Prestação de ContasLei de Responsabilidade FiscalAlexandre TombiniPresidente do Banco Central do BrasilJunho de 2012
Roteiro• Demonstrações financeiras• Solidez da economia brasileira• Agenda de reformas e investimentos• Cenário internacio...
Sumário executivo• O Brasil apresenta sólidos fundamentos macroeconômicos, com   robustos colchões de liquidez em moeda es...
Demonstrações  financeiras 2º semestre de 2011                       4
Resultado do Banco Central - 2011• Resultado contábil do Banco Central em 2011  foi positivo em R$ 23,5 bilhões   No 1º s...
Resultado do Banco Central - 2011                                                                                        R...
Manutenção das reservas internacionais                                  1º sem/2011   2º sem/2011         2011Custo de cap...
Manutenção das reservas internacionais   Resultado com a Política de Manutenção das Reservas          Internacionais – Com...
Resultado dos swaps cambiais              20                                      15,6              15                    ...
Resultado mensal dos swaps cambiais              3,0              2,5                                                     ...
Posição líquida em swaps cambiais                  40                  30                                                 ...
Solidez da economia     brasileira                      12
Solidez da economia brasileira• Importantes colchões de liquidez  − Reservas internacionais  − Reservas bancárias• Dívida ...
Reservas internacionais robustas               400                                                                  372   ...
Amplo colchão de liquidez do SFN                                Recolhimento compulsório dos bancos ao BC                 ...
Sólida situação fiscal                    Superávit primário (% PIB)                                                      ...
Cenário Fiscal       Resultado nominal (% PIB) - 2011                                          Dívida bruta (% PIB) - 2011...
Sistema financeiro sólido Avaliação recente do FMI e Banco Mundial concluiu que “o sistema financeiro brasileiro é estável...
Melhora na classificação de risco do Brasil              13     Baa1 / BBB+                                               ...
Taxa de juros de longo prazo em queda*     13     12 %     11     10      9                            out 11             ...
Custo das emissões externas em queda O custo das emissões externas vem caindo a cada ano e os rendimentos (yields) estão e...
Brasil: um dos principais destinos para investimentos                                                      Investimento Es...
Qualidade do financiamento do balanço de pagamentos                    IED (-) déficit em transações correntes            ...
Agenda de reformas  e investimentos                     24
Reformas fiscais e tributárias• Fundo de previdência complementar do servidor público –  Funpresp• Desoneração da folha de...
Reformas para ampliar a competitividade• Qualificação da mão de obra   − Programa “Ciência sem Fronteiras” - 100 mil bolsa...
Investimentos em infraestrutura 2012-2015   Além das reformas, o governo está empenhado em aumentar o investimento em     ...
Cenáriointernacional                28
Sumário do cenário internacional• O cenário internacional caracterizado por mercados  voláteis, baixo crescimento da econo...
Mercados continuam voláteis Indicadores de volatilidade nos mercados – quanto maiores, mais voláteis estão os mercados    ...
Valorização recente do dólar é generalizada          Variação de janeiro a abril                             Variação em m...
Valorização recente do dólar é generalizada            Variação em maio em relação às moedas de reserva* menos o US$      ...
Expectativas de crescimento do mundo em 2012    3,5    3,2    2,9    2,6    2,3    2,0          ago 11                    ...
Zona do Euro – Baixo crescimento esperado       2,5                       1,95       2,0       1,5         1,70       1,0 ...
EUA – Expectativa de crescimento moderado       3,5                                 3,2             3,10       3,0        ...
China – Moderação do ritmo de crescimento                16                                             14,2              ...
Economia brasileiraAtividade econômica       Inflação                      37
Atividade econômica• Elementos de sustentação da demanda presentes    − Taxa de desemprego em nível historicamente baixo  ...
Desemprego em níveis historicamente baixos                         14                         13                         1...
Criação de empregos formais continua positiva                       9.000                                                 ...
2010 = 100Fonte: IBGE                                               100                                                   ...
2010 = 100Fonte: IBGE                                                    100                                              ...
Vendas no varejo mantêm ritmo de expansão               110                                                               ...
Economia brasileiraAtividade econômica       Inflação                      44
Preços ao consumidor                  7,5                  7,0                  6,5  % em 12 meses                  6,0   ...
Preços de serviços                  10                      9                      8                                      ...
Inflação: mercados sugerem convergência à meta          7,0                Inflação implícita nas NTN-Bs          6,5     ...
Inflação em processo de convergência à meta                     10                      8     % em 12 meses               ...
Sistema Financeiro     Nacional        eMercado de Crédito                     49
Sistema Financeiro Nacional sólido• Fatores que garantem a solidez do SFN − Nível de capital acima do padrão internacional...
%                                                                                           12                            ...
Sistema financeiro bem provisionado                                  Excesso ou deficiência de provisão / Capital*        ...
Elevado nível de liquidez                                                   Ativos líquidos / Passivos de curto prazo     ...
Expansão do crédito, com redução dos juros e spread • O crédito expande de forma moderada    Saldo das operações de crédi...
Crédito expande de forma sustentável            Crédito imobiliário crescendo em ritmo acelerado, mas ainda representa    ...
Redução da taxa de juros ....               50                    45,1               45                             40,1  ...
... e também do spread bancário                         40                              34,9                         35   ...
Perspectiva de redução da inadimplênciaFatores que sugerem a redução da inadimplência ao longo do2º semestre:• As concessõ...
Dados antecedentes indicam redução da inadimplência                      Financiamento de veículos: inadimplência 4 meses ...
Considerações   Finais                60
Perspectivas da economia brasileira• O Brasil apresenta sólidos fundamentos macroeconômicos e importantes   colchões de li...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentacao alexandre tombini_cmo_5-6-2012

7.184 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.184
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.536
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentacao alexandre tombini_cmo_5-6-2012

  1. 1. Prestação de ContasLei de Responsabilidade FiscalAlexandre TombiniPresidente do Banco Central do BrasilJunho de 2012
  2. 2. Roteiro• Demonstrações financeiras• Solidez da economia brasileira• Agenda de reformas e investimentos• Cenário internacional• Atividade econômica e inflação• Sistema financeiro e crédito 2
  3. 3. Sumário executivo• O Brasil apresenta sólidos fundamentos macroeconômicos, com robustos colchões de liquidez em moeda estrangeira e no Sistema Financeiro Nacional• O governo está avançando na agenda de reformas e realizando investimentos em infraestrutura, a fim de elevar a produtividade e competitividade da economia brasileira• O cenário internacional continua sendo de volatilidade nos mercados e perspectiva de baixo crescimento para os próximos anos• O ritmo da atividade econômica no Brasil irá se acelerar ao longo de 2012, sustentado pela demanda interna e pela flexibilização das condições monetárias e financeiras• A inflação segue em trajetória de convergência para a meta 3
  4. 4. Demonstrações financeiras 2º semestre de 2011 4
  5. 5. Resultado do Banco Central - 2011• Resultado contábil do Banco Central em 2011 foi positivo em R$ 23,5 bilhões  No 1º semestre de 2011, o BC apresentou resultado positivo de R$ 12,2 bilhões  No 2º semestre de 2011, o resultado do BC ficou positivo em R$ 11,3 bilhões  De acordo com a legislação, o resultado apurado no 1º semestre de 2011 foi transferido ao Tesouro Nacional em agosto de 2011, e o referente ao 2º semestre de 2011 foi transferido em março de 2012 5
  6. 6. Resultado do Banco Central - 2011 R$ milhões 1º sem/2011 2º sem/2011 Exercício 2011Resultado de Operações de Mercado Aberto 21.569 17.050 38.619 Juros com operações com títulos 43.378 40.925 84.303 Juros com operações compromissadas (21.809) (23.875) (45.684)Depósitos Compulsórios (16.444) (18.719) (35.163)Juros com o Governo Federal (18.502) (16.586) (35.088)Outras Receitas e Despesas Financeiras e Administrativas 25.607 29.496 55.103Resultado no Período 12.230 11.241 23.471 6
  7. 7. Manutenção das reservas internacionais 1º sem/2011 2º sem/2011 2011Custo de captação -4,56% -4,43% -8,97%Rentabilidade 1,55% 1,94% 3,52%Custo de carregamento* -3,01% -2,49% -5,45%* Sem considerar a variação cambial1º sem/2011 – Saldo médio: R$ 519,6 bilhões x -3,01% = - R$ 15,7 bilhões2º sem/2011 – Saldo médio: R$ 600,2 bilhões x -2,49% = - R$ 14,9 bilhõesExercício 2011 – Saldo médio: R$ 560,4 bilhões x -5,45% = - R$ 30,6 bilhões 7
  8. 8. Manutenção das reservas internacionais Resultado com a Política de Manutenção das Reservas Internacionais – Com Variação Cambial R$ milhões 1º Semestre -44.466 2º Semestre 87.813 Total do ano 43.347 8
  9. 9. Resultado dos swaps cambiais 20 15,6 15 10,5 10 8,0 8,6 5 3,0 1,7 0,7 2,3 2,4 R$ bilhões 0,0 0,0 0,7 0 -0,3 0,0 -1,1 -1,8 -1,7 -5 -3,8 -4,5 -3,8 -5,2 -10 -15 -14,2 -20 1S 02 2S 02 1S 03 2S 03 1S 04 2S 04 1S 05 2S 05 1S 06 2S 06 1S 07 2S 07 1S 08 2S 08 1S 09 2S 09 1S 10 2S 10 1S 11 2S 11 1S 12* no semestre acumulado desde 2002 *até mai 12Fonte: BCB 9
  10. 10. Resultado mensal dos swaps cambiais 3,0 2,5 2,3 2,0 1,4 1,5 1,0 0,6 R$ bilhões 0,5 0,2 0,3 0,1 0,2 0,1 0,1 0,0 0,0 -0,5 -0,2 -0,3 -0,2 -0,2 -0,2 -0,1 -0,4 -1,0 -1,0 -1,5 -2,0 -2,5 jan 11 jun 11 set 11 mar 12 fev 11 mai 11 nov 11 abr 12 dez 11 out 11 ago 11 mar 11 abr 11 fev 12 jul 11 jan 12 mai 12 no mês acumulado desde jan 11 *até mai 12Fonte: BCB 10
  11. 11. Posição líquida em swaps cambiais 40 30 posição vendida em US$ 20 Posição em 05/06/2012: US$ bilhões 10 3,3 bi. 0 -10 -20 posição comprada em US$ -30 nov 11 mai 11 mai 05 mai 06 mai 07 nov 04 nov 05 nov 06 nov 02 mai 03 nov 03 mai 04 nov 07 mai 08 nov 08 mai 09 nov 09 mai 10 nov 10 mai 12Fonte: BCB 11
  12. 12. Solidez da economia brasileira 12
  13. 13. Solidez da economia brasileira• Importantes colchões de liquidez − Reservas internacionais − Reservas bancárias• Dívida pública cadente• Sistema financeiro sólido• Risco soberano em queda 13
  14. 14. Reservas internacionais robustas 400 372 352 350 300 289 250 239 US$ bilhões 205 194 200 180 150 100 86 50 0 dez 11 ago 08 dez 09 dez 10 mai 12 dez 06 dez 07 dez 08Fonte: BCB 14
  15. 15. Amplo colchão de liquidez do SFN Recolhimento compulsório dos bancos ao BC 500 449 450 395 396 400 350 R$ bilhões 300 253 250 197 194 200 172 164 150 100 50 0 dez 06 dez 07 dez 08 dez 09 dez 10 set 08 mai 12 dez 11Fonte: BCB 15
  16. 16. Sólida situação fiscal Superávit primário (% PIB) Dívida líquida (% PIB)4,0 62 60,4 3,7 3,8 3,4 593,5 3,3 3,2 3,3 3,2 3,1 3,1 56 54,83,0 2,7 53 52,02,5 50,6 50 -24,7 pp 2,0 48,42,0 47,3 do PIB 47 45,51,5 44 42,11,0 41 39,1 38,50,5 38 36,4 35,70,0 35 2002 2004 2009 2003 2005 2006 2007 2008 2010 2012* 2011 2006 2008 2001 2002 2003 2004 2005 2007 2009 2010 2012* 2011 * Acumulado em 12 meses até abrilFonte: BCB 16
  17. 17. Cenário Fiscal Resultado nominal (% PIB) - 2011 Dívida bruta (% PIB) - 2011 Rússia 1,6 Rússia 9,6 Alemanha -1,0 China 25,8 China -1,2 México 43,8 Brasil -2,6 Brasil 54,2 * México -3,4 Índia 68,1 Itália -3,9 Alemanha 81,5 Reino Unido 82,5 Canadá -4,5 Canadá 85,0 França -5,3 França 86,3 Índia -8,7 Estados Unidos 102,9 Reino Unido -8,7 Itália 120,1Estados Unidos -9,6 Japão 229,8 Japão -10,1 0 100 200 300 -15 -10 -5 0 5 (*) Para o Brasil, metodologia do BCB Fonte: BCB / FMI 17
  18. 18. Sistema financeiro sólido Avaliação recente do FMI e Banco Mundial concluiu que “o sistema financeiro brasileiro é estável, com baixos níveis de risco sistêmico e reservas de liquidez consideráveis” (1) 19,0 Índice de Basiléia 20 18,5 18,9 17,4 17,8 17,7 16,6 17,3 16,9 16,3 16,0 14,8 15 13,8% 10 5 0 2011 2002 2003 2008 2009 2000 2001 2004 2005 2006 2007 2010 2012* índice de capital dos bancos brasileiros índice de capital mínimo de Basiléia (8%) índice de capital mínimo regulatório (11%)(1) Em 21/03/12, Statement at the Conclusion of the IMF and WB Financial Sector Assessment Program Mission to Brazil * abr 12Fonte: BCB 18
  19. 19. Melhora na classificação de risco do Brasil 13 Baa1 / BBB+ upgrades em 2011: 12 Baa2 / BBB • abril: Fitch • junho: Moody’s 11 Baa3 / BBB- • novembro: S&P grau de investimento 10 Ba1 / BB+ Ba2 / BB 9 Ba3 / BB- 8 7 B1 / B+ 6 B2 / B 5 B3 / B- 2000 2004 2006 2008 2010 2012 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2005 2007 2009 2011 Moodys S&P FitchFonte: Moody’s / S&P / Fitch 19
  20. 20. Taxa de juros de longo prazo em queda* 13 12 % 11 10 9 out 11 nov 11 dez 11 set 11 abr 12 mar 12 fev 12 ago 11 jan 12 jun 12 mai 12 * Taxa de juros para um título hipotético com prazo de 5 anos sem cupomFonte: Bloomberg 20
  21. 21. Custo das emissões externas em queda O custo das emissões externas vem caindo a cada ano e os rendimentos (yields) estão em níveis historicamente baixos. 6,0 6,0 5,8 5,5 5,5 5,2 5,0 5,0 5,0 4,5 4,7 4,5 4,5 4,5 % ao ano 4,2 % ao ano 4,0 4,0 3,4 3,5 3,5 3,1 3,0 3,0 2,5 2,5 2,0 2,0 abr 10 jul 10 jul 11 jan 12 atual* nov 11 set 09 set 10 atual* Global 2041 Global 2021 *Rendimento no mercado secundário em 01/06Fonte: MF / Bloomberg 21
  22. 22. Brasil: um dos principais destinos para investimentos Investimento Estrangeiro Direto 70 66,7 IED em 2011 na AL 63,2 60 • Brasil: US$ 67 bi. • México: US$ 19 bi. 48,5 50 • Chile: US$ 14 bi. 45,1 US$ bilhões 40 • Colômbia: US$ 13 bi. 32,8 34,6 30 • Argentina: US$ 7 bi. 28,9 28,6 25,9 22,5 19,0 18,8 20 16,6 18,1 15,1 10,8 10,1 10 4,4 2,5 3,1 2,8 2,1 1,3 1,5 1,4 0,3 1,2 1,1 1,0 1,1 2,1 1,3 0 2011 1983 1985 1987 1999 2001 1981 1989 1991 1993 1995 1997 2003 2005 2007 2009 *Acumulado em 12 meses até abr/12Fonte: BCB 22
  23. 23. Qualidade do financiamento do balanço de pagamentos IED (-) déficit em transações correntes Investimento estrangeiro direto supera o déficit em transações correntes 5 4,5 4 3,3 3,0 3 2,6 2,6 2,1 % do PIB 2 1,8 1,3 1,0 1 0,6 0,6 0,5 0,1 0,1 0,1 0,1 0 -0,1 -0,1 -0,6 -0,5 -1 -1,3 -1,5 -2 -1,8 1990 1994 1998 2001 2002 2005 2009 1991 1992 1993 1995 1996 1997 1999 2000 2003 2004 2006 2007 2008 2010 2011 2012* *abr 12 (12 meses)Fonte: BCB 23
  24. 24. Agenda de reformas e investimentos 24
  25. 25. Reformas fiscais e tributárias• Fundo de previdência complementar do servidor público – Funpresp• Desoneração da folha de pagamento das empresas• Desoneração de investimentos − Portos e ferrovias − Redes de telecomunicações• Desoneração da energia elétrica (em estudo)• Transformação do PIS e da Cofins em tributos não cumulativos (em estudo) 25
  26. 26. Reformas para ampliar a competitividade• Qualificação da mão de obra − Programa “Ciência sem Fronteiras” - 100 mil bolsas para graduação e pós-graduação no exterior − Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) - expansão da educação profissional e tecnológica, totalizando 8 milhões de vagas nos próximos quatro anos• Concessões à iniciativa privada − Aeroportos (4 leiloados e outros em estudo) − Rodovias, portos e ferrovias (em estudo) 26
  27. 27. Investimentos em infraestrutura 2012-2015 Além das reformas, o governo está empenhado em aumentar o investimento em infraestrutura e moradia Moradia Digna R$ 390 bi. (“Minha Casa, Minha Vida”) Energia R$ 300 bi. Petróleo e Gás R$ 228 bi. Transportes R$ 117 bi. Total: R$ 1,2 trilhão Outros R$ 160 bi.Fonte: Ministério do Planejamento 27
  28. 28. Cenáriointernacional 28
  29. 29. Sumário do cenário internacional• O cenário internacional caracterizado por mercados voláteis, baixo crescimento da economia mundial e com viés desinflacionário para o País• Europa: após alívio com linha de liquidez do BCE, recidiva com Grécia• EUA mantêm perspectiva de expansão moderada• China em desaceleração, mantido o cenário de pouso suave 29
  30. 30. Mercados continuam voláteis Indicadores de volatilidade nos mercados – quanto maiores, mais voláteis estão os mercados 80 70 60 50 pontos 40 30 20 10 0 abr 08 jul 09 jan 07 jun 07 ago 11 jan 12 jun 12 mai 10 mar 11 set 08 fev 09 dez 09 out 10 nov 07 VIX VSTOXX Dados até 01/06Fonte: Bloomberg 30
  31. 31. Valorização recente do dólar é generalizada Variação de janeiro a abril Variação em maio Florim húngaro 12,2 Iene 1,9 Peso colombiano 10,0 Rupia indonésia -3,1 Rublo russo 9,4 Peso colombiano -3,6 Zloty polonês 9,3 Dólar canadense -4,4 Lira turca 7,6 Libra -5,1 Peso mexicano 7,2 Real -5,7 Peso chileno 7,1 Lira turca -5,9Dólar neozelandês 5,3 Coroa norueguesa -6,5 Libra 4,4 Peso chileno -6,5Coroa norueguesa 4,4 Franco suíço -6,6 Rand sul africano 4,0 Euro -6,6 Franco suíço 3,5 Dólar australiano -6,7 Dólar canadense 3,5 Coroa sueca -7,5 Coroa sueca 2,4 Dólar neozelandês -7,9 Dólar australiano 2,2 Rand sul africano -8,7 Euro 2,1 Peso mexicano -9,5 Rupia indonésia -1,0 Florim húngaro -10,9 Real -2,2 Zloty polonês -11,2 Iene -3,6 Rublo russo -11,7 Fonte: Bloomberg 31
  32. 32. Valorização recente do dólar é generalizada Variação em maio em relação às moedas de reserva* menos o US$ Iene 7,3 Rupia indonésia 2,3 Peso colombiano 1,8 Dólar canadense 1,0 Libra 0,3 Real -0,3 Lira turca -0,5 Peso chileno -1,1 Desvalorização do Real Coroa norueguesa -1,1 foi na mesma Franco suíço -1,2 magnitude das moedas Euro -1,2 de reserva* Dólar australiano -1,3 Coroa sueca -2,1 Dólar neozelandês -2,5 Rand sul africano -3,3 Peso mexicano -4,1 Florim húngaro -5,5 Zloty polonês -5,8 Rublo russo -6,3 * EUR, GBP, JPY, CHF, CAD e SEKFonte: Bloomberg 32
  33. 33. Expectativas de crescimento do mundo em 2012 3,5 3,2 2,9 2,6 2,3 2,0 ago 11 fev 12 mai 12 jan 12 mar 12 set 11 abr 12 nov 11 dez 11 out 11Fonte: Bloomberg 33
  34. 34. Zona do Euro – Baixo crescimento esperado 2,5 1,95 2,0 1,5 1,70 1,0 1,00 % 0,5 0,0 -0,5 -0,35 -1,0 set 11 jun 11 nov 11 abr 12 ago 11 dez 11 out 11 mar 12 mai 12 fev 12 jun 12 jul 11 jan 12 2012 2013Fonte: Bloomberg 34
  35. 35. EUA – Expectativa de crescimento moderado 3,5 3,2 3,10 3,0 2,90 2,75 2,5 2,45 % 2,5 2,35 2,30 2,30 2,20 2,20 2,20 2,30 2,00 2,0 2,10 1,5 jan 12 jun 12 ago 11 jul 11 set 11 fev 12 abr 12 mai 12 jun 11 nov 11 dez 11 mar 12 out 11 2012 2013Fonte: Bloomberg 35
  36. 36. China – Moderação do ritmo de crescimento 16 14,2 14 12,7 12 11,3 10,0 10,4 10 9,6 9,2 9,2 var. % anual 8,1 8 7,5 6 4 2 0 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012* 1T-2012 * Meta do governo chinêsFonte: Bloomberg 36
  37. 37. Economia brasileiraAtividade econômica Inflação 37
  38. 38. Atividade econômica• Elementos de sustentação da demanda presentes − Taxa de desemprego em nível historicamente baixo − Economia continua gerando empregos formais − Renda real do trabalhador permanece em ascensão − Massa salarial em expansão − Crédito em crescimento moderado• Flexibilização das condições monetárias e financeiras e outras iniciativas de estímulo à atividade• Esse cenário proporcionará uma retomada mais consistente da atividade econômica, que deve acelerar-se a partir do 2º semestre 38
  39. 39. Desemprego em níveis historicamente baixos 14 13 12 % (dessazonalizado) 11 10 9 8 7 6 abr 12 5 5,6% jan 11 jan 04 jan 08 jan 03 jan 05 jan 06 jan 07 jan 09 jan 10 jan 12 dados até abr 12Fonte: IBGE 39
  40. 40. Criação de empregos formais continua positiva 9.000 Últimos 12 meses (até abril/12): 1 milhão e 366 mil 8.000 7.000 milhares de postos 6.000 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000 0 abr 11 out 07 out 08 out 09 out 10 jan 08 jan 09 jan 10 jul 11 jan 07 jan 12 jul 07 jul 08 jul 09 jul 10 abr 07 abr 08 abr 09 jan 11 abr 10 abr 12 out 11Fonte: MTE / BCB 40
  41. 41. 2010 = 100Fonte: IBGE 100 105 90 85 95 jan 07 abr 07 jul 07 out 07 jan 08 abr 08 jul 08 out 08 jan 09 abr 09 jul 09 out 09 jan 10 abr 10 jul 10 out 10 Rendimento médio dos últimos 12 meses jan 11 abr 11 jul 11 out 11 jan 12 abr 12 +3,1% abr 12 / abr 11 Rendimento real dos trabalhadores em ascensão41
  42. 42. 2010 = 100Fonte: IBGE 100 105 75 80 95 85 90 jan 07 110 abr 07 jul 07 out 07 jan 08 abr 08 jul 08 out 08 jan 09 abr 09 jul 09 out 09 jan 10 abr 10 Massa salarial em expansão jul 10 out 10 Massa salarial dos últimos 12 meses jan 11 abr 11 jul 11 out 11 jan 12 abr 12 +5,0% abr 12 / abr 1142
  43. 43. Vendas no varejo mantêm ritmo de expansão 110 + 7,5% (acumulado 12 meses) 105 100 95 6,7% 2007 = 100 (acumulado 12 meses) 90 85 80 75 70 abr 11 jan 09 jan 10 jan 12 jul 11 jan 11 out 10 out 09 abr 09 abr 10 out 11 jul 09 jul 10 Comércio varejista Comércio ampliado dados até mar 12Fonte: IBGE 43
  44. 44. Economia brasileiraAtividade econômica Inflação 44
  45. 45. Preços ao consumidor 7,5 7,0 6,5 % em 12 meses 6,0 5,5 IPCA-15 (mai) 5,05% 5,0 INPC (abr) 4,88% IPC-M (mai) 4,81% 4,5 IPC-Fipe (mai) 4,19% 4,0 dez 11 nov 11 out 11 set 11 fev 11 jan 11 mai 11 jun 11 abr 12 jul 11 mar 12 fev 12 abr 11 ago 11 mar 11 jan 12 mai 12 dez 10 IPCA-15 e IPCA INPC IPC-Fipe IPC (10, M e DI) Índices encadeados de IPCA-15 e IPCA; quadrissemanas do IPC-Fipe; IPC-10, IPC-M e IPC-DIFonte: IBGE / Fipe / FGV 45
  46. 46. Preços de serviços 10 9 8 IPCA -15 serviços 7 (mai) 7,28% % em 12 meses 6 5 IPCA -15 ex. serviços 4 (mai) 4,10% 3 2 1 jan 11 jan 06 jan 08 jan 09 jan 05 jan 07 jan 10 jan 12 IPCA serviços exceto serviços Índices encadeados de IPCA-15 e IPCAFonte: IBGE / BCB 46
  47. 47. Inflação: mercados sugerem convergência à meta 7,0 Inflação implícita nas NTN-Bs 6,5 6,0 % 5,5 5,0 4,5 4,0 mai 12 jun 12 fev 12 mar 12 abr 12 2012 2013Fonte: BCB 47
  48. 48. Inflação em processo de convergência à meta 10 8 % em 12 meses Cenário de 6 Referência RI mar/12 4 2 0 jan 05 jan 06 jan 04 jan 07 jan 08 jan 09 jan 10 jan 12 jan 11Fonte: IBGE / BCB 48
  49. 49. Sistema Financeiro Nacional eMercado de Crédito 49
  50. 50. Sistema Financeiro Nacional sólido• Fatores que garantem a solidez do SFN − Nível de capital acima do padrão internacional − Rigorosas regras de aprovisionamento − Elevados índices de liquidez 50
  51. 51. % 12 14 18 10 16 2 4 8 0 6 Turquia 16,6 Alemanha 16,4 Brasil 16,3 Canadá 15,9 Reino Unido 15,8 México 15,6 África do Sul 15,1 Estados Unidos 14,7Fonte: FMI (2011 ou último dado disponível) Rússia 14,7 Japão 14,2 Coréia do Sul 14,0 Holanda 13,5 Índice de Basiléia Índia 13,3 Itália 12,8 Sistema financeiro capitalizado China 12,7 Suécia 12,7 Espanha 12,4 Austrália 11,6 Grécia 10,3 Portugal 9,851
  52. 52. Sistema financeiro bem provisionado Excesso ou deficiência de provisão / Capital* 120 109 109 104 98 97 95 100 94 90 90 88 88 86 83 82 81 78 80 69 64 % 60 40 26 20 0 Grécia Bélgica Japão Suíça Coréia do Sul Suécia Brasil China Rússia Tuquia África do Sul Índia Noruega Portugal Austrália Reino Unido Canadá Estados Unidos MéxicoFonte: FMI (2011 ou último dado disponível) 52
  53. 53. Elevado nível de liquidez Ativos líquidos / Passivos de curto prazo 120 109 109 100 88 82 80 76 75 66 58 55 60 52 50 49 % 43 42 39 37 40 33 30 29 20 0 Japão Grécia Bélgica Suíça Suécia Brasil Rússia China Índia África do Sul Tuquia Noruega Austrália Coréia do Sul Portugal Reino Unido Canadá Estados Unidos MéxicoFonte: FMI (2011 ou último dado disponível) 53
  54. 54. Expansão do crédito, com redução dos juros e spread • O crédito expande de forma moderada  Saldo das operações de crédito cresceu 18% nos últimos doze meses (até abril)  Concessões em 2012 (até abril) estão 10% superiores ao mesmo período em 2011 • Dados recentes sinalizam:  recuperação das concessões, inclusive para o segmento de veículos  redução das taxas de juros e do spread 54
  55. 55. Crédito expande de forma sustentável Crédito imobiliário crescendo em ritmo acelerado, mas ainda representa parcela pequena do crédito total no Brasil 60 50 40 % do PIB 30 20 10 0 * 2002 2005 2008 2001 2003 2004 2006 2007 2009 2010 2012 2011 Imobiliário Crédito direcionado# Crédito livre (#) Direcionado, exceto imobiliário *até abr 12Fonte: BCB 55
  56. 56. Redução da taxa de juros .... 50 45,1 45 40,1 40 35 30 28,7 % ao ano 25,4 25 20 15 10 5 0 Pessoa física Pessoa jurídica jan 12 mai 12* *até dia 19Fonte: BCB 56
  57. 57. ... e também do spread bancário 40 34,9 35 31,8 30 pontos percentuais 25 20 18,5 16,9 15 10 5 0 Pessoa física Pessoa jurídica jan 12 mai 12* *até dia 19Fonte: BCB 57
  58. 58. Perspectiva de redução da inadimplênciaFatores que sugerem a redução da inadimplência ao longo do2º semestre:• As concessões de crédito (veículos) realizadas a partir do segundo semestre de 2011 apresentam menor nível de inadimplência.• O atual estágio do ciclo monetário• As reduções dos juros e dos spreads bancários, que inclusive facilita o processo de refinanciamento e renegociação de dívidas• A perspectiva de aceleração do crescimento ao longo do 2º semestre, a geração de novos postos de trabalho, a taxa de desemprego em nível historicamente baixo e a renda em ascensão• A trajetória de queda da inflação, preservando os ganhos reais de salários• O prazo curto de maturação dos créditos no Brasil, que propicia um ajuste mais rápido das dívidas 58
  59. 59. Dados antecedentes indicam redução da inadimplência Financiamento de veículos: inadimplência 4 meses após a concessão 1,4 1,2 1,0 0,8 % 0,6 0,4 0,2 0,0 ago 11 fev 10 abr 11 jun 10 jun 11 dez 09 ago 10 dez 10 out 10 fev 11 abr 10 dez 11 out 11 mês de concessão do financiamento dados até dez 11 com reflexos em abr 12Fonte: BCB 59
  60. 60. Considerações Finais 60
  61. 61. Perspectivas da economia brasileira• O Brasil apresenta sólidos fundamentos macroeconômicos e importantes colchões de liquidez• O governo está avançando na agenda de reformas e realizando investimentos em infraestrutura• O Sistema Financeiro Nacional apresenta níveis elevados de capital, de liquidez e de provisão• A expansão do crédito prosseguirá ao longo dos próximos trimestres, em contexto de menores taxas de juros, spread e inadimplência• O ritmo da atividade econômica no Brasil irá se acelerar ao longo dos próximos trimestres• Inflação em trajetória de convergência para a meta 61

×