SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
Aprende Técnicas
                        Como construir uma pirâmide de idades
Material: lápis, borracha, régua, calculadora, lápis de cor e papel milimétrico ou quadriculado.

1º A pirâmide de idades é um gráfico de barras horizontais no qual se separam os homens das
  mulheres ou outro tipo de população (população rural e população urbana).
2° As barras dizem respeito a valores da população ano a ano (1 ano, 2 anos, 3 anos, etc.) ou a
  valores agrupados segundo determinados intervalos. Na maioria dos casos utilizam-se
  conjuntos de 5 anos (até aos 4 anos, dos 5 aos 9 anos, dos 10 aos 14 anos, etc.).
3° As barras constroem-se com valores absolutos ou valores relativos (em percentagem). Os
  valores em percentagem permitem-nos estabelecer comparações mais correctas entre
  populações de diferente dimensão.
4.° O cálculo das percentagens faz-se relativamente à população total da área em estudo —
  continente, país, distrito, etc.
      Vejamos um exemplo:
      População total do distrito de Portalegre: 128 430 hab.
      População do género masculino dos 0 aos 4 anos: 2890
      População do género feminino dos 0 aos 4 anos: 2670
         Então:




                                          5° Procedemos ao cálculo das percentagens para as
                                            diferentes classes etárias.
                                          6° Confirmamos os cálculos procedendo à soma de
                                            todos os valores encontrados. Esta soma deve dar
                                            100 ou um valor muito próximo.
                                          7º Fazemos os eixos perpendiculares como a figura
                                            indica.
                                          8° Nos eixos verticais marcamos as idades conforme
                                            está na figura. As barras podem ter 4 ou 5 mm de
                                            espessura.
                                          9° Nos eixos horizontais marcamos os valores das
                                            percentagens. A fim de facilitar a elaboração das
                                            barras fazemos corresponder 1% a 1cm.
                                          10° Procedemos à pintura das barras. A pintura pode
                                            ser feita segundo critérios diferentes:
                                              — pintamos as barras correspondentes aos
                                                 homens de uma cor e as correspondentes às
                                                 mulheres de outra;
                                              — pintamos as barras correspondentes aos
                                                 “jovens” de um tom claro de uma cor; as barras
                                                 correspondentes aos “adultos” de um tom mais
                                                 forte e as barras correspondentes aos “velhos”
                                                 de um tom ainda mais carregado.
11° Completamos a pirâmide com o título, área a que corresponde, data dos dados, indicação
dos sexos pelas letras H e M e, ainda, a fonte dos dados.
Leitura e análise de uma pirâmide de idades
         Devemos ter como referência que, em teoria, uma pirâmide de idades deve ter a forma
triangular pois o “normal” em qualquer população é que os elementos mais jovens sejam mais
numerosos do que os mais velhos.
                                                            Leitura/análise:

                                               1° As barras dos 0-4 anos são mais curtas do
                                                 que as barras dos 5-9 anos e estas, por sua
                                                 vez, mais pequenas do que as relativas às
                                                 idades entre 10 e 14 anos. Verifica-se esta
                                                 situação até à barra dos 20-24 anos.

                                               A explicação relaciona-se com:
                                               • o decréscimo das taxas de natalidade na
                                                 sequência da diminuição do número de
                                                 filhos por mulher;
                                               • o facto de parte da população em idade de
                                                 ter filhos ser menos numerosa do que o
                                                 “normal”.

2° As barras relativas à população acima dos 60 anos são maiores do que as relativas às
  populações menos jovens, o que é “anormal”.

A explicação relaciona-se com:
• a emigração nos grupos etários em idade de trabalhar. Contudo, não se emigra, em regra, aos
   50 anos e mais. Esta emigração diz respeito ao grande surto de emigração nas décadas de 60
   e 70, portanto, há 25-35 anos (1995-1960 = 35 anos; 1995-1970 = 25 anos);
• as pessoas que não nasceram durante a II Guerra Mundial (1995-1945 = 50 anos; 1995-1938 =
   57 anos), o chamado défice de nascimentos devido à guerra;
• o êxodo rural cujo destino “interno” era e é, sobretudo, Lisboa.

 3° As barras relativas ao género masculino e ao género feminino apresentam uma dimensão
   relativa “anormal”, ou seja:
   — as barras relativas aos homens são maiores do que as relativas às mulheres até 40-44
        anos e tendo, apenas, como excepção a faixa dos 25-29 anos;
   — as barras relativas às mulheres são maiores do que as relativas aos homens a partir dos
        45 anos.

A explicação relaciona-se com os factos seguintes:
• nascem mais rapazes do que raparigas, o que é uma questão biológica;
• os homens emigram mais do que as mulheres;
• a emigração nos anos 60 e 70 foi maioritariamente de homens;
• o êxodo rural foi, também, um movimento essencialmente “masculino”;
• morrem mais homens do que mulheres, tendo ainda estes mais acidentes mortais;
• as mulheres vivem mais tempo do que os homens.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
Fernanda Pantoja
 
Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07
manjosp
 
Teste diagnostico 9 ano
Teste diagnostico 9 anoTeste diagnostico 9 ano
Teste diagnostico 9 ano
Mayjö .
 
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xixTeste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Ana Pereira
 
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoFicha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Arminda Oliveira
 
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10
Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10
dinartegaspar
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Pocarolas
 
Potências e expressões numéricas
Potências e expressões numéricasPotências e expressões numéricas
Potências e expressões numéricas
aldaalves
 

Mais procurados (20)

livro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdflivro filosofia soluções.pdf
livro filosofia soluções.pdf
 
Teste-de-avaliacao-do-9º-ano GEOGRAFIA
 Teste-de-avaliacao-do-9º-ano GEOGRAFIA Teste-de-avaliacao-do-9º-ano GEOGRAFIA
Teste-de-avaliacao-do-9º-ano GEOGRAFIA
 
Justificação de faltas
Justificação de faltasJustificação de faltas
Justificação de faltas
 
Lab6 colocacao do_pronome_pessoal
Lab6 colocacao do_pronome_pessoalLab6 colocacao do_pronome_pessoal
Lab6 colocacao do_pronome_pessoal
 
Uma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição deUma análise da obra amor de perdição de
Uma análise da obra amor de perdição de
 
Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07Correção teste 3 dez-07
Correção teste 3 dez-07
 
Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo testeCiências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
Ciências Naturais 8º Ficha de preparação para o segundo teste
 
Teste diagnostico 9 ano
Teste diagnostico 9 anoTeste diagnostico 9 ano
Teste diagnostico 9 ano
 
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
Ficha de Avaliação - 6º Ano - As Invasões Francesas/ A revolução Liberal de 1822
 
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xixTeste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
Teste hgp a vida nos campos e nas cidades século xix
 
Corr 11 teste2_dez_2016
Corr 11 teste2_dez_2016Corr 11 teste2_dez_2016
Corr 11 teste2_dez_2016
 
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resoluçãoFicha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
Ficha avaliação retas e angulos porto editora com resolução
 
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10
Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10Ficha de trabalho 2   estações do ano  7º10
Ficha de trabalho 2 estações do ano 7º10
 
Pdfcoffee.com ficha trabalho-gramatica-10-ano-pdf-free
Pdfcoffee.com ficha trabalho-gramatica-10-ano-pdf-freePdfcoffee.com ficha trabalho-gramatica-10-ano-pdf-free
Pdfcoffee.com ficha trabalho-gramatica-10-ano-pdf-free
 
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturaisteste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
teste de avaliação - 8ºano - Ciências Naturais
 
Ciências 8º ano - Célula
Ciências 8º ano - CélulaCiências 8º ano - Célula
Ciências 8º ano - Célula
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
Características da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesaCaracterísticas da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesa
 
Potências e expressões numéricas
Potências e expressões numéricasPotências e expressões numéricas
Potências e expressões numéricas
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 

Destaque

Destaque (18)

Construção pirâmide etária para os alunos
Construção pirâmide etária para os alunosConstrução pirâmide etária para os alunos
Construção pirâmide etária para os alunos
 
Etapas para a construção de uma pirâmide etária
Etapas para a construção de uma pirâmide etáriaEtapas para a construção de uma pirâmide etária
Etapas para a construção de uma pirâmide etária
 
A estrutura etária da população
A estrutura etária da populaçãoA estrutura etária da população
A estrutura etária da população
 
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãOEstrutura EtáRia Da PopulaçãO
Estrutura EtáRia Da PopulaçãO
 
ConstruçãO De PirâMides EtáRias
ConstruçãO De PirâMides EtáRiasConstruçãO De PirâMides EtáRias
ConstruçãO De PirâMides EtáRias
 
Pirâmide etária
Pirâmide etáriaPirâmide etária
Pirâmide etária
 
Pp piramides etarias
Pp piramides etariasPp piramides etarias
Pp piramides etarias
 
9 fazer piramide
9  fazer piramide9  fazer piramide
9 fazer piramide
 
Estrutura Etária da População
Estrutura Etária da PopulaçãoEstrutura Etária da População
Estrutura Etária da População
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Geo 7º ano mt pirâmides etárias 2ª etapa 2014.doc gabarito
Geo 7º ano mt pirâmides etárias 2ª etapa 2014.doc gabaritoGeo 7º ano mt pirâmides etárias 2ª etapa 2014.doc gabarito
Geo 7º ano mt pirâmides etárias 2ª etapa 2014.doc gabarito
 
As PirâMides EtáRias
As PirâMides EtáRiasAs PirâMides EtáRias
As PirâMides EtáRias
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
 
As cheias e as secas
As cheias e as secas   As cheias e as secas
As cheias e as secas
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
 
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migraçõesFicha de avaliação   estrutura etária, distribuição e migrações
Ficha de avaliação estrutura etária, distribuição e migrações
 
Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2Riscos e catástrofes naturais 2
Riscos e catástrofes naturais 2
 
Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)
 

Mais de Mayjö .

Mais de Mayjö . (20)

8
88
8
 
6
66
6
 
3
33
3
 
Rapaz de bronze
Rapaz de bronzeRapaz de bronze
Rapaz de bronze
 
Moçambique n2
Moçambique n2Moçambique n2
Moçambique n2
 
Reino unido
Reino unidoReino unido
Reino unido
 
México
MéxicoMéxico
México
 
Melissa e livia
Melissa e liviaMelissa e livia
Melissa e livia
 
Elementos do brasil
Elementos do brasilElementos do brasil
Elementos do brasil
 
China
ChinaChina
China
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Austrália
AustráliaAustrália
Austrália
 
Venezuela
VenezuelaVenezuela
Venezuela
 
Tunisia
Tunisia Tunisia
Tunisia
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
Geografia 7ªe
Geografia 7ªeGeografia 7ªe
Geografia 7ªe
 
Ferias em malta
Ferias em maltaFerias em malta
Ferias em malta
 
Butão
ButãoButão
Butão
 
Transportes rodoviários geografia
Transportes rodoviários geografiaTransportes rodoviários geografia
Transportes rodoviários geografia
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 

Pirâmide de idades

  • 1. Aprende Técnicas Como construir uma pirâmide de idades Material: lápis, borracha, régua, calculadora, lápis de cor e papel milimétrico ou quadriculado. 1º A pirâmide de idades é um gráfico de barras horizontais no qual se separam os homens das mulheres ou outro tipo de população (população rural e população urbana). 2° As barras dizem respeito a valores da população ano a ano (1 ano, 2 anos, 3 anos, etc.) ou a valores agrupados segundo determinados intervalos. Na maioria dos casos utilizam-se conjuntos de 5 anos (até aos 4 anos, dos 5 aos 9 anos, dos 10 aos 14 anos, etc.). 3° As barras constroem-se com valores absolutos ou valores relativos (em percentagem). Os valores em percentagem permitem-nos estabelecer comparações mais correctas entre populações de diferente dimensão. 4.° O cálculo das percentagens faz-se relativamente à população total da área em estudo — continente, país, distrito, etc. Vejamos um exemplo: População total do distrito de Portalegre: 128 430 hab. População do género masculino dos 0 aos 4 anos: 2890 População do género feminino dos 0 aos 4 anos: 2670 Então: 5° Procedemos ao cálculo das percentagens para as diferentes classes etárias. 6° Confirmamos os cálculos procedendo à soma de todos os valores encontrados. Esta soma deve dar 100 ou um valor muito próximo. 7º Fazemos os eixos perpendiculares como a figura indica. 8° Nos eixos verticais marcamos as idades conforme está na figura. As barras podem ter 4 ou 5 mm de espessura. 9° Nos eixos horizontais marcamos os valores das percentagens. A fim de facilitar a elaboração das barras fazemos corresponder 1% a 1cm. 10° Procedemos à pintura das barras. A pintura pode ser feita segundo critérios diferentes: — pintamos as barras correspondentes aos homens de uma cor e as correspondentes às mulheres de outra; — pintamos as barras correspondentes aos “jovens” de um tom claro de uma cor; as barras correspondentes aos “adultos” de um tom mais forte e as barras correspondentes aos “velhos” de um tom ainda mais carregado. 11° Completamos a pirâmide com o título, área a que corresponde, data dos dados, indicação dos sexos pelas letras H e M e, ainda, a fonte dos dados.
  • 2. Leitura e análise de uma pirâmide de idades Devemos ter como referência que, em teoria, uma pirâmide de idades deve ter a forma triangular pois o “normal” em qualquer população é que os elementos mais jovens sejam mais numerosos do que os mais velhos. Leitura/análise: 1° As barras dos 0-4 anos são mais curtas do que as barras dos 5-9 anos e estas, por sua vez, mais pequenas do que as relativas às idades entre 10 e 14 anos. Verifica-se esta situação até à barra dos 20-24 anos. A explicação relaciona-se com: • o decréscimo das taxas de natalidade na sequência da diminuição do número de filhos por mulher; • o facto de parte da população em idade de ter filhos ser menos numerosa do que o “normal”. 2° As barras relativas à população acima dos 60 anos são maiores do que as relativas às populações menos jovens, o que é “anormal”. A explicação relaciona-se com: • a emigração nos grupos etários em idade de trabalhar. Contudo, não se emigra, em regra, aos 50 anos e mais. Esta emigração diz respeito ao grande surto de emigração nas décadas de 60 e 70, portanto, há 25-35 anos (1995-1960 = 35 anos; 1995-1970 = 25 anos); • as pessoas que não nasceram durante a II Guerra Mundial (1995-1945 = 50 anos; 1995-1938 = 57 anos), o chamado défice de nascimentos devido à guerra; • o êxodo rural cujo destino “interno” era e é, sobretudo, Lisboa. 3° As barras relativas ao género masculino e ao género feminino apresentam uma dimensão relativa “anormal”, ou seja: — as barras relativas aos homens são maiores do que as relativas às mulheres até 40-44 anos e tendo, apenas, como excepção a faixa dos 25-29 anos; — as barras relativas às mulheres são maiores do que as relativas aos homens a partir dos 45 anos. A explicação relaciona-se com os factos seguintes: • nascem mais rapazes do que raparigas, o que é uma questão biológica; • os homens emigram mais do que as mulheres; • a emigração nos anos 60 e 70 foi maioritariamente de homens; • o êxodo rural foi, também, um movimento essencialmente “masculino”; • morrem mais homens do que mulheres, tendo ainda estes mais acidentes mortais; • as mulheres vivem mais tempo do que os homens.