3.astronáutica xix oba

467 visualizações

Publicada em

Astronáutica

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

3.astronáutica xix oba

  1. 1. PLANETÁRIO JOHANNES KEPLER & NÚCLEO DE OBSERVAÇÃO DO CÉU PROFESSORES BRUNO ARGONA E PLINIO NEGOCIA
  2. 2. AVIÕES, FOGUETES E SATÉLITES • Avião: Aparelho voador que possui asas fixas para sustentação no ar e necessita de um motor para impulsioná- lo. Tem função de transportar cargas ou pessoas que não podem ser levadas por transporte terrestre.
  3. 3. AVIÕES, FOGUETES E SATÉLITES • Satélite artificial: Instrumento colocado por meio de foguetes em uma órbita, que tem como foco algum astro. A principal função dos satélites artificiais é receber e enviar informações para a Terra.
  4. 4. • Foguete: Máquina de propulsão acionada pela queima de um combustível. Utilizado em bombas, aviões e, mais recentemente, para colocar em órbita naves espaciais e satélites artificiais. AVIÕES, FOGUETES E SATÉLITES
  5. 5. FOGUETES BRASILEIROS O Brasil possui projetos de foguetes desde 1965, quando o foguete Sonda I fez o voo inaugural. Foguetes de sondagem, como o próprio nome diz, são foguetes enviados ao espaço com sondas para estudo e exploração do Sistema Solar. Em 2014, foi lançado o primeiro foguete movido à etanol, o primeiro a substituir o combustível sólido pelo líquido. Desde 1983 foguetes brasileiros vem realizando missões estrangeiras fora do território nacional. Alguns exemplos são: • Operação Ionosfera 1 - Sonda III XV-17 - Wallops Island (EUA) - Lançado em 31/10/1983 • Operação RONALD 1 - VS-30 XV-02 - Andoya (NOR) - Lançado em 12/10/1997 • Operação HIFIRE 3 - VS-30/Orion VO7 - Andoya (NOR) - Lançado em 13/09/2012
  6. 6. FOGUETES BRASILEIROS O Veículo Lançador de Satélites (VLS) é um modelo de foguete desenvolvido no Brasil com a finalidade de colocar satélites na órbita da Terra. Tem capacidade de transportar satélites de até 350kg. Ocorreram 3 lançamentos do VLS, dos quais dois tiveram que ser destruídos logo depois do lançamento por problemas técnicos, em 1997 e em 1999; já em 2003, ocorreu o acidente que matou 21 técnicos e engenheiros do projeto, dias antes de seu lançamento na Base de Alcântara (MA).
  7. 7. TIPOS DE SATÉLITES Meteorológico é usado para monitorar o tempo e o clima da Terra, embora monitorem também efeitos da atividade humana, como luzes das cidades, queimadas, níveis de poluição, além de auroras polares, tempestades de raios e poeira, superfícies cobertas por neve e gelo, desmatamento e correntes oceânicas, entre outros. Sensoriamento Remoto é o conjunto de técnicas que possibilita a obtenção de informações sobre alvos na superfície terrestre (objetos, áreas, fenômenos), através do registro de imagens, realizadas por sensores distantes, ou remotos. CBERS (Brasil/China) KALPANA (ÍNDIA)
  8. 8. SATÉLITES BRASILEIROS • SCD-1: O Satélite de Coleta de Dados 1 foi lançado do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, com o foguete Pegasus, em 9 de fevereiro de 1993. Apesar de ainda estar em funcionamento, ele foi projetado para durar um ano e coletar dados ambientais. • SCD-2: em 22 de outubro de 1998, foi lançado o Satélite de Coleta de Dados 2, também do Cabo Canaveral, na Flórida. Assim como o antecessor, ele teve a função de coletar dados ambientais. Com isso foi possível conhecer o nível e a quantidade de água em rios e represas, o volume pluviométrico, a pressão atmosférica, a intensidade da radiação solar, a temperatura do ar, entre outros.
  9. 9. SATÉLITES BRASILEIROS Em 1988, o Brasil assinou um acordo de cooperação para o desenvolvimento de satélites com os chineses, os CBERS (Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres). Esses satélites também tiveram a missão de coletar dados e foram fundamentais para monitorar o desmatamento, as áreas agrícolas e o desenvolvimento urbano. • CBERS-1: foi lançado em 14 de Outubro de 1999, em Taiyuan, na China. • CBERS-2: lançado em 21 de Outubro de 2003. • CBERS-2B: lançado em 19 de Setembro de 2007. • CBERS-3: lançado em 09 de Dezembro de 2013, o qual fracassou no lançamento. • CBERS-4: lançado em 07 de Dezembro de 2014, teve seu lançamento antecipado por causa do fracasso do anterior.
  10. 10. SONDAS ESPACIAIS • O que são as sondas espaciais? São naves que carregam equipamentos de laboratório e câmeras para lugares ainda inacessíveis ao homem. Ela carrega poderosos instrumentos capazes de analisar a composição química da atmosfera, a velocidade dos ventos e o relevo do solo, além da radiação e do campo magnético dos astros. Luna 2 Pioneer 10 Voyager 1 Mars Reconnaissance Orbiter
  11. 11. SONDAS ESPACIAIS Linha do Tempo das Principais Sondas: 1959: Luna 1, 2 e 3 foram as primeiras sondas mandadas para a Lua, pelos soviéticos. 1964: Mariner 4 mandou as primeiras imagens de Marte. 1965: Venera 3 foi a primeira a pousar em outro planeta: Vênus. 1972: a Pioneer 10 foi a primeira sonda a atravessar o Cinturão de Asteroides e chegar em Júpiter. Atualmente já está nos limites do Sistema Solar. 1973: Mariner 10, a primeira a sobrevoar Mercúrio. 1975: Viking 1 e 2, foram as primeiras a pousarem em Marte. 1977: Voyager 1 e 2 são enviadas para Júpiter, Saturno, Urano e Netuno. 1985: Sonda Giotto (ESA), primeira a coletar informações de um cometa. 1995: Sonda Soho (NASA/ESA), com objetivo de estudar o Sol. 1996: Pathfinder , primeiras imagens coloridas (Marte). 2003: Spirit e Opportunity, para analisar Marte (NASA) e Mars Express (ESA). Além da sonda Hayabusa (Jaxa, Japão), para analisar o asteroide Itokawa. 2005: Mars Reconnaissance Orbiter. 2006: New Horizons, chegou em Plutão em 2015. 2012: Curiosity (Marte). 2013: Maven (NASA) e Mangalyaan (Índia) para Marte, e Chang'e 3 (China) para a Lua.
  12. 12. TELESCÓPIO HUBBLE O Hubble é um telescópio refletor, ou seja, em vez de lentes, funciona com espelhos convexos para captar e ampliar a luz que chega até ele. Ele levou 8 anos para ser construído e foi lançado em 1990, e está a 612 km da Terra, a uma velocidade aproximada de 28 000 km/h e dá uma volta na Terra a cada 97 min. O Hubble ganhou esse nome em homenagem ao cientista americano Edwin P. Hubble (1889-1953), considerado o fundador da astronomia moderna. Logo após o lançamento, foi detectado um problema, ele não era capaz de focar os objetos, principalmente os mais fracos, com a precisão planejada e desejada. Era uma distorção óptica (aberração esférica) causada por uma forma incorreta de seu espelho principal, a solução foi projetar uma óptica corretiva a qual foi instalada em 1993.
  13. 13. ISS A Estação Internacional Espacial (ISS) é um laboratório espacial, atualmente em construção, cuja montagem em órbita começou em 1998. A estação encontra-se em órbita baixa (entre 340km e 353km), que possibilita ser vista da Terra a olho nu, e viaja a uma velocidade média de 27.700 km/h, completando 15,77 órbitas por dia. Uma volta completa na Terra ocorre em aproximadamente 90 min. Participam do projeto da construção da ISS 15 países : Estados Unidos, Rússia, Canadá, Japão, e através da Agência Espacial Europeia (ESA): Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, Países Baixos, Noruega, Espanha, Suécia, Suíça e o Reino Unido.
  14. 14. MISSÃO CENTENÁRIO A missão recebeu o nome graças ao vôo do 14 BIS, que ocorreu em 23 de Outubro de 1906. Ela aconteceu dia 30 de Março de 2006 no Centro de Lançamento de Baikonur (Cazaquistão), sendo feito na nave Soyuz. Na missão viajaram o russo Pavel Vinogradov, o norte- americano Jeffrey Williams e o brasileiro Marcos Pontes.
  15. 15. MISSÃO CENTENÁRIO A nave russa Soyuz demora cerca de dois dias para chegar à ISS e pouco mais de três horas para voltar à Terra. A missão durou 10 dias, dos quais 8 foram passados na ISS (Estação Internacional Espacial). Dos quais, Marcos realizou 8 experimentos financiados por instituições e universidades: 1. Efeito da microgravidade na cinética das enzimas (FEI); 2. Danos e reparos do DNA na microgravidade (UERJ e INPE); 3. Teste de evaporadores capilares em ambiente de microgravidade (UFSC); 4. Minitubos de calor (UFSC); 5. Germinação de sementes em microgravidade (Embrapa); 6. Nuvens de interação proteica (CenPRA/MCT); 7. Germinação de sementes de feijão (Secretaria Municipal de Educação de São José dos Campos-SP); 8. Cromatografia da clorofila (Secretaria Municipal de Educação de São José dos Campos-SP); O retorno de Marcos Pontes e os colegas astronautas ocorreu dia 08 de Abril de 2006.
  16. 16. INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS • AEB (Agência Espacial Brasileira): é responsável por formular e coordenar a política espacial brasileira. Autarquia federal vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), a AEB tem dado continuidade aos esforços empreendidos pelo governo brasileiro, desde 1961, para promover a autonomia do setor espacial. • Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA): é um setor da Força Aérea do Brasil que coordena esforços nas áreas de tecnologia, ensino e atividades aeroespaciais. Comanda o ITA e o IAE.
  17. 17. INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS • Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA): é uma instituição de educação e ensino superior ligada ao Comando da Aeronáutica. Está localizado no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), na cidade paulista de São José dos Campos. O ITA oferece os seguintes cursos de graduação: 1. Engenharia Aeronáutica 2. Engenharia Mecânica (antiga Engenharia Mecânica-Aeronáutica) 3. Engenharia Civil (antiga Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica ou Civil- Aeronáutica) 4. Engenharia Eletrônica 5. Engenharia de Computação 6. Engenharia Aeroespacial
  18. 18. INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS • Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE): é uma Organização Militar do Comando da Aeronáutica, subordinado ao Ministério da Defesa. Cabe ao IAE o desenvolvimento dos foguetes e lançadores, como o Veículo Lançador de Satélites (VLS). • Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE): promove e executa estudos, pesquisas científicas, desenvolvimento tecnológico e capacitação de recursos humanos, nos campos da Ciência Espacial e da Atmosfera, das Aplicações Espaciais, da Meteorologia e da Engenharia e Tecnologia Espacial. Desenvolve os satélites.
  19. 19. ATMOSFERA Se não existisse a atmosfera, não haveria animais nem plantas. Todas as características do mundo, tal como o percebemos, e o próprio ambiente terrestre, dependem essencialmente dela. Algumas de suas funções são : • Proteger o planeta da alta incidência de radiação ultravioleta, • Proteção contra fragmentos rochosos provenientes do espaço, • Regulação da temperatura, • Manutenção da vida dos seres vivos, • Propagação do som, • Entre outros...
  20. 20. COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA VÊNUS TERRA
  21. 21. COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA MARTE JÚPITER
  22. 22. Rua Juquiá, 135 (altura) - Santo André, SP www.facebook.com/sabina.planetario http://sabina.santoandre.sp.gov.br/ sabina@santoandre.sp.gov.br 11 - 4422 - 2000 PLANETÁRIO JOHANNES KEPLER & NÚCLEO DE OBSERVAÇÃO DO CÉU

×