resumos

991 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
991
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

resumos

  1. 1. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 4
  2. 2. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE SOLDAGEM E USINAGEM NO IFBA-CAMPUS SANTO AMARO Antonio Jorge da Rocha da Conceição1*,Priscila dos Santos dos Reis*,Priscila Santos dos Santos* ,Rodrigo Viana Pereira* ,Tatiane Chaves Carvalho* *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) campus Santo Amaro. 1- jorge_rocha77@hotmail.comPalavras-chave: Segurança; Normas Regulamentadoras; Laboratório.Segundo José da Cunha Tavares (1996) segurança do trabalho pode ser entendidacomo o conjunto de medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes detrabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidadede agir do trabalhador. O trabalho é compreendido como a atividade essencial aodesenvolvimento humano, como fonte de equilíbrio, realização pessoal e coletiva.O presente trabalho toma como base as Normas Regulamentadoras 6 (Equipamentode Proteção Individual); 10 (Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade),12 (Máquinas e Equipamentos), 23 (Proteção Contra Incêndio), 26 (Sinalização deSegurança) que são aplicadas em Laboratório de Soldagem e Usinagem que tempor funcionalidade diferentes tipos de máquinas e equipamentosO objetivo deste projeto é analisar os níveis de inconformidades no que diz respeitoà falta de segurança, encontradas no Laboratório e desenvolver propostas demedidas de correção dos erros encontrados no Laboratório.Motivados pela proposta da disciplina a partir do consenso de todo o grupo foiprocurado um local que atendesse a alguns requisitos como: facilidade delocomoção e de acesso ao ambiente de estudo, disponibilidade de visitas ao local eV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 5
  3. 3. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012que trouxesse segurança a toda uma comunidade. Após essa análise foi decididorealizar o projeto no Laboratório de Soldagem e Usinagem do IFBA Campus SantoAmaro. Através de pesquisas bibliográficas e em meio virtual para melhorcompreender o local onde o projeto será feito, utilizamos também de materiais comomáquina fotográfica para a obtenção de imagens que posteriormente serãoanalisadas criticamente para a obtenção de mais informações. Com a utilização dasNRs para analisar as irregularidades NR 6 EPI Equipamentos de ProteçãoIndividual; NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; NR 12Máquinas e Equipamentos; NR 23 Proteção contra Incêndio; NR 26 Sinalização deSegurança, como base interina do nosso projeto para tentar minimizar os riscosencontrados. Realização de entrevistas sobre a segurança com os docentes ediscentes para reunir dados e sugestões que possam esclarecer melhor o que foipesquisado para maior conhecimento do assunto pelo grupo.De acordo com a NR 10 item 10.4.4.1. Os locais de serviços elétricos,compartimentos e invólucros de equipamentos e instalações elétricas são exclusivospara essa finalidade, sendo expressamente proibido utilizá-los para armazenamentoou guarda de quaisquer objetos, porem no local o invólucro esta servindo como umafunção que não é a sua finalidade original.Conforme a NR 12 item 12.1.4 a distância mínima entre as máquinas eequipamentos devem ser de 0,60 (sessenta centímetros) a 0,80 (oitentacentímetros), mas no local as máquinas encontram-se em distancias quecontradizem com que cita a NR, o espaço entre elas é de 0,35(trinta e cincocentímetros) o que dificulta a circulação dos alunos, professores que utilizam o local.Oferecemos a sugestão ao diretor da instituição e ao departamento financeiro quese articulem, para que insiram no orçamento da instituição, deste ano ou no próximo,recursos para a aplicação deste projeto. Segundo a direção do campus o atualV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 6
  4. 4. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012prédio onde está localizado o laboratório está parcialmente condenado, o ideal seráa construção de um novo, onde os problemas apresentados neste relatório deixarãode existir. Com um bom planejamento e com uma visão moderna, em termos desegurança e higiene do trabalho, Mais algumas modificações podem ser feitassinalização adequada utilizando placas se sinalização, arrumação do local detrabalho.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 7
  5. 5. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 ANÁLISE DA ERGONOMIA E SEGURANÇA DO TRABALHO EM UMA SERRARIAManuel Alves de Sousa Junior*1, Cleidejane dos Santos Silva*, Jéssica Monteiro dos Santos*, Luis Eduardo Figueiredo dos Santos*, Monique Maria Silva da Cruz Borges* *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) campus Santo Amaro. 1-manueljunior@ifba.edu.brPalavras Chave: Ergonomia, Segurança do Trabalho, Ambiente de Trabalho Segurança no Trabalho é um assunto recorrente e acarreta uma preocupaçãoconstante em todas as áreas da atividade humana. A ergonomia é um ramo dasegurança do trabalho que colabora para melhoria da eficiência no trabalho, acredibilidade e a qualidade na execução das tarefas laborais. O objetivo principaldesta ciência é resolver uma grande parcela das dificuldades encontradas pelasociedade no que diz respeito ao campo da saúde, segurança, comodidade eeficácia relacionada principalmente com a esfera laboral. O Brasil possui uma normaergonômica, que se trata da Norma Regulamentadora a NR 17- Ergonomia,Segundo a Portaria nº 3.214 de 8.6.1978 do Ministério do Trabalho, que foi trocadapela Portaria nº 3.571 de 23.11.1990 do mesmo Ministério. Um ponto de granderelevância para a aplicabilidade da ergonomia está no que se insere arecomendação de equipamentos de seguranças (EPI’s), projetos e ações quedevem ser cumpridas de um modo geral. A pesquisa foi realizada em uma serraria na cidade de Santo Amaro/BA. Aempresa oferece serviços de carpintaria, fabricação de pequenos móveis econcertos de móveis danificados.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 8
  6. 6. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 O objetivo desta pesquisa foi analisar a ergonomia e a segurança do trabalhona rotina de uma serraria na cidade de Santo Amaro/BA. As atividades realizadas ocorrem durante todo o dia, o local possui quatrofuncionários que se reservam cumprindo uma carga horária determinada pelademanda de serviços. Durante a visita foi possível a identificação de diversas falhasno desenvolvimento do trabalho dos operários. Foi verificado que há uma deficiênciana limpeza no local de trabalho, que só é realizada ao final do expediente,acumulando entulho por toda a empresa e dificultando o deslocamento de pessoas emateriais. Outro ponto observado foi a deficiência na luminosidade, pois a estruturada fábrica analisada (de concreto, antiga e mal planejada) impede que a iluminaçãonatural entre no ambiente de trabalho, prejudicando a produtividade e a saúde dosfuncionários. Outro ponto que merece destaque é a ergonomia do local, onde em quasetodas as máquinas não há ajuste para a altura do trabalhador, fazendo com que omesmo realize esforços desnecessários devido à postura inadequada e em muitospontos há presença de fios elétricos espalhados pelo chão o que pode causar umacidente colocando em risco a saúde dos operários. Além disso, as posturasrealizadas durante as atividades de corte e carregamento das madeiras semostraram inadequadas, podendo causar danos à coluna do trabalhador. Existe também enraizado na cultura organizacional a negligência de grandeparte dos trabalhadores quanto à utilização do sistema de segurança das máquinase a dos Equipamentos de Proteção Individual, sujeitando aos mesmos um maiorrisco de acidentes. Este problema se torna mais grave visto que foram constatadascondições insalubres no local de trabalho, como acúmulo de poeira e um alto nívelde ruído.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 9
  7. 7. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 Desse modo constata-se que o ambiente de trabalho analisado podeexpressar grande fonte de tensão no trabalhador, sendo um ambiente desfavorávelcom excesso de calor, ruídos, vibrações e desconforto. Tais fatores aumentam osriscos de acidentes e podem provocar danos consideráveis à saúde e segurança dotrabalho. Cabe aos profissionais de segurança do trabalho o diagnóstico e aaplicação de métodos preventivos à saúde dos trabalhadores e à segurança laboral.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 10
  8. 8. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 APLICANDO A BIOSSEGURANÇA EM UM POSTO DE SAÚDE DA FAMILIA - PSF Manuel Alves de Sousa Junior, Ariane Patrícia Ferreira, Edineia Ribeiro Pereira Silva, Maraisa dos Santos Correia, Tamiles Chagas de Souza, Verônica Oliveira Santana *Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) campus Santo Amaro. manueljunior@ifba.edu.brPalavras-chave: PSF, biossegurança hospitalar, Risco Biológico Foi realizado um Projeto de Biossegurança numa Instituição de Saúde PSF -Posto de Saúde da Família, com objetivo de analisar os riscos e benefícios queenvolvam a saúde e segurança do trabalhador no seu local de trabalho, podendoprevenir, controlar, ou até eliminar os riscos. A importância da primeira etapa, que foi a fase de observação diagnósticapermitiu o acesso aos dados sobre o contexto da Instituição, a forma com que amesma manipula os materiais de saúde, a aplicação dos mesmos no individuo, arelação profissional-paciente, a rotina diária dos profissionais de saúde, aacessibilidade na instituição, questões de higiene, a utilização dos Equipamentos deProteção Individuais necessários, se oferece segurança, se dispõe de sinalizaçõesclaras, manipulação e descartes de resíduos, se adota medidas de profilaxia, seexiste algum tipo de diálogo com a participação da comunidade visando melhoriaspara instituição identificando as fontes dos problemas a serem superados como uminstrumento significativo para a prática em uma área de saúde.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 11
  9. 9. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 Pensar em biossegurança nas instituições de saúde que necessitam deprofissionais habilitados para criarem procedimentos de controle de acidentes edoenças, garantindo melhorias na qualidade de vida do profissional de saúde e dopaciente, denota o papel importante dessa área. Tomando como base a NR 32 que se refere à Segurança e Saúde noTrabalho em Estabelecimentos de Saúde. Esta Norma Regulamentadora tem porfinalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas deproteção à segurança e à saúde dos trabalhadores dos serviços de saúde, bemcomo daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde emgeral. A grande maioria dos profissionais da área de saúde, tendo destaque osprofissionais dos PSF, estão submetidos a diversas situações de riscos comobiológicos, químicos e físicos nos ambientes de trabalho. A partir daí a importânciade mobilizar essa clientela voltando-os para a importância da Biossegurança. Algumas intervenções foram pertinentes na etapa diagnostica, pois enquantoos profissionais da instituição trabalhavam, os pesquisadores composta analisavamtodo o processo da área, sem atrapalhar a rotina do estabelecimento, e aoacompanhar tal rotina foi discutido com os funcionários a oportunidade de mostraraos funcionários qual procedimento seria mais correto para determinadas situaçõese que os ajudaria a minimizar as diversas situações de riscos em que eles estavamsubmetidos. Foram distribuídos folders a todos os profissionais na instituição contendo asetapas de como seriam alertados sobre as medidas de biossegurança, amanipulação e descarte de resíduos e higiene. Além de contar com um profissionalda área de Biossegurança para mediar a pesquisa, onde foram entregues panfletosexplicativos para orientar os profissionais.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 12
  10. 10. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 Foram executadas oficinas para os funcionários com apresentação dos tiposde Coletores e caixas de Materiais Perfuro Cortantes, instruição sobre boas práticasde higiene, medidas de melhorias na Instituição analisada na etapa de observaçãoexpondo cartazes e fotos. Além dos profissionais estarem em uma área com afinalidade de cuidar do próximo, foi explicado que as medidas de Biossegurança sãoimportantes e que devem ser seguidas de forma cuidadosa e atenciosa. Com acompreensão dos funcionários foi possível conciliar os horários, realizar asatividades propostas, concluindo todo plano de ação previsto no projeto, pois quantomaior a preocupação da organização em intervir nessas mudanças e acompanhá-las, mais eficazes serão os resultados almejados. Constatou-se com a pesquisa que os profissionais possuíam noções básicassobre biossegurança, porém em algumas temáticas importantes e por vícios darotina diária, por vezes a biossegurança era negligenciada.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 13
  11. 11. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 CICLO DOS RESÍDUOS HOSPITALARES DA FUNDAÇÃO JOSÉ SILVEIRA - HOSPITAL NOSSA SENHORA DA NATIVIDADE EM SANTO AMARO/BA Manuel Alves de Sousa Junior*1 Cleidejane dos Santos Silva1 Jéssica Monteiro dos Santos1 Luis Eduardo Figueiredo dos Santos1 Monique Maria Silva da Cruz Borges1 1-Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) campus Santo Amaro *manueljunior@ifba.edu.brPalavras-chave: RSS, biossegurança hospitalar, descarte de lixo hospitalar. Todos aqueles que exercem algum tipo de atividade laboral estão expostos aalgum risco decorrente da natureza dessa atividade. O termo Biossegurança defineum conjunto de medidas direcionadas a prevenir, controlar, neutralizar, eliminar ou,no mínimo, reduzir os riscos ambientais pertinentes ao local de trabalho, visando,em especial, a proteção da saúde humana e do meio ambiente. Este projeto de pesquisa, apresentado no Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA, no Campus de Santo Amaro, teve comoobjeto de estudo, o ciclo dos resíduos hospitalares do principal centro médico domunicípio santoamarense: o Hospital Nossa Senhora da Natividade. Seu intuito foiidentificar os possíveis riscos ambientais que este tipo de atividade, isto é, o manejoe o descarte do lixo hospitalar e os riscos que oferecem à comunidade e aoscolaboradores desta instituição.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 14
  12. 12. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 Os resíduos de serviço de saúde (RSS) ou resíduo hospitalar, provêm deações em hospitais, dividem-se em grupos e são organizados de acordo com ascaracterísticas e os riscos inerentes a eles. O armazenamento, transporte e descartede resíduos hospitalares, quando realizados de maneira adequada, comprofissionais e com o uso de equipamentos de proteção individuais e coletivos, queminimizam ou eliminam a ameaça à saúde ou à vida do trabalhador, trazemsegurança e proteção aos envolvidos nesse ciclo, pois há riscos que podem serevitados na manipulação de tais resíduos. A adoção de meios apropriados ao se descartar os resíduos hospitalares éimprescindível para evitar acidentes. A capacitação continuada do funcionário é desuma importância no sentido de que a segurança e saúde do trabalhador sejampreservadas, assim com o lixo hospitalar não consista em uma fonte de risco àsaúde humana e ao meio ambiente, devido à falta de adoção de mecanismosapropriados. Deve-se estimular o comportamento profissional antes, durante e após aexecução de uma tarefa, diminuindo a probabilidade de por em risco o profissionalenvolvido com a atribuição, a comunidade e o meio ambiente. Com a pesquisa foi constatado que o hospital segue rigorosamente asnormas e condutas de biossegurança referente ao manejo dos resíduoshospitalares. Logo, o risco no ambiente hospitalar , como nas demais setores de trabalho,existem. Mas, as consequências podem ser pequenas, para tanto é fundamental queos empregadores utilizem mecanismos que visem minimizar tais riscos. Como osdispositivos que estão em algumas NRs (Normas Regulamentadoras) por exemplo,NR-32 (Segurança e Saúde no Trabalho em Serviço de Saúde), NR-6 (EquipamentoV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 15
  13. 13. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012de Proteção Individual - EPI), NR-9 (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais)e na NR-7 (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional). Tais aspectospodem ser utilizados como parâmetros para propiciar que um ambiente de trabalhotenha segurança e saúde para os seus colaboradores.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 16
  14. 14. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA (PPR) PARA O TRABALHO COM SOLDA EM UMA SERRALHERIA Angelo Alerson Gomes de Sousa*, Denise Damasceno Santana, Fernanda Oliveira Barreto do Amaral, Márcio Ellan Bispo de Souza, Marcos Cesar Domingos Ferreira, Rita de Cássia dos Santos Leal, Ronaldo Bruno Ramalho Leal, Talita Lopes dos Santos, Tatiane de Cássia Santana Dórea 1 1-Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) campus Santo Amaro *angeloalerson@yahoo.com.brPalavras-chave: Programa de Proteção Respiratória, fumos metálicos, soldagem.Através das observações feitas na Serralheria São Jorge, localizada na cidade deSanto Amaro, foi constatado que os trabalhadores não reconhecem os riscosrespiratórios que estão expostos na execução do seu trabalho. Foram analisados: omeio ambiente de trabalho, os riscos químicos (fumos, gases, vapores, nevoas epoeiras) aos quais os trabalhadores estão expostos no momento da sua atividade,as medidas de controle de risco e a utilização, ou não, do Equipamento de ProteçãoRespiratória, exigido no PPR, conforme Instrução Normativa 01 de 11/4/94, daSecretária de Segurança e Saúde no Trabalho (SSST) do Ministério do Trabalho eEmprego (MTE), que orienta no controle das doenças ocupacionais, provocadaspela inalação de contaminantes atmosféricos. Nesse sentido, a exposição aos fumosde solda pode causar doenças como: siderose (doença pulmonar), câncer depulmão, asma, ulcerações do septo nasal, ulcerações de pele, dermatite de contatoalérgica, problemas de fertilidade e enfarte. Vale salientar que, a siderose é umasdas doenças que mais afetam os trabalhadores na área de soldagem, ela é causadaV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 17
  15. 15. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012pela inalação de poeiras e fumos metálicos que provocam a descoloração dospulmões. Outra doença que acomete os trabalhadores é a dermatite que é umainflamação da pele resultante do contato com o metal e atinge geralmente as mãos,os braços e a face. Diante disso, faz-se necessário orientar, alertar e conscientizaros trabalhadores para o uso do Equipamento de Proteção Respiratória (EPR), poisestes trabalhadores estão envolvidos em ambientes contendo elementos emsuspensão por aerodispersóides (fumos metálicos, gases, vapores, poeiras enévoas) que provocam danos ao aparelho respiratório (pulmão, traqueia, fossasnasais, faringe, etc.). Este estudo feito na serralheria possibilitou evidenciar que ostrabalhadores não utilizam os equipamentos recomendados EPR e nem os demaisequipamentos de proteção individual (EPI), que de acordo com a NR 6 – EPI-(206.000-0/10), define-se como “todo dispositivo ou produto, de uso individualutilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar asegurança e a saúde do trabalhador”, estando expostos assim a diversos riscosoriundos do processo de soldagem, que são extremamente nocivos á saúde dossoldadores. As entrevistas feitas com os trabalhadores, as pesquisas bibliográficase as visitas técnicas foram fundamentadas no Programa de Proteção Respiratória(PPR), que inclui um conjunto de medidas práticas e administrativas através dasquais se pretende proteger a saúde do trabalhador pela seleção adequada e usocorreto do respirador. É de suma importância lembrar que o Programa dePrevenção de Riscos Ambientais (PPRA) da NR 9 também mantém relação diretacom o PPR, pois, ele faz o levantamento dos riscos ambientais. Além disso, valeressaltar, que a NR 6 – Equipamento de Proteção Individual – EPI determina aobrigatoriedade dos empregadores fornecerem aos empregados o EPI adequadoaos riscos que os mesmos estão expostos no momento da atividade do trabalho,pois, os agentes químicos que penetram no organismo pela inalação, viaV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 18
  16. 16. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012respiratória, também o fazem através da pele e por ingestão. O soldador produz de20 a 40g de fumos por hora, o que corresponde a aproximadamente 35 a 70kg porano, os fumos produzidos na soldagem são extremamente pequenos,aproximadamente 0,01 mícron. Isso significa que são facilmente inaladas e chegamaté o sistema respiratório ocasionando as doenças ocupacionais oriundas da solda.Sendo assim, é importante a proteção de todo o corpo, com respiradoresapropriados, máscaras de solda, aventais, perneiras, mangas de proteção para osbraços além de botas com biqueira de aço etc.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 19
  17. 17. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO: UMA PROPOSTA DE SAÍDA DE CAMPO COMO SUPORTE METODOLÓGICO AO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM NO COLÉGIO GÊNESIS – FEIRA DE SANTANA/BAHIA Daniel Ricardo Santos Pinto*1 Patrícia Brandão* *Colégio Gênesis 1-danielpintto@hotmail.comPalavras - chave: Traripe, sustentabilidade e Gênesis.No que se refere ao local em análise, pode se perceber que a descrição geral érelacionada ao distrito de Oliveira dos Campinhos, pertencente ao município deSanto Amaro (BA), rico em biodiversidade e importante área para praticantes dereligiões de origem africana em função da disponibilidade natural de rios ecachoeiras para a realização de rituais e oferendas, mas também para a prática deatividades esportivas radicais, pois os elementos naturais embelezam a paisagempredominantemente da região. Oliveira dos Campos ainda preserva algumas plantasnativas da mata atlântica e que também agrega um enorme bambuzal, a áreaespecífica de análise disponibiliza também de animais silvestres que vivem napaisagem, tais como cobras, lagartos, aranhas, morcegos, pássaros, sapos, insetosendêmicos que sobrevivem em uma região bastante utilizada para a prática deatividades lúdicas de aventura, como trilhas e rappel. Distante de Feira de Santana,em torno de 25 minutos partindo do centro urbano feirense em direção a Salvadorpela BR 324, é um local bastante procurado por amantes de aventura e deestudiosos relacionados a educação física, geografia, antropologia e biologia. Oclima tropical com um elevado nível de umidade contribui para a garantia daexistência das espécies de fauna e flora que vive no local, é cortado artificialmenteV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 20
  18. 18. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012por uma linha férrea que leva cargas de mercadorias para a sede do municípiosantamarense. Para que a atividade possa atingir uma objetivação máximasatisfatória, busca-se compreender e diferenciar a organização dos elementosnaturais de Oliveira dos Campinhos e Feira de Santana. Assim, para que tal objetivoseja alcançado, há outras objetivações específicas que juntas contribuem para que aideia principal seja alcançada, tais como, analisar a fauna e flora local, compreendera organização fluvial na distribuição da paisagem natural, discutir a relação naturezae sociedade, descrever a organização das comunidades locais, relacionar osaspectos de relevo e solo da cidade de Feira de Santana e de Oliveira dosCampinhos, diferenciar os aspectos térmicos e de umidade do ar de Oliveira dosCampinhos com relação a Feira de Santana, Deste modo, justifica-se tais ideias daseguinte forma: as transformações ocorrentes na natureza a partir da segundametade do século XVIII, na época da Revolução Industrial, foram cruciais para que omeio ambiente na atualidade tenha um comportamento cada vez mais preocupantepara a população mundial, principalmente porque foram as ações antrópicas quepromoveram tamanhas modificações na paisagem que comprometem a vida naTerra.Assim, com o propósito em direcionar estudantes independentes de suasformações pessoais, sociais, ou religiosas, visa-se ampliar a percepção a respeitoda necessidade vital em preservar a natureza e compreender o meio ambientecomo algo diretamente relacionado a nossa vida e não somente à vegetação, clima,solos, relevo, ou seja, legitimar que também somos natureza, que também somosparte do meio ambiente.Entretanto, acima de tudo, pretende-se também co-relacionar as características naturais de Oliveira dos Campinhos com as da cidadede Feira de Santana, uma vez que a maior parte dos envolvidos, residem ouestabelecem uma relação direta com a maior cidade do interior da Bahia.Destamaneira, pretende-se fazer com que em um ambiente onde os elementos naturaisV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 21
  19. 19. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012predominantes sejam inspiradores e capazes de proporcionar momentos de análisee reflexão para que as pessoas coloquem em prática as teorias que serãolevantadas e percebidas justamente em um local que inspira a preservaçãoambiental e que estas ideias sejam multiplicadas em qualquer área de vivência emque os indivíduos envolvidos possam fazer com que realmente o meio ambiente sejapertinente a realidade de cada um e não somente a estudos acadêmicos. A estruturametodológica fundamental para a obtenção dos resultados almejados neste projetoidealiza-se da seguinte maneira: após discussões teóricas em Feira de Santana eem Oliveira dos Campinhos (Traripe - espaço cultural e ecológico) a respeito demeio ambiente, preservação ambiental, elementos naturais e culturais que divergema realidade de Feira de Santana e Oliveira dos Campinhos, com a participação deum guia treinado em reconhecimento do local, o professor orientador juntamentecom o guia e grupo de alunos ou interessados percorrem as trilhas do ProjetoTraripe, observando os elementos naturais existentes na região, registrando comfotografias, anotações, filmagens e discussões sobre os aspectos visíveis edescobertos na área de análise.Em seguida, posterior a percepção de percorrer todoo trajeto com roupas, calçados, acessórios e equipamentos previamente orientadosos envolvidos nessa divertida e aventureira atividade lúdica e de aprendizagem,serão contemplados com um delicioso “banho” de conhecimento que seráproporcionado pelos professores e pelo orientador local. Deste modo, a atividadedesenvolvida é importante para que os estudantes e interessados percebam ocomportamento natural dos elementos naturais de acordo com a região em análise ecomparar com a cidade de Feira de Santana, para que assim tenhamos a percepçãocomo os elementos se assemelham e se divergem em uma área que relativamenteapresenta uma pequena distância.Outra e de maior importância necessidade quedeve ser estimulada, desenvolvida e colocada em prática são as noções de meioV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 22
  20. 20. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012ambiente que devem ser fortalecidas no conhecimento dos cidadãos que podem edevem desenvolver práticas ecologicamente corretas em qualquer ambiente em queos mesmos estejam inseridos, independentes de ser nos seus locais de vivênciasocial ou não.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 23
  21. 21. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 PROJETO: PARQUE DA CIDADE FREI JOSÉ DE MONTEIRO SOBRINHO Daniel Ricardo Santos Pinto¹* Patrícia Brandão* *Colégio Gênesis 1-danielpintto@hotmail.comPalavras - chave: parque, urbano, cidadania.Os municípios brasileiros, independentes das suas dimensões em superfície,apresentam realidades sociais e econômicas muito semelhantes, mas mesmopartindo pela lógica desta premissa, é necessário que haja acima de tudoinvestimentos significativos em áreas de lazer e fazê-las valer a pena na área emque as mesmas estão instaladas. Deste modo, fica clara a necessidade em ampliaros espaços de entretenimento no espaço urbano, que façam com que a populaçãotenha mais satisfação em habitar nas suas devidas localidades, por este motivo,desde o final do ano de 2007, temos no maior município do interior baiano Feira deSantana, nas imediações do Conjunto Habitacional Feira VII, no sentido sul, dacidade já destacada anteriormente, o Parque da Cidade Frei José MonteiroSobrinho. Por estas e outras necessidades em reconhecimento e valorização dascaracterísticas naturais, os estudantes do Colégio Gênesis, unidade de ensinofundamental e médio lotada na mesma cidade, fazem uma visita técnica, com o usode elementos referenciais utilizados nas aulas de Geografia, como escala e pontosgeo referenciados para possibilitar a descrição dos elementos visíveis que sãoencontrados no trajeto do Colégio Gênesis até o Parque da cidade citado e tambémanalisam em lócus os elementos que são responsáveis pela caracterização natural,cultural e formação do mesmo.O município de Feira de Santana por apresentar fortecaráter migratório atrativo, é contraditoriamente grande e pequeno, ou seja, grandeV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 24
  22. 22. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012pela capacidade de ser cidade estratégica geograficamente para atrair moradoresoriundos de diversos pontos do país e do mundo e pequeno por disponibilizarpoucos espaços diferenciados que permitam relações no convívio social entreaqueles que habitam o próprio espaço geográfico já descrito. Ainda assim, existemáreas poucas aproveitadas e direcionadas para a prática de atividades de lazer nomunicípio, o que acarreta para os moradores uma série de insatisfações em funçãodeste fato, mas tem-se na cidade uma área que apresenta recursos naturais típicosda atlântica e da caatinga, espaços amplos que ainda são pouco conhecidos pelamaioria de seus moradores, ou seja, estamos tratando do Parque da Cidade FreiJosé Monteiro Sobrinho. Com o intuito de re-apresentar o espaço geográficofeirense para grupos de adolescentes estimulados pela curiosidade e necessidadede conhecer o novo, uma aula itinerante é posta em prática em parceria com aparticipação de professores de Geografia e Ciências para que os estudantespercorram o espaço urbano feirense que se estende na área de acesso do colégioGênesis até o Parque da Cidade, onde lá, eles possam analisar os elementosnaturais e artificiais deste novo espaço de lazer urbano do município. Para que taisatividades possam ser desenvolvidas de modo organizado e bem sucedido, sugere-se que a objetivação principal seja analisar através do uso de escala e elaboraçãode croqui à distância percorrida entre espaços urbanos feirense. Deste modo, prevê-se que alguns objetivos específicos menores possam ser alcançados para queassim a objetivação máxima realmente possa ser atingida, tais como o reconheceras diferenças arquitetônicas locais, a identificação de áreas economicamentefavorecidas e desfavorecidas no espaço urbano feirense, o conhecimento daorganização do tráfego urbano, a descrição da estrutura do parque da cidade, oreconhecimento do o papel e da importância do parque da cidade para o município,a observação da organização espacial do Parque da cidade, a descrição daV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 25
  23. 23. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012estrutura física e sócio-econômica do espaço urbano feirense nas áreas visitadas, eque os estudantes possam discutir o papel do anel de contorno (Avenida EduardoFróes da Mota).Para que as ideias possam ser executadas de modo eficiente e embusca constante de excelência e alcance de bons resultados, idealiza-se umametodologia composta da seguinte proposta: durante um turno escolar, os alunos doColégio Gênesis, participam de uma aula externa, realizada a partir do uso de umônibus que seja capaz de conduzi-los até o Parque da Cidade Frei José MonteiroSobrinho, que é uma área de interesse ecológico e paisagístico e seguida discutir ositens relacionados à estrutura visível da cidade de Feira de Santana. Com relação avisita a ser realizada ao Parque da Cidade Frei José Monteiro Sobrinho, haverá umaexplanação teórica a respeito dos aspectos físicos, sociais e econômicos e delocalização do trajeto do Colégio Gênesis / Parque da Cidade/ outros pontos dacidade com registro fotográfico dos espaços visitados.Algumas paradas obrigatóriasorientadas pelos professores são sugeridas para que os estudantes percebam ostrajetos realizados e percebam a evolução da atividade em realização, pois a cada 3km de distância o motorista do ônibus sinalizará o trajeto percorrido e os alunosregistrarão os elementos artificiais e naturais visíveis nos locais destacados, paraque os estudantes sintam-se confortáveis é de importante que os mesmos possamlevar frutas (maçã, uva, pêra, morango, banana, tangerina ou qualquer uma quedispense o uso de material cortante), suco (de caixinha ou de casa), saco (parajogar o lixo produzido no lanche), água abundante, caneta esferográfica preta ouazul, lápis ou grafite, caderno para anotações ou bloquinhos,máquina fotográfica,boné, protetor solar, celular (máximo de cuidado para não perder e manter contatocom familiares, caso necessário), uniforme escolar completo e é óbvio muita atençãoe disposição para que as atividades propostas sejam realizadas de modo beminteressante e dinamizado. Algumas considerações devem ser levadas em questãoV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 26
  24. 24. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012para que haja uma realização bem sucedida, tais como, após a execução da saídade campo, os alunos elaborarão um relato de experiência documentando o que forvisto, discutido e fotografado durante as observações vistas do Colégio Gênesis atéo Parque da Cidade, que ocorrerá sob a responsabilidade do Colégio Gênesis, sob aorientação do professor de Geografia e da professora de Ciências, contando com oauxílio direto da coordenadora, para garantir mais segurança e eficiência aopropósito estabelecido.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 27
  25. 25. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 MEIO AMBIENTE E NATUREZA: USOS E RESPONSABILIDADES Rivani Oliveira Ferreira*1 Carlos Alberto de Jesus Filho* Monise da Silva Pereira* *Universidade Federal do Recôncavo da Bahia 1- rivaniserrinha@yahoo.com.brPalavras-Chave: Meio Ambiente; Responsabilidade Socioambiental; Recursos Naturais.As mudanças na sociedade têm feito emergir grandes problemas ambientaisresultado, sobretudo, do uso irracional dos recursos naturais e da falta de cuidadosadequados para com a natureza e o meio ambiente. Os efeitos de tais ações nãoatingem somente o espaço natural, mas igualmente o espaço social econseqüentemente a sociedade, criando assim os chamados problemassocioambientais. Estes problemas se materializam a partir da destruição das matasnativas, na maioria das vezes de forma ilegal, na contaminação de mananciaishídricos, na extinção de animais silvestres e tantos outros efeitos para a natureza,bem como em implicações que atingem diretamente as pessoas a citar osdeslizamentos e inundações, os quais geram a morte de muitas pessoas e deixamoutras desabrigadas e completamente destruídas psicologicamente. Estes eventosse convergem pela natureza dos agentes responsáveis o “ser humano”, já que todosusufruem os recursos naturais e utilizam os espaços, são, portanto, responsáveispor sua manutenção. Assim, ainda que em níveis diferentes, o poder público,grandes empresários e pessoas comuns são culpabilizados pelos danos que se vemefetuando no meio ambiente. O estado pela figura dos representantes políticos sãodelatados pela falta de uma política adequada de moradia necessária em muitascidades brasileiras, bem como pela falta de uma política de educação ambientaleficiente, capaz de estimular e orientar práticas mais conscientes de convivênciaV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 28
  26. 26. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012com o ambiente. Os grandes empresários são responsáveis pelo uso exagerado dosrecursos naturais sem pensar na sua finitude ainda pela contaminação e destruiçãodesses mesmos recursos, além de não cumprirem as leis de responsabilidadeambiental, a exemplo da Lei nº 6.938/81, da Lei 9.605/98 e da própria ConstituiçãoFederal de 1998. As pessoas são também culpadas, pois muitas vezes nãocumprem as leis construídas, bem como relegam cuidados simples com o meioambiente tal como jogar o lixo no lugar certo e separar o lixo por categoria entretantos outras ações simples mas, de grande importância para a manutenção daqualidade ambiental. Assim, a construção de uma sociedade ambientalmente justa ecorreta perpassa pela atuação do estado no processo de mobilização, fomentação eprincipalmente construção de políticas ambientais e sociais e pelo cumprimento dasleis por parte das pessoas comuns e das empresas de modo a conduzirem parauma sociedade mais ecológica e ambientalmente correta e sustentável. Desta forma,este trabalho pretende abordar a responsabilidade dos diferentes agentes políticos esociais na construção de uma sociedade menos deturpadora e mais consciente noque confere a convivência com a natureza e o uso dos recursos naturais. Taisdiscussões possibilitam a compreensão de que para se construir uma sociedadediferente da que se vivencia hoje, sobretudo, com ênfase na valorização do meioambiente e da natureza é necessário a participação de todos e isto se fortalece emgrupos como a família, as empresas e o estado. Além disso, a partir de talcompreensão cada sujeito será capaz de refletir e conseqüentemente assumir suaresponsabilidade frente ao contexto atual da relação sociedade, meio ambiente enatureza com vista a uma verdadeira mudança de práticas e posturas. Asdiscussões efetivadas aqui são resultado de uma análise teórico bibliográfico arespeito da temática, buscando refletir o papel destes diferentes agentes paramanutenção do meio ambiente.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 29
  27. 27. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 USO DE COMPOSTO ORGÂNICO PROVENIENTE DE LIXO URBANO SELECIONADO COMO AGENTE MITIGADOR DA BIODISPONIBILIDADE DE CÁDMIO. Jurema de Castro Souza1 e Josanídia Santana Lima* *Pós-graduação em Geoquímica e Meio Ambiente, Universidade Federal da Bahia (UFBA) 1-juremacastro@ifba.edu.brPalavras-chave: biomassa, cádmio, biodisponibilidadeRESUMOEste trabalho teve como objetivo avaliar a ação do composto orgânico nabiodisponibilidade do cádmio. Foram misturadas, ao solo do tipo LATOSSOLOAMARELO, doses de composto orgânico equivalentes a 20, 40, 60, 80 e 100 t ha-1.A mistura resultante foi então contaminada com Cd, na forma de CdCl2, nasconcentrações 0,0; 0,5; 5,0; 10,0 e 25,0 mg dm -3 e posteriormente transferida paravasos de polietileno devidamente identificados. Um tratamento controle (somentesolo) também foi estabelecido. As sementes de sorgo (Sorghum bicolor L. Moench)foram plantadas diretamente nos vasos. O cultivo deu-se em casa de vegetação por35 dias, a 70% da capacidade de campo, quando foram avaliados: a produção debiomassa fresca da parte aérea e biomassa seca das partes aérea e radicular; teorde cádmio solúvel no substrato (utilizando como extrator o CaCl2 0,05 mol L-1) eteor de cádmio nas partes aérea e radicular do vegetal. RESULTADOS ALCANÇADOS O composto orgânico diminuiu a biodisponibilidade do Cd, comprovada pelaredução dos teores do elemento nos tecidos vegetais (tabela 1 e 2), o que resultouem um aumento do peso do material vegetal e, conseqüentemente, um aumento nocrescimento das plantas de sorgo. Esses resultados confirmam, mais uma vez, queV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 30
  28. 28. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012o composto orgânico, além de diminuir a toxidez causada pelo Cd, pode melhorar odesenvolvimento das plantas.Redução do teor de cádmio nos tecidos vegetais, em função da aplicação decomposto orgânico.Parte aérea:Tabela 1: Teor de cádmio na parte aérea (CdPA) do sorgo, em mg kg-1, em função dasdoses de composto orgânico e das concentrações de cádmio.Parte radicular:Tabela 2: Teor de cádmio na parte radicular (CdPR) do sorgo, em mg kg-1, em função dasdosagens do composto e das concentrações de cádmio.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 31
  29. 29. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012Redução da biodisponibilidade do cádmio em função da aplicação de compostoorgânico, comprovado pelo aumento na produção de biomassa vegetal. Figura 10: Crescien to da p arteFigura 10: Crescimento da parte aérea de plantas de sorgo cultivadas em substratos contaminados com Cd.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 32
  30. 30. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012 ATERRO SANITÁRIO NOVA ESPERANÇA E OS PROBLEMAS SOCIOAMBIENTAIS NA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA BA. Monise da Silva Pereira*1 Rivani Oliveira Ferreira*2 *Universidade Federal do Recôncavo da Bahia 1-monise.fsa@hotmail.com 2-rivaniserrinha@yahoo.com.brPalavras chave: Aterro Sanitário, infraestrutura e lixão.Um dos problemas hoje enfrentado pela sociedade moderna e principalmente pelosgestores públicos é o destino e tratamento da grande quantidade de lixo produzidonos diferentes espaços como as residências, as indústrias e os hospitais. Na maioriadas vezes a falta de um bom planejamento, tem ocasionado o aparecimento de“lixões”, em que é depositado todo tipo de resíduo, sem que haja uma preocupaçãocom as consequências que isto possa ocasionar para o solo, mananciais hídricos,lençol freático e a sociedade.Esta situação é também parte da realidade da cidade de Feira de Santana-BA, que apartir da implantação inadequada de um aterro sanitário permitiu que estefuncionasse por muito tempo como um lixão. A implantação do aterro sanitário nacidade de Feira de Santana- BA, datada de 1989, inicialmente se deu de formaprecária, funcionando por muito tempo como um lixão. Esse aterro que localiza-se aleste do município, próximo ao bairro Nova Esperança, local afastado do centro dacidade, onde funcionava uma pedreira de extração de brita.Contudo, o aterro de Feira de Santana por muito tempo recebeu todo tipo deresíduos, desde os domésticos aos industriais e hospitalares, sem que houvesseV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 33
  31. 31. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012qualquer controle ou tratamento. O mesmo não possuía nenhum projeto e infra-estrutura que o qualificasse enquanto um aterro sanitário.O aterro sanitário de Feira de Santana foi construído neste local como uma forma deaproveitar a cava que a pedreira havia deixado a qual encontrava-se em umaposição contraria a direção do vento e por isto não acarretaria mau cheiro para asresidências da cidade.Durante o período da implantação do aterro foram utilizados alguns elementosnecessários para o funcionamento adequado deste tipo de empreendimento, taiscomo canais de drenos na base do aterro e drenos de gases. No entanto, estaspráticas não obtiveram sucesso durante a maior parte do tempo, devido à falta deinvestimentos necessários para a condução correta de suas atividades, e por istofuncionando como um lixão a céu aberto, e possibilitando que pessoas e animaiscoletassem materiais do lixo, como fonte primaria de alimento e renda.Por ter alcançado a sua capacidade máxima, o antigo aterro foi desativado e em2002 foi construído um novo para substituí-lo, sendo o mesmo operacionalizado pelaempresa Sustentar Serviços Limitados S/A.Segundo o engenheiro responsável pelo aterro este encontra-se hoje dentro dasnormas estabelecidas pelos órgãos públicos para o seu devido funcionamento,possuindo licença ambiental concedida pelo Instituto do Meio Ambiente e RecursosHídrico - INEMA que é o órgão responsável por expedir licenças ambientais efiscalizar a implantação de aterros, o referido órgão é ainda responsável por estudosde investigação geológica, hidrogeologia e ambiental para verificação de viabilidadetécnica e segurança para a população.O aterro também possui um plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos que servepara orientar as ações de todos os membros e servidores a fim de diminuir aV SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 34
  32. 32. V Seminário de Energia, Meio Ambiente e Desenvolvimento. Santo Amaro – Bahia, 2012quantidade de lixo e aproveitar melhor os recursos disponíveis. O novo aterro écercado para evitar o acesso de animais e pessoas não autorizadas.Segundo o engenheiro é realizado um monitoramento trimestral para controlar acontaminação das águas superficiais e subterrâneas, permitindo avaliar ascondições adequadas de consumo dessas águas. Quanto ao chorume que é umlíquido escuro produzido pela alta concentração de matéria orgânica e organismosdecompositores e que gera alta carga poluidora. Diferentemente do antigo aterro, onovo possui um canal de escoamento da água para evitar que se misture com ochorume, sendo por isto tratada pela Empresa Baiana de Água e Saneamento –EMBASA. Com relação ao gás metano, gerado pela decomposição da matériaorgânica foram construídos dutos para que esse gás seja conduzido de formascorreta até a superfície onde é queimado para poder evitar possíveis explosões naregião. Além disso, recentemente foi implantado um projeto no aterro sanitário com afinalidade de captar e utilizar o gás que é gerado na decomposição dos resíduosorgânicos na geração de energia, chamando de Biogás.V SEMAD – 04 a 06 de Junho de 2012 35

×