ISRAEL VERSUS PALESTINA

440 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
440
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ISRAEL VERSUS PALESTINA

  1. 1. Recebi recentemente de um amigo um e-mail intitulado Como iniciar um discurso inteligente...que, a despeito do título, demonstra total ignorância sobre fatos históricos, como será demonstradopor mim em seguida ao tal “inteligente discurso” que segue abaixo: Como iniciar um discurso inteligente...Um exemplo de oratória e habilidade política, ocorrido recentementena ONU, fez sorrir toda a comunidade mundial ali presente.Falava o representante de Israel na ONU:Antes de começar o meu discurso, quero contar-lhes algo inéditosobre Moisés ... (todos ficaram muito curiosos)... quando Moisésgolpeou a rocha com seu cajado e dela saiu água, pensouimediatamente": “Que boa oportunidade para tomar um banho!”.Tirou a roupa, deixou-a junto da pedra e entrou n´água. Quandoacabou de banhar-se e quis vestir-se, sua roupa tinha sumido! Ospalestinos haviam-na roubado!!!" Um representante da Palestina de pronto levantou-se furioso ebradou: "Que mentira boba e descabida!...nem havia palestinosnaquela época!!!" O representante de Israel então sorriu e afirmou: "Muitobem...então, agora que ficou bem claro quem chegou primeiro a esteterritório e quem foram os invasores, posso enfim começar o meudiscurso..."Afinal de contas, com quem está a razão sobre esta histórica disputa? A resposta imparcial paradito dilema encontra-se com os próprios judeus pois, na Bíblia, nos Salmos de Davi, encontra-seem Salmos 80:8: Trouxeste do Egito uma videira; expulsaste as nações, e a plantaste.Quais as nações expulsas pela videira que Moisés trouxe do Egito para a terra prometida deCanaã? A resposta encontra-se em Êxodo 33: 1-3:
  2. 2. Disse mais o Senhor a Moisés: Vai, sobe daqui, tu e o povo que fizeste subir da terra do Egito, para a terra a respeito da qual jurei a Abraão, a Isaque, e a Jacó, dizendo: à tua descendência a darei. E enviarei um anjo adiante de ti (e lançarei fora os cananeus, e os amorreus, e os heteus, e os perizeus, e os heveus, e os jebuseus), para uma terra que mana leite e mel;Embora Moisés tenha guiado o êxodo israelita do Egito, ele próprio não expulsou as nações que láresidiam; ele não tinha autorização do Senhor para cruzar o Jordão; chegado ao Jordão, Moiséspassou o comando para Josué que executou a expulsão dos povos e a tomada de posse da formacomo aconteceu com Jericó, como descrito em Josué 6: 20-21: Gritou, pois, o povo, e os sacerdotes tocaram as trombetas; ouvindo o povo o sonido da trombeta, deu um grande brado, e o muro caiu rente com o chão, e o povo subiu à cidade, cada qual para o lugar que lhe ficava defronte, e tomaram a cidade: E destruíram totalmente, ao fio da espada, tudo quanto havia na cidade, homem e mulher, menino e velho, bois, ovelhas e jumentos.A Bíblia, portanto, é prova irrefutável de que até mesmo os israelitas (descendentes de Jacó,cognominado Israel) da época do êxodo foram invasores de uma terra que lhes fora prometida peloirascível Senhor Jeová, às custas do sangue dos que lá residiam, demonstrando a ignorânciapolítica e religiosa do representante israelense na ONU.Numa comparação escrita por um escritor, sobre o “presente” sionista da Grã-Bretanha aos judeus,que lhes entregou a Palestina, o que por direito nem lhes pertencia, pode-se fazer a comparaçãodos Estados Unidos entregarem Porto Rico a alguma minoria, não desejada pelos porto-riquenhos.Se forem alegados motivos históricos, devemos temer, para o futuro, um ressurgimento, porexemplo da Macedônia, com seu povo querendo de volta as terras conquistadas por Alexandre. Ouos italianos quererem de volta as terras que possuíam no tempo de Julio César.Outro lado da questão, pouco conhecida das pessoas, é que é preciso garantir o aumentopopulacional de Israel; de que maneira? Quem responde é o livro La Sucia História de la LigaAntidifamacion de B’ nai B’ rith (A Suja História da Liga Antidifamação de B’ nai B’ rith) que, naquarta capa fala o que segue: A Liga Antidifamação (Antidefamation League – ADL) de B’ nai B’ rith se faz passar por organização benfeitora e defensora dos judeus, mas em realidade é uma loja maçônica com uma larga história de atividades criminais e traidoras. Este livro dará ao leitor uma idéia muito mais clara das verdadeiras atividades da ADL, cujo propósito essencial é destruir as instituições vitais do Estado nacional: a Igreja, a educação pública, o sistema judicial, as Forças Armadas e a economia produtiva. É importante que os cidadãos iberoamericanos conheçam a suja história da Liga Antidifamação de B’ nai B’ rith (Filhos da Aliança) e atuem para denunciar e deter suas atividades anti-nacionais. O feito de que este organismo siga existindo internacionalmente representa uma ameaça para a segurança de todo o continente.Nas páginas 94-96, o livro comenta: Segundo os jornalistas Rowland Evans e Robert Novak, em 23 de janeiro de 1989 [Edgar] Bronfman sediou em seu apartamento de luxo em Nova York uma reunião secreta para forjar o que os jornalistas apelidaram de acordo “judeus por grãos” entre a União Soviética e Israel. Presente na reunião estava Dwayne Andreas, presidente do cartel graneleiro Archer Daniels Midland, antigo aliado e apoio da ADL. O Wall Street Journal chamava Andreas de “o amigo mais íntimo de Gorbachov no Ocidente”. O acordo Bronfman–Andreas era simples: em troca de imensas quantidades de grãos baratíssimas de ADM (Archer Daniels Midland) e outros cartéis de grãos dos Estados Unidos, o governo soviético permitia o êxodo massivo de judeus soviéticos a Israel. Esta era a versão atualizada do caso de espionagem de [Jonathan] Pollard, no qual segredos militares dos Estados Unidos eram trocados por migração controlada de judeus da
  3. 3. União Soviética a Israel. O denominador comum de ambas ações era o papel protagônico daADL.Como parte do acordo Bronfman–Andreas, a KGB se aquadrilhou com o CongressoMundial Judaico de Bronfman e a ADL para provocar uma ruptura diplomática entre ogoverno de Reagan e o presidente austríaco Kurt Waldheim, ex-secretário geral das NaçõesUnidas. A KGB eleborou provas falsas, que a ADL e o Congresso Mundial Judaicoencarregaram-se de difundir, de que Waldheim havia sido um destacado criminoso de guerranazi durante a Segunda Guerra Mundial.O propósito da campanha de difamação era eliminar a Áustria como estação de passagemdos judeus soviéticos que iam para o Ocidente. No passado, uma vez que os judeussoviéticos pisavam solo austríaco, era-lhes outorgado condição de refugiados políticos quelhes permitia residência no país que escolhessem. A maioria permanecia na Europaocidental ou ia para os Estados Unidos. Fechada a Áustria, Bronfman e Gorbachovelaboraram rotas alternativas através dos países do Pacto de Varsóvia e ao longoprogramaram vôos diretos da União Soviética a Israel, para assegurar que os refugiadossoviéticos não pudessem escolher onde viver.

×