CARACTERÍSTICAS
DE COMBUSTÍVEIS
MÓDULO 3
AGENDA
1. Combustíveis
e Inflamáveis
2. Conhecendo os
Produtos
• Características
• Riscos
PRODUTO ORIGEM INFLAMÁVEL
Etanol Cana-de-açúcar Sim
Gasolina Petróleo Sim
Diesel Petróleo Sim
GNV Petróleo Sim
Lubrificant...
Combustível: qualquer substância que alimenta o fogo.
COMBUSTÍVEIS
Sólido: Carvão e PapelLíquido: Gasolina, Etanol e Óleo ...
INFLAMÁVEIS
INFLAMÁVEIS
Ponto de fulgor: temperatura na
qual um combustível libera vapor
em quantidade suficiente para formar
uma mist...
INFLAMÁVEIS
50o
60o
INFLAMÁVEIS
CONHECENDO OS PRODUTOS
COMO CONHECER OS PRODUTOS?
O que é necessário
conhecer sobre
cada produto?
COMO CONHECER OS PRODUTOS?
icha de
nformações de
egurança de
rodutos
uímicos
F
I
S
P
Q
A NR 20 exige que o
trabalhador conheça os
produtos que manuseia.
O fabricante é obrigado a
disponibilizar as informações
...
Informações para:
Segurança
Saúde
Proteção
CONHECENDO A FISPQ
CONHECENDO A FISPQ?
Informações Gerais:
O produto e o fabricante
Identificação dos perigos
Dicas de primeiros socorros
Med...
Trabalhadores tem
que conhecer as FISPQs
FISPQ em local visível
e acessível
O TRABALHADOR E A FISPQ
Produto derivado do petróleo
GASOLINA
Tipos
Comum
Aditivada
CARACTERÍSTICAS
Inflamável
Líquido amarelo límpido
Forte odor
Mais leve que a água
Não se mistura com a água
GASOLINA
Cont...
EFEITOS SOBRE A SAÚDE
Inalação
• Irritação das vias respiratórias
Ingestão
• Irritação no estômago
• Pneumonia química
(se...
O QUE É O BENZENO?
Produto químico obtido durante
o processo de refino do petróleo.
PODE-SE ACABAR COM O
BENZENO NA GASOLI...
O BENZENO AUMENTA A
PERICULOSIDADE DA GASOLINA EM
RELAÇÃO AOS DEMAIS COMBUSTÍVEIS?
Sim, e aumenta o risco à saúde.
BENZENO...
RELEMBRANDO
QUAIS AS ATIVIDADES EM QUE
HÁ EXPOSIÇÃO AO BENZENO?
Abastecimento de veículos
Aferição de bombas
Sifão com a b...
RELEMBRANDO
Descarga de caminhões-tanque
Amostragem de caminhões-tanque
Medição de tanques
QUAIS AS ATIVIDADES EM QUE
HÁ E...
RELEMBRANDO
Limpeza de caixa separadora água-óleo
Análises de amostras de gasolina
Acidentes com derrames
QUAIS AS ATIVIDA...
24
OPERAÇÃO SEGURA COM A GASOLINA
Siga os procedimentos de segurança
Não inale vapores de gasolina
Use os EPIs indicados n...
25
Observe sempre
as medidas preventivas.
Realize seu trabalho
de forma segura!
RECOMENDAÇÕES
OPERAÇÃO SEGURA COM A GASOLI...
Tipos
Hidratado e Anidro
Características
Inflamável
Líquido incolor límpido
Forte odor
Mais leve do que a água
Vapores mai...
Efeitos sobre a saúde
Inalação
•Irritação das vias respiratórias
Ingestão
•Irritação no estômago
•Danos ao fígado
Contato ...
ÓLEO DIESEL
Tipos
S10, S50, S500
e Marítimo
ÓLEO DIESEL
Características
Inflamável
Líquido avermelhado límpido
Forte odor
Contamina o meio ambiente
Mais leve que a ág...
Efeitos sobre a saúde
Inalação
• Irritação das vias respiratórias
Ingestão
• Pneumonia química (se aspirado
para o pulmão ...
GÁS NATURAL
Características
Inflamável
Incolor
Forte odor
Mais leve que o ar
Mistura-se com a água
GÁS NATURAL
Efeitos sobre a saúde
Inalação
• Irritação das vias respiratórias
Contato com os olhos e pele
• Irritação
Tipos
Mineral ou Sintético
Características
Não inflamável
Líquido viscoso
Contamina o meio ambiente
Mais leve que a que a ...
ÓLEO LUBRIFICANTE
Efeitos sobre a saúde
Inalação
• Irritação das vias respiratórias
Ingestão
• Pneumonia química (se aspir...
RISCOS DOS PRODUTOS
Contaminação de galerias
Contaminação do lençol freático
Incêndios e explosões
DERRAMES E VAZAMENTOS
INCÊNDIOS E EXPLOSÕES
Lesões
Fatalidades
Danos ao patrimônio
Cuidado:
O fogo em etanol
é invisível!
INALAÇÃO DE VAPORES
Cuidado:
Gasolina contém
benzeno!
Intoxicação
Doenças crônicas
Intoxicação
Fatalidade
INGESTÃO
Consequências graves:
Pode levar à morte.
CONTATO COM A PELE
Não corra riscos
desnecessários!
Intoxicação
Doenças crônicas
CONTAMINAÇÃO DO MEIO AMBIENTE
Solo
Lençol freático
Cursos d’água
Vizinhança
JUNTE OS PONTOS
2
3
5
4
RISCO
Derrame
Incêndio
Inalação
Ingestão
Contato com a pele
CONSEQUÊNCIA
Doenças Crônicas
Intoxica...
JUNTE OS PONTOS
1
2
3
5
4
RISCO
Derrame
Incêndio
Inalação
Ingestão
Contato com a pele
CONSEQUÊNCIA
Contaminação do MA
Dest...
OBRIGADO!
ATÉ O PRÓXIMO BLOCO.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

slide 3

2.113 visualizações

Publicada em

aula de 03

Publicada em: Internet
11 comentários
43 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.113
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
11
Gostaram
43
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Passamos, agora, para o Módulo 3.
    Nos próximos momentos vamos conversar um pouco sobre as características dos combustíveis, apresentando, inclusive, os seus perigos, os riscos que eles apresentam e prevenção.

    Muitos de vocês já conhecem muito bem este assunto, mas sempre é bom relembrar, não é mesmo?
    Principalmente, quando se busca a preservação da vida.
  • Para iniciar o nosso trabalho, vamos entender sobre o que falaremos neste módulo.

    Nossa agenda é uma ótima aula de Química, e alguns de vocês vão fazer uma revisão...
    E teremos 4 assuntos a tratar:
    o primeiro assunto é entender e definir o que são combustíveis e porque alguns dele são chamados de inflamáveis;
    o nosso 2º assunto é falar dos produtos que manuseamos no posto e conhecer suas características. Fizemos isto com todos os locais e atividades do posto no modulo anterior. Ainda lembram? Ou já esqueceram? Coloquem o tico e o teco (o cérebro!) para funcionar, pois aqui tem coisas em comum com o módulo anterior. O posto e o combustível não se separam. Nós fizemos uma análise separada só para facilitar o entendimento.
    Depois das caracteristicas dos produtos, falaremos de seus riscos (o 3º assunto, que é muito importante) e finalizaremos, no quarto assunto, com os cuidados e com a prevenção necessária que devemos ter para garantirmos a continuação de uma vida saudável e a proteção do meio ambiente.
  • (NI: comentário da tabela)
    Vamos entender essa tabela? Quantos produtos temos no posto? (NI, aponte para os produtos) Aguarde a resposta: Cinco.
    Quantos deles vêm do Petróleo? (NI espere a resposta: 4).
    Um deles tem origem diferente do petróleo e vem da cana de açúcar. Qual é? (NI espere a resposta: Etanol)
    Todos são inflamáveis? Vamos analisar:
    Etanol: sim ou não? (resposta: sim)
    Gasolina: sim ou não? (resposta: sim)
    Diesel: sim ou não? (resposta: sim)
    GNV: sim ou não? (resposta: sim)
    Lubrificantes: sim ou não? (resposta: não)

    O que vemos é que a maioria dos produtos com que trabalhamos no posto tem características muito parecidas, não é mesmo?


  • Falamos dos produtos, dissemos que alguns são inflamáveis. Mas, o que é isto? Para entendermos, precisamos saber, primeiro, o que é um combustível.

    Combustível é qualquer produto que pode produzir energia se for queimado. Ele alimenta o fogo!
    Energia! É o que precisamos para nos mover, não é? Com os automóveis, também. Sem energia, não tiramos o carro do lugar.
    Para isso, os motores precisam de energia e ela vem da queima de combustível.

    Os combustíveis se apresentam em três estados: sólido, líquido e gasoso.
    NI clicar: Sólido:
    No estado sólido temos o carvão do churrasco, o papel, a madeira
    NI clicar: Líquido:
    No estado líquido temos a gasolina, o etanol , o óleo diesel entre outros.
    NI clicar: Gasoso:
    No estado gasoso, encontramos o GNV, o GLP, e os gases de solda, como o acetileno.

    Quando os combustíveis queimam, têm uma coisa em comum: produzem calor, chama e gases.
    Se bem manuseados, são muito úteis para nós, produzindo a energia que precisamos. Mas, se não tivermos os devidos cuidados, produzem incêndios com consequências muito ruins, que provocam ferimentos, gerando sofrimento e prejuízos.
  • Ah! Agora, temos um novo conceito também muito importante para conhecer!
    É o chamado ponto de fulgor do combustível. Parece um nome complicado, uma definição complicada, mas a explicação é simples. Vamos ver:
    Os produtos combustíveis líquidos exalam vapores de acordo com a temperatura a que estão expostos. Se formos subindo esta temperatura, chega um determinado momento em que estes vapores se inflamam (pegam fogo) quando uma chama passa por eles. Esta temperatura é ponto de fulgor. Cada produto tem seu ponto de fulgor.
    CONTINUA =>

  • Ponto de fulgor, então, é a: temperatura na qual um combustível libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura que se inflama (= pegar fogo) por uma fonte externa de calor (uma chama).

    Qual o produto que evapora mais, a gasolina ou o diesel? NI: dê um tempo para a resposta que será gasolina e parabenize a plateia.

    Agora... para correr para galera...
    Quem tem o ponto de fulgor mais baixo e com isto inflama mais rápido ? NI: aguarde a resposta: É a gasolina também. Faça um comentário elogiando a turma (Que turma boa!).
  • Vejamos essa figura: vamos ver como se mede o ponto de fulgor de um combustível que está na faixa de 60º C.

    Atenção, não façam isso como brincadeira ou “mágica” para os amigos e familiares: isto é só para aprenderem o conceito de ponto de fulgor e evitar ter centelha por perto.
    Aquece-se o combustível e vai-se passando uma centelha um pouco acima do limite do produto. Há um termômetro ao lado, como estão vendo.
    Quando acender a primeira centelha, imediatamente o experimento para e é esta a temperatura do ponto de fulgor.

    O material não pega fogo ainda, pois tem pouco vapor ainda com capacidade de inflamar. Mas, se continuar aquecendo e a temperatura subindo, e aí o fogo aparece e se mantém.

    Nem pensar em fazer este teste com gasolina, pois como já falamos mesmo em temperatura mais geladas ela já está no ponto de inflamar e vai pegar fogo muito rápido.

    Mostramos isto para que vocês entendam que Inflamáveis são todos os produtos com ponto de fulgor abaixo de 60º C.

    Por isso estamos aqui para aprender a manusear corretamente estes perigosos produtos e evitar a presença da Faiscona de qualquer maneira. Nosso Capitão NR20 vai nos proteger.
    NI: Se alguém perguntar o ponto de fulgor dos produtos comercializados no posto de serviço, oriente-o a consultar a FISPQ do produto pois há variações dependendo de fatores técnicos de composição e fabricação. A seguir, falaremos das fichas e eles entenderão melhor onde consultar.

  • Outra pergunta, para fechar com nota 10?
    A gasolina e o diesel geram mais vapores em dias quentes ou frios? NI, aguarde a resposta: Quentes. Muito bem! Porque aumenta a temperatura e mais vapores vão para o ar.

    Só para vocês terem uma idéia: o ponto de fulgor da gasolina é negativo, é - 43º C.
    Isto mesmo! Até no Polo Norte ela pega fogo rapidinho se tiver uma chama próxima, pois está acima da temperatura ambiente. Por isso é que o Capitão NR20 precisa fazer a Faiscona desaparecer, para que ela não possa agir.

    E qual é o ponto de fulgor da água? NI: provavelmente alguém irá falar 100º C .
    Então pergunte: Água é combustível???
    Então não tem ponto de fulgor! 100º C é o ponto de ebulição e serve para fazer um cafezinho gostoso ou um ovo cozido. (Comentário do instrutor) - Peguei vocês, hahahaha!
    Lembrem-se, então, ponto de fulgor refere-se a combustíveis e é um dado importante para classificação dos produtos combustíveis, especialmente no que se refere à segurança, aos riscos de transporte, armazenamento e manuseio.
  • Bom, agora que vocês já conhecem alguns conceitos importantes, vou destacar para vocês as características mais importantes dos produtos comercializados num posto de serviço. Os produtos que vocês manuseiam no seu dia-a-dia.

    Iremos entrar em detalhes para que vocês conheçam cada produto. Depois falaremos de seus riscos e como prevenir-se.

    Lembre-se que combustíveis são para gerar energia em veículos e não em pessoas, por isso são produtos muito bons para locomover os carros, motos, caminhões... mas péssimos para nossa saúde.
  • 10
  • 11
  • Seguindo padrões estabelecidos pelo Ministério do Trabalho e Emprego, no Brasil é obrigatório que todo trabalhador conheça os produtos com que trabalha. A NR 20 assim determina.

    Mas, quem tem as informações sobre um produto químico? O fabricante, aquele que faz o produto. Por isto, seguindo os padrões mundiais, o Brasil também exige que quem fabrica um produto forneça as informações sobre ele.
    E são estas informações desenvolvidas pelo fabricante do produto que estão na FISPQ .
    Então, relembrando, o que quer dizer FISPQ, mesmo?

    NI espere que respondam, ou induza a resposta: Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos

    Assim, todo produto químico tem a sua FISPQ. Ela é importante para o trabalhador, para os médicos, para os bombeiros, para o meio ambiente, e é uma exigência do Ministério do Trabalho e Emprego para informação e proteção do trabalhador, ou seja, de todos vocês!



  • Vamos ver como ficam, então, as FISPQs para os combustíveis com que trabalhamos no posto:

    - No caso do Brasil, é a Petrobras que refina os derivados de petróleo e é responsável por desenvolver esta ficha.
    Só para vocês terem uma ideia de como é completa, esta ficha tem 16 seções para detalhar, especificar, prevenir acidentes, identificar ações para socorrer a pessoa que bebeu, ou se contaminou com o produto.

    Ou seja, a FISPQ fornece informações relativas à segurança e à saúde das pessoas e, também, à proteção do meio ambiente.

    A seguir, vamos ver, de forma resumida o que essas fichas dizem de cada um desses produtos.
  • A FISPQ reúne num só documento padronizado as informações relativas a:
    composição química e características do produto e do fabricante;
    riscos à saúde em caso de exposição ao produto: ingestão, inalação, contato com a pele e com os olhos. Fornece informações para os médicos e socorristas para o caso de exposição. Ela explica o que fazer e o que não fazer;
    riscos de incêndio e como extingui-los. Quais os agentes extintores que funcionam bem. O que fazer e o que não fazer, também, para apagar os incêndios;
    riscos ao meio ambiente em caso de derrames, vazamentos: qual o dano que o produto causará à terra, aos rios, lagos e lagoas, ao mar, ao lençol freático (que é a água subterrânea que abastece os poços artesianos);
    os modos de proteção de quem trabalha com o produto: os EPIs (NI, peça que repitam: que são: “equipamentos de proteção individual”);
    as medidas preventivas de proteção do trabalhador no ambiente onde se trabalha com o produto: a proteção coletiva dos trabalhadores, ventilação, exaustão.

    Então, viram? É bem completa, tem tudo o que se precisa saber resumidamente.
  • Mostramos no slides anteriores a FISPQ e sua importância. Agora, vamos colocar de maneira prática como o trabalhador deve se relacionar com a FISPQ. Até aqui parece que o trabalhador está longe da FISPQ, e que a FISPQ é apenas mais um documento importante.

    P: Mas, qual é a posição do trabalhador em relação à FISPQ?
    R: Todo trabalhador, ou seja, cada um de vocês que está aqui hoje, tem que conhecer as FISPQs dos produtos com que trabalha. Saber como manusear essas fichas e como encontrar as informações que precisa.

    P: Se alguém aqui, por acaso, tiver contato na pele com gasolina ou óleo diesel sabe o que fazer? E se ingerir? E se cair nos olhos? Deve vomita se ingerir?
    R: Todas as respostas estarão na FISPQ da gasolina e do diesel!

    P: Se o óleo diesel derramar e for para a galeria de águas pluviais, o que vai acontecer com o rio para onde estas águas irão desaguar?
    R: A resposta estará na FISPQ do óleo diesel.

    P: E onde encontramos as FISPQs?
    R: A NR 20 determina que as FISPQs dos produtos manuseados estejam disponíveis para os trabalhadores e mantidas em local de fácil acesso para consulta.

    Assim, todos os postos precisam ter as FISPQ dos produtos que comercializam, como a gasolina, o etanol, o diesel, o GNV e os lubrificantes.


  • Bom, agora que vocês já conhecem as FISPQs, vamos ver as características mais importantes dos produtos comercializados num posto de serviço. Os produtos que vocês manuseiam no seu dia-a-dia. Elas estão todas nas FISPQs de cada um deles.

    É importante detalhar cada um deles, começando pelo produto mais nobre: a Gasolina (que é também o produto mais caro).

    A gasolina é um derivado do petróleo.
    No Brasil, a gasolina recebe um pouco de etanol anidro combustível (20% a 25%) que deve ter a cor laranja, deixando a gasolina vendida nas bombas com uma cor mais alaranjada que o amarelo natural da gasolina pura.

    Nos postos é comercializada com ou sem aditivos, ou seja, comum ou aditivada.
    A Gasolina Aditivada tem as mesmas propriedades da gasolina comum.
    A diferença é uma quantidade pequena de aditivos para “melhorar” a gasolina, como detergente para limpar os bicos, economizar combustível e poluir menos.
  • A gasolina é inflamável, e se apresenta no estado líquido, é bem límpida, ou seja, não tem nenhuma partícula ou aspecto turvo e é geralmente da cor amarela.

    Tem um cheiro muito forte. Ela não deve ser inalada. Mais adiante vamos entender o motivo.

    Não se mistura com a água e, por ser mais leve, não afunda em lagos, mares, rios e até em poças d’água e nem na caixa separadora. Por isso ela fica dividida na caixa separadora.

    Os vapores da gasolina são mais pesados que o ar, por isso ao abastecer você observa vapores “como se estivessem caindo”. Esta característica a torna ainda mais perigosa, porque eles tendem a se concentrar nos locais mais baixos, não se dissipando no ar, o que propicia condições para explosões e incêndios.

    Outro aspecto importante nas características da gasolina é que ela contém benzeno, um produto perigoso, como veremos detalhadamente mais adiante. Evite respirar fundo no momento do abastecimento e, se possível, posicione-se a favor do vento.


  • A ficha de segurança (FISPQ) da gasolina indica que ela é muito perigosa à vida aquática. Os seres aquáticos, aqueles que vivem nos mares e rios, são muito sensíveis e apresentam reação à contaminação por gasolina rapidamente. Imaginem também o mal que ela faz ao ser humano!

    A gasolina produz muitos efeitos sobre a saúde humana:

    quando inalada, causa irritação nas vias respiratórias, (nariz, garganta, pulmões); se ingerida, irrita o aparelho digestivo (estômago, intestino, etc.). Observem a recomendação: se alguém ingerir gasolina não se deve forçar o vômito, porque ela pode ser aspirada para os pulmões, produzindo pneumonia química.
    em contato com a pele, causa irritação e se cair nos olhos poderá, além da irritação, causar lesões.

    Então, resumindo sobre os cuidados com a gasolina: nunca beba! Não ponha na boca! Não use a gasolina para limpar objetos nem as mãos! Não inale, isso é: não cheire!
  • Agora, vamos ver e entender uma informação que consta da FISPQ da gasolina e que é muito importante para todos vocês. Esta informação é tão importante que na NR 15 do Ministério do Trabalho e Emprego existe uma parte somente sobre ela. Trata-se do benzeno.
    Na FISPQ da gasolina, encontramos na Seção de informações sobre a Composição da gasolina que nela existe benzeno com teor ou concentração menor que 1%. Isso significa que em cada 100 partes de gasolina, menos de uma parte é de benzeno. Se fôssemos medir, poderíamos exemplificar que, a cada 100 copos de gasolina que há na bomba, menos de um deles é a quantidade de benzeno que está ali.

    O que isto quer dizer? Por que é importante saber disto?

    Primeiro precisamos conhecer o benzeno.

    P: O que é benzeno?
    R: É uma substância química perigosa, mas muito importante para as indústrias de um modo geral, e, também, para a qualidade da gasolina.

    P: E por que ainda se usa o benzeno na gasolina?
    R: Até o dia de hoje ainda não se encontrou um substituto para o benzeno na gasolina no mundo inteiro. Mas, já se consegue bons resultado com quantidades presentes menores que 1%.
  • Outras perguntas devem ser feitas e respondidas agora:

    P: O benzeno torna a gasolina mais perigosa que os demais combustíveis?
    R: A resposta é SIM.

    Apesar de todos serem perigosos, a presença do benzeno aumenta o risco à saúde, se a gasolina não for manuseada com segurança. Mais adiante vamos ver como se previne o risco de exposição ao benzeno constante da gasolina.

    P: O benzeno causa câncer?
    R: Em algumas pessoas com exposição constante e prolongada ao benzeno e sem os devidos cuidados, o benzeno pode ser o causador de câncer.
  • Agora pergunte para a plateia :
    Quais as nove (9) áreas em que ocorrem exposição ao benzeno?
    Lembre-se que é através da inalação dos vapores e do contato direto de partes do corpo com a gasolina.
    Vou mostrando as imagens para vocês relembrarem, OK?

    NI: dê o 1º clique e aparecerá a figura de uma atividade em que há exposição ao benzeno. Peça que os alunos descrevam qual é essa atividade;
    Aceite as respostas , mesmo que não seja o texto literalmente como está escrito.
    Quando um dos alunos acertar, dê o segundo clique e a resposta escrita aparece.


    Agora, passe um a um.
    O mesmo processo para os dois slides seguintes.


  • NI: continua do mesmo modo do slide anterior.
  • NI: faça o comentário abaixo, ao final das respostas dos alunos:
    Entretanto, se as corretas medidas preventivas forem tomadas e observadas, o risco à exposição ao benzeno praticamente não existe e, por consequência, os efeitos sobre o organismo e a saúde também não existirão.

    No próximo slide vamos conhecer a prevenção deste risco.
  • A única forma de prevenção aos riscos que citamos anteriormente é a não exposição aos vapores da gasolina e, consequentemente, ao benzeno.

    Assim, todos os esforços devem ser feitos, continuamente, no sentido de evitar essa exposição do trabalhador.

    A utilização de procedimentos operacionais e de segurança permite ao trabalhador executar sua tarefas de forma eficiente e segura. Os procedimentos operacionais e de segurança estabelecem o passo a passo de cada uma das operações do posto, de modo que elas sejam realizadas de modo eficiente sem comprometer a segurança e a saúde daqueles que as realizam, especialmente com relação à exposição ao benzeno.

    O PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais do posto, com base em avaliações de profissionais, estabelece os Equipamentos de Proteção Individual requeridos para cada operação. Cabe ao trabalhador usar o EPI recomendado para a proteção de sua saúde e integridade física. É obrigação legal, mas acima de tudo de seu próprio interesse.
  • Como vimos, as FIPQs contêm as informações importantes sobre os produtos. Por isto, como dissemos, é fundamental que vocês conheçam as FISPQs e, neste caso especial que estamos estudando, o caso do benzeno, é essencial a FISPQ da gasolina!
    O PCMSO – que significa Programa de Controle Médico da Saúde Ocupacional do posto, com base em recomendações de médicos especializados, estabelece as medidas de segurança para os trabalhadores de acordo com a natureza e o risco das tarefas que realizam. Neste programa, encontramos a recomendação de exames médicos periódicos para os trabalhadores dos postos, com exames específicos solicitados pelo médico credenciado. Você deve ser informado do resultado destes exames.

    Estas medidas preventivas, se corretamente observadas, asseguram que o trabalho com a gasolina no posto se realize de forma segura, sem prejuízo para a saúde do trabalhador.


  • Agora passamos para o Etanol. Lembram da tabela que vimos no início desse módulo? Porque o etanol é diferente dos outros 4 combustíveis?

    (NI: aguarde a resposta da procedência do etanol, ou induza, lembrando que os outros são derivados do petróleo e o etanol vem da cana de açúcar)

    É um combustível ecológico, já que polui menos que os combustíveis derivados do petróleo, e ainda é renovável. Dizemos que se renova porque podemos plantar e replantar as suas fontes, que no Brasil é a cana de açúcar.

    A fermentação da cana de açúcar produz álcool etílico, que pode se apresentar como álcool etílico ANIDRO COMBUSTÍVEL e álcool etílico HIDRATADO COMBUSTÍVEL.

    O ANIDRO tem cor laranja por receber corantes para a sua comercialização e pode ser misturado à gasolina pura para formar a gasolina C (20% a 25% na mistura, lembram?).
    O HIDRATADO é incolor.

    Da mesma forma que a gasolina, o etanol tem cheiro forte e característico, e é altamente inflamável .

    Quando em contato com a água, a diferença dele para a gasolina, é que ele se mistura à água. Podemos dizer que isso é uma vantagem em termos de derrames e vazamentos, no que diz respeito a fogo.
    Os vapores do etanol são mais pesados que o ar. Esta característica o torna perigoso como a gasolina, e seus vapores tendem a se concentrar nos locais mais baixos, propiciando condições para explosões e incêndios.
  • Também é um produto agressivo para a nossa saúde. Apesar do álcool estar presente em alguns momentos da nossa vida cotidiana, como na cerveja que tomamos no churrasco, que contém um pouquinho de etanol, ou mesmo o álcool que se usa em casa para limpeza, podemos pensar que ele é um produto inofensivo, mas não é! Apesar de ser o mesmo etanol, as quantidades que manuseamos no posto são bastante diferentes, de modo que a quantidade de vapor exalado também é muito maior!
    O etanol da cerveja do churrasco e para a limpeza que usamos em casa traz os mesmos efeitos sobre nossa saúde!
    No momento do abastecimento, a quantidade de vapores é grande, e se o produto vazar ou derramar e você inalar os vapores, rapidamente poderá sentir os seguintes efeitos: irritação da garganta e do nariz, falta de ar, tonteiras, náuseas e até perda da consciência.
    Se ingerido puro, irrita o estômago e causa danos ao fígado.
    O etanol em contato prolongado com a pele causa irritação e pode levar a lesões.
    Da mesma forma, com os olhos, produz sérias lesões.

    Portanto, todo cuidado e precauções no seu manuseio! Existem procedimentos e EPIs para uma operação segura! Sua saúde, sua vida, não têm preço!

    Importante saber que o etanol utilizado nas bombas de combustível dos postos de serviço é misturado à gasolina numa pequena proporção e, por isso, NUNCA deve ser consumido, OK?
  • E o óleo diesel?

    Também é um derivado do petróleo e é utilizado em determinados motores à explosão.

    O “S” que vocês falam e escutam frequentemente significa a quantidade de enxofre presente em sua composição.
    O diesel, na hora em que é refinado, gera enxofre e isto faz liberar muitas partículas na atmosfera, após sua queima.
    Podemos fazer uma relação que pode nos ajudar a entender: assim como a gasolina tem o benzeno, o óleo diesel tem o enxofre.

    O Enxofre pode produzir ácido sulfúrico. Já ouviram falar nisso? É um ácido corrosivo que prejudica a saúde e o meio ambiente.
    É muito poluente e, por isso, também vem sendo objeto de pesquisas, para que se encontre formas de reduzir o seu poder poluidor.

    O “S 10” é o Diesel mais moderno e quer dizer que ele tem 10 ppm de enxofre, ou seja, 10 partes de enxofre por milhão. (ppm é a abreviatura exatamente de parte por milhão)
    No caso do S-500, significa que ele tem 500 partes de enxofre por milhão, ou seja, se fizermos as contas veremos que ele tem 50 vezes mais enxofre que o S 10.

    No mundo inteiro já se usa diesel de petróleo misturado a óleos diesel derivados de plantas como mamona, soja, girassol (entre outras) para reduzir a poluição. Isto se chama Biodiesel.
    No Brasil, a proporção de biodiesel no óleo diesel vendido em postos de serviço é de 5%.

  • Mesmo misturado com diesel de origem vegetal, o óleo diesel também é perigoso à saúde dos seres vivos. Ele é inflamável, não se mistura na água e se derramado no solo ou água vai demorar a ser consumido pelo meio ambiente. Isto que dizer que é bastante poluente.

    Como vocês sabem, o diesel é um líquido límpido avermelhado, e possui um odor forte característico.
    É mais leve que a água e também não se dissolve nela, requerendo atenção se formos tentar apagar com água um incêndio de diesel derramado. Há o risco do fogo se espalhar.
  • Como a gasolina, o óleo diesel produz muitos efeitos ruins sobre a saúde humana...

    Quando inalado, causa irritação nas vias respiratórias, se ingerido irrita o aparelho digestivo. A palavra irritar, nesses casos, quer dizer que causa danos, como feridas.
    Se alguém ingerir óleo diesel não se deve forçar o vômito, porque ele pode ser aspirado para os pulmões produzindo pneumonia química.
    Em contato com a pele, causa irritação e se cair nos olhos poderá, além da irritação, causar sérias lesões.

    Nunca beba! Não ponha na boca. Nada de usar o diesel para limpar objetos ou peças de veículos! Nem use para limpar as mãos! Não inale!
  • O Gás Natural Veicular (GNV) é conhecido como combustível do futuro. Ele é uma mistura mais leve que o ar e, à temperatura ambiente e pressão atmosférica, permanece no estado gasoso. Ele é encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo profundo, nos poços de petróleo.
     
    A queima do GNV é uma das mais limpas, praticamente sem emissão de poluentes no ar. O volume de gás disponibilizado queima quase que completamente e tem a vantagem de não possuir enxofre em sua composição. Isso faz com que não sejam lançados compostos poluentes de enxofre na atmosfera.

    Ele se apresenta no estado gasoso, é incolor e inflamável. Daí a importância de se detectar vazamentos, pois ele pode ser um risco invisível.
    Em seu estado natural, não tem cheiro, mas a indústria acrescenta um odor artificial por precaução, para que se possa identificar rapidamente vazamentos. É como o gás de cozinha, que estamos acostumados a lidar em nossas casas.

    Por ser mais leve que o ar, o GNV sobe para a atmosfera rapidamente em caso de vazamento.
    Mistura-se à água mas não apresenta perigo para a vida aquática nem causa danos ao solo em caso de vazamentos.
  • Vamos falar, também, dos seus efeitos sobre a saúde humana:

    Apesar da qualidade de sua queima, é um produto perigoso à saúde humana.
    Se inalado, o GNV provoca tosse, tonteiras, náuseas e causa irritação no nariz e na garganta. O mesmo se dá quando entra em contato com os olhos e a com a pele. Em concentrações elevadas (muita quantidade), em ambiente fechado, causa asfixia seguida de morte.
    Lembrem-se das exigências de ambientes ventilados para a instalação do GNV.
  • E, finalmente, vamos analisar os lubrificantes!

    Eles servem para reduzir o atrito entre as peças dos motores, e com isso aumentar a sua vida útil.

    Os lubrificantes que vendemos nos postos são uma mistura de óleos básicos com diversos tipos de aditivos, que melhoram o funcionamento e a vida útil dos motores.

    Os óleos básicos tem duas origens: mineral (são extraídos diretamente do petróleo) e sintética (produzidos em laboratórios, geralmente com componentes também derivados do petróleo).

    Os óleos lubrificantes, de um modo geral, são líquidos viscosos, ou seja, que demoram a escorrer. São límpidos, e sua cor varia dos mais claros aos mais escuros.

    São mais leves que água, espalhando-se sobre ela com relativa facilidade, e não se dissolvem nela. Para vocês terem ideia, um litro de óleo lubrificante contamina uma extensa superfície de água de rios, lagos etc.

    Por isto, é tão importante que você devolva todo óleo usado (queimado, o OLUC) e, também, as embalagens para o reciclador autorizado.
    Os lubrificantes tem o mesmo efeito nocivo, na natureza, do óleo de cozinha, ambos devem ser descartados adequadamente.



  • Os lubrificantes não são inflamáveis, mas afetam a saúde em caso de ingestão e contato com a pele. Por vezes, não tomamos os devidos cuidados com eles no manuseio, por não serem inflamáveis, mas também são produtos classificados como perigosos.

    São persistentes, isto é, permanecem sem se decompor, durando muito, quando espalhados na água, contaminando rios, lagos e lagoas ou mesmo o mar, em casos de derrame ou vazamento.

    Se o óleo formar névoas (nuvens que ocorrem quando aquecido), a sua inalação causa irritação da garganta e do nariz.
    Se for ingerido e forçamos a pessoa a vomitá-lo, pode causar pneumonia química caso seja aspirado para os pulmões.

    O contato prolongado com a pele nua causa irritação que pode levar a lesões.

    Caindo nos olhos causa irritação, e se não for removido imediatamente pode causar ferimentos irreparáveis.
  • Até aqui vimos os produtos e suas características.
    Agora vamos conhecer os riscos existentes nas operações de um posto de serviço e suas consequências.

    Essa é uma parte importante, pois aqui vamos refletir um pouco também sobre o mundo em que vivemos e que queremos deixar para nossos filhos e familiares.



  • Começamos pelos derrames e vazamentos.

    Na ocorrência de derrames e vazamentos na superfície, as galerias de águas pluviais e esgoto, as galerias por onde passam tubulações e se localizam equipamentos de concessionárias de serviços públicos (luz, gás, telefone etc) ficam ameaçadas. O produto derramado ou vazado pode escorrer para elas. Estas galerias estão interligadas com redes de prédios vizinhos, edificações como metrô e podem ser atingidas com consequências bastante sérias. Não podemos nos esquecer que as galerias pluviais geralmente desaguam em rios, que certamente serão atingidos.

    Vazamentos subterrâneos, além de também poderem atingir estas galerias, alcançam o lençol freático (águas subterrâneas) trazendo contaminação ao abastecimento de água das cidades. Quem não conhece os poços artesianos? Eles ficam contaminados.

    Produto derramado ou vazado a céu aberto é sempre muito perigoso porque, como vimos, os inflamáveis emitem vapores na temperatura ambiente, e estes vapores sendo mais pesados que o ar não se dissipam facilmente. Basta um pequena centelha, um cigarro sendo acesso, para que uma explosão ocorra ou um incêndio se inicie.

    Derrames e vazamentos não podem nem devem acontecer!

  • Vimos que derrames e vazamentos podem levar a incêndios e explosões.
    Quais as consequências de incêndios e explosões?

    As consequências de um incêndio ou de uma explosão podem envolver tanto pessoas quanto bens materiais.

    Podem ocorrer lesões ou ferimentos muito sérios, e geralmente chegam ao ponto de causarem a morte. Aqui é hora de refletirmos quanto vale a sua saúde, a sua integridade física, a sua vida? Quanto vale a vida de um ser humano? A nossa responsabilidade é muito grande nesta questão.

    O patrimônio pode ser atingido. Patrimônio do posto ou de terceiros. As instalações podem ser danificadas ou até mesmo totalmente destruídas. Veículos de clientes podem ser atingidos. Prédios vizinhos podem ser alcançados. São prejuízos enormes! E sempre podem atingir outros seres humanos, além do patrimônio...

    Atenção: Falando em incêndio, uma informação muito importante: o fogo em etanol é praticamente invisível. As chamas passam desapercebidas. Portanto, muito cuidado com os derrames de etanol. Não se aproximem de modo afoito de etanol derramado. Atentem para a temperatura, para a presença de calor.

    Incêndios e explosões não podem nem devem acontecer!
  • Outro risco presente em um posto de serviços é a inalação de vapores de combustível.

    Os vapores de combustível, além de inflamáveis, são perigosos para a saúde.
    A inalação, ou seja, a respiração dos vapores, causa intoxicação. Tonteiras, náuseas, dores de cabeça são sintomas da inalação, mas consequências ainda mais sérias podem vir a acontecer.
    A inalação constante e sistemática de vapores de combustível pode levar a doenças crônicas.

    Estas e outras informações sobre a inalação de vapores da gasolina, do etanol e do óleo diesel estão nas FISPQs destes combustíveis. Procure se informar!

    Atenção: O combustível não precisa estar derramado para emitir vapores e causar danos à saúde. As operações normalmente realizadas produzem vapores, mas a observância dos procedimentos de segurança e o uso do EPI adequado eliminam os riscos de inalação destes vapores.

    Vapores de combustíveis não podem nem devem ser inalados!
  • Outro risco que precisamos conhecer sobre os produtos manuseados no posto diz respeito à ingestão.

    Com combustíveis, uma operação que deve ser evitada é a de se retirar produto do tanque de um veículo utilizando um tubo de borracha ou plástico para fazer sifão usando a boca!
    Parece uma operação simples, mas o risco de ingestão de produto é muito grande! Proteja-se!

    As consequências da ingestão são severas: causa intoxicação e pode provocar até a morte! Já vimos os riscos inerentes aos combustíveis constantes das FISPQs.

    Se necessário, utilize um sifão apropriado! Existem no mercado!

    Por outro lado, nunca utilize um recipiente que já conteve combustíveis para colocar alimentos ou água, mesmo quando bem “lavados”!
  • Outro risco dos combustíveis é o contato com a pele.

    O manuseio descuidado dos combustíveis acaba por causar acidentes. E muitos deles podem levar ao contato do produto com a pele.

    Já vimos os riscos que existem nas diversas atividades do posto. Eles que podem fazer com que os combustíveis entrem em contato com a pele constantemente.
    Por outro lado, não são só acidentes que levam ao contato do produto com a pele. Atos inseguros, como lavar peças ou lavar as próprias mãos com combustíveis, promovem este contato. Para lavar peças existem produtos especiais, e ainda assim esse procedimento deve ser realizado com o uso do EPI recomendado. Para lavar as mãos, também existem produtos específicos.

    O contato com pele pode causar intoxicação e doenças crônicas, se o uso for constante. Não corra riscos desnecessários!
  • E por fim, o risco de contaminação do meio ambiente.

    Já vimos que as operações do posto podem causar acidentes que levam à contaminação do meio ambiente.

    As consequências são severas porque, como vimos, a maioria dos combustíveis agride o meio ambiente de forma drástica.

    Quando ocorrem acidentes que contaminam o meio ambiente, o solo é afetado, ficando prejudicado para o cultivo dos alimentos.

    Também o lençol freático e os cursos d’água podem ser atingidos, prejudicando o abastecimento de água de casas, cidades.

    A vizinhança do posto pode ser atingida através das galerias de águas pluviais. Estações do metrô e garagens subterrâneas também podem ser sofrer as consequências de acidentes com os combustíveis, e podem acontecer explosões de grandes proporções.
  • NI: A ideia é fazer uso dos links e explicar cada um na ordem do RISCO.

    Iniciar pelo Riscos. Perguntar aos alunos a Consequência, dar tempo para que pensem, e a seguir a Prevenção, sempre dando tempo para a turma pensar.

    Após último Risco mudar para o próximo slide para que vejam o quadro com as respostas certas.


  • Respostas corretas

  • MUITO OBRIGADO PELA ATENÇÃO DE VOCÊS!

    Cumprimos mais uma etapa e temos certeza que estamos contribuindo para um trabalho mais seguro e a construção de um mundo mais equilibrado. Sabemos que estes conceitos são importantes para sua segurança e saúde, queremos que vocês ampliem essa segurança para seus familiares, colegas e amigos.
  • slide 3

    1. 1. CARACTERÍSTICAS DE COMBUSTÍVEIS MÓDULO 3
    2. 2. AGENDA 1. Combustíveis e Inflamáveis 2. Conhecendo os Produtos • Características • Riscos
    3. 3. PRODUTO ORIGEM INFLAMÁVEL Etanol Cana-de-açúcar Sim Gasolina Petróleo Sim Diesel Petróleo Sim GNV Petróleo Sim Lubrificantes Petróleo Não PRODUTOS NO POSTO
    4. 4. Combustível: qualquer substância que alimenta o fogo. COMBUSTÍVEIS Sólido: Carvão e PapelLíquido: Gasolina, Etanol e Óleo DieselGasoso: Gás Natural e GLP
    5. 5. INFLAMÁVEIS
    6. 6. INFLAMÁVEIS Ponto de fulgor: temperatura na qual um combustível libera vapor em quantidade suficiente para formar uma mistura inflamável por uma fonte externa de calor. Inflamável: substância com a característica especial de ter o ponto de fulgor abaixo de 60º C.
    7. 7. INFLAMÁVEIS 50o 60o
    8. 8. INFLAMÁVEIS
    9. 9. CONHECENDO OS PRODUTOS
    10. 10. COMO CONHECER OS PRODUTOS? O que é necessário conhecer sobre cada produto?
    11. 11. COMO CONHECER OS PRODUTOS? icha de nformações de egurança de rodutos uímicos F I S P Q
    12. 12. A NR 20 exige que o trabalhador conheça os produtos que manuseia. O fabricante é obrigado a disponibilizar as informações sobre o seu produto. Todo produto químico tem que possuir a FISPQ. COMO CONHECER OS PRODUTOS?
    13. 13. Informações para: Segurança Saúde Proteção CONHECENDO A FISPQ
    14. 14. CONHECENDO A FISPQ? Informações Gerais: O produto e o fabricante Identificação dos perigos Dicas de primeiros socorros Medidas de combate a incêndio Controle de derrames e vazamentos Controle à exposição e EPI
    15. 15. Trabalhadores tem que conhecer as FISPQs FISPQ em local visível e acessível O TRABALHADOR E A FISPQ
    16. 16. Produto derivado do petróleo GASOLINA Tipos Comum Aditivada
    17. 17. CARACTERÍSTICAS Inflamável Líquido amarelo límpido Forte odor Mais leve que a água Não se mistura com a água GASOLINA Contamina o meio ambiente Vapores mais pesados que o ar Contém benzeno
    18. 18. EFEITOS SOBRE A SAÚDE Inalação • Irritação das vias respiratórias Ingestão • Irritação no estômago • Pneumonia química (se aspirada para o pulmão em caso de vômito) Contato com a pele ou com olhos • Irritação ou lesão GASOLINA
    19. 19. O QUE É O BENZENO? Produto químico obtido durante o processo de refino do petróleo. PODE-SE ACABAR COM O BENZENO NA GASOLINA? Impossível no processo atual Presente na gasolina, no mundo todo Consegue-se reduzir a menos de 1% BENZENO NA GASOLINA
    20. 20. O BENZENO AUMENTA A PERICULOSIDADE DA GASOLINA EM RELAÇÃO AOS DEMAIS COMBUSTÍVEIS? Sim, e aumenta o risco à saúde. BENZENO PODE CAUSAR CÂNCER? Sim, em algumas pessoas, quando em exposição constante e prolongada, sem os devidos cuidados. BENZENO NA GASOLINA
    21. 21. RELEMBRANDO QUAIS AS ATIVIDADES EM QUE HÁ EXPOSIÇÃO AO BENZENO? Abastecimento de veículos Aferição de bombas Sifão com a boca em tanques de veículos
    22. 22. RELEMBRANDO Descarga de caminhões-tanque Amostragem de caminhões-tanque Medição de tanques QUAIS AS ATIVIDADES EM QUE HÁ EXPOSIÇÃO AO BENZENO?
    23. 23. RELEMBRANDO Limpeza de caixa separadora água-óleo Análises de amostras de gasolina Acidentes com derrames QUAIS AS ATIVIDADES EM QUE HÁ EXPOSIÇÃO AO BENZENO?
    24. 24. 24 OPERAÇÃO SEGURA COM A GASOLINA Siga os procedimentos de segurança Não inale vapores de gasolina Use os EPIs indicados no PPRA CUIDADO: A gasolina contém benzeno. Não inale vapores. Eles fazem mal à sua saúde. RECOMENDAÇÕES
    25. 25. 25 Observe sempre as medidas preventivas. Realize seu trabalho de forma segura! RECOMENDAÇÕES OPERAÇÃO SEGURA COM A GASOLINA Conheça os primeiros socorros recomendados pela FISPQ Conheça o PCMSO do posto Faça exames periódicos de saúde
    26. 26. Tipos Hidratado e Anidro Características Inflamável Líquido incolor límpido Forte odor Mais leve do que a água Vapores mais pesados que o ar Se mistura com a água ETANOL COMBUSTÍVEL
    27. 27. Efeitos sobre a saúde Inalação •Irritação das vias respiratórias Ingestão •Irritação no estômago •Danos ao fígado Contato com a pele •Lesão Contato com os olhos •Irritação ETANOL COMBUSTÍVEL
    28. 28. ÓLEO DIESEL Tipos S10, S50, S500 e Marítimo
    29. 29. ÓLEO DIESEL Características Inflamável Líquido avermelhado límpido Forte odor Contamina o meio ambiente Mais leve que a água Não se mistura com a água
    30. 30. Efeitos sobre a saúde Inalação • Irritação das vias respiratórias Ingestão • Pneumonia química (se aspirado para o pulmão em caso de vômito) Contato com os olhos • Irritação e lesão Contato com a pele • Irritação ÓLEO DIESEL
    31. 31. GÁS NATURAL Características Inflamável Incolor Forte odor Mais leve que o ar Mistura-se com a água
    32. 32. GÁS NATURAL Efeitos sobre a saúde Inalação • Irritação das vias respiratórias Contato com os olhos e pele • Irritação
    33. 33. Tipos Mineral ou Sintético Características Não inflamável Líquido viscoso Contamina o meio ambiente Mais leve que a que a água Não se mistura com a água ÓLEO LUBRIFICANTE
    34. 34. ÓLEO LUBRIFICANTE Efeitos sobre a saúde Inalação • Irritação das vias respiratórias Ingestão • Pneumonia química (se aspirado para o pulmão em caso de vômito) Contato com os olhos • Irritação Contato com a pele • Lesão
    35. 35. RISCOS DOS PRODUTOS
    36. 36. Contaminação de galerias Contaminação do lençol freático Incêndios e explosões DERRAMES E VAZAMENTOS
    37. 37. INCÊNDIOS E EXPLOSÕES Lesões Fatalidades Danos ao patrimônio Cuidado: O fogo em etanol é invisível!
    38. 38. INALAÇÃO DE VAPORES Cuidado: Gasolina contém benzeno! Intoxicação Doenças crônicas
    39. 39. Intoxicação Fatalidade INGESTÃO Consequências graves: Pode levar à morte.
    40. 40. CONTATO COM A PELE Não corra riscos desnecessários! Intoxicação Doenças crônicas
    41. 41. CONTAMINAÇÃO DO MEIO AMBIENTE Solo Lençol freático Cursos d’água Vizinhança
    42. 42. JUNTE OS PONTOS 2 3 5 4 RISCO Derrame Incêndio Inalação Ingestão Contato com a pele CONSEQUÊNCIA Doenças Crônicas Intoxicação Fatalidade Destruição Contaminação do MA PREVENÇÃO Não fazer uso de sifão Evitar distração Usar EPI Não cheirar Eliminar a ignição 1
    43. 43. JUNTE OS PONTOS 1 2 3 5 4 RISCO Derrame Incêndio Inalação Ingestão Contato com a pele CONSEQUÊNCIA Contaminação do MA Destruição Intoxicação Fatalidade Doenças Crônicas PREVENÇÃO Evitar distração Eliminar a ignição Não cheirar Não fazer uso de sifão Usar EPI
    44. 44. OBRIGADO! ATÉ O PRÓXIMO BLOCO.

    ×