SlideShare uma empresa Scribd logo
34. apocalipse 1
1|   Apostila –Apocalipse 1




                             Apocalipse 1


Esta revelação foi dada para guia e conforto da igreja através da
dispensação cristã. No entanto, mestres religiosos têm declarado que
este é um livro selado e seus segredos não podem ser explicados. Em
conseqüência, muitos se têm desviado do relato profético, recusando
devotar tempo e estudo a seus mistérios. Mas Deus não deseja que
Seu povo tenha este livro em semelhante conta. Ele é a "revelação
de Jesus Cristo, a qual Deus Lhe deu, para mostrar aos Seus
servos as coisas que brevemente devem acontecer". "Bem-
aventurado aquele que lê", declara o Senhor, e "os que ouvem as
palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas;
porque o tempo está próximo." Apoc. 1:1 e 3. "Eu testifico a todo aquele
que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes
acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão
escritas neste livro; e, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta
profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, e da cidade santa,
que estão escritas neste livro. Aquele que testifica estas coisas diz:
Certamente cedo venho." Apoc. 22:18-20. (AA, 583/584)
O Senhor nos manda advertência, conselho e reprovação, para que
tenhamos oportunidade de corrigir nossos erros antes que eles se
tornem segunda natureza. Se, porém, recusamos ser corrigidos, Deus
não interfere para impedir as tendências de nosso procedimento. Não
realiza nenhum milagre para que a semente semeada não brote e dê
frutos. O homem que manifesta um endurecimento infiel ou uma
impassível indiferença para com a verdade divina, está simplesmente
ceifando o que semeou. Tal tem sido a experiência de muitos. Ouvem
com impassível indiferença as verdades que uma vez lhes comoveram o
coração. Semearam negligência, indiferença e resistência para com a
verdade; e tal é a ceifa que colhem. A frieza do aço, a dureza do ferro, a
natureza impenetrável, insusceptível da rocha - todos estes encontram
um traslado no caráter de muitos professos cristãos. Foi assim que o
Senhor endureceu o coração de Faraó. Deus falou ao rei egípcio pela
boca de Moisés, dando-lhe as mais convincentes demonstrações do
poder divino; mas o rei obstinadamente recusou a luz que o haveria
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |2

levado ao arrependimento. Deus não mandou um poder sobrenatural
para endurecer o coração do rebelde rei, mas à medida que Faraó
resistia à verdade, o Espírito Santo era retirado, e ele entregue às trevas
e incredulidade que preferira. (MM, Nossa Alta Vocação, 158)

          Apocalipse – revelação, descobrimento.
          Apoc 1: 1; João 12: 49; 17: 8, 19; Dan 2: 28 -29; Apoc
          22: 6, 16; Isa 11: 1; Mat 3: 2; Apoc 5: 5; 22: 4, 9, 8;

Segundo o livro de João, (João 12: 49). Jesus não falou por si mesmo,
mas O Pai falou através do Filho e o Filho se revela a seu povo os
últimos acontecimentos da Terra. (João17: 8, 19) toda revelação provem
de Deus. (Dan 2: 28-29), no tempo do fim Deus revela todos os
mistérios aos seus filhos, isto é ao sétimo anjo. (Apoc 10: 7; Apoc 22: 6,
16). O Senhor Jesus enviou o Santo Espírito para revelar ao seu povo,
os acontecimentos finais. (Isa 11: 1-2) das raízes do Homem de Nazaré
um renovo, isto é o último remanescente seria nova criatura em Cristo
Jesus, iguais a Ele. (Mat 3: 2, 3) este remanescente pregará a última
mensagem de arrependimento ao mundo (Apoc 5: 5) pelo os méritos de
Cristo todos os segredos serão abertos ao mundo cristão e a gloria de
Deus inundará toda Terra (II Cor 1: 22; Apoc 7: 2; Apoc 22: 4, 8, 9) este
povo serão selados com o selo do Deus vivo e terão o nível de Gabriel,
aqui na Terra.
Em nenhum período de tempo o homem aprendeu tudo o que pode
ser aprendido da Palavra de Deus. Ainda há novos aspectos da
verdade a serem divisados, e muito a ser compreendido sobre o
caráter e os atributos de Deus - Sua benignidade, Sua misericórdia,
Sua longanimidade, Seu exemplo de perfeita obediência. "E o Verbo Se
fez carne e habitou entre nós, e vimos a Sua glória, como a glória do
Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade." João 1:14. Este é um
valiosíssimo estudo que estimula o intelecto e fortalece a
capacidade mental. Depois de examinar diligentemente a Palavra,
são descobertos tesouros escondidos, e o amante da verdade
exclama em tom triunfal: "E, sem dúvida alguma, grande é o mistério
da piedade: Aquele que Se manifestou em carne foi justificado em
espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo e
recebido acima, na glória." I Tim. 3:16. "De sorte que haja em vós o
mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em
3|   Apostila –Apocalipse 1

forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-
Se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante aos
homens." Filip. 2:5-7. (FEC, 444)
A obra do Santo Espírito é incomensuravelmente grande. É dessa fonte
que vêm poder e eficiência ao obreiro de Deus; e o Espírito Santo é o
Consolador, como a presença pessoal de Cristo no ser. Toda pessoa
que olha para Cristo com fé singela e infantil é feito participante da
natureza divina mediante a atuação do Espírito Santo. Quando guiados
pelo Espírito de Deus, os cristãos podem saber que são feitos
completos nAquele que é o cabeça de todas as coisas. Assim como
Cristo foi glorificado no dia de Pentecostes, assim será novamente
glorificado no encerramento da obra do evangelho, quando Ele
preparar um povo para suportar a prova final na última batalha do
grande conflito. ... (MM CT, 364)


          Gal 2: 16; 3: 14; I Tim 3: 16; João 1: 14; Cl 1: 18- 23; Cl
          3: 1 – 25; Ef. 4: 17 – 32; Ef. 2: 11- 22; Mar 16: 19, 20.


Vós representais a Cristo na verdadeira bondade de caráter e
compreendeis o que significam as palavras: "E o Verbo Se fez carne e
habitou entre nós, e vimos a Sua; glória, como a glória do Unigênito do
Pai, cheio de graça e de verdade. ... E todos nós recebemos também da
Sua plenitude, com graça sobre graça." João 1:14-16. Recebeis graça,
aperfeiçoais graça; e ao revelardes graça em vossas palavras,
vosso espírito e ações, Deus derrama sobre vós maior medida de
graça. Em proporção a vossa entrega à operação do Espírito Santo,
sois supridos de graça celestial. Sois moldados e formados em um vaso
para honra, tornando-vos um instrumento pelo qual Deus torna
manifesta Sua graça ao mundo. Youth's Instructor, 26 de setembro de
1895. (MM, Para conhecê-lo, 276)
A própria carne na qual reside a vida, e por meio da qual ela se
manifesta, pertence ao Senhor. Não temos o direito de negligenciar
qualquer parte da maquinaria viva. Toda e qualquer parte do organismo
pertence ao Senhor. O conhecimento de nosso próprio organismo
físico deve ensinar-nos que cada membro deve fazer o serviço de
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |4

Deus, como um instrumento de justiça. Special Testimonies, Série A,
n° 9, págs. 60-62. (MM, Refletindo Cristo, 135)
Na tomada de Jericó, o Senhor dos Exércitos foi o General do exército.
Ele delineou o plano para a batalha e uniu os instrumentos celestes
e humanos para desempenhar uma parte na obra, mas mão
humana alguma tocou os muros de Jericó. De tal maneira organizou
Deus os planos que o homem não podia arrogar-se algum crédito por ter
alcançado a vitória. Deus somente deve ser glorificado. Assim será na
obra em que estamos empenhados. Não se deve dar a glória aos
agentes humanos. Só o Senhor deve ser magnificado. Lede
cuidadosamente, por favor, o terceiro capítulo de Ezequiel. Devemos
aprender a confiar inteiramente em Deus, e no entanto devemos ter
sempre em mente que o Senhor Deus necessita de cada instrumento
que conserva a verdade em justiça. Como obreiros de Cristo, devemos
ter em vista a cruz do Calvário, proclamando ao mundo: "Eis o Cordeiro
de Deus, que tira o pecado do mundo." João 1:29. Devemos proclamar
a terceira mensagem angélica com nossa voz humana, e esta deve ir ao
mundo com poder e glória. (TM, Ob. Evang. 214)
"Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente
pela fé. ... Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim
também a fé sem obras é morta." Tia. 2:24-26. É necessário ter fé em
Jesus e crer que sois salvos por Ele; mas há perigo em assumir a
posição que muitos assumem, dizendo: "Estou salvo." Muitos têm dito:
"Deveis praticar boas obras, e então vivereis"; mas, à parte de Cristo,
ninguém pode praticar boas obras. Muitos, hoje, dizem: "Crê, tão
somente crê, e viverás." A fé e as obras vão juntas, crer e fazer se
combinam. O Senhor não requer da alma humana menos hoje do
que exigiu de Adão no Paraíso, antes da queda: perfeita
obediência, justiça sem mácula. O que Deus requer, sob o concerto
da graça, é exatamente tão amplo como o que requereu no Paraíso:
harmonia com Sua lei, que é santa, justa e boa. O evangelho não
enfraquece as reivindicações da lei; ele exalta a lei e a torna gloriosa.
Sob o Novo Testamento, não se requer menos do que foi exigido sob o
Antigo Testamento. (I ME, 373)
João, que assim tem amado seu Senhor e resolutamente aderido à
verdade em face de aprisionamento, açoites e ameaças de morte,
não pode suportar a excelente glória da presença de Cristo, e cai por
5|   Apostila –Apocalipse 1

terra como ferido de morte. Jesus, então, põe a mão sobre o corpo
prostrado de Seu servo, dizendo: "Não temas; Eu sou... o que vive;
fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre." Apoc. 1:17 e
18. João foi fortalecido para viver na presença de seu glorificado
Senhor; e então foram apresentados perante ele, em santa visão, os
propósitos de Deus para os séculos futuros. As gloriosas atrações do
lar celestial foram-lhe reveladas. Foi-lhe permitido olhar para o
trono de Deus e contemplar a multidão dos remidos com vestes
brancas. Ouviu a música dos anjos celestiais e os cânticos triunfais
daqueles que venceram pelo sangue do Cordeiro e a palavra do seu
testemunho. (Santificação, 78)
Tudo isso pesava sobremodo em meu espírito, e na confusão eu era
algumas vezes tentada a duvidar de minha própria experiência. Quando
certa manhã em orações de família, o poder de Deus começou a descer
sobre mim, depressa veio a minha mente o pensamento de que era
mesmerismo, e resisti a ele. Imediatamente fui tomada de mudez e
por alguns momentos perdi a noção de tudo ao meu redor. Vi então
o meu pecado em duvidar do poder de Deus, e que por assim proceder
fiquei muda, e que minha língua seria libertada antes de decorridas vinte
e quatro horas. (PE, 22)
Cristo aceitou a humildade, e levou na Terra uma vida pura e
santificada. Por essa razão, recebeu a designação de juiz. Aquele que
ocupa a posição de juiz é Deus manifesto na carne. Que alegria será
reconhecer nEle nosso Mestre e Redentor, que ainda traz as marcas da
crucifixão, das quais irradiam brilhantes raios de glória, que dão
adicional valor às coroas que os remidos Lhe recebem das mãos, as
mesmas mãos que se estenderam para abençoar os discípulos, na Sua
ascensão. A mesma voz que disse: "Eis que Eu estou convosco
todos os dias, até à consumação dos séculos" (Mat. 28:20), dá aos
Seus resgatados as boas-vindas à Sua presença. (CSM, 349)
Desde a entrada do pecado toda comunicação entre o céu e a Terra,
tem sido por meio de Cristo. Segundo EGW, MS, 129.
As palavras do anjo: "Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus",
mostram que ocupa posição de elevada honra, nas cortes celestiais.
Quando viera com uma mensagem para Daniel, dissera: "Ninguém
há que se esforce comigo contra aqueles, a não ser Miguel [Cristo],
vosso príncipe." Dan. 10:21. De Gabriel, diz o Salvador em
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |6

Apocalipse: "Pelo Seu anjo as enviou, e as notificou a João Seu
servo." Apoc. 1:1. E a João o anjo declarou: "Eu sou conservo teu e
de teus irmãos, os profetas." Apoc. 22:9. Maravilhoso pensamento -
que o anjo que ocupa, em honra, o lugar logo abaixo do Filho de
Deus, é o escolhido para revelar os desígnios de Deus a homens
pecadores. (DTN, 99)
Ou seja, Gabriel estava dizendo, que no final do tempo teria um
remanescente da mesma categoria dele.
A segunda vinda de Cristo é o grande acontecimento culminante
do antiguíssimo conflito entre o bem e o mal, que começou quando
Lúcifer pôs em dúvida no juízo o caráter e o governo de Deus. As
declarações em apocalipse e em outras passagens Bíblicas a
respeito da eminência do retorno de Cristo devam estender-se
dentro dos limites deste grande conflito.

         Apoc. 1. 2. ver 9; Heb 4: 12, 9; I Cor 1: 6; Apoc 6: 9; 12:
         17; 19: 10



Apocalipse 1: 2
João atestou a palavra em si, isto é, João viveu as cenas finais
da historia da igreja, (ver versículo 9). Aqueles que forem
transformados pela a palavra, terão uma vitória (Heb 4: 12, 13, 9)
o testemunho de Jesus Cristo foi confirmado em João e também
no ultimo remanescente (I Cor 1: 6;). Em Apoc 6: 9 vemos a
seguinte resposta: “Em cada verdadeiro discípulo, este amor, como
fogo sagrado, arde no altar do coração. Foi sobre a Terra que o amor
de Deus foi revelado por meio de Cristo. É sobre a Terra que Seus
filhos devem refletir este amor mediante uma vida irrepreensível.
Assim serão os pecadores levados à cruz, a fim de contemplarem o
Cordeiro de Deus.” (AA, 334)
Corremos o perigo de misturar o sagrado e o comum. O fogo sagrado
de Deus deve ser usado em nossos esforços. O verdadeiro altar é
Cristo; o verdadeiro fogo é o Espírito Santo. (III ME, 300)
7|   Apostila –Apocalipse 1

Em Apoc 6: 9 temos um altar, em Ex 29: 12; Lev, 4: 7; a ordem é
para ungir o altar. Cristo é o verdadeiro altar, mas terá um
remanescente que alcançará o caráter de Cristo em vida. Este
remanescente vindicara o caráter de Cristo, não só por ele mas
também por todos os crentes que ficaram no passado. Com este
recebimento do espírito estão pronto para a pregação do evangelho
em toda a terra. (Apoc 14: 19; 16: 7) Também se assentarão em
tronos (Apoc 20: 4). Estes são o ultimo remanescente. (Apoc 12: 17;
19: 10)

          Apoc.1.3. Luc 11: 28; Apoc 22: 7; Rom 13: 11.

“Diz o profeta: Bem-aventurado aquele que lê” – há os que não
querem ler; a benção não é para estes. “E os que ouvem” – há
alguns também, que se recusam a ouvir qualquer coisa relativa ás
profecias; a benção não é para esta classe. “E guardam as coisas
que nela estão escritas” – muitos se recusam a atender ás
advertências e instruções contidas no Apocalipse; nenhum desses
pode pretender a benção prometida. Todos os que ridicularizam os
assuntos da profecia, zombando dos símbolos ali solenemente
dados, todos os que se recusam a reformar a vida e preparar-se para
a vinda do Filho do homem, não serão abençoados. (GC. Pág. 341)
Os verdadeiros são aqueles que deixam que a palavra se torne
carne em suas vidas.

          Apoc. 1.4. Exo 3: 14; Apoc 4: 5; Exo 19: 16; Ez 1:
          13; Apoc 1: 11, 20; Rom 1: 7; Rom 1: 8; Apoc 4: 8;
          11: 17; 16: 5; Isa 11: 2; Apoc 3: 1; 4: 5; 5: 6. João.

Os nomes das sete igrejas são símbolos da igreja em diferentes
períodos da era cristã. O número sete indica plenitude, e simboliza o
fato de que as mensagens se estendem até o fim do tempo,
enquanto os símbolos usados revelam o estado da igreja nos
diversos períodos da história do mundo. (AA, 585)
(Apoc. 1.4. Exo 3: 14; Apoc 4: 5;). O espírito dos sete períodos da
igreja esta agora acumulado no ultimo remanescente, e Deus se faz
presente através de seu povo. Ao amanhecer do terceiro dia, ou seja
terceiro milênio. Sendo assim podemos dizer que no inicio do terceiro
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |8

milênio, Deus prepara um povo para ser Sua verdadeira igreja. (Exo 19:
16; Ez 1: 13;).
Foi Cristo quem ordenou ao apóstolo relatar o que lhe deveria ser
revelado. "O que vês, escreve-o num livro", ordenou Ele, "e envia-o às
sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a
Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia e a Laodicéia." "Eu sou. ... o que vivo e
fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. ... Escreve as
coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de
acontecer: o mistério das sete estrelas, que viste na Minha destra, e dos
sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas,
e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas." Apoc. 1:11 e 18-20.
"Isto diz Aquele que tem na Sua destra as sete estrelas." Apoc. 2:1.
Essas palavras são ditas aos que ensinam na igreja - aqueles a
quem Deus confiou pesadas responsabilidades. As suaves
influências que devem existir na igreja têm muito que ver com os
ministros de Deus, os quais devem revelar o amor de Cristo. As estrelas
do céu estão sob o Seu controle. Ele as ilumina com Sua luz. Guia-as e
dirige-lhes os movimentos. Se Ele não fizesse isto tornar-se-iam estrelas
caídas. Assim é com Seus ministros. Eles são apenas instrumentos em
Suas mãos, e todo o bem que realizam é feito por meio de Seu poder.
Através deles deve a Sua luz brilhar. (AA, 586)
"Estas coisas diz Aquele que conserva na mão direita as sete estrelas."
As palavras são dirigidas aos mestres na igreja - aqueles a quem
Deus confiou pesadas responsabilidades. As agradáveis influências
que devem ser abundantes na igreja estão ligadas aos pastores, os
quais devem revelar o precioso amor de Cristo. As estrelas do Céu
estão sob o Seu controle. Ele as enche de luz. Guia-as, e lhes dirige os
movimentos. Se não fizesse isso, elas tornar-se-iam estrelas cadentes.
Acontece a mesma coisa com os Seus pastores. Eles apenas são
instrumentos em Suas mãos, e todo o bem que realizam é efetuado
pelo Seu poder. Sua luz deve resplandecer por meio deles. O
Salvador será sua eficiência. Se olharem para Ele como Ele olhava
para o Pai, realizarão Sua obra. Ao fazerem de Deus sua confiança, Ele
lhes dará o Seu esplendor para que o reflitam sobre o mundo. (MM,
Exaltai-o, 319)
9|   Apostila –Apocalipse 1

Os ministros de Deus são simbolizados pelas sete estrelas que Aquele
que é o primeiro e o último tem sob Seu especial cuidado e proteção.
(O. Evang. 13)
Nessas palavras há advertências, repreensões, ameaças, promessas,
da Testemunha Fiel, Aquele que tem na destra as sete estrelas. "As
sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que
viste, são as sete igrejas." Apoc. 1:20. (I ME, 370)
Os pés semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados
numa fornalha. Os tons de Sua voz são como os sons musicais de
muitas águas. Seu semblante brilha como o Sol em sua glória
meridiana. Em Sua mão estão sete estrelas, representando os
pastores das igrejas. Da boca Lhe sai uma aguda espada de dois fios,
emblema do poder de Sua Palavra. (Santificação, 86)
Da mesma maneira, quando Deus estava a ponto de revelar a João, o
discípulo amado, a história futura de Sua igreja, deu-lhe uma segurança
do interesse e cuidado do Salvador pelo Seu povo, fazendo-lhe observar
em visão "um semelhante ao Filho do homem" (Apoc. 14.14),
andando por entre os castiçais que simbolizam as sete igrejas. Ao
passo que João recebia a revelação das últimas grandes lutas da igreja
com as potências do mundo, foi-lhe dado também contemplar a vitória
final e o libertamento dos fiéis. Viu a igreja empenhada num conflito
moral com a besta e sua imagem, e a adoração dessa besta imposta
sob pena de morte. Mas, olhando através do fumo e ruído da batalha,
notou sobre o monte Sião, unido ao Cordeiro, um grupo que, em vez do
sinal da besta, "em suas testas tinham escrito o nome... de Seu Pai".
Apoc. 14:1. Depois viu o número dos que saíram vitoriosos da besta, e da
sua imagem, e do seu sinal, e do número do seu nome, que estavam
junto ao mar de vidro, e tinham as harpas de Deus. E cantavam o cântico
de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro". (II TS, 351)

          Apoc 1: 11, 20; Rom 1: 7 e 8



          Apoc. 1:5; Isa 55: 4; Apoc 3: 14; Sal 89: 27; Col 1:
          18; I Tim 6: 15; Rom 8: 37; Rom 3: 25.
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 10

(Apoc. 1.5. Isa 55: 4; Apoc 3: 14; Sal 89: 27; Col 1: 18;). Aqui vemos
Jesus sendo levantado como o primogênito de uma nova geração, mas
ele trabalha através de seus irmãos, também uma primícia. (I Tim 6: 15;
Rom 8: 37; Rom 3: 25)
Esta igreja Deus Justifica unicamente pelos os méritos de Seu Filho.

Cristo
O único ser pelo o qual Deus poderia dar está revelação.

Testemunha fiel
Cristo é testemunha fiel, porque é representante perfeito de caráter, a
mente e a vontade de Deus diante da humanidade (ver João 1:1 e 14).
Sua vida sem pecado na terra e sua morte como sacrifício testifica da
santidade do Pai e do seu amor (João 14:10 ver cap 3 :16)

Primogênito
Ver Mat. 1:25; Rom. 8:29; João 1:14; 10: 8; Jesus não foi
cronologicamente o primeiro que ressuscitou dentre os mortos,
porém, pode considerar-se como o primeiro incentivo de que todos
os que ressuscitaram antes e depois dele foram libertos das ataduras
da morte só em virtude do triunfo de Cristo sobre o sepulcro. Seu
poder para dar a sua vida e para tomar (João 10:18) o coloca em
uma posição superior a todos os outros homens, que tenham saído
alguma vez da tumba e o caracteriza como a origem de toda a vida
(Rom 14:9; I Cor 15:12-23; ver João 1:4, 7-9) este titulo como segue
reflete o pensamento do Salmo 89:27.

Soberano – "o governante".
Este mundo pertence legitimamente a Cristo. Cristo triunfou sobre o
pecado e recuperou a herança perdida de Adão. É governante
legitimo da humanidade (Cl 2:15; Col 1:20; Apoc 11:15). No dia final
todos os seres humanos o reconhecerão como tal (Apoc 5:13),
porém, no que se diz respeito a nós Cristo tem tomado o domínio dos
assuntos terrenos para o cumprimento de seu propósito eterno (ver
Dan 4:17) o plano da redenção que se tem convertido em uma
11 |   Apostila –Apocalipse 1

verdade histórica mediante sua vida e morte e ressurreição. Tem
avançado passo – a – passo para o grande dia do triunfo final.

Que nos ama – "que nos ama".
O amor de Deus revelado em Jesus Cristo, eis agora um trecho
histórico: porém Ele nos ama agora tanto como quando entregou a
dádiva suprema de seu Filho.

“Livrou – “libertou; soltar”
Ser solto dos pecados e ser libertado do castigo e do poder do
pecado (ver João 3:16; Rom 6:16-18, 21-22).

Com seu sangue
Por seu sangue é dizer que por sua morte na cruz, Cristo foi um
sacrifício vicário. (ver Isa 53:4-6)
           Apoc. 1: 6; I Pe 2: 5; Apoc 5: 10; Ex 19: 6; Deut 7:
           6; 14: 2; Tito 2: 14; I Pe 2: 9; Apoc 20: 6; Rom 15:
           6; Rom 11: 36.

Reis e sacerdotes
"Um reino" sacerdotes, quem sabe uma alusão a Ex 19:6; Apoc 5:10
Cristo tem constituído a sua igreja um reino e seus membros
individualmente em sacerdotes. Ser membro do reino e ser sacerdote
compara com o real sacerdócio de I Ped 2:9, os que têm aceitado o
salvador ou salvação em Cristo Jesus, constituem um reino cujo
Cristo é o rei. É uma referência ao reino da graça divina nos
corações dos seres humanos (ver com Mat 4:17) um sacerdote pode
ser considerado como uma que apresenta oferta a Deus (Heb 5:1;
8:3). É neste sentido que todo cristão tem o privilégio de apresentar
sacrifício espiritual a Deus (I Ped.2:5; 9) como cada cristão é um
sacerdote, pode chegar a Deus pessoalmente sem mediação de
outro ser humano, e também chegar para interceder por outros.
Cristo é nosso mediador (I Tim. 2:5) nosso grande Sumo Sacerdote e
por meio dEle temos o privilégio de chegarmos confiantemente ao
trono da graça o momento de oportuno socorro. (Heb. 4:5-16)
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 12

A Ele seja Glória
Literalmente e dizer a Ele “a glória” e dizer a Cristo (vr.5). Este artigo
definido que acompanha o substantivo, sugere uma glória específica,
quem sabe glória total para um comentário sobre “dóxa”, a palavra
traduzida “glória”. (ver Rom. 3:23, 24; I Tim. 3: 16).

Império
Atribui o domínio – a “Cristo” é reconhecê-Lo como governante
legítimo do universo. Depois de sua ressurreição recebeu todo poder
no céu e na terra (ver Mat. 28:18) Cristo merece louvor sempre
continuou da humanidade, como agradecimento por seu triunfo sobre
o pecado e a morte (ver Col. 2:15). Satanás havia posto em dúvida o
governo de Cristo, a honra e o domínio, porém, estes pertencem
legitimamente a Cristo. Com essa doxologia e atribuição de louvor
João termina saudando em sua carta (Apoc. 1:4-6).

Pelos séculos dos séculos
João não percebe limite alguns do tempo ao direito de Cristo, “a
glória e domínio” ou Reino.
Amém – Assim será.
Mateus 5:18 - Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a
terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo
seja cumprido.

          Apoc. 1: 7. EIS QUE VENHO COM AS NUVENS. Dan 7:
          13; Mat. 24: 30; 26: 64; I Cor 1: 7, 8; Rom 1: 11; I Cor
          12: 1 -31; Mat 16: 27

“Eis que venho com as nuvens”, o apóstolo exclama, “e todo olho O
verá”. Apoc. 1: 7. Nenhum tema tem maior destaque no NT do que a
segunda vinda de Cristo. Um verso em cada vinte e cinco fere este
tema. Talvez nenhuma doutrina na mensagem cristã possua mais poder
do que esta.
Como um magneto, ela levanta do mundo e da insignificância do seu
ego o coração do crente, e habilita-o a estar com Moises no monte, e
13 |   Apostila –Apocalipse 1

transfigura-o com os raios da bendita esperança e promessa que o
inundam nessas sublimes alturas; é na Bíblia o assunto mais animador
e mais santificador.
Mateus 24: 30 “Então aparecerá um sinal no céu do Filho do
Homem, e todas as nações da terra se lamentarão e verão o Filho do
Homem vindo nas nuvens do céu com poder e grande gloria.” (Apoc
1: 7; Dan 7: 13; Mat 16: 27; Eze. 43: 1-2; Mat 25: 31-32; Zac. 12: 10;
João 19: 37). (quando se fala em “sinal”, significa que estar
acontecendo curas e maravilhas.)

           (Apoc 1: 7; 14: 14; 1: 13; Dan 7: 13; 10: 5 - 6; Apoc
           19: 7-13; Apoc 1: 14; Dan 7: 9; Apoc 20: 4). Quando
           sucederá todas estas coisas?

Em Sua conversação de despedida com os discípulos, na noite anterior
à crucifixão, o Salvador não fez referência ao sofrimento que Ele havia
suportado e teria ainda de suportar. Não falou da humilhação que
estava a sua frente, mas buscou levar-lhes à mente o que lhes pudesse
fortalecer a fé, levando-os a olhar para a frente, à recompensa que
espera o vencedor. Ele Se regozijava na certeza de que poderia fazer
por Seus seguidores mais do que havia prometido, e o faria; de que
dEle brotariam amor e compaixão que purificariam o templo da
alma e fariam os homens semelhantes a Ele no caráter; de que Sua
verdade, armada com o poder do Espírito, sairia vencendo e para
vencer. (AA, 23)
Quem é esse ser que vem com as nuvens? (Ez. 1: 5). Em Dan. 7: 13.
Pode se pensar que é Cristo. (Mas o grande Eu Sou acontece de uma
maneira completa) E em Ezequiel 1: 5 aparece outro ser com aparência
de homem. Em João 17: 23, 21. Vemos que o Pai é perfeito no Filho
como o homem é perfeito em Cristo.
(João 5: 22-24) O Pai confia todo julgamento ao Filho, (Mat 13: 43);
Mat. 19: 28-30; I Cor. 6: 1-3; I Cor. 2: 15; Jer. 33 15- 16; Rom. 12: 1-
2; Apoc. 17: 13-14; Isa. 60: 19; Apoc. 21: 3,23; 22: 5; Dan. 8: 9-14;
Mat. 26: 61; João 2: 19-21; Oseías 6: 2, 3; II Pedro 3: 8, 9; Ex. 19:
10, 11, 14, 16; Isa. 63: 2; 34: 8 (Abaixo segue o texto do livro
História da Redenção, pág. 138)
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 14


         Preparo Para Aproximar-se de Deus

         O Senhor deu, então, a Moisés, orientações expressas no
         que concernia à preparação do povo para Ele aproximar-Se
         deles, a fim de ouvirem o anúncio de Sua lei, não por anjos,
         mas por Ele mesmo. "Disse também o Senhor a Moisés: Vai
         ao povo, e santifica-os hoje e amanhã, e lavem eles os seus
         vestidos; e estejam prontos para o terceiro dia: porquanto
         no terceiro dia o Senhor descerá diante dos olhos de todo o
         povo sobre o monte de Sinai." Êxo. 19:10 e 11.

         Foi requerido do povo abstenção de trabalhos e cuidados
         seculares, e que tivessem pensamentos devocionais. Deus
         requereu também que lavassem suas vestes. Ele não é
         menos minucioso agora do que foi então. Ele é um Deus de
         ordem e requer que Seu povo sobre a Terra, hoje, observe
         hábitos de estrita limpeza. Os que adoram a Deus com
         vestes maculadas e eles próprios manchados não se
         apresentam diante dEle de modo aceitável. Ele não Se
         agrada da sua falta de reverência, e não aceitará o culto de
         adoradores impuros, pois insultam o seu Autor. O Criador
         dos céus e da Terra considerou a limpeza tão importante
         que disse: "Lavem eles os seus vestidos." Êxo. 19:10.

A vinda de Cristo ao lugar santíssimo como nosso Sumo
Sacerdote, para a purificação do santuário, a que se faz referência
em Daniel 8:14; a vinda do Filho do homem ao Ancião de Dias,
conforme se acha apresentada em Daniel 7:13; e a vinda do Senhor a
Seu templo, predita por Malaquias, são descrições do mesmo
acontecimento; e isso é também representado pela vinda do
esposo ao casamento, descrita por Cristo na parábola das dez virgens,
de Mateus 25. (GC, 426). (Ir para as págs. 2,3 da AP. Senhor Justiça
Nossa.). Esse acontecimento é nada mais que o estabelecimento do
reino de Deus em nosso coração.
Disse Jesus: "Este evangelho do reino será pregado em todo o mundo,
em testemunho a todas as gentes." Mat. 24:14. Seu reino não virá
enquanto as boas novas de Sua graça não houverem sido levadas
a toda a Terra. Assim, quando nos entregamos a Deus, e ganhamos
outras almas para Ele, apressamos a vinda de Seu reino. Unicamente
aqueles que se consagram a Seu serviço ... oram com sinceridade:
"Venha o Teu reino." Mat. 6:10. ...
15 |   Apostila –Apocalipse 1

A petição: "Seja feita a Tua vontade, tanto na Terra como no Céu" (Mat.
6:10), é uma oração para que o reino do mal termine na Terra, o pecado
seja para sempre destruído, e o reino da justiça se venha a estabelecer.
Então, na Terra como no Céu se cumprirá "todo o desejo da Sua
bondade". II Tess. 1:11. (O Caminho a Cristo, págs. 108-111)
Cristo não Se manifestará enquanto a vitória não for completa, e
Ele vir "o trabalho de Sua alma". Isa. 53:11. Todas as nações da
Terra ouvirão o evangelho de Sua graça. Nem todos a receberão; mas
"uma semente O servirá; falará do Senhor de geração em geração". Sal.
22:30. "E o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de
todo o Céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo" (Dan.
7:27), e "a Terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as
águas cobrem o mar". Isa. 11:9. "Então temerão o nome do Senhor
desde o poente, e a Sua glória desde o nascente do Sol." Isa. 59:19.
"Quão suaves são sobre os montes os pés do que anuncia as boas
novas, que faz ouvir a paz, que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação,
que diz a Sião: O teu Deus reina! ... exultai juntamente, desertos ...
porque o Senhor consolou o Seu povo. ... O Senhor desnudou o Seu
santo braço perante os olhos de todas as nações; e todos os confins da
Terra verão a salvação do nosso Deus." Isa. 52:7-10. (O Desejado de
Todas as Nações, pág. 828.) (MM, Maravilhosa Graça, 346)
Os discípulos de Cristo esperavam a vinda imediata do reino de
Sua glória; mas ao dar-lhes esta oração Jesus ensinou que o reino
não devia ser então estabelecido. Deviam orar por sua vinda como
acontecimento ainda no futuro. Mas essa petição era-lhes também uma
certeza. Conquanto não devessem esperar a vinda do reino em seus
dias, o fato de haver Jesus recomendado que por ela orassem, constitui
prova de que certamente virá no tempo designado por Deus.
O reino da graça de Deus está sendo agora estabelecido, visto que
corações que têm estado sobrecarregados de pecado e rebelião se
rendem à soberania de Seu amor. O completo estabelecimento do
reino de Sua glória, porém, não ocorrerá senão na segunda vinda de
Cristo ao mundo. (O Maior Discurso de Cristo, págs. 107 e 108)
Não poderá o Seu povo receber o reino antes do advento pessoal
de Cristo. Disse o Salvador: "E quando o Filho do homem vier em Sua
glória, e todos os santos anjos com Ele, então Se assentará no trono da
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 16

Sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dEle ... Então dirá o
Rei aos que estiverem à Sua direita: Vinde, benditos de Meu Pai, possuí
por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do
mundo." Mat. 25:31-34. ... Quando o Filho do homem vier, os mortos
serão ressuscitados incorruptíveis, e os vivos serão
transformados. Por esta grande mudança ficam preparados para
receberem o reino. ... O homem, em seu estado presente, é mortal,
corruptível; o reino de Deus, porém, será incorruptível, permanecendo
para sempre. Portanto, o homem, em sua condição atual, não pode
entrar no reino de Deus. Mas, em vindo Jesus, confere a imortalidade a
Seu povo; e então os chama para possuírem o reino de que até ali têm
sido apenas herdeiros. O Grande Conflito, págs. 322 e 323. (MM,
Maravilhosa Graça, 345)
Os sacerdotes e principais haviam-se arvorado em juízes, para
condenar a obra de Cristo, mas Ele Se declarou juiz deles próprios, e
de toda a Terra. O mundo foi confiado a Cristo, e por Seu intermédio
tem vindo toda bênção de Deus à raça caída. Era o Redentor, tanto
antes como depois da encarnação. Assim que existiu o pecado; houve
um Salvador. Ele tem dado luz e vida a todos, e em harmonia com a
medida da luz concedida, será cada um julgado. E aquele que tem
comunicado a luz, que tem acompanhado a alma com as mais ternas
súplicas, buscando atraí-la do pecado para a santidade, é ao mesmo
tempo seu Advogado e Juiz. Desde o início do grande conflito no Céu,
Satanás tem mantido sua causa por meio de engano; e Cristo tem
trabalhado no sentido de lhe revelar as tramas, e derribar-lhe o poder. É
Aquele que Se tem oposto ao enganador e, no decorrer de todos os
séculos, Se tem empenhado por arrebatar os cativos de seu poder, que
julgará cada pessoa.
E Deus "deu-Lhe poder de exercer o juízo, porque é o Filho do
homem". Como Ele tenha provado as próprias fezes do cálice da aflição
e tentação humanas, e compreenda as fragilidades e pecados dos
homens; como tenha, em nosso favor, resistido vitoriosamente às
tentações de Satanás, e lidará justa e ternamente com as almas para
cuja salvação derramou o próprio sangue - o Filho do homem é
indicado para exercer o juízo. (DTN, 210; Atos 17: 24)
Esta vinda é também predita pelo profeta Malaquias: "De repente virá ao
Seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo do concerto, a
17 |   Apostila –Apocalipse 1

quem vós desejais; eis que vem, diz o Senhor dos exércitos." Mal. 3:1. A
vinda do Senhor a Seu templo foi súbita, inesperada, para Seu povo.
Não O buscaram ali. Esperavam que viesse à Terra, "como labareda de
fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não
obedecem ao evangelho". II Tess. 1:8 (Cristo em Seu Santuário, 98)
(Mal 3: 1; Mat 11: 10; Mar 1: 2; Luc 1: 76; 7: 27.)

           Observação:
           Sair do santo para o Santíssimo é o mesmo que dizer;
           sair do julgamento do povo para o sacerdote.

João 17: 23, 26; O Espírito do Pai estaria no Filho, e o espírito do Filho
estaria na humanidade. (João 10: 30) pelo o Filho compartilhar do
mesmo espírito do Pai, são um em espírito. (João 6: 53 – 57). O Filho
vive pelo o Pai, os homens vivem pelo o Filho. (João 3: 34). Quem é
enviado por Deus fala as palavras dele. Ou seja, Deus fala através de
suas criaturas, especialmente pelo o Filho, que é o conduto numero
”01.” (João 3: 35). O Pai confiou todas as coisas nas mãos do Filho.
(João 5: 25, 28 ). Os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus. (João 5: 22,
27). O Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou. (Gen 18: 25; Jz 11: 27;
João 9: 39; Atos 10: 42)

           Apocalipse 1: 8; Ex 3: 14; Zac 14: 11; Isa 44: 6; 48:
           12; Apoc 1: 17, 18. (Apoc. 21: 6; Isa 55: 1; Apoc 22: 13;
           Isa 44: 6; Apoc 4: 8; Ez 1: 18; 10: 12; Isa 6: 2 -3; Apoc
           11: 17; 15: 3; 16: 7; 19: 6, 15; 21: 22; Rom 9: 29; II Cor
           6: 18; II Sam. 7: 14; I Cr. 17: 13 Heb. 1: 8)

“Eu Sou” (João 6: 20). O Alfa e o Omega. A primeira e a ultima letra do
alfabeto grego. É como se descêssemos de “A” a “Z”. a frase indica
integridade, plenitude, e tem o mesmo significado que o primeiro e o fim
(João 21: 13). A frase o “Alfa e o Omega” se refere a Cristo, que é
evidente pelo o verso “16”. O Pai e o Filho compartilham estes atributos
eternos.

           Isa 6: 2 -3; Apoc 11: 17; 15: 3; 16: 7; 19: 6, 15;
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 18

Isa 6: 7 – O carvão aceso do altar representava o poder refinador e
purificador da graça divina. Também significava uma transformação de
caráter. Desde esse momento, o único grande desejo de Isaias para seu
povo foi que eles também pudessem experimentar a mesma obra de
purificação e transformação. Nossa maior necessidade hoje é que
nossos lábios sejam tocados com o santo fogo do altar de Deus.


         Isaias 6: 8; Jó 40: 9; Atos 9: 4; Jer 26: 12, 15; Gen 1:
         26; 22: 1; Ex.3: 4.


Isaias 6: 8 – Deus pergunta: quem poderia fazer uma tamanha obra
(Jó 40: 9), alguém para fazer esta obra, teria que ser o braço de
Deus, (atos 9: 4) este homem teria que se despir da sua velha
natureza e buscar a Cristo de todo coração. (Jer 26: 12, 15) Jeremias
mostra um homem transformado pronto para o trabalho. (Gen 1: 26).
O homem como administrador de seu Criador. (Gen 22: 1; Heb 11:
17-19) destemidamente o novo homem cumpre a obra que seu
criador lhe designa.( Ex 3: 4) com esta transformação Deus e o
homem se encontra de novo como no principio da criação.
A resposta de Isaias foi imediata. Como Paulo, Isaias tinha um grande
desejo: que Israel pudesse ser salvo (cf. ROM. 10: 1). Sabia que o
castigo logo cairia sobre o povo culpado, e desejava que os israelitas
abandonassem seus pecados. A partir de então, a única tarefa de Isaias
seria o de levar a mensagem divina de admoestação e esperança ao
Israel, a fim de que pudesse captar a visão do amor e da santidade de
Deus para ser salvo.
Isaias 6: 9 – Deus envia o profeta Elias (Ez. 3: 11), a mensagem será
dada, sem medir as consequências. (Amós 7: 15) eram homens de
pouca cultura humana (Mat. 28: 19) estes terão a unção do Espírito para
fazer discípulos (Jer. 5: 21) e tirar discípulos de um povo cego e
sucumbidos no lamaçal do pecado, mas pelo poder do Espírito será
quebrado todo poder das trevas (Mat. 13: 15) o povo desta ultima
geração é um povo totalmente sem Deus (Luc 8: 10). Mesmo neste
tempo de total endurecimento do coração humano, toda a terra ficara
cheia da gloria de Deus.
19 |   Apostila –Apocalipse 1

Isaías 6: 10 – O profeta leva a mensagem, o povo ouve, mas, não é
feito a impressão para a cura do pecado, pois, satanás os manterá sob
seu encantamento. (Ex 4: 21), simbolicamente fica como Moisés e faraó.
O Povo de Deus tem que resistir com oração e jejum, (Dt 32: 15)
aparentemente é sem esperança. (Sl 119: 7) uma boa parte é sem
esperança, pois, as coisas deste mundo tem maior valor para eles (Isa
29: 9-13; Rom 11: 8; Isa 44: 18; 42: 18-25) nesta condições é como se
fosse impossível salvar alguém (Isa 43: 8) e têm toda a verdade mas
não entendem nada (Dt. 29: 4) porque com toda a palavra da verdade
se não tiver o Espírito Santo não podem compreender a mensagem (Ez
12: 2; Mar 8: 18; Mat 13: 13-15) a dureza de seu coração não deixa que
o Espírito atue.

           Isaias 6: 11; Sl 79: 5; Lev 16: 31; Jer 4: 13 -15; Mar. 5:
           8-10; Lev 26: 43; Isa 24: 10; Sl 79: 1; 109: 11; Jer 35:
           17.

Apesar da grande apostasia terá um resto que estarão sendo selados.
(Lev 16: 31)

Até quando, Senhor?
Isaias confrontava uma lúgubre perspectiva. Resultava-lhe difícil
acreditar que a situação que Deus lhe descrevia pudesse perdurar.
depois de algum tempo o povo certamente voltaria a si, e aceitaria a
mensagem divina de salvação e liberação. Daí sua pergunta.

Até que as cidades.
A triste resposta que Isaias recebeu de Deus foi que a situação
prevaleceria até que Judá se destruiu a si mesmo. Não havia esperança
de arrependimento; nem tampouco de sobrevivência. Salvar-se-ia um
remanescente, e por amor desse grupo fiel, Isaias tinha que proclamar
sua mensagem de salvação. Mas a nação como conjunto recusaria
apartar-se de seus maus caminhos, e à grande rejeição provocaria uma
ruína total e irreparável. As cidades ficariam desabitadas e a terra
completamente abandonada e desolada. O pecado não produz
felicidade a não ser desdita; não causa prosperidade a não ser ruína;
não leva a vida a não ser à morte. Esta é a grande lição que os porta-
vozes de Deus apresentaram ao mundo vez por vez (Lev. 26: 31-33;
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 20

Isa. 1: 20; 5: 9; 14: 17, 20; Jer. 4: 7, 20, 23-27; 7: 34; 9: 11; 26: 6, 18;
Miq. 3: 12; etc.).
1-7 (Apoc 11: 19). A experiência de Isaias, representa a experiência
da igreja nos últimos dias. (cita Isaias 6: 1-4). Quando o profeta
Isaias contempla a gloria do Senhor, ficou assombrado e admirado pelo
o sentimento de sua própria debilidade e indignidade e exclamou: ai de
mim que sou mortal; porque sendo homem imundo de lábios e
habitando no meio de um povo que tem lábios imundos, os meus olhos
tem visto o Rei, Jeová dos exércitos. Isaias tinha condenado os pecados
de outros; agora se viu a si mesmo exposto a mesma condenação que
tinha pronunciado contra eles. Em seu culto a Deus tinha se contentado
com uma cerimônia fria e sem vida. Não tinha dado conta disto até que
recebeu a visão do Senhor. Quão pequenos lhe pareciam então seus
talentos e sua sabedoria ao contemplar a santidade e majestade do
santuário celestial. Quão indigno era! Quão incapaz era ele para o
serviço sagrado! A forma em que viu a si mesmo, poderia expressar em
linguagem do apóstolo Paulo: Desventurado homem que sou! Quem me
livrará do corpo desta morte? (Rom 7: 24). Sem duvida veio alivio a
Isaias em sua angustia. (Isa 6: 6-7)
A visão que foi dada a Isaias, representa a condição do povo de
Deus nos últimos dias. Estes tem o privilegio de ver por fé a obra que
estar sendo realizada no santuário celestial: “E o templo de Deus foi
aberto no céu e a arca de seu pacto foi vista no templo”. Quando o povo
de Deus olhar por fé para dentro do lugar santíssimo, e vê a obra de
Cristo no santuário celestial, percebe que é um povo de lábios imundos;
e povo, cujo os lábios com freqüência tem falado vaidade, e cujos os
talentos não tem sido santificados e usados para a Gloria de Deus. Bem
poderia desesperar-se ao constatar sua própria debilidade e indignidade
com a pureza e o encanto do glorioso caratér de Cristo. Porém se o
deseja receber como Isaias a impressão que o Senhor quer fazer no
coração. Há esperança para eles se humilharem sua alma perante
Deus. O arco da promessa estar por cima do trono, e a obra feita por
Isaias será feita pelo o povo de Deus. Deus respondera as petições que
se eleva de corações contritos. (RH 22- 12- 1896).
21 |   Apostila –Apocalipse 1

A DIVINDADE
A divindade ou Trindade consiste de três pessoas: o Pai eterno, o
Senhor Jesus Cristo, Filho do Pai eterno, o Espírito Santo (ver. com.
Mat. 28:19; João 1:1-2; 6:27;14:16-17,26; Atos.5:3-4; Efe.4:4-6; Heb.1:1-
3,8; com. João1:1-3,14). Há três pessoas viventes no trio celestial.
Cristo e o Pai são “um em natureza, em caráter e em propósitos” (PP,
34), porém não em pessoa (5 T. 182). O Espírito Santo é uma pessoa
assim como Deus é uma pessoa. Ver material suplementar de EGW
com. Rom.1: 20-25 (5 T 158; 537; 227)
Na transfiguração, Jesus foi glorificado pelo Pai. Ouvimo-Lo dizer:
"Agora é glorificado o Filho do homem, e Deus é glorificado nEle."
João 13:31. Assim, antes de ser traído, e crucificado, foi fortalecido para
os últimos e terríveis sofrimentos. Ao se aproximarem os membros do
corpo de Cristo do período de sua luta final, "o tempo da angústia
de Jacó", crescerão em Cristo, e partilharão grandemente de Seu
espírito. À medida que a terceira mensagem se avoluma e se torna alto
clamor, e que a obra final é acompanhada de grande poder e glória, o
fiel povo de Deus participa dessa glória. É a chuva serôdia que os
vivifica e fortalece para passar pelo tempo de angústia. Seus rostos
brilharão com a glória daquela luz que acompanha a mensagem do
terceiro anjo. (I TS, pág. 131). IR PARA A “APOSTILA” O “SANTUÁRIO”

           Apoc. 1: 9. Verificar, versículo 1; Atos 14: 22; II Cor 1:
           7; Fil 4: 14, 6; II Tim 2: 12, 2; Heb 4: 12, 2.

(Apoc 1: 9). João estava vivendo no reino da graça e na tribulação, e o
reino da Graça é justamente conhecer os mistérios de Cristo e
enfrentar o reino das trevas. (Apoc 1: 1; Atos 14: 22; II Cor 1: 7; Fil 4:
14, 6) os apóstolos estavam transmitindo o caráter de Cristo (II Tim 2:
12, 2; Heb. 4: 12, 2) e através da palavra estavam sendo
transformados.
O mesmo tem que acontecer conosco hoje.

Co-participante convosco na tribulação.
Sem duvida João não era o único que sofreu perseguição neste
tempo. Em Jesus, achei-me na Ilha chamada de Patmos.
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 22

No Reino
É dizer o reino da graça divina (ver mat. 4:17). É necessário que
através de muitas tribulações encontremos o reino de Deus (Atos 14:
22) A raiz do vocabulário quer dizer permanecer debaixo “paciência”,
indica aqui, “agüentar” com perseverança, ter exercício do domínio
próprio, para poder suportar uma situação difícil. Quando só negar a
fé se poderia evitar a pressão da perseguição. Os cristãos tem em
Cristo força suficiente para agüentar em Jesus (ver Rom. 2:7;
Apoc.14:12).
Em Jesus – “em Jesus”. A paciência é uma relação vital com Ele.
Estava (Achei-me) – melhor “dizer estar”, o que indica que no
espírito.

Patmos
Ilha do mar Ageu, a uns 80 Km, ao Sudoeste de Éfeso, mede uns
15Km de Norte a Sul e um 10Km de Leste a Oeste, em sua parte
mais larga, Patmos é rochosa e árida; sua praia sumamente irregular,
forma muito escabrosa. Plínio escreveu no ano 77 d.C. que se usava
a Ilha como uma colônia penal. Isto explica a declaração de João de
era co-participante. Na tribulação o apóstolo estava em Patmos como
preso dos Romanos. Esta ilha de Patmos pode representar muito
bem o estado espiritual do mundo um pouco antes da volta de
Cristo.
Vitorino de Petavio (M.c. 303 d.c.) declarou uns séculos mais tarde a
cerca de Apocalipse: Que quando João escreveu, estava na Ilha de
Patmos condenado a trabalhar nas minas, pelo o Cezar Domiciano. A
palavra latina metallum, pode referir-se tanto a uma cratera como
uma mina, porém como Patmos tinha cratera e não há vestígio de
que houvesse tido minas é provável que quisesse dizer o primeiro. A
declaração de Plínio de que Patmos era uma Colônia penal, e de um
contemporâneo de João bem informado, entretanto deve classificar
como uma tradição.
Por causa da palavra – o texto grego não apóia a opinião de que esta
frase significa que João estava em Patmos, com o fim de receber e
registrar visões que ali lhe seriam dadas. (ver vr. 2) As frases
23 |   Apostila –Apocalipse 1

“palavra de Deus” e testemunho de Jesus Cristo. “Se refere seu
testemunho espirado a favor do Evangelho durante mais de meio
século. Este havia sido o único propósito que motivava a vida de
João. Durante os amargos dias de perseguição no tempo de
Domiciano, seu intrépido testemunho foi á causa de que desterraram
para Patmos.

           Apoc 1.10. Joel 2: 31; Sof 1: 7, 8; Amos 5: 18; Obadias
           15; Apoc 4: 1;Apoc 4: 2; 17: 3 Ex 20: 18; 21: 10

Estar em espírito não significa estar ausente, pois o espírito é um
caráter. Estar em espírito, é o mesmo que dizer, que estamos
vivendo o caráter de alguém (Apoc 1: 10). Sendo assim podemos
dizer que João alcançou o estado espiritual de Jesus, em um dia de
Juízo (Joel 2: 31; Sof 1: 7, 8; Amós 5: 18; Obadias, 15). Temos visto
que a expressão “Dia do Senhor” não se refere só ao sábado, mas a
um período de Juízo, que ocorrerá um pouco antes da vinda de
Cristo em pessoa.
“A obra que o Salvador devia fazer na Terra fora amplamente
esboçada: "E repousará sobre Ele o Espírito do Senhor, o
espírito de sabedoria e de inteligência, o espírito de conselho e
de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor. E
deleitar-se-á no temor do Senhor." Isa. 11:2 e 3. Aquele que assim
fora ungido devia "pregar boas novas aos mansos: ... restaurar os
contritos de coração, ... proclamar liberdade aos cativos, e a abertura
de prisão aos presos; ... apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia
da vingança de nosso Deus; ... consolar todos os tristes; ... ordenar
acerca dos tristes de Sião que se lhes dê ornamento por cinza, óleo
de gozo por tristeza, vestido de louvor por espírito angustiado; a fim
de que se chamem árvores de justiça, plantação do Senhor, para que
Ele seja glorificado." Isa. 61:1-3.” (AA, 224)
Entretanto, especificamente se referiu ao que havia ensinado
anteriormente: "Acerca dos tempos e das estações, não necessitais
de que se vos escreva", disse ele. "Porque vós mesmos sabeis
muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; pois
que, quando disserem: Há paz e segurança; então lhes sobrevirá
repentina destruição." I Tess. 5:1-3. (AA, 260)
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 24

"O Espírito do Senhor Jeová está sobre Mim, porque o Senhor Me ungiu
para pregar boas novas aos mansos; enviou-Me a restaurar os contritos
de coração, a proclamar liberdade aos cativos e a abertura de prisão
aos presos; a apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da
vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes." Isa. 61:1 e 2.
Por estes textos fica mais claro que este dia é o dia do juízo e não o
dia de sábado.

          Apoc 1: 11. Verificar versículo 19; 4: 2; Atos 18: 19;
          Apoc 18: 2; Isa 13: 21; 21: 9; Jer 50: 39; Apoc 18: 8;
          8: 2; Apoc 2: 12; Atos 16: 14; Apoc 2: 18 e 24; 3: 1; 3:
          7; Col 2: 1; Apoc 3: 14.

Apoc 1:11. Verificar versículo 19; 4: 2. A plenitude espiritual dos sete
período da igreja, daria em um período quando Apoc 4: 2, se cumpriria
quando uma multidão de pessoas seriam o trono de Deus em espírito.
(João 4: 23, 24). A pregação do evangelho só será possível mediante
o Espírito Santo (Atos 18: 19; Apoc 18: 2). Só o Espírito Santo pode
combater o espírito do mal (Isa 13: 21; 21: 9; Jer 50: 39; Apoc 18: 8).
João viu sete anjos em espírito, que na verdade era o sétimo anjo que
estava em pé junto do altar. (Apoc 8: 2, 3) mesmo na escuridão
espiritual, uma medida do espírito é concedida (Apoc 2: 13, 12; Atos
16: 14) e ai vai acumulando o conhecimento e também o poder do
espírito. (Apoc 2: 18 e 24; 3: 1; 3: 7) Até que a nova criação surge.
(Col 2: 1; Apoc 3: 14: Prov. 8: 22)
Pela a repetição das igrejas, se pode perceber o acumulo
espiritual.
As sete igrejas são as primeiras de uma série de “sete” que se fala
em Apocalipse: sete espíritos (vr.4), sete candelabros (vr.12), sete
estrelas (vr.16), sete lâmpadas de fogo (cap. 4: 5, um livro com sete
selos (cap.5:1), os sete chifres e sete olhos do cordeiro (cap 5:6), sete
anjos com sete trombetas (cap 8:2), sete tronos (cap 10:4), um dragão
com sete cabeças e sete coroas (cap 12:3), uma besta com sete
cabeças (cap 13:1), sete anjos que tinham as sete taças que contém as
sete últimas pragas (cap 15:1-7) e a besta com sete cabeças, que se diz
que também são sete montes e sete reis (cap 17: 3, 9-10). Este uso
repetido do número sete com tantos símbolos diferentes, significa
25 |   Apostila –Apocalipse 1

que essa cifra (ou número) também deve entender-se em sentido
simbólico. Através de toda escritura o número sete, quando se usa
simbolicamente, em geral representa plenitude, perfeição.
           Apoc. 1: 12. Verificar versículo 20; Ex. 25: 31-40; Zac
           4: 2; Apoc 2: 1.

Apocalipse 1:12. Versículo 20 é chamada atenção de João, alguém
que fala com ele e Ele olha e vê sete candeeiros, os candeeiros são
símbolo da igreja dos sete períodos da historia cristã. João agora estava
podendo compreender perfeitamente o espírito da mensagem de todos
os períodos.
Eles sendo feito de ouro parece indicar um conhecimento perfeito. João
vê Cristo caminhando no meio deles (versos 13-18) que indica sua
presença contínua no meio das igrejas, mas isto é em espírito. (ver Mat.
28:20; Col. 1:18). O espírito de Cristo sempre esteve presente em seu
povo fiel. Em Ex 25: 31; Zac. 4: 2; Apoc 2: 1), mostra o quadro espiritual
perfeito.
           Apoc 1: 13; Apoc 2: 1; Dan 10: 5; Ez. 1: 26; Dan 7: 13;
           10: 16; Apoc 14: 14; Isa 1: 6; Apoc 19:12; 15: 6.



(Apoc 1.13. Apoc 2: 1; Dan 10: 5). Um remanescente igual a Cristo.
Ez. 1: 26; Dan 7: 13; 10: 16; Apoc 14: 14; Isa 1: 6; Apoc 19:12; 15: 6;
II Cor 3: 18. Dotado com a plenitude do Espírito Santo.
A norma para avaliar o caráter é a lei real. A lei é o denunciador do
pecado. Pela lei vem o conhecimento do pecado. O pecador é, porém,
constantemente atraído para Jesus pela maravilhosa manifestação de
Seu amor em humilhar-Se a Si mesmo até a ignominiosa morte na cruz.
Que tema para estudo é este! Os anjos têm procurado e anelado
fervorosamente devassar esse admirável mistério. É um estudo que
pode pôr à prova a mais alta inteligência humana, que o homem,
caído, enganado por Satanás, tomando o partido deste último,
possa ser moldado à imagem do Filho do Deus infinito. Que o
homem seja semelhante a Ele, e que, devido à justiça de Cristo
concedida ao homem, Deus amará o homem - caído mas resgatado -
assim como Ele amou a Seu Filho. Lede-o diretamente dos vivos
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 26

oráculos. (III ME, 169) (Rom. 8: 29; I Cor 15: 49; II Cor 3: 18; Fil. 3: 21;
I João 3: 2; Col. 1: 18; II Cor 3: 18)

Filho do homem.
É Cristo. O titulo filho do homem com artigo definido se usa mais de 80
vezes para referir-se a Cristo.
Todas as nossas faculdades pertencem a Deus. São dEle pela criação e
pela redenção. Deus concedeu a cada um Sua medida de poder, e
espera que cada um a aplique do lado da verdade. É assim que ela
deverá reluzir. O cristão deve colocar-se inteiramente ao lado do
Senhor. "Agora, ... permanecem a fé, a esperança e o amor." I Cor.
13:13. A fé olha além das dificuldades desalentadoras e se apega ao
invisível, à própria Onipotência, não podendo, portanto, ser frustrada. A
fé, a esperança e o amor são irmãos, e suas obras se fundem
perfeitamente para resplandecer entre as trevas morais do mundo. As
crianças e os jovens devem ser instruídos, e os ignorantes devem ser
ensinados por perseverante esforço a conhecer o que é a verdade. Esta
lhes deve ser transmitida como preceito sobre preceito. Manuscrito 46,
1897. (MM, Este Dia Com Deus, 129)
A fraqueza do homem encontrará força sobrenatural e auxílio em
todo árduo conflito para realizar as obras da Onipotência; e a
perseverança em fé e perfeita confiança em Deus garantirá o sucesso.
Enquanto a antiga confederação do mal está arregimentada contra eles,
Ele ordena que sejam bravos e fortes e lutem valentemente, pois têm
um Céu a ganhar, e têm em suas fileiras mais do que um simples anjo:
o poderoso General dos exércitos conduz as forças do Céu. Quando da
tomada de Jericó, nenhum dos exércitos de Israel podia vangloriar-se,
exercer sua força finita a fim de derrubar os muros da cidade; mas o
Capitão dos exércitos do Senhor planejou essa batalha na maior
simplicidade, a fim de que o homem não se exaltasse e somente o
Senhor recebesse a glória. Deus nos tem prometido poder; e a
promessa é para nós e para nossos filhos, e para todos os que estão
longe e para aqueles a quem o Senhor nosso Deus chamar. ... (MM,
Vidas Que Falam, 118)
27 |   Apostila –Apocalipse 1

O verdadeiro pastor terá interesse em tudo quanto diz respeito ao bem-
estar do rebanho, alimentando-o, guiando-o e defendendo-o. Conduzir-
se-á com grande prudência, e manifestará terna consideração por todos,
especialmente pelos tentados, aflitos e desanimados. "Bem como o
Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e para
dar a Sua vida em resgate de muitos." Mat. 20:28. "Na verdade, na
verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o
enviado, maior do que aquele que o enviou." João 13:16. Cristo
"aniquilou-Se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se
semelhante aos homens". Filip. 2:7. "Mas nós que somos fortes
devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nós
mesmos. Portanto, cada um de nós agrade ao seu próximo no que é
bom para edificação. Porque também Cristo não agradou a Si mesmo,
mas, como está escrito: Sobre Mim caíram as injúrias dos que Te
injuriavam." Rom. 15:1-3. (O. Evang. 190).
Mas esse é semelhante ao filho do homem.
Até os pés – Um vestido longo e simbólico de dignidade.
           Apoc. 1: 14; Dan 7: 9; Apoc 20: 4; Dan. 10: 6; Apoc 2:
           18; 19: 12

Apoc. 1.14. Dan 7: 9; Apoc 20: 4; Dan. 10: 6 – um remanescente
alcança a cadeira de serafim e recebe a plenitude do espírito

Branco como a branca lã
 A sua mente, quem sabe veio à descrição de Dan 7:9. Ao meu modo de
ver, esta citação dos cabelos brancos de Cristo representa sua pureza
de caráter e pensamentos retos. Na verdade é Cristo na pessoa dos
santos.

Chama de fogo
Uma chama ardente, que faz ressaltar o brilho do seu rosto e a
intensidade de seu olhar. Um olhar perscrutador, que atravessa tudo
que não pode suportar o mal.
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 28


         Apoc. 1:15; Ez 1: 24; Dan 10: 6; Apoc 2: 18; Ez 43: 2;
         Apoc 14: 2; 19: 6.

Mais uma vez é identificado um grupo de pessoas que alcançaram o
caráter de Cristo

Muitas águas
Águas representa pessoas, multidão, esse ser tinha a voz, como voz de
muitas águas, ou seja representava uma grande multidão

         Apoc. 1:16; Verificar versículo 20; Apoc. 2: 1; 3: 1; Isa
         1: 20; 49: 2 - 3; Heb 4: 12; Apoc 2: 12,16; 19: 15, 21; Jz
         5: 31; Mat 17: 2.

Através de um remanescente, e da palavra de Deus que se fez
carne. Deus desafiará as nações.

Sua mão direita
É com a mão direita que executamos as obras. Mas podemos ter
alguém como nossa mão direita. Alguém de confiança. A mão de Deus
representa aqui um povo

Sete estrelas
Símbolo que representa os anjos, os mensageiros enviados as sete
igrejas (ver vr. 20).
"Estas coisas diz Aquele que conserva na mão direita as sete
estrelas." As palavras são dirigidas aos mestres na igreja - aqueles a
quem Deus confiou pesadas responsabilidades. As agradáveis
influências que devem ser abundantes na igreja estão ligadas aos
pastores, os quais devem revelar o precioso amor de Cristo. As estrelas
do Céu estão sob o Seu controle. Ele as enche de luz. Guia-as, e lhes
dirige os movimentos. Se não fizesse isso, elas tornar-se-iam estrelas
cadentes. Acontece a mesma coisa com os Seus pastores. Eles apenas
são instrumentos em Suas mãos, e todo o bem que realizam é efetuado
pelo Seu poder. Sua luz deve resplandecer por meio deles. O Salvador
será sua eficiência. Se olharem para Ele como Ele olhava para o Pai,
29 |   Apostila –Apocalipse 1

realizarão Sua obra. Ao fazerem de Deus sua confiança, Ele lhes dará o
Seu esplendor para que o reflitam sobre o mundo. (MM, Exaltai-O, 319)

Espada aguda de dois gumes (Heb 4: 12; Mat 12: 37)
Representa a Palavra da verdade, pois quando a recebemos ela divide
juntas e medulas fazendo separação entre alma e espírito. Ela vem com
cheiro de vida, para vida e cheiro de morte para morte.

Como o sol
O sol é a luz mais brilhante que conhece normalmente o homem. O sol
ele aquece, da vida e também destrói, e criatura nenhuma pode suportar
o brilho de sua luz. Isto quer dizer que terão um conhecimento igual ao
de Cristo, pois cantarão o cântico de Moises e do Cordeiro. (Apoc 15: 3)

           Apoc. 1:17; Ez 1: 28; Dan 8: 17, 18, 19; Mat 14: 27; Isa
           41: 4; 44: 6; 48: 12; Apoc 2: 8; 22: 13.

Aqui vemos a igreja gloriosa executando a obra da onipotência.

Como morto
Estar como morto, não literal, pois a igreja passou por um período
de apostasia, e o nome de Cristo estava por assim dizer “morto”.

Não temas
Naquele momento da visão, o profeta não estava pronto para um fato
real, que aconteceria no futuro. Naquele momento, nem mesmo Daniel
estava pronto. Por isso foi a resposta – é para o futuro.

           Apoc. 1: 18; Rom 6: 9; Apoc 2: 8; Deut 32:39, 40; Dan
           4: 34; 12: 7; Apoc 4: 9, 10; 10: 5; 15: 7; 9: 1; 20: 1.

O que vive
Indubitavelmente o termo comum do AT “Deus vivente” (Jos 3: 10), a
flexão do verbo indica uma vida continua, permanente. Esta declaração
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 30

tem um significado especial porque Cristo tem vida original, que não
provem e nem deriva de outra, “nEle estava a vida, e a vida era a luz
dos homens (ver com João 1: 4)

Vivo.
Vivendo estou, é dizer, tenho vida continua, vida que não termina vida
auto-existente (João 5: 26).

Pelos os séculos dos séculos.
Para toda a eternidade. Ver com versículo 6.

Amém.
Assim será ou é.

Chaves.
As chaves são um símbolo de poder e autoridade. Cf Mat 16: 19; Luc
11: 52.

Inferno.
A morada dos mortos, “sepulcro” (Apoc 20: 12; I Pe 4: 6). A vitória de
Cristo trouxe tudo o universo em seu antigo estado.
Com a purificação do templo, anunciou Jesus Sua missão como
Messias. Aquele templo, erigido, para morada divina, destinava-se a
ser uma lição objetiva para Israel e o mundo. Desde os séculos
eternos era o desígnio de Deus que todos os seres criados,
desde os luminosos e santos serafins até ao homem, fossem um
templo para morada do Criador. Devido ao pecado, a
humanidade cessou de ser o templo de Deus. Obscurecido e
contaminado pelo pecado, o coração do homem não mais revelava a
glória da Divindade. Pela encarnação do Filho de Deus, porém,
cumpriu-se o desígnio do Céu. (DTN, 161)
Nas pedreiras do mundo judeu e do mundo pagão os apóstolos
trabalharam, trazendo pedras para colocar sobre o fundamento. Em sua
carta aos crentes de Éfeso, Paulo disse: "Assim que já não sois
31 |   Apostila –Apocalipse 1

estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família
de Deus; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas,
de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o
edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor, no
qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus
em Espírito." Efés. 2:19-22. (AA, 596)
Homem algum pode de si mesmo expulsar a turba má que tomou
posse do coração. Unicamente Cristo pode purificar o templo da
alma. Não forçará, porém, a entrada. Não vem ao templo do coração
como ao de outrora; mas diz: "Eis que estou à porta, e bato; se
alguém ouvir a Minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa."
Apoc. 3:20. Ele virá, não somente por um dia; pois diz: "Neles
habitarei, e entre eles andarei: ... e eles serão o Meu povo." II
Cor. 6:16. Sua presença purificará e santificará a alma, de
maneira que ela seja um santo templo para o Senhor, e uma
"morada de Deus em Espírito". Efés. 2:21 e 22. (O Desejado de
Todas as Nações, pág. 161.)

           Apoc. 1: 18; Rom. 6: 9; Apoc 2: 8; Deut. 32: 39 - 41; Dan
           4: 34; 12: 7; Apoc 4: 9, 10; 10: 6; 15: 7; 9: 1; 20: 1.

O homem volta a ser morada de Deus em Espírito. De um resto que
estava no pecado, Deus levanta um santuário.

O que vive.
Indubitavelmente o termo comum do AT “Deus vivente” (Jos 3: 10), a
flexão do verbo indica uma vida continua, permanente. Esta declaração
tem um significado especial porque Cristo tem vida original, que não
provem e nem deriva de outra, “nEle estava a vida, e a vida era a luz
dos homens (ver com João 1: 4) . e Deus vive através de suas criaturas.
Estive morto. Já foi comentado
Pelos os séculos dos séculos. Para toda a eternidade. Ver com
versículo 6.
Amém. Assim será ou é.
A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 32

Chaves. As chaves são um símbolo de poder e autoridade. Cf Mat 16:
19; Luc 11: 52.

Inferno.
A morada dos mortos, “sepulcro

Sete Estrelas.
Ver com vers 11, 16 Estes versículos são uma ponte que une os vers
12-19 com a mensagem dos capítulos 2 e 3. E explica os símbolos dos
vrs 12, 16 e prepara o caminho para as mensagens das deferentes
igrejas.
Aquele que estabeleceu os mundos estelares nos altos céus, e
com delicada perícia coloriu as flores do campo, Aquele que encheu
a Terra e os céus com as maravilhas de Seu poder, vindo a coroar
Sua obra gloriosa a fim de pôr em seu meio alguém para ser o
governador da linda Terra, não deixou de criar um ser digno das
mãos que lhe deram vida. A genealogia de nossa raça, conforme é
dada pela inspiração, remonta sua origem não a uma linhagem de
germes, moluscos e quadrúpedes a se desenvolverem, mas ao
grande Criador. Posto que formado do pó, Adão era filho "de Deus".
Luc. 3:38. (P.P, pág. 45)

Anjos. “Mensageiros”
tanto podem ser celestial ou humano (cf. Mat. 11: 10; Mar. 1: 2; Luc. 7:
24,27; 9: 52; I Cor.12: 7. Se tem sugerido que os anjos das sete igrejas
são seus respectivos anciões ou supervisores do tempo de João, e que
o Senhor lhes dirigem estas mensagens para que os transmitam as
suas respectivas congregações. Sem duvida com possível exceção dos
anjos das sete igrejas, a palavra anjo não se refere a seres humanos
nos 75 casos em que João usa em Apocalipse. Se aqui se refere a
eles, não fica claro pelo o contexto. Mas não parece possível que Deus
eivei mensagens á anjos literais por meio de João, por tanto se prefere
identificar á esses anjos como os dirigentes das igrejas. (OE pág. 13-19)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

U.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria FinalU.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria Final
Ramón Zazatt
 
A natureza humana de Cristo
A natureza humana de CristoA natureza humana de Cristo
A natureza humana de Cristo
Luciano Armando
 
Linguagem do amor
Linguagem do amorLinguagem do amor
Linguagem do amor
Eduardo Sousa Gomes
 
Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das Nações
Ramón Zazatt
 
A divindade luz_biblia
A divindade luz_bibliaA divindade luz_biblia
A divindade luz_biblia
Luciano Armando
 
Qual o segredo para...
Qual o segredo para...Qual o segredo para...
Qual o segredo para...
Eduardo Sousa Gomes
 
Jesus filho deus
Jesus filho deusJesus filho deus
Jesus filho deus
Histórico Angola
 
ESTUDO BÍBLICO
ESTUDO BÍBLICOESTUDO BÍBLICO
ESTUDO BÍBLICO
Lc Passold
 
Agrande tribulação 4
Agrande tribulação 4Agrande tribulação 4
Agrande tribulação 4
Fabio Renato Ventura Pinto
 
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
Cristiano Pegoraro
 
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
arlete.becker
 
A Segunda Vinda de Cristo.
A Segunda Vinda de Cristo.A Segunda Vinda de Cristo.
A Segunda Vinda de Cristo.
Márcio Martins
 
00 Introducao Plano Divino
00 Introducao Plano Divino00 Introducao Plano Divino
00 Introducao Plano Divino
bxxp
 
O rico e o mendigo
O rico e o mendigoO rico e o mendigo
O rico e o mendigo
ribamarcantanhede2
 
O que difere o Filho do Pai?
O que difere o Filho do Pai?O que difere o Filho do Pai?
O que difere o Filho do Pai?
Luciano Armando
 
Egw confirma espírito santo é Cristo
Egw confirma espírito santo é CristoEgw confirma espírito santo é Cristo
Egw confirma espírito santo é Cristo
Luciano Armando
 
Quem é o espirito santo
Quem é o espirito santoQuem é o espirito santo
Quem é o espirito santo
Histórico Angola
 
Tribulação fim
Tribulação fimTribulação fim
Tribulação fim
Dagmar Wendt
 
Culto de páscoa
Culto de páscoaCulto de páscoa
Jesus Cristo é Deus?
Jesus Cristo é Deus?Jesus Cristo é Deus?
Jesus Cristo é Deus?
Histórico Angola
 

Mais procurados (20)

U.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria FinalU.XIII - A Vitoria Final
U.XIII - A Vitoria Final
 
A natureza humana de Cristo
A natureza humana de CristoA natureza humana de Cristo
A natureza humana de Cristo
 
Linguagem do amor
Linguagem do amorLinguagem do amor
Linguagem do amor
 
Unidade 15 - O fim das Nações
Unidade 15 -  O fim das NaçõesUnidade 15 -  O fim das Nações
Unidade 15 - O fim das Nações
 
A divindade luz_biblia
A divindade luz_bibliaA divindade luz_biblia
A divindade luz_biblia
 
Qual o segredo para...
Qual o segredo para...Qual o segredo para...
Qual o segredo para...
 
Jesus filho deus
Jesus filho deusJesus filho deus
Jesus filho deus
 
ESTUDO BÍBLICO
ESTUDO BÍBLICOESTUDO BÍBLICO
ESTUDO BÍBLICO
 
Agrande tribulação 4
Agrande tribulação 4Agrande tribulação 4
Agrande tribulação 4
 
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
 
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará06   Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
06 Apocalipse Diz Que Jesus Voltará
 
A Segunda Vinda de Cristo.
A Segunda Vinda de Cristo.A Segunda Vinda de Cristo.
A Segunda Vinda de Cristo.
 
00 Introducao Plano Divino
00 Introducao Plano Divino00 Introducao Plano Divino
00 Introducao Plano Divino
 
O rico e o mendigo
O rico e o mendigoO rico e o mendigo
O rico e o mendigo
 
O que difere o Filho do Pai?
O que difere o Filho do Pai?O que difere o Filho do Pai?
O que difere o Filho do Pai?
 
Egw confirma espírito santo é Cristo
Egw confirma espírito santo é CristoEgw confirma espírito santo é Cristo
Egw confirma espírito santo é Cristo
 
Quem é o espirito santo
Quem é o espirito santoQuem é o espirito santo
Quem é o espirito santo
 
Tribulação fim
Tribulação fimTribulação fim
Tribulação fim
 
Culto de páscoa
Culto de páscoaCulto de páscoa
Culto de páscoa
 
Jesus Cristo é Deus?
Jesus Cristo é Deus?Jesus Cristo é Deus?
Jesus Cristo é Deus?
 

Semelhante a 34. apocalipse 1

Apostasia
ApostasiaApostasia
Evangelho eterno_1342014_GGR
Evangelho eterno_1342014_GGREvangelho eterno_1342014_GGR
Evangelho eterno_1342014_GGR
Gerson G. Ramos
 
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Gerson G. Ramos
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
José Carlos Polozi
 
Quem somos em cristo
Quem somos em cristoQuem somos em cristo
Quem somos em cristo
João Campos
 
Cristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras Cristãs
Cristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras CristãsCristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras Cristãs
Cristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras Cristãs
Rogério de Sousa
 
56 pão temporal
56   pão temporal56   pão temporal
56 pão temporal
pohlos
 
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGRA primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
Gerson G. Ramos
 
45. a luz do mundo
45. a luz do mundo45. a luz do mundo
45. a luz do mundo
pohlos
 
Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013
Gerson G. Ramos
 
00 a justica de cristo
00 a justica de cristo00 a justica de cristo
00 a justica de cristo
Julio Simões
 
Esta escrito
Esta escritoEsta escrito
Esta escrito
Edilson Gomes
 
A razão da existência do adventismo
A razão da existência do adventismoA razão da existência do adventismo
A razão da existência do adventismo
Eduardo Sousa Gomes
 
Jesus o filho de deus
Jesus o filho de deusJesus o filho de deus
Jesus o filho de deus
Monteiro07
 
500 estudos biblicos
500 estudos biblicos500 estudos biblicos
500 estudos biblicos
carlosapes
 
36. o reino da graça
36. o reino da graça36. o reino da graça
36. o reino da graça
pohlos
 
27. apostasia
27. apostasia27. apostasia
27. apostasia
pohlos
 
A divindade luz_biblia
A divindade luz_bibliaA divindade luz_biblia
A divindade luz_biblia
Jose Moraes
 
Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.
Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.
Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.
Gerson G. Ramos
 
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Gerson G. Ramos
 

Semelhante a 34. apocalipse 1 (20)

Apostasia
ApostasiaApostasia
Apostasia
 
Evangelho eterno_1342014_GGR
Evangelho eterno_1342014_GGREvangelho eterno_1342014_GGR
Evangelho eterno_1342014_GGR
 
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
Resumo_Reavivamento: nossa grande necessidade_132013
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
 
Quem somos em cristo
Quem somos em cristoQuem somos em cristo
Quem somos em cristo
 
Cristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras Cristãs
Cristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras CristãsCristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras Cristãs
Cristologia 4 - O Credo dos Apóstolos e as Escrituras Cristãs
 
56 pão temporal
56   pão temporal56   pão temporal
56 pão temporal
 
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGRA primeira vinda de Jesus_122015_GGR
A primeira vinda de Jesus_122015_GGR
 
45. a luz do mundo
45. a luz do mundo45. a luz do mundo
45. a luz do mundo
 
Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013Lições do santuário_Resumo_442013
Lições do santuário_Resumo_442013
 
00 a justica de cristo
00 a justica de cristo00 a justica de cristo
00 a justica de cristo
 
Esta escrito
Esta escritoEsta escrito
Esta escrito
 
A razão da existência do adventismo
A razão da existência do adventismoA razão da existência do adventismo
A razão da existência do adventismo
 
Jesus o filho de deus
Jesus o filho de deusJesus o filho de deus
Jesus o filho de deus
 
500 estudos biblicos
500 estudos biblicos500 estudos biblicos
500 estudos biblicos
 
36. o reino da graça
36. o reino da graça36. o reino da graça
36. o reino da graça
 
27. apostasia
27. apostasia27. apostasia
27. apostasia
 
A divindade luz_biblia
A divindade luz_bibliaA divindade luz_biblia
A divindade luz_biblia
 
Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.
Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.
Rituais e cerimônias da igreja_Resumo_Liç_942012_Esc_Sab.
 
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013Oração: a força do reavivamento resumo 232013
Oração: a força do reavivamento resumo 232013
 

Mais de pohlos

55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
pohlos
 
54. o poder das trevas
54. o poder das trevas54. o poder das trevas
54. o poder das trevas
pohlos
 
53. vans suspeitas
53. vans suspeitas53. vans suspeitas
53. vans suspeitas
pohlos
 
52. o que é religião
52. o que é religião52. o que é religião
52. o que é religião
pohlos
 
51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros
pohlos
 
50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia
pohlos
 
49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa
pohlos
 
48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade
pohlos
 
47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor
pohlos
 
46. árvore de fruto
46. árvore de fruto46. árvore de fruto
46. árvore de fruto
pohlos
 
44. linguagem
44. linguagem44. linguagem
44. linguagem
pohlos
 
43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil
pohlos
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oração
pohlos
 
41. estudo independente
41. estudo independente41. estudo independente
41. estudo independente
pohlos
 
39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i
pohlos
 
40. trono
40. trono40. trono
40. trono
pohlos
 
38. abismo
38. abismo38. abismo
38. abismo
pohlos
 
37. verduras
37. verduras37. verduras
37. verduras
pohlos
 
35. senhor justiça nossa
35. senhor justiça nossa35. senhor justiça nossa
35. senhor justiça nossa
pohlos
 
33. amai vos uns aos outros
33. amai vos uns aos outros33. amai vos uns aos outros
33. amai vos uns aos outros
pohlos
 

Mais de pohlos (20)

55. a norma mais alta
55. a norma mais alta55. a norma mais alta
55. a norma mais alta
 
54. o poder das trevas
54. o poder das trevas54. o poder das trevas
54. o poder das trevas
 
53. vans suspeitas
53. vans suspeitas53. vans suspeitas
53. vans suspeitas
 
52. o que é religião
52. o que é religião52. o que é religião
52. o que é religião
 
51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros51. devemos amar uns aos outros
51. devemos amar uns aos outros
 
50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia50. enigmas da bíblia
50. enigmas da bíblia
 
49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa49. o ômega e o alfa
49. o ômega e o alfa
 
48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade48. o amor à comodidade
48. o amor à comodidade
 
47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor47. a obrar do pastor
47. a obrar do pastor
 
46. árvore de fruto
46. árvore de fruto46. árvore de fruto
46. árvore de fruto
 
44. linguagem
44. linguagem44. linguagem
44. linguagem
 
43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil43. o selamento dos 144 mil
43. o selamento dos 144 mil
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oração
 
41. estudo independente
41. estudo independente41. estudo independente
41. estudo independente
 
39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i39. a condição da igreja i
39. a condição da igreja i
 
40. trono
40. trono40. trono
40. trono
 
38. abismo
38. abismo38. abismo
38. abismo
 
37. verduras
37. verduras37. verduras
37. verduras
 
35. senhor justiça nossa
35. senhor justiça nossa35. senhor justiça nossa
35. senhor justiça nossa
 
33. amai vos uns aos outros
33. amai vos uns aos outros33. amai vos uns aos outros
33. amai vos uns aos outros
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 

Último (14)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 

34. apocalipse 1

  • 2. 1| Apostila –Apocalipse 1 Apocalipse 1 Esta revelação foi dada para guia e conforto da igreja através da dispensação cristã. No entanto, mestres religiosos têm declarado que este é um livro selado e seus segredos não podem ser explicados. Em conseqüência, muitos se têm desviado do relato profético, recusando devotar tempo e estudo a seus mistérios. Mas Deus não deseja que Seu povo tenha este livro em semelhante conta. Ele é a "revelação de Jesus Cristo, a qual Deus Lhe deu, para mostrar aos Seus servos as coisas que brevemente devem acontecer". "Bem- aventurado aquele que lê", declara o Senhor, e "os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo." Apoc. 1:1 e 3. "Eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro; e, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, e da cidade santa, que estão escritas neste livro. Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho." Apoc. 22:18-20. (AA, 583/584) O Senhor nos manda advertência, conselho e reprovação, para que tenhamos oportunidade de corrigir nossos erros antes que eles se tornem segunda natureza. Se, porém, recusamos ser corrigidos, Deus não interfere para impedir as tendências de nosso procedimento. Não realiza nenhum milagre para que a semente semeada não brote e dê frutos. O homem que manifesta um endurecimento infiel ou uma impassível indiferença para com a verdade divina, está simplesmente ceifando o que semeou. Tal tem sido a experiência de muitos. Ouvem com impassível indiferença as verdades que uma vez lhes comoveram o coração. Semearam negligência, indiferença e resistência para com a verdade; e tal é a ceifa que colhem. A frieza do aço, a dureza do ferro, a natureza impenetrável, insusceptível da rocha - todos estes encontram um traslado no caráter de muitos professos cristãos. Foi assim que o Senhor endureceu o coração de Faraó. Deus falou ao rei egípcio pela boca de Moisés, dando-lhe as mais convincentes demonstrações do poder divino; mas o rei obstinadamente recusou a luz que o haveria
  • 3. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |2 levado ao arrependimento. Deus não mandou um poder sobrenatural para endurecer o coração do rebelde rei, mas à medida que Faraó resistia à verdade, o Espírito Santo era retirado, e ele entregue às trevas e incredulidade que preferira. (MM, Nossa Alta Vocação, 158) Apocalipse – revelação, descobrimento. Apoc 1: 1; João 12: 49; 17: 8, 19; Dan 2: 28 -29; Apoc 22: 6, 16; Isa 11: 1; Mat 3: 2; Apoc 5: 5; 22: 4, 9, 8; Segundo o livro de João, (João 12: 49). Jesus não falou por si mesmo, mas O Pai falou através do Filho e o Filho se revela a seu povo os últimos acontecimentos da Terra. (João17: 8, 19) toda revelação provem de Deus. (Dan 2: 28-29), no tempo do fim Deus revela todos os mistérios aos seus filhos, isto é ao sétimo anjo. (Apoc 10: 7; Apoc 22: 6, 16). O Senhor Jesus enviou o Santo Espírito para revelar ao seu povo, os acontecimentos finais. (Isa 11: 1-2) das raízes do Homem de Nazaré um renovo, isto é o último remanescente seria nova criatura em Cristo Jesus, iguais a Ele. (Mat 3: 2, 3) este remanescente pregará a última mensagem de arrependimento ao mundo (Apoc 5: 5) pelo os méritos de Cristo todos os segredos serão abertos ao mundo cristão e a gloria de Deus inundará toda Terra (II Cor 1: 22; Apoc 7: 2; Apoc 22: 4, 8, 9) este povo serão selados com o selo do Deus vivo e terão o nível de Gabriel, aqui na Terra. Em nenhum período de tempo o homem aprendeu tudo o que pode ser aprendido da Palavra de Deus. Ainda há novos aspectos da verdade a serem divisados, e muito a ser compreendido sobre o caráter e os atributos de Deus - Sua benignidade, Sua misericórdia, Sua longanimidade, Seu exemplo de perfeita obediência. "E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós, e vimos a Sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade." João 1:14. Este é um valiosíssimo estudo que estimula o intelecto e fortalece a capacidade mental. Depois de examinar diligentemente a Palavra, são descobertos tesouros escondidos, e o amante da verdade exclama em tom triunfal: "E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Aquele que Se manifestou em carne foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo e recebido acima, na glória." I Tim. 3:16. "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em
  • 4. 3| Apostila –Apocalipse 1 forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou- Se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante aos homens." Filip. 2:5-7. (FEC, 444) A obra do Santo Espírito é incomensuravelmente grande. É dessa fonte que vêm poder e eficiência ao obreiro de Deus; e o Espírito Santo é o Consolador, como a presença pessoal de Cristo no ser. Toda pessoa que olha para Cristo com fé singela e infantil é feito participante da natureza divina mediante a atuação do Espírito Santo. Quando guiados pelo Espírito de Deus, os cristãos podem saber que são feitos completos nAquele que é o cabeça de todas as coisas. Assim como Cristo foi glorificado no dia de Pentecostes, assim será novamente glorificado no encerramento da obra do evangelho, quando Ele preparar um povo para suportar a prova final na última batalha do grande conflito. ... (MM CT, 364) Gal 2: 16; 3: 14; I Tim 3: 16; João 1: 14; Cl 1: 18- 23; Cl 3: 1 – 25; Ef. 4: 17 – 32; Ef. 2: 11- 22; Mar 16: 19, 20. Vós representais a Cristo na verdadeira bondade de caráter e compreendeis o que significam as palavras: "E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós, e vimos a Sua; glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. ... E todos nós recebemos também da Sua plenitude, com graça sobre graça." João 1:14-16. Recebeis graça, aperfeiçoais graça; e ao revelardes graça em vossas palavras, vosso espírito e ações, Deus derrama sobre vós maior medida de graça. Em proporção a vossa entrega à operação do Espírito Santo, sois supridos de graça celestial. Sois moldados e formados em um vaso para honra, tornando-vos um instrumento pelo qual Deus torna manifesta Sua graça ao mundo. Youth's Instructor, 26 de setembro de 1895. (MM, Para conhecê-lo, 276) A própria carne na qual reside a vida, e por meio da qual ela se manifesta, pertence ao Senhor. Não temos o direito de negligenciar qualquer parte da maquinaria viva. Toda e qualquer parte do organismo pertence ao Senhor. O conhecimento de nosso próprio organismo físico deve ensinar-nos que cada membro deve fazer o serviço de
  • 5. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |4 Deus, como um instrumento de justiça. Special Testimonies, Série A, n° 9, págs. 60-62. (MM, Refletindo Cristo, 135) Na tomada de Jericó, o Senhor dos Exércitos foi o General do exército. Ele delineou o plano para a batalha e uniu os instrumentos celestes e humanos para desempenhar uma parte na obra, mas mão humana alguma tocou os muros de Jericó. De tal maneira organizou Deus os planos que o homem não podia arrogar-se algum crédito por ter alcançado a vitória. Deus somente deve ser glorificado. Assim será na obra em que estamos empenhados. Não se deve dar a glória aos agentes humanos. Só o Senhor deve ser magnificado. Lede cuidadosamente, por favor, o terceiro capítulo de Ezequiel. Devemos aprender a confiar inteiramente em Deus, e no entanto devemos ter sempre em mente que o Senhor Deus necessita de cada instrumento que conserva a verdade em justiça. Como obreiros de Cristo, devemos ter em vista a cruz do Calvário, proclamando ao mundo: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo." João 1:29. Devemos proclamar a terceira mensagem angélica com nossa voz humana, e esta deve ir ao mundo com poder e glória. (TM, Ob. Evang. 214) "Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé. ... Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta." Tia. 2:24-26. É necessário ter fé em Jesus e crer que sois salvos por Ele; mas há perigo em assumir a posição que muitos assumem, dizendo: "Estou salvo." Muitos têm dito: "Deveis praticar boas obras, e então vivereis"; mas, à parte de Cristo, ninguém pode praticar boas obras. Muitos, hoje, dizem: "Crê, tão somente crê, e viverás." A fé e as obras vão juntas, crer e fazer se combinam. O Senhor não requer da alma humana menos hoje do que exigiu de Adão no Paraíso, antes da queda: perfeita obediência, justiça sem mácula. O que Deus requer, sob o concerto da graça, é exatamente tão amplo como o que requereu no Paraíso: harmonia com Sua lei, que é santa, justa e boa. O evangelho não enfraquece as reivindicações da lei; ele exalta a lei e a torna gloriosa. Sob o Novo Testamento, não se requer menos do que foi exigido sob o Antigo Testamento. (I ME, 373) João, que assim tem amado seu Senhor e resolutamente aderido à verdade em face de aprisionamento, açoites e ameaças de morte, não pode suportar a excelente glória da presença de Cristo, e cai por
  • 6. 5| Apostila –Apocalipse 1 terra como ferido de morte. Jesus, então, põe a mão sobre o corpo prostrado de Seu servo, dizendo: "Não temas; Eu sou... o que vive; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre." Apoc. 1:17 e 18. João foi fortalecido para viver na presença de seu glorificado Senhor; e então foram apresentados perante ele, em santa visão, os propósitos de Deus para os séculos futuros. As gloriosas atrações do lar celestial foram-lhe reveladas. Foi-lhe permitido olhar para o trono de Deus e contemplar a multidão dos remidos com vestes brancas. Ouviu a música dos anjos celestiais e os cânticos triunfais daqueles que venceram pelo sangue do Cordeiro e a palavra do seu testemunho. (Santificação, 78) Tudo isso pesava sobremodo em meu espírito, e na confusão eu era algumas vezes tentada a duvidar de minha própria experiência. Quando certa manhã em orações de família, o poder de Deus começou a descer sobre mim, depressa veio a minha mente o pensamento de que era mesmerismo, e resisti a ele. Imediatamente fui tomada de mudez e por alguns momentos perdi a noção de tudo ao meu redor. Vi então o meu pecado em duvidar do poder de Deus, e que por assim proceder fiquei muda, e que minha língua seria libertada antes de decorridas vinte e quatro horas. (PE, 22) Cristo aceitou a humildade, e levou na Terra uma vida pura e santificada. Por essa razão, recebeu a designação de juiz. Aquele que ocupa a posição de juiz é Deus manifesto na carne. Que alegria será reconhecer nEle nosso Mestre e Redentor, que ainda traz as marcas da crucifixão, das quais irradiam brilhantes raios de glória, que dão adicional valor às coroas que os remidos Lhe recebem das mãos, as mesmas mãos que se estenderam para abençoar os discípulos, na Sua ascensão. A mesma voz que disse: "Eis que Eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos" (Mat. 28:20), dá aos Seus resgatados as boas-vindas à Sua presença. (CSM, 349) Desde a entrada do pecado toda comunicação entre o céu e a Terra, tem sido por meio de Cristo. Segundo EGW, MS, 129. As palavras do anjo: "Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus", mostram que ocupa posição de elevada honra, nas cortes celestiais. Quando viera com uma mensagem para Daniel, dissera: "Ninguém há que se esforce comigo contra aqueles, a não ser Miguel [Cristo], vosso príncipe." Dan. 10:21. De Gabriel, diz o Salvador em
  • 7. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |6 Apocalipse: "Pelo Seu anjo as enviou, e as notificou a João Seu servo." Apoc. 1:1. E a João o anjo declarou: "Eu sou conservo teu e de teus irmãos, os profetas." Apoc. 22:9. Maravilhoso pensamento - que o anjo que ocupa, em honra, o lugar logo abaixo do Filho de Deus, é o escolhido para revelar os desígnios de Deus a homens pecadores. (DTN, 99) Ou seja, Gabriel estava dizendo, que no final do tempo teria um remanescente da mesma categoria dele. A segunda vinda de Cristo é o grande acontecimento culminante do antiguíssimo conflito entre o bem e o mal, que começou quando Lúcifer pôs em dúvida no juízo o caráter e o governo de Deus. As declarações em apocalipse e em outras passagens Bíblicas a respeito da eminência do retorno de Cristo devam estender-se dentro dos limites deste grande conflito. Apoc. 1. 2. ver 9; Heb 4: 12, 9; I Cor 1: 6; Apoc 6: 9; 12: 17; 19: 10 Apocalipse 1: 2 João atestou a palavra em si, isto é, João viveu as cenas finais da historia da igreja, (ver versículo 9). Aqueles que forem transformados pela a palavra, terão uma vitória (Heb 4: 12, 13, 9) o testemunho de Jesus Cristo foi confirmado em João e também no ultimo remanescente (I Cor 1: 6;). Em Apoc 6: 9 vemos a seguinte resposta: “Em cada verdadeiro discípulo, este amor, como fogo sagrado, arde no altar do coração. Foi sobre a Terra que o amor de Deus foi revelado por meio de Cristo. É sobre a Terra que Seus filhos devem refletir este amor mediante uma vida irrepreensível. Assim serão os pecadores levados à cruz, a fim de contemplarem o Cordeiro de Deus.” (AA, 334) Corremos o perigo de misturar o sagrado e o comum. O fogo sagrado de Deus deve ser usado em nossos esforços. O verdadeiro altar é Cristo; o verdadeiro fogo é o Espírito Santo. (III ME, 300)
  • 8. 7| Apostila –Apocalipse 1 Em Apoc 6: 9 temos um altar, em Ex 29: 12; Lev, 4: 7; a ordem é para ungir o altar. Cristo é o verdadeiro altar, mas terá um remanescente que alcançará o caráter de Cristo em vida. Este remanescente vindicara o caráter de Cristo, não só por ele mas também por todos os crentes que ficaram no passado. Com este recebimento do espírito estão pronto para a pregação do evangelho em toda a terra. (Apoc 14: 19; 16: 7) Também se assentarão em tronos (Apoc 20: 4). Estes são o ultimo remanescente. (Apoc 12: 17; 19: 10) Apoc.1.3. Luc 11: 28; Apoc 22: 7; Rom 13: 11. “Diz o profeta: Bem-aventurado aquele que lê” – há os que não querem ler; a benção não é para estes. “E os que ouvem” – há alguns também, que se recusam a ouvir qualquer coisa relativa ás profecias; a benção não é para esta classe. “E guardam as coisas que nela estão escritas” – muitos se recusam a atender ás advertências e instruções contidas no Apocalipse; nenhum desses pode pretender a benção prometida. Todos os que ridicularizam os assuntos da profecia, zombando dos símbolos ali solenemente dados, todos os que se recusam a reformar a vida e preparar-se para a vinda do Filho do homem, não serão abençoados. (GC. Pág. 341) Os verdadeiros são aqueles que deixam que a palavra se torne carne em suas vidas. Apoc. 1.4. Exo 3: 14; Apoc 4: 5; Exo 19: 16; Ez 1: 13; Apoc 1: 11, 20; Rom 1: 7; Rom 1: 8; Apoc 4: 8; 11: 17; 16: 5; Isa 11: 2; Apoc 3: 1; 4: 5; 5: 6. João. Os nomes das sete igrejas são símbolos da igreja em diferentes períodos da era cristã. O número sete indica plenitude, e simboliza o fato de que as mensagens se estendem até o fim do tempo, enquanto os símbolos usados revelam o estado da igreja nos diversos períodos da história do mundo. (AA, 585) (Apoc. 1.4. Exo 3: 14; Apoc 4: 5;). O espírito dos sete períodos da igreja esta agora acumulado no ultimo remanescente, e Deus se faz presente através de seu povo. Ao amanhecer do terceiro dia, ou seja terceiro milênio. Sendo assim podemos dizer que no inicio do terceiro
  • 9. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 |8 milênio, Deus prepara um povo para ser Sua verdadeira igreja. (Exo 19: 16; Ez 1: 13;). Foi Cristo quem ordenou ao apóstolo relatar o que lhe deveria ser revelado. "O que vês, escreve-o num livro", ordenou Ele, "e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia e a Laodicéia." "Eu sou. ... o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. ... Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer: o mistério das sete estrelas, que viste na Minha destra, e dos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas." Apoc. 1:11 e 18-20. "Isto diz Aquele que tem na Sua destra as sete estrelas." Apoc. 2:1. Essas palavras são ditas aos que ensinam na igreja - aqueles a quem Deus confiou pesadas responsabilidades. As suaves influências que devem existir na igreja têm muito que ver com os ministros de Deus, os quais devem revelar o amor de Cristo. As estrelas do céu estão sob o Seu controle. Ele as ilumina com Sua luz. Guia-as e dirige-lhes os movimentos. Se Ele não fizesse isto tornar-se-iam estrelas caídas. Assim é com Seus ministros. Eles são apenas instrumentos em Suas mãos, e todo o bem que realizam é feito por meio de Seu poder. Através deles deve a Sua luz brilhar. (AA, 586) "Estas coisas diz Aquele que conserva na mão direita as sete estrelas." As palavras são dirigidas aos mestres na igreja - aqueles a quem Deus confiou pesadas responsabilidades. As agradáveis influências que devem ser abundantes na igreja estão ligadas aos pastores, os quais devem revelar o precioso amor de Cristo. As estrelas do Céu estão sob o Seu controle. Ele as enche de luz. Guia-as, e lhes dirige os movimentos. Se não fizesse isso, elas tornar-se-iam estrelas cadentes. Acontece a mesma coisa com os Seus pastores. Eles apenas são instrumentos em Suas mãos, e todo o bem que realizam é efetuado pelo Seu poder. Sua luz deve resplandecer por meio deles. O Salvador será sua eficiência. Se olharem para Ele como Ele olhava para o Pai, realizarão Sua obra. Ao fazerem de Deus sua confiança, Ele lhes dará o Seu esplendor para que o reflitam sobre o mundo. (MM, Exaltai-o, 319)
  • 10. 9| Apostila –Apocalipse 1 Os ministros de Deus são simbolizados pelas sete estrelas que Aquele que é o primeiro e o último tem sob Seu especial cuidado e proteção. (O. Evang. 13) Nessas palavras há advertências, repreensões, ameaças, promessas, da Testemunha Fiel, Aquele que tem na destra as sete estrelas. "As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas." Apoc. 1:20. (I ME, 370) Os pés semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha. Os tons de Sua voz são como os sons musicais de muitas águas. Seu semblante brilha como o Sol em sua glória meridiana. Em Sua mão estão sete estrelas, representando os pastores das igrejas. Da boca Lhe sai uma aguda espada de dois fios, emblema do poder de Sua Palavra. (Santificação, 86) Da mesma maneira, quando Deus estava a ponto de revelar a João, o discípulo amado, a história futura de Sua igreja, deu-lhe uma segurança do interesse e cuidado do Salvador pelo Seu povo, fazendo-lhe observar em visão "um semelhante ao Filho do homem" (Apoc. 14.14), andando por entre os castiçais que simbolizam as sete igrejas. Ao passo que João recebia a revelação das últimas grandes lutas da igreja com as potências do mundo, foi-lhe dado também contemplar a vitória final e o libertamento dos fiéis. Viu a igreja empenhada num conflito moral com a besta e sua imagem, e a adoração dessa besta imposta sob pena de morte. Mas, olhando através do fumo e ruído da batalha, notou sobre o monte Sião, unido ao Cordeiro, um grupo que, em vez do sinal da besta, "em suas testas tinham escrito o nome... de Seu Pai". Apoc. 14:1. Depois viu o número dos que saíram vitoriosos da besta, e da sua imagem, e do seu sinal, e do número do seu nome, que estavam junto ao mar de vidro, e tinham as harpas de Deus. E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro". (II TS, 351) Apoc 1: 11, 20; Rom 1: 7 e 8 Apoc. 1:5; Isa 55: 4; Apoc 3: 14; Sal 89: 27; Col 1: 18; I Tim 6: 15; Rom 8: 37; Rom 3: 25.
  • 11. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 10 (Apoc. 1.5. Isa 55: 4; Apoc 3: 14; Sal 89: 27; Col 1: 18;). Aqui vemos Jesus sendo levantado como o primogênito de uma nova geração, mas ele trabalha através de seus irmãos, também uma primícia. (I Tim 6: 15; Rom 8: 37; Rom 3: 25) Esta igreja Deus Justifica unicamente pelos os méritos de Seu Filho. Cristo O único ser pelo o qual Deus poderia dar está revelação. Testemunha fiel Cristo é testemunha fiel, porque é representante perfeito de caráter, a mente e a vontade de Deus diante da humanidade (ver João 1:1 e 14). Sua vida sem pecado na terra e sua morte como sacrifício testifica da santidade do Pai e do seu amor (João 14:10 ver cap 3 :16) Primogênito Ver Mat. 1:25; Rom. 8:29; João 1:14; 10: 8; Jesus não foi cronologicamente o primeiro que ressuscitou dentre os mortos, porém, pode considerar-se como o primeiro incentivo de que todos os que ressuscitaram antes e depois dele foram libertos das ataduras da morte só em virtude do triunfo de Cristo sobre o sepulcro. Seu poder para dar a sua vida e para tomar (João 10:18) o coloca em uma posição superior a todos os outros homens, que tenham saído alguma vez da tumba e o caracteriza como a origem de toda a vida (Rom 14:9; I Cor 15:12-23; ver João 1:4, 7-9) este titulo como segue reflete o pensamento do Salmo 89:27. Soberano – "o governante". Este mundo pertence legitimamente a Cristo. Cristo triunfou sobre o pecado e recuperou a herança perdida de Adão. É governante legitimo da humanidade (Cl 2:15; Col 1:20; Apoc 11:15). No dia final todos os seres humanos o reconhecerão como tal (Apoc 5:13), porém, no que se diz respeito a nós Cristo tem tomado o domínio dos assuntos terrenos para o cumprimento de seu propósito eterno (ver Dan 4:17) o plano da redenção que se tem convertido em uma
  • 12. 11 | Apostila –Apocalipse 1 verdade histórica mediante sua vida e morte e ressurreição. Tem avançado passo – a – passo para o grande dia do triunfo final. Que nos ama – "que nos ama". O amor de Deus revelado em Jesus Cristo, eis agora um trecho histórico: porém Ele nos ama agora tanto como quando entregou a dádiva suprema de seu Filho. “Livrou – “libertou; soltar” Ser solto dos pecados e ser libertado do castigo e do poder do pecado (ver João 3:16; Rom 6:16-18, 21-22). Com seu sangue Por seu sangue é dizer que por sua morte na cruz, Cristo foi um sacrifício vicário. (ver Isa 53:4-6) Apoc. 1: 6; I Pe 2: 5; Apoc 5: 10; Ex 19: 6; Deut 7: 6; 14: 2; Tito 2: 14; I Pe 2: 9; Apoc 20: 6; Rom 15: 6; Rom 11: 36. Reis e sacerdotes "Um reino" sacerdotes, quem sabe uma alusão a Ex 19:6; Apoc 5:10 Cristo tem constituído a sua igreja um reino e seus membros individualmente em sacerdotes. Ser membro do reino e ser sacerdote compara com o real sacerdócio de I Ped 2:9, os que têm aceitado o salvador ou salvação em Cristo Jesus, constituem um reino cujo Cristo é o rei. É uma referência ao reino da graça divina nos corações dos seres humanos (ver com Mat 4:17) um sacerdote pode ser considerado como uma que apresenta oferta a Deus (Heb 5:1; 8:3). É neste sentido que todo cristão tem o privilégio de apresentar sacrifício espiritual a Deus (I Ped.2:5; 9) como cada cristão é um sacerdote, pode chegar a Deus pessoalmente sem mediação de outro ser humano, e também chegar para interceder por outros. Cristo é nosso mediador (I Tim. 2:5) nosso grande Sumo Sacerdote e por meio dEle temos o privilégio de chegarmos confiantemente ao trono da graça o momento de oportuno socorro. (Heb. 4:5-16)
  • 13. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 12 A Ele seja Glória Literalmente e dizer a Ele “a glória” e dizer a Cristo (vr.5). Este artigo definido que acompanha o substantivo, sugere uma glória específica, quem sabe glória total para um comentário sobre “dóxa”, a palavra traduzida “glória”. (ver Rom. 3:23, 24; I Tim. 3: 16). Império Atribui o domínio – a “Cristo” é reconhecê-Lo como governante legítimo do universo. Depois de sua ressurreição recebeu todo poder no céu e na terra (ver Mat. 28:18) Cristo merece louvor sempre continuou da humanidade, como agradecimento por seu triunfo sobre o pecado e a morte (ver Col. 2:15). Satanás havia posto em dúvida o governo de Cristo, a honra e o domínio, porém, estes pertencem legitimamente a Cristo. Com essa doxologia e atribuição de louvor João termina saudando em sua carta (Apoc. 1:4-6). Pelos séculos dos séculos João não percebe limite alguns do tempo ao direito de Cristo, “a glória e domínio” ou Reino. Amém – Assim será. Mateus 5:18 - Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido. Apoc. 1: 7. EIS QUE VENHO COM AS NUVENS. Dan 7: 13; Mat. 24: 30; 26: 64; I Cor 1: 7, 8; Rom 1: 11; I Cor 12: 1 -31; Mat 16: 27 “Eis que venho com as nuvens”, o apóstolo exclama, “e todo olho O verá”. Apoc. 1: 7. Nenhum tema tem maior destaque no NT do que a segunda vinda de Cristo. Um verso em cada vinte e cinco fere este tema. Talvez nenhuma doutrina na mensagem cristã possua mais poder do que esta. Como um magneto, ela levanta do mundo e da insignificância do seu ego o coração do crente, e habilita-o a estar com Moises no monte, e
  • 14. 13 | Apostila –Apocalipse 1 transfigura-o com os raios da bendita esperança e promessa que o inundam nessas sublimes alturas; é na Bíblia o assunto mais animador e mais santificador. Mateus 24: 30 “Então aparecerá um sinal no céu do Filho do Homem, e todas as nações da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo nas nuvens do céu com poder e grande gloria.” (Apoc 1: 7; Dan 7: 13; Mat 16: 27; Eze. 43: 1-2; Mat 25: 31-32; Zac. 12: 10; João 19: 37). (quando se fala em “sinal”, significa que estar acontecendo curas e maravilhas.) (Apoc 1: 7; 14: 14; 1: 13; Dan 7: 13; 10: 5 - 6; Apoc 19: 7-13; Apoc 1: 14; Dan 7: 9; Apoc 20: 4). Quando sucederá todas estas coisas? Em Sua conversação de despedida com os discípulos, na noite anterior à crucifixão, o Salvador não fez referência ao sofrimento que Ele havia suportado e teria ainda de suportar. Não falou da humilhação que estava a sua frente, mas buscou levar-lhes à mente o que lhes pudesse fortalecer a fé, levando-os a olhar para a frente, à recompensa que espera o vencedor. Ele Se regozijava na certeza de que poderia fazer por Seus seguidores mais do que havia prometido, e o faria; de que dEle brotariam amor e compaixão que purificariam o templo da alma e fariam os homens semelhantes a Ele no caráter; de que Sua verdade, armada com o poder do Espírito, sairia vencendo e para vencer. (AA, 23) Quem é esse ser que vem com as nuvens? (Ez. 1: 5). Em Dan. 7: 13. Pode se pensar que é Cristo. (Mas o grande Eu Sou acontece de uma maneira completa) E em Ezequiel 1: 5 aparece outro ser com aparência de homem. Em João 17: 23, 21. Vemos que o Pai é perfeito no Filho como o homem é perfeito em Cristo. (João 5: 22-24) O Pai confia todo julgamento ao Filho, (Mat 13: 43); Mat. 19: 28-30; I Cor. 6: 1-3; I Cor. 2: 15; Jer. 33 15- 16; Rom. 12: 1- 2; Apoc. 17: 13-14; Isa. 60: 19; Apoc. 21: 3,23; 22: 5; Dan. 8: 9-14; Mat. 26: 61; João 2: 19-21; Oseías 6: 2, 3; II Pedro 3: 8, 9; Ex. 19: 10, 11, 14, 16; Isa. 63: 2; 34: 8 (Abaixo segue o texto do livro História da Redenção, pág. 138)
  • 15. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 14 Preparo Para Aproximar-se de Deus O Senhor deu, então, a Moisés, orientações expressas no que concernia à preparação do povo para Ele aproximar-Se deles, a fim de ouvirem o anúncio de Sua lei, não por anjos, mas por Ele mesmo. "Disse também o Senhor a Moisés: Vai ao povo, e santifica-os hoje e amanhã, e lavem eles os seus vestidos; e estejam prontos para o terceiro dia: porquanto no terceiro dia o Senhor descerá diante dos olhos de todo o povo sobre o monte de Sinai." Êxo. 19:10 e 11. Foi requerido do povo abstenção de trabalhos e cuidados seculares, e que tivessem pensamentos devocionais. Deus requereu também que lavassem suas vestes. Ele não é menos minucioso agora do que foi então. Ele é um Deus de ordem e requer que Seu povo sobre a Terra, hoje, observe hábitos de estrita limpeza. Os que adoram a Deus com vestes maculadas e eles próprios manchados não se apresentam diante dEle de modo aceitável. Ele não Se agrada da sua falta de reverência, e não aceitará o culto de adoradores impuros, pois insultam o seu Autor. O Criador dos céus e da Terra considerou a limpeza tão importante que disse: "Lavem eles os seus vestidos." Êxo. 19:10. A vinda de Cristo ao lugar santíssimo como nosso Sumo Sacerdote, para a purificação do santuário, a que se faz referência em Daniel 8:14; a vinda do Filho do homem ao Ancião de Dias, conforme se acha apresentada em Daniel 7:13; e a vinda do Senhor a Seu templo, predita por Malaquias, são descrições do mesmo acontecimento; e isso é também representado pela vinda do esposo ao casamento, descrita por Cristo na parábola das dez virgens, de Mateus 25. (GC, 426). (Ir para as págs. 2,3 da AP. Senhor Justiça Nossa.). Esse acontecimento é nada mais que o estabelecimento do reino de Deus em nosso coração. Disse Jesus: "Este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes." Mat. 24:14. Seu reino não virá enquanto as boas novas de Sua graça não houverem sido levadas a toda a Terra. Assim, quando nos entregamos a Deus, e ganhamos outras almas para Ele, apressamos a vinda de Seu reino. Unicamente aqueles que se consagram a Seu serviço ... oram com sinceridade: "Venha o Teu reino." Mat. 6:10. ...
  • 16. 15 | Apostila –Apocalipse 1 A petição: "Seja feita a Tua vontade, tanto na Terra como no Céu" (Mat. 6:10), é uma oração para que o reino do mal termine na Terra, o pecado seja para sempre destruído, e o reino da justiça se venha a estabelecer. Então, na Terra como no Céu se cumprirá "todo o desejo da Sua bondade". II Tess. 1:11. (O Caminho a Cristo, págs. 108-111) Cristo não Se manifestará enquanto a vitória não for completa, e Ele vir "o trabalho de Sua alma". Isa. 53:11. Todas as nações da Terra ouvirão o evangelho de Sua graça. Nem todos a receberão; mas "uma semente O servirá; falará do Senhor de geração em geração". Sal. 22:30. "E o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o Céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo" (Dan. 7:27), e "a Terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar". Isa. 11:9. "Então temerão o nome do Senhor desde o poente, e a Sua glória desde o nascente do Sol." Isa. 59:19. "Quão suaves são sobre os montes os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, que diz a Sião: O teu Deus reina! ... exultai juntamente, desertos ... porque o Senhor consolou o Seu povo. ... O Senhor desnudou o Seu santo braço perante os olhos de todas as nações; e todos os confins da Terra verão a salvação do nosso Deus." Isa. 52:7-10. (O Desejado de Todas as Nações, pág. 828.) (MM, Maravilhosa Graça, 346) Os discípulos de Cristo esperavam a vinda imediata do reino de Sua glória; mas ao dar-lhes esta oração Jesus ensinou que o reino não devia ser então estabelecido. Deviam orar por sua vinda como acontecimento ainda no futuro. Mas essa petição era-lhes também uma certeza. Conquanto não devessem esperar a vinda do reino em seus dias, o fato de haver Jesus recomendado que por ela orassem, constitui prova de que certamente virá no tempo designado por Deus. O reino da graça de Deus está sendo agora estabelecido, visto que corações que têm estado sobrecarregados de pecado e rebelião se rendem à soberania de Seu amor. O completo estabelecimento do reino de Sua glória, porém, não ocorrerá senão na segunda vinda de Cristo ao mundo. (O Maior Discurso de Cristo, págs. 107 e 108) Não poderá o Seu povo receber o reino antes do advento pessoal de Cristo. Disse o Salvador: "E quando o Filho do homem vier em Sua glória, e todos os santos anjos com Ele, então Se assentará no trono da
  • 17. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 16 Sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dEle ... Então dirá o Rei aos que estiverem à Sua direita: Vinde, benditos de Meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo." Mat. 25:31-34. ... Quando o Filho do homem vier, os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e os vivos serão transformados. Por esta grande mudança ficam preparados para receberem o reino. ... O homem, em seu estado presente, é mortal, corruptível; o reino de Deus, porém, será incorruptível, permanecendo para sempre. Portanto, o homem, em sua condição atual, não pode entrar no reino de Deus. Mas, em vindo Jesus, confere a imortalidade a Seu povo; e então os chama para possuírem o reino de que até ali têm sido apenas herdeiros. O Grande Conflito, págs. 322 e 323. (MM, Maravilhosa Graça, 345) Os sacerdotes e principais haviam-se arvorado em juízes, para condenar a obra de Cristo, mas Ele Se declarou juiz deles próprios, e de toda a Terra. O mundo foi confiado a Cristo, e por Seu intermédio tem vindo toda bênção de Deus à raça caída. Era o Redentor, tanto antes como depois da encarnação. Assim que existiu o pecado; houve um Salvador. Ele tem dado luz e vida a todos, e em harmonia com a medida da luz concedida, será cada um julgado. E aquele que tem comunicado a luz, que tem acompanhado a alma com as mais ternas súplicas, buscando atraí-la do pecado para a santidade, é ao mesmo tempo seu Advogado e Juiz. Desde o início do grande conflito no Céu, Satanás tem mantido sua causa por meio de engano; e Cristo tem trabalhado no sentido de lhe revelar as tramas, e derribar-lhe o poder. É Aquele que Se tem oposto ao enganador e, no decorrer de todos os séculos, Se tem empenhado por arrebatar os cativos de seu poder, que julgará cada pessoa. E Deus "deu-Lhe poder de exercer o juízo, porque é o Filho do homem". Como Ele tenha provado as próprias fezes do cálice da aflição e tentação humanas, e compreenda as fragilidades e pecados dos homens; como tenha, em nosso favor, resistido vitoriosamente às tentações de Satanás, e lidará justa e ternamente com as almas para cuja salvação derramou o próprio sangue - o Filho do homem é indicado para exercer o juízo. (DTN, 210; Atos 17: 24) Esta vinda é também predita pelo profeta Malaquias: "De repente virá ao Seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo do concerto, a
  • 18. 17 | Apostila –Apocalipse 1 quem vós desejais; eis que vem, diz o Senhor dos exércitos." Mal. 3:1. A vinda do Senhor a Seu templo foi súbita, inesperada, para Seu povo. Não O buscaram ali. Esperavam que viesse à Terra, "como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho". II Tess. 1:8 (Cristo em Seu Santuário, 98) (Mal 3: 1; Mat 11: 10; Mar 1: 2; Luc 1: 76; 7: 27.) Observação: Sair do santo para o Santíssimo é o mesmo que dizer; sair do julgamento do povo para o sacerdote. João 17: 23, 26; O Espírito do Pai estaria no Filho, e o espírito do Filho estaria na humanidade. (João 10: 30) pelo o Filho compartilhar do mesmo espírito do Pai, são um em espírito. (João 6: 53 – 57). O Filho vive pelo o Pai, os homens vivem pelo o Filho. (João 3: 34). Quem é enviado por Deus fala as palavras dele. Ou seja, Deus fala através de suas criaturas, especialmente pelo o Filho, que é o conduto numero ”01.” (João 3: 35). O Pai confiou todas as coisas nas mãos do Filho. (João 5: 25, 28 ). Os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus. (João 5: 22, 27). O Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou. (Gen 18: 25; Jz 11: 27; João 9: 39; Atos 10: 42) Apocalipse 1: 8; Ex 3: 14; Zac 14: 11; Isa 44: 6; 48: 12; Apoc 1: 17, 18. (Apoc. 21: 6; Isa 55: 1; Apoc 22: 13; Isa 44: 6; Apoc 4: 8; Ez 1: 18; 10: 12; Isa 6: 2 -3; Apoc 11: 17; 15: 3; 16: 7; 19: 6, 15; 21: 22; Rom 9: 29; II Cor 6: 18; II Sam. 7: 14; I Cr. 17: 13 Heb. 1: 8) “Eu Sou” (João 6: 20). O Alfa e o Omega. A primeira e a ultima letra do alfabeto grego. É como se descêssemos de “A” a “Z”. a frase indica integridade, plenitude, e tem o mesmo significado que o primeiro e o fim (João 21: 13). A frase o “Alfa e o Omega” se refere a Cristo, que é evidente pelo o verso “16”. O Pai e o Filho compartilham estes atributos eternos. Isa 6: 2 -3; Apoc 11: 17; 15: 3; 16: 7; 19: 6, 15;
  • 19. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 18 Isa 6: 7 – O carvão aceso do altar representava o poder refinador e purificador da graça divina. Também significava uma transformação de caráter. Desde esse momento, o único grande desejo de Isaias para seu povo foi que eles também pudessem experimentar a mesma obra de purificação e transformação. Nossa maior necessidade hoje é que nossos lábios sejam tocados com o santo fogo do altar de Deus. Isaias 6: 8; Jó 40: 9; Atos 9: 4; Jer 26: 12, 15; Gen 1: 26; 22: 1; Ex.3: 4. Isaias 6: 8 – Deus pergunta: quem poderia fazer uma tamanha obra (Jó 40: 9), alguém para fazer esta obra, teria que ser o braço de Deus, (atos 9: 4) este homem teria que se despir da sua velha natureza e buscar a Cristo de todo coração. (Jer 26: 12, 15) Jeremias mostra um homem transformado pronto para o trabalho. (Gen 1: 26). O homem como administrador de seu Criador. (Gen 22: 1; Heb 11: 17-19) destemidamente o novo homem cumpre a obra que seu criador lhe designa.( Ex 3: 4) com esta transformação Deus e o homem se encontra de novo como no principio da criação. A resposta de Isaias foi imediata. Como Paulo, Isaias tinha um grande desejo: que Israel pudesse ser salvo (cf. ROM. 10: 1). Sabia que o castigo logo cairia sobre o povo culpado, e desejava que os israelitas abandonassem seus pecados. A partir de então, a única tarefa de Isaias seria o de levar a mensagem divina de admoestação e esperança ao Israel, a fim de que pudesse captar a visão do amor e da santidade de Deus para ser salvo. Isaias 6: 9 – Deus envia o profeta Elias (Ez. 3: 11), a mensagem será dada, sem medir as consequências. (Amós 7: 15) eram homens de pouca cultura humana (Mat. 28: 19) estes terão a unção do Espírito para fazer discípulos (Jer. 5: 21) e tirar discípulos de um povo cego e sucumbidos no lamaçal do pecado, mas pelo poder do Espírito será quebrado todo poder das trevas (Mat. 13: 15) o povo desta ultima geração é um povo totalmente sem Deus (Luc 8: 10). Mesmo neste tempo de total endurecimento do coração humano, toda a terra ficara cheia da gloria de Deus.
  • 20. 19 | Apostila –Apocalipse 1 Isaías 6: 10 – O profeta leva a mensagem, o povo ouve, mas, não é feito a impressão para a cura do pecado, pois, satanás os manterá sob seu encantamento. (Ex 4: 21), simbolicamente fica como Moisés e faraó. O Povo de Deus tem que resistir com oração e jejum, (Dt 32: 15) aparentemente é sem esperança. (Sl 119: 7) uma boa parte é sem esperança, pois, as coisas deste mundo tem maior valor para eles (Isa 29: 9-13; Rom 11: 8; Isa 44: 18; 42: 18-25) nesta condições é como se fosse impossível salvar alguém (Isa 43: 8) e têm toda a verdade mas não entendem nada (Dt. 29: 4) porque com toda a palavra da verdade se não tiver o Espírito Santo não podem compreender a mensagem (Ez 12: 2; Mar 8: 18; Mat 13: 13-15) a dureza de seu coração não deixa que o Espírito atue. Isaias 6: 11; Sl 79: 5; Lev 16: 31; Jer 4: 13 -15; Mar. 5: 8-10; Lev 26: 43; Isa 24: 10; Sl 79: 1; 109: 11; Jer 35: 17. Apesar da grande apostasia terá um resto que estarão sendo selados. (Lev 16: 31) Até quando, Senhor? Isaias confrontava uma lúgubre perspectiva. Resultava-lhe difícil acreditar que a situação que Deus lhe descrevia pudesse perdurar. depois de algum tempo o povo certamente voltaria a si, e aceitaria a mensagem divina de salvação e liberação. Daí sua pergunta. Até que as cidades. A triste resposta que Isaias recebeu de Deus foi que a situação prevaleceria até que Judá se destruiu a si mesmo. Não havia esperança de arrependimento; nem tampouco de sobrevivência. Salvar-se-ia um remanescente, e por amor desse grupo fiel, Isaias tinha que proclamar sua mensagem de salvação. Mas a nação como conjunto recusaria apartar-se de seus maus caminhos, e à grande rejeição provocaria uma ruína total e irreparável. As cidades ficariam desabitadas e a terra completamente abandonada e desolada. O pecado não produz felicidade a não ser desdita; não causa prosperidade a não ser ruína; não leva a vida a não ser à morte. Esta é a grande lição que os porta- vozes de Deus apresentaram ao mundo vez por vez (Lev. 26: 31-33;
  • 21. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 20 Isa. 1: 20; 5: 9; 14: 17, 20; Jer. 4: 7, 20, 23-27; 7: 34; 9: 11; 26: 6, 18; Miq. 3: 12; etc.). 1-7 (Apoc 11: 19). A experiência de Isaias, representa a experiência da igreja nos últimos dias. (cita Isaias 6: 1-4). Quando o profeta Isaias contempla a gloria do Senhor, ficou assombrado e admirado pelo o sentimento de sua própria debilidade e indignidade e exclamou: ai de mim que sou mortal; porque sendo homem imundo de lábios e habitando no meio de um povo que tem lábios imundos, os meus olhos tem visto o Rei, Jeová dos exércitos. Isaias tinha condenado os pecados de outros; agora se viu a si mesmo exposto a mesma condenação que tinha pronunciado contra eles. Em seu culto a Deus tinha se contentado com uma cerimônia fria e sem vida. Não tinha dado conta disto até que recebeu a visão do Senhor. Quão pequenos lhe pareciam então seus talentos e sua sabedoria ao contemplar a santidade e majestade do santuário celestial. Quão indigno era! Quão incapaz era ele para o serviço sagrado! A forma em que viu a si mesmo, poderia expressar em linguagem do apóstolo Paulo: Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte? (Rom 7: 24). Sem duvida veio alivio a Isaias em sua angustia. (Isa 6: 6-7) A visão que foi dada a Isaias, representa a condição do povo de Deus nos últimos dias. Estes tem o privilegio de ver por fé a obra que estar sendo realizada no santuário celestial: “E o templo de Deus foi aberto no céu e a arca de seu pacto foi vista no templo”. Quando o povo de Deus olhar por fé para dentro do lugar santíssimo, e vê a obra de Cristo no santuário celestial, percebe que é um povo de lábios imundos; e povo, cujo os lábios com freqüência tem falado vaidade, e cujos os talentos não tem sido santificados e usados para a Gloria de Deus. Bem poderia desesperar-se ao constatar sua própria debilidade e indignidade com a pureza e o encanto do glorioso caratér de Cristo. Porém se o deseja receber como Isaias a impressão que o Senhor quer fazer no coração. Há esperança para eles se humilharem sua alma perante Deus. O arco da promessa estar por cima do trono, e a obra feita por Isaias será feita pelo o povo de Deus. Deus respondera as petições que se eleva de corações contritos. (RH 22- 12- 1896).
  • 22. 21 | Apostila –Apocalipse 1 A DIVINDADE A divindade ou Trindade consiste de três pessoas: o Pai eterno, o Senhor Jesus Cristo, Filho do Pai eterno, o Espírito Santo (ver. com. Mat. 28:19; João 1:1-2; 6:27;14:16-17,26; Atos.5:3-4; Efe.4:4-6; Heb.1:1- 3,8; com. João1:1-3,14). Há três pessoas viventes no trio celestial. Cristo e o Pai são “um em natureza, em caráter e em propósitos” (PP, 34), porém não em pessoa (5 T. 182). O Espírito Santo é uma pessoa assim como Deus é uma pessoa. Ver material suplementar de EGW com. Rom.1: 20-25 (5 T 158; 537; 227) Na transfiguração, Jesus foi glorificado pelo Pai. Ouvimo-Lo dizer: "Agora é glorificado o Filho do homem, e Deus é glorificado nEle." João 13:31. Assim, antes de ser traído, e crucificado, foi fortalecido para os últimos e terríveis sofrimentos. Ao se aproximarem os membros do corpo de Cristo do período de sua luta final, "o tempo da angústia de Jacó", crescerão em Cristo, e partilharão grandemente de Seu espírito. À medida que a terceira mensagem se avoluma e se torna alto clamor, e que a obra final é acompanhada de grande poder e glória, o fiel povo de Deus participa dessa glória. É a chuva serôdia que os vivifica e fortalece para passar pelo tempo de angústia. Seus rostos brilharão com a glória daquela luz que acompanha a mensagem do terceiro anjo. (I TS, pág. 131). IR PARA A “APOSTILA” O “SANTUÁRIO” Apoc. 1: 9. Verificar, versículo 1; Atos 14: 22; II Cor 1: 7; Fil 4: 14, 6; II Tim 2: 12, 2; Heb 4: 12, 2. (Apoc 1: 9). João estava vivendo no reino da graça e na tribulação, e o reino da Graça é justamente conhecer os mistérios de Cristo e enfrentar o reino das trevas. (Apoc 1: 1; Atos 14: 22; II Cor 1: 7; Fil 4: 14, 6) os apóstolos estavam transmitindo o caráter de Cristo (II Tim 2: 12, 2; Heb. 4: 12, 2) e através da palavra estavam sendo transformados. O mesmo tem que acontecer conosco hoje. Co-participante convosco na tribulação. Sem duvida João não era o único que sofreu perseguição neste tempo. Em Jesus, achei-me na Ilha chamada de Patmos.
  • 23. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 22 No Reino É dizer o reino da graça divina (ver mat. 4:17). É necessário que através de muitas tribulações encontremos o reino de Deus (Atos 14: 22) A raiz do vocabulário quer dizer permanecer debaixo “paciência”, indica aqui, “agüentar” com perseverança, ter exercício do domínio próprio, para poder suportar uma situação difícil. Quando só negar a fé se poderia evitar a pressão da perseguição. Os cristãos tem em Cristo força suficiente para agüentar em Jesus (ver Rom. 2:7; Apoc.14:12). Em Jesus – “em Jesus”. A paciência é uma relação vital com Ele. Estava (Achei-me) – melhor “dizer estar”, o que indica que no espírito. Patmos Ilha do mar Ageu, a uns 80 Km, ao Sudoeste de Éfeso, mede uns 15Km de Norte a Sul e um 10Km de Leste a Oeste, em sua parte mais larga, Patmos é rochosa e árida; sua praia sumamente irregular, forma muito escabrosa. Plínio escreveu no ano 77 d.C. que se usava a Ilha como uma colônia penal. Isto explica a declaração de João de era co-participante. Na tribulação o apóstolo estava em Patmos como preso dos Romanos. Esta ilha de Patmos pode representar muito bem o estado espiritual do mundo um pouco antes da volta de Cristo. Vitorino de Petavio (M.c. 303 d.c.) declarou uns séculos mais tarde a cerca de Apocalipse: Que quando João escreveu, estava na Ilha de Patmos condenado a trabalhar nas minas, pelo o Cezar Domiciano. A palavra latina metallum, pode referir-se tanto a uma cratera como uma mina, porém como Patmos tinha cratera e não há vestígio de que houvesse tido minas é provável que quisesse dizer o primeiro. A declaração de Plínio de que Patmos era uma Colônia penal, e de um contemporâneo de João bem informado, entretanto deve classificar como uma tradição. Por causa da palavra – o texto grego não apóia a opinião de que esta frase significa que João estava em Patmos, com o fim de receber e registrar visões que ali lhe seriam dadas. (ver vr. 2) As frases
  • 24. 23 | Apostila –Apocalipse 1 “palavra de Deus” e testemunho de Jesus Cristo. “Se refere seu testemunho espirado a favor do Evangelho durante mais de meio século. Este havia sido o único propósito que motivava a vida de João. Durante os amargos dias de perseguição no tempo de Domiciano, seu intrépido testemunho foi á causa de que desterraram para Patmos. Apoc 1.10. Joel 2: 31; Sof 1: 7, 8; Amos 5: 18; Obadias 15; Apoc 4: 1;Apoc 4: 2; 17: 3 Ex 20: 18; 21: 10 Estar em espírito não significa estar ausente, pois o espírito é um caráter. Estar em espírito, é o mesmo que dizer, que estamos vivendo o caráter de alguém (Apoc 1: 10). Sendo assim podemos dizer que João alcançou o estado espiritual de Jesus, em um dia de Juízo (Joel 2: 31; Sof 1: 7, 8; Amós 5: 18; Obadias, 15). Temos visto que a expressão “Dia do Senhor” não se refere só ao sábado, mas a um período de Juízo, que ocorrerá um pouco antes da vinda de Cristo em pessoa. “A obra que o Salvador devia fazer na Terra fora amplamente esboçada: "E repousará sobre Ele o Espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de inteligência, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor. E deleitar-se-á no temor do Senhor." Isa. 11:2 e 3. Aquele que assim fora ungido devia "pregar boas novas aos mansos: ... restaurar os contritos de coração, ... proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos; ... apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança de nosso Deus; ... consolar todos os tristes; ... ordenar acerca dos tristes de Sião que se lhes dê ornamento por cinza, óleo de gozo por tristeza, vestido de louvor por espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantação do Senhor, para que Ele seja glorificado." Isa. 61:1-3.” (AA, 224) Entretanto, especificamente se referiu ao que havia ensinado anteriormente: "Acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva", disse ele. "Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; pois que, quando disserem: Há paz e segurança; então lhes sobrevirá repentina destruição." I Tess. 5:1-3. (AA, 260)
  • 25. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 24 "O Espírito do Senhor Jeová está sobre Mim, porque o Senhor Me ungiu para pregar boas novas aos mansos; enviou-Me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos e a abertura de prisão aos presos; a apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os tristes." Isa. 61:1 e 2. Por estes textos fica mais claro que este dia é o dia do juízo e não o dia de sábado. Apoc 1: 11. Verificar versículo 19; 4: 2; Atos 18: 19; Apoc 18: 2; Isa 13: 21; 21: 9; Jer 50: 39; Apoc 18: 8; 8: 2; Apoc 2: 12; Atos 16: 14; Apoc 2: 18 e 24; 3: 1; 3: 7; Col 2: 1; Apoc 3: 14. Apoc 1:11. Verificar versículo 19; 4: 2. A plenitude espiritual dos sete período da igreja, daria em um período quando Apoc 4: 2, se cumpriria quando uma multidão de pessoas seriam o trono de Deus em espírito. (João 4: 23, 24). A pregação do evangelho só será possível mediante o Espírito Santo (Atos 18: 19; Apoc 18: 2). Só o Espírito Santo pode combater o espírito do mal (Isa 13: 21; 21: 9; Jer 50: 39; Apoc 18: 8). João viu sete anjos em espírito, que na verdade era o sétimo anjo que estava em pé junto do altar. (Apoc 8: 2, 3) mesmo na escuridão espiritual, uma medida do espírito é concedida (Apoc 2: 13, 12; Atos 16: 14) e ai vai acumulando o conhecimento e também o poder do espírito. (Apoc 2: 18 e 24; 3: 1; 3: 7) Até que a nova criação surge. (Col 2: 1; Apoc 3: 14: Prov. 8: 22) Pela a repetição das igrejas, se pode perceber o acumulo espiritual. As sete igrejas são as primeiras de uma série de “sete” que se fala em Apocalipse: sete espíritos (vr.4), sete candelabros (vr.12), sete estrelas (vr.16), sete lâmpadas de fogo (cap. 4: 5, um livro com sete selos (cap.5:1), os sete chifres e sete olhos do cordeiro (cap 5:6), sete anjos com sete trombetas (cap 8:2), sete tronos (cap 10:4), um dragão com sete cabeças e sete coroas (cap 12:3), uma besta com sete cabeças (cap 13:1), sete anjos que tinham as sete taças que contém as sete últimas pragas (cap 15:1-7) e a besta com sete cabeças, que se diz que também são sete montes e sete reis (cap 17: 3, 9-10). Este uso repetido do número sete com tantos símbolos diferentes, significa
  • 26. 25 | Apostila –Apocalipse 1 que essa cifra (ou número) também deve entender-se em sentido simbólico. Através de toda escritura o número sete, quando se usa simbolicamente, em geral representa plenitude, perfeição. Apoc. 1: 12. Verificar versículo 20; Ex. 25: 31-40; Zac 4: 2; Apoc 2: 1. Apocalipse 1:12. Versículo 20 é chamada atenção de João, alguém que fala com ele e Ele olha e vê sete candeeiros, os candeeiros são símbolo da igreja dos sete períodos da historia cristã. João agora estava podendo compreender perfeitamente o espírito da mensagem de todos os períodos. Eles sendo feito de ouro parece indicar um conhecimento perfeito. João vê Cristo caminhando no meio deles (versos 13-18) que indica sua presença contínua no meio das igrejas, mas isto é em espírito. (ver Mat. 28:20; Col. 1:18). O espírito de Cristo sempre esteve presente em seu povo fiel. Em Ex 25: 31; Zac. 4: 2; Apoc 2: 1), mostra o quadro espiritual perfeito. Apoc 1: 13; Apoc 2: 1; Dan 10: 5; Ez. 1: 26; Dan 7: 13; 10: 16; Apoc 14: 14; Isa 1: 6; Apoc 19:12; 15: 6. (Apoc 1.13. Apoc 2: 1; Dan 10: 5). Um remanescente igual a Cristo. Ez. 1: 26; Dan 7: 13; 10: 16; Apoc 14: 14; Isa 1: 6; Apoc 19:12; 15: 6; II Cor 3: 18. Dotado com a plenitude do Espírito Santo. A norma para avaliar o caráter é a lei real. A lei é o denunciador do pecado. Pela lei vem o conhecimento do pecado. O pecador é, porém, constantemente atraído para Jesus pela maravilhosa manifestação de Seu amor em humilhar-Se a Si mesmo até a ignominiosa morte na cruz. Que tema para estudo é este! Os anjos têm procurado e anelado fervorosamente devassar esse admirável mistério. É um estudo que pode pôr à prova a mais alta inteligência humana, que o homem, caído, enganado por Satanás, tomando o partido deste último, possa ser moldado à imagem do Filho do Deus infinito. Que o homem seja semelhante a Ele, e que, devido à justiça de Cristo concedida ao homem, Deus amará o homem - caído mas resgatado - assim como Ele amou a Seu Filho. Lede-o diretamente dos vivos
  • 27. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 26 oráculos. (III ME, 169) (Rom. 8: 29; I Cor 15: 49; II Cor 3: 18; Fil. 3: 21; I João 3: 2; Col. 1: 18; II Cor 3: 18) Filho do homem. É Cristo. O titulo filho do homem com artigo definido se usa mais de 80 vezes para referir-se a Cristo. Todas as nossas faculdades pertencem a Deus. São dEle pela criação e pela redenção. Deus concedeu a cada um Sua medida de poder, e espera que cada um a aplique do lado da verdade. É assim que ela deverá reluzir. O cristão deve colocar-se inteiramente ao lado do Senhor. "Agora, ... permanecem a fé, a esperança e o amor." I Cor. 13:13. A fé olha além das dificuldades desalentadoras e se apega ao invisível, à própria Onipotência, não podendo, portanto, ser frustrada. A fé, a esperança e o amor são irmãos, e suas obras se fundem perfeitamente para resplandecer entre as trevas morais do mundo. As crianças e os jovens devem ser instruídos, e os ignorantes devem ser ensinados por perseverante esforço a conhecer o que é a verdade. Esta lhes deve ser transmitida como preceito sobre preceito. Manuscrito 46, 1897. (MM, Este Dia Com Deus, 129) A fraqueza do homem encontrará força sobrenatural e auxílio em todo árduo conflito para realizar as obras da Onipotência; e a perseverança em fé e perfeita confiança em Deus garantirá o sucesso. Enquanto a antiga confederação do mal está arregimentada contra eles, Ele ordena que sejam bravos e fortes e lutem valentemente, pois têm um Céu a ganhar, e têm em suas fileiras mais do que um simples anjo: o poderoso General dos exércitos conduz as forças do Céu. Quando da tomada de Jericó, nenhum dos exércitos de Israel podia vangloriar-se, exercer sua força finita a fim de derrubar os muros da cidade; mas o Capitão dos exércitos do Senhor planejou essa batalha na maior simplicidade, a fim de que o homem não se exaltasse e somente o Senhor recebesse a glória. Deus nos tem prometido poder; e a promessa é para nós e para nossos filhos, e para todos os que estão longe e para aqueles a quem o Senhor nosso Deus chamar. ... (MM, Vidas Que Falam, 118)
  • 28. 27 | Apostila –Apocalipse 1 O verdadeiro pastor terá interesse em tudo quanto diz respeito ao bem- estar do rebanho, alimentando-o, guiando-o e defendendo-o. Conduzir- se-á com grande prudência, e manifestará terna consideração por todos, especialmente pelos tentados, aflitos e desanimados. "Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a Sua vida em resgate de muitos." Mat. 20:28. "Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado, maior do que aquele que o enviou." João 13:16. Cristo "aniquilou-Se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante aos homens". Filip. 2:7. "Mas nós que somos fortes devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nós mesmos. Portanto, cada um de nós agrade ao seu próximo no que é bom para edificação. Porque também Cristo não agradou a Si mesmo, mas, como está escrito: Sobre Mim caíram as injúrias dos que Te injuriavam." Rom. 15:1-3. (O. Evang. 190). Mas esse é semelhante ao filho do homem. Até os pés – Um vestido longo e simbólico de dignidade. Apoc. 1: 14; Dan 7: 9; Apoc 20: 4; Dan. 10: 6; Apoc 2: 18; 19: 12 Apoc. 1.14. Dan 7: 9; Apoc 20: 4; Dan. 10: 6 – um remanescente alcança a cadeira de serafim e recebe a plenitude do espírito Branco como a branca lã A sua mente, quem sabe veio à descrição de Dan 7:9. Ao meu modo de ver, esta citação dos cabelos brancos de Cristo representa sua pureza de caráter e pensamentos retos. Na verdade é Cristo na pessoa dos santos. Chama de fogo Uma chama ardente, que faz ressaltar o brilho do seu rosto e a intensidade de seu olhar. Um olhar perscrutador, que atravessa tudo que não pode suportar o mal.
  • 29. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 28 Apoc. 1:15; Ez 1: 24; Dan 10: 6; Apoc 2: 18; Ez 43: 2; Apoc 14: 2; 19: 6. Mais uma vez é identificado um grupo de pessoas que alcançaram o caráter de Cristo Muitas águas Águas representa pessoas, multidão, esse ser tinha a voz, como voz de muitas águas, ou seja representava uma grande multidão Apoc. 1:16; Verificar versículo 20; Apoc. 2: 1; 3: 1; Isa 1: 20; 49: 2 - 3; Heb 4: 12; Apoc 2: 12,16; 19: 15, 21; Jz 5: 31; Mat 17: 2. Através de um remanescente, e da palavra de Deus que se fez carne. Deus desafiará as nações. Sua mão direita É com a mão direita que executamos as obras. Mas podemos ter alguém como nossa mão direita. Alguém de confiança. A mão de Deus representa aqui um povo Sete estrelas Símbolo que representa os anjos, os mensageiros enviados as sete igrejas (ver vr. 20). "Estas coisas diz Aquele que conserva na mão direita as sete estrelas." As palavras são dirigidas aos mestres na igreja - aqueles a quem Deus confiou pesadas responsabilidades. As agradáveis influências que devem ser abundantes na igreja estão ligadas aos pastores, os quais devem revelar o precioso amor de Cristo. As estrelas do Céu estão sob o Seu controle. Ele as enche de luz. Guia-as, e lhes dirige os movimentos. Se não fizesse isso, elas tornar-se-iam estrelas cadentes. Acontece a mesma coisa com os Seus pastores. Eles apenas são instrumentos em Suas mãos, e todo o bem que realizam é efetuado pelo Seu poder. Sua luz deve resplandecer por meio deles. O Salvador será sua eficiência. Se olharem para Ele como Ele olhava para o Pai,
  • 30. 29 | Apostila –Apocalipse 1 realizarão Sua obra. Ao fazerem de Deus sua confiança, Ele lhes dará o Seu esplendor para que o reflitam sobre o mundo. (MM, Exaltai-O, 319) Espada aguda de dois gumes (Heb 4: 12; Mat 12: 37) Representa a Palavra da verdade, pois quando a recebemos ela divide juntas e medulas fazendo separação entre alma e espírito. Ela vem com cheiro de vida, para vida e cheiro de morte para morte. Como o sol O sol é a luz mais brilhante que conhece normalmente o homem. O sol ele aquece, da vida e também destrói, e criatura nenhuma pode suportar o brilho de sua luz. Isto quer dizer que terão um conhecimento igual ao de Cristo, pois cantarão o cântico de Moises e do Cordeiro. (Apoc 15: 3) Apoc. 1:17; Ez 1: 28; Dan 8: 17, 18, 19; Mat 14: 27; Isa 41: 4; 44: 6; 48: 12; Apoc 2: 8; 22: 13. Aqui vemos a igreja gloriosa executando a obra da onipotência. Como morto Estar como morto, não literal, pois a igreja passou por um período de apostasia, e o nome de Cristo estava por assim dizer “morto”. Não temas Naquele momento da visão, o profeta não estava pronto para um fato real, que aconteceria no futuro. Naquele momento, nem mesmo Daniel estava pronto. Por isso foi a resposta – é para o futuro. Apoc. 1: 18; Rom 6: 9; Apoc 2: 8; Deut 32:39, 40; Dan 4: 34; 12: 7; Apoc 4: 9, 10; 10: 5; 15: 7; 9: 1; 20: 1. O que vive Indubitavelmente o termo comum do AT “Deus vivente” (Jos 3: 10), a flexão do verbo indica uma vida continua, permanente. Esta declaração
  • 31. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 30 tem um significado especial porque Cristo tem vida original, que não provem e nem deriva de outra, “nEle estava a vida, e a vida era a luz dos homens (ver com João 1: 4) Vivo. Vivendo estou, é dizer, tenho vida continua, vida que não termina vida auto-existente (João 5: 26). Pelos os séculos dos séculos. Para toda a eternidade. Ver com versículo 6. Amém. Assim será ou é. Chaves. As chaves são um símbolo de poder e autoridade. Cf Mat 16: 19; Luc 11: 52. Inferno. A morada dos mortos, “sepulcro” (Apoc 20: 12; I Pe 4: 6). A vitória de Cristo trouxe tudo o universo em seu antigo estado. Com a purificação do templo, anunciou Jesus Sua missão como Messias. Aquele templo, erigido, para morada divina, destinava-se a ser uma lição objetiva para Israel e o mundo. Desde os séculos eternos era o desígnio de Deus que todos os seres criados, desde os luminosos e santos serafins até ao homem, fossem um templo para morada do Criador. Devido ao pecado, a humanidade cessou de ser o templo de Deus. Obscurecido e contaminado pelo pecado, o coração do homem não mais revelava a glória da Divindade. Pela encarnação do Filho de Deus, porém, cumpriu-se o desígnio do Céu. (DTN, 161) Nas pedreiras do mundo judeu e do mundo pagão os apóstolos trabalharam, trazendo pedras para colocar sobre o fundamento. Em sua carta aos crentes de Éfeso, Paulo disse: "Assim que já não sois
  • 32. 31 | Apostila –Apocalipse 1 estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor, no qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito." Efés. 2:19-22. (AA, 596) Homem algum pode de si mesmo expulsar a turba má que tomou posse do coração. Unicamente Cristo pode purificar o templo da alma. Não forçará, porém, a entrada. Não vem ao templo do coração como ao de outrora; mas diz: "Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a Minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa." Apoc. 3:20. Ele virá, não somente por um dia; pois diz: "Neles habitarei, e entre eles andarei: ... e eles serão o Meu povo." II Cor. 6:16. Sua presença purificará e santificará a alma, de maneira que ela seja um santo templo para o Senhor, e uma "morada de Deus em Espírito". Efés. 2:21 e 22. (O Desejado de Todas as Nações, pág. 161.) Apoc. 1: 18; Rom. 6: 9; Apoc 2: 8; Deut. 32: 39 - 41; Dan 4: 34; 12: 7; Apoc 4: 9, 10; 10: 6; 15: 7; 9: 1; 20: 1. O homem volta a ser morada de Deus em Espírito. De um resto que estava no pecado, Deus levanta um santuário. O que vive. Indubitavelmente o termo comum do AT “Deus vivente” (Jos 3: 10), a flexão do verbo indica uma vida continua, permanente. Esta declaração tem um significado especial porque Cristo tem vida original, que não provem e nem deriva de outra, “nEle estava a vida, e a vida era a luz dos homens (ver com João 1: 4) . e Deus vive através de suas criaturas. Estive morto. Já foi comentado Pelos os séculos dos séculos. Para toda a eternidade. Ver com versículo 6. Amém. Assim será ou é.
  • 33. A p o s t i l a – A p o c a l i p s e 1 | 32 Chaves. As chaves são um símbolo de poder e autoridade. Cf Mat 16: 19; Luc 11: 52. Inferno. A morada dos mortos, “sepulcro Sete Estrelas. Ver com vers 11, 16 Estes versículos são uma ponte que une os vers 12-19 com a mensagem dos capítulos 2 e 3. E explica os símbolos dos vrs 12, 16 e prepara o caminho para as mensagens das deferentes igrejas. Aquele que estabeleceu os mundos estelares nos altos céus, e com delicada perícia coloriu as flores do campo, Aquele que encheu a Terra e os céus com as maravilhas de Seu poder, vindo a coroar Sua obra gloriosa a fim de pôr em seu meio alguém para ser o governador da linda Terra, não deixou de criar um ser digno das mãos que lhe deram vida. A genealogia de nossa raça, conforme é dada pela inspiração, remonta sua origem não a uma linhagem de germes, moluscos e quadrúpedes a se desenvolverem, mas ao grande Criador. Posto que formado do pó, Adão era filho "de Deus". Luc. 3:38. (P.P, pág. 45) Anjos. “Mensageiros” tanto podem ser celestial ou humano (cf. Mat. 11: 10; Mar. 1: 2; Luc. 7: 24,27; 9: 52; I Cor.12: 7. Se tem sugerido que os anjos das sete igrejas são seus respectivos anciões ou supervisores do tempo de João, e que o Senhor lhes dirigem estas mensagens para que os transmitam as suas respectivas congregações. Sem duvida com possível exceção dos anjos das sete igrejas, a palavra anjo não se refere a seres humanos nos 75 casos em que João usa em Apocalipse. Se aqui se refere a eles, não fica claro pelo o contexto. Mas não parece possível que Deus eivei mensagens á anjos literais por meio de João, por tanto se prefere identificar á esses anjos como os dirigentes das igrejas. (OE pág. 13-19)