SlideShare uma empresa Scribd logo

Cromatologia

Este relatório descreve um experimento de cromatografia de papel realizado para identificar pigmentos fotossintéticos em folhas de três espécies: brasileirinho, acerola e aroeira. Folhas de cada espécie foram picadas, maceradas com acetona e filtradas em papel cromatográfico. Isso resultou em manchas de cores diferentes que indicam os pigmentos presentes em cada amostra.

1 de 6
Baixar para ler offline
Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE
FISIOLOGIA VEGETAL
CROMATOLOGIA
Relatório a ser entregue a Professora
Rejane Mansur, referente à disciplina
de Fisiologia vegetal.
Engenharia Florestal – 2º Período
Aldo Henrique
Aline Amorim
Cassiano Lages
Olivia Ventura
Talita Lopes
Recife, 29 de Julho de 2014.
Sumário
Sumário
Sumário.........................................................................................................................................................2
INTRODUÇÃO.............................................................................................................................................3
MATERIAIS E METODOS........................................................................................................................4
RESULTADOS E DISCURSÔES..............................................................................................................5
REFERÊNCIAS.............................................................................................................................................6
INTRODUÇÃO
A cromatografia é uma técnica de separação que pode ser usada para amostras diminutas.
É atualmente muito utilizada como uma técnica de análise qualitativa, isto é, na identificação de substâncias. A
cromatografia baseia-se na distribuição relativa dos componentes da mistura em duas fases:uma fase fixa (ou
estacionária) e uma fase móvel.
Há várias técnicas cromatográficas, sendo possível, de uma forma geral, classificá-las consoante a fase móvel seja
líquida (cromatografia líquida) ou gasosa (cromatografia gasosa).
Apenas nos referimos a uma técnica cromatográfica simples, sendo a fase móvellíquida e a fase estacionária
constituída sobre um suporte celulósico - papel de cromatografia. Os componentes da mistura líquida a separar são
colocados, em pequenas porções,sobre o papel de cromatografia, a pequena distância de um dos lados. A ponta deste
lado é então mergulhada num solvente líquido, que constitui a fase móvel. O solvente que constitui a fase móvel vai-se
deslocando de uma extremidade à outra do papel de cromatografia, arrastando os diferentes componentes da mistura a
separar com velocidades distintas, consoante a sua afinidade com a fase móvel.
Na cromatografia, os componentes de uma mistura são identificados pela cor. Os pigmentos fotossintéticos presentes e
sua abundancia varia de acordo com as espécies. Permitindo a identificação dos pigmentos, presentes nas folhas de
Brasileirinho, Acerola e Aroeira.
Essa aula prática teve como objetivo observar e analisar os pigmentos fotossintéticos pelo método da cromatografia de
papel. Que consiste na utilização da separação e identificação das substâncias ou componentes das folhas analisadas
das espécies Brasileirinhas, Acerola e Aroeira.
MATERIAIS E METODOS
 Folhas (acerola,aroeira, brasileirinha).
 Solvente (acetona)
 Cadinhos e pistilos
 Tecido musseline
 Béqueres
 Tiras de papel de filtro
Pesar cerca de 1g de cada folha sem a nervura central, pica-las e macera-las em um cadinho e misturar juntamente
com 5 ml de acetona,até formar uma substancia homogenia logo após, filtrar com o tecido musseline em um béquer.
Inserir a fita de papel para e analisar.
RESULTADOS E DISCURSÕES
Foi removida a nervura central das folhas, pesadas 1g de cada,e inseridas em cadinhos separados.
.
Figura 1 Folhas pesadas
Logo após as folhas foram picadas e maceradas e misturadas com 5 ml de acetona, até tornarem-se homogêneos.
Posteriormente o conteúdo homogêneo foi filtrado com o tecido musseline, em um béquer, um liquido verde musgo.
Com a fita de papel o liquido subiu pelo o mesmo.
Figura 2 Substancia já filtrada.
ACEROLA- As cores mais claras ficaram na parte inferior, podendo supor que é composta por clorofila B e a mais
escura a clorofila A.
BRASILEIRINHO- Amarelo ficou na parte superior, logo abaixo um tom de verde escuro e um tom de verde, mais
escuro por ultimo.
AROEIRA- Apresentou tons mais escuros de verde.
Figura 3 Resultado final.
REFERÊNCIAS
[1] EXPLICATORIUM,CROMATOLOGIA. DISPONIVEL EM: http://www.explicatorium.com/CFQ7-
Cromatografia.php ACESSO 29/07/2014.

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados ao RN no AC.pptx
Cuidados ao RN no AC.pptxCuidados ao RN no AC.pptx
Cuidados ao RN no AC.pptxAloisio Amaral
 
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênitaManejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênitaCentro Universitário Ages
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemdanilo oliveira
 
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia CechellaDificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechellamcechella
 
Profissionalização da doula
Profissionalização da doulaProfissionalização da doula
Profissionalização da doulaThallita Ramos
 
aula morfologia unintese - Copia.pptx
aula morfologia unintese - Copia.pptxaula morfologia unintese - Copia.pptx
aula morfologia unintese - Copia.pptxAndrea885699
 
Casos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaiiCasos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaiibhru83
 
Sistema solar em libras
Sistema solar em librasSistema solar em libras
Sistema solar em librasDharaAvelino1
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de MamaOncoguia
 
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutivabibliotecasaude
 
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de MamaFolder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de MamaFarmacêutico Digital
 
Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)GlauciaAS
 

Mais procurados (20)

Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
Cuidados ao RN no AC.pptx
Cuidados ao RN no AC.pptxCuidados ao RN no AC.pptx
Cuidados ao RN no AC.pptx
 
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênitaManejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
Manejo da sífilis em gestante e sífilis congênita
 
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
 
ACOLHIMENTO E SUPORTE À FAMÍLIA NA UNIDADE NEONATAL
ACOLHIMENTO E SUPORTE À FAMÍLIA NA UNIDADE NEONATALACOLHIMENTO E SUPORTE À FAMÍLIA NA UNIDADE NEONATAL
ACOLHIMENTO E SUPORTE À FAMÍLIA NA UNIDADE NEONATAL
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia CechellaDificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
Dificuldades Diagnosticas em PAAF de mama - Marilia Cechella
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Profissionalização da doula
Profissionalização da doulaProfissionalização da doula
Profissionalização da doula
 
aula morfologia unintese - Copia.pptx
aula morfologia unintese - Copia.pptxaula morfologia unintese - Copia.pptx
aula morfologia unintese - Copia.pptx
 
Casos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaiiCasos clinicospatoclinicaii
Casos clinicospatoclinicaii
 
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
 
Sistema solar em libras
Sistema solar em librasSistema solar em libras
Sistema solar em libras
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Mortalidade Materna no Brasil - Boletim Epidemiológico n.º 20/MS (Maio, 2020)
Mortalidade Materna no Brasil - Boletim Epidemiológico n.º 20/MS (Maio, 2020)Mortalidade Materna no Brasil - Boletim Epidemiológico n.º 20/MS (Maio, 2020)
Mortalidade Materna no Brasil - Boletim Epidemiológico n.º 20/MS (Maio, 2020)
 
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
0230 - L - Cadernos de Atenção Básica - nº 26 - Saúde sexual e saúde reprodutiva
 
Educação de Surdos
Educação de SurdosEducação de Surdos
Educação de Surdos
 
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de MamaFolder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
Folder Prevenção e Tratamento do Câncer de colo de Utero e de Mama
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)Cuidados Paliativos (TCC)
Cuidados Paliativos (TCC)
 

Mais de Aldo Henrique

Industria do Cimento
Industria do CimentoIndustria do Cimento
Industria do CimentoAldo Henrique
 
Relatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaRelatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaAldo Henrique
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Aldo Henrique
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaAldo Henrique
 
Atividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAtividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAldo Henrique
 

Mais de Aldo Henrique (6)

Cilclo do cálcio
Cilclo do cálcioCilclo do cálcio
Cilclo do cálcio
 
Industria do Cimento
Industria do CimentoIndustria do Cimento
Industria do Cimento
 
Relatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo HexanonaRelatorio Ciclo Hexanona
Relatorio Ciclo Hexanona
 
Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017Rel 1 bioquimica 2017
Rel 1 bioquimica 2017
 
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólicaRelatório sobre-fermentação-alcoólica
Relatório sobre-fermentação-alcoólica
 
Atividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasilAtividade vulcânica no brasil
Atividade vulcânica no brasil
 

Cromatologia

  • 1. Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE FISIOLOGIA VEGETAL CROMATOLOGIA Relatório a ser entregue a Professora Rejane Mansur, referente à disciplina de Fisiologia vegetal. Engenharia Florestal – 2º Período Aldo Henrique Aline Amorim Cassiano Lages Olivia Ventura Talita Lopes Recife, 29 de Julho de 2014.
  • 3. INTRODUÇÃO A cromatografia é uma técnica de separação que pode ser usada para amostras diminutas. É atualmente muito utilizada como uma técnica de análise qualitativa, isto é, na identificação de substâncias. A cromatografia baseia-se na distribuição relativa dos componentes da mistura em duas fases:uma fase fixa (ou estacionária) e uma fase móvel. Há várias técnicas cromatográficas, sendo possível, de uma forma geral, classificá-las consoante a fase móvel seja líquida (cromatografia líquida) ou gasosa (cromatografia gasosa). Apenas nos referimos a uma técnica cromatográfica simples, sendo a fase móvellíquida e a fase estacionária constituída sobre um suporte celulósico - papel de cromatografia. Os componentes da mistura líquida a separar são colocados, em pequenas porções,sobre o papel de cromatografia, a pequena distância de um dos lados. A ponta deste lado é então mergulhada num solvente líquido, que constitui a fase móvel. O solvente que constitui a fase móvel vai-se deslocando de uma extremidade à outra do papel de cromatografia, arrastando os diferentes componentes da mistura a separar com velocidades distintas, consoante a sua afinidade com a fase móvel. Na cromatografia, os componentes de uma mistura são identificados pela cor. Os pigmentos fotossintéticos presentes e sua abundancia varia de acordo com as espécies. Permitindo a identificação dos pigmentos, presentes nas folhas de Brasileirinho, Acerola e Aroeira. Essa aula prática teve como objetivo observar e analisar os pigmentos fotossintéticos pelo método da cromatografia de papel. Que consiste na utilização da separação e identificação das substâncias ou componentes das folhas analisadas das espécies Brasileirinhas, Acerola e Aroeira.
  • 4. MATERIAIS E METODOS  Folhas (acerola,aroeira, brasileirinha).  Solvente (acetona)  Cadinhos e pistilos  Tecido musseline  Béqueres  Tiras de papel de filtro Pesar cerca de 1g de cada folha sem a nervura central, pica-las e macera-las em um cadinho e misturar juntamente com 5 ml de acetona,até formar uma substancia homogenia logo após, filtrar com o tecido musseline em um béquer. Inserir a fita de papel para e analisar.
  • 5. RESULTADOS E DISCURSÕES Foi removida a nervura central das folhas, pesadas 1g de cada,e inseridas em cadinhos separados. . Figura 1 Folhas pesadas Logo após as folhas foram picadas e maceradas e misturadas com 5 ml de acetona, até tornarem-se homogêneos. Posteriormente o conteúdo homogêneo foi filtrado com o tecido musseline, em um béquer, um liquido verde musgo. Com a fita de papel o liquido subiu pelo o mesmo. Figura 2 Substancia já filtrada. ACEROLA- As cores mais claras ficaram na parte inferior, podendo supor que é composta por clorofila B e a mais escura a clorofila A. BRASILEIRINHO- Amarelo ficou na parte superior, logo abaixo um tom de verde escuro e um tom de verde, mais escuro por ultimo. AROEIRA- Apresentou tons mais escuros de verde. Figura 3 Resultado final.
  • 6. REFERÊNCIAS [1] EXPLICATORIUM,CROMATOLOGIA. DISPONIVEL EM: http://www.explicatorium.com/CFQ7- Cromatografia.php ACESSO 29/07/2014.