Soneto: Viagens    Autor: Luiz Gonzaga PinheiroMúsica: Perfume de mulher
Sou como um barco silencioso que navega
Na majestosa imensidão do infinito
A procura do amor, do saber, mas não aflito
Pois a descrença não é a venda que me cega
Busco no brio que adorna as velhas naus
O que Deus em Sua obra tem escrito
Alguma fórmula que acabe com o conflito
Que transforme em anjos homens maus
Vejo nas gemas, nos breus, nas nebulosas
Que o universo mais parece um mar de rosas
A encher-me os olhos de infinita calma
E nessa busca o coração vai confiante
Pois desse barco, de Jesus fiz comandante
E de Deus o porto seguro da minh’alma
Viagens Sou como um barco silencioso que navega    Na majestosa imensidão do infinitoA procura do amor, do saber, mas não ...
Formatação: o caçador de imagens
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Viagens

379 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
379
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Viagens

  1. 1. Soneto: Viagens Autor: Luiz Gonzaga PinheiroMúsica: Perfume de mulher
  2. 2. Sou como um barco silencioso que navega
  3. 3. Na majestosa imensidão do infinito
  4. 4. A procura do amor, do saber, mas não aflito
  5. 5. Pois a descrença não é a venda que me cega
  6. 6. Busco no brio que adorna as velhas naus
  7. 7. O que Deus em Sua obra tem escrito
  8. 8. Alguma fórmula que acabe com o conflito
  9. 9. Que transforme em anjos homens maus
  10. 10. Vejo nas gemas, nos breus, nas nebulosas
  11. 11. Que o universo mais parece um mar de rosas
  12. 12. A encher-me os olhos de infinita calma
  13. 13. E nessa busca o coração vai confiante
  14. 14. Pois desse barco, de Jesus fiz comandante
  15. 15. E de Deus o porto seguro da minh’alma
  16. 16. Viagens Sou como um barco silencioso que navega Na majestosa imensidão do infinitoA procura do amor, do saber, mas não aflitoPois a descrença não é a venda que me cega Busco no brio que adorna as velhas naus O que Deus em Sua obra tem escrito Alguma fórmula que acabe com o conflito Que transforme em anjos homens maus Vejo nas gemas, nos breus, nas nebulosasQue o universo mais parece um mar de rosas A encher-me os olhos de infinita calma E nessa busca o coração vai confiante Pois desse barco, de Jesus fiz comandante E de Deus o porto seguro da minh’alma
  17. 17. Formatação: o caçador de imagens

×