2015. aula 2 xviii oba terra

983 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
983
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
70
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2015. aula 2 xviii oba terra

  1. 1. XVIII OBA 2015 Aula 2 - TERRA Fonte:www.google.com.br/imagens Fonte: www.google.com.br/imagens Bacharel Marcos Pedroso
  2. 2. Fonte: http://www.astronomy2009.it/la-fine-delluniverso/ BIG BANG – Expansão e Evolução do Universo
  3. 3. GALAXIA VIA LÁCTEA Fonte: http://www.apolo11.com/via_lactea.php  Complexa estrutura formada de estrelas, gás e matéria escura.  Possui aproximadamente 100 bilhões de estrelas.  O diâmetro galáctico mede cerca de 100mil anos-luz.  O Sol esta à 30 mil anos- luz do centro da galáxia.
  4. 4. FORMAÇÃO DO SISTEMA SOLAR O Sistema Solar se formou aproximadamente 4,6 bilhões de anos. A teoria mais aceita é conhecida como hipótese nebular de Kant - Laplace Fonte: http://www.ccvalg.pt/astronomia/sistema_solar/introducao.htm
  5. 5. SISTEMA SOLAR Fonte: http://phys.org/news134747707.html
  6. 6. TERRA FORMAÇÃO  A idade da Terra é de aproximadamente de 4,6 bilhões de anos.
  7. 7. CARACTERÍSTICAS DA TERRA  Classificado como planeta telúrico ou rochoso.  Terceiro planeta a partir do Sol, quinto maior planeta do Sistema Solar.  É o planeta mais denso do Sistema Solar.  Forma esférica com achatamento dos polos. Fonte: http://www.explicatorium.com/quimica/Planeta_Terra.php  Possui um satélite natural denominado Lua.  Superfície em constante mudança devido a processos que ocorrem no seu interior, nos oceanos e na atmosfera.  Abundante em água no estado líquido (na superfície).  Atmosfera rica em oxigênio.  Único planeta conhecido até o momento em que existe vida da forma que conhecemos.
  8. 8. DADOS (APROXIMADOS) SOBRE A TERRA Distância média do Sol (órbita) 149 600 000 km Duração do ano (período de revolução) 365 dias Duração do dia (período de rotação) 24 h Diâmetro 12 756,3 km Área da superfície 510 101 000 km2 Massa 5,972. 1024 kg Volume 108,321.1010 km3 Densidade média 5 515 kg/m3 Gravidade na superfície 9,78 m/s 2 Velocidade de escape 11,186 km/s Velocidade orbital média 29,78 km/s Inclinação do eixo 23,45o Temperatura média à superfície 15o C (288 K) Fonte: Observatório Nacional
  9. 9. ALGUNS DOS MOVIMENTOS DA TERRA  ROTAÇÃO  É o movimento que a Terra faz em torno do seu próprio eixo no sentido oeste para leste.  Este movimento leva cerca de 23 horas 56 minutos e 04 segundos (dia sideral).  Com este movimento se explica a causa dos dias e noites, pois sempre o planeta terá apenas um lado iluminado pelo Sol. Fonte:http://en.wikipedia.org/wiki/File:Globespin.gif Fonte: www.google.com.br/imagens
  10. 10.  Análogo ao movimento do pião.  O eixo da Terra muda de posição e não fica eternamente, apontando para o mesmo lugar.  O tempo da precessão da Terra é de aproximadamente 26 000 anos ou um grau a cada 72 anos.  Um dos efeitos da precessão é que a posição aparente das constelações mudam ao longo de período.  PRECESSÃO Fonte:http://www.guidg.com/
  11. 11.  É o movimento que a Terra dá uma volta completa em torno do Sol e demora em média 365 dias 5 horas 48 minutos.  Chamamos a isto de ano tropical.  TRANSLAÇÃO Fonte: http://blog-superinteressante.blogspot.com.br/2011_01_01_archive.html  As estações são consequência da inclinação do eixo de rotação da Terra. Fonte: www.google.com.br/imagens
  12. 12. ESTRUTURA INTERNA Fonte: www.google.com.br/imagens
  13. 13.  CROSTA  É a superfície do planeta.  Sendo a parte mais externa é a mais fria.  É sólida e pouco espessa.  Nela estão as placas tectônicas, que formam os continentes e oceanos.  Pode-se dividir a crosta em duas estruturas distintas: crosta continental e crosta oceânica.  A descontinuidade que separa essas duas estruturas é denominada descontinuidade de Conrad. Fonte:www.google.com.br/imagens
  14. 14.  MANTO  Pedaços em estado sólido intercalados de uma pasta viscosa, o magma.  É do intenso calor que emana do manto e de seu movimento que nascem os terremotos.  É dividido em:  MANTO SUPERIOR  MANTO INFERIOR Fonte: http://revistapesquisa.fapesp.br/2012/08/10/abrindo-a-terra/
  15. 15. Fonte: www.google.com.br/imagens  NÙCLEO  Tem cerca de 3.500 km de raio e é constituído de um material bastante denso, sendo a parte externa líquida e a parte interna sólida.  NÚCLEO EXTERNO  Líquido eletricamente condutor, quente, dentro do qual ocorrem movimentos convectivos.  Esta camada condutora se combina com a rotação da Terra para criar um efeito dínamo que mantém um sistema de correntes elétricas conhecido como campo magnético.  Constituído por ferro, enxofre e silício.
  16. 16.  NÚCLEO INTERNO  Região interna sólida, suspensa na região central externa derretida.  Acredita-se que se solidificou como resultado do pressure-freezing.  Composto de ferro e níquel. Fonte: www.google.com.br/imagens
  17. 17.  ROCHAS MAGMÁTICAS OU ÍGNEAS  Formadas por solidificação de rochas fundidas (magma).  ROCHAS SEDIMENTARES  Formadas por deposição de materiais em camadas.  ROCHAS METAMÓRFICAS  Formadas pela transformação de rochas pré- existentes no estado sólido devido ao aumento da pressão e da temperatura. http://fossil.uc.pt/pags/rochas.dwt http://fossil.uc.pt/pags/rochas.dwt http://fossil.uc.pt/pags/rochas.dwt QUANTO A ORIGEM AS ROCHAS PODEM SER CLASSIFICADAS EM:
  18. 18. CICLO DE FORMAÇÃO DAS ROCHAS http://www.mineralogia.xpg.com.br/petrografia.html
  19. 19. Fonte:www.google.com.br/imagens TEORIA DA DERIVA CONTINENTAL  No século XVI o cartógrafo holandês Abraham Ortelius propõe que os continentes não permaneciam na mesma posição.  Em 1912 o meteorologista alemão Alfred Lothar Wegener propõe a teoria da ¨Deriva dos Continentes”.  A teoria argumentava que há cerca de 200 milhões de anos havia um único supercontinente chamado Pangeia, que começou a se partir.  A ideia do movimento dos continentes foi cientificamente considerada.
  20. 20. TEORIA DAS PLACAS TECTÔNICAS  Teoria apresentada em 1965 pelo geofísico canadense John Tuzo Wilson. Fonte: www.google.com.br/imagens Fonte: www.google.com.br/imagens
  21. 21. VULCÕES  Vulcão é uma abertura na crosta terrestre, de formato cônico ou montanhoso, por onde saem magma, cinzas, gases e poeira. Esta estrutura geológica é formada, geralmente, a partir do encontro entre placas tectônicas.  Quando um vulcão entra em erupção (em atividade) pode provocar terremotos e lançar na atmosfera grande quantidade de materiais magmáticos, gerando uma ameaça para as populações que moram próximas. Etna na região da Sicília, Itália (Foto: BBC)  A maioria dos vulcões nasce na linha limítrofe entre duas placas.
  22. 22. http://www.cprm.gov.br/Aparados/vulc_pag02.htm  Placa oceânica em subducção sob a placa continental (placas convergentes), gerando vulcanismo do tipo Andino (D).  Vulcanismo associado a sistema de rifts (Intraplaca continental), como o que ocorre no rift (vale) africano, onde se observa ruptura entre as placas continentais (E). A E D CB  Linha de sutura entre duas placas oceânicas (placas convergentes), gerando um sistema de ilhas vulcânicas como o existente no Japão (A).  Vulcões gerados sobre um hot spot (anomalia térmica da crosta), a exemplo do arquipélago havaiano (B).  Limite entre placas oceânicas divergentes, responsável por um vulcanismo fissural como onde está posicionada a Islândia, única região onde aflora a cadeia meso-atlântica (C) .
  23. 23. TERREMOTOS  Terremoto ou sismo são tremores bruscos e passageiros que acontecem na superfície da Terra causados por choques subterrâneos de placas rochosas da crosta terrestre a 300 m abaixo do solo.  Outros motivos considerados são deslocamentos de gases (principalmente metano) e atividades vulcânicas.  EXISTEM DOIS TIPOS DE SISMOS:  Os de origem natural.  Os induzidos (realizados pelo homem como por exemplo explosões, extração de minérios). http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Solo/Solo2.php
  24. 24.  Vibração do solo.  Abertura de falhas  Deslizamento de terra. CONSEQUÊNCIAS DE UM TERREMOTO Fonte: www.google.com.br/imagens  Tsunamis.  Mudanças na rotação da Terra. Fonte: www.google.com.br/imagens
  25. 25. ESCALA RICHTER http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Solo/Solo2.php
  26. 26.  Os movimentos da crosta sob os oceanos podem deslocar massas de água produzindo ondas enormes, chamadas tsunamis, que chegam a ter até 30 m de altura.  As ondas gigantes podem ser produzidas por três tipos de fenômenos: TSUNAMIS http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Solo/Solo2.php  Erupções vulcânicas injetam toneladas de lava no chão oceânico, gerando ondas devastadoras.  Terremotos submarinos deslocam a crosta oceânica, empurrando a massa de água para cima.  Uma bolha de gás surge no fundo do oceano, com o mesmo efeito de uma explosão grandiosa.
  27. 27. ESTRUTURA DA ATMOSFERA TERRESTRE Fonte: www.google.com.br/imagens
  28. 28. Fonte: Observatório Nacional  TROPOSFERA É a região mais baixa da atmosfera da Terra (ou da atmosfera de qualquer planeta). Sobre a Terra ela vai do nível do chão, ou da água, que chamamos de "nível do mar", até, aproximadamente, 17 km de altura. Na troposfera a temperatura geralmente diminui à medida que a altitude aumenta. O clima e as nuvens ocorrem na troposfera.  TROPOPAUSA É a zona limite, ou camada de transição, entre a troposfera e a estratosfera da atmosfera da Terra. A tropopausa é caracterizada por pouca ou nenhuma mudança na temperatura à medida que a altitude aumenta.
  29. 29.  ESTRATOSFERA É a camada atmosférica entre a troposfera e a mesosfera. A estratosfera se caracteriza por um ligeiro aumento de temperatura com o aumento de altitude e pela ausência de nuvens. A estratosfera se estende entre 17 e 50 km acima da superfície da Terra. A camada de ozônio da Terra está localizada na estratosfera. O ozônio, um isótopo do oxigênio, é crucial para a sobrevivência dos seres vivos na Terra. A camada de ozônio absorve uma grande quantidade da radiação ultravioleta proveniente do Sol impedindo-a de atingir a superfície da Terra. Somente as nuvens mais altas, os cirrus, cirroestratus e cirrocumulos, estão na estratosfera inferior. Fonte: www.google.com.br/imagens
  30. 30.  MESOSFERA É a camada atmosférica entre a estratosfera e a ionosfera. A mesosfera é caracterizada por temperaturas que rapidamente diminuem à medida que a altitude aumenta. A mesosfera se estende entre 17 a 80 km acima da superfície da Terra.  IONOSFERA É uma das camadas mais altas da atmosfera da Terra. A ionosfera começa a cerca de 70-80 km de altura e continua por centenas de quilômetros, até cerca de 640 km. Ela contém muitos íons e elétrons livres (plasma). Os íons são criados quando a luz do Sol atinge os átomos e arranca alguns elétrons. A ionosfera está localizada entre a mesosfera e a exosfera. Ela é parte da termosfera. As auroras ocorrem na ionosfera. Fonte:www.google.com.br/imagens
  31. 31.  EXOSFERA É a camada mais externa da atmosfera da Terra. A exosfera vai de aproximadamente 640 km de altura até cerca de 1280 km. A camada mais inferior da exosfera é chamada de "nível crítico de escape", onde a pressão atmosférica é muito baixa, uma vez que os átomos do gás estão muito amplamente espaçados, e a temperatura é muito baixa.  TERMOSFERA É uma classificação térmica. Localizada entre a mesosfera e o espaço exterior. Nesta camada a temperatura aumenta com a altitude. Inclui a exosfera e parte da ionosfera. Fonte: www.google.com.br/imagens
  32. 32. CICLONES, FURACÕES E TUFÕES  Para a meteorologia são a mesma coisa.  Consistem em rotação de um determinado volume de ar em uma área de baixas pressões.  São altamente destrutivos e podem produzir ventos de até 300 km/h.  O que os diferencia é a região geográfica do planeta onde eles se formam. Fonte: www.google.com.br/imagens
  33. 33. Fonte: www.google.com.br/imagens
  34. 34. http://www.estacao.iag.usp.br/didatico/index.php ESCALA DE SAFFIR – SIMPSON
  35. 35.  Os tornados são redemoinhos atmosféricos caracterizados por um espiral, em forma de funil de vento, que gira em torno de um centro de baixa pressão atmosférica  O acúmulo de poeira, névoa e destroços é o que dá uma cor escura à coluna de ar que forma o fenômeno.  Os tornados são medidos pela quantia de estrago que eles causam, e não pelo seu tamanho físico. TORNADOS Fonte: www.google.com.br/imagens Fonte: www.google.com.br/imagens  Os tornados mais destrutivos da história surgiram a partir de supercélulas, um tipo de tempestade de trovoadas que se move em círculos.  As supercélulas costumam produzir ainda muitos relâmpagos, granizo e enchentes.
  36. 36. Fonte: www.google.com.br/imagens
  37. 37. ESCALA FUJITA http://www.estacao.iag.usp.br/didatico/index.php
  38. 38. Agradecimentos: Thiago Wenzler Coordenador Administrativo. Prof. Dr. Marcos Calil Coordenador Científico. Profª. Mª. Rachel Zuchi Faria Coordenadora Pedagógica. Eng. Mauro Kanashiro Educador. E a toda equipe do Planetário Johannes Kepler.
  39. 39. Rua Juquiá, 135 (altura) Santo André – SP /sabina.planetario .sabina.org.br 44222000 sabina@santoandre.sp.gov.br

×