SlideShare uma empresa Scribd logo
Abril de 2016
Ser Mulher
Concurso Ler & Aprender
Adriana de Matos Pedrosa, n.º 2 – 10.º D
Escola Básica e Secundária de Anadia
2
Ser Mulher
- É muita giro!
- E rico.
- Está a terminar Civil.
E a conversa continuava à mistura com risinhos coquetes e, simultaneamente, inocentes entre mim e
as minhas colegas, enquanto comentávamos os rapazes que passavam.
Aquele, porém, ficou-me na memória por… nem sei bem o quê, talvez por um simples olhar que nos
envolveu e que me deixou arrepiada.
Os meus pensamentos andaram febris durante os dias que se seguiram, sem eu saber muito bem o
que haveria de fazer.
Evidentemente que, conhecendo-me quase como eu própria, os meus amigos aperceberam-se da
minha agitação interna e não me deixaram descansar enquanto não revelei o meu segredo.
Não havia nada a fazer. A minha paixoneta por aquele Adónis haveria de passar. Eu nem o conhecia!
Porém, não passava…
Tudo aconteceu, por um mero acaso, quando decidi ir estudar para a Biblioteca Geral da Universidade.
Nessas ocasiões, gostava de o fazer sozinha e, portanto, era assim que me encontrava. Quando me sentei
naquele lugar austero, escolhi uma das secretárias duplas completamente desocupada, pois gosto de estar
sozinha. Não demorou muito a que o lugar vazio ficasse ocupado. O que esperava eu?
Naquele lugar em que o silêncio impera, senti um papel intrometer-se entre mim e o livro que
consultava. A nota nele impressa não tinha a ver com a matéria. Dizia: “- Queres sair hoje à noite?”
A minha vontade foi pegar nos meus livros e mudar-me de lugar. Contudo, quando iniciei os meus
intentos apercebi-me de que o autor da missiva era o meu belo Adónis. O meu rosto deve ter ficado
carmesim, pois senti o calor subir e a invadir todo o meu corpo, paralisando-me os movimentos. O seu sorriso
cativante embriagou os meus já fracos sentidos e pressenti a minha cabeça a desobedecer à razão e a acenar
um sim, louco de emoções.
O estudo desconcentrado voava para o armário do meu quarto e vagava pelas roupas elegendo o
vestuário perfeito.
A noite mágica e deslumbrante, não podia ter corrido melhor. O restaurante, embora já meu
conhecido, pareceu-me bem diferente. Mais romântico e acolhedor do que todas as outras vezes em que ali
me deslocara em companhia de amigos ou familiares.
A conversa apesar de vulgar, foi sensacional. Cada frase dita por um era imediatamente completada
pelo outro. Rimos, trocámos ideias e ideais. Enfim, fomo-nos conhecendo.
Ao longo de um ano vivi o sonho de qualquer mulher. Ou a ilusão de muitas mulheres. Pois os sinais
estavam lá, mas eu fiz-me cega e segui a minha louca aventura enveredando por um caminho quase sem
retorno.
Saíamos, divertíamo-nos. Achava divertido sempre que ele se irritava por eu dar atenção a um
qualquer outro colega meu. Sentia os seus olhos postos em mim sempre que era a última a chegar a um
encontro. Aborrecia-se com as minhas desculpas, mesmo daquela vez em que eu tinha demorado mais a
fazer uma frequência.
3
- São ciúmes! - dizia eu, num misto de prazer e de gozo, que o deixava com o olhar vítreo que, na
altura, até me dava uma certa satisfação.
Às vezes pegava-me no braço e apertava-me de tal modo que chegava quase a assustar-me. Mas, eu
desvalorizava e seguia em frente, certa de que lhe passaria a frustração, como eu também lhe chamava.
O pedido de casamento foi idílico. Andávamos há cerca de ano e meio quando tudo aconteceu.
Os dois já tínhamos acabado entretanto a faculdade e o trabalho, que na altura se encontrava com
relativa facilidade, era uma realidade que tínhamos à nossa espera, pelo que ambos estávamos já a exercer
as nossas profissões.
Aos fins de semana encontrávamo-nos para passear, andar de bicicleta e, à noite, normalmente íamos
até ao cinema, ou à discoteca para uma dança, ou até a um bar, sempre com os amigos.
O domingo vislumbrava-se soalheiro e eu levantara-me cedo para caminhar à beira-mar. Algo que
gostava de fazer aos domingos, quando o tempo assim o permitia. No final da minha caminhada o meu lugar
de destino era, invariavelmente, a esplanada do Bar da Praia, onde o João, ou a Vera, preparavam, assim
que me viam, a minha torrada e a meia de leite. Era esta a minha rotina domingueira!
Nesse dia entrei na esplanada e não vi nem a Vera, nem o João, nem o meu tão desejado pequeno
almoço. Intrigada, tentei debruçar-me no balcão e espreitar a cozinha a ver se via ou ouvia algum som.
O som do velho piano solta-se no silêncio daquela manhã e escuto logo de seguida a voz do meu
namorado que entoa um canto desconhecido, porém que capta a minha atenção não pelas rimas bem feitas,
pois ele nunca soube rimar, mas pelo que elas continham: um pedido de casamento. A Vera, pequenina com
os seus dedos esguios termina a melodiosa canção e eu que só tive ouvidos para a voz desafinada do meu
amor, grito bem alto um - SIM!
O dia do casamento poderia ter sido outro dia feliz. Hoje, não posso dizer que o foi.
Estava nervosa. Qual a noiva que assim não está no dia do seu casamento?
Decerto que nenhuma. Ao longo da cerimónia propriamente dita, o nervosismo foi-se dissipando. A
boda decorreu numa quinta de luxo. Não faltou nada. O baile, a alegria a felicidade que deveriam reinar
foram assombradas por algo que me deixou perturbada e me fez vacilar.
A noiva é o centro das atenções e, como tal, pretendida por todos. A primeira dança é, como não
poderia deixar de ser, aberta pelos noivos e, no meu casamento não foi exceção. A dança seguinte foi com
os respetivos pais. Eu com o meu e ele com a sua mãe. Claro, que a minha vontade era dançar sempre com
ele. Todavia, a minha qualidade de noiva e de figura central, dizia-me que eu tinha de dançar com quem o
solicitasse. Um grande amigo pediu-me para dançar e eu não poderia recusar. Era o meu melhor amigo.
Sempre nos demos bem. Ele foi sempre o meu confidente, eramos como irmãos.
Quando nos viu dançar, o meu noivo olhou-me com um olhar como eu nunca tinha visto. Foi a primeira
vez que me ameaçou com o olhar. Depois, quando me encontrei a sós com ele, numa dança que poderia ser
fenomenal ameaçou-me. Foram só palavras. Palavras que me deixaram sem reação, mas morta de vergonha
apesar de apenas eu as ter ouvido.
- Nunca mais voltas a dançar com ele. Nem com ele nem com ninguém. Agora és uma mulher casada,
percebeste?!
Dos meus olhos brotaram grossas lágrimas que deixei que rolassem sem destino. Como me senti
naquele momento! O que é que se passava? O que estávamos a fazer de mal? O que havia de errado em
dançar? E que autoridade era dada a um homem só porque era casado comigo? Haveríamos de conversar
mais tarde.
4
O mais tarde chegou nessa noite e fez-se cedo! Cedo comecei a ver que não conhecia o homem com
quem casara.
Quando somente pretendia compreender o que se passara consegui uma bofetada de resposta.
Na raiva e dor que sentia refugiei-me na casa de banho do hotel e fechei a porta. Consegui uma
violação que me rasgou por dentro e por fora e me deixou o coração a sagrar, pois o misto de embriagante
ilusão, que vivera até aí, desabou e eu fui-me deixando envolver numa teia sem retorno.
O dia seguinte foi fascinante. Mil perdões e um lindíssimo ramo de flores fizeram renascer em mim a
esperança de que afinal tudo não passara de uns copitos a mais que ele teria bebido durante a boda. Tudo
iria ser ultrapassado e ficaria bem. Desculpa encontrada, dia após dia, noite após noite. Sova após sova.
Flores após flores. Já não sei se as desculpas eram para mim se para ele.
O medo e a culpa instalados. As pinturas que passei a usar e que detestava, mas que eram necessárias
para encobrir a outra pintura que ele ia traçando pelo meu corpo, humilhando-me cada vez mais e eu
consentindo. A dor que no silêncio das paredes da minha casa gritava por ajuda, mas que teimava em ficar
calada.
Não conseguia lutar.
Afastei-me dos amigos, da família, despedi-me do emprego por vergonha e isolei-me em casa. Estava
completamente dependente daquele ser macabro e ruim que me destruiu.
Nunca nada estava bem. A comida tinha sempre defeitos. Ora tinha sal a mais, ou a menos. “Para que
fizeste carne se eu queria peixe?” Mesmo quando eu o tinha questionado de manhã sobre o assunto, tinha
de saber que ele tinha mudado de ideias. Tudo era motivo para gritos, murros, pontapés e levar com tudo
o que tivesse à mão.
O dia mais feliz da minha vida transformou-se assim, no meu maior pesadelo e eu deixei!
Durante muitos anos culpei o meu melhor amigo por tudo o que acontecera, pois considerava que ele
deveria saber que ao convidar-me para dançar estava a cavar a minha ruína.
Foi num dia parecido com aquele distante e soalheiro dia, que a viragem aconteceu. A manhã mal
tinha nascido. Ele, como sempre, levantara-se para ir trabalhar. Eu estava a preparar-lhe o pequeno almoço,
como todos os dias fazia desde que nos casamos. Fazia nesse dia quatro anos que ele me tinha pedido em
casamento.
Lembrava-me? Não porque desejasse festejar. Mas, porque desejava nunca ter aceitado e apagar da
minha vida esse tempo.
Distrai-me uns escassos segundos com este meu deambular pelo passado, mas foi o suficiente para
ele chegar à cozinha e se aperceber de que a chávena do café ainda se encontrava debaixo da máquina. A
minha cabeça voou de encontro ao armário e eu senti as estrelas do céu a brilharem, quando bati no chão,
as biqueiras das botas faziam os meus ossos já frágeis encolher-se para dentro do meu martirizado e frágil
corpo e eu vi-me abandonada ali por aquele homem em quem eu havia depositado há muito tempo tanta
esperança e amor.
Senti as minhas forças a abandonarem-me e deixei-me ir. A minha vida passou-me toda pela mente e
senti que não podia lutar mais. Ele vencera! O meu espírito abandonava rapidamente o meu corpo e eu
estava a deixar. - Não! – gritei.
Tinha de sair dali. Eu queria sair dali. Levantei-me a custo e sai.
O Sol feriu-me os olhos magoados, mas fez-me bem. Caminhei sem fim, sem rumo, pois destino eu já
nem tinha, estava definitivamente perdida. Olhei em redor e reconheci a minha praia, subi as curtas escadas
5
que me levaram ao Bar da Praia e quando cheguei, a meio da manhã e não cedo como acontecia há muito
tempo, esperava por mim a minha torrada e a meia de leite. Parecia que a minha rotina não fora
abruptamente interrompida! Os dois rostos sorriam para mim, como todas as manhãs e, como sempre,
disseram em uníssono um sonoro – Bom dia, Rita!
Eu respondo-lhes e, pela primeira vez oiço alegria na minha voz. Enquanto tomo o meu pequeno
almoço sei, finalmente, que o motivo da minha vida desgraçada é apenas aquele a quem chamo marido e,
naquele que considero o dia mais feliz da minha vida, decidi não voltar para casa e deixar de ter medo,
apesar de todo o pavor que possa sentir e peço ajuda àqueles dois amigos.
Nesse dia renasci. O Motivo? Esse está preso, pois enfrentou a justiça e foi possível fazê-la!
Ninguém merece ser tratada como eu fui e há que ter coragem para enfrentar os nossos medos e
receios.
Estive refugiada numa casa de acolhimento para ele não me encontrar. Tentou perseguir-me, mas eu
fui mais forte e lutei pelos meus direitos. Lutei por mim!
Felizmente não cheguei ao ponto de muitas outras mulheres, cujos corpos jazem tristemente e que
não conseguiram chegar, como eu, a um porto seguro!…
Vivi um pesadelo, mas sei que é possível ser feliz!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dempeo ii quinta parte
Dempeo ii   quinta parteDempeo ii   quinta parte
Dempeo ii quinta parte
Bianca Martins
 
Sol da minha vida
Sol da minha vidaSol da minha vida
Sol da minha vida
Glaucia Black
 
Simplesmente jake
Simplesmente jakeSimplesmente jake
Simplesmente jake
Glaucia Black
 
Implacvel destino
Implacvel destinoImplacvel destino
Implacvel destino
Glaucia Black
 
Oitava
OitavaOitava
Dempeo 1
Dempeo 1Dempeo 1
Dempeo 1
Bianca Martins
 
A decisão de Amanda - Por Beatriz Rodrigues
A decisão de Amanda - Por Beatriz RodriguesA decisão de Amanda - Por Beatriz Rodrigues
A decisão de Amanda - Por Beatriz Rodrigues
Beatriz Rodrigues
 
Dempeo ii segunda parte +1
Dempeo ii   segunda parte +1Dempeo ii   segunda parte +1
Dempeo ii segunda parte +1
Bianca Martins
 
A decisão de Amanda
A decisão de Amanda A decisão de Amanda
A decisão de Amanda
Beatriz Rodrigues
 
A última rosa
A última rosaA última rosa
A última rosa
Jean Souza
 
A última rosa
A última rosaA última rosa
A última rosa
Jean Souza
 
A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)
A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)
A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)
alessandracristina35
 
quarta parte
quarta partequarta parte
quarta parte
Bianca Martins
 
Elas - Ruben Aguiar
Elas - Ruben AguiarElas - Ruben Aguiar
Elas - Ruben Aguiar
Ruben Aguiar
 
Apresentação Livro E.E. Omar Rezende Perez
Apresentação Livro E.E. Omar Rezende PerezApresentação Livro E.E. Omar Rezende Perez
Apresentação Livro E.E. Omar Rezende Perez
Luis Felipe Gouvea
 
Missão 13 - Julho
Missão 13 - JulhoMissão 13 - Julho
Missão 13 - Julho
Fabiano Brito
 
Dempeo
Dempeo Dempeo
Anorexia - Dominique Brand
Anorexia - Dominique BrandAnorexia - Dominique Brand
Anorexia - Dominique Brand
Moradores do Ype
 

Mais procurados (19)

Dempeo ii quinta parte
Dempeo ii   quinta parteDempeo ii   quinta parte
Dempeo ii quinta parte
 
Sol da minha vida
Sol da minha vidaSol da minha vida
Sol da minha vida
 
Simplesmente jake
Simplesmente jakeSimplesmente jake
Simplesmente jake
 
Implacvel destino
Implacvel destinoImplacvel destino
Implacvel destino
 
Cap.1
Cap.1Cap.1
Cap.1
 
Oitava
OitavaOitava
Oitava
 
Dempeo 1
Dempeo 1Dempeo 1
Dempeo 1
 
A decisão de Amanda - Por Beatriz Rodrigues
A decisão de Amanda - Por Beatriz RodriguesA decisão de Amanda - Por Beatriz Rodrigues
A decisão de Amanda - Por Beatriz Rodrigues
 
Dempeo ii segunda parte +1
Dempeo ii   segunda parte +1Dempeo ii   segunda parte +1
Dempeo ii segunda parte +1
 
A decisão de Amanda
A decisão de Amanda A decisão de Amanda
A decisão de Amanda
 
A última rosa
A última rosaA última rosa
A última rosa
 
A última rosa
A última rosaA última rosa
A última rosa
 
A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)
A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)
A corrente-da-vida-walcyr-carrasco-1pdf (1)
 
quarta parte
quarta partequarta parte
quarta parte
 
Elas - Ruben Aguiar
Elas - Ruben AguiarElas - Ruben Aguiar
Elas - Ruben Aguiar
 
Apresentação Livro E.E. Omar Rezende Perez
Apresentação Livro E.E. Omar Rezende PerezApresentação Livro E.E. Omar Rezende Perez
Apresentação Livro E.E. Omar Rezende Perez
 
Missão 13 - Julho
Missão 13 - JulhoMissão 13 - Julho
Missão 13 - Julho
 
Dempeo
Dempeo Dempeo
Dempeo
 
Anorexia - Dominique Brand
Anorexia - Dominique BrandAnorexia - Dominique Brand
Anorexia - Dominique Brand
 

Semelhante a 2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d

Vinganças
VingançasVinganças
Vinganças
DhaySouza
 
O vôo 380
O vôo 380O vôo 380
O vôo 380
Amadeu Wolff
 
Redação 9 paráfrase
Redação 9   paráfraseRedação 9   paráfrase
Redação 9 paráfrase
nathaliafpaiva
 
The Dead Zone
The Dead ZoneThe Dead Zone
The Dead Zone
CondadoLiterata
 
De uma perspectiva relevante
De uma perspectiva relevanteDe uma perspectiva relevante
De uma perspectiva relevante
tiagosector
 
Amores complicados lilian reis
Amores complicados   lilian reisAmores complicados   lilian reis
Amores complicados lilian reis
Brunna Heiderich
 
Visita de um amigo
Visita de um amigoVisita de um amigo
Visita de um amigo
Prefeitura de Fortaleza
 
Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)
Júnior Sodré
 
kinght
 kinght  kinght
kinght
Paola Prudente
 
Além das estrelas - Andreia Tonetto
Além das estrelas - Andreia TonettoAlém das estrelas - Andreia Tonetto
Além das estrelas - Andreia Tonetto
Katiane Prado
 
Tristezas da vida
Tristezas da vidaTristezas da vida
Tristezas da vida
Edimauro Costa
 
Livro diário da nossa paixão
Livro   diário da nossa paixãoLivro   diário da nossa paixão
Livro diário da nossa paixão
Jean Marcos
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
pribeletato
 
Amor inteiro trecho inédito
Amor inteiro trecho inéditoAmor inteiro trecho inédito
Amor inteiro trecho inédito
Maribell_Azevedo
 
Tarde Demais
Tarde DemaisTarde Demais
Tarde Demais
mcunha
 
R. k. lilley up in the air 03 - grounded
R. k. lilley   up in the air 03 - groundedR. k. lilley   up in the air 03 - grounded
R. k. lilley up in the air 03 - grounded
Aricia Aguiar
 
Niver meu Amor
Niver meu AmorNiver meu Amor
Niver meu Amor
patricia
 
Niver elsi
Niver elsiNiver elsi
Niver elsi
patricia
 
Voto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdf
Voto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdfVoto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdf
Voto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Despojos de-uma-tragc3a9dia
Despojos de-uma-tragc3a9diaDespojos de-uma-tragc3a9dia
Despojos de-uma-tragc3a9dia
Administração sbtch
 

Semelhante a 2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d (20)

Vinganças
VingançasVinganças
Vinganças
 
O vôo 380
O vôo 380O vôo 380
O vôo 380
 
Redação 9 paráfrase
Redação 9   paráfraseRedação 9   paráfrase
Redação 9 paráfrase
 
The Dead Zone
The Dead ZoneThe Dead Zone
The Dead Zone
 
De uma perspectiva relevante
De uma perspectiva relevanteDe uma perspectiva relevante
De uma perspectiva relevante
 
Amores complicados lilian reis
Amores complicados   lilian reisAmores complicados   lilian reis
Amores complicados lilian reis
 
Visita de um amigo
Visita de um amigoVisita de um amigo
Visita de um amigo
 
Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)Cuidebemdoseuamor x(1)
Cuidebemdoseuamor x(1)
 
kinght
 kinght  kinght
kinght
 
Além das estrelas - Andreia Tonetto
Além das estrelas - Andreia TonettoAlém das estrelas - Andreia Tonetto
Além das estrelas - Andreia Tonetto
 
Tristezas da vida
Tristezas da vidaTristezas da vida
Tristezas da vida
 
Livro diário da nossa paixão
Livro   diário da nossa paixãoLivro   diário da nossa paixão
Livro diário da nossa paixão
 
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começaCapítulo 1: Lulital - a magia começa
Capítulo 1: Lulital - a magia começa
 
Amor inteiro trecho inédito
Amor inteiro trecho inéditoAmor inteiro trecho inédito
Amor inteiro trecho inédito
 
Tarde Demais
Tarde DemaisTarde Demais
Tarde Demais
 
R. k. lilley up in the air 03 - grounded
R. k. lilley   up in the air 03 - groundedR. k. lilley   up in the air 03 - grounded
R. k. lilley up in the air 03 - grounded
 
Niver meu Amor
Niver meu AmorNiver meu Amor
Niver meu Amor
 
Niver elsi
Niver elsiNiver elsi
Niver elsi
 
Voto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdf
Voto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdfVoto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdf
Voto de castidade - Trai meu esposo por falta de assistência.pdf
 
Despojos de-uma-tragc3a9dia
Despojos de-uma-tragc3a9diaDespojos de-uma-tragc3a9dia
Despojos de-uma-tragc3a9dia
 

Mais de Graça Matos

2017 11-17 - nas asas do natal.
2017 11-17 - nas asas do natal.2017 11-17 - nas asas do natal.
2017 11-17 - nas asas do natal.
Graça Matos
 
Aterratreme folheto
Aterratreme folhetoAterratreme folheto
Aterratreme folheto
Graça Matos
 
2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e
2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e
2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e
Graça Matos
 
2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís
2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís
2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís
Graça Matos
 
2017 07-15 - manuais adotados-2017-2018
2017 07-15 - manuais adotados-2017-20182017 07-15 - manuais adotados-2017-2018
2017 07-15 - manuais adotados-2017-2018
Graça Matos
 
P vencedor aea quebrar o isolamento
P vencedor   aea quebrar o isolamentoP vencedor   aea quebrar o isolamento
P vencedor aea quebrar o isolamento
Graça Matos
 
Pp.nós propomos parque do choupal
Pp.nós propomos parque do choupalPp.nós propomos parque do choupal
Pp.nós propomos parque do choupal
Graça Matos
 
Aea anadia em movimento
Aea anadia em movimentoAea anadia em movimento
Aea anadia em movimento
Graça Matos
 
Cartaz voto 2 projeto rádio
Cartaz voto 2   projeto rádioCartaz voto 2   projeto rádio
Cartaz voto 2 projeto rádio
Graça Matos
 
Cartaz voto 1 projeto rádio
Cartaz voto 1   projeto rádioCartaz voto 1   projeto rádio
Cartaz voto 1 projeto rádio
Graça Matos
 
9 e 11d e 12bde rádio escolar
9 e 11d e 12bde   rádio escolar9 e 11d e 12bde   rádio escolar
9 e 11d e 12bde rádio escolar
Graça Matos
 
Projeto ope vencedor vb
Projeto ope vencedor   vbProjeto ope vencedor   vb
Projeto ope vencedor vb
Graça Matos
 
Receção alunos 2016 2017
Receção alunos 2016 2017Receção alunos 2016 2017
Receção alunos 2016 2017
Graça Matos
 
2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...
2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...
2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...
Graça Matos
 
Trabalho projeto fvv
Trabalho projeto fvvTrabalho projeto fvv
Trabalho projeto fvv
Graça Matos
 
2016 07-09 - roteiro - margarida
2016 07-09 - roteiro - margarida2016 07-09 - roteiro - margarida
2016 07-09 - roteiro - margarida
Graça Matos
 
2016 07-06 - roteiro - miriam, 6ºd
2016 07-06 - roteiro -  miriam, 6ºd2016 07-06 - roteiro -  miriam, 6ºd
2016 07-06 - roteiro - miriam, 6ºd
Graça Matos
 

Mais de Graça Matos (17)

2017 11-17 - nas asas do natal.
2017 11-17 - nas asas do natal.2017 11-17 - nas asas do natal.
2017 11-17 - nas asas do natal.
 
Aterratreme folheto
Aterratreme folhetoAterratreme folheto
Aterratreme folheto
 
2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e
2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e
2017 07-22 - atmosfera carlos gonçalo joão - 9 e
 
2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís
2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís
2017 07-21 - a poluição dos solos - andré gui luís
 
2017 07-15 - manuais adotados-2017-2018
2017 07-15 - manuais adotados-2017-20182017 07-15 - manuais adotados-2017-2018
2017 07-15 - manuais adotados-2017-2018
 
P vencedor aea quebrar o isolamento
P vencedor   aea quebrar o isolamentoP vencedor   aea quebrar o isolamento
P vencedor aea quebrar o isolamento
 
Pp.nós propomos parque do choupal
Pp.nós propomos parque do choupalPp.nós propomos parque do choupal
Pp.nós propomos parque do choupal
 
Aea anadia em movimento
Aea anadia em movimentoAea anadia em movimento
Aea anadia em movimento
 
Cartaz voto 2 projeto rádio
Cartaz voto 2   projeto rádioCartaz voto 2   projeto rádio
Cartaz voto 2 projeto rádio
 
Cartaz voto 1 projeto rádio
Cartaz voto 1   projeto rádioCartaz voto 1   projeto rádio
Cartaz voto 1 projeto rádio
 
9 e 11d e 12bde rádio escolar
9 e 11d e 12bde   rádio escolar9 e 11d e 12bde   rádio escolar
9 e 11d e 12bde rádio escolar
 
Projeto ope vencedor vb
Projeto ope vencedor   vbProjeto ope vencedor   vb
Projeto ope vencedor vb
 
Receção alunos 2016 2017
Receção alunos 2016 2017Receção alunos 2016 2017
Receção alunos 2016 2017
 
2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...
2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...
2016 09-21 - gl m honrosa - a vida do homem é como a de um rio - sofia pedros...
 
Trabalho projeto fvv
Trabalho projeto fvvTrabalho projeto fvv
Trabalho projeto fvv
 
2016 07-09 - roteiro - margarida
2016 07-09 - roteiro - margarida2016 07-09 - roteiro - margarida
2016 07-09 - roteiro - margarida
 
2016 07-06 - roteiro - miriam, 6ºd
2016 07-06 - roteiro -  miriam, 6ºd2016 07-06 - roteiro -  miriam, 6ºd
2016 07-06 - roteiro - miriam, 6ºd
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

2016 09-18 - gn - ser mulher - adriana de matos pedrosa 2 -10 d

  • 1. Abril de 2016 Ser Mulher Concurso Ler & Aprender Adriana de Matos Pedrosa, n.º 2 – 10.º D Escola Básica e Secundária de Anadia
  • 2. 2 Ser Mulher - É muita giro! - E rico. - Está a terminar Civil. E a conversa continuava à mistura com risinhos coquetes e, simultaneamente, inocentes entre mim e as minhas colegas, enquanto comentávamos os rapazes que passavam. Aquele, porém, ficou-me na memória por… nem sei bem o quê, talvez por um simples olhar que nos envolveu e que me deixou arrepiada. Os meus pensamentos andaram febris durante os dias que se seguiram, sem eu saber muito bem o que haveria de fazer. Evidentemente que, conhecendo-me quase como eu própria, os meus amigos aperceberam-se da minha agitação interna e não me deixaram descansar enquanto não revelei o meu segredo. Não havia nada a fazer. A minha paixoneta por aquele Adónis haveria de passar. Eu nem o conhecia! Porém, não passava… Tudo aconteceu, por um mero acaso, quando decidi ir estudar para a Biblioteca Geral da Universidade. Nessas ocasiões, gostava de o fazer sozinha e, portanto, era assim que me encontrava. Quando me sentei naquele lugar austero, escolhi uma das secretárias duplas completamente desocupada, pois gosto de estar sozinha. Não demorou muito a que o lugar vazio ficasse ocupado. O que esperava eu? Naquele lugar em que o silêncio impera, senti um papel intrometer-se entre mim e o livro que consultava. A nota nele impressa não tinha a ver com a matéria. Dizia: “- Queres sair hoje à noite?” A minha vontade foi pegar nos meus livros e mudar-me de lugar. Contudo, quando iniciei os meus intentos apercebi-me de que o autor da missiva era o meu belo Adónis. O meu rosto deve ter ficado carmesim, pois senti o calor subir e a invadir todo o meu corpo, paralisando-me os movimentos. O seu sorriso cativante embriagou os meus já fracos sentidos e pressenti a minha cabeça a desobedecer à razão e a acenar um sim, louco de emoções. O estudo desconcentrado voava para o armário do meu quarto e vagava pelas roupas elegendo o vestuário perfeito. A noite mágica e deslumbrante, não podia ter corrido melhor. O restaurante, embora já meu conhecido, pareceu-me bem diferente. Mais romântico e acolhedor do que todas as outras vezes em que ali me deslocara em companhia de amigos ou familiares. A conversa apesar de vulgar, foi sensacional. Cada frase dita por um era imediatamente completada pelo outro. Rimos, trocámos ideias e ideais. Enfim, fomo-nos conhecendo. Ao longo de um ano vivi o sonho de qualquer mulher. Ou a ilusão de muitas mulheres. Pois os sinais estavam lá, mas eu fiz-me cega e segui a minha louca aventura enveredando por um caminho quase sem retorno. Saíamos, divertíamo-nos. Achava divertido sempre que ele se irritava por eu dar atenção a um qualquer outro colega meu. Sentia os seus olhos postos em mim sempre que era a última a chegar a um encontro. Aborrecia-se com as minhas desculpas, mesmo daquela vez em que eu tinha demorado mais a fazer uma frequência.
  • 3. 3 - São ciúmes! - dizia eu, num misto de prazer e de gozo, que o deixava com o olhar vítreo que, na altura, até me dava uma certa satisfação. Às vezes pegava-me no braço e apertava-me de tal modo que chegava quase a assustar-me. Mas, eu desvalorizava e seguia em frente, certa de que lhe passaria a frustração, como eu também lhe chamava. O pedido de casamento foi idílico. Andávamos há cerca de ano e meio quando tudo aconteceu. Os dois já tínhamos acabado entretanto a faculdade e o trabalho, que na altura se encontrava com relativa facilidade, era uma realidade que tínhamos à nossa espera, pelo que ambos estávamos já a exercer as nossas profissões. Aos fins de semana encontrávamo-nos para passear, andar de bicicleta e, à noite, normalmente íamos até ao cinema, ou à discoteca para uma dança, ou até a um bar, sempre com os amigos. O domingo vislumbrava-se soalheiro e eu levantara-me cedo para caminhar à beira-mar. Algo que gostava de fazer aos domingos, quando o tempo assim o permitia. No final da minha caminhada o meu lugar de destino era, invariavelmente, a esplanada do Bar da Praia, onde o João, ou a Vera, preparavam, assim que me viam, a minha torrada e a meia de leite. Era esta a minha rotina domingueira! Nesse dia entrei na esplanada e não vi nem a Vera, nem o João, nem o meu tão desejado pequeno almoço. Intrigada, tentei debruçar-me no balcão e espreitar a cozinha a ver se via ou ouvia algum som. O som do velho piano solta-se no silêncio daquela manhã e escuto logo de seguida a voz do meu namorado que entoa um canto desconhecido, porém que capta a minha atenção não pelas rimas bem feitas, pois ele nunca soube rimar, mas pelo que elas continham: um pedido de casamento. A Vera, pequenina com os seus dedos esguios termina a melodiosa canção e eu que só tive ouvidos para a voz desafinada do meu amor, grito bem alto um - SIM! O dia do casamento poderia ter sido outro dia feliz. Hoje, não posso dizer que o foi. Estava nervosa. Qual a noiva que assim não está no dia do seu casamento? Decerto que nenhuma. Ao longo da cerimónia propriamente dita, o nervosismo foi-se dissipando. A boda decorreu numa quinta de luxo. Não faltou nada. O baile, a alegria a felicidade que deveriam reinar foram assombradas por algo que me deixou perturbada e me fez vacilar. A noiva é o centro das atenções e, como tal, pretendida por todos. A primeira dança é, como não poderia deixar de ser, aberta pelos noivos e, no meu casamento não foi exceção. A dança seguinte foi com os respetivos pais. Eu com o meu e ele com a sua mãe. Claro, que a minha vontade era dançar sempre com ele. Todavia, a minha qualidade de noiva e de figura central, dizia-me que eu tinha de dançar com quem o solicitasse. Um grande amigo pediu-me para dançar e eu não poderia recusar. Era o meu melhor amigo. Sempre nos demos bem. Ele foi sempre o meu confidente, eramos como irmãos. Quando nos viu dançar, o meu noivo olhou-me com um olhar como eu nunca tinha visto. Foi a primeira vez que me ameaçou com o olhar. Depois, quando me encontrei a sós com ele, numa dança que poderia ser fenomenal ameaçou-me. Foram só palavras. Palavras que me deixaram sem reação, mas morta de vergonha apesar de apenas eu as ter ouvido. - Nunca mais voltas a dançar com ele. Nem com ele nem com ninguém. Agora és uma mulher casada, percebeste?! Dos meus olhos brotaram grossas lágrimas que deixei que rolassem sem destino. Como me senti naquele momento! O que é que se passava? O que estávamos a fazer de mal? O que havia de errado em dançar? E que autoridade era dada a um homem só porque era casado comigo? Haveríamos de conversar mais tarde.
  • 4. 4 O mais tarde chegou nessa noite e fez-se cedo! Cedo comecei a ver que não conhecia o homem com quem casara. Quando somente pretendia compreender o que se passara consegui uma bofetada de resposta. Na raiva e dor que sentia refugiei-me na casa de banho do hotel e fechei a porta. Consegui uma violação que me rasgou por dentro e por fora e me deixou o coração a sagrar, pois o misto de embriagante ilusão, que vivera até aí, desabou e eu fui-me deixando envolver numa teia sem retorno. O dia seguinte foi fascinante. Mil perdões e um lindíssimo ramo de flores fizeram renascer em mim a esperança de que afinal tudo não passara de uns copitos a mais que ele teria bebido durante a boda. Tudo iria ser ultrapassado e ficaria bem. Desculpa encontrada, dia após dia, noite após noite. Sova após sova. Flores após flores. Já não sei se as desculpas eram para mim se para ele. O medo e a culpa instalados. As pinturas que passei a usar e que detestava, mas que eram necessárias para encobrir a outra pintura que ele ia traçando pelo meu corpo, humilhando-me cada vez mais e eu consentindo. A dor que no silêncio das paredes da minha casa gritava por ajuda, mas que teimava em ficar calada. Não conseguia lutar. Afastei-me dos amigos, da família, despedi-me do emprego por vergonha e isolei-me em casa. Estava completamente dependente daquele ser macabro e ruim que me destruiu. Nunca nada estava bem. A comida tinha sempre defeitos. Ora tinha sal a mais, ou a menos. “Para que fizeste carne se eu queria peixe?” Mesmo quando eu o tinha questionado de manhã sobre o assunto, tinha de saber que ele tinha mudado de ideias. Tudo era motivo para gritos, murros, pontapés e levar com tudo o que tivesse à mão. O dia mais feliz da minha vida transformou-se assim, no meu maior pesadelo e eu deixei! Durante muitos anos culpei o meu melhor amigo por tudo o que acontecera, pois considerava que ele deveria saber que ao convidar-me para dançar estava a cavar a minha ruína. Foi num dia parecido com aquele distante e soalheiro dia, que a viragem aconteceu. A manhã mal tinha nascido. Ele, como sempre, levantara-se para ir trabalhar. Eu estava a preparar-lhe o pequeno almoço, como todos os dias fazia desde que nos casamos. Fazia nesse dia quatro anos que ele me tinha pedido em casamento. Lembrava-me? Não porque desejasse festejar. Mas, porque desejava nunca ter aceitado e apagar da minha vida esse tempo. Distrai-me uns escassos segundos com este meu deambular pelo passado, mas foi o suficiente para ele chegar à cozinha e se aperceber de que a chávena do café ainda se encontrava debaixo da máquina. A minha cabeça voou de encontro ao armário e eu senti as estrelas do céu a brilharem, quando bati no chão, as biqueiras das botas faziam os meus ossos já frágeis encolher-se para dentro do meu martirizado e frágil corpo e eu vi-me abandonada ali por aquele homem em quem eu havia depositado há muito tempo tanta esperança e amor. Senti as minhas forças a abandonarem-me e deixei-me ir. A minha vida passou-me toda pela mente e senti que não podia lutar mais. Ele vencera! O meu espírito abandonava rapidamente o meu corpo e eu estava a deixar. - Não! – gritei. Tinha de sair dali. Eu queria sair dali. Levantei-me a custo e sai. O Sol feriu-me os olhos magoados, mas fez-me bem. Caminhei sem fim, sem rumo, pois destino eu já nem tinha, estava definitivamente perdida. Olhei em redor e reconheci a minha praia, subi as curtas escadas
  • 5. 5 que me levaram ao Bar da Praia e quando cheguei, a meio da manhã e não cedo como acontecia há muito tempo, esperava por mim a minha torrada e a meia de leite. Parecia que a minha rotina não fora abruptamente interrompida! Os dois rostos sorriam para mim, como todas as manhãs e, como sempre, disseram em uníssono um sonoro – Bom dia, Rita! Eu respondo-lhes e, pela primeira vez oiço alegria na minha voz. Enquanto tomo o meu pequeno almoço sei, finalmente, que o motivo da minha vida desgraçada é apenas aquele a quem chamo marido e, naquele que considero o dia mais feliz da minha vida, decidi não voltar para casa e deixar de ter medo, apesar de todo o pavor que possa sentir e peço ajuda àqueles dois amigos. Nesse dia renasci. O Motivo? Esse está preso, pois enfrentou a justiça e foi possível fazê-la! Ninguém merece ser tratada como eu fui e há que ter coragem para enfrentar os nossos medos e receios. Estive refugiada numa casa de acolhimento para ele não me encontrar. Tentou perseguir-me, mas eu fui mais forte e lutei pelos meus direitos. Lutei por mim! Felizmente não cheguei ao ponto de muitas outras mulheres, cujos corpos jazem tristemente e que não conseguiram chegar, como eu, a um porto seguro!… Vivi um pesadelo, mas sei que é possível ser feliz!