Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2

121 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Regras de esterilização e não contaminação em ambientes [recuperado] versao 2

  1. 1. Regras de Esterilização e não Contaminação em Ambientes Laboratoriais Versão 2 Trabalho Realizado por: Aida Sofia Santos Lucília Santos Maria de Fátima Santos Isabel Passos José João Clemente 18-07-2013 1
  2. 2. Introdução 18-07-2013 2 A assepsia é extremamente importante em microbiologia. Esterilização de meios de cultura e soluções. Material de vidro, plástico ou metal que se utiliza.
  3. 3. Instruções Gerais 18-07-2013 3 As condições de higiene e limpeza devem ser rigorosas, para evitar possíveis fontes de contaminações. Além dos cuidados normais de boas práticas de laboratório, são necessários procedimentos específicos para minimizar os riscos de acidentes pessoais e de contaminação ambiental.
  4. 4. Normas gerais para uso de um Laboratório de Microbiologia 18-07-2013 4 Desinfeção diária do laboratório: Esta, visa eliminar qualquer interferência externa que possa influenciar na qualidade dos trabalhos desenvolvidos, assim como proteger o pessoal envolvido de qualquer Contaminação ambiental.
  5. 5. Normas Gerais para uso de um Laboratório de Microbiologia 18-07-2013 5 No início e término de cada trabalho prático, a superfície da bancada deve ser desinfetada. Em caso de acidentes provocados por salpicos, quebras de frascos, tubos e placas que contenham materiais contaminados, deve proceder- se imediatamente á desinfeção.
  6. 6. Técnicas de assepsia Para manter uma cultura pura, é necessário que o meio de cultura que se pretende utilizar seja mantido desprovido de qualquer organismo vivo contaminante 18-07-2013 6
  7. 7. Para a prevenção de contaminações durante a manipulação de culturas puras recorre-se a técnicas de assepsia. 18-07-2013 7
  8. 8. As técnicas de assepsia são um conjunto de medidas experimentais, simples mas muito importantes num laboratório de Microbiologia. Estas técnicas devem ser praticadas durante a manipulação de culturas puras e de meios de cultura estéreis. 18-07-2013 8
  9. 9. Nomeadamente, um recipiente que contenha uma dada cultura deve ser aberto perto da chama do bico de Bunsen, de forma a impedir uma contaminação devido à entrada de ar exterior contaminado. 18-07-2013 9
  10. 10. Além disso, após a sua preparação, cada meio de cultura deve ser submetido a esterilização, por forma a eliminar qualquer organismo vivo contaminante 18-07-2013 10
  11. 11. A transferência de uma porção da cultura contida num tubo ou balão para outro recipiente (inoculação) é realizada normalmente com uma ansa previamente esterilizada pela passagem pela chama do bico de Bunsen (e posteriormente arrefecido) ou através de uma micropipeta com pontas de plástico previamente esterilizadas (em autoclave, por exemplo). 18-07-2013 11
  12. 12. 1- passar a ansa pela chama do bico de Bunsen até a extremidade ficar incandescente; deixar arrefecer, ao ar, mantendo a ansa sempre perto da chama; 2- destapar a placa de Petri que contem a cultura a usar como inóculo, perto da chama; 3- remover uma porção da cultura com a ansa arrefecida; 18-07-2013 12
  13. 13. 5- transferir a cultura para o meio de cultura e passar o gargalo do balão novamente pela chama; 6- esterilizar a ansa, passando-a novamente pela chama até ficar incandescente. 7- colocar a ansa esterilizada num suporte. 4- destapar o balão contendo o meio de cultura líquido a inocular e passar o gargalo pela chama; 18-07-2013 13
  14. 14. Algumas Regras Básicas 18-07-2013 14 Todo material contaminado antes de ser lavado, deve passar pelo processo de esterilização, para que toda a sua flora microbiológica seja completamente destruída, evitando-se que o mesmo seja uma fonte de contaminação. Nunca se deve deixar sobre a bancada de trabalho, lâminas retiradas do microscópio. Este material deve ser colocado em recipiente contendo uma solução desinfetante adequada.
  15. 15. Regras Básicas 18-07-2013 15 Todo material que deve ser esterilizado e/ou lavado (tubos, pipetas, placas, frascos,etc.) deverá ser colocado em lugar indicado, no final de cada atividade desenvolvida no laboratório. . As ansas e as agulhas inoculadas, após o uso, devem ser esterilizadas à chama.
  16. 16. Regras Básicas (Cont.) 18-07-2013 16 O autoclave, que é um equipamento usado nas atividades rotineiras do laboratório, deve ser inspecionado e verificado quanto à eficiência de esterilização periodicamente. Deve-se ter sempre o cuidado de lavar e realizar a antissepsia das mãos, antes e após o término dos trabalhos realizados no laboratório.
  17. 17. (Continuação) 18-07-2013 17 Soluções químicas devem ser pipetadas com auxiliar de pipetagem (pera de borracha) e as pipetas químicas devem estar separadas das microbiológicas. Utilizar sempre uma bata limpa
  18. 18. 18-07-2013 18 Lavar as mãos no início e no final de cada sessão de trabalho experimental  Manter os bicos de Bunsen e as lamparinas acesas apenas enquanto são necessários Não comer, beber ou fumar no laboratório  Identificar todo o material, utilizando para isso marcadores de vidro apropriados. Regras Básicas (Cont.)
  19. 19. Algumas Regras Básicas (Cont.) 18-07-2013 19 No manuseamento de compostos químicos considerados perigosos, evitar o contacto cutâneo ou a sua inalação, recorrendo ao uso de uma hote, de luvas, máscara ou óculos de proteção, consoante as características dos compostos Não pipetar com a boca
  20. 20. 18-07-2013 20 Estabelecer regras bem definidas para o circuito do material de vidro e de plástico no laboratório, assim como para a sua lavagem Manusear com muita precaução certos materiais e aparelhos frágeis e/ou muito sensíveis e mantê-los devidamente limpos. É o caso dos termómetros, cabeças de aquecimento termostatizadas, aparelhos de medição de pH e balanças, entre outros Continuação
  21. 21. 18-07-2013 21 Nunca usar aparelhos sem conhecer em pormenor o procedimento de utilização Colocar as pipetas de vidro sujas em contentores de plástico com uma solução com detergente e devidamente identificados para esse fim Continuação
  22. 22. 18-07-2013 22 Antes de colocar na pia de lavagem do laboratório, material de vidro sujo contendo soluções/suspensões, deixar informação sobre os riscos do seu conteúdo, de modo a ficar claro o destino que se lhe deve dar Colocar todo o material de vidro/plástico contendo suspensões de microrganismos, no local indicado para posterior autoclavagem Continuação
  23. 23. 18-07-2013 23 O processamento dos produtos devem seguir um fluxo direcionado sempre da área suja para a área limpa. Um laboratório deve possuir minimamente os seguintes ambientes: 1-Area de receção e limpeza 2- Sala de preparo e esterilização 3- Sala de desinfeção química, quando aplicável 4- Área de monitoramento de processo de esterilização 5- Sala de armazenamento e distribuição de materiais esterilizados Continuação
  24. 24. Muito Importante!!! 18-07-2013 24 . Não lamber etiquetas ou colocar qualquer material na boca (p.ex. canetas);  Evite o hábito de levar as mãos à boca, nariz, olhos, rosto ou cabelo Não mantenha plantas, bolsas, roupas ou qualquer outro objeto não relacionado com o trabalho dentro do laboratório. As unhas devem ser curtas, bem cuidadas e não podem ultrapassar a ponta dos dedos. Preferencialmente sem conter verniz, pois liberta micro fraturas. Não mastigue chicletes, pois provocam bactérias na boca.
  25. 25. Lavagem Correta das Mãos 18-07-2013 25 1. Utilize a água corrente para molhar as mãos; 2. Esfregue a palma e o dorso das mãos com sabonete, inclusive as unhas e os espaços entre os dedos durante mais ou menos 15 segundos; 3. Enxague bem com água corrente retirando todo o sabonete; 4. Seque-as com papel toalha ou outro sistema de secagem eficiente; 5. Esfregue as mãos com um pouco de produto antissético.
  26. 26. Regras de Segurança no Laboratório 18-07-2013 26 Regras Gerais de Segurança 1- Conhecer a localização das saídas de emergência. 2- Conhecer a localização e o funcionamento de extintores de incêndio, caixas de primeiros socorros, chuveiros e equipamentos de proteção. 3- Não comer, beber, fumar ou guardar alimentos no laboratório. 4- Nunca trabalhar sozinho no laboratório.
  27. 27. 18-07-2013 27 5- Utilizar os aparelhos só depois de ter lido e compreendido as respetivas instruções de manuseamento e segurança. 6- Antes de efetuar qualquer atividade experimental, ler com atenção o protocolo experimental e procurar compreender a sua finalidade. 7- Manter as bancadas limpas e arrumadas, o chão limpo e seco, e as passagens desobstruídas. 8- Efetuar o trabalho laboratorial sempre de pé.
  28. 28. 18-07-2013 28 9- Todos os recipientes que contenham produtos devem estar devidamente rotulados. 10- Reagentes e equipamento devem ser arrumados após ter terminado a sua utilização. 11- Os bicos de gás apenas devem ser acendidos quando for necessário e deve ser vigiado o seu funcionamento. 12- Não aquecer recipientes fechados.
  29. 29. 18-07-2013 29 13- Colocar o material de vidro partido ou rachado em recipiente próprio. 14- Realizar na hotte os trabalhos que envolvam libertação de gases ou vapores. 15- Findo o trabalho experimental, verificar se as torneiras de água e de gás se encontram fechadas e se os aparelhos elétricos foram desligados
  30. 30. Materiais de Laboratório 18-07-2013 30
  31. 31. 18-07-2013 31
  32. 32. 18-07-2013 32
  33. 33. 18-07-2013 33
  34. 34. Conclusão 18-07-2013 34 Embora existam vários meios para ajudar a avaliar os riscos inerentes a uma determinada experiência ou processo, a componente mais importante é a ponderação profissional. A avaliação dos riscos deve ser efetuada pelas pessoas mais familiarizadas com as características especificas dos eventuais organismos, normas, e equipamentos a utilizar, bem como do equipamento de confinamento e instalações disponíveis.
  35. 35. 18-07-2013 35 http://www.colegioweb.com.br/trabalhos-escolares/quimica/substancias-e-misturas/material-de-laboratorio.html http://recife.ifpe.edu.br/recife/manual_microbiologia_5_ed_2007_final.pdf Referencias Bibliográficas http://portuguese.alibaba.com/product-gs/glassware-lab-supplies-553213266.html http://quimicaensinada.blogspot.pt/2011_01_01_archive.html http://profs.ccems.pt/PauloPortugal/CFQ/Segurana_Laboratrio/Laboratrio.htm https://fenix.ist.utl.pt/departamentos/dbe/lateral/laboratorios http://pt.wikipedia.org/wiki/Laborat%C3%B3rio http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2013/03/programa-de-iniciacao-cientifica-do-inpa-recebe-inscricoes/ http://e-escola.ist.utl.pt/topico.asp?hid=312 http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/2241/1/U1.pdf http://www.ci.esapl.pt/lab/ http://profs.ccems.pt/PauloPortugal/CFQ/Segurana_Laboratrio/Laboratrio.htm

×