Atividade04 planejando hipertexto_marcely

4.968 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.968
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atividade04 planejando hipertexto_marcely

  1. 1. ATIVIDADE 4 PLANEJANDO UMA ATIVIDADE COM HIPERTEXTO OU INTERNET Cursista: Marcely Moreira Domingues Araújo. Tutor: Edemar Nível de Componente Tema Gênero textual Ensino Curricular Ens. Fund. Língua oral e escrita: prática de produção de Língua Portuguesa Crônica 9º ano textos orais e escritos Apresentação Primeiramente foi repassado aos alunos sobre:  A participação da turma na Olimpíada de Língua Portuguesa;  Os objetivos: 1º- Reduzir o “iletrismo” e o fracasso escolar. 2º - Contribuir para melhorar o ensino da leitura e da escrita. 3º - Contribuir direta e indiretamente para a formação docente. As atividades realizadas em sala foram sugeridas no caderno do Professor seguindo a sequência didática. Esta atividade foi trabalhada em sala como complemento às atividades do caderno da Olimpíada. Foi retirada do Portal do Professor mas realizada com algumas alterações. http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=14871 Dados da Aula O que o aluno poderá aprender com esta aula • Leitura e interpretação de textos. • Conhecer a vida e obra do escritor Fernando Sabino. • Produzir um texto com a finalidade de participar da Olimpíada de Língua Portuguesa. Duração das atividades As atividades foram realizadas no 2º bimestre. Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno • Habilidades básicas de leitura. 1ª AULA Pesquisa sobre a vida e obra do escritor Fernando Sabino. 2ª AULA
  2. 2. Terminada esta atividade, apresentei o título do primeiro texto “A última crônica” de Fernando Sabino (1ª oficina da olimpíada) e por meio de perguntas, explorei um pouco sobre o mesmo: 1. Esse título chama a atenção do leitor? Por quê? 2. O que ele sugere? 3. Pelo título dá para imaginar o assunto da crônica? 4. Que situação vocês acham que essa crônica vai retratar? Depois de responderem estas perguntas oralmente, entreguei o texto e fizemos a leitura coletiva e perguntei-lhes o que mudou sobre a percepção do texto após a leitura. Em seguida, fizemos comentários sobre essa diferença. O passo a seguir foi responder as atividades. TEXTO 1 A última crônica Fernando Sabino A caminho de casa, entro num botequim da Gávea para tomar um café junto ao balcão. Na realidade estou adiando o momento de escrever. A perspectiva me assusta. Gostaria de estar inspirado, de coroar com êxito mais um ano nesta busca do pitoresco ou do irrisório no cotidiano de cada um. Eu pretendia apenas recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, fruto da convivência, que a faz mais digna de ser vivida. Visava ao circunstancial, ao episódico. Nesta perseguição do acidental, quer num flagrante de esquina, quer nas palavras de uma criança ou num acidente doméstico, torno-me simples espectador e perco a noção do essencial. Sem mais nada para contar, curvo a cabeça e tomo meu café, enquanto o verso do poeta se repete na lembrança: "assim eu quereria o meu último poema". Não sou poeta e estou sem assunto. Lanço então um último olhar fora de mim, onde vivem os assuntos que merecem uma crônica. Ao fundo do botequim um casal de pretos acaba de sentar-se, numa das últimas mesas de mármore ao longo da parede de espelhos. A compostura da humildade, na contenção de gestos e palavras, deixa-se acrescentar pela presença de uma negrinha de seus três anos, laço na cabeça, toda arrumadinha no vestido pobre, que se instalou também à mesa: mal ousa balançar as perninhas curtas ou correr os olhos grandes de curiosidade ao redor. Três seres esquivos que compõem em torno à mesa a instituição tradicional da família, célula da sociedade. Vejo, porém, que se preparam para algo mais que matar a fome. Passo a observá-los. O pai, depois de contar o dinheiro que discretamente retirou do bolso, aborda o garçom, inclinando-se para trás na cadeira, e aponta no balcão um pedaço de bolo sob a redoma. A mãe limita-se a ficar olhando imóvel, vagamente ansiosa, como se aguardasse a aprovação do garçom. Este ouve, concentrado, o pedido do homem e depois se afasta para atendê-lo. A mulher suspira, olhando para os lados, a reassegurar-se da naturalidade de sua presença ali. A meu lado o garçom encaminha a ordem do freguês. O homem atrás do balcão apanha a porção do bolo com a mão, larga-o no pratinho - um bolo simples, amarelo-escuro, apenas uma pequena fatia triangular. A negrinha, contida na sua expectativa, olha a garrafa de Coca-Cola e o pratinho que o garçom deixou à sua frente. Por que não começa a comer? Vejo que os três, pai, mãe e filha, obedecem em torno à mesa um discreto ritual. A mãe remexe na bolsa de plástico preto e brilhante, retira qualquer coisa. O pai se mune de uma caixa de fósforos, e espera. A filha aguarda também, atenta como um animalzinho. Ninguém mais os observa além de mim. São três velinhas brancas, minúsculas, que a mãe espeta caprichosamente na fatia do bolo. E enquanto ela serve a Coca-Cola, o pai risca o fósforo e acende as velas. Como a um gesto ensaiado, a menininha repousa o queixo no mármore e sopra com força, apagando as chamas. Imediatamente põe-se a bater palmas, muito compenetrada, cantando num balbucio, a que os pais se juntam, discretos: "Parabéns pra
  3. 3. você, parabéns pra você..." Depois a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa. A negrinha agarra finalmente o bolo com as duas mãos sôfregas e põe-se a comê-lo. A mulher está olhando para ela com ternura - ajeita-lhe a fitinha no cabelo crespo, limpa o farelo de bolo que lhe cai ao colo. O pai corre os olhos pelo botequim, satisfeito, como a se convencer intimamente do sucesso da celebração. Dá comigo de súbito, a observá-lo, nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido - vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso. Assim eu quereria minha última crônica: que fosse pura como esse sorriso." Crônica publicada no livro "A Companheira de viagem" (Editora Record, 1965) 3ª AULA Pedi aos alunos que realizem as atividades propostas sobre o texto. Corrijimos os exercícios oralmente, observando as diferenças na interpretação. Atividades: 1) Que tipo de narrador o texto “A última crônica” apresenta? Justifique sua resposta. 2) Retire do primeiro parágrafo as informações abaixo: a) Quem entra no botequim? b) Onde fica o botequim? c) Em primeiro lugar, entra no botequim para quê? d) Na verdade, o que ele faz nesse lugar? e) o que ele deseja? 3) Sobre o trecho: “Três seres esquivos que compõem em torno à mesa a instituição tradicional da família, célula da sociedade.”, responda: a) Quem são esses “três esquivos”? b) Onde eles estão? c) Levante hipóteses a respeito do que eles estão fazendo ali. 4) O que o pai pede ao garçom? 5) No trecho “A mãe limita-se a ficar olhando imóvel, vagamente ansiosa, como se aguardasse a aprovação do garçom.”, explique a ansiedade da mãe ao esperar a aprovação do garçom. Por que o garçom não aprovaria o pedido do pai? 6) Observe que ao descrever a cena que está diante dos olhos, o narrador-personagem questiona: “Por que não começa a comer?” Por quê? Levante hipóteses. 7) Em “Vejo que os três, pai, mãe e filha, obedecem em torno à mesa um discreto ritual.”, a expressão destacada será revelada mais adiante. O que representa esse ritual? Quais são os elementos que compõem esse ritual? 8) Explique o que sentiu o narrador-personagem quando o pai sorri para ele. “Dá comigo de súbito, a observá-lo, nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido - vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso.” Avaliação
  4. 4. No texto de Fernando Sabino, o narrador-personagem procura algo do cotidiano para escrever a sua última crônica e se depara com uma comemoração de aniversário de uma menininha de dois anos em um lugar (botequim) um pouco improvável para o “ritual”. Produção de texto para a Olimpíada de Língua Portuguesa: Após o rodízio de leitura (crônicas) e a realização de várias oficinas do caderno do Professor, os alunos produziram um pequeno texto a partir de um acontecimento que eles considerassem importantes do seu dia a dia. O texto escolhido pela comissão do colégio já foi enviado e agora estamos na torcida. Segue abaixo o texto selecionado da aluna Maria Giselly, do 9ª “A”. Um Sonho Como sabemos quase todos os garotos sonham ser jogadores de futebol, mas é claro, nem todos realizam esse sonho, afinal, o futebol como em outros esportes só há espaço para o melhor. Comigo não foi diferente, sonhava acordada em ser uma grande jogadora, por isso praticava bastante. Eu e meu amigo Marcos compartilhávamos do mesmo sonho. Aos 14 anos, nós jogamos no time da escola e do bairro. Aos 15 anos decidimos arriscar e fizemos um teste para jogar em um grande time, um time de verdade, um time profissional. Sabíamos que tínhamos poucas chances, mas mesmo assim fizemos. Depois de muito esforço terminamos os testes, estávamos nervosos pensando que iríamos enfartar de tanta tensão. Enfim a notícia chegou dizendo “Parabéns vocês passaram nos testes”. Finalmente um Gooooool na nossa história de vida, finalmente alcançamos um sonho tão desejado que chegava a parecer obsessão. Sentimos o gosto da vitória por vencermos no jogo e na vida. Quando olho para trás, paro e penso “Se tiver um sonho, lute por ele, faça o possível e impossível para alcançá-lo. Sonhos são como estrelas, parecem impossíveis de serem alcançados, mas quando enfim alcançamos, ficamos maravilhados, deslumbrados”. Nunca desista dos seus sonhos. Maria Giselly – 9º “A” Estratégias e recursos da aula: Os materiais da Olimpíada. http://escrevendo.cenpec.org.br/ecf/index.php?option=com_content&task=view&id=18008 Espaço da aula ( sugestão da aula): http://portaldoprofessor.mec.gov.br/index.html Biografia do Fernando Sabino disponível nos sites: http://www.releituras.com/fsabino_bio.asp http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Sabino Texto: “A última crônica” de Fernando Sabino, disponível no site: http://www.almacarioca.com.br/cro169.htm

×