Lição 3 - 2EM

666 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
666
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lição 3 - 2EM

  1. 1. Lição 3 - 1EM Atividade I Conjugar os verbos comprar, vender, dividir, ser, estar e ter em todos os tempos e modos. Atividade II Ler o poema “Barca bela”, de Almeida Garret e sua análise no site http://www.secrel.com.br/JPOESIA/laeticiajensen5.html. Em seguida, utilizando a análise lida como exemplo, faça sua própria análise do poema abaixo. A Tempestade (1828) Almeida Garret Sobre um rochedo Que o mar batia, Triste gemia Um desgraçado, Terno amador. Já nem lhe caem Dos olhos lágrimas, Suspiros férvidos Apenas contam Seu triste amor. Ondas, clamava o mísero, Ondas que assim bramais, Ouvi meus tristes ais! Horrível tempestade, Medonho furacão, Não é mais agitado Do que o meu coração, O vosso despregado, Horrisonoo bramar! Ancia que atropela Meu lânguido peito, É mais violenta Que o tempo desfeito, Que a onda encapela, Que a agita a tormenta No seio do mar. Mas, ah! se o negrume O sol dissipara Calmara Seu nume, O horror do tufão. Assim à minha alma A calma Daria De Armia Um sorriso: Um raio de esprança Do paraíso Traria A bonança Ao meu coração. Atividade III Proposta de Redação Leia com atenção o texto abaixo e, a partir das informações nele apresentadas, produza um artigo de opinião com o intuito de discutir os malefícios causados pelo cigarro aos jovens. Quem é jovem corre mais riscos Há 25 doenças relacionadas com cigarro, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Algumas atingem mais diretamente quem começa a fumar antes dos 20 anos. Todo mundo sabe que fumar pode causar câncer no pulmão. Mas poucos sabem que o cigarro é responsável por 90% das mortes por câncer do pulmão, ou seja, quase todas. E mais: nesse caso, para os jovens fumantes, o cigarro é duas vezes mais danoso. O geneticista John Wiencke, da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, em San Francisco, constatou que quem começa a
  2. 2. fumar na adolescência – mesmo abandonando o uso mais tarde – apresenta duas vezes mais alterações de DNA do pulmão por causa das substâncias químicas que compõem o cigarro, uma via direta para o câncer. E, por falar nisso, a cada tragada, são ingeridas, além da nicotina, cerca de 4.700 substâncias tóxicas, que vão do arsênico e monóxido de carbono a elementos radioativos, corantes e agrotóxicos. Como diz Luisa Godfarb, do Inca (Instituto Nacional do Câncer), adoecer de câncer pode levar até 20 anos, mas o cigarro é uma droga super competente e faz o estrago direitinho. “Se você começa a fumar aos 10 anos, com 30 já pode estar sujeito a uma doença, justo quando começa a querer ter filhos e conquista sucesso profissional.” Para as meninas, que estão fumando mais [...] um aviso: a combinação de cigarro com pílula anticoncepcional pode ser trágica. “Hoje as meninas se iniciam sexualmente mais cedo, começam a usar pílula mais cedo também e estão fumando mais. Assim, ficam mais expostas e por mais tempo a essa combinação, que potencializa algumas complicações”, diz a obstetra Cristina Guazzelli, da Unifesp. [...] Cigarro e pílula podem alterar o metabolismo lipídico, o que aumenta a fração ruim do colesterol (LDC-C). Isso provoca a formação de arteriosclerose. Parece complicado, mas o importante é que “se não houver cuidados podem ocorrer complicações graves, como o infarto do miocárdio”, diz a obstetra. [. . .] (Fátima Gigliotti. Folha de S. Paulo, 31/5/99) Atividade IV Proposta de Redação Estado adota medidas contra epidemia de obesidade. GUSTAVO PRUDENTE - Folha de São Paulo (07/08/2003) Um instrumento de peso surge para auxiliar no combate à obesidade: a justiça, que chega para somar-se à pressão social e às recomendações médicas na guerra a essa doença que já foi classificada de epidemia pela OMS (Organização Mundial de Saúde). No Rio de Janeiro, por exemplo, a prefeitura baixou dois decretos no mês passado. Um deles, que vigora dentro de três meses, obriga as redes de fast-food a informarem as calorias e os valores nutricionais dos seus lanches. Além disso, desde o ano passado, no Rio, a exemplo de Florianópolis, as cantinas de escolas municipais estão proibidas de vender e fazer propaganda de alimentos hipercalóricos. Em São Paulo, a novidade é a ação civil protocolada pelo Ministério Público que incide sobre os dois principais fabricantes de refrigerante do país. O que se requisita: advertência nos rótulos sobre os riscos do consumo excessivo dos refrigerantes e restrição da publicidade para o público infantil. Propostas desse tipo suscitam algumas questões. Será que uma lei pode funcionar como dieta de emagrecimento ou ter o poder de barrar o crescimento de gordos no país? Ou a mudança de hábitos alimentares passa, antes de mais nada, pela educação, e não pela legislação? Afinal, direito de escolher o que se come todo mundo tem. Mas a escolha implica ter conhecimento das opções (. . .) Às vezes, mesmo com informação, o cidadão escolhe a opção de vida menos saudável. Os motivos podem ser diferentes problemas físicos e/ou psíquicos, como falta de auto-estima, educação alimentar imprópria durante a infância ou ainda a busca, na saúde e em todas as áreas da vida, da filosofia do rápido e fácil. A mesma dos fast-foods, que são um dos vilões da obesidade. (. . .) Para a psicóloga e colunista da Folha Rosely Sayão, radicalizar, simplesmente permitindo ou proibindo tudo, é sempre a saída mais fácil, porque dispensa o ato de educar. Ao colocar restrições, é preciso explicá-las o que não significa dar palestras de nutrição. “Diálogo com criança que quer tomar refrigerante não existe. Ela não está preocupada com o futuro, mas com seu prazer imediato. O melhor a fazer é liberar alguns dias e controlar em outros. Dessa forma, ela aprenderá mecanismos de auto-regulação”, diz. Há um ponto em que todos os profissionais concordam: a boa educação alimentar da criança passa, necessariamente, pela reeducação dos pais. “São eles que dão os alimentos hipercalóricos, seja por falta de informação, seja porque não ligam, seja porque não sabem dizer não”, afirmam Kaufman. A partir dos fragmentos acima, escreva um artigo apresentando seu posicionamento acerca da interferência do poder público no combate à obesidade.
  3. 3. Atividade V Acessar o site http://www.denatran.gov.br/campanhas/hotsite/index.html Assista o vídeo 1 – Trânsito - da série “Trânsito Consciente” e redija um texto respondendo à seguinte pergunta: E você, como vê o trânsito? Anote suas ideias com clareza, pois discutiremos esse tema em sala de aula.

×