SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Contaminantes da
Atmosfera
PEDRO MARINHO
ARCOS DE VALDEVEZ
• Contaminação do ar por substâncias
capazes de causar danos graves.
• Actividades humanas ou certos
fenómenos naturais dão origem a
poluentes atmosféricos.
• Principal responsável pelo efeito de estufa
e está por trás de inúmeros problemas
ambientais e para a biodiversidade.
Os Poluentes da Atmosfera
Poluente Principal Fonte
Monóxido de Carbono
Escape dos veículos motorizados;
alguns processos industriais.
Dióxido de Enxofre
Centrais termoeléctricas a
petróleo ou carvão; fábricas de
ácido sulfúrico
Partículas em Suspensão
Escape dos veículos motorizados;
processos industriais; centrais
termoeléctricas; reacção dos
gases poluentes na atmosfera
Chumbo
Escape dos veículos motorizados;
centrais termoeléctricas; fábricas
de baterias
Fig.1: Fábricas industriais, grandes responsáveis pela poluição do ar
Óxidos de azoto
Escape dos veículos motorizados;
centrais termoeléctricas; fábricas de
fertilizantes, de explosivos ou de ácido
nítrico
Oxidantes fotoquímicos
-Ozono
Formados na atmosfera devido a reacção
de Óxidos de Azoto, Hidrocarbonetos e
luz solar
Etano, Etileno, Propano,
Butano, Acetileno,
Pentano
Escape dos veículos motorizados;
evaporação de solventes; processos
industriais; lixos sólidos; utilização de
combustíveis
Dióxido de Carbono Todas as combustões
Fig.2: Quantidade grotesca de contaminantes que são lançados para o ar
• Queima de resíduos urbanos, explosivos,
industriais, agrícolas e florestais, resinas,
tintas, plásticos, pneus;
• Fogos florestais;
• Fertilizantes e o excesso de
concentração agropecuária;
• Indústrias de minerais não metálicos,
siderurgia, pedreiras e áreas em
construção;
• Fontes móveis.
Fig.3: Incêndios florestais, fonte de grande poluição do ar
Fig.4: Automóvel, uma grande fonte poluente móvel
Fig.5: Principais emissores de CO2
• Poluentes Primários
- emitidos
directamente para a
troposfera em forma
potencialmente
perigosa;
Poluentes
Secundários -
reacção dos
poluentes primários
com componentes do
ar, formando novos
poluentes.
Fig.6 e 7: Principais poluentes primários e secundários
Chuvas Ácidas
• As chuvas normais têm pH de,
aproximadamente 5,6. A chuva ácida é
caracterizada por um pH abaixo de 4,5.
Fig.8: Dissociação do dióxido de carbono em água com formação de ácido
carbónico confere alguma acidez à chuva normal
• Os óxidos de enxofre e os óxidos de azoto
de origem antrópica, sobretudo queima
de combustíveis fósseis em centrais
termoeléctricas, indústria e transportes
rodoviários, reagem com o vapor de água
atmosférico e originam ácido sulfúrico e
ácido nítrico.
• Uma vez formados, os
ácidos precipitam na
superfície terrestre.
Fig.9: Ácido sulfúrico e nítrico, a
chamada chuva ácida
Fig.10: Origem das chuvas ácidas
• Destruição de florestas, por acção directa
sobre as plantas ou indirecta pela
acidificação do solo;
• Desequilíbrio nos ecossistemas aquáticos
provocados pela morte de peixes e
libertação de iões tóxicos;
• Aumento da frequência e gravidade de
doenças respiratórias em seres humanos,
como a bronquite e a asma;
Fig.11, 12 e 13: Efeitos nocivos
das chuvas ácidas
• Libertação de metais pesados, como o
cobre e o chumbo, das canalizações para
a água de consumo público;
• Degradação de monumentos,
particularmente de calcário e mármore.
Fig.14: Efeitos das chuvas ácidas sobre monumentos
Efeito de estufa
• Fenómeno natural que se traduz pelo
aquecimento das baixas camadas da
atmosfera devido à presença de certos
gases.
• Sem o efeito de estufa, a Terra seria um
planeta frio e sem vida.
Fig.15: Aquecimento global, originado pelo efeito de estufa
• Da radiação solar que incide na Terra
uma parte é reflectida pela atmosfera ou
absorvida pelo ozono estratosférico.
• A que atinge a superfície terrestre gera
calor, que é irradiado sob a forma de
radiação infravermelho.
Fig.16: Efeito de estufa, um grande benefício e um grande perigo para a Terra
Fig.17: Origem do efeito de estufa
• Dióxido de carbono – tem origem na
queima de combustíveis fósseis e de
florestas para a obtenção de terrenos
agrícolas;
• Metano – tem origem em plantações de
arroz e na pecuária;
• Óxido nitroso – tem origem em
combustíveis fósseis, fertilizantes
químicos e na pecuária;
• Clorofluorcarbonetos – utilizados como
propulsores em aerossóis e em gases de
refrigeração.
Fig.18: Contributo da indústria para o efeito de estufa
Fig.19: Variação da
temperatura em 100 anos
Fig.20: Variação de [CO2]
em 800 anos
Ozono Atmosférico
• Ozono estratosférico
• A camada de ozono, que se localiza na
estratosfera, filtra certa de 95% das radiações
ultravioleta do sol.
• A rarefacção do ozono estratosférico atinge
praticamente todas as zonas da Terra e é
particularmente grave sobre os pólos onde se
verifica uma acentuada redução sazonal.
• À perda sazonal de ozono durante o Verão da
Antárctida foi chamado de buraco do ozono.
Fig.21: Buraco do ozono na
Fig.22: Localização e temperatura do ozono na atmosfera
Fig.23 e 24: Aumento, ao longo dos anos, do buraco do ozono na Terra
• Aumento da incidência de queimaduras
solares, cancros de pele e cataratas em
seres humanos.
• Supressão de funções do sistema
imunitário  o que aumenta a
susceptibilidade a doenças infecciosas e
a cancros.
• Diminuição da produção de culturas.
• Diminuição da produção florestal de
muitas espécies de árvores sensíveis às
radiações UV.
Fig.25: Risco de doenças de pele é cada vez maior
• Ozono troposférico
• Poluente secundário, com efeitos nocivos
sobre o sistema respiratório.
• Resulta da oxidação de poluentes
primários, com óxidos de azoto, por
acção da luz solar.
Fig.26: Ozono troposférico, nocivo para o Planeta
Bioampliação
• Quando a concentração da substância
tóxica aumenta, de nível
trófico para nível trófico,
ao longo das cadeias
alimentares, e afecta
organismos que não
foram directamente
expostos.
Fig.27: Toxicidade expressa ao longo de níveis tróficos
Bioacumulação
• Quando a substância tóxica é absorvida e
armazenada por órgãos ou tecidos
específicos, numa concentração superior
à esperada.
Toxicidade
• Uma empresa de mineração explorava
amianto. Ao longo das décadas a,
população retirou as pedras usou-as.
Resultado: uma cidade exposta ao
amianto.
• Os mais afectados pelo amianto são os
operários das minas e das indústrias têxtil
e de fibrocimento.
Fig.28: Radiografia pulmonar de uma pessoa com asbestose
• Pesquisadores acompanham cerca de
300 trabalhadores, dos quais 40 já foram
diagnosticados com asbestose.
• Mortalidade: dez óbitos de trabalhadores,
cujas causas foram asbestose, cancro de
pulmão.
• Um estudo mostrou que em 23 anos mais
de 2.400 pessoas morreram.
• A mortalidade foi crescendo: 50 óbitos
em 1980 contra 179 em 2003.
Fig.29: Pulmões de uma pessoa com asbestose
Fig.30: Náuseas e
doenças respiratórias,
provocadas pela inalação
de substâncias tóxicas
Fig.31: Efeito
teratológico
Fig.32: Efeito
cancerígeno
Em Entrevista a José Marinho
• Salazar preservou o país da poluição;
• Há mais controle e mais coimas;
• Pessoas têm mais noção dos riscos da
poluição;
• Há mais cuidados nas indústrias;
• Muita gente já recicla;
• As pessoas começam a ter consciência
dos problemas ambientais.
‘Acabar com
a poluição
vem com a
educação.’
José Marinho
‘Deixa o mundo
melhor do que o
encontraste!’
Baden Powell,
Fundador internacional do Escutismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2
Gabriela Bruno
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
Joannedream
 
Ficha de trabalho propagação vegetativa na agricultura
Ficha de trabalho propagação vegetativa na agriculturaFicha de trabalho propagação vegetativa na agricultura
Ficha de trabalho propagação vegetativa na agricultura
Cecilferreira
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
becresforte
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Cátia Teixeira
 
Métodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturaisMétodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturais
ap3bmachado
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Nuno Correia
 

Mais procurados (20)

Controlo de Pragas
Controlo de PragasControlo de Pragas
Controlo de Pragas
 
Bio 12 genética - exercícios
Bio 12   genética - exercíciosBio 12   genética - exercícios
Bio 12 genética - exercícios
 
Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2Actividade Experimental nº2
Actividade Experimental nº2
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
 
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos MetaisSérie Eletroquímica: O Caso dos Metais
Série Eletroquímica: O Caso dos Metais
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Ficha de trabalho propagação vegetativa na agricultura
Ficha de trabalho propagação vegetativa na agriculturaFicha de trabalho propagação vegetativa na agricultura
Ficha de trabalho propagação vegetativa na agricultura
 
A camada de ozono
A camada de ozonoA camada de ozono
A camada de ozono
 
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
 
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º anoActividade laboratorial Biologia 12º ano
Actividade laboratorial Biologia 12º ano
 
Métodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturaisMétodos contraceptivos naturais
Métodos contraceptivos naturais
 
Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa  Frei Luís de Sousa
Frei Luís de Sousa
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Tratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidosTratamento De ResíDuos SóLidos
Tratamento De ResíDuos SóLidos
 
Apresentação dos Maias - Capítulo 5
Apresentação dos Maias - Capítulo 5Apresentação dos Maias - Capítulo 5
Apresentação dos Maias - Capítulo 5
 
Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21Unidade3 bio12 ano20_21
Unidade3 bio12 ano20_21
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
Queda livre - Físico Química 11ºano
Queda livre - Físico Química 11ºanoQueda livre - Físico Química 11ºano
Queda livre - Físico Química 11ºano
 

Semelhante a Contaminantes da atmosfera

51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
Leonor Vaz Pereira
 
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdfAula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
DiegoMontes72
 
Trabalho De Geografia é Esse
Trabalho De Geografia é EsseTrabalho De Geografia é Esse
Trabalho De Geografia é Esse
guestf69354
 
PoluiçãO Do Ar
PoluiçãO Do ArPoluiçãO Do Ar
PoluiçãO Do Ar
ecsette
 

Semelhante a Contaminantes da atmosfera (20)

51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
51.2.poluição e degradação de recursos2013.pol atmosférica
 
2958946.ppt
2958946.ppt2958946.ppt
2958946.ppt
 
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdfAula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
Aula-6-Química-da-Atmosfera-Parte-2-1-2o-sem-2019-Final.pdf
 
Poluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricosPoluentes atmosféricos
Poluentes atmosféricos
 
Poluição do ar
Poluição do arPoluição do ar
Poluição do ar
 
Quimica Atmosfera
Quimica AtmosferaQuimica Atmosfera
Quimica Atmosfera
 
Poluição da atmosfera prof Ivanise Meyer
Poluição da atmosfera prof Ivanise MeyerPoluição da atmosfera prof Ivanise Meyer
Poluição da atmosfera prof Ivanise Meyer
 
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptxa importancia do ar para os seres vivos.pptx
a importancia do ar para os seres vivos.pptx
 
Trabalho De Geografia é Esse
Trabalho De Geografia é EsseTrabalho De Geografia é Esse
Trabalho De Geografia é Esse
 
PoluiçãO Do Ar
PoluiçãO Do ArPoluiçãO Do Ar
PoluiçãO Do Ar
 
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúdeAula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
Aula Poluição Atmosférica e Saúde - Ar e saúde
 
Química ambiental volume 1 - a atmosfera
Química ambiental   volume 1 - a atmosferaQuímica ambiental   volume 1 - a atmosfera
Química ambiental volume 1 - a atmosfera
 
A poluição ar
A poluição arA poluição ar
A poluição ar
 
www.AulasParticulares.Info - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
www.AulasParticulares.Info - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Globalwww.AulasParticulares.Info - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Global
www.AulasParticulares.Info - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento G...
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento G... www.AulasDeGeografiaApoio.com  - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento G...
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento G...
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Globalwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia -  Efeito Estufa  e Aquecimento Global
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Geografia - Efeito Estufa e Aquecimento Global
 
Problemas atmosféricos
Problemas atmosféricosProblemas atmosféricos
Problemas atmosféricos
 
Ciências naturais: Efeito estufa
Ciências naturais: Efeito estufaCiências naturais: Efeito estufa
Ciências naturais: Efeito estufa
 
Ana brazuca
Ana brazucaAna brazuca
Ana brazuca
 
Catastrofes humanas novo
Catastrofes humanas novoCatastrofes humanas novo
Catastrofes humanas novo
 

Mais de pedrommarinho14

Mais de pedrommarinho14 (7)

Estudo dos-recursos-naturais-em-Arcos-de-Valdevez
Estudo dos-recursos-naturais-em-Arcos-de-ValdevezEstudo dos-recursos-naturais-em-Arcos-de-Valdevez
Estudo dos-recursos-naturais-em-Arcos-de-Valdevez
 
Escolas e Universidades - Gestão Democrática
Escolas e Universidades - Gestão DemocráticaEscolas e Universidades - Gestão Democrática
Escolas e Universidades - Gestão Democrática
 
Classificação morfológica de frases compostas - PEDRO MARINHO
Classificação morfológica de frases compostas - PEDRO MARINHOClassificação morfológica de frases compostas - PEDRO MARINHO
Classificação morfológica de frases compostas - PEDRO MARINHO
 
TURISMO RURAL - ARCOS DE VALDEVEZ
TURISMO RURAL - ARCOS DE VALDEVEZTURISMO RURAL - ARCOS DE VALDEVEZ
TURISMO RURAL - ARCOS DE VALDEVEZ
 
Metáfora - MECÃNICA
Metáfora - MECÃNICAMetáfora - MECÃNICA
Metáfora - MECÃNICA
 
CIENCIAS
CIENCIAS CIENCIAS
CIENCIAS
 
Definição de ; RECURSO
Definição de ; RECURSODefinição de ; RECURSO
Definição de ; RECURSO
 

Contaminantes da atmosfera

  • 2. • Contaminação do ar por substâncias capazes de causar danos graves. • Actividades humanas ou certos fenómenos naturais dão origem a poluentes atmosféricos. • Principal responsável pelo efeito de estufa e está por trás de inúmeros problemas ambientais e para a biodiversidade.
  • 3. Os Poluentes da Atmosfera Poluente Principal Fonte Monóxido de Carbono Escape dos veículos motorizados; alguns processos industriais. Dióxido de Enxofre Centrais termoeléctricas a petróleo ou carvão; fábricas de ácido sulfúrico Partículas em Suspensão Escape dos veículos motorizados; processos industriais; centrais termoeléctricas; reacção dos gases poluentes na atmosfera Chumbo Escape dos veículos motorizados; centrais termoeléctricas; fábricas de baterias Fig.1: Fábricas industriais, grandes responsáveis pela poluição do ar
  • 4. Óxidos de azoto Escape dos veículos motorizados; centrais termoeléctricas; fábricas de fertilizantes, de explosivos ou de ácido nítrico Oxidantes fotoquímicos -Ozono Formados na atmosfera devido a reacção de Óxidos de Azoto, Hidrocarbonetos e luz solar Etano, Etileno, Propano, Butano, Acetileno, Pentano Escape dos veículos motorizados; evaporação de solventes; processos industriais; lixos sólidos; utilização de combustíveis Dióxido de Carbono Todas as combustões Fig.2: Quantidade grotesca de contaminantes que são lançados para o ar
  • 5. • Queima de resíduos urbanos, explosivos, industriais, agrícolas e florestais, resinas, tintas, plásticos, pneus; • Fogos florestais; • Fertilizantes e o excesso de concentração agropecuária; • Indústrias de minerais não metálicos, siderurgia, pedreiras e áreas em construção; • Fontes móveis. Fig.3: Incêndios florestais, fonte de grande poluição do ar Fig.4: Automóvel, uma grande fonte poluente móvel
  • 7. • Poluentes Primários - emitidos directamente para a troposfera em forma potencialmente perigosa; Poluentes Secundários - reacção dos poluentes primários com componentes do ar, formando novos poluentes. Fig.6 e 7: Principais poluentes primários e secundários
  • 8. Chuvas Ácidas • As chuvas normais têm pH de, aproximadamente 5,6. A chuva ácida é caracterizada por um pH abaixo de 4,5. Fig.8: Dissociação do dióxido de carbono em água com formação de ácido carbónico confere alguma acidez à chuva normal
  • 9. • Os óxidos de enxofre e os óxidos de azoto de origem antrópica, sobretudo queima de combustíveis fósseis em centrais termoeléctricas, indústria e transportes rodoviários, reagem com o vapor de água atmosférico e originam ácido sulfúrico e ácido nítrico. • Uma vez formados, os ácidos precipitam na superfície terrestre. Fig.9: Ácido sulfúrico e nítrico, a chamada chuva ácida
  • 10. Fig.10: Origem das chuvas ácidas
  • 11. • Destruição de florestas, por acção directa sobre as plantas ou indirecta pela acidificação do solo; • Desequilíbrio nos ecossistemas aquáticos provocados pela morte de peixes e libertação de iões tóxicos; • Aumento da frequência e gravidade de doenças respiratórias em seres humanos, como a bronquite e a asma; Fig.11, 12 e 13: Efeitos nocivos das chuvas ácidas
  • 12. • Libertação de metais pesados, como o cobre e o chumbo, das canalizações para a água de consumo público; • Degradação de monumentos, particularmente de calcário e mármore. Fig.14: Efeitos das chuvas ácidas sobre monumentos
  • 13. Efeito de estufa • Fenómeno natural que se traduz pelo aquecimento das baixas camadas da atmosfera devido à presença de certos gases. • Sem o efeito de estufa, a Terra seria um planeta frio e sem vida. Fig.15: Aquecimento global, originado pelo efeito de estufa
  • 14. • Da radiação solar que incide na Terra uma parte é reflectida pela atmosfera ou absorvida pelo ozono estratosférico. • A que atinge a superfície terrestre gera calor, que é irradiado sob a forma de radiação infravermelho. Fig.16: Efeito de estufa, um grande benefício e um grande perigo para a Terra
  • 15. Fig.17: Origem do efeito de estufa
  • 16. • Dióxido de carbono – tem origem na queima de combustíveis fósseis e de florestas para a obtenção de terrenos agrícolas; • Metano – tem origem em plantações de arroz e na pecuária; • Óxido nitroso – tem origem em combustíveis fósseis, fertilizantes químicos e na pecuária; • Clorofluorcarbonetos – utilizados como propulsores em aerossóis e em gases de refrigeração. Fig.18: Contributo da indústria para o efeito de estufa
  • 17. Fig.19: Variação da temperatura em 100 anos Fig.20: Variação de [CO2] em 800 anos
  • 18. Ozono Atmosférico • Ozono estratosférico • A camada de ozono, que se localiza na estratosfera, filtra certa de 95% das radiações ultravioleta do sol. • A rarefacção do ozono estratosférico atinge praticamente todas as zonas da Terra e é particularmente grave sobre os pólos onde se verifica uma acentuada redução sazonal. • À perda sazonal de ozono durante o Verão da Antárctida foi chamado de buraco do ozono. Fig.21: Buraco do ozono na
  • 19. Fig.22: Localização e temperatura do ozono na atmosfera
  • 20. Fig.23 e 24: Aumento, ao longo dos anos, do buraco do ozono na Terra
  • 21. • Aumento da incidência de queimaduras solares, cancros de pele e cataratas em seres humanos. • Supressão de funções do sistema imunitário  o que aumenta a susceptibilidade a doenças infecciosas e a cancros. • Diminuição da produção de culturas. • Diminuição da produção florestal de muitas espécies de árvores sensíveis às radiações UV. Fig.25: Risco de doenças de pele é cada vez maior
  • 22. • Ozono troposférico • Poluente secundário, com efeitos nocivos sobre o sistema respiratório. • Resulta da oxidação de poluentes primários, com óxidos de azoto, por acção da luz solar. Fig.26: Ozono troposférico, nocivo para o Planeta
  • 23. Bioampliação • Quando a concentração da substância tóxica aumenta, de nível trófico para nível trófico, ao longo das cadeias alimentares, e afecta organismos que não foram directamente expostos. Fig.27: Toxicidade expressa ao longo de níveis tróficos
  • 24. Bioacumulação • Quando a substância tóxica é absorvida e armazenada por órgãos ou tecidos específicos, numa concentração superior à esperada.
  • 25. Toxicidade • Uma empresa de mineração explorava amianto. Ao longo das décadas a, população retirou as pedras usou-as. Resultado: uma cidade exposta ao amianto. • Os mais afectados pelo amianto são os operários das minas e das indústrias têxtil e de fibrocimento. Fig.28: Radiografia pulmonar de uma pessoa com asbestose
  • 26. • Pesquisadores acompanham cerca de 300 trabalhadores, dos quais 40 já foram diagnosticados com asbestose. • Mortalidade: dez óbitos de trabalhadores, cujas causas foram asbestose, cancro de pulmão. • Um estudo mostrou que em 23 anos mais de 2.400 pessoas morreram. • A mortalidade foi crescendo: 50 óbitos em 1980 contra 179 em 2003. Fig.29: Pulmões de uma pessoa com asbestose
  • 27. Fig.30: Náuseas e doenças respiratórias, provocadas pela inalação de substâncias tóxicas Fig.31: Efeito teratológico Fig.32: Efeito cancerígeno
  • 28. Em Entrevista a José Marinho • Salazar preservou o país da poluição; • Há mais controle e mais coimas; • Pessoas têm mais noção dos riscos da poluição; • Há mais cuidados nas indústrias; • Muita gente já recicla; • As pessoas começam a ter consciência dos problemas ambientais.
  • 29. ‘Acabar com a poluição vem com a educação.’ José Marinho
  • 30. ‘Deixa o mundo melhor do que o encontraste!’ Baden Powell, Fundador internacional do Escutismo