As experiencias concretas como dinamizadoras da mudança
Catástrofes naturais, consequências passadas e previsões de consequências até 2050 (agravamento) <ul><li>Terramotos </li><...
Reaçcão por parte da Comunidade Internacional
Papel das Nações Unidas  <ul><li>Declarou os anos 90 como a Década Internacional para a redução de Desastres Naturais (DIR...
Tsunami  (26 Dezembro de 2004) Países afectados pelo Tsunami No dia 26 de Dezembro de 2004, cerca das oito da manhã (hora ...
(Continuação) Ao tremor de terra seguiu-se um Tsunami de cerca de 30 metros de altura que afectou vários países, inundando...
Rasto de destruição <ul><li>Mortos:  230 000 pessoas </li></ul><ul><li>Desalojados:  500 000 pessoas </li></ul>
Consequências do Tsunami na população ~1,5 milhão ~51498 ~125.000 ~193.623 174.542 Total +1000 — — — — Madagascar — — — 1 ...
Países mais afectados pelo Tsunami <ul><li>Sri Lanka : com milhares de mortos e milhões de desalojados; o estado de emergê...
Vulnerabilidades nas zonas mais afectadas <ul><li>Falta de balizas de detecção de Tsunamis na zona do oceano Índico. </li>...
(Continuação)
<ul><li>Habitações e edifícios muitos frágeis junto as zonas costeiras (População pobre) </li></ul>A população constrói ca...
(Continuação) <ul><li>População geralmente pobre </li></ul>O Tsunami atingiu países em via de desenvolvimento, provocando ...
A população em geral não tinha conhecimento sobre medidas de prevenção e de auto protecção perante os perigos de um Tsunam...
Começar do  ø <ul><li>Geração de postos de trabalho e renda </li></ul><ul><li>Melhorar serviços públicos e prestações soci...
Necessidade de um desenvolvimento Integral
 
Reconstrução pós-desastre da OIT (ligada à ONU) <ul><li>Seis componentes administrados por uma unidade central que trabalh...
Esquema de actuação
Resultados <ul><li>Geração de emprego imediato a nível local nos sectores chave para a reconstrução da zona afectada pelo ...
<ul><li>O estabelecimento de um sistema de vigilância, capaz de </li></ul><ul><li>avisar com antecedência a chegada de um ...
<ul><li>Construção de diques de contenção em costas expostas a </li></ul><ul><li>acções de tsunamis, desde que seja possív...
Matagalpa e Nicarágua  Bacia do Rio Grande de Matagalpa
Furacão Mitch  (Novembro 1998)  <ul><li>O mais destruidor e devastador ciclone tropical dos últimos 200 anos. Alcançou ven...
Rasto de destruição <ul><li>Vento mais forte: 290Km/h  </li></ul><ul><li>Pressão mais baixa: 905 hPA </li></ul><ul><li>Dan...
306 2.836.850 13.016 10.576 32.9 Totais 7.051 1 2.7 Panamá 3% 3 5.000 7 3.5 Costa Rica 5% 3 4% 58.788 135 240 5.8 El Salva...
Consciência criada pelo fenómeno <ul><li>A realidade, as experiências locais, a sabedoria das comunidades e o conhecimento...
Necessidade de planeamento
Mobilização de Organizações Internacionais <ul><li>O Escritório de Serviços de Projectos das Nações Unidas, a pedido da Es...
Linhas de acção
Resultados <ul><li>O Centro de Informação Geográfica de Matagalpa (CIGMAT), converteu-se no centro de referência de inform...
<ul><li>Adequado ordenamento do território de modo a garantir </li></ul><ul><li>as melhores vantagens em caso de emergênci...
Conclusões <ul><li>PREVENÇÃO é a palavra chave, ou seja, é essencial reduzir o risco antes que o desastre ocorra. </li></u...
Fim <ul><li>Muito obrigado pela atenção </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lessons Learned - casos do Tsunami na Indonésia e Furacão Mitch na Nicaragua

7.770 visualizações

Publicada em

Apresentação feita para a aula de Prevenção de Desastres por Miguel Matos(Baco), Victor Hugo Tavares(Açores), David Mariano(Bambino)

Lessons Learned - casos do Tsunami na Indonésia e Furacão Mitch na Nicaragua

  1. 1. As experiencias concretas como dinamizadoras da mudança
  2. 2. Catástrofes naturais, consequências passadas e previsões de consequências até 2050 (agravamento) <ul><li>Terramotos </li></ul><ul><li>Tempestades </li></ul><ul><li>Tornados </li></ul><ul><li>Tsunamis </li></ul><ul><li>Cheias </li></ul><ul><li>Erupções vulcânicas </li></ul><ul><li>Deslizamentos de terra </li></ul><ul><li>Secas </li></ul><ul><li>Nas duas ultimas décadas mais de 1.5 milhões de pessoas perderam a vida </li></ul><ul><li>Até 2050 essas catástrofes implicarão </li></ul><ul><li>100.000 vidas / ano </li></ul><ul><li>250.000 milhões de € / ano </li></ul><ul><li>(segundo estimativas das Nações Unidas) </li></ul>
  3. 3. Reaçcão por parte da Comunidade Internacional
  4. 4. Papel das Nações Unidas <ul><li>Declarou os anos 90 como a Década Internacional para a redução de Desastres Naturais (DIRDN) </li></ul><ul><li>Anunciou a Estratégia Internacional para a Redução de Desastres (EIRD) </li></ul><ul><li>Programas e projectos </li></ul><ul><li>Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento </li></ul><ul><li>Programa de Meio-Ambiente </li></ul><ul><li>Organização Internacional do Trabalho </li></ul><ul><li>Quadro Normativo de Acção de Hyogo, entre outros... </li></ul>
  5. 5. Tsunami (26 Dezembro de 2004) Países afectados pelo Tsunami No dia 26 de Dezembro de 2004, cerca das oito da manhã (hora local). ocorreu um Terramoto no oceano Índico. O terramoto teve epicentro no mar a oeste da ilha de Sumatra no Oceano Índico, nas coordenadas 3,298°N latitude e 95,779°O longitude. O abalo teve magnitude sísmica estimada primeiramente em 8,9 na Escala de Richter, posteriormente elevada para 9,0, sendo o sismo mais violento registado desde 1960 e um dos cinco maiores dos últimos cem anos.
  6. 6. (Continuação) Ao tremor de terra seguiu-se um Tsunami de cerca de 30 metros de altura que afectou vários países, inundando muitas zonas costeiras (Como mostra a figura ao lado). O Tsunami atravessou o Oceano Índico e provocou destruição nas zonas costeiras da África oriental, nomeadamente na Tanzânia, Somália e Quénia.
  7. 7. Rasto de destruição <ul><li>Mortos: 230 000 pessoas </li></ul><ul><li>Desalojados: 500 000 pessoas </li></ul>
  8. 8. Consequências do Tsunami na população ~1,5 milhão ~51498 ~125.000 ~193.623 174.542 Total +1000 — — — — Madagascar — — — 1 1 Iêmen — — 2 2 1 Quênia — — — 2 2 África do Sul — — — 2 2 Bangladesh — — — +10 10 Tanzânia — — — 3    3 - 1 Seychelles 22000 - 12000  26 — 108 82 Maldivas — — 299 74   74 - 68 Malásia 3200 200 45 600 - 290 61 Myanmar (Burma) 5000 — — 298 298 Somália — 2932 8457 11000 5395 Tailândia 380.000 5640 — 16413 10749 Índia ~573.000 5637 15686 38195 30957 Sri Lanka 700.000 - 400.000 37063 ~100.000 +126.915 126.915 Indonésia Estimado Confirmado Desabrigados Desaparecidos Feridos Mortes Países Afectados
  9. 9. Países mais afectados pelo Tsunami <ul><li>Sri Lanka : com milhares de mortos e milhões de desalojados; o estado de emergência nacional declarado; </li></ul><ul><li>Índia : nomeadamente os estados de Tamil Nadu, Andhra Pradesh e os arquipélagos Andaman e Nicobar onde algumas ilhas foram totalmente submersas pelo Tsunami; </li></ul><ul><li>Indonésia : ilha de Sumatra estado de Banda Aceh; </li></ul><ul><li>Tailândia: especialmente as estâncias turísticas das Ilhas Phi Phi e Phuket; </li></ul><ul><li>Ilhas Maldivas : onde dois terços da capital, Malé, foram inundados pelo Tsunami; </li></ul><ul><li>Malásia e Bangladesh. </li></ul>
  10. 10. Vulnerabilidades nas zonas mais afectadas <ul><li>Falta de balizas de detecção de Tsunamis na zona do oceano Índico. </li></ul>A tragédia que aconteceu no dia 26 de Dezembro mostra bem à importância dos sistemas de alertas e de detecção de Tsunamis que podia salvar vidas, dando o tempo necessário as pessoas de se refugiaram em zonas seguras.
  11. 11. (Continuação)
  12. 12. <ul><li>Habitações e edifícios muitos frágeis junto as zonas costeiras (População pobre) </li></ul>A população constrói casa junta à orla costeira, sendo esses indivíduos com poucos recursos monetários, o que leva a que a construção dos edifícios sejam precários e a baixos custos. Geralmente, as habitações nessas zonas afectadas eram feitos de palha, adobes e/ou toldos que não resistirem à passagem do Tsunami. (Continuação)
  13. 13. (Continuação) <ul><li>População geralmente pobre </li></ul>O Tsunami atingiu países em via de desenvolvimento, provocando grandes faltas de organização e reabilitação de pessoas desabitadas e a aparição de graves doenças como epidemias e outros problemas de saúde publica.
  14. 14. A população em geral não tinha conhecimento sobre medidas de prevenção e de auto protecção perante os perigos de um Tsunami. Hoje em dia, o governo indonésio tenta desenvolver medidas de prevenção e de auto protecção, informando as pessoas sobre “Como se pode saber que vai ocorrer um Tsunami?” e “O que se deve fazer perante os perigos de um Tsunami ?”. <ul><li>Falta de informação por parte das pessoas em geral acerca do Tsunami </li></ul>(Continuação)
  15. 15. Começar do ø <ul><li>Geração de postos de trabalho e renda </li></ul><ul><li>Melhorar serviços públicos e prestações sociais </li></ul><ul><li>Maior equilíbrio na distribuição espacial e pessoal da riqueza </li></ul>SABER CRESCER LIMITES ÉTICOS
  16. 16. Necessidade de um desenvolvimento Integral
  17. 18. Reconstrução pós-desastre da OIT (ligada à ONU) <ul><li>Seis componentes administrados por uma unidade central que trabalha em estreita colaboração com departamentos provinciais e regionais de trabalho, educação e obras públicas, bem como sindicatos, cooperativas e câmaras de comércio. </li></ul>
  18. 19. Esquema de actuação
  19. 20. Resultados <ul><li>Geração de emprego imediato a nível local nos sectores chave para a reconstrução da zona afectada pelo desastre </li></ul><ul><li>Criação de programas de formação e de desenvolvimento empresarial dirigida aos grupos economicamente mais vulneráveis da população </li></ul><ul><li>Acções de formação dirigidas às mulheres </li></ul>
  20. 21. <ul><li>O estabelecimento de um sistema de vigilância, capaz de </li></ul><ul><li>avisar com antecedência a chegada de um tsunami; </li></ul><ul><li>Estabelecimento de um plano de realojamento para as </li></ul><ul><li>pessoas que vivem nos locais vulneráveis em edificações </li></ul><ul><li>fora do alcance da altura máxima da onda; </li></ul><ul><li>Construção de vias de evacuação para o caso de alerta de </li></ul><ul><li>tsunami; </li></ul>Medidas para minimizar o risco de tsunami
  21. 22. <ul><li>Construção de diques de contenção em costas expostas a </li></ul><ul><li>acções de tsunamis, desde que seja possível e rentável; </li></ul><ul><li>Planificação urbana que permita a consideração de </li></ul><ul><li>espaços abertos que absorvem a energia de rebentação de </li></ul><ul><li>um tsunami; </li></ul><ul><li>Estabelecimento de um plano de florestação para </li></ul><ul><li>diminuir os efeitos de erosão em zonas onde possa </li></ul><ul><li>ocorrer um tsunami; </li></ul>Medidas para minimizar o risco de tsunami
  22. 23. Matagalpa e Nicarágua Bacia do Rio Grande de Matagalpa
  23. 24. Furacão Mitch (Novembro 1998) <ul><li>O mais destruidor e devastador ciclone tropical dos últimos 200 anos. Alcançou ventos de mais de 290 km/h considerado de categoria 5 pela Escala de Furacões de Saffir-Simpson </li></ul>
  24. 25. Rasto de destruição <ul><li>Vento mais forte: 290Km/h </li></ul><ul><li>Pressão mais baixa: 905 hPA </li></ul><ul><li>Danos: De 6 a 7 biliões US $ </li></ul><ul><li>Fatalidades: ~11.000 mortes </li></ul><ul><li>Áreas afectadas: </li></ul><ul><li>América Central </li></ul><ul><li>Península do Yucatán </li></ul><ul><li>Sul da Flórida </li></ul>
  25. 26. 306 2.836.850 13.016 10.576 32.9 Totais 7.051 1 2.7 Panamá 3% 3 5.000 7 3.5 Costa Rica 5% 3 4% 58.788 135 240 5.8 El Salvador 14% 51 55% 102.529 64 228 10.9 Guatemala 40% 80 40% 730.000 1,817 3.100 4.2 Nicarágua 80% 169 70% 1.933.482 11.000 7.000 5.8 Honduras Campos inundados Pontes destruídas Estradas obstruídas Prejudicados Desaparecidos Mortos População (em milhões) País
  26. 27. Consciência criada pelo fenómeno <ul><li>A realidade, as experiências locais, a sabedoria das comunidades e o conhecimento científico demonstraram que: </li></ul><ul><li>Muitas vezes, um desenvolvimento inadequado fortalece os perigos. </li></ul>A maioria dos desastres podem ser evitados, e estes não são necessáriamente naturais, ao contrário das ameaças que o podem ser.
  27. 28. Necessidade de planeamento
  28. 29. Mobilização de Organizações Internacionais <ul><li>O Escritório de Serviços de Projectos das Nações Unidas, a pedido da Estratégia Internacional para a redução de Desastres (EIRD) e com o apoio técnico da UNOSAT, foi sensível a este apelo. </li></ul>
  29. 30. Linhas de acção
  30. 31. Resultados <ul><li>O Centro de Informação Geográfica de Matagalpa (CIGMAT), converteu-se no centro de referência de informação geográfica do território, com produtos muito interessantes. </li></ul><ul><li>O município conta com um Departamento de Planeamento Territorial muito activo que participou na elaboração do Plano de Desenvolvimento Urbano de Matagalpa </li></ul>
  31. 32. <ul><li>Adequado ordenamento do território de modo a garantir </li></ul><ul><li>as melhores vantagens em caso de emergência; </li></ul><ul><li>Tomar consciência das condições climatéricas através de </li></ul><ul><li>um sistema de alarme que possa ser transmitido via </li></ul><ul><li>rádio; </li></ul><ul><li>Ter em atenção os materiais utilizados na costrução de </li></ul><ul><li>habitações para que suporte as condições adversas ou </li></ul><ul><li>seja de baixo custo consoante a economia suportável; </li></ul>Medidas para minimizar o risco de furacão
  32. 33. Conclusões <ul><li>PREVENÇÃO é a palavra chave, ou seja, é essencial reduzir o risco antes que o desastre ocorra. </li></ul><ul><li>A responsabilidade da redução do risco não segue apenas padrões locais ou nacionais, mas também supranacionais e até mesmo globais. </li></ul><ul><li>Por vezes a reconstrução pode ser considerada um nicho de oportunidades e um dos melhores momentos para introduzir a temática da redução de risco no planeamento. </li></ul><ul><li>Os estados, a comunidade internacional e os actores chave deverão confiar e promover as capacidades locais – “ As pessoas não são o problema, mas sim a solução e o principal recurso que os países em desenvolvimento dispõem ”. </li></ul>
  33. 34. Fim <ul><li>Muito obrigado pela atenção </li></ul>

×