Uma análise da Petróleo Brasileiro S/A de 2000 a 2014
Bruno César Linhares da Costa Silva
Orientadora: Dra. Fernanda Crist...
2 JUSTIFICATIVA
3 REFERENCIAL TEÓRICO
4 METODOLOGIA
6 RESULTADOS ENCONTRADOS
1 OBJETIVOS
7 CONSIDERAÇÕES FINAIS
APRESENTAÇ...
OBJETIVOS
OBJETIVO GERAL
Compreender a trajetória de desempenho econômico-financeira da Petróleo
Brasileiro S/A em uma abo...
JUSTIFICATIVA
• Atua no fornecimento de recursos energéticos estratégicos em âmbito mundial
• Representatividade no PIB e ...
REFERENCIAL TEÓRICO
Autores Afirmações
(LACERDA, ENSLIN, L., ENSLIN, S. R., 2012),
(ALONSO, 1999), (LIMA NETO, 2011)
(CARV...
METODOLOGIA
Pesquisa
Bibliográfica
Pesquisa
Documental
Formulação
de
Indicadores
Plotagem
Gráfica de
Indicadores
e Discuss...
CONTEXTUALIZAÇÃO
PETRÓLEO BRASILEIRO S/A
• Sociedade de Economia Mista cujo maior acionista é a União
Federal
• 65 anos de...
ESTRUTURA
DE CAPITAL
LIQUIDEZ RENTABILIDADE
RESULTADOS
TRIPÉ ECONÔMICO
8
1.66
1.55
1.85
1.66
1.44
1.15
1.00
0.90
1.05
1.10
0.67
0.80
1.02
1.16
1.55
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
20...
1.66
1.55
1.85
1.66
1.44
1.15
1.00
0.90
1.05
1.10
0.67
0.80
1.02
1.16
1.55
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
20...
Análise de Liquidez
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
R$
NCG x CDG
Necessidade de...
Análise de Liquidez2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
R$
ATIVO CIRCULANTE
PASSIVO ...
Análise de Liquidez
Variação
nos índices
Estabilidade
em condições
razoáveis
Piora das condições –
menor AC devido
aumento...
Análise de Rentabilidade
14.84%
13.13%
8.33%
13.06%
10.26%
12.93%
12.31%
9.30%
10.57%
9.52%
6.94%
5.53%
3.13%
3.06%
-2.76%...
Análise de Rentabilidade2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
%
Lucro Líquido Ativo
-...
Análise de Rentabilidade2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
2008
2009
2010
2011
2012
2013
2014
%
Lucro Líquido Patrimô...
Análise de Rentabilidade
Rentabilidade alta, com
ROE se deteriorando a
partir de 2004
(+ PL vs Lucros)
Rentabilidade decre...
ConsideraçõesFinais
A análise temporal conclui que:
• A política de aumento de ativos permanentes da companhia levou a det...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Avaliação de performance econômico-financeira da Petrobras de 2000 a 2014

406 visualizações

Publicada em

Avaliação econômico-financeira da Petrobras
Disponível em https://sigaa.ufrn.br/sigaa/verProducao?idProducao=2918301&key=5d8e338b5be0900700e7d43de8c64357

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação de performance econômico-financeira da Petrobras de 2000 a 2014

  1. 1. Uma análise da Petróleo Brasileiro S/A de 2000 a 2014 Bruno César Linhares da Costa Silva Orientadora: Dra. Fernanda Cristina Barbosa Pereira Queiroz 1
  2. 2. 2 JUSTIFICATIVA 3 REFERENCIAL TEÓRICO 4 METODOLOGIA 6 RESULTADOS ENCONTRADOS 1 OBJETIVOS 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS APRESENTAÇÃO 5 CONTEXTUALIZAÇÃO 2
  3. 3. OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Compreender a trajetória de desempenho econômico-financeira da Petróleo Brasileiro S/A em uma abordagem histórica e baseada em dados de avaliação de indicadores econômico-financeiros de resultados alcançados entre 2000 e 2014. PROBLEMA DE PESQUISA “Como a trajetória de resultados econômicos passados construiu a atual situação econômico-financeira da Petróleo Brasileiro S/A? ” OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Analisar os balanços patrimoniais e demonstrativos de resultados com enfoque em indicadores; 2. Investigar os resultados dos indicadores econômico-financeiros ao longo do tempo definido; 3. Avaliar a trajetória econômico-financeira. 3
  4. 4. JUSTIFICATIVA • Atua no fornecimento de recursos energéticos estratégicos em âmbito mundial • Representatividade no PIB e nos aportes de investimento em infraestrutura do país Entre 1990 e 2010, a participação do setor de petróleo e gás no Produto Interno Bruto (PIB) cresceu de 3% para 12% e a Petrobras, em 2010, produziu 93,3% de todo o petróleo produzido no ano. (CNI, IBP, 2012) RELEVÂNCIA ECONÔMICA RELEVÂNCIA ACADÊMICA • Consecução do papel social da academia de discutir a sociedade a partir da consolidação de conhecimentos. 4 (CORREIO BRAZILIENSE, 04/10/2013) (FOLHA DE SÃO PAULO, 23/03/2014) (G1, 24/02/2015)
  5. 5. REFERENCIAL TEÓRICO Autores Afirmações (LACERDA, ENSLIN, L., ENSLIN, S. R., 2012), (ALONSO, 1999), (LIMA NETO, 2011) (CARVALHO, BIALOSKORSKI NETO, 2008) (FERREIRA, 2012), (NASCIMENTO et al, 2012) Sistemas de avaliação de desempenho são para identificar, organizar e mensurar impactos das ações tomadas (CARVALHO, BIALOSKORSKI NETO, 2008), (ALONSO, 1999), (FERREIRA, 2012) Os indicadores de desempenho permitem identificação e análise de situações e tendências para percepção da realidade (NASCIMENTO et al, 2012), (LIMA NETO, 2011), (CARVALHO, BIALOSKORSKI NETO, 2008) Importante ter critério e seletividade acerca das escolhas dos indicadores significativos. (ZÜGE, CHAVES NETO, 1999) No âmbito financeiro, os indicadores identificam pontos fracos através de análise de demonstrativos contábeis. (LIMA NETO, 2011), (CUNHA, MARTINS, ASSAF NETO, 2012), (CORRÊA ET AL, 2012), (SILVA ET AL, 2013) As organizações tem por objetivo o sucesso financeiro e, portanto, é importante a avaliação desse desempenho. (ASSAF NETO, 2015) A análise de empresas é caracterizada pela comparação de valores obtidos entre períodos diferentes e outros afins. (LIMA NETO ,2011), (NASCIMENTO ET AL, 2012), (SILVA ET AL, 2013), PLAIS (2010), MARION (2010) A análise de desempenho econômico-financeiro ocorre mediante indicadores destes aspectos: estrutura de capital, liquidez, rentabilidade. 5
  6. 6. METODOLOGIA Pesquisa Bibliográfica Pesquisa Documental Formulação de Indicadores Plotagem Gráfica de Indicadores e Discussão Integração das conclusões dos indicadores Fundamenta os métodos de análise e interpretação dos resultados Demonstrativos Contábeis dos anos 2000 a 2014 Pesquisa Quantitativa (indicadores) Pesquisa Explicativa (trajetória) e Qualitativa (atribuição de significado aos indicadores) Abordagem de Estudo de Caso 6
  7. 7. CONTEXTUALIZAÇÃO PETRÓLEO BRASILEIRO S/A • Sociedade de Economia Mista cujo maior acionista é a União Federal • 65 anos de existência e líder do setor petrolífero brasileiro. • Atua como empresa integrada de energia 2000 2007 2010 2014 INÍCIO DESCOBERTA DO PRÉ-SAL AUMENTO DE CAPITAL FIM 7
  8. 8. ESTRUTURA DE CAPITAL LIQUIDEZ RENTABILIDADE RESULTADOS TRIPÉ ECONÔMICO 8
  9. 9. 1.66 1.55 1.85 1.66 1.44 1.15 1.00 0.90 1.05 1.10 0.67 0.80 1.02 1.16 1.55 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Grau da dívida 0.56 0.… 0.62 0.… 0.76 0.… 0.78 0.85 0.86 0.82 0.81 0.82 0.85 0.87 0.86 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Imobilização de capitais permanentes Análise de Estrutura de Capital 0.48 0.48 0.46 0.43 0.38 0.43 0.46 0.43 0.39 0.30 0.27 0.26 0.21 0.20 0.17 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Composição do endividamento = 𝑃𝐶 + 𝑃𝐸𝐿 𝑃𝐿 = 𝑃𝐶 𝑃𝐶 + 𝑃𝐸𝐿𝑃 = 𝐴𝑃 𝑃L + 𝑃𝐸𝐿𝑃 9
  10. 10. 1.66 1.55 1.85 1.66 1.44 1.15 1.00 0.90 1.05 1.10 0.67 0.80 1.02 1.16 1.55 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Grau da dívida 0.56 0.… 0.62 0.… 0.76 0.… 0.78 0.85 0.86 0.82 0.81 0.82 0.85 0.87 0.86 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Imobilização de capitais permanentes Análise de Estrutura de Capital 0.48 0.48 0.46 0.43 0.38 0.43 0.46 0.43 0.39 0.30 0.27 0.26 0.21 0.20 0.17 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Composição do endividamento Maiores graus de dívida de CP Menor imobilização de capitais de LP Redução de grau de dívida Mantem CP Aumento de imobilização de capitais de LP Aumento do grau de endividamento Aumento de dívidas de LP Maiores índices de imobilizações de capitais de LP Redução do grau de endividamento (perfil de LP) Manutenção dos índices de imobilização de LP Aumento do grau de endividamento (perfil de LP) Manutenção dos índices de imobilização de LP 2000 a 2002 2002 a 2007 Após 2007 Após 2010 2011 a 2014 10
  11. 11. Análise de Liquidez 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 R$ NCG x CDG Necessidade de Capital de Giro Capital de Giro 0.98 1.00 0.87 0.81 0.… 0.76 0.80 0.69 0.61 0.60 0.69 0.61 0.46 0.41 0.38 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Geral = 𝐴C 𝑃𝐶 = 𝐴𝐶 + 𝐴𝑅𝐿𝑃 𝑃𝐶 + 𝑃𝐸𝐿𝑃 𝐶𝐷𝐺 = 𝑃𝑃 − 𝐴𝑃 𝑁𝐶𝐺 = 𝐴𝑂 − 𝑃𝑂 1.21 1.55 1.31 1.41 1.44 1.42 1.40 1.12 1.06 1.35 1.89 1.781.70 1.49 1.63 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Corrente 1.21 1.55 1.31 1.41 1.44 1.42 1.40 1.12 1.06 1.35 1.89 1.78 1.70 1.49 1.63 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Corrente 11
  12. 12. Análise de Liquidez2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 R$ ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE 2005 2006 2007 2008 ATIVO PERMANENTE PASSIVO PERMANENTE 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 R$ ATIVO REALIZÁVEL LP PASSIVO EXÍGIVEL LP 12 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 R$ NCG x CDG Necessidade de Capital de Giro Capital de Giro 0.98 1.00 0.87 0.81 0.… 0.76 0.80 0.69 0.61 0.60 0.69 0.61 0.46 0.41 0.38 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Geral 1.21 1.55 1.31 1.41 1.44 1.42 1.40 1.12 1.06 1.35 1.89 1.781.70 1.49 1.63 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Corrente 1.21 1.55 1.31 1.41 1.44 1.42 1.40 1.12 1.06 1.35 1.89 1.78 1.70 1.49 1.63 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Corrente
  13. 13. Análise de Liquidez Variação nos índices Estabilidade em condições razoáveis Piora das condições – menor AC devido aumento de imobilização de capitais de LP Regulariza a partir de 2009 (com dívida de LP) Expressiva melhora (aumento de capital) Trajetória em condições razoáveis 2000 a 2003 2002 a 2006 Após 2006 Após 2010 2011 a 2014 Liquidez de LP com tendência de queda (aumento de dívidas de LP) 13 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 R$ NCG x CDG Necessidade de Capital de Giro Capital de Giro 0.98 1.00 0.87 0.81 0.… 0.76 0.80 0.69 0.61 0.60 0.69 0.61 0.46 0.41 0.38 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Geral 1.21 1.55 1.31 1.41 1.44 1.42 1.40 1.12 1.06 1.35 1.89 1.781.70 1.49 1.63 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Corrente 1.21 1.55 1.31 1.41 1.44 1.42 1.40 1.12 1.06 1.35 1.89 1.78 1.70 1.49 1.63 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Liquidez Corrente
  14. 14. Análise de Rentabilidade 14.84% 13.13% 8.33% 13.06% 10.26% 12.93% 12.31% 9.30% 10.57% 9.52% 6.94% 5.53% 3.13% 3.06% -2.76% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ROI 39.86% 34.06% 23.59% 36.05% 27.18% 30.11% 26.58% 18.89% 21.63% 19.98% 11.58% 9.97% 6.34% 6.59% -7.06% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ROE 2.69 2.59 2.83 2.76 2.65 2.33 2.16 2.03 2.05 2.10 1.67 1.80 2.02 2.16 2.55 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Grau de alavancagem financeira = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝑃𝑎𝑡𝑟𝑖𝑚ô𝑛𝑖𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 = 𝐿𝑢𝑐𝑟𝑜 𝐿í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜 𝑅𝑒𝑐𝑒𝑖𝑡𝑎𝑠 𝑑𝑒 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝑋 𝑅𝑒𝑐𝑒𝑖𝑡𝑎𝑠 𝑑𝑒 𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝐴𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙 = 𝑅𝑂𝐸 𝑅𝑂𝐼 14
  15. 15. Análise de Rentabilidade2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 % Lucro Líquido Ativo -0.20 0.00 0.20 0.40 0.60 0.80 1.00 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Margem Giro -400% -200% 0% 200% 400% 600% 800% 1000% 1200% 1400% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ATIVO TOTAL RECEITA DE VENDAS LUCRO LÍQUIDO 15 14.84% 13.13% 8.33% 13.06% 10.26% 12.93% 12.31% 9.30% 10.57% 9.52% 6.94% 5.53% 3.13% 3.06% -2.76% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ROI
  16. 16. Análise de Rentabilidade2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 % Lucro Líquido Patrimônio Líquido 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 % Ativo Patrimônio Líquido 16 39.86% 34.06% 23.59% 36.05% 27.18% 30.11% 26.58% 18.89% 21.63% 19.98% 11.58% 9.97% 6.34% 6.59% -7.06% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ROE 2.69 2.59 2.83 2.76 2.65 2.33 2.16 2.03 2.05 2.10 1.67 1.80 2.02 2.16 2.55 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Grau de alavancagem financeira
  17. 17. Análise de Rentabilidade Rentabilidade alta, com ROE se deteriorando a partir de 2004 (+ PL vs Lucros) Rentabilidade decrescente (+ Ativo, + PL vs Lucros) Rentabilidade Baixa 2000 a 2007 Após 2007 2011 a 2014 17 14.84% 13.13% 8.33% 13.06% 10.26% 12.93% 12.31% 9.30% 10.57% 9.52% 6.94% 5.53% 3.13% 3.06% -2.76% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ROI 39.86% 34.06% 23.59% 36.05% 27.18% 30.11% 26.58% 18.89% 21.63% 19.98% 11.58% 9.97% 6.34% 6.59% -7.06% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 ROE 2.69 2.59 2.83 2.76 2.65 2.33 2.16 2.03 2.05 2.10 1.67 1.80 2.02 2.16 2.55 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Grau de alavancagem financeira
  18. 18. ConsideraçõesFinais A análise temporal conclui que: • A política de aumento de ativos permanentes da companhia levou a deterioração das condições de liquidez em 2007 e 2008, mitigadas com dívidas de LP; • Os investimentos na camada Pré-Sal direcionou a empresa a contrair dívidas de LP e realizar capitalização em bolsa; • A capitalização não sendo suficiente para as necessidades de investimentos, a política de endividamento se manteve e foi acentuada; • Em decorrência da política de investimentos e financiamento por endividamento, o portfólio atual da empresa é de baixa rentabilidade; • A baixa rentabilidade aponta para fluxo de pagamentos da dívida restritos, materializando o risco do negócio . Sugere-se como pesquisa complementar: • Comparar os resultados com padrões de indicadores do setor; • Desenvolver o indicador ROI e alavancagem excluindo os efeitos das atividades financeiras; • Desenvolver análises de fluxo de caixa tendo em vista o estoque de dívidas a se vencer. 18

×