Apostila linux basico_ncd_v1

263 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila linux basico_ncd_v1

  1. 1. Núcleo de Cidadania Digital Núc o de Cida ni Digital Núcle Cidada Digita - úcleo de id da a i i al - N leo de C dania D al - Nú l o de C da ania D git l Núc o e Cida nia Digital úcle Cidada Digita - cleo de i ada a ig al le da a - o de nia l N C a ni D g t úc ida igit c e i d i a - le d da - N o de nia l Nú C d ni D it Apostila Alexandre Zon Carlos Henrique Broseguini Pedro David Netto Vinícius Gazzoli Linux Básico
  2. 2. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Cidadania Digital é um Programa de Extensão da Universidade Federal do Espírito Santo. Foi inaugurado em 26 de agosto de 2005 graças a uma parceria firmada entre a Petrobras e a Ufes, tendo com o intuito principal promover Cidadania Digital de maneira inovadora no estado do Espírito Santo. Em Abril de 2007, o NCD fez uma parceria com a Prefeitura de Vitória, na qual entrou para a rede de Telecentros do Programa Casa Vitória, fazendo com que os serviços prestados sejam melhorados aos nossos usuários. Devido ao alto custo dos sistemas proprietários e, também, visando entre outros aspectos, a alta confiabilidade dos sistemas livres em geral, trabalhamos na certeza que a verdadeira inclusão digital deve ser baseada em conceitos de forma que os incluídos possam utilizar o computador indiferentemente do sistema instalado. O NCD adota a filosofia da utilização de Softwares Livre. Uma contribuição importante do NCD para com a comunidade é a disponibilização dos materiais bibliográficos e dos sistemas computacionais, como por exemplo, o sistema de cadastramento e o sistema de controle de fila e tempo de utilização das máquinas pelos usuários, que são desenvolvidos pela própria equipe NCD. SOBRE A APOSTILA LINUX BÀSICO Qualquer dúvida, crítica e sugestão, favor enviar um e-mail para: Equipe NCD LICENÇA Este trabalho é licenciado sob a licença Creative Commons Attribution NonCommercial-ShareAlike 2.0, Brazil . Todos estão autorizados a copiar, modificar e reproduzir em todo ou em parte seu conteúdo, desde que os trabalhos dele derivados garantam a todos os seus leitores esse mesmo direito e que as referências aos seus autores sejam mantidas. Para ver uma cópia dessa licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.0/br/ ou envie uma carta para Creative Commons, 543 Howard Street, 5th Floor, San Francisco, California, 94105, USA. Sistema operacional que surgiu e se difundiu com o apoio de Universidades, o Linux vem crescendo rapidamente, mostrando que é altamente confiável, eficiente e que satisfaz as necessidades do mercado. Apesar do nome Linux causar um certo medo em algumas pessoas, esse curso que oferecemos visa apresentar este Sistema Operacional de forma clara e sem muitos aprofundamentos técnicos. Nosso objetivo não é formar adeptos especialistas no assunto, mas apenas mostrar um novo sistema e seus conceitos básicos, além de despertar a curiosidade. A apostila não é muito técnica, sendo didática e ilustrativa. Ela é um complemento do curso oferecido, e pode ser usada para consulta, pesquisa e exercícios de fixação; tendo em vista, mostrar como é fácil entrar no mundo Linux ncd@inf.ufes.br Dados para Catálogo _____________________________________________________ (Autores) ZON, Alexandre; BROSEGUINI, Carlos Henrique, NETTO, Pedro David; GAZZOLI, Vinícius. Apostila Linux Básico (NCD) / (autores) Alexandre Zon, Carlos Henrique Broseguini, Pedro David Netto e Vinícius Gazzoli - 1ª ed. - Espírito Santo : Vitória, 2007. _____________________________________________________ Índice para Catálogo Sistemático 1. Apostila Curso Iniciante : Computação Gráfica : Teoria : Linux Básico
  3. 3. . NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL - Caminho Livre para um Novo Mundo! Diretor-Gestor: Adriano José Abreu Moreno Coordenação: Alexandre Zon, Igor Gomes da Silva, Oséias da Silva Iapequino, Paulo Roberto Vieira Brandão, Rafael Emerick Z. de Oliveira, Rodrigo Vaccari dos Reis Instrutores: Carlos Henrique Broseguini, Eduardo Oliveira de Faria, Fernando Lyrio Annecchini, Gustavo Nascente Cardoso, Helder Brito Nascimento, Leonardo Paris Scalabrin, Moisés Ruschel Schorr, Pedro David Netto Silveira, Vinicius Gazzoli Rangel e Wancharle Sebastião Quirino Secretários: Flávio Costa Damião, Polita Raulino Augusto, Suzete Batista Santos Núcleo de Cidadania Digital Endereço: UFES, Campus de Goiabeiras, Centro de Vivência, Av. Fernando Ferrari, 514, Vitória (ES) - CEP: 29075-910 Contatos: Telefone: (27) 4009-2048 Site: www.ncd.ufes.br E-mail: ncd@inf.ufes.br Preparação de Texto: Alexandre Zon, Carlos Henrique Broseguini, Pedro David Netto e Vinícius Gazzoli Revisão Pedagógica: Rafael Emerick Z. de Oliveira Revisão de Texto: Oséias da Silva Iapequino Editoração e Capa: Oséias da Silva Iapequino Impressão e Acabamento: Prefeitura da Vitória Núcleo de Cidadania Digital Secretaria de Trabalho e Geração de Renda Núcleo de Cidadania Digital Programa: Mantenedores: Parceiros: PREFEPR ITU DERA
  4. 4. 1. O que é um Software? 1.1. Software Livre x Software Proprietário 1.2. Software e suas licenças 1.3. Exemplos de Softwares 2. O que é um Sistema Operacional? 3. O que é Linux? 4. Um pouco de história do Linux 4.1. Linux hoje 5. Por quê aprender Linux? 6. Distribuições 7. Vantagens e Desvantagens do Linux 7.1. Vantagens 7.2. Desvantagens 8. Segurança 8.1. Usuários e Permissões 9. Estrutura de Diretórios 9.1. Organização de Diretórios no Linux 9.2. A Pasta Home 10. Mode Operação 10.1. Modo de Texto 10.2. Modo Gráfico Núcleo de Cidadania Digital i a l da a - o de a l N C i D ú da gi c a le a o e a l Núcleo de Cidadania D git l - Núc eo de Cida nia Digit l Núcle Cidadani Digita - úcleo de idadan a igital - N cleo de Ci dania Di tal - Nú leo de Cidadania Digit l - Núc o de Cidad nia Digital - Núcle d Cidadani Digita SUMÁRIO 11. KDE 11.1. A Área de Trabalho 11.2. Configurando o Desktop 11.3. Barra de Tarefas 11.4. Ícone 11.5. Menu K 11.6. Apresentando o Centro de Controle 11.7. Alguns Aplicativos 12. Gerenciador de Login 13. Gerenciando Arquivos e Pastas 13.1. O que é um Arquivo? 13.2. Renomeando Arquivos 13.3. O que é “Lixeira”? 13.4. O que é uma “Pasta”? 13.5. Como criar uma “Pasta”? 13.6. Renomeando uma “Pasta” 13.7. Excluindo “Pastas” 13.8. Copiando e movendo arquivos ou pastas 14. Trabalhando com Midia Removível 14.1. O que é uma Mídia Removível? 14.2. Montar e Desmontar um Mídia 15. Vamos Praticar! 04 04 05 05 06 07 07 08 08 09 11 11 12 12 13 13 13 14 15 15 15 16 17 17 20 20 21 21 22 23 24 24 26 26 26 27 27 27 28 29 29 29 31
  5. 5. Software é um programa de computador que realiza alguma ação para você. Ele auxilia o usuário do computador a executar atividades como digitação, cálculos matemáticos, tocar música, navegar na internet, dentre outras. Por meio do software, o computador pode acessar os recursos físicos da máquina, como impressoras e scanners. Todo programa de computador tem um código fonte, ou seja, conjunto de palavras escritas de forma ordenada. O código fonte é “processado” de alguma forma, para depois ser transformado em software (sinônimo de programa de computador). Dependendo dos propósitos da organização dona do programa, esse código pode ser liberado para modificações e uso de usuários, ou mantido sobre direitos reservados. Um Software Livre é um programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído com algumas restrições.Amaneira usual de distribuição de software livre é licenciá-lo e tornar o código fonte do programa disponível. O software é considerado livre quando atende aos quatro tipos de liberdade para seus usuários: a. Aliberdade para executar o programa, para qualquer propósito; b. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades.Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade; c. A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo; d. A liberdade de aperfeiçoar o programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade seja beneficiada. 1.1. Software Livre x Software Proprietário Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 04 1. O que é um Software? figura 1.1 : Software Livre X Software Proprietário
  6. 6. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 05 Não é necessária a autorização do autor ou do distribuidor do software para que ele possa ser redistribuído, já que as licenças de software livre assim o permitem. Para que seja possível estudar ou modificar o software (para uso particular ou para distribuir) é necessário ter acesso ao código-fonte. Por isso a disponibilidade desses arquivos é pré-requisito para a liberdade do software. Entretanto, é importante deixar claro que apesar do código fonte estar disponível, e o software ser modificável, não é necessário que você tenha conhecimentos técnicos de programação para utilizar o software livre. Para efeito do nosso curso, entender como funciona o código fonte não é o nosso intuito. A maioria dos softwares livres possui uma licença de software livre, como a GNU GPL, a mais conhecida. Já o software proprietário é aquele cuja cópia, redistribuição ou modificação são proibidas pelo seu criador ou distribuidor. Normalmente, um usuário interessado em utilizar, copiar, ter acesso ao código-fonte ou redistribuir, deve solicitar permissão ao proprietário, ou pagar para poder fazê-lo: será necessário adquirir uma licença, que geralmente é muito cara. Licenças como a GPL contêm um conceito adicional, conhecido como CopyLeft, que se baseia na propagação dos direitos. Um software livre sem Copyleft pode ser tornado não-livre por um usuário, caso assim o deseje. Já um software livre protegido por uma licença que ofereça Copyleft, se distribuído, deverá ser sob a mesma licença, ou seja, repassando os direitos. Softwares Proprietários Descrição Logo Microsoft Windows Sistema Operacional Real Player Tocador de Música e Vídeo Adobe Photoshop Editor de Imagens Microsoft Office Pacote de software para escritório 1.2. Software e suas Licenças 1.3. Exemplos de Softwares
  7. 7. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 06 Software Livre Descrição Logo Linux Sistema Operacional OpenOffice Pacote de softwares para escritório Firefox Navegador de internet Gimp Editor de Imagens Agora que você já sabe o que é um software e as diferenças entre o proprietário e o livre, ficará mais fácil entender o conceito de sistema operacional. O computador precisa de algum software que sirva de papel intermediário entre outros softwares e os componentes físicos (hardwares). Esse programa intermediário é chamado de sistema operacional. Uma característica marcante de um SO (abreviatura de sistema operacional comumente usada) é servir de interface entre um computador e o usuário. Vamos agora fazer uma simples relação para entender de uma vez o que vem a ser um SO. Você adora hambúrguer do tipo McDonalds, certo? Imagine então o ambiente de trabalho de uma lanchonete como essa. Dentro da lanchonete têm todos os aparelhos para preparar os produtos: máquinas de sorvete, chapas, fritadeira de batatas. Os empregados manipulam todas essas aparelhagens e trabalham o tempo todo preparando os deliciosos sanduíches, sorvetes e batatas fritas. Para que os empregados saibam onde trabalhar e para que haja uma correta distribuição das tarefas, afim de atingir os prazos dos produtos para os clientes, faz-se necessário a presença de um competente gerente. A figura do gerente é vital para a harmonia no ambiente de trabalho, afim de que, o cliente possa usufruir das delícias da lanchonete sem se aborrecer. Mas deixando agora a fome de lado, assim que funciona o nosso sistema operacional: Os aparelhos da lanchonete são os hardwares que usamos para algum serviço (impressão, digitalização, som), os empregados são nada mais que os aplicativos (navegador, digitalizador, tocador de música) e o gerente, responsável pela administração de todos os recursos, é o sistema operacional. Ah, faltou o cliente que se farta com os produtos: este é você usando qualquer programa de computador. 2. O que é um Sistema Opercional?
  8. 8. Linux é um sistema operacional livre. É um dos mais conhecidos exemplos de desenvolvimento com código aberto e de software livre. O seu código fonte está disponível sob licença GPLpara qualquer pessoa utilizar, estudar, modificar e distribuir livremente. GNU/Linux refere-se a qualquer sistema operacional do tipo Unix que utiliza o núcleo Linux e também os programas de sistema GNU. Calma, não se assuste! Você deve estar se perguntando: Mas porque o Linux também é chamado de GNU/Linux? Freqüentemente GNU/Linux e Linux são sinônimos. O projeto GNU, criado e liderado por Richard M. Stallman, oferece todas as ferramentas básicas para um sistema operacional: interpretador de comandos, utilitários, bibliotecas, compiladores. E todos os sistemas operacionais Linux utilizam como base os programas do projeto GNU. O Linux tem um núcleo, que é a parte mais importante desse sistema operacional. Conhecido habitualmente como kernel, ele é responsável por gerenciar os recursos do sistema operacional como um todo. A comunicação com os periféricos, como mouse, disco e impressora, é definida no kernel. Um mascote tornou símbolo desse sistema operacional: O Tux, criado por Larry Ewing em 1996, é um pingüim gorducho que tem um ar satisfeito e saciado. A ideia da mascote do Linux ser um pinguim veio de Linus Torvalds, o criador do núcleo do Linux. O sistema Linux ganhou destaque quando passou a ter a colaboração de grandes empresas, como a IBM, a Sum Microsystems, a Hewlett-Packard, e a Novell, ascendendo como principal sistema operacional para servidores. Oito dos dez serviços de hospedagem mais confiáveis da Internet utilizam o sistema Linux em seus servidores web. O kernel do Linux foi inicialmente desenvolvido pelo estudante finlandês Linus Torvalds. Curiosamente, o nome Linux foi criado por Ari lemmke, administrador do site ftp.funet.fi que começou a disponibilizar o kernel. Desde o início da criação do kernel, Torvalds recebeu a ajuda de hackers, e hoje recebe contribuições de milhares de programadores de todo mundo. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 07 3. O que Linux? figura 3.1 : Mascote oficial do sistema operacional GNU/Linux 4. Um pouco de história do Linux
  9. 9. Torvalds começou lançando o Linux sob uma licença que proibia qualquer uso comercial. Isso foi mudado de imediato para a Licença Pública Geral GNU (CopyLeft). 4.1. Linux hoje O Linux tornou-se um sistema capaz de funcionar no maior número de computadores possíveis. É utilizado em aparelhos de supercomputadores, até celulares, e ainda está ganhando popularidade no mercado de computadores pessoais. Atualmente, um sistema operacional GNU/Linux completo é uma coleção de software livre criados por indivíduos, grupos e organizações de todo o mundo, tendo o Linux como seu núcleo. Companhias como a Red Hat, a SuSE, a Mandriva, bem como projetos de comunidades como o Debian ou o Gentoo, preparam o software e fornecem um sistema completo, pronto para instalação e uso. As distribuições de GNU/Linux começaram a receber uma popularidade desde a segunda metade dos anos 90, sendo uma alternativa livre para competir com os sistemas operacionais Microsoft Windows e Mac OS. O sistema tornou-se popular no mercado de Desktops e Servidores, principalmente para a Internet e servidores de Bando de Dados. Não é de se espantar, caso alguém faça essa pergunta para você. Afinal, grande parte da população que possui acesso ao computador não utiliza este sistema e, às vezes, nem sabe que ele existe. Mas então, por quê aprender a utilizar algo que ninguém usa? A história não é bem assim. O número de usuários domésticos que utilizam o Linux está aumentando significamente nos últimos anos. Este fato se confirma com a facilidade de uso que o sistema ganhou recentemente, além de outros fatores importantes que citaremos abaixo: a. Incentivo do Governo: O Governo Brasileiro tem incentivado o uso de software livre. Prefeituras, secretarias e outros órgãos públicos estão mudando seus sistemas e passando a utilizar software livre ao invés de software proprietário. Na grande maioria dos casos, esse software é uma distribuição Linux. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 08 5. Por quê aprender Linux?
  10. 10. b. Diferencial no Mercado de Trabalho: A partir do momento que o Governo incentiva o uso de software livre em suas instituições, torna-se vantajoso ter conhecimento sobre ele, sendo assim um diferencial para quem pretende tentar uma vaga de emprego em qualquer empresa. c. Estabilidade e Segurança: As bases do Sistema visam boa segurança e privacidade ao usuário, somadas com boa estabilidade, fruto do trabalho de milhares de programadores ao redor do mundo. O Linux é um sistema ideal para quem se preocupa em ter um ambiente de trabalho saudável no seu computador, sem muitas dores de cabeça e preocupações com vírus e outras pragas do gênero que assolam a Internet e ameaçam nossos arquivos. d. Preço: Não precisa pagar pela licença do Linux. Na maioria dos casos ninguém paga por um Sistema Operacional no Brasil, e nós sabemos que isso é errado. Será que é esse o caminho que as coisas devem andar? Incentivar a pirataria de softwares? O software livre tornou-se, nos últimos anos, uma alternativa econômica e financeiramente viável ao modelo atual de licenciamento de software proprietário, que possui uma política abusiva de renovação constante de licença e atualização de hardware. Como o Linux é um software livre, ou seja, qualquer pessoa pode modificar e redistribuir, começaram a surgir novas versões feitas e distribuídas por usuários e empresas diferentes. A essas variações foi dado o nome de Distribuições ou Distros. As distribuições podem ser classificadas, basicamente, em dois tipos: a. Comum: Composta de um ou mais CDs (ou DVDs). É o tipo mais comum, você simplesmente utiliza o(s) CD(s) para instalar o sistema em seu computador. b. Live CD: Composta, na grande maioria das vezes, de apenas um CD, este tipo de distribuição tem a interessante característica de ser utilizável sem ser necessário instalá-la em seu computador. O sistema é executado diretamente do CD, sem alterar nada, tendo acesso aos dispositivos do computador, arquivos, internet, aplicativos e tudo mais que se consegue fazer com um sistema instalado normalmente. A grande vantagem deste tipo de distribuição é que basta inserir o CD para usar o Linux, e pode utilizá-lo para reparos em máquinas que não possuem nada instalado ou até mesmo para você ver um sistema Linux. Uma boa dica, também, é utilizar um Live CD para mostrar como é o Linux a algum amigo curioso. Alguns Live CDs possuem, ainda, a opção de instalar o sistema na máquina, valendo assim, como uma distribuição comum. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 09 6. Distribuições
  11. 11. A. Slackware: É uma das mais antigas distribuições Linux. Criada em 1993 e mantida por Patrick Volkerding, o Slack tem como característica a fidelidade aos padrões Unix, sistema do qual surgiu o Linux. Esta Distribuição é bastante apreciada por usuários mais avançados, uma vez que ela preza pela simplicidade e eficiência. Não é recomendada para quem está começando a conhecer o Linux. Site Oficial: http://www.slackware.org/ b. Kurumin: É uma das distribuições mais populares no Brasil. Foi baseada em uma outra distribuição Linux, o Knoppix. Criada, inicialmente, para uso pessoal, acabou fazendo sucesso e seu criador, Carlos E. Morimoto, decidiu levar o projeto em frente. As principais características da Distribuição é ser compacta (as primeiras versões cabiam em um mini-CD de 80mm de diâmetro), possuir, nativamente, os principais aplicativos e ter várias facilidades de uso para usuários iniciantes. É recomendada para quem não possui muita experiência com o sistema. Foi a primeira Distro brasileira a ser de fato reconhecida. É um Live CD e pode, também, ser instalada na máquina. Site Oficial: http://www.guiadohardware.net/gdhpress/kurumin/ c. Kalango: Baseada no Kurumin e com o intuito inicial de não ser tão compacta quanto ele, a distribuição Kalango acabou surpreendendo em vários aspectos, entre eles a facilidade de uso, a ótima interface com o usuário e a gama de aplicativos básicos já padrões do sistema. Recomendada, também, para usuários iniciantes.Assim como o Kurumin, é um Live CD. Site Oficial: http://www.kalangolinux.org/ d. Debian: O Debian é especialmente conhecido pelo seu sistema de gestão de pacotes de softwares, chamadoAPT, que permite atualizações do sistema, instalações quase sem esforço de novos pacotes e remoções dos pacotes antigos. Várias distribuições comerciais baseiam-se no Debian, incluindo: Lindows (atual Linspire), Xandros, Kurumin, Debian-RS-CDD e Libranet. Site Oficial: http://www.debian.org/ Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 10
  12. 12. Assim como qualquer programa de computador, o Linux têm pontos positivos e negativos. Citamos aqui, resumidamente, as suas vantagens e desvantagens. 7.1. Vantagens: a. Preço - O Linux é gratuito. Você tem a liberdade de utilizá-lo e repassá-lo para qualquer pessoa que desejar. Algumas distribuições são pagas, mas o que é cobrado não é referente ao software, mas ao suporte que é dado para ele. Temos como exemplo a distribuição RedHat, voltada para o uso em servidores. b. Estabilidade - Se bem configurados, os sistemas GNU/Linux são extremamente estáveis, sendo raros os travamentos ou perda de informações por problemas do sistema. Este ponto é crucial para o usuário que necessita do computador para algo além do simples entretenimento. c. Interface Amigável - A interface é bonita e amigável, sendo amplamente configurável, de tal maneira que o usuário pode deixar a tela do seu computador da maneira que desejar. d. Principais Aplicativos Disponíveis - O Linux suprime muito bem a necessidade do computador para trabalhos rotineiros, ou seja, navegação na Internet, e-mail, ouvir música, ver vídeos, digitar um texto, criar uma planilha, etc. e. Vasto Apoio na Internet - O usuário que necessitar de ajuda com o sistema encontrará milhares de sites e comunidades sobre o assunto, tornando a tarefa de se aprimorar em Linux apenas uma questão de vontade e de tempo. f. Não é Vulnerável a Vírus - Não existem vírus para Linux, o que é uma vantagem enorme nos dias de hoje, uma vez que a Internet está repleta de pragas e a preocupação com a proteção dos computadores tem se tornado tão grande que atrapalha a produtividade do usuário ao utilizar a máquina. g. Usuário Avançado - Além das vantagens citadas acima, existem inúmeras outras voltadas para usuários com um nível mais avançado. Dentre elas, podemos citar o terminal, que é um ambiente de programação que fornece um controle muito maior sobre o sistema. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 11 7. Vantagens e Desvantagens do Linux
  13. 13. 7.2. Desvantagens: a. Instalação e Configuração - Instalar e configurar o Linux em um computador para funcionar bem e estável não é uma tarefa tão simples. Este problema vem sendo resolvido. Atualmente, muitas distribuições já possuem sua instalação facilitada, assim como a configuração de modo geral. b. Falta de Padronização - Com tanta liberdade, nem todas as distribuições seguem um padrão, no que se diz respeito à organização. Muitas vezes um usuário intermediário ou avançado de uma distro específica pode se sentir perdido ao tentar utilizar uma outra distribuição Linux. c. Instalação e Remoção deAplicativos - Seguindo o rumo da falta de padronização, a instalação de aplicativos no Linux pode ser feita de várias maneiras diferentes e ainda varia dependendo da distribuição utilizada. d. Falta de Aplicativos Específicos - Para profissionais que necessitam de aplicativos específicos, quase que impostos pelo mercado, como Corel Draw,Adobe Photoshop,AutoCAD, entre outros, a utilização do Linux impede o uso dos mesmos. Claro que existem softwares similares, mas que nem sempre são aceitos no ramo profissional. e. Poucos Jogos - O Linux possui uma ampla gama de aplicativos para várias áreas. Mas ainda é fraco no que se diz respeito a jogos de qualidade. Este fato ocorre basicamente por causa do mercado. Atualmente a maioria dos usuários de jogos se focam para jogos em Windows, e o mercado está seguindo essa tendência. F. Suporte a Dispositivos - Alguns dispositivos não funcionam perfeitamente e outros nem funcionam. Mas é importante deixar claro que em outros casos o suporte linux é muito bom, como por exemplo suporte a hardwares antigos. O Linux é um sistema operacional que preza pela segurança de maneira simples. Ele aborda o conceito de multi-usuários, ou seja, vários usuários possuem acesso ao mesmo sistema, respeitando suas limitações. Não só a utilização dos aplicativos tem suas limitações, mas também a quantidade de espaço em disco é limitada para cada usuário. Isso oferece privacidade aos arquivos pessoais de cada usuário e dá permissão que cada um configure seu ambiente pessoal como bem entender. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 12 8. Segurança
  14. 14. 8.1. Usuários e Permissões: cadeado 9.1. Organização de Diretórios no Linux árvore de diretórios Todo sistema Linux existe um usuário especial, que possui regalias na configuração das contas dos demais usuários, tal como permissões para instalações ou remoções de programas. Esse usuário é chamado de root, também conhecido como administrador do sistema. As permissões para os usuários são da seguinte maneira: permissão de leitura, permissão de escrita e permissão de execução. Sem contar com o root, todos os outros usuários possuem essa permissão apenas para acessarem sua própria pasta pessoal e os dispositivos removíveis. Note que na figura 9.1 o usuário NCD é proibido de acessar as pastas dos demais usuários. O na pasta demonstra isso. E note que a pasta do usuário NCD está livre para acesso. Os sistemas operacionais, em especial o Linux, utilizam diretórios, ou pastas como são mais conhecidas, para organizar os arquivos em um computador. Um diretório pode conter arquivos e diretórios, que podem conter também arquivos e diretórios. Isso pode se estender bastante. Pode-se ter, por exemplo, vinte diretórios, um dentro do outro. Os diretórios servem, portanto, para organizar o disco rígido (HD). Graças a eles, é possível organizar os arquivos mais importantes em um canto (para que não sejam alterados), agrupar arquivos por dono, tipo ou da forma que for desejada. Uma comparação bem simples é feita com o guarda roupa. Dentro dele, existem várias gavetas, onde são guardadas separadamente (se você não for bagunceiro, é claro) cuecas, shorts, blusas, roupa de cama e calças. O mesmo acontece com o HD, onde se guarda nos seus diretórios, todo tipo de arquivo. Um diretório pode ter dados ou pode ter o conteúdo de um dispositivo (partição no HD, disquete, CD-ROM). Assim, sempre que alguém entra naquele diretório estará acessando, na verdade, o dispositivo.Aisso chamamos montagem. A estrutura de diretórios também é conhecida como , uma vez que cada pasta pode criar seus “ramos”, formando uma árvore de cabeça para baixo. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 13 9. Estrutura de Diretórios Figura 8.1 - Pasta Home Figura 9.1
  15. 15. Logo abaixo será apresentados os diretórios do Linux. Lembre-se: somente usuários mais avançados fazem um estudo mais a fundo dos diretórios porque é preciso saber administrar o sistema. Na maioria dessas pastas, somente o usuário root tem permissões para manipulação. Essa é a pasta que armazena todos os arquivos pessoais do usuário. Cada usuário do sistema possui uma Home particular e têm permissões para manipulação sobre seus arquivos. Vocês, usuários do Linux, irão acessá-la com freqüência. Vale ressaltar que cada usuário tem uma pasta Home diferente do outro. Qualquer usuário pode visualizar as diversas Homes que existem no sistema, entretanto não terão permissões de acesso, nem de manipulação dos arquivos. Isso reafirma a privacidade e a segurança dos arquivos dos usuários do sistema. Para acessar a pasta Home, dê um clique na que fica na barra de ferramentas. A pasta Home é mostrada na figura abaixo. 9.2.APasta Home casinha Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 14 /bin: /boot: /dev: /etc: /home: /lib: /mnt: /root: /sbin: /tmp: /usr: /var: Os programas mais importantes. arquivos de inicialização. controles/arquivos para todos os dispositivos de entrada e saída. arquivos de configuração dos mais diversos aplicativos, também a configuração básica e mais importante encontra-se aqui. diretório dos usuários. Como sistemas Linux são multi-usuário cada usuário tem login/senha e uma conta que consiste em um diretório aqui dentro, exceto o root, que tem diretório à parte. O diretório de cada usuário é chamado de home do usuário. arquivos de bibliotecas. lugar onde há pontos de montagem para temporários diretório do administrador de sistema, super-usuário ou simplesmente root. arquivos executáveis especiais - para o administrador. depósito de arquivos temporários. aqui aparecem diretórios como bin e lib, mas com arquivos e diretórios diferentes dentro. Nesta pasta estão os programas que usam ambiente gráfico, documentação, aplicativos, bibliotecas... variáveis do sistema e arquivos de log. Figura 9.2
  16. 16. Agora que conhecemos a estrutura de diretório, podemos entender por que o Linux não é vulnerável a vírus. Primeiro vamos compreender: o que realmente um vírus faz no computador? Ao entrar no sistema, o vírus deleta ou modifica arquivos de suma importância para a saúde do sistema. Para que o vírus faça isso é necessário que ele tenha privilégios de administrador e, então, poder acessar os arquivos de sistema. No Linux, o vírus não tem tais privilégios, e, portanto, será inofensivo ao sistema. O mesmo acontece se algum usuário quiser danificar o sistema por conta própria: ele não terá tais vantagens, e poderá danificar o sistema somente se fizer uso de um martelo, o que não seria uma alternativa muito inteligente! Um sistema Gnu/Linux pode operar em dois modos distintos, os quais chamaremos de Modo Texto e Modo Gráfico.Ambos possuem seus prós e contras, e a escolha do modo fica a cargo do usuário. O Modo Texto, também chamado de Terminal, Console ou Shell, trata-se de um interpretador de comandos, que o usuário passa ao computador somente por meio do teclado e recebe a resposta impressa na tela. Muitas pessoas também chamam o modo texto de “Linha de Comando”, pois a ação feita no terminal é enviar comandos (ou ordens) ao computador. Não temos como objetivo, nesta apostila, nos aprofundarmos em comandos e detalhes sobre o modo texto, entretanto é importante saber que ele existe e que é usado por usuários mais avançados para configuração do sistema operacional ou como ambiente para o desenvolvimento de programas. O Modo Gráfico é o grande favorito da maioria dos usuários, principalmente os iniciantes e intermediários, por ele ser muito mais intuitivo e não necessitar de algum conhecimento prévio para se aventurar no mundo da informática. Neste modo, a comunicação do usuário com o computador é feita não só com o uso do teclado, mas também com o mouse, facilitando bastante a execução de certas tarefas. 10.1. Modo de Texto 10.2. Modo Gráfico Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 15 10. Modo de Operação Figura 10.1 - Ambiente modo texto do Linux
  17. 17. 10.1.1. Gerenciador de Janelas No Linux, o modo gráfico pode ter várias "caras", dependendo do Gerenciador de Janelas que estiver na tela. Existem vários gerenciadores e fica a cargo do usuário escolher qual utilizar. A diferença entre eles, além do visual, é a maneira como se faz certas tarefas e a quantidade de ferramentas que cada um oferece. Os gerenciadores que oferecem ferramentas que exigem muito do computador podem ser um pouco mais lentos, como por exemplo, o KDE. Alguns exemplos de Gerenciadores de Janelas: * KDE * Gnome * Xfce * BlackBox * FluxBox * WindowMaker * IceWM * Enlightenment Nesta apostila, abordaremos apenas o ambiente KDE. O estudo do KDE é suficiente para aprendermos a usar qualquer gerenciador de janelas do Linux, uma vez que são poucas as diferenças entre eles. Software de origem alemã, o KDE é, um gerencia- dor de janelas e um software livre. Junto com o GNOME é um dos mais populares geren- ciadores de janelas usados no Linux. O gerenciador de janelas é responsável por fornecer uma interface gráfica, para que os aplicativos sejam vi- sualizados de forma organiza- da, afim de que haja uma interação dos usuários com o computador. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 16 11. KDE Figura 11.1 - Gerenciador de Janelas KDE
  18. 18. 11.1.AÁrea de Trabalho 11.2. Configurando o Desktop “Configurar Área de Trabalho...” Área de trabalho ou Desktop é um ambiente gráfico, onde o usuário possa executar suas tarefas do dia a dia. A área de trabalho contém vários componentes para auxiliar as tarefas do usuário. Os principais componentes da área de trabalho são: Barra deTarefas, Ícones, Menu. Fazendo uma comparação, a Área de trabalho parece com uma mesa de escritório onde as pessoas têm suas principais ferramentas de trabalho: como papel para escrever um texto, calculadora para fazer contas, etc. A área de trabalho tem todos esses componentes, para execução de tarefas na forma digital. É possível configurar o Desktop de acordo com o gosto de cada usuário. Os Desktops de todos os sistemas operacionais possuem basicamente os mesmos componentes e a forma que são configurados são parecidos. Nossa primeira tarefa será modificar o papel de parede de nosso Desktop. a. O primeiro passo a ser tomado é posicionar o cursor do mouse em uma área vazia do papel de parede e dar um clique com o botão direito. b. Depois selecione a opção . Após esses procedimentos abrirá o programa “Kdesktop”. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 17 Figura 11.2. - Área de Trabalho do KDE Figura 11.3. - Área de Trabalho do GNOME Figura 11.4. - Selecionando no menu a opção de configurar o desktop
  19. 19. Passo a passo para configurar uma imagem no Desktop: a. Na opção (número 1) você acessa as configurações de fundo de tela. b. Já na sub-opção “Figura”, em (número 2) aparecem ao lado com várias figuras para serem selecionadas. c. Para escolher outra figura, basta clicar em cima desta (número 2) com o botão esquerdo do mouse, selecionar a figura.Aque você escolheu irá aparecer no (número 3) ao lado direito da tela. d. Se você gostar da figura basta clicar em “Aplicar” que a figura escolhida irá aparecer em sua área de trabalho. E para confirmar a ação basta clicar em “Ok”. Agora vamos aprender como se configura o protetor de tela do sistema operacional. O protetor de tela é um recurso do sistema operacional para exibir uma imagem sempre em movimento na tela do computador. O objetivo do protetor é preservar a vida útil do monitor evitando que ele seja marcado com imagens que fiquem estáticas por muito tempo. “Fundo de Tela” cascata cascata monitor Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 18 Figura 11.5: KDesktop, programa usado para configurar o desktop no KDE
  20. 20. Passo a passo para configurar o Protetor de Tela: a. Com a opção (número 1), selecionada podemos mudar o protetor de tela. b. Dentro do quadro branco no centro da tela existem várias opções as quais podemos selecionar. Para escolher um protetor basta clicar com o botão esquerdo do mouse em cima de uma dessas opções. c. No (número 3), do lado direito da tela, irá aparecer uma imagem com o protetor de tela escolhido. Mas se você preferir testar, basta clicar no botão “Testar” localizado embaixo da caixa branca e então o protetor de tela irá aparecer na tela inteira. Para interromper a exibição, basta clicar com o botão esquerdo do mouse. d. Para aplicar a modificação basta clicar em “Aplicar” que o protetor de tela será trocado. E se você quiser confirmar a troca basta clicar em “OK”. “Protetor de Tela” “monitor” Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 19 Figura 11.6: KDesktop, trocando o Protetor de Tela
  21. 21. e. O protetor de tela só entra em operação, quando o computador ficar algum tempo sem que o usuário exerça alguma ação com ele. Para configurar essa opção o usuário deverá deixar marcada a opção (número 2), caso contrário o protetor de tela nunca entrará em ação. f. Para escolher o tempo para que o protetor de tela entre em operação, você deverá indicá- lo na caixa de texto logo abaixo da frase (número 2). g. Clique no botão “Aplicar” caso queira confirmar a opção e depois no botão “OK”. A barra de tarefas é a barra localizada na área de trabalho do sistema operacional. Ela é composta pelo botão de acesso ao menu principal, botões, lista de aplicativos e área de notificação. 1) Botão de acesso ao menu principal: conhecido como Menu K, este botão oferece acesso ao menu principal do sistema operacional, onde estão todos os programas instalados. 2) Botões: dão acesso aos programas mais usados pelo usuário. 3) Lista de aplicativos: é a parte da barra de tarefas que mostra os aplicativos que estão sendo usados no momento, mesmo se o aplicativo estiver minimizado. 4) Área de notificação: onde se localiza o relógio e a data do sistema operacional. É um pequeno símbolo gráfico que fica localizado sobre o papel de parede da área de trabalho, usado geralmente para representar um software, um arquivo ou uma pasta. A maioria dos ícones são intuitivos ou logomarcas dos softwares. “Botão” é um tipo especial de ícone que fica na barra de tarefas. “Iniciar automaticamente” “Iniciar automaticamente” 11.3. Barra de Tarefas 11.4. Ícone Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 20 Figura 11.7: Barra de Tarefas do KDE F Figura 11.8: Ícones destacados
  22. 22. 11.5. Menu K 11.6.Apresentando o Centro de Controle É no menu principal do KDE que ficam listados todos os programas instalados no sistema operacional. O Menu K divide os aplicativos em gêneros, assim se você quiser abrir um aplicativo para fazer um desenho ele estará na opção “Gráficos”. Já se você quiser usar um aplicativo para acessar a internet ele estará na opção “Internet”, ou caso você queira ouvir alguma música o aplicativo vai estar na opção “Multimídia”. Outra opção importante do Menu K é a “Fechar Sessão”, ele serve para o usuário finalizar sua sessão. Se você precisar ir ao banheiro, por exemplo, também é possível bloquear a sessão escolhendo a opção “Bloquear Tela”. Para restaurar a sessão neste caso, é necessário digitar a senha, do contrário a sessão continuará travada. O Centro de Controle é um aplicativo do KDE em que o usuário pode alterar algumas configurações do sistema operacional. Ele é acessado pelo “Menu K => Centro de Controle”. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 21 Figura 11.9: O Menu K O Figura 11.10: O Centro de Controle do KDE
  23. 23. Vamos apresentar cada um dos ítens: a. Administração do Sistema: Aqui podemos configurar o relógio do sistema operacional, o gerenciador de login e o gerenciador de inicialização. b. Aparência e temas: Nele configuramos o ambiente de trabalho: alteramos o papel de parede e proteção de tela; alteramos cores e fontes das barras de título; cores e estilos das janelas e mudamos a aparência dos ícones. c. Área de Trabalho: Nesse tópico configuramos na barra de tarefas; o que queremos visualizar em nossa área de trabalho; configuramos o comportamento das janelas e também configuramos o Menu K. d. Internet e Rede: Esse item diz respeito à configuração da internet e a rede do computador: podemos configurar o navegador web; SAMBA (aplicativo que permite o compartilhamento de informações em redes que também existam computadores com Windows); existe um item até para configuração de rede sem fio. e. Periféricos: Aqui configuramos os periféricos do computador: instalamos a impressora; configuramos o monitor, o teclado e o mouse; e também instalamos câmera digital ou joystick no computador. f. Regional & Acessibilidade: Nessa opção configuramos o layout do teclado, no Brasil usamos o (ABNT2 brasileiro). Escolhemos o idioma e o formato da data do sistema operacional e também configuramos atalhos de teclado para ações que fazemos com o mouse. g. Segurança & Privacidade: Nele configuramos a segurança do sistema operacional: como ativar os algoritmos de criptografia que iremos usar. E também temos acesso na configuração de nosso usuário, podendo até mudar a nossa senha. h. Som e Multimídia: Com ele conseguimos utilizar a configuração de som do sistema operacional. Nessa parte da apostila iremos ver alguns aplicativos que são usados no dia a dia. Os aplicativos serão apresentado a seguir de acordo com seus gêneros: a. Internet: Os aplicativos relativos à internet ficam no “Menu K => Internet”. Os mais usados são o Firefox, que é um navegador para internet, e o AMSN, que é o aplicativo para mensagens instantâneas. 11.7.AlgunsAplicativos Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 22
  24. 24. b. Músicas: Os aplicativos para que se possa escutar música no computador ficam no “Menu K => Multimídia”. Os mais usados são: o Amarok, é um tocador de mp3 e outros formatos de música, e o KsCD, é um tocador de CD's de músicas. c. Vídeos: Os aplicativos de vídeo também ficam no “Menu K => Multimídia”. O principal é o Kaffeine, que além de tocar vídeos toca músicas. d. Escritório: Os aplicativos para escritório ficam no “Menu K => Escritório”. Eles são usados para digitação de textos, edição de planilhas e confecção de apresentações. O editor de textos é o OpenOffice Writer, a planilha eletrônica é o OpenOffice Calc e o OpenOffice Impress é responsável pelas apresentações. e. Gráficos: Os aplicativos gráficos ficam no “Menu K => Gráficos”. Os mais usados são: o GIMP, um Editor de imagens de uso profissional com muitos recursos; o KolourPaint, um editor de imagens simples com poucos recursos; e o KVisualização é um aplicativo para visualização de imagens. f. Jogos: Os jogos ficam no “Menu K => Jogos”. Nesse menu existem muitos jogos bem divertidos e de vários tipos, como jogos de Cartas, Tabuleiro e Arcade. Gerenciador de Login é um programa que oferece ao usuário a capacidade de fazer seu login (autenticação do usuário no sistema operacional) graficamente no sistema Linux. Os mais usados hoje no Linux são o KDM e o GDM. Mas o uso dos Gerenciadores de Login é parecido em todos os sistemas operacionais, basta alguém ser cadastrado no sistema operacional, que terá um nome de usuário e uma senha. Para fazer o login é só digitar primeiramente o nome de usuário e teclar ENTER, digitar sua senha e teclar ENTER novamente.Assim, você estará se autenticando no sistema operacional. Fazendo uma comparação, o nome de usuário e a senha, podemos dizer que são como seu número de conta e a sua senha do banco, os quais dão acesso a um espaço de uso no banco. O nome de usuário e a senha do sistema operacional também dão acesso a um espaço no computador, nele ficam os seus arquivos pessoais. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 23 12. Gerenciador de Login Figura 12.1: Gerenciador de Login KDM
  25. 25. 13.1. O que é umArquivo? Quando queremos guardar dados de qualquer conteúdo em nosso computador, seja vídeo, áudio, documento de texto, apresentação de slides, etc, eles são gravados (ou salvos) na forma de arquivo. Os arquivos são representados no KDE por pequenas imagens que são chamadas de ícones, e quando queremos ver ou modificar algo dentro dos nossos arquivos, basta acessar esses ícones, por meio de dois clics rápidos com o botão esquerdo do mouse, ou um clique seguido de “enter” (no teclado). Quase sempre, a informação encontrada nos arquivos pode ser identificada observando- se as três últimas letras do seu nome. Por exemplo: sabemos que “fulano_de_tal.txt” é um arquivo de texto sem formatação, pela terminação txt, também sabemos que “aquarela do brasil.mp3” é um arquivo de áudio pela terminação mp3. Repare que nos exemplos dados de nomes de arquivos existem duas partes separadas por um “.” (ponto). Na parte da esquerda ao ponto, tem-se o nome do arquivo, e na parte da direita tem-se a terminação identificadora que é chamada de extensão. Todo e qualquer arquivo só é aberto por um programa correspondente à sua extensão, por exemplo: só é possível abrir arquivos de imagem com algum visualizador de imagens, arquivos de áudio com players, texto com editores de texto e assim por diante. Abaixo segue uma tabela com os principais tipos de arquivos, e suas extensões. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 24 13. Gerenciando Arquivos e Pastas Extensão Tipo do arquivo .txt, .doc, .odt, .pdf ... Texto .jpeg, .bmp, .gif, .png ... Imagens .mp3, .wma, .rm, .wav ... Áudio .Dvix, .avi, .rmvb ... Video .ods, .xls, .sxc, xlt ... Planilha eletrônica .ppt, .odp, .otp, .sti ... Apresentação de slides
  26. 26. Abaixo, alguns exemplos de arquivos abertos com seus respectivos ícones: Para criar arquivos em seu computador, você precisa abrir o programa correspondente ao arquivo a ser criado. Por exemplo: se você quiser escrever um texto, é necessário abrir o bloco de notas ou algum editor de textos, como o Writer. Feito isso, você estará apto para começar o trabalho em seu arquivo. Após o arquivo ser criado e editado dentro do programa, você pode escolher guardar o arquivo no seu computador para ser editado ou visualizado posteriormente, ou simplesmente descartá-lo. a. Como guardar meu arquivo? Existem basicamente 2 maneiras de guardar, ou salvar, um arquivo no computador. A primeira, é acessando o submenu “salvar” dentro do menu “arquivo”, ou simplesmente apertar, simultaneamente, as teclas “Ctrl” e “s”, no teclado.(figura 13.1) A segunda maneira é clicando no ícone “salvar” na barra de atalhos. Ele é encontrado na maioria dos editores existentes. b. Diferença entre “Salvar” e “Salvar como” ... Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 25 Ícone: Arquivo Aberto: Ícone: Arquivo Aberto: Figura 13.1: Menu “Arquivo” e submenu “Salvar” Figura 13.2: Ícone “salvar” e “salvar como”
  27. 27. Quando vamos salvar um arquivo pela primeira vez, não existe diferença alguma entre essas duas opções. No entanto, se um arquivo já existe e seu desejo é apenas modificá-lo, então selecione apenas a opção “salvar”. Mas, caso você queira usar um arquivo existente e seu desejo é modificá-lo sem perder as informações anteriores, então marque a opção “salvar como”. Assim, um outro arquivo será criado, baseado no antigo. Por exemplo: Você deseja escrever uma carta para uma pessoa em Paris, e salva no seu computador, posteriormente, você precisa mandar a carta com o mesmo conteúdo para uma outra pessoa em Londres. Então simplesmente você recarrega o arquivo da carta para Paris no seu programa e muda apenas a data, cidade e nome da pessoa para a qual você irá escrever. Se você marcar a opção Salvar, você vai ter no seu computador apenas um arquivo, que foi o último que você editou (Londres), se você marcar Salvar como... você vai ter no seu computador 2 arquivos, um que foi o último que você editou (Londres) e ainda o antigo (Paris). Para renomear um arquivo, basta clicar em cima do ícone, esperar um tempinho e clicar novamente, ou clicar em cima do arquivo e apertar a tecla F2 do teclado. Ainda existe uma terceira maneira mais trabalhosa. Basta clicar em cima do ícone do arquivo com o botão direito do mouse e selecionar a opção “renomear”, como na figura 13.3. A lixeira nada mais é do que um diretório onde estarão armazenados os arquivos temporariamente excluídos. Quando seleciona um arquivo (clica em cima dele) e aperta a tecla “delete” do teclado, ele não é excluído permanentemente do computador, e sim enviado para o diretório “lixeira”. Você pode revê-lo caso precise dentro do diretório “Lixeira”. Para excluir permanentemente, basta “deletá-los” da lixeira. Pastas ou diretórios são utilizados para organizar seus arquivos virtualmente. Já imaginou se você tivesse 300 arquivos de áudio, texto e imagens todos juntos no seu computador? Com certeza seria trabalhoso para encontrar um arquivo em seu computador. 13.2. RenomeandoArquivos 13.3. O que é “Lixeira”? 13.4. O que é uma “Pasta”? Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 26 Figura 13.3: Menu do mouse e submenu “renomear” Figura 13.4: Ícone “Lixeira”
  28. 28. Por esses motivos, existem as pastas. Dentro delas, você é capaz de colocar seus arquivos separadamente e até criar subpastas dentro de outras pastas. Seria muito mais fácil se você tivesse separados os seus arquivos de áudio dos de texto e dos de imagem. Assim, se você desejar encontrar uma música, basta procur dentro do seu diretório “áudio” ao invés de procurar no meio dos seus 300 arquivos. Portanto, os diretórios são importantes para manter a organização no seu computador. As pastas podem ser identificadas no seu computador pelas seguintes figuras: Para criar uma pasta, basta clicar com o botão direito em qualquer parte vazia do seu desktop, ou dentro de outra pasta na qual você queira criar uma subpasta. Em seguida, selecionar “Criar Novo” e depois “Pasta...” (Figura 13.5.) Após essa etapa basta digitar um nome para a sua nova Pasta e clicar em OK. (Figura 13.6.) Para renomear uma pasta, basta clicar em cima do ícone, esperar cerca de 2 segundos e clicar novamente. Ou clicar em cima do arquivo e apertar a tecla “F2” do teclado, da mesma forma que se faz com arquivos. Para excluir um arquivo indesejado, basta selecioná-lo e apertar a tecla “delete” do teclado, da mesma forma como se faz com arquivos. Porém é muito importante lembrar, que quando se exclui uma pasta, exclui-se também todo o seu conteúdo. 13.5. Como criar uma “Pasta”? 13.6. Renomeando uma “Pasta” 13.7. Excluindo “Pastas” Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 27 Figura 13.5: Menu do mouse no diretório “Criar novo” e subdiretório “Pasta..” Figura 14.6: Janela para nomear a “Pasta”
  29. 29. 13.8. Copiando e movendo arquivos ou pastas Antes de copiar ou mover seus arquivos ou pastas, você precisa saber a origem (onde está localizado seu objeto atualmente) e o destino (pra qual local você deseja copiar ou mover o objeto). Existem duas formas de copiar arquivos e pastas.Aprimeira é clicando com o botão direito em cima do arquivo ou da pasta, em seguida clicar em “copiar”. (Figura 13.8) A outra forma é selecionando o objeto (clicar em cima dele com o botão esquerdo do mouse apenas uma vez) e depois apertar em conjunto os botões “Ctrl” e “c”, no teclado. Você deve estar imaginando: “Pra onde foi a cópia do arquivo?”. A cópia vai para um espaço reservado dentro do seu computador chamado de área de troca. Se você copiou o arquivo, com certeza você deseja colocar sua cópia em alguma outra pasta. Então, acesse o local onde será efetuada a cópia e clique com o botão direito depois selecione “colar arquivo”. (Figura 13.9) Outra forma de colar a cópia é acessar a pasta onde será efetuada a cópia (destino) e depois apertar em conjunto os botões “Ctrl” e “v”, no teclado. O esquema copiar/colar é uma forma de mover objetos de um local para o outro, porém, às vezes esse jeito pode ser inconveniente. Quando não queremos realizar a cópia, apenas desejamos mover o objeto, basta clicar com o botão esquerdo do mouse em cima da pasta ou arquivo e segurar o botão. Com o botão apertado, você poderá movimentar o objeto para qualquer lugar. Caso queira movimentar esse objeto pra dentro de uma pasta, basta movê-lo até em cima da pasta e soltá- lo. Se fizer isso, você ainda terá a oportunidade de escolher se quer fazer uma cópia ou mover somente. Basta escolher, e clicar em cima. (Figura 13.10) Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 28 Figura 13.7: Menu do mouse e diretório “copiar” Figura 1389: Menu do mouse e diretório “colar arquivo” Figura 13.9: Menu do mouse e o diretório“Mover para cá”
  30. 30. 14.1. O que é uma Mídia Removível? 14.2. Montar e Desmontar uma Mídia Muitas vezes, é necessário levar dados de um computador para o outro, e uma forma prática de se fazer isso é usar as mídias removíveis. Ou seja, as mídias removíveis são objetos que podem ser inseridos/retirados do computador para efeito de leitura ou gravação de dados. Um exemplo clássico é o disquete, que nada mais é que um disco magnético em que os dados podem ser escritos ou lidos. Com o CD pode ser diferente, uma vez os dados que estiverem contidos no disco óptico, só podem ser lidos (CD-R), mas se você tiver um CD-RW, aí sim, poderá tanto escrever quanto ler. O mesmo vale para o DVD-R e o DVD-RW. As mídias removíveis que estão sendo mais utilizadas ultimamente são as Pen-Drives. O mp3 player ou o I-pod são exemplos dessas mídias magníficas que conseguem comportar uma grande quantidade de informação. Toda vez que é necessário inserir uma mídia removível no computador, é necessário montar a unidade antes. O que isso significa? Basicamente, tornar a unidade acessível. Como assim? Na plataforma Windows, isso não é necessário, pois ao inserir a mídia, o sistema operacional já monta a unidade automaticamente, com certeza você deve estar pensando: “bem melhor!”. Mas isso pode ocasionar maior desgaste na mídia e nas unidades. Para evitar possíveis danos, o Linux oferece ao usuário o direito de escolher se ele quer montar a unidade ou não. As versões mais atuais do Gnome e do Kde, já montam automaticamente a unidade, ou seja, ao inserir um CD, uma janela se abrirá automaticamente com o conteúdo do CD (isso não vale para o disquete). O disquete monta automaticamente quando damos 2 cliques rápidos com o mouse, ou quando damos um clique e apertamos a tecla “Enter”. Porém, para desmontar ainda é necessário o processo manual descrito a seguir. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 29 14. Trabalhando com Mídia Removíveis Figura 14.1: Um disquete Figura 14.2: Um dvd Figura 14.3: Uma Pen-Drive
  31. 31. a. Como montar a unidade? Vamos adotar como exemplo o disquete. Para montar a unidade de disquete, basta clicar com o botão direito do mouse em cima do ícone “Disquete” no desktop, e selecionar “montar” (figura 14.3). Ou então, basta dar dois cliques rápidos em cima do ícone “Disquete”. Importante! Não esqueça de desmontar a unidade antes de tirar o disquete. Como fazer? Mesmo procedimento feito em “montar”: botão direito em cima do ícone e depois selecione “desmontar”. Se esquecer de desmontar a unidade, você irá perder todas as alterações que fez enquanto trabalhava com o arquivo que anteriormente estava no disquete. E caso apenas tenha movido um arquivo para o disquete e retirou o disquete sem ter desmontado, haverá uma “bela” surpresa quando abrir o disquete novamente: o arquivo que você salvou lá dentro, não estará lá. Com qualquer outra unidade é o mesmo esquema, é necessário montar e desmontar quando for inserir e remover suas respectivas mídias. B. Como saber se a unidade está montada ou não? Quando seu dispositivo estiver montado, irá aparecer uma seta verde no ícone, seja ele CD, Disquete ou Pendrive. (Figura 14.5) Dessa forma, você poderá identificar quando desmontar a unidade para poder retirar sua mídia com segurança. Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 30 Figura 14.4: Menu mouse e diretório “montar” Figura 14.5: Menu mouse e diretório “desmontar” Figura 14.6: Ícones de “disquete” e “pen-drive” montados/desmontados
  32. 32. Atividade 01 Você é um empresário iniciante na vida comercial, cheio de boas idéias e planos. Você precisa informatizar sua empresa, para se tornar mais competitivo no mercado, entretanto não dispõe de muito dinheiro. Essa será uma ótima oportunidade para oferecer internet na empresa e armazenar toda papelada de documentos em arquivos de computador. Para tanto, você pesquisou 3 serviços de técnicos diferentes: ServiçoA: ofereceu instalar máquinas com sistema operacional Windows, juntamente com a licença dos seus aplicativos. Serviço B: ofereceu instalar máquinas com sistema operacional Windows, e sem licença, alegando que ter as cópias dos aplicativos, e não cobrava instalação. Serviço C: ofereceu instalar máquinas com sistema operacional Linux. Qual serviço você acha mais cômodo contratar? Defenda sua resposta! Atividade 02 Liste as principais diferenças entre um software proprietário e um software Livre. Cite 4 exemplos de cada um. Atividade 03 Cite as principais vantagens do Software livre em relação aos softwares proprietários. Atividade 04 Um arquivo que caso seja alterado pode danificar o sistema é o “fstab”, que se encontra no diretório “/etc”. Sua tarefa é ir até essa pasta e deletar esse arquivo. Qual foi o resultado? Por quê deste resultado? Qual a conclusão que você tira a partir desse resultado? Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 31 15. Vamos praticar!
  33. 33. Atividade 05 Você trabalha em uma empresa e percebe que os papéis de parede dos computadores estão todos despadronizados. Então, você resolve padronizar esses papéis de parede. Execute a seqüencia de procedimentos para trocar um papel de parede. Atividade 06 Você percebe que seu monitor esta manchado em uma determinada área da tela por uma figura que fica estática muito tempo, então você resolve ativar um protetor de tela. Configure e coloque o tempo de 1 minuto para que o protetor de tela entre em operação no seu computador. Atividade 07 Você acabou de configurar o papel de parede e o protetor de tela de seu computador, agora mude as configurações de papel de parede e protetor de tela pelo centro de controle (aquele em que alteramos as configurações do sistema operacional). Atividade 08 Um texto foi digitado no OpenOficce Writer (programa de editoração de texto) e eu desejo abri-lo com o Kolourpaint (programa de editoração de imagens). Isso será possível? Porquê? Atividade 09 Escreva um texto no Kwrite com o título “carta_para_mamae.txt”. Escreva o seguinte texto: “Mamãe, eu te amo muito! Feliz dia das mães.” Após fazer isso, feche o programa e abra-o. Carregue o arquivo “carta_para_mamae.txt”, e modifique o texto conforme o texto abaixo. “Papai, eu te amo muito! Feliz dia dos pais.” Salve o arquivo sem perder o anterior com o texto de “carta_para_mamãe.txt”. (Você irá criar um novo arquivo, o nome dele pode ser “carta_para_papai.txt”). Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 32
  34. 34. Atividade 10 Eu tenho um arquivo no meu computador com o seguinte nome: “Orivaldo.gif”. No mesmo local onde tenho esse arquivo, também tenho uma pasta que se chama “Orivaldo”. Gostaria de modificar os nomes para não me confundir quando quiser acessá-los. Como faço isso? Existe diferença quando faço isso entre arquivos e pastas? (faça isso no seu computador) Atividade 11 O que é uma mídia removível? Cite alguns exemplos. Atividade 12 Coloque um disquete na sua unidade de disquetes e copie um arquivo pra dentro dele. Depois desse processo, responda as perguntas: a) Qual o procedimento para que você possa retirar o disquete? b) O que poderá acontecer caso você não faça o que foi pedido no primeiro item? c) Como saber quando eu poderei retirar o disquete? Núcleo de Cidadania Digital Apostila Linux Básico 33 Bons Estudos!

×