O que é o sistema kers da f

491 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
491
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
35
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é o sistema kers da f

  1. 1. O que é o sistema KERS da F-1? KERS não é um nome – é a sigla de Kinetic EnergyRecovering System(sistema de recuperação de energia cinética). Apesar de ser chamado desistema, o KERS é na verdade um conceito. Diferentes sistemas podem serusados para cumprir o obejetivo do KERS, que é acumular energia gerada nasfrenagens – que seria desperdiçada – para ser usada quando o carro precisaacelerar. Como funciona o KERS Um dos fabricantes de KERS é a Flybrid, que desenvolveu um sistemabaseado num volante acoplado por embreagem a um câmbio CVT, ligado aocâmbio do carro. O volante, feito de aço e fibra de carbono, gira a mais de60.000 rpm no vácuo, graças a uma câmara selada, para diminuir o atrito. Oequipamento completo pesa 24Kg e é capaz de gerar até 60 Kw (pouco maisde 81,5 cv). É o controle da relação das polias do câmbio CVT que define quando osistema armazena ou libera energia. Na desaceleração, o movimento é dirigidoao volante, que acumula energia cinética. A tecnologia da Flybrid não é exatamente nova. A própria empresaexplica que alguns veículos híbridos, como ônibus, e até protótipos de carros,já empregaram algo semelhante. A Flybrid conseguiu no entanto melhorar osistema, graças ao uso de um volante muito leve, que compensa a falta demassa com a altíssima rotação. Segundo a Flybrid, foi possível também umaredução significativa do efeito giroscópico. Esquema do sistema Flybrid
  2. 2. O sistema desenvolvido pela Williams também usa um volante, mas eleé acionado eletricamente, e não há um câmbio CVT. No KERS da Williams ovolante, também mantido em compartimento com vácuo, é produzindo em fibrade carbono, com rolamentos de cerâmica e eixo de aço, e ultrapassa 100.000rpm. No volante do sistema Williams, partículas magnéticas são incorporadasao material do volante, e a passagem de corrente (gerada nas frenagens),graças à ligação dos semi-eixos com um gerador o leva a acelerar. Um inversorpermite o fluxo no sentido contrário – quando o piloto aperta o botão deacionamento do KERS, o volante funciona como um gerador, enviandocorrente ao motor elétrico auxiliar.
  3. 3. Outras aplicações Sistema converte a energia cinética da frenagem em eletricidade para alimentar a bateria do carro A frenagem regenerativa é uma daquelas ideias simples, porémengenhosas. Cada vez que o motorista pisa no freio, a energia cinética queimpulsionava o carro para frente acaba sendo dissipada em forma de calor etorna-se, assim, inútil. Com o sistema de frenagem regenerativa, essa energiaé transformada em eletricidade e usada para alimentar a bateria do carro. O aparelho já vem instalado em alguns carros elétricos e híbridos, nosquais é imprescindível manter o motor elétrico sempre carregado. Além decontribuir para a diminuição do consumo de combustível (no caso doshíbridos), os freios regenerativos evitam o desgaste da pastilha de freio, já quea desaceleração não é feita por meio de atrito. Por reaproveitar energia, a frenagem regenerativa contribui para asustentabilidade. KERS na Aviação Voando contra o tempo a aviação busca também alternativassustentáveis para a redução de emissões de carbono e gases do efeito estufa.E para isso buscou da automotiva uma possível saída para a geração deenergia, o KERS. O KERS, Kinetic Energy Recovery Systems, ou, sistema regenerativo deenergia cinética, utilizado na Fórmula-1 e hoje amplamente utilizado em carrosde passeio é capaz de converter toda a energia cinética em energia elétrica.Na Universidade de Lincoln, no Reino Unido, pesquisadores concluíram umestudo onde mostra que um avião, do porte de um Boeing 737-800, pode geraruma energia de até três megawatts, no momento do pouso e frenagem. Essaenergia poderia ser reutilizada para o taxiamento de chegada e saída daaeronave na pista. Isso reduziria em milhões de toneladas de emissão decombustíveis na atmosfera, todos os anos. A tecnologia, porém, não é tão simples assim. Os geradores precisamser montados no núcleo da roda, sendo parte da mesma, juntamente com otrem de pouso, um sistema complexo e se tratando de aviação, redução depeso e confiabilidade são quesitos básicos.Fontes:carros.hsw.uol.com.br/kers.htmhttp://www.infomotor.com.br/site/2012/03/kers-na-aviacao/

×