Aula 6 semana

585 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
585
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
135
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 6 semana

  1. 1. Jorge Ávila PROJETO E GERENCIAMENTO DE REDE
  2. 2. Análise Técnica  Nesta etapa iremos examinar os objetivos técnicos. São eles:  Escalabilidade  Disponibilidade  Desempenho  Segurança  Gerenciabilidade  Usabilidade  Adaptabilidade  Custo-benefício
  3. 3. Escalabilidade  É a capacidade de expansão que é suportada pela rede, como adição de novos pontos de rede, usuários, equipamentos, zonas, sites e localidades.
  4. 4. Escalabilidade  É devido à escalabilidade que é importante que, ainda na análise de negócio, conheçamos o plano de expansão da empresa, nos dando assim conhecimento necessário para tratar da escalabilidade da rede e poder projetá-la para se adequar sem transtornos quando as mudanças ocorrerem.
  5. 5. Disponibilidade  É a quantidade de tempo em que a rede está disponível.  A disponibilidade é mensurada em porcentagem.  Alguns tipos de negócios não aceitam uma disponibilidade muito baixa.
  6. 6. Disponibilidade  Por exemplo:  uma rede que deve ficar no ar 24h por dia e a cada dia ela passa 1 hora e meia fora do ar, pela regra de três temos:
  7. 7. Disponibilidade  A disponibilidade da rede do exemplo acima é muito ruim. Até mesmo porque passar uma hora e meia fora do ar todo dia torna esta rede quase inviável.  Uma disponibilidade aceitável em uma rede está na faixa de 99,95%, que corresponde a 5 minutos fora do ar (downtime) por semana.
  8. 8. Disponibilidade
  9. 9. Disponibilidade  Outro aspecto que deve ser verificado é o MTBF e o MTTR dos equipamentos.  O MTBF – Mean Time Between Failures é o tempo previsto pelo fabricante para o equipamento apresentar sua primeira falha a partir da primeira vez em que é ligado.  O MTTR – Mean Time To Repair é o tempo de recuperação ou até mesmo de substituição do equipamento para que tudo volte a funcionar normalmente.
  10. 10. Disponibilidade  A relação entre essas duas medidas em relação à disponibilidade da rede é: MTBF / (MTBF + MTTR)  É importante efetuar este cálculo, pois não adianta comprar um determinado equipamento só porque ele é mais barato, se a disponibilidade dele é muito baixa.
  11. 11. Desempenho  O desempenho é uma junção de vários requisitos:  Capacidade: é a largura de banda, ou quantos bits podem trafegar na rede por segundo.  Utilização: é uma média do percentual utilizado da capacidade.  Utilização máxima: é o valor da utilização da rede em sua carga máxima.  Vazão: é a quantidade de bits que trafegam por segundo na rede sem erros. Em algumas aplicações a vazão é mais importante que o atraso. A vazão pode diminuir, caso a rede esteja saturada, ou seja, em sua utilização máxima.
  12. 12. Desempenho  Carga oferecida: A soma de todo o tráfego oferecido à rede num determinado momento.  Acurácia: calculando-se a carga oferecida, a acurácia é o que foi transmitido corretamente em relação ao todo. Interferências eletromagnéticas e variações de tensão podem ser prejudiciais à acurácia.  Eficiência: quantidade de dados úteis transmitidos (acurácia) descontando-se os custos (overheads).
  13. 13. Desempenho  Atraso: média de tempo que um quadro pronto leva para transmitir da origem até o destino. Aplicações em tempo real são extremamente sensíveis a atrasos.  Variação de atraso: quantidade de variação no atraso médio.  Tempo de resposta: tempo entre um pedido e sua respectiva resposta. Podem variar de milissegundos a minutos e dependendo da aplicação um tempo de resposta elevado pode ser aceitável.
  14. 14. Segurança  Antes de tudo é necessário fazer um levantamento dos riscos para delimitar o nível de risco em que a empresa está.  Só depois é traçado um nível de risco aceitável, que é aquele em que a empresa pode funcionar.
  15. 15. Segurança  Nesta avaliação do risco aceitável, é necessário cuidado ao se aceitar um determinado risco, mas se não for possível minimizá-lo, é importante que se tenha um plano de resposta a incidentes.
  16. 16. Segurança  É fato que não é possível eliminar totalmente um risco que está inserido no cenário da empresa, mas é possível minimizá-lo.  Para isso, temos que conhecer bem quais são as ameaças a que a empresa está susceptível e quais são as vulnerabilidades que existem na empresa.
  17. 17. Gerenciabilidade  É a capacidade de gerenciamento da rede. Existe um modelo de gerenciamento chamado FCAPS criado pela ISO que baseia a gerência em cinco áreas distintas:  Falha (Fault);  Configuração (Configuration);  Contabilidade (Accounting);  Performance (Performance) ;  Segurança (Security).
  18. 18. Gerenciabilidade  Falhas: deve-se monitorar as falhas em processadores, memórias, sistemas e interfaces para evitar problemas com a disponibilidade e a performance da rede.  Configuração: deve-se manter armazenadas as configurações dos equipamentos para agilizar a solução e o retorno em caso de falhas.  Contabilidade: deve-se gerenciar os recursos disponibilizando cotas para os usuários ou grupos, como espaço em disco, por exemplo, evitando assim, o mau uso.
  19. 19. Gerenciabilidade  Performance: deve-se monitorar a utilização de recursos como memória, processadores, espaço em disco, banda, licenças, recursos de hardware e etc.  Segurança: deve-se controlar o acesso de usuários aos recursos da rede usando o AAA – Autenticação, Autorização e Auditoria.
  20. 20. Usabilidade  A usabilidade é quem traz a facilidade para o usuário utilizar a rede. Algumas políticas de segurança se forem muito rígidas, podem diminuir a usabilidade da rede.  A usabilidade é um objetivo que deve ser visto com cuidado para ser garantido sem prejudicar a segurança da rede.
  21. 21. Adaptabilidade  A adaptabilidade é a capacidade da rede em se adaptar a mudanças.  Estas mudanças podem ser de tecnologias, protocolos, formas de negócio e legislação.  Não se deve confundir adaptabilidade com escalabilidade.
  22. 22. Custo-benefício  Como citamos anteriormente, na criação de um projeto de rede, deve-se pensar sempre na relação Custo x Benefício buscando analisar as necessidades do cliente, os recursos que ele possui, o custo para a implantação e os benefícios que o projeto irá trazer  Um bom projeto de rede garante todos os objetivos técnicos com um custo aceitável para o cliente.
  23. 23. Análise da rede existente  Antes de passar para a próxima etapa, ou seja, para o projeto lógico, você deve analisar a rede já existente e como ela funciona e descobrir o que é importante para o cliente, o que não pode deixar de funcionar, o que está causando problemas e deve ser melhorado ou extinguido na nova rede.
  24. 24. Análise da rede existente  Avaliação da topologia física;  Avaliação da topologia lógica;  Avaliação das aplicações envolvidas;  Protocolos;  Esquema de endereçamento;  Limitações da rede;  Disponibilidade da rede;  Desempenho da rede;  Gerenciamento da rede;  Segurança da rede;  Tráfego da rede; A análise da rede existente é extremamente importante quando o projeto é de expansão da rede atual, por razões óbvias.
  25. 25. Avaliação da topologia física:  Deve-se montar um mapa da rede atual indicando os segmentos, equipamentos, comunicações externas tipos de cabos e tamanhos.  Ainda na topologia deve-se informar geograficamente onde estão todas as conexões sejam elas LAN, MAN ou WAN e com que a rede se comunica.
  26. 26. Avaliação da topologia lógica  Deve-se informar também:  O fluxo de informações;  As conexões LAN e WAN informando quais são os equipamentos;  Recursos;  Servidores existentes;  Endereçamento;  Largura de banda e tecnologia nos enlaces.
  27. 27. Avaliação das aplicações envolvidas  Tipos de aplicação, número de usuários, número de clientes e servidores e tráfego. Protocolos  Quais são os protocolos, tipos de protocolos e áreas da empresa que os utilizam
  28. 28. Esquema de endereçamento  Deve-se dar uma visão geral das rede e sub-redes documentando o esquema de endereçamento, mapeando os IPs de todos os nós para que seja possível analisar as faixas de Ips usadas, evitando assim problemas na inserção de novas sub-redes ou até mesmo a ligação com redes externas.
  29. 29. Limitações da rede  Deve-se identificar os problemas, os gargalos da rede usando ferramentas de gerência de performance Disponibilidade da rede  Deve-se calcular a disponibilidade da rede a avaliar o percentual obtido. A partir do resultado, deve-se tentar descobrir quais são as causas da indisponibilidade da rede.  Essas descobertas serão essenciais para o bom funcionamento da nova rede.  Muitas vezes os problemas estão ocultos e continuam presentes mesmo com a reestruturação da rede, se não forem descobertos a tempo.  Se não existe uma medição frequente da disponibilidade, esta deve ser feita nesta fase do projeto, mesmo que o tempo seja curto.
  30. 30. Desempenho da rede  Deve-se medir e avaliar todos os critérios de desempenho citados anteriormente: capacidade, utilização máxima, carga oferecida, integridade, atraso, variação do atraso e tempo de resposta. Gerenciamento da rede  Devem-se verificar quais são os softwares, protocolos, equipamentos e serviços de gerência que são utilizados.  Além disso, deve-se avaliar que medidas são tomadas em relação aos resultados obtidos pelas ferramentas de gerenciamento
  31. 31. Segurança da rede;  Deve-se avaliar o nível de segurança utilizado, quais são as ferramentas de segurança, tanto de software quanto de hardware, e se essas ferramentas estão sendo eficazes. É interessante verificar a política de segurança da empresa (se houver) para avaliar a análise de risco feita, as ameaças e as vulnerabilidades. Tráfego da rede  Efetuar a medição do throughput (taxa de transferência real) da rede com fio e sem fio.
  32. 32. Exercício 1) Quais os objetivos da análise técnica em um projeto de redes? 2) O que é escalabilidade de uma rede de computadores? 3)Se uma rede fica 1 hora fora do ar por dia qual a porcentagem de disponibilidade ela terá? Será uma disponibilidade satisfatória ou não? 4)O que significa MTBF e MTTR e para que eles servem em uma rede de computadores? 5) Quais os requisitos para um bom desempenho de uma rede? 6)Qual os cuidados que se deve ter com Segurança em uma Rede de Computadores? 7)Explique o modelo FCAPS de Gerenciamento de uma rede. 8)O que seria Usabilidade da Rede? 9)quando o projeto é de expansão da rede atual quais análises teremos que ter com a rede? 10) Quais as análises que se tem que se tomar para a avaliação da Topologia Lógica da rede?

×