Planomarketing Sindpol

259 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Planomarketing Sindpol

  1. 1. Plano de Marketing SINDPOL/MG 2009/2010 Diretoria de comunicação e eventos:
  2. 2. Parte 1 As mudanças no mercado mundial
  3. 3. <ul><li>A INTERNET NO MUNDO </li></ul><ul><li>1 bilhão no final de 2000 (MIT) . Esta e ra previsão para 2001! </li></ul><ul><li>Quase 100 trilhões de e-mails privados foram enviados somente em 2008 . </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Uma nova ordem mundial </li></ul><ul><li>Surge uma nova sociedade, onde as três únicas certezas são: </li></ul><ul><li>1. A certeza da mudança; </li></ul><ul><li>2. Uma concorrência cada vez mais acirrada; </li></ul><ul><li>3. Um consumidor cada vez mais bem informado e exigente. </li></ul>
  5. 5. O Brasil do Novo Milênio 1. 32 milhões de pobres 2. 8,86 milhões de famílias com renda mensal de R$ 405,00 ; 3. 135,7 milhões de “não-pobres” ; 4. 16,7 milhões de “ricos” (10% , isto é, r enda mensal acima de R$ 5000,00) 5. 119 milhões de “classe média e emergente” (32 milhões de famílias) Fonte: IBGE
  6. 6. <ul><li>O Brasil possui hoje: </li></ul><ul><li>O 2º maior mercado de jatos executivos e helicópteros; </li></ul><ul><li>O 1º maior mercado de Ferraris e canetas Mont Blanc; </li></ul><ul><li>O 2º de microondas , telefones celulares e fax; </li></ul><ul><li>O 2º em equipamentos de mergulho e alpinismo. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>O Brasil de hoje </li></ul><ul><li>150.000 pessoas vão adquirir um celular (temos hoje mais um milhão a mais de cellulares que telefones fixos); </li></ul><ul><li>1,5 bilhão de mensagens serão deixadas em correios de voz; </li></ul><ul><li>500 milhões de pessoas entrarão na Internet; </li></ul><ul><li>30 milhões de e- mails estão sendo enviados enquanto l e m o s esta lâmina! </li></ul>
  8. 8. Parte 2 O comportamento do homem do século XXI
  9. 9. É importante termos uma noção geral do comportamento humano de hoje. Mais bem informado, consciente e atuante, ele se vê, entretanto, carente de valores e de referências. Algumas características marcantes: 1. O INDIVIDUALISMO E O IMEDIATISMO; 2. O CONSUMO EXAGERADO; 3. O QUESTIONAMENTO DOS VALORES; 4. A APATIA POLÍTICO-IDEOLÓGICA; 5. A CIVILIZAÇÃO DA IMAGEM. O ser humano do século XXI
  10. 10. “ Há uma formidável liberdade, mas ela é estéril para o pensamento. Nunca se pensou tão pouco. (...) não sabemos o que há para pensar. O sujeito (...) não se interroga sobre sua própria existência”. “ Os jovens sempre foram revoltados com a injustiça social. Hoje, no entanto, eles só têm uma vontade: participar da vida social. Eles não protestam contra as injustiças. Querem apenas encontrar um meio de gozar logo os prazeres da vida social”. Charles Melman , psicanalista francês, em entrevista a VEJA
  11. 11. “ (...) muitos cidadãos podem constatar que falta potência ao poder político diante das forças econômicas, verdadeiras ‘mestres’ da situação. Então por que se engajar na vida política se ela é impotente para corrigir as desigualdades e dificuldades da vida social? Hoje, acabaram as ideologias, as palavras de ordem e até mesmo as utopias. (...) Não há mais confiança nos políticos”. Charles Melman , psicanalista francês, em entrevista a VEJA
  12. 12. “ Auto-afirmação e autonomia individual são as duas máximas mais importantes da nossa sociedade”. Eva Jaeggi, professora e psicóloga, em entrevista a VEJA, em edição de 26 de outubro de 1994 “ O homem está desbussolado. Na primeira modernidade, a sociedade era ‘pai-orientador’, organizada verticalmente, e o grande desafio era descobrir como chegar à diretoria, ao topo da pirâmide familiar ou profissional. Hoje, a questão é: aonde ir?” Jorge Forbes, psicanalista
  13. 13. E o impacto nas relações sociais? <ul><li>O cidadão se vê apático e indiferente a lutas político-sociais, e isso afeta sua adesão à vida sindical; </li></ul><ul><li>A preocupação com o bem-estar imediato toma o lugar do questionamento da estrutura social; </li></ul><ul><li>O ser humano reduziu sua esfera de preocupação: do âmbito social para o familiar, e do familiar para o individual; </li></ul><ul><li>Por outro lado, a falta de referências e valores estimula a necessidade humana de se pertencer a um grupo social; </li></ul>
  14. 14. <ul><li>A avalanche de informações deixa o homem mais informado, porém mais confuso, levando-o a questionar que fontes de informação são confiáveis; </li></ul><ul><li>Novos valores sociais são defendidos: a família, a individualidade, a saúde, os direitos humanos, o direito à igualdade, a qualidade de vida, a ecologia e o meio ambiente; </li></ul><ul><li>As imagens exercem fator determinante no comportamento do ser humano hoje (a ética é substituída pela estética). </li></ul>
  15. 15. <ul><li>A luta sindical deve absorver e agregar à sua tradicional luta político-ideológica a luta pelos novos interesses do cidadão comum. </li></ul><ul><li>Novas ações sindicais devem ser voltadas da comunicação em nível de massa para ações em nível individual. </li></ul><ul><li>O sindicato deve ser visto como uma entidade que evoluiu: de simples entidade de luta classista para órgão de mediação e diálogo e participação social. </li></ul>Como situar, nesse contexto, a luta sindical?
  16. 16. Parte 3 A posição do SINDPOL/MG hoje
  17. 17. A posição estratégica do SINDPOL hoje. <ul><li>O representante leg ítimo da categoria; </li></ul><ul><li>A situação vantajosa por causa das últimas conquistas (movimentos de 2004/2007) e outros; </li></ul><ul><li>A história de 20 anos; </li></ul><ul><li>O aumento do número de filiados; </li></ul><ul><li>A descentralização da liderança; </li></ul><ul><li>A estrutura operacional; </li></ul><ul><li>O comprometimento com a categoria. </li></ul>
  18. 18. A meta para 2009: crescimento <ul><li>O SINDPOL precisa aumentar sua base de atuação para ter maior fortalecimento junto à categoria e junto à sociedade. </li></ul><ul><li>A meta estipulada para 2009 é aumentar de forma significativa o número de filiados e criar uma consciência política na categoria . </li></ul>
  19. 19. Diretrizes para a estratégia de crescimento <ul><li>Oferecer vantagens ao futuro filiado; </li></ul><ul><li>Criar a sensação de confiança; </li></ul><ul><li>Conscientizar o policial acerca do poder de uma categoria organizada. Estados o índice de filiações é alto, em geral tem melhores condições de trabalho, assistência médica, salários, etc; </li></ul>
  20. 20. A identidade do SINDPOL <ul><li>Preocupação com o filiado em fornecer-lhe vantagens; </li></ul><ul><li>Um sindicato bem informado e atualizado; </li></ul><ul><li>Cordial, honesto, sério, amigável e com atendimento personalizado e primoroso; </li></ul><ul><li>A sua responsabilidade social em cuidar dos interesses da categoria. </li></ul><ul><li>É necessário criar e manter essa identidade; O sindpol deve ter a mesma “cara” onde quer que esteja presente; </li></ul>
  21. 21. Parte 4 Planos para crescimento
  22. 22. Estratégia de ataque <ul><li>Temos 3 linhas de ataque principais: </li></ul><ul><li>A aquisição de novos convênios; </li></ul><ul><li>A implementação do Site e do jornal ; </li></ul><ul><li>A execução de um plano anual de marketing. </li></ul>
  23. 23. I. Novos convênios A. Por quê investir em convênios? Convênios são um dos principais motivos pelos quais alguém se filia a um sindicato. As pessoas têm prestado mais atenção ao bem-estar individual do que o coletivo, e os convênios podem se tornar o início da conscientização do policial em ver o sindicato como representante da categoria.
  24. 24. I. Novos convênios <ul><li>B. As vantagens de um convênio com o SINDPOL: </li></ul><ul><li>O público é bem seleto e possui bom poder de consumo; </li></ul><ul><li>Diversas empresas, como seguradoras, têm interesse em estabelecer convênios com policiais; </li></ul><ul><li>O possível estabelecimento do 3º grau como requisito mínimo para ingresso na polícia elevará o status da instituição, do policial e, naturalmente, do sindicato; </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Devido à concorrência acirrada do mercado, as empresas optam por atuar junto com parceiros; </li></ul><ul><li>Convênios com policiais dão a sensação inconsciente de segurança e estabilidade às empresas; </li></ul><ul><li>As vantagens dos convênios podem ser estendidas às famílias dos filiados, ampliando as vantagens para as empresas e atraindo ainda mais os não filiados; </li></ul><ul><li>O nome da empresa, vinculado ao do sindicato, contribui para aumentar seu prestígio junto ao público; </li></ul>I. Novos convênios
  26. 26. <ul><li>A estabilidade do serviço público incentiva as empresas a negociarem com os funcionários públicos, devido ao risco menor de inadimplência; </li></ul><ul><li>Devido à flexibilidade de negociação entre as partes, as formas de convênios podem ser negociadas em diversas categorias, como descontos, brindes, facilidades etc. </li></ul><ul><li>Conhecendo-se o perfil do público, promoções e ofertas sob medida podem ser programadas e direcionadas especificamente para os filiados, eliminando gastos excessivos com pesquisa e publicidade. </li></ul>I. Novos convênios
  27. 27. I. Novos convênios <ul><li>C. Caminhos para obter novos convênios </li></ul><ul><li>Analisar quais convênios são interessantes para a classe de policiais civis e enviar propostas; </li></ul><ul><li>Estreitar relacionamento com as empresas atualmente conveniadas; </li></ul><ul><li>Restabelecer o contato com empresas que já foram conveniadas, propondo uma nova parceria; </li></ul><ul><li>Deixar transparecer que se trata de uma atuação como parceiros; </li></ul>
  28. 28. I. Novos convênios <ul><li>Exibir as vantagens de um convênio: público-alvo seleto, com bom poder de consumo etc.; </li></ul><ul><li>Fazer propostas às empresas a partir de necessidades conhecidas dos policiais. Ex.: facilidade de compra de computadores para policiais que têm família; </li></ul><ul><li>Produzir material promocional para as empresas conveniadas (exemplo: adesivos); </li></ul><ul><li>Criar facilidades para a empresa conveniada, como “Clube de Anunciantes VIP” no jornal do Sindpol, com descontos especiais etc; </li></ul>
  29. 29. I. Novos convênios <ul><li>Pesquisar entre filiados e não filiados quais os tipos de convênios desejados; </li></ul><ul><li>Demonstrar as vantagens de vincular o nome da empresa a uma entidade confiável e tradicional; </li></ul><ul><li>Exibir às empresas uma identidade séria, moderna e de visão, com postura empresarial e antenada às mudanças, livrando a imagem do sindicato de estereótipos; </li></ul><ul><li>Demonstrar que o sindicato tem particular preocupação com o bem-estar do filiado, cumprindo, assim, sua responsabilidade social. </li></ul>
  30. 30. II. Jornal e site <ul><li>O Site e o Jornal do SINDPOL são os principal órgãos informativos da entidade; </li></ul><ul><li>O jornal sofre hoje a competição do próprio site exigindo grande esforço pra criar interesse; </li></ul><ul><li>O jornal deve permitir a interação do leitor com a entidade (publicação de cartas, testemunhos, depoimentos etc.);(exige emprego de mais pessoas e com melhores qualificações) </li></ul><ul><li>O jornal deve funcionar em coordenação com o site, dando amplo acesso à informação. </li></ul><ul><li>O jornal deverá atuar como formador de opinião, fugindo da “linguagem policialesca”; </li></ul>
  31. 31. II. Jornal e site <ul><li>5. A linguagem do jornal deve ser bem cuidada e traduzir o espírito de renovação do SINDPOL; (erros aparentemente insignificantes podem trazer consequências danosas a imagem; </li></ul><ul><li>Matérias de interesse geral completarão a pauta editorial, visando atingir o filiado e as pessoas de seu vínculo pessoal (família, colegas de faculdade etc.); </li></ul><ul><li>A dinamização do Jornal não deve ser vista como despeza e sim como investimentos que poderão através de verba publicitária, gerar receite tornar-se um incentivo a mais para a filiação; </li></ul><ul><li>o jornal deve reforçar, no filiado, o sentimento de valorização pessoal e profissional; </li></ul>
  32. 32. <ul><li>9. O jornal pode atuar em parceria com grandes empresas que possam aumentar o prestígio da publicação e da entidade; (agregar Valor) </li></ul><ul><li>Devemos complementar o jornal impresso com seu equivalente eletrônico na Internet; (TENDÊNCIA) </li></ul><ul><li>O site deve conter links realmente úteis para o filiado e até para o não filiado.(contra cheque, acha CEP) </li></ul><ul><li>O site, deve ser dinâmico , ter a capacidade de veicular notícias novas com frequência e assimilar ferramentas eficientes de mídia ( Rádio, TV). </li></ul><ul><li>Assuntos veiculados no jornal podem ser abordados com maior profundidade no site, sem ônus para o sindicato; </li></ul>II. Jornal e site
  33. 33. II. Jornal e site <ul><li>Enquetes, fóruns e discussões podem ser criados no site, medindo assim o grau de satisfação e participação do filiado, bem como o traçamento do perfil do não-filiado; </li></ul><ul><li>O aumento do tráfego no site pode gerar a criação de espaços publicitários; </li></ul><ul><li>Pesquisas de opinião podem ser veiculadas on-line, sem custo algum; </li></ul><ul><li>No ato da filiação, o filiado poderia receber, grátis, uma conta de e-mail filiado@sindpol.com.br, (estimulo a fidelização) </li></ul><ul><li>Novidades, notícias e atualizações poderão ser enviadas aos filiados; Informes (news Letter) </li></ul>
  34. 34. II. Jornal e site <ul><li>Conhecendo as contas dos filiados, e-mails marketing podem ser enviados aos mesmos, sempre que houver necessidade, sem qualquer custo; </li></ul><ul><li>O site pode se transformar, a longo prazo, num portal de informações de todo o funcionalismo público mineiro. </li></ul>
  35. 35. III. Plano de marketing Por qu ê um plano de marketing? Um plano de marketing eficiente permite traçar os rumos de todas as ações da entidade junto ao público-alvo, durante certo período. Os melhores resultados são coletados e analisados, gerando estratégias futuras.
  36. 36. III. Plano de marketing <ul><li>A nova estratégia das empresas de ponta: criar relacionamentos. </li></ul><ul><li>O produto de hoje é diversificado, atendendo às preferências do cliente; </li></ul><ul><li>A nova ordem: o “marketing individualizado”; </li></ul><ul><li>As ações são orientadas para o cliente, e não mais para o produto. </li></ul>
  37. 37. III. Plano de marketing “ Diálogo e informação será a nova ordem. Isso representa o início de uma reviravolta maior em marketing (...). A habilidade para ter um banco de dados com os nomes e informações de usuários finais é a grande reviravolta (...). Estamos visualizando o nascimento de um novo marketing, um marketing individualizado”. Stan Rapp, profissional de marketing e autor, em evento da American Marketing Association
  38. 38. III. Plano de marketing O caminho para criar relacionamentos: conhecer o cliente. O caminho para conhecer o cliente: a criação e manutenção de um banco de dados eficiente.
  39. 39. III. Plano de marketing <ul><li>I. Vantagens de um banco de dados </li></ul><ul><li>Eficiência – o sindicato está apto a identificar facilmente seus filiados; </li></ul><ul><li>Facilidade – o uso do computador reduziu custos, aumentou as possibilidades de se lidar com várias classes de dados e permite interação com o filiado; </li></ul><ul><li>Diálogo – permite descobrir, prever e lidar com atitudes; </li></ul><ul><li>Projeção – a criação de novos esforços e produtos é facilitada, descobrindo-se as preferências do público. </li></ul><ul><li>Memória de notícias sobre assuntos específicos ; Ex: notícias sobre fatos envolvendo militares em todo o pais. (chacinas, incidentes) </li></ul>
  40. 40. III. Plano de marketing <ul><li>II. Dificuldades do uso de banco de dados </li></ul><ul><li>Evolução rápida de hardwares e softwares; (compensado pela queda de preços) </li></ul><ul><li>Resistência natural da entidade à implantação; </li></ul><ul><li>Necessidade de um “padrinho” na alta direção para garantir sua existência; </li></ul><ul><li>A elaboração implica em desvio de função e custos; </li></ul><ul><li>Demoras favorecem a ação da concorrência; </li></ul><ul><li>São um processo. Requerem atualização constante e sistematizada. </li></ul>
  41. 41. III. Plano de marketing <ul><li>III. Usos práticos de banco de dados: conhecimento dos perfis </li></ul><ul><li>Permite conhecer os filiados atualmente mais ativos; </li></ul><ul><li>Permite conhecer os filiados menos ativos; </li></ul><ul><li>Permite conhecer os policiais que já foram filiados e se desligaram; </li></ul><ul><li>Permite conhecer, por meio de comparação, quais são os filiados em potencial. Ex.: delegados, peritos, escrivães </li></ul>
  42. 42. III. Plano de marketing <ul><li>IV. Usos práticos de banco de dados: </li></ul><ul><li>traçamento de metas e estratégias </li></ul><ul><li>Acessibilidade – habilidade para conhecer e atingir um filiado individualmente; </li></ul><ul><li>Mensuração – mediante ações via jornal e site, conhecer o seu histórico e seu grau de satisfação através de enquetes; </li></ul><ul><li>Flexibilidade – oportunidade de atrair novos filiados, de diferentes maneiras e em diferentes ocasiões; (EX: formandos da academia) </li></ul><ul><li>Contabilização – obtenção de dados precisos. Prestação de contas eletrônica (demonstra transparência) </li></ul>
  43. 43. III. Plano de marketing <ul><li>V. Usos práticos de banco de dados: </li></ul><ul><li>incrementar os relacionamentos </li></ul><ul><li>Calor humano – todas as ações do Sindicato para com o novo filiado, desde o princípio, devem transmitir a idéia de um relacionamento durável e caloroso. Exemplo: no ato da filiação, o policial recebe uma carta de boas-vindas, que marca o início de uma sólida relação com a entidade; </li></ul><ul><li>Relacionamento – os dados permitem ações simpáticas junto ao filiado. Ex.: envio de postal de aniversário. </li></ul>
  44. 44. III. Plano de marketing <ul><li>V. Usos práticos de banco de dados: incrementar os relacionamentos </li></ul><ul><li>Incentivo – o filiado é incentivado a se relacionar cada vez mais com o Sindicato. Ex.: a criação de conta de e-mail no ato da filiação, fidelização e incentivo ao uso do site; </li></ul><ul><li>Eventos – conhecendo o perfil do filiado e de sua família, é possível criar e organizar eventos que atendam ao gosto dos mesmo. </li></ul><ul><li>Àrea de acesso exclusivo no site para os filiados (cadastro, acompanhamento de processos, etc.) </li></ul>
  45. 45. III. Plano de marketing <ul><li>VI. Eventos especiais: São uma arma para aumentar a consciência do filiado potencial. </li></ul><ul><li>Funcionam como complemento do plano de marketing; </li></ul><ul><li>Podem ser eventos ou patrocínio de eventos, palestras, seminários, workshops, cursos, etc. </li></ul>
  46. 46. III. Plano de marketing <ul><li>Que tipo de eventos? </li></ul><ul><li>Esportivos – são de longe os preferidos. Exemplo: torneio de futebol soçaite num fim-de-semana; Academia de artes marciais, ginastica; </li></ul><ul><li>Beneficentes – são bons para reforçar a noção de responsabilidade social da entidade. Ação social (sugestões) </li></ul><ul><li>Seminários e palestras – podem ser ministradas no próprio local de trabalho, levando assuntos de interesse do público-alvo. </li></ul><ul><li>Evento cooperado – feito por outros. Exibição de vídeos e filmes. </li></ul>
  47. 47. III. Plano de marketing <ul><li>Benefícios da participação em eventos </li></ul><ul><li>Beneficiam a imagem pública da entidade; </li></ul><ul><li>Aumentam a auto-estima e o compromisso dos funcionários do Sindicato; </li></ul><ul><li>Reforça a idéia da preocupação do Sindicato com o lado social; </li></ul><ul><li>Permite comunicar a mensagem do sindicato ao não filiado quando o mesmo “baixar as defesas”; </li></ul><ul><li>Permite uma abordagem mais natural. ( durante os eventos as pessoa estão mais receptivas) </li></ul>
  48. 48. III. Plano de marketing <ul><li>Benefícios da participação em eventos </li></ul><ul><li>Devido à sua utilidade, esses eventos geram sentimento de empatia nas administrações dos órgãos públicos. Exemplo: o sindicato pode promover, nos locais de trabalho, palestras sob doenças profissionais e sua prevenção. (associação da imagem do Sindicato) </li></ul><ul><li>Organizar programas de reabilitação e atividade física para aposentados e ou filiados acima de certa faixa de idade; </li></ul><ul><li>Estabelecer ”proximidade” com os participantes dos eventos. </li></ul>
  49. 49. III. Plano de marketing Mídia para conquista de novos filiados: maior poder de fogo para o marketing. O uso de mídia favorece a adesão de novos filiados.
  50. 50. III. Plano de marketing <ul><li>Veículos que podem ser utilizados </li></ul><ul><li>Maximídia. Inclui a conhecida mídia de massa (jornais, revistas, rádio, TV, outdoor) mais o telemarketing e a mala direta. </li></ul><ul><li>Minimídia. São mídias menores, mas de grande poder de fogo. Incluem visitas, cartas pessoais, telefonemas, volantes, anúncios, informes, etc. </li></ul><ul><li>Outras mídias. Podem atuar como complemento. São, por exemplo, matérias, brindes, amostras, seminários, consultas, demonstrações etc. </li></ul>
  51. 51. III. Plano de marketing <ul><li>Aspectos positivos da m ídia de massa </li></ul><ul><li>Credibilidade. A maioria das pessoas acredita em quem anuncia em mídias de massa.(Tv por exemplo) </li></ul><ul><li>Identificação. Como os serviços do sindicato atingem apenas uma parcela da população, pode-se identificar rapidamente qual veículo específico é mais adequado a determinado público. (Peritos e escrivães por ex.) </li></ul><ul><li>Políticamente. Ajuda na aceitação da entidade por parte da sociedade e de entidades do setor. </li></ul>
  52. 52. III. Plano de marketing <ul><li>Aspectos negativos da m ídia de massa </li></ul><ul><li>Custo elevado. É a que possui os valores mais altos. </li></ul><ul><li>Necessidade de perseverança. Publicidade em mídia de massa só funciona se for feita durante o tempo necessário. Deve-se investir com frequência. </li></ul><ul><li>Necessidade de testes. Nem sempre acerta-se de primeira; nem sempre o veículo escolhido é o mais adequado. Isso, infelizmente, só é descoberto com o passar do tempo. </li></ul><ul><li>Criatividade : Utilização de recursos mais baratos Utilizando a internet: (Radio Web- Web TV ) </li></ul>
  53. 53. III. Plano de marketing <ul><li>Erros a serem evitados </li></ul><ul><li>Usar muitos veículos . É melhor limitar o uso àqueles que podem ser usados adequadamente.(custo Benefício, eficiencia) </li></ul><ul><li>Tempo insuficiente . Os anúncios devem ser feitos por um período suficiente. Leva tempo para conduzir da apatia total à pré-disposição a adesão ou ao consumo. </li></ul><ul><li>Gastar muito . Descoberto o veículo ideal, não se deve investir nele além do que se deve. Exemplo: gastar toda a verba numa página inteira de jornal ao invés de 5 rodapés durante o mês. </li></ul>
  54. 54. III. Plano de marketing <ul><li>Minimídia: custos menores </li></ul><ul><li>Visitas pessoais. O contato pessoal ajuda a criar laços humanos. A imagem deve cativar a pessoa. </li></ul><ul><li>Volantes. São econômicos, e têm maior eficácia se associados a alguma oferta ou evento especial. </li></ul><ul><li>Cartas e telefonemas . Criam sensação de importância no filiado em potencial. </li></ul><ul><li>Cartazes . Ou Displays para quadros de aviso. Capitalizam reações por impulso. Devem ser veiculados em posições estratégicas. </li></ul>
  55. 55. III. Plano de marketing <ul><li>Não-mídia: alternativas eficientes </li></ul><ul><li>Reportagens . As reportagens têm vida longa. É essencial a manutenção da memória da entidade. (Arquivo de jornal, imagens e documentos) </li></ul><ul><li>Brindes. Também têm vida longa, fazem amigos e podem ser distribuídos em várias ocasiões. </li></ul><ul><li>Seminários . Fornecem centenas de informações, e dão à entidade o status de autoridade no assunto. </li></ul><ul><li>Feiras, eventos e congressos . A participação da entidade em tais eventos aumentam a credibilidade na mesma. </li></ul>
  56. 56. III. Plano de marketing <ul><li>Publicações internas. Já em uso na forma de Informe Sindpol, é uma excelente arma para veiculação de notícias expressas, notas, eventos etc. </li></ul><ul><li>Comunidade . Eventos voltados para a comunidade despertam a simpatia do público-alvo e da sociedade em geral. Agregem-se a eles a poderosa frase “responsabilidade social”. </li></ul><ul><li>Outros . Anúncios a ser veiculados em diversos pontos estratégicos: elevadores, quadros de avisos, veículos , suportes, adesivos, “chorões” (Materiais de longa permanência) </li></ul>
  57. 57. III. Plano de marketing Marketing direto para atrair novos filiados Marketing direto é aquele que tem por objetivo produzir resultados sem um encontro pessoal. Estão entre os principais itens os seguintes: Mala direta, cupons, folhetos, TV e rádio com resposta direta, telemarketing, cartelas, painéis eletrônicos, encartes folders e catálogos.
  58. 58. III. Plano de marketing <ul><li>Vantagens do marketing direto </li></ul><ul><li>Retorno rápido . Pode-se conhecer, em pouco tempo, se o investimento foi bem sucedido. Na mídia de massa, isso leva mais tempo e é menos preciso. </li></ul><ul><li>Economia . É considerado hoje, pela maioria das empresas, por ser o de custo mais baixo. </li></ul><ul><li>Custo calculável . De posse dos valores de investimento e retorno, calcula-se com mais precisão qual é o custo médio para conseguir um novo filiado. </li></ul><ul><li>Alcance . Pode chegar a todos os lugares. </li></ul>
  59. 59. III. Plano de marketing <ul><li>Leitura garantida . O Sindicato já é conhecido de toda a classe; portanto, qualquer material que chegue às mãos do não-filiado quase certamente será lido. </li></ul><ul><li>Seletividade . Podem ser produzidas peças voltadas para públicos distintos. Exemplo: mala direta só para delegados, ou só para mulheres, ou aposentados. </li></ul><ul><li>Pesquisa. É uma maneira de se fazer testes a um custo relativamente baixo, com número reduzido de pessoas. </li></ul><ul><li>Personalização . Conhecendo-se os valores ou preferências de seu público, a comunicação com ele fica mais fácil e ágil. </li></ul>
  60. 60. III. Plano de marketing Depois do marketing direto (para atrair), o marketing de relacionamento (para consolidar) Marketing de relacionamento é aquele que tem por objetivo estimular e aumentar o relacionamento do cliente com a instituição, depois da primeira venda,( no nosso caso, filiação). ou prestação de serviços.
  61. 61. III. Plano de marketing <ul><li>Conhecer quais são os seus valores; (interesses, necesssidades) </li></ul><ul><li>Saber dar-lhes compensações,disponibilizando serviços, promovendo eventos; (hotel de trânsito, convênios) </li></ul><ul><li>Saber como satisfazê-los;(exemplo convênios com escritórios de advocacia, clubes, hotéis onde não haja presença física do sindicato e exista demanda); </li></ul><ul><li>Ter consciência de sua necessidade de segurança, dignidade, orgulho e respeito profissionais e pessoais (reconhecimento); ( exeml </li></ul>
  62. 62. III. Plano de marketing <ul><li>5. São mais inteligentes e exigentes do que ontem; </li></ul><ul><li>6. Não são interrupções nem estorvos ao nosso trabalho, mas sim o objetivo dele; </li></ul><ul><li>Não são pessoas estranhas. São nossos amigos, colegas, companheiros e confidentes. </li></ul><ul><li>Devemos ouví-los, entendê-los, e tentar, o máximo possível, satisfazê-los. </li></ul>
  63. 63. III. Plano de marketing <ul><li>Regras para obter sucesso nos relacionamentos </li></ul><ul><li>Tentar pensar como o cliente (filiado); </li></ul><ul><li>Avaliar a si próprio (como estão meus serviços?); </li></ul><ul><li>Estimular os funcionários; </li></ul><ul><li>Avaliar o desempenho de outras entidades e compará-lo com o meu, visando aperfeiçoá-lo;(citar exemplos) </li></ul><ul><li>Tentar melhorar sempre; </li></ul><ul><li>Ser amigo, parceiro e companheiro do filiado. </li></ul>
  64. 64. Quanto investir em marketing? <ul><li>Se desejamos ver o sindicato com postura de empresa, devemos nos basear no marketingf de empresas. O usual: 3% do faturamento bruto investidos em marketing(é quanto a maioria das empresas investe); </li></ul><ul><li>O recomendado: 5%, na visão dos profissionais de marketing. </li></ul><ul><li>O ideal: de 10 a 15%, segundo as projeções de maior sucesso. </li></ul><ul><li>É evidente que essas metas não se atingem da noite para o dia. </li></ul>III. Plano de marketing
  65. 65. III. Plano de marketing O timming. Quando começar? “ O melhor momento para plantar uma árvore foi há vinte anos atrás. O segundo melhor é agora”. (Provérbio chinês)
  66. 66. III. Plano de marketing <ul><li>Passos para implantar ações de marketing </li></ul><ul><li>Estabelecer as metas; </li></ul><ul><li>Escolher as armas a serem utilizadas; </li></ul><ul><li>Verificar quais são as melhores opções de mídia; </li></ul><ul><li>Elaborar um calendário de ações; </li></ul><ul><li>Anotar todas as ações que deram resultados positivos e criar calendário para novas utilizações; </li></ul><ul><li>Atentar para as reações da concorrência. ( ver estratégias de outras entidades) </li></ul>
  67. 67. “ O preguiçoso não assará a sua caça, mas o bem precioso do homem é ser ele diligente.” Provérbios 12:27

×