Crise Econômica e Qualidade nas Organizações de
Saúde
09/ago/2015
As organizações de saúde, comparativamente a outros seto...
atravessar a tormenta. Diante desse mar revolto, se o navio não for bastante resistente, e
se a tempestade for duradoura, ...
Crise economica e qualidade nas organizacoes de saude 09ago15
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Crise economica e qualidade nas organizacoes de saude 09ago15

146 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
146
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crise economica e qualidade nas organizacoes de saude 09ago15

  1. 1. Crise Econômica e Qualidade nas Organizações de Saúde 09/ago/2015 As organizações de saúde, comparativamente a outros setores, geralmente encontram-se dois ou três passos atrás em termos de gestão (administrativa, assistencial e de apoio). Os gestores, via de regra com uma visão limitada do negócio - situação incentivada pelas peculiaridades da área - resistem às avaliações externas e mantêm suas organizações em um estágio embrionário de desenvolvimento organizacional, viciadas no posicionamento queixoso e aprisionadas no círculo vicioso de deficiências que dá a urgente impressão que desaparecerão nos próximos meses. O arquétipo tradicional das organizações de saúde é de que sempre se encontram mergulhadas em graves carências econômico-financeiras e, consequentemente tudo supõe-se que decorre dessa contingência. Além disso, confiam, tolamente, mais na diligência e desprendimento pessoal do que no conhecimento gerencial e princípios da melhoria contínua da qualidade. Quando tudo assume o caráter de urgência, significa que não há planejamento e as atividades são desenvolvidas ao sabor das pressões individuais e/ou coletivas, segundo conveniências e com base na intuição. Talvez a palavra mais empregada no setor saúde seja “falta”: falta visão estratégica, falta plano, falta recursos financeiros, falta pessoas, falta medicamentos e assim por diante. Em uma situação de recessão econômica todas as “faltas” se exacerbam, elevando o grau de insatisfação e o desconforto de todos. Diminui a segurança. Os planos de saúde precisam lidar com atrasos, falta de pagamento e redução de beneficiários; o governo cria impostos e atrasa pagamentos, enquanto os fornecedores de medicamentos e materiais, por causa da variação cambial, aumentam os seus preços. Os clientes/pacientes, por sua vez, impactados pela redução do poder de seus ganhos ou pelo desemprego, retraem-se. É uma tempestade “perfeita” caracterizada por barreiras de toda ordem que exige uma visão ampliada do cenário e uma perspectiva otimista para
  2. 2. atravessar a tormenta. Diante desse mar revolto, se o navio não for bastante resistente, e se a tempestade for duradoura, ele começará a desintegrar-se na difícil travessia. Diante dos primeiros efeitos da recessão econômica, os gestores preparados e atentos imediatamente desencadeiam medidas de proteção para suportar a tempestade, enquanto outros permanecem paralisados ou na esperança de que não serão atingidos por ela. A análise recente da crise econômica na comunidade europeia tem mostrado, na área da saúde, que os serviços públicos são os mais atingidos, seja pelos cortes no orçamento, seja pelo aumento da demanda de pacientes/clientes que não conseguem mais arcar com o pagamento de planos de saúde. Os serviços privados, embora tocados pela onda da crise econômica, são impactados de forma peculiar e não de forma imediata. Isso talvez decorra da natureza essencial e inevitável da assistência. A percepção dos sinais de recessão e o conhecimento das reservas em termos dos recursos disponíveis (econômicos e humanos) são fatores críticos de sucesso no enfrentamento da crise. Quanto mais rápido os gestores perceberem os sinais da recessão econômica e acionarem medidas redutoras ou neutralizadoras, melhores condições terão de se posicionarem diante da tempestade. Muito provavelmente também serão os primeiros a sair do “estado de contenção” porque conseguirão vislumbrar, através de indicadores econômicos, assistenciais e fatos aleatórios, as oportunidades que surgirão ao longo das etapas de um ciclo de crise. Do ponto de vista da gestão, não há dúvida que as organizações mais desenvolvidas e organizadas são as que reúnem as melhores condições para enfrentar períodos de restrição econômica. A menor vulnerabilidade à crise, em comparação com as organizações com sistemas de gestão médico-assistencial incipientes, emana da rápida identificação dos pontos críticos e do posicionamento que conseguem no cenário, reduzindo e neutralizando impactos negativos em tempo hábil. O acompanhamento sistemático das receitas e despesas, o monitoramento da produtividade e do consumo de recursos, sustentados por uma vigorosa supervisão financeira e de gestão, permitem que os gestores identifiquem serviços que devem ser ampliados, em função de uma demanda favorável, e melhorarem a qualidade de outros a partir da reação do mercado e do desempenho dos mesmos. O paradoxo da crise é que ela cria oportunidades que serão aproveitadas pelos que se adaptam mais rapidamente ao novo ambiente em transformação. Equilibrar, em um momento de recessão econômica, a qualidade do cuidado com a gestão financeira, é tarefa para gestores dedicados, qualificados e competentes, que conhecem e aplicam sistematicamente os fundamentos da gestão da qualidade. O impacto das restrições econômicas será tanto menor quanto maior for a capacidade de articular, criativa e racionalmente, os elementos essenciais do sistema, uma vez que todos dependem do componente financeiro. Adicionalmente, instala-se um clima de incerteza que influi no estado de ânimo dos colaboradores – os agentes executores das atividades qualificadas assistenciais e administrativas. Conservar, portanto, a qualidade dos serviços de saúde em uma época de recessão é um empreendimento amplamente complexo, quase impossível, que implica conhecimento, paciência e visão de futuro.

×