Fevereiro/Março 2013 | Ano 15 | Número 01 | Roche News
1
ANO 1 JUL•AGO•SET 2013
03medicinanuclearuma publicação da Socieda...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
2
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
3
índiceeditorial
Celso Darío Ramos
Presidente da Sociedade Brasileira ...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
4
in vivo notícias institucionais da SBMN
A Coordenação de
Aperfeiçoame...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
5
in vivonotícias institucionais da SBMN
jornadas de
radiologia
eventos...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
6
in vivo notícias institucionais da SBMN
Conselho do INCA discute
sobr...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
7
in vivonotícias institucionais da SBMN
CURSO DE PET/CT
OCORRERÁ EM NO...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
8
in vivo notícias institucionais da SBMN
Lançado em abril, o Inova Saú...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
9
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
10
in vivo notícias institucionais da SBMN
apoio aos médicos
defesa de
...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
11
in vivonotícias institucionais da SBMN
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
12
o especialista
Parceria necessária
Para o profissional, a interação ...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
13
o especialista
de oncologia. A investigação e tra-
tamento de vários...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
14
o especialista
bilidade de cirurgias menos invasi-
vas, o que causar...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
15
o especialista
nela em câncer de mama e melano-
ma por meio de radio...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
16
capacitação e mercado
UNIFORMIZAÇÃoTÉCNICA
por MARINA PANHAM
e contr...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
17
capacitação e mercado
devem ser adaptados às rotinas das
equipes téc...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
18
capacitação e mercado
Conteúdo
programático
A física médica Danielle...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
19
capacitação e mercado
As instituições
governamentais
de regulação
at...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
20
na prática
SBMN se reúne
com entidades do
setor aéreo para
que mais ...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
21
na prática
©SHUTTERSTOCK
O
por ANDERSON DIAS
Brasil oferece condiçõe...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
22
na prática
Atualmente, a única empresa aérea
que realiza o transport...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
23
na prática
riais isentos de autorização da CNEN
está disponível tamb...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
24
na prática
Umponto-chaveparaasegurançado
transportedeprodutosradiofá...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
25
na prática
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
26
C&T
vitrine
Estudo brasileiro é premiado no principal
encontro educa...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
27
C&T
Aproximadamente 5.700 congressistas puderam prestigiar
mais de 1...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
28
C&T
Gary Dillehay, à esquerda,tornou-se o novo presidente
da SNMMI d...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
29
C&T
muitas sessões focaram em terapias
inovadoras, dosimetria e efei...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
30
especial
Congressoterá
convidadosimportantes
©nanigóis•smcs
te do Co...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
31
especial
assim como todas as informações do
evento, no site www.sbmn...
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
32
especial
Capital paranaense presenciou a neve em 2013,
o que não oco...
medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013
33
especial
Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista
34
agendaexpediente
Programe-se para participar dos
principais eventos ...
Revista Medicina Nuclear - Edição nº 3
Revista Medicina Nuclear - Edição nº 3
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista Medicina Nuclear - Edição nº 3

2.908 visualizações

Publicada em

Confira a MMConex na 3ª edição da revista Medicina Nuclear!

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.908
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Medicina Nuclear - Edição nº 3

  1. 1. Fevereiro/Março 2013 | Ano 15 | Número 01 | Roche News 1 ANO 1 JUL•AGO•SET 2013 03medicinanuclearuma publicação da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear Voando AltoSBMN se reúne com autoridades para incentivar as empresas do setor aéreo a ampliarem transporte de radiofármacos capacitação SBMN realiza curso de atualização técnica para equipes multidisciplinares o especialista Oncologista fala sobre a importância da MN no diagnóstico e qualidade de vida dos pacientes
  2. 2. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 2
  3. 3. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 3 índiceeditorial Celso Darío Ramos Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear Incrementar o transporte de produtos radiofármacos é um dos fatores fundamentais para viabilizar o cres- cimento da medicina nuclear no Brasil. Isso porque dado o tamanho territorial do País, a modalidade aérea tem função estratégica na ampliação da área e é a melhor ferramenta para que os radiofármacos cheguem a todos os brasileiros que deles necessitam. A Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN) recentemente participou de uma reunião com representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) para discutir essa questão. Confira detalhes na matéria de capa desta edição. Na seção C&T há um balanço do encontro anual da Society of Nuclear Medicine and Molecular Imaging (SNMMI), que celebrou sua 60ª edição e teve a pre- miação de um estudo brasileiro. Já em Capacitação há a cobertura do 4º Curso de Atualização Técnica em Medicina Nuclear, realizado no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), para atualizar a padronização do trabalho da equipe multidisciplinar da medicina nuclear conforme a RDC nº 38/2008. Entrevistamos o oncologista João Nunes, que relata a importância da medicina nuclear na oncologia e como a inclusão dos exames PET/CT no SUS é fundamental para proporcionar qualidade de vida aos pacientes. Além disso, ele destaca que os profissionais da área estão preparados para lidar com essa tecnologia. E para finalizar, no Especial você pode conferir matéria sobre os preparativos do 27º Congresso Brasileiro de Medicina Nuclear. Tenha uma excelente leitura! Medicina nuclear sem fronteiras Veja a versão digital no site www.sbmn.org.br SBMN se reúne com as entidades do setor para aumentar o transporte aéreo de radiofármacos no País 20 in vivo Notícias institucionais da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear4 o especialista João Nunes expõe sobre interação entre medicina nuclear e tecnologia12 CAPACITAÇÃO E MERCADO Curso de atualização para padronizar o trabalho da especialidade16 C & T Encontro anual da Society of Nuclear Medicine and Molecular Imaging26 ESPECIAL Confira detalhes do 27º Congresso Brasileiro de Medicina Nuclear30 agenda Programe-se para participar dos principais eventos do setor34
  4. 4. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 4 in vivo notícias institucionais da SBMN A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), com apoio da Eletrobras Eletronuclear, concederá bolsas de estu- do a programas de pós- -graduação, em institui- ções públicas ou privadas, que tenham cursos na área nuclear. Ao todo serão 60 oportunidades, sendo ofe- recidas 35 bolsas de mes- trado no País com duração máxima de dois anos no valor de R$ 1.350, 15 bolsas de doutorado com duração de até quatro anos, com previsão de doutorado- -sanduíche no exterior, no valor de R$ 2 mil, e 10 bol- sas de pós-doutorado no Capes concede bolsas a cursos de área nuclear pós-graduação País com duração máxima de dois anos no valor de R$ 3.700. Foram seleciona- dos sete projetos de uni- versidades e institutos de pesquisa de todo o País. Temas como materiais para aplicações nucleares e combustíveis nucleares com taxa de queima ele- vada estão entre os assuntos da pesquisa. O objetivo da iniciativa é apoiar a formação de recur- sos humanos voltados ao setor nuclear para atuarem em projetos de pesquisa e desenvolvimento científi- co, tecnológico e de inova- ção e também em núcleos de inovação e transferência de tecnologia. foram selecionados sete projetos de universidades e institutos de pesquisa de todo o país ©shutterstock SBMN realiza reunião sobre rol de procedimentos da ANS encontro Representando a SBMN, o presi- dente Celso Darío Ramos, Juliano Cerci e Cláudio Tinoco participaram de reuniões com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sobre a inclusão de novas indicações para PET-Scan oncológi- co. Os encontros ocorreram nos dias 7 e 23 de maio, respectivamen- te nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Após muitos debates, foi definido o texto com a proposta das inclusões que foram posterior- mente colocadas em consulta pública. Nelas estão incluídas novas indicações em situações clí- nicas específicas dos cânceres de cólon, mama, cabeça e pescoço (inclusive com primário desconhe- cido), melanoma, esôfago e nódulo pulmonar solitário. A inclusão de uma diretriz para a indicação de cintilografia do miocárdio também foi colocada em consulta pública após intensos debates para apri- morá-la “A ampliação do rol de pro- cedimentos da ANS é um fato posi- tivo, que mostra a importância da articulação da SBMN com outras sociedades e o governo federal. Quase triplicar o número de proce- dimentos cobertos será um grande feito”, relata Cerci.
  5. 5. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 5 in vivonotícias institucionais da SBMN jornadas de radiologia eventos regionais Nos dias 30 e 31 de agosto, ocorreu em Goiânia (GO) a 5ª Jornada Goiana de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, organizada pela Sociedade Goiana de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (SGOR). Já a 12ª Jornada Gaúcha de Radiologia foi realizada em Porto Alegre (RS) no final de junho. O evento abordou os seguintes temas: imagem na oncologia, radiologia geral, mamografia, ultrassonografia, tomo- grafia computadorizada, ressonância magnética, medicina nuclear, gestão em radiologia, simpósio de enferma- gem em radiologia e informática apli- cada ao diagnóstico por imagem. Já entre 14 e 16 de junho, a cidade de Fortaleza (CE) recebeu a 4ª Jornada Cearense de Radiologia, promovida pela Sociedade Cearense de Radiologia (Soceara). Os módulos ©shutterstock seletiva guiada (linfonodo sentinela) em oncologia no Sistema Único de Saúde (SUS). De acordo com justificativa da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia (Conitec) no SUS, o linfonodo sentine- la é o primeiro linfonodo a receber a drenagem linfá- tica do tumor primário, sendo assim considerado o primeiro a receber célu- las metastáticas. De acor- do com o documento, “a pesquisa de linfonodo sentinela é multidiscipli- Procedimento é incorporado ao SUS linfonodo sentinela nar”, na medida em que envolve médicos nucleares, cirurgiões oncológicos, mastolo- gistas, ginecologistas, cirurgiões de cabeça e pescoço, além de radiologistas, patologistas. No dia 13 de junho de 2013, foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria nº 28, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos sobre a deci- são de incorporar o proce- dimento linfadenectomia foram divididos em neurorradiologia, ultrassonografia geral e doppler, oncologia e ultrassonografia em gineco- logia e obstetrícia e medicina fetal. Todos os eventos tiveram o apoio do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR). sociedades de radiologia Realizaram diversos eventos
  6. 6. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 6 in vivo notícias institucionais da SBMN Conselho do INCA discute sobre o PET/CT no SUS inca Em agosto, o Conselho Consultivo do Instituto Nacional de Câncer (Inca), presidido por Luiz Antonio Santini, diretor-geral do órgão, promoveu reunião sobre a inclusão do PET/CT no Sistema Único de Saúde (SUS) com represen- tantes de hospitais de sociedades médicas, como a de oncologia clínica, e gestores do SUS. Durante o encontro, o vice-presidente da SBMN, Claudio Tinoco Mesquita, apresentou proposição de incorporação do PET/CT na lista de procedi- mentos de diagnóstico em câncer do SUS; Ricardo Guterres, da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), apresentou dados que mostram a presença de equipamentos em quase todos os estados brasileiros e de cíclotrons em quantidade suficiente para suprir a demanda, e o chefe do setor de medicina nuclear do Inca, Michel Carneiro, mostrou dados que atestam a importância do PET/CT na prática clínica e de sua utilização favo- rável em pacientes do SUS. Na ocasião, foi discuti- da a importância da cobertura nacional do exame, tendo em vista sua dinâmica e a necessidade de regulação do Ministério da Saúde para a utilização racional dos procedimentos. Após o encontro, o Conselho decidiu encaminhar comunicado oficial à Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) do Ministério da Saúde para subsidiar a próxima discussão de incorporação de tecnologia. Santini encaminhará comunicado oficial à CONITEC sobre a importância do PET/CT no SUS ©elzafiúza•Reprodução ©portaldasaúde•divulgação No dia 10 de julho de 2013, no Ministério da Saúde (MS) em Brasília, o presidente da SBMN, Celso Darío Ramos, e os representantes da Sociedade Cláudio Tinoco Mesquita e Juliano Cerci, reuniram-se com a dire- tora da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) do MS, Clarice Petramale, e com a secretária-executiva do órgão Ana Claudia S. Murahovschi, para discutir a importância da implementação dos exames PET/CT no SUS. Na ocasião, os argumentos foram bem aceitos pela Conitec e uma nova participação da Sociedade ocorreu na reunião plenária da Comissão, em 4 de setembro, tam- bém com a presença de representan- tes do IPEN e CNEN. Aparentemente os membros da Conitec entenderam que não faz sentido deixar de oferecer o procedimento aos pacientes do SUS. Sociedade se reúne com a Conitec pet/ct no sus
  7. 7. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 7 in vivonotícias institucionais da SBMN CURSO DE PET/CT OCORRERÁ EM NOVEMBRO, NO RIO DE JANEIRO participação internacional Em novembro, o pro- fessor e diretor do Departamento de Medicina Nuclear do Zurich University Hospital, Gustav von Schulthess, ministrará cursos de PET/CT e ima- gem híbrida avançada. Cada módulo terá a dura- ção de uma semana, com conteúdo teórico e práti- co. O aluno poderá optar entre o módulo geral, o avançado ou ambos. Nas três primeiras semanas de novembro haverá o módulo geral e o aluno poderá escolher em qual semana deseja fazer, na dependência de vaga. A última semana será do módulo avançado. Haverá 12 alunos para a parte prática, e serão seis estações de trabalho, com dois alunos em cada. Informações e inscrições no site www.cdpi.com.br. regional rio de janeiro promove encontro científico sementes radioativas No dia 13 de agosto, a Regional Rio de Janeiro da SBMN promoveu encontro sobre o Uso de Sementes Radioativas de Iodo-125 na Marcação de Lesões Impalpáveis da Mama para Cirurgia Radioguiada (Roll-Snoll). O evento, que ocorreu no Colégio Brasileiro de Cirurgiões, contou com os pales- trantes Lea Miriam Barbosa Fonseca, médica nuclear, Mauricio Magalhães Costa, mastologista, e Antonio Belmiro Campbell Penna, radioterapeuta. Se você tem interesse em receber a Medicina Nuclear em revista gratuitamente e em sua casa, entre em contato com a secretaria da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN) pelo e-mail sbmn@sbmn.org.br, informando seu nome e endereço completo. medicina nuclear em revista na sua casa ©reprodução Em novembro ocorrerão cursos de PET/CT e imagem híbrida avançada no RJ ©shutterstock
  8. 8. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 8 in vivo notícias institucionais da SBMN Lançado em abril, o Inova Saúde – Equipamentos Médicos encerrou sua fase de inscrições com uma demanda de R$ 1,3 bilhão. Denominado Plano de Apoio à Inovação Tecnológica no Setor de Equipamentos Médicos e Tecnologias para Saúde, o programa foi lançado pela Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pelo Ministério da Saúde para apoiar projetos de inovação no setor de equipamentos médicos e tecnologias para saúde. O principal objeti- vo do programa é coordenar as ações de fomento à inovação na área de saúde, inte- grando os instrumentos de apoio disponibili- zados pelas três instituições. O programa Inova Saúde - Equipamentos Médicos parceria conta com quatro linhas temáticas: diag- nóstico in vitro e por imagem, dispositi- vos implantáveis, equipamentos eletro- médicos e odontológicos e tecnologias da informação e comunicação para saúde. Dentre essas, a que recebeu a maior demanda de empresas com interesse em desenvolver projetos de inovação foi a de tecnologia, com 70 solicitações. A partir da apresentação do plano de negócios, serão indicados os instrumentos finan- ceiros mais adequados para cada propos- ta, que poderá ser financiamento, partici- pação acionária, apoio não reembolsável ou a combinação desses instrumentos. O Inova Saúde – equipamentos médicos foi lançado pela Finep, BNDES e Ministério da Saúde ©JuliaMoraes•Fiesp
  9. 9. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 9
  10. 10. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 10 in vivo notícias institucionais da SBMN apoio aos médicos defesa de saúde pública No dia 3 de julho, a SBMN se juntou à Associação Paulista de Medicina (APM), ao Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp), à Academia de Medicina de São Paulo e aos sin- dicatos de médicos em uma manifestação nacional, repu- diando a intenção anunciada pelo governo federal de trazer ao Brasil milhares de médicos do exterior sem passar pelo REVALIDA. Após o encontro, os representantes das entidades médicas protocolaram uma carta em defesa da saúde pública, dirigida à presidente Dilma Rousseff e entregue na repre- sentação da Presidência da República na capital paulista. A SBMN denuncia, também, a enorme falta de médicos nuclea- res no Brasil e o fato de a medici- na nuclear ser praticamente ine- xistente em extensas regiões do norte, nordeste e centro-oeste do Brasil e, inclusive, na vasta maioria das universidades federais de todo o País. “Aparentemente há preconceito do Ministério da Saúde em rela- ção à medicina nuclear em geral e ao PET/CT em particular, que, às vezes, parecem ser considera- dos supérfluos. O conceito é totalmente infundado e perigoso para o País”, relata o presidente da SBMN, Celso Darío Ramos. ©ValterCampanato•ABr 1º Simpósio Brasileiro sobre Regulamentação de Radiofármacos registro no brasil Na sede da Anvisa, em Brasília, no dia 14 de agosto, ocorreu o 1º Simpósio Brasileiro sobre Regulamentação de Radiofármacos, organizado pela SBMN. Participaram do evento representantes de todos os produtores de radiofármacos que atuam ou pretendem trabalhar no Brasil: Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), universidades, produtores privados nacionais e indústria internacional. O tema principal foi o registro de radiofárma- cos no País e o evento foi considerado por todos um grande sucesso. Ipen realiza curso sobre fundamentos de radiofarmácia produção de radioisótopos O Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) realizou, nos dias 19 e 20 de agosto, por meio de seu Centro de Radiofarmácia (CR), o curso teórico e prá- tico sobre produção de radioisótopos, radiofármacos e controle de qualidade. O curso destinou-se a profissionais da área de medicina nuclear: farmacêuticos, químicos, biomédicos, tecnólogos, físi- cos, residentes atuantes ou já formados. ©tomazsilva•ABr
  11. 11. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 11 in vivonotícias institucionais da SBMN
  12. 12. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 12 o especialista Parceria necessária Para o profissional, a interação entre a medicina nuclear e a oncologia é fundamental para melhorar a qualidade de vida dos pacientes por samantha cerquetani Nascido na Bahia, no ano de 1969, o oncologista João Nunes de Matos Neto decidiu ser médico ainda na infância, época em que mudou-se para Brasília. Formado pela Universidade de Brasília (UnB) em 1995, se especializou em oncologia na mesma instituição, é membro titular da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), da Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC) e da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM). Ele faz parte ainda da American Society Of Clinical Oncology (ASCO) e da European Society of Medical Oncology (ESMO), e atualmente rea- liza doutorado em biologia molecu- lar na UnB. Em entrevista exclusiva à Medicina Nuclear em revista, o espe- cialista relata o papel importante que a Medicina Nuclear atualmente desempenha, juntamente com a área oncológica, e os benefícios que ela proporciona, como os exames de PET/CT, àqueles que necessitam desse tipo de tratamento. Em 2011, quando ainda era presi- dente da SBC, o especialista partici- pou de audiências públicas promo- vidas pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, para que ocorresse a inclusão desses exames na tabela unificada do Sistema Único de Saúde (SUS). O oncologista reforça que os médicos brasileiros estão bastante preparados para utilizar esse tipo de procedimento para combater o câncer. Para ele, são diversas as vantagens que a tecnolo- gia pode oferecer aos pacientes, sen- do fundamental na melhora da qua- lidade de vida de muitas pessoas. Afirma também que já passou do momento de o Brasil aderir a essa tecnologia nas redes públicas. Entretanto, o profissional revela que o custo elevado ainda é um fator limitante para seu uso por aqui e, quanto mais pacientes realizarem os exames, mais baratos eles se torna- rão. Confira a seguir esses e outros temas que o oncologista baiano aborda nesta edição. Atualmente qual é a importância da medicina nuclear na oncologia? A medicina nuclear nos dias de hoje tem papel de destaque na área
  13. 13. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 13 o especialista de oncologia. A investigação e tra- tamento de vários tumores atual- mente passam necessariamente pela avaliação de um médico nuclear. Seu papel vai desde o estadiamento e acompanhamento transoperatório com cirurgias radioguiadas, até o tratamento definitivo de alguns tumores. Sendo assim, sua relevância é fun- damental para o tratamento de câncer. Qualquer oncologista com acesso a imagens de PET e, princi- palmente, de PET/CT, rapidamen- te reconhece o quanto o método facilita e acelera as decisões clíni- cas no tratamento e acompanha- mento do paciente com câncer. Quais vantagens essa tecnologia pode oferecer aos pacientes com câncer? Diversas. Os exames podem pro- porcionar um diagnóstico mais preciso, evitando assim tratamen- tos desnecessários, criando possi- As pesquisas na área provam a importância de como iniciativas locais podemtrazer benefícios, tanto no diagnóstico mais preciso como notratamento ©arquivopessoal
  14. 14. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 14 o especialista bilidade de cirurgias menos invasi- vas, o que causará uma melhor recuperação ao paciente e controle local e sistêmico de alguns tumo- res. Além disso, é possível avaliar se há suspeita de malignidade, o grau da doença, o estadiamento inicial, a avaliação precoce da res- posta a tratamentos, biópsias podem ser evitadas ou mais corre- tamente direcionadas e recidivas podem ser mais precisamente detectadas, aumentando as chan- ces de cura ou de aumento da sobrevida do paciente. O que acha da inclusão dos exames PET/CT na tabela do SUS? Os exames PET/CT trouxeram e continuam trazendo algumas mudanças importantes no dia a dia da oncologia, mudando muito a qualidade de vida dos pacientes com câncer. É inegável que é uma ferramenta fundamental para alguns cenários clínicos, em que estratégias de tratamento impor- tantes podem ser mudadas, sendo essa mudança motivada pelo uso desse tipo de exame. Devido ao grande volume de pacientes aten- didos na rede pública por meio do Quais são os exames nucleares mais indicados para a oncologia? Todos os exames de medicina nuclear utilizam moléculas ligadas a substâncias que emitem radiação. A molécula pode ter afinidade por uma parte do corpo ou por determi- nada célula, por onde ela vai se ligar. Quando ocorre a ligação, há uma concentração dessa molécula no sítio da ligação. Como essa molécula está ligada a uma substância que emite radiação, há uma concentra- ção de radiação no local. Existem máquinas que podem captar essa radiação e revelar em que local do corpo a radiação se concentrou, per- mitindo, assim, diagnósticos e trata- mentos direcionados. Temos vários exemplos de exames que utilizam tal princípio, como o PET/CT, a cintilografia óssea, a identificação de linfonodo senti- Sistema Único de Saúde (SUS), o uso dessa tecnologia terá impor- tância avassaladora. Porém, como todo procedimento novo, deve ser utilizada com critérios técnicos para que não haja uso desnecessá- rio. Mas um bom uso proporciona- rá, a médio e longo prazos, dimi- nuição no custeio do sistema como um todo. Lembrando que o PET/CT pode ser utilizado em cânceres de pulmão e intestino grosso e linfo- mas. Entretanto, quando bem indi- cado após avaliação médica preci- sa, vários outros tumores, em cenários clínicos específicos, têm um grande potencial de benefício do uso desse exame. ©shutterstock para o especialista, o PET/CT é fundamental para tratamento do câncer
  15. 15. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 15 o especialista nela em câncer de mama e melano- ma por meio de radiotraçadores, entre outros.  Como andam as pesquisas de radio- fármacos no Brasil? Durante algum tempo, em parte devido ao acidente com o césio em Goiânia, que, aliás, não teve nenhuma relação com a medicina nuclear, os investimentos na pro- dução de radiofármacos no Brasil ficaram parcialmente inibidos, o que freou as pesquisas no setor. Com a regulamentação e liberação de exploração do setor pela indús- tria e iniciativa privada, a necessi- dade de conhecimento de produ- ção ficou clara. As pesquisas na área provam a importância de como iniciativas locais podem tra- zer benefícios, tanto no diagnósti- co mais preciso como no tratamen- to tão efetivo quanto outros méto- dos, mas menos tóxico.   Como avalia a evolução da medici- na nuclear brasileira? Acredito que estamos muito bem posicionados em âmbito mundial. Temos recursos humanos bem qualificados e estrutura de atendi- mento privada com uma rede de alto padrão técnico. Vejo, porém, dois grandes gargalos: o paciente usuário do SUS tem enorme difi- culdade de acesso à medicina nuclear e a produção industrial de radiofármacos ainda é muito tími- da quando comparada a outros países com perfil econômico seme- lhante ao Brasil.   A interação com outras especialida- des pode ser favorável? Sem dúvida. Um serviço de onco- logia que pretenda fazer um aten- dimento de bom padrão necessita ter uma interface intensa com a medicina nuclear. Atuar hoje em oncologia sem um forte apoio da medicina nuclear é temerário. Cada dia mais presenciamos entre os oncologistas um aumento de interesse pela medicina nuclear e imagem molecular.   Quais dificuldades os especialistas da área de oncologia enfrentam no Brasil para usar as modernas tec- Um serviço de oncologia que pretenda fazer um atendimento de bom padrão necessitater uma interface intensa com a medicina nuclear nologias oferecidas pela medicina nuclear e imagem molecular? Além do processo lento da absor- ção de novos conceitos tecnológi- cos pelas instâncias regulatórias nacionais, o custo ainda é o grande fator limitante para seu uso. Talvez a desoneração de impostos e taxas, com diminuição do custo agregado, fosse uma estratégia interessante e que traria a possibi- lidade de maior acesso da popula- ção, desde que tal diminuição de custo gerasse preço menor do exa- me para o consumidor final.
  16. 16. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 16 capacitação e mercado UNIFORMIZAÇÃoTÉCNICA por MARINA PANHAM e controle de qualidade do calibra- dor de dose, gama-câmara e PET/CT e indicadores para gestão da qualidade. Ao longo dos quatro cursos, as palestras foram conduzidas por especialistas de várias regiões do País, sob a coordenação de Solange Amorim Nogueira, do Departamento de Biomédicos e Tecnólogos e membro do Comitê Científico da SBMN. Ela explica que o conteúdo dos cursos abrange a RDC nº 38/2008, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que estabelece novos requisitos e parâmetros de controle sanitário para o funcionamento de serviços de medicina nuclear. Estes SBMN promove curso de atualização para padronizar o trabalho da equipe multidisciplinar da medicina nuclear conforme a RDC nº 38/2008 O 4º Curso de Atualização Técnica em Medicina Nuclear, realizado no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), nos dias 27 e 28 de julho de 2013, encerrou o ciclo de ati- vidades em prol da atualização da equipe técnica de medicina nuclear conforme as normas estabelecidas pela RDC nº 38/2008. Com o apoio da MMC – Logística e Embalagens para a Saúde –, aproximadamente 25 biomédicos, tecnólogos, físicos, farmacêuticos, biólogos e outros profissionais de áreas correlatas à medicina nuclear, revisaram funda- mentos de radiofarmácia, cuidados na marcação e controle de qualidade dos kits, proteção radiológica e ações de contenção, instrumentação ©rspress•divulgação
  17. 17. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 17 capacitação e mercado devem ser adaptados às rotinas das equipes técnicas em benefício da saúde dos pacientes e dos próprios profissionais envolvidos. Como a equipe técnica é multi- profissional e a base de formação de cada profissional é muito diferente, a coordenadora enfatiza que além de promover atualização, a SBMN pro- curou uniformizar e adaptar o tra- balho das equipes técnicas de acor- do com as novas normas. “Buscamos contemplar na progra- mação o que toda equipe técnica necessita saber sobre a RDC nº 38/2008”, elucida. A biomédica destaca que a ini- ciativa visa reforçar a importância da gestão da qualidade e da segu- rança no serviço e aproximar a equi- pe técnica do corpo clínico. “Os pro- fissionais que atuam nos serviços de medicina nuclear precisam ter uma boa noção de radioproteção e segu- rança”, afirma. Antes dessa RDC, Solange conta que as normas para proteção radiológica eram estipula- das pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e contem- plavam controle de qualidade de dosimetrias e de equipamentos, mas nada se falava sobre kits. Responsável pela abertura do curso, o 1º secretário da SBMN, George Barberio Coura Filho, consi- dera a RDC uma das mudanças mais relevantes para a medicina nuclear nos últimos anos. Segundo ele, as instituições governamentais de regulação, como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a CNEN, atualizam as normas regu- larmente e a SBMN se prontifica a promover cursos de atualização para acompanhar a evolução da especialidade. “Os profissionais que já trabalham com medicina nuclear e os que vão se inserir no mercado de trabalho devem se atualizar periodicamente, para que possam prestar o melhor ser- viço possível de acordo com a legislação vigente”, afirma. Solange revela que a temática do próximo ciclo de cursos de atualiza- ção técnica promovidos pela SBMN será sobre os exames PET/CT. “Como os participantes são multi- plicadores, a ideia é sempre trazer- mos coisas novas para a equipe téc- nica, para disseminarmos o conhe- cimento em medicina nuclear o máximo possível”, explica. As informações sobre data, local e programação científica do 1º Curso de Atualização em PET/CT para a Equipe Multiprofissional serão divul- gadas em breve no site da entidade. Acompanhe: www.sbmn.org.br. Aproximadamente 25 pessoas, entre biomédicos,tecnólogos, físicos, farmacêuticos, biólogos e outros profissionais de áreas correlatas à medicina nuclear, participaram do curso ©rspress•divulgação
  18. 18. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 18 capacitação e mercado Conteúdo programático A física médica Danielle Wiecek inaugurou a programação da quarta edição do curso com palestra sobre Proteção Radiológica, Monitoração, Limpeza e Ações de Contingência. Na ocasião, ela destacou a importância da monitoração diária pessoal, de área e de superfície para a proteção radiológica, e deu dicas de desconta- minação aos participantes. Ao iden- tificar a contaminação, a física médica relatou que o próprio profis- sional deve isolar a área e efetuar a limpeza e descontaminação do local. “Para evitar a disseminação da con- taminação, o resíduo deve ser enxu- gado imediatamente com material absorvente em um movimento pon- tual”, explicou. Em situações de alta exposição, Daniela indicou que toda a equipe do serviço de medicina nuclear seja prontamente avisada. Ainda de acordo com ela, qualquer ocorrência de contaminação deve ser devidamente registrada no prontuário do serviço. Em seguida, a farmacêutica Marcela Forli Catanoso conduziu a palestra Fundamentos de Radiofarmácia - Gerador de Tc99m, Marcação dos Kits e Controles de Qualidade. Ela discorreu sobre a marcação e os controles de qualida- de do gerador de tecnécio e dos kits que passaram a ser exigidos após a RDC nº 38/2008. Na palestra Artefatos de Imagem Relacionados à Marcação dos Radiofármacos, a biomédica Ivani Bortoleti Melo apresentou alguns Númerototal e distribuição por estado dos participantes nas 4 edições do Curso 3 3 2 1 2 5 7 2 92 10 26 2 1 1 3 4 4 63 58 25 24 1o curso 2o curso 3o curso 4o curso 170PARTICIPANTES fonte: sbmn
  19. 19. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 19 capacitação e mercado As instituições governamentais de regulação atualizam as normas com frequência, e a SBMN se prontifica a promover cursos de atualização para acompanhar a evolução da especialidade tipos de artefatos que podem surgir em uma imagem cintilo- gráfica caso haja algum proble- ma relacionado à marcação dos radiofármacos. Na apresenta- ção, ela enfatizou a importância de o profissional que atua em serviços de medicina nuclear ter ciência sobre a distribuição do radiofármaco no corpo do paciente para saber identificar os artefatos. A especialista em radiofarmácia Marycel Figols abordou os fundamentos da Garantia da Qualidade na Medicina Nuclear - RDC 38 e revisou alguns conceitos da radiofarmácia e suas divisões. Diretamente de Salvador (BA), o físico especialista em medicina nuclear Daniel Coiro da Silva conduziu a palestra Instrumentação e Controle de Qualidade - Gama Câmara e Calibrador de Dose. Segundo ele, o primeiro controle de qualida- de em medicina nuclear é a mar- cação. “Quando o paciente pro- cura um serviço de medicina nuclear com um pedido de cinti- lografia miocárdica, ele está te entregando, direta ou indireta- mente, o que tem de mais importante: sua vida”, expôs. Coiro advertiu que se a marca- ção for errada, pode gerar arte- fatos capazes de comprometer o tratamento do paciente. “Físicos, tecnólogos, farmacêu- ticos, biomédicos e médicos têm um compromisso social com a vida, então eles têm que cum- prir esse papel da melhor maneira possível”, afirmou. Já o físico médico Renato Dimenstein discorreu sobre con- ceitos de controle de qualidade de PET/CT durante a palestra Instrumentação e Controle de Qualidade - PET/CT. O especia- lista abordou as bases físicas de CT e de PET-Scan simultanea- mente e enfatizou que poucos tecnólogos, biomédicos, médi- cos, físicos e outros profissionais que atuam em serviços de medicina nuclear entendem de PET-Scan ou de CT. Na palestra sobre Aquisição de Imagens – Estáticas, Dinâmicas, SPECT e PET, o biomédico Sildomar Cardoso de Lima dis- correu sobre os princípios e as técnicas de aquisição de imagens estáticas, dinâmicas e tomográfi- cas. O médico Guilherme de Carvalho Campos Neto apresen- tou as Noções de Processamento de Imagem e Solange finalizou a programação com palestra sobre Gestão da Qualidade – Notificação, Investigação e Eventos Adversos. Para balizar o aproveitamen- to do curso, Solange explica que foram aplicadas duas avaliações. No início, os participantes tive- ram 20 minutos para responder a um teste com questões relacio- nadas à programação. Ao final, responderam às mesmas per- guntas do exame inicial e a orga- nização conseguiu assim avaliar o conhecimento absorvido durante a atualização. George Barberio Coura Filho, 1º secretário da SBMN
  20. 20. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 20 na prática SBMN se reúne com entidades do setor aéreo para que mais empresas ofereçam o serviço de transporte de radiofármacos no País MEDICINA NUCLEAR busca vOos mais altos
  21. 21. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 21 na prática ©SHUTTERSTOCK O por ANDERSON DIAS Brasil oferece condições para o crescimento da área de medicina nuclear, mas para que a especialidade consiga se desenvolver, um ponto crucial é o transporte de produtos radiofármacos. Isso porque, dada a extensão continental do País, a modalidade aérea tem função estratégica. E é exatamente esse ponto que evidencia uma das reivindicações da atual direção da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN).
  22. 22. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 22 na prática Atualmente, a única empresa aérea que realiza o transporte de radiofár- macos plenamente no País é a TAM. A Avianca também passou recentemente a oferecer alguns voos para a modali- dade, mas em menor escala. Para incentivar a discussão em busca da ampliação da malha aérea para o atendimento neste tipo de transporte, o presidente da SBMN, Celso Darío Ramos, esteve no Rio de Janeiro (RJ) para uma reunião com representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e da Comissão Nacional de Agência Nuclear (CNEN). “Fomos bem rece- bidos pela Anac. A instituição nos explicou o que diz a legislação sobre esse tipo de transporte. Fomos informados, por exemplo, de que as regras nesse contexto são interna- cionais e não podem ser nacionali- zadas”, explica Ramos. Esse conjun- to de leis é aplicado e organizado de acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). A legislação internacional deter- mina, inclusive, os tipos específicos de aeronave que podem trafegar com radiofármacos, o que proporciona dificuldades para as empresas nacio- nais e internacionais. Uma das razões citadas pelo presidente para incenti- var a entrada de novas empresas nes- se ramo é a maior oferta e variedade de voos. Ramos reforça que se mais empresas oferecessem o transporte, seria possível que os compradores pudessem contar com melhores opções de horários, valores e comodi- dade. Vale lembrar que Fortaleza (CE), Aracaju (SE), Maringá (PR), Goiânia (GO) e Uberlândia (MG) são alguns dos exemplos de municípios com grande população sem produção de material nuclear. O especialista conta que nem sempre as empresas optam pelo voo com preço mais acessível. Um dos fatores mais importantes é o horário em que o produto estará no laborató- rio ou onde quer que seja seu destino. “Alguns medicamentos têm vida útil de duas horas. De nada adianta esse material chegar ao comprador no fim da tarde, por exemplo.” A demanda é um dos pontos que justificaria o ingresso de mais empresas aéreas para o transporte de radiofármacos. “Temos cada vez mais laboratórios, hospitais e demais interessados em contar com esses produtos. Certamente, mais opções teriam encomendas suficien- tes para ocupar esse trabalho”, diz. Pela Anac, o superintendente de segurança operacional, Airton Scheffer, cita uma facilitação especí- fica aos materiais radiofármacos: “Ficam isentos de autorização da CNEN os materiais radioativos para uso médico definidos pela Anac em conjunto com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”. Entre as determinações previstas em lei, ele relata que esses materiais deverão ter prioridade sobre as bagagens e demais cargas preparadas para o embarque. A lista completa de mate- À direita,Tam é a empresa responsável pela maioria absoluta de voos com radiofármacos no Brasil E, na página ao lado, Embalagens destes produtos recebem atenção especial ©TAM•DIVULGAÇÃO
  23. 23. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 23 na prática riais isentos de autorização da CNEN está disponível também no site da Anac (www.anac.gov.br). Detalhes e riscos As regras, determinações e especifi- cidades para o transporte de mate- riais nucleares é rígida e nem sempre diferenciam os materiais de elevada radiatividade e risco, como os usados em radioterapia e na indústria, daqueles de baixa radioatividade e risco mínimo, como os utilizados em medicina nuclear. Por isso, qualquer tipo de acidente com esses produtos é considerado como potencialmente grave, com risco de ser fatal. Por con- ta dessa responsabilidade, a CNEN criou, em 2012, o Serviço de Avaliação de Segurança no Transporte de Materiais Radioativos (SASTR), chefiado por Natanael de Carvalho Bruno. O especialista con- firma que são necessários cuidados extremos para transporte e manu- seio em geral de materiais nucleares. De acordo com Bruno, existe até uma limitação de material a ser transportado por cada embalagem, pensando sempre no pior cenário possível – o rompimento das emba- lagens – o que liberaria o conteúdo radioativo e provocaria contamina- ção de pessoas e do meio ambiente. Existem determinações específi- cas para cada tipo de transporte (aéreo, terrestre ou marítimo), defi- nidas pelas agências reguladoras, que são a Anac, Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e Diretoria de Portos e Costas (DPC), da Marinha. “Os regulamentos des- sas instituições exigem também que as embalagens sejam testadas para demonstrar sua capacidade em resistir às condições adversas que podem ocorrer durante o transpor- te”, pontua Bruno. As empresas aéreas que tiverem interesse em oferecer esse tipo de serviço, de acordo com o diretor da CNEN, devem cumprir todas as exi- gências previstas no Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC) nº 175. A legislação completa pode ser conferida no site da Anac. “Ao cumprir esses requisitos, a empresa se habilita a obter da Anac a homologação para transportar cargas perigosas - entre elas, os materiais radioativos”, explica Bruno. Vale lembrar que ao cumprir a legislação, as corporações aéreas estarão aptas a transportar qual- quer tipo de material radioativo, incluindo os radiofármacos. Bruno concordou com o presiden- te da SBMN sobre a alta da demanda no transporte de radiofármacos. “A razão principal é o significativo aumento de serviços de exames não todas as exigências para este tipo de transporte estão previstas no serviço de avaliação de materiais radioativos da cnen ©MMCONEX•DIVULGAÇÃO
  24. 24. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 24 na prática Umponto-chaveparaasegurançado transportedeprodutosradiofárma- coséaembalagemdomaterial.“A matéria-primaescolhidadeveser cadavezmaisresistenteaosimpac- tos,quedasedeslocamentosperti- nentesaoprocesso.Atualmenteo maiordesafioduranteumtransporte terrestresãoascondiçõesnasvias, quedificultamaindamaisotrabalho dastransportadoras”,esclarecea gerentecomercialdaMMComex, especializadanaproduçãodessetipo deembalagem,GiovanaGallo.Ela explicaaindaqueasembalagens passamportestesemdiversassitua- ções,comoquedalivre,jatosd’água epenetração,deacordocomdeter- minaçãodaCNEN.Otransporteter- restretambémémuitoutilizadono Paísparadeslocamentoderadiofár- macos.Emcasosdecongestiona- mentosouatrasospelasmaisvaria- dascausas,nãohámuitasalternati- vas.“Sãoperdidososprodutosde meia-vidacurtaouultracurta.No melhordoscasos,quandoháatraso, chegaaohospitalmaterialcom menosatividade(radioatividade),o queacarretaráemmenosexames possíveisdeseremrealizados”,diza diretoradatransportadoraREM,Ana CéliaSobreira.Aprofissionallembra tambémqueosmotoristasedemais profissionaisenvolvidosnessetrans- portesãotreinadosparacasosde acidentese paraentraremcontato comasautoridadescompetentes, casosejanecessário. EMBALAGENS E TRANSPORTE TERRESTRE invasivos, que fazem uso de materiais radioativos. As chamadas ‘máquinas PET’ estão se espalhando por hospitais e clínicas em todo o território nacional.” O aumento do número de exames com uso de materiais radioativosfez tam- bém com que aumentasse a demanda por aceleradores Ciclotron, o que representa um grande volume de remessas. “Como a meia-vida desses materiais é curta, o transporte aéreo é a única opção para que eles cheguem até cidades afastadas dos centros produtores”, esclarece Bruno. De acordo com ele, do ponto de vista da segurança, as empresas TAM e Avianca têm realizado um bom trabalho. No entanto, ainda há desinformação sobre o assunto. Os pilotos, por exemplo, têm autonomia total nesse sentido. Objetivamente, se o comandante da aero- nave se posicionar contrariamente ao transporte de materiais radioativos, não há nenhuma legislação que o obrigue a fazê-lo. “As recusas e demoras no trans- porte de materiais radioativos provocam prejuízos significativos, aos hospitais, médicos mas, principalmente, aos pacientes.” Trata-se da “percepção equi- vocada de risco”. De acordo com o diri- gente da Anac, o desconhecimento da regulamentação por parte de alguns pro- fissionais é o motivo para recusas e atra- sos cruciais por parte de algumas empre- sas transportadoras, não apenas aéreas. Em 2010, pensando na maior divulga- ção de informações sobre o assunto, foi criado o Comitê de Sustentabilidade do Transporte. Nele, estão inseridos produ- tores de radiofármacos, transportadores, usuários e agências reguladoras (nesse caso, Anac e ANTT). A CNEN oferece estrutura e apoio técnico para o anda- mento dos trabalhos do grupo. “Temos conseguido importantes avanços, princi- palmente na desmitificação dos riscos do transporte e quanto à necessidade de um sistema sustentável para o transporte dos radiofármacos”, lembra Bruno. Esse comitê funciona também conforme reco- mendação da AIEA. A partir desse trabalho, foi montada uma rede de comunicação entre CNEN, Anac, ANTT, Ibama, empresas e agên- cias estaduais e municipais. O objetivo é esclarecer dúvidas e evitar recusas de transporte. Procuradas pela reporta- gem, a Gol esclareceu que não há novi- dades com relação a esse tipo de trans- porte, enquanto a Avianca não se pro- nunciou sobre o assunto. Proteção paratransporte de radiofármacos passa por diversostestes ©MMCONEX•DIVULGAÇÃO
  25. 25. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 25 na prática
  26. 26. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 26 C&T vitrine Estudo brasileiro é premiado no principal encontro educacional e científico de medicina nuclear e imagem molecular do mundo por MARINA PANHAM Vitrine para as inovações em medi- cina nuclear e imagem molecular, o encontro anual da Society of Nuclear Medicine and Molecular Imaging (SNMMI) comemorou seu aniversá- rio de 60 anos no Vancouver Convention Centre, no Canadá, entre 8 e 12 de junho. Aproximadamente 5.700 congressistas participaram da comemoração e prestigiaram mais de 110 sessões de educação conti- nuada e apresentações de 1.600 resumos científicos e pôsteres. O programa científico possibili- tou médicos, físicos, farmacêuticos, técnicos e outros profissionais de áreas correlatas, atualização nas futuras direções da medicina nuclear e imagem molecular em pesquisa e perspectiva clínica. Além disso, eles puderam se atuali- zar em temas como as últimas indi- cações e aplicações de imagem híbrida e os impactos no manejo do paciente; novos e relevantes avan- ços em imagem molecular, incluin- do aplicações em oncologia, cardio- logia e neurologia; novos agentes terapêuticos e de diagnóstico que estão impactando a prática da medicina nuclear e imagem molecu- lar; dose de radiação e qualidade de imagem em imaginologia médica. Além da programação científica direcionada aos profissionais de medi- cina nuclear e imagem molecular, a SNMMI mantém um compromisso de longa data com os pacientes. Em par- ceria com instituições de apoio, o Conselho Consultivo de Defesa do Paciente da SNMMI promove o Patient EducationDays pela terceira vez no encontro anual. O programa educacio- nal aborda temas importantes para os pacientes e para a comunidade que atua em defesa dessas pessoas. Presente ao encontro, o presiden- te da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN), Celso Darío Ramos, prestigiou a celebração e a ampla programação científica que abrangeu abordagens práticas sobre o que há de mais moderno em medi- cina nuclear e imagem molecular. “Os destaques foram as apresenta- ções sobre terapias em medicina nuclear e as abordagens relacionadas a PET/CT e SPECT/CT”, avalia. O 1º secretário da SBMN, George Barberio Coura Filho, também parti- cipou do encontro e destacou as apresentações sobre as principais áreas de atuação da medicina nuclear médicas e não médicas, como medi- cina nuclear diagnóstica, terapias em medicina nuclear, radiofarmácia, instrumentação técnica, radioprote- ção e pesquisa pré-clínica. Segundo ele, o nível das apresentações e deba- tes foi alto, com palestrantes reno- mados e de reconhecimento científi- co internacional, bem como as apre- sentações orais e de pôsteres de tra- balhos recentes e inovadores. O novo presidente da SNMMI (gestão 2013-2014), Gary Dillehay, declara que os avanços em pesquisa e novas tecnologias, apresentados durante o encontro, revelam a pro- messa e o potencial de campo da especialidade. Dillehay assumiu o cargo durante a sessão plenária espe- cial, enquanto Peter Herscovitch tor- nou-se presidente eleito e Hossein Jadvar vice-presidente eleito. científica ©SNMMI•Divulgação
  27. 27. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 27 C&T Aproximadamente 5.700 congressistas puderam prestigiar mais de 110 sessões de educação continuada e apresentações de 2 mil trabalhos científicos e pôsteres no Vancouver Convention Centre. cerca de 150 empresas expuseram seus produtos e serviços no salão de exposições do 60º Encontro Anual da SNMMI
  28. 28. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 28 C&T Gary Dillehay, à esquerda,tornou-se o novo presidente da SNMMI durante sessão plenária especial ©SNMMI•Divulgação patrick flamen, autor da imagem eleita a melhor do ano ©SNMMI•Divulgação Coordenador do Comitê Científico da SNMMI, Herscovitch recorda que a pri- meira reunião anual foi realizada em Seattle, Washington, em 1954, e reuniu 109 participantes. “Hoje, o encontro anual da SNMMI é reconhecido por milhares de especialistas e é o principal evento educa- cional e científico de medicina nuclear e imagem molecular do mundo.” Em duas sessões plenárias, a SNMMI homenageou líderes da especialidade. O professor de radiologia e diretor do Programa Conjunto em Medicina Nuclear da Harvard Medical School, Ted Treves, foi nomeado destinatário deste ano do prêmio Georg Charles de Hevesy Nuclear Pioneer por suas contribuições para a medicina nuclear. Já o professor e vice-coordenador da disci- plina de radiologia e professor de psiquia- tria, neurociências e ciências da saúde ambiental na Johns Hopkins University, Dean Wong, foi prestigiado com o prêmio Paul C. Aebersold, por sua atuação em medicina nuclear básica. Uma sessão especial home- nageou ainda o ex-presidente e cofundador da medicina nuclear como especialidade científica e médica, Henry Wagner Jr., falecido no ano passado aos 85 anos. Na ocasião, também foi anunciada a ima- gem do ano da SNMMI 2013. O pesquisador Patrick Flamen e sua equipe obtiveram uma imagem por meio de tomografia por emissão de pósitrons/tomografia computadorizada (PET/CT) com 18F-FDG que ilustra a eficácia do dicloreto de rádio-223 no tratamento de metástase óssea em paciente com câncer de mama com doença óssea dominante. Para Coura Filho, as apresentações sobre PET/CT e terapias com radiofármacos foram os destaques da programação científi- ca do encontro, sendo explicitamente referi- das como as principais áreas da medicina nuclear em um futuro breve. Segundo ele,
  29. 29. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 29 C&T muitas sessões focaram em terapias inovadoras, dosimetria e efeitos bioló- gicos das radiações ionizantes, novos radiotraçadores para PET e aplica- ções clínicas e investigacionais do exame acopladas à ressonância mag- nética. “As principais palestras con- duzidas no encontro foram Henry Wagner Jr. Lecture e Hal Anger Lecture, focadas em terapias com radiofárma- cos e dosimetria das radiações em medicina nuclear”, aponta. Para os especialistas que não puderam se deslocar para Vancouver, a SNMMI oferece trans- missão virtual das 70 sessões mais populares do 60º Encontro Anual, com mais de 100 horas de conteúdo. Acesse: conference-cast.com/ SNM/common/default.aspx. Reconhecimentocientífico Desenvolvido por médicos do Serviço de Medicina Nuclear do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (HC-Unicamp), o estudo Evaluation of Soft Tissue Lesions with 18F-FDG PET/CT - A Prospective Trial foi considerado o melhor trabalho de PET em oncologia clínica pela SNMMI entre os enviados por médi- cos nucleares de países membros da Associação Latinoamericana de Sociedades de Biologia e Medicina Nuclear (ALASBIMN). As autoras Aline Leal e Elba Etchebehere representaram o res- tante da equipe – Celso Darío Ramos, Maurício Etchebehere, Gustavo Kalaf, Elisa Pacheco, Eliane Amstalden, Sérgio Gapski, Carlos Eduardo Hanasilo e Edwaldo Camargo – e receberam o prêmio Alexander Gottschalk durante o 60º Encontro Anual. Aluna de mestrado na Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, Aline Leal comenta que o prêmio é um estímulo para continuar na área de pesquisa em medicina nuclear. “Receber esse prêmio foi uma surpre- sa gratificante, porque fazer pesquisa no Brasil é muito difícil”, comemora. A equipe analisou o papel do exame PET/CT com FDG-18F na avaliação de lesões de partes moles e constatou que o flúor-18 tem a capa- cidade de diferenciar lesões benig- nas de malignas nos tecidos moles. Durante a pesquisa, foram avaliados 48 pacientes com lesões em tecidos moles, nos membros superiores, inferiores e na parede abdominal. Dentre os casos clínicos analisados, 31 eram lesões benignas e 17 malig- nas, e o PET/CT com FDG-18F apresentou 100% de sensibilidade, 80,6% de especificidade, na detecção das lesões malignas. O 61º Encontro Anual da Society of Nuclear Medicine and Molecular Imaging (SNMMI) já tem data marcada. Entre 7 e 11 de junho de 2014, médicos, físicos, farmacêu- ticos, técnicos e outros profissio- nais de áreas correlatas, se reuni- rão em St. Louis, no Missouri, nos Estados Unidos, para conferir os avanços em medicina nuclear e imagem nuclear. Acompanhe os preparativos para a próxima edi- ção do encontro anual da SNMMI no site www.snmmi.org/am2014 Savethe date Segundo Coura Filho, a princi- pal conquista de um prêmio dessa natureza é o reconhecimento inter- nacional do valor científico de uma pesquisa realizada exclusivamente no Brasil e, portanto, do potencial inovador da pesquisa brasileira. O encontro abrangeu o que há de mais moderno em medicina nuclear e imagem molecular. Os destaques foram as apresentações sobre terapias em medicina nuclear e as abordagens relacionadas a PET/CT e SPECT/CT Celso Darío Ramos, presidente da SBMN
  30. 30. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 30 especial Congressoterá convidadosimportantes ©nanigóis•smcs te do Congresso, Juliano Cerci, que é também diretor científico da SBMN e especialista da Quanta Diagnóstico e Terapia Nuclear, em Curitiba, salienta o valor da parceria entre a SBMN e o CBR. “Essa integração, já histórica, deve render um evento incomparável em termos, principal- mente, de convidados e programa- ção científica”, comenta. Outro ponto valorizado por Cerci é em relação aos convidados interna- cionais, que podem ser conferidos, A cidade de Curitiba, capital do Paraná, receberá o 27º Congresso Brasileiro de Medicina Nuclear entre os dias 9 e 12 de outubro. E pela pri- meira vez na história, o encontro da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN) será realizado simultaneamente ao Congresso Brasileiro de Radiologia, organizado pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR). O que os congressistas poderão encontrar nesse evento? O presiden- Encontro promovido pela SBMN ocorre em Curitiba de 9 a 12 de outubro, com palestras de profissionais internacionais consagrados
  31. 31. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 31 especial assim como todas as informações do evento, no site www.sbmn.org.br/con- gresso. Vale lembrar que os progra- mas estão divididos entre medicina nuclear (MN) I e MNII, em que estão inseridos os diversos temas, como: MN em Cardiologia, MN Geral, PET/CT e SPET/CT. Sendo assim, ele destaca Sharmila Dorbala e Piotr Slomka, ambos dos EUA. O francês Henri Guerini e o brasileiro naturali- zado norte-americano Salvador Borges-Neto também foram citados por ele como referências na área de cardiologia em MN. Entre os especialistas em MN geral, ele acredita que toda a lista de convidados está contemplada com nomes considerados como referência mundial na especialida- de. O módulo de PET/CT, um dos mais procurados por médicos nucleares, contará com três espe- cialistas italianos renomados. “Arturo Chiti, presidente eleito da Sociedade Europeia de Medicina Nuclear, e Stefano Fanti, diretor do Departamento de Medicina Nuclear na Universidade de Bologna, são dois nomes mundial- mente conhecidos”, conta Cerci. O presidente do Congresso tam- bém cita a presença do presidente da Federação Mundial de Medicina Nuclear e Biologia, Enrique Strada, do México. Destaques gerais Antes mesmo de seu início, serão realizados eventos, no chamado período de pré-congresso. “Ressalto, como característica importante des- se encontro, a parceria que desen- volvemos com a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), e a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), o que mostra o amadurecimento des- sas uniões”, aponta Cerci. As especialidades administradas pelas sociedades médicas citadas realizarão diversos eventos e discus- sões no dia 9, também no Expo Unimed Curitiba. Outro ponto bas- tante valorizado por ele é a qualida- de dos convidados nacionais e inter- nacionais. “Quando é possível trazer nomes conhecidos e valorizados como os que conseguimos, o Congresso ganha em qualidade no que se refere a toda sua programa- ção científica”, avalia. A parceria entre sbmn e cbr, já histórica, deve render um evento incomparável em termos de qualidade de convidados e programação científica juliano cerci, presidente do congresso
  32. 32. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 32 especial Capital paranaense presenciou a neve em 2013, o que não ocorria desde 1975 ©uol•REPRODUção A cidade-modelo Sobre Curitiba, Cerci também se propôs a opinar. Isso porque o médico nasceu e mora em Curitiba desde então. “A cidade é famosa por seus diversos par- ques. É um local que se enquadra muito bem na forte temática atual de sustentabilidade”, resume. Para aqueles que gostam de comer bem, a capital paranaense também oferece diversas opções. “Como Curitiba foi colonizada por diferentes povos europeus, há res- taurantes para todos os gostos e bolsos”, conta. O especialista rela- ta também que, em comparação com São Paulo e Rio de Janeiro, a gastronomia curitibana apresenta valores mais acessíveis. Bom conhecedor da cidade, ele fez ainda algumas sugestões de bons restaurantes para os congressistas. “Frequento muito o restaurante Famiglia Caliceti, especializado em massas e culi- nária italiana em geral e o Taisho, de culinária japonesa”, indica. Para quem quiser seguir as dicas do presidente, os sites dos estabelecimentos são, res- pectivamente, www.caliceti.com.br e www.taisho.com.br. Sobre a hotelaria da chamada cidade-modelo, Cerci diz que é pre- ciso se programar. “Especialmente nesse período, Curitiba receberá outros grandes eventos. Por isso, poderemos ter problemas nesse sentido. É bom que nossos con- gressistas se programem e reser- vem com antecipação”, recomenda. A agência de viagens oficial do Congresso é a M.Leal (conta- tos diretos podem ser feitos pelo e-mail mleal@mleal.com.br ou pelo telefone 41 3343-4300), que tem diversas opções de hotéis, inclusive alguns bem próximos ao Expo Unimed. Já a empresa aérea parceira do Congresso Brasileiro de Medicina Nuclear é a TAM, que disponibilizou des- contos de até 25% nas passagens dos congressistas. Para os apaixonados por automobilismo, Curitiba recebe um evento interessante entre 11 e 13 de outubro. Trata-se da sétima etapa Copa Bana Pneus, que será realizada no Autódromo Internacional de Curitiba, na ver- dade localizado na cidade vizinha São José dos Pinhais, com fácil acesso via ônibus ou carro. O que não deve estar presente na cidade, ao menos não intensa- mente, é o frio. A capital para- naense foi uma das mais afetadas pelas baixas temperaturas no final de julho. O local viveu temperatu- ras de -2ºC, inclusive com a visita da neve, algo que não ocorria des- de o ano de 1975. Em outubro, a temperatura deve estar amena. O que favorece aos congressistas conhecerem alguns pontos turísti- cos tradicionais, como a Ópera de Arame, o Jardim Botânico, a Arena da Baixada (que sediará a Copa de 2014) e o sistema de ôni- bus curitibano, um dos responsá- veis pela capital ser conhecida como exemplo. (AD) Jardim Botânico da cidade é um dos mais visitados do País ©Shutterstock
  33. 33. medicina nuclear em revista | Jul • Ago • Set 2013 33 especial
  34. 34. Jul • Ago • Set 2013 | medicina nuclear em revista 34 agendaexpediente Programe-se para participar dos principais eventos da especialidade nos próximos meses MEDICINA NUCLEAR EM REVISTA é uma publicação trimestral da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear, Av. Paulista, 491 Conj. 53 Bela Vista, CEP: 01311-909 São Paulo - SP Tel: (11) 3262-5438 Fax: (11) 3284-5434 sbmn@sbmn.org.br www.sbmn.org.br Presidente Celso Darío Ramos Vice-Presidente Cláudio Tinoco Mesquita Primeiro Secretário George Barberio Coura Filho Segunda Secretária Irene Shimura Endo Primeira Tesoureira Miriam Cassia Mendes Moreira Segundo Tesoureiro Allan de Oliveira Santos Diretor de Ética e Defesa Profissional Adelanir Antonio Barroso Diretor Científico Juliano Julio Cerci COORDENADORES DE DEPARTAMENTOS Radiofarmácia Jair Mengatti Física Médica Cecil Chow Robilotta Biomédicos e Tecnólogos Solange Amorim Nogueira PET/CT Sérgio Altino de Almeida Centros Formadores Sônia Marta Moriguchi Informática e Comunicação Carlyle Marques Barral Imagem Estrutural Henrique Carrete Júnior www.rspress.com.br Jornalista Responsável Roberto Souza (MTB: 11.408) Editor-chefe Fábio Berklian Editor Rodrigo Moraes Subeditora Tatiana Piva Reportagem Anderson Dias Marina Panham Samantha Cerquetani Revisão Paulo Furstenau Projeto Gráfico Luiz Fernando Almeida Diagramação Leonardo Fial Luiz Fernando Almeida Felipe Santiago Renomados especialistas em medicina nuclear discutirão o uso de PET-CT, ressonância magnética e PET-SPECT- CT em diversas doenças, incluindo esqueléticas, cardíacas e endócrinas. British Nuclear Medicine Society Autumn Meeting 19/09 Pela primeira vez, o evento acontecerá simultaneamente com o Congresso Brasileiro de Radiologia, no Expo Unimed Curitiba (PR). Os congressis- tas poderão conferir os temas de medi- cina interna, radiologia, emergências, pediatria, mama e curso baseado em estudos de casos, entre outros. 27º Congresso Brasileiro de Medicina Nuclear 09 a 12/10 A SBMN promove, no dia 1o de feve- reiro de 2014, o Curso de Atualização Técnica em Medicina Nuclear, volta- do para biomédicos, tecnólogos, físi- cos, farmacêuticos, biólogos e outros profissionais da área da saúde. O curso, com carga horária de 12h, visa informar pontos importantes relacio- nados à operação e atuação da equipe técnica de medicina nuclear. 5º Curso de AtualizaçãoTécnica em Medicina Nuclear FEV/2014 Considerado o principal evento do setor nuclear no Brasil, a Conferência Internacional Nuclear do Atlântico (Inac 2013) é promo- vida pela Associação Brasileira de Energia Nuclear (Aben) e reúne pesquisadores, técnicos, estudan- tes, autoridades governamentais, empresários e demais interessados nos benefícios da energia nuclear para a inclusão social, tema dessa sexta edição. Informações: www.inac2013.com.br Conferência Internacional Nuclear do Atlântico 24-29/11

×