EDIÇÃOESPECIAL               CRIANÇAS ÍNDIGOSeita da Nova Era invade o movimento espíritaEDITORIAL  Em junho de 1975, o Ce...
J.                                                             H                                                          ...
Paulo Henrique de Figueiredo                     Toda a verdade sobre as crianças índigo                               Obs...
Ainda há muito mais. De acordo com Kryon,                                                         Deus não existe. Ele pro...
veis da Natureza, denuncia um Espírito atrasa-                                                    do e, portanto, pouco me...
A maquiagem na edição brasileiraAs obras de Lee Carroll adotam o panteísmo,             Depois sorri, dá a mão ao anjo,   ...
Franklin Santana Santos                     A visão científica sobre as crianças índigo                                   ...
Nacy An TappeA visão científica sobre as crianças índigoA tendência eugenista  Além do caráter pseudo-científico das teo- ...
Dora Incontri                    As crianças índigo e o movimento espírita                                            Como...
É isso o que o capitalismo preconiza: lucro        Todos os grandes pensadores agiram assim.acima de tudo e princípios éti...
Heloísa Pires                                                      Um exército salvador?                                  ...
Mas os definitivamente rebeldes, aqueles    caras ou nos tênisque se negarem a tingirem o seu perispí-       importados. E...
Rita Foelker                                              Crianças índigo seriam mais                                     ...
O ponto de vista das inteligências múltiplas  Diferente da tese dos índigos e cristais, a teo-ria das inteligências múltip...
Dora IncontriAlessandro Cesar Bigheto                      A Pedagogia Espírita e as crianças índigo                      ...
Diretrizes da Pedagogia Espírita:•Todas as crianças são iguais e todas são deferentes, cada qual trazendo sua bagagem mile...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Criancasindigo(pedagogia espír.)

739 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Criancasindigo(pedagogia espír.)

  1. 1. EDIÇÃOESPECIAL CRIANÇAS ÍNDIGOSeita da Nova Era invade o movimento espíritaEDITORIAL Em junho de 1975, o Centro Espírita Cairbar Esta edição mostra que a idéia das criançasSchutel, sob a direção de José Herculano Pires, índigo, que instituições e lideranças do movi-lançou o jornal Mensagem, para denunciar a mento espírita estão divulgando, não passa deadulteração do livro O Evangelho segundo o Es- um modismo comercial. Vincula-se a uma seitapiritismo, por um grupo da Federação Espírita norte-americana, que, para dizer o mínimo,do Estado de São Paulo. Quase sem apoio de vende sessões de energização para mudar ooutras liderança do movimento, Herculano en- DNA das pessoas!frentou uma luta intensa para fazer retirar das Será possível que não resta mais nenhum res-livrarias a tradução modificada do texto de Kar- peito ao bom senso? Fica demonstrado o quantodec. o movimento espírita está distanciado do espí- Passados mais de 30 anos, o movimento espí- rito de Kardec, o pesquisador sério, criterioso,rita brasileiro enfrenta sérias crises de identida- que se debruçou sobre a alma humana, parade, dando cada vez mais espaço ao misticismo sondar-lhe a natureza, com ética impecável ecomercial, descomprometido e anti-científico que cientificidade até hoje não desmentida.toma conta do mercado editorial. Há mais de 30 anos, Herculano denunciava os Afastados dos critérios de cientificidade, bom desvios do movimento epírita. Agora, do outrosenso e desinteresse, que Kardec propunha para lado, com certeza, está vendo que as coisas pio-a busca da verdade, muitos espíritas embarcam raram muito. Esperemos que as novas geraçõesem novidades atraentes, mas vazias de conteúdo tratem melhor o tesouro que recebemos, paramoral e estranhas aos princípios de Kardec. que o espiritismo possa dar sua sólida contribui- Não tomamos aqui o espiritismo como sistema ção cultural ao mundo contemporâneo e não sefechado e dogmático – que está longe de ser deixe contaminar pela leviandade do mercado,a proposta de Kardec – mas reivindicamos um que está apenas interessado em vender.mínimo de critério científico, de espírito crítico ede seriedade!
  2. 2. J. H EDefendemos a doutrina R Cou nos acomodamos Una falsa tolerância L A Na luta contra os conceitos absurdos dos fal- Nsos profetas que teimam em deturpar a Doutri- Ona dos Espíritos, José Herculano Pires estabe-leceu uma linha de conduta firme e esclarecidaque marcou toda sua vida. Um trecho bastante Patual da obra O Verbo e a Carne revela a cla- Ireza de sua visão: R E S “Infelizmente a maioria das criaturas nãogosta de reconhecer os seus limites. A vai-dade e a ambição levam muita gente adar passos mais largos do que as pernas lho. O desejo de elevar-se acima dos ou-permitem. É o que hoje vemos, de manei- tros, conhecendo mais e sabendo mais, éra assustadora, em nosso meio espírita. Os praticamente incontrolável na maioria dascasos de fascinação multiplicam-se ao nos- pessoas. O resultado é o que vemos. Háso redor. Pessoas que podiam ser úteis se mais joio do que trigo em nossa seara es-transformam em focos de confusão e per- pírita.turbação, entravando a marcha do Espiri- A luta contra essa situação é das mais ár-tismo com a sustentação de teorias absur- duas. Mas, árdua ou não, tem de ser enfren-das que levam a doutrina ao ridículo. tada pelos que vêem as coisas de maneira Em nosso país esses casos se tornam mais mais clara. Temos de ferir suscetibilidades,graves por causa da falta geral de cultura. magoar os amores próprios de amigos eAs pessoas incultas e ingênuas se deixam companheiros, levantar no próprio meio es-levar muito facilmente ao fanatismo, ante pírita inimigos gratuitos, provocar revideso brilho fictício de pessoas inteligentes e apaixonados. Mas, de duas, uma: ficamoscultas, mas dominadas por fascinações pe- com a verdade ou ficamos com o erro, de-rigosas. fendemos a doutrina ou nos acomodamos A mania de cientificismo vem produzindo na falsa tolerância, clamando por uma pazgrandes estragos em nosso movimento es- de pantanal, que nada mais é do que co-pírita. Qualquer possuidor de diplomas de vardia e traição à verdade. Aí estão, diantecurso superior se julga capacitado a trans- de nossos olhos, as fascinações da vaidadeformar-se em cientista do dia para a noite. nos empantanando os caminhos da evolu-E logo consegue uma turma de adeptos ção natural e necessária da doutrina. Ouvaidosos, prontos a seguir o iluminado que lutamos contra elas ou incentivamos a sualhes empresta um pouco do seu falso bri- propagação e proliferação”.2
  3. 3. Paulo Henrique de Figueiredo Toda a verdade sobre as crianças índigo Obscuros conceitos de uma seita norte-americana invadem inúmeros centros espíritas de todo o país. Reuniões da seita D esde 2006, pesquisadores espíritas, comoRita Foelker, Dora Incontri, Heloísa Pires, e a A pedra angular é a fraternidadeRevista Universo Espírita vêm alertando para asinúmeras contradições entre a Doutrina Espírita Os Espíritos da Codificação realmente anun-e o best-seller Crianças Índigo, publicado nos ciaram uma nova geração, mas nos seguintesEstados Unidos em 1999, e no Brasil em 2005. termos: “Cabendo a eles fundar a era do pro- Algumas das características das crianças índi- gresso moral, a nova geração se distingue porgo são alarmantes: uma precoce inteligência e razão, juntas ao “Nascem, sentem-se e agem com realeza. (...) sentimento inato do bem e das crenças espiri-Conseguem inverter as situações, manipulando tualistas, constituindo um sinal indiscutível deao invés de serem manipulados, especialmen- um adiantamento anterior”, explicaram em Ate seus pais. (...) Não se relacionam bem com Gênese.pessoa alguma que não seja igual a elas. (...) Os Espíritos estão falando de progresso mo-Alguns têm propensão ao vício, especialmente ral e de uma geração com o sentimento inatodrogas durante a adolescência”. do bem. Isso pressupõe a habilidade de resol- Citada em Crianças Índigo como a primeira ver conflitos, paciência, solidariedade e tole-a supostamente reconhecer a aura azul dessas rância. Segundo o Espiritismo, “a fraternidadecrianças, diz a vidente Nancy Ann Tappe: será a pedra angular da nova ordem social”. “Todas as crianças que mataram colegas de Já as crianças índigo descritas são revoltadas,escola ou os próprios pais, com as quais pude agressivas e prepotentes. A chegada de umater contato, eram índigos. Eles tinham uma vi- nova geração anunciada na Doutrina Espíritasão clara de sua missão, mas algo entrou em nada tem a ver com o conceito de Crianças Ín-seu caminho e elas quiseram se livrar do que digo pertencente à seita estrangeira criada porimaginavam ser o obstáculo. Trata-se de um Lee Carroll.novo conceito de sobrevivência. Todos nós As suspeitas levantadas sobre essa obra nospossuíamos esse tipo de pensamento macabro motivaram a investigar mais profundamentequando crianças, mas tínhamos medo de colo- seus autores, a origem, as finalidades de suacá-lo em prática. Já os índigos não têm esse publicação, e quem está divulgando seus con-tipo de medo”. ceitos no país em que surgiu, os Estados Uni- Esse é o novo conceito de sobrevivência das dos. O que encontramos é grave e é precisocrianças índigo? Matar os pais e colegas de es- esclarecer os fatos.cola? O que isso tem a ver com o Espiritismo? 3
  4. 4. Ainda há muito mais. De acordo com Kryon, Deus não existe. Ele propõe o panteísmo, ou seja, segundo ele, “todos os seres do Universo são parte de um todo e as individualidades são apenas ilusões”. O Grupo Iluminação Kryon Esse pensamento panteísta se opõe clara- mente aos ensinamentos do Espiritismo. Basta Um dos autores de Crianças Índigo é Lee Car- ler a o seguinte diálogo em O Livro dos Espí- roll, formado em Economia pela Universidade ritos: “Que pensar da opinião segundo a qual da Carolina do Norte. Durante 30 anos traba- todos os corpos da Natureza, todos os seres, lhou em sua empresa de engenharia de som, todos os globos do Universo, seriam partes da em Del Mar, San Diego, onde vive até hoje. Divindade e constituiriam, pelo seu conjunto, O ano em que tudo começou foi1989, quan- a própria Divindade; ou seja, que pensar da do um sensitivo disse ter visto ao lado de Lee doutrina panteísta?”, perguntou Allan Kardec. Carroll uma entidade extraterrestre que se iden- E os Espíritos responderam: “Não podendo ser tificou pelo nome “Kryon”. Deus, o homem quer pelo menos ser uma parte Intrigado, Lee começou a “canalizar” (esse de Deus.”. é o nome que ele dá para as psicografias) tex- tos da entidade extraterrestre Kryon num grupo Quem são as crianças índigo esotérico de sua cidade. A co-autora do livro Crianças Índigo é a can- A doutrina do Grupo Iluminação Kryon vai tora Jan Tober, ex-mulher de Lee Carroll. Ela ainda mais longe. Damos aqui apenas um resu- o ajudou a criar uma seita própria, o Grupo mo das palavras de Krion: Iluminação Kryon, em 1991. “Os seres humanos que vivem na Terra eram Durante 10 anos, as mensagens renderam a anjos muito evoluídos que assinaram um con- publicação de 12 livros, As edições, traduzidas trato para vivenciar uma experiência humana para 23 línguas, venderam mais de um milhão no planeta Terra, motivo pelo qual seríamos de exemplares. honrados e celebrados em todo o Universo.” Os encontros do Grupo Iluminação Kryon, De acordo com o “extraterrestre”, “a huma- onde é possível consultar-se pessoalmente com nidade atingiu a ‘Convergência Harmônica’ ne- Kryon por meio de Lee Carroll, reúnem pla- cessária. Essa experiência é a de vivermos com téias pagantes de 3 mil pessoas. Elas lotam ca- um nível vibracional rebaixado para a terceira ríssimos salões e teatros da Europa e Estados dimensão, sem as memórias ou lembranças de Unidos. Lá também são vendidos livros, filmes, nossa origem divina”. souvenires e bijuterias. As mensagens do extra- O que seria “Convergência Harmônica”? terrestre Kryon na internet recebem cerca de Nos livros psicografados por Lee Carroll, infor- 20 mil visitas por dia. mações pseudocientíficas como essa estão por todo o texto, sem explicação alguma. Uma tese panteísta Segundo Kryon, desde 1987 estariam nas- cendo crianças com o DNA alterado, que se- Quem é esse ser que se diz extraterrestre e riam as tão comentadas “crianças índigo”. Há que revelou as crianças índigo? também referências às crianças cristal. O site oficial da seita dá sua versão: Todavia, de acordo com a Doutrina Espírita a “Kryon é o mais evoluído ser de luz a que a moral é um atributo do Espírito e não do corpo. Terra jamais teve acesso. Proveniente do ‘Sol Nenhuma alteração do DNA transformaria mo- Central’, com a função primordialmente técnica ralmente indivíduo algum. ligada ao ‘serviço eletromagnético’. Foi envia- E quais as conseqüências dessa suposta mu- do por um grupo de ‘Mestres Extrafísicos’, cha- tação das crianças? Segundo o extraterrestre mado ‘A Irmandade’. Veio dessa vez para reor- Kryon, “elas se tornarão uma nova raça que denar a ‘rede magnética planetária’, visando irá habitar uma galáxia que está sendo criada uma série de mudanças magnéticas no eixo da a 12 bilhões de anos-luz da Terra”. A astrofísica Terra, que se encerrará no ano de 2012”. está bastante avançada e podemos afirmar que Em O Livro dos Espíritos, “Jesus foi o ser mais a idéia da criação tardia de uma galáxia não puro que já apareceu na Terra”. tem embasamento científico algum.4
  5. 5. veis da Natureza, denuncia um Espírito atrasa- do e, portanto, pouco merecedor de confian- ça”, em O Livro dos Médiuns. A fragmentação de um meteoro Outra questão intrigante proposta por um se-Lee Carrol e Jan Tobler guidor da seita é sobre o fim do mundo: “AlgumOs mentores da idéia planeta irá se chocar com a Terra? Irá haver ex- tinção da raça humana?”. E Kryon respondeu: “Depende do que os Humanos fizerem. Já re- Mais uma vez, é Kardec quem alerta: “Toda velamos que, antes de começar a canalizar, emheresia científica notória, todo princípio que 1989, o primeiro trabalho conjunto de Kryon echoque o bom-senso, aponta a fraude, desde Lee Carroll foi fragmentar um meteoro (Myrva)que o Espírito se dê por ser um Espírito esclare- que vinha, realmente, em rota de colisão com acido”, em O Livro dos Médiuns. Terra. Era um dos instrumentos das catástrofes previstas para o fim do século”. Idéias estranhas O Espiritismo afirma com clareza que o mun- do não será destruído fisicamente: “Não é ra- As mensagens publicadas no site da seita cional se suponha que Deus destrua o mundocriada por Lee Carroll falam do novo aconte- precisamente quando ele entre no caminho docimento programado, segundo ele, para 2012: progresso moral, pela prática dos ensinos evan-“Celebremos o fim do teste! As estrelas são gélicos”, em A Gênese.nossas. Agora é chegado o momento de uma Além dos milhares de dólares arrecadadosparte da família ir para casa, precisamente em pela venda de produtos, nos encontros da seita,2012. E ele, Kryon, estará lá quando chegar- há outra fonte de renda: os tratamentos paten-mos”. teados por Peggy Phoenix Dubro, parceira de Sobre questões como essa, disse Kardec: Lee Carroll.“Os bons Espíritos nunca determinam datas. A Segundo as idéias da seita, as pessoas queprevisão de qualquer acontecimento para uma nasceram antes de 1987 não são índigo, masépoca determinada é indício de mistificação”, para ganhar o direito de habitar a nova “galá-em O Livro dos Médiuns. xia” poderiam ter seu DNA alterado por meio Nos encontros do grupo, Kryon responde in- do tratamento proposto por Peggy Dubro.Elesdagações do público que paga para ser aten- criaram uma empresa, A Energy Extension In-dido. Um adepto perguntou: “Querido Kryon, corporation (Empresa de Ampliação Energéti-na Califórnia você nos falou que segurar pílu- ca) que detém os direitos da Universal Calibra-las na mão pode curar. Isso eliminará os efeitos tion Lattice® (Malha de Calibração Universal),colaterais? É seguro ficar segurando Prozac?”. e também da EMF Balancing Technique® (Téc-A resposta foi: nica de Equilíbrio). São tratamentos pagos apli- “Seu corpo sabe que substância vocês estão cados nas sedes espalhadas pelo mundo (inclu-segurando. Portanto, é possível impregnar as sive no Brasil).propriedades da intenção de usar a substân- Acreditamos que as informações listadas sãocia em suas células. Assim não há o efeito co- suficientes para dar uma idéia do que está porlateral de uma droga, por exemplo. Apenas trás da obra Crianças Índigo. Quem ainda de-pensem... um frasco de aspirina ou antiácidos sejar conferir os volumosos livros e mensagensdurará anos!”. “canalizadas” por Lee Carrol e tudo mais sobre Kardec alertou: “Jamais os bons Espíritos a seita Grupo Iluminação Kryon basta digitaraconselham senão o que seja perfeitamente ra- “Kryon” nos sites de busca da internet.cional. Qualquer recomendação que se afasteda linha reta do bom-senso, ou das leis imutá- 5
  6. 6. A maquiagem na edição brasileiraAs obras de Lee Carroll adotam o panteísmo, Depois sorri, dá a mão ao anjo, e os dois vão cavar túneis nadoutrina negada pelo Espiritismo. Mas na areia”.edição brasileira os trechos panteístas foram Há uma menção em Crianças Índigo sobre os livros psicogra-alterados fados do “extraterreste” Kryon por Lee Carroll. Mas na tradução Lee Carroll, que com Jan Tober escreveu Crianças brasileira há uma alteração queÍndigo, publicou outros 11 livros. Dez deles são psi- modifica o sentido, e faz parecercografados, com a autoria creditada ao “extrater- que Kryon é um médium, e que nada tem a ver comrestre” Kryon.Esses volumosos livros trazem muitos Lee Carroll. Veja:conceitos conflitantes com a Doutrina Espírita. “I sent him all the Kryon books by Lee Carroll…” Já no primeiro, Os Tempos Finais, publicado em (Versão original, p. 147).1990, Kryon descreve seu ensinamento panteísta: “Enviei todos os livros de Kryon por Lee Carroll...”“Todos nós estamos vinculados. Eu assino Kryon, (Tradução correta).mas pertenço à totalidade. Você é uma parte de “Enviei todos os do médium Kryon e Lee Carroll...”Deus. Todos somos coletivos em espírito, mesmo en- (Trecho alterado da edição brasileira, p. 162).quanto vocês estão encarnados na Terra”. Peggy Dubro é uma integrante da seita “Grupo Allan Kardec explicou essa doutrina em O Céu e Iluminação Kryon”, onde atua como médium. Oso Inferno: “O panteísmo propriamente dito consi- seres que dirigem o grupo teriam transmitido a eladera o principio universal de vida e de inteligência o “tratamento magnético para alterar o DNA”, de-como constituindo a Divindade. Todos os seres, to- nominada EMF Balancing Technique. Na versãodos os corpos da Natureza compõem a Divindade brasileira, o fato foi alterado:(...). Esse sistema não satisfaz nem a razão nem a “She also channeled the Phoenix Factor informa-aspiração humanas”. tion, which contained the EMF Balancing Techni- Constatamos, porém, um fato intrigante: todos os que...”. (Versão original, p. 226)livros de Lee Carroll trazerem afirmações panteís- “Ela também recebeu mediunicamente a informa-tas, mas na edição brasileira não há uma só frase. ção Phoenix Factor, que inclui a EMF Balancing Te- Assim, consultamos a edição original em inglês, chnique...”. (Tradução correta).The Indigo Children, de 1999. Estava lá, no depoi- “Desenvolveu, igualmente, a informação Phoenixmento da psicóloga Doreen Virtue, a seguinte frase, Factor, que inclui a EMF Balancing Technique...”.que traduzimos: “Todas as crianças de Deus são (Trecho alterado da edição brasileira, p. 243)iguais, porque todos são um só ser”. A mesma frase Na descrição do comportamento do rapaz Mark,na edição brasileira, na página 153, foi alterada ele demonstra o comportamento esquizofrênico depara: “Todas as crianças de Deus são iguais, pois não distinguir o certo do errado. Na versão brasilei-somos todos iguais”. ra do livro Mark se torna apenas irresponsável. Encontramos outra alteração na página anterior, “... could never see the consequences of his in-na qual lemos a seguinte frase: “Não existem indiví- tended actions. He literally just did not get it. Afterduos, apenas uma ilusão de que somos diferentes”. the fact, his face would always be so blank, as ifMas a tradução da versã original é mais extensa: he couldn’t believe he hadn’t realized that what he“Não existem indivíduos separados, apenas a ilu- was doing would get him into trouble…” (Versãosão de que os outros estão separados de nós mes- original, p. 145).mos”. Esta reproduz o panteísmo do extraterrestre “... O problema é que não entendia as conseqü-Kryon, mentor de Lee Carrol. ências de seus atos. Ele literalmente não compre- A constatação desse fato nos levou a folhear o endia. Depois do ocorrido, ficava com o rosto semlivro para conferir o restante da tradução. expressão, como se não acreditasse que tivesse fei- No depoimento da reverenda Laurie Joy, na pá- to algo que lhe trouxesse problemas...” (Traduçãogina 164 do livro brasileiro, lemos a seguinte fra- correta).se: “Kathryn Elizabeth, fala sempre de seu anjo da “... O problema é que não entendia as conseqü-guarda. Depois vai brincar com as outras crianças”. ências de seus atos. Cometia erros, mas não perce-Mas a tradução da obra original é diferente: “Ka- bia que teria que pagar por eles...” (Trecho altera-thryn Elizabeth fala sempre de seu anjo da guarda. do da edição brasileira, p. 161). Paulo Henrique Figueiredo6
  7. 7. Franklin Santana Santos A visão científica sobre as crianças índigo Não existe nenhuma investigação científica a respeito de uma possível mudança de DNA nas novas gerações O termo índigo provém de uma sensitiva cha- Outra alegada habilidade dessas crianças se-mada Nancy Ann Tappe que, sem nenhum cri- ria a de possuírem uma estrutura cerebral dife-tério de cientificidade, baseou-se única e exclu- rente no que se refere ao uso dos hemisfériossivamente na sua “habilidade” em classificar as esquerdo e direito, com um predomínio do ladopersonalidades das pessoas segundo a cor das direito. Em desacordo inclusive com as alega-suas auras. De acordo com ela, essas crianças das habilidades, sendo uma delas a capacida-apresentariam uma aura azul com predominân- de de abstração precoce, função esta coorde-cia da tonalidade índigo. nada pelo hemisfério esquerdo. Mais uma vez Essas crianças apresentariam algumas altera- não existe qualquer estudo evidenciando isso.ções, seja no seu DNA ou mesmo na sua estru- Muitas dessas crianças classificadas como índi-tura cerebral. Consultando o PubMed que é um go na verdade se enquadram dentro de umaserviço oferecido pela Biblioteca Nacional de condição, Desordem Hiperativa do Déficit deMedicina do Congresso dos EUA e que inclui Atenção, bastante estudada pela medicina, in-mais de 16 milhões de citações do MEDLINE e clusive com vários estudos publicados em revis-outros jornais de ciências da vida, não existe tas especializadas.uma única referência, estudo ou pesquisa en- Muitas das habilidades atribuídas às criançasvolvendo essas crianças. índigo resultam de uma melhor alimentação, o Segundo informações, descritas na literatura que permite um desenvolvimento orgânico maisNew Age, as crianças índigo nasceriam com completo, além disso as crianças do mundo mo-parte do seu DNA mais “ativado” que a maio- derno estão sujeitas a uma grande, variada eria das pessoas. Essa ativação “extra” lhes per- precoce exposição a diversos estímulos intelec-mitiria acessar informações de uma dimensão tuais tais como computador, televisão, rádio,espiritual superior, dando-lhes como conseqüên- revistas etc.cia habilidades especiais. Essa informação ne- Concluindo, entendemos que as afirmaçõescessita de demonstração científica e não existe no que se concerne às características biológicasqualquer teoria de como, onde e de que forma das crianças índigo carecem completamente deocorreria essa ativação, nem de que maneira investigação científica e devem ser tomadasessa ativação de algo material poderia aces- como infundadas ou pseudo-científicas.sar algo espiritual. Embora alguns dos autoressobre a literatura índigo tenham formação emesmo pós-graduação em psicologia, o termocriança índigo não é reconhecido no campo dapsicologia, nem na biologia ou da pediatria. Reuniões da seitaOs poucos cientistas que fizeram uma análisesuperficial da questão advertem na verdadeque crianças educadas como índigo tenderãoa adotar comportamentos sociopáticos, taiscomo um senso de superioridade, alienação euma identidade paranormal bizarra. 7
  8. 8. Nacy An TappeA visão científica sobre as crianças índigoA tendência eugenista Além do caráter pseudo-científico das teo- ma o cérebro, gerando a possibilidade derias de mutação genética das crianças índi- uma conscientização que não depende dosgo, há ainda outra conotação ideológica elementos químicos conhecidos por nós,perigosa: trata-se de uma teoria eugenista, mas que realmente existem.”de mutantes com superioridade genética. Se Nancy Ann Tappe se refere a “um novo “O índigo constitui, pois, um novo tipo deconceito de sobrevivência” dessas crianças, criança que vem ao mundo com um DNA di-que matam quem se está em seu caminho, ferente, com predisposições cromossômicasentão temos aí uma filosofia nazista de so- para manifestar comportamento diferentebrevivência da lei do mais forte, com plena e superior a tudo o que conhecemos comojustificativa moral próprio do ser humano.” Vejam-se algumas pérolas pseudo-ceintí-ficas retiradas do livro Educando crianças “O único fator que freqüentemente impe-índigo, de Egidio Vecchio – Editora Butter- de o desenvolvimento do índigo na sua ple-fly: nitude – alem da desinformação generali- “Na década de 1970 vieram ao mundo zada – são os resíduos genéticos dos pais,seres humanos muito especiais, portadores que se misturam, ainda, com as caracterís-de uma mudança potencial em seu DNA. ticas do novo código, próprio de uma nova(…) O DNA do índigo é diferenciado e é evolução em andamento. Quanto maior forcomposto de substâncias químicas que es- a influência genética, maiores serão os obs-tão sendo identificadas e também de subs- táculos que as crianças terão para desen-tâncias não-químicas que completam 12 volver seu “DNA capacitado”. Isto requer ahélices, além daquelas já conhecidas da ci- intervenção de um profissional que orienteência. Se hoje pudéssemos penetrar o DNA o índigo, sua família e seus professores.”de um índigo, descobriríamos uma energia Dora Incontrialém daquela que é fisiológica, que infor-OS LIVROS SOBRE ÍNDIGOS EM PORTUGUÊSCrianças Índigo de Lee Carrol e Jan Tober, Butterfly Auto-Ajuda, 2005.Educando Crianças Índigo de Egidio Vecchio, Butterfly Auto-Ajuda, 2006Crianças Índigo, uma geração de ponte com outras dimensões de TerezaGuerra, Editora Madras, 2006.8
  9. 9. Dora Incontri As crianças índigo e o movimento espírita Como explicar a adesão de lideranças e instituições espíritas a uma tese tão absurda? A entrada livre do movimento índigo dentro se trata de um tema vendável, na linha de au-do movimento espírita brasileiro revela apenas to-ajuda descompromissada, aquela que agra-o que os espíritas conscientes já sabem (e estes da ao leitor, por trazer receitinhas prontas deinfelizmente são em muito pequeno número): como tratar um filho índigo – e muitos podem senosso movimento anda longe da trilha propos- iludir no orgulho de ter um filho de aura azul,ta por Kardec. Entenda-se que não tomamos predestinado a mudar o mundo, um mutanteaqui essa trilha como um conjunto de dogmas genético!fixos, como um sistema fechado de pensamen- Os que aceitaram a idéia de boa-fé não sãoto. O espiritismo – como queria Kardec – deve menos desculpáveis, principalmente em se tra-estar inserido no mundo, na cultura de seu tando de lideranças, formadoras de opinião,tempo, deve dialogar com outras correntes de que publicam livros, fazem palestras, porquepensamento, deve continuar seu caminho de deveriam ter a responsabilidade ética e intelec-ciência e de pesquisa. tual de falar apenas sobre aquilo que pesquisa- Mas para isto é preciso um método. A prin- ram em profundidade e manifestarem uma opi-cipal contribuição de Kardec foi a criação de nião abalizada sobre o assunto. Aos que fazemum método de abordagem da realidade, que publicações com fins comerciais, não temos oinclui a observação científica, a reflexão filo- que dizer. Kardec advertia que contra interes-sófica e a revelação espiritual. Esses três ca- ses não há fatos que prevaleçam.minhos convergem na busca da verdade e um É preciso esclarecer bem o que criticamos naelemento controla o outro. Não se pode acei- questão de fins comerciais, pois temos tambémtar cegamente o que vem pela revelação medi- uma editora e podemos ser mal interpretados.única – é preciso passá-la pelo crivo da razão É óbvio que o setor editorial espírita precisae pela análise do método científico. Aliás, so- ser profissional, movimentar dinheiro, contratarmos nós, encarnados, que fazemos a ciência, pessoas, trabalhar na base do profissionalismoe não os Espíritos, que vêm apenas nos intuir, e não do amadorismo. Isto também vale paranos ajudar, sobretudo no plano moral. Uma uma escola, uma universidade, um empreendi-ciência que supostamente nos viesse pronta do mento qualquer que leve o nome de espírita.Além já deveria ser motivo de desconfiança e Ou seja, temos pleno direito ético de venderé própria de Espíritos pseudo-sábios. um livro espírita (porque senão não podemos No caso de Lee Carrol, Jan Tober e o Espíri- publicar outros), de cobrar um curso ou um con-to de Kryon (que a tradução brasileira mudou gresso, para cobrir os custos e, inclusive, parapara médium Kryon, quando se trata de um Es- reinvestirmos na própria divulgação do espiri-pírito que se afirma extra-terrestre e o Espírito tismo. O que criticamos, que é próprio da men-mais próximo de Deus!), defrontamo-nos com talidade capitalista, é quando passamos o lu-uma grande mistificação, com fins comerciais, cro na frente do ideal. Ou seja, quando traímossem nenhuma racionalidade, sem nenhum cri- os princípios da doutrina espírita, publicamostério científico... e os espíritas embarcaram qualquer coisa, para ganhar dinheiro, fazemosgostosamente na idéia. Por quê? qualquer negócio, para obter dividendos e bus- Alguns certamente o fizeram de boa-fé, ou- camos com isso enriquecimento pessoal.tros com claros interesses financeiros, porque 9
  10. 10. É isso o que o capitalismo preconiza: lucro Todos os grandes pensadores agiram assim.acima de tudo e princípios éticos totalmente Basta lembrar Sócrates, com sua fina ironia,descartáveis e secundários. A qualidade de um debatendo com os sofistas; basta rememorarproduto, as responsabilidades social, ideoló- Descartes, com seu método racionalista, des-gica, moral ficam subordinadas ao desejo de montando a teologia jesuítica. Toda a históriavenda fácil. As editoras espíritas que trabalham do pensamento humano constitui-se no debateseriamente, com cultura e livros de conteúdo, de idéias.sabem o quanto é preciso se sacrificar para Quando a discussão é implicitamente proibi-manter bem alto o ideal! da, cria-se o autoritarismo disfarçado, a idola- tria por líderes, que passam a pontificar sem A falta do espírito crítico nenhum questionamento, dominando as consci- ências, e não há progresso e nem liberdade de O outro aspecto comprometedor que afasta o pensamento.movimento espírita do rumo de Kardec é a au- É isso o que se vê no meio espírita atualmente.sência de criticidade, debates e exame livre das Qualquer pessoa pode publicar, falar, pontifi-questões. Quando surgem às vezes alguns críti- car o que for, e ninguém rebate uma vírgula,cos, cometem o deslize que discutir pessoas, ao ninguém faz uma objeção. Por isso, multiplicam-invés de discutir idéias. Mas a grande maioria, se os absurdos e estamos imersos numa avalan-acostumada à cultura do “brasileiro cordial”, che de frivolidades.acrescida pelo estereótipo de “espírita carido- Enquanto não aprendermos a debater semso”, não está habituada a nenhum exercício de melindres, a discutir idéias sem paixões pesso-crítica construtiva. Considera-se que crítica é ais, a criticar construtivamente e a exercitar ofalta de caridade. livre-exame (que já Lutero propunha há 500 Ora, Kardec, nos 12 volumes da Revista Espíri- anos), não teremos um movimento espírita es-ta, estabelecia um debate eloqüente, ardido e, clarecido e progressista, que não engula misti-muitas vezes, usando aquele fino espírito fran- ficações tão grosseiras como essa das criançascês de ironia, para colocar-se ante adversários índigo. Obviamente que só é possível criticare para esclarecer questões polêmicas. Não que construtivamente a partir de um conhecimentotransformasse as páginas da Revista em arena aprofundado das questões. Para isso, é preci-de combate, mas não deixava de exercitar o so estudar Kardec e procurar sempre ampliar osaudável espírito da análise crítica, inclusive horizonte cultural.como instrumento de construção do conheci-mento espírita.10
  11. 11. Heloísa Pires Um exército salvador? Seres azuis, privilegiados, escolhidos, poderão mudar o planeta? Onde estão eles?O ser humano adora o mágico; no tempoe no espaço criou histórias, mitos e as qua- crianças azuis. Ah! Finalmente seríamoslidades e defeitos do indivíduo da Terra salvos de nós mesmos; não pelo sangue deaparecem em mensagens fabulosas. Jesus, nem pelos espíritos de luz que nos Jung explica que temos em nosso psiquis- protegem, estimulando-nos ao desenvolvi-mo vários arquétipos, entre os quais o som- mento espiritual... Não, apenas um grupobra e o herói surgem até nas fábulas. Não de espíritos vestidos de azul (minha sortecompreendemos que somos responsáveis então mudou), que começariam auxiliandopela extinção da sombra pelo herói, nossa os pais na grande transformação do mundoluz interior, acesa por nossa capacidade de provas e expiações para mundo feliz.de amar. Políticos corruptos, profissionais incompe- O endeusamento dos médiuns no tempo tentes, egoísmo e orgulho, seriam varridose no espaço e sobretudo nas casas espíri- da Terra simplesmente com o trabalho detas, é fruto desse desejo de milagre, da in- um punhado de crianças e adolescentes es-tervenção espetacular do mundo espiritual peciais.para resolver nossos problemas. Uma va- Onde está esse exército de seres lumino-rinha mágica transformaria nosso sofrido sos e azulados? Entre os monges tibetanos,planeta em um mundo de paz. A guerra e alguns tão necessitados? Escondidos noo sofrimento desapareceriam, não devido Amazonas? Esperando com seus olhinhosao nosso amadurecimento e trabalho, mas espertos e suas flechas embebidas na es-por processos misteriosos. sência do amor, o momento de atingir os Livros que apresentam anjos, viagens li- habitantes ainda necessitados moralmentebertadoras até caminhos especiais, super desse planeta da cor do céu? E o que acon-heróis, vendem mais do que qualquer ou- teceria então? Todos se transformariam emtro no mundo todo. Nessa linha surgiu um anjos e toda a Terra seria um palco mara-livro: “Crianças índigo”, trazendo seres es- vilhoso no qual permaneceríamos abraça-peciais, com o corpo energético azul, pron- dos, mergulhados em nosso sonho cor dotos a acabar com os problemas do nosso mar. Os pássaros começariam a cantar , osplaneta que, mesmo azul, não conseguiu animais irracionais ficariam com os olhosresolvê-los. Alguns dizem que os fumantes marejados pela emoção e até as serpen-ficam com o perispírito azul, o que mostra tes, antes venenosas, ficariam dóceis, amo-que a cor não é tão favorável quanto ima- rosas. Se foi pela ação de Eva que perde-gina o casal que criou a teoria absurda mos o paraíso, agora as crianças índigos odas crianças índigo. devolverão; sentemos e esperemos que o O interessante é que os espíritas, os úl- milagre em breve virá. Como diria Raul Sei-timas convidados da parábola do Festim xas, “sentados, com a boca cheia de dentesde Núpcias, ficaram apaixonados pelas esperando a mudança chegar...” 11
  12. 12. Mas os definitivamente rebeldes, aqueles caras ou nos tênisque se negarem a tingirem o seu perispí- importados. Enxer-rito de azul, o que acontecerá com eles? guei um exércitoAh! Existe em outro livro, que alguns espí- de meninas grávi-ritas adoram, que apresenta o “Grande das, incompetentesPlaneta Chupão”, que, com um aspirador, para lidar com asos transportará para um mundo atrasado. próprias emoções ePerderão o paraíso que espera o azulado , incapazes de educar os filhos que carregamnão conseguindo a libertação trazida pelo no ventre. Ouvi filhos gritando com os pais eexercito índigo. Enquanto isso nós, os bons, assustada percebi que os responsáveis pelamas ainda não azuis, permanecemos senta- educação desses reencarnantes não sabiamdos, não fazendo nada porque os meninos o que fazer. Encontrei nos noticiários filhosvieram para mudar; que eles façam tudo. matando seus pais ou avós. Mas onde es- Mas onde estão? Saí a procurá-los. Não tavam os índigo? Teria o “Planeta Chupão”os encontrei nos lares economicamente far- ficado confuso e conduzido o grupo espe-tos, nas mansões maravilhosas de Brasília cial para planetas primitivos? Será que o co-ou de outro Estado. Também não estavam mandante índigo teria pensado que a Terranos lares da classe média, menos ainda nas não teria mais jeito? Onde estão nossos ín-consideradas escolas boas de todo o Brasil. digos?Será que estariam na periferia? Nas fave- Continuei minha procura e encontrei crian-las? Onde estariam escondidos os nossos ças e jovens normais, muito inteligentes,jovens azuis, responsáveis pela transforma- porque vieram trabalhando as suas possibi-ção milagrosa da Terra? Não os encontrei. lidades de pensar através dos séculos, masCrianças mais desenvolvidas intelectual- com necessidades morais, exigindo amor emente do que as gerações anteriores sim, trabalho dos pais. Senti a importância damas necessitadas moralmente, deprimidas, apresentação adequada do trabalho de Je-angustiadas, rotuladas de hiperativas e ou- sus para o despertar da força interior; dastros nomes especiais, precisando urgente explicações dos livros básicos de Kardec so-da verdadeira educação, que convenciona- bre o “Orai e Vigiai” do Cristo. Sorri feliz,mos chamar de espírita, que vem já des- lembrando que o futuro será de luzes, nãode os druidas, antes de Jesus. Necessitam por milagre, nem pela presença de gruposdo despertar de consciência do Mestre de azuis ou amarelos ou vermelhos, mas pelaNazaré, do “amai o próximo como a si mes- educação exercida através do esclarecimen-mo”. to da Doutrina Espírita, na conscientização Vi crianças e jovens desesperançados, de que todos somos especiais, criados daolhos vermelhos, cambaleantes, dopados mesma forma por Deus, necessitando do es-por drogas várias, morrendo como se fos- forço próprio e da educação que dilata asem pássaros frágeis. Encontrei olhos vazios capacidade de amar, a humildade e extin-de amor, frios, cruéis, empunhando armas, gue o orgulho e o egoísmo...tentando conseguir a ferro e fogo o amorque lhes falta e que julgam estar nas roupas12
  13. 13. Rita Foelker Crianças índigo seriam mais evoluídas espiritualmente? A visão espírita e a teoria científica das inteligên- cias múltiplas tem tudo a ver. Mas a idéia das crianças índigo e cristal não fazem sentido. Quando escrevi pela primeira vez sobre os aura, indicativa de qualidades espirituais bas-“índigos”, em fevereiro de 2006 para o site da tante diferenciadas das outras crianças.Fundação Espírita André Luiz *, meu objetivo Tais qualidades seriam devidas à sua missãoera levantar alguns pontos de reflexão entre os de colaborar com a presente fase da evoluçãoespíritas, porque observava um número cres- de nosso planeta e, por esta razão, estariamcente de questões relacionadas ao tema nos reencarnando na Terra a partir da década degrupos onde comparecia para dar palestras e 70.seminários. As primeiras comunicações (ou “canaliza- Muitos pais me procuravam para falar de suas ções”) a respeito da missão dos índigos noscrianças e solucionar dúvidas. chegaram a princípio por um único médium, Na tentativa de me informar melhor sobre o Lee Carroll, nas comunicações de um único es-assunto, já que não é prudente falar de coisas pírito, Kryon. Não houve o que Herculano Piressobre as quais pouco ou nada se sabe, busquei chamou de uma “invasão organizada” dos Es-informações e notei, nos materiais pesquisados, píritos elevados, mas o trabalho isolado de umdiversas e graves incongruências em relação indivíduo que ganhou adeptos e publicidade, oaos conceitos espíritas que me acompanham que explica a multiplicidade de grupos compar-há mais de vinte anos, incongruências que tor- tilhando atualmente as mesmas idéias. Somentenavam a tese das crianças índigo, no mínimo, isto já vai de encontro ao princípio da univer-incompatível com os princípios do Espiritismo. salidade dos ensinos dos espíritos, critério que Apesar disso, temos visto o interesse entre os Kardec recomendou para se avaliar a veracida-espíritas aumentar, havendo pouco ou nenhum de do conteúdo de uma mensagem.critério doutrinário nas afirmações que se ou- Alguém, entretanto, poderia argumentar quevem em palestras promovidas por entidades es- não importa muito quem descobriu o fato daspíritas e que se lêem nos artigos e publicações crianças índigo e cristal, quem primeiro trouxeespíritas referentes aos índigos e, também, às à baila tais idéias, se encontrarmos formas dechamadas “crianças cristal”. Instituições idône- justificar tal crença dentro de critérios racionaisas que patrocinam tais eventos e publicações, e e lógicos do Espiritismo.que associam seus nomes à divulgação da tese Contudo tal justificação, com o rigor que elados índigos e cristais, talvez ignorem certos fa- exigiria, não existe. E as características e otos relevantes. comportamento observados nessas crianças, Até onde nos é dado saber, Nancy Ann Tappe descritos inclusive na obra dos próprios Carrollfoi a primeira pessoa a identificar e a escre- e Tober, os co-autores de “Indigo Children”, es-ver sobre as “crianças índigo”, denominação tão muito longe de testemunhar algum progres-que, segundo ela mesma, refere-se à cor de sua so espiritual excepcional. 13
  14. 14. O ponto de vista das inteligências múltiplas Diferente da tese dos índigos e cristais, a teo-ria das inteligências múltiplas possui credibilida-de científica e conta com mais de vinte anos depesquisas sérias. Na década de 80, Howard Gardner, psicólo- A Doutrina Espírita também nos diz que todosgo de Harvard, começou a questionar as formas possuímos os germes de todas as faculdades,de avaliar a inteligência como uma capacidade que apenas aguardam para desabrochar eminata, geral e única, dirigida à manipulação de nós, o que ocorre num processo que obedece àconceitos lógico-matemáticos e lingüísticos. Ao Lei de Evolução.acompanhar o desempenho profissional de di- Voltando à análise do comportamento dosversas pessoas, o psicólogo se surpreendeu ao índigos, notamos que eles possuem desenvol-verificar que muitos daqueles que alcançaram vimentos bastante desiguais dentro do quadrosucesso e viviam satisfatoriamente, haviam sido das inteligências múltiplas. Suas característicasalunos fracos ou medíocres, enquanto aqueles agressivas, a dificuldade de convivência e deque haviam sido estudantes aplicados e tirado compreensão do outro, as suas reações violen-boas notas nem sempre obtinham semelhante tas e gestos francamente cruéis, mostram queêxito. Questionando o tipo de avaliação feita pouco evoluíram no aspecto interpessoal, em-nas escolas, ele verificou que elas não incluíam bora possam apresentar desempenho surpre-capacidades que eram essenciais para a reali- endente em outros setores. Os impulsos auto-zação e a felicidade humanas. destrutivos com a drogadicão, revelam baixa Graças ao desenvolvimento das tecnologias auto-estima, relacionada a uma inteligência in-de investigação do cérebro, Gardner provou trapessoal ainda pouco desenvolvida.que as demais faculdades, desprezadas pela O argumento ganha força quando nos lem-escola, também são produto de processos men- bramos de que toda a doutrina do Cristo, mo-tais e passíveis de se desenvolverem. Concebeu delo máximo de evolução moral para o nossoa partir daí uma ampliação no espectro das in- planeta, era voltada ao cultivo de habilidadesteligências para abarcar habilidades musicais, intrapessoais e interpessoais: aprender a amarcinestésicas, interpessoais, intrapessoais, lógico- a si mesmo, amar o próximo, perdoar, ser hu-matemáticas, lingüístico-verbais, espaciais**, milde e compreensivo, oferecer ao ofensor aconsiderando cada uma delas uma capacidade outra face.em si mesma de resolver problemas e desenvol- O desequilíbrio emocional em muitas dessasver produtos significativos numa comunidade crianças mostra o quanto elas ainda têm de ca-ou ambiente cultural. minhar para atingir um alto grau de evolução O que me chamou a atenção, no primeiro como Espíritos – aliás, tanto quanto cada umseminário sobre inteligências múltiplas de que de nós.participei, foi a coerência destas idéias com os Seria preciso desconhecer tais implicações dapostulados da Filosofia Espírita. teoria das inteligências múltiplas, do Cristianis- Por exemplo, foi constatado que todos os se- mo e do próprio Espiritismo, para aceitar queres humanos possuem todos estes tipos de in- crianças chamadas “índigo” são espiritualmen-teligência, o que concorda perfeitamente com te superiores a qualquer outra.a concepção espírita da Lei de Igualdade. Oque cada ser possui, de fato, são diferentes * Refere-se ao texto “Crianças índigo: uma simples opi-graus de desenvolvimento para cada uma das nião”, que pode ser acessado em http://www.feal.com.inteligências. (Quer dizer que alguns têm maior br/colunistas.php?col_id=20progresso nas habilidades musicais, enquanto ** A classificação alterou-se daquela época até hoje,outros são proficientes em matemática, ou em até mesmo pela contribuição de outros pesquisadores.desenho.) Mas a concepção original de Gardner ainda persiste.14
  15. 15. Dora IncontriAlessandro Cesar Bigheto A Pedagogia Espírita e as crianças índigo “Devendo fundar a era do progresso moral, a nova geração distingue- se por uma inteligência e uma razão geralmente precoces, aliadas ao sentimento inato do bem e das crenças espiritualistas, o que constitui o sinal indubitável de um certo grau de adiantamento anterior.” Allan Kardec Cabe à Associação Brasileira de Pedagogia menius e Pestalozzi perderem as estribeiras, oEspírita se manifestar oficialmente a respeito autor Egidio Vecchio diz que a criança índigo:do tema crianças índigo, já que se trata de “Necessita da parceria de pais e professoresum assunto eminentemente pedagógico. É la- que se adaptem à sua condição atípica, emmentável que dentro da tradição pedagógica lugar de, como acontece freqüentemente, pre-espírita que temos no Brasil, desde Eurípedes tender adaptá-la a uma educação voltada aosBarsanulfo, passando por Anália Franco, Ney que não possuem os mesmos recursos de queLobo, Herculano Pires e hoje, alcançando fo- os índigo dispõem.” Ou seja, elas são tão dife-ros de movimento nacional, com cidadania rentes, que todos precisam se adaptar a elas eacadêmica, apareça em nosso meio um mo- só elas merecem ou devem ter uma educaçãodismo pedagogicamente perigoso como esse nova e diferente.das crianças índigo. Desde o século de Comenius, os grandes edu- Algumas questões são muito graves do pon- cadores vêm lutando para promover uma refor-to de vista pedagógico: em primeiro lugar, é ma completa no modo de educar, que atinja aa concepção elitista, eugenista, de classificar todos os seres humanos indistintamente e nãoos seres humanos, que fere o princípio da alguns privilegiados, que supostamente sejamigualdade entre todos. Filhos geneticamente melhores que os outros.modificados seriam superiores (fisicamente) Já se imaginou o tamanho da vaidade, daaos pais e em toda a literatura índigo, a in- prepotência e do orgulho que esse absurdoterferência educacional da família parece um educacional vai provocar nessas mentes queestorvo na vida das realezas índigo! estão chegando? Dizer a uma criança que é Segundo ponto que nos parece particu- preciso aceitar “que é um ser diferente dos ou-larmente problemático é justamente a reco- tros” cria de imediato um abismo nas relaçõesmendação de uma certa renúncia à função humanas e um soberano desprezo pelo restoeducativa dos pais e responsáveis, já que as da humanidade.crianças índigo já vêm prontas. Aliás, na teo- A proposta pode criar monstrinhos que seria original, são anjos extra-terrestres! Ora, julguem acima do bem e do mal e que não te-sabemos que todos os Espíritos que reencar- nham a mínima noção de convivência igualitá-nam na terra, mesmos o mais evoluídos (que ria com o próximo.não é o caso desse modelo apresentado por E pensar que estamos desenvolvendo seria-Lee Carrol e Jan Tober e, mais particularmen- mente uma proposta baseada em Comenius,te por Nancy Ann Tappe, de crianças que ma- Rousseau, Pestalozzi, Kardec, com inspiraçãotam, que roubam e com tendências viciosas), nos grandes educadores espíritas brasileiros,precisam de um processo educativo. e dentro do próprio movimento, ignorando É claro, que a educação deve ser amorosa, ostensivamente o esforço de se firmar uma Pe-respeitosa da personalidade reencarnante – dagogia Espírita consistente e atual, escapa-semas isso vale para toda e qualquer criança, por esse delírio pedagógico que, se aplicado,aliás, para todo e qualquer ser humano. tenderá a deformar as personalidades do futu- No livro Educando Crianças Índigo, entre ro!outras heresias pedagógicas, que fariam Co- 15
  16. 16. Diretrizes da Pedagogia Espírita:•Todas as crianças são iguais e todas são deferentes, cada qual trazendo sua bagagem milenar. Nãopodem ser classificadas em categorias. Cada criança é única.• As crianças que estão chegando podem ser mais adiantadas que as gerações passadas, mas isso fazparte do processo natural de evolução do ser humano. Esse adiantamento pode ser setorial: em algunscampos específicos, mas não se tratam de espíritos puros, que já realizaram suas potencialidades.Espíritos inteligentes podem ter graves desajustes emocionais, que precisam ser cuidados.•Todos os seres humanos precisam de educação. Educação com liberdade, amor, respeito, atividade.Mas ninguém pode se desenvolver na terra sem um processo pedagógico.• Existe a urgência de uma nova educação, que atenda aos anseios dos espíritos que estão voltando,mais sedentos de aprendizagem, mais questionadores. A Educação tradicional não serve mais noséculo XXI. Mas esta revolução pedagógica é para todos.• Toda teoria pedagógica tem de ter respaldo científico, coerência filosófica e parâmetros altamentemorais. Lidar com a mente infantil é grave responsabilidade.• Intuições, revelações e orientações do mundo espiritual para a prática pedagógica devem sersempre analisadas com muito critério e espírito crítico e os vivos da terra é que têm a responsabilidadede constituir novas propostas pedagógicas.• A Pedagogia Espírita coloca ênfase no aspecto moral da educação, pois trata-se do maior déficit dahumanidade. Precisamos desenvolver as potencialidades divinas do ser humano (de todos os sereshumanos).• A Pedagogia Espírita é necessariamente inclusiva, dirigindo-se a todas as pessoas, de todas asidades, de todas as condições, porque enxerga sempre em todas as criaturas a alma imortal, herdeirada divindade. Associação Brasileira de Pedagogia Espírita www.pedagogiaespirita.org.br pedagogiaesprita@uol.com.br 11- 4032 8515 Jornalista responsável por esta publicação: Dora Alice Colombo - MTb17.477

×