UJC
Jornal Voz Ativa - informativo nacional da União da Juventude Comunista - UJC agosto 2013 - ano 0I
www.ujc.org.br
bras...
á décadas o Brasil não presenciava
manifestações tão volumosas como as
que ocorreram em junho. Milhões deHbrasileiros fora...
SEJAMOS REALISTAS, CONSTRUAMOS
!O PODER POPULAR
ra uma vez um país onde as
classes populares se tornaram a
nova classe méd...
aros jovens, certamente vocês estão polícias, e é para por fim a essa PM é que chamamos vocês
acompanhando pelas redes soc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Voz ativa Edição de Lançamento

197 visualizações

Publicada em

Jornal Voz Ativa, informação aguda e combativa, comprometida com as lutas dos povos oprimidos. Leia, construa e divulgue o Voz Ativa, um jornal coletivo e dinâmico, a serviço da contra-hegemonia em comunicação social.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
197
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
43
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voz ativa Edição de Lançamento

  1. 1. UJC Jornal Voz Ativa - informativo nacional da União da Juventude Comunista - UJC agosto 2013 - ano 0I www.ujc.org.br brasil.ujc@gmail.com UJC participou das principais lutas da juventude popular brasileira, passaram por ela ícones e mártires como João Saldanha, LeôncioABasbaum, Irun Sant´Anna, Carlos Marighella, José Montenegro de Lima, Leandro Konder, Zuleika D'Alembert e tantosoutros... A melhor homenagem à luta das gerações passadas é lutar no presente. Desde 2006, quando nos reorganizamos, a UJC participadetodasaslutasjustasenecessáriascontraocapitalismo. Antes de 1º de agosto, quando a UJC comemora 86 anos, surgiu a dúvida: qual a melhor forma de lembrarmos esta data, importante para os comunistas, revolucionários e todos os que anseiampelatransformaçãosocialprofundadenossarealidade? Agora, como presente de aniversário, oferecemos à revolução esta nova arma, o “Voz Ativa”. Que este espaço seja dinâmico e coletivo, sintetizando a partir do cotidiano nossa visão revolucionária sobre os problemas e dilemas da juventude brasileira. Pois as lutas do passado não se encerraram nele; se materializam nos enfrentamentos atuais para a gestação de um mundo no qual reine a liberdade e acabe a exploração - o socialismo comunismo.AquiaVOZéATIVA,epelarevolução! u i to, ca p i ta l d o Equador, será a capital Qmundial da juventude que luta entre 7 e 13 de dezembro, quando sedia o XVIII Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes (FMJE). A UJC constrói comitês preparatórios para o evento e convida a juventude e osmovimentospopularesasesomaremnessaluta. Em Quito, reafirmaremos a necessidade do caráter anti-imperialista e anticapitalista para as lutas juvenis, da solidariedade aos povos em luta, além de denunciarmos a política do governo brasileiro, que além de reprimir violentamente os trabalhadores ainda exporta aviões de guerra para a Colômbia e vende bombas ao governo turco, colaborando para o massacredospovos. Organizado a cada 4 anos pela Federação Mundial das Juventudes Democráticas (FMJD), organização fundada em 1945 e que tem a UJC como membro-fundadora, o Festival exerce importante papelnalutaanti-imperialista. editorialNasce um jornal coletivo e dinâmico NÃO É SÓ POR R$ 0,20! PÁG 04 PÁG 02 Vem ai o XVIII FMJE SEJAMOS REALISTAS, CONSTRUAMOS !PÁG 03 O PODER POPULAR OS «CAPITÃES DO MATO» DA ATUALIDADE
  2. 2. á décadas o Brasil não presenciava manifestações tão volumosas como as que ocorreram em junho. Milhões deHbrasileiros foram às ruas reivindicar. Não deixa de ser interessante a motivação inicial: o aumento da tarifa do transporte coletivo. De início é espantoso que R$ 0,20 sejam o estopim para as manifestações, levando adiante ao questionamento da própria lógica privada para o transporte coletivo. A reestatização sob controle popular é a solução. Somente o controle por completo do transporte por parte dos trabalhadores e estudantes irá garantir o nosso deslocamento com qualidade. É impossível o Estado, por si só e sendo o Estado atual, controlar as empresas de transporte. As relações de clientelismo, as práticas políticas deprefeitos,vereadoresedeputadoseabuscaincessantede lucro das empresas são elementos intocáveis numa sociedadeeestadocapitalista. Nãoà toa está permanente a contradição entre o projeto político vigente dos governos Lula e Dilma - que tem como objetivo claro elevar o Brasil a potência capitalista na governos (estaduais e municipais). Apesar de toda a AméricaLatina-eaprecarizaçãodoserviçocomdificuldades legislação que prevê certo controle e garantias sociais sobre de locomoção de dezenas de milhões de trabalhadores otransportecoletivo,elaétotalmenteignorada. cotidianamente para os seus locais de trabalho, estudo e E porque o estado permanece omisso aos consumo. problemasdostransportescoletivos,mesmoatrapalhandoa Esta leniêncioa em benefício exclusivo dos maioriadossegmentosdeclassedaprópriaburguesia? empresários do setor também ocorre nos demais níveis de NÃO É SÓ POR R$ 0,20 É PELA ESTATIZAÇÃO SOB CONTROLE POPULAR 02 Jornal Voz Ativa - UJC DESDE 1927 LUTANDO PELO SOCIALISMO "O surgimento do Voz Ativa, da Juventude Comunista, aos 86 anos de sua fundação, é mais um importante marco da reconstrução e do fortalecimento da UJC, que, nos últimos 7 anos, realizou três dos seis Congressos Nacionais de toda sua história. Um Partido sem juventude é um partidosemfuturo!" Ivan Pinheiro Secretário Geral do PCB Porque os empresários deste setor investem grande volume de dinheiro em campanhas políticas para prefeitos e vereadores... São essas relações de clientelismo, da troca de favores, que garantem o contínuo aumento de lucro das empresas e mantêm a problemática do serviço privadodetransportepúblicodemassas. Entre estas relações espúrias ficam os trabalhadores e estudantes, que com dificuldade vão aos seus locais de trabalho, estudo e lazer. Diferentemente do que muitos acreditam e do que a imprensa propaga, há mais de 15 anos que aqueles que dependem do transporte coletivo vêm manifestando e questionando a qualidade do serviço. Em alguns momentos de forma organizada e em outros de forma autônoma, desorganizada. Todas elas questionando a relação do estado com as empresas. O desafio que se apresenta é ir além da necessária luta por qualidade do transporte. Teremos o transporte que desejamos a partir do momento que o seu controle estiver nasmãosdequemusaotransportecoletivo. Precisamos dele sob controle do Estado e de conselhos populares, para benefício das massas de usuários. Avancemosparaessaproposta.
  3. 3. SEJAMOS REALISTAS, CONSTRUAMOS !O PODER POPULAR ra uma vez um país onde as classes populares se tornaram a nova classe média consumista,Elá se dizia que os grandes empresários e banqueiros continuariam a ter lucros exorbitantes ao mesmo tempo em que os trabalhadores “manteriam” osseusdireitoseatéganhariammais... Até o final do mês de maio, este conto de fadas era discurso praticamente consensual nas bocas da políticasdosgovernos,nastrêsesferas. burguesia, grande mídia, governos e parte dos Mas como a grande maioria da população, composta movimentos e organizações populares dirigidos pela por pessoas que vivem unicamente do seu trabalho, pode "heroína",aDilma... influir, controlar e disputar os rumos políticos do país nesta Vem uma grande explosão social, com conjuntura? Um plebiscito, apenas sobre questões eleitorais, protagonismo da juventude, e toma as ruas do país. A dácontadaraivapopulargritadanasruas? faísca? O aumento do preço das passagens de ônibus. O A associação da democracia brasileira com o poder sentimento de revolta é intenso e alvo de disputa de econômico vai além das formas de financiamento, voto e diversosgrupospolíticoseclassessociais. impunidade de corruptos e corruptores. Esta associação se Como pode? O Brasil, uma das maiores e mais constrói a partir da acumulação capitalista - e sua ordem que ricas economias no mundo, ter questões sociais como pode muito bem se reproduzir através de voto nominal ou saúde, educação, transporte, moradia e acesso a terra tão votoemlista,proporcionaloudistrital... desiguais e precárias? Um país cuja polícia assassina a O que o governo apresenta como "novo" é um velho esmocivis,emespecialospobres,negrosejovens? conteúdo, carcomido, em busca de novas formas. A Alémdesses, outro motivo para a revolta flagrante mobilização e a revolta desta conjuntura nos permitem ousar nas ruas é o repúdio ao sistema político representativo no mais,iralém...CriaroPoderPopular. país. Mas o que é o Poder Popular? Ele é a organização A maioria das manifestações rechaça a falta de autônoma dos trabalhadores e da juventude, fomentada pela controle e participação popular na política institucional, a própria dinâmica da luta de classes. Agora mesmo transformação dos partidos da ordem em espaços de vivenciamos isso, em alguns fóruns e assembleias que negociatascomo“interesseprivado”,acorrupção,etc. viabilizaram as lutas acerca dos transportes, saúde, educação, No entanto, fica a dúvida: não existe mesmo moradia,reformaagrária,etc. nenhumcontrolesobreosmandatosegovernos?Émesmo Lutas que, como nos ensina esta conjuntura, não tão difícil identificar a ligação entre do atual sistema serão realizáveis sem que o Brasil rompa com a dinâmica político e o poder econômico? A política de Transportes é econômica,socialepolíticadocapitalismo. submetida aos interesses dos empresários de ônibus, a de Por isso, a construção e o fortalecimento do Poder Educação ditada pelos interesses dos empresários do Popular são estratégicos para aqueles que se levantam em ramo,aAgráriainfluenciadapelaexpansãodoagronegócio defesa da vida, hoje representada no conjunto de lutas eadeSegurançaPúblicaditadapeladefesadapropriedade anticapitalista. É hora de juventude e povo trabalhador privada e a manutenção da ordem - nem que seja através debaterem, construírem e apresentarem seu projeto para a da"pacificação"dospobres... sociedade brasileira, independente da política tradicional vinculadaaoempresariado. Provas para o que afirmamos? É hora da ousadia em sua raiz, de construirmos ombro a ombro, em assembleias e comitês populares, nossa Busque saber quem são os financiamentos das alternativa política a esta degradante e esquizofrênica ordem campanhas eleitorais, os integrantes dos conselhos docapital. políticos dos órgãos estatais, os "técnicos" dos governos pró-burguesia, etc. É essa minoria, com alto poder econômico, detém alto grau de controle sobre as opções 03 agosto de 2013 - ano 01
  4. 4. aros jovens, certamente vocês estão polícias, e é para por fim a essa PM é que chamamos vocês acompanhando pelas redes sociais e paralutarconosco.Porissolevantamosessabandeiradeluta Cveículos independentes - às vezes até que não nasceu hoje, por isso nos somamos às vozes de mesmo pela TV e grandes jornais... - os absurdos da atuação váriosmovimentossociaisededireitoshumanosquepedem daspolíciasmilitaresdiantedasmanifestaçõesquetomaram o fim da PM ! Nossa opção é pela vida e pela verdadeira o país. Vocês também estão acostumados a ver como a liberdade,easua? polícia atua quando entra numa favela ou bairro pobre, Porém, contudo, todavia, nós sabemos que só sempre deixando um rastro de sangre por onde passa, na acabar com a Polícia Militar não basta, é preciso mudar a típicatáticada“terraarrasada”. estrutura do sistema que ela defende, do Estado que ela Pois bem, talvez vocês tenham ouvido falar defende, esse Estado mesmo que privilegiaos ricos e explora também em algum momento numa tal de “desmilitarização e mata os pobres e todos aqueles que se colocarem contra da polícia” e tenha se perguntado: o que significa esseEstado. “desmilitarizar a polícia”, seria tirar suas armas? O que esses Por isso, para além de chamar vocês a defender carasqueremcomisso?Poracasoissoépossível? essapropostadoFimdaPM,queremoschamá-lostambéma Falemos um pouco sobre um assunto que só é pensar que podemos construir outro tipo de sistema, que polêmico no Brasil (até a ONU já pediu o fim da PM por podemos construir outro mundo onde não hajam patrões nossasbandas)nesseprimeironúmerodeVozAtiva. nem empregados, onde possamos viver dignamente e com Essa violência desmedida dos policiais não é fruto direitos sociais, que são direitos e não favores, afinal, somos de seu bel-prazer, a PM está nas ruas para defender uma nós que produzimos a riqueza, então nada mais justo que ordem, para defender interesses que certamente não são os dividi-laentretodosostrabalhadoresqueaconstruíram. nossos, como podemos ver e por vezes sentir na pele... E que ordem e interesses ela defende? A daqueles que sempre nos exploraramelucraramcomonossosuor. A PM que entra nas favelas, esculacha e mata é a mesma que está no asfalto batendo, agredindo e reprimindo, com a diferença que a bala usada na favela é de chumbo e bala usada para acabar com os protestos é de borracha.Aviolência,porém,éamesma. E por que ela age assim, com tanta truculência? Se pararmos para dar uma olhada na história da PolíciaMilitarnoBrasilvamosverqueelasempreserviupara defender esses interesses, mas logo que começa a ditadura empresarial-militar (Sim, os grandes empresários que estavam insatisfeitos com os rumos do país também participaram do golpe),lápelos idos de 1964,a PMmuda um pouco a sua forma de agir, ela se separa em duas: uma que investiga, a Polícia Civil; e a outra, a Polícia Militar, que vai prasruasbater,reprimir,torturarematar. Esse “Militar” agregado a Polícia nesse período foi realmente levado muito a sério, tanto que a PM passou a funcionar como um exército de fato, com treinamento militar, comportamento militar, aquartelamento e etc. Costuma-se dizer que a PM é um braço do Exército nas ruas, e se tem a ideia justamente pela forma como ela atua, como um exército que precisa fazer o que for para aniquilar seu inimigo,quenessecaso,somosnós. Vocês sabiam que o Brasil é um dos últimos países do mundo a manter nas ruas um exérc...ops! PM? Pois é pessoal, vários países no mundo já desmilitarizaram suas OS «CAPITÃES DO MATO» DA ATUALIDADE PELO FIM DA PM JÁ! Jornal Voz Ativa - UJC agosto de 2013 - ano 01 04 «Os partidos podem se apresentar com os mais diversos nomes, inclusive o de “Anti-partido” ou de “negaçao dos partidos.» A. Gramsci

×