Vídeo incrível da NASA captura o que
parece ser uma gigantesca nave
alienígena
http://www.gizmodo.com.br/conteudo/video-in...
campos magnéticos que ultrapassam muito a corona solar, adentrando o espaço. Elas
são tão grandes que às vezes chegam à Te...
Respondendo a Natalie Wolchover, da Life’s Little Mysteries, Rich disse que são
“artefatos no plano de fundo onde o planet...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Vídeo incrível da nasa captura o que parece ser uma gigantesca nave alienígena

147 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vídeo incrível da nasa captura o que parece ser uma gigantesca nave alienígena

  1. 1. Vídeo incrível da NASA captura o que parece ser uma gigantesca nave alienígena http://www.gizmodo.com.br/conteudo/video-incrivel-da-nasa-captura-o-que-parece-ser-umagigantesca-nave-alienigena/ Por Jesus Diaz 16:21 - 07-12-2011 46768 (Nenhum comentário) Uma câmera a bordo do satélite STEREO A parece ter capturado em vídeo um objeto que parece com uma nave espacial alienígena de verdade. O objeto desconhecido apareceu quando a CME – Coronal Mass Ejection do Sol atingiu o planeta Mercúrio. Assista ao vídeo e julgue por si mesmo. O que quer que seja, o objeto aparece também nas imagens feitas ao mesmo tempo pelo satélite gêmeo STEREO, que estava do lado oposto do acontecido. Rode o vídeo em tela cheia. O que está acontecendo no vídeo? O vídeo mostra uma ejeção de massa coronal vinda do Sol e chegando ao planeta Mercúrio. Essas ejeções de massa são massivas explosões de vento solar, radiação e
  2. 2. campos magnéticos que ultrapassam muito a corona solar, adentrando o espaço. Elas são tão grandes que às vezes chegam à Terra. Dá pra ver a enorme onda solar chegando a Mercúrio, mas, bem quando ela está passando, algo mais se tornar visível: uma forma bastante angular que parece ser formada por dois objetos diferentes unidos. O que aparenta é que a onda de CME revela um volume durante o impacto, interagindo com ele. Sabe, como uma Bird of Prey Klingon com campo de invisibilidade sendo descoberta pela fúria radioativa do Sol. O que capturou as imagens? As imagens foram encontradas pelo usuário siniXster do YouTube no site SECCHI da Marinha Americana, e foram capturadas pelo equipamento heliosférico de imagem HI1A a bordo do satélite Solar TErrestrial RElations Observatory (STEREO). Os dois STEREOs foram lançados em 26 de Outubro de 2006. Eles estão rotacionando ao redor do Sol, estudando a sua superfície e atividade. Eles também fazem parte de um sistema de segurança que alerta cientistas quando uma CME é tão forte que pode causar graves interferências em satélites na órbita da Terra. É por isso que a Marinha Americana está envolvida. Os equipamentos heliosféricos de imagens são parte da Sun Earth Connection Coronal and Heliospheric Investigation (SECCHI), um corpo de cinco câmeras: um telescópio que funciona em extremo ultravioleta, dois coronógrafos de luz branca e dois equipamentos de imagem heliosféricas, o HI1 e o HI2. Quando a imagem foi capturada? O vídeo mostra um período de 24 horas capturado em primeiro de Dezembro de 2011. São 36 frames no total. Eu repeti os 36 frames em diferentes velocidades (10 frames por segundos e 2 frames por segundo) para que você possa apreciar o objeto e como a CME aparenta interagir com ele. O que diabos é isso? Este será um debate entre cientistas e ufólogos. Pode muito bem ser um defeito no sensor, ou uma imagem fantasma do próprio planeta Mercúrio. Se você prestar bem atenção, verá que as duas linhas seguem a mesma direção que o planeta. Mas se é uma imagem fantasma, por que ela terminaria tão abrubtamente? Como é tão bem delimitada? Por que parece uma nave espacial? A resposta, segundo Nathan Rich, engenheiro-chefe de sistemas terrestres do United States Naval Research Laboratory, na cidade de Washington, é a maneira como as imagens são pós-processadas.
  3. 3. Respondendo a Natalie Wolchover, da Life’s Little Mysteries, Rich disse que são “artefatos no plano de fundo onde o planeta estava no dia anterior”, que então aparecem como pixels residuais na imagem processada: Os pixels que formam as duas linhas paralelas estão onde o círculo do planeta e os pixels sangrados se sobrepõem enquanto se movem pelo campo. Isso parece fazer mais sentido do que uma nave espacial alienígena invisível e quase tão grande quanto um planeta. Minha única pergunta é: por que, então, as linhas de artefatos não se estendem até Mercúrio? Atualização: uma nova informação parece contradizer esta hipótese. O vídeo acima foi capturado ao mesmo tempo pela câmera HI-1B. Esta câmera está em um diferente satélite, em outra posição, oposta ao HI-1A. Clique na imagem para expandir. Sim, Scully, eu quero acreditar.

×