Oba aula 6 2014 astronautica atualizada

2.071 visualizações

Publicada em

Aula nr 6 curso para professores preparação para o OBA 2014.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.071
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
150
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Oba aula 6 2014 astronautica atualizada

  1. 1. ASTRONOMIA PARA PROFESSORES DEFINIÇÕES BÁSICAS : Prof. Emerson R. Perez.
  2. 2. • Avião: Aparelho voador que possui asas fixas para sustentação no ar e necessita de um motor para impulsioná-lo. Tem função de transportar cargas ou pessoas que não podem ser levadas por transporte terrestre. AVIÕES, FOGUETES E SATÉLITES
  3. 3. • Satélite artificial: Instrumento colocado por meio de foguetes em uma órbita, que tem como foco algum astro. A principal função dos satélites artificiais é receber e enviar informações para a Terra. AVIÕES, FOGUETES E SATÉLITES
  4. 4. • Foguete: Máquina de propulsão acionada pela queima de um combustível. Utilizado em bombas, aviões e, mais recentemente, para colocar em órbita naves espaciais e satélites artificiais. AVIÕES, FOGUETES E SATÉLITES
  5. 5. FOGUETES BRASILEIROS O Brasil possui projetos de foguetes desde 1965, quando o foguete Sonda I fez o voo inaugural. Foguetes de sondagem, como o próprio nome diz, são foguetes enviados ao espaço com sondas para estudo e exploração do Sistema Solar. Desde outubro de 1983 que foguetes brasileiros vem realizando missões estrangeiras fora do território nacional. Alguns exemplos são: • Operação Ionosfera 1 - Sonda III XV-17 - Wallops Island (EUA) - Lançado em 31/10/1983 • Operação RONALD 1 - VS-30 XV-02 - Andoya (NOR) - Lançado em 12/10/1997 • Operação HIFIRE 3 - VS-30/Orion VO7 - Andoya (NOR) - Lançado em 13/09/2012
  6. 6. FOGUETES BRASILEIROS O Veículo Lançador de Satélites (VLS) é um modelo de foguete desenvolvido no Brasil com a finalidade de colocar satélites na órbita da Terra. Tem capacidade de transportar satélites de até 350kg. Ocorreram 3 lançamentos do VLS, dos quais dois tiveram que ser destruídos logo depois do lançamento por problemas técnicos, em 1997 e em 1999; já em 2003, ocorreu o acidente que matou 21 técnicos e engenheiros do projeto, dias antes de seu lançamento na Base de Alcântara (MA).
  7. 7. TIPOS DE SATÉLITES Meteorológico é usado para monitorar o tempo e o clima da Terra, embora monitorem também efeitos da atividade humana, como luzes das cidades, queimadas, níveis de poluição, além de auroras polares, tempestades de raios e poeira, superfícies cobertas por neve e gelo, desmatamento e correntes oceânicas, entre outros. Sensoriamento Remoto é o conjunto de técnicas que possibilita a obtenção de informações sobre alvos na superfície terrestre (objetos, áreas, fenômenos), através do registro de imagens, realizadas por sensores distantes, ou remotos. CBERS (Brasil/China) KALPANA (ÍNDIA)
  8. 8. SATÉLITES BRASILEIROS • SCD-1: O Satélite de Coleta de Dados 1 foi lançado do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, com o foguete Pegasus, em 9 de fevereiro de 1993. Apesar de ainda estar em funcionamento, ele foi projetado para durar um ano e coletar dados ambientais. • SCD-2: em 22 de outubro de 1998, foi lançado o Satélite de Coleta de Dados 2, também do Cabo Canaveral, na Flórida. Assim como o antecessor, ele teve a função de coletar dados ambientais. Com isso foi possível conhecer o nível e a quantidade de água em rios e represas, o volume pluviométrico, a pressão atmosférica, a intensidade da radiação solar, a temperatura do ar, entre outros.
  9. 9. SATÉLITES BRASILEIROS Em 1988, o Brasil assinou um acordo de cooperação para o desenvolvimento de satélites com os chineses, os CBERS (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres). Esses satélites também tiveram a missão de coletar dados e foram fundamentais para monitorar o desmatamento, as áreas agrícolas e o desenvolvimento urbano. • CBERS-1: foi lançado em 14 de outubro de 1999, em Taiyuan, na China. • CBERS-2: lançado em 21 de outubro de 2003. • CBERS-2B: lançado em 19 de setembro de 2007. O satélite CBERS-2B operou até 2010 e, agora, a parceria China-Brasil iniciou a segunda fase: CBERS-3 e CBERS-4. O primeiro foi lançado em 2013 e fracassou, já o lançamento do segundo está previsto para 2014 ou 2015.
  10. 10. SONDAS ESPACIAIS • O que são as sondas espaciais? São naves que carregam equipamentos de laboratório e câmeras para lugares ainda inacessíveis ao homem. Ela carrega poderosos instrumentos capazes de analisar a composição química da atmosfera, a velocidade dos ventos e o relevo do solo, além da radiação e do campo magnético dos astros. Luna 2 Pioneer 10 Voyager 1
  11. 11. SONDAS ESPACIAIS Linha do Tempo das Sondas: 1959: Luna 1, 2 e 3 foram as primeiras sondas mandadas para a Lua, pelos russos. 1964: Mariner 4 mandou as primeiras imagens de Marte. 1965: Venera 3 foi a primeira a pousar em outro planeta: Vênus. 1972: a Pioneer 10 foi a primeira sonda a atravessar o Cinturão de Asteroides e chegar em Júpiter. Atualmente já está nos limites do Sistema Solar. 1973: Mariner 10, a primeira a sobrevoar Mercúrio. 1975: Viking 1 e 2 são enviadas à Marte pelos americanos. 1977: Voyager 1 e 2 são enviadas para Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. 1996: Pathfinder , primeiras imagens coloridas (Marte). 2003: Spirit e Opportunity, para analisar Marte. 2012: Curiosity (Marte) 2013: Maven (Marte) e Chang'e 3 (Lua).
  12. 12. TELESCÓPIO HUBBLE O Hubble é um telescópio refletor, ou seja, em vez de lentes, funciona com espelhos convexos para captar e ampliar a luz que chega até ele. Ele levou 8 anos para ser construído e foi lançado em 1990, e está a 612 km da Terra, a uma velocidade aproximada de 28 000 km/h e dá uma volta na Terra a cada 97 min. O Hubble ganhou esse nome em homenagem ao cientista americano Edwin P. Hubble (1889-1953), considerado o fundador da astronomia moderna. Logo após o lançamento, foi detectado um problema, ele não era capaz de focar os objetos, principalmente os mais fracos, com a precisão planejada e desejada. Era uma distorção óptica (aberração esférica) causada por uma forma incorreta de seu espelho principal, a solução foi projetar uma óptica corretiva a qual foi instalada em 1993.
  13. 13. ISS A Estação Internacional Espacial (ISS) é um laboratório espacial, atualmente em construção, cuja montagem em órbita começou em 1998. A estação encontra-se em órbita baixa (entre 340km e 353km), que possibilita ser vista da Terra a olho nu, e viaja a uma velocidade média de 27.700 km/h, completando 15,77 órbitas por dia. Uma volta completa na Terra ocorre em aproximadamente 90 min. Participam do projeto da construção da ISS 15 países : Estados Unidos, Rússia, Canadá, Japão, e através da Agência Espacial Europeia (ESA): Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Países Baixos, Noruega, Espanha, Suécia, Suíça e o Reino Unido.
  14. 14. MISSÃO CENTENÁRIO • Missão recebeu o nome graças ao vôo do 14 BIS, que ocorreu em 23 de Outubro de 1906. • A missão aconteceu dia 30 de Março de 2006 no Centro de Lançamento de Baikonur (Cazaquistão), sendo feito na nave Soyuz.
  15. 15. MISSÃO CENTENÁRIO
  16. 16. MISSÃO CENTENÁRIO • A nave russa Soyuz demora cerca de dois dias para chegar à ISS e pouco mais de três horas para voltar à Terra. • O retorno de Marcos Pontes e os colegas astronautas ocorreu dia 08 de Abril de 2006.
  17. 17. INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS • AEB (Agência Espacial Brasileira): é responsável por formular e coordenar a política espacial brasileira. Autarquia federal vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), a AEB tem dado continuidade aos esforços empreendidos pelo governo brasileiro, desde 1961, para promover a autonomia do setor espacial. • Centro Técnico Aeroespacial (CTA) ou Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA): é um setor da Força Aérea do Brasil que coordena esforços nas áreas de tecnologia, ensino e atividades aeroespaciais.
  18. 18. INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS • Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA): é uma instituição de educação e ensino superior ligada ao Comando da Aeronáutica. Está localizado no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), na cidade paulista de São José dos Campos. O ITA oferece os seguintes cursos de graduação: 1. Engenharia Aeronáutica 2. Engenharia Mecânica (antiga Engenharia Mecânica- Aeronáutica) 3. Engenharia Civil (antiga Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica ou Civil-Aeronáutica) 4. Engenharia Eletrônica 5. Engenharia de Computação 6. Engenharia Aeroespacial
  19. 19. INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS • Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE): é uma Organização Militar do Comando da Aeronáutica, subordinado ao Ministério da Defesa. Cabe ao IAE o desenvolvimento dos foguetes e lançadores, como o Veículo Lançador de Satélites (VLS). • Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE): promove e executa estudos, pesquisas científicas, desenvolvimento tecnológico e capacitação de recursos humanos, nos campos da Ciência Espacial e da Atmosfera, das Aplicações Espaciais, da Meteorologia e da Engenharia e Tecnologia Espacial. Desenvolve os satélites.
  20. 20. ATMOSFERA Se não existisse a atmosfera, não haveria animais nem plantas. Todas as características do mundo, tal como o percebemos, e o próprio ambiente terrestre, dependem essencialmente dela. Algumas de suas funções são : • Proteger o planeta da alta incidência de radiação ultravioleta, • Proteção contra fragmentos rochosos provenientes do espaço, • Regulação da temperatura, • Manutenção da vida dos seres vivos, • Propagação do som, • Entre outros...
  21. 21. COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA VÊNUS TERRA
  22. 22. COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA MARTE JÚPITER
  23. 23. Agradecimentos: Thiago Wenzler Coordenador Administrativo. Prof. Marcos Calil Coordenador Científico. Profa. Rachel Zuchi Coordenadora Pedagógica. Prof. Mauro Kanashiro Prof. Emerson Perez Educador Educador Monitores : Bruno Valentine, Marilia Rios e Marcos Pedroso. E a toda equipe do Planetário Johannes Kepler.
  24. 24. Rua Juquiá, 135 (altura) Santo André – SP /sabina.planetario .sabina.org.br 44222000 sabina@santoandre.sp.gov.br

×