SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
3.° BIMESTRE - 2016
As mascotes Vinicius e Tom estão torcendo para
que você ganhe medalha de ouro na luta contra o
Aedes aegypti!
Agora ele não transmite só a Dengue, mas Zika e
Chikungunya também.
Rio2016.com
Behance.com
Dengue.gob.br
Contatos CED:
mariamcunha@rioeduca.net - nazareth@rioeduca.net
Telefones: 2976-2301 / 2976-2302
EDUARDO PAES
PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
REGINA HELENA DINIZ BOMENY
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
JUREMA HOLPERIN
SUBSECRETARIA DE ENSINO
MARIA DE NAZARETH MACHADO DE BARROS VASCONCELLOS
COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO
MARIA DE FÁTIMA CUNHA
COORDENADORIA TÉCNICA
ILMAR ROHLOFF DE MATTOS
CONSULTORIA
ILMAR ROHLOFF DE MATTOS
JAIME PACHECO DOS SANTOS
LUCIO CARVALHO IGNACIO
ROBERTO ANUNCIAÇÃO ANTUNES
ELABORAÇÃO
LEILA CUNHA DE OLIVEIRA
REVISÃO
FÁBIO DA SILVA
JULIA LYS DE LISBOA
MARCELO ALVES COELHO JÚNIOR
DESIGN GRÁFICO
EDIGRÁFICA
IMPRESSÃO
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 3
DOS JOGOS OLÍMPICOS DO RIO DE JANEIRO À GRÉCIA
ANTIGA: UMA VIAGEM DIFERENTE
Quantas vezes você já viu, nos últimos dias, a imagem acima: cinco anéis ou aros entrelaçados e de cores diferentes, sempre sobre um
fundo branco?
Muitas vezes, provavelmente.
O que você sabe sobre essa imagem? Converse com os colegas a respeito do símbolo das Olimpíadas Modernas. Vocês podem pedir
ajuda a seu(sua) Professor(a), se necessário.
Por que cinco aros ou anéis entrelaçados?
Por que seis cores: azul, amarelo, preto, verde, vermelho e branco?
Por que damos o nome Olimpíadas – ou Jogos Olímpicos – a este acontecimento extraordinário e previsto que ocorre a cada quatro
anos?
Por que os Jogos Olímpicos sempre são realizados em uma cidade – como o Rio de Janeiro, em 2016?
As respostas dadas por vocês são o ponto de partida de uma viagem diferente e fascinante: uma viagem no tempo!
Do presente em direção ao passado: das Olimpíadas modernas, como a atual em nossa cidade, às Olimpíadas na Grécia na Antiguidade,
há quase 3000 anos!
As Olimpíadas Modernas aconteceram, pela primeira vez, na cidade de Atenas, capital da Grécia, no ano de 1896. Seu
principal idealizador – o Barão Pierre de Coubertin – queria reviver as Olimpíadas realizadas pelos gregos na Antiguidade.
E essa foi a razão da escolha da cidade de Atenas para sede da primeira Olimpíada Moderna, da qual participaram atletas de
vários países. Mas foi somente nas Olimpíadas de Estocolmo, capital da Suécia, em 1912, que os Jogos Olímpicos reuniram, pela
primeira vez, atletas dos cinco continentes.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 4
Para registrar a importância de um acontecimento que aproximava
povos e nações de cinco continentes, no ano seguinte, o Barão teve a
ideia dos cinco aros ou anéis entrelaçados.
Desde então, a bandeira branca com os anéis tornou-se um dos
símbolos olímpicos, ao lado de outros dois: o lema “Citius, Altus, Fortius”
(Mais rápido, Mais alto, Mais forte) e a tocha olímpica. Eles nos lembram os
ideais dos Jogos Olímpicos Modernos.
Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro deverão reunir 10 500 atletas, homens e mulheres, de 206 países, para disputar 306 provas,
durante 17 dias. E, logo em seguida, ocorrerão as Paralimpíadas ou os Jogos Paralímpicos.
Desde a XVI Olimpíada da Era Moderna, em 1960, na cidade de Roma, logo após as Olimpíadas, e usando as mesmas instalações, se
realizam as Paralimpíadas. Em Roma, a I Paralimpíada reuniu 400 atletas e 23 delegações.
Cerimônia de Abertura das Olimpíadas de 1896
Estádio Panathinaiko, em Atenas, na Grécia.
http://www.edu.xunta.es/centros/iesmontemoas/galeria/albums/iesmontemoas/userpics/10003/normal_1_896_Olimpiada_
Grecia_Atenas_1_986_Estadio_Panathinaiko_Primeros_juegos_Olimp_de_la_modernidad.jpg
As pessoas com deficiência, muitas vezes discriminadas pela sociedade e
desmotivadas pela sua própria condição, encontram, nas Paralimpíadas, mais uma
oportunidade de elevar sua autoestima, direta ou indiretamente, e provam para todos o
seu valor como atletas e cidadãos.
Entre os atletas paralímpicos encontramos os que nasceram com alguma deficiência
e os que a adquiriram ao longo da vida. Há atletas com lesão medular, poliomielite,
amputação de pernas e de braços, deficiência visual e mental. Daniel Dias, o maior atleta
paralímpico do Brasil.
Fonte:http://f.i.uol.com.br/fotogr
afia/2012/09/07/187656-970x600-1.jpeg
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 5
Olímpia era uma das cidades da Grécia antiga. De Olímpia
partiam mensageiros, a cada quatro anos, em direção às demais
cidades gregas, anunciando a próxima realização dos jogos olímpicos
– isto é, os jogos da cidade de Olímpia. Os jogos eram
consagrados a Zeus, a divindade protetora da cidade e a maior das
divindades do Olimpo – a morada dos deuses, de acordo com a
Mitologia Grega.
Nessa época, uma trégua suspendia todas as hostilidades entre
as cidades, garantindo segurança aos participantes que se
deslocavam em direção a Olímpia e celebrando a paz – a paz
olímpica. A cerimônia de acendimento da tocha com o fogo
sagrado, no templo da deusa Hera, anunciava o começo dos jogos.
Durante cinco ou seis dias do mês de julho, os atletas participavam de
jogos ou competições atléticas, como o arremesso de disco, lutas,
corridas a cavalo ou em carros e representações dramáticas.
E COMO ERAM AS OLIMPÍADAS DA GRÉCIA NA ANTIGUIDADE?
www.zazzle.co.uk
Aos vencedores eram ofertadas coroas de ramos de oliveira ou de loureiro.
Ao retornar às suas cidades, eles eram aclamados pela multidão e recebiam novas homenagens.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 6
As Olimpíadas eram para os gregos um modo de prestar homenagem aos
deuses protetores de suas cidades e, principalmente, a Zeus.
Elas eram também uma forma de aproximar os habitantes das diferentes cidades.
E ainda um momento de valorização da saúde e do corpo saudável.
Observe a imagem à esquerda.
Ela reproduz a estátua do escultor grego Míron, intitulada Discóbolo, esculpida em
meados do século V a.C. Representa um atleta momentos antes de lançar um disco.
O que chama sua atenção nessa que é considerada por muitos a mais famosa
estátua de um desportista no mundo?
Nas Olimpíadas da Grécia Antiga somente os gregos ou helenos participavam das
competições, sendo delas excluídos os estrangeiros, os escravos e também as
mulheres, mesmo que elas tivessem nascido em uma cidade da Grécia Antiga.
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/foto/0,,15297858,00.jpg
Não sabemos com certeza quando ocorreram pela primeira vez os jogos da cidade de Olímpia. Porém, costuma-se dizer que os
primeiros jogos aconteceram no ano de 776 a. C., a partir da descoberta de um disco de pedra no templo de Hera, em Olímpia, que traz uma
inscrição sobre a paz entre as cidades durante os jogos.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 7
Neste momento da viagem, vamos comparar as Olimpíadas da Antiguidade às Olimpíadas Modernas,
completando o quadro abaixo.
OLIMPÍADAS DA ANTIGUIDADE OLIMPÍADAS MODERNAS
LOCAL DE REALIZAÇÃO
PERIODICIDADE
DURAÇÃO
PARTICIPANTES
IDEAIS OU OBJETIVOS DOS
JOGOS OLÍMPICOS
E, agora, responda se for capaz:
Se a primeira Olimpíada da Antiguidade ocorreu no ano 776 a. C., quantos anos depois acontecerão as Olimpíadas do Rio de Janeiro,
em 2016?
( ) 1240 anos. ( ) 3000 anos. ( ) 2792 anos. ( ) 1950 anos.
O que vocês concluíram? Quais as semelhanças entre as Olimpíadas da Antiguidade e as Olimpíadas atuais? E as diferenças?
Fazendo uma viagem diferente – em direção ao passado – podemos, mais uma vez, compreender que o passado é um tempo
distante. E também um tempo diferente do presente.
Comparando as experiências vividas pelos gregos ou helenos na Antiguidade e aquelas vividas por nós, nos dias atuais, concluímos que
existem permanências e também mudanças.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 8
Se alguém perguntar por que você é brasileiro, o que você responderá? E se a mesma pergunta for feita a um argentino, o que ele
dirá? Como são chamadas as pessoas nascidas em Portugal?
A Grécia atual é um país situado ao sul da Europa. Um indivíduo natural da Grécia (isto é, que nasceu na Grécia) é um grego, assim
como você diz ser brasileiro porque nasceu no Brasil.
Mas como era chamado aquele que nascia na Grécia Antiga?
Se você respondeu grego, não acertou! Mas também não errou completamente.
O que chamamos de Grécia Antiga era um conjunto de cidades-Estado, como Olímpia, Atenas, Esparta, Corinto, Tebas, Micenas e
inúmeras outras. Elas eram muito diferentes entre si e não formavam uma unidade política – um país, como o Brasil, Portugal, Argentina e
a própria Grécia atual.
Porém, cada um dos habitantes nascidos nessas cidades-Estado sentia-se parte de algo comum. Eles acreditavam ser descendentes
de um mesmo patriarca. Esse patriarca chamava-se Heleno. E por isso aqueles habitantes autodenominavam-se helenos.
GREGOS OU HELENOS?
Por terem uma mesma origem, os helenos identificavam pontos comuns entre si – a mesma
língua, costumes, hábitos, conhecimentos e crenças. Ou seja, eles sentiam-se como pertencendo a
uma mesma unidade cultural: a Hélade.
E esse era o nome dado à região que habitavam.
Você deve estar lembrado. A cada quatro anos, os jogos da cidade de Olímpia reafirmavam
a unidade cultural entre os helenos.
freepik
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 9
Mas por que chamamos os helenos de gregos?
Foram os antigos romanos que passaram a chamar os helenos de gregos –
ou melhor: graeci, em latim, a língua que falavam. Conquistando vários territórios e
formando um grande império, os romanos difundiram a língua latina.
E, assim, passaram a dar nomes latinos aos deuses, heróis e muitas outras
coisas dos helenos. Assim, Zeus passou a ser chamado Júpiter, Hera tornou-se
Juno e Atena, Minerva.
Porém, para os helenos, todo aquele que não falava a sua língua, não tinha
hábitos e costumes semelhantes aos seus era um bárbaro. Os bárbaros eram
estranhos (ou estrangeiros), assemelhavam-se a animais, fossem pessoas livres
ou escravas. Por essa razão eram excluídos dos jogos olímpicos, mas não apenas
deles.
ZEUS ou JÚPITER
https://www.pinterest.com/pin/246783254555329853/
Você deve estar lembrado do que aprendeu no caderno anterior.
Egípcios, babilônios, fenícios e outros povos do Antigo Oriente Próximo podem ser considerados bárbaros?
Devemos dizer que são bárbaras as pessoas cujos hábitos são diferentes dos nossos?
Converse a respeito com seus colegas e com seus Professores.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 10
Leia o mapa abaixo. Não deixe de começar pela leitura da legenda!
http://be.convdocs.org/pars_docs/refs/91/90479/90479_html_m4886df64.jpg
LEGENDA
1 – Grécia Peninsular (Peloponeso)
2 – Grécia Insular (Creta)
3 – Grécia Continental (Península Balcânica)
4 – Magna Grécia
5 – Grécia Asiática
6 – Mar Jônico
A GRÉCIA ANTIGA
1. PONTO DE PARTIDA
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 11
A partir de, aproximadamente, 1 800 a. C., povos de língua indoeuropeia do norte da
Europa começaram a migrar em direção ao sul. Em ondas sucessivas, de modo lento e quase
sempre pacífico, eles chegaram à Península Balcânica. Os primeiros foram os aqueus, que
conheciam o bronze e chamavam a si mesmos de “criadores de cavalos”. Eles expulsariam os
pelágios, os primeiros habitantes da região, que, utilizando instrumentos de pedra, cultivavam
as poucas terras férteis.
Em seguida, chegaram os eólios e os jônios. Os eólios diziam que seu nome vinha de
Éolo, deus dos ventos.
Quando chegaram à Grécia, os aqueus eram um conjunto de clãs ou famílias extensas. Cada família extensa era um genos. Um
conjunto de genos formava uma frátia; e um conjunto de frátias formava uma tribo. Cada genos era liderado por um pater (patriarca) que
exercia as funções de sacerdote, juiz e chefe militar. Ele tinha autoridade absoluta, inclusive de vida e de morte. Entre os membros de um
genos quase não havia diferenças sociais. O que mantinha a união daqueles que formavam o genos era o culto a um ancestral comum,
do qual todos acreditavam descender.
DEUSA CIBELE
http://mmvasosagrado.blogspot.com.br/2015_09_01_archive.html
Aqueus, eólios e jônios se localizaram em diversos pontos da Grécia continental e do
Peloponeso, onde sempre foram escassos os cereais e a madeira. Entre outros deuses, eles
honravam Cibele, a deusa que representava a natureza. Cibele, entre os romanos, tornou-se
Ceres, a deusa da natureza cultivada pelos homens. De seu nome deriva a palavra cereal em
nossa língua. Você saberia dizer o nome de dois cereais?
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 12
Mas tudo isso, aos poucos, começou a mudar...
O genos foi se transformando. E para essa transformação contribuiu o contato com outros povos, como os cretenses. Surgiu um rei
(basileus) e, a seu lado, uma nobreza.
O rei tornou-se um chefe militar e a nobreza era guerreira. Surgiram os escravos. Porém, senhores e escravos trabalhavam lado a lado e
os escravos faziam parte da família. Era a escravidão doméstica. Nas cidades de Micenas e Tirinto, no Peloponeso, foram construídos
grandes palácios.
Era a civilização aqueana ou micênica.
REPRESENTAÇÃO DA CIDADE DE ESPARTA
http://pashalis-genika.blogspot.com.br/2013/11/blog-post_2740.html
Por volta do ano 1200 a.C. – 600 anos depois! – uma
última onda de indoeuropeus chegou à península, mas não
de modo pacífico. Eram os dórios.
Eles conheciam o ferro e possuíam um modo de vida e
uma organização social que valorizava a atividade
guerreira.
Ao se localizarem no Peloponeso, eles destruíram e
incendiaram várias cidades e fundaram uma nova: Esparta.
A civilização aqueana ou micênica chegou ao fim.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 13
Os dórios forçaram o deslocamento daqueles primeiros gregos para outras regiões da Grécia e
para o litoral da Ásia Menor, onde surgiu a Grécia asiática. A essa migração forçada e à colonização de
novas terras dá-se o nome de Primeira Diáspora Grega. Chamamos de diáspora a dispersão de um
povo motivada pela perseguição de grupos dominadores intolerantes.
Aqueus, eólios, jônios e dórios foram os povos ou etnias formadoras dos helenos ou gregos.
Durante quase 18 séculos (1800 anos) os gregos viveriam muitas e variadas experiências
históricas. E sempre que narravam uma daquelas experiências, nelas estavam presentes deuses,
semideuses e heróis como Zeus, Cibele, Heleno, Hera, Éolo, Teseu e muitos outros... Narrativas que
misturavam acontecimentos reais a acontecimentos fantasiosos.
Para narrar ou contar as histórias da longa experiência vivida pelos gregos, os historiadores
classificam essas experiências em Períodos ou Épocas:
ESCULTURA DE UM SOLDADO DÓRIO
civilizacaoantiga.com
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 14
2. O PERÍODO PRÉ-HOMÉRICO
TESEU E O MINOTAURO
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mitologia–grega/teseu–5.php
Você conhece o mito do Minotauro?
Na mitologia grega, o MINOTAURO era uma criatura que tinha corpo de homem e
cabeça de touro. Era uma criatura selvagem. Ele morava no Labirinto, que foi
construído a pedido do rei Minos, de Creta, para manter o Minotauro bem longe do
povo. O labirinto era localizado sob o palácio de Minos, em Cnossos. Porém, ocorreu
que Androceu, filho de Minos, foi morto pelos atenienses, que invejaram suas vitórias
num festival esportivo.
Para vingar a morte de seu filho, Minos declarou guerra contra Atenas e venceu.
Ele então ordenou que sete moças e sete rapazes atenienses fossem enviados,
anualmente, para serem devorados pelo Minotauro. No terceiro ano do sacrifício, o
jovem Teseu voluntariou-se para ir e matar o monstro.
Ariadne, filha do rei Minos, apaixonou-se por Teseu e o ajudou, entregando-lhe
uma bola de linha de costura para que ele, marcando o caminho, pudesse sair do
labirinto. Teseu matou o Minotauro com uma espada mágica que Ariadne havia lhe
dado e liderou os outros atenienses para fora do labirinto.
Adaptado de “Os Grandes Contos Populares do Mundo”, organizado por
Flávio Monteiro da Costa. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 15
Você sabia que Teseu era o principal herói da cidade de Atenas? Para os gregos, um herói era
um personagem que, pela bravura, coragem e sabedoria, era diferente de seus semelhantes,
aproximando-se dos deuses e merecendo culto especial. Teseu é personagem de um mito.
Um mito não conta acontecimentos verídicos ou que realmente aconteceram. Narrados pelos
aedos (poetas ou cantores) e transmitidos, oralmente, de uma geração a outra, os mitos
explicavam aos que os ouviam a criação do universo, a origem dos povos ou um fato extraordinário,
como, por exemplo, uma epidemia que os deuses enviavam sobre um país como castigo por crimes
ou sacrilégios cometidos pelos habitantes, por um herói ou por um rei. E muitas outras coisas...
O que você achou do mito do Minotauro?
Para nós, os mitos têm uma importância diferente. Eles permitem saber como viviam os gregos, o que julgavam certo ou errado, o que
apreciavam como Belo etc. O mito do Minotauro, por exemplo, nos apresenta a época em que os cretenses dominavam o mar Egeu e em
que a ilha de Creta era o centro da civilização cretense ou minoica.
E não se espante: naquela época, a cidade de Atenas ainda não existia. Aproveite a oportunidade para saber, também, que os deuses
gregos não viviam no céu, mas no monte Olimpo. Embora fossem imortais, possuíam as qualidades e os defeitos dos humanos. Assim,
podiam ser questionados sem que isso representasse um sacrilégio.
http://sonhoesignificado.blogspot.com.br/2015/02/sonhar-com-minotauro-significado.html
MINOTAURO
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 16
perrengueiros.blogspot.com.br/
RUÍNAS DO PALÁCIO DE CNOSSOS
Muito antes de os aqueus, eólios e jônios chegarem à Península Balcânica, os
cretenses já exerciam intensa atividade comercial no mar Egeu e a ilha de Creta tornara-se a
primeira potência marítima a surgir no mar Mediterrâneo.
Os cretenses destacavam-se na metalurgia (construção de peças e estruturas metálicas),
na cerâmica e na produção de tecidos. Cultivavam a oliveira, a vinha e o trigo. E destacavam-se
no comércio, que se expandia pelos mares Egeu e Mediterrâneo.
Nas cidades da ilha foram construídos palácios que eram, ao mesmo tempo, residência do
soberano, armazéns, oficinas e fortes (construções destinadas a proteger um lugar estratégico).
Cnossos e Festos eram as cidades mais importantes.
O palácio de Cnossos era conhecido como o palácio do machado de dois gumes ou labyr. De labyr deriva o nome labirinto.
Um traço significativo da sociedade cretense era o papel privilegiado desempenhado pelas mulheres, o que se expressava na
religião. A principal divindade era a Grande Mãe, deusa da natureza que reinava sobre os animais e os vegetais. Não havia templos e o culto
realizava-se nas elevações, nas grutas, em volta das árvores e no palácio, sempre presidido por sacerdotisas.
O apogeu de Creta e da civilização cretense ou minoica parece ter ocorrido entre 1580 e 1450 a. C., quando teria reinado sobre toda
a ilha, em Cnossos, o rei Minos, muito provavelmente uma figura lendária.
Porém, a hegemonia de Cnossos era contestada pelas demais cidades, e as guerras entre elas aconteciam com frequência.
Enquanto isso, na Grécia, mudanças também aconteciam...
Ali surgira a civilização aqueana ou micênica que tinha, por centro, a cidade de Micenas (ver p. 12).
Com os cretenses, os aqueus tinham aprendido a navegar, entre inúmeras outras coisas. O nome basileus para designar o rei ou
soberano era de origem cretense. Por volta de 1450 a. C., os aqueus invadiram e conquistaram a ilha de Creta.
Porém, aproximadamente 300 anos depois, a chegada dos dórios poria fim à civilização aqueana ou micênica.
Os dórios também invadiram a ilha de Creta. A civilização cretense também chegava ao fim.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 17
Com a invasão dos dórios, teve início o Período Homérico ou os
Tempos Homéricos. Essa denominação vem de Homero, a quem é
atribuída a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia.
A Ilíada trata da Guerra de Troia e a Odisseia do retorno de Ulisses,
um herói aqueu, para a sua terra natal – Ítaca –, após lutar na guerra.
Ao que parece, Homero não existiu e o seu nome representa o conjunto
de aedos que narravam os acontecimentos da época.
Você já ouviu a expressão “um presente de grego”? O que ela quer
dizer? E conhece a história do “cavalo de Troia”? E a lenda de “Helena de
Troia?” Converse com o seu(sua) Professor(a) a respeito desses temas.
Ele(ela) poderá também lhe explicar o que é uma epopeia.
O Período Homérico estendeu-se até o século IX a.C. e, em seu
decorrer, a desagregação do genos foi acelerada, o que fez surgir diferentes
grupos sociais como a aristocracia, os demiurgos (artesãos especializados),
os tetas (aqueles que alugavam seus serviços por não possuir terras) e os
escravos, ainda pouco numerosos. Essas mudanças contribuiriam para o
surgimento da pólis. O que era uma pólis? HOMERO
commons.wikimedia.org
3. O PERÍODO HOMÉRICO
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 18
O Período Arcaico foi assinalado por vários acontecimentos, dos quais o
mais importante foi o surgimento da polis, a cidade-Estado grega.
Uma pólis era constituída por dois espaços principais: a Acrópole ‒ situada
em uma colina fortificada, onde ficava o templo da divindade, e a Ágora ‒ local
de reunião e das discussões políticas, ocasião em que era garantido o direito à
palavra e, assim, o direito de argumentar. A Ágora era também o mercado da
cidade.
Observe a imagem ao lado. Onde se encontram as pessoas nela
representadas: na Acrópole ou na Ágora?
www.agoragrega.com
A pólis grega era uma cidade-Estado muito diferente de uma cidade-Estado do Antigo Oriente Próximo. A invenção da pólis pelos
gregos foi também a invenção da política, bastando lembrar que a palavra política deriva de pólis.
Mas o Período Arcaico foi assinalado também por uma grave crise social. A desagregação do genos punha fim aos laços comunitários
que uniam os membros de uma mesma família. O fato de alguns membros do antigo genos se apropriarem das terras que antes eram
comuns, formando uma aristocracia, agravou a extrema pobreza de muitos homens e mulheres que migraram para as cidades onde nem
sempre encontravam ocupação. A alternativa, para muitos desses gregos, foi tentar uma nova vida em outros locais, no que foram, muitas
vezes, encorajados pelos governantes.
4. O PERÍODO ARCAICO
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 19
O Período Arcaico foi o período da
colonização grega, ou seja, o período de
criação de colônias no litoral do mar
Mediterrâneo e do mar Negro.
Entre outros locais, colônias foram
estabelecidas na península itálica e na Sicília,
dando origem à Magna Grécia.
Foi ainda nessa época que ocorreu o
declínio dos antigos monarcas e o surgimento
dos governos aristocráticos, isto é, daqueles
que eram considerados os melhores ou os mais
capacitados para governar a cidade. Mas a crise
social faria surgir os tiranos, que diziam poder
resolver os problemas dos menos favorecidos.
Durante o Período Arcaico, as cidades de
Atenas e Esparta foram se tornando cada vez
mais diferentes entre si, e isso ocorria porque
cada uma delas possuía modelos de organização
social e política diferentes.
Pela lei, os cidadãos
espartanos só
podiam guerrear ou
administrar a cidade.
Mas as artes, como a
poesia, a música e a
dança eram
praticadas na cidade
por homens e
mulheres.
As roupas dos espartanos tinham que ser
extremamente despojadas, pois vaidade era
proibida por lei. A única vaidade permitida aos
espartanos era deixar o cabelo crescer
http://guiadoestudante.abril.com.br/
http://guiadoestudante.abril.com.br/
http://guiadoestudante.abril.com.br/
http://guiadoestudante.abril.com.br/
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 20
O Período Clássico foi o período de apogeu da civilização grega.
Nele ocorreu outra invenção política grega: a democracia ou a forma de governo democrática.
Em épocas passadas, os gregos já tinham experimentado outras formas de governo. Ou seja, eles já tinham vivido outras formas de
relação entre o governante (aquele que governa) e os governados. Por isso podiam avaliar que existiam formas de governo positivas (ou
boas) e formas negativas (ou más).
Eles já tinham sido governados por UM governante: a MONARQUIA e a TIRANIA. E já tinham sido governados também por ALGUNS
governantes: a ARISTOCRACIA e a OLIGARQUIA.
Leia o quadro abaixo. Ele resume o que dissemos até agora.
QUALIDADE
POR QUEM
SOU GOVERNADO?
POSITIVA
(BOM GOVERNO)
NEGATIVA
(MAU GOVERNO)
UM MONARQUIA TIRANIA
ALGUNS
ARISTOCRACIA
(GOVERNO DOS “MELHORES” OU
“MAIS CAPACITADOS”)
OLIGARQUIA
(GOVERNO DA PLUTOCRACIA
OU DOS MAIS RICOS E PODEROSOS)
Agora, os gregos estavam aprendendo que era possível uma nova forma de governo. Era isso que as reformas realizadas por
Clístenes estavam demonstrando em Atenas, desde o final do século VI a.C.
5. O PERÍODO CLÁSSICO
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 21
http://image.slidesharecdn.com/histriaa1-140213161637-phpapp02/95/histria-a-modelo-ateniense-
8-638.jpg?cb=1392308363
Assim, nem todos os habitantes de Atenas eram cidadãos. Das discussões na Ágora ateniense não participavam os estrangeiros
(metecos) e os escravos. Daquelas discussões e decisões também não participavam as mulheres, mesmo que tivessem nascido em Atenas.
Você ainda está lembrado que os estrangeiros, os escravos e as mulheres também não participavam dos Jogos Olímpicos?
Os cidadãos atenienses achavam que, se os metecos, os escravos e as mulheres participassem das discussões e votações na Ágora, a
Democracia se tornaria uma forma negativa de governo.
Os metecos podiam ser comerciantes e artesãos, mas eles não podiam ser proprietários de terras. Os próprios cidadãos podiam sofrer a
pena do ostracismo, isto é, a suspensão ou cassação dos direitos políticos por dez anos. E é importante não esquecer que a base da
democracia ateniense era a escravidão.
A Grécia – cidades-Estado (Pólis)
A - Acrópole
B - Ágora
C - Zona Rural
D - Porto
Na Época Clássica, os atenienses estavam vivendo a
experiência de uma forma de governo diferente: a
DEMOCRACIA.
Reunidos na Ágora, os cidadãos participavam das
discussões que decidiam o destino político da pólis. A
Democracia era o governo da MAIORIA dos cidadãos. E
somente eram cidadãos os homens livres, filhos de pai
e mãe atenienses. Eles tinham direitos políticos e civis.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 22
Mas é importante não esquecer o seguinte: para a existência da Democracia
ateniense foi fundamental a obra dos legisladores. Eles escreveram e organizaram as leis
dos primitivos genos, que eram baseadas nos costumes. Agora, aquelas leis já adaptadas
ou modificadas estavam se tornando as leis da pólis.
Um dos primeiros legisladores foi Drácon, cujas leis eram excessivamente rigorosas.
Por isso, ainda hoje, é comum alguém dizer ser draconiana alguma lei ou uma medida
excessiva. Ainda assim, as leis de Dracon tinham uma grande vantagem: por serem
escritas e públicas (isto é, do conhecimento de todos), evitavam ou limitavam as
arbitrariedades dos mais poderosos, por ocasião dos julgamentos.
Sólon e Clístenes também foram legisladores e realizaram reformas políticas e
sociais que permitiram o triunfo da experiência democrática.
infoescola.com
SÓLONDRÁCON
CLÍSTENES
helenosylatinos.wordpress.com
jjhueso.blogspot.com
Agora, responda se for capaz:
Você aprendeu que foram várias as formas de governo inventadas pelos gregos. Mas os gregos não inventaram uma das formas de governo
mais adotadas pelos países no mundo atual. Você sabe qual é ela? Uma dica: ela é a forma de governo do Brasil desde 1889.
_______________________________________________________________________________________________________________
Você seria capaz de identificar duas diferenças entre a Democracia na Grécia Antiga e a Democracia em nosso país? Converse com seus
colegas e com seu Professor.
_________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________________________________________
Viver em sociedade é compartilhar determinadas regras, normas e leis. Elas definem os
direitos de cada um de nós. E também os nossos deveres. Em uma democracia, regras,
normas e leis devem ser iguais para todos e respeitadas por todos.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 23
Durante o Período Clássico, Atenas foi a mais importante das cidades gregas.
Sob a liderança de Atenas, as cidades gregas formaram uma aliança militar para combater e derrotar o invasor persa nas Guerras
Médicas ou Greco-Pérsicas, um longo conflito durante o século V a. C.
Esparta era uma cidade também importante, embora sua organização social e política permanecesse a mesma da Época Arcaica.
Esparta nunca teve uma forma de governo democrática.
O prestígio dos espartanos residia no poderio militar da cidade, que tinha nos esparciatas ou homoioi (os “iguais”) o grupo social
privilegiado. Desde cedo, os meninos espartanos eram treinados para a guerra. E, desde os sete anos de idade, as meninas participavam
de atividades físicas com o objetivo de formar um corpo saudável para gerar filhos sadios e vigorosos para a guerra.
As rivalidades entre Atenas e Esparta culminaram na
Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.). Então, duas ligas de
cidades foram formadas: a Liga do Peloponeso, liderada por
Esparta, e a Liga de Delos, liderada por Atenas. A vitória da Liga
do Peloponeso garantiu, desde então, a Esparta a liderança no
mundo grego. Porém, os prolongados conflitos da guerra
enfraqueceram as cidades-Estado gregas.
Todavia, se é comum dizer que a Época Clássica foi o
período de apogeu da civilização grega, tal não se deve apenas
à experiência democrática. A Época Clássica foi também o
momento de importantes criações culturais pelos gregos – a
literatura, a política, a filosofia, a historiografia, a arquitetura, a
escultura, a matemática, a geometria, o teatro, além de várias
outras.
SOLDADOS DA CIDADE DE ESPARTA
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 24
Em 338 a.C., na batalha de Queroneia, as forças de Filipe II da Macedônia derrotaram uma coligação composta
por Atenas e Tebas. Iniciava-se o Período Helenístico da experiência histórica dos gregos na Antiguidade, que se
estendeu até o ano 146 a.C.
Seu filho – Alexandre, o Grande ‒ por meio de conquistas militares e da fundação de cidades, muitas delas
denominadas Alexandria, ampliou os limites da cultura grega, fundamento do seu ideal de um império universal, não
realizado. O surgimento de uma cultura helenística era a síntese da cultura grega clássica e das tradições orientais.
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=32238
ALEXANDRE
6. O PERÍODO HELENÍSTICO
ATENAS
A cidade de Atenas localizava-se na Ática, uma região da Grécia continental.
O nome da cidade homenageava Atena, a deusa grega da sabedoria e da inteligência. Retratada na
imagem ao lado, Atena era a deusa Minerva dos romanos.
Ao nascer, já investida de capacete e armadura, Atena emitiu um grito de guerra. Deusa guerreira, o que
lhe interessava não era a batalha ou o combate sangrento, mas sim a arte bélica (da guerra), que exigia
sabedoria e inteligência.
Porém, ao contrário de Esparta – a cidade que era sua maior rival e que se tornara famosa por valorizar o
militarismo – Atenas ficaria conhecida pela valorização da cultura.
Em Atenas, a experiência de um governo democrático foi possível pela passagem da sociedade
aristocrática do Período Arcaico para a do Período Clássico, na qual os cidadãos ocupavam posição
destacada.
https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/36/Atena-Giustiniani---Vatican.jpg
ESTÁTUA
DA DEUSA ATENA
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 25
• EUPÁTRIDAS: formavam a aristocracia, ou seja, a classe mais
poderosa.
• GEOMORES: eram os pequenos agricultores.
• DEMIURGOS: classe composta pelos artesãos.
• METECOS: eram os estrangeiros.
• ESCRAVOS: geralmente obtidos entre os povos derrotados
nas batalhas e, em menor número, aqueles que não
honrassem suas dívidas.
A SOCIEDADE ATENIENSE
• CIDADÃOS: filhos de pai e mãe atenienses. Tinham todos os
direitos garantidos. Eram livres.
• METECOS: estrangeiros ou nascidos na Ática de pais não
cidadãos. Como os cidadãos livres, participavam do serviço militar
e pagavam impostos, porém não participavam da vida política.
Sendo artesãos e comerciantes, podiam ter riqueza e prestígio.
• ESCRAVOS: maior parte da população da Ática. Faziam todos os
serviços. Eram filhos de escravos ou prisioneiros de guerra.
Podiam ser emancipados (serem libertos), mas não se tornavam
cidadãos.
avidanagreciantiga.wordpress.com
UM ESCRAVO EM SEU TRABALHODEMIURGOS
sigloscuriosos.blogspot.com
ANTES DA DEMOCRACIA NA ERA CLÁSSICA (DEMOCRÁTICA)
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 26
A sociedade ateniense na ERA CLÁSSICA
1 - Complete as lacunas:
2 - Leia as afirmativas e coloque V (verdadeiro) ou F (falso). Justifique as respostas que você considerar falsas.
( ) Alguns cidadãos eram livres.
_______________________________________________________________
( ) Livres e escravos compunham a sociedade ateniense no século V a.C.
_______________________________________________________________
( ) Todos os cidadãos e metecos eram livres.
_______________________________________________________________
( ) Alguns metecos eram estrangeiros.
_______________________________________________________________
( ) Todos os habitantes de Atenas, na Era Clássica, eram livres.
_______________________________________________________________
planetaeducacao.com.br
Homens livres em Atenas = cidadãos + _______________________ .
Cidadãos + metecos + _______________________ = sociedade de Atenas na Era Clássica.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 27
Oapogeu de Atenas ocorreu durante o governo de Péricles, no século V a.C.
Foi durante seu governo que a democracia ateniense teria alcançado o seu
apogeu, o que era complementado pelo apoio de Péricles às atividades culturais.
Considerado por Tucídides ‒ um dos historiadores gregos ‒ “o primeiro cidadão de
Atenas”, Péricles foi o responsável pelas construções que embelezaram a Acrópole de
Atenas – em especial, o Partenon, o templo em honra da deusa Atena ‒, o que tornou
famosas a Acrópole e a cidade desde o mundo antigo. As obras realizadas permitiram
dar emprego à população pobre de uma cidade onde eram numerosos os escravos. O PARTENON, EM ATENAS
(TEMPLO EM HONRA DA DEUSA ATENA).
http://2.bp.blogspot.com/-SJiifqLxIgo/U8CJYq6kc0I/AAAA
AAAACdM/LKnCF4gfwxA/s1600/acropole+-+Atenas+1.jpg
Você já deve ter ouvido alguém dizer esta frase. Quando não
entendemos alguma coisa é comum nós nos lembrarmos dos gregos. Mas
por quê? O português é uma língua de origem latina, mas muitas palavras
usadas em nosso vocabulário têm, no idioma grego, a sua origem.
Democracia é um exemplo. Em grego, demos quer dizer povo e kratos,
poder. A junção das duas palavras resultou em DEMOCRACIA, o poder
do povo. Outro exemplo é a palavra alfabeto. No idioma grego, alfa e beta
eram as suas duas primeiras letras, sabia? Daí surgiu a palavra alfabeto.
ALFABETO GREGO
profwillian.com
“Ih, parece que você está falando grego!”
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 28
Pouco a pouco, sozinho ou com a ajuda de seu(sua) Professor(a), você foi percorrendo as páginas deste caderno, aprendendo coisas,
conhecendo personagens, observando e lendo imagens.
Muitas dessas imagens reproduzem obras dos próprios gregos e expressam as experiências por eles vividas, como, por exemplo, uma
escultura e uma cerâmica.
Observe as imagens. Elas reproduzem duas esculturas de autores desconhecidos.
A VÊNUS DE MILO,
de autor
desconhecido,
data,
aproximadamente,
do ano 100 a.C.. É
uma das mais
famosas esculturas
do mundo.
Encontra-se em
exposição no
Museu do Louvre,
em Paris, na
França.
A VITÓRIA DE
SAMOTRÁCIA,
também de
autor
desconhecido,
data,
aproximadament
e, do ano 190
a.C.. É outra obra
exemplar da arte
grega. Encontra-
se, também, no
Museu do
Louvre.
br.freepik.com
http://passapalavra.info
Um dos principais escultores gregos foi Fídias, autor de uma das estátuas da deusa Atena e de muitas outras obras.
A CULTURA GREGA
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 29
Originária de Corinto, durante o início do século VII a.C, foi introduzida em Atenas posteriormente.
Outras notáveis figuras negras existiam em olarias de Esparta e de outras cidades da Grécia Oriental.
Adaptado de http://sobregrecia.com
A cerâmica figura-negra é um estilo de pintura antiga em que a decoração
aparece como silhuetas negras sobre fundo vermelho.
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 30
As imagens abaixo representam Ésquilo, Sófocles e Eurípides, três autores do teatro antigo. E os três principais gêneros eram a
tragédia, a comédia e o drama satírico. Sófocles é o autor de Antígona, Édipo Rei e Elektra.
Abaixo aparecem representados Sócrates, Platão e Aristóteles, os três mais importantes filósofos gregos.
Apresentada por Pitágoras, um dos primeiros filósofos gregos, como o amor pela sabedoria, experimentado pelo ser humano consciente
de sua própria ignorância, a filosofia é uma das importantes invenções dos gregos.
educacao.uol.com.br
Sófocles (495 a.C./405 a.C.) Eurípedes (480 a.C./406 a.C.)
portalsaofrancisco.com.br
Ésquilo (525 a.C./ 456 a.C)
portalsaofrancisco.com.br
portalsaofrancisco.com.br
PLATÃOSÓCRATES
educacao.uol.com.br
ARISTÓTELES
3.° BIMESTRE - 2016
PÁGINA 31
cienciae.blogspot.com
GAIA
GAIA, a Mãe-Terra. De acordo com Hesíodo, no princípio, era o Caos (o vazio, matéria eterna, sem forma
definida). Depois, surgiram Gaia, a Terra; Eros, o amor; Érebo, as trevas; Tártaro, o abismo; e Nix , a noite.
Ao lado de Homero e da Ilíada e da Odisseia, situam-se Hesíodo e o poema-épico Teogonia,
que lhe é atribuído.
A Teogonia (teo = deus) narra o surgimento do mundo e, também, dos deuses. A este tipo de
narrativa damos o nome de cosmogonia.
Como aedos, Homero e Hesíodo compuseram canções que eram transmitidas de geração a
geração, e assim permitiam aos homens e mulheres gregos compreender e estar no mundo – isto
é, em GAIA, sua morada.
MITO E RELIGIÃO
Volte, agora, à p. 14. Releia o mito do Minotauro.
E não deixe de reler, também, na p. 15, o que vem a seguir a respeito de mito e dos deuses gregos.
Agora, podemos continuar?
Os gregos eram politeístas como os povos do Antigo Oriente Próximo, com exceção dos hebreus.
Mas os deuses gregos, embora fossem imortais, possuíam as qualidades e os defeitos dos humanos. Assim, podiam ser
questionados sem que isso representasse um sacrilégio. O mesmo acontecia com os semideuses, assim denominados porque eram filhos de
um deus com uma mortal ou de um homem com uma deusa. Você também já sabe que os deuses gregos não viviam no céu, e sim no Monte
Olimpo. Ao conjunto de narrativas sobre deuses, semideuses, heróis, patriarcas e outros mais damos o nome de mitologia (logia – estudo, ou
seja, estudo dos mitos).
Você já conhece a Ilíada e a Odisseia, os textos atribuídos a Homero, que permitiam aos gregos conhecer as experiências vividas pelos
seus antepassados?
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Aula de história – 6º ano grecia antiga
Aula de história – 6º ano   grecia antigaAula de história – 6º ano   grecia antiga
Aula de história – 6º ano grecia antiga
stelawstel
 

Destaque (13)

Mesopotâmia: terra entre rios
Mesopotâmia: terra entre riosMesopotâmia: terra entre rios
Mesopotâmia: terra entre rios
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Egito: presente do Nilo
Egito: presente do NiloEgito: presente do Nilo
Egito: presente do Nilo
 
O mundo de Homero
O mundo de HomeroO mundo de Homero
O mundo de Homero
 
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
 
Roma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à RepúblicaRoma Antiga - Da Monarquia à República
Roma Antiga - Da Monarquia à República
 
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano
Caderno Pedagógico de História - 9º AnoCaderno Pedagógico de História - 9º Ano
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano
Caderno Pedagógico de História - 7º AnoCaderno Pedagógico de História - 7º Ano
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano
 
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 7º Ano/4º Bimestre
 
O Trabalhismo na Era Vargas
O Trabalhismo na Era VargasO Trabalhismo na Era Vargas
O Trabalhismo na Era Vargas
 
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 9º Ano/4º Bimestre
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
Aula de história – 6º ano grecia antiga
Aula de história – 6º ano   grecia antigaAula de história – 6º ano   grecia antiga
Aula de história – 6º ano grecia antiga
 

Semelhante a Caderno Pedagógico de História - 6º Ano

Olimpíadas de Londres 2012
Olimpíadas de Londres 2012Olimpíadas de Londres 2012
Olimpíadas de Londres 2012
29setembro
 
Jogos Olimpícos
Jogos OlimpícosJogos Olimpícos
Jogos Olimpícos
jojopipi
 

Semelhante a Caderno Pedagógico de História - 6º Ano (20)

PESQUISA SOBRE OS JOGOS OLÍMPICOS
PESQUISA SOBRE OS JOGOS OLÍMPICOSPESQUISA SOBRE OS JOGOS OLÍMPICOS
PESQUISA SOBRE OS JOGOS OLÍMPICOS
 
Projeto olimpíadas dom oscar 2016
Projeto olimpíadas dom oscar 2016Projeto olimpíadas dom oscar 2016
Projeto olimpíadas dom oscar 2016
 
Projeto olimpiadas-dom-oscar-2016
Projeto olimpiadas-dom-oscar-2016Projeto olimpiadas-dom-oscar-2016
Projeto olimpiadas-dom-oscar-2016
 
Olimpíadas de Londres 2012
Olimpíadas de Londres 2012Olimpíadas de Londres 2012
Olimpíadas de Londres 2012
 
Jogos olímpicos 5º b
Jogos olímpicos 5º bJogos olímpicos 5º b
Jogos olímpicos 5º b
 
Palavra jovem n 07 2013
Palavra jovem n 07 2013Palavra jovem n 07 2013
Palavra jovem n 07 2013
 
Palavra jovem n 07 2013
Palavra jovem n 07 2013Palavra jovem n 07 2013
Palavra jovem n 07 2013
 
História dos jogos olímpicos
História dos jogos olímpicosHistória dos jogos olímpicos
História dos jogos olímpicos
 
Jogos olímpicos
Jogos olímpicosJogos olímpicos
Jogos olímpicos
 
Art olimpica
Art olimpicaArt olimpica
Art olimpica
 
Jogos olímpicos
Jogos olímpicosJogos olímpicos
Jogos olímpicos
 
Jogos Olimpícos
Jogos OlimpícosJogos Olimpícos
Jogos Olimpícos
 
Perfect
PerfectPerfect
Perfect
 
Jogos Olímpicos.pptx
Jogos Olímpicos.pptxJogos Olímpicos.pptx
Jogos Olímpicos.pptx
 
101 grecia antiga periodo obscuro e colonizacão grega
101 grecia antiga periodo obscuro e colonizacão grega101 grecia antiga periodo obscuro e colonizacão grega
101 grecia antiga periodo obscuro e colonizacão grega
 
Jogos do Rio 2016
Jogos do Rio 2016Jogos do Rio 2016
Jogos do Rio 2016
 
Paralimpiedas
ParalimpiedasParalimpiedas
Paralimpiedas
 
Olympics beijing
Olympics beijingOlympics beijing
Olympics beijing
 
Jogos olímpicos
Jogos olímpicosJogos olímpicos
Jogos olímpicos
 
Jogos Olímpicos
Jogos OlímpicosJogos Olímpicos
Jogos Olímpicos
 

Mais de Patrícia Costa Grigório

Mais de Patrícia Costa Grigório (20)

O iiLUMINISMO
O iiLUMINISMOO iiLUMINISMO
O iiLUMINISMO
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
O Absolutismo e o Mercantilismo
O Absolutismo e o MercantilismoO Absolutismo e o Mercantilismo
O Absolutismo e o Mercantilismo
 
Povoamento do América
Povoamento do AméricaPovoamento do América
Povoamento do América
 
Unificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e AlemãUnificação Italiana e Alemã
Unificação Italiana e Alemã
 
Introdução ao Estudo da História
Introdução ao Estudo da HistóriaIntrodução ao Estudo da História
Introdução ao Estudo da História
 
Origens do Cristianismo
Origens do CristianismoOrigens do Cristianismo
Origens do Cristianismo
 
A Igrea Medieval
A Igrea MedievalA Igrea Medieval
A Igrea Medieval
 
O fim do Império Romano
O fim do Império RomanoO fim do Império Romano
O fim do Império Romano
 
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 8º Ano/4º Bimestre
 
A grécia das cidades
A grécia das cidadesA grécia das cidades
A grécia das cidades
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de PortugalAs guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
As guerras de Reconquista e a formação do Reino de Portugal
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
As primeiras cidades
As primeiras cidadesAs primeiras cidades
As primeiras cidades
 
A Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagensA Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagens
 
Tesouros da mesopotâmia
Tesouros da mesopotâmiaTesouros da mesopotâmia
Tesouros da mesopotâmia
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 

Caderno Pedagógico de História - 6º Ano

  • 1.
  • 2. 3.° BIMESTRE - 2016 As mascotes Vinicius e Tom estão torcendo para que você ganhe medalha de ouro na luta contra o Aedes aegypti! Agora ele não transmite só a Dengue, mas Zika e Chikungunya também. Rio2016.com Behance.com Dengue.gob.br Contatos CED: mariamcunha@rioeduca.net - nazareth@rioeduca.net Telefones: 2976-2301 / 2976-2302 EDUARDO PAES PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO REGINA HELENA DINIZ BOMENY SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO JUREMA HOLPERIN SUBSECRETARIA DE ENSINO MARIA DE NAZARETH MACHADO DE BARROS VASCONCELLOS COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO MARIA DE FÁTIMA CUNHA COORDENADORIA TÉCNICA ILMAR ROHLOFF DE MATTOS CONSULTORIA ILMAR ROHLOFF DE MATTOS JAIME PACHECO DOS SANTOS LUCIO CARVALHO IGNACIO ROBERTO ANUNCIAÇÃO ANTUNES ELABORAÇÃO LEILA CUNHA DE OLIVEIRA REVISÃO FÁBIO DA SILVA JULIA LYS DE LISBOA MARCELO ALVES COELHO JÚNIOR DESIGN GRÁFICO EDIGRÁFICA IMPRESSÃO
  • 3. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 3 DOS JOGOS OLÍMPICOS DO RIO DE JANEIRO À GRÉCIA ANTIGA: UMA VIAGEM DIFERENTE Quantas vezes você já viu, nos últimos dias, a imagem acima: cinco anéis ou aros entrelaçados e de cores diferentes, sempre sobre um fundo branco? Muitas vezes, provavelmente. O que você sabe sobre essa imagem? Converse com os colegas a respeito do símbolo das Olimpíadas Modernas. Vocês podem pedir ajuda a seu(sua) Professor(a), se necessário. Por que cinco aros ou anéis entrelaçados? Por que seis cores: azul, amarelo, preto, verde, vermelho e branco? Por que damos o nome Olimpíadas – ou Jogos Olímpicos – a este acontecimento extraordinário e previsto que ocorre a cada quatro anos? Por que os Jogos Olímpicos sempre são realizados em uma cidade – como o Rio de Janeiro, em 2016? As respostas dadas por vocês são o ponto de partida de uma viagem diferente e fascinante: uma viagem no tempo! Do presente em direção ao passado: das Olimpíadas modernas, como a atual em nossa cidade, às Olimpíadas na Grécia na Antiguidade, há quase 3000 anos! As Olimpíadas Modernas aconteceram, pela primeira vez, na cidade de Atenas, capital da Grécia, no ano de 1896. Seu principal idealizador – o Barão Pierre de Coubertin – queria reviver as Olimpíadas realizadas pelos gregos na Antiguidade. E essa foi a razão da escolha da cidade de Atenas para sede da primeira Olimpíada Moderna, da qual participaram atletas de vários países. Mas foi somente nas Olimpíadas de Estocolmo, capital da Suécia, em 1912, que os Jogos Olímpicos reuniram, pela primeira vez, atletas dos cinco continentes.
  • 4. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 4 Para registrar a importância de um acontecimento que aproximava povos e nações de cinco continentes, no ano seguinte, o Barão teve a ideia dos cinco aros ou anéis entrelaçados. Desde então, a bandeira branca com os anéis tornou-se um dos símbolos olímpicos, ao lado de outros dois: o lema “Citius, Altus, Fortius” (Mais rápido, Mais alto, Mais forte) e a tocha olímpica. Eles nos lembram os ideais dos Jogos Olímpicos Modernos. Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro deverão reunir 10 500 atletas, homens e mulheres, de 206 países, para disputar 306 provas, durante 17 dias. E, logo em seguida, ocorrerão as Paralimpíadas ou os Jogos Paralímpicos. Desde a XVI Olimpíada da Era Moderna, em 1960, na cidade de Roma, logo após as Olimpíadas, e usando as mesmas instalações, se realizam as Paralimpíadas. Em Roma, a I Paralimpíada reuniu 400 atletas e 23 delegações. Cerimônia de Abertura das Olimpíadas de 1896 Estádio Panathinaiko, em Atenas, na Grécia. http://www.edu.xunta.es/centros/iesmontemoas/galeria/albums/iesmontemoas/userpics/10003/normal_1_896_Olimpiada_ Grecia_Atenas_1_986_Estadio_Panathinaiko_Primeros_juegos_Olimp_de_la_modernidad.jpg As pessoas com deficiência, muitas vezes discriminadas pela sociedade e desmotivadas pela sua própria condição, encontram, nas Paralimpíadas, mais uma oportunidade de elevar sua autoestima, direta ou indiretamente, e provam para todos o seu valor como atletas e cidadãos. Entre os atletas paralímpicos encontramos os que nasceram com alguma deficiência e os que a adquiriram ao longo da vida. Há atletas com lesão medular, poliomielite, amputação de pernas e de braços, deficiência visual e mental. Daniel Dias, o maior atleta paralímpico do Brasil. Fonte:http://f.i.uol.com.br/fotogr afia/2012/09/07/187656-970x600-1.jpeg
  • 5. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 5 Olímpia era uma das cidades da Grécia antiga. De Olímpia partiam mensageiros, a cada quatro anos, em direção às demais cidades gregas, anunciando a próxima realização dos jogos olímpicos – isto é, os jogos da cidade de Olímpia. Os jogos eram consagrados a Zeus, a divindade protetora da cidade e a maior das divindades do Olimpo – a morada dos deuses, de acordo com a Mitologia Grega. Nessa época, uma trégua suspendia todas as hostilidades entre as cidades, garantindo segurança aos participantes que se deslocavam em direção a Olímpia e celebrando a paz – a paz olímpica. A cerimônia de acendimento da tocha com o fogo sagrado, no templo da deusa Hera, anunciava o começo dos jogos. Durante cinco ou seis dias do mês de julho, os atletas participavam de jogos ou competições atléticas, como o arremesso de disco, lutas, corridas a cavalo ou em carros e representações dramáticas. E COMO ERAM AS OLIMPÍADAS DA GRÉCIA NA ANTIGUIDADE? www.zazzle.co.uk Aos vencedores eram ofertadas coroas de ramos de oliveira ou de loureiro. Ao retornar às suas cidades, eles eram aclamados pela multidão e recebiam novas homenagens.
  • 6. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 6 As Olimpíadas eram para os gregos um modo de prestar homenagem aos deuses protetores de suas cidades e, principalmente, a Zeus. Elas eram também uma forma de aproximar os habitantes das diferentes cidades. E ainda um momento de valorização da saúde e do corpo saudável. Observe a imagem à esquerda. Ela reproduz a estátua do escultor grego Míron, intitulada Discóbolo, esculpida em meados do século V a.C. Representa um atleta momentos antes de lançar um disco. O que chama sua atenção nessa que é considerada por muitos a mais famosa estátua de um desportista no mundo? Nas Olimpíadas da Grécia Antiga somente os gregos ou helenos participavam das competições, sendo delas excluídos os estrangeiros, os escravos e também as mulheres, mesmo que elas tivessem nascido em uma cidade da Grécia Antiga. http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/foto/0,,15297858,00.jpg Não sabemos com certeza quando ocorreram pela primeira vez os jogos da cidade de Olímpia. Porém, costuma-se dizer que os primeiros jogos aconteceram no ano de 776 a. C., a partir da descoberta de um disco de pedra no templo de Hera, em Olímpia, que traz uma inscrição sobre a paz entre as cidades durante os jogos.
  • 7. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 7 Neste momento da viagem, vamos comparar as Olimpíadas da Antiguidade às Olimpíadas Modernas, completando o quadro abaixo. OLIMPÍADAS DA ANTIGUIDADE OLIMPÍADAS MODERNAS LOCAL DE REALIZAÇÃO PERIODICIDADE DURAÇÃO PARTICIPANTES IDEAIS OU OBJETIVOS DOS JOGOS OLÍMPICOS E, agora, responda se for capaz: Se a primeira Olimpíada da Antiguidade ocorreu no ano 776 a. C., quantos anos depois acontecerão as Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016? ( ) 1240 anos. ( ) 3000 anos. ( ) 2792 anos. ( ) 1950 anos. O que vocês concluíram? Quais as semelhanças entre as Olimpíadas da Antiguidade e as Olimpíadas atuais? E as diferenças? Fazendo uma viagem diferente – em direção ao passado – podemos, mais uma vez, compreender que o passado é um tempo distante. E também um tempo diferente do presente. Comparando as experiências vividas pelos gregos ou helenos na Antiguidade e aquelas vividas por nós, nos dias atuais, concluímos que existem permanências e também mudanças.
  • 8. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 8 Se alguém perguntar por que você é brasileiro, o que você responderá? E se a mesma pergunta for feita a um argentino, o que ele dirá? Como são chamadas as pessoas nascidas em Portugal? A Grécia atual é um país situado ao sul da Europa. Um indivíduo natural da Grécia (isto é, que nasceu na Grécia) é um grego, assim como você diz ser brasileiro porque nasceu no Brasil. Mas como era chamado aquele que nascia na Grécia Antiga? Se você respondeu grego, não acertou! Mas também não errou completamente. O que chamamos de Grécia Antiga era um conjunto de cidades-Estado, como Olímpia, Atenas, Esparta, Corinto, Tebas, Micenas e inúmeras outras. Elas eram muito diferentes entre si e não formavam uma unidade política – um país, como o Brasil, Portugal, Argentina e a própria Grécia atual. Porém, cada um dos habitantes nascidos nessas cidades-Estado sentia-se parte de algo comum. Eles acreditavam ser descendentes de um mesmo patriarca. Esse patriarca chamava-se Heleno. E por isso aqueles habitantes autodenominavam-se helenos. GREGOS OU HELENOS? Por terem uma mesma origem, os helenos identificavam pontos comuns entre si – a mesma língua, costumes, hábitos, conhecimentos e crenças. Ou seja, eles sentiam-se como pertencendo a uma mesma unidade cultural: a Hélade. E esse era o nome dado à região que habitavam. Você deve estar lembrado. A cada quatro anos, os jogos da cidade de Olímpia reafirmavam a unidade cultural entre os helenos. freepik
  • 9. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 9 Mas por que chamamos os helenos de gregos? Foram os antigos romanos que passaram a chamar os helenos de gregos – ou melhor: graeci, em latim, a língua que falavam. Conquistando vários territórios e formando um grande império, os romanos difundiram a língua latina. E, assim, passaram a dar nomes latinos aos deuses, heróis e muitas outras coisas dos helenos. Assim, Zeus passou a ser chamado Júpiter, Hera tornou-se Juno e Atena, Minerva. Porém, para os helenos, todo aquele que não falava a sua língua, não tinha hábitos e costumes semelhantes aos seus era um bárbaro. Os bárbaros eram estranhos (ou estrangeiros), assemelhavam-se a animais, fossem pessoas livres ou escravas. Por essa razão eram excluídos dos jogos olímpicos, mas não apenas deles. ZEUS ou JÚPITER https://www.pinterest.com/pin/246783254555329853/ Você deve estar lembrado do que aprendeu no caderno anterior. Egípcios, babilônios, fenícios e outros povos do Antigo Oriente Próximo podem ser considerados bárbaros? Devemos dizer que são bárbaras as pessoas cujos hábitos são diferentes dos nossos? Converse a respeito com seus colegas e com seus Professores.
  • 10. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 10 Leia o mapa abaixo. Não deixe de começar pela leitura da legenda! http://be.convdocs.org/pars_docs/refs/91/90479/90479_html_m4886df64.jpg LEGENDA 1 – Grécia Peninsular (Peloponeso) 2 – Grécia Insular (Creta) 3 – Grécia Continental (Península Balcânica) 4 – Magna Grécia 5 – Grécia Asiática 6 – Mar Jônico A GRÉCIA ANTIGA 1. PONTO DE PARTIDA
  • 11. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 11 A partir de, aproximadamente, 1 800 a. C., povos de língua indoeuropeia do norte da Europa começaram a migrar em direção ao sul. Em ondas sucessivas, de modo lento e quase sempre pacífico, eles chegaram à Península Balcânica. Os primeiros foram os aqueus, que conheciam o bronze e chamavam a si mesmos de “criadores de cavalos”. Eles expulsariam os pelágios, os primeiros habitantes da região, que, utilizando instrumentos de pedra, cultivavam as poucas terras férteis. Em seguida, chegaram os eólios e os jônios. Os eólios diziam que seu nome vinha de Éolo, deus dos ventos. Quando chegaram à Grécia, os aqueus eram um conjunto de clãs ou famílias extensas. Cada família extensa era um genos. Um conjunto de genos formava uma frátia; e um conjunto de frátias formava uma tribo. Cada genos era liderado por um pater (patriarca) que exercia as funções de sacerdote, juiz e chefe militar. Ele tinha autoridade absoluta, inclusive de vida e de morte. Entre os membros de um genos quase não havia diferenças sociais. O que mantinha a união daqueles que formavam o genos era o culto a um ancestral comum, do qual todos acreditavam descender. DEUSA CIBELE http://mmvasosagrado.blogspot.com.br/2015_09_01_archive.html Aqueus, eólios e jônios se localizaram em diversos pontos da Grécia continental e do Peloponeso, onde sempre foram escassos os cereais e a madeira. Entre outros deuses, eles honravam Cibele, a deusa que representava a natureza. Cibele, entre os romanos, tornou-se Ceres, a deusa da natureza cultivada pelos homens. De seu nome deriva a palavra cereal em nossa língua. Você saberia dizer o nome de dois cereais?
  • 12. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 12 Mas tudo isso, aos poucos, começou a mudar... O genos foi se transformando. E para essa transformação contribuiu o contato com outros povos, como os cretenses. Surgiu um rei (basileus) e, a seu lado, uma nobreza. O rei tornou-se um chefe militar e a nobreza era guerreira. Surgiram os escravos. Porém, senhores e escravos trabalhavam lado a lado e os escravos faziam parte da família. Era a escravidão doméstica. Nas cidades de Micenas e Tirinto, no Peloponeso, foram construídos grandes palácios. Era a civilização aqueana ou micênica. REPRESENTAÇÃO DA CIDADE DE ESPARTA http://pashalis-genika.blogspot.com.br/2013/11/blog-post_2740.html Por volta do ano 1200 a.C. – 600 anos depois! – uma última onda de indoeuropeus chegou à península, mas não de modo pacífico. Eram os dórios. Eles conheciam o ferro e possuíam um modo de vida e uma organização social que valorizava a atividade guerreira. Ao se localizarem no Peloponeso, eles destruíram e incendiaram várias cidades e fundaram uma nova: Esparta. A civilização aqueana ou micênica chegou ao fim.
  • 13. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 13 Os dórios forçaram o deslocamento daqueles primeiros gregos para outras regiões da Grécia e para o litoral da Ásia Menor, onde surgiu a Grécia asiática. A essa migração forçada e à colonização de novas terras dá-se o nome de Primeira Diáspora Grega. Chamamos de diáspora a dispersão de um povo motivada pela perseguição de grupos dominadores intolerantes. Aqueus, eólios, jônios e dórios foram os povos ou etnias formadoras dos helenos ou gregos. Durante quase 18 séculos (1800 anos) os gregos viveriam muitas e variadas experiências históricas. E sempre que narravam uma daquelas experiências, nelas estavam presentes deuses, semideuses e heróis como Zeus, Cibele, Heleno, Hera, Éolo, Teseu e muitos outros... Narrativas que misturavam acontecimentos reais a acontecimentos fantasiosos. Para narrar ou contar as histórias da longa experiência vivida pelos gregos, os historiadores classificam essas experiências em Períodos ou Épocas: ESCULTURA DE UM SOLDADO DÓRIO civilizacaoantiga.com
  • 14. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 14 2. O PERÍODO PRÉ-HOMÉRICO TESEU E O MINOTAURO http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mitologia–grega/teseu–5.php Você conhece o mito do Minotauro? Na mitologia grega, o MINOTAURO era uma criatura que tinha corpo de homem e cabeça de touro. Era uma criatura selvagem. Ele morava no Labirinto, que foi construído a pedido do rei Minos, de Creta, para manter o Minotauro bem longe do povo. O labirinto era localizado sob o palácio de Minos, em Cnossos. Porém, ocorreu que Androceu, filho de Minos, foi morto pelos atenienses, que invejaram suas vitórias num festival esportivo. Para vingar a morte de seu filho, Minos declarou guerra contra Atenas e venceu. Ele então ordenou que sete moças e sete rapazes atenienses fossem enviados, anualmente, para serem devorados pelo Minotauro. No terceiro ano do sacrifício, o jovem Teseu voluntariou-se para ir e matar o monstro. Ariadne, filha do rei Minos, apaixonou-se por Teseu e o ajudou, entregando-lhe uma bola de linha de costura para que ele, marcando o caminho, pudesse sair do labirinto. Teseu matou o Minotauro com uma espada mágica que Ariadne havia lhe dado e liderou os outros atenienses para fora do labirinto. Adaptado de “Os Grandes Contos Populares do Mundo”, organizado por Flávio Monteiro da Costa. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.
  • 15. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 15 Você sabia que Teseu era o principal herói da cidade de Atenas? Para os gregos, um herói era um personagem que, pela bravura, coragem e sabedoria, era diferente de seus semelhantes, aproximando-se dos deuses e merecendo culto especial. Teseu é personagem de um mito. Um mito não conta acontecimentos verídicos ou que realmente aconteceram. Narrados pelos aedos (poetas ou cantores) e transmitidos, oralmente, de uma geração a outra, os mitos explicavam aos que os ouviam a criação do universo, a origem dos povos ou um fato extraordinário, como, por exemplo, uma epidemia que os deuses enviavam sobre um país como castigo por crimes ou sacrilégios cometidos pelos habitantes, por um herói ou por um rei. E muitas outras coisas... O que você achou do mito do Minotauro? Para nós, os mitos têm uma importância diferente. Eles permitem saber como viviam os gregos, o que julgavam certo ou errado, o que apreciavam como Belo etc. O mito do Minotauro, por exemplo, nos apresenta a época em que os cretenses dominavam o mar Egeu e em que a ilha de Creta era o centro da civilização cretense ou minoica. E não se espante: naquela época, a cidade de Atenas ainda não existia. Aproveite a oportunidade para saber, também, que os deuses gregos não viviam no céu, mas no monte Olimpo. Embora fossem imortais, possuíam as qualidades e os defeitos dos humanos. Assim, podiam ser questionados sem que isso representasse um sacrilégio. http://sonhoesignificado.blogspot.com.br/2015/02/sonhar-com-minotauro-significado.html MINOTAURO
  • 16. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 16 perrengueiros.blogspot.com.br/ RUÍNAS DO PALÁCIO DE CNOSSOS Muito antes de os aqueus, eólios e jônios chegarem à Península Balcânica, os cretenses já exerciam intensa atividade comercial no mar Egeu e a ilha de Creta tornara-se a primeira potência marítima a surgir no mar Mediterrâneo. Os cretenses destacavam-se na metalurgia (construção de peças e estruturas metálicas), na cerâmica e na produção de tecidos. Cultivavam a oliveira, a vinha e o trigo. E destacavam-se no comércio, que se expandia pelos mares Egeu e Mediterrâneo. Nas cidades da ilha foram construídos palácios que eram, ao mesmo tempo, residência do soberano, armazéns, oficinas e fortes (construções destinadas a proteger um lugar estratégico). Cnossos e Festos eram as cidades mais importantes. O palácio de Cnossos era conhecido como o palácio do machado de dois gumes ou labyr. De labyr deriva o nome labirinto. Um traço significativo da sociedade cretense era o papel privilegiado desempenhado pelas mulheres, o que se expressava na religião. A principal divindade era a Grande Mãe, deusa da natureza que reinava sobre os animais e os vegetais. Não havia templos e o culto realizava-se nas elevações, nas grutas, em volta das árvores e no palácio, sempre presidido por sacerdotisas. O apogeu de Creta e da civilização cretense ou minoica parece ter ocorrido entre 1580 e 1450 a. C., quando teria reinado sobre toda a ilha, em Cnossos, o rei Minos, muito provavelmente uma figura lendária. Porém, a hegemonia de Cnossos era contestada pelas demais cidades, e as guerras entre elas aconteciam com frequência. Enquanto isso, na Grécia, mudanças também aconteciam... Ali surgira a civilização aqueana ou micênica que tinha, por centro, a cidade de Micenas (ver p. 12). Com os cretenses, os aqueus tinham aprendido a navegar, entre inúmeras outras coisas. O nome basileus para designar o rei ou soberano era de origem cretense. Por volta de 1450 a. C., os aqueus invadiram e conquistaram a ilha de Creta. Porém, aproximadamente 300 anos depois, a chegada dos dórios poria fim à civilização aqueana ou micênica. Os dórios também invadiram a ilha de Creta. A civilização cretense também chegava ao fim.
  • 17. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 17 Com a invasão dos dórios, teve início o Período Homérico ou os Tempos Homéricos. Essa denominação vem de Homero, a quem é atribuída a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia. A Ilíada trata da Guerra de Troia e a Odisseia do retorno de Ulisses, um herói aqueu, para a sua terra natal – Ítaca –, após lutar na guerra. Ao que parece, Homero não existiu e o seu nome representa o conjunto de aedos que narravam os acontecimentos da época. Você já ouviu a expressão “um presente de grego”? O que ela quer dizer? E conhece a história do “cavalo de Troia”? E a lenda de “Helena de Troia?” Converse com o seu(sua) Professor(a) a respeito desses temas. Ele(ela) poderá também lhe explicar o que é uma epopeia. O Período Homérico estendeu-se até o século IX a.C. e, em seu decorrer, a desagregação do genos foi acelerada, o que fez surgir diferentes grupos sociais como a aristocracia, os demiurgos (artesãos especializados), os tetas (aqueles que alugavam seus serviços por não possuir terras) e os escravos, ainda pouco numerosos. Essas mudanças contribuiriam para o surgimento da pólis. O que era uma pólis? HOMERO commons.wikimedia.org 3. O PERÍODO HOMÉRICO
  • 18. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 18 O Período Arcaico foi assinalado por vários acontecimentos, dos quais o mais importante foi o surgimento da polis, a cidade-Estado grega. Uma pólis era constituída por dois espaços principais: a Acrópole ‒ situada em uma colina fortificada, onde ficava o templo da divindade, e a Ágora ‒ local de reunião e das discussões políticas, ocasião em que era garantido o direito à palavra e, assim, o direito de argumentar. A Ágora era também o mercado da cidade. Observe a imagem ao lado. Onde se encontram as pessoas nela representadas: na Acrópole ou na Ágora? www.agoragrega.com A pólis grega era uma cidade-Estado muito diferente de uma cidade-Estado do Antigo Oriente Próximo. A invenção da pólis pelos gregos foi também a invenção da política, bastando lembrar que a palavra política deriva de pólis. Mas o Período Arcaico foi assinalado também por uma grave crise social. A desagregação do genos punha fim aos laços comunitários que uniam os membros de uma mesma família. O fato de alguns membros do antigo genos se apropriarem das terras que antes eram comuns, formando uma aristocracia, agravou a extrema pobreza de muitos homens e mulheres que migraram para as cidades onde nem sempre encontravam ocupação. A alternativa, para muitos desses gregos, foi tentar uma nova vida em outros locais, no que foram, muitas vezes, encorajados pelos governantes. 4. O PERÍODO ARCAICO
  • 19. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 19 O Período Arcaico foi o período da colonização grega, ou seja, o período de criação de colônias no litoral do mar Mediterrâneo e do mar Negro. Entre outros locais, colônias foram estabelecidas na península itálica e na Sicília, dando origem à Magna Grécia. Foi ainda nessa época que ocorreu o declínio dos antigos monarcas e o surgimento dos governos aristocráticos, isto é, daqueles que eram considerados os melhores ou os mais capacitados para governar a cidade. Mas a crise social faria surgir os tiranos, que diziam poder resolver os problemas dos menos favorecidos. Durante o Período Arcaico, as cidades de Atenas e Esparta foram se tornando cada vez mais diferentes entre si, e isso ocorria porque cada uma delas possuía modelos de organização social e política diferentes. Pela lei, os cidadãos espartanos só podiam guerrear ou administrar a cidade. Mas as artes, como a poesia, a música e a dança eram praticadas na cidade por homens e mulheres. As roupas dos espartanos tinham que ser extremamente despojadas, pois vaidade era proibida por lei. A única vaidade permitida aos espartanos era deixar o cabelo crescer http://guiadoestudante.abril.com.br/ http://guiadoestudante.abril.com.br/ http://guiadoestudante.abril.com.br/ http://guiadoestudante.abril.com.br/
  • 20. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 20 O Período Clássico foi o período de apogeu da civilização grega. Nele ocorreu outra invenção política grega: a democracia ou a forma de governo democrática. Em épocas passadas, os gregos já tinham experimentado outras formas de governo. Ou seja, eles já tinham vivido outras formas de relação entre o governante (aquele que governa) e os governados. Por isso podiam avaliar que existiam formas de governo positivas (ou boas) e formas negativas (ou más). Eles já tinham sido governados por UM governante: a MONARQUIA e a TIRANIA. E já tinham sido governados também por ALGUNS governantes: a ARISTOCRACIA e a OLIGARQUIA. Leia o quadro abaixo. Ele resume o que dissemos até agora. QUALIDADE POR QUEM SOU GOVERNADO? POSITIVA (BOM GOVERNO) NEGATIVA (MAU GOVERNO) UM MONARQUIA TIRANIA ALGUNS ARISTOCRACIA (GOVERNO DOS “MELHORES” OU “MAIS CAPACITADOS”) OLIGARQUIA (GOVERNO DA PLUTOCRACIA OU DOS MAIS RICOS E PODEROSOS) Agora, os gregos estavam aprendendo que era possível uma nova forma de governo. Era isso que as reformas realizadas por Clístenes estavam demonstrando em Atenas, desde o final do século VI a.C. 5. O PERÍODO CLÁSSICO
  • 21. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 21 http://image.slidesharecdn.com/histriaa1-140213161637-phpapp02/95/histria-a-modelo-ateniense- 8-638.jpg?cb=1392308363 Assim, nem todos os habitantes de Atenas eram cidadãos. Das discussões na Ágora ateniense não participavam os estrangeiros (metecos) e os escravos. Daquelas discussões e decisões também não participavam as mulheres, mesmo que tivessem nascido em Atenas. Você ainda está lembrado que os estrangeiros, os escravos e as mulheres também não participavam dos Jogos Olímpicos? Os cidadãos atenienses achavam que, se os metecos, os escravos e as mulheres participassem das discussões e votações na Ágora, a Democracia se tornaria uma forma negativa de governo. Os metecos podiam ser comerciantes e artesãos, mas eles não podiam ser proprietários de terras. Os próprios cidadãos podiam sofrer a pena do ostracismo, isto é, a suspensão ou cassação dos direitos políticos por dez anos. E é importante não esquecer que a base da democracia ateniense era a escravidão. A Grécia – cidades-Estado (Pólis) A - Acrópole B - Ágora C - Zona Rural D - Porto Na Época Clássica, os atenienses estavam vivendo a experiência de uma forma de governo diferente: a DEMOCRACIA. Reunidos na Ágora, os cidadãos participavam das discussões que decidiam o destino político da pólis. A Democracia era o governo da MAIORIA dos cidadãos. E somente eram cidadãos os homens livres, filhos de pai e mãe atenienses. Eles tinham direitos políticos e civis.
  • 22. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 22 Mas é importante não esquecer o seguinte: para a existência da Democracia ateniense foi fundamental a obra dos legisladores. Eles escreveram e organizaram as leis dos primitivos genos, que eram baseadas nos costumes. Agora, aquelas leis já adaptadas ou modificadas estavam se tornando as leis da pólis. Um dos primeiros legisladores foi Drácon, cujas leis eram excessivamente rigorosas. Por isso, ainda hoje, é comum alguém dizer ser draconiana alguma lei ou uma medida excessiva. Ainda assim, as leis de Dracon tinham uma grande vantagem: por serem escritas e públicas (isto é, do conhecimento de todos), evitavam ou limitavam as arbitrariedades dos mais poderosos, por ocasião dos julgamentos. Sólon e Clístenes também foram legisladores e realizaram reformas políticas e sociais que permitiram o triunfo da experiência democrática. infoescola.com SÓLONDRÁCON CLÍSTENES helenosylatinos.wordpress.com jjhueso.blogspot.com Agora, responda se for capaz: Você aprendeu que foram várias as formas de governo inventadas pelos gregos. Mas os gregos não inventaram uma das formas de governo mais adotadas pelos países no mundo atual. Você sabe qual é ela? Uma dica: ela é a forma de governo do Brasil desde 1889. _______________________________________________________________________________________________________________ Você seria capaz de identificar duas diferenças entre a Democracia na Grécia Antiga e a Democracia em nosso país? Converse com seus colegas e com seu Professor. _________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________________ Viver em sociedade é compartilhar determinadas regras, normas e leis. Elas definem os direitos de cada um de nós. E também os nossos deveres. Em uma democracia, regras, normas e leis devem ser iguais para todos e respeitadas por todos.
  • 23. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 23 Durante o Período Clássico, Atenas foi a mais importante das cidades gregas. Sob a liderança de Atenas, as cidades gregas formaram uma aliança militar para combater e derrotar o invasor persa nas Guerras Médicas ou Greco-Pérsicas, um longo conflito durante o século V a. C. Esparta era uma cidade também importante, embora sua organização social e política permanecesse a mesma da Época Arcaica. Esparta nunca teve uma forma de governo democrática. O prestígio dos espartanos residia no poderio militar da cidade, que tinha nos esparciatas ou homoioi (os “iguais”) o grupo social privilegiado. Desde cedo, os meninos espartanos eram treinados para a guerra. E, desde os sete anos de idade, as meninas participavam de atividades físicas com o objetivo de formar um corpo saudável para gerar filhos sadios e vigorosos para a guerra. As rivalidades entre Atenas e Esparta culminaram na Guerra do Peloponeso (431-404 a.C.). Então, duas ligas de cidades foram formadas: a Liga do Peloponeso, liderada por Esparta, e a Liga de Delos, liderada por Atenas. A vitória da Liga do Peloponeso garantiu, desde então, a Esparta a liderança no mundo grego. Porém, os prolongados conflitos da guerra enfraqueceram as cidades-Estado gregas. Todavia, se é comum dizer que a Época Clássica foi o período de apogeu da civilização grega, tal não se deve apenas à experiência democrática. A Época Clássica foi também o momento de importantes criações culturais pelos gregos – a literatura, a política, a filosofia, a historiografia, a arquitetura, a escultura, a matemática, a geometria, o teatro, além de várias outras. SOLDADOS DA CIDADE DE ESPARTA
  • 24. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 24 Em 338 a.C., na batalha de Queroneia, as forças de Filipe II da Macedônia derrotaram uma coligação composta por Atenas e Tebas. Iniciava-se o Período Helenístico da experiência histórica dos gregos na Antiguidade, que se estendeu até o ano 146 a.C. Seu filho – Alexandre, o Grande ‒ por meio de conquistas militares e da fundação de cidades, muitas delas denominadas Alexandria, ampliou os limites da cultura grega, fundamento do seu ideal de um império universal, não realizado. O surgimento de uma cultura helenística era a síntese da cultura grega clássica e das tradições orientais. http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=32238 ALEXANDRE 6. O PERÍODO HELENÍSTICO ATENAS A cidade de Atenas localizava-se na Ática, uma região da Grécia continental. O nome da cidade homenageava Atena, a deusa grega da sabedoria e da inteligência. Retratada na imagem ao lado, Atena era a deusa Minerva dos romanos. Ao nascer, já investida de capacete e armadura, Atena emitiu um grito de guerra. Deusa guerreira, o que lhe interessava não era a batalha ou o combate sangrento, mas sim a arte bélica (da guerra), que exigia sabedoria e inteligência. Porém, ao contrário de Esparta – a cidade que era sua maior rival e que se tornara famosa por valorizar o militarismo – Atenas ficaria conhecida pela valorização da cultura. Em Atenas, a experiência de um governo democrático foi possível pela passagem da sociedade aristocrática do Período Arcaico para a do Período Clássico, na qual os cidadãos ocupavam posição destacada. https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/36/Atena-Giustiniani---Vatican.jpg ESTÁTUA DA DEUSA ATENA
  • 25. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 25 • EUPÁTRIDAS: formavam a aristocracia, ou seja, a classe mais poderosa. • GEOMORES: eram os pequenos agricultores. • DEMIURGOS: classe composta pelos artesãos. • METECOS: eram os estrangeiros. • ESCRAVOS: geralmente obtidos entre os povos derrotados nas batalhas e, em menor número, aqueles que não honrassem suas dívidas. A SOCIEDADE ATENIENSE • CIDADÃOS: filhos de pai e mãe atenienses. Tinham todos os direitos garantidos. Eram livres. • METECOS: estrangeiros ou nascidos na Ática de pais não cidadãos. Como os cidadãos livres, participavam do serviço militar e pagavam impostos, porém não participavam da vida política. Sendo artesãos e comerciantes, podiam ter riqueza e prestígio. • ESCRAVOS: maior parte da população da Ática. Faziam todos os serviços. Eram filhos de escravos ou prisioneiros de guerra. Podiam ser emancipados (serem libertos), mas não se tornavam cidadãos. avidanagreciantiga.wordpress.com UM ESCRAVO EM SEU TRABALHODEMIURGOS sigloscuriosos.blogspot.com ANTES DA DEMOCRACIA NA ERA CLÁSSICA (DEMOCRÁTICA)
  • 26. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 26 A sociedade ateniense na ERA CLÁSSICA 1 - Complete as lacunas: 2 - Leia as afirmativas e coloque V (verdadeiro) ou F (falso). Justifique as respostas que você considerar falsas. ( ) Alguns cidadãos eram livres. _______________________________________________________________ ( ) Livres e escravos compunham a sociedade ateniense no século V a.C. _______________________________________________________________ ( ) Todos os cidadãos e metecos eram livres. _______________________________________________________________ ( ) Alguns metecos eram estrangeiros. _______________________________________________________________ ( ) Todos os habitantes de Atenas, na Era Clássica, eram livres. _______________________________________________________________ planetaeducacao.com.br Homens livres em Atenas = cidadãos + _______________________ . Cidadãos + metecos + _______________________ = sociedade de Atenas na Era Clássica.
  • 27. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 27 Oapogeu de Atenas ocorreu durante o governo de Péricles, no século V a.C. Foi durante seu governo que a democracia ateniense teria alcançado o seu apogeu, o que era complementado pelo apoio de Péricles às atividades culturais. Considerado por Tucídides ‒ um dos historiadores gregos ‒ “o primeiro cidadão de Atenas”, Péricles foi o responsável pelas construções que embelezaram a Acrópole de Atenas – em especial, o Partenon, o templo em honra da deusa Atena ‒, o que tornou famosas a Acrópole e a cidade desde o mundo antigo. As obras realizadas permitiram dar emprego à população pobre de uma cidade onde eram numerosos os escravos. O PARTENON, EM ATENAS (TEMPLO EM HONRA DA DEUSA ATENA). http://2.bp.blogspot.com/-SJiifqLxIgo/U8CJYq6kc0I/AAAA AAAACdM/LKnCF4gfwxA/s1600/acropole+-+Atenas+1.jpg Você já deve ter ouvido alguém dizer esta frase. Quando não entendemos alguma coisa é comum nós nos lembrarmos dos gregos. Mas por quê? O português é uma língua de origem latina, mas muitas palavras usadas em nosso vocabulário têm, no idioma grego, a sua origem. Democracia é um exemplo. Em grego, demos quer dizer povo e kratos, poder. A junção das duas palavras resultou em DEMOCRACIA, o poder do povo. Outro exemplo é a palavra alfabeto. No idioma grego, alfa e beta eram as suas duas primeiras letras, sabia? Daí surgiu a palavra alfabeto. ALFABETO GREGO profwillian.com “Ih, parece que você está falando grego!”
  • 28. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 28 Pouco a pouco, sozinho ou com a ajuda de seu(sua) Professor(a), você foi percorrendo as páginas deste caderno, aprendendo coisas, conhecendo personagens, observando e lendo imagens. Muitas dessas imagens reproduzem obras dos próprios gregos e expressam as experiências por eles vividas, como, por exemplo, uma escultura e uma cerâmica. Observe as imagens. Elas reproduzem duas esculturas de autores desconhecidos. A VÊNUS DE MILO, de autor desconhecido, data, aproximadamente, do ano 100 a.C.. É uma das mais famosas esculturas do mundo. Encontra-se em exposição no Museu do Louvre, em Paris, na França. A VITÓRIA DE SAMOTRÁCIA, também de autor desconhecido, data, aproximadament e, do ano 190 a.C.. É outra obra exemplar da arte grega. Encontra- se, também, no Museu do Louvre. br.freepik.com http://passapalavra.info Um dos principais escultores gregos foi Fídias, autor de uma das estátuas da deusa Atena e de muitas outras obras. A CULTURA GREGA
  • 29. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 29 Originária de Corinto, durante o início do século VII a.C, foi introduzida em Atenas posteriormente. Outras notáveis figuras negras existiam em olarias de Esparta e de outras cidades da Grécia Oriental. Adaptado de http://sobregrecia.com A cerâmica figura-negra é um estilo de pintura antiga em que a decoração aparece como silhuetas negras sobre fundo vermelho.
  • 30. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 30 As imagens abaixo representam Ésquilo, Sófocles e Eurípides, três autores do teatro antigo. E os três principais gêneros eram a tragédia, a comédia e o drama satírico. Sófocles é o autor de Antígona, Édipo Rei e Elektra. Abaixo aparecem representados Sócrates, Platão e Aristóteles, os três mais importantes filósofos gregos. Apresentada por Pitágoras, um dos primeiros filósofos gregos, como o amor pela sabedoria, experimentado pelo ser humano consciente de sua própria ignorância, a filosofia é uma das importantes invenções dos gregos. educacao.uol.com.br Sófocles (495 a.C./405 a.C.) Eurípedes (480 a.C./406 a.C.) portalsaofrancisco.com.br Ésquilo (525 a.C./ 456 a.C) portalsaofrancisco.com.br portalsaofrancisco.com.br PLATÃOSÓCRATES educacao.uol.com.br ARISTÓTELES
  • 31. 3.° BIMESTRE - 2016 PÁGINA 31 cienciae.blogspot.com GAIA GAIA, a Mãe-Terra. De acordo com Hesíodo, no princípio, era o Caos (o vazio, matéria eterna, sem forma definida). Depois, surgiram Gaia, a Terra; Eros, o amor; Érebo, as trevas; Tártaro, o abismo; e Nix , a noite. Ao lado de Homero e da Ilíada e da Odisseia, situam-se Hesíodo e o poema-épico Teogonia, que lhe é atribuído. A Teogonia (teo = deus) narra o surgimento do mundo e, também, dos deuses. A este tipo de narrativa damos o nome de cosmogonia. Como aedos, Homero e Hesíodo compuseram canções que eram transmitidas de geração a geração, e assim permitiam aos homens e mulheres gregos compreender e estar no mundo – isto é, em GAIA, sua morada. MITO E RELIGIÃO Volte, agora, à p. 14. Releia o mito do Minotauro. E não deixe de reler, também, na p. 15, o que vem a seguir a respeito de mito e dos deuses gregos. Agora, podemos continuar? Os gregos eram politeístas como os povos do Antigo Oriente Próximo, com exceção dos hebreus. Mas os deuses gregos, embora fossem imortais, possuíam as qualidades e os defeitos dos humanos. Assim, podiam ser questionados sem que isso representasse um sacrilégio. O mesmo acontecia com os semideuses, assim denominados porque eram filhos de um deus com uma mortal ou de um homem com uma deusa. Você também já sabe que os deuses gregos não viviam no céu, e sim no Monte Olimpo. Ao conjunto de narrativas sobre deuses, semideuses, heróis, patriarcas e outros mais damos o nome de mitologia (logia – estudo, ou seja, estudo dos mitos). Você já conhece a Ilíada e a Odisseia, os textos atribuídos a Homero, que permitiam aos gregos conhecer as experiências vividas pelos seus antepassados?