1. célula vegetal revisão

11.377 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.377
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
202
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1. célula vegetal revisão

  1. 1. Anatomia vegetal Botânica ou Biologia Vegetal é o ramo das Ciências biológicas que estuda os vegetais. Áreas de estudo: Morfologia vegetal , Fisiologia vegetal e Sistemática vegetal (taxonomia vegetal). Morfologia vegetal: forma e estrutura. Dividida em morfologia externa ou organografia e morfologia interna ou anatomia vegetal .
  2. 2. Anatomia vegetal Básica para diversas especialidades = Fisiologia vegetal, taxonomia, ecologia, peleobotânica… VOCÊS…
  3. 3. A Célula Vegetal CÉLULA  PEQUENA CELA OU COMPARTIMENTO É usada para designar a unidade constitutiva dos seres vivos que podem ser uni ou pluricelulares. NAS PLANTAS  A célula é constituída pelo protoplasto, envolvida pela parede celular
  4. 4. C É L U L A V E G E T A L Parede Celular Núcleo Protoplasto Substâncias Ergásticas Parede primária Parede secundária Lamela média Plasmodesmas Citoplasma Envoltório nuclear Nucleoplasma Nucléolos Cromatina Membrana plasmática Citoplasma fundamental (hialoplasma) Plastídios** Mitocôndrias** Vacúolos* Retículo endoplasmático (SE) Golgi (SE) Ribossomas Grão de amido Lipídios Proteínas Açúcares e outros
  5. 5. Características típicas da célula vegetal <ul><li>Parede celular </li></ul><ul><li>Vacúolos </li></ul><ul><li>Plastídios </li></ul>
  6. 6. A Célula Vegetal                                                                                                                                                                                                                                       
  7. 7. Célula vegetal
  8. 8. <ul><li>PAREDE CELULAR </li></ul><ul><li>A célula possui Parede de Celulose com uma estrutura muito complexa. </li></ul><ul><li>Longas cadeias de celulose formam microfibrilas que se juntam em feixes constituindo as macrofibrilas. </li></ul><ul><li>As macrofibrilas se reúnem formando a parede celular. </li></ul><ul><li>A celulose é associada com várias substâncias em que a maioria  carboidratos </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Composição Química PC </li></ul><ul><li>Os CHOS constituintes da PC, além da celulose, tem a hemicelulose e os compostos pécticos. </li></ul><ul><li>Celulose  É um polissacarídeo polímero de celobiose (duas moléculas de glicose). </li></ul><ul><li>Hemiceluloses  polissacarídeos mais solúvel, hidrolisáveis que a celulose e de cadeia mais curta. </li></ul><ul><li>Compostos pécticos  protopectina, pectina (polímero de ácido galacturônico metilado), e ác. pécticos. </li></ul>
  10. 10. Figura 2 - Composição da parede celular. A armação fundamental da parede celular é representada por microfibrilas de celulose, a qual é interpenetrada por uma matriz contendo polissacarídeos não-celulósicos: hemiceluloses e pectinas.
  11. 11. <ul><li>Figura 3 - Estrutura da parede celular. As paredes primária e secundária são constituídas por macrofibrilas (observadas ao microscópio de luz), que por sua vez são formadas por microfibrilas (observadas ao microscópio eletrônico). As microfibrilas são compostas de moléculas de celulose (até 2000), que em determinados pontos mostram um arranjo organizado (estrutura micelar), o que lhes confere propriedade cristalina. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Ocorrem também na Parede Celular: </li></ul><ul><li>Compostos graxos </li></ul><ul><li>- Cutina (Substâncias lipídicas) </li></ul><ul><li>- Cera (Substâncias lipídicas) </li></ul><ul><li>- Suberina (Substâncias lipídicas) </li></ul><ul><li>Substâncias minerais (carbonatos de cálcio) </li></ul><ul><li>Compostos orgânicos </li></ul><ul><li>Água </li></ul><ul><li> A ocorrência e a quantidade depende do tipo de parede. EX.: PC da celular epidérmica </li></ul>
  13. 13. <ul><li>A Parede Celular tem a função de: </li></ul><ul><li>Proteção (Defesa contra bactérias e fungos) </li></ul><ul><li>Suporte mecânico </li></ul><ul><li>Controle de Substâncias (entrada e saída) </li></ul><ul><li>Formação da PC: </li></ul><ul><li> A parede celulósica começa a ser formada por ocasião da divisão celular. </li></ul><ul><li> No final deste processo forma-se na região equatorial da célula, do centro para a periferia a LAMELA MÉDIA. </li></ul><ul><li> De ambos os lados desta lamela começa a depositar-se celulose. </li></ul>
  14. 14. <ul><li> Esta parede de celulose é chama de parede primária. </li></ul><ul><li> Sobre ela deposita-se, geralmente depois de cessar o crescimento a parede secundária. </li></ul><ul><li>Divisão: </li></ul><ul><li>Lamela média (LM) ou lâmina média ou substância intercelular </li></ul><ul><li>Parede 1 a </li></ul><ul><li>Parede 2 a </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Lamela média </li></ul><ul><li>União entre as células </li></ul><ul><li>   substâncias pécticas </li></ul><ul><li>Cimentante </li></ul><ul><li>Pode lignificar-se </li></ul><ul><li>Parede primária </li></ul><ul><li>Celulose componente fundamental da PC </li></ul><ul><li>Hemicelulose </li></ul><ul><li>Substâncias pécticas </li></ul><ul><li>Existe em todas as células vegetais </li></ul><ul><li>Espessura depende da função da célula </li></ul><ul><li>Respiração e Fotossíntese </li></ul><ul><li>Pode lignificar-se </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Parede secundária </li></ul><ul><li>Pode ocorrer em vários tipos de células internamente a P1ª depois Célula atinge tamanho e forma definidos. </li></ul><ul><li> celulose </li></ul><ul><li> hemicelulose </li></ul><ul><li> substâncias pécticas </li></ul><ul><li>Impermeável à H 2 O </li></ul><ul><li>Células mortas: sustentação e proteção </li></ul><ul><li>São destituídas de Protoplasto </li></ul><ul><li>Lignina é uma subst. muito frequente (polímero misto derivados do fenilpropano) </li></ul><ul><li>↓ conteúdo de água </li></ul>
  17. 17. Parede secundária <ul><li>Divisão da Parede 2ª (De fora para dentro): </li></ul><ul><li>1ª camada – S1 (+ externa) </li></ul><ul><li>2ª camada – S2 (intermediária, + espessa) </li></ul><ul><li>3ª camada – S3 (interna - pode faltar) </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Figura 2.5 - Arranjo das microfibrilas na parede celular. A - Parede primária. B - Paredes primária e secundária. Na parede primária, as microfibrilas de celulose mostram um arranjo entrelaçado; na parede secundária, o arranjo das microfibrilas é ordenado. As camadas da parede secundária são designadas respectivamente por S1, S2 e S3, levando-se em consideração a orientação da deposição das microfibrilas, que varia nas diferentes camadas. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Figura 6 - Células com parede primária (PP) e células com parede primária e secundária (PS). Comparativamente, as paredes primárias são mais finas que as paredes primária e secundária (Escapo floral de lírio-amarelo - Hemerocallis flava , em corte transversal). </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Figura 7 - Lamela mediana (seta). (Sistema vascular do caule de Microgramma squamulosa , em corte transversal). </li></ul><ul><li>Figura 8 - Células com paredes em início de lignificação, a qual ocorre a partir da lamela mediana (LM) (Escapo floral de lírio-amarelo - Hemerocallis flava , em corte transversal). </li></ul>
  21. 21. Plasmodesmas <ul><li>São pontes citoplasmáticas </li></ul><ul><li>Interliga as células </li></ul><ul><li>Distribuição e número é variável </li></ul><ul><li>Transporte de substâncias entre as células vizinhas </li></ul><ul><li>Pode está distribuído em grupo de pontuações </li></ul><ul><li>Tipos de pontoações: </li></ul><ul><li>Simples </li></ul><ul><li>Cega </li></ul><ul><li>Areolada – geralmente em tecidos de sustentação </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Figura 9 - Alguns tipos de pontoação. A-D - Vistas frontal e lateral. A'-D' - Vista lateral, em corte. A, A' - Par de pontuação simples. B, B' - Par de pontoação areolada. C, C' - Par de pontoação areolada com toro. D, D' - Par de pontoação semi-areolada. </li></ul>
  23. 23. COMPONENTES PROTOPLASMÁTICOS DA CÉLULA <ul><li>Núcleo </li></ul><ul><li> Encontra-se emerso no citoplasma </li></ul><ul><li> É um corpúsculo geralmente envolvido por uma membrana lipoprotéica (envoltório nuclear) </li></ul><ul><li> Pode conter a > parte da informação genetica da célula </li></ul><ul><li>Contém no seu interior: </li></ul><ul><li>Um suco </li></ul><ul><li>Um retículo de cromatina  Na divisão celular forma cromossomos </li></ul><ul><li>Um ou mais nucléolos </li></ul>
  24. 24. <ul><li>Envoltório nuclear </li></ul><ul><li> Par de membrana que circunda o núcleo </li></ul><ul><li> Possui grande quantidade de poros circulares </li></ul><ul><li>Cromatina </li></ul><ul><li> É constituída de DNA associado a grande quantidade de proteína </li></ul><ul><li> </li></ul><ul><li>Nucléolos </li></ul><ul><li> Estruturas ricas em RNA </li></ul><ul><li> Variam em forma e tamanho </li></ul><ul><li> Desaparecem durante a divisão nuclear e reaparece no final da mesma surgindo de determinados cromossomos </li></ul>
  25. 25. Citoplasma <ul><li> É uma substância semifluida e transparente. </li></ul><ul><li>Nas células em repouso (sementes), em certas circunstâncias, ele é menos fluido, isto é, tem maior consistência. </li></ul><ul><li>Em muitas células (Ex: células de folhas de Anacharis), podem-se notar movimentos citopasmáticos. </li></ul><ul><li>É nele que está contido as organelas </li></ul>
  26. 26. Citoplasma <ul><li> Tem como função: </li></ul><ul><li>Realizar as diferentes reações bioquímicas necessárias à vida da célula </li></ul><ul><li>Facilita a troca de substâncias dentro da própia célula e c/ as adjacentes </li></ul><ul><li>Acumula substância do metabolismo primário e secundário da planta </li></ul>
  27. 27. MEMBRANA PLAMÁTICA <ul><li>Está situada internamente a PC </li></ul><ul><li>Envolve o citoplasma em todas suas estruturas e o núcleo </li></ul><ul><li>É composta de uma bicamada lipídica fluida c/ proteína inserida </li></ul><ul><li>Desempenha importante função no controle de entrada e saída de substancias da célula </li></ul><ul><li>Semipermeável e seletiva </li></ul><ul><li>Coordena a síntese da parede celular </li></ul><ul><li>Regula o crescimento e a diferenciação celular </li></ul>
  28. 28. Plastídios ou plastos <ul><li> São corpúsculos protoplasmáticos nitidamente delimitados. </li></ul><ul><li> São organelas c/ forma e tamanho diferenciado </li></ul><ul><li> Em vegetais superiores cada célula contém vários plastídios. </li></ul><ul><li> São delimitados por uma membrana. </li></ul><ul><li> Contêm no interior pigmentos (cromoplastídios) ou não (leucoplastídios). </li></ul>
  29. 29. Plastídios ou plastos <ul><li>Cromoplastídios </li></ul><ul><li>Cloroplastos que contêm como pigmento a clorofila </li></ul><ul><li>Estes corpúsculos são os responsáveis pela cor verde predominante no reino vegetal </li></ul><ul><li>A clorofila desempenha papel importante no processo de fotossíntese. </li></ul><ul><li>Classificação do plasto : </li></ul><ul><li>Cloroplasto  verde </li></ul><ul><li>Cromoplastos Xantoplasto  amarela </li></ul><ul><li>Eritroplasto  vermelha </li></ul><ul><li>Tipos </li></ul><ul><li>Amiloplasto  amido </li></ul><ul><li>Leucoplasto Proteoplasto  proteínas </li></ul><ul><li>Elaioplasto  óleos </li></ul>
  30. 30. Plastídios ou plastos <ul><li>O fator que vai afetar a cor dos plastos é a luz </li></ul><ul><li>Os leucoplastos que ocorrem em células adultas não expostas à luz, armazenam substâncias </li></ul><ul><li>Os amiloplasto são encontrados em tecidos e órgão de reservas </li></ul><ul><li>Os leucoplastos que armazenam proteína são encontrados nos elementos crivados de monocotiledônea e algumas dicotiledôneas </li></ul>
  31. 31. Figura - Diferentes tipos de plastídio, sua formação e interconversão. Na presença de luz, o proplastídio transforma-se em cloroplasto; na ausência desta, origina o estioplasto. O proplastídio pode dar origem ao amiloplasto e ao cromoplasto na presença ou ausência de luz. O cloroplasto pode se transformar em amiloplasto e cromoplasto e vice-versa. O amiloplasto transforma-se em cromoplasto, mas não ocorre o inverso.
  32. 32. <ul><li>Grânulos </li></ul><ul><li>Chamados de grana </li></ul><ul><li>Um granum representa uma pilha de disco </li></ul><ul><li>Cada granum liga-se a outro por lamelas existentes entre eles. </li></ul>
  33. 33. <ul><li>Figura - Esquema de um cloroplasto. O envoltório do cloroplasto é constituído por duas membranas de natureza lipoprotéica: membrana externa e membrana interna. Apresenta uma matriz denominada estroma e um conjunto de membranas chamadas de tilacóides, que podem se empilhar, constituindo os tilacóides do grânulo ( granum ) ou percorrer o estroma, interligando os grânulos ( grana ). </li></ul>
  34. 34. <ul><li>Figura - Células do parênquima de reserva da batata- inglesa ( Solanum tuberosum ) com amiloplastos. A – Amilo-plasto não-corado (seta). B - Amiloplasto corado com o reagente de Lugol (seta) (Tubérculo em corte transversal). </li></ul>
  35. 35. MITOCÔNDRIAS <ul><li> São componentes constantes do protoplasma. </li></ul><ul><li> Compostos principalmente de proteína e gorduras. </li></ul><ul><li> Parece ser como os plastídios de natureza membranosa. </li></ul><ul><li> São corpúsculos de função importante, pois contém enzimas oxidativas que participam do processo da respiração celular. </li></ul>
  36. 36. MITOCÔNDRIAS <ul><li>Fornecem a maior parte da energia necessária ao funcionamento da célula. </li></ul><ul><li>São organelas que possuem seu próprio genoma e se autoduplicam </li></ul><ul><li>Geralmente apresentam forma ovalada, alongada ou fusiforme </li></ul>
  37. 37. <ul><li>Figura - Mitocôndrias (Mi). </li></ul>
  38. 38. Vacúolos <ul><li> São cavidades que se encontram no interior do citoplasma. </li></ul><ul><li> Parecem geralmente vazias. </li></ul><ul><li>Estão cheias de uma solução chamada de suco celular (+ água) de composição variada. </li></ul><ul><li>Normalmente ocupam considerável volume na célula </li></ul><ul><li>É delimitado por uma membrana protéica trilamelar - TONOPLASTO </li></ul>
  39. 39. Vacúolos <ul><li>O conteúdo é constituído por: </li></ul><ul><li>Água </li></ul><ul><li>Substâncias inorgânicas (Íons de Ca, K, Cl, Na, P etc.) </li></ul><ul><li>Substâncias Orgânicas (açúcares, proteínas, pigmentos, etc.) </li></ul><ul><li>O conteúdo é ácido c/ pH próximo de 5 </li></ul>
  40. 40. Vacúolos <ul><li>Funções: </li></ul><ul><li> Participa de várias processos metabólicos </li></ul><ul><li>Desempenha papel dinâmico no crescimento e desenvolvimento da planta </li></ul><ul><li>Durante o alongamento celular, compostos orgânicos e inorgânicos são acumulados no vacúolo </li></ul><ul><li>Participa da manutenção do pH da célula </li></ul><ul><li>São responsáveis pela digestão de outros componentes celulares </li></ul><ul><li>Dentre outras </li></ul>
  41. 41. <ul><li>São variáveis em forma e tamanho de acordo com: </li></ul><ul><li>Tipo de célula </li></ul><ul><li>Estágio </li></ul><ul><li>Estado metabólico em que se encontra. </li></ul><ul><li> Em células embrionárias eles são frequentemente numerosos e pequenos. </li></ul><ul><li> Em células adultas há um só vacúolo. </li></ul><ul><li> Na passagem da célula embrionária para adulta, </li></ul><ul><li> suco celular em cada vacúolo. </li></ul><ul><li>Eles vão se unindo  formando grande vacúolo central </li></ul>
  42. 42. <ul><li>Figura - Célula de Remiria maritima . Podem ser vistos vacúolo (V) conspícuo, cloroplastos (Cl) e mitocôndrias (Mi), além de vários plasmodesmos (setas) nos campos de pontoação primária das paredes de células adjacentes (Folha). 13.500 X. </li></ul>
  43. 43. <ul><li>Figura - Células do endosperma com vacúolos contendo grãos de aleurona ou reserva protéica (seta) (Semente de mamona - Ricinus communis , em corte longitudinal). </li></ul>
  44. 44. Retículo Endoplasmático <ul><li>É um conjunto de canalículos ramificados que vão do núcleo até a periferia celular e que permite a distribuição de alimentos por toda a célula . </li></ul><ul><li>Está próximo a Memb. Plasmática e tb ao núcleo </li></ul><ul><li>É constituído por uma membrana lipoprotéica que se dobra formando cisternas (sacos achatados) ou túbulos </li></ul><ul><li>Por se associar aos ribossomos – é denominado Retículo Endoplasmático Rugoso (RER) </li></ul><ul><li>E quando não chama-se: </li></ul><ul><li>Reticulo Endoplasmáticos Liso (REL) </li></ul>
  45. 45. Retículo Endoplasmático (RE) <ul><li>A forma e a quantidade do RE depende do tipo, função e desenvolvimento da célula </li></ul><ul><li>FUNÇÃO: </li></ul><ul><li>Funciona como um sistema de comunicação dentro das células -> Possibilitando a distribuição das substâncias </li></ul><ul><li> RER -> Papel importante na síntese de proteína </li></ul><ul><li> REL -> Papel importante na síntese lipídica </li></ul>
  46. 46. <ul><li>Figura - Retículo endoplasmático (setas) de célula de eucalipto ( Eucalyptus urophylla x E. grandis ). </li></ul>
  47. 47. Complexo de Golgi ou Dictiossomos <ul><li>Cada Dictiossomo é constituído por um conjunto de sacos discóides achatados – Chamados Cisternas </li></ul><ul><li>Cisternas </li></ul><ul><li>Estruturas membranosas </li></ul><ul><li>Dispostas paralelamente </li></ul><ul><li>Forma reta ou curvada </li></ul><ul><li>O número de cisterna é variável de acordo: </li></ul><ul><li>- Espécie vegetal </li></ul><ul><li>- Tecido </li></ul><ul><li>- Estádio de diferenciação celular </li></ul>
  48. 48. Complexo de Golgi ou Dictiossomos <ul><li>FUNÇÂO: </li></ul><ul><li>Está associado a síntese dos compostos não-celulósicos da parede celular (pectinas e hemicelulose) </li></ul><ul><li>Funcionam como um centro de “empacotamento”, ou seja: </li></ul><ul><li>- Envolvem substancias sintetizadas por outras estruturas. </li></ul>
  49. 49. <ul><li>Figura - Complexo de Golgi (*) em eucalipto ( Eucalyptus urophylla x E. grandis ). São visíveis dois dictiossomos. </li></ul>
  50. 50. Ribossomos <ul><li>Estão presentes no citoplasma celular e podem ou não estar associados ao reticulo endoplasmático ou unido à membrana no nuclear externa </li></ul><ul><li>São tb encontrados em plastídios e mitocôndrias </li></ul><ul><li>São partículas c/ tamanho de 17 a 23 nm de diâmetro </li></ul><ul><li>São destituídos de membranas </li></ul><ul><li>FUNÇÂO: </li></ul><ul><li>- Os ribossomos contém sítios em que são acoplados o RNAm e o RNAr que transportam aminoácidos  sendo responsáveis pela síntese de protéica. </li></ul>
  51. 51. <ul><li>Figura - Detalhe dos ribossomos (*) do retículo endoplasmático rugoso de eucalipto ( Eucalyptus urophylla x E. grandis ). </li></ul>
  52. 52. Substâncias Ergásticas <ul><li>CHOS </li></ul><ul><li> Mais frequentes são os CHOS – principalmente a celulose e amido. </li></ul><ul><li> Outros CHOS ocorrem como substâncias de reserva na célula vegetal – glicose e sacarose. </li></ul><ul><li>Proteínas </li></ul><ul><li> Principal componente do protoplasma vivo, + ocorre tb temporariamente como substância ergástrica inativa. </li></ul><ul><li>Gorduras e óleos </li></ul><ul><li> São abundantes no organismo vegetal. </li></ul><ul><li> Principalmente na forma de derivados. </li></ul>
  53. 53. <ul><li>Ceras, Suberina e Cutina </li></ul><ul><li> Substâncias gordurosas. </li></ul><ul><li>Podem impregnar a parede celular e tb sobre ela. </li></ul><ul><li>Tanino </li></ul><ul><li> Formado de um grupo heterogêneo de derivados fenólicos. </li></ul><ul><li> São abundantes nas folhas de muitas plantas. </li></ul><ul><li> Participam do metabolismo do amido. </li></ul><ul><li>Cristais </li></ul><ul><li> oxalato de cálcio </li></ul><ul><li> Carbonato de cálcio </li></ul><ul><li> Anidrido silícico </li></ul><ul><li> Forma de agulha, pequenos cubos </li></ul><ul><li> Nas gramíneas encontram os melhores exemplos de acumulo de sílica na parede celular. </li></ul>
  54. 54. Meristemas de Origem dos Tecido <ul><li> Tecidos Vegetais </li></ul><ul><li>Conjunto de cel. Diferenciadas, c/ a mesma origem e destinadas ao desempenho das mesmas funções. </li></ul><ul><li> Meristemas </li></ul><ul><li>São tecidos que dão origem aos demais tecidos. </li></ul><ul><li>São encontrados no embrião no interior das sementes e nas partes em crescimento de um vegetal. </li></ul>
  55. 55. <ul><li>Tipos ou Locais de Crescimento dos Meristemas: </li></ul><ul><li>Apical  Extensão </li></ul><ul><li>Lateral  Expansão </li></ul><ul><li>Intercalares  Ocorre nos Nós e Bainhas das folhas </li></ul>
  56. 56. Quanto a Origem: <ul><li>- Epiderme </li></ul><ul><li>- Parênquima </li></ul><ul><li>M. Primário - Meristema fundamental </li></ul><ul><li>- Colênquima </li></ul><ul><li>- Procâmbio Xilema </li></ul><ul><li>- Esclerênquima </li></ul><ul><li>Floema </li></ul>
  57. 57. <ul><li>Meristema Primário </li></ul><ul><li> São cel. do eixo embrionário da semente em qualquer idade da planta. </li></ul><ul><li> As plantas crescem em extensão </li></ul>
  58. 58. <ul><li>Meristema Secundário </li></ul><ul><li>Felema ou súber </li></ul><ul><li>Felogênio Periderme </li></ul><ul><li>Feloderme </li></ul><ul><li>- Cambio vascular Xilema 2º </li></ul><ul><li>Floema 2 o </li></ul><ul><li>Originados de células adultas do corpo primário. </li></ul><ul><li>Crescimento em expansão (diâmetro). </li></ul><ul><li>Tecidos c/ capacidade de  . </li></ul>

×