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba Abastecimento Industrial
  • 23. ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de EfluentesEfluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Captação  Os efluentes líquidos dos processos industriais são conduzidos para a ETE por uma rede de coletores e estações elevatórias ou através de carretas (recebimento por batelada).
  • 24. ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de EfluentesEfluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Bacia de Equalização  No tratamento preliminar, os efluentes chegam na bacia de equalização, cuja função é dar robustez ao sistema ao absorver variações bruscas na qualidade do efluente.
  • 25. ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de EfluentesEfluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Tanque de Aeração  É onde acontece o tratamento biológico, e o efluente equalizado entra em contato com os microrganismos que irão degradar os poluentes.
  • 26. ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de EfluentesEfluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Decantadores  É onde o licor misto que sai dos tanques de aeração é separado. A fase solida (lodo) é estabilizado e a fase liquida (efluente tratado) é enviada para disposição final.
  • 27. ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de EfluentesEfluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  O lodo estabilizado, chamado biossólido, é utilizado como fertilizante para fins de jardinagem, paisagismo e recuperação de áreas degradadas.
  • 28. ETE – Estação de Tratamento deETE – Estação de Tratamento de EfluentesEfluentes Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Os efluentes tratados são dispostos de forma segura no meio ambiente pelo emissário submarino.
  • 29. Referências BibliográficasReferências Bibliográficas Engenharia de Produção – 10º Semestre Processos Químicos Profº Msc. Marco Antônio Cismeiro Bumba  Fundação Estadual do Meio Ambiente. Orientações básicas para operação de estações de tratamento de esgoto.- Belo Horizonte: FEAM, 2006.  Disponível em: http://www.infoescola.com/geografia/tratamento-de- esgoto/. Data de Acesso: 03/10/2013.  Disponível em: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/conteu do_241249.shtml. Data de Acesso: 04/10/2013.  Disponível em: http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/bitstream/handle/mec/5035/o pen/file/index.html?sequence=8. Data de Acesso: 04/10/2013.