Música e
Medicina
Sarah Sella langer
MÉDICOS, MAS TAMBÉM
MÚSICOS...
Virginia Apgar
Violinista e Criadora da Escala
de Apgar
MÉDICOS, MAS TAMBÉM
MÚSICOS...
Theodor Billroth
Pianista, violinista, conselheiro
de Brahms e grande nome da
cirurgia gast...
MÉDICOS, MAS TAMBÉM
MÚSICOS...
Orquestra
Filarmônica de
MUSIMÉDICOS
Médicos
apaixonados por
música!!!!!
MÚSICA AUXILIANDO NO
DIAGNÓSTICO...
Técnica de Percussão,
parte do exame físico,
define a presença de
líquido e ar nas
cav...
MUDANDO UM
POUCO DE
ASSUNTO...
AFINAL, COMO OUVIMOS A MÚSICA ???
SOM

TÍMPANO

CÓCLEA

CÉREBRO
AFINAL, COMO OUVIMOS A
MÚSICA ???
EMOÇÃO

Amígdala

Verme Cerebelar
AFINAL, COMO OUVIMOS A
MÚSICA ???
Leitura e Acompanhamento Musical
AFINAL, COMO OUVIMOS A
MÚSICA ???
Execução Musical
MÚSICOS, O MESMO ou DIFERENTES ?
“ (...) O cérebro de um músico é
como uma orquestra em que
ações separadas são tomadas
po...
OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA

O famoso Efeito Mozart
OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA

Bebês Pré - termo
OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA

Pacientes após eventos
coronarianos
OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA

Pacientes portadores de
doença de Alzheimer
OBRIGADA!!!!!!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Medicina e música

333 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
333
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Avaliação no primeiro e quinto minuto após o nascimento. Avalia 5 critérios respiração, tônus muscular, frequência cardíaca, cor e irritabilidade reflexa.
  • Cirurgias de Gastrectomia, derivações com jejuno e duodeno...
  • Orquestra composta pelo corpo médico do hospital israelita Albert Einstein, apresentam-se com frequência em eventos filantrópicos, congressos, e concertos abertos ao público. Todos os participantes conciliam sua vida profissional com a orquestra. Foram admitidos após testes realizados pelo maestro Nazari Campos.
  • A técnica de percussão é parte do exame físico geral e consiste em avaliar a presença ou não de líquido e ar nas cavidades. O ar e o líquido apresentam uma característica timpânica, de timbre mais suave, já partes como ossos e fígado apresentam som maciço, com timbre bastante grave... Importante para auxiliar nas técnicas de drenagem de tórax e identificação de tumores.
  • Após o som ser transmitido por moléculas através do ar, ele chega ao tímpano, que se agita para dentro ou para fora, conforme a amplitude e volume do som que recebe, e também da altura desse som, isto é, se ele é grave ou agudo. Entretanto, nesse estágio, o cérebro recebe apenas uma informação incompleta, sem distinção do que o barulho realmente representa – se ele é de vozes, do vento, de máquinas etc. O resultado final, decodificado pelo cérebro, representa uma imagem mental do mundo físico, que é gerado a partir de uma longa cadeia de eventos mentais.
    O primeiro processo dessa cadeia, pode-se dizer que é a “extração de características”, quando o cérebro apenas percebe as características básicas da música, por meio das redes neurais especializadas. Nessa fase, o som é decomposto em elementos básicos como altura, timbre, localização no espaço, intensidade, entre outros. Isso ocorre nas partes periféricas do cérebro. O segundo passo ocorre nas partes superiores cerebrais, quando é preciso integrar essas informações básicas adquiridas, de forma a obter uma percepção completa.
    Daniel Levitin, neurocientista e músico, no artigo “A ilusão musical”, explica que o cérebro enfrenta três dificuldades nas fases mencionadas acima, nas quais deverá provocar alguma reação no indivíduo: “primeiro, a informação que chega aos receptores sensoriais é indiferenciada em termos de localização, fonte e identidade. Segundo, a informação sonora é ambígua: diferentes sons podem gerar padrões de ativação similares ou idênticos ao atingirem o tímpano. Terceiro, a informação sonora é incompleta”. Logo, uma das funções dessas etapas é fazer uma espécie de cálculo estimado do que está acontecendo realmente no mundo, o que permite afirmar que a percepção auditiva é um processo de inferência.
    Pode-se afirmar que a atividade musical envolve quase todas as regiões do cérebro e os subsistemas neurais. Quando uma música emociona, são ativadas estruturas que estão nas regiões instintivas do verme cerebelar (estrutura do cerebelo que modula a produção e liberação pelo tronco cerebral dos neurotransmissores dopamina e noradrenalina), e da amídala (principal área do processamento emocional no córtex) . Na leitura musical, o córtex visual é a área utilizada. O ato de acompanhar uma música é capaz de ativar o hipocampo (responsável pelas memórias) e o córtex frontal inferior. Já para a execução de músicas, são acionados os lobos frontais – o córtex motor e sensorial. 
  • Após o som ser transmitido por moléculas através do ar, ele chega ao tímpano, que se agita para dentro ou para fora, conforme a amplitude e volume do som que recebe, e também da altura desse som, isto é, se ele é grave ou agudo. Entretanto, nesse estágio, o cérebro recebe apenas uma informação incompleta, sem distinção do que o barulho realmente representa – se ele é de vozes, do vento, de máquinas etc. O resultado final, decodificado pelo cérebro, representa uma imagem mental do mundo físico, que é gerado a partir de uma longa cadeia de eventos mentais.
    O primeiro processo dessa cadeia, pode-se dizer que é a “extração de características”, quando o cérebro apenas percebe as características básicas da música, por meio das redes neurais especializadas. Nessa fase, o som é decomposto em elementos básicos como altura, timbre, localização no espaço, intensidade, entre outros. Isso ocorre nas partes periféricas do cérebro. O segundo passo ocorre nas partes superiores cerebrais, quando é preciso integrar essas informações básicas adquiridas, de forma a obter uma percepção completa.
    Daniel Levitin, neurocientista e músico, no artigo “A ilusão musical”, explica que o cérebro enfrenta três dificuldades nas fases mencionadas acima, nas quais deverá provocar alguma reação no indivíduo: “primeiro, a informação que chega aos receptores sensoriais é indiferenciada em termos de localização, fonte e identidade. Segundo, a informação sonora é ambígua: diferentes sons podem gerar padrões de ativação similares ou idênticos ao atingirem o tímpano. Terceiro, a informação sonora é incompleta”. Logo, uma das funções dessas etapas é fazer uma espécie de cálculo estimado do que está acontecendo realmente no mundo, o que permite afirmar que a percepção auditiva é um processo de inferência.
    Pode-se afirmar que a atividade musical envolve quase todas as regiões do cérebro e os subsistemas neurais. Quando uma música emociona, são ativadas estruturas que estão nas regiões instintivas do verme cerebelar (estrutura do cerebelo que modula a produção e liberação pelo tronco cerebral dos neurotransmissores dopamina e noradrenalina), e da amídala (principal área do processamento emocional no córtex) . Na leitura musical, o córtex visual é a área utilizada. O ato de acompanhar uma música é capaz de ativar o hipocampo (responsável pelas memórias) e o córtex frontal inferior. Já para a execução de músicas, são acionados os lobos frontais – o córtex motor e sensorial. 
  • Após o som ser transmitido por moléculas através do ar, ele chega ao tímpano, que se agita para dentro ou para fora, conforme a amplitude e volume do som que recebe, e também da altura desse som, isto é, se ele é grave ou agudo. Entretanto, nesse estágio, o cérebro recebe apenas uma informação incompleta, sem distinção do que o barulho realmente representa – se ele é de vozes, do vento, de máquinas etc. O resultado final, decodificado pelo cérebro, representa uma imagem mental do mundo físico, que é gerado a partir de uma longa cadeia de eventos mentais.
    O primeiro processo dessa cadeia, pode-se dizer que é a “extração de características”, quando o cérebro apenas percebe as características básicas da música, por meio das redes neurais especializadas. Nessa fase, o som é decomposto em elementos básicos como altura, timbre, localização no espaço, intensidade, entre outros. Isso ocorre nas partes periféricas do cérebro. O segundo passo ocorre nas partes superiores cerebrais, quando é preciso integrar essas informações básicas adquiridas, de forma a obter uma percepção completa.
    Daniel Levitin, neurocientista e músico, no artigo “A ilusão musical”, explica que o cérebro enfrenta três dificuldades nas fases mencionadas acima, nas quais deverá provocar alguma reação no indivíduo: “primeiro, a informação que chega aos receptores sensoriais é indiferenciada em termos de localização, fonte e identidade. Segundo, a informação sonora é ambígua: diferentes sons podem gerar padrões de ativação similares ou idênticos ao atingirem o tímpano. Terceiro, a informação sonora é incompleta”. Logo, uma das funções dessas etapas é fazer uma espécie de cálculo estimado do que está acontecendo realmente no mundo, o que permite afirmar que a percepção auditiva é um processo de inferência.
    Pode-se afirmar que a atividade musical envolve quase todas as regiões do cérebro e os subsistemas neurais. Quando uma música emociona, são ativadas estruturas que estão nas regiões instintivas do verme cerebelar (estrutura do cerebelo que modula a produção e liberação pelo tronco cerebral dos neurotransmissores dopamina e noradrenalina), e da amídala (principal área do processamento emocional no córtex) . Na leitura musical, o córtex visual é a área utilizada. O ato de acompanhar uma música é capaz de ativar o hipocampo (responsável pelas memórias) e o córtex frontal inferior. Já para a execução de músicas, são acionados os lobos frontais – o córtex motor e sensorial. 
  • Após o som ser transmitido por moléculas através do ar, ele chega ao tímpano, que se agita para dentro ou para fora, conforme a amplitude e volume do som que recebe, e também da altura desse som, isto é, se ele é grave ou agudo. Entretanto, nesse estágio, o cérebro recebe apenas uma informação incompleta, sem distinção do que o barulho realmente representa – se ele é de vozes, do vento, de máquinas etc. O resultado final, decodificado pelo cérebro, representa uma imagem mental do mundo físico, que é gerado a partir de uma longa cadeia de eventos mentais.
    O primeiro processo dessa cadeia, pode-se dizer que é a “extração de características”, quando o cérebro apenas percebe as características básicas da música, por meio das redes neurais especializadas. Nessa fase, o som é decomposto em elementos básicos como altura, timbre, localização no espaço, intensidade, entre outros. Isso ocorre nas partes periféricas do cérebro. O segundo passo ocorre nas partes superiores cerebrais, quando é preciso integrar essas informações básicas adquiridas, de forma a obter uma percepção completa.
    Daniel Levitin, neurocientista e músico, no artigo “A ilusão musical”, explica que o cérebro enfrenta três dificuldades nas fases mencionadas acima, nas quais deverá provocar alguma reação no indivíduo: “primeiro, a informação que chega aos receptores sensoriais é indiferenciada em termos de localização, fonte e identidade. Segundo, a informação sonora é ambígua: diferentes sons podem gerar padrões de ativação similares ou idênticos ao atingirem o tímpano. Terceiro, a informação sonora é incompleta”. Logo, uma das funções dessas etapas é fazer uma espécie de cálculo estimado do que está acontecendo realmente no mundo, o que permite afirmar que a percepção auditiva é um processo de inferência.
    Pode-se afirmar que a atividade musical envolve quase todas as regiões do cérebro e os subsistemas neurais. Quando uma música emociona, são ativadas estruturas que estão nas regiões instintivas do verme cerebelar (estrutura do cerebelo que modula a produção e liberação pelo tronco cerebral dos neurotransmissores dopamina e noradrenalina), e da amídala (principal área do processamento emocional no córtex) . Na leitura musical, o córtex visual é a área utilizada. O ato de acompanhar uma música é capaz de ativar o hipocampo (responsável pelas memórias) e o córtex frontal inferior. Já para a execução de músicas, são acionados os lobos frontais – o córtex motor e sensorial. 
  • The pioneering finding of Schlaug and colleagues1
    indicated that the corpus callosum
    morphology differs between professional musicians
    and nonmusicians and, further, that the
    anterior corpus callosum is significantly larger
    in those musicians who started training before
    the age of 7 years than in other musicians (see
    also Schmithorst and Wilke2 and Bengtsson
    et al.3). These observations have been attributed
    to thicker myelination of the corpus callosum
    and, consequently, suggested to underlie
    modified interhemispheric excitability in musicians.
    4 Since the mid-1990s, several investigations
    have systematically revealed gross differences
    between musicians and nonmusicians in
    several other brain regions and neural tracts as
    well. Those areas include cerebellum, several
    cortical areas (motor, auditory, and visuospatial),
    and pyramidal tracts. In the following,
    these findings will be briefly introduced.
    Cerebellar functions are of particular importance
    for developing any musical skill. Among
    other roles the cerebellum plays in human cognition,
    it is the key structure for motor programming
    and learning. It is thus not surprising
  • Medicina e música

    1. 1. Música e Medicina Sarah Sella langer
    2. 2. MÉDICOS, MAS TAMBÉM MÚSICOS... Virginia Apgar Violinista e Criadora da Escala de Apgar
    3. 3. MÉDICOS, MAS TAMBÉM MÚSICOS... Theodor Billroth Pianista, violinista, conselheiro de Brahms e grande nome da cirurgia gastroenterológica.
    4. 4. MÉDICOS, MAS TAMBÉM MÚSICOS... Orquestra Filarmônica de MUSIMÉDICOS Médicos apaixonados por música!!!!!
    5. 5. MÚSICA AUXILIANDO NO DIAGNÓSTICO... Técnica de Percussão, parte do exame físico, define a presença de líquido e ar nas cavidades. Descrita por Leopold Auenbrugger, flautista amador.
    6. 6. MUDANDO UM POUCO DE ASSUNTO...
    7. 7. AFINAL, COMO OUVIMOS A MÚSICA ??? SOM TÍMPANO CÓCLEA CÉREBRO
    8. 8. AFINAL, COMO OUVIMOS A MÚSICA ??? EMOÇÃO Amígdala Verme Cerebelar
    9. 9. AFINAL, COMO OUVIMOS A MÚSICA ??? Leitura e Acompanhamento Musical
    10. 10. AFINAL, COMO OUVIMOS A MÚSICA ??? Execução Musical
    11. 11. MÚSICOS, O MESMO ou DIFERENTES ? “ (...) O cérebro de um músico é como uma orquestra em que ações separadas são tomadas por membros diferentes, produzindo uma entidade integrada e adorável.” Mari Tervaniemi
    12. 12. OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA O famoso Efeito Mozart
    13. 13. OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA Bebês Pré - termo
    14. 14. OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA Pacientes após eventos coronarianos
    15. 15. OS BENEFÍCIOS DA MÚSICA Pacientes portadores de doença de Alzheimer
    16. 16. OBRIGADA!!!!!!

    ×